O Sistema Nacional de Compras Públicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Sistema Nacional de Compras Públicas"

Transcrição

1

2 O Sistema Nacional de Compras Públicas Decreto-Lei n.º 37/2007 de 19 de Fevereiro ( ) As acções a desenvolver enquadram-se em três linhas de actuação: facilitar a vida aos cidadãos e às empresas, melhorar a qualidade do serviço ( ) e tornar a Administração «amiga» da economia, ajustando-a aos recursos financeiros sustentáveis do País e contribuindo para um ambiente favorável ao crescimento. (...) ( ) assente nos seguintes pilares: integração de entidades compradoras por imposição legal e de entidades compradoras de adesão voluntária de base contratual ( ); segregação das funções de contratação e de compras e pagamentos ( ); modelo híbrido de gestão do SNCP, com base numa entidade gestora central articulada com unidades ministeriais de compras (UMC) e entidades compradoras, funcionando em rede. (...) 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 2

3 A Modernização do SNCP Desafios ANCP Criação do Modelo ESPAP Desenvolvimento do Modelo Evolução do Modelo Reforço da Coordenação Criação do Acordo Quadro Plano Nacional Compras Públicas (PNCP) Implementação dos SI Renovação e Alargamento dos Acordo Quadro Processos de aquisição agregados centralmente Qualificação do Comprador Público Renovação e Alargamento dos Acordo Quadro Processos de aquisição agregados e Centralização de Categorias Integração PNCP com OE Modernização dos SI Enquadramento legal DL 37/2007 Regulamento 330/2009 Portarias 772/2008 e 420/2009 e 103/2011 Enquadramento legal DL 117-A / 2012 Enquadramento legal Revisão 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 3

4 10 anos do Sistema Nacional de Compras Públicas em Números 2,7 Mil Milhões euros de Contratos + de combinaçõe s de preço + de Procedimentos eletrónicos de compra + de Entidades Compradoras 260 Milhões de euros de poupanças transacionai s Produtos e serviços 10 Anos 13 UMC + de 620 Entidades Voluntárias 17 Milhões de euros de poupanças processuais 41 Acordos Quadro 5 Sistemas de Informação + de 30 Gestores de Categoria de Compras + de Pedidos de Exceção 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 4

5 O Sistema Nacional de Compras Públicas em Palavras Word Cloud Map com base nas palavras utilizadas para a nova estratégia para o Sistema Nacional de Compras Públicas 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 5

6 Nova Agenda para o Sistema Nacional de Compras Públicas Modelo de Governação Profissionalização e qualificação Sistemas de Informação Monitorização e Avaliação de Resultados Eixos de intervenção para a Eficiência e Eficácia na Contratação Pública Simplificar e automatizar garantindo a transparência dos processos 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 6

7 Nova Agenda Modelo de Governação Centralização Coordenada Trabalho em rede Novos Acordos Quadro Novos Acordos Quadro Novas Centralizações Mais entidades voluntárias Mais produtos e serviços Gestão Estratégica das Compras Estratégias de Compras Diferenciadas Equipas Especializadas Análise do Custo Total Serviço e Qualidade Gestão dos Contratos Integração de entidades Articulação com as entidades normalizadoras, reguladoras e inspetivas Centralização nas UMC Redes de colaboração e de partilha de experiências 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 7

8 Nova Agenda Profissionalização e Qualificação Função Estratégica do Comprador Público Informar Formar Dimensão Económica da Contratação Pública Coordenar Fóruns Operacionais de Compras Equipas multidisciplinares Partilha de melhores práticas Procedimentos agregados Participação em iniciativas de informação e qualificação Participação em projetos internacionais 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 8

9 Nova Agenda Sistemas de Informação Renovar, Integrar e Interagir Integrar a informação Novos Sistemas de Informação Novo Sistema de Informação de Compras Integração Interoperabilidade dos dados Nova Plataforma de Compras Eletrónicas Novo Catálogo Nacional de Compras Públicas Plataforma de Agregação de Necessidades 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 9

10 Nova Agenda Monitorização e Avaliação de Resultados Medir para melhorar Aumento das Poupanças Anuais Planear e Simplificar A despesa transversal mapeada e planeada nos AQ A quase totalidade da despesa em processos agregados Analisar a execução Sistemas de Monitorização Gestão dos Contratos Indicadores de Desempenho Benchmarking Mais Poupanças transacionais e processuais Mais processos centralizados Maior enfase na gestão do custo total do ciclo de vida 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 10

11 O Futuro Como continuar a inovar no Sistema Nacional de Compras Públicas? Envolvendo todos os atores do Sistema O Governo As Entidades Públicas Compradoras vinculadas e voluntárias As Unidades Ministeriais de Compras As Entidades Normalizadoras, Reguladoras e Fiscalizadoras Os Operadores Económicos Reforçando o papel da espap como Mobilizador e Coordenador Desenvolvendo a estratégia Apresentando os resultados Dando a conhecer os casos de sucesso e inovação 2017 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 11

12 Muito Obrigado pelos 10 anos de Partilha e Colaboração! Juntos, partilhamos eficiência

Uma Agenda de Inovação e Eficiência

Uma Agenda de Inovação e Eficiência Uma Agenda de Inovação e Eficiência Proposta de Agenda Nova Competitividade Estado Inteligente Nova Cadeia de Valor O Exemplo das Compras Públicas 2016 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração

Leia mais

Serviços Partilhados para um Estado Inteligente

Serviços Partilhados para um Estado Inteligente Serviços Partilhados para um Estado Inteligente Compras Públicas para um Estado Inteligente 1. O Sistema Nacional de Compras Públicas 1.1 - Enquadramento da ESPAP 1.2 - Resumo da Situação Atual 1.3

Leia mais

Sistema Nacional de Compras Públicas. Desafios para uma economia sustentável

Sistema Nacional de Compras Públicas. Desafios para uma economia sustentável Sistema Nacional de Compras Públicas Desafios para uma economia sustentável 29 setembro de 2017 Sistema Nacional de Compras Públicas desafios para uma economia sustentável César Pestana, Vice-presidente

Leia mais

Eficiência e Inovação num Estado Inteligente espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados.

Eficiência e Inovação num Estado Inteligente espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. Eficiência e Inovação num Estado Inteligente 20154 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 Operação Partilhada para um Estado Inteligente Estado Inteligente

Leia mais

Apuramento de Poupanças no Sistema Nacional de Compras Públicas

Apuramento de Poupanças no Sistema Nacional de Compras Públicas Apuramento de Poupanças no Sistema Nacional de Compras Públicas - 2012 Março de 2013 Índice 1 Introdução... 3 1.1 Contexto... 3 1.2 Evolução do Modelo de Cálculo de Poupanças... 3 2 Cálculo das poupanças...

Leia mais

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 59

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 59 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 59 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 60 - o

Leia mais

Ponto da Situação das Compras Públicas no Contexto da SI. Pedro Felício (ANCP)

Ponto da Situação das Compras Públicas no Contexto da SI. Pedro Felício (ANCP) Conferência Ponto de Situação das Compras Públicas no Contexto da Sociedade de Informação 21 de Maio de 2008 Fundação Calouste Gulbenkian Ponto da Situação das Compras Públicas no Contexto da SI Pedro

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA IV REUNIÃO DOS PONTOS FOCAIS DE GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

DECLARAÇÃO DE LUANDA IV REUNIÃO DOS PONTOS FOCAIS DE GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA DECLARAÇÃO DE LUANDA IV REUNIÃO DOS PONTOS FOCAIS DE GOVERNAÇÃO ELETRÓNICA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Os Pontos Focais da Governação Eletrónica da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Leia mais

2014 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. On Cloud

2014 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. On Cloud 2014 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. On Cloud Cloud Uma nova forma de trabalhar 1 Dimensões estratégicas de intervenção 1.1 1.2 1.3 National cloud

Leia mais

Modelo Estratégico da CCE-AML

Modelo Estratégico da CCE-AML Modelo Estratégico da CCE-AML Compras Públicas Sustentáveis Formação no âmbito dos projectos PRO-EE e SMART-SPP Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) 25 de Fevereiro de 2010 Agenda 1. Diagnóstico

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Juntos partilhamos eficiência 11 de abril de 2013

Juntos partilhamos eficiência 11 de abril de 2013 Juntos partilhamos eficiência 11 de abril de 2013 2012 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 Compras Públicas 2012 espap Entidade de Serviços Partilhados

Leia mais

Com vista à concretização deste desiderato e à prossecução plena das suas atribuições, a SPMS dispõe das seguintes áreas de intervenção:

Com vista à concretização deste desiderato e à prossecução plena das suas atribuições, a SPMS dispõe das seguintes áreas de intervenção: Identificação da Empresa A Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, E.P.E. (SPMS) tem a natureza de pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, dotada de personalidade jurídica, autonomia

Leia mais

Mod O Sistema Nacional de Compras Públicas Balanço, Desafios e Compromissos

Mod O Sistema Nacional de Compras Públicas Balanço, Desafios e Compromissos O Sistema Nacional de Compras Públicas Balanço, Desafios e Compromissos Agenda 1. Balanço da actividade: 2008-2010 2. Os Desafios 3. Compras Públicas o Futuro 2 O propósito estratégico da Agência Nacional

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Mod APURAMENTO DE POUPANÇAS NO SISTEMA NACIONAL DE COMPRAS PÚBLICAS

Mod APURAMENTO DE POUPANÇAS NO SISTEMA NACIONAL DE COMPRAS PÚBLICAS APURAMENTO DE POUPANÇAS NO SISTEMA NACIONAL DE COMPRAS PÚBLICAS - 2011 Identificação do Documento 001 12 DQI Controlo de Versões Versão Autor Aprovado por Data Alteração 01 DQI CA 01-03-2012 02 DQI CA

Leia mais

Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau

Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau Carta de Missão do Dirigente Superior de 2.º Grau Ministério: Ministério da Justiça (MJ) Serviço\Organismo: Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, I.P. (IGFEJ, I.P.) Cargo e Titular:

Leia mais

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa [2015-2020] 4ª Comissão Ambiente e Qualidade de Vida Primeiro Plano Municipal de Resíduos na cidade de Lisboa O Caminho [Lisboa Limpa] Melhorar

Leia mais

Experiência da Gaiurb em Angola

Experiência da Gaiurb em Angola Governação Integrada: um desafio para a Administração Pública Reconversão Urbana e Social 14 Julho 2015 Daniel Couto, arquiteto Presidente Conselho de Administração Pode o trabalho da Gaiurb em Luanda

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde ANO: 2013 Ministério da Saúde NOME DO ORGANISMO - Secretaria-Geral do Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO A Secretaria-Geral do Ministério da Saúde (SGMS) tem por missão assegurar o apoio técnico e

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. A Inspeção-Geral da Defesa Nacional prossegue as seguintes atribuições:

CARTA DE MISSÃO. A Inspeção-Geral da Defesa Nacional prossegue as seguintes atribuições: CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Inspetor-Geral da Inspeção-Geral da Defesa Nacional Cargo: Inspetor-Geral da Inspeção-Geral da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições e competências

Leia mais

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional

Ministério da Defesa Nacional. Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional. Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional CARTA DE MISSÃO Ministério da Defesa Nacional Secretaria-Geral do Ministério da Defesa Nacional Cargo e Titular: Secretário-geral do Ministério da Defesa Nacional 1. Missão do organismo As atribuições

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO: Contribuir para ganhos em saúde pública através de actividades de investigação e desenvolvimento tecnológico, actividade laboratorial de referência, observação da saúde e vigilância epidemiológica,

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

CONTRATOS PÚBLICOS CONTRATOS: TRANSPARÊNCIA E PRINCÍPIOS. O CASO DO PORTAL DOS CONTRATOS PÚBLICOS PORTUGUÊS: BASE.GOV.PT.

CONTRATOS PÚBLICOS CONTRATOS: TRANSPARÊNCIA E PRINCÍPIOS. O CASO DO PORTAL DOS CONTRATOS PÚBLICOS PORTUGUÊS: BASE.GOV.PT. 1 CONTRATOS PÚBLICOS CONTRATOS: TRANSPARÊNCIA E PRINCÍPIOS. O CASO DO PORTAL DOS CONTRATOS PÚBLICOS PORTUGUÊS: BASE.GOV.PT CAPSI 2013, Évora Agenda 2 Sobre o Portal BASE Portal BASE v1 Portal BASE v2 O

Leia mais

As Novas Diretivas da UE e a Contratação Pública em Portugal

As Novas Diretivas da UE e a Contratação Pública em Portugal As Novas Diretivas da UE e a Contratação Pública em Portugal Luis Valadares Tavares Professor Catedrático Emérito IST, U.Lisboa - Sistemas e Gestão Presidente do Observatório de Tecnologia (OPET) Presidente

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2013 Versão: Ministério da Economia e do Emprego Entidade: INAC - Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. MISSÃO: Promover o desenvolvimento seguro, eficiente

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA AUTOAVALIAÇÃO E DAS AÇÕES DE MELHORIA Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação 5 e 13 de fevereiro de 2013 Powerpoint Templates APRESENTAÇÃO Powerpoint

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL(SIR)

CICLO DE CONFERÊNCIAS SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL(SIR) CICLO DE CONFERÊNCIAS SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL(SIR) Lisboa, 10 dezembro 2015 PROGRAMA 1. Atribuições e competências do IAPMEI - Âmbito Sistema da Indústria Responsável (SIR) 2. Licenciamento Industrial

Leia mais

Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças

Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças Apresentação do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas da Inspecção-Geral de Finanças Seminário A Prevenção dos Riscos de Corrupção 1. A prevenção da corrupção A prevenção do fenómeno

Leia mais

Apuramento de Poupanças. Sistema Nacional de Compras Públicas 2013

Apuramento de Poupanças. Sistema Nacional de Compras Públicas 2013 abril de 2014 Controlo de Versões Histórico de Alterações Versão Data Descrição Autor 1 28-03-2014 Criação do documento base Elisabete Marcelino 2 30-04-2014 Alterações solicitadas pelas entidades agregadoras

Leia mais

Os avanços do código de defesa do consumidor nos 25 anos. Março/2016. Kleber José Trinta Moreira e Lopes Coordenador-Geral

Os avanços do código de defesa do consumidor nos 25 anos. Março/2016. Kleber José Trinta Moreira e Lopes Coordenador-Geral Os avanços do código de defesa do consumidor nos 25 anos Março/2016 Kleber José Trinta Moreira e Lopes Coordenador-Geral Quem somos Secretaria Nacional do Consumidor - Senacon Ligada ao Ministério da Justiça

Leia mais

eficiência energética estratégia iniciativa inovação mat

eficiência energética estratégia iniciativa inovação mat ambiente competência competitividade construção s eficiência energética estratégia iniciativa inovação sinergias sustentabilidade tecnologias transformação sustentável desenvolvimento diferenciação dinamism

Leia mais

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário

O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário -Sumário O Fluxo dos Óleos Usados enquadramento nacional e comunitário 1.ª Convenção SOGILUB Porque o Óleo tem mais Vidas Enquadramento legal Comunitário nacional Mário Grácio 9 de Novembro de 2010 O sector

Leia mais

1.Historial 2.Situação Actual 3.Projecto Kitembú Digital 4.Realizações 5.Dificuldades e desafios 6.Prioridades. Conteúdo

1.Historial 2.Situação Actual 3.Projecto Kitembú Digital 4.Realizações 5.Dificuldades e desafios 6.Prioridades. Conteúdo Olinto Daio 1.Historial 2.Situação Actual 3.Projecto Kitembú Digital 4.Realizações 5.Dificuldades e desafios 6.Prioridades Conteúdo Em 2002: Historial - Comité de Governação Electrónica e Gestão de Conhecimento.

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal Estratégia de Governança Digital do Governo Federal Histórico da Governança Digital 2000 Comitê Executivo de Governo Eletrônico 2005 eping: padrões de interoperabilidade 2010 Estratégia Geral de TI (EGTIC)

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

PROGRAMA SIMPLEX + MEDIDAS CAMÕES TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DO CAMÕES I.P.

PROGRAMA SIMPLEX + MEDIDAS CAMÕES TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DO CAMÕES I.P. PROGRAMA SIMPLEX + MEDIDAS CAMÕES TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DO CAMÕES I.P. PROGRAMA SIMPLEX + COMO OPORTUNIDADE DE MODERNIZAR O CAMÕES I.P. 1. Aproveitando o Programa Simplex + como um acelerador das medidas

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO - Regular e supervisionar os sectores dos medicamentos e produtos de saúde, segundo os mais elevados padrões de protecção da saúde pública e garantir o acesso dos profissionais de saúde

Leia mais

ANEXO C. Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social

ANEXO C. Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social ANEXO C Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social Guia Rápido dos Fundamentos da Rede Social O trabalho em parceria é um conceito que só se materializa e operacionaliza quando as pessoas e entidades se

Leia mais

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008

Estratégia e Marketing. EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 Estratégia e Marketing EGI ISEC Denise Lila Lisboa Gil Abril 2008 A Estrutura Organizacional é o que vai servir como ponte de ligação entre a Formulação e a Implementação da Estratégia para que a empresa

Leia mais

QUAR 40% 75% INDICADORES. CLASSIFICAÇÃO Ind 1 Número de acordos EA subscritos meta 2012 Tolerância

QUAR 40% 75% INDICADORES. CLASSIFICAÇÃO Ind 1 Número de acordos EA subscritos meta 2012 Tolerância QUAR ANO:2012 Ministério da Economia e do Emprego INSTITUTO PORTUGUÊS DE ACREDITAÇÃO, I.P. (IPAC) MISSÃO: Prestar serviços de acreditação, nos termos previstos no Regulamento (CE) 765/2008. VISÃO: Ser

Leia mais

Compras Públicas Centralizadas Acordos Quadro

Compras Públicas Centralizadas Acordos Quadro Compras Públicas Centralizadas Acordos Quadro AESE, 4 de dezembro de 2014 Artur Trindade Mimoso Vogal Executivo do Conselho de Administração Ideia das compras públicas Plataforma eletrónica de contratação

Leia mais

Orientações relativas à Interoperabilidade no contexto da prestação de serviços públicos. O alinhamento com a EIF

Orientações relativas à Interoperabilidade no contexto da prestação de serviços públicos. O alinhamento com a EIF Encontro Nacional de Infraestruturas de Informação Geográfica Auditório da Direção Nacional da Polícia Judiciária 8 e 9 de novembro de 2016 Orientações relativas à Interoperabilidade no contexto da prestação

Leia mais

LEO: oportunidade para melhorar o processo orçamental e as contas públicas

LEO: oportunidade para melhorar o processo orçamental e as contas públicas LEO: oportunidade para melhorar o processo orçamental e as contas públicas Conferência sobre a Nova LEO Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa 10 novembro 2015 LEO: oportunidade para

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Orçamento do Estado 2016

Orçamento do Estado 2016 Orçamento do Estado 2016 Programa Orçamental da Saúde 25 de fevereiro de 2016 1 1. Orçamento do Estado 2016 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2016 RESPONSÁVEL CONSTITUCIONAL VALORIZA OS PROFISSIONAIS PROMOVE A EQUIDADE

Leia mais

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2016 do Conselho de Administração, realizada a 29\ de dezembro

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2016 do Conselho de Administração, realizada a 29\ de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA Serviço de Auditoria Interna Aprovado na reunião n.º 54/2016 do Conselho de Administração, realizada a 29\ de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA Introdução O presente Plano

Leia mais

2016 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. na Administração Pública

2016 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. na Administração Pública 2016 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. na Administração Pública Agenda Abordagem Geral Histórico Evolução e taxa de Adoção Endereçamento IPv6 Porquê

Leia mais

Certificação SAP ACCoE - Advanced Customer Center of Expertise

Certificação SAP ACCoE - Advanced Customer Center of Expertise Certificação SAP ACCoE - Advanced Customer Center of Expertise setembro, 2017 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. Em abril de 2015 a SAP lançou

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais. Aviso - ALG Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Aviso - ALG-36-2010-01 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Prevenção e Gestão

Leia mais

PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P.

PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P. PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P. Acelerador da Inovação dos Serviços 1 ESTRATÉGIA Modernização administrativa transversal às áreas de atuação do Camões, I.P. 2 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO TECNOLÓGICA NA SAÚDE EM PORTUGAL - QUADRATURA DO CÍRCULO NO SNS

A TRANSFORMAÇÃO TECNOLÓGICA NA SAÚDE EM PORTUGAL - QUADRATURA DO CÍRCULO NO SNS A TRANSFORMAÇÃO TECNOLÓGICA NA SAÚDE EM PORTUGAL - QUADRATURA DO CÍRCULO NO SNS Moderador: Prof. Dr. Álvaro Rocha Dr. Ponciano Oliveira ARS Norte, IP Dr. Lúcio Meneses de Almeida ARS Centro, IP Dr. Cunha

Leia mais

Catálogo Nacional de Qualificações

Catálogo Nacional de Qualificações Catálogo Nacional de Qualificações Sessão de Apresentação...Para uma oferta relevante e certificada 18 de Junho de 2007 INDICE 1. O Catálogo: enquadramento e objectivos 2. O Catálogo hoje 3. O Catálogo

Leia mais

Instruções para a submissão das candidaturas da 1.ª fase do Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública 170 veículos elétricos

Instruções para a submissão das candidaturas da 1.ª fase do Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública 170 veículos elétricos Instruções para a submissão das candidaturas da 1.ª fase do Programa de Apoio à Mobilidade Elétrica na Administração Pública 170 veículos elétricos Índice 1. Âmbito... 3 2. Contrato de adesão... 3 3. Acesso

Leia mais

Discurso de Sua Exa. o Secretário de Estado do Tesouro e Finanças. 2ª Convenção Nacional de Compras Públicas. Centro de Congressos de Lisboa

Discurso de Sua Exa. o Secretário de Estado do Tesouro e Finanças. 2ª Convenção Nacional de Compras Públicas. Centro de Congressos de Lisboa Discurso de Sua Exa. o Secretário de Estado do Tesouro e Finanças 2ª Convenção Nacional de Compras Públicas Centro de Congressos de Lisboa 15 de Março de 2011 Senhor Presidente da Agência Nacional de Compras

Leia mais

Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social

Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social Nota de Apresentação Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social (Referencial) O presente documento constitui uma proposta de referencial do processo de monitorização

Leia mais

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I Modelo de Governação do Fundo para a Modernização da Justiça ENQUADRAMENTO O Fundo para a Modernização da Justiça (FMJ) foi criado pelo artigo 167.º da Lei n.º 55/2010, de

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Lisboa, 25 Março 2010 Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas Balanço e Resultados 3. Compras Públicas Electrónicas

Leia mais

Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa

Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa Política de Governança Digital Brasileira: em pauta a participação social e a transparência ativa Pós-doutorado em Semiótica Cognitiva e Novas Mídias pela Maison de Sciences de l Homme, Professora Titular

Leia mais

Sistema Nacional de Compras Públicas e Centrais de compras

Sistema Nacional de Compras Públicas e Centrais de compras 17 de Novembro de 2008 Sistema Nacional de Compras Públicas e Centrais de compras Gisela Xavier Martins Gisela.martins@mirandalawfirm.com SNCP e ANCP Decreto-Lei n.º 37/2007, de 19 de Fevereiro O Sistema

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul

Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Modelo de Desenvolvimento, Quadro de Monitorização e Economia Azul Meios de Financiamento Nacionais e Europeus e Integração das Políticas de Desenvolvimento Par$lha de Informação A promoção de um ambiente

Leia mais

A centralização de compras no sector da Saúde

A centralização de compras no sector da Saúde A centralização de compras no sector da Saúde Joaquina Matos Centro de Congressos de Lisboa, 1 Julho 2009 Quem Somos Quem Somos? O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem

Leia mais

Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro

Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro V Fórum Nacional de Cooperativismo Médico Visão da ANS e o Sistema Unimed: perspectivas para o futuro Brasília,26 junho de 2012 Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência reguladora do Governo Federal,

Leia mais

ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS

ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS Green Business Week Lisboa, 15-17 março 2017 Paula Pinho Head of Unit Energy Policy Coordination European Commission DG ENERGY OPORTUNIDADE O SISTEMA ENERGÉTICO DO

Leia mais

Consulta Pública 1/2015

Consulta Pública 1/2015 Consulta Pública 1/2015 Acordo-Quadro para o fornecimento de energia elétrica em regime de mercado livre para Portugal Continental abril 2015 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração

Leia mais

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra INICIATIVA MATÉRIAS PRIMAS: RUMO AO FORNECIMENTO SEGURO E À GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS MINERAIS EUROPEUS 23 de Fevereiro de 2010 Raw Materials Initiative: towards to mineral resources secure supply

Leia mais

Política de Coesão da União Europeia: Processos de negociação e programação

Política de Coesão da União Europeia: Processos de negociação e programação Política de Coesão da União Europeia: Processos de negociação e programação Duarte Rodrigues Vice presidente da Agência para o Desenvolvimento e Coesão ISCTE, 21 de abril de 2017 Tópicos: 1. A evolução

Leia mais

Atestado médico para a Carta de Condução Formação

Atestado médico para a Carta de Condução Formação Atestado médico para a Carta de Condução Formação Agenda Enquadramento Âmbito do Projeto Modelo Funcional Processo Visão Macro Apresentação do módulo ACC do SClínico Estado AFM/AM Notificações Mensagens

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

REGULAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO / VIGILÂNCIA

REGULAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO / VIGILÂNCIA vitormartins@dgs.pt REGULAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO / VIGILÂNCIA 22 NOVEMBRO PAULO DIEGUES Direcção-Geral da Saúde diegues@dgs.pt VÍTOR MARTINS Direcção-Geral da Saúde Regulamentar para

Leia mais

- Manual do Utilizador - Relatórios de Contratação no SRVI

- Manual do Utilizador - Relatórios de Contratação no SRVI Março de 2016 Índice 1 Enquadramento... 3 2 Credenciação no SAC... 5 3 Relatório de Contratação (RC)... 7 3.1 Preencher e submeter um RC na PECP... 7 3.2 Criar um RC diretamente no SRVI... 7 3.3 Consultar

Leia mais

PLANO TRIENAL 2008/2010

PLANO TRIENAL 2008/2010 Tribunal de Contas PLANO TRIENAL 2008/2010 (EXTRACTO) Departamento de Consultadoria e Planeamento LISBOA / 2007 ÍNDICE 1 Missão do Tribunal de Contas... 3 2. Valores... 3 3. Visão... 3 4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

e Avaliação de Desempenho com SAS/SPM

e Avaliação de Desempenho com SAS/SPM Complementaridade e Integração da Gestão e Avaliação de Desempenho com SAS/SPM 28 de Outubro Centro de Congressos de Lisboa Eng. Rui Marques (INA), Dra. Sara Araújo (Maternidade Júlio Dinis) 1 Agenda 1

Leia mais

Copyright Câmara Municipal de Cascais. cascais.pt

Copyright Câmara Municipal de Cascais. cascais.pt Copyright Câmara Municipal de Cascais cascais.pt A NOSSA MISSÃO Fazer com que Cascais seja o melhor local para viver um dia, uma semana ou uma vida inteira! Através da inovação nas políticas públicas e

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE Museu do Douro PESO DA RÉGUA, 6 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico GRANDES

Leia mais

- Manual do Utilizador - Automatização dos Pedidos de Exceção

- Manual do Utilizador - Automatização dos Pedidos de Exceção Julho de 2015 Índice 1 Enquadramento... 3 2 Credenciação no SAC... 4 3 Pedido de... 5 3.1 Consultar Pedidos de... 5 3.2 Solicitar Pedido de... 7 3.3 Gravar Pedido de... 13 3.4 Submeter o Pedido de à espap...

Leia mais

Projeto Solidariedade Ativa

Projeto Solidariedade Ativa Projeto Solidariedade Ativa Coordenador: Paulo Fernando Correia Lopes 2014/2015 1 Caracterização do Projeto O projeto dinamizado pelo Clube de Solidariedade Ativa tem por base o objetivo estratégico 2

Leia mais

A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da

A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da A implementação do Balanced Scorecard como ferramenta prática para o controlo estratégico com integração dos indicadores para regulação O caso da INOVA-EM-SA A implementação do Balanced Scorecard como

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA E ADMINISTRATIVA DO AGRUPAMENTO 1 Estrutura e Organização Pedagógica e Administrativa 1. Órgão de Administração e Gestão 2. Organização Pedagógica 3. Organização Administrativa

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário 4 Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL Centro-VQA-2009-13-BM-13 1 Nos termos do Regulamento Específico Acções

Leia mais

DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017

DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017 DECRETO Nº 9.149, DE 28 DE AGOSTO DE 2017 Cria o Programa Nacional de Voluntariado, institui o Prêmio Nacional do Voluntariado e altera o Decreto nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006, que institui a Política

Leia mais

A economia digital e o comércio electrónico

A economia digital e o comércio electrónico A economia digital e o comércio electrónico As compras públicas electrónicas como alavanca para o comércio electrónico 30.03.2004 www.umic.gov.pt Agenda Uma visão para as compras públicas Ponto de situação

Leia mais

Plataforma bäse Apresentação outubro/2016

Plataforma bäse Apresentação outubro/2016 Plataforma bäse Apresentação outubro/2016 Missão Definir e propor as políticas e estratégias de tecnologias de informação e comunicação, garantindo o planeamento, conceção, execução e avaliação das iniciativas

Leia mais

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO

CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO CARTA de MISSÃO 1. MISSÃO Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo criou a estrutura de missão designada por Estrutura de Gestão do Instrumento Financeiro

Leia mais

SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO DA RIS3 DO CENTRO. Carla Coimbra 14 julho 2017

SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO DA RIS3 DO CENTRO. Carla Coimbra 14 julho 2017 SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO DA RIS3 DO CENTRO Carla Coimbra 14 julho 2017 O que é a RIS3? Um processo que permite identificar, em cada região, as áreas prioritárias para atribuição de fundos comunitários

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO. Tendências & Agenda Internacional

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO. Tendências & Agenda Internacional LABORATÓRIO ESTRATÉGICO DE TURISMO Tendências & Agenda Internacional PORTO, 13 de outubro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA PLANO DE MELHORIA Cuba Julho de 2012 1- Introdução A avaliação é um procedimento que permite à organização que o implementa modelar a sua identidade, analisar os pontos fortes

Leia mais

AS NOVAS DIRETIVAS EUROPEIAS

AS NOVAS DIRETIVAS EUROPEIAS SEMINÁRIO "Obras Subterrâneas Complexas, Riscos Contratuais e CCP: como conviver?" AS NOVAS DIRETIVAS EUROPEIAS Apontamentos para o Futuro da Contratação Pública em Portugal Fernando Silva Lisboa 02 de

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO CUIDADOS DE SAÚDE TRANSFRONTEIRIÇOS Direção Geral da Saúde Julho de 2012 Áreas de intervenção ASSISTÊNCIA MÉDICA ESPECIALIZADA

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO Ministério da Economia IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. MISSÃO: Promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

A Nova Visão Financeira do Estado. Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas

A Nova Visão Financeira do Estado. Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas A Nova Visão Financeira do Estado Conferência Serviços Partilhados e Compras Públicas A Nova Visão Financeira do Estado AGENDA 1. Enquadramento 2. Perspetiva sobre a situação atual 3. Elementos da nova

Leia mais

Desempregado ou Inactivo? Empreende!

Desempregado ou Inactivo? Empreende! Desempregado ou Inactivo? Empreende! Apoios à criação do próprio emprego ou empresa António Realinho Vice-Presidente da ADRACES ENQUADRAMENTO A ADRACES é a Entidade Gestora do Grupo de Acção Local - GAL

Leia mais

PROJETO U-BIKE PORTUGAL

PROJETO U-BIKE PORTUGAL PROJETO U-BIKE PORTUGAL Lisboa Auditório do IRHU 28 de janeiro 2016 PROJETO U-BIKE PORTUGAL Auditório do IRHU 28 jan 2016 1. Enquadramento 2. Objetivos 3. Regulamento Geral do Projeto 4. Protocolo IMT

Leia mais

UMA VISÃO SOBRE AUDITORIA INTERNA

UMA VISÃO SOBRE AUDITORIA INTERNA III FÓRUM DOS AUDITORES INTERNOS DA SAÚDE UMA VISÃO SOBRE AUDITORIA INTERNA Entre Douro e Vouga, EPE Rita Moutinho Vogal Executivo Lisboa, 28 de Maio de 2015 2 AGENDA Introdução A Auditoria Interna nos

Leia mais

Recomendações para Politicas Públicas de Compras Sustentáveis. Ana Paula Duarte LNEG

Recomendações para Politicas Públicas de Compras Sustentáveis. Ana Paula Duarte LNEG Recomendações para Politicas Públicas de Compras Sustentáveis Ana Paula Duarte LNEG Recomendações para Políticas Públicas de Compras Sustentáveis No âmbito do projeto Building SPP foi previsto a elaboração

Leia mais

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009 Duarte Rodrigues Coordenador adjunto do Observatório do QREN Sintra, 21 de Setembro 2009 O desafio da cooperação institucional As respostas Clusterização (EEC) Os factores críticos de sucesso Parcerias

Leia mais