REFLEXÕES E DIÁLOGOS SOBRE PRÁTICA INVESTIGATIVA NO GRUPO DE PESQUISA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E INFÂNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFLEXÕES E DIÁLOGOS SOBRE PRÁTICA INVESTIGATIVA NO GRUPO DE PESQUISA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E INFÂNCIA"

Transcrição

1 REFLEXÕES E DIÁLOGOS SOBRE PRÁTICA INVESTIGATIVA NO GRUPO DE PESQUISA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E INFÂNCIA SCHAPPER, Ilka 1 UFJF MACÁRIO, Alice de Paiva 2 - UFJF Considerações Iniciais Este texto procura refletir sobre a prática investigativa com os participantes de um grupo de pesquisa e as 22 coordenadoras das 22 creches públicas do município de Juiz de Fora- MG. Esse trabalho está inserido no Grupo de Pesquisa Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância- LEFoPI/CNPQ 3, da Faculdade de Educação, da Universidade Federal de Juiz de Fora. O grupo é constituído por professores- doutores da própria faculdade, doutorandas, mestres, mestrandas, bolsistas e profissionais externos ligados a Educação Infantil e aos anos iniciais do Ensino Fundamental. O GP LEFoPI tem investigado, desde 2005, a formação dos profissionais (educadoras e coordenadoras pedagógicas 4 ) que trabalham nas creches públicas, por meio de ações formativas que visam refletir de maneira crítica questões relativas ao cotidiano das práticas educativas na creche. 1 Doutora em Linguistica Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e possui Pedagogia e Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Professora adjunta da Universidade Federal de Juiz de Fora. Professora do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora e pesquisadora associada ao diretório dos grupos de pesquisa do Brasil (CNPq). Coordenadora e pesquisadora do grupo de pesquisa Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância LEFoPI. 2 Graduanda do 8º período de Pedagogia, da Faculdade de Educação, da Universidade Federal de Juiz de Fora. Bolsista de Iniciação Científica (BIC/UFJF) e pesquisadora do grupo de pesquisa Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância LEFoPI. 3 O GP LEFoPI está dividido em três eixos distintos: ARFoRPE (argumentação, formação de professores e educação), coordenado pela professora Doutora Ilka Schapper; GRUPAI (Grupai- grupo de estudos dos ambientes da infância coordenado pela professora Dra Ana Rosa Moreira Picanço e LIPE (Linguagens, interações, pesquisa e extensão), coordenado pela professora Doutora Núbia Schaper Santos, do qual faço parte. 4 Referi-me ao gênero feminino porque não existem pessoas do sexo masculino atuando na função de coordenador ou educador nas creches públicas do município.

2 Atualmente são realizados quatro encontros anuais, no qual as coordenadoras trazem as demandas e problemáticas oriundas de suas vivências na creche. A partir delas são organizados momentos de diálogo e discussão, nos quais buscamos refletir criticamente sobre as ações, práticas e concepções de todos envolvidos na pesquisa. Seguimos a perspectiva sócio- histórica- cultural, tecendo interlocuções, principalmente, com Vigotski e Bakhtin, tendo como pressuposto que os sujeitos se formam nas interações com o Outro, portanto no interior das relações sociais (PINO, 2005). No primeiro momento, apresentaremos a relação do GP LEFoPI com a metodologia crítica de colaboração. No segundo momento, abordaremos os espaços de pesquisa e a o instrumento de pesquisa utilizado pelo grupo, que são as sessões reflexivas. No terceiro ponto, focaremos como que esse trabalho reverbera nas práticas educativas das creches e apresentaremos algumas considerações sobre o trabalho realizado e os impactos dessa pesquisa no trabalho com as crianças e suas infâncias. A Pesquisa Crítica de Colaboração- PCCol O grupo de pesquisa LEFoPI adota como metodologia a Pesquisa Crítica de Colaboração- PCCol(Magalhães, 2004), por acreditar que o movimento dialético- discursivo da pesquisa possibilita um duplo percurso que são indissociáveis: Transformação dos envolvidos na pesquisa (1) e, por conseguinte, a transformação dos espaços educativos (2). A PCCol tem como meta segundo Magalhães(2010) organizar pesquisas apoiadas em uma práxis crítica como atividade transformadora e criativa, em que as relações entre teoria e prática são entendidas dialeticamente, em sua autonomia e dependência mútua, isto é, práxis. (p.28) Não podendo ser compreendidas separadamente, mas sim, em um intenso processo de diálogo e negociação, buscando novas possibilidades de se pensar/transformar determinada situação. A formação crítica reflexiva se dá um movimento contínuo, no qual os sujeitos envolvidos se colocam, concordando ou discordando, defendendo suas posições e concepções. Sendo essa reflexão contextualizada, valorizando as experiências vivenciadas pelos participantes da pesquisa, buscando a melhoria do trabalho e do serviço oferecido pela creche às crianças pequenas e também na qualidade da formação inicial dada aos alunos do Curso de Pedagogia.

3 Assim, as pesquisas do GP LEFoPI possibilitam um (dês)construir e um (re) construir da prática educativa, a partir das discussões teóricas/práticas tecidas entre os sujeitos envolvidos na pesquisa, constituindo assim, novos sentidos e significados para os participantes. Como aponta Magalhães (2010), Entender o padrão da negociação significa mapear como os participantes, escutam uns aos outros, retomam as falas uns dos outros para concordar ou discordar, partilhar pensamentos, ideias, conflitos, compreensões, inserir novos temas, pedir esclarecimento, completar, aprofundar o que já foi dito, permanecer em silêncio. (p.29) Nesse processo, cada participante é ativo e resposivo no processo de colaboração, assumindo como nos diz Bakhtin (1992), a responsividade, ou seja, uma resposta responsável e comprometida com o outro, contribuindo mutuamente com suas experiências e estudos. Micarello(2010) corrobora afirmando que colaboração significa trabalhar na mesma obra.(p.96). Isso implica assumir a responsabilidade e o compromisso com a pesquisa na construção de práticas educativas de qualidade e que promovam o desenvolvimento infantil. Nesta perspectiva, buscamos romper com a dicotomia teoria- prática, possibilitando aos envolvidos tecer relações entre as mesmas, (re)construindo suas práticas educativas, por meio da reflexão crítica de suas ações e concepções acerca das crianças pequenas. A pesquisa no LEFoPI e seus instrumentos O GP LEFoPI concebe a sessão reflexiva como um elemento mediador entre a teoria e a prática, oferecendo a possibilidade de transformação da prática educativa a partir das reflexões teóricas tecidas nas sessões. Esse instrumento de pesquisa é percebido como momento no qual as coordenadoras e pesquisadoras repensam e refletem criticamente sobre sua própria prática, trazendo elementos da realidade vivida. Por meio de um olhar exotópico (BAKHTIN,1992), podemos contribuir para a formação profissional e pessoal dos envolvidos na investigação. Além disso, a pesquisa possibilita ter um olhar exotópico, como aponta Mello (2011), a exotopia é colocarse de fora, é ação humana que, por meio da atividade estética, desloca-se do eu sou inexorável da realidade existencial e no intervalo que possibilita ver-se no duplo, pergunta-se, esse sou eu? (p.292). Como reafirma Freitas(2003),

4 Mais que participante esta observação é caracterizada pela dimensão alteritária: o pesquisador ao participar do evento observado constituise parte dele, mas ao mesmo tempo mantém uma posição exotópica que lhe possibilita o encontro com o outro. (p.32) Neste movimento alteritário é possível perceber o papel exercido pelo outro no contexto da pesquisa. Sendo esse outro sujeito que fala e produz texto, tanto quanto o pesquisador que o estuda (Souza e Albuquerque, 2012). Assim, é no caminho da alteridade que se encontra a busca pela produção e reconstrução do conhecimento. Dessa forma, tal produção se dá a partir da interação dialógica entre pesquisador e pesquisado e das múltiplas vozes presentes no processo de pesquisa, em um movimento de alteridade mútua, no qual todos os envolvidos negociam modos como cada um define, por assim dizer, suas experiências na busca de dar sentido à vida (p.116). Nesse caso, segundo as mesmas, passando por um processo de estranhamento e pertencimento. Acreditamos que a categoria ZDP (zona de desenvolvimento proximal), desenvolvida por Vigostski (2007), pode ser encontrada no interior das sessões, já que coordenadoras e pesquisadoras buscam tecer discussões teóricas-práticas que desencadeiam a construção de pontes entre a teoria e a prática, despertando aprendizados que não seriam possíveis sem a ajuda do Outro. Vale ressaltar que concebemos ZDP como uma zona instável, de conflito, no qual o indivíduo se desestabiliza para então, produzir conhecimentos. Como afirma Schapper (2010), o desenvolvimento e aprendizado dos participantes se concretizam em ZPDs em que o status de mais experiente não está fixado em um participante, mas no processo coletivo de produção do conhecimento mediado pela linguagem (p.42). Para Vigostski, o aprendizado desperta vários processos internos de desenvolvimento que são capazes de operar somente nas interações com o Outro. Dessas relações emergem o conceito de mediação que como nos diz Pino (1991) é toda a intervenção de um terceiro elemento que possibilita a interação entre os termos de uma relação.(p.32). O mediador da sessão assume assim, o papel de instaurador de questões, problematizando as discussões, orientando e auxiliando na condução da sessão. As sessões são organizadas de acordo com as quatro ações apontadas por Smyth, descritas por Magalhães (2004): descrever, informar, confrontar e reconstruir, que visam

5 desencadear a reflexão crítica. Essas ações não são lineares, podendo aparecer em ordens diversas e até concomitantemente. De acordo com ela, descrever é compreendido como a palavra, a voz do ator sobre sua própria ação, conhecer suas ações; (...) informar envolve uma busca dos princípios que embasam (conscientemente ou não) as ações; (...) o confrontar estaria ligado ao fato de o praticante submeter as teorias formais que embasam suas ações, assim como suas ações, a um questionamento que busca compreender os valores que servem de base para o seu agir e pensar; (...) reconstruir está voltado a uma concepção de emancipação através do entendimento que as práticas acadêmicas não são imutáveis e que o poder de contestação precisa ser exercido. (p. 72). Como forma de registro adotamos a gravação em vídeo, as notas de campo feitas pelos pesquisadores e posteriormente as transcrições das sessões reflexivas. Esses registros são arquivados no banco de dados do grupo, para posterior análise, por parte dos pesquisadores do grupo. Diálogos e impactos da prática investigativa Percebemos que nas sessões há a produção de um conhecimento coletivo, mas há também o que Vigotski (2007) chama de internalização, processo em que o sujeito internaliza algo, de forma subjetiva e individual. Apesar da produção coletiva do conhecimento nas sessões, cada participante transforma e é transformado pelas suas próprias experiências de reflexão e ação nas práticas educativas. Nas sessões coordenadoras e pesquisadoras expõem não só suas concepções, mas suas formas de pensar e ver o mundo, sendo, portanto sujeitos de contexto, inseridos em momento histórico e social, refletindo sobre suas práticas e ações cotidianas nas vivências da creche. Nas discussões e problematizações, reafirmam ou modificam seus pensamentos e ações, passando por um processo duplo de transformação, na qual (re) pensam e transformam suas concepções, para então, transformar suas práticas educativas. Dessa forma, buscamos nas sessões e nas análises realizadas preservar as vozes de todos os envolvidos na pesquisas: coordenadoras, pesquisadores e mediador a fim de firmar um movimento dialógico na pesquisa e no trabalho realizado. Nesse processo, os envolvidos podem trocar não só experiências, mas discutirem criticamente sobre suas atitudes, modos de pensar e agir diante de situações, bem como

6 refletirem sobre o que embasam suas práticas, como pode ser observado no fragmento da transcrição abaixo: 1ºexcerto: Coordenadora 1: Em teorias, em... Na própria prática mesmo, acho que na teoria que a gente tá sempre estudando, sempre vendo em relação aos conflitos, e a própria prática do dia-a-dia né, as atitudes que você tem que tem frente às situações, então você vai conduzindo da melhor maneira, então a teoria e a própria prática. Conciliando essa teoria com a própria prática. Coordenadora 2: Acho que na questão especifica do choro, mais a prática mesmo entendeu, a teoria pouco, porque como você falou não tem tanta voltada pra questão do choro, então é mais o que a gente vai aprendendo na prática mesmo, do dia-a-dia. Mediadora da sessão: Não tem sobre o choro, mas tem sobre o desenvolvimento, sobre a linguagem, aprendizagem... Coordenadora 1: As emoções... Mediadora da sessão: Emoções... Você entendeu? Quando você trás essa idéia, realmente sobre o choro não temos, nós estamos construindo esse caminho, mas a gente tem uma concepção de homem, de mundo, que tá embasando ali o nosso agir nesse mundo, como é que é isso? O que que nos move? O que que faz com que a gente haja com o ser humano de uma forma e não de outra? Ou seja, quais são os princípios que estão sendo embasados aí? Vocês teriam condições de falar sobre isso? Tabela 1 Excerto da transcrição da sessão reflexiva do dia 18 de maio de p.14. Fonte: Dados da pesquisa realizada, organizados pelos autores. Este fragmento apresenta o diálogo entre três participantes da pesquisa, recortado das transcrições de uma das sessões reflexivas. É possível observar no mesmo o confronto entre a coordenadora e a mediadora, que visa desencadear a reflexão crítica entre os participantes, de modo que todos possam se envolver e participar do movimento reflexivo. É possível notar, também, o papel relevante do mediador da sessão, que busca colaborar para que a reflexão não seja somente uma reflexão prática como aponta Liberali (2012), mas uma reflexão verdadeiramente crítica sobre o que embasa nossas práticas e ações nas práticas educativas. Pois, somente assim, é possível construir uma reflexão transformadora capaz de contribuir e modificar a realidade vivida. Outro ponto relevante é a fala de uma das coordenadoras sobre como ela concebe essa relação teoria- prática e sua relevância. Uma não nega a outra, mas há uma contribuição mútua. Essa relação, para o GP LEFoPI, só pode ser construída a partir da reflexão crítica e emancipatória dos envolvidos na pesquisa. Como aponta Liberali (2012, p.35),

7 Nesse sentido, refletir seria uma possibilidade de emancipação, uma vez que não haveria uma simples sujeição às teorias formais, mas um entrelaçamento entre prática e teoria, confrontação coma realidade e valores éticos para a realidade e valores éticos para a possibilidade de uma emancipação pela chance de transformação informada da ação. 2º excerto: Coordenadora: E eu lembro, eu coloco a importância desse grupo sobre o choro porque é uma coisa que constantemente eu penso, e eu acho que aquilo que está constantemente com a gente, que a gente usa no dia-a-dia é porque fez efeito, porque se fosse indiferente né, se não tivesse acrescentado nada, seria indiferente. Então assim, eu constantemente, por várias vezes dentro da rotina eu sempre me lembro de muitas das coisas que nós fizemos nas sessões reflexivas aqui, com relação ao choro, porque é muito comum isso dentro da unidade, principalmente esse momento que a gente vive né, que é o processo de acolhida dessas crianças. A inserção da criança, da criança que ta chegando agora, então ele é mais notável, mais marcante, que aconteça repetidamente, mas é comum, criança chora mesmo né, como a gente colocou, é uma forma de linguagem dele né. E muito mais comum, mais notável nesse período mesmo de acolhida dessa criança. Tabela 2 Excerto da transcrição da sessão reflexiva do dia 18 de maio de p.11. Fonte: Dados da pesquisa realizada, organizados pelos autores. Este excerto foi recortado de uma das sessões de 2011, na qual as participantes dialogavam sobre as contribuições da pesquisa no contexto da creche. A coordenadora ressaltou a importância das discussões feitas sobre o choro. Pela fala da mesma é possível inferir que ela considera a pesquisa como uma possibilidade de reflexão tanto nas sessões quanto no cotidiano das creches. A fala da coordenadora reafirma o papel da reflexão teórica-prática, ressaltando o efeito das discussões nas vivências experenciadas por ela. Na frase sempre me lembro de muitas das coisas que nós fizemos nas sessões reflexivas ela compartilha a ideário de que aquilo que é discutido no campo das ideias na universidade, é retomado nas práticas das coordenadoras no interior das práticas educativas. Desse modo, ao conseguir tecer relações entre o teoria e a prática a coordenadora está demonstrando como as sessões podem ser momentos potentes de reflexão crítica acerca das questões emergentes nas mesmas, bem como de (re)construção das práticas na creche.

8 Considerações Finais A pesquisa do GP LEFoPI nos permite perceber os impactos desse trabalho nas práticas cotidianas das coordenadoras de creches do município de Juiz de Fora, bem como a maneira como reverbera no interior das creches e da própria Faculdade de Educação. Com isso, percebemos o relevante papel de se refletir criticamente sobre as ações e práticas que foram sendo naturalizadas com o tempo e que precisam ser ressignificadas no cotidiano das instituições infantis. Por meio das discussões e reflexões críticas, em um movimento dialético, acreditamos que contribuímos com a formação profissional das coordenadoras e elas contribuem conosco com suas experiências, transformando também o trabalho realizado com a formação Inicial, oferecida pela Universidade. Concebemos, assim, que ao oferecer a possibilidade de reflexão e transformação estamos contribuindo indiretamente para a qualidade da educação e do atendimento oferecido as crianças pequenas no interior das creches. Portanto, o que é problematizado nas sessões, em um primeiro momento, no campo das ideias, é colocado em prática, em um segundo momento, durante as vivências na creche. Compreendemos que a prática investigativa desenvolvida pelo grupo de pesquisa LEFoPI visa não só a produção de conhecimento, mas o cumprimento de sua função social que é produzir conhecimentos no campo cientifico, que reverbera no campo prático, nesse caso na creche e em sua comunidade como um todo. Portanto, rompendo com a dicotomia teoria- prática. Durante as sessões vão emergindo temáticas relacionadas às vivências das coordenadoras que elas desejam aprofundar. Em decorrência, o grupo seleciona e trabalha com as temáticas mais reincidentes. No interior da pesquisa já foram trabalhados diferentes tópicos como: choro, a brincadeira e o faz de conta, a sexualidade e as relações de gênero na infância, políticas públicas, a identidade profissional dos profissionais das creches do município de Juiz de Fora. A partir desse movimento, como desdobramento dessa investigação estão em andamento pesquisas sobre a rotina na creche, o choro, o brincar, o desenvolvimento infantil, a linguagem de bebês, os espaços e tempos na creche, entre outros.

9 REFERÊNCIAS AMORIM, Marilia. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa editora, BAKHTIN, M, M. (1992). Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes. FREITAS, Maria Tereza de assunção. A perspectiva sócio-histórica: uma visão humana da construção do conhecimento: In: FREITAS, M. T. A; JOBIM E SOUZA, S; KRAMER, S.(orgs). Ciências Humanas e Pesquisa, 2ªed. São Paulo: Cortez, LIBERALI, Fernanda Coelho. Formação crítica de educadores: questões fundamentais. São Paulo: Cabral Editora e Livraria Universitária, MAGALHÃES, Maria Cecília C. A formação do professor como um profissional crítico. São Paulo: Mercado das Letras, 2004, pp MAGALHÃES, Maria Cecília C. Pesquisa crítica de colaboração: uma pesquisa de intervenção no contexto escolar. In: Diálogos de Pesquisas sobre crianças e infâncias. [Organizadores]: Léa Stahlschmidt Pinto Silva e Jader Janer Moreira Lopes. Niterói: Editora da UFF, MELLO, Marisol Bareno de. Autorias Infantis: o brincar como exotopia. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção (Org.). A responsividade bakhtiniana: na educação, na estética e na política. Juiz de Fora: Ed. UFJF, p PINO, Angel. As marcas do humano: às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotski- São Paulo: Cortez, SCHAPPER, Ilka. O Fluxo do Significado do Brincar na Cadeia Criativa: argumentação e formação de pesquisadores e educadores. Tese de Doutorado em Lingüística Aplicada e estudos da Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, SOUZA, S. J. ALBUQUERQUE, E. D. P. A pesquisa em ciências humanas: uma leitura bakhtiniana. Revista Bakhtiniana, São Paulo, 7 (2): , Jul/Dez SZUNDY, Paula T. C. A construção no jogo e sobre o jogo. Ensino-Aprendizagem de LE e formação reflexiva. Tese de Doutorado em lingüística aplicada e estudos da linguagem. PUC São Paulo, VIGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores/ L.S. Vigotski; organizadores Michael Cole... [et al.]; tradução José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 7ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, (Psicologia e pedagogia).

10

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa O BRINCAR NO PROCESSO DE REFLEXÃO CRÍTICA ENTRE PESQUISADORAS E COORDENADORAS DE CRECHES Resumo ABREU, Maritza Dessupoio de 1 - UFJF GOMES, Lilian Marta Dalamura 2 - UFJF SCHAPPER, Ilka 3 - UFJF Grupo

Leia mais

Palavras-Chave: Educação infantil. Colaboração. Sentidos e Significados. Atividade. Brincar.

Palavras-Chave: Educação infantil. Colaboração. Sentidos e Significados. Atividade. Brincar. COMPARTILHAMENTO DE SIGNIFICADOS EM CONTEXTO COLABORATIVO: EXPANSÃO DOS SENTIDOS DO BRINCAR COMO ATIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO Maria Auxiliadora Rodrigues 1 Grasiela Maria de Sousa Coelho 2 Este

Leia mais

A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA

A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA A PESQUISA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: À Resumo LUZ DO CONCEITO DE RESPONSIVIDADE NA ESTÉTICA BAKHTINIANA SOUZA, Maiara Ferreira de 1 - UFJF LEITE, Ariane Rodrigues Gomes 2 - UFJF BERTOLDO,

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Palavras-chave: Educação; Funções Psicológicas Superiores; Consciência

Palavras-chave: Educação; Funções Psicológicas Superiores; Consciência AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PSICOLÓGICA SÓCIO HISTÓRICA PARA A EDUCAÇÃO E A CONSTITUIÇÃO DOS PROCESSOS E FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES E DA CONSCIÊNCIA Mara Silvia Cabral de Melo Kato marakatto@yahoo.com.br

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

SABERES E VIVÊNCIAS NA CRECHE: UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

SABERES E VIVÊNCIAS NA CRECHE: UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO CONTINUADA SABERES E VIVÊNCIAS NA CRECHE: UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO CONTINUADA SILVA, Léa Stahlschmidt Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora lea.silva@ufjf.edu.br Resumo A comunicação se refere a uma pesquisa em

Leia mais

Palavras-chave: Concepção histórico-cultural pedagogia histórico-crítica Vila Princesa Interação social - processos psicológicos superiores.

Palavras-chave: Concepção histórico-cultural pedagogia histórico-crítica Vila Princesa Interação social - processos psicológicos superiores. AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DE VYGOTSKY DANDO ÊNFASE AOS PROCESSOS PSICOLÓGICOS SUPERIORES NO ASPECTO EDUCACIONAL DE CRIANÇAS DE CINCO E SEIS ANOS: UMA EXPERIÊNCIA NA COMUNIDADE DA VILA PRINCESA Cilene

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LETRAMENTO NA CONCEPÇÃO DE VIGOTSKI: O PAPEL DO/A PROFESSOR/A NA APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 Cleonice Vieira 1 ; Débora Maian Serpa 2 ; Moema Helena de Albuquerque 3 RESUMO O Programa tem como objetivo

Leia mais

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil

Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Projeto Leitura e Escrita na Educação Infantil Mônica Correia Baptista/UFMG Maria Fernanda Rezende Nunes/UNIRIO Patrícia Corsino/UFRJ Vanessa Ferraz Almeida Neves/UFMG Rita Coelho/MEC Ângela Barreto/Consultora

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS...

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... Autora: Moema Helena de Albuquerque Co-autora: Sandra Maria Cunhasque Instituto Federal Catarinense Câmpus Camboriú CAPES

Leia mais

TITULO: O JOGO DE FAZ-DE-CONTA NAS AÇÕES MOTORAS DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EJE:

TITULO: O JOGO DE FAZ-DE-CONTA NAS AÇÕES MOTORAS DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EJE: TITULO: O JOGO DE FAZ-DE-CONTA NAS AÇÕES MOTORAS DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL EJE: Incorporación curricular de la extensión AUTORES: Giovanna de Matos Moraes Carneiro, Ida Carneiro Martins, Luiz Alberto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

EXPRESSÕES DE MIM, EXPRESSÕES DE TI: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS MURAIS ESCOLARES, POSSIBILIDADES DE CRIAR E SE SITUAR NO MUNDO

EXPRESSÕES DE MIM, EXPRESSÕES DE TI: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS MURAIS ESCOLARES, POSSIBILIDADES DE CRIAR E SE SITUAR NO MUNDO EXPRESSÕES DE MIM, EXPRESSÕES DE TI: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS MURAIS ESCOLARES, POSSIBILIDADES DE CRIAR E SE SITUAR NO MUNDO Adriele da Silva Freitas Oliveira - UERJ 1 Andréia Cristina Attanazio Silva -

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Educação Infantil: novos olhares, muitos desafios / Formação continuada para professores

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL.

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. RICOMINI, Ingrid da Silva; GIROTTO, Cyntía Graziella Guizelim Simões.

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO NADOLNY, Lorena de Fatima PMC e UFPR lorenaedf@gmail.com GARANHANI, Marynelma Camargo-

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em diferentes contextos: a infância, a cultura contemporânea

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler

A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler Anita Viudes Carrasco de Freitas * Este texto tem como proposta contribuir

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

O currículo na Educação Infantil: uma análise teórica

O currículo na Educação Infantil: uma análise teórica Resumo O presente artigo faz uma análise teórica acerca do currículo e sua construção na Educação Infantil, discussão esta que tem como aporte teórico os estudos de Barbosa (2009), Oliveira (2011), Sacristán

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

Mudanças de atitudes e de concepções e o papel das tecnologias da informação e comunicação

Mudanças de atitudes e de concepções e o papel das tecnologias da informação e comunicação Mudanças de atitudes e de concepções e o papel das tecnologias da informação e comunicação Lígia Cristina Bada Rubim [ligiarubim@uol.com.br] Maria Elisabette Brisola Brito Prado [beprado@terra.com.br]

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Brincando com a Música: uma proposta para formação e atuação musical do professor de pré-escola e séries iniciais do ensino fundamental

Brincando com a Música: uma proposta para formação e atuação musical do professor de pré-escola e séries iniciais do ensino fundamental Brincando com a Música: uma proposta para formação e atuação musical do professor de pré-escola e séries iniciais do ensino fundamental Silvia Schroeder Universidade de São Paulo - USP Resumo A música,

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CHERUBINI, Iris Cristina Barbosa (UNIOESTE) Resumo: Este trabalho tem por propósito divulgar a importância da brincadeira

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

A FORMAÇÃO DO LEITOR-LITERÁRIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A INTERAÇÃO DA PALAVRA DA VIDA COTIDIANA COM A PALAVRA LITERÁRIA

A FORMAÇÃO DO LEITOR-LITERÁRIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A INTERAÇÃO DA PALAVRA DA VIDA COTIDIANA COM A PALAVRA LITERÁRIA A FORMAÇÃO DO LEITOR-LITERÁRIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A INTERAÇÃO DA PALAVRA DA VIDA COTIDIANA COM A PALAVRA LITERÁRIA Nivia Barros Escouto PPGE UFSC niviaescouto@bol.com.br Nelita Bortolotto PPGE UFSC

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA: UM EIXO ARTICULADOR ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Ana Teresa Silva Sousa (Base de Pesquisa Formar / UFPI) GT 02: Formação de Professores 1 CONTEXTUALIZANDO A FORMAÇÃO

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Alunas: Flávia Moreira da Silva Coordenadora: Sonia Kramer Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE.

EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 808 EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE. Samira Ribeiro da Rocha, José Milton

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. ALAN ROBERTO FRUHLING 1 ELENITA CONEGERO PASTOR MANCHOPE 2 FABIANE ANDRÉIA FELDKIRCHER 3 LURDES TEREZINHA SPIES ULLMANN 4 MAYSA REGINA

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PESQUISA, ALTERIDADE E FORMAÇÃO NA ESCOLA CHALUH, Laura Noemi UNICAMP chaluh@uol.com.br GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: CNPq

PESQUISA, ALTERIDADE E FORMAÇÃO NA ESCOLA CHALUH, Laura Noemi UNICAMP chaluh@uol.com.br GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: CNPq 1 PESQUISA, ALTERIDADE E FORMAÇÃO NA ESCOLA CHALUH, Laura Noemi UNICAMP chaluh@uol.com.br GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: CNPq Do percurso investigativo. O presente trabalho é parte

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

ALFABETIZAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES E POSSIBILIDADES

ALFABETIZAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES E POSSIBILIDADES ALFABETIZAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES E POSSIBILIDADES Simone Pieretti da Silva 1 Thuinie Medeiros Villela Daros 2 RESUMO O presente texto tem como finalidade tecer considerações em relação aos limites

Leia mais

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência.

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA: TEMPO E ESPAÇO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Costa, Daiene de Cássia Souza Resumo Este artigo apresenta parte de discussão teórica de dissertação de mestrado

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9. CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9. CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 9 CAPÍTULO 1 Gláucio de Castro Júnior CULTURA SURDA E IDENTIDADE: estratégias de empoderamento na constituição do sujeito Surdo...11 A cultura surda contra o discurso médico: uma

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS Petrilson Alan Pinheiro (petrilsonpinheiro@yahoo.com.br petripinheiro@yahoo.com) RESUMO O grande interesse por questões acerca das

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO FINAL COMPARTILHAMENTO DE SIGNIFICADOS E APROPRIAÇÃO

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL SIGNIFICADOS DE GÊNERO NOS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MÁRIO MORENO RABELO SILVA Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores Mestrando Orientadora: Prof.(a). Dr.(a). MARIA NAZARÉ

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA ÁGUA E CRIANÇAS: MUITAS DESCOBERTAS E APRENDIZAGENS FONSECA, Karla Madrid 1 ;UEIIA/UFSM SILVEIRA, Lidiane Gripa 2 ;UEIIA/UFSM MOMBELLI,

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL 1003 ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro Carla Fernanda Siqueira Vanessa Cabral Amanda Carlou Andrade Santos Fundação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS BRINCADEIRAS COMO FONTE DE PRAZER E APRENDIZADO

A UTILIZAÇÃO DAS BRINCADEIRAS COMO FONTE DE PRAZER E APRENDIZADO A UTILIZAÇÃO DAS BRINCADEIRAS COMO FONTE DE PRAZER E APRENDIZADO ÁLVARO LUIS PESSOA DE FARIAS CASSIO HARTMANN GILDASIO JOSÉ DOS SANTOS DIVANALMI FERREIRA MAIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB CAMPINA

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE PROFISSIONAL NO ESTÁGIO DE REGÊNCIA DE INGLÊS 1

A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE PROFISSIONAL NO ESTÁGIO DE REGÊNCIA DE INGLÊS 1 80 A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE PROFISSIONAL NO ESTÁGIO DE REGÊNCIA DE INGLÊS 1 Raquel Gamero 2 Vera Lúcia Lopes Cristovão 3 RESUMO: Desenvolvido em um contexto de prática de ensino, no qual o modelo adotado

Leia mais

Dessa forma, no ano de 2013 acadêmicas e educadoras buscaram a reorganização do projeto, voltando-se a estudos e partilha de experiências e

Dessa forma, no ano de 2013 acadêmicas e educadoras buscaram a reorganização do projeto, voltando-se a estudos e partilha de experiências e FORMAÇÃO PERMANENTE DE EDUCADORES A PARTIR DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS Marilei Almeida de Oliveira, UFSM Camila da Rosa Parigi, UFSM Celso Ilgo Henz, UFSM INTRODUÇÃO O projeto de extensão, Hora do Conto:

Leia mais

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital

Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Formação de Professores de Matemática em Serviço e Uso da Lousa Digital Sérgio Freitas de Carvalho 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Este artigo tem por

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo A IMPORTÂNCIA DA SONDAGEM DA ESCRITA PARA O INÍCIO DE ATIVIDADES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO DO PIBID NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS NORONHA, Gessica Nunes UFC gessicanunes.noronha@hotmail.com

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Aluna: Juliana Pereira da Silva Coordenadora: Sonia Kramer Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

O LUGAR DO BRINCAR PARA AS CRIANÇAS: UTILIZANDO O DESENHO COMO INSTRUMENTO DE INTERLOCUÇÃO COM OS PEQUENOS

O LUGAR DO BRINCAR PARA AS CRIANÇAS: UTILIZANDO O DESENHO COMO INSTRUMENTO DE INTERLOCUÇÃO COM OS PEQUENOS O LUGAR DO BRINCAR PARA AS CRIANÇAS: UTILIZANDO O DESENHO COMO INSTRUMENTO DE INTERLOCUÇÃO COM OS PEQUENOS Víviam Carvalho de Araújo 1 Universidade Federal de Juiz de Fora 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil RESUMO Fernanda Azevedo Fagundes 1 Júlia Estefani Alves 2 O presente artigo, busca discutir acerca da função do Coordenador

Leia mais

O Brincar na Educação Infantil

O Brincar na Educação Infantil O Brincar na Educação Infantil Maévi Anabel Nono Unesp - Departamento de Educação Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Como escrevem Imma Marín e Silvia Penón (2003/2004, p. 30), especialistas

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO 0 FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Karinne Gonçalves de Lira Universidade Federal da Paraíba-UFPB Resumo A formação profissional do futuro educador se estende em um processo

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais