ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA CRECHE: CONTRIBUIÇÕES PARA PENSAR A EDUCAÇÃO COM CRIANÇAS PEQUENAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA CRECHE: CONTRIBUIÇÕES PARA PENSAR A EDUCAÇÃO COM CRIANÇAS PEQUENAS"

Transcrição

1 ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA CRECHE: CONTRIBUIÇÕES PARA PENSAR A EDUCAÇÃO COM CRIANÇAS PEQUENAS MOREIRA, Ana Rosa Costa Picanço1 - UFJF DUQUE, Letícia de Souza2 - UFJF SAMPAIO, Luciana Andrade3 - UFJF FERREIRA, Jéssica Aparecida4 - UFJF SANTOS, Aretusa5 SE/PJF Resumo Grupo de Trabalho: Educação da Infância Agência Financiadora: PROPESQ-UFJF Este estudo apresenta algumas problematizações circunscritas às relações entre a organização dos espaços da creche e a apropriação da noção de espaço pelas crianças, buscando contribuir para o campo da educação da infância. Mais especificamente, a pesquisa investiga e discute com os profissionais de creche como os espaços têm sido planejados e organizados pelos educadores. Adotamos a perspectiva histórico-cultural para pensar a relação entre criança e espaço, partindo do entendimento de que a vivência das crianças no espaço se constitui na base para a produção de sentidos e significados sobre o mundo. Particularmente, as representações de espaço são fruto das significações produzidas pelas crianças a partir das e nas interações sociais. Assim, a criança pequena mapeia com seu corpo e sua oralidade aquilo que conhece. O espaço geográfico é um processo sócio-histórico fruto de relações concretas marcadas por conflitos e negociações. Para a realização do estudo, produzimos material empírico a partir de observações das relações de crianças de 0 a 3 anos com seus ambientes de referência (salas de atividades), numa creche pública do município de Juiz de 1 Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Coordenadora adjunta do Núcleo de Pesquisa Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância (LEFoPI/UFJF). 2 Graduanda em Pedagogia na Universidade Federal de Juiz de Fora. Bolsista de Iniciação Cientifica. 3 Graduanda em Geografia na Universidade Federal de Juiz de Fora. Bolsista de Iniciação Científica. 4 Graduanda em Pedagogia na Universidade Federal de Juiz de Fora. Bolsista de Iniciação Científica. 5 Mestre em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Professora e coordenadora pedagógica da Rede Municipal de Educação da Prefeitura de Juiz de Fora.

2 24643 Fora, feitas entre os meses de fevereiro e abril deste ano, e a videogravação de uma sessão reflexiva realizada com as coordenadoras de creches públicas desse município em A análise dos dados indica a necessidade de esse tema ser problematizado em contextos de formação dos profissionais de creche, no sentido de promover a reflexão crítica e a elaboração de propostas de organização espacial mais interessante para as crianças com base no olhar sensível do educador às suas necessidades e aos seus desejos. Igualmente, os resultados revelam como as crianças pequenas são capazes de subverter a lógica do ordenamento proposto pelos adultos, ressignificando os espaços através de ações criativas. Palavras-chave: Organização do espaço. Criança. Formação dos profissionais de creche. Introdução A discussão sobre as relações estabelecidas entre crianças e espaços na educação infantil, especialmente na creche, é bastante recente e os estudos são ainda escassos. Nas últimas décadas, pesquisadores dos campos da Psicologia, Arquitetura, Geografia e Educação, pautados em diferentes aportes teórico-metodológicos, têm sido referências para o debate dessa questão. Na perspectiva da Psicologia Ambiental, podemos citar os trabalhos de Legendre (1983, 1985), Campos-de-Carvalho (1990, 2004), Moreira (1992), que discutem a relação entre organização espacial e desenvolvimento infantil na creche, utilizando a experimentação ecológica como método investigativo. No âmbito da Geografia da Infância e da Cartografia com Crianças, destacamos as pesquisas, de cunho etnográfico, de Lopes (2007, 2012), que buscam compreender o processo de construção e representação da noção de espaço em crianças pequenas. O objetivo deste trabalho é problematizar a organização espacial na creche e a apropriação da noção de espaço por crianças pequenas procurando contribuir para o campo da Educação Infantil. Fundamenta-se na perspectiva teórico-metodológica de uma pesquisa em andamento sobre os arranjos espaciais na creche e a formação do educador, desenvolvida em uma creche pública do município de Juiz de Fora/MG, assim como no banco de dados construídos no interior do Grupo de Pesquisa Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância - LEFOPI/UFJF - que há 08 anos desenvolve pesquisas em parceria com as 23 creches públicas do município de Juiz de Fora/MG. Espaço geográfico, criança e creche: orientações teóricas e metodológicas

3 24644 A creche, enquanto instituição social e historicamente responsável pelo cuidado e educação das crianças de 0 a 03 anos de idade, enfrenta importantes desafios no que se refere à garantia do direito à infância. A reunião de diversas e diferentes crianças em seus primeiros anos de vida em um mesmo espaço físico e geográfico traz a pluralidade de concepções sobre crianças, infâncias, cuidado e educação. Conflitos de saberes/valores imbricados em complexas redes de relações e poderes assimétricos entram em disputa: políticas públicas oficiais, famílias historicamente e socialmente inseridas em diferentes contextos sociais, culturais e econômicos, os educadores, as crianças, a extensa jornada de trabalho, as complexas questões subjacentes ao fazer cotidiano, pesquisadores, projetos de extensão, agentes comunitários, vizinhança, entrelaçados por fragmentos da história da educação da criança pequena no Brasil, acentuam os desafios. Mineghili e Carvalho (2003, p ) apontam que: O cenário da creche é constituído por múltiplos aspectos, físicos e humanos, sendo permeado por uma complexa rede de significações. Cada criança componente de um grupo está imersa em inúmeras significações, construídas com base em vários aspectos, tais como sua idade e habilidades, tempo de permanência na creche, mudanças de turma, relações fora da creche, etc., o que influencia o processo interativo com outras crianças e adultos no aqui-e-agora. O educador, por sua vez, possui suas próprias significações, permeadas pelo contexto sócio-histórico tanto da instituição (sua ideologia, sua proposta educativa, etc.) como da cultura ou subcultura a qual pertence, concebendo educação e desenvolvimento infantil de uma determinada maneira e organizando o espaço físico da creche de acordo com estas significações. Os arranjos espaciais na creche têm se direcionado, com frequência, a vivências padronizadas de infância com base em um conjunto de características consagradas como a referência de criança universal. Muitas vezes, os ambientes têm sido planejados a partir de visões adultocêntricas que acabam por conter os movimentos e deslocamentos da criança pelo espaço no intuito de protegê-las de suas fragilidades. Em contraponto, as ações das crianças não são determinadas pelo mundo que os adultos lhes significam. Ao contrário, as crianças dialogam com esses significados, rompendo-os criativamente e construindo novos sentidos. Nesse sentido, muitas vezes, objetos e mobiliários são utilizados para a construção de brincadeiras pelas crianças transformando significativamente o ambiente, fator esse indicativo de que os ambientes não são os mesmos para todas as crianças.

4 24645 Esta discussão está baseada num olhar plural e histórico-cultural para o espaço pautado nas ideias de Lefebvre, Santos, Vigotski e Wallon. Falamos especificamente do espaço geográfico, isto é, o espaço que guarda a presença humana (LOPES, 2012, p. 154). Na visão do geógrafo Milton Santos (1999), o espaço geográfico é uma invenção humana híbrida, apresentando-se como um composto de formaconteúdo cujo significado só emerge quando a forma (material) e o conteúdo (social) são vistos em conjunto, dialeticamente, constituindo uma unidade indissociável. Isto significa dizer que o espaço não abrange somente aquilo que é concreto, a forma; ele se constitui como campo de relações dialéticas, de tensões e embates permanentes, sendo, portanto, um elemento processual. O espaço é um sistema interdependente de formas (objetos) e ações sobre essas (conteúdo), no qual os objetos só podem ser compreendidos na relação com os homens em contextos histórico-culturais determinados. Na mesma direção de Santos, no campo da Psicologia, Vigotski (1935/2010) e Wallon (1959/1986) destacam a necessidade de conceber o espaço numa dimensão dialética na qual ele não se opõe à pessoa; ao contrário, os dois se constituem na relação de interdependência. No texto Quarta aula: a questão do meio na pedologia, Vigotski discute exatamente essa concepção de meio, advertindo que ele (espaço/ambiente/lugar) nunca é estático, pois os significados produzidos pelas crianças sobre o ambiente variam de acordo com o momento da vida em que se encontram. Para elas, o ambiente é o seu mundo, um contexto de interações que vai ganhando novos sentidos conforme suas experiências cotidianas. Assim, (...) no começo também se trata de um mundo muito pequeno, o mundo do quarto, o mundo do parque mais próximo, da rua. Com os passeios, seu mundo aumenta e, cada vez mais, novas relações entre a criança e as pessoas que a circundam tornamse possíveis. [...] Cada idade possui seu próprio meio, organizado para a criança de tal maneira que o meio, no sentido puramente exterior dessa palavra, se modifica para a criança a cada mudança de idade (VYGOTSKY, 1935/2010, p.683). (grifo nosso) Conforme comenta Pino (2011, p. 747), para Vigotski, o meio sempre opera em função da dinâmica do desenvolvimento da criança. Assim como Vigotski destaca o caráter relacional e processual do espaço, Wallon chama a atenção para a mudança do sentido do meio para a pessoa dependendo do seu estado

5 24646 afetivo e motivações em cada idade e contexto cultural. De acordo com Carvalho et al. (2012, p ), para Wallon, O meio oferece as oportunidades para a ontogênese se realizar e, ao mesmo tempo, permite afirmar que as crianças, à medida que adquirem mais possibilidades de ações, transformam o meio mais eficientemente, organizando-o, complexificando-o e compatibilizando-o com novos propósitos. Com base nesse argumento, podemos dizer que as crianças sempre estão ressignificando os espaços que lhes são ofertados, seja aqueles que nós, adultos, qualificamos como adequados e propícios à aprendizagem e ao desenvolvimento, seja aqueles que acreditamos ser precários e inadequados para a infância. O espaço é sempre um campo de possibilidades onde cada sujeito produz o seu, na medida em que as pessoas constroem sentidos particulares sobre o espaço a partir de suas experiências sobre os significados que a cultura lhes apresenta. Entendemos que a vivência 6 das crianças se constitui na base para sua compreensão do mundo. Particularmente, a apropriação do espaço é fruto das significações produzidas pelas crianças nas interações sociais. Dessa forma, elas mapeiam significados e sentidos que constroem sobre o mundo utilizando os recursos que dispõem: seu corpo, sua oralidade, suas brincadeiras, seus desenhos. Nas palavras de Almeida (2000, p.28): A exploração do espaço ocorre a partir do nascimento, através das experiências que a criança realiza em seu entorno. Ao ser tocada, acariciada, segurada no colo, ao sugar o seio para mamar, a criança inicia o processo de aprendizagem do espaço. Em sua memória corporal são registrados os referenciais dos lados e das partes do corpo, os quais servirão de base para os referenciais espaciais. O caminhar da pesquisa Os dados trabalhados neste texto foram produzidos em dois contextos diferentes e complementares. O primeiro contexto refere-se a uma sessão reflexiva, integrante do banco de dados do Grupo de Pesquisa LEFOPI/UFJF, realizada em parceria com coordenadores de creches 6 Para Vigotski (1935/2010), a vivência é a unidade da consciência. Isto é, ela é aquilo que funda o ser humano, pois é considerada a condição própria e singular de cada momento de ser e estar do sujeito no mundo. A vivência do sujeito possibilita a sua interpretação particular dos elementos do meio.

6 24647 públicas do município de Juiz de Fora 7 no interior da pesquisa intitulada Educação Infantil, fundamentada no aporte teórico-metodológico da perspectiva crítico-reflexiva em contextos de colaboração. O segundo foi desenvolvido no âmbito de uma pesquisa-intervenção intitulada Ambientes da infância e a formação do educador: arranjo espacial na creche, em andamento em uma das creches públicas parceiras do LEFOPI/UFJF, também fundamentada na perspectiva crítico-reflexiva. Os sujeitos da pesquisa foram: sete coordenadoras de creche presentes na sessão reflexiva que ocorreu em 18 de abril de 2012 e 83 crianças da creche observadas durante os meses de fevereiro a abril de Utilizamos a videogravação e a observação participante como técnicas de produção dos dados. Análise da sessão reflexiva A sessão reflexiva ocorreu em uma das salas da Faculdade de Educação da UFJF, como de costume. Uma das pesquisadoras do Grupo de Pesquisa Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância (LEFoPI) coordenou os trabalhos daquela tarde. A questão inicial foi saber das coordenadoras quais seriam as suas demandas em relação à brincadeira (tema refletido em sessões anteriores). Imediatamente, a temática do espaço emergiu em vários momentos. Para fins deste trabalho, discutiremos apenas três aspectos que estão relacionados entre si: (1) o espaço da brincadeira; (2) o mobiliário escolar; e (3) o lugar dos bebês. A coordenadora A destacou o espaço da brinquedoteca como uma questão para ser pensada pelo grupo. Ela disse que as crianças da sua creche frequentam regularmente esse espaço e que isto está previsto no planejamento pedagógico da instituição. A ocupação de outros ambientes da creche pelas crianças, além da sala de referência, está em consonância com as recomendações feitas pela Secretaria de Educação/Departamento de Educação Infantil, que aparecem na Proposta Pedagógica (2010). Este material orienta a organização de rotinas em ambientes diversificados de modo a possibilitar às crianças vivências em diferentes espaços construídos na experiência humana. De acordo com Cunha 7 Contexto de pesquisa crítico-colaborativa do Grupo de Pesquisa Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância (LEFoPI).

7 24648 (1998, p.40), a brinquedoteca "é um espaço preparado para estimular a criança a brincar, possibilitando o acesso a uma grande variedade de brinquedos, dentro de um ambiente especialmente lúdico. Nesse sentido, a brinquedoteca se constitui em mais um espaço da creche que favorece a brincadeira e o desenvolvimento da imaginação e da fantasia. Já a coordenadora B disse que a sua creche, por ser muito pequena, não possui brinquedoteca. Além disso, as dimensões das salas de atividade são limitadas, dificultando a criação de cantinhos 8. Uma das pesquisadoras questionou o que existe nas salas dessa creche que não deixa os cantinhos aparecer. A coordenadora A respondeu que as cadeiras, as mesas, os armários e os berços ocupam grande parte do espaço das salas, não sobrando lugar para montar os cantinhos Embora o discurso de grande parte dos profissionais de creche privilegie a organização das salas com cantinhos, na prática, observamos que eles quase não existem, além de muitos deles serem criados sem reflexão crítica da intencionalidade pedagógica e sem a participação das crianças. Vários estudos (COUTINHO, 2002; AGOSTINHO, 2003; GUIMARÃES, 2008; MOREIRA, 2011) têm demonstrado que a organização espacial das salas de atividades das creches públicas brasileiras têm preconizado o uso de mobiliário escolar e/ou berços (somente nos berçários). Entendemos que esses marcadores espaciais não determinam a qualidade das relações que as crianças estabelecem com os aspectos físicos do ambiente, no entanto, eles expressam significados de infância e educação infantil. Ao transformar o mobiliário em um objeto de brincadeira, (...) a criança está ativamente ressignificando um objeto de sua cultura e criando para esse objeto um significado que potencialmente passa a fazer parte da cultura de seu grupo de brinquedo ( CARVALHO et al., 2012, p. 78). O grupo refletiu coletivamente que o professor, de um modo geral, tanto do ensino fundamental quanto da educação infantil, foi/é formado para ensinar num determinado ambiente: o escolar. Este ambiente é definido por artefatos histórico-culturais e as relações que as professoras estabelecem com eles. Dissociar o trabalho pedagógico com crianças pequenas desses elementos envolve embates e reconstruções permanentes pelas professoras da sua prática e do lugar que elas ocupam no processo educativo. 8 Também chamados de cantos temáticos, os cantinhos, propostos por Freinet têm sido recomendados pela Secretaria de Educação de Juiz de Fora, como uma forma de organizar o espaço nas salas de educação infantil, e existem em vários lugares do mundo. São locais dentro da sala, que abrigam móveis, livros, brinquedos e outros objetos temáticos, de acordo com o interesse do grupo. Eles podem ser fixos ou móveis. Assim, podemos ter o cantinho da leitura, o cantinho de artes, o cantinho do descanso, o cantinho da fantasia etc.

8 24649 Sob nosso ponto de vista, a reflexão crítica entre pesquisadores e educadores sob os arranjos espaciais na creche, suas intencionalidades e a possibilidade de recriação considerando também os desejos e significados atribuídos às crianças s pode trazer importantes contribuições às configurações físicas e relacionais no espaço da creche,, na medida em que no decorrer da pesquisa, o(s) significado(s) atribuído(s) pela(s) criança(s) ao espaço vivido são alvo de investigação e se tornarão pauta de discussões nos momentos de formação em serviço na creche. Dar visibilidade aos significados atribuídos pelas crianças ao espaço pode evidenciar os conflitos ou inadequações entre o espaço planejado, assegurado pelo adulto e os desejos, necessidades e significações atribuídas pela criança àquele mesmo ambiente, objeto, atividade, relacionamento etc. Conflitos esses já trazidos em alguns fragmentos nas vozes de algumas coordenadoras na sessão discutida neste artigo. A coordenadora A destacou que, muitas vezes, o que as crianças fazem nas mesas, poderiam fazer no chão, como pinturas, colagens etc. A coordenadora B, então, revela que o educador perde o chão se as mesas e as cadeiras forem retiradas de seu ambiente de trabalho, mas acredita que as crianças iriam adorar. A coordenadora A argumenta que o educador tem liberdade de organizar as mesas e cadeiras como achar conveniente, mas que esse mobiliário é uma necessidade do educador. A educadora C complementou dizendo que as mesas e cadeiras possibilitam ao professor o controle da turma. Embora as discussões tenham girado em torno da presença ou ausência dessas mobílias, parece que a questão principal é: quais os sentidos e significados que adultos e crianças produzem a respeito desses objetos e ambientes? Outra questão interessante levantada por esta coordenadora foi a respeito da localização do berçário ser no segundo pavimento, dificultando a saída dos bebês para outros ambientes, como o pátio. De acordo com Goldschmied e Jackson (2006), este fator se constitui num obstáculo prático para o uso flexível do espaço externo. Além do acesso de bebês e adultos às outras áreas da creche ficar comprometido por esse motivo, existe a crença de que os bebês devem sair unicamente da sala para o banho de sol. Isto tem limitado as possibilidades de experiências dos bebês, que, muitas vezes, têm as suas disponibilidades e capacidades socioculturais invisibilizadas (CUZZIOL, 2013). Lopes (2012, p. 218) salienta a importância de novos olhares para a espacialidade constituída e atribuída aos bebês e suas relações com o mundo, deslocando das leituras

9 24650 marcadas por suas condições biológicas e propondo a visibilidade de "suas competências sócio-cognitivas, suas diversas linguagens, eventos constituídos ao longo da filogênese humana que evidenciam uma ontogênese singular. Análise das observações das crianças As notas de campo sobre as relações estabelecidas entre crianças e espaço foram produzidas entre os meses de fevereiro e abril de 2013 e foram construídas a partir da observação da corporeidade e do diálogo com as crianças da creche estudada, ressaltando, neste último aspecto, suas vivências e a sua oralidade. Percebemos que as crianças estão sempre, de maneiras diversas, subvertendo as regras impostas pelos adultos e criando novos significados às suas ações, modificando os ambientes e lugares os quais vivenciam. Observamos que todo o espaço da creche é ressignificado pelas crianças. Por exemplo, elas são ensinadas pelos adultos a ficarem quietas na sala de atividades, pois lá não é lugar de bagunça. As crianças respondem criando novas possibilidades de brincadeiras, como sentar com os amigos e cantar em roda ou se juntarem e brincarem com peças de montar, desconstruindo a proposta inicial do adulto. Se para as educadoras a sala é lugar do controle, da repetição, da submissão, a área externa não o é, ou seja, o pátio é sinônimo de liberdade, brincadeira, diversão. Isto sugere pensar que espaços internos se ocupam da aprendizagem, e os externos, da diversão (MOREIRA et al., 2011) Cada criança ocupa os espaços e os lugares prescritos pelos adultos e reservados a elas pela sociedade, contudo, elas não os aceitam passivamente, transformam e ressignificam esses espaços de acordo com suas vivências e conhecimentos adquiridos continuamente pelas interações com os adultos e com seus pares. Almeida (2000, p. 29) reforça essa ideia ao mencionar que: À medida que a criança for crescendo, reconstruirá o espaço próprio dos adultos, pois estará constantemente voltada para o espaço exterior com móveis, casas, ruas, praças, campos e montanhas. Esse espaço não corresponde às suas pequenas dimensões físicas e à sua pouca vivência do mundo. A reconstrução desse mundo será feita, inicialmente, a partir de suas próprias dimensões e capacidade de percebêlo, adaptando-se a ele através de uma imaginação transformadora das coisas.

10 24651 Percebemos interações criativas exatamente nos momentos em que as educadoras pedem para que as crianças fiquem quietas ou sentadas. É nessa hora que criam outras formas de interação e recriam brincadeiras. Vale citar um momento presenciado na creche no dia 03/04/2013. As crianças estavam prontas para a festa do coelhinho da páscoa, muitas estavam curiosas para compreender aquele momento e não entendiam o significado daquela comemoração. Quando todas se encontraram no refeitório perguntavam umas às outras sobre o que estava acontecendo e entre si chegaram a conclusão de que era aniversário do coelhinho, comemoraram muito por isso. As educadoras fizeram um teatro para encenar a entrega de ovos da Páscoa e mais uma vez as crianças falaram: o aniversário do coelhinho é muito legal! Na verdade, elas estavam na festa do coelhinho, e não na festa da Páscoa, pois o tempo todo cantavam parabéns para você e festejavam muito. Com base nesta observação, percebemos como as crianças recriam a partir das situações estabelecidas pelos adultos, atribuindo novos e interessantes significados às situações experienciadas. De alguma forma, elas participaram e gostaram da festa, porém deram-lhe outro sentido. Outra questão que ressalta diante das observações e notas de campo são as relações de afeto que as crianças estabelecem com as áreas externas da creche, relacionadas a movimentos, alegrias, brincadeiras e interação entre pares da creche. Toda vez que a educadora cita ou comenta algo relacionado ao parquinho ou ao pátio, as crianças festejam e se mostram muito alegres, o que revela o estabelecimento de laços afetivos com o espaço. Isto é denominado pelo geógrafo Tuan (1980) de topofilia. Pensando nessas relações entre crianças e espaços da creche, é importante ressaltar a disposição dos brinquedos nas salas, pois, em muitos casos, eles se encontram em estantes muito altas ou em locais fisicamente acessíveis às crianças, porém proibidos de serem manuseados nos momentos em que elas os desejam. Sobre isto, podemos questionar o quão existe um hiato entre o discurso defendido pelos educadores e as suas práticas concretas. Falase de formar crianças autônomas e criativas, mas a elas é privado a liberdade de escolherem os brinquedos e os momentos de brincar. Arriscando algumas conclusões

11 24652 Este estudo discutiu as relações entre os espaços da creche e a apropriação da noção de espaço pela criança. Nossas reflexões teóricas juntamente com as análises das notas de campo envolvendo vivências e oralidades das crianças em uma creche de Juiz de Fora/MG e a sessão reflexiva do grupo LEFoPI possibilitaram a construção de resultados preliminares que apontam para a necessidade de maior atenção à organização dos espaços da creche em dimensões plurais que incorporem não somente a perspectiva dos adultos, mas também os desejos, vivências e necessidades de locomoção e apropriação dos espaços pelas crianças. Entendemos que é de suma importância que os educadores repensem quais sentidos e significados atribuem à disposição de objetos, móveis e brinquedos em determinadas configurações para que sejam locais apropriados para a interação e o aprendizado das crianças. Nessa direção, levar em consideração os desejos, as expressões, os movimentos e os significados construídos pelas crianças nos espaços da creche nos despontam como um interessante instrumento de dar visibilidade às crianças em suas diferenças, não só com relação ao adulto, mas também entre seus pares, marcando o ser criança como um acontecimento social, histórico e cultural particular, prenhe de possibilidades de reinvenção, criação e política. REFERÊNCIAS AGOSTINHO, Kátia. O espaço da creche: que lugar é este? Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, ALMEIDA, Rosângela D. de. A criança e as relações espaciais. In: (org.) O espaço geográfico: ensino e representação. 8 ed. São Paulo: Contexto CAMPOS-DE-CARVALHO, Mara Inês. Arranjo espacial e distribuição de crianças de 2-3 anos pela área de atividades livres em creche Tese (Doutorado) Instituto de Psicologia da USP, São Paulo, Psicologia ambiental e do desenvolvimento: o espaço em instituições infantis. In: GÜNTHER, H.; PINHEIRO, J. Q.; GUZZO, R.S.L. (Orgs.) Psicologia ambiental: entendendo as relações do homem com seu ambiente. Campinas: Alínea CARVALHO, Ana Maria Almeida et al. Aprendendo com a criança de zero a seis anos. São Paulo: Cortez, 2012.

12 24653 COUTINHO, Ângela Maria. Scalabrin. As crianças no interior da creche: a educação e o cuidado nos momentos de sono, higiene e alimentação. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC, 2002; CUNHA, Nylse Helena da Silva. Brinquedoteca: definição, histórico no Brasil e no mundo. In: FRIEDMANN, Adriana. (org) O direito de brincar. 4 ed. São Paulo: Edições Sociais: Abrinq, 1998, p CUZZIOL, Ana Paula Gomes. Pequenos-Gigantes entre si: Notas etnográficas acerca da capacidade e da disponibilidade dos BEBÊS em viver socioculturalmente. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal Fluminense, Niterói/RJ, GOLDSCHMIED, Elinor.; JACKSON, Sônia. Educação de 0 a 3 anos: o atendimento em creche. 2 ed., Porto Alegre: Artmed, GUIMARÃES, Daniela O. Relações entre adultos e crianças no berçário de uma creche pública na cidade do Rio de Janeiro: técnicas corporais, responsividade, cuidado. Tese (Doutorado em Educação) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, LEGENDRE, Alain. Appropriation par les enfants de l environnement architectural. Enfance, Paris, n.3, p , L expérimentation écologique dans l approche des comportements sociaux de jeunes enfants en groupe. In: BAUDONIERE, P. M. (Ed.). Etudier l enfant de la naissance à 3 ans. Paris: CNRS, p (Collection Comportements). LOPES, Jader Janer Moreira. Espaço, lugar e territórios de identidade: a invisibilidade das crianças migrantes. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de; SARMENTO, Manuel Jacinto. (Orgs.) Infância (in)visível. Araraquara: Junqueira & Marin, p Mapa dos cheiros: cartografia com crianças pequenas. In: Revista Geografares, n 12, Julho, 2012, p MINEGHLINI, Renata; CARVALHO, Mara Campos de. Arranjo espacial na creche: Espaços para interagir, brincar isoladamente, dirigir-se socialmente e observar o outro. Psicologia: Reflexão e Crítica, Universidade de São Paulo; Ribeirão Preto, 2003 (p ). MOREIRA, Ana Rosa C.Picanço. Transformações espaciais e interação social entre crianças de dois anos de idade: uma proposta educacional para a creche. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, Ambientes da Infância e a Formação do Educador: arranjo espacial no berçário. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, MOREIRA, Ana Rosa C. Picanço et al. Ambientes externos da creche: espaços de múltiplas possibilidades para o desenvolvimento e a aprendizagem da criança pequena. In: AZEVEDO,

13 24654 Gisele Arteiro N. et al. (Orgs.) O lugar do pátio escolar no sistema de espaços livres: uso, forma e apropriação. Rio de janeiro: UFRJ/FAU/PROARQ, PINO, Angel. A criança e seu meio: contribuições de Vigotski ao seu desenvolvimento e à sua educação. Psicologia USP. São Paulo, 2010, n. 21, v. 4, p SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3 ed. São Paulo: Hucitec, VIGOTSKI, L. S. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia USP, São Paulo, v.21, n.4, p , WALLON, H. Os meios, os grupos e a psicogênese da criança. In: WEREBE, M. J. G.; NADEL-BRULFERT, J. (Orgs.) Henri Wallon. Tradução de Elvira Souza Lima, São Paulo: Ática, p

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa

A Pesquisa Crítica de Colaboração- aspectos teóricos-metodológicos da pesquisa O BRINCAR NO PROCESSO DE REFLEXÃO CRÍTICA ENTRE PESQUISADORAS E COORDENADORAS DE CRECHES Resumo ABREU, Maritza Dessupoio de 1 - UFJF GOMES, Lilian Marta Dalamura 2 - UFJF SCHAPPER, Ilka 3 - UFJF Grupo

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação 1 Processo de formação de professores um olhar para a dança. Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação A Constituição Federal de

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES

2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES 2.1 INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL: CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICIDADES De acordo com a Abordagem Histórico-Cultural, que fundamenta está proposta, a Instituição de Educação Infantil deverá ser pensada

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil. TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro

Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil. TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro Organização do espaço e do tempo na Educação Infantil TEMA 03 Profª Luciana Ribeiro Pinheiro DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL (2010) (p. 19-20) Organização de Espaço, Tempo e

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO NADOLNY, Lorena de Fatima PMC e UFPR lorenaedf@gmail.com GARANHANI, Marynelma Camargo-

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS Marcielen Vieira Santana (Autora) 1 Alessandra B. da Rocha (Co-autora) 2 Introdução Este trabalho surge da necessidade de compreender sobre

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE.

EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 808 EDUCAÇÃO INFANTIL E MEDIAÇÃO: EM BUSCA DE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE QUALIDADE. Samira Ribeiro da Rocha, José Milton

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

Palavras-Chave: Educação infantil. Colaboração. Sentidos e Significados. Atividade. Brincar.

Palavras-Chave: Educação infantil. Colaboração. Sentidos e Significados. Atividade. Brincar. COMPARTILHAMENTO DE SIGNIFICADOS EM CONTEXTO COLABORATIVO: EXPANSÃO DOS SENTIDOS DO BRINCAR COMO ATIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO Maria Auxiliadora Rodrigues 1 Grasiela Maria de Sousa Coelho 2 Este

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL IMPACTOS E REFLEXOS DA FORMAÇÃO LÚDICA DO EDUCADOR NAS PRÁTICAS COTIDIANAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL BELO, Milena Domingos - UNIFESP 1 milena_dbelo@hotmail.com PANIZZOLO, Claudia - UNIFESP 2 claudiapanizzolo@uol.com.br

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA 1 O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA Joelma da Silva Moreira 1 Angela Maria Corso 2 RESUMO: O presente artigo, na condição de trabalho de conclusão de curso, pretende

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Geografia Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Ementa: O

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Pedagogia 4ª Série Organização e Metodologia da Educação Infantil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS

OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS OLHAR PEDAGÓGICO: A IMPORTÂNCIA DA BRINCADEIRA NOS ESPAÇOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CHERUBINI, Iris Cristina Barbosa (UNIOESTE) Resumo: Este trabalho tem por propósito divulgar a importância da brincadeira

Leia mais

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que ARTE PRESENTE NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: UM RELATO DE CASO 1 PONTES, Gilvânia Maurício Dias de (Mestranda PPGEd-UFRN/ Prof. do NEI-UFRN) PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida (DEPED- CCSA-

Leia mais

OS ESPAÇOS NO COTIDIANO DAS CRIANÇAS NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

OS ESPAÇOS NO COTIDIANO DAS CRIANÇAS NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL OS ESPAÇOS NO COTIDIANO DAS CRIANÇAS NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carmen Isabel Pieper Universidade Federal de Pelotas belpiper@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho consiste em um ensaio que discute algumas

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares.

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares. REFORMULAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE SANTA RITA/PB: o processo de formulação das políticas BARROS, Maria Cristitna de Oliveira Bezerra 1 AMORIM, Ana Luisa Nogueira

Leia mais

Dança na Educação Infantil: analisando a influência da ludicidade na construção do conhecimento artístico

Dança na Educação Infantil: analisando a influência da ludicidade na construção do conhecimento artístico Dança na Educação Infantil: analisando a influência da ludicidade na construção do conhecimento artístico Alba Pedreira Vieira 1 Guilherme Fraga da Rocha Teixeira 2 Letícia Oliveira Teixeira 3 Resumo:

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 DISSERTATIVA - 13 Magali, 07 anos de idade, iniciará sua vida escolar. Seus familiares compareceram

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann

QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann 1 A discussão da avaliação na Educação Infantil inicia pela reflexão sobre o papel das instituições voltadas à educação

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 Cleonice Vieira 1 ; Débora Maian Serpa 2 ; Moema Helena de Albuquerque 3 RESUMO O Programa tem como objetivo

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler

A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler A atenção pessoal aos bebês e às crianças bem pequenas nos Centros de Educação Infantil: contribuições da Abordagem Emmi Pikler Anita Viudes Carrasco de Freitas * Este texto tem como proposta contribuir

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA 7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Autor(es) MAGDA J. ANDRADE DE BARROS Co-Autor(es) ALCIDES JOSÉ SCAGLIA RILLER SILVA

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE

EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE EXPERIÊNCIAS COM O BRINCAR NUMA TURMA DE PRÉ- ESCOLA: APRENDIZAGENS DE UMA ESTAGIÁRIA INICIANTE RITA DE CÁSSIA TAVARES MEDEIROS 1 NATÁLIA LORENA NOLA 2 RESUMO Este trabalho é fruto do estágio final do

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO EXTERNO DA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL: A CONSTRUÇÃO DE UM DOCUMENTO PEDAGÓGICO

ORIENTAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO EXTERNO DA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL: A CONSTRUÇÃO DE UM DOCUMENTO PEDAGÓGICO ORIENTAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO EXTERNO DA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL: A CONSTRUÇÃO DE UM DOCUMENTO PEDAGÓGICO Resumo GARANHANI, Marynelma Camargo 1 - UFPR Grupo de Trabalho Educação da

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LETRAMENTO NA CONCEPÇÃO DE VIGOTSKI: O PAPEL DO/A PROFESSOR/A NA APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS Resumo Regiane Aparecida Kusman 1 - TUIUTI-PR Grupo de Trabalho - Educação e Meio Ambiente Agência Financiadora: não

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais