PMO de Outubro Semana Operativa de 30/09/2017 a 06/10/2017

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PMO de Outubro Semana Operativa de 30/09/2017 a 06/10/2017"

Transcrição

1 1. APRESENTAÇÃO No mês de setembro o acumulado de chuva observado nas bacias dos rios Jacuí e Uruguai não foi suficiente para ultrapassar a média do mês. As demais bacias hidrográficas do SIN também apresentaram anomalia negativa de precipitação e houve ocorrência de chuva fraca/chuvisco em pontos isolados das bacias dos rios Jacuí, Uruguai e Iguaçu. Para a semana de 30/09 a 06/10/2017 há previsão de precipitação nas bacias hidrográficas dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste. Neste PMO foi mantida sinalização de importação de energia da República Oriental do Uruguai, para a semana de 30/09 a 06/10/2017 (item 8), através das conversoras de Rivera e de Melo, em consonância com oferta de energia declarada pela Eletrobras (agente responsável pela importação), de acordo com as Portarias MME nº 556/2015 e nº 164/2016. Neste PMO de Outubro/2017, o valor médio semanal do Custo Marginal de Operação - CMO dos subsistemas do SIN passou de R$ 725,70/MWh para R$ 709,90/MWh. Dentre as usinas térmicas disponíveis indicadas para o despacho por ordem de mérito de custo, neste PMO de Outubro/2017, a usina com maior Custo Variável Unitário CVU é a UTE Sepé Tiaraju, cujo CVU é de R$ 698,14/MWh. Este valor é superior ao patamar de R$ 610,00/MWh, conduzindo à aplicação da bandeira tarifária vermelha patamar 2 para outubro/2017, conforme divulgação da Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. 2. NOTÍCIAS Em 26 e 27/10/2017 será realizada a reunião de elaboração do PMO Novembro de 2017 no auditório do Escritório Central do ONS, com transmissão ao vivo através do site do ONS. 3. INFORMAÇÕES PARA ESTUDOS ENERGÉTICOS DE MÉDIO PRAZO - CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO A atualização de dados para os estudos energéticos de médio prazo é realizada mensalmente quando da elaboração do PMO, tendo por base as informações fornecidas pela ANEEL, MME, EPE, CCEE e Agentes, além de diversas áreas do ONS ATUALIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS Oferta Na Figura 1, Figura 2 e Figura 3, a seguir, são apresentadas as evoluções da oferta hidroelétrica, termoelétrica e da disponibilidade das usinas não simuladas individualmente, respectivamente, em comparação ao PMO de setembro/2017, identificando eventuais atrasos ou antecipações de

2 MW MW Sumário do Programa Mensal de Operação cronograma feitos na reunião de acompanhamento do Departamento de Monitoramento do Setor Elétrico DMSE/MME, realizada em 21/09/ Figura 1 - Evolução da potência instalada das UHE Sem alterações PMO set/2017 PMO out/2017 Figura 2 - Evolução da potência instalada das UTEs Antecipação da UG 1 da UTE Mauá Maior diferença de 190 MW PMO set/2017 PMO out/2017

3 % EARmáx [MWmed] Sumário do Programa Mensal de Operação Figura 3 - Evolução da disponibilidade das usinas não simuladas Maior diferença de 192 MWmed PMO set/17 PMO out/ Armazenamentos Iniciais Na Figura 4, a seguir, são apresentados os armazenamentos iniciais equivalentes por subsistema, considerados nos modelos de otimização para a elaboração do PMO de outubro/2017, comparados com os do PMO de setembro/2017. Figura 4 - Energia armazenada inicial em setembro/17 e outubro/17 [% EARmáx] 100% Energia armazenada inicial 80% 60% 59,7% 53,7% 40% 20% 0% 33,8% 37,1% 24,5% 32,9% 13,1% 9,3% -9,3 p.p. -22,7 p.p. -3,8 p.p. -20,7 p.p. Sudeste Sul Nordeste Norte set/17 out/ Tendência Hidrológica Na Tabela 1, a seguir, são apresentadas as tendências hidrológicas consideradas pelo modelo NEWAVE para o PMO de outubro/2017, comparadas com o PMO de setembro/2017.

4 Tabela 1 Tendência hidrológica para o PMO de outubro/2017 NEWAVE [%MLT] PMO setembro/2017 PMO outubro/2017 MÊS SE/CO S NE N SE/CO S NE N Mar/ Abr/ Mai/ Jun/ Jul/ Ago/ Set/ (1) 100% MLT < 100% MLT 3.2. DEMAIS ATUALIZAÇÕES Além das informações de oferta, armazenamentos iniciais e tendências hidrológicas, destacamos, as seguintes atualizações: Geração Hidráulica Mínima da UHE Tucuruí => MWmed (out/17), MWmed (nov/17) e MWmed a partir de dez/17; Defluências das usinas do Rio São Francisco: a) UHE Três Marias - Vazão defluente fixa de 300m³/s em outubro e novembro/17. A partir de dezembro/17 mantida defluência mínima de 420 m³/s, conforme regra vigente; b) UHE Sobradinho e demais usinas - Vazão defluente mínima de 600 m³/s de out/2017 até abr/2018, 900 m³/s de mai/2018 até dez/2019 e m³/s a partir de jan/2020. As vazões são fixas nos dois primeiros meses de simulação (out e nov/2017), exceto na UHE Sobradinho. Alteração dos CVUs das UTEs Norte Fluminense (1, 2 e 3) e Termopernambuco; Alteração de dados cadastrais ou restrições operativas para as UHEs Itumbiara, Porto Primavera e Pedra do Cavalo; Entrada em operação comercial por tempo determinado da UG1 da UTE Mauá 3, de 19 de setembro/2017 a 31 de dezembro/2018, conforme Despacho SFG/ANEEL nº 3.017/2017; e Atualização dos limites de intercâmbio para os meses de outubro/2017 e novembro/2017, em consonância com os valores utilizados no curto prazo.

5 4. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES HIDROMETEOROLÓGICAS 4.1. PREVISÃO PARA A PRÓXIMA SEMANA O avanço de duas frentes frias associadas a áreas de instabilidade pelas regiões Sul e Sudeste no início da próxima semana ocasiona precipitação nas bacias hidrográficas dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste (Figura 5). Figura 5 - Precipitação acumulada prevista pelo modelo ETA (CPTEC/INPE) para o período de 30/09 a 06/10/2017 Nas bacias dos rios Paranapanema, Grande, Paranaíba e Iguaçu, e parte das bacias dos rios São Francisco, Uruguai e Paraná, esta previsão é utilizada como insumo nos modelos do tipo chuvavazão, para a previsão de afluências para a próxima semana. Em comparação com os valores estimados para a semana em curso, prevê-se para a próxima semana operativa, aumento nas afluências dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul e estabilidade nas afluências dos subsistemas Nordeste e Norte. A previsão mensal para outubro indica a ocorrência de afluências abaixo da média histórica para todos os subsistemas.

6 Tabela 2 Previsão de ENAs do PMO de Outubro/2017 PMO de OUTUBRO/ ENAs previstas Subsistema 30/9 a 6/10/2017 Mês de OUTUBRO MWmed %MLT MWmed %MLT SE/CO S NE N PREVISÃO DE CARGA O comportamento da carga do SIN esperado para o mês de outubro/2017 continua impactado pelo modesto desempenho da economia e as incertezas resultantes do atual contexto político-econômico do País. No entanto, alguns fatores como a queda nos juros, a boa safra agrícola, a geração de empregos e o aumento das exportações industriais, já são alguns sinais positivos considerados nas projeções de carga para o mês em análise. As taxas de variação da carga prevista para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul no mês de outubro/2017, relativamente ao mesmo mês do ano anterior, respectivamente, 2,8% e 7,0% estão associadas aos fatores econômicos relatados acima, e ainda, na região Sul, as temperaturas amenas ocorridas em outubro do ano anterior, também contribuem para a elevada taxa de crescimento apresentada. A carga prevista para o subsistema Nordeste no mês de outubro/2017 reflete o comportamento sazonal histórico do subsistema, resultando em uma taxa de crescimento esperada, sobre igual mês do ano anterior, de -3,0%. Tabela 3 - Evolução da carga do PMO de setembro/ PRINCIPAIS RESULTADOS 6.1. CUSTO MARGINAL DE OPERAÇÃO (CMO) A Tabela 4 apresenta o CMO, por subsistema e patamar de carga, na semana operativa de 30/09 a 06/10/2017.

7 Tabela 4 CMO por patamar de carga para a próxima semana CMO (R$/MWh) Patamares de Carga SE/CO S NE N Pesada 716,61 716,61 716,61 716,61 Média 716,61 716,61 716,61 716,61 Leve 698,14 698,14 698,14 698,14 Média Semanal 709,90 709,90 709,90 709,90 Na Figura 6 é apresentada a evolução do CMO médio semanal ao longo de outubro/2017. Figura 6 Evolução do CMO em outubro/ POLÍTICA DE OPERAÇÃO ENERGÉTICA Para a semana operativa de 30/09 a 06/10/2017, está prevista a seguinte política de intercâmbio de energia entre regiões: Região SE/CO Exploração da geração prioritariamente nos patamares de carga pesada e média para fechamento do balanço energético; Região Sul Intercâmbio dimensionado para preservação dos estoques armazenados em seus reservatórios; Região NE Intercâmbio de energia dimensionado para o fechamento do balanço energético da região; Região Norte Geração da UHE Tucuruí dimensionada para fechamento do balanço energético do SIN.

8 7. ANÁLISE DA VARIAÇÃO SEMANAL DO CMO A Figura 7 visa identificar os principais parâmetros cujas atualizações impactaram o CMO desta semana operativa, em comparação com o valor obtido na semana anterior. Figura 7 - Análise da variação do CMO nos subsistemas do SIN CMO Médio Semanal 23/09 a 29/09/2017 CMO Médio Semanal 30/09 a 06/10/2017 A previsão de vazões para outubro/2017 indica ENA mensal de MWmed para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste. Esse valor é superior à previsão realizada na semana anterior para o fechamento de setembro/2017 em MWmed. Assim, a atualização da previsão de vazões impactou o CMO no sentido de reduzi-lo, conforme Figura 7. Contudo, a atualização da FCF teve impacto em sentido contrário, elevando o CMO, visto que a tendência hidrológica considerada na construção da função é significativamente desfavorável, contando com o fechamento de ENA verificada em 64% MLT no subsistema SE/CO no mês setembro/2017. Estes foram os dois principais fatores que conduziram à redução observada do CMO no PMO Outubro/2017.

9 8. GERAÇÃO TÉRMICA A Figura 8 apresenta, para cada subsistema, o despacho térmico por modalidade, para a semana operativa de 30/09 a 06/10/2017. Figura 8 - Geração térmica para a 1ª semana operativa do mês outubro/2017 Ressalta-se que o montante de despacho térmico indicado para o subsistema Norte considera a geração de 460 MW de UTEs dos Sistemas Manaus e Macapá. Indicação de despacho antecipado por ordem de mérito de custo para a semana de 02/12 a 08/12/2017: Tabela 5 UTEs com contrato de combustível GNL UTE Benefício (R$/MWh) Nome Cod CVU (R$/MWh) Carga Pesada Carga Média Carga Leve SANTA CRUZ ,02 626,52 (1) 626,52 (1) 626,48 (1) LUIZORMELO ,27 626,52 (1) 626,52 (1) 626,48 (1) (1) Comandado o despacho antecipado por ordem de mérito de custo nesse patamar (2) NÃO foi comandado o despacho antecipado por ordem de mérito de custo nesse patamar 9. IMPORTAÇÃO DE ENERGIA Para a semana operativa de 30/09 a 06/10/2017, o agente Eletrobras declarou que poderá ser realizada importação de energia da República Oriental do Uruguai para o Sistema Interligado Nacional - SIN através das conversoras de Rivera (70 MW) e Melo (500 MW).

10 Tabela 6 - Energia Ofertada para Importação Oferta de Energia para a Semana de 30/9 a 6/10 (MWmed) Bloco 1 Bloco 2 Total Carga Pesada Carga Média Carga Leve CVU (R$/MWh) 553,04 589,88 Tabela 7 Importação de Energia Elétrica definida pelo PMO Comando de Importação de Energia (MWmed) Estabelecido na RV0 do PMO Out/2017 Bloco 1 Bloco 2 Total Carga Pesada Carga Média Carga Leve ESTIMATIVA DE ENCARGOS OPERATIVOS Para a semana operativa de 30/09 a 06/10/2017 não há expectativa de custo de despacho térmico por restrição elétrica. 11. ARMAZENAMENTOS OPERATIVOS Para uma melhor avaliação de diversos cenários hidrometeorológicos, notadamente, aqueles de curto prazo e suas influências nas previsões de vazões para as regiões SE/CO e NE, os resultados deste PMO contemplam cenários de afluências visando melhor representar a ocorrência de precipitação e, consequentemente, seus efeitos sobre as afluências e armazenamentos. Além dos resultados associados ao valor esperado das previsões de afluências, as simulações operativas também foram realizadas com os limites superior e inferior das previsões de afluências. Apresentamos a seguir os resultados obtidos com a aplicação dos diferentes cenários de afluência.

11 Tabela 8 Previsão de ENA dos cenários de sensibilidade Tabela 9 Previsão de %EARmáx para o final do mês 12. RESERVATÓRIOS EQUIVALENTES DE ENERGIA A seguir são apresentadas as previsões de Energia Natural Afluente para a próxima semana operativa e para o mês de outubro, bem como as previsões de Energia Armazenada nos Reservatórios Equivalentes de Energia REE, da revisão 0 do PMO outubro/2017. REE Tabela 10 Previsão de ENA por REE Valor Esperado das Energias Naturais Afluentes Previsão Semanal Previsão Mensal 30/09/2017 a 06/10/2017 out/17 (MWmed) %MLT (MWmed) %MLT Sudeste Madeira Teles Pires Itaipu Paraná Sul Nordeste Norte Belo Monte

12 Tabela 11 - Previsão de %EARmáx por REE % Energia Armazenável Máxima Previsão Semanal Previsão Mensal REE 6-out 31-out (%EARmáx) (%EARmáx) Sudeste 17,1 15,3 Madeira 32,7 25,4 Teles Pires - - Itaipu 77,3 99,4 Paraná 24,8 20,6 Sul 34,7 35,7 Nordeste 8,3 5,4 Norte 30,3 22,3 Belo Monte 40,1 37,7

13 13. DESPACHO TÉRMICO POR MODALIDADE, PATAMAR DE CARGA E USINA REGIÃO SE/CO Térmicas Tipo de CVU Inflexibilidade Ordem de Mérito Total Mérito e INFL. Razão Elétrica Total UTE Potência (MW) combustível (R$/MWh) P M L P M L P M L P M L P M L ATLAN_CSA (255) Resíduos 0,00 133,10 133,10 133,10 133,1 133,1 133,1 133,1 133,1 133,1 ANGRA 2 (1350) Nuclear 20, , , ,00 270,0 270,0 270,0 1350,0 1350,0 1350,0 1350,0 1350,0 1350,0 ANGRA 1 (640) Nuclear 29,13 0,0 0,0 0,0 NORTEFLU 1 (400) Gás 50,24 400,00 400,00 400,00 0,0 0,0 0,0 400,0 400,0 400,0 400,0 400,0 400,0 NORTEFLU 2 (100) Gás 59,24 100,00 100,00 100,00 0,0 0,0 0,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 BAIXADA FL (530) Gás 107,09 530,0 530,0 530,0 530,0 530,0 530,0 530,0 530,0 530,0 NORTEFLU 3 (200) Gás 112,24 200,00 200,00 200,00 0,0 0,0 0,0 200,0 200,0 200,0 200,0 200,0 200,0 SANTA CRUZ (500) GNL 121,02 350,0 350,0 350,0 350,0 350,0 350,0 350,0 350,0 350,0 ATLANTICO (235) Resíduos 174,83 218,70 218,70 218,70 0,0 0,0 0,0 218,7 218,7 218,7 218,7 218,7 218,7 LUIZORMELO (204) GNL 180,27 204,0 204,0 204,0 204,0 204,0 204,0 204,0 204,0 204,0 LCPRES_L1 (134) Gás 182,76 134,3 134,3 134,3 134,3 134,3 134,3 134,3 134,3 134,3 JUIZ DE FO (87) Gás 213,84 84,8 84,8 84,8 84,8 84,8 84,8 84,8 84,8 84,8 GLBRIZ_L1 (770) Gás 216,73 80,00 80,00 80,00 690,3 690,3 690,3 770,3 770,3 770,3 770,3 770,3 770,3 NORTEFLU 4 (127) Gás 232,56 126,0 126,0 126,0 126,0 126,0 126,0 126,0 126,0 126,0 EUZEBI_L13 (59) Gás 232,92 24,00 24,00 24,00 34,8 34,8 34,8 58,8 58,8 58,8 58,8 58,8 58,8 LCPRES_L13 (216) Gás 235,54 125,8 125,8 125,8 125,8 125,8 125,8 125,8 125,8 125,8 AUR.CHAVES (226) Gás 238,88 212,0 212,0 212,0 212,0 212,0 212,0 212,0 212,0 212,0 GLBRIZ_L13 (266) Gás 240,64 200,0 200,0 200,0 200,0 200,0 200,0 200,0 200,0 200,0 BLSOBR_L13 (65) Gás 243,24 65,3 65,3 65,3 65,3 65,3 65,3 65,3 65,3 65,3 BLSOBR_L1 (321) Gás 282,90 216,7 216,7 216,7 216,7 216,7 216,7 216,7 216,7 216,7 W.ARJONA (206) Gás 297,27 0,0 0,0 0,0 EROCHA_L1 (157) Gás 303,11 150,2 150,2 150,2 150,2 150,2 150,2 150,2 150,2 150,2 ST.CRUZ 34 (436) Óleo 310,41 FGASPARIAN (572) Gás 399,02 563,6 563,6 563,6 563,6 563,6 563,6 563,6 563,6 563,6 VIANA (175) Óleo 411,28 175,0 175,0 175,0 175,0 175,0 175,0 175,0 175,0 175,0 PIRAT.12 O (200) Gás 470,34 0,0 0,0 0,0 M.LAGO (929) Gás 505,07 840,7 840,7 840,7 840,7 840,7 840,7 840,7 840,7 840,7 CUIABA CC (529) Gás 511,77 PALMEIR_GO (176) Diesel 592,92 0,0 0,0 0,0 CAMPOS (25) Diesel 650,75 25,0 25,0 25,0 25,0 25,0 25,0 25,0 25,0 25,0 IGARAPE (131) Óleo 653,43 110,0 110,0 110,0 110,0 110,0 110,0 110,0 110,0 110,0 TNORTE 2 (340) Óleo 678,04 0,0 0,0 0,0 DAIA (44) Diesel 751,93 GOIANIA 2 (140) Diesel 779,43 CARIOBA (36) Óleo 937,00 UTE BRASIL (10) Diesel 1047,38 XAVANTES (54) Diesel 1077,95 TOTAL SE/CO (10844) 2235, , , ,5 5108,5 5108,5 7344,3 7344,3 7344,3 0,0 0,0 0,0 7344,3 7344,3 7344,3 REGIÃO SUL Térmicas Tipo de CVU Inflexibilidade Ordem de Mérito Total Mérito e INFL. Razão Elétrica Total UTE Potência (MW) combustível (R$/MWh) P M L P M L P M L P M L P M L CANDIOTA_3 (350) Carvão 78,54 210,00 210,00 210,00 40,0 40,0 40,0 250,0 250,0 250,0 250,0 250,0 250,0 P.MEDICI A (126) Carvão 115,90 20,0 20,0 20,0 20,0 20,0 20,0 20,0 20,0 20,0 P.MEDICI B (320) Carvão 115,90 0,0 0,0 0,0 J.LACER. C (363) Carvão 178,91 363,0 363,0 363,0 363,0 363,0 363,0 363,0 363,0 363,0 J.LACER. B (262) Carvão 209,48 160,00 160,00 160,00 102,0 102,0 102,0 262,0 262,0 262,0 262,0 262,0 262,0 J.LAC. A2 (132) Carvão 217,89 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 J.LAC. A1 (100) Carvão 238,56 50,0 50,0 50,0 50,0 50,0 50,0 50,0 50,0 50,0 S.JERONIMO (20) Carvão 248,31 0,0 0,0 0,0 MADEIRA (4) Biomassa 281,16 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0 URUGUAIANA (640) Gás 486,20 0,0 0,0 0,0 FIGUEIRA (20) Carvão 486,49 13,00 13,00 13,00 0,0 0,0 0,0 13,0 13,0 13,0 13,0 13,0 13,0 S.TIARAJU (249) Diesel 698,14 243,1 243,1 206,0 243,1 243,1 206,0 243,1 243,1 206,0 ARAUCARIA (484) Gás 710,65 0,0 0,0 NUTEPA (24) Óleo 780,00 TOTAL SUL (3094) 383,00 383,00 383,00 952,1 952,1 915,0 1335,1 1335,1 1298,0 0,0 0,0 0,0 1335,1 1335,1 1298,0

14 REGIÃO NORDESTE Térmicas Tipo de CVU Inflexibilidade Ordem de Mérito Total Mérito e INFL. Razão Elétrica Total UTE Potência (MW) combustível (R$/MWh) P M L P M L P M L P M L P M L TERMOPE (533) Gás 102,95 348,80 348,80 348,80 183,9 183,9 183,9 532,7 532,7 532,7 532,7 532,7 532,7 FORTALEZA (327) Gás 139,88 0,0 0,0 0,0 P.PECEM1 (720) Carvão 159,22 720,0 720,0 720,0 720,0 720,0 720,0 720,0 720,0 720,0 P.PECEM2 (365) Carvão 168,27 365,0 365,0 365,0 365,0 365,0 365,0 365,0 365,0 365,0 R.ALMEIDA (138) Gás 234,64 38,0 38,0 38,0 38,0 38,0 38,0 38,0 38,0 38,0 C.FURTADO (186) Gás 279,04 0,0 0,0 0,0 JS_PEREIRA (368) Gás 314,63 156,1 156,1 156,1 156,1 156,1 156,1 156,1 156,1 156,1 TERMOCEARA (223) Gás 319,03 0,0 0,0 0,0 PERNAMBU_3 (201) Óleo 344,08 17,0 17,0 17,0 17,0 17,0 17,0 17,0 17,0 17,0 MARACANAU (168) Óleo 393,57 34,0 34,0 34,0 34,0 34,0 34,0 34,0 34,0 34,0 SUAPE II (381) Óleo 404,87 343,7 343,7 343,7 343,7 343,7 343,7 343,7 343,7 343,7 TERMOCABO (50) Óleo 406,51 33,1 33,1 33,1 33,1 33,1 33,1 33,1 33,1 33,1 CAMPINA_GR (169) Óleo 411,28 72,0 72,0 72,0 72,0 72,0 72,0 72,0 72,0 72,0 TERMONE (171) Óleo 412,47 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 TERMOPB (171) Óleo 412,47 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 162,0 GLOBAL I (149) Óleo 467,65 64,0 64,0 64,0 64,0 64,0 64,0 64,0 64,0 64,0 GLOBAL II (149) Óleo 467,65 125,0 125,0 125,0 125,0 125,0 125,0 125,0 125,0 125,0 SYKUE I (30) Biomassa 510,12 22,00 22,00 22,00 6,0 6,0 6,0 28,0 28,0 28,0 28,0 28,0 28,0 BAHIA_1 (31) Óleo 513,78 26,6 26,6 26,6 26,6 26,6 26,6 26,6 26,6 26,6 AREMBEPE (150) Óleo 599,87 90,0 90,0 90,0 90,0 90,0 90,0 90,0 90,0 90,0 MURICY (147) Óleo 599,87 117,8 117,8 117,8 117,8 117,8 117,8 117,8 117,8 117,8 ALTOS (13) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 ARACATI (11) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 BATURITE (11) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 C.MAIOR (13) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 CAUCAIA (15) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 CRATO (13) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 IGUATU (15) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 JUAZEIRO N (15) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 MARAMBAIA (13) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 NAZARIA (13) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 PECEM (15) Diesel 646,26 0,0 0,0 0,0 PETROLINA (136) Óleo 658,15 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 132,0 POTIGUAR (53) Diesel 757,92 POTIGUAR_3 (66) Diesel 757,92 PAU FERRO (94) Diesel 864,07 TERMOMANAU (143) Diesel 864,07 CAMACARI (347) Diesel 943,88 TOTAL NE (5813) 370,80 370,80 370, ,2 2848,2 2848,2 3219,0 3219,0 3219,0 0,0 0,0 0,0 3219,0 3219,0 3219,0 REGIÃO NORTE Térmicas Tipo de CVU Inflexibilidade Ordem de Mérito Total Mérito e INFL. Razão Elétrica Total UTE Potência (MW) combustível (R$/MWh) P M L P M L P M L P M L P M L C. ROCHA (85) Gás 0,00 65,00 65,00 65,00 65,0 65,0 65,0 65,0 65,0 65,0 JARAQUI (75) Gás 0,00 55,00 55,00 55,00 55,0 55,0 55,0 55,0 55,0 55,0 MANAUARA (67) Gás 0,00 64,50 64,50 64,50 64,5 64,5 64,5 64,5 64,5 64,5 PONTA NEGR (66) Gás 0,00 64,00 64,00 64,00 64,0 64,0 64,0 64,0 64,0 64,0 SUZANO MA (255) Resíduos 0,00 140,00 140,00 140,00 140,0 140,0 140,0 140,0 140,0 140,0 TAMBAQUI (93) Gás 0,00 63,00 63,00 63,00 63,0 63,0 63,0 63,0 63,0 63,0 UTE MAUA 3 (591) Gás 63,84 150,00 150,00 150,00 0,0 0,0 0,0 150,0 150,0 150,0 150,0 150,0 150,0 MARANHAO3 (519) Gás 74,91 482,00 482,00 482,00 36,8 36,8 36,8 518,8 518,8 518,8 518,8 518,8 518,8 PARNAIB_IV (56) Gás 88,97 56,3 56,3 56,3 56,3 56,3 56,3 56,3 56,3 56,3 MARANHAO V (338) Gás 112,88 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 MARANHAOIV (338) Gás 112,88 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 337,6 P. ITAQUI (360) Carvão 163,22 360,1 360,1 360,1 360,1 360,1 360,1 360,1 360,1 360,1 N.VENECIA2 (178) Gás 203,00 178,2 178,2 178,2 178,2 178,2 178,2 178,2 178,2 178,2 APARECIDA (166) Gás 302,19 43,00 43,00 43,00 0,0 0,0 0,0 43,0 43,0 43,0 43,0 43,0 43,0 GERAMAR1 (166) Óleo 411,27 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 GERAMAR2 (166) Óleo 411,27 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 159,2 MAUA B3 (110) Gás 411,92 100,00 100,00 100,00 5,0 5,0 5,0 105,0 105,0 105,0 105,0 105,0 105,0 MAUA B4 (150) Óleo 575,00 0,0 0,0 0,0 SANTANA I (58) Diesel 640,96 0,0 0,0 0,0 MAUA B1 (20) Óleo 711,77 0,0 0,0 IRANDUBA (25) Óleo 784,21 FLORES LT1 (40) Diesel 794,72 FLORES LT2 (40) Diesel 808,99 SAO JOSE (50) Diesel 833,53 ELECTRON (15) Óleo 872,84 SANTANA II (50) Diesel 898,56 APARECD OC (36) Óleo 905,99 TOTAL NORTE (4113) 1226, , , ,0 1630,0 1630,0 2856,5 2856,5 2856,5 0,0 0,0 0,0 2856,5 2856,5 2856,5 Observação: As contribuições referentes ao Sumário do Programa Mensal de Operação poderão ser encaminhadas para o

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional ENCONTRO DE DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO EDAO 2008 Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional São Paulo SP 11 de novembro de 2008 Hermes Chipp 1. Procedimentos para aumentar a segurança energética

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Janeiro 215

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Relatório dos Auditores Independentes sobre Asseguração Razoável do Programa Mensal de Operação - PMO e suas revisões Novembro, 2013 Centro Empresarial PB 370

Leia mais

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014 DEZEMBRO 2014 Sumário Bandeiras Tarifárias... 2 O sistema hidrotérmico brasileiro... 2 A tarifa de energia no Brasil... 3 Por que bandeiras tarifárias?... 6 PERGUNTAS E RESPOSTAS... 7 1. Como funcionarão

Leia mais

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc

NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc 2011/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 162/2011 D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc !" #$%&!'"% (& ")*+" "(,-./%.%," %()0*/%.

Leia mais

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico.

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico. ENASE 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade Rio de Janeiro, 29.09.2009 Hermes Chipp 1 Sumário 1. Características

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara

O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara Usina Hidrelétrica Ourinhos O Mercado Livre de Energia Elétrica Cleber Mosquiara Usina Hidrelétrica Barra Agenda Grupo Votorantim Votorantim Energia Análise do Setor Elétrico e o Mercado Livre Contatos

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova

O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova O papel da bioeletricidade no plano de decenal de energia elétrica 2006/2015 e nos leilões de energia nova José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos de Energia Elétrica - EPE Eduardo Henrique Ferreira

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Ministério de Minas e Energia Ministro Edison Lobão Secretário Executivo Márcio Pereira Zimmermann Secretário

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

Mercado de Energia e Custos

Mercado de Energia e Custos Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas 24.04.2014 CMU Energia Atua no mercado desde 2003. Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE)

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Visita à UTE PecémI 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07. Março de 2008 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 4T07 Março de 2008 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de

Leia mais

ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO ESTUDOS PARA A LICITAÇÃO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO Garantia Física dos Empreendimentos Hidrelétricos 1º Leilão de Energia Nova A-5 de 2013 Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS

Leia mais

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique para adicionar um título Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique Agendapara adicionar um título O Atual Modelo de Comercialização A MP 579 e a Lei 12.783 O Risco de suprimento

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO

2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO 2T08 Apresentação dos Resultados Utilities Day 2008 - UBS Pactual São Paulo, 8 de outubro de 2008 Manoel Zaroni Torres - CEO Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Mario Veiga mario@psr-inc.com ENASE Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2009 Temário Evolução histórica da tarifa de fornecimento Evolução dos preços de energia

Leia mais

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA

O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA O que é o PET? CONJUNTO DE INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO NECESSÁRIAS NO HORIZONTE DE CINCO ANOS CONSOLIDADAS NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO ENCAMINHADO PELA EPE PARA O MME E ANEEL

Leia mais

Produção Sudeste/Centro-Oeste

Produção Sudeste/Centro-Oeste 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica 37.29 11.76 1.83 9.369

Leia mais

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual e o que vem por aí

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual e o que vem por aí SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual e o que vem por aí Marco Antonio Siqueira marco@psr-inc.com Belo Horizonte, 5 de março de 2015 1 Agenda A estrutura de oferta e demanda do setor elétrico As condições

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Avaliação da volatilidade do preço de curto prazo no Brasil e sua relação com a geração térmica

Avaliação da volatilidade do preço de curto prazo no Brasil e sua relação com a geração térmica 8º CONGRESSO LATINO AMERICANO DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CLAGTEE 2009 1 Avaliação da volatilidade do preço de curto prazo no Brasil e sua relação com a geração térmica R. B. Heideier,

Leia mais

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica

Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional Eólica Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012 1 - Balanço de Energia LEGENDA: Verificado Programado SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN - MWmed Produção Hidro Nacional Itaipu Binacional Termo Nuclear Termo Convencional

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/05/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/08/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

GÁS NATURAL E ENERGIA ELÉTRICA: FLUINDO EM MONOPÓLIO. Edvaldo Alves de Santana

GÁS NATURAL E ENERGIA ELÉTRICA: FLUINDO EM MONOPÓLIO. Edvaldo Alves de Santana GÁS NATURAL E ENERGIA ELÉTRICA: FLUINDO EM MONOPÓLIO 1. Anotações iniciais Edvaldo Alves de Santana As anotações aqui delineadas têm como foco a avaliação de um aspecto de certa forma negligenciado no

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento

Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento 2ª Edição Julho de 2007 Realização Disponível em www.acendebrasil.com.br Instituto Acende Brasil

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

Integração da Bioeletricidade na Matriz Elétrica

Integração da Bioeletricidade na Matriz Elétrica Integração da Bioeletricidade na Matriz Elétrica Oportunidades de Oferta e Cenários para 2010 e 2011 Estudo elaborado pelo GESEL Grupo de Estudos do Setor Elétrico da UFRJ, especialmente para os participantes

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1 Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV ÍNDICE REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA DE CCEAR POR DISPONIBILIDADE - RRV 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 7 1.2. Conceitos Básicos 8

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - MPX ENERGIA SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - MPX ENERGIA SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria Comercialização de Energia Elétrica Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria ENCONSEL Novembro de 2011 Visão Geral Setor Elétrico Brasileiro Reestruturação do SEB Evolução das alterações no SEB Modelo

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 Conjuntura hidrológica bastante adversa 2014 foi 10º ano mais seco da história (84 anos)

Leia mais

CARLA SILVA DAGOSTIN OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA CONFORME O PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA 2021

CARLA SILVA DAGOSTIN OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA CONFORME O PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA 2021 CARLA SILVA DAGOSTIN OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA CONFORME O PLANO DECENAL DE EXPANSÃO DE ENERGIA 2021 AGENDA INTRODUÇÃO PREMISSAS BÁSICAS DO PLANO EVOLUÇÃO DO CONSUMO OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA GERAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Silvia Regina dos Santos Gonçalves PósMQI - Programa de Pós-graduação em Metrologia, PUC-Rio Rua Marquês de

Leia mais

Energia e Infraestrutura

Energia e Infraestrutura 1 33º Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2015 Energia e Infraestrutura Wagner Cardoso Gerente Executivo de Infraestrutura Confederação Nacional da Indústria Joinville, 22 de setembro de 2015 2 SUMÁRIO

Leia mais

Energia Eólica Maio / 2015

Energia Eólica Maio / 2015 Energia Eólica Maio / 2015 Cenário Atual 2 Posicionamento Mundial 10º no mundo 5,96 GW capacidade instalada acumulada 4º no mundo 2,50 GW nova capacidade instalada 2º no mundo atratividade Fonte: GWEC

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 42, DE 1 o DE MARÇO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável)

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável) Setembro de 2012 Edição Especial 1 OPINIÃO IMPACTO TARIFÁRIO DA RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES Os benefícios para os consumidores provêm da redução de três componentes tarifários: 1. Custo de geração; 2. Custo

Leia mais

As mudanças na tarifa. Abril de 2015

As mudanças na tarifa. Abril de 2015 As mudanças na tarifa Abril de 2015 1 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica 2 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica TARIFA Energia Transporte Encargos Distribuição Impostos 3 Irrigantes

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Cálculo dos fatores de emissão de CO 2 pela geração de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional do Brasil

Cálculo dos fatores de emissão de CO 2 pela geração de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional do Brasil Cálculo dos fatores de emissão de CO 2 pela geração de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional do Brasil Introdução Os fatores de emissão de CO 2 resultantes da geração de energia elétrica verificada

Leia mais

Meio Ambiente e Geração Distribuída

Meio Ambiente e Geração Distribuída Meio Ambiente e Geração Distribuída Paulo Arbex 25 de Marco de 2015 Introdução 2 Ü Oriundo do mercado financeiro, ha 7 anos no setor; Ü PROPRIO OTARIO minoritário de empresa de CGHs e PCHs; Ü Orgulho da

Leia mais

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia Estrutura: Operador do Sistema (ONS): Responsável pela otimização centralizada da operação do sistema e pelo despacho, de acordo com regras aprovadas pelo ente

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

Resultados 3T14. CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados.

Resultados 3T14. CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados. Resultados CPFL Energia 2014. Todos os direitos reservados. Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Complementaridade sazonal com relação ao regime de chuvas,

Complementaridade sazonal com relação ao regime de chuvas, IMPORTÂNCIA E PERSPECTIVAS DA BIOELETRICIDADE SUCROENERGÉTICA NA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA Nivalde José de Castro 1 Roberto Brandão 2 Guilherme de A. Dantas 3 Introdução O Brasil tem uma matriz elétrica

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 182

BOLETIM INFORMATIVO Nº 182 BOLETIM INFORMATIVO Nº 182 2ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 NOTICIAS CMO médio volta a subir no Sudeste e alcança R$ 2.158,57/MWh Valor está 52% acima do primeiro patamar da curva de custo do déficit de

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 04/07/2006

INFORME TÉCNICO Data: 04/07/2006 Este Informe Técnico se destina a registrar esclarecimentos para o cadastramento, com fins de obtenção de habilitação técnica para participação do Leilão de Novos Empreendimentos A-5/2006, e cálculo da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030

Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030 Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030 Associação Brasileira do Carvão Mineral Marcio Pereira Zimmermann Secretário de Planejamento e

Leia mais

ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015

ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015 ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015 Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Operação Setor Ind e Abast Sul, Área Serv Públicos, Lote A 71215-000 Brasília DF

Leia mais

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP)

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Palestra apresentada a Diretoria do INEE em 25 de janeiro de 2012 Péricles Pinheiro Filho Atualizada em 2012-07-17 Considerações Iniciais Péricles Pinheiro Filho

Leia mais

2011 2009 2013 2010 2012

2011 2009 2013 2010 2012 2009 2011 2012 2013 2010 Fonte: ONS MW med Marços Alívio 1 ~5 GWmed Alívio 2 ~2 GWmed Fonte: ONS MWh/h Jan/14 Fev/12 Fev/10 Fonte: ONS Fonte: Elaboração própria a partir de dados históricos da operação

Leia mais

Cogen Bioeletricidade Expansão da Oferta de Bioeletricidade e Cogeração Gás Natural na Matriz Elétrica. Cogen Gas Natural

Cogen Bioeletricidade Expansão da Oferta de Bioeletricidade e Cogeração Gás Natural na Matriz Elétrica. Cogen Gas Natural Cogen Bioeletricidade Expansão da Oferta de Bioeletricidade e Cogeração Gás Natural na Matriz Elétrica Cogen Gas Natural Carlos R Silvestrin COGEN Tel 11-3815-4887 www.cogen.com.br PDE 2008/17 - Evolução

Leia mais

SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA

SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA NOTA TÉCNICA DEA 07/10 NOTA TÉCNICA ONS 059/2010 1ª Revisão Quadrimestral das Projeções da demanda de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional 2010-2014 Rio de Janeiro

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

O gráfico abaixo descreve o consumo de energia elétrica (em MWm) verificado no SIN, desde janeiro de 2005:

O gráfico abaixo descreve o consumo de energia elétrica (em MWm) verificado no SIN, desde janeiro de 2005: MERCADO REALIZADO Setembro 2011 Outubro - 2011 Análise de Mercado: O consumo total de energia elétrica no SIN - Sistema Interligado Nacional atingiu 56.275 MWm no mês de Setembro de 2011, representando

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T09

Apresentação de Resultados 1T09 Apresentação de Resultados 1T09 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

Uso da Biomassa na Geração de Energia

Uso da Biomassa na Geração de Energia Uso da Biomassa na Geração de Energia Rui Guilherme Altieri Silva Superintendente de Regulação dos Serviços de Geração SRG/ANEEL 01/07/2011 Brasília-DF 1. Potencial Energético 2. Aspectos Tecnológicos

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais