NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR doc

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NT 162/2011. D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR 2012-2013.doc"

Transcrição

1

2 2011/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 162/2011 D:\!ONS-2011\NOTA TÉCNICA\GPO2\NT 162_2011_CAR doc

3 !" #$%&!'"% (& ")*+" "(,-./%.%," %()0*/% CAR para a Região Sudeste/Centro- Oeste CAR para a Região Sul CAR para a Região Nordeste CAR para a Região Norte Recomendação Geral 9 %!..0..!,0. 2%3!+")%.&%%(& " %.&% 4.1 Premissas e Dados Específicos Nível mínimo de segurança Afluências Usos Consuntivos Carga de Energia Geração Térmica Geração de usinas não simuladas individualmente Intercâmbio entre as Regiões Sudeste/Centro- Oeste e a Região Sul Intercâmbio entre as Regiões Sudeste/Centro- Oeste e a Região Norte Intercâmbio entre as Regiões Sudeste/Centro- Oeste e a Região Nordeste Intercâmbio líquido das Regiões Sudeste/Centro- Oeste Resultados para a CAR das Regiões Sudeste/Centro-Oeste 15 2%3!+" Premissas e Dados Específicos Carga Recebimento de energia pela Região Sul Geração Térmica Geração de usinas não simuladas individualmente Construção da CAR do Sul Determinação das Curvas de Segurança das Bacias Bacia do Capivari-Cachoeira Bacia do Jacuí Bacia do Passo Fundo Bacia do Uruguai Bacia do Iguaçu Composição das bacias Curva de Armazenamento Mínimo 24

4 5.5 Resultados para a CAR da Região Sul %3!+"" )%.&% Premissas e Dados Específicos Nível mínimo de segurança Defluência mínima Afluências Usos Consuntivos Carga de Energia Geração Térmica Geração de usinas não simuladas individualmente Intercâmbio entre a Região Nordeste e a Região Norte Intercâmbio entre a Região Nordeste e as Regiões Sudeste/Centro-Oeste Intercâmbio líquido da Região Nordeste Resultados para a CAR da Região Nordeste %3!+"" &% 7.1 Premissas e Dados Específicos Afluências às UHEs Tucuruí e Serra da Mesa Defluência da UHE de Serra da Mesa Unidades Geradoras Disponíveis Carga Geração Térmica Geração de usinas não simuladas individualmente Exportação/Importação de Energia da Região Norte no Período Níveis Mínimos de Segurança Construção da CAR do Norte Determinação dos níveis de armazenamento requeridos para o reservatório de Serra da Mesa Determinação dos níveis de armazenamento requeridos para o reservatório de Tucuruí Resultados para a CAR da Região Norte 39!.&0)%6! ) ".%&0#%-0. (%9" 2% 0*+":!,0 9! 0 (%9" 2% 0*+")%.!(0.(+".! -0)0.!()!'!)0- %(&% (%9" 2!!&%.)% (&%,; #!".%(& %%3!/%. <0 0"<% =")"$0(%! "0)%>% # " (%9" 2%&%!(0*+")0.

5 #$%&!'"% (& ")*+" O objetivo desta Nota Técnica é subsidiar o processo de Audiência Pública a ser conduzido pela ANEEL para aprovação do uso das Curvas Bianuais de Aversão a Risco, biênio, no Planejamento e na Programação da Operação do SIN do Ciclo de Planejamento de 2012 e na formação do Preço de Liquidação das Diferenças PLD. A Resolução GCE nº 109, de 24 de janeiro de 2002, atribui ao ONS o papel de definir, em conjunto com MME, ANEEL e ANA, um mecanismo de representação de aversão a risco de racionamento. Essa disposição foi incorporada à legislação do Setor Elétrico por meio da Lei nº , de 15 de março de 2004, Artigo 1º, parágrafo 4º, inciso III. Presentemente, esse mecanismo consiste em Curvas Bianuais de Aversão a Risco - CAR para o Sistema Interligado Nacional - SIN, as quais estabelecem requisitos de energia armazenada, em base mensal, adotados como referência de segurança para o atendimento do SIN, utilizando os recursos energéticos de custos mais elevados, de forma a preservar a segurança do atendimento à carga. Esta Nota Técnica apresenta as CAR propostas para o ano de 2012, com período de abrangência de 31 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2013, para as Regiões Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte. A construção destas CAR tomou por base o Programa Mensal de Operação PMO de setembro/2011, no qual se destacam como principais informações atualizadas na 2ª Atualização Quadrimestral do Ciclo de Planejamento Anual de 2011: Cronogramas de obras de geração e transmissão acompanhados pelo Departamento de Monitoramento do Setor Elétrico DMSE/MME, ratificados pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico CMSE; Carga de energia elaborada pelo ONS e pela EPE para a 2ª Atualização Quadrimestral do Planejamento Anual da Operação Energética Ano 2011; e Limites de transmissão inter-regionais calculados pelo ONS para a 2ª Atualização Quadrimestral do Planejamento Anual da Operação Energética Ano 2011, descritos na NT ONS 112/ Limites de Transferência de Energia entre Regiões e Geração Térmica por Restrições Elétricas para o período 2011/2015. Destacam-se os seguintes aperfeiçoamentos metodológicos incorporados a partir dessas CAR : Consideração de uma restrição de defluência mínima de m 3 /s em Sobradinho, associada às restrições ambientais e de uso múltiplo da água. A

6 razão do uso desse valor, ao invés de m 3 /s, como usualmente se tem utilizado no cálculo das CAR, se deve ao fato de que na prática esta restrição só pode ser alterada, com anuência da ANA, em situações absolutamente críticas e por curtos períodos de tempo, entre 3 e 4 meses, como por ocasião do racionamento de 2001 e nos meses críticos de 2004 e Além disso, para efeitos de aplicação dos POCP, e consequentemente para a definição dos níveis de segurança operativa a cada mês, é utilizado o valor de m 3 /s, em conflito com o valor utilizado até então nas CAR e na definição dos níveis meta. Ou seja, considerando que a CAR é um mecanismo de segurança estrutural, não é adequada a utilização de uma premissa conjuntural, de curtíssima duração, com influência direta na definição dos níveis meta a serem utilizados nos POCP e com a própria política de antecipação preventiva de geração térmica decorrente do uso dessas CAR; Uso de uma CAR na Região Norte, já que esta Região atende à prerrogativa de ter uma curva de aversão a risco, em consonância com as demais Regiões do SIN, na medida em que possui disponibilidade de geração térmica local para garantia de requisitos mínimos de armazenamento (da ordem de 650 MWmed em % da carga própria e MWmed em 2013, 29% da carga própria), podendo inclusive esse recurso ser utilizado para evitar o desligamento da 2ª casa de força da UHE Tucuruí ao final de cada estação seca; Período de vigência da CAR de 31 de janeiro a 31 de dezembro do primeiro ano do biênio, com o objetivo de evitar variações abruptas entre os requisitos de armazenamento das CAR vigentes às 24 horas de 31 de dezembro do primeiro ano do biênio anterior (exemplo 2011, do biênio 2011/2012 das CAR ora vigentes) e os requisitos de armazenamento que seriam considerados nos cálculos das novas CAR atualizadas para as zero hora do dia 01 de janeiro e aprovadas pela ANEEL para uso no Ciclo de Planejamento Anual subsequente (exemplo 2012, do biênio ); com isso, a interpolação diária que se faz necessária para acompanhamento dos níveis de armazenamento em relação aos requisitos mensais das CAR se dará de forma suave entre as mudanças das CAR ao final e ao começo de cada ano de vigência de uma CAR bianual; e Consideração de um fator mínimo de redução na disponibilidade de geração máxima das fontes térmicas e não simuláveis programadas para o biênio de abrangência das CAR. Esse fator, de 10% em cada biênio, busca retratar a experiência recente de reprogramações sistemáticas dos cronogramas de obras dessas fontes apresentadas ao CMSE, com atrasos médios superiores a 30 meses, no total de aproximadamente MW, que já deveriam ter entrado em operação comercial em dezembro de 2010, com impactos nas CAR de 2011 da ordem de MWmed, trazendo assim a necessidade recorrente de proposições, pelo ONS, de revisões das CAR durante seu período de 5

7 vigência e no seu horizonte de abrangência, como o ocorrido no Ciclo de Planejamento de Esse fator permite ainda absorver potenciais atrasos decorrentes da eventual troca de combustível de algumas térmicas a óleo vencedoras dos leilões de energia nova, conforme a Lei nº , de 03/03/2011, dando-se assim uma maior estabilidade no uso dessas CAR e evitando-se a definição de requisitos de armazenamentos mínimos que poderão provocar gerações térmicas a maior quando da aplicação dos POCP, decorrentes do uso excessivo dos reservatórios pela sinalização de CMOs irreais na fase de Programação Mensal. A aplicação deste fator de 10% de segurança representa, no biênio, redução de oferta de 394 MWmed em 2012 e MWmed em 2013, assim distribuídos: no SE/CO 150 MWmed em 2012 e 270 MWmed em 2013; no Sul 30 MWmed em 2012 e 46 MWmed em 2013 e no Nordeste 214 MWmed em 2012 e 760 MWmed em Para o subsistema Norte não houve aplicação de fator de redução uma vez que seu parque gerador em expansão encontra-se com suas obras iniciadas seguindo o cronograma previsto. 4

8 "(,-./%.%," %()0*/%. Em consonância com os dados e informações do PMO de setembro de 2011, e com os aperfeiçoamentos metodológicos apresentados anteriormente, os itens a seguir apresentam os valores das CAR das Regiões Sudeste/Centro- Oeste, Sul, Nordeste e Norte. 2.1 CAR para a Região Sudeste/Centro-Oeste A Curva Bianual de Aversão a Risco proposta para as Regiões Sudeste/Centro-Oeste é a indicada na Tabela 2.1-1, a seguir, que, mantidas as premissas de formulação, garante o pleno atendimento à carga, mesmo na hipótese da ocorrência das afluências do 4º biênio mais crítico do histórico para o Subsistema Sudeste/Centro-Oeste 1933/1934, em 2012 e 2013, mantendo-se o nível mínimo de segurança de 10% EAR máx em cada mês do horizonte definido. Tabela SE/CO - Curva Bianual de Aversão a Risco (% EAR máx) 31/jan 28/fev 31/mar 30/abr 31/mai 30/jun 31/jul 31/ago 30/set 31/out 30/nov 31/dez % 24% 30% 34% 34% 32% 28% 23% 17% 13% 10% 10% % 26% 32% 35% 36% 34% 30% 25% 19% 14% 10% 10% 2.2 CAR para a Região Sul A Curva Bianual de Aversão a Risco proposta para a Região Sul é a indicada na Tabela 2.2-1, a seguir, que, mantidas as premissas de formulação, garante o pleno atendimento à carga, mesmo na hipótese de ocorrência das afluências do pior ano do histórico para o Subsistema Sul 1945, em 2012 e 2013, mantendo-se o nível mínimo de segurança de 13% EAR máx em cada mês do horizonte definido. Tabela Sul - Curva Bianual de Aversão a Risco (% EAR máx) 31/jan 28/fev 31/mar 30/abr 31/mai 30/jun 31/jul 31/ago 30/set 31/out 30/nov 31/dez % 33% 34% 31% 25% 26% 29% 26% 34% 43% 47% 45% % 36% 36% 33% 27% 28% 32% 22% 15% 13% 13% 13% Adicionalmente, deve ser adotado, como mecanismo complementar de aversão a risco, a curva de segurança da bacia do rio Iguaçu, apresentada no Item 5.3.5, em função da necessidade de se manter uma geração mínima nes- 1

9 sa bacia que permita a adequada operação da malha de transmissão de 500 kv de fronteira dos Subsistemas SE/CO e Sul, propiciando a maximização do recebimento de energia pela Região Sul. Essas restrições de armazenamento, individualizadas ou por bacia, devem ser consideradas na elaboração do PMO através de suas representações no modelo DECOMP. 2.3 CAR para a Região Nordeste A Curva Bianual de Aversão a Risco proposta para a Região Nordeste é a indicada na Tabela 2.3-1, a seguir, que, mantidas as premissas de formulação, garante o pleno atendimento à carga, mesmo na hipótese de ocorrência das afluências do biênio mais desfavorável do histórico para o Subsistema Nordeste 2000/2001, em 2012 e 2013, mantendo-se o nível mínimo de segurança de 10% EAR máx em cada mês do horizonte definido. Tabela NE - Curva Bianual de Aversão a Risco (% EAR máx) 31/jan 28/fev 31/mar 30/abr 31/mai 30/jun 31/jul 31/ago 30/set 31/out 30/nov 31/dez % 10% 13% 23% 24% 23% 20% 17% 14% 10% 11% 24% % 37% 38% 37% 34% 30% 25% 20% 15% 11% 10% 10% 2.4 CAR para a Região Norte A Curva Bianual de Aversão a Risco proposta para a Região Norte é a indicada na Tabela 2.4-1, a seguir, mantendo-se o nível mínimo de segurança de 10% EAR máx em cada mês do horizonte definido. Tabela Norte - Curva Bianual de Aversão a Risco (% EAR máx) 31/jan 28/fev 31/mar 30/abr 31/mai 30/jun 31/jul 31/ago 30/set 31/out 30/nov 31/dez % 63% 45% 34% 26% 20% 17% % 63% 45% 34% 26% 21% 17% Obs.: Aplicação da curva limitada ao período junho-dezembro de cada ano. 2.5 Recomendação Geral Recomenda-se que as Curvas Bianuais de Aversão a Risco possam ser revistas a qualquer época, na ocorrência de fatos relevantes que alterem de forma significativa as premissas adotadas nesta Nota Técnica.?

10 %!..0..!,0. As Curvas Bianuais de Aversão a Risco apresentadas na presente Nota Técnica foram determinadas considerando as seguintes premissas básicas, além daquelas específicas de cada Região, que serão descritos nos itens referentes a cada Região. Consideração da complementaridade hidrológica entre os Subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste, o que possibilita o auxílio recíproco não concomitante, através dos intercâmbios entre esses Subsistemas, na determinação das respectivas Curvas de Aversão a Risco; Consideração de simultaneidade de condições hidrológicas críticas nas Regiões Sudeste/Centro-Oeste, Norte e Nordeste, configurando os valores-limite de suprimentos de energia pela Região Nordeste para as Regiões Norte e Sudeste/Centro-Oeste; Carga de energia projetada pelo ONS e pela EPE para a 2ª Atualização Quadrimestral do Planejamento Anual da Operação Energética Ano 2011; Cronograma de obras de geração conforme o Programa Mensal de Operação PMO de setembro/2011, conforme determinado em reunião colegiada no DMSE/CMSE/MME em 17/08/2011, com participação do MME, ANEEL, EPE, CCEE e ONS e ratificada pelo CMSE; Limites de transmissão inter-regionais calculados pelo ONS para a 2ª Atualização Quadrimestral do Planejamento Anual da Operação Energética Ano 2011; Informações relativas ao histórico de vazões naturais e coeficientes de evaporação líquida aprovadas pela Resolução Autorizativa nº 243, de 11 de maio de 2004, da ANEEL e atualizadas pelo ONS, segundo os Procedimentos de Rede; Usos consuntivos da água (cenário tendencial), conforme Resoluções nº 209 a 216, de 22 de abril de 2004, da ANA; Fator de redução de 10% na geração máxima das usinas térmicas programadas entre janeiro de 2012 e dezembro de 2013, bem como nas fontes não simuláveis, como usinas eólicas, biomassa e PCHs, também programadas para o biênio.

11 2%3!+")%.&%%(& "%.&% 4.1 Premissas e Dados Específicos A seguir são apresentados as premissas e os dados específicos utilizados na determinação da Curva Bianual de Aversão a Risco CAR para as Regiões Sudeste/Centro-Oeste no biênio Nível mínimo de segurança Foi considerada a garantia de nível mínimo de segurança, correspondente a 10% do armazenamento máximo das Regiões Sudeste/Centro-Oeste, ao longo de todo o período de vigência da CAR Afluências Foi adotada, para o biênio, a repetição do 4º biênio mais crítico do histórico para o Subsistema Sudeste/Centro-Oeste 1933/1934, equivalente a afluências anuais de 85% e 66% MLT. Os valores em % da MLT e das energias naturais afluentes correspondentes são mostrados, a seguir, nas Tabelas e Tabela , respectivamente. Tabela CAR SE/CO - Energia natural afluente (% MLT) - biênio 1933/1934 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA % 86% 73% 83% 81% 75% 79% 80% 77% 81% 68% 87% 85% % 62% 64% 65% 63% 56% 56% 56% 66% 61% 50% 81% 66% 1933/ % Tabela CAR SE/CO - Energia natural afluente (MW médios) - biênio 1933/1934 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA / Obs.: Valores calculados para altura de queda correspondente a 65% de armazenamento.

12 4.1.3 Usos Consuntivos Os valores utilizados devido aos usos consuntivos, em energia, estão apresentados na Tabela , a seguir. Tabela CAR SE/CO - Energia associada aos usos consuntivos (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Obs.: Valores calculados para altura de queda correspondente a 65% de armazenamento Carga de Energia A carga considerada no estudo está detalhada na Tabela , a seguir. A média anual para 2012 é de MW médios, o que representa um acréscimo de 4,8% em relação à carga de Para 2013 a média prevista é de MW médios. Tabela CAR SE/CO - Carga (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Geração Térmica A Tabela , a seguir, apresenta o despacho de geração térmica adotado para o Subsistema SE/CO, considerando um fator de redução de 10% na disponibilidade de geração máxima das fontes térmicas programadas para o biênio (redução de 52 MWmed em 2012 e 149 MWmed em 2013). Tabela CAR SE/CO - Geração térmica máxima (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA As disponibilidades da geração térmica máxima no período, sem a aplicação do fator, para o Subsistema SE/CO, encontram-se no Anexo I.

13 4.1.6 Geração de usinas não simuladas individualmente A geração de usinas não simuladas individualmente considerada no estudo foi a utilizada no PMO de setembro de 2011, que considera um fator de redução de 10% na disponibilidade de geração máxima das fontes não simuláveis programadas para o biênio (redução de 98 MWmed em 2012 e 121 MWmed em 2013). Os valores são apresentados na Tabela , a seguir. As disponibilidades da geração máxima de usinas não simuladas individualmente no período, sem a aplicação do fator, para o Subsistema SE/CO, encontram-se no Anexo II. Tabela CAR SE/CO - Usinas não simuladas individualmente (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Intercâmbio entre as Regiões Sudeste/Centro-Oeste e a Região Sul Tendo em vista a variabilidade das afluências na Região Sul, bem como sua complementaridade hidrológica com o Subsistema Sudeste/Centro-Oeste, adotou-se um perfil anual de intercâmbios que considera transferências nulas no período dezembro a abril, tipicamente menos favorável na Região Sul, e recebimento pelo Sudeste/Centro-Oeste de maio a novembro, limitado à disponibilidade para exportação da Região Sul. Os intercâmbios adotados para o período são apresentados na Tabela , a seguir. Tabela CAR SE/CO - Intercâmbios com o Subsistema Sul (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA

14 4.1.8 Intercâmbio entre as Regiões Sudeste/Centro-Oeste e a Região Norte A Região Norte caracteriza-se como exportadora de janeiro a maio de cada ano, com prioridade para as Regiões Sudeste/Centro-Oeste em todo o biênio. Os valores levam em conta as disponibilidades de exportação pelo Norte identificadas através de simulação do reservatório de Tucuruí para a respectiva condição hidrológica crítica. Os intercâmbios adotados são apresentados na Tabela , a seguir. Tabela CAR SE/CO - Intercâmbios com o Subsistema Norte (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Intercâmbio entre as Regiões Sudeste/Centro-Oeste e a Região Nordeste Considerou-se o suprimento pela Região Nordeste às Regiões Sudeste/Centro- Oeste entre junho de 2012 e dezembro de Os intercâmbios considerados para o período são apresentados na Tabela , a seguir. Tabela CAR SE/CO - Intercâmbios com o Subsistema Nordeste (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Cabe destacar que na definição destes intercâmbios adotou-se como premissa a disponibilidade de energia na Região Nordeste tendo como base a restrição de vazão mínima no rio São Francisco de m 3 /s, conforme justificado no Item Intercâmbio líquido das Regiões Sudeste/Centro-Oeste A Tabela , a seguir, apresenta os montantes de intercâmbio líquido das Regiões Sudeste/Centro-Oeste considerados para o período (intercâmbios com o Sul, Norte e Nordeste). Valores positivos indicam recebimento e valores negativos indicam suprimento.

15 Tabela CAR SE/CO - Intercâmbio líquido (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA As obras de transmissão com influência nos intercâmbios inter-regionais e os valores limite associados estão indicados no Anexo III. 4.2 Resultados para a CAR das Regiões Sudeste/Centro-Oeste Com base nas premissas explicitadas, foram determinados os armazenamentos mínimos necessários para que, em nenhum mês do horizonte da CAR, o armazenamento equivalente do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste fosse inferior ao seu nível mínimo de segurança, de 10% do seu armazenamento máximo. Os resultados, obtidos para a afluência do biênio 1933/1934, constituem a Curva Bianual de Aversão a Risco das Regiões Sudeste/Centro-Oeste para o biênio e são apresentados na Figura e Tabela 4.2-1, a seguir, respectivamente. No Anexo IV está apresentado o detalhamento dos cálculos para a determinação da CAR. Figura CAR SE/CO - Curva Bianual de Aversão a Risco Armazenamento (%EARmax) 13% 32%28% 24%30%34%34% 26%32% 35%36% 34% 30% 23% 25% 20% 17% 19% 13%10%10% 14% 10%10%

16 Tabela CAR SE/CO - Curva Bianual de Aversão a Risco (% EAR max) 31/jan 28/fev 31/mar 30/abr 31/mai 30/jun 31/jul 31/ago 30/set 31/out 30/nov 31/dez % 24% 30% 34% 34% 32% 28% 23% 17% 13% 10% 10% % 26% 32% 35% 36% 34% 30% 25% 19% 14% 10% 10% O máximo requisito de armazenamento das Regiões Sudeste/Centro-Oeste indicado pela CAR proposta para o ano de 2012 é de 34% EAR máx, em 30 de abril. Isto corresponde a uma redução de 2% EAR máx em relação ao valor máximo da CAR dessa Região utilizada em

17 2%3!+"- 5.1 Premissas e Dados Específicos A Curva Bianual de Aversão a Risco da Região Sul apresentada na presente Nota Técnica foi determinada considerando-se os seguintes dados e premissas específicas de cada bacia: Garantia de níveis mínimos de segurança de armazenamento em cada bacia ou aproveitamento individualizado para impedir a operação a fio d água, durante o período dezembro a abril, considerando-se ainda um atraso de um mês no início da estação chuvosa e o atendimento, durante esse período, de restrições de vazão mínima de natureza ambiental e de uso múltiplo da água. Para o cálculo das curvas de segurança das bacias, no período de janeiro a abril, consideraram-se as vazões correspondentes do período histórico de Nov/1942-Abr/1943, o pior semestre verificado na bacia dos rios Iguaçu (37% MLT) e Uruguai (23% MLT), responsáveis por cerca de 74% da energia armazenada na Região Sul, o segundo pior na bacia do Passo Fundo (23% MLT), o terceiro pior na bacia do Jacuí (33% MLT) e o quarto pior no Capivari-Cachoeira (70% MLT). Extensão da simulação até o mês de maio para considerar o atraso no início da estação chuvosa observada no ano de Cálculo dos níveis mínimos dos aproveitamentos das bacias do Iguaçu e do Uruguai considerando-se a restrição de descargas mínimas nos aproveitamentos de Salto Caxias e Itá, respectivamente, correspondente à geração mínima de uma máquina em cada aproveitamento. No caso da bacia do Jacuí, determinaram-se níveis mínimos de segurança para garantir a restrição ambiental em Dona Francisca. As bacias do Passo Fundo e do Capivari - Cachoeira apresentam restrições apenas de natureza elétrica, bastando a manutenção do nível mínimo de segurança de 5% V.U. para se evitar a operação a fio d água Carga A carga considerada no estudo está detalhada na Tabela , a seguir. A média anual para 2012 é de MW médios, o que representa um acréscimo de 4,5% em relação à carga de Para 2013 a média prevista é de MW médios. 4

18 Tabela CAR Sul - Carga (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Recebimento de energia pela Região Sul Os recebimentos pelo Sul foram determinados com a adoção do critério N-1, em conformidade com os Procedimentos de Rede. Atualmente, a separação elétrica da Região Sul é um evento de probabilidade muito reduzida, devido à robustez do sistema de interligação com o SE/CO, o que permite recebimentos superiores a 50% da carga da Região. Os recebimentos adotados para o período são apresentados na Tabela , a seguir. Tabela CAR Sul - Recebimento proveniente do Sudeste/Centro-Oeste (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Geração Térmica A Tabela , a seguir, apresenta o despacho de geração térmica máximo, adotado para o Subsistema Sul. Não foi aplicado fator de redução uma vez que não existem fontes térmicas programadas no biênio para essa Região. Tabela CAR Sul - Geração térmica máxima (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Geração de usinas não simuladas individualmente A geração de usinas não simuladas individualmente considerada no estudo foi a utilizada no PMO de setembro de 2011, que considera um fator de redução de 10% na disponibilidade de geração máxima das fontes não simuláveis programadas para o biênio (redução de 30 MWmed em 2012 e 46 MWmed em 2013). Os valores são apresentados na Tabela , a seguir. 1

19 As disponibilidades da geração máxima de usinas não simuladas individualmente no período, sem a aplicação do fator, para o Subsistema Sul, encontram-se no Anexo II. Tabela CAR Sul - Usinas não simuladas individualmente (MW médios) JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA Construção da CAR do Sul Na definição da CAR do Subsistema Sul devem ser contemplados os requisitos de vazão mínima a jusante de aproveitamentos hidrelétricos, por razões ambientais e de uso múltiplo, e as expectativas de gerações mínimas em usinas/bacias, em vista da relevância e prioridade atribuída aos mesmos. Nesse caso, a representação a sistema equivalente para o cálculo da CAR da Região Sul é insuficiente, pois essa abordagem é incapaz de levar em consideração a distribuição espacial da energia armazenada no sistema de reservatórios dessa Região e simultaneamente o atendimento a esses requisitos de vazão mínima. De forma a se considerar essas especificidades do Subsistema Sul na determinação da CAR, é necessária a consideração de curvas de segurança por bacia, apenas para o período seco. A CAR da Região Sul deve então ser determinada de modo a contemplar um limite inferior de armazenamento resultante da composição dos níveis das curvas de segurança de cada bacia durante esse período. Devido a estas restrições de vazões mínimas por razões ambientais e de uso múltiplo da água, torna-se impossível a alocação plena na curva de carga de todos os recursos de geração térmica, intercâmbios e do parque hidrelétrico disponíveis na Região. Portanto, é adotada uma geração hidrelétrica mínima como uma restrição na simulação do reservatório equivalente, evitando-se o simples abatimento na carga daqueles recursos. Adicionalmente, a determinação da CAR da Região Sul deve levar em conta que esta Região encontra-se sujeita a dois fatores de risco na garantia de seu atendimento energético: O primeiro, associado à ocorrência de regimes hidrológicos severos em diferentes períodos do ano, quando os estoques armazenados em seus reservatórios, bem como sua geração térmica local, necessitam da complementação energética do SIN através da interligação Sul-Sudeste/Centro-Oeste.?

20 O segundo, que na ocorrência deste regime hidrológico severo, haja simultaneamente uma indisponibilidade forçada em um dos equipamentos da referida interligação, com a consequente limitação na capacidade de suprimento do SIN para a Região Sul. Neste contexto, entende-se que a CAR, por constituir-se em um mecanismo de aversão ao risco, deve contemplar a ocorrência simultânea destes fatores de risco, além da consideração dos requisitos da vazão mínima já mencionados, dotando os reservatórios da Região Sul de armazenamentos tais que suportem os sobreditos fatores de risco por um período definido de tempo, sem ter que se impor restrições no pleno atendimento à carga. Para tanto, foi estabelecida uma série hidrológica de referência e um limite de transferência de energia para a Região, dimensionado de forma a considerar a contingência na malha de transmissão que imponha a restrição mais significativa ao suprimento à Região Sul. A determinação da Curva Bianual de Aversão a Risco da Região Sul se faz por simulações recursivas, utilizando-se as afluências correspondentes ao ano crítico histórico e considerando-se os níveis de segurança sistêmicos, determinados pela composição dos níveis das bacias, como restrições de armazenamento do reservatório equivalente. Considerando o ciclo anual de regularização do sistema da Região Sul, foi adotada a repetição da série crítica nos dois anos analisados. A repetição da série de 1945 em dois anos sucessivos não acarreta elevação dos requisitos de armazenamento da Região Sul no 1º ano, pois, como será mostrado, a CAR apresenta um ciclo anual bem definido, passando pelo seu valor mínimo, 13%, tornando seus cálculos para este ano independentes dos valores do ano subsequente. De modo a atenuar as variações amostrais inerentes à série histórica, que se refletem em mudanças abruptas dos requisitos de armazenamento, adotou-se um procedimento de suavização, por meio do uso de médias móveis de ordem 3 dos valores de energias naturais afluentes. 5.3 Determinação das Curvas de Segurança das Bacias Bacia do Capivari-Cachoeira Devido à inexistência de restrições de geração mínima associadas ao uso múltiplo da água ou a restrições ambientais, considerou-se apenas o nível mínimo de segurança de 5% para evitar a operação a fio d água.

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Programa Energia Transparente

Programa Energia Transparente Programa Energia Transparente Monitoramento Permanente dos Cenários de Oferta e do Risco de Racionamento 9ª Edição Dezembro de 2013 Conclusões Principais 9ª Edição do Programa Energia Transparente Esta

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional

Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional ENCONTRO DE DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO EDAO 2008 Segurança Energética do Sistema Interligado Nacional São Paulo SP 11 de novembro de 2008 Hermes Chipp 1. Procedimentos para aumentar a segurança energética

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 9 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA GME CONSEQÜÊNCIAS QUE A

Leia mais

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico.

ENASE 2009. Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade. 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico. ENASE 2009 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Operando uma Matriz Elétrica Segura Impactos para o Setor e a Sociedade Rio de Janeiro, 29.09.2009 Hermes Chipp 1 Sumário 1. Características

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011

INFORMATIVO MENSAL JUN.2011 Preço de Liquidação das Diferenças 4, 35, PLD Médio MAI/211 JUN/211 5 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 35, 3, 3, 25, 25, 2, 2, 15, 15, 1, 1, 5, 4 3 2 1, NORTE MÉDIA SEMANA 11 SEMANA 2 2 SEMANA 33 SEMANA

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Janeiro 215

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres.

INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres. VOTO PROCESSO: 48500.006210/2014-19. INTERESSADAS: Distribuidoras, Geradores, Comercializadores e Consumidores Livres. RELATOR: Diretor Tiago de Barros Correia RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015

INFORMATIVO MENSAL FEV.2015 JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN INFORMATIVO MENSAL.215 Preço de Liquidação das Diferenças 45, 4, 35, 3, 25, 2, PLD Médio /215 PLD TETO 388,48

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Ministério de Minas e Energia Ministro Edison Lobão Secretário Executivo Márcio Pereira Zimmermann Secretário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável

VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável VII ENAENCO Projetando e Implantando o Desenvolvimento Sustentável Recife 30 de setembro de 2005 ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Conteúdo da Apresentação PARTE I A QUESTÃO AMBIENTAL NA ATUAÇÃO

Leia mais

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia

Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Atualização da Modelagem sobre Risco de Racionamento de Energia Sumário Em março de 2015, a Itaú Asset Management publicou um white paper em que traçava o panorama da situação hídrica brasileira e da dependência

Leia mais

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto

GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE. PREPARADO POR Leontina Pinto GARANTIA FÍSICA DAS USINAS BRASILEIRAS: EXPECTATIVA REALIDADE PREPARADO POR Leontina Pinto OUTUBRO DE 2014 Índice ÍNDICE 2 INTRODUÇÃO 3 A GARANTIA FÍSICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA O SISTEMA 4 A GARANTIA FÍSICA

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Revisão 0 Semana Operativa de 29/10 a 4/11/2011 1. EDITORIAL Há tempos as equipes do ONS responsáveis pela elaboração dos Programas Mensais

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3512-3100 Fax (+21) 3512-3198

Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3512-3100 Fax (+21) 3512-3198 LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE DE TRANSMISSÃO E DEFINIÇÃO DE SUBESTAÇÕES CANDIDATAS Empresa de

Leia mais

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO EXECUTIVO

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO EXECUTIVO PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro

Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Possíveis Aprimoramentos na Formação do PLD Preço de Liquidação das Diferenças no Mercado Brasileiro Brasilia, 23 de setembro de 2008 Roberto Castro Assessor da VP Gestão de Energia CPFL Energia Agenda

Leia mais

Mercado de Energia e Custos

Mercado de Energia e Custos Mercado de Energia e Custos Seminário Energia Soluções para o Futuro AC Minas 24.04.2014 CMU Energia Atua no mercado desde 2003. Gerencia mais de 800 MWmédios. Montante suficiente para suprir aproximadamente

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Relatório dos Auditores Independentes sobre Asseguração Razoável do Programa Mensal de Operação - PMO e suas revisões Novembro, 2013 Centro Empresarial PB 370

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho

I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES. PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho I WORKSHOP DE PREVISÃO DE VAZÕES PREVISÃO DE VAZÕES COM O MODELO CPINS Cálculo e Previsão de Vazões Naturais e Incrementais a Sobradinho Luana F. Gomes de Paiva ; Giovanni C. L. Acioli RESUMO Este trabalho

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS

BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 Panorama Hídrico O Brasil é muito rico em recursos hídricos......mas

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua Júlio

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013- Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 Conjuntura hidrológica bastante adversa 2014 foi 10º ano mais seco da história (84 anos)

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 11 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL AVALIAÇÃO

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/08/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro ANÁLISE DE SENSIBILIDADE NA ADOÇÃO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA DE SISTEMAS INTERLIGADOS Beatriz Pamplona Cotia 2012

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado

INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO. 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado INTRODUÇÃO 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 O despacho hidrotérmico centralizado No sistema elétrico brasileiro, assim como em outros países, como Chile, Argentina e Bolívia, a produção de energia de cada usina (termelétrica,

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens

Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Aspectos de mudanças climáticas no componente hidrológico dos projetos e operação de barragens Mesa redonda: Mudanças Climáticas (ClimateChanges) XXVIII Seminário Nacional de Grandes Barragens Rio de Janeiro.

Leia mais

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013

Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012. Bento Gonçalves 19/11/2013 Avaliação das diferenças entre os armazenamentos simulados e os verificados em 2012 Bento Gonçalves 19/11/2013 1 SUMÁRIO 1. Metodologia utilizada 2. Diferenças de armazenamento entre simulação e operação

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Considerações sobre a Ampliação da Geração Complementar ao Parque Hídrico Brasileiro

Considerações sobre a Ampliação da Geração Complementar ao Parque Hídrico Brasileiro Considerações sobre a Ampliação da Geração Complementar ao Parque Hídrico Brasileiro Considerações sobre a Ampliação da Geração Complementar ao Parque Hídrico Brasileiro TEXTO DE DISCUSSÃO DO SETOR ELÉTRICO

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 28/05/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres - ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Equipe Técnica: Carlos Feu Alvim (coordenador) José Israel Vargas Othon Luiz Pinheiro da Silva Omar Campos Ferreira Frida Eidelman

Equipe Técnica: Carlos Feu Alvim (coordenador) José Israel Vargas Othon Luiz Pinheiro da Silva Omar Campos Ferreira Frida Eidelman Economia e Energia ONG CNPJ 2.898/1-29 Anexos: 1- Modelo Simples de Simulação de Sistemas Hidrelétricos (Nota Metodológica) 2- Regulação Térmica na Simulação de Sistemas Hidrelétricos (Nota Metodológica)

Leia mais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais

Cenário Energético. Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Cenário Energético Seminário Eficiência no Uso de Recursos Naturais Marco Antonio Siqueira marco@psr-inc.com S, Paulo, 12 de fevereiro de 2015 1 Agenda A estrutura de oferta e demanda do setor elétrico

Leia mais

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN

MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5 MODELOS UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN 5.1 MODELOS HIDROLÓGICOS PREVISÃO DE VAZÕES E GERAÇÃO DE CENÁRIOS NO ONS A previsão de vazões semanais e a geração de cenários hidrológicos

Leia mais

CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS

CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS CAPÍTULO II AS USINAS HIDRELÉTRICAS 2.1. Introdução O objetivo deste capítulo é descrever todas as informações relacionadas às usinas hidrelétricas e que devem ser levadas em consideração nos estudos de

Leia mais

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor,

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor, Carta n o 108/2013-BPCH Rio de Janeiro, 27 de setembro de 2013 Ilmo. Sr. Dr. Romeu Donizete Rufino Diretor AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL 70830-030 Brasília - DF Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI.

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. 1 Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. PREMISSAS OPERACIONAIS...

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL ANÁLISE DAS SÉRIES SINTÉTICAS DE ENERGIA NATURAL AFLUENTE BRUTA DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Silvia Regina dos Santos Gonçalves PósMQI - Programa de Pós-graduação em Metrologia, PUC-Rio Rua Marquês de

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas

SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Situação atual, perspectivas e propostas Mario Veiga mario@psr-inc.com LIGHT, 3 de dezembro de 2014 1 Provedora de ferramentas analíticas e serviços de consultoria (estudos econômicos,

Leia mais

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014 DEZEMBRO 2014 Sumário Bandeiras Tarifárias... 2 O sistema hidrotérmico brasileiro... 2 A tarifa de energia no Brasil... 3 Por que bandeiras tarifárias?... 6 PERGUNTAS E RESPOSTAS... 7 1. Como funcionarão

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

Sr. Jerson Kelman Diretor-Geral Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel SGAN Quadra 603 Módulo J 2º andar 70830-030 - Brasília - DF

Sr. Jerson Kelman Diretor-Geral Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel SGAN Quadra 603 Módulo J 2º andar 70830-030 - Brasília - DF De: Walfrido V. Avila [mailto:wavila@tradener.com.br] Enviada em: sexta-feira, 7 de dezembro de 2007 18:56 Para: ap047_2007 Assunto: Contribuição da Tradener Ltda. à AP 047/2007 CT 419/07 Curitiba, 07

Leia mais

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS

RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS RESTRIÇÕES AOS INTERCÂMBIOS ENTRE OS SUBMERCADOS (Revisão 1) Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444 2012/ONS

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

Escalada Tarifária do Setor Elétrico

Escalada Tarifária do Setor Elétrico Escalada Tarifária do Setor Elétrico Priscila Lino priscila@psr-inc.com FIESP São Paulo, 19 de agosto de 2015 1 Retrospectiva 2012 Set/12: Edição da MP n o 579 que trata da renovação das concessões: Anúncio

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais