GÁS NATURAL E ENERGIA ELÉTRICA: FLUINDO EM MONOPÓLIO. Edvaldo Alves de Santana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GÁS NATURAL E ENERGIA ELÉTRICA: FLUINDO EM MONOPÓLIO. Edvaldo Alves de Santana"

Transcrição

1 GÁS NATURAL E ENERGIA ELÉTRICA: FLUINDO EM MONOPÓLIO 1. Anotações iniciais Edvaldo Alves de Santana As anotações aqui delineadas têm como foco a avaliação de um aspecto de certa forma negligenciado no custo da energia elétrica, que é formação do custo do combustível utilizado pelas termelétricas. Termelétricas, a propósito, sem as quais, não tenho a menor dúvida, já teríamos há meses entrado em um racionamento de grandes proporções, o que mostra a grande importância estratégica de tais empreendimentos e da constituição dos seus custos. A principal conclusão das anotações é que o custo do combustível para a produção da energia elétrica é fortemente associado com práticas monopolistas, algumas motivadas em razões históricas, que são agravadas com a previsibilidade da demanda residual, aquela que para ser atendida é essencial o uso de combustíveis fósseis. Além disso, a dinâmica de evolução do uso desses combustíveis no setor elétrico brasileiro (SEB), sempre de utilização não prioritária, ajuda a explicar um certo desprezo na determinação de parâmetro tão relevante para a eficiência na operação do sistema elétrico e, consequentemente, para as tarifas. São tantos e tão graves os problemas por que passa o SEB que poucos se dão conta de que boa parte dos seus elevados custos de operação decorre de um aparato regulatório que convive bem com os danosos efeitos do poder de monopólio. Por exemplo, nos Estados Unidos e na Europa Ocidental, com mercados razoavelmente competitivos, o custo médio de uma usina termelétrica (UTE) a gás natural gira entre US$ 45/MWh e US$ 50/MWh, e este valor incorpora investimento (50%), combustível mais operação e manutenção (outros 50%). No Brasil, se for tomada por base a Nota Técnica do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) que fundamentou a revisão do Programa Mensal de Operação da semana operativa que começou em 08 de agosto de 2014, existem 22 UTE, de um conjunto de 37, em que apenas o Custo Variável Unitário (CVU) já ultrapassa de R$ 200/MWh, e uma delas, a ciclo combinado, tem CVU maior do que R$ 578/MWh. E não fica apenas nisso: outra UTE, dessa vez a ciclo simples, tem CVU de R$ 733/MWh, o que me parece um enorme exagero dado que não tenho outro adjetivo para qualificar a prática. Mas por que isso acontece? Uma das explicações tem razão histórica, isto é, estaria relacionada à evolução do uso de combustíveis fósseis no SEB. Nos primórdios, as UTE eram tidas como complementares às hidrelétricas, portanto com muito pouca relevância em termos de custo, dado que o sistema era predominantemente hidrelétrico. Neste contexto, pouco se dava importância ao valor do CVU, tendo em vista que as UTE eram pouco acionadas e, quando o eram

2 (e já chegamos à segunda explicação), os custos correspondentes eram repartidos entre todos os consumidores, em uma modalidade tarifária denominada de custo médio ou custo do serviço. Naquela época, e foi assim até o final dos anos 1990, o custo do combustível, mesmo no sistema interligado nacional (SIN), era titulado na Conta de Consumo de Combustíveis Fósseis (CCC), que antes era utilizada para subsidiar o consumo do carvão natural do sul do Brasil. Em outras palavras, como o objetivo era o fomento ao uso do carvão natural, importante para o setor siderúrgico até os 1990, o custo do combustível era negligenciado para efeitos da busca de custos eficientes para o sistema elétrico, um costume que, inexplicavelmente, se consolidou. Depois disso, com a introdução da livre comercialização no início dos anos 2000, e do que se pensou seria um mercado, o preço spot, ou o preço do mercado à vista da energia elétrica, passou a ter como base o custo marginal de curto prazo, ou seja, o custo unitário do último recurso energético a ser acionado para atender à carga. Assim, se, em uma determinada semana, é necessário o acionamento, por ordem de mérito, de MW médios de UTE e a última delas é a UTE Araucária, o custo marginal de curto prazo será R$ 578,08/MWh. Perdão por uma primeira e rápida digressão teórica, mas o custo marginal é uma relação entre a variação do custo total quando se varia a quantidade. Contudo, se separarmos o custo total em fixo e variável, não é difícil descobrir que, como o custo fixo total não varia com a quantidade (senão não seria fixo), então o custo marginal pode ser entendido como a simples variação do custo variável em relação à variação na quantidade de energia, o que explica o uso do CVU como uma proxy do custo marginal de cada UTE. Adicionalmente, em uma UTE, o combustível responde por mais de 90% do total dos custos variáveis, razão pela qual o CVU é sinônimo de custo do combustível. Volto à dinâmica de evolução do SEB. Dentro dessa nova circunstância, o custo do combustível passou a ser variável-chave para a definição do preço da energia no mercado spot, mas nem por isso sua fixação deixou de ter um caráter simplista, sendo apenas mais uma informação elementar prestada pelo proprietário da usina, que, na maioria das vezes é o mesmo fornecedor do combustível, em uma verticalização que, sem qualquer controle do poder de monopólio, pode resultar em condutas prejudiciais à eficiência na operação do sistema elétricas, dados os custos disso decorrentes. É exatamente isso que tento mostrar nestas anotações. 2. CVU e poder de monopólio um costume nem um pouco razoável Inicio a segunda parte destas anotações com mais uma análise numérica. Suponha-se que em um determinado mês seja necessário o despacho de MW médios, além dos MW médios que já estavam acionados. Fariam parte da geração adicional as UTE Mário Covas (520 MW), Araucária (480 MW) e Camaçari (345 MW), cujos CVU são, respectivamente, R$ 463,79/MWh, R$

3 578,06/MWh e R$ 732,99/MWh. Para atender à ordem de despacho dos MW médios, o último recurso acionado teria sido a UTE Mauá B3, cujo CVU é igual a R$ 411,92/MWh, que seria o custo marginal de curto prazo e, por causa disso, definiria o preço de liquidação das diferenças (PLD). Todos esses dados foram retirados da Nota Técnica do ONS que sustentou a última revisão do PMO. Com as UTE adicionais, o PLD passaria para R$ 732,99/MWh, levando o custo total do despacho térmico de R$ 3,8 bilhões para R$ 7,5 bilhões, quase o dobro do custo do despacho anterior. Ou seja, um acréscimo de menos do que 10% na geração térmica provocaria um aumento de quase 100% no montante de custos. Os efeitos disso são bastante perversos na situação atual, de severa escassez de água e de descontratação de parte da carga. Primeiro porque a geração hidrelétrica poderia ser deslocada pelas UTE adicionais, o que implica vultosos custos por tal exposição, tendo em vista que as hidrelétricas teriam que comprar energia no mercado de curto prazo para atender seus contratos. Segundo porque toda a carga descontratada também teria que buscar energia no mercado spot, com custos semelhantes aos dos geradores hidrelétricos. E terceiro porque, depois da MP nº 579/2012, o risco hidrológico dos geradores quotistas aqueles que aderiram às regras da MP são repassados para os consumidores, em valor, obviamente, também relevante. Não é preciso qualquer estudo aprofundado para mostrar que a gigantesca alteração no valor do custo total de geração termelétrica é explicada pela mudança no valor do custo marginal, que passou a ser o CVU da UTE Camaçari, que é 78% superior ao seu correspondente na UTE Mauá B3. Mas faz sentido tamanha variação de CVU? Antes disso: faz sentido tamanho valor apenas para a cobertura do custo combustível? Respondo imediatamente que NÃO, para as duas questões, e explico. Foi destacado no início dessas anotações que, em mercados razoavelmente competitivos, o custo geração com gás natural pode chegar a US$ 50/MWh, ou cerca de R$ 115/MWh, para US$ 1,00 igual a R$ 2,30. Neste padrão, o custo do combustível seria R$ 57,50/MWh, valor só encontrado em um dos blocos da UTE Norte Fluminense, que possui CVU que variam de R$ 37,80/MWh a R$ 346,62/MWh, e nas duas usinas nucleares, o que totalizaria cerca de MW. Posso admitir que nossa ineficiência (sinônimo aqui de incompetência) tolere um custo que é o dobro do competitivo, o que levaria o custo aceitável do gás natural (apenas o combustível) para R$ 115/MWh. Neste caso, abrangeríamos uma parte relevante das usinas a carvão mineral e mais oito UTE a gás natural, totalizando mais MW, sendo MW de térmicas a carvão e MW a gás natural, isto porque considerei no conjunto a UTE Termofortaleza, cujo CVU é de R$ 118,51/MWh. Logo, apenas MW de UTE (de um total de quase

4 MW) seriam enquadrados como empreendimentos com custos competitivos, sendo que delas apenas MW seriam usinas que utilizam gás natural. Diversas são as razões para tal resultado na formação do preço do combustível, no caso o gás natural, e uma delas, a histórica, destaquei nas anotações iniciais. Passo a destacar duas outras. Com um pouco mais de conhecimento da matriz de contratação do SEB, percebe-se que as UTE de menores CVU são aquelas que, em 2004, já possuíam contratos de venda de energia com distribuidoras, nos famosos contratos entre partes relacionadas, que até já motivaram duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI), uma em Pernambuco e outra na Câmara dos Deputados, e diversas auditorias do Tribunal de Contas da União (TCU). Esses contratos foram firmados ainda na época do não menos famoso e criticado Valor Normativo (VN), definido pela ANEEL. Por exemplo, a Norte Fluminense tem CVU entre R$ 37,80/MWh e R$ 102,80/MWh para o bloco 700 MW (de um total de 870 MW de capacidade instalada), enquanto a Termopernanbuco e a Termofortaleza possuem CVU de, respectivamente, R$ 70,16/MWh e R$ 118,51/MWh. Mas há também UTE que no início tinham seus contratos configurados como entre partes relacionadas, como a UTE Juiz de Fora, cujo CVU é R$ 213,84/MWh, mas que tem hoje como característica o fato de pertencer à Petrobrás. A Petrobrás é hoje o principal player na geração de energia por meio de termelétricas, papel que assumiu desde 2000, com o programa prioritário de termeletricidade (PPT), sendo extremamente importante para a viabilidade econômica de tal programa de governo. Sem a Petrobrás, parece-me, talvez tivéssemos a metade do que hoje existe de capacidade instalada de UTE a gás natural. São cerca de MW, sendo mais de sob controle da Petrobrás, distribuídos em 19 plantas, de um total de 33. De qualquer forma, excluindo-se as UTE L.C. Prestes L1 e Governador Leonel Brizola, todas as demais termelétricas da Petrobrás possuem CVU acima de R$ 213,18/MWh, chegando a R$ 578,06/MWh, como é o caso, repita-se, da UTE Araucária, e grande parte dessas usas usinas já vende energia por meio de leilões regulados. Isto é, os custos estariam muito acima do que chamei no começo de competitivo, dado que uma renda atrativa é obtida só com os contratos regulados. Com efeito, entre 2007 e 2008, quando, por intermédio de um teste, foi constatado que o gás existente nas regiões Sul e Sudeste/Centro Oeste não seria suficiente para gerar a energia que teria sido autorizada para diversas UTE, a Petrobrás, estimulada por uma Portaria do MME, foi obrigada a celebrar Termo de Compromisso com a ANEEL, que contemplava metas rigorosas para comprovação de aumento de garantias físicas, do contrário a empresa sofreria pesadas penalidades, como aconteceu em uma ocasião.

5 Como boa parte da capacidade instalada da empresa ainda não possuía contratos de longo prazo para a venda de energia, toda sua receita (com o setor elétrico) viria do mercado de curto prazo, situação em que o CVU poderia agregar investimento, um custo fixo, e todos os custos variáveis, o que serviria de incentivo para que o gás natural aparecesse. Porém, mesmo que considerássemos como aceitável o custo de nossa ineficiência (e incompetência) na formação do custo do combustível (R$ 115/MWh), ainda assim o CVU ( brasileiro ) não poderia ultrapassar de R$ 172,50/MWh, que está muito longe do praticado pela Petrobrás (e outros). Retirando as famosas UTE dos contratos entre empresas do mesmo grupo econômico, existem oito usinas que possuem CVU menores do que R$ 172,50/MWh, que somam MW, só que apenas duas delas são da Petrobrás e contribuem com MW. Convém destacar que um CVU de R$ 172,5/MWh equivale a uma UTE cujo custo médio seria de US$ 75/MWh, ou seja, 50% maior do que o custo efetivamente competitivo. Com um detalhe importante: este valor é apenas 5% menor do que o preço cheio do contrato de venda de energia da Termofortaleza para a COELCE e da Norte Fluminense para a Light, mas é quase 20% maior do que o preço do contrato entre a Termopernambuco e a CELPE. Mais: é também um valor acima da faixa de preços dos leilões regulados (de UTE) realizados depois da Lei n , de 2004, portanto um valor dentro do praticável, com todas as gorduras. A situação atual é bastante perigosa (e grave), sobretudo quando se leva em conta uma visão do futuro. E aqui peço licença para mais uma digressão acadêmica, que é uma simples discussão entre a previsibilidade da demanda residual e seus efeitos sobre o poder do monopólio do agente verticalizado. Suponha-se a Figura 1 abaixo: R$/MWh D P* DR P S 0 MWh

6 Fig. 1: Efeitos da demanda residual Em tal figura, a curva S representaria a curva de oferta de energia, enquanto a D denotaria a demanda que seria atendida em situação normal, ou seja, na ausência de regimes hidrológicos muito desfavoráveis. A demanda é assumida como dada, por isso é paralela ao eixo das ordenadas, o que é bastante razoável, pois, no Brasil, o programa de operação é elaborado para atender a uma demanda também dada conhecida. A demanda DR, por outro lado, é aquela que só é atendida com o acionamento de UTE com custos maiores, o que resulta em um aumento relevante de preço, que passa de P para P*. A diferença, medida no eixo das abcissas, entre DR e D é a demanda residual, que aqui será denominada de D. Admitindo-se que os agentes de geração atuem em um mercado em que boa parte de suas receitas resulta da venda de energia no mercado de curto prazo do contrário o CVU, necessariamente, teria que ser muito baixo -, então eles teriam interesse em ser cada vez mais despachados, o que, de alguma forma, estimularia uma certa competição. Esta competição é ainda maior quando os ofertantes não sabem, ex-antes e com precisão, o valor de DR, ou seja, quando a D é estocástica. Sucede que, no Brasil, não só uma única empresa detém parcela significativa do mercado (60% das UTE a gás natural), como ela também é responsável pelo suprimento de quase 95% do combustível, mesmo considerando o gás natural liquefeito (GNL). Ou seja, são ínfimas as chances de que uma competição direta estimule preços eficientes. O mais grave de tudo isso é que, desde 2010, a carga não é atendida sem o acionamento de termelétricas, o que torna a demanda residual previsível. Em outras palavras, os geradores termelétricos já sabem com antecedência que a demanda total não será atendida sem uso de boa parte de suas usinas, o que lhes aumenta, de forma muito significativa, o poder de monopólio. Assim, na medida em que D se torna conhecida, maior tende a ser a área do grande retângulo da Figura 1, tendo em vista que maior tende a ser o valor do próprio D e, mesmo que isso não aconteça, maior tende a ser pressão por maiores CVU, portanto maior P*, que se afastará cada vez mais de P, o que é muito danoso para os consumidores e para os geradores hidrelétricos que serão deslocados. Traduzindo tudo isso em números, se, durante 2014, os CVU já fossem os competitivamente aceitáveis (que já incorporam um perdão pela ineficiência), o custo dos MW médios de UTE a gás natural despachados ao longo de todo o ano seria R$ 16,6 bilhões, para um CVU de R$ 172,50/MWh, e não R$ 55,7 bilhões que se pode esperar para um CVU de R$ 578,06/MWh, da UTE Araucária.

7 Acho que tamanha diferença não é desprezível, por isso o tema não pode mais ser negligenciado. Ressalte-se que ao volume de termelétrica a gás natural devem ser adicionados os cerca de MW do parque nuclear e mais MW do carvão competitivo, o que aumentaria (muito) mais ainda o total das despesas. É bem verdade que nem todo esse custo seria transformado em aumento de tarifas, uma vez que uma parte importante das termelétricas foram contratadas por disponibilidade, situação em que quando o PLD é maior do que o CVU esta diferença é revertida em prol da modicidade das tarifas. Outra parte relevante do custo total (entre 7 e 10%) é de responsabilidade dos geradores expostos, o que também reduz a conta para o consumidor final, mas dificilmente o custo total ficaria abaixo da casa das dezenas de bilhões de Reais, considerando os volumes de energia do exemplo aqui utilizado, que não são precisos, mas da mesma ordem de grandeza. Vejam que resultado interessante: como o despacho de termelétricas, de acordo com o algoritmo de otimização validado pela ANEEL, não depende só da função dos custos atuais, mas também de uma função de custo futuro (encerro aqui as teorias ), então menores CVU implicam mais termelétricas de custos bem menores acionadas com maior frequência, o que é uma importante contribuição para preservar mais água nos reservatórios, só que agora com custos totais sensivelmente inferiores. Na prática, o custo total de gerar MW médios ao longo de 12 meses, com o uso de UTE com CVU de até R$ 115/MWh, é mais do que 3,7 vezes mais barato do que acionar MW médios, uma vez que o CVU passaria para R$ 578,06/MWh, sem contar a estabilidade dos custos marginais durante o ano. Logo, não seria razoável se continuar a conviver com uma certa indulgência com CVU que nem de longe se aproximam de valores minimamente competitivos, o que requer mudanças urgentes. 3. Anotações finais As anotações aqui organizadas não têm a menor pretensão de ser uma crítica ao governo, à Petrobrás, à ANEEL ou à ANP, até porque seu autor foi diretor da ANEEL por oito anos e superintendente de mercado por mais de cinco. É, antes de tudo, uma análise sensata e independente, onde se assume com humildade que se há problemas os mesmos precisam ser equacionados. É fácil a solução do problema? Nem um pouco. Envolve uma situação que faz parte da dinâmica de evolução do SEB, em que sempre se acreditou que as termelétricas seriam complementares e que, portanto, seus custos variáveis poderiam ser desprezados ou de pouca importância. E seriam de pouca importância (também) porque a premissa prevista em lei é de os consumidores

8 estariam 100% contratados, logo nunca expostos aos custos marginais de curto prazo. Vê-se, agora, que nada disso é verdade: o sistema já não é mais hidrotérmico, mas sim quase que termohidro, como bem mencionou recentemente o Diretor-Geral do ONS, nem os consumidores sempre estarão 100% contratados, pois suas compras dependem da eficácia do governo e de uma sistemática de leilão. Também é complexa a equação porque há um grave problema de fronteira regulatória e até de conflitos de leis. O gás natural não é regulado pela ANEEL, mas sim pela ANP, e, o que é mais grave, é de livre comercialização a molécula do combustível, cabendo regulação apenas para seu transporte. Em apertada síntese, as condições são as ideais para condutas monopolistas, não só da Petrobrás, agravada pela previsibilidade na estimativa da carga que só ser atendida com uso das termelétricas. A rigor, a volatilidade dos custos marginais e as incertezas, até 2010, quanto ao uso da termeletricidade, podem ter influenciado os valores do CVU, dado que as empresas precisavam recuperar seus investimentos com a venda esporádica de energia no mercado spot. Outras explicações técnicas com toda certeza existirão, mas é difícil que uma delas justifique um CVU, para uma UTE a gás natural e a ciclo combinado, igual a US$ 251/MWh, cinco vezes o custo total de uma termelétrica competitiva. O uso da termeletricidade deve ser ainda intenso ao longo de 2014 e também em 2015, pelo menos, e cuidados com os dados de entrada são essenciais. A julgar pela semana operativa que começou no dia 16/08/2014, com mais de MW médias de UTE despachadas fora da ordem de mérito, outros aspectos devem ser examinados, como a indisponibilidade de usinas termelétricas de grande porte, de custos, ainda que muito elevados para padrões competitivos, menores do que o de diversas outras. Com efeito, na semana em referência verifica-se que as UTE A. Chaves (226 MW), M. Covas (480 MW), Santa Cruz 34 (436 MW) e P. Médice (126 MW), dentre outras, estavam indisponíveis por declaração do agente, o que é previsto nas normas. Porém, três dessas UTE, as de menores CVU (entre R$ 115,90/MWh e R$ 310,41/MWh), agregariam quase 800 MW médios à oferta e reduziriam o Custo Marginal de Operação (CMO) para menos de R$ 600/MWh, contra os mais de R$ 700/MWh da semana operativa. Parece-me uma redução que não deve ser desprezada, o que exige enorme rigor no exame dessas declarações de indisponibilidade, como sempre acontece (o rigor) com o parque nuclear, também indisponível na mesma semana. No mais, limitar o CVU de termelétricas a valores competitivos implicaria cutucar uma onça muito feroz com uma vara bastante curta, tendo em vista que já estão consolidadas as posições monopolistas para a fixação de tal parâmetro, o que tornaria os obstáculos à missão do regulador quase que intransponíveis,

9 sobretudo do ponto de vista político. No entanto, não tenho a menor dúvida de que vale à pena tentar e é muito mais coerente e consistente do que simplesmente procurar modificar a forma de cálculo do PLD. O custo marginal é a única maneira de alocação dos recursos energéticos (ou qualquer recurso) de forma eficiente, situação em que não se deve abandonar mais de 200 anos de fundamentos econômicos apenas para buscar um caminho fácil, por exemplo, do simples cálculo de uma média. Entendo que é muito mais efetivo a correção dos dados de entrada, isto é, trabalharmos com rigor na definição dos CVU, nem que para isso seja necessário o uso de dados de outras economias e, o que é extremamente prudente, uma transição, por exemplo, de 24 meses. Como havia limitação de espaço para estas anotações, deixei de lado o caso do carvão e dos combustíveis líquidos, também monopolizados, mas adianto que os resultados estariam na mesma direção, isto é, de que há espaço considerável para a economia de bilhões de Reais apenas com a definição de custos aceitavelmente competitivos, que também incorporariam uma boa parcela para nossa incompetência. Como a vara é curta e a onça é muito brava, recomendo o uso de luvas de aço e de proteção divina. Porém, se os pecados não dão certeza da ajuda das divindades e se as luvas não cabem nas mãos, uma boa dose de humildade (para reconhecer e negociar), de perseverança (para buscar o correto, ainda de forma árdua) e de independência (para dar consistência aos resultados) é um bom caminho a ser trilhado. Edvaldo Alves de Santana é Doutor, desde 1993, em Engenharia de Produção, Professor Titular (aposentado) da UFSC, já tendo orientado mais de 20 teses de doutorado sobre o setor elétrico. Na ANEEL foi um dos seus diretores por oito anos, sendo também superintendente de estudos do mercado entre 2000 e 2005, época em que o mercado foi estruturado e passou a funcionar. Sua publicação científica pode ser encontrada na internet, incluindo publicações em periódicos internacionais e nacionais de primeira linha, como a Estudos Econômicos, da USP, Revista Brasileira de Economia, da FGV, e a Pesquisa e Planejamento Econômico, do IPEA.

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014

CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014 CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014 1. Considerações iniciais Recentemente a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), por meio de sua Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado (SEM),

Leia mais

O QUE ESTÁ ACONTECENDO?

O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? MINHA CONTA AUMENTOU! Todos os anos ocorrem reajustes nas tarifas de energia elétrica. Esse aumento é autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL e no caso de Goiás

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Edvaldo Santana Diretor da ANEEL Lisboa, 29 de maio de 2008 Sumário Descrição dos objetivos Considerações iniciais i i i Regulação e Tarifas: evolução

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis

Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis Desenhos de mercados de energia com alta participação de renováveis ERSE, 4/3/11 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Simona Marcu Sumário Comportamento dos preços spot com o aumento da participação

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Situação Energética no País

Situação Energética no País Situação Energética no País Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Março de 2014 A situação energética atual Robustez do abastecimento: A segurança de suprimento em 2014 dependerá da hidrologia

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

CC76F66102 COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 2.318, DE 2007 I - RELATÓRIO

CC76F66102 COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 2.318, DE 2007 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 2.318, DE 2007 Altera o art. 11 da Lei nº 9.648, de 27 de maio de 1998, estabelecendo nova hipótese para sub-rogação de recursos da sistemática de rateio

Leia mais

Energia Complementar e Seus Ganhos

Energia Complementar e Seus Ganhos Energia Complementar e Seus Ganhos Engº José da Costa Carvalho Neto Arcadis Logos Energia Apresentação na FIIEE, em 23/09/04 Belo Horizonte/MG Setembro/04 Índice 1 Introdução 2 Geração Térmica Flexível

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 3.986, DE 2008 Altera dispositivos da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004, para promover a geração e o consumo

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira

REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira REFORMA ELÉTRICA A Experiência Brasileira Professor Adilson de Oliveira Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro/Brasil Por que Reformar? Depois de um longo período de expansão (1945-1985),

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais

Atração de Novos Investidores no Segmento

Atração de Novos Investidores no Segmento PAINEL DE DEBATES Atração de Novos Investidores no Segmento de Geração Termelétrica Rio de Janeiro, 26 de abril de 2007 1. REGULAÇÃO E PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO NECESSIDADE DE UMA REGULAÇÃO QUE PROMOVA:

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

Planejamento Integrado no Setor elétrico

Planejamento Integrado no Setor elétrico 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DEINFRA ENERGIA FIESP Planejamento Integrado no Setor elétrico Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL 12 de março de 2012 Sumário I. Planejamento no setor elétrico. II. Fontes

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL GRUPO DE TRABALHO Coordenação: GEOBERTO ESPÍRITO SANTO VICE-PRESIDENTE DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Rio de Janeiro, 1 de junho de 2012. PLANO DECENAL DE EXPANSÃO

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Incômodos para consumidores, impactos para a economia

Incômodos para consumidores, impactos para a economia Incômodos para consumidores, impactos para a economia Ainda que o setor elétrico não estivesse passando por um preocupante e oneroso momento de stress, ainda que quase todos os agentes e consumidores do

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee

Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee Título Custo de capital regulatório e investimentos em energia Veículo Valor Econômico Data 22 janeiro 2015 Autores Claudio J. D. Sales, Richard Lee Hochstetler e Eduardo Müller Monteiro A distribuição

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

A NOVA REDUÇÃO DAS COMPENSAÇÕES ASSOCIADAS À CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO

A NOVA REDUÇÃO DAS COMPENSAÇÕES ASSOCIADAS À CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO 19 de setembro 2013 A NOVA REDUÇÃO DAS COMPENSAÇÕES ASSOCIADAS À CESSAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO LEI N.º 69/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. REGRAS GERAIS A Lei n.º 69/2013, de 30 de agosto, estabeleceu uma nova

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

Gazeta do Povo Online (PR) 15/07/2015 Bandeira tarifária arrecada R$ 5,4 bilhões em cinco meses

Gazeta do Povo Online (PR) 15/07/2015 Bandeira tarifária arrecada R$ 5,4 bilhões em cinco meses Gazeta do Povo Online (PR) 15/07/2015 Bandeira tarifária arrecada R$ 5,4 bilhões em cinco meses http://www.gazetadopovo.com.br/economia/bandeira-tarifaria-arrecada-r-54-bilhoes-em-cinco-mesesanwfi63js8uy6mhbi41xg8n7p

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP Mesa Redonda 1: Modelo de Planejamento Energético PL Dual Estocástico e a definição de Preços de Mercado num Sistema Elétrico cuja Matriz Energética Nacional caminha fortemente para a diversificação Moderador:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Lelo Coimbra) Institui o Programa Nacional de Geração de Energia Elétrica a partir do Lixo (Progel) e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia Estrutura: Operador do Sistema (ONS): Responsável pela otimização centralizada da operação do sistema e pelo despacho, de acordo com regras aprovadas pelo ente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

Valor Online 23/11/2015 Bandeira verde pode dar alívio maior para inflação em 2016

Valor Online 23/11/2015 Bandeira verde pode dar alívio maior para inflação em 2016 Valor Online 23/11/2015 Bandeira verde pode dar alívio maior para inflação em 2016 A demanda menor por energia, aliada a uma possível melhora do regime de chuvas no próximo verão, pode ajudar na recuperação

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres - ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE)

Visita à UTE PecémI. 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Visita à UTE PecémI 23 de setembro de 2013 23 de setembro de 2013 Fortaleza (CE) Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO ACL na Expansão da Geração BACKWORDS

PARTICIPAÇÃO DO ACL na Expansão da Geração BACKWORDS BACKWORDS Um dos diagnósticos associado as falhas do modelo RE- SEB foi a ausência de sinais para investimentos, devido principalmente: Financiabilidade: prazo de contratação; robustez do PPA (mecanismos

Leia mais

SEBRAEtec Diferenciação

SEBRAEtec Diferenciação SEBRAEtec Diferenciação REGULAMENTO Investir em inovação tecnológica é fundamental para a competitividade das micro e pequenas empresas gaúchas. 2 2014 Mais recursos para as MPEs representam mais desenvolvimento

Leia mais

Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014

Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014 Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014 Darío Calderón AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2014 ARSESP SÃO PAULO 4 DE NOVEMBRO 2014 1 2 Aplicação de Fator X para uma empresa Greenfield A NT Nº1 de 2003 da CESP menciona

Leia mais

Preciso anunciar mais...

Preciso anunciar mais... Na maioria dos projetos que participamos, temos certeza de que quando o empreendedor inicia um trabalho de CRM, ele busca sempre é por uma vantagem competitiva: uma equipe de vendas mais eficiente, processos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto.

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto. Discussão sobre Nivelamento Baseado em Fluxo de Caixa. Item aberto na lista E-Plan Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em

Leia mais