Energia e Infraestrutura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Energia e Infraestrutura"

Transcrição

1 1 33º Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2015 Energia e Infraestrutura Wagner Cardoso Gerente Executivo de Infraestrutura Confederação Nacional da Indústria Joinville, 22 de setembro de 2015

2 2 SUMÁRIO INFRAESTRUTURA E COMPETITIVIDADE ENERGIA SANEAMENTO LOGÍSTICA MOBILIDADE URBANA 2

3 Brasil investe pouco em Infraestrutura 3 Investimento em Infraestrutura em % do PIB (valor médio ) 7,3% 6,2% 5,6% 2,1% China Chile India Brazil China Chile India Brazil Brasil investe US$ 44 bilhões por ano em média em infraestrutura Ao menos 5% do seu PIB (US$ 104 bi/ano) deveriam ser investidos Déficit de US$ 60 bilhões Fonte: CASTELAR, Armando."Desafios e oportunidades na infraestrutura" (2011) Cotação: 01 US$ = 3,07 R$ ( 22/06/2015) 3

4 Transporte: PAC aumentou investimentos Total de Investimentos do Ministério dos Transportes Valores Constantes(R$ bilhões) 6,2 5,7 4 PAC 4,6 4,4 4,4 4,6 Média Anual de R$ 6 bilhões 2,5 2,7 2,0 1,8 1,4 0,6 3,2 3,1 Média Anual de R$ 15 bilhões Total Pago (pago do exercício + restos a pagar pagos). Valores atualizados com base no IGP-DI, da FGV. Fonte: Elaboração própria com base nos dados do Contas Abertas 4

5 5 O aumento da demanda por serviços de infraestrutura agravou o problema. Apesar dos avanços alcançados com o PAC, a taxa de expansão dos serviços de infraestrutura ainda não atende a crescente demanda. 5

6 6 Crescimento acelerado da demanda por infraestrutura Demanda Crescimento Médio Anual ( ) Tráfego aéreo (milhões de passageiros) 82,7 210,1 10% Tráfego rodovias pedagiadas(milhões de veículos) 602, ,4 11% Volume de Comércio nos Portos (milhoes ton.) 620,7 969,6 5% Movimentação de Conteiners(milhoes de TEUs) 5,0 9,3 6% Safra de Grãos (milhões de Ton) 119,1 193,4 5% Corrente de comércio (US$ bilhões) (IMP+EXP) 159,5 454,2 11% 6

7 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA 7

8 PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA PIL Lançado em Aspectos Positivos: I. Rodovias e Aeroportos: Continuidade do programa de concessões. Modelos de sucesso foram bem aceitos pelo setor privado; II. Ferrovias: Novo modelo, incluido direito de passagem, para aumentar a competitividade do sistema; III. Portos: Nova legislação simplifica o processo de leilão de terminais em áreas públicas. 8

9 PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA PIL Lançado em Pontos de Atenção: I. Ferrovias: O sucesso do novo modelo, assim como todo o processo de integração da malha, depende das negociações envolvendo direito de passagem entre os novos e os antigos concessionários. 9

10 PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA PIL Lançado em Ferrovias -7,5 mil km -5 novos trechos e obras em trechos existentes -R$ 86,4 bilhões Rodovias -2,6 mil km -16 novos trechos e obras em trechos existentes -R$ 66,1 bilhões Aeroportos -4 concessões -R$ 8,5 bilhões Portos - 50 licitações -63 novos TUPS -24 renovações antecipadas de arrendamento R$ 37,4 bilhões

11 11 Porto de Vila do Conde Porto de Manaus Porto de Santarém Porto de Itaqui Porto do Pecém Açaílândia Porto de Marabá Porto de Porto Velho Porto de Suape FERROVIA NORTE-SUL Ferrovia Norte-Sul Em avaliação PAC Linhas Existentes Lucas R. Verde Panorama Mafra Uruaçu Belo Horizonte Porto de Vitória Porto de Salvador Porto do Rio de Janeiro Porto de Itaguaí Porto de Santos Porto de Paranaguá Porto de Rio Grande Corinto 6 Fonte: PIL 2012 Porto de Ilhéus 11

12 12 BR-163: Nova rota de carga SINOP Jóia da Coroa: Sinop Miritituba (976 km) 12

13 Produção 13 AS NOVAS SAÍDAS PARA O AGRONEGÓCIO Consumo 96,1 milhões/t 19,0 = 57,9% Porto Velho* 2,7 Itacoatiara (3,3%) milhões/t 1,8 Santarém (ITACOATIARA 4,5 milhões/t + SANTARÉM) (2,2%) milhão/tsantana Zero Sistema Exportação Belém/Guajará São (2014) Produção Brasil 166,0 milhões/t 12,3 Exportação milhões/t Interno** 1,2 = 15,2% (1,5%) milhões/t 3,7 Luís/Itaqui milhões/t (4,6%) 64,8 Excedente milhões/t (5,5%) Salvador/Cotegipe 2,9 (3,6%) milhões/t 69,9 Produção Vitória = 42,1% milhões/t 24,9 milhões/t (30,8%) 6,2 (7,7%) milhões/t Produção de soja e milho > 5 mil toneladas 12,2 Rio Grande milhões/t 7,1 São 17,6 Paranaguá milhões/t Fco milhões/t Santos Consumo (15,1%) do (8,8%) Sul(21,8%) 66,2 milhões/t Interno** (regiões *(PA) ** Fonte: Porto Valores Produção de estimados Porto Velho (CONAB, do (RO) consumo Safra = distribui 2013/2014) interno para os e Portos Exportação de Itacoatiara por Porto (AM) (SECEX, e Santarém 2014) 68,5 64,8 3,7 Exportação Excedente Superávit 0,5 Imbituba milhões/t (0,6%) milhões/t = 84,8% milhões/t N, NE e CO) = 57,9%

14 14 BR-163: Falta pavimentar 210km do trecho até Miritituba e 220km para Santarém. Antes Depois 14 BR 163 Cuiabá-Santarém)

15 15 PIL 2015: Aumentar a participação do setor privado na gestão da infraestrutura é o caminho correto O QUE FALTA FAZER? 1. Privatizar a administração dos portos públicos (como colocado na Legislação atual); 2. Reduzir a burocracia nos portos; 3. Acelerar o processo de obtenção de licença ambiental. A demora na obtenção da licença ambiental é um problema comum a todos os setores de infraestrutura. 15

16 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS EM ENERGIA ELÉTRICA 16

17 Distribuição da fonte de geração de eletricidade no brasil e no mundo 17 Brasil 2010 Renováveis: 83% 75% Mundo 2010* Renováveis: 19% 67% 17% 4% 8% 13% 2% 15% Hidro Pequenas centrais Nuclear Térmicas hidrelétricas, Eólico, Biomassa Mundo Brasil Fonte: EPE Fonte: EPE e IEA. * Último dado disponível

18 18 Leilões de energia elétrica realizados em 2015 Leilão A-5 Leilão Fontes Potência (MW) 3º Leilão de Fontes Alternativas PCH, UHE, Biomassa, GN Preço médio ponderado (R$/MWh) 1.973,4 259,20 Biomassa e Eólica 479,43 199,99

19 19 Leilões de energia elétrica a serem realizados em º Leilão de Energia Reserva Leilão Data Fontes 1º Leilão de Energia de Reserva 13/nov 28/ago Solar e eólica Solar Leilão de Energia A-3 21/ago Térmicas ATUALIZAR OS RESULTADOS EM VERMELHO

20 PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM ENERGIA ELÉTRICA 20 Geração Leilão de MW a MW Cerca de 200 empreendimentos Investimentos: R$ 116 bilhões (R$ 42 bilhões até 2018) Transmissão Leilão de 37,6 mil km Cerca de 60 trechos de linhas de transmissão Investimentos: R$ 70 bilhões (R$ 39 bilhões até 2018)

21 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS EM PETRÓLEO E GÁS 21

22 22 PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL 309 concessões (85 marítimas e 224 terrestres) 23 empresas operadoras Fonte: ANP.

23 23 PRODUÇÃO DE PETRÓLEO NO BRASIL Média Anual (em mil de m³/dia) * Fonte: Elaboração própria com dados da ANP. *Média até junho de 2015.

24 24 INVESTIMENTOS DA PETROBRAS NO BRASIL EM US$ BILHÕES Fonte: Petrobras

25 Fonte: Petrobras 25

26 PRÉ-SAL dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 mar/15 abr/15 mai/15 jun/15 Produção de petróleo e gás Mil boe/dia A Bacia de Campos é responsável por cerca de 66% da produção do pré-sal. Fonte: Elaboração própria com dados da ANP.

27 13ª RODADA DE LICITAÇÕES (07/out/2015) 266 blocos blocos 22 Setores (áreas) 10 bacias 125 mil km² área em oferta Caso todos os blocos sejam arrematados sem ágio: A previsão é recolher em torno de R$ 979 milhões de bônus e R$ 2,8 bilhões relativos a Investimentos Exploratórios Mínimos. Fonte: ANP

28 28 OFERTA TOTAL DE GÁS NATURAL Média Anual (em milhões de m³/dia) 44,5 61,7 61,4 74,8 89,6 100,0 103, * Fonte: Elaboração própria com dados do MME. *Média até abril de O consumo de gás natural aumentou quase 125% entre 2011 e 2014.

29 CONSUMO DE GÁS NATURAL POR SETOR Média Anual (em milhões de m³/dia) 29 29,0 5,3 35,4 15,8 50,0 47,4 40,9 41,8 41,3 43,2 45,0 38,9 23,0 10, * Fonte: Elaboração própria com dados do MME. *Média até abril de Industrial Geração de Energia Elétrica Esse aumento expressivo de consumo de gás natural justifica-se pela importação de gás natural liquefeito (GNL) para geração termelétrica de energia elétrica.

30 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA 30

31 INVESTIMENTO DO GOVERNO FEDERAL EM MOBILIDADE URBANA 31 Valores Constantes (R$ milhões) * Fonte: Elaboração própria com dados do SIAFI. *Até julho de O investimento aumentou significativamente entre 2011 e 2014.

32 NECESSIDADE ATUAL POR INVESTIMENTOS DAS 15 MAIORES REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS (green field)* (R$ bilhões) Contudo, a necessidade de investimento ainda é significativamente superior Trem pesado Trem leve BRT longa distância Metrô pesado Metrô leve BRT média distância VLT tráfego misto Total Fonte: Elaboração própria com dados do IPEA. * São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Distrito Federal, Fortaleza, Recife, Salvador, Curitiba, Goiânia, Campinas, Manaus, Belém, Grande Vitória e Baixada Santista.

33 PAC MOBILIDADE URBANA Foram disponibilizado R$ 143 bilhões em 26 municípios*. - Fundo perdido. - Financiamento público subsidiado. 33 Total de 3,9 mil km de vias para transporte coletivo urbano. Fonte: PAC. * Rio Branco AC, Macapá AP, Feira de Santana BA, Vitória ES, Vila Velha ES, Serra ES, Uberlândia MG, Contagem MG, Juiz de Fora MG, Cuiabá MT, Ananindeua PA, Jaboatão dos Guararapes PE, Belford Roxo RJ, Campos dos Goytacazes RJ, São João de Meriti RJ, Porto Velho RO, Boa Vista RR, Caxias do Sul RS, Joinville SC, Florianópolis SC, Aracaju SE, São José dos Campos SP, Ribeirão Preto SP, Sorocaba SP, Santos SP, São José do Rio Preto -SP.

34 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS EM SANEAMENTO 34

35 SANEAMENTO BÁSICO NO BRASIL 35 Índices de atendimento no Brasil 82,5% 48,6% 39,0% O Brasil tem como meta universalizar os serviços de saneamento (água, coleta de esgoto e tratamento de esgoto) até Água Coleta de esgoto Tratamento de esgoto Fonte: Elaboração própria com dados do SNIS.

36 GRANDE DEMANDA POR INVESTIMENTOS 36 6,0 Investimentos em Saneamento Valores Constantes(R$ bilhões) 7,5 10,2 9,7 9,7 10,4 10,5 Serão necessários investimentos médios anuais de R$ 13 bilhões até 2033 para que a meta de atendimento seja alcançada Fonte: Elaboração própria com dados do SNIS.

37 PAC SANEAMENTO 37 Foram investidos pelo Programa R$ 11,5 bilhões com a conclusão de empreendimentos de água e esgoto. Para 2015, há R$ 2,7 bilhões da União para investimentos em Saneamento (a fundo perdido). Além de linhas de crédito diferenciadas no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e na Caixa Econômica Federal.

38 TEMOS MUITAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS 38 E a participação privada é decisiva para a expansão e aumento da qualidade dos serviços de infraestrutura.

39 39 33º Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2015 Vielen Dank! Wagner Cardoso Gerente Executivo de Infraestrutura Confederação Nacional da Indústria Joinville, 22 de setembro de 2015

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna rede de infraestrutura

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO PAC 2 ATÉ OUTUBRO DE 2014 R$ 1,009 trilhão 91,3% do previsto até 2014 ATÉ DEZEMBRO DE 2014 R$ 1,066 trilhão 96,5% do previsto até 2014 PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística

Programa de Investimentos em Logística Programa de Investimentos em Logística Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos

Leia mais

Visão Geral do Programa de Portos

Visão Geral do Programa de Portos Visão Geral do Programa de Portos São Paulo, 3 de setembro de 2013 O que é a EBP? Aporte de capital em partes iguais Um voto cada no Conselho Desenvolvimento de projetos de infraestrutura: Em parceria

Leia mais

MATRIZ DE TRANSPORTE COM FOCO NAS FERROVIAS

MATRIZ DE TRANSPORTE COM FOCO NAS FERROVIAS MATRIZ DE TRANSPORTE COM FOCO NAS FERROVIAS Matriz de Transportes do Brasil Aquaviário Rodoviário Ferroviário Dutoviário e Aéreo 58% 25% 4% 13% Fonte: PNLT Matriz de Transportes Comparada Ferroviário Rodoviário

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

Logística e Desenvolvimento Econômico

Logística e Desenvolvimento Econômico Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna rede de infraestrutura Logística eficiente Modicidade tarifária Programa de Aceleração

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014

Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014 Demanda por Investimentos em Mobilidade Urbana Brasil/2014 Classificação: Documento Reservado Restrição de Acesso: Empresas do Sistema BNDES - Uso no Âmbito Interno Unidade Gestora: AS/DEURB AS/DEURB -

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento PAC Programa Minha Casa, Minha Vida Pré-Sal Copa 2014 Jogos Olímpicos e Paraolímpicos 2016

Programa de Aceleração do Crescimento PAC Programa Minha Casa, Minha Vida Pré-Sal Copa 2014 Jogos Olímpicos e Paraolímpicos 2016 Brasil Oportunidades de Investimento Miriam Belchior Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BRASIL VIVE UM MOMENTO EXITOSO Quatro movimentos estruturais explicam esse momento:

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papeldo BNDES napromoçãodo desenvolvimento econômico e social do Brasil IV Fórum Internacional de comunicação e sustentabilidade Brasília, 26 de maio de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes Eng. Luiz Guilherme Rodrigues de Mello, Dsc. Ministério dos Transportes DNIT VALEC ANTT EPL CODOMAR Ministério dos

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Brasil. Oportunidades de Investimento Batimat 2011. Miriam Belchior. Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Brasil. Oportunidades de Investimento Batimat 2011. Miriam Belchior. Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasil Oportunidades de Investimento Batimat 2011 Miriam Belchior Ministra de Estado Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BRASIL VIVE UM MOMENTO EXITOSO Quatro movimentos estruturais explicam

Leia mais

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010 Posição Nome do Município Estado Região RM, RIDE ou Aglomeração Urbana 1 Salvador BA Nordeste RM Salvador 2 Maceió AL Nordeste RM Maceió 3 Rio de Janeiro RJ Sudeste RM Rio de Janeiro 4 Manaus AM Norte

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão NOVA ETAPA DE CONCESSÕES Investimentos

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO

BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO Brasil Câmara Oficial Espanhola de Comércio Miriam Belchior Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão BRASIL VIVE UM CÍRCULO VIRTUOSO Quatro movimentos estruturais explicam esse momento: Crescimento

Leia mais

10º BALANÇO. Janeiro a Abril de 2010

10º BALANÇO. Janeiro a Abril de 2010 10º BALANÇO Janeiro a Abril de 2010 RESULTADOS DO PAC 70,7% dos recursos previstos até 2010 realizados R$ 463,9 bilhões 46,1% das ações concluídas R$ 302,5 bilhões AÇÕES Logística, Energia e Social e Urbano

Leia mais

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI Os nós da infraestrutura OS CENÁRIOS CONSIDERADOS Patinando na infraestrutura deficitária Atingindo a velocidade de cruzeiro Para

Leia mais

3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012

3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012 Code-P0 3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012 Brasília, Maio de 2012 Code-P1 Conteúdo do documento Visão geral das ações Visão por tema 1 Code-P2 Ciclos dos preparativos do

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA O CARGO DE TÉCNICO BANCÁRIO NOVO CARREIRA ADMINISTRATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA O CARGO DE TÉCNICO BANCÁRIO NOVO CARREIRA ADMINISTRATIVA Técnico Bancário Novo AC Cruzeiro do Sul 1618 CR* Técnico Bancário Novo AC Rio Branco 6648 CR * Técnico Bancário Novo AC Sena Madureira 1065 CR* Técnico Bancário Novo AL Maceió 22524 CR * Técnico Bancário

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Francisco Luiz Baptista da Costa Brasília, 16.07.2014 Ferrovias Expansão da Malha Santarém Barcarena Miritituba Pecém Açailândia

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Ministério dos Transportes. Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária

Ministério dos Transportes. Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Paulo Sérgio Passos Ministro de Estado dos Transportes Brasília, 16.07.2014 Brasil e China: Economias Complementares China

Leia mais

Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística

Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística ESTUDOS E PESQUISAS Nº 636 Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística Maurício Muniz, Ian Guerriero e Renato Rosenberg * Fórum Nacional (Sessão

Leia mais

MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES

MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES Objetivo Fomentar ações estruturantes para o sistema de transporte coletivo urbano por meio de qualificação e ampliação da infraestrutura de mobilidade urbana Quem pode pleitear?

Leia mais

INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO

INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO PIL PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA NOVA ETAPA DE CONCESSÕES Investimentos projetados R$ 198,4 bilhões Rodovias R$ 66,1 bi Ferrovias R$ 86,4 bi Portos R$

Leia mais

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito?

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? SESSÃO TEMÁTICA Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? Brasília, 17 de novembro de 2009 Perspectivas de Investimentos O Brasil está diante de uma oportunidade inédita para aumentar de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 57ª PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL PNE * PROFISSIONAL JÚNIOR ANALISTA DE SISTEMAS - ÊNFASE EM DESENVOLVIMENTO EM ERP

Leia mais

Panorama do Mercado Imobiliário. Celso Petrucci Economista-Chefe do Secovi-SP

Panorama do Mercado Imobiliário. Celso Petrucci Economista-Chefe do Secovi-SP Panorama do Mercado Imobiliário Celso Petrucci Economista-Chefe do Secovi-SP Município de São Paulo Lançamentos Residenciais Mun. de São Paulo Mil Unidades Média = 31,7 22,6 24,9 25,7 39,0 34,5 31,6 38,2

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Antonio Henrique P. Silveira Ministro-Chefe da Secretaria de Portos Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 10/jun/2014 Novo Marco do Setor

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente A Copado Mundode 2014, as Olímpiadasde 2016 e os gargalos da nossa infraestrutura Diálogos Capitais Rio de Janeiro, 7 de dezembro de 2010 Luciano Coutinho Presidente A trajetória recente da economia brasileira

Leia mais

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1 AC Rio Branco Cerest Estadual (68) 3223-4266 cerest.saude@ac.gov.br AL Maceió Cerest Estadual (82) 3315-2759 (82) 3315-3920 cerest@saude.al.gov.br AL Maceió Cerest Regional (82) 3315-5260 cerest@sms.maceio.al.gov.br

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes

Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes Unidade Serviços em Infraestrutura Apresentação para o Conselho Diretor 12.05.2015 Financiamento da Infraestrutura Nacional Banco de do Transportes Brasil Outubro/2015 1 Dentre 140 países, o Brasil é o

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES CARGO/ FORMÇÃO ÚLTIMA CLASSIFICAÇÃO CONVOCADA EDITAL 01/2011 PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 51ª

ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES CARGO/ FORMÇÃO ÚLTIMA CLASSIFICAÇÃO CONVOCADA EDITAL 01/2011 PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 51ª ACOMPANHAMENTO DAS CONVOCAÇÕES PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 51ª PROFISSIONAL JÚNIOR ADMINISTRAÇÃO NACIONAL 3ª PCD * PROFISSIONAL JÚNIOR ANALISTA DE SISTEMAS - ÊNFASE EM INFRAESTRUTURA RJ

Leia mais

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações

Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Aeroportos no Brasil: investimentos recentes, perspectivas e preocupações Carlos Campos Neto carlos.campos@ipea.gov.br Frederico Hartmann de Souza frederico.souza@ipea.com.br Abril de 2011 Objetivos Avaliar

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

VISÃO ESTRATÉGICA DA INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA NACIONAL

VISÃO ESTRATÉGICA DA INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA NACIONAL CodeP0 VISÃO ESTRATÉGICA DA INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA NACIONAL Outubro/2013 0 AEROPORTOS Macapá Novo TPS 1ªfase Macapá Ampliação Pátio Fortaleza Ampliação TPS São Luís Ampliação do TPS São Luís Reforma

Leia mais

UN 4 0,00 Catraca pedestal com cofre com leitor smart card

UN 4 0,00 Catraca pedestal com cofre com leitor smart card ITEM 1 - Município - Rio de Janeiro - RJ ANEXO II DO TERMO DE REFERÊNCIA QT Valor Unitário R$ Valor Total R$ 1 - Projeto (verba para infraestrutura e ativação local) VB 1 Software de Acesso - Licença Web

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

2º Balanço. Julho - Setembro 2011

2º Balanço. Julho - Setembro 2011 2º Balanço Julho - Setembro 2011 Amapá Apresentação O programa que mudou o Brasil agora está de cara nova. Mais recursos para continuar construindo a infraestrutura logística e energética e sustentar o

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

Energia Eólica Maio / 2015

Energia Eólica Maio / 2015 Energia Eólica Maio / 2015 Cenário Atual 2 Posicionamento Mundial 10º no mundo 5,96 GW capacidade instalada acumulada 4º no mundo 2,50 GW nova capacidade instalada 2º no mundo atratividade Fonte: GWEC

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO. IV Brasil nos Trilhos. Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO. IV Brasil nos Trilhos. Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO IV Brasil nos Trilhos Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS INVESTIMENTOS DA UNIÃO 2000-2010* (RAP + Pago) R$ milhões 2.500 904 998 125 133 112 57 133 279

Leia mais

ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO

ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO ANEXO II - PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODELO DE PROPOSTA PROPOSTADEFORNECIMENTO Ref.:COTAÇÃO ELETRÔNICANº003/2015 ApresentamosnossapropostaparafornecimentodosItensabaixodiscriminados,conformeAnexoI

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Ministério de Minas de Energia ORGANIZAÇÃO RENOVE UNEP Risoe Centre on Energy (B-REED Programme) A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Programas de Energias Renováveis no Brasil: Perspectivas para

Leia mais

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA 1 PAC NA BAHIA R$ 49,4 bilhões entre 2015-2018 Eixo R$ bilhões Transportes 5,8 Energia 30,1 Cidade Melhor 9,4 Comunidade Cidadã 0,9 Urbanização* 0,8 Água e Luz para Todos

Leia mais

FÓRUM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE Ministro Nelson Barbosa

FÓRUM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE Ministro Nelson Barbosa FÓRUM INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE Ministro Nelson Barbosa Para mais informações, acesse: www.logisticabrasil.gov.br investimentosbrasil@planejamento.gov.br 1 INVESTIMENTO TOTAL Investimentos projetados*

Leia mais

24º Fórum de Debates Brasilianas.org

24º Fórum de Debates Brasilianas.org Transportes 24º Fórum de Debates Brasilianas.org Os desafios da logística e infraestrutura Marcos regulatórios e entraves burocráticos Reginaldo Cardoso São Paulo, 30 de Maio de 2012 Deutsche Post - DHL

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Uma proposta da ISES do Brasil

Uma proposta da ISES do Brasil Uma proposta da ISES do Brasil INTRODUÇÃO: Aeroportos x Geração Fotovoltaica Características construtivas: praticamente horizontais, grandes áreas; Formadores de opinião e tomadores de decisão passam por

Leia mais

Números e curiosidades

Números e curiosidades Números e curiosidades - O leilão 004/2008 é o maior leilão realizado pela Aneel desde 98, com uma extensão total de quase 3 mil quilômetros de novas linhas. É o equivalente a metade da extensão do Rio

Leia mais

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP Programa de Investimentos, Arrendamentos e TUPs, e o Potencial do Pará como novo Corredor de Exportação LUIS CLAUDIO S. MONTENEGRO Diretor de Informações Portuárias SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG

Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG Infraestrutura de transportes no Brasil: políticas para elevar a oferta e a eficiência dos modais de transporte PAULO RESENDE, Ph.D. Núcleo FDC de Infraestrutura,

Leia mais

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios

Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Energia: Recursos Energéticos e Desafios Estratégicos Soluções energéticas para o Brasil: principais desafios 24 de agosto de 2009 Nelson Hubner

Leia mais

Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS

Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS Brasília, 11 de junho de 2014. SISTEMÁTICA ATUAL Desde 01/01/2010, o INSS direciona os benefícios para o vencedor do Lote, desde que

Leia mais

Júlio Eduardo dos Santos

Júlio Eduardo dos Santos Júlio Eduardo dos Santos Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Linha do Tempo 1965 a 2003 Extinção da GEIPOT Lei 10.233 / 2001 Criação da EBTU lei nº 6.261 em 1975 Extinção da EBTU Dec.

Leia mais

Lote Produzidos Cidade UF Qte faturada

Lote Produzidos Cidade UF Qte faturada Lote Produzidos Cidade UF Qte faturada 1400008703 BELEM PA 339 1400008703 BELO HORIZONTE MG 2.034 1400008703 BRASILIA DF 1.356 1400008703 CONGONHAS MG 54 1400008703 CUIABA MT 678 1400008703 GOIANIA GO

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

Relação dos cargos do próximo concurso da empresa, que formará cadastro reserva: Analista Superior I

Relação dos cargos do próximo concurso da empresa, que formará cadastro reserva: Analista Superior I Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) Relação dos cargos do próximo concurso da empresa, que formará cadastro reserva: AS I - Arquivista AS I Assistente Social AS I Biólogo Analista

Leia mais

A importância do Investimento Privado na Concessão dos

A importância do Investimento Privado na Concessão dos A importância do Investimento Privado na Concessão dos Serviços Públicos Regulados Geraldo Villin Prado ABAR Mai/09 Demanda Anual de Investimentos no Brasil ENERGIA ELÉTRICA PETRÓLEO & GÁS (*) TRANSPORTES/

Leia mais

Continua na Página : 2

Continua na Página : 2 SAO PAULO E REG. FP = 88,79 FP = 91,16 FP = 119,41 FP = 161,91 FP = 198,78 FPK = 2,85 METROPOLITANA -- -- -- FV = 0,50 FV = 0,50 FV = 0,50 FV = 0,50 FV = 0,50 FV = 0,50 (Exp) SAO PAULO E REG. FP = 23,96

Leia mais

Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030

Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030 Ministério de Minas e Energia CENÁRIO ENERGÉTICO BRASILEIRO, PLANO DECENAL E PLANEJAMENTO ENERGÉTICO 2030 Associação Brasileira do Carvão Mineral Marcio Pereira Zimmermann Secretário de Planejamento e

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

MATO GROSSO DO SUL. Dourados 1 PROJETO R$ 35,2 MILHÕES DOURADOS DOURADOS

MATO GROSSO DO SUL. Dourados 1 PROJETO R$ 35,2 MILHÕES DOURADOS DOURADOS MATO GROSSO DO SUL Dourados 1 PROJETO R$ 35,2 MILHÕES DOURADOS DOURADOS PARÁ Belém, Marabá e Marituba 3 PROJETOS R$ 250,3 MILHÕES MARABÁ BELÉM RORAIMA Boa Vista 1 PROJETO R$ 23,5 MILHÕES BOA VISTA SANEAMENTO

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº 109 DE 5 DE MARÇO DE 2013

MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº 109 DE 5 DE MARÇO DE 2013 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº 109 DE 5 DE MARÇO DE 2013 Divulga resultado do processo de seleção do PAC 2 Mobilidade Médias Cidades, no âmbito do Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade

Leia mais

Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação

Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação Desenvolvimento Econômico, Ciência e Inovação Rodrigo Garcia Secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência,Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo www.desenvolvimento.sp.gov.br Brasil Contexto

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Interligação Tucuruí Macapá Manaus: integração da Amazônia ao SIN A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Objetivos do modelo do Setor Elétrico Segurança no Modicidade

Leia mais

Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017

Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017 Construção: equipamentos, investimentos e materiais Mercado brasileiro 2012-2017 Apresentação em Recife, 19 de março de 2013 Brian Nicholson, Consultor, Sobratema Associação Brasileira de Tecnologia para

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana PAC 2 SÃO PAULO R$ 241,5 bilhões R$ milhões Eixo 2011-2014 Pós 2014 TOTAL Transportes 55.427 2.169 57.596 Energia 57.578 77.936 135.513 Cidade Melhor

Leia mais

PROJETO NORDESTE COMPETITIVO

PROJETO NORDESTE COMPETITIVO PROJETO NORDESTE COMPETITIVO III FÓRUM NORDESTE 2030 Ilana Dalva Ferreira Analista de Políticas e Indústria da CNI Gerência Executiva de Infraestrutura Aracaju, 24 de março de 2014 2 2 1 3 5 PROJETOS PRIORITÁRIOS

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL

AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL Teresina, Junho de 2015 2 Três pontos... 1. O Brasil está atrasado em saneamento... 2. Investimento atual em saneamento

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais