Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE"

Transcrição

1 Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações que deverão ser fornecidos pelo ONS à CCEE. 2. Relação dos Dados de Entrada para os Modelos de Otimização Hidrotérmica 2.1. Dados para processamento do modelo NEWAVE Os arquivos de entrada do modelo NEWAVE e suas descrições estão definidos no Manual do Usuário da última versão homologada pela ANEEL, e que será sempre parte integrante deste Acordo. Para processamento do modelo NEWAVE, o ONS deve fornecer mensalmente à CCEE: Dados / Informações Descrição / Dados de entrada utilizados pelo ONS no processamento do modelo para o PMO Conjunto de dados de entrada utilizados pelo ONS no processamento do modelo para o Programa Mensal de Operação PMO Submódulo 7.3 Módulo 1 PdC PE.01 Último dia do PMO, conforme cronograma disponível no site do ONS Restrições elétricas internas aos Submercados Informações relativas às restrições elétricas internas aos Submercados, que foram utilizadas pelo ONS no processamento do modelo Submódulo 7.3 Módulo 1 PdC PE.01 Último dia do PMO conforme cronograma disponível no site do ONS Usinas em teste Relação das Usinas em teste consideradas no processamento do modelo Não aplicável Módulo 1 PdC PE.01 Último dia do PMO, conforme cronograma disponível no site do ONS, quando necessário 1/25

2 2.2. Dados para processamento do modelo DECOMP Os arquivos de entrada do modelo DECOMP, e suas descrições, estão definidos no Manual do Usuário da última versão homologada pela ANEEL, e que será sempre parte integrante deste Acordo. Para processamento do modelo DECOMP, o ONS deve fornecer semanalmente à CCEE: Dados / Informações Descrição / Dados de entrada utilizados pelo ONS no processamento do modelo para o PMO e suas revisões Conjunto de dados de entrada utilizados pelo ONS no processamento do modelo para o Programa Mensal de Operação PMO e suas revisões Submódulo 7.3 Módulo 1 das PdC PE.01 Até o último dia útil de cada semana Restrições elétricas internas aos Submercados Informações relativas às restrições elétricas internas aos Submercados, que foram utilizadas pelo ONS no processamento do modelo Submódulo 7.3 Módulo 1 das PdC PE.01 Até o último dia útil de cada semana Usinas em teste Relação das Usinas em teste consideradas no processamento do modelo Não aplicável Módulo 1 das PdC PE.01 Até o último dia útil de cada semana, quando necessário 2/25

3 3. Dados Gerais Dados / Informações Descrição / Composição dos Patamares de Carga CPSA Definição da Modalidade de Operação de Usinas Composição dos Patamares de Carga Pesada, Média e Leve para o ano subsequente Cópia dos Contratos de Prestação de Serviços Ancilares Inclusão ou alteração da modalidade de operação de usinas, as quais poderão ser classificadas segundo uma das três modalidades de operação: TIPO I Programação e despacho centralizados; TIPO II Programação centralizada e despacho não centralizado; Submódulo 5.6 e item Submódulo 14.3, item 5.1d Módulo 26 Módulo 2 / Módulo 3 / Módulo 4 / Módulo 5 / Módulo 6 / Módulo 7 / Módulo Penalidade / Módulo Liquidação das Módulo 6 das PdC ME.02 Módulo 3 / Módulo 4 / Módulo 6 / Módulo 7 / Módulo Penalidade / Módulo Liquidação / Módulo Reajuste da Receita de Venda por CCEAR por Disponibilidade - das Regras de Até 15 dias úteis antes do início do ano civil. Até 5 dias após a devolução ao ONS do CPSA assinado pelo agente prestador dos serviços ancilares associados TIPO III Programação e despacho não centralizados. Programação da Operação resultante do PMO e suas revisões Dados de geração bruta por patamar e motivo dos correspondentes despachos, com discriminação das parcelas de inflexibilidade, restrição de transmissão, ordem de mérito, Submódulo 7.3 Módulo Liquidação das PdC LF.03 Até o último dia útil de cada semana 3/25

4 Dados / Informações Descrição / Procedimentos Operativos de Curto e outras finalidades 4/25

5 4. Dados referentes à operação realizada 4.1. Motivos de Programação e Despacho Verificado das Usinas Térmicas, inclusive daquelas comprometidas com CCEARs por Disponibilidade Contém informações sobre gerações programadas e verificadas das usinas térmicas despachadas e ou programadas centralizadamente, tais como inflexibilidade, ordem de mérito, restrição elétrica, exportação, geração fora da ordem de mérito, garantia energética e ultrapassagem da CAR, e que serão utilizadas na contabilização da CCEE. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / Despacho_usina _aaaamm_codigo usina.xls Dados de geração bruta horária por usina e motivo dos correspondentes despachos, com discriminação das parcelas de inflexibilidade, restrição de transmissão, ordem de mérito, exportação e outras finalidades, considerando inclusive reprogramações em tempo real Código ONS da usina Nome da usina Data e hora Geração bruta programada e verificada por hora (MWh) Montante de energia associado a cada motivo de despacho, por hora, em MWh (Inflexibilidade, restrição elétrica, ordem de mérito, exportação e outras finalidades) Módulo 2 / Módulo 3 / Módulo 4 / Módulo 6 e Módulo 7 das Regras de. 5/25

6 4.2 Motivos de Programação das Usinas Térmicas Comprometidas com CCEAR por Disponibilidade Contém informações sobre gerações programadas no Programa Diário de Produção - PDP, das usinas térmicas comprometidas com CCEARs por disponibilidade, tais como inflexibilidade, ordem de mérito, restrição elétrica, exportação, geração fora da ordem de mérito, garantia energética, ultrapassagem da CAR e outras finalidades, e que serão utilizadas na contabilização da CCEE. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / Despacho_usina _aaaamm_codigo usina.xls Dados do PDP de geração bruta horária por usina e motivo dos correspondentes despachos, com discriminação das parcelas de inflexibilidade, restrição de transmissão, ordem de mérito, exportação, geração fora da ordem de mérito, garantia energética e ultrapassagem da CAR. Código ONS da usina Nome da usina Data e hora Geração bruta programada e verificada por hora (MWh) Montante de energia associado a cada motivo de despacho, por hora, em MWh (Inflexibilidade, restrição elétrica, ordem de mérito, exportação e outras finalidades) Geração verificada de usinas que não coletem dados de medição via SCDE Reajuste da Receita de Venda dos CCEARs por disponibilidade MS+3du 6/25

7 4.3. Operação Comercial e Teste Contém informações sobre entrada em operação comercial ou teste de unidades geradoras de usinas despachadas centralizadamente e que serão utilizadas na Contabilização da CCEE. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / OPCOMaaaamm.dat Dados sobre entrada em operação comercial de unidades geradoras de usinas despachadas centralizadamente Para cada usina/unidade geradora: Data e Hora Tipo de Usina Nome ONS da Usina/Unidade Geradora Código ONS da Usina Módulo 2 / Módulo 4 das PdC ME.01 TESTCOMaaaamm.dat Dados sobre entrada em operação em teste de unidades geradoras de usinas despachadas centralizadamente Para cada usina/unidade geradora: Data e Hora Tipo da Usina Nome ONS da Usina/Unidade Geradora Código ONS da Usina Módulo 2 das Regras de PdC ME.01 7/25

8 4.4. Despacho como Compensador Síncrono Contém informações das unidades geradoras despachadas como compensador síncrono para controle de reativos e que serão utilizadas na Contabilização da CCEE. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / TIPSINCaaaamm.dat Dados das Unidades Geradoras despachadas como compensador síncrono Para cada unidade geradora: Data e Hora Tipo de Usina Nome ONS da Unidade Geradora Código ONS da Usina Código ONS da Unidade Geradora Código CCEE da Unidade Geradora Despacho (1/0) Módulo 2 e 6 das PdC ME.01 GERPSINCaaaamm.dat Dados de medição ativa e reativa das Unidades Geradoras que operaram como compensador síncrono Para cada unidade geradora: Data Nome ONS da Usina Tipo da Usina Código ONS da Usina Código ONS da Unidade Geradora Medição de energia ativa por hora (MWh) Medição de energia reativa por hora (Mvarh) Não aplicável às Regras de PdC ME.01 8/25

9 4.5. Restrição de transmissão, Segurança Energética, Ultrapassagem da CAR e testes de disponibilidade por determinação da ANEEL Contém informações das usinas despachadas e ou programadas centralizadamente para utilização na contabilização da CCEE, identificando aquelas que fazem jus ao recebimento de encargos com caracterização de motivação sistêmica ou local para restrição de transmissão, bem como segurança energética, ultrapassagem da CAR e testes de disponibilidade por determinação da ANEEL. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / TipRestriaaaammA Dados das usinas despachadas por restrição de transmissão, segurança energética e ultrapassagem da CAR e testes de disponibilidade por determinação da ANEEL Data e Hora Tipo de usina Nome ONS da usina Código ONS da usina Motivo do Despacho Descrição do motivo do despacho Módulos 3, 6 e 7 das TipRestriaaaamm Dados das usinas despachadas por motivos de restrição elétrica de operação local ou de subsistema Data e Hora Tipo de usina Nome ONS da usina Código ONS da usina Identificação do tipo de restrição Descrição do motivo da restrição Módulos 3 e 6 das 9/25

10 4.6. Disponibilidade Verificada Contém informações dos valores de disponibilidade verificada das unidades geradoras, a cada evento de alteração de disponibilidade. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Contéudo Procedimento de Comercizalização/ DispVeraaaamm Dados de disponibilidades verificadas por unidade geradora Data e Hora Tipo de usina Capacidade da Unidade Geradora Nome ONS da usina Identificação da Unidade Geradora Estado Operativo da Unidade Geradora Código da usina Código da Unidade Geradora Disponibilidade verificada Descrição do motivo do despacho Módulo 6 das 10/25

11 4.7. TEIFa, TEIP, TEIF_RESS e TEIP RESS Contém informações da taxa equivalente de indisponibilidade forçada apurada, da taxa equivalente de indisponibilidade programada, da taxa equivalente de interrupção forçada e programa para cálculo do ressarcimento das usinas despachadas centralizadamente. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Contéudo Procedimento de / IndAcumaaaamm.dat Valores de TEIFa, TEIP, TEIF_RESS e TEIP_RESS das usinas despachadas centralizadamente Mês e ano Tipo de Usina Nome ONS da Usina Código ONS da Usina TEIFa mês TEIP mês TEIFa acumulada TEIP acumulada TEIF_RESS mês TEIP_RESS mês TEIF_RESS acumulada TEIP_RESS acumulada Módulo 2 e Módulo de Penalidades das Regras de PdC AM.10 11/25

12 IndMesaaaamm.dat Valores dos parâmetros utilizados na composição de TEIFa e TEIP das usinas despachadas centralizadamente Para cada usina/unidade geradora: Mês e ano Tipo da Usina Potência Efetiva da Usina (MW) Nome ONS da Usina Identificação da unidade geradora Estado da federação da usina Código ONS da Usina Código ONS da unidade geradora Parâmetros: HP, HS, HDF, HEDF, HDP, HEDP, HRD e HDCE Não aplicável Obs.: dados utilizados para análise comparativa. Observação: Para as usinas térmicas despachadas centralizadamente (Tipo I), o ONS encaminhará correspondência para a CCEE, até o mês de agosto de cada ano, para vigir a partir de janeiro do ano seguinte. 12/25

13 4.8. TEIF_EFC e TEIP_EFC Informações da taxa equivalente de interrupções forçadas e programadas excluídas as interrupções causadas por falta de combustível, a ser apurada para usinas despachadas e ou programadas centralizadamente. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Contéudo Procedimento de / IndiAcumFC.dat Valores de TEIP_EFC e TEIF_EFC usinas despachadas e ou programadas centralizadamente Mês e ano Tipo de Usina Nome ONS da Usina Código ONS da Usina TEIP_EFC mês TEIP_EFC acumulada TEIF_EFC mês TEIF_EFC acumulada Módulo 2 e Módulo de Penalidades das Regras de 13/25

14 4. 9. Produção de energia Contém os valores de geração bruta verificada por usina/unidade geradora despachada centralizadamente. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Contéudo Procedimento de / GERPUSIaaaamm.dat Dados de geração bruta por usina Data Nome ONS da Usina Código ONS da Usina Tipo da Usina Medição de energia ativa por hora (MWh) Não aplicável às Regras de PdC ME.01 GERPMAQaaaamm.dat Dados de geração bruta por unidade geradora em teste Para cada unidade geradora: Data Nome ONS da Unidade Geradora Código ONS da Usina Código ONS da Unidade Geradora Tipo da Unidade Geradora Medição de energia ativa por hora (MWh) Não aplicável às Regras de PdC ME.01 ENGFCaaaamm Energia que deixou de ser produzida por uma usina térmica despachada centralizadamente, em um mês de apuração, pela falta de combustível Nome ONS da Usina Código ONS da Usina Energia não gerada no mês por falta de combustível, quando a usina for despachada por necessidade sistêmica (MW médio/mês). Módulo Penalidades das PdC AM.10 14/25

15 4.10. Consumo de energia Contém as informações dos consumos de energia verificada por agente distribuidor. Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Contéudo Procedimento de / CarDistribaaaamm.xls Dados de consumo de energia dos agentes distribuidores Para cada agente: Não aplicável às Regras de Data/Hora PdC ME.01 Nome ONS do agente Medição de energia ativa por hora (MWh) 15/25

16 4.11. Exportação Contém as informações sobre os montantes de energia gerados para exportação por usina térmica, montantes totais exportados por usinas hidráulicas e os montantes de energia exportados por interligação internacional. Nome do Arquivo Fechamento_despacho _intercambio.xls Despacho_usina _aaaamm_codigo usina.xls Descrição do Arquivo Dados de geração por usina térmica referente à exportação, montante total exportado por usinas hidráulicas e montantes exportados por interligação internacional Dados de geração bruta horária por usina e motivo dos correspondentes despachos, com discriminação das parcelas de inflexibilidade, restrição de transmissão, ordem de mérito, exportação e outras finalidades, considerando inclusive reprogramações em tempo real Conteúdo Data/Hora Medição de energia ativa por hora (MWh), por interligação internacional Rateio da exportação por interligação internacional (valores em %), por hora Geração exportada por usina (MWh), por hora Montante total de geração exportada por usinas hidráulicas (MWh), por hora Rateio da geração para exportação (MWh) por usina e por hora, para cada interligação internacional Código ONS da usina Nome da usina Data e hora Geração bruta programada e verificada por hora (MWh) Montante de energia associado a cada motivo de despacho, por hora, em MWh (Inflexibilidade, restrição elétrica, ordem de mérito, exportação e outras finalidades) Procedimento de / Procedimento para Apuração dos Dados Necessários a Contabilização e Faturamento da Energia Exportada para Argentina e o Uruguai Não aplicável Obs.: dados utilizados para análise comparativa. MS+6du MS+6du 16/25

17 Nome do Arquivo Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / CVU Exportação Custo Variável Unitário utilizado no despacho das usinas térmicas para Exportação. Nome da usina CVU Exportação (semanapatamar e outros intervalos necessários quando aplicável). Não aplicável Não aplicável MS+6du 17/25

18 4.12. Redistribuição de Despacho por Segurança Energética Contém as informações sobre os montantes de energia gerados para segurança energética por usina térmica, disponibilidade considerada no PMO e disponibilidade verificada, montantes de geração a ser redistribuído. Nome do Arquivo GEmêsCCEE.xls Descrição do Arquivo Dados de geração e disponibilidade por usina térmica referente à geração verificada por segurança energética Conteúdo Data/Hora Disponibilidade considerada no PMO por hora (MWh), por usina térmica Disponibilidade verificada por hora (MWh), por usina térmica Geração exportada por usina (MWh), por hora Montante total de geração por segurança energética por usina térmica (MWh), por hora Rateio da geração verificada por segurança energética (MWh) por usina e por hora, considerando o CVU de cada usina Procedimento de / Não aplicável às 18/25

19 4.13. Alteração de Dados já enviados Quando da necessidade de alteração de dados já enviados, o ONS encaminha correspondência formalizando as alterações, com as informações apresentadas na tabela a seguir e reenvia o conjunto de arquivos relativos ao mês de referência. Nome da tabela Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / Motivo de alterações Descrição dos motivos das alterações das informações anteriores Mês Nome ONS da usina / unidade geradora Descrição do motivo da alteração dos dados Não aplicável Não aplicável às Regras de PdC CZ.03 Quando necessário, até o limite de 3 meses 19/25

20 4.14. Comunicação sobre suspensão de fornecimento de unidades de consumidores livres que acessam instalações de agentes de transmissão O ONS deverá comunicar à CCEE a efetiva suspensão do fornecimento de todas as unidades consumidoras modeladas em nome do Consumidor Livre, conforme indicado na tabela a seguir: Nome da tabela Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / Desligamento Consumidor Livre Suspensão do fornecimento Informação sobre suspensão do fornecimento de unidade(s) consumidora(s) de consumidor livre desligado da CCEE Para cada unidade consumidora: Identificação / localização Nome do consumidor livre Nome da transmissora Data da suspensão do fornecimento Submódulo 6.5 PdC AG.03 Em até 2 (dois) dias úteis do recebimento, pelo ONS, da informação do agente de transmissão sobre a suspensão de fornecimento de cada unidade consumidora do consumidor livre 20/25

21 Anexo II ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pela CCEE ao ONS 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações que deverão ser fornecidos pela CCEE ao ONS. 2. Relação dos Dados 2.1. Dados resultantes da contabilização Dados / Informações Descrição Procedimento de / Encargos de Serviços do Sistema Montante mensal recebido por usina, para efeito de comparação com o despacho realizado Não aplicável Não aplicável Até o 3º dia útil após a certificação Geração e Consumo Geração e Consumo dos consumidores livres, parcialmente livres, cativos de geradores, auto produtores e produtores independentes conectados na rede básica e Alocação de Geração Própria. Submódulo 15 Não aplicável às PdC AM.11 Último dia útil do mês Exportação Declaração contendo o montante do Contrato Marginal que deverá ser despachado a título de Energia de Reposição Procedimento para Apuração dos Dados Necessários a Contabilização e Faturamento da Energia Exportada para Argentina e o Uruguai Procedimento para Apuração dos Dados Necessários a Contabilização e Faturamento da Energia Exportada para Argentina e o Uruguai 21/25

22 2.2. Outros Dados Dados / Informações Descrição Procedimento de / Informações sobre registro de usinas na CCEE Informação sobre existência de registro de usinas na CCEE Submódulo 24.2 Não aplicável sob demanda Compensador Síncrono Informação sobre o cadastro na CCEE de novas unidades geradoras aptas a operar como compensador síncrono Não aplicável sob demanda Custo Variável Unitário de usinas térmicas associadas aos CCEARs por disponibilidade Custo Variável Unitário (CVU) para cada usina e para cada leilão atualizado de acordo com a Regra de Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por disponibilidade Submódulo 7.2 Módulo de Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por disponibilidade das ; Portarias do MME relativas ao tema; e solicitações da ANEEL. Até o dia 15 do mês anterior ao PMO Custo Variável Unitário de usinas térmicas associadas a Leilões de Energia de Reserva e Leilões de Fontes Alternativas Custo Variável Unitário (CVU) para cada usina e para cada leilão de energia de reserva e de fontes alternativas Submódulo 7.2 Módulo de Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por disponibilidade das Até o dia 15 do mês anterior ao PMO 22/25

23 2.3. Comunicação sobre suspensão de fornecimento de unidades de consumidores livres que acessam as instalações de agentes de transmissão A CCEE deverá comunicar ao ONS a situação de inadimplência e a decisão de desligamento de consumidor livre da CCEE, por descumprimento de obrigações no âmbito da Câmara. Nome da tabela Descrição do Arquivo Conteúdo Procedimento de / Consumidor Livre Inadimplência e desligamento da CCEE Informação sobre inadimplência de consumidor livre e procedimento administrativo de desligamento por descumprimento de obrigações Nome do consumidor livre Decisão do Conselho de Administração sobre o desligamento Síntese do procedimento administrativo de desligamento por descumprimento de obrigações Submódulo 6.5 PdC AG.03 Em até 3 (três) dias úteis da decisão do Conselho de Administração para o desligamento de consumidor livre 23/25

24 Anexo III ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Meios de Comunicação Utilizados para o Intercâmbio de Dados e Informações entre a CCEE e ONS 1. Objetivo Este documento define a forma e os meios de comunicação, bem como a infra-estrutura técnica utilizada para transferência e controle de arquivos, dados e informações entre o ONS e a CCEE. 1.1 Software de Comunicação Requerimentos Suportar transferência de dados de até 10Mbytes por transmissão Suportar uma frequência de transferência diária, possivelmente acrescentada para horária Suportar sistemas de plataformas múltiplas (Solaris, Windows NT e Linux) Prover comunicação segura Descrição da Solução Software de Comunicação A transferência de dados poderá ocorrer através do software CONNECT:Direct da Sterling Commerce ou FTP (File Transfer Protocol), desde que associado à utilização de VPN (Virtual Private Network) Topologia da A interface entre CCEE e ONS conecta os sistemas da CCEE localizados em São Paulo aos sistemas do ONS localizados no Rio de Janeiro e Brasília. A conexão lógica entre as três localidades físicas será de responsabilidade e gerenciada pelo softwares de monitoração de cada entidade. A conexão lógica entre as três localidades através de VPN é feita conforme mostrado no seguinte diagrama. 24/25

25 A conexão entre São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília é feita através de uma conexão VPN (Virtual Private Network) sendo a velocidade compatível com a disponibilidade de banda de comunicação, desde que atendendo os prazos estabelecidos Comunicação A comunicação será feita através de VPN, e a conexão direta via Internet (sem uso de VPN) em caso de contingências. A VPN entre a CCEE SP e ONS BSB já está ativa e em operação. 25/25

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0 Consolidação de Resultados ÍNDICE CONSOLIDAÇÃO DE RESULTADOS 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas de Consolidação de Resultados 12 2.1. Determinação

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº X.XXX de XX de XXXX de 2006

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº X.XXX de XX de XXXX de 2006 Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº X.XXX de XX de XXXX de 2006 GLOSSÀRIO DE TERMOS DA CCEE ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 4 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 4 3. OBJETIVO

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1 Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV ÍNDICE REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA DE CCEAR POR DISPONIBILIDADE - RRV 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 7 1.2. Conceitos Básicos 8

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI.

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. 1 Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. PREMISSAS OPERACIONAIS...

Leia mais

3º Workshop Smart Grid Energia 2013

3º Workshop Smart Grid Energia 2013 3º Workshop Smart Grid Energia 2013 Sistema de Medição para Faturamento no Âmbito do Mercado de Energia Elétrica Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Campinas, 08 de novembro de 2013 Objetivo

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Procedimento de Comercialização REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/200X

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DOS AGENTES DA CCEE UMA AVALIAÇÃO DO APARATO REGULATÓRIO

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DOS AGENTES DA CCEE UMA AVALIAÇÃO DO APARATO REGULATÓRIO Puerto Iguazú Argentina XIII ERIAC DÉCIMO TERCER ENCUENTRO REGIONAL IBEROAMERICANO DE CIGRÉ 24 al 28 de mayo de 2009 Comité de Estudio C5 - Mercados de Electricidad y Regulación XIII/PI-C5-13 IMPACTOS

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3.

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado

4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado 4 Os Contratos de Comercialização de Energia em Ambiente Regulado A escolha de um determinado tipo de proeto ou tecnologia termelétrica está intimamente relacionada com os contratos de comercialização

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia Estrutura: Operador do Sistema (ONS): Responsável pela otimização centralizada da operação do sistema e pelo despacho, de acordo com regras aprovadas pelo ente

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva

Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.3 Cessões de energia de reserva Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira

3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira 3 Modelo Computacional NEWAVE 3.1 Planejamento da Operação Energética Brasileira O Brasil apresenta o sistema de geração de energia predominante hídrico, com as usinas dispostas em cascata. Este sistema

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.2 Notificação e gestão do Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 6.2 Notificação e gestão do ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

INFORME TÉCNICO Data: 04/07/2006

INFORME TÉCNICO Data: 04/07/2006 Este Informe Técnico se destina a registrar esclarecimentos para o cadastramento, com fins de obtenção de habilitação técnica para participação do Leilão de Novos Empreendimentos A-5/2006, e cálculo da

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS METODOLOGIA DE CÁLCULO DA GARANTIA FÍSICA DAS USINAS Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Ministério de Minas e Energia Ministro Edison Lobão Secretário Executivo Márcio Pereira Zimmermann Secretário

Leia mais

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0 Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos ÍNDICE Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos 4 1. Termos 4 2. Definições 15 3. Dimensões 16 4. Conjuntos 19 5. Acrônimos 34

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

ANEXO I. Check list UHE/PCH AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012.

ANEXO I. Check list UHE/PCH AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012. ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ANEEL, no uso de suas atribuições regimentais, tendo em vista deliberação da Diretoria e o que consta no Processo

Leia mais

MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO. Arquivo: Cpsa padrão- Geradoras epies - jul12.docx

MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO. Arquivo: Cpsa padrão- Geradoras epies - jul12.docx MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO Arquivo: Cpsa padrão- Geradoras epies - jul12.docx Motivo: Alterações das cláusulas referentes à Manutenção (conformidade com os PR) Nos casos

Leia mais

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Procedimento de Comercialização REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Versão: 1 Início de Vigência: REGISTRO,

Leia mais

pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29 Versão: 1 Início de Vigência: XX.XX.200X Instrumento de Aprovação:

pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29 Versão: 1 Início de Vigência: XX.XX.200X Instrumento de Aprovação: pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29. Procedimento de Comercialização MAPEAMENTO DE PONTOS DE MEDIÇÃO NO SCDE Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública 049/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo SRT Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública - 26/11/2008 - tarde Módulo 8 - Programação da operação eletroenergética

Leia mais

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014

Bandeiras Tarifárias DEZEMBRO 2014 DEZEMBRO 2014 Sumário Bandeiras Tarifárias... 2 O sistema hidrotérmico brasileiro... 2 A tarifa de energia no Brasil... 3 Por que bandeiras tarifárias?... 6 PERGUNTAS E RESPOSTAS... 7 1. Como funcionarão

Leia mais

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS PREZADO ACESSANTE, A legislação vigente assegura a todos os Agentes do setor elétrico e consumidores livres o acesso aos sistemas de transmissão de concessionário público de energia elétrica. O Operador

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL

CONSEQÜÊNCIAS QUE A FALTA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DA ARGENTINA PODE TRAZER AO BRASIL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 9 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO VI GRUPO DE ESTUDOS DE MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA GME CONSEQÜÊNCIAS QUE A

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS

Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Relatório dos Auditores Independentes sobre Asseguração Razoável do Programa Mensal de Operação - PMO e suas revisões Novembro, 2013 Centro Empresarial PB 370

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS.

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. VOTO PROCESSO: 48500.004324/2007-97 INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. RELATOR: Diretor RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 2.655, DE 2 DE JULHO DE 1998. Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO. Arquivo: Cpsa padrão- Consórcios - jul13.docx

MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO. Arquivo: Cpsa padrão- Consórcios - jul13.docx MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ANCILAR - GERAÇÃO Arquivo: Cpsa padrão- Consórcios - jul13.docx Motivo: Ajuste de texto da cláusula 16ª Nos casos destacados em azul utilizar a redação conforme

Leia mais

ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015

ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015 ACOMPANHAMENTO MENSAL DOS INTERCÂMBIOS INTERNACIONAIS FEVEREIRO/2015 Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Operação Setor Ind e Abast Sul, Área Serv Públicos, Lote A 71215-000 Brasília DF

Leia mais

Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo)

Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo) Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo) 1 Versão 1.0 Glossário de Termos / Interpretações

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços do MAE

PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços do MAE PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços Responsável pelo PM: Gerência de Contabilização CONTROLE DE ALTERAÇÕES Versão Data Descrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM PE.01 - Estabelecer

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

pdc_me_04 Página 1 de 24 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_04 Página 1 de 24 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_04 Página 1 de 24. Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE

Leia mais

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável)

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável) Setembro de 2012 Edição Especial 1 OPINIÃO IMPACTO TARIFÁRIO DA RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES Os benefícios para os consumidores provêm da redução de três componentes tarifários: 1. Custo de geração; 2. Custo

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015 Projeto SAAT/SAGER Reunião com os Proponentes 1 18/03/2015 Agenda Visão Geral dos Sistemas SAGER SAAT Requisitos Contexto Plataforma Tecnológica Plano do Projeto Estrutura de Gestão Atividades de apoio

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria Comercialização de Energia Elétrica Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria ENCONSEL Novembro de 2011 Visão Geral Setor Elétrico Brasileiro Reestruturação do SEB Evolução das alterações no SEB Modelo

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.3 Votos e contribuições

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.3 Votos e contribuições Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 1 Agentes Submódulo 1.3 Votos e contribuições 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES

Leia mais

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade EPE-21/02/2008 Bioeletricidade Sistema de Transmissão Mato Grosso do Sul Ciclo de Produção da Bioeletricidade Plantio da Cana-de-Açucar Colheita Palha Prensagem Xarope Biomassa Acúcar e Ácool Bioeletricidade

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos e condições para obtenção e manutenção da situação operacional e definição de

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

BC = 2% (dois por cento) do EBITDA de 2014 da LIGHT, limitado ao valor máximo de R$17.000.000,00 (dezessete milhões de reais).

BC = 2% (dois por cento) do EBITDA de 2014 da LIGHT, limitado ao valor máximo de R$17.000.000,00 (dezessete milhões de reais). Acordo Coletivo sobre Participação nos lucros ou Resultados PLR, relativo ao exercício de 2014, entre o Grupo LIGHT, compreendendo a LIGHT S/A e suas filiadas LIGHT Serviços de Eletricidade S/A, LIGHT

Leia mais

Exportação de Energia..republi

Exportação de Energia..republi Exportação de Energia.republi Exportação de Energia Argentina e Uruguai GCTL Coordenação de Contabilização Atualizado em Junho/2013 1 Exportação de Energia INTRODUÇÃO A República da Argentina, por meio

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

No atual modelo, os contratos bilaterais

No atual modelo, os contratos bilaterais A comercialização de energia elétrica no Brasil Dilcemar de Paiva Mendes* Aenergia elétrica pode ser comercializada por intermédio de contratos de compra e venda ou no mercado de balcão (também chamado

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: CUST Modelo 25mai10.doc

MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: CUST Modelo 25mai10.doc MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO Arquivo: Motivo: Adequação à Resolução 399/10 - Contratação do Uso do Sistema de Transmissão Modelo aplicado a: Distribuidores conectados à Rede Básica;

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.2 CONTRATOS DO AMBIENTE REGULADO

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.2 CONTRATOS DO AMBIENTE REGULADO CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.2 AMBIENTE REGULADO CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de

Leia mais

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Objetivo: obter subsídios para o aprimoramento do mecanismo de garantias financeiras associadas à liquidação financeira do Mercado de Curto Prazo

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 at CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) EMENTA

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 A ELETROSUL analisou a proposta da ANEEL para a regulamentação das instalações destinadas a interligações internacionais,

Leia mais

Arbitragem: contratos de energia elétrica

Arbitragem: contratos de energia elétrica Arbitragem: contratos de energia elétrica 23/10/2015 Seminário Arbitragem e Poder Público Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda 1. Comercialização de energia elétrica Câmara

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

Situação Energética no País

Situação Energética no País Situação Energética no País Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Março de 2014 A situação energética atual Robustez do abastecimento: A segurança de suprimento em 2014 dependerá da hidrologia

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA REGULAR DE FISCALIZAÇÃO NO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS

MANUAL DO PROGRAMA REGULAR DE FISCALIZAÇÃO NO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS MANUAL DO PROGRAMA REGULAR DE FISCALIZAÇÃO NO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS 1 APRESENTAÇÃO De acordo com os dispositivos legais criados com o objetivo de assegurar a regulação e fiscalização

Leia mais