PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS"

Transcrição

1 PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO

2 Regras de Comercialização Versão Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de Contribuição: a Nota Técnica nº 103/2014-SEM/ANEEL Módulos Impactados: Medição Contábil Garantia Física Contratos Comprometimento de Usinas Consolidação de Resultados Liquidação Penalidades de Energia Penalidade de Potência Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST Reajuste de Parâmetros da Receita de CCEAR Receita de Venda de CCEAR Contratação de Energia de Reserva Votos e Contribuição Associativa 2

3 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 1 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização e os mecanismos de cessão quadrienal(início de suprimento 1º ) Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Repasse às distribuidoras da exposição ao MCP de usinas aptas, comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas 3

4 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 2 Tratamento da potência associada dos CCEARs do 10º e 11º LEN, 2º LFA e 3º Leilão de Fontes Estruturantes Inclusão da obrigação de atendimento a 100% do mercado de potência das Distribuidoras e dos Consumidores TratamentodeUsinascommaisdeumCVUcomprometidascomCCEARs(CVUparacálculo doencargodistintodocvudoccearparafinsderrv) Inclusão do CVU Estrutural para Demais Fontes Reorganização de assuntos dos módulos de Ressarcimento e Reajuste da Receita de Venda de CCEARs Agrupamento de Regras dos Leilões de Energia de Reserva, fonte biomassa e PCH, em única seção 4

5 Regras de Comercialização Alterações por Assunto Para cada assunto, apresentaremos: Definição Uma breve contextualização do assunto com base na Regra vigente Situação Indesejada/Necessidade/Regra Atual Exposição dos principais motivos que levaram à modificação/aprimoramento Solução/Alteração Proposta Ilustração da Proposta encaminhada à Audiência Pública Impactos aos Agentes Apresentação dos benefícios alcançados com a proposta e alerta para os consequentes pontos de atenção 5

6 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 1 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização e os mecanismos de cessão quadrienal(início de suprimento 1º ) Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Repasse às distribuidoras da exposição ao MCP de usinas aptas, comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas 6

7 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Aprimoramento Nota Técnica nº 003/2014 SEM/ANEEL Módulos Impactados Garantia Física Comprometimento de Usinas (antigo Ressarcimento ) Penalidade de Energia Desconto Aplicado à TUSD/TUST Receita de Venda de CCEAR (antigo RRV ) Aplica-se: Usinas comprometidas com: CCEARs por disponibilidade de qualquer fonte CERs de qualquer fonte CCEARs por quantidade de fontes incentivadas CCEARs por quantidade de Leilões de Energia Nova 7

8 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Sequência de abordagem Definição de Limite Mínimo de Sazonalização de Garantia Física Para que foi criado? Proposta de Regras para excluir o Limite Mínimo de Sazonalização de Garantia Física Por que a Regra deve ser alterada? Definição do Percentual de comprometimento da usina Definição de Garantia Física Comprometida com ACR e Garantia Física disponível para ACL Utilidade de Garantia Física disponível para o ACL Regra de Penalidade de Energia de Reserva Regra de Penalidade de Energia Regra de Desconto associado à TUST/TUSD Influência dos fatores de degradação da Garantia Física nas Regras Informações complementares 8

9 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Definição Necessidade da quantidade de Garantia Física mensal (sazonalizada) ser, no mínimo, a quantidade mensal do contrato regulado (a partir de 2013) Exemplo: - Usina comprometida com CCEAR -Garantia Física = 10 MWméd (120 MWh) Supondo meses com apenas 1 hora - Percentual de Comprometimento = 50% -CCEAR flat de 5 MWméd GF (sazo) Quantidade Sazonalizada 9

10 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Motivo de criação do limite mínimo de sazonalização de Garantia Física Garantir que o comprometimento de Garantia Física anual seja igual à quantidade anual regulada vendida: -GF = 10 MWméd (120 MWh) - Perc. Compr. Bruto = 50% Quantidade Sazonalizada 100% 100% 100% 50% 50% 50% 33% 33% 33% 33% 33% 100% Priorização do ACR = Prec. Comp. Mensal GFlivre. (área azul) = 60 MWh GFcompr. (área vermelha) = 60 MWh CCEAR (5 MWh mensais) = 60 MWh Caso não houvesse o Limite Mínimo ( swap de lastro, caso de usina incentivada): Quantidade Sazonalizada 100% 100% 50% 50% 33% 33% 33% 33% 33% 33% 100% GFlivre. (área azul) = 65 MWh GFcompr. (área vermelha) = 55 MWh CCEAR (5 MWh mensais) = 60 MWh 10

11 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Retirada do limite mínimo de Sazonalização de Garantia Física A Garantia Física pode ser sazonalizada livremente Necessidade da alteração da Regra para: Facilitar a gestão do agente; Garantir que o comprometimento de Garantia Física anual seja proporcional à quantidade anual regulada vendida; Evitar o swapde lastro; Apurar a Garantia Física sem priorização de Ambientes de Contratação. 11

12 Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Percentual de Comprometimento das Usinas Vigente 100% 100% 100% GF (Apurada) 33% 33% 33% 33% 50% 50% 50% 33% 100% PROPOSTA: Percentual de Comprometimento é único (Lote Vendido / Garantia Física de Placa) e aplicado na quantidade mensal de Garantia Física Apurada Proposta 50% 50% 50% GF (Apurada) 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% -GF = 10 MWméd (120 MWh) -Lote Vendido = 5 MWméd (60 MWh) - Perc. Compr. = 5 / 10 = 50% GFlivre. (área azul) = 60 MWh GFcompr. (área vermelha) = 60 MWh - Perc. Compr. dinâmico Exceto usinas eólicas comprometidas com leilão de energia de reserva Perc. Compr. = 100% GF livre (área azul) = 60 MWh GF compr (área vermelha) = 60 MWh - Perc. Compr. fixo 12

13 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Percentual de Comprometimento das Usinas Percentual de Comprometimento é único (Lote Vendido / Garantia Física de Placa) e aplicado na quantidade mensal de Garantia Física Apurada Quantidade Sazonalizada Proposta GF (Apurada) -GF = 10 MWméd (120 MWh) -Lote Vendido = 5 MWméd (60 MWh) -Perc. Compr. = 5 / 10 = 50% GF livre (área azul) = 60 MWh GF compr (área vermelha) = 60 MWh Apura a Garantia Física sem priorização de Ambientes de Contratação Garanteque o comprometimentode Garantia Física anualseja proporcional à quantidade anual regulada vendida Igualaos Percentuais de Comprometimento de Garantia Físicae de Geração(CER e CCEAR D) Facilita a gestão 13

14 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Comprometimento de Usinas Quantidade Sazonalizada Proposta GF (Apurada) -GF = 10 MWméd (120 MWh) -Lote Vendido = 5 MWméd (60 MWh) -Perc. Compr. = 5 / 10 = 50% GF livre (área azul) = 60 MWh GF compr (área vermelha) = 60 MWh Utilidade da GarantiaFísica Disponível para o ACL Alocação deenergia e Lastro doacl p/ ACR, limitado à geração disponível no ACL Cessão de Energia e Lastro, limitado à geração disponível no ACL(apenas biomassa) Cobrir Atraso de Usinas de mesma titularidade comprometidas com CCEAR (REN nº 595 / 2013) Venda no ACL Comprometidas com Energia de Reserva (CER) Comprometidas com CCEAR Disponibilidade Comprometidas com CCEAR Quantidade SIM SIM Não se Aplica SIM Não se Aplica Não se Aplica SIM SIM SIM Depende da média móvel (explicação a seguir) 14

15 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Penalidade de Energia e Desconto Associado a TUSD para CER Para usinas comprometidas com CER, o lastro para venda é a Garantia Física Apurada Livre GF (Apurada) -GF = 10 MWméd (120 MWh) Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% -Lote Vendido = 5 MWméd (60 MWh) -Perc. Compr. = 5 / 10 = 50% - Incentivada Especial (50%) GF livre (área azul) = 60 MWh GF compr (área vermelha) = 60 MWh Não há contratos regulados para serem lastreados no âmbito da Penalidade de Energia A Garantia Física comprometida com Reserva é retirada do mercado Recurso de lastro = GF apurada 120 MWh 15

16 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Penalidade de Energia e Desconto Associado a TUSD para CER Para usinas comprometidas com CER, o lastro para venda é a Garantia Física Apurada Livre Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% GF livre (área azul) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 60 MWh Desconto de Repasse = 50% Não há contratos regulados para serem lastreados no âmbito da Penalidade de Energia A Garantia Física comprometida com Reserva é retirada do mercado Recurso de lastro = GF apurada 120 MWh 16

17 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Penalidade de Energia para usinas comprometidas c/ CCEAR Para usinas comprometidas com CCEAR, o lastro para venda é a Garantia Física Apurada Total Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada GF (Apurada) -GF = 10 MWméd (120 MWh) -Lote Vendido = 5 MWméd (60 MWh) -Perc. Compr. = 5 / 10 = 50% - Usina Incentivada Especial (50%) GF livre (área azul) = 60 MWh GF compr. (área vermelha) = 60 MWh Há contratos regulados para serem lastreados no âmbito da Penalidade de Energia O Recuso de Lastro é o total da usina, que deve lastrear os contratos no ACR e no ACL Recurso de lastro = GF apurada 120 MWh 17

18 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Penalidade de Energia para usinas comprometidas c/ CCEAR Para usinas comprometidas com CCEAR, o lastro para venda é a Garantia Física Apurada Total Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada A venda de CCEAR é Requisito de Energia do mesmo tipo da outorga da usina GF Total (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 60 MWh Há contratos regulados para serem lastreado no âmbito da Penalidade de Energia O Recuso de Lastro é o total da usina, que deve lastrear os contratos no ACR e no ACL Recurso de lastro = GF apurada 120 MWh 18

19 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Penalidade de Energia para usinas comprometidas c/ CCEAR Para usinas comprometidas com CCEAR, o lastro para venda é a Garantia Física Apurada Total Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada A venda de CCEAR é Requisito de Energia do mesmo tipo da outorga da usina GF Total (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 60 MWh Não há mais a necessidade da sazonalização mínima GF Total (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 65 MWh 19

20 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Penalidade de Energia para usinas comprometidas c/ CCEAR Para usinas comprometidas com CCEAR, o lastro para venda é a Garantia Física Apurada Total Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada Regra proposta evita Swap de lastro, dado que não há mais a necessidade da sazonalização mínima GF Total (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 65 MWh Compra ACL (área Laranja) = 5 MWh Não há mais a necessidade da sazonalização mínima GF Total (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 65 MWh 20

21 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Desconto na TUSD/TUST para usinas comprometidas c/ CCEAR Para usinas comprometidas com CCEAR, o lastro para fins de descontoé a Garantia Física Apurada Total, descontada do contrato regulado. Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% GF Total. (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 60 MWh Os CCEARs não participam da matriz de desconto, portanto são abatidos da Garantia Física Apurada GF livre c/ desconto (área azul) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 60 MWh 21

22 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Desconto na TUSD/TUST para usinas comprometidas c/ CCEAR Para usinas comprometidas com CCEAR, o lastro para desconto é a Garantia Física Apurada Total, descontada do contrato regulado. Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada GF Total (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 65 MWh Ao expurgar os CCEARs da matriz de desconto, caso não haja Garantia Física suficiente, é apurado um Débito de GF c/ desconto que será descontado no mês em que houver GF c/ desconto GF livre c/ desconto (área azul) = 65 MWh Débito de GF (área hachurada) = 5 MWh Venda ACL (área verde) = 65 MWh 22

23 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Desconto na TUSD/TUST para usinas comprometidas c/ CCEAR Para usinas comprometidas com CCEAR, o lastro para desconto é a Garantia Física Apurada Total, descontada do contrato regulado. Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada GF Total (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 65 MWh Ao expurgar os CCEARs da matriz de desconto, caso não haja Garantia Física suficiente, é apurado um Débito de GF c/ desconto que será descontado no mês em que houver GF c/ desconto GF livre c/ desconto (área azul) = 65 MWh Débito de GF (área hachurada) = 5 MWh Venda ACL (área verde) = 65 MWh 23

24 Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Desconto na TUSD/TUST para usinas comprometidas c/ CCEAR Para usinas comprometidas com CCEAR, o lastro para desconto é a Garantia Física Apurada Total, descontada do contrato regulado. 0% 50% 50% 50% 50% 50% 50% 50% GF Total (área azul) = 120 MWh Venda ACR (área roxa) = 60 MWh Venda ACL (área verde) = 65 MWh Ao expurgar os CCEARs da matriz de desconto, caso não haja Garantia Física suficiente, é apurado um Débito de GF c/ desconto que será descontado no mês em que houver GF c/ desconto GF livre c/ desconto (área azul) = 65 MWh Débito de GF (área hachurada) = 5 MWh Venda ACL c/ desconto = 60 MWh Venda ACL s/ desconto = 5 MWh 24

25 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Comprometimento de Usinas (Fator de degradação de GF) Percentual de Comprometimento é único (Lote Vendido / Garantia Física de Placa) e aplicado na quantidade mensal de Garantia Física Apurada Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada GF (Sazo) GF (Apurada) -GF = 10 MWméd (120 MWh) -Lote Vendido = 5 MWméd (60 MWh) -Perc. Compr. = 5 / 10 = 50% GFlivre. (área azul) = 60 MWh GFcompr. (área vermelha) = 60 MWh -Fator de Degradação da GF = 20% GF apurada = 120 x 80% = 96 MWh GF livre (área azul) = 48 MWh GF compr. (área vermelha) = 48 MWh Degradações de GF acarreta necessidade recomposição de lastro. Tal recomposição é de livre gestão do agente 25

26 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Comprometimento de Usinas (Recomposição de Lastro) Como evitar Penalidade de Energia e Penalidade de Energia de Reserva no caso de Degradação da Garantia Física? Necessidade de Recomposição para o ACR: Comprometidas com CER (Fonte Biomassa) Evitar Penalidade de Energia de Reserva Alocação do ACL p/ ACR 60 MWh 48 MWh = 12 MWh Comprometidas CCEAR Evitar Penalidade por Insuficiência de Lastro Não vender no Livre -GF = 10 MWméd (120 MWh) -Lote Vendido = 5 MWméd (60 MWh) -Perc. Compr. = 5 / 10 = 50% GFlivre. (área azul) = 60 MWh GFcompr. (área vermelha) = 60 MWh Compra de Cessão de Energia e Lastro Compra de qualquer tipo de energia -Fator de Degradação da GF = 20% Quantidade Sazonalizada GF (Apurada) GF apurada = 120 x 80% = 96 MWh GF livre (área azul) = 48 MWh GF compr. (área vermelha) = 48 MWh Degradações de GF acarreta necessidade recomposição de lastro para o ACR. Tal recomposição é de livre gestão do agente 26

27 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Comprometimento de Usinas (Recomposição de Lastro - CER) Como evitar Penalidade de Energia de Reservano caso de Degradação da Garantia Física de Quantidade Sazonalizada Quantidade Sazonalizada usinas à biomassa? Fator de Degradação da GF = 20% GF apurada = 120 x 80% = 96 MWh GF (Apurada) GF livre (área azul) = 48 MWh GF compr. (área vermelha) = 48 MWh Necessidade de Recomposição para o ACR no ano civil: 60 MWh 48 MWh = 12 MWh -Alocação de 6 MWh do ACL para o ACR em agosto -Compra de 6 MWhde Cessão de Energia e Lastro em novembro GF livre = 48 6 = 42 MWh Recurso p/ o CER = = 60 MWh 27

28 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Comprometimento de Usinas (Recomposição de Lastro - CCEAR) Como evitar Penalidade de Energia no caso de Degradação da Garantia Física? Quantidade Sazonalizada -Fator de Degradação da GF = 20% -GF total = 120 x 80% = 96 MWh -Venda de CCEAR Não-Especial (Necessidade de Recomposição) = 60 x 20% = 12 MWh -Venda de CCEAR Especial = 60 x 80% = 48 MWh Quantidade Sazonalizada -Compra de 1 MWh por mês de Energia (Não-Especial Convencional ) -GF total (Recurso Especial) lastreia em 48 MWh o Requisito CCEAR Especial -Compra(Não-Especial Convencional ) lastreia os 12 MWhda necessidade de recomposição para o ACR -GF total (Recurso Especial) lastreia em 48 MWha Venda Especial do Livre 28

29 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Geral Pontos Adicionais: O percentual de comprometimento, em qualquer hipótese, aplica-se tanto para Garantia Físicaquantopara Geração (CCEARDeCER) Unificação do conceito de atraso como não há mais priorização entre ACL e ACR, enquanto a usina participante de Leilão de Energia Nova não estiver 100% em Operação Comercial após o início de suprimento do contrato, o empreendimento está em atraso na quantidade da proporção em que a usina não está em Operação Comercial aplicada sobre o contrato Pode-se utilizar a própria GF disponível para o ACL da usina em atraso como Recurso de recomposição para cobrir o atraso (RENº 595/2013). O percentual de comprometimento não é corrigido por perdas, pois não há mais priorização de Ambiente de Contratação e nem inferências sobre o comprometimento do agente É decisão do agente alocar recursos do ACL para atendimento do contrato regulado em caso de fatores de degradação de GF. 29

30 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Impacto para os agentes Benefícios: Sazonalização pode ser feita livremente pelo agente; Não há priorização de Ambientes de Contratação; Livre gestão de recomposição de lastro. Pontos de Atenção: CCEARs são requisitos do mesmo tipo de energia de outorga da usina; Qualquer degradação de GF, o agente deve optar por algum tipo de recomposição. 30

31 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Regra Proposta Resumo da Aplicação das Alterações Propostas Usina Comprometida com: Percentual de Comprometimento (Lote Venda / GF) Recurso de Lastro de Energia Requisito de Lastro de Energia Recurso de Lastro de Desconto Recomposiçãode Lastro em caso de Degradação de GF CCEARQ de Leilão de Energia Existente ou não comprometida CCEAR Q de Leilãode Energia Nova, fonte convencional CCEAR Q ou D, fonte incentivada e/ou especial CER,fonte biomassa CER, fonte eólica e hidráulica Não se aplica Não há alteração Não se aplica Não há alteração Não é corrigido por eventuais degradações de GF Não é corrigido por eventuais degradações de GF Não é corrigido por eventuais degradações de GF Garantia Física Total Garantia Física disponível para o ACL Não há alteração Não se aplica Não há alteração CCEAR especial, ou em caso de degradação de GF, não especial Não se aplica Garantia Física Total, subtraída do contrato regulado, podendo gerar débitos de GF Garantia Física disponível para o ACL 100% Não se aplica Comprade Qualquer tipo de Energia ou não vender no ACL Alocação de GF do ACL p/ o ACR ou compra de cessão 31

32 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 1 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização e os mecanismos de cessão quadrienal(início de suprimento 1º ) Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Repasse às distribuidoras da exposição ao MCP de usinas aptas, comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas 32

33 Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Cumprimento Regulatório Resolução Normativa nº 606/2014 Módulos Impactados Consolidação de Resultados Liquidação Contratação de Energia de Reserva Aplica-se: Usuário de Energia de Reserva (perfil de consumo, responsável pelo pagamento de EER) 33

34 Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER REN nº 606/2014 e REN nº 613/2014 alteram a REN nº 337/2008 Pontos de destaque: Art 4º 2º: Eventuais montantes excedentes apurados na CONER serão restituídos aos Usuários de Energia de Reserva. Art 17 / inciso IV / 1º A restituição de que trata o inciso IV deverá se dar por meio de lançamento a crédito do Usuário da Energia de Reserva na liquidação do mercado de Curto Prazo - MCP em que se identificar a existência de montantes financeiros excedentes. 34

35 Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Apuração da Energia de Reserva (Mar/2015) Saldo CONER Apuração do MCP (Mar/2015) Resultado das Usinas de ER Pagamento + Retenção + Custos ADM + F. Gar. Estimativa de Pagamento na Liq. De Reserva (Abr/2015) Apuração da Energia de Reserva (Abr/2015) Excedente na Liquidação de ER Excedente no MCP Rateado na Liquidação do MCP na Proporção do Consumo Jan/2015 Saldo CONER Apuração do MCP (Abr/2015) Resultado das Usinas de ER Pagamento + Retenção + Custos ADM + F. Gar. Estimativa de Pagamento na Liq. De Reserva (Mai/2015) Rateado na Liquidação do MCP na Proporção do Consumo Fev/

36 Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Apuração da Energia de Reserva (Mar/2015) Saldo CONER Apuração do MCP (Mar/2015) Resultado das Usinas de ER Pagamento + Retenção + Custos ADM + F. Gar. Apuração da Energia de Reserva (Abr/2015) Saldo CONER Apuração do MCP (Abr/2015) Estimativa de Pagamento na Liq. De Reserva (Abr/2015) Pagamento + Retenção + Custos ADM + F. Gar. Excedente na Liquidação de ER Excedente no MCP Pagamento de EER Rateado na Liquidação do MCP na Proporção do Consumo Jan/2015 Liquidação da Contratação de Energia Reserva Resultado das Usinas de ER Estimativa de Pagamento na Liq. De Reserva (Mai/2015) 36

37 Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Impacto para os agentes Benefícios: Agilidade no rateio do excedente para os consumidores. Pontos de Atenção: Caso a estimativa de encargos de energia de reserva seja subestimada para o rateio dos excedentes já no MCP, haverá encargos no mês seguinte. 37

38 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 1 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização e os mecanismos de cessão quadrienal(início de suprimento 1º ) Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Repasse às distribuidoras da exposição ao MCP de usinas aptas, comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas 38

39 Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Aprimoramentos Módulos Impactados Votos e Contribuição Associativa Aplica-se: Todos os Agentes 39

40 Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Objetivo: Evitar que o critério de modelagem ou a forma de registro de contratos alterem a apuração da quantidade de energia comercializada considerada no cálculo de rateio de votos. 40

41 Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa REGRA ATUAL ENER. COMER. = SOMA {max (RECURSO perfil ; REQUISITO perfil)} Venda = 100 Venda = 100 PERFIL DE AGENTE a1 PERFILDE AGENTE a2 Compra = 100 Geração = 100 Consumo = 100 Geração = 200 G C G ENER. COMER. a1 = max(100;100) = 100 ENER. COMER. a2 = max(300;200) = 300 ENER. COMER. agente = =

42 Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa REGRA ATUAL ENER. COMER. = SOMA {max (RECURSO perfil ; REQUISITO perfil)} Venda = 100 Venda = 100 PERFIL DE AGENTE a1 PERFILDE AGENTE a2 Compra = 100 Geração = 100 Consumo = 100 Geração = 200 G C G ENER. COMER. a1 = max(100;200) = 200 ENER. COMER. a2 = max(300;100) = 300 ENER. COMER. agente = = 500 A mudança de modelagem aumentou a quantidade de energia comercializada do agente para rateio de votos de 400 para

43 Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa REGRA PROPOSTA ENER. COMER. = max (RECURSO agente; REQUISITO agente) Venda = 100 Venda = 100 PERFIL DE AGENTE a1 PERFILDE AGENTE a2 Compra = 100 Geração = 100 Consumo = 100 Geração = 200 G C G ENER. COMER. agente max(400;300) =

44 Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa REGRA PROPOSTA ENER. COMER. = max (RECURSO agente; REQUISITO agente) Venda = 100 Venda = 100 Compra = 100 PERFIL DE AGENTE a1 PERFILDE AGENTE a2 Geração = 100 Consumo = 100 Geração = 200 G C G ENER. COMER. agente max(400;300) = 400 A mudança de modelagem não altera a quantidade de votos calculada 44

45 Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Impacto para os agentes Benefícios: A forma da modelagem e da gestão de registro de contratos não influenciam na apuração de votos e contribuição associativa. Pontos de Atenção: A quantidade apurada de energia comercializada, conforme novo critério, irá diminuir ou permanecer estável para cada agente. 45

46 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 1 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização e os mecanismos de cessão quadrienal(início de suprimento 1º ) Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Repasse às distribuidoras da exposição ao MCP de usinas aptas, comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas 46

47 Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização (Suprimento 1º ) e a cessão quadrienal Cumprimento Regulatório Portaria do MME nº 123/2013, Audiência Pública nº 060/2013 Módulos Impactados Contratação de Energia de Reserva Aplica-se: Usinas eólicas vendedoras no 5º LER Usuário de Energia de Reserva (perfil de consumo responsável pelo pagamento de EER) 47

48 Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização Regra Proposta Implementações das Regras referentes ao 5º Leilões de Energia de Reserva: Tema LERs anteriores 5º LER Energia Reconciliada Quadrienal* Ressarcimento Quadrienal Possui 1,00x Receita de Venda Unitária Não possui 1,06x Receita de Venda Unitária *Energia Reconciliada Quadrienal: ajuste do montante contratado para o próximo quadriênio com base na energia média gerada 48

49 Inclusão da Cessão Quadrienal Regra Proposta Inclusão das tratativas da cessão quadrienal do 5º LER e demais leilões de energia de Reserva, fonte eólica: Ao final do Quadriênio(após a contabilização do último mês do quadriênio); Entre usinas no mesmo leilão; SomenteserápossívelcederatéolimitedosaldopositivonaContadeEnergia(30% da quantidade contratada anual); Somente poderá adquirir cessão até o limite do saldo negativo na Conta de Energia (10% da quantidade contratada anual); Agente deve informar primeiramente o FR (Fator de Repasse de saldo para o quadriênio seguinte) e somente o restante poderá ser passível de cessão. 49

50 Inclusão da Cessão Quadrienal Regra Proposta: Exemplo Ressarcimento Quadrienal = 1 ou 1,06 x 10x R.U. Quantidade passível de ser coberta por cessão = Recebe = 0,7 x 10x Receita Unitária (R.U.) Ressarcimento Anual = 1,15 x 20x Receita Unitária Quantidade passível de cessão = Limite Superior Contrato Limite Inferior Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 50

51 Inclusão da Cessão Quadrienal Regra Proposta: Exemplo Saldo Positivo na Conta de Energia 1) Alocar para o próximo ano (1º ano do próximo quadriênio) ) Realizar cessões 10 3) Receber ao preço de 100% da Receita Unitária 5 Como Proceder? 1º) Informar o valor de alocação para o próximo ano = 25% Saldo Alocado para o próximo ano = 20x 0,25= 5 Saldo Remanescente Disponível para Cessão = 20x (1 0,25) = 15 2º) Registrar a cessão = 10 Apuração Quadrienal: Receita Recebida = (15 10) x 1 x Receita unitária 5 51

52 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 1 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização e os mecanismos de cessão quadrienal(início de suprimento 1º ) Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Repasse às distribuidoras da exposição ao MCP de usinas aptas, comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas 52

53 Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Cumprimento Regulatório Lei 9.427/1996 e REN nº 77/2004 Módulos Impactados Desconto Aplicado à TUSD/TUST Aplica-se: Pequenas Centrais Hidrelétricas que possuem Garantia Física com direito ao desconto aplicado a TUSD/TUST 53

54 Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Lei nº 9.427/1996 (atualizada pela lei /2007) Define que Pequenas Centrais Hidrelétricas possuem desconto aplicado à TUSD/TUST de 50%, desde que a potência injetada nos sistemas de transmissão ou distribuição seja menor ou igual a (kw). Regra Proposta Enquadramento das PCHs na verificação da ultrapassagem de potência: Ultrapassagem de potência injetada de 30 MW, em determinado mês, em mais de 3 períodos de comercialização(horas) Perde o desconto aplicado à TUSD/TUST; Reincidência da ultrapassagem num intervalo de 12 meses: desmodelagem da usina para Convencional Especial ou Convencional. 54

55 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 1 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização e os mecanismos de cessão quadrienal(início de suprimento 1º ) Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Repasse às distribuidoras da exposição ao MCP de usinas aptas, comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas 55

56 Repasse às distribuidoras da exposição no MCP de usinas aptas comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Cumprimento Regulatório Módulos Impactados Consolidação de Resultados Aplica-se: Usinas comprometidas com CCEAR na modalidade por Quantidade atestadas pela Aneel como aptas a entrar em operação comercial e Agentes de Distribuição compradores de CCEAR na modalidade por Quantidade 56

57 Repasse às distribuidoras da exposição no MCP de usinas aptas comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Definições: Usinas aptas : Usinas aptas a entrar em Operação Comercial, no entanto não conseguem, pois não há linha de transmissão para o escoamento da energia; A usinas está apta em determinada proporção(50%, 60% %). Implicações na Regra Vigente: Usinas aptas comprometidas com CCEAR por quantidade: Solução: Entregam para a distribuidora determinada quantidade de energia definida em contrato e, como não conseguem gerar, assumem a exposição ao MCP. Transferência da exposição das usinas, em função do CCEAR por quantidade, para as distribuidoras, na proporção apta a entrar em Operação Comercial, desde que o contratual possua tal cláusula. 57

58 Repasse às distribuidoras da exposição no MCP de usinas aptas comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade USINA CCEAR Quantidade = 100 DISTRIBUIDORA G C Geração = 0 Caso 100% apta Consumo = 100 Exposição da da Usina = = Exposição da da Distribuidora = = CCEAR +100 CCEAR EXPO CARGA

59 Repasse às distribuidoras da exposição no MCP de usinas aptas comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade USINA CCEAR Quantidade = 100 DISTRIBUIDORA G C Geração = 0 Caso 80% apta Consumo = 100 Exposição da Usina = Exposição da da Distribuidora = = CCEAR +100 EXPO. EXPO. CCEAR EXPO CARGA

60 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 1 Exclusão do limite mínimo de sazonalização da Garantia Física Destinação de Excedentes de Recursos Financeiros da CONER Consolidação dos recursos e requisitos de energia para a determinação da quantidade votos e de contribuição associativa Inclusão do 5º Leilão de Energia de Reserva nas Regras de Comercialização e os mecanismos de cessão quadrienal(início de suprimento 1º ) Inclusão das usinas hidráulicas no tratamento da perda de desconto decorrente da ultrapassagem da potência injetada Repasse às distribuidoras da exposição ao MCP de usinas aptas, comprometidas com CCEARs na modalidade Quantidade Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas 60

61 Alteração da base de valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas e climatológicas Cumprimento Regulatório Despacho nº 2178/2014 Módulos Impactados Contratação de Energia de Reserva Receita de Venda de CCEAR (antigo RRV ) Aplica-se: Usinas eólicas comprometidas com CCEAR ou CER Agentes de Distribuição compradores de CCEAR na modalidade por Disponibilidade Usuário de Energia de Reserva (perfil de consumo responsável pelo pagamento de EER) 61

62 Alteração da base para valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas Definição Regra Vigente Tanto os CCEARs, como os CERs de fonte eólica possuem a obrigação contratual de realizar medições anemométricas e climatológicas. Para o 2º e 3º LER: multa somente para a não instalação dos medidores no prazo de 180 dias da assinatura do contrato. A partir do 4º LER e do 12º LEN: multa para a não instalação dos medidores no prazo de 180 dias da assinatura do contrato e para o não envio dos dadosparaaepe. Para o 2º LFA: havia a obrigação estabelecida em contrato, porém não explicitava nenhuma multa pelo seu descumprimento Valoração da multa: 1% da Receita Fixa Anual por mês de descumprimento, conforme definição contratual. Aplicação da multa: Abatimento da Receita Fixa; Cobra o acumulado até a entrada em operação comercial. 62

63 Alteração da base para valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas Regra Proposta Audiência Pública nº 132/2013: 1% da Receita Fixa Anual por mês de descumprimento é desproporcional; Despacho nº 2.178/2014: A aplicação da multa com base na Receita Fixa Mensal (1%) e não mais a Receita Fixa Anual; O descumprimento dessa obrigação se dá pela não instalação, no prazo de 180 dias da assinatura do contrato, pelo não envio ou envio fora dos padrões definidos, conforme informado pela EPE. Aplicável a todas as usinas de fonte eólica comprometidas com CER e CCEAR Aplicação da multa: Abatimento da Receita Fixa; Cobra o acumulado até a entrada em operação comercial. 63

64 Alteração da base para valoração da multa por descumprimento de obrigações relativas a dados de medições anemométricas Impacto para os agentes Benefícios: Diminuição do valor da multa. Pontos de Atenção: Unificação da obrigação para todas as usinas eólicas comprometidas com CER e CCEAR, independentemente do leilão. 64

65 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 2 Tratamento da potência associada dos CCEARs do 10º e 11º LEN, 2º LFA e 3º Leilão de Fontes Estruturantes Inclusão da obrigação de atendimento a 100% do mercado de potência das Distribuidoras e dos Consumidores TratamentodeUsinascommaisdeumCVUcomprometidascomCCEARs(CVUparacálculo doencargodistintodocvudoccearparafinsderrv) Inclusão do CVU Estrutural para Demais Fontes Reorganização de assuntos dos módulos de Ressarcimento e Reajuste da Receita de Venda de CCEARs Agrupamento de Regras dos Leilões de Energia de Reserva, fonte biomassa e PCH, em única seção 65

66 Tratamento da potência associada dos CCEARs do 10º e 11º LEN, 2º LFA e 3º Leilão de Fontes Estruturantes Cumprimento Regulatório Nota Técnica nº 003/2014 SEM/ANEEL Módulos Impactados Medição Contábil Contratos Penalidade de Potência Comprometimento de Usinas (antigo Ressarcimento ) Aplica-se: Usinas comprometidas com: 10º e 11º Leilão de Energia Nova 2º Leilões de Fontes Alternativas 3º Leilão de Fontes Estruturantes 66

67 Tratamento da Potência Associada dos CCEARs Conceitos Básicos: Potência Associada ao CCEAR Para que serve? -É o teto de modulação dos contratos; - É recurso/requisito de potência dos contratos de disponibilidade. Potência Associada ao CCEAR Como se determina? Modulação do CCEAR Para os contratos vigentes, é um parâmetro fixo definido no contrato. Potência Associada Modulação do CCEAR 100 Potência Associada

68 Tratamento da Potência Associada dos CCEARs Implicação na Regra Vigente: Potência Associada ao CCEAR do 2º LFA (todas as fontes), 10º e 11º LEN (quantidade), 3º Leilão Estruturante: Potência Associada ao CCEAR = Potência de Referência(calculada conforme Regras); APotênciadeReferênciaécalculadaapenasparaopatamarpesadodecadadia; APotênciadeReferênciapodesermenorqueaenergiamédiacontratadanomês. Modulação do CCEAR Como modular??? Potência Associada 68

69 Tratamento da Potência Associada dos CCEARs Solução Proposta: Potência Associada ao CCEAR = Potência de Referência calculada para todas as horas Potência Associada ao CCEAR < Quantidade Mensal do CCEAR: Modulação FLAT Quantidade Mensal = 325 MWh Modulação do CCEAR Folga de Potência = 160 MWh Regra válida para todos os casos Modulação do CCEAR em que a Potência Associada ao Contrato é menor que a Energia Média Vendida na hora Como modular??? FLAT Potência Associada 81,25 81,25 81,25 81,25 69

70 Tratamento da Potência Associada dos CCEARs Impacto para os agentes Benefícios: Para as usinas comprometidas com CCEAR por disponibilidade que a Potência Referência = Potência Associada ao CCEAR, não possuirão penalidade de potência em função do CCEAR; Para qualquer leilão que a Potência Associada ao CCEAR for menor que a Energia Média Vendida na hora, há uma Regra de contingência: Modulação flat. Pontos de Atenção: Para CCEARs por quantidade o requisito de potência é a energia na hora, havendo a possibilidade de penalização no caso da potência de referência da usina for menor que tal requisito. 70

71 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 2 Tratamento da potência associada dos CCEARs do 10º e 11º LEN, 2º LFA e 3º Leilão de Fontes Estruturantes Inclusão da obrigação de atendimento a 100% do mercado de potência das Distribuidoras e dos Consumidores TratamentodeUsinascommaisdeumCVUcomprometidascomCCEARs(CVUparacálculo doencargodistintodocvudoccearparafinsderrv) Inclusão do CVU Estrutural para Demais Fontes Reorganização de assuntos dos módulos de Ressarcimento e Reajuste da Receita de Venda de CCEARs Agrupamento de Regras dos Leilões de Energia de Reserva, fonte biomassa e PCH, em única seção 71

72 Inclusão da obrigação de atendimento a 100% do mercado de potência das Distribuidoras e dos Consumidores Cumprimento Regulatório Decreto nº 5163/2004 Módulos Impactados Penalidade de Potência Aplica-se: Consumidores e Distribuidores 72

73 Inclusão da obrigação de atendimento a 100% do mercado de potência das Distribuidoras e dos Consumidores Decreto nº 5163/2004 (atualizado pelo Decreto nº7317/2010) Até 2014, isenta a obrigatoriedade de atendimento de 100% de lastro de potência para os consumidores e distribuidores. Ofício nº 118/ DR/ANEEL ao MME (i) necessidade de haver possibilidade de aquisição de lastro de potência pelas distribuidoras; (ii) participação das distribuidoras no mercado de potência na ponta vendedora ; (iii) definição do tratamento tarifário aplicável à aquisição de potência; (iv) criação de mecanismo de compensação de sobras e déficits de potência entre distribuidora; (v) necessidade de analisar aspectos jurídicos/tributários sobre a possibilidade dos agentes de consumo atuarem na ponta vendedora (negociação de sobras de lastro de potência). 73

74 Inclusão da obrigação de atendimento a 100% do mercado de potência das Distribuidoras e dos Consumidores Proposta da Nota Técnica de Abertura Em caso de não alteração do decreto, estabelece carência de nove meses (até a contabilização de setembro de 2015) para o início da aplicação da penalidade aos consumidores e distribuidores. Proposta de Regra Em caso dos consumidores não apresentarem lastro de potência suficiente (contratos que não cubram a carga no patamar pesado), estes poderão participar da negociação de potência somente como parte compradora, a partir de outubro de Ponto de Atenção: necessidade de discussões sobre o tema 74

75 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 2 Tratamento da potência associada dos CCEARs do 10º e 11º LEN, 2º LFA e 3º Leilão de Fontes Estruturantes Inclusão da obrigação de atendimento a 100% do mercado de potência das Distribuidoras e dos Consumidores TratamentodeUsinascommaisdeumCVUcomprometidascomCCEARs(CVUparacálculo doencargodistintodocvudoccearparafinsderrv) Inclusão do CVU Estrutural para Demais Fontes Reorganização de assuntos dos módulos de Ressarcimento e Reajuste da Receita de Venda de CCEARs Agrupamento de Regras dos Leilões de Energia de Reserva, fonte biomassa e PCH, em única seção 75

76 Tratamento de Usinas com mais de um CVU comprometidas com CCEARs Cumprimento Regulatório Ofício nº 300/2013 SRG/ANEEL Módulos Impactados Consolidação de Resultados Aplica-se: Usina com mais de um CVU comprometidas com CCEARs Agentes de Distribuição compradores de CCEAR na modalidade por Disponibilidade 76

77 Tratamento de Usinas com mais de um CVU comprometidas com CCEARs Usinas Termelétricas Despacho nº 494/2012 ANEEL AutorizaroONS a utilizar,paraaprogramaçãodo despacho por razão elétrica, o Custo Variável Unitário CVU das usinas termelétricas quando da operação nas configurações de ciclo aberto ou ciclo combinado em carga reduzida, devendo ser comunicado à CCEE o CVU realizado para a realização do pagamento do custo via encargos. Informações Estruturais: Despacho diferente do CVU de ciclo combinado é apenas para restrição elétrica em função da usina não poder gerar a plena carga, pois necessita atender uma carga local. O custo da usina é pago via sua própria energia liquidada ao MCP e, a diferença faltante, via encargo pago pelos consumidores. CVUccear=CVU de ciclo combinado CVU ciclo combinado < CVUciclo combinado com carga reduzida < CVU ciclo aberto 77

78 Tratamento de Usinas com mais de um CVU comprometidas com CCEARs Implicação na Regra Vigente: Usinas comprometidas com CCEAR por disponibilidade, que não possuem Obrigação de Entrega, geram à CVU de ciclo combinado com carga reduzida ou CVU ciclo aberto e recebem CVU de ciclo combinado(cvuccear). Problema conjuntural do fluxo financeiro, em caso da usina possuir dois CVUs, nas Regras de Comercialização dos CCEAR por disponibilidade sem Obrigação de Entrega: qualquer resultado da usina no MCP é transferido para distribuidora (inclusive os encargos recebíveis) que, por sua vez, paga CVU referente a geração. Solução: Transferir o Resultado do MCP da usina comprometida com CCEAR por disponibilidade para distribuidora já capturando os custo adicionais entre o CVU de Operação (ciclo abertooucombinadocomcargareduzida) e o CVU do CCEAR. 78

79 Tratamento de Usinas com mais de um CVU comprometidas com CCEARs Impacto para os agentes Benefícios: Garante a neutralidade da distribuidora; Custos das usinas são integralmente cobertos pelos encargos. 79

80 Tratamento de Usinas com mais de um CVU comprometidas com CCEARs Regra Vigente Exemplo: Usina Comprometida 100% com CCEAR D sem obrigação de entrega, em constrained on: Geração = 100 (MWh), PLD = 150 (R$/MWh), CVUoperação = 280 (R$/MWh), CVUccear = 200 (R$/MWh) 1)Custo de Geração da Usina = Geraçãox CVUoperação= 100x 280= R$ ) Resultado da Geração no MCP= Geraçãox PLD= 100x 150= R$ ) Encargo Pago pelo Consumidor= Geraçãox (CVUoperação PLD) = 100x ( ) = R$ ) Receita Variável Paga pela Distribuidora = Geraçãox CVUccear= 100x 200= R$ Resultado Financeiro da Usina 1)Custo de Geração da Usina = - R$ ) Resultado da Geração no MCP= + R$ ) Encargo Pago pelo Consumidor= + R$ Repasse da Geração no MCP= - R$ Repasse do Encargo Recebido= - R$ ) Receita Var. Paga p/ Distribuidora = + R$ Resultado Financeiro da Distribuidora Repasse da Geração no MCP= + R$ Repasse do Encargo Recebido= + R$ ) Receita Var. Paga p/ Distribuidora = - R$ TOTAL = + R$ TOTAL = - R$

81 Tratamento de Usinas com mais de um CVU comprometidas com CCEARs Regra Proposta Exemplo: Usina Comprometida 100% com CCEAR D sem obrigação de entrega, em constrained on: Geração = 100 (MWh), PLD = 150 (R$/MWh), CVUoperação = 280 (R$/MWh), CVUccear = 200 (R$/MWh) 1)Custo de Geração da Usina = Geraçãox CVUoperação= 100x 280= R$ ) Resultado da Geração no MCP= Geraçãox PLD= 100x 150= R$ ) Encargo Pago pelo Consumidor= Geraçãox (CVUoperação PLD) = 100x ( ) = R$ ) Receita Variável Paga pela Distribuidora = Geraçãox CVUccear= 100x 200= R$ Resultado Financeiro da Usina 1)Custo de Geração da Usina = - R$ ) Resultado da Geração no MCP= + R$ ) Encargo Pago pelo Consumidor= + R$ Repasse da Geração no MCP= - R$ Repasse do Encargo Recebido= -- R$ ) Receita Var. Paga p/ Distribuidora = + R$ Resultado Financeiro da Distribuidora Repasse da Geração no MCP= + R$ Repasse do Encargo Recebido= + R$ ) Receita Var. Paga p/ Distribuidora = - R$ TOTAL = + R$ R$ TOTAL = - R$ R$

82 Regras de Comercialização Alterações por Assunto BLOCO 2 Tratamento da potência associada dos CCEARs do 10º e 11º LEN, 2º LFA e 3º Leilão de Fontes Estruturantes Inclusão da obrigação de atendimento a 100% do mercado de potência das Distribuidoras e dos Consumidores TratamentodeUsinascommaisdeumCVUcomprometidascomCCEARs(CVUparacálculo doencargodistintodocvudoccearparafinsderrv) Inclusão do CVU Estrutural para Demais Fontes Reorganização de assuntos dos módulos de Ressarcimento e Reajuste da Receita de Venda de CCEARs Agrupamento de Regras dos Leilões de Energia de Reserva, fonte biomassa e PCH, em única seção 82

83 Inclusão do CVU Estrutural para Demais Fontes Cumprimento Regulatório Portaria nº 46/2007, Nota Técnica nº 070/2011 SEM/ANEEL Módulos Impactados Reajuste dos Parâmetros da Receita de CCEARs (antigo RRV ) Aplica-se: Usinas térmicas com CVU caracterizado como demais fontes comprometidas com CCEAR na modalidade por Disponibilidade(Fonte Cavaco de Madeira 16º e 18º LEN) Agentes de Distribuição compradores de CCEAR na modalidade por Disponibilidade 83

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0 Consolidação de Resultados ÍNDICE CONSOLIDAÇÃO DE RESULTADOS 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas de Consolidação de Resultados 12 2.1. Determinação

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 at CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) EMENTA

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1 Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV ÍNDICE REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA DE CCEAR POR DISPONIBILIDADE - RRV 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 7 1.2. Conceitos Básicos 8

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva

Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.3 Cessões de energia de reserva Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0 Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos ÍNDICE Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos 4 1. Termos 4 2. Definições 15 3. Dimensões 16 4. Conjuntos 19 5. Acrônimos 34

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE

Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE 06 de agosto de 2008 1. Simulações das regras propostas pela Aneel e CCEE Empresa Garantia Metodologia Atual (fev 08) R$ mil Garantia Metodologia

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera a metodologia de cálculo das garantias financeiras associadas ao mercado de curto prazo, estabelece

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Objetivo: obter subsídios para o aprimoramento do mecanismo de garantias financeiras associadas à liquidação financeira do Mercado de Curto Prazo

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL OBJETO: obter subsídios ao aperfeiçoamento do Edital Nº 05/2014-ANEEL do 13º

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST Regras de Comercialização Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST 1 versão Versão 1.0 - Minuta 1.0 Índice Cálculo de Descontos TUSD/TUST 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6

Leia mais

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X Procedimento de Comercialização LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RELATIVA À CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DE RESERVA Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX,

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.2 Notificação e gestão do Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 6.2 Notificação e gestão do ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Riomar Merino Jorge 21/11/2011 Agenda Comercialização de Energia no Brasil Adesão à CCEE Sistema de

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo)

Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo) Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos Regras de Comercialização Glossário de Termos / Interpretações e Relação de Acrônimos (Anexo) 1 Versão 1.0 Glossário de Termos / Interpretações

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3.

Leia mais

Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL. Em 21 de novembro de 2014.

Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL. Em 21 de novembro de 2014. Nota Técnica nº 150/2013 SEM/ANEEL Em 21 de novembro de 2014. Processo: 48500.006423/2013-51 Assunto: Alterações nas Regras de Comercialização de Energia Elétrica aplicáveis ao Novo Sistema de Contabilização

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0 Mecanismo de Realocação de Energia ÍNDICE MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas do Mecanismo de Realocação de Energia

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase

Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase Contribuições da Energia Sustentável do Brasil ESBR para a Audiência Pública 32/2015 4ª Fase Energia Sustentável do Brasil S.A, ESBR, concessionária de uso de bem público para exploração da Usina Hidrelétrica

Leia mais

Portaria MME nº 97 e 116/2006. Sistemática Leilão A-3 2006

Portaria MME nº 97 e 116/2006. Sistemática Leilão A-3 2006 Portaria MME nº 97 e 116/2006 Sistemática Leilão A-3 2006 Características do Leilão O Leilão será composto de duas etapas: Etapa Inicial: na qual os Proponentes Vendedores poderão submeter um único lance

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 563, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Agenda Objetivos gerais

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Objetivo da Audiência

Objetivo da Audiência Audiência Pública n o. 033/2005 Contribuição da CPFL Energia Objetivo da Audiência Obter subsídios e informações adicionais para o aprimoramento de ato regulamentar a ser expedido pela ANEEL, que estabelece

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos

Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos Geração de Energia Elétrica por Biomassa Aspectos Comerciais e Regras de Contabilização nos Contratos 1 Direitos Reservados : SealEnergy Seal Energy 2010 - Seal Energy inicia suas atividades no setor elétrico

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: MINUTA DO

Leia mais

Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95

Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95 Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95 Audiência Publica 035/05 Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009

CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRADEE CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia

Leia mais

Texto de Discussão do Setor Elétrico n.º 25 Contratação de Energia Elétrica: Aspectos Regulatórios e Econômicos

Texto de Discussão do Setor Elétrico n.º 25 Contratação de Energia Elétrica: Aspectos Regulatórios e Econômicos Texto de Discussão do Setor Elétrico n.º 25 Contratação de Energia Elétrica: Aspectos Regulatórios e Econômicos Christiano Vieira da Silva CONTRATAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: ASPECTOS REGULATÓRIOS E ECONÔMICOS

Leia mais

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico Marco Aurélio Lenzi Castro 1 Fernando Monteiro de Figueiredo 2 Ivan Marques de Toledo Camargo 3 Palavras chave: Análise de Risco, Novo Modelo e Simulação de Monte Carlo. Resumo Com a publicação das Leis

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.3 Votos e contribuições

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.3 Votos e contribuições Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 1 Agentes Submódulo 1.3 Votos e contribuições 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Escalada Tarifária do Setor Elétrico

Escalada Tarifária do Setor Elétrico Escalada Tarifária do Setor Elétrico Priscila Lino priscila@psr-inc.com FIESP São Paulo, 19 de agosto de 2015 1 Retrospectiva 2012 Set/12: Edição da MP n o 579 que trata da renovação das concessões: Anúncio

Leia mais

VOTO EM SEPARADO. RELATOR DO VOTO EM SEPARADO: Diretor-Geral Romeu Donizete Rufino

VOTO EM SEPARADO. RELATOR DO VOTO EM SEPARADO: Diretor-Geral Romeu Donizete Rufino VOTO EM SEPARADO PROCESSOS: 48500.006210/2014-19 INTERESSADO: Agentes do setor elétrico brasileiro. RELATOR: Diretor Tiago de Barros Correa RELATOR DO VOTO EM SEPARADO: Diretor-Geral Romeu Donizete Rufino

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIÊNCIA PÚBLICA 032/2015. Discusssão conceitual do Generation Scaling Factor (GSF) ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S/A

CONTRIBUIÇÕES AUDIÊNCIA PÚBLICA 032/2015. Discusssão conceitual do Generation Scaling Factor (GSF) ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S/A CONRIBUIÇÕES AUDIÊNCIA PÚBLICA 032/2015 Discusssão conceitual do Generation Scaling Factor (GSF) ELEKRO ELERICIDADE E SERVIÇOS S/A 1. Introdução Inicialmente, cumpre ressaltar a qualidade do material disponibilizado

Leia mais

Caderno Algébrico Liquidação

Caderno Algébrico Liquidação Caderno Algébrico Liquidação Versão 1.0 ÍNDICE Liquidação 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas de Liquidação 4 2.1. Apuração dos Valores a Liquidar 4 2.2. Determinação do Rateio da Inadimplência 6 Liquidação

Leia mais

Arbitragem: contratos de energia elétrica

Arbitragem: contratos de energia elétrica Arbitragem: contratos de energia elétrica 23/10/2015 Seminário Arbitragem e Poder Público Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda 1. Comercialização de energia elétrica Câmara

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais