Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3"

Transcrição

1 Simpósio sobre Estratégias de Gestão de Comercialização de Energia e Eficiência Energética SIBGECE3 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - 28 a 30nov12 Comercialização de Energia Elétrica Mercado de Energia Regulação da Comercialização Frederico Rodrigues Agência Nacional de Energia Elétrica Superintendência de Estudos do Mercado SEM/ANEEL

2 Sumário EB - Modelo Institucional I- Sistema Interligado Nacional SIN II - Marco Legal e Regulatório e evolução das alterações no SEB III Comercialização IV Regras e Procedimentos de Comercialização ;

3 I Sistema Interligado Nacional SIN e Submercados 3% DO MERCADO SISTEMAS ISOLADOS Sudeste Centro-Oeste Norte SISTEMA INTERLIGADO 97% DO MERCADO Nordeste Sul

4 I Marco Legal e Regulatório SEB - Modelo Institucional CNPE - Conselho Nacional de Política Energética Homologação da política energética, em articulação com as demais políticas públicas. MME Ministério de Minas e Energia Formulação e implementação de políticas para o setor energético, de acordo com as diretrizes do CNPE. CMSE Comitê de Monitoramento do SE Monitoramento das condições de atendimento e recomendação de ações preventivas para garantir a segurança do suprimento. CNPE CMSE MME EPE EPE Empresa de Pesquisa Energética Estudos para definir a Matriz Energética e planejamento da expansão do setor elétrico (geração / transmissão). ANEEL ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica Regulação e fiscalização SEB: regulamentos, qualidade, tarifas. ONS CCEE ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Coordenação e controle da operação de G e T no SIN. CCEE Câmara de Comercialização de EE Contabilização e liquidação do mercado de CP, Energia de Reserva, Cotas, leilões de energia. AGENTES

5 I Marco Legal e Regulatório do SEB 8.631/ / / /02 Início da reforma do setor elétrico extinguiu a equalização tarifária criou os contratos de suprimento entre geradores e distribuidores disposições acerca do regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos adoção do conceito de tarifa do serviço público concedido fixada pelo preço da proposta vencedora da licitação criação do Produtor Independente de Energia PIE abertura do mercado (consumidores livres optam pelo fornecedor) garantia de livre acesso às redes elétricas expansão da oferta emergencial, RTE, PROINFA, CDE, Universalização

6 I - Marco Legal e Regulatório (cont) 1996 a 1998 Projeto RE-SEB- arcabouço conceitual e institucional do modelo a ser implantado (desverticalização, competição na G e C, regulação na T e D monopólios naturais) 9.427/96 Criação ANEEL - Estado nas áreas de regulação/fiscalização 9.648/98 criação da figura do agente de comercialização passa a ser de livre compra e venda de energia elétrica entre concessionários, permissionários e autorizados criação do Operador do Sistema (ONS) abertura do mercado aos chamados consumidores especiais criação do segmento do mercado de energia incentivada (direito a desconto nas tarifas de uso) /02 criação do mercado atacadista (MAE) /04 criação da EPE

7 I - Marco Legal e Regulatório (cont) Lei /04 Dec. 5163/04 Res. ANEEL 109/ /07 Dec /08 novo modelo SEB Regulamentação da comercialização de energia elétrica segmentação dos ambientes de comercialização em regulado e livre (ACR e ACL) transformação do MAE na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) criação do CMSE Instituição da Convenção de Comercialização de Energia Elétrica Instituição da Convenção Arbitral ampliação do conjunto de empreendimentos de geração com direito a desconto na tarifa de uso Instituição da contratação de energia de reserva

8 I - Marco Legal e Regulatório (cont) /09 ampliação da oferta de energia para consumidor especial MP 577/12 MP 579/12 e Dec /12 Dispõe sobre a extinção das concessões de serviço público de energia elétrica e a prestação temporária do serviço, sobre a intervenção para adequação do serviço público de energia elétrica Dispõe sobre as concessões de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, sobre a redução dos encargos setoriais, sobre a modicidade tarifária

9 II - Evolução das alterações no SEB Modelo até 1995 Financiamento: recursos públicos Modelo de Livre Mercado (1995 a 2003) Novo Modelo (2004) Empresas verticalizadas Predomínio de Empresas Estatais Monopólios - Competição inexistente Consumidores Cativos Tarifas reguladas em todos os segmentos Empresas divididas por atividade: G, T, D e C Abertura e ênfase na privatização Competição na G e C Consumidores Livres e Cativos Preços livremente negociados na geração e comercialização Convivência entre Estatais e Privadas ACL: Preços livremente negociados na G e C. ACR: leilão e licitação pela menor tarifa

10 I - Evolução das alterações no SEB (cont) Modelo até 1995 Mercado Regulado Planejamento Determinativo - Grupo Coordenador do Planejamento dos Sistemas Elétricos (GCPS) Contratação obrigatória: 100% do Mercado Modelo de Livre Mercado (1995 a 2003)` Mercado Livre Planejamento Indicativo pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) Contratação obrigatória: 85% do mercado até ago/03 e 95% mercado até dez/04 Novo Modelo (2004) Convivência Mercados Livre e Regulado Planejamento pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) Contratação obrigatória: 100% do Mercado Sobras/déficits do balanço energético rateados entre compradores Sobras/déficits do balanço energético liquidados no MAE Sobras/déficits do balanço energético liquidados na CCEE

11 I - Evolução das alterações no SEB (cont) Modelo até 1995 Monopólios - Competição inexistente Tarifas reguladas em todos os segmentos Modelo de Livre Mercado (1995 a 2003)` Competição na G e C Preços livremente negociados na geração e comercialização Novo Modelo (2004) Competição na G e C ACL: Preços livremente negociados na G/C. ACR: leilão e licitação pela menor tarifa Modelo Cotas (2012) Competição na C e na G somente no ACL ACL: Preços livremente negociados na G/C. ACR: leilão e licitação pela menor tarifa (Energia Nova) ACR: Cotas (Energia Existente)

12 III Comercialização: Resumo da Base Legal Lei /2004; Decretos 5.163/2004; Decreto 5.177/2004 (instituiu a CCEE); Resolução Normativa ANEEL 109/2004 (instituiu a Convenção de Comercialização de Energia Elétrica); MP 579/12 e Decreto 7.805/12.

13 III Comercialização: relações comerciais Relações comerciais são regidas por contratos bilaterais de compra e venda de energia, cujas partes são os vendedores e compradores de energia elétrica; todos os contratos celebrados entre os Agentes no âmbito do SIN devem ser registrados na CCEE; Registro dos contratos na CCEE: datas de início e fim; quantidade de energia (MWh); ponto de entrega (submercado); preço (a partir de julho de 2013, Portaria MME 455/11).

14 III Comercialização: relações contratuais entre agentes Contratos de fornecimento de energia no ACR CUSD/CCD Distribuição CUST/CCT Transmissão CUST/CCT Geração CUST/CCT Consumidores Livres Contrato de adesão Contrato de fornecimento CUSD CCD Consumidores Livres/Especiais Comercialização Consumidores cativos Contratos de fornecimento de energia no ACL

15 III Comercialização: agentes envolvidos obrigatórios Agentes da Categoria Geração Concessionários de Serviço Público, Pot. 50 MW; Produtores Independentes (PIE) Pot. 50 MW Autoprodutores (AP) Pot. 50 MW e despachados pelo ONS. Agentes da Categoria Distribuição Distribuidores Carga 500 GWh/ano; demais, mas que não adquirirem a totalidade da energia de supridor com tarifa regulada. Agentes da Categoria Comercialização Agentes Importadores e Exportadores; Comercializadores; Consumidores Livres e Especiais.

16 III Comercialização: Mercado de Diferenças Exige-se 100% de cobertura contratual para o consumo e de lastro para venda. Apuração: no ano civil, para as Distribuidoras; em base móvel dos últimos 12 meses para consumidores livres, especiais, comercializadores, PIE, Geradores, AP. Agente de Consumo: apura-se a diferença entre o montante total contratado e o seu consumo total; Agente Gerador: apura-se a diferença entre o montante total contratado e a geração total; CCEE contabiliza as diferenças entre a energia que foi produzida ou consumida e o que foi contratado; Diferenças positivas ou negativas são liquidadas no Mercado de Curto Prazo, valoradas ao PLD, e compõem os créditos e débitos dos Agentes no âmbito da CCEE.

17 III Comercialização: Mercado de Curto Prazo Contabilização da CCEE leva em consideração toda a energia contratada por parte dos Agentes e toda a energia efetivamente verificada (consumida ou gerada) Mercado Spot Energia Contratada Energia Verificada

18 III Comercialização: contabilização e liquidação - CCEE R$ Contrato Bilateral G 1 ~ 100 MWh ; R$ 75 / MWh D MWh 90 MWh R$ 200 G 2 ~ 20 MWh R$ 400 Sistema Contabilização e Liquidação PLD = R$ 20 / MWh 10 MWh R$ 200 D 2 R$ MWh 300 MWh G 3 ~ Contrato Bilateral D 3 R$ MWh ; R$ 70 / MWh

19 III Comercialização: lastro x exposição Agente de geração Comercializador Distribuidora / Consumidor ~ Capacidade Instalada = X Garantia Física = Y Geração = W Contrato de compra = X Contrato de compra = X Contrato de venda = Z Contrato de venda = Z Carga (consumo) = Y Exposição MCP = Z W Insuficiência de lastro = Z Y Exposição MCP = Z X Insuficiência de lastro = Z X Exposição MCP = Y X Insuficiência de lastro = Y X 19

20 III Comercialização: Preço Spot Preço de Liquidação de Diferenças PLD PLD: Metodologia de cálculo Calculado ex-ante (considerando informações previstas de disponibilidade de geração, vazões afluentes e carga do sistema); Semanalmente e por patamar de carga (leve, média e pesada); Por Submercado; Tendo como base o Custo Marginal de Operação CMO (calculado via cadeia de modelos (NEWAVE e DECOMP); É limitado por um preço máximo e um preço mínimo, vigentes para o Período de Apuração e para cada submercado, determinados pela ANEEL.

21 III Comercialização: Determinação do CMO Conseqüências Usar Água: Hidrelétrica OK Decisão? Déficit de Energia (corte de carga) OK Não usar água: Termelétrica Vertimento (desperdício) custo total custo imediato custo futuro

22 III Comercialização: Formação do PLD com base no CMO NEWAVE CMO Custo Marginal de Operação Custo para produzir 1 MWh de energia a mais para o sistema São utilizados 2 modelos matemáticos para calcular o CMO: NEWAVE DECOMP Modelo utilizado para otimizar a política de operação num horizonte de médio prazo (5 anos), discretizado mensalmente Tem como objetivo definir a proporção ótima de geração hidráulica, térmica e intercâmbio entre submercados Avalia o impacto da utilização da água armazenada nos reservatórios versus o custo de combustível das usinas termoelétricas Função de Custo Futuro (FCF) Função de Custo Futuro - relaciona o valor esperado dos custos futuros, volume dos reservatórios e tendência hidrológica

23 III Comercialização: Formação do PLD com base no PLD DECOMP CMO Custo Marginal de Operação Custo para produzir 1 MWh de energia a mais para o sistema São utilizados 2 modelos matemáticos para calcular o CMO: NEWAVE DECOMP Modelo de otimização utilizado para horizontes de curto prazo (12 meses) e utiliza a Função de Custo Futuro do Newave como um dado de entrada O primeiro mês é representado em base semanal e, através de uma árvore de possibilidades de vazões aleatórias e do parque gerador (usinas hidrelétricas e térmicas), determina o despacho por usina de forma a minimizar o custo esperado de operação para a primeira semana do período considerado

24 III Comercialização: Restrições de Transmissão e o PLD Transmissão de grandes blocos de energia Diferentes Preços Spot (PLD) nos Submercados Restrições de transmissão Despacho centralizado ONS

25 III Comercialização: Exposições contratuais Quando o vendedor/consumidor possui sua geração/carga em um submercado diferente do qual o contrato foi registrado, ele vende/compra a energia ao preço do submercado onde ela foi gerada e compra/vende ao preço do submercado onde o contrato está registrado. Isso pode causar exposições à diferença de preço entre os submercados envolvidos.

26 III Comercialização: Submercados Intercâmbio de Energia - Excedente financeiro SA PA PA<PB Intercâmbio SB PB G A > C G C A B B >< PLD = R$ 80,00 PLD = R$ 120,00 Limite GT 30 MWh GH GH Geração Consumo Geração 30 MWh * R$ 80,00 = R$ 2.400,00 (VENDA no SPOT/ RECEBE) Consumo 30 MWh * R$120,00 = - R$ 3.600,00 (COMPRA no SPOT/ PAGA) DIFERENÇA = R$ 1.200,00 - Não pertence a ninguém, cada um pagou e recebeu ao preço de seu submercado.

27 III Comercialização: Submercados Intercâmbio de Energia Diferença de preços entre submercados (gera um excedente financeiro); A cada hora do dia haverá pelo menos um submercado importando/exportando energia do outro. Na figura, a energia exportada é vendida em A ao valor PA, e comprada em B ao valor PB. Se os preços são iguais, a sobra é zero. Se PB > PA sobrará uma quantia equivalente ao intercâmbio, multiplicada pela diferença entre PB e PA.

28 III Comercialização: Submercados Intercâmbio de Energia Essa quantia é o Excedente Financeiro, que não pertence a nenhum agente porque todos pagaram e receberam ao preço de seus mercados. O Excedente Financeiro é usado para aliviar as exposições : dos geradores no MRE: alocações de Garantia Física em Submercados com preços diferentes dos Submercados onde estão localizadas as usinas, do Agente Comercializador de Itaipu: quotas partes de Itaipu comercializadas no Submercado Sul; e de contratos de Autoprodução, PROINFA; e Direitos Especiais (concedido às usinas específicas, definidas pela ANEEL).

29 III Comercialização: Contabilização Contabilização: base nas Regras de Comercialização; processamento mensal dos dados de contratos, medição, PLD e demais informações necessárias para cálculo do resultado final de cada Agente no âmbito da CCEE; apura as exposições no mercado de curto prazo, recebimento/pagamento de encargos, exposições financeiras, MRE e consolidação dos resultados financeiros a serem liquidados.

30 III - Contabilização e Liquidação na CCEE Medição Contratos Contabilização Pré-Fatura Liquidação Financeira PLD Regras de Comercialização Procedimentos de Comercialização SCL (NSCL) SCDE

31 III Comercialização: Liquidação financeira processo de pagamentos/recebimentos dos resultados da contabilização (posição devedora ou credora de cada agente no mercado Spot) Processo multilateral: transações são realizadas entre o sistema e o conjunto de agentes, não sendo possível a identificação de contrapartes; A liquidação é operacionalizada pelo Banco Bradesco AGENTES DA DE MERCADO CCEE DEVEDORES S $ ORDEM DE DÉBITO Liquidação Instituição e Custódia Financeira $ ORDEM DE CRÉDITO AGENTES DA DE MERCADO CCEE CREDORES S MAPA DE DE LIQUIDAÇÃO CONTABILIZAÇÃO DA CCEE DO MAE

32 III Comercialização: Garantias para a Liquidação financeira Garantias Constituídas pelos Agente da CCEE, visam assegurar o cumprimento de obrigação de pagamento no âmbito da Liquidação Financeira. Devem ser aportadas no mês anterior ao mês de contabilização; São executadas quando ocorrerem inadimplência do agente da CCEE no Mercado de Curto Prazo; Garantias Financeiras não possuem nenhuma relação com aquelas pactuadas livremente entre as partes num contrato bilateral no ACL.

33 III Comercialização: Rateio da Inadimplência Caso as garantias não sejam suficientes para a cobertura dos agentes inadimplentes, os demais agentes credores da CCEE respondem pelos efeitos da inadimplência, na proporção de seus créditos líquidos de operações efetuadas no MCP no mesmo período de Contabilização.

34 III Comercialização: ambientes de contratação Vendedores Geradores de serviço público, Autoprodutores. Produtores Independentes, Comercializadores Ambiente de Contratação Regulada ACR Ambiente de Contratação Livre ACL Distribuidores (Consumidores cativos) Contratos resultantes de Leilões; Cotas Consumidores livres, Comercializadores Contratos livremente negociados

35 III Comercialização: ambientes de contratação Ambiente de Contratação Regulada - ACR Ambiente de Contratação Livre - ACL Gerador Gerador Gerador Gerador incentivado Leilões Regulados Modelo Comprador único Mercado livre Distribuidor Distribuidor Comercializadores Tarifa Regulada Preços de mercado Consumidores cativos Consumidores cativos Consumidores livres Consumidores livres e especiais

36 III Comercialização: ACR Participação obrigatória das distribuidoras com mercado próprio > 500 GWh/ano; Contratação formalizada por contratos bilaterais regulados (CCEARs) entre vendedores (PIE, autoprodutores, comercializadores) e distribuidoras. Contratos regulados: por quantidade (fonte hidráulica) por disponibilidade (demais fontes) Atraso na entrada em operação comercial de usinas implica penalidade e compra de novos contratos pelo vendedor e limite de repasse para os compradores (REN nº 165/2005).

37 III Comercialização: ACR - contratos CCEAR por quantidade Vendedor é responsável pela produção da energia assegurada da usina, em geral uma UHE ou PCH; Riscos hidrológicos são assumidos pelos geradores (MRE mitiga riscos); Vendedor entrega a energia no submercado onde está conectado; Risco da diferença de preço entre submercados é assumido pelo comprador

38 III Comercialização: ACR - contratos CCEAR por disponibilidade Vendedor é responsável por manter a usina disponível para operação (geralmente de UTEs); Vendedor entrega a energia no submercado onde está conectado, somente se UTE é despachada pelo ONS; Quando PLD < CVU da UTE a UTE não é despachada, as distribuidoras compram energia no mercado spot ; Quando PLD CVU da UTE UTE é despachada pelo ONS; Pagamento das distribuidoras limitado ao CVU, sendo indiferentes ao PLD; Distribuidora recebe pela montante gerado da UTE acima do montante adquirido, valorado à diferença (PLD CVU).

39 III Comercialização: ACR - formas de contratação Leilões de energia elétrica: empreendimentos de geração existentes (A-1 e Ajuste); novos empreendimentos de geração (A-3, A-5, Fontes Alternativas). Cotas: PROINFA (PCH, Biomassa e Eólicas); Itaipu Binacional; Angras I e II; Cotas de Garantia Física de Energia e Potência, decorrente do rateio da Garantia Física de usinas cuja concessão tenha sido renovada ou licitada com base no disposto no Decreto 7.805/12.

40 Comercialização no ACR - formas de contratação leilões de energia Ano do início do suprimento ACR A A-5 A-3 A-1 Leilões de ajuste Contratos de até 2 anos Energia Nova Contratos: anos Energia existente Contratos: 3 15 anos

41 III Comercialização: ACR - formas de contratação Geração distribuída: chamada pública, limitada a 10% do mercado do distribuidor; Contratação formalizada por contratos bilaterais entre vendedores (PIE) e distribuidoras. Fontes elegíveis: Hidro < 30MW e Térmica com eficiência energética > 75% (exceto biomassa e resíduos de processo). não há previsão legal para GD de fontes eólica ou solar

42 III Comercialização: ACR - formas de contratação Distribuidoras com mercado próprio < 500 GWh/ano podem adquirir energia elétrica: dos leilões do ACR; de GD; do atual agente supridor; ou mediante processo de licitação pública por eles promovido.

43 III Comercialização: Energia de Reserva Contratação por Leilões de energia de Reserva: biomassa, eólicas e PCH. Contratação formalizada por: contratos bilaterais (CERs) entre vendedores (PIE) e a CCEE, na qualidade de representante dos usuários de energia de reserva (toda a carga do SIN); contrato de adesão CONUER, que disciplina a relação entre a CCEE e os usuário da energia de reserva. Vendedores recebem mensalmente receita fixa; Usuários pagam Encargo de Energia de Reserva EER; Pagamentos feitos em liquidação financeira própria, realizada pela CCEE; CONER: conta corrente administrada pela CCEE para realização de operações associadas à energia de reserva;

44 III Comercialização: ACL livre negociação entre os Geradores, Comercializadores, Consumidores Livres, Importadores e Exportadores de energia; liberdade para se estabelecer volumes de compra e venda de energia e seus respectivos preços; Contratação formalizada por contratos bilaterais livremente negociados entre vendedores (PIE, AP, Geradores, comercializadores) e compradores (consumidores livres/especiais, PIE, AP, comercializadores).

45 III Comercialização: quem compra no ACL Consumidor Livre: qualquer fonte Consumidor Especial: energia somente de empreendimentos de Geração Incentivada Especial ou Geração Convencional Especial Geração Incentivada Especial: com direito a desconto na TUSD/TUST: hidro, solar, eólica e biomassa < 30 MW; sem desconto na TUSD/TUST:cogeração < 30MW; Geração Convencional Especial (sem desconto na TUSD/TUST ): hidro, solar, eólica, biomassa 30 MW < Pot < 50 MW

46 IV Regras e Procedimentos de comercialização Regras Conjunto de fundamentos conceituais e equações algébricas, que definem as bases para o processo de contabilização e liquidação; Formam juntamente com os Procedimentos de Comercialização a base operacional da CCEE; São aprovadas pela ANEEL, após audiência pública.

47 IV Regras de comercialização módulos

48 IV Regras e Procedimentos de comercialização Procedimentos de comercialização Conjunto de normas associadas às Regras, que definem condições, requisitos, eventos e prazos relativos à comercialização de energia elétrica; Permitem a operacionalização das Regras; Estabelecem as responsabilidades dos Agentes perante à CCEE e desta em relação aos Agentes; Detalham os mecanismos pelos quais são produzidos e disponibilizados os dados de entrada para a Contabilização.

49 IV Procedimentos de comercialização módulos Módulo Introdução* Módulo 1 Agentes Módulo 2 Medição Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Fundamentos Regulatórios 1.1 Adesão à CCEE 2.1 Cadastros 3.1 Contratos ACL Objetivos Gerais e Composição dos Módulos 1.2 Representação de Agentes 2.2 Coleta e Ajustes 3.2 Contratos ACR 1.3 Votos e Contribuições 3.3 Sazo e Resazo de GF 1.4 Atendimento ao Agente 3.4 Comercialização de Pot. 1.5 Desligamento do Agente 3.5 RRV Módulo 4 Garantias Financeiras Módulo 6 Multas e Penalidades Módulo 7 Energia de Reserva Módulo 8 MCSD 4.1 Calculo e Aporte de GFIN 6.1 Penalidades Técnicas 7.1 Apuração de En. de Res. 8.1 Mensal, Trocas Livres e 4% 6.2 Penalidades de Medição 7.2 Cessão de En. de Res Contratação Escalonada Módulo 5 Mercado de Curto Prazo 6.3 Gestão de Pagamento de Penalidades 6.4 Multas 7.3 Liquidação de En. de Res. 8.3 Liquidação do MCSD 8.4 MCSD Ex-Post 5.1 Contabilização 5.2 Liquidação do MCP 5.3 Recontabilização

50 Muito Obrigado! SGAN Quadra 603 Módulos I e J Brasília DF TEL. 55 (61) Ouvidoria: 144

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria

Comercialização de Energia Elétrica. Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria Comercialização de Energia Elétrica Nara Rúbia de Souza Assessora da Diretoria ENCONSEL Novembro de 2011 Visão Geral Setor Elétrico Brasileiro Reestruturação do SEB Evolução das alterações no SEB Modelo

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

VISÃO GERAL DAS OPERAÇÕES NA CCEE Versão 2010

VISÃO GERAL DAS OPERAÇÕES NA CCEE Versão 2010 VISÃO GERAL DAS OPERAÇÕES NA CCEE Versão 2010 Índice CCEE 1. Introdução 4 2. O Modelo Operacional do Setor Elétrico Brasileiro 4 2.1. Histórico 4 2.2. Objetivos do Novo Modelo 10 2.3. Instituições do Setor

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída

O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Geração Distribuída 2002 INEE O Novo Modelo do Setor Elétrico, a ANEEL e a Geração Distribuída Junho de 2002 - São Paulo - SP Paulo Pedrosa Diretor Ouvidor Sumário I II III o modelo competitivo o papel

Leia mais

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre. Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Formação de Preço de Energia Elétrica no Mercado Livre Dr. José Wanderley Marangon Lima Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI São Paulo, Agosto de 2013 Agenda Visão Geral do Setor Planejamento da Operação

Leia mais

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia

O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia O Modelo Brasileiro de Mercado de Energia Estrutura: Operador do Sistema (ONS): Responsável pela otimização centralizada da operação do sistema e pelo despacho, de acordo com regras aprovadas pelo ente

Leia mais

4 O mercado brasileiro de energia elétrica

4 O mercado brasileiro de energia elétrica 4 O mercado brasileiro de energia elétrica A matriz energética brasileira é altamente diversificada em função de sua vasta extensão. Nos últimos dez anos, é crescente a participação de fontes não renováveis,

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera a metodologia de cálculo das garantias financeiras associadas ao mercado de curto prazo, estabelece

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 086/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres - ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0 Consolidação de Resultados ÍNDICE CONSOLIDAÇÃO DE RESULTADOS 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas de Consolidação de Resultados 12 2.1. Determinação

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3.

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva

Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.3 Cessões de energia de reserva Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Riomar Merino Jorge 21/11/2011 Agenda Comercialização de Energia no Brasil Adesão à CCEE Sistema de

Leia mais

INFORMAÇÕES AO MERCADO

INFORMAÇÕES AO MERCADO Panorama 2014 1 índice Panorama 2014 Governança do setor elétrico brasileiro A comercialização de energia A CCEE A CCEE Principais atividades Conta-ACR A CCEE em números Quem pode se associar à CCEE? DADOS

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro

4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro 4 O Sistema Eletro-energético Brasileiro A estrutura de produção e fornecimento de energia elétrica no Brasil é bastante particular. O Brasil é um país com grandes dimensões territoriais e, por isso, com

Leia mais

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica

2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica 2 Características do mercado brasileiro de energia elétrica Nesta seção, serão descritas as características do mercado brasileiro de energia elétrica, a fim de que se possa compreender a modelagem realizada

Leia mais

4) Ambiente Regulatório e Institucional

4) Ambiente Regulatório e Institucional ANEXO I: EMENTA DA TERCEIRA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE ESPECIALISTA EM COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA (2015) 1) Ambientes de Contratação de Energia

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia

Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia Novos Investimentos em Geração de Energia e o Mercado Livre Roberto Wainstok Diretor de Compra e Venda de Energia CPFL Energia 5 de Outubro de 2007 Objetivos 1. Modelo vigente de financiamento à expansão

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012

Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Contribuições referentes à Audiência Pública ANEEL 072/2012 Objetivo: obter subsídios para o aprimoramento do mecanismo de garantias financeiras associadas à liquidação financeira do Mercado de Curto Prazo

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA Principais Fatos das Reformas Institucionais da Indústria de Energia Elétrica 1 Introdução 2 Histórico das Reformas do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Arbitragem: contratos de energia elétrica

Arbitragem: contratos de energia elétrica Arbitragem: contratos de energia elétrica 23/10/2015 Seminário Arbitragem e Poder Público Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda 1. Comercialização de energia elétrica Câmara

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

Índice Setorial Comerc (junho 2013)

Índice Setorial Comerc (junho 2013) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Agosto de 203 Agosto (27.07.203 a 02.08.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 53,22 53,05 Pesada 55,55 55,55 55,55

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011 Audiência Pública no Senado Federal Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de Usinas Hidrelétricas Brasília, 06 de julho de 2011 A ABRAGE Associação civil sem fins lucrativos; Instituída

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº X.XXX de XX de XXXX de 2006

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº X.XXX de XX de XXXX de 2006 Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº X.XXX de XX de XXXX de 2006 GLOSSÀRIO DE TERMOS DA CCEE ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 4 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 4 3. OBJETIVO

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0 Mecanismo de Realocação de Energia ÍNDICE MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas do Mecanismo de Realocação de Energia

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Procedimento de Comercialização REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Versão: 1 Início de Vigência: REGISTRO,

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011

Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica. Setembro / 2011 Oportunidades de negócios no mercado de energia elétrica Setembro / 2011 Tópicos 1. Mercado Livre de energia 2. Oportunidades de trading de energia elétrica 3. BRIX 2 Estrutura do setor elétrico brasileiro

Leia mais

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0 Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos ÍNDICE Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos 4 1. Termos 4 2. Definições 15 3. Dimensões 16 4. Conjuntos 19 5. Acrônimos 34

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS.

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. VOTO PROCESSO: 48500.004324/2007-97 INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. RELATOR: Diretor RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Energia Complementar e Seus Ganhos

Energia Complementar e Seus Ganhos Energia Complementar e Seus Ganhos Engº José da Costa Carvalho Neto Arcadis Logos Energia Apresentação na FIIEE, em 23/09/04 Belo Horizonte/MG Setembro/04 Índice 1 Introdução 2 Geração Térmica Flexível

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 2.655, DE 2 DE JULHO DE 1998. Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador

Leia mais

Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica. XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008

Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica. XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008 Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008 Agenda O Conceito de Preço em um Mercado Qualquer O Conceito de Preço

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública TREINAMENTO: ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS CONTRATOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO REGULADA ACR E AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL PROGRAMA 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais