Data Center Automation: A necessidade de gerir mais com menos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Data Center Automation: A necessidade de gerir mais com menos"

Transcrição

1 Data Center Automation: A necessidade de gerir mais com menos Gonçalo João Vitorino de Jesus Departamento Engenharia Informática, Universidade de Coimbra, Pólo II, 3030-Coimbra, Portugal Resumo: Este artigo pretende abordar o conceito de Data Center Automation, ou Automatização do Data Center, através de uma análise profunda e de carácter informativo. Actualmente o data center é o pilar de todo o negócio de uma empresa, e este tem-se alterado imenso ao longo dos anos. Alterações estas que provocam, geralmente, uma diminuição da eficiências nos processos da empresa, sendo necessário implementar novas formas de combater essa diminuição. É na automatização que as empresas têm apostado como forma de luta. E é isto que é tratado neste documento, explica-se detalhadamente o conceito, e principalmente, ensina-se a aplicar correctamente uma solução de automatização. Palavras-chave: Automation; Automatização; Data Center; DCA; 1 Introdução Hoje em dia, os data centers são um dos principais pilares do negócio devido às relações e envolvimento próximo das unidades de negócio. Sem um data center ágil e a funcionar eficientemente, as empresas não conseguem reagir rapidamente à competição, ou alterar correctamente as condições de negócio, ou ainda serem capaz de implementar novas regulações. [2] Em termos de complexidade, os data centers têm vindo a tornar-se cada vez mais complexos, principalmente desde a era dos mainframes [1]. Com a morte dos ecrãs verdes e terminais burros, com o nascimento dos PCs, com o advento da computação cliente-servidor, com o crescimento explosivo da Internet, Web e Web services, os data centers têm-se tornado nuns animais selvagens ainda por domar [1]. Com esta frase o autor, provavelmente, pretendeu dizer que actualmente um data center típico possui muitos sistemas operativos, centenas de aplicações, milhares de servidores e centenas de terabytes de armazenamento. No caso das empresas grandes, os data centers podem conter entre 5,000 e 15,000 servidores e petabytes de armazenamento [1]. Em termos de heterogeneidade, falamos de data centers com vários tipos de mainframes, sistemas de high-end e mid-range UNIX, Linux (commercial-off-the-shelf) e Windows, que vão conter as mais variadas aplicações: , bases de dados, data warehouse/business intelligence, OLTP, Web services, groupware, workflow, gestão de documentos, CRM, ERP, SCM, SFA.

2 Assim, a gestão de operações inclui gestão diária de network computing operations que compreende a gestão de valores, de mudanças, de informação, de processos de TI, de redes, de sistemas, de service desk, e de software. Também inclui gerir pessoas, processos, e assuntos tecnológicos relacionados com cada área funcional do data center. Devido à heterogeneidade crescente dos data centers, a gestão de operações é cada vez mais difícil [1]. Como podemos ver, um data center é uma estrutura complexa, heterogénea e difícil de gerir, o que nos leva à necessidade de automatizar os processos que referimos, as operações. Para isso, neste artigo, ir-se-á falar de Data Center Automation (DCA). No ponto 2 será explicado qual a necessidade actual da implementação de uma solução de Data Center Automation. Devido às várias vertentes da DCA que podem ser implementadas, apenas serão referidas aquelas que realmente mudaram desde à algum tempo, e que daí veio a necessidade de se implementar a automatização. O conceito em si será decomposto no ponto 3, onde mais uma vez apenas se referem algumas das vertentes, de forma a tornar perceptível a capacidade desta solução. No ponto 4, a automatização será abordada de um forma global, numa primeira parte, e depois ao pormenor, explicando na segunda parte todas as vertentes da automatização. Os pontos 5 e 6 abordam as vantagens e desvantagens, respectivamente, da automatização dos data centers. O ponto 7 pretende introduzir as soluções futuras, a implementar num futuro próximo (ainda nesta década). A conclusão que irá tentar abranger os pontos fortes deste documento, segue no ponto 8. 2 Porquê fazer Data Center Automation? Com o passar dos anos, gerir ambientes de data center passou a ser uma das maiores fatias do orçamento para Tecnologias de Informação (TI), com o gasto médio de 70% do orçamento para a gestão de sistemas existentes [10]. Tal como já foi referido, a gestão de um data center compreende uma quantidade elevada de operações, que foram aumentando à medida que se acentuou a corrida para se tornar um ebusiness, para fazer reengenharia, ou para inventar arquitecturas Web-based, o que obrigou, e continua a obrigar os técnicos a prestarem atenção a centenas ou milhares de servidores situado em clusters, muitas vezes localizados por todo o país em edifícios para esse efeito.

3 À medida que os departamentos informáticos mudaram de uma arquitectura cliente/servidor para Web-based, para as suas aplicações, também houve aumento significativo no número de servidores que estes têm de gerir. Cortar nos gastos, aumentar à eficiência e corresponder com a expectativa de crescimento dos clientes são desafios de negócio comuns mas críticos. Para lidar com estes objectivos, os negócios passaram a ter operações online e aumentaram a sua dependência nas aplicações Web [11]. Os avanços técnicos e os requisitos do negócios constantemente a evoluir mantêm estas aplicações num estado constante de fluxo. Podese, então, verificar que os data centers, onde estão armazenadas estas aplicações, estão constantemente a crescer, tanto em número de servidores como em complexidade, dado que o ritmo de mudança vai persistindo. As tarefas principais dos técnicos nos data centers estão relacionadas com a verificação que as aplicações estão a correr e operacionais. Porém, é normal que, de acordo com os processos de negócios, falte uma solução que permita aos técnicos fazerem deploy, modificarem, e afinarem as aplicações de forma precisa e fiável. Tendo em conta a natureza critica das aplicações actuais, é razoável assumir que as empresas de TI deviam de ocupar tempo e recursos para desenvolver cuidadosamente metodologias para configurar, alterar, e fazer deploy das aplicações, para que essas aplicações corram conforme o esperado. Porém este processo revela-se frequentemente caótico, onde se utilizam normalmente scripts construídos para a ocasião (muitas vezes até são feitos momentos antes de ser utilizados, e feitos baseado em palpites sobre as configurações de software e hardware). Este tipo de alterações podem envolver combinações complexas de software comercial, aplicações já existentes, e aplicações feitas por medida. Neste caso, a responsabilidade do staff do departamento informático encarregue é perceber quais os requisitos para todos os componentes, fazer deploy deles rapidamente e sem falhas, com comandos simples e scripts, e acima de tudo lembrar-se do que fizeram, em detalhe. É na situação de deployment e upgrade às aplicações que as aplicações estão mais vulneráveis, pois geralmente estas já se encontram sob a pressão de configurações complexas, workloads flutuantes, e ameaças de segurança. De facto, as mudanças de aplicações mal sucedidas são a causa principal do downtime das aplicações [11]. Neste processo, os técnicos encarregues das mudanças no data center têm de utilizar uma colecção imensa de ferramentas e de informações incompletas para fazer a transição de uma configuração para outra, de forma correcta. Têm também de ir sempre analisando diversos factores, tais como: a configuração actual do hardware e software; alterações necessárias do hardware e software, relacionados com o deployment; interdependências do novo hardware e software; detalhes dos conteúdos; e a nova configuração que vai servir de fundação para alterações futuras. Enquanto os engenheiros de software têm ferramentas sofisticadas para o desenvolvimento e teste de aplicações de software, os técnicos responsáveis pelas operações de mudança de aplicações têm, ainda, de configurar e fazer deploy das aplicações manualmente com uma colecção de scripts custom e comandos de baixo nível. Como resultado disto, o processo de mudar aplicações criticas é caótico, geralmente acompanhado por erros, e consome bastante tempo, necessário para outras tarefas.

4 Em termos de complexidade, tal como já foi referido, em alguns casos, os técnicos de TI passaram a gerir dez vezes mais servidores que geriam antes da mudança para uma arquitectura Web-based, o que descontrolou a rácio entre administradores de sistema e servidor (a média desta rácio passou a ser 18 servidores para um administrador), criando uma sensação de crise [10]. De acordo com [11], as empresas de TI têm três escolhas para responder à complexidade e heterogeneidade dos data centers, também inerente à configuração, deployment, e alteração de aplicações: Standardization: para minimizar a complexidade, poderia-se estandardizar numa família de soluções de hardware e de software; Staffing: aumentar continuamente o staff especializado; Automation: fazer o deploy de software que sistematicamente automatiza a configuração, o deployment, a alteração, a análise de aplicações, etc. Uma das maneiras mais fáceis de diminuir a complexidade e heterogeneidade é através da estandardização (standardization). Se se estandardizar numa única plataforma de computação, os técnicos dos data centers conseguem simplificar o seu trabalho e reduzir a formação necessária, o desenvolvimento por medida, e o overhead no suporte a falhas. Os departamentos informáticos também podem estandardizar o software em suites de software provenientes de um único fornecedor, tal como SAP ou Oracle, conseguindo reduzir a complexidade das operações no data center. Porém, as experiências passadas têm demonstrado que a estandardização é mais fácil de pregar que praticar [11]. O porquê desta afirmação segue-se: 1. grande parte das empresas já praticou investimentos em múltiplas plataformas e aplicações (software), que provavelmente ainda estão a funcionar correctamente sem terem dado problemas. Trocar os sistemas funcionais em nome da estandardização seria algo impensável, em termos monetários e temporais; 2. as unidades de negócio e as suas equipas de desenvolvimento gostam de escolher as aplicações e plataformas que melhor se adequam aos seus interesses de negócio. Se um departamento financeiro necessita de um sistema de contas que funciona melhor sobre uma plataforma, e se o departamento de vendas necessita de um sistema de lead-tracking que funciona sobre outra plataforma, então o departamento informático pode não conseguir persuadilos para abandonar as suas escolhas; 3. mesmo que um departamento informático consiga estandardizar o hardware e o software, as actividades do negócio tais como fusões e parcerias podem forçar outra vez um ambiente heterogéneo. Daí o facto de ser muito raro encontrar uma empresa que não possua múltiplas plataformas, apesar das intenções dos gestores dos departamentos informáticos.

5 Outra forma de combater a complexidade de um data center é o staffing, ou seja, a contratação constante de técnicos para a gestão do data center. Aumentar os técnicos adiciona mais scripts custom, tal como olhos e mãos para efectuar tarefas variadas (configuração, alterações, monitorizar, etc.). Porém, para muitas empresas, esta alternativa não é viável. Com a actual economia, os negócios típicos exigem que os departamentos técnicos consigam gerir os data centers com o menor número de técnicos possível. Mesmo para as empresas que podem ter esse luxo, esta técnica de contratação é impraticável. Aumentar o número de técnicos aumenta também a complexidade pois aumentam as exigências de equipamento, formação e gestão (de recursos humanos). O aumento de técnicos também não iria ajudar na necessidade de melhor as ferramentas administrativas, nem na redução das possibilidades de haver erros que possam resultar em aplicações com performances abaixo da média, ou mesmo em paragens de funcionamento (downtime). Conclusão, esta também não seria a melhor alternativa, pois em última instância poderia trazer problemas na coordenação da equipa, devido a ser demasiado grande. A terceira alternativa para os males provenientes de um data center actual seria então a automation (automatização). Esta automatização consiste na adopção de software de deployment de aplicações, que se trata de uma tecnologia que permite às equipas que gerem o data center fazer deploy de aplicações sistematicamente. Este software fornece, entre outros: 1. controlo para mapear os processos de negócio nas configurações dos servidores e rede; 2. um modelo de objectos para gerir aplicações directamente e consistentemente; 3. controlo centralizado e reforço global das politicas das aplicações; Como se pode verificar, esta seria a alternativa mais viável. Para reduzir as dores de cabeça e os custos da gestão de data centers, os departamentos informáticos têm-se virado para soluções de automatização [11]. Este mercado emergente é conhecido como Data Center Automation software e é mais dedicado às empresas, ou aos departamentos informáticos, que necessitam de fazer mais com menos (este tipo de empresas são as que lucram mais, mas todas podem vir a adoptar o mesmo processo), e de gerir sistemas heterogéneos, diversos e espalhado por vários locais, com menos recursos. Com isto pretende-se que os negócios consigam ser capazes de desenvolver uma vantagem competitiva e fornecer os serviços aos clientes de forma eficaz e a baixos custos. Apesar de apenas ter falado em alguns aspectos da automatização e das suas vantagens, esta tem muitas mais como o leitor poderá ver. Porém as razões apontadas para seguir este mercado são as mais marcantes, apesar de não serem as únicas.

6 3 O que é Data Center Automation? Data Center Automation (DCA) ajuda as empresas a combater os problemas de deployment, configuração, cumprimentos de standards, assegurar a consistência dos servidores, segurança dos servidores, e a gerir os sistemas operativos dos servidores, o software relacionado com a infra-estrutura das aplicações, as aplicações comerciais ou custom. O software de DCA ajuda também os gestores informáticos e os administradores de sistema a gerir as suas tarefas do dia-a-dia, e principalmente permite aos CIOs reduzir os custos associados com as operações nos data centers respectivos. [8] Através de software de DCA é possível a um único administrador de sistema gerir remotamente o deployment de software para um grande número de servidores em simultâneo. Isto é particularmente importante nos departamentos informáticos que necessitam de fornecer mais serviços com pouco pessoal e, ao mesmo tempo, conseguir um maior grau de flexibilidade e capacidade de resposta. Adicionalmente à maior produtividade, os administradores de sistemas beneficiam de uma melhor consistência que se traduz em menos erros, menos situações de urgência e melhor controlo. Com software de DCA, as empresas conseguem recolher a experiência da equipa responsável pelas TI e distribui-la pelos numerosos servidores, tipos de servidor, e data centers. A habilidade de identificar configurações de servidores aprovadas; de construir software packages em concordância com os standards da empresa; de controlar as especificações do sistema; de manter o sistema actualizado; de fazer deploy de aplicações de várias camadas (tier) com maior fiabilidade; e de gerir remotamente o deployment software, a distribuição e manutenção atrai os departamentos informáticos que procuram melhorar a qualidade das suas operações enquanto reduzem custos e carga dos seus técnicos [10]. DCA pode ainda permitir o patching dos sistemas operativos, o update de aplicações, adicionar novos servidores, monitorizar a utilização do sistema e a sua performance e adicionar ou apagar utilizadores. A automatização requer que os servidores contenham uma pequena aplicação (software) a correr que comunica com o software principal. O objectivo de DCA é tornar um data center normal num data center que seja selfhealing, autónomo, e adaptativo [3]. Apesar de não haver realmente uma autonomia total, segundo [3] existem alguns princípios (de design) ligados à automatização que convém mencionar para uma melhor percepção do conceito de autonomia na automatização: Uma abordagem top-down a um data center que se diga self-healing envolve mapear a relação entre os processos de negócio e os sistemas e os elementos de rede em que correm. Para este cenário, a automatização teria de suportar a monitorização de performance de aplicações e de workflows de altonível. Os problemas encontrados seriam isolados e reparados de acordo com a abordagem ( top-down ); A outra abordagem seria colocar cada elemento num data center como um elemento self-healing com redundância integrada. Neste modelo, uma falha local iria gerar uma resposta local; como exemplo, uma falha num servidor

7 obrigaria este a desligar-se do cluster automaticamente, permitindo que as aplicações pudessem continuar a correr no cluster. Como ambas as abordagens têm vantagens e desvantagens, a automatização de um data center segue ambas. A redundância e a capacidade de self-healing são implementadas em cada camada e cada elemento num data center. Isto porque num sistema de gestão top-down não se pode estar sempre ocupado com qualquer falha mínima, estas falhas têm de ser resolvidas autonomamente a nível local. No entanto, ao mesmo tempo, o sistema de gestão não necessita de monitorizar os serviços e aplicações de negócio de alto-nível. A gestão top-down preocupa-se com os problemas de performance gerais, não com configurações detalhadas dos servidores. Assim que os requisitos de alto-nível são especificados, os clusters de servidores, que serão autónomos (camada do data center), devem correr as aplicações e assegurar-se que está a correr adequadamente. Quaisquer desvios dos requisitos de performance são resolvidos localmente. Apesar de ser tratado mais à frente em pormenor, como esta secção tem o objectivo de introduzir o conceito de Data Center Automation creio que era interessante para o leitor, saber quais os ambientes em que é mais aplicável ou mais justificável ser aplicado. Quem iria ganhar mais com a implementação seriam os departamentos informáticos responsáveis por ambientes com data centers grandes e geograficamente dispersos; quem têm de gerir tecnologias e plataformas (UNIX, Linux, Windows,...) variadas e numerosas; aqueles que fazem alterações frequentes nos data centers; e aqueles que irão ter o maior ROI (Return On-Investment) com a implementação de uma solução DCA [10]. Para uma melhor noção, segue-se uma figura que relaciona o ROI da implementação com vários factores:

8 Figura 1: Os ambientes que estão prontos a receberem uma solução de DCA (retirado de [10]) Na figura podemos observar vários factores, mas aquele que se sobressai mais é o número de servidores. Relativamente a este factor, em [10], podemos encontrar os resultados relativamente à solução de DCA da Opsware, retirados de estatísticas de clientes. É referido que em média, companhias com menos de 500 servidores podem esperar um ROI em 10 meses. Companhias com 500 a 2500 servidores podem esperar um ROI dentro de 14 meses. E companhias com mais de 2500 servidores conseguem um ROI até 15 meses depois da implementação. Se aplicarmos soluções de DCA aos ambientes referidos está provado que conseguem aumentar significativamente a eficiência em termos de administradores de sistemas [10]. Ainda de acordo com [10], que refere os resultados da solução Opsware, e que irão ser descriminados mais detalhadamente, a DCA permite às empresas, com ambientes de data center idênticos aos referidos no parágrafo anterior, obter ganhos de 80% de melhoria da produtividade, obtendo uma diminuição/melhoria de 66% na rácio de servidores para administradores de sistemas. 4 Automating a Data center Pretende-se que com esta secção o leitor tenha um conhecimento geral sobre como aplicar uma automatização correcta a um data center. Para isso esta secção foi baseada inteiramente nas referências [4] e [13], onde foi abordada esta temática de uma forma directa e de abordagens diferentes. Assim sendo foi decidido expor essas duas abordagens desta temática. Uma que trata a implementação de uma forma geral, expondo

9 os factores mais importantes a serem levados em conta. A outra abordagem retrata a automatização aplicada a cada elemento de um data center, dando exemplos/conselhos de aplicações comerciais que implementam a automatização nesse elemento. Primeira Abordagem Pelo seu carácter geral, começa-se com a primeira abordagem, retirada de [13]. Já foi várias vezes referido ao longo do documento, que DCA tem a importância que tem devido ao crescimento do número de sistemas e plataformas, de aplicações para incorporar, de novos processos para gerir. À medida que isso acontece os executivos de TI estão a ser pressionados para partilhar a informação do back-office às várias divisões e departamentos do negócio, o que coloca no epicentro dos problemas a infra-estrutura da empresa [13]. Este problema ainda é mais complicado se se tiver em conta o ambiente Web-based que se vive, que coloca o desafio de gerir operações de produção de elevada disponibilidade em ambientes computacionais físicos diferentes do data center (ou não pertencentes a este). É daqui que surge a necessidade de uma automatização bem definida, planeada e implementada. Em [13] é notória a importância de um planeamento e implementação bem definidos para o sucesso da automatização: muitos dos esforços são infrutíferos porque os objectivos dos projectos são irrealistas e os componentes-alvo não são estratégicos, ou, então, porque os termos específicos e os benefícios da automatização não foram correctamente delineados. Mas se os projectos de DCA possuírem objectivos e parâmetros bem definidos, e quando a metodologia de implementação é sistematicamente coincidente com esses objectivos, todo o tipo de empresas conseguem obter o sucesso. Os passos a seguir para uma bem sucedida DCA Ficou bem expresso nos parágrafos anteriores que o primeiro passo deverá ser a definição dos parâmetros de acordo com o data center em questão. Basicamente, isto consiste na compreensão do que é DCA e como se aplica à situação em especifico. Com isto pretende-se que sejam caracterizadas as expectativas, e que se identifique os componentes técnicos e de produção na qual a automatização se deve focar, para assim assegurar o sucesso do processo e do negócio. Nesta análise de componentes, que poderão ser oportunidades de automatização, é importante considerar os processos de negócio, pois são procedimentos que servem de suporte aos processos técnicos que irão ser automatizados. No fim deste passo, em que a automatização se encontra definida, as empresas devem identificar quais os componentes estratégicos mais adequados para a automatização, analisar criticamente a complexidade desses processos de automatização, e depois avaliar, o mais realisticamente possível, os resultados potenciais [13]. Esta tarefa não se espera fácil, mas irá permitir às empresas aperceberem-se do que podem esperar, e implementar de forma bem sucedida a iniciativa de automatização. Isto é possível apenas através destes passos bem executados: compreender verdadeiramente a definição de

10 automatização, identificar os componentes mais apropriados para automatização, e avaliar a complexidade da implementação. A identificação dos componentes alvo da automatização é extremamente importante, e será retratada em grande pormenor na abordagem seguinte, porém em [13] também é abordada. A identificação do número e tipo de ambientes operacionais em consideração também faz parte do planeamento. Factores como a variedade de localizações das instalações do data center, ou se este está distribuído por todo o mundo devem ser tido em conta. Para uma melhor identificação pode-se particionar o data center nos seguintes componentes [13]: ambientes fisicamente distribuídos; hardware; plataformas ou sistemas operativos; plataformas de rede (backbone, wide area network, Internet, etc); interfaces; bases de dados; sistemas ou subsistemas de armazenamento. Para a automatização de cada um destes componentes são necessárias tecnologias e considerações específicas que irão ser referidas adiante neste texto, mas o processo de avaliação é o mesmo em todos. Deve-se desenvolver uma lista de objectivos simples, eficazes, e realistas para cada componente, analisar a complexidade da automatização necessária para cumprir esses objectivos, e perceber a diferença entre o nível actual de automatização do negócio e o nível desejado. Esta avaliação vai permitir também que o projecto de automatização cumpra o orçamento destinado e que esteja de acordo com as estratégias do negócio. A verificação da realidade dos actuais objectivos é o passo seguinte. É normal encontrar objectivos que são muito rebuscados e fora do contexto, dependendo da situação [13]. Este passo é extremamente importante para o sucesso da iniciativa de automation. Este passo antecede a implementação e por isso não deve ser descurado. Assim que os objectivos estiverem (re)definidos, é necessário, então, avaliar a complexidade que envolve a automatização dos componentes técnicos escolhidos para a iniciativa. No exemplo demonstrado em [13] foi utilizada uma escala para este efeito. Saber desde logo o nível de complexidade que se vai encontrar não só ajuda na planificação das mudanças que irão estar envolvidas com o processo, mas também ajuda a preparar a gestão futura dos novos processos inerentes à mudança, e ainda permite aos CIOs prepararem os argumentos com os quais vão discutir o projecto com os CFOs. Nesta fase é natural que as plataformas e configurações desejadas já não sejam idênticas às definidas em passos anteriores, quer por questões monetárias quer por temporais (relativamente à complexidade que iria ser levantada). Após ter sido desenvolvida a lista de componentes do data center que são apropriados para a automatização, depois de ter sido feita uma verificação da realidade dos objectivos relativos a esses componentes, e identificado a complexidade envolvida nesses objectivos, o próximo passo é analisar o nível actual de automatização e comparálo com os objectivos realistas da automatização desejada, o que irá permitir um planeamento financeiro.

11 Aproxima-se a passos largos a verdadeira acção! O próximo passo é a planificação do design e deployment da solução. Neste passo, tal como foi feito em [13], apenas irão ser referidas as considerações chave que ajudam a assegurar o sucesso do projecto de automatização. O trabalho de design para a automatização da arquitectura tecnológica e os processos administrativos devem ocorrer separadamente mas em simultâneo. Criar um plano de design para a arquitectura tecnológica compreende a avaliação e a escolha do software de gestão do sistema que suporta os componentes técnicos identificados para a automatização. Esta fase de planeamento de design deve ser cumprida com a participação do gestor de projecto e resultará numa solução de software de gestão do sistema que controlará o sistema, o armazenamento e os periféricos; o software e hardware envolvidos na rede; e as aplicações de base de dados. Nesta fase, é necessário ter-se em conta os requisitos da arquitectura da plataforma pois os factores como o suporte e o custo têm um impacto substancial no software de gestão do sistema e na automatização das operações. [13] Este processo (de design), em última instância, ajuda a escolher se a solução deve ser comprada, se deve ser desenvolvida internamente, ou a combinação de ambas, ou ainda o outsourcing. Para isto deve considerar-se sempre as restrições do orçamento. Por fim, é necessário desenhar a automatização para servir de interface com os processos administrativos. É necessário para isto, fazer um inventário de processos existentes e refiná-los para servirem de suporte aos novos níveis de automatização. Este processo não deve ser ignorado, pois pode causar o insucesso. Nesta fase, os gestores das TI devem desenvolver estratégias para enaltecer os seguintes processos de produção dos componentes [13]: Avaliação de Produção processo que identifica os requisitos operacionais para a implementação gestão de alteração de aplicações ou de instalação de novas aplicações; Gestão de Problemas processo centralizado para gerir a rede de utilizadores, aplicações, e problemas de sistemas; Gestão de Mudanças um processo que coordena todas as alterações que possam afectar o ambiente de produção; Gestão de Bens processo para questionar, descobrir, procurar, e guardar recursos de computação da empresa, incluindo hardware, sistemas operativos, e aplicações; Recuperação de desastres processo que permite a recuperação num evento que o desastre faça com que os sistemas críticos fiquem inoperacionais.

12 Segunda Abordagem Esta segunda abordagem é baseada em [4], e presta mais atenção aos pormenores da automatização em cada um dos componentes do data center. Para cada componente são dados conselhos/exemplos de aplicações que permitem a automatização, baseados em quotes de pessoas experientes na área. Os componentes aqui retratados são os seguintes: Desktops; Servidores; Armazenamento; Rede; Aplicações; Segurança; e Gestão. Janice Newell, CIO do Group Health Cooperative in Seattle, refere o facto de que é necessário tempo, dinheiro e know-how acerca das capacidades disponibilidades pelos vendedores e aquelas que podem ser feitas dentro de portas. Com isto pretende dizer que a automatização necessita cada vez de mais serviços disponíveis, a preços baixos. Por isso, perceber os recursos da automatização por recurso é o primeiro passo deste processo, segundo [4]. É referido também que a automatização funciona melhor quando tarefas simples têm de executadas repetidamente. É comum, nestes casos, ser necessário automatizar o nível do utilizador cliente. O que quer dizer que o primeiro recurso a ser automatizado são os Desktops. Para este tipo de automatização (nos Desktops), Janice Newell utiliza na sua empresa a ferramenta de software de distribuição HP Radia, que o que faz exactamente é fornecer updates e patches de software a todos os end users da sua empresa, permitindo que todos os utilizadores clientes tenham acesso à mesma tecnologia. Isto tem enormes vantagens pois evita a deslocação de técnicos para resolver o problema manualmente, sendo tudo resolvido a partir do data center. Para além desta solução, existem também aplicações da Altiris, Computer Associates e Reflectent Software que permitem a distribuição automatizada de software, baseado em regras predefinidas. O funcionamento destas aplicações baseia-se na procura nas máquinas dos utilizadores por aplicações, usage, cumprimento de licenças e informação de patches, guardando um repositório actualizado de informação respectiva a cada desktop dos utilizadores clientes (neste caso). Estas ferramentas verificam se existem mudanças a fazer, de acordo com as políticas da empresa, e tomam as acções necessárias para resolver os problemas. No parágrafo anterior rapidamente se encontra um problema comum, que é o facto de parecer que existe invasão de privacidade, mas num mundo automatizado é necessário cumprir as politicas da empresa. Estas políticas/práticas por vezes são definidas pelos fornecedores das ferramentas, de acordo com determinados modelos de processos. Mas, na generalidade são os gestores das TI que identificam os processos e os definem nas ferramentas [4]. Após um começo relativamente fácil, pode-se passar para um recurso onde a automatização é mais extensa, como por exemplo a Infra-estrutura dos Servidores. A automatização do servidor inclui a instalação de novas máquinas e administrar recursos virtuais.

13 As aplicações mais comuns de automatização de servidores são fornecidas pelas seguintes empresas: BladeLogic, Opsware, IBM, HP, Sun, e Veritas Software. Estas aplicações na generalidade permitem a automatização combinando várias tarefas automatizadas, que ajudam os gestores de TI a instalar novos servidores e distribuir updates e patches. Algumas destas aplicações fazem com que os técnicos de TI documentem os fixes mais comuns de software. Desta forma este tipo de software permite responder rapidamente e correctamente a falhas, e fazer deploy instantâneo de novos recursos que vão dar maior capacidade ao data center. Estes produtos permitem também manipular o armazenamento da rede e configurar routers e switches, e criar LANs e VLANs, refere Frank Gillett, um analista principal na Forrester Research [4]. Outro recurso de maior importância no data center é o Armazenamento (e backups). Actualmente administra-se o armazenamento em múltiplas máquinas baseado nas necessidades das aplicações, em vez de manter espaço específico para determinado hardware ou base de dados. Daí a necessidade de automatizar a gestão de armazenamento e procura (de informação) com software. Segundo Mike Karp, analista sénior da Enterprise Management Associates, para além da gestão de recursos e do fornecimento de acesso à informação, também os backups e a recuperação necessita de ser automatizado. As soluções mais comuns provêm da Veritas, EMC, HP e IBM. Com estas é possível ter os backups automatizados, ajuda também na gestão de recursos partilhados de armazenamento. Esta gestão é centralizada. Algumas das aplicações permitem também automatizar o fornecimento de acesso ao armazenamento. É normal estes produtos suportarem intervenção manual (que, apesar de ser uma ferramenta de automatização, continua disponível), mas muitos dos esforços de automatização do armazenamento, dentro de uma empresa, obriga uma abordagem a duas fases. O software notifica o administrador da acção recomendada, e só vai executar essa acção se o administrador consentir. O resultado pretendido é uma aplicação que elimina a primeira fase, como o exemplo dado por Steve White, gestor de engenharia de sistemas na PacifiCorp, em que um software optimal seria aquele que colocava uma base de dados e os serviços associados noutro servidor sem intervenção de ninguém [4]. Libertando as aplicações antigas da gestão do armazenamento e trazendo as ferramentas de automatização permite aos técnicos de TI terem mais tempo para se focar nos grandes problemas relacionados com o armazenamento, tais como perceberem como é que a informação está a ser guardada e eliminar as eficiências. O próximo recurso a ser automatizado é a infra-estrutura da rede. Os próprios fornecedores de material de rede têm vindo a aplicar inteligência no equipamento. Problemas como falhas de switches são facilmente resolúveis através dos routers que apoiam uns aos outros utilizando IETF s Virtual Router Redundancy Protocol. A

14 segurança também não foi ignorada pelos fornecedores e também foi incluída no equipamento, o objectivo é manter os vírus e falhas de segurança longe da rede. Em [4] é dado um exemplo de uma empresa (Financial Partners) que para automatizar a rede, misturou o software HP OpenView, routers Nortel e algumas aplicações caseiras, sendo que desde aí que tem as falhas completamente automatizadas, pois o software faz a monitorização e alerta em casos de emergência. A monitorização ajuda a determinar a causa da falha e prevenir problemas futuros. Outras aplicações de software, que automatizam as notificações de eventos na rede, são as da BMC Software, CA, IBM Tivoli e Micromuse. Porém, Deb Curtis, vicepresidente da investigação da Gartner, refere que o problema destas aplicações é que não automatizam a gestão, apenas a monitorização, grande parte da automatização pertence ao reino da notificação [4]. É aqui que os fornecedores de software estão a tentar inovar. Enquanto isso, os especialistas em material de rede, tais como a Inkra Networks, estão a procurar formas de virtualizar e automatizar distribuição de recursos de rede no data center. Os fornecedores de switches e de servidores estão a juntar esforços para expandir a automatização para além da rede. A Cisco e a IBM conseguiram integrar o switch do data center com o software de gestão de servidores, o que permite melhor comunicação entre produtos. O objectivo desta fusão é permitir que as aplicações localizadas no data center corram mais depressa e que consigam sobreviver às falhas de rede ou do servidor. O objectivo principal da automatização das aplicações é reduzir o número de tarefas manuais necessárias para manter as aplicações a correr correctamente [4]. Ainda na mesma referência, é expresso que não basta automatizar a alocação de recursos baseado nos requisitos das aplicações. A automatização das aplicações de suporte alinhadas com os serviços de negócio requer práticas maduras de gestão de configurações, diz Deb Curtis. O primeiro passo deverá ser a compreensão da configuração que está por baixo dos serviços de negócio. Estas práticas de gestão de configuração referem-se à manutenção de um inventário de todos os produtos de TI, e como eles devem ser configurados, como interagem entre eles e como é que uma falha pode afectar os serviços de negócio. Aplicações como as fornecidas pela AlterPoint, Intelliden, Voyence, Appilog, Cendura, Collation, mvalent, nlayers, Relicore e Troux, permitem gerir as configurações disponíveis, e construir mapas das aplicações e as suas dependências, que ajudam o software de automatização a determinar se estão a ser executadas as acções correctas, permitindo identificar e automaticamente corrigir problemas que surgem na performance das aplicações, e se possível adaptar as configurações on the fly. Em [4] é ainda referida a existência de uma outra aplicação fornecida pela Vieo, cujo objectivo é melhorar a detecção de problemas nas aplicações, e as práticas de resolução e diagnóstico, através da automatização. A detecção dos problemas é feita,

15 neste caso, nos equipamentos de rede e na camada de transporte do IP, o que elimina a tarefa de procurar a fonte dos problemas. Posteriormente, a aplicação aloca recursos nos servidores dinamicamente, caso haja alguma falha. Um dos maiores desafios da automatização é a Segurança dentro do data center [4]. O problema está relacionado com o facto de que os gestores de segurança têm a tarefa de decidir quando é que os sistemas de segurança devem ficar abertos o suficiente para integrar as ferramentas, e ao mesmo tempo protegerem os sistemas do data center de eventuais ameaças externas. A aplicação aconselhada para este efeito é da Netegrity, que permite aos administradores construir processos de workflow, tais como criar um conjunto de acções necessárias para alterar o acesso de um utilizador aos recursos de rede. Esta aplicação permite automatizar a mudança dos direitos de acesso dos utilizadores e fornecer autenticação e autorização. Porém a automatização da segurança não vai para além desta pequena inovação, o que não é o suficiente. A protecção através de antivírus e a gestão de patches são áreas que necessitam de automatização. Em jeito de pergunta, em [4], referem a possibilidade de utilizar a automatização dos Desktops na gestão de patches, pois o processo é idêntico, sendo que o único problema está na abertura dos dispositivos de segurança para isso acontecer. O último recurso a ser falado para a automatização é a Gestão e Integração. Este é o recurso que vai unir todos os outros, porque no fim é necessário software que integre os diversos sistemas e automatize as acções nos diversos segmentos do data center. Para este efeito, em [4] são referidas as aplicações da Singlestep, Aprisma, Managed Objects e Micromuse, e secundariamente da CA, HP e IBM. Estas aplicações pretendem facilitar o processo de gestão de integração da informação, e gerir a informação retirada dos sistemas de monitorização. Algumas aplicações permitem também integrar e partilhar a informação retirada por sistemas de fora (do data center). Porém, é necessário que os gestores de TI implementem processos e sistemas de gestão sobre os recursos de desktops, servidores, armazenamento, rede, aplicações e segurança, de forma a assegurar uma automatização suave. Com isto pretende-se que os gestores de TI reduzam as decisões diárias através da automatização. Esta seguirá uma cadeia fluida ou uma árvore de decisão que inclui os processos humanos e os princípios de negócio, mapeados nos componentes. Apresenta-se a seguir uma figura que foi retirada do [4] e que resume os objectivos da automatização em cada um dos recursos.

16 !! " # $ % & '( ' ) Figura 2: DCA aplicado a cada um dos seus componentes (retirado de [4])

17 5 Benefícios em termos de ROI e de Eficiência Nesta secção pretende-se demonstrar ao leitor alguns dos muitos benefícios de uma solução de DCA. Para isso foi decidido colocar a vertente financeira (ROI) e outra que não tivesse directamente ligada a esse campo (Eficiência). ROI de uma solução de DCA O return on investment proveniente de um software de DCA é medido em termos de redução no número de técnicos de TI que são necessários operar no data center, aumento da eficiência das TI, melhoria dos erros provocados pela mudança, e melhoria da qualidade das operações do data center. [10] Já foi referido que uma solução de DCA melhora a rácio entre os servidores e os administradores de sistema. Possibilitando a gestão remota e escalável de centenas a milhares de servidores, as empresas conseguem melhorar a referida rácio. Segundo [10] em média, os departamentos informáticos não automatizados chegam a um rácio de 18:1, enquanto com a automatização esse rácio pode subir para 100:1. Relativamente à melhoria de eficiência, através da automatização das tarefas manuais envolvidas no deployment e gestão de centenas ou milhares de servidores. Com a automatização é possível acelerar as tarefas operacionais, tais como deployments, upgrades e patching dos processos. Relativamente à consistência e qualidade operacional, a automatização permite aos departamentos informáticos reduzir a sua dependência dos especialistas e dos sistemas de gestão dos documentos e processos. [10] Quanto à redução de downtime, a automatização traz uma consistência e subsequente um maior nível de qualidade nas operações de TI. Com isto é possível diminuir significativamente o downtime do sistema e os custos associados. [10] Em relação à melhoria de segurança, a automatização permite às organizações reforçar os processos e as práticas para construir e efectuar as alterações nos servidores. O que reduz o risco de alterações ad-hoc causarem falhas na segurança. A automatização permite também manter um inventário do hardware e software que está a correr no ambiente. Este inventário dá uma maior clareza das actividades operacionais, permite a análise de recursos, e fornece uma grande visibilidade das TI dos servidores e dos estados do software. A automatização permite gerir os ambientes e as respectivas aplicações a partir de um único local, mesmo que se encontrem geograficamente dispersos. Assim as mudanças no data center podem só ser efectuadas a partir de um local, pois a automatização permite a captura e armazenamento das alterações o que favorece uma rápida reconstrução do ambiente em caso de um desastre.

18 Medir o ROI de uma solução de DCA Apesar de aparentar trazer elevados beneficios, devido à rigidez dos orçamentos de TI, deve-se estudar primeiro, do ponto de vista do negócio, a implementação de uma solução de DCA. Para medir e quantificar os beneficios desta solução, em [10] é demonstrada uma metodologia de obter o ROI de uma solução da Opsware, baseado no custo total do deployment e das poupanças provenientes na redução dos custos das operações. Apesar de esta metodologia ser específica, é importante é que o leitor perceba os benefícios financeiros. A metodologia ROI referida é medida em quatro estágios [10]: Determinar o custo actual de administrar as funções operacionais de um data center. Os maiores factores de gastos incluem o esforço dispendido e a utilização de bens; Calcular os ganhos de produtividade e eficiência atingidos pela implementação da solução de DCA; Estabelecer ou determinar o investimento feito na solução de DCA e a formação associada; Determinar o período de experiência e do ROI. Ganhos de Eficiência de uma solução de DCA Estes tipos de ganhos podem provir de bastantes tarefas, mas de acordo com [10] irão ser referidas as mais importantes. Tal como tem-se vindo a referir, a automatização permite às empresas obter uma automação de servidores que permite ter o sistema com aplicações prontas a correr e num estado conhecido, consistente e seguro. A instalação de software e de aplicações de negócio requer um tempo significativo e é necessário perícia nos procedimentos da instalação, configuração, e as melhores práticas para cada package de software. Esta tarefa da automatização é designada por Software Provisioning e permite melhorar a qualidade, consistência e segurança envolvida na instalação de software no ambiente de produção. Permite também aumentar a rapidez do deploy de software. Outro dos ganhos em eficiência é na gestão de patches. Com a automatização desta tarefa, prevê-se uma diminuição/melhoria temporal na instalação ou actualização de patches num data center [10]. Este resultado é fácil de justificar pois num data center normal a instalação de patches é manual e tem de ser repetida para cada servidor, já com a automatização a instalação é gerida a partir de um único local que distribui esse patch por todas as máquinas. Geralmente, isto é feito através de uma aplicação, e essa aplicação ainda tem a vantagem de produzir logs de instalação.

19 A esta tarefa se a generalizarmos para scripts em vez de patches temos uma das tarefas mais importantes que representam ganhos de eficiência, de acordo com [10], que é a execução distribuída de scripts. A descrição é semelhante à gestão de patches. Ainda relacionado com as duas tarefas enunciadas atrás está o Code Deployment & Rollback. Relativamente ao deployment de código é, mais uma vez, idêntico à gestão de patches e execução distribuída de scripts. Em relação ao Rollback, a melhoria de eficiência está no facto do administrador poder voltar a colocar o data center numa configuração anterior (que se portava melhor) apenas utilizando uma aplicação. 6 Desvantagens e Receios Após vários parágrafos a falarem nos benefícios das soluções de DCA, é necessário haver também uma secção que expresse as desvantagens, ou, pelo menos, os receios dos CIOs ou dos gestores do data center acerca da implementação desta consolidação dos data centers. O maior receio está relacionado com o pensamento de perda de controlo do ambiente do data center [6]. É perfeitamente normal que os gestores de sistema, que estão habituados a decidirem eles tudo, e a alterarem tudo manualmente, que sintam que com a automatização tudo vai mudar, e que eles podem perder o controlo do data center, que como já foi referido atrás, é uma das estruturas mais importantes do negócio. Ninguém gostaria que isso acontecesse, para não falar nos gastos envolvidos se tal situação se passasse. Porém, apesar de haver muita especulação acerca da DCA, a automatização do data center é inevitável. Como o leitor pôde observar ao longo do documento, os benefícios são inegáveis, e no futuro, tendo em conta o crescimento do número de aplicações, servidores, etc., será impossível gerir um data center sem a ajuda de automatização. [6] Pode-se estabelecer uma comparação entre a automatização e o sistema de piloto automático dos aviões. Estar preocupado com o sistema de piloto automático quando se utiliza pela primeira vez é uma reacção natural, mas se não houvesse esse sistema o perigo aumentava vertiginosamente. A questão a colocar é: qual o fundamento do receio da perda de controlo? A resposta é simples e também já foi abordada. Uma solução de DCA só funciona correctamente se todo esse processo de automatização for bem definido e planeado. É necessário perceber que a automatização não é um conjunto de scripts que duplicam as decisões e condições que um gestor de TI faria nessa situação. Automatização tem a haver com trazer inteligência para o sistema, esta é a única solução para resolver os problemas de um sistema que está constantemente em mudança. Esta inteligência é a chave do controlo (de evitar perdê-lo): tem de se ser capaz de confiar no que o sistema está a fazer em cada momento, pois o que ele está a fazer está de acordo com a política do negócio,

20 7 Futuro dos Data Centers As previsões acerca do data center continuam a apontá-lo como pilar central das empresas, por outras palavras, é fundamental que o negócio esteja operacional 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano. [15] Na figura seguinte podemos verificar qual o futuro do data center: Figura 3: O desenvolvimento do data center ao longo dos anos (retirado de [15]) Na figura podemos verificar que actualmente a automatização, sendo a última fase da Data Center Consolidation, é o processo mais utilizado para gerir data centers. Podemos também verificar que os próximos passos (o futuro) relativos ao data center são os seguintes: Data Center Virtualization e Service-Oriented Computing. E é sobre estes dois que se irá falar um pouco nesta secção. Data Center Virtualization O data center virtual (virtual data center VDC) está cada vez mais perto. Com esta solução, o data center passará a funcionar como um sistema de gestão em ciclo, que se vai tornando cada vez mais self-managed. O funcionamento é baseado em funções de alto-nível do VDC e as suas relações [14]:

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados Case Study da Cisco TI Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados A implementação de servidores virtualizados proporciona economias significativas de custos, diminui a

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos ISEP Instituto Superior de Engenharia do Porto Análise de Sistemas Informáticos Armazenamento de Dados em Rede A Revolução do Armazenamento Partilhado A crise económica e a crescente necessidade de armazenamento

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO

UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO S Y S T E M S ASG-PERFMAN 2020 UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO ASG ASG-PERFMAN 2020: Visão Global A sua capacidade

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

CA Protection Suites Proteção Total de Dados

CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA. Líder mundial em software para Gestão Integrada de TI. CA Protection Suites Antivírus Anti-spyware Backup Migração de dados Os CA Protection Suites oferecem

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

A falha em alguns destes pontos pode resultar num excessivo e desnecessário investimento/despesa

A falha em alguns destes pontos pode resultar num excessivo e desnecessário investimento/despesa Nuno Melo e Castro Segurança Infra-estruturas Hardware e software Políticas de autenticação Protecção dos dados Algoritmos de cifra Sistemas de detecção e prevenção de intrusões Medidas de segurança Devem

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Engenharia de software A economia de todos os países desenvolvidos depende do software. O

Leia mais

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens Página2 Índice Empresa Valores Mercado Serviços Marcas Protocolo Vantagens a. Alunos / Docentes / Funcionários Contrapartidas Pág. 3 Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 7 Pág. 8 Pág. 8 4440-650 Valongo

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Suporte Técnico de Software HP

Suporte Técnico de Software HP Suporte Técnico de Software HP Serviços Tecnológicos HP - Serviços Contratuais Dados técnicos O Suporte Técnico de Software HP fornece serviços completos de suporte de software remoto para produtos de

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS?

PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS? PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS? Um ERP, como qualquer software, pode vir em várias medidas. Quer se chamem soluções, serviços, formatos, ou gamas como no caso da PHC, existem diversas possibilidades para uma

Leia mais

Gerenciador de portas de Switch (es)

Gerenciador de portas de Switch (es) Benefícios para os Negócios Controle Automatizado de Acesso a Portas de Switch(es) de Rede e Hosts Finais A capacidade de planejamento ao acompanhar portas livres, em uso e definidas por usuário. Encontre

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual?

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? RESUMO DO PARCEIRO: CA VIRTUAL FOUNDATION SUITE Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? O CA Virtual Foundation Suite permite

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Tipos de Computadores

Tipos de Computadores Tipos de Computadores A potência de um computador pessoal é medida Pelo tipo de processador (Pentium IV, Celeron, etc.) Pela dimensão da memória RAM Pela capacidade do disco fixo Pela placa gráfica Pela

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Modelos de analise

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Modelos de analise Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Modelos de analise Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 8 de Dezembro de 2013 Fernando

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers Dynamic Data Center A infra-estrutura de suporte às SOA Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers As necessidades do negócio pressionam continuamente as infra-estruturas

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

HP NonStop Server Capacity Planning

HP NonStop Server Capacity Planning HP NonStop Server Capacity Planning Serviços HP Dados técnicos Determinar futuros requisitos de capacidade de hardware para sistemas NonStop de processamento de transações online em constante crescimento

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Supervisão das Politicas de Segurança Computação em nuvem Fernando Correia Capitão-de-fragata

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação

HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação HP ajuda empresas a aumentar a eficiência da gestão de informação Estudo indica que 70 por cento das empresas têm lacunas na abordagem holística à gestão de informação crítica para o seu negócio Lisboa,

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies CUSTOMER SUCCESS STORY CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies EMPRESA A CPD Informática atua com a venda de soluções, serviços, planejamento e gestão de TI, contribuindo

Leia mais

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Junho de 2013 Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos Jacob Ukelson Entrega de aplicativos Sumário Resumo executivo 3 Seção 1: 4 Mudando o cenário de automação

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

CA Network Automation

CA Network Automation FOLHA DE PRODUTOS: CA Network Automation agility made possible CA Network Automation Ajude a reduzir o risco e aprimore a eficiência da TI automatizando o gerenciamento de mudança e da configuração de

Leia mais

Gestão de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI)

Gestão de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI) Introdução ao ITIL ITIL de Serviços Suporte (Concentra-se na execução do dia-a-dia e no suporte a serviços de TI) Service-Desk de Configurações de Incidentes de Problemas de Alterações de Versões de Serviços

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO PORTFOLIO 2014 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas de terceirização, infra-estrutura, suporte,

Leia mais

Hospedagem Virtualizada

Hospedagem Virtualizada Conheça também Desenvolvimento de sistemas Soluções de Segurança Soluções com o DNA da Administração Pública Há 43 anos no mercado, a Prodesp tem um profundo conhecimento da administração pública e também

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DO RENTING VANTAGENS FISCAIS O RENTING REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

CA Infrastructure Management Resolvendo os problemas mais complexos de TI

CA Infrastructure Management Resolvendo os problemas mais complexos de TI CA Infrastructure Management Resolvendo os problemas mais complexos de TI As empresas são confrontadas com iniciativas críticas de TI 1. Transformação das Atividades de TI Reestruturar e consolidar os

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Cópias de Segurança no Akropole Backups

Cópias de Segurança no Akropole Backups Cópias de Segurança no Akropole Backups Cópias de Segurança - Backups As Cópias de Segurança são aquela coisa que todos sabemos que são necessárias mas que nunca nos preocupamos até ao dia em que são precisas.

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM IBM System Storage Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM As organizações sempre se esforçaram para gerenciar o crescimento exponencial de informações

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais