Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas."

Transcrição

1 Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistemas de Gestão Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1. OBJETIVO Nº: PGS Pág.: 1 de 11 Código de Treinamento: NA Necessidade de Treinamento nesta revisão: ( ) Sim ( X ) Não Palavras-chave: Gestão de Saúde, Segurança e Meio Ambiente para Contratadas. O objetivo deste procedimento é estabelecer regras e requisitos gerais mínimos para gestão de Saúde, Segurança e Meio Ambiente de serviços de Empresas Contratadas que realizem trabalho para a Vale Fertilizantes ou qualquer outra operação sob sua ordem. 2. APLICAÇÃO Este procedimento aplica-se a todas as unidades da Vale Fertilizantes e empresas contratadas. 3. REFERÊNCIAS PRO Instruções de Meio Ambiente para Contratadas PRO Instruções de Saúde e Higiene Ocupacional para Contratadas PRO Instruções de Segurança do Trabalho e Higiene Ocupacional para Contratadas PGS Avaliação do Atendimento à Performance das Contratadas PGS Controle de Acessos de Pessoas nas Unidades PGS Comunicação e Análise de Acidentes, Quase Acidentes e Ocorrências Ambientais PGS Permissão de Trabalho PGS Inspeções de Saúde Segurança e Meio Ambiente PGS Analise de Risco da Atividade PGS Treinamento Introdutório de Integração PGS Programa de Gerenciamento de Higiene Ocupacional PGS Diretrizes de Higiene Ocupacional para Elaboração do PPRA/PGR PGS Relatório Técnico dos Agentes Ambientais PGS Gestão dos Equipamentos de Proteção Individual PGS Diretrizes para o Programa de Proteção Respiratória (PPR) 4. DEFINIÇÕES ARA: Análise de Risco da Atividade RC: Requisição de Compra

2 PT: Permissão de Trabalho Nº: PGS Pág.: 2 de 11 Gestor de Contrato: Empregado da área requisitante, designado formalmente pelo seu Gerente Geral, responsável pelo gerenciamento físico/financeiro do objeto do contrato referente a aquisições de serviços e pela garantia da estrita observância das cláusulas contratuais, inclusive no que tange à medição mensal dos serviços contratados e dos indicadores a ele associados, cumprimento de prazos, de custo e de qualidade. Fiscal: Empregado ou contratado da Vale Fertilizantes designado, expressamente, pelo gestor para a fiscalização de obras e/ou serviços contratados no que diz respeito ao cumprimento por parte da contratada de prazos, fornecimentos, qualidade e todas as demais obrigações estabelecidas no contrato. Célula de Contratos: Área responsável pelo suporte ao processo de Gestão de Contratos nas respectivas áreas da Vale Fertilizantes. Preposto: Representante formal da empresa contratada responsável pela implementação deste procedimento nos serviços prestados na Vale Fertilizantes. O Gestor do contrato deve exigir nomeação por escrito do preposto da contratada. Executante: Empregado da empresa contratada que executa (trabalha) a atividade. Visitante: Qualquer pessoa que não esteja executando serviços durante sua permanência na empresa e que esteja acompanhada por um empregado da Vale Fertilizantes ou por um terceiro fixo designado pelo gestor. 5. DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES 5.1 Célula de Contratos Convocar os representantes das áreas de Saúde e Segurança do Trabalho, Segurança Empresarial, Meio Ambiente, da Contratada, Gestor e Fiscal do contrato para a Reunião de Abertura do Contrato. Coordenar a Reunião de Abertura do Contrato, promovendo os esclarecimentos dos procedimentos inerentes de cada área envolvida. Diligenciar o processo de mobilização da empresa contratada junto às áreas envolvidas, assegurando o cumprimento dos prazos de mobilização. Encaminhar o representante da empresa ao Setor de Segurança Empresarial, Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho para esclarecimentos sobre a documentação necessária ao acesso às dependências da Vale Fertilizantes.

3 5.2 - Gestor de Contrato Nº: PGS Pág.: 3 de 11 Apresentar o Escopo Técnico do serviço (Obra, Parada, Manutenção, Montagem e outros). Acompanhar o processo de contratação/compra. Garantir junto à Contratada o cumprimento das exigências contidas no contrato, tais como: qualificação da mão de obra, qualidade técnica dos serviços prestados, fornecimento de materiais de consumo, ferramentas, equipamentos e atendimento às normas do Sistema Integrado de Gestão (SIG), Requisitos Legais e outros aplicáveis pertinentes às questões de Saúde e Segurança do Trabalho e Meio Ambiente. Apresentar à área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da unidade o cronograma das atividades da contratada e histograma. Informar o planejamento do serviço à área produtiva. Garantir à Contratada os treinamentos internos cujas aplicações competem à contratante. Dar apoio e assistência ao fiscal do contrato. Ser o interlocutor do setor frente às outras áreas da Unidade. Definir o fiscal do contrato junto ao gestor da área solicitante ou envolvida na atividade. Identificar as Condições de Risco inerentes às instalações da Unidade de Negócios e, fazer constar no Escopo Técnico. Disponibilizar os Requisitos Técnicos da Organização (Procedimentos Operacionais), Levantamento de Riscos da Unidade de Negócios, Licenças Especiais pertinentes e outros documentos e informações relevante. Assegurar recursos e tecnologia para que as Análises de Risco do Contrato e Análises de Operabilidade do Contrato HAZOP sejam realizadas para todas as fases pertinentes e que o tratamento das necessidades de adequação seja formalmente documentado, endereçado, analisado criticamente, medido e monitorado quantitativamente quanto ao encerramento das pendências. Não permitir que a mobilização dos funcionários da contratada ocorra sem que os requisitos específicos de Saúde, Segurança e Meio Ambiente estejam atendidos de modo integral. Monitorar o desempenho das atividades desenvolvidas pelas empresas, informar e reforçar o comportamento quanto aos requisitos de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Vale Fertilizantes. Informar as contratadas com contratos superiores a 12 meses ou que se enquadrem nas diretrizes descritas no PGS , que as mesma passarão por avaliação de performance de atendimento as Normas Regulamentadoras. Assegurar que os desvios de Saúde, Segurança e Meio Ambiente sejam registrados e tratados de modo a eliminar e minimizar os potenciais riscos. Assegurar recursos humanos competentes em Saúde, Segurança e Meio Ambiente para monitorar, avaliar consistência, aplicação e desenvolvimento das Análises de Risco dos processos, das PT Permissões de Trabalho e, quanto a disponibilidade formal em campo, para atender a premissa de prevenção de acidentes.

4 Nº: PGS Pág.: 4 de 11 Assegurar que a atividade em execução pela empresa contratada sejam paralisadas até que seja efetivada a regularização, todas a vezes que as avaliações de riscos, permissões para trabalho, a execução não estiverem em conformidade com os procedimentos e requisitos definidos para os serviços. Notificar a contratada, formalmente, encaminhando cópia à Gerência de Suprimentos de Serviços e Contratos Correntes e a Gerência de Serviços Financeiros (em caso de suspensão de pagamento) quando da detecção de não cumprimento das exigências contratuais, seja por não atendimento às questões técnicas ou aspectos de Saúde, Segurança e Meio Ambiente. Realizar reuniões trimestrais com a participação de todas as contratadas ligadas ao Gestor para avaliar a performance de Saúde, Segurança e Meio Ambiente e definir novas diretrizes. Realizar acompanhamento mensal dos indicadores de Saúde, Segurança e Meio Ambiente de cada contratada Fiscal de Contrato Acompanhar a execução dos serviços, a fim de que as contratadas atendam aos itens acordados em contrato, bem como exigir que a Contratada empregue métodos seguros aos seus empregados e ao meio ambiente na realização das atividades. Auditar e inspecionar o contrato de modo a garantir o cumprimento irrestrito do mesmo; Conhecer o instrumento contratual e seus anexos; Verificar, com os demais setores da Vale Fertilizantes, se a Contratada está dentro dos padrões exigido pelas Legislações Vigentes. Paralisar as atividades em execução tão logo identifique exposição de risco aos empregados relatar ao Gestor de contrato toda e qualquer irregularidade detectada no decorrer da execução dos serviços. Fiscalizar comissionamento e descomissionamento das instalações. Fiscalizar e orientar a Contratada quanto à: Condição de segurança do local onde serão realizados os serviços; Atendimento à norma de retirada de PT; Orientação a Contratada quanto ao cumprimento das normas/recomendações de segurança; Utilização permanente de EPI nos locais exigidos; Identificação e isolamento dos locais perigosos; Atendimento a Instrução interna sobre Coleta Seletiva; Atendimento ao PGS Comunicação e análise de acidentes e quase acidentes e Ocorrências Ambientais; Atendimento a PRO Instruções de Meio Ambiente para Contratadas; Atendimento a PRO Instruções de Saúde e Higiene Ocupacional para Contratadas; Atendimento a PRO Instruções de Segurança do Trabalho para Contratadas;

5 Nº: PGS Pág.: 5 de 11 PGS Avaliação do Atendimento à Performance das Contratadas; PGS Analise de Risco da Atividade ARA. Acompanhar a entrada e saída de todos os equipamentos, ferramentas e materiais de propriedade da Contratada; Áreas e demais empregados envolvidos: Garantir que os recursos humanos, quando indicados diretamente para uma condição especifica ou em cumprimento dos Procedimentos da Vale Fertilizantes, monitorem, informem, registrem e auxiliem no cumprimento dos Procedimentos Internos pertinentes, para atender a premissa de prevenção de acidentes; Comunicar ao superior imediato toda e qualquer violação às Regras de Saúde, Segurança e Meio Ambiente estabelecido pela Organização identificada durante as fases operacionais do Contrato Contratadas e subcontratadas Assegurar a disponibilização de recursos materiais, humanos, técnicos e financeiros, para que o Escopo Técnico seja fielmente cumprido, em atendimento aos requisitos da Vale Fertilizantes. Assegurar e garantir que as operações e atividades desenvolvidas pela contratada cumpram aos requisitos internos estabelecidos pela Vale Fertilizantes, requisitos legais, requisitos técnicos, acordos, convenções e outros termos regulatórios; Agendar visita junto ao gestor/fiscal do contrato para levantamento de dados para elaboração do documento do PPRA/PGR. Encaminhar mensalmente (até 1 dia útil de cada mês) os indicadores de segurança; Compete à contratada: Zelar pelas condições de segurança do local onde serão realizados os serviços; Orientar seus empregados para o atendimento à norma de retirada de PT; Fazer cumprir as normas/recomendações de segurança; Garantir a utilização de EPI s pelos seus empregados; Garantir a identificação e isolamento dos locais perigosos; Garantir o atendimento a Instrução interna sobre Coleta Seletiva; Atender o PGS Comunicação e análise de acidentes e quase acidentes; Atender a PRO Instruções de Meio Ambiente para Contratadas; Atender a PRO Instruções de Saúde e Higiene Ocupacional para Contratadas;

6 Nº: PGS Pág.: 6 de 11 Atender a PRO Instruções de Segurança do Trabalho para Contratadas; PGS Programa de Gerenciamento de Higiene Ocupacional; PGS Diretrizes de Higiene Ocupacional para Elaboração do PPRA/PGR; PGS Relatório Técnico dos Agentes Ambientais; PGS Gestão dos Equipamentos de Proteção Individual; PGS Diretrizes para o Programa de Proteção Respiratória (PPR). Tomar ciência da PGS Avaliação do Atendimento à Performance das Contratadas. Garantir que as máquinas e equipamentos a serem mobilizados para execução do objeto contratual estejam em condições satisfatórias de conservação e com manutenção regular rastreável, apresentando ao Fiscal do contrato documentos comprobatórios quando este solicitar. Desenvolver de modo adequado às avaliações e análises de riscos pertinentes ao Contrato em questão de modo a atender aos requisitos da Vale Fertilizantes. Apresentar os resultados de desempenho de Saúde, Segurança e Meio Ambiente, inerentes ao serviço em questão nas reuniões, bem como, monitorar os indicadores de desempenho estabelecidos pela Vale Fertilizantes. Garantir que as Auditorias conforme PGS Avaliação do Atendimento à Performance das Contratadas sejam conduzidas e realizados em suas operações. Garantir que os Planos de Manutenção de máquinas e equipamentos estejam disponíveis e em curso previamente a mobilização das mesmas nas dependências da Vale Fertilizantes. Garantir e manter os procedimentos operacionais específicos e pertinentes as suas operações, para que seja possível manter o entendimento dos seus empregados quanto ao desenvolvimento de uma prática operacional específica. Assegurar que a atividade seja paralisada até a sua adequação formal todas as vezes que as Avaliações de Risco, Permissões de Trabalho, e outros documentos pertinentes não estiverem adequadamente desenvolvidas ou que não estiverem disponíveis no local. Garantir que as atividades sejam paralisadas e não sejam reiniciadas até a normalização dos efeitos naturais como vento, chuvas, raios e formação de tempestades que possam comprometer a integridade física das pessoas. Assegurar que subcontratadas sejam sistematicamente monitoradas, inspecionadas e auditadas, quanto aos requisitos estabelecidos pela Vale Fertilizantes e os que foram formalmente estabelecidos. Fazer uso dos Procedimentos de Gestão de Saúde, Segurança e Meio Ambiente estabelecidos pela Vale Fertilizantes e consultar o Gestor de Contrato, sempre que eventuais dúvidas se apresentem, para que não se dê prosseguimento a condições não pertinentes e adequadas quanto à conduta.

7 Nº: PGS Pág.: 7 de 11 Garantir que as condições do Canteiro de Obras, Pipe Shop, Banheiros, Vestiários, Áreas de Banho, Restaurantes, Escritórios, Estacionamentos, Áreas de Carga e Descarga, Estações de Coleta de Resíduos, Estações de Tratamento de Efluentes, Lançamento de Esgoto, Armazenamento de Resíduos, Áreas de Estocagem e Armazenamento, Escritórios atendam de modo irrestrito os requisitos da Vale Fertilizantes e Requisitos Legais. Designar e formalizar com a contratante no início do contrato os Responsáveis Técnicos legais para as atividades desenvolvidas pela contratada nas unidades da Vale Fertilizantes conforme requisitos legais aplicáveis. Providenciar a emissão de ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) para todas as atividades pertinentes a serem desenvolvidas pela contratada nas unidades da Vale Fertilizantes. Encaminhar para a fiscalização da Contratante. Providenciar todos os documentos legais necessários para atividades desenvolvidas pela contratada nas unidades da Vale Fertilizantes e apresentá-los para aprovação da área saúde, segurança e meio ambiente local antes do início das atividades. Garantir as condições de saúde dos empregados SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE Ministrar treinamento de integração das contratadas nos processos de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Vale Fertilizantes Elaborar cronograma anual de auditorias (avaliação de performance) em Saúde, Segurança e Meio Ambiente para contratadas; Informar todos os procedimentos de saúde, segurança e meio ambiente, normas, políticas e documentos internos à empresa contratada; Ministrar treinamentos específicos e/ou reciclagens relativos aos procedimentos de Saúde, Segurança e Meio Ambiente sempre que se fizer necessário; Juntamente com o fiscal de contrato e preposto, auditar empresas contratadas conforme cronograma estabelecido; A área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente de projetos, quando necessário, deve acompanhar as visitas técnicas nas instalações da Vale Fertilizantes realizadas pela contratada antes do início das atividades, visando esclarecer eventuais dúvidas; Interditar a sequência dos trabalhos quando identificado a existência de risco grave e iminente GENERALIDADES Qualificação administrativa de Saúde, Segurança E Meio Ambiente: No início da vigência contratual, e a cada ano, sempre no primeiro dia do mês de janeiro, a Vale Fertilizantes divulgará a Taxa de Frequência de Acidentes com e sem Afastamento (TRIFR) a ser

8 Nº: PGS Pág.: 8 de 11 observada para o respectivo ano, a qual será assumida automaticamente como parâmetro a ser seguido pela contratada na prestação dos serviços. O maior patamar da meta sempre significará uma melhoria em relação ao resultado do ano anterior, e deverá ser cumprida em sua totalidade pela contratada. A TRIFR medirá a quantidade de acidentes ocorridos por homem/hora/trabalhada, considerando empregados próprios e prestador de serviços. Serão contabilizados todos os acidentes que resultarem em fatalidades, afastamentos, restrições e tratamento médico por meio do seguinte critério: Fórmula de cálculo TRIFR = {([FAT] + [LWC] + [RWC] + [MTC])/ [MHW]} * FAT: acidente fatal; LWC: acidente com afastamento; RWC: acidente com restrição ao trabalho; MTC: acidente com tratamento médico; HHT: horas homem trabalhadas. O não cumprimento da TRIFR acumulada em determinado mês, a ocorrência de um acidente fatal ou ambiental significativo, serão considerados como inadimplência e implicarão na aplicação das multas previstas em contrato conforme minutas contratuais. A área de Suprimentos de Serviços e Projetos Correntes deverá disponibilizar para as contratadas os procedimentos aplicáveis para cumprimentos das normas de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Vale Fertilizantes. As empresas que sejam subcontratadas e contratadas que, devida a uma necessidade específica para prestação do serviço, devem ser indicadas para o processo de seleção e avaliação, que poderá ser aprovada ou não a participação no contrato ou obra, em função do seu desempenho de gestão de Saúde, Segurança e Meio Ambiente PROCESSO DE EXECUÇÃO DO SERVIÇO Pré e início das Atividades Detalhamento das atividades: Após a definição da empresa contratada para o serviço, esta deverá enviar toda documentação necessária ao Gestor do Contrato. Deverá seguir as diretrizes e fluxo do procedimento PGS Controle de Acessos de Pessoas nas Unidades.

9 Nº: PGS Pág.: 9 de 11 No caso de falta de algum documento que impossibilite o tramite do processo, o Gestor é responsável por executar a cobrança junto à empresa contratada. As documentações enviadas pelas contratadas deverão ser verificadas pela área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente, onde deverão conter as assinaturas de liberação dos documentos. A área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente local é responsável por avaliar os documentos previstos aplicáveis para cumprimentos as normas de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Vale Fertilizantes para contratadas. Não serão imitidos os crachás aos empregados da contratada, caso haja alguma irregularidade encontrada nas documentações pertinentes a Saúde, Segurança e Meio Ambiente. Após o treinamento de integração, a área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente encaminha para Contratada e para o fiscal do contrato a relação de aprovados. No caso de treinamentos específicos, deve ser considerada a carga horária adicional a cada treinamento pertinente o serviço a ser realizado. A Unidade deve estabelecer sistemática de avaliação/autorização de entrada de todos os materiais equipamentos, máquinas, ferramentas e Equipamentos de Proteção Individual das empresas contratadas antes de permitir a mobilização dos mesmos para o interior da unidade. Deve ser verificado o atendimento aos padrões da Vale Fertilizantes e legislação aplicável para a aprovação de materiais e equipamentos, bem como se os mesmos possuem, quando aplicável, planos de manutenção e formulário de inspeção. Somente após contrato assinado, documentações pertinentes entregues e aprovadas e os treinamentos efetuados, a empresa contratada poderá dar início aos trabalhos de execução na área industrial. Todos os visitantes de unidades industriais deverão receber uma orientação antes de acessar as áreas da Vale Fertilizantes com validade de 6 meses, desde que não fique mais de 30 dias sem acessar a área do site. O conteúdo básico desta orientação será: Principais riscos da unidade Descarte adequado de resíduos Atuação em caso de emergência Deslocamento interno da unidade Sinalização Velocidade máxima permitida Uso de crachá Regras de fumo Uso de EPIs Uso do Celular Uniformes e vestimentas Calçados permitidos Requisitos mínimos para acesso à área industrial, laboratórios ou ao campo

10 Proibição de porte de armas Identificação prévia de equipamentos e produtos químicos Uso de máquinas fotográficas ou filmadoras Realização do Serviço Nº: PGS Pág.: 10 de 11 A Vale Fertilizantes conta com uma série de procedimentos e controles que devem ser aplicados durante a execução do serviço para garantia de sua melhor aplicação em tempo e custo, prevenindo perdas e acidentes relacionados à Saúde, Segurança e Meio Ambiente. Essa orientação deverá ser cobrada do preposto e dos supervisores no decorrer da execução dos serviços. Sempre que houver mudança de pessoal, estes novos deverão ser treinados antes de iniciarem as atividades. Antes do início dos serviços deverá ser elaborada a ARA (conforme diretriz do procedimento específico para Analise de Risco da Atividade) com a presença dos representantes da contratada, da equipe de Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Gestor/Fiscalização do serviço. Todos os executantes que farão parte do serviço devem ser treinados. A Unidade deve definir e implementar em conjunto com a empresa contratada o planejamento e execução das auditorias formais conforme PGS Avaliação do Atendimento à Performance das Contratadas Inspeções A contratada deverá estabelecer cronograma anual para a realização das inspeções conforme o PGS Inspeções de Saúde Segurança e Meio Ambiente, deverá ser identificados desvios e/ou oportunidades de melhoria quanto às condições de segurança das máquinas, equipamentos e condições das áreas industriais Resultados esperados Que as empresas contratadas tenham em seus processos uma gestão ativa de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Matriz de indicadores

11 6. REGISTROS ANEXOS Anexo 1 - Critérios para entrada de contratadas 8. ELABORADORES Nº: PGS Pág.: 11 de 11 DIRETORIA NOME MATRÍCULA DIHB Alex Clementino Ferreira DIHB Ana Lucia Taveira DIHB Alan Carlos de Castro Carvalho DIHB Andrea Maria Cardoso Manarte DIHB Luciana Ramos

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Planejamento, Programação e Controle Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Conceitos Gerais Planejamento formal, que compreende, normalmente 5 fases: Estudo de viabilidade técnica, econômica e financeira; Projeto

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar:

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar: O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? A expressão APR significa Análise Preliminar de Risco é muito utilizada no dia-a-dia dos profissionais da área de segurança e saúde do trabalho. APR é uma técnica

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Manarte Coordenação Técnica de Saúde e Necessidade de Treinamento nesta revisão: Higiene Ocupacional. ( )Sim ( X )Não

Manarte Coordenação Técnica de Saúde e Necessidade de Treinamento nesta revisão: Higiene Ocupacional. ( )Sim ( X )Não Nº: PGS-3209-46-24 Pág.: 1 de 22 Responsável Técnico: Andrea Maria Cardoso Código de Treinamento: N/A Manarte Coordenação Técnica de Saúde e Necessidade de Treinamento nesta revisão: Higiene Ocupacional.

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ESCOPO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 3.1. EPI S... 2 3.2 UNIFORMES... 2 3.3 FICHA DE CONTROLE DE EPI S E UNIFORMES... 2 3.4 GESTORES... 2 3.5 ASSOCIADOS... 2 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR CAPÍTULO FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º - As normas que seguem visam orientar a comunidade acadêmica quanto aos procedimentos que devem ser observados

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA. Unidade Florestal PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece

Leia mais

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores A Cisco Systems, Inc. (Cisco) tomará todas as medidas práticas e razoáveis para garantir a segurança do local de trabalho

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br [ Soluções integradas de Engenharia e Gestão para Processos Industriais ] [ apresentação ] A NEVES DO BRASIL Fundada em 2008 com sua unidade matriz em Americana (SP) a Neves do Brasil busca fornecer soluções

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

BINACIONAL ALCÂNTARA CYCLONE SPACE

BINACIONAL ALCÂNTARA CYCLONE SPACE N.º: PRO-0001-DG BR- GSA Página 1 de 5 Responsabilidade Técnica: Josildo L. Portela - Gerência Socioambiental Necessidade de Treinamento: Sim Público-alvo: Responsáveis por veículos a Diesel, Gestores

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 13 Contratos Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão Integral do PO Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO 01/06 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Definir normas para elaboração dos contratos de aquisição de materiais, prestação de serviços gerais e prestação de serviços e obras de engenharia. 1.2 Normatizar os procedimentos

Leia mais

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom 1. OBJETIVO Este documento tem como objetivo descrever a metodologia para o Controle de Acesso, Entrada e Saída de Clientes Dentro ou Fora do Ambiente Housing., bem como a metodologia para o recebimento

Leia mais

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS)

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS) FINALIDADE: Esta norma por finalidade normatizar a realização de eventos, tanto da própria SMCC (Diretoria ou Departamentos e Comitês Científicos da SMCC) quanto eventos de terceiros, realizados nas dependências

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS Pág.: 1/9 1. OBJETIVO Demonstrar a aplicabilidade e funcionalidade das ferramentas de Planejamento e Desenvolvimento de Produtos e Projetos bem como as tarefas e responsabilidades para a aprovação, o desenvolvimento,

Leia mais

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa.

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa. Responsável Técnico: Eduardo Machado Homem Gerência de Segurança do Trabalho Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1 OBJETIVO Nº: PRO-3209-74-24-03

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

Instruções para se fazer o estágio obrigatório

Instruções para se fazer o estágio obrigatório Instruções para se fazer o estágio obrigatório 1. O estágio é obrigatório para se concluir o curso de Publicidade O estágio obrigatório está previsto no Projeto Pedagógico do curso de Publicidade e Propaganda

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA

ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA ANEXO 01 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ÁGUA POTÁVEL POR CAMINHÃO PIPA SERVIÇO FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS TIPO CAMINHÃO PIPA COM CAPACIDADE DE TRANSPORTE DE 9.000 A

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO 25/03/203 PSP-0. INTRODUÇÃO O Procedimento de Controle de Acesso tem como objetivo orientar e padronizar o procedimento de acesso de pessoas as fábricas, garantindo que somente pessoas autorizadas possam

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA A B C D E OBJETO O presente Termo de Referência tem como objeto o fornecimento parcelado de combustíveis à frota dos veículos oficiais do Conselho Regional de Medicina do

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO 1 PRODUTOS 1.1 Serviço de manutenção preventiva mensal e corretiva, quando necessário, para o elevador da Unidade Operacional da Anatel no Estado de Santa Catarina UO031, situada à Rua Saldanha Marinho,

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 Prezados Senhores, Brasília, 28 de novembro de 2012. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, no âmbito do Projeto BRA/04/044 - Implementação de

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM As empresas prestadoras de serviços (construção e/ou manutenção

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais