WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION"

Transcrição

1 WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION

2 SUMÁRIO ISVs e cmputaçã em nuvem... 2 Breve visã geral d Windws Azure... 3 Tecnlgia... 3 Mdel cmercial... 6 Usand Windws Azure: algumas pções para ISVs... 7 Usand armazenament em nuvem pr seu aplicativ lcal... 7 Cmbinand cmputaçã em nuvem cm seu aplicativ lcal... 7 Cm criar uma versã d seu aplicativ SaaS... 8 Frnecend serviçs de suprte a platafrmas em nuvem Cmparand Windws Azure cm alternativas Hspedagem tradicinal VMs sb demanda Cnclusões Sbre autr

3 ISVS E COMPUTAÇÃO EM NUVEM Pr que um frnecedr independente de sftware (ISV) deveria se precupar cm a cmputaçã em nuvem? A respsta é simples: usar a nuvem tem ptencial de aumentar as receitas ISV e/u reduzir seus custs. Executar códigs e armazenar dads em cmputadres em grandes data centers acessíveis pela Internet de prpriedade de utra pessa pde ferecer grandes vantagens. Qualquer pessa respnsável pr traçar curs de um ISV deve pensar seriamente sbre cm a cmputaçã em nuvem irá afetar seus negócis. Uma pçã para um ISV buscand se beneficiar cm a nuvem é explrar Windws Azure. Prjetad para suprtar aplicativs altamente escalnáveis e cnfiáveis, Windws Azure é a principal tecnlgia da platafrma em nuvem da Micrsft. Este artig fala sbre cm e pr que s ISVs pdem usar Windws Azure. O bjetiv é esclarecer pr que a cmputaçã em nuvem é imprtante para ISVs e ilustrar cm eles pdem usar esta nva platafrma. Antes de mergulhar n tema, vale a pena resumir algumas das principais ideias. Aqui estã s pntschave para cmpreensã: A meta principal d Windws Azure é ser uma platafrma na qual s ISVs pdem criar Sftware cm um aplicativ de Serviç (SaaS). Os clientes estã cada vez mais interessads em ter uma pçã de SaaS para s sftwares que cmpram. Para satisfazer esta demanda e manter ritm cmpetitiv, muits ISVs esclherã ferecer uma versã SaaS de seus prduts atuais u futurs. A criaçã de um aplicativ SaaS exige a cnstruçã de um ambiente altamente escalnável, serviçs altamente cnfiáveis baseads em nuvem que pdem ser usads simultaneamente pr muitas rganizações de clientes. Cnstruir sua própria base para iss nã faz mais sentid d que escrever seu própri sistema peracinal para um aplicativ lcal. Assim cm Windws frnece uma base para aplicativs tradicinais lcais, Windws Azure pde frnecer uma base para aplicativs SaaS. A cmputaçã em nuvem nã precisa ser uma prpsta de tud u nada, assim cm s aplicativs SaaS nã sã a única pçã. Um aplicativ lcal existente pde ser melhrad cm funcinalidades baseadas em nuvem, cm a execuçã de algum códig u armazenament de um subcnjunt de dads n Windws Azure. Esta abrdagem gradual n us de uma platafrma em nuvem pde ecnmizar dinheir e melhrar a funcinalidade d aplicativ atual. Ele também pde frnecer uma pçã de baix risc para ganhar experiência cm este nv tip de tecnlgia. Platafrmas em nuvem nã sã úteis smente para as empresas que criam aplicativs para usuári final. Se vcê é um ISV que frnece infraestrutura de cmplements u auxílis para desenvlvedres de ambiente Windws lcal, é prvável que vcê também pssa encntrar prduts cm valr agregad para criar para Windws Azure. Quant mais a cmputaçã se cnverge para a nuvem, mais prvável é que encntrar essas nvas fertas seja uma frma imprtante de manter seu flux de receita. Uma platafrma em nuvem cm Windws Azure é diferente da hspedagem tradicinal. De uma perspectiva técnica, Windws Azure frnece uma administraçã mais simples, bem cm serviçs prjetads para criar aplicativs escalnáveis e cnfiáveis. As diferenças cmerciais incluem um cmprmiss inicial mínim e caminhs mais fáceis para aumentar e reduzir s recurss cmputacinais que seu aplicativ utiliza. Essas diferenças significam que Windws Azure pde, ptencialmente, frnecer melhr tecnlgia e menr cust para aplicativs de ISVs. Inicialmente, Windws Azure prvavelmente será usad para ferecer suprte a aplicativs atuais em nuvem. É imprtante ressaltar, n entant, que as platafrmas em nuvem ferecem serviçs jamais vists anterirmente, cm acess a um grande númer de CPUs baratas e armazenament de dads altamente escalnável. Juntamente cm a base d mund que já cnhecems, devems esperar para ver ISVs criativs encntrarem frmas de fazer cisas ttalmente nvas cm este nv tip de platafrma. 2

4 BREVE VISÃO GERAL DO WINDOWS AZURE Tmar bas decisões sbre cm usar Windws Azure requer um cnheciment básic da platafrma. Esta seçã frnece uma visã geral da tecnlgia e seu mdel cmercial assciad. TECNOLOGIA O Windws Azure tem três partes principais: um serviç de Cmputaçã que executa aplicativs, um serviç de Armazenament que armazena dads e uma Malha que suprta s serviçs de Cmputaçã e Armazenament. A Figura 1 mstra a divisã. Figura 1: O Windws Azure tem três partes principais: O serviç de Cmputaçã, serviç de Armazenament e a Malha da qual s dis dependem. Para usar serviç de cmputaçã, desenvlvedr cria um aplicativ n Windws. Este aplicativ pde ser escrit usand C# e.net Framewrk, usand C++ e as APIs d Win32 u de alguma utra maneira. Nã imprta cm fi criad, aplicativ deve ser implementad cm funções da Web, funções d Trabalhadr u ambas. A Figura 2 ilustra essa ideia. Figura 2: Os aplicativs baseads n serviç de Cmputaçã d Windws Azure pdem cnsistir em instâncias de funçã da Web, funçã d Trabalhadr u nas duas. 3

5 Cm nme sugere, uma instância de funçã da Web aceita slicitações da Web. Ela pde ser criada usand ASP.NET u utra tecnlgia que funcine cm Serviçs de Infrmações da Internet (IIS). Seja qual fr a tecnlgia utilizada, Windws Azure frnece hardware de balanceament de carga integrad a tdas as instâncias de funçã da Web em um aplicativ específic. Para funções que nã se destinam a respnder diretamente às slicitações da Web, um aplicativ d Windws Azure também pde cnter instâncias de funçã d Trabalhadr. Uma instância de funçã d Trabalhadr é apenas um aplicativ d Windws cm um main(), que pde funcinar indefinidamente. Entre utras cisas, este mdel permite a criaçã de aplicativs escalnáveis em que instâncias de funçã da Web aceitam slicitações e depis transmitem-nas para as instâncias de funçã d Trabalhadr para que sejam prcessadas. E, enquant as duas instâncias, de funçã da Web e de funçã d Trabalhadr, sã aplicativs cmuns d Windws, algumas cisas, cm lg, requerem acess diret a Windws Azure. Para permitir iss, s aplicativs pdem chamar diretamente um agente d Windws Azure, cm mstra a Figura 2. Observe que cada instância, de funçã da Web u de funçã d Trabalhadr, é executada dentr de sua própria máquina virtual (VM). Ist prprcina islament, permitind que s aplicativs d Windws Azure sejam executads cm cnfiança ttal, e também permitind uma visã clara d desempenh ds mesms, já que nã há um mapeament definid entre máquinas virtuais (VMs) e núcles d prcessadr. Mas um desenvlvedr nã cria explicitamente as VMs. Em vez diss, ele carrega um aplicativ para Windws Azure, juntamente cm um arquiv de cnfiguraçã XML que especifica quantas instâncias de funçã da Web e quantas instâncias de funçã d Trabalhadr deveriam ser executadas. Feit iss, Windws Azure cria númer necessári de VMs e mnitra sua execuçã. Se uma instância falhar, Windws Azure iniciará uma nva, certificand-se de que númer especificad de instâncias de funçã da Web e de funçã d Trabalhadr esteja sempre funcinand. (Este trabalh é feit pel Cntrle de Malha, sftware que está n cmand de tdas as máquinas em uma instância específica da Malha.) Para aumentar u diminuir númer de instâncias em execuçã, prprietári de um aplicativ pde alterar valr para qualquer tip de instância nas cnfigurações d aplicativ. O Windws Azure cria u desliga autmaticamente as máquinas virtuais (VMs) para crrespnder a esta nva cnfiguraçã. Uma vez que s aplicativs d Windws Azure sã, essencialmente, aplicativs d Windws, nã deveria ser surpresa que s desenvlvedres pssam criá-ls cm Visual Studi. Esta ferramenta frnece mdels para a criaçã de aplicativs em nuvem cm funções da Web, funções d Trabalhadr u as duas. O Windws Azure também frnece uma Malha de Desenvlviment, que é uma cópia d Windws Azure, executad em uma máquina lcal. Os desenvlvedres pdem usar iss para criar seus códigs e fazer testes iniciais, e em seguida, carregar aplicativ n Windws Azure quand ele estiver prnt. Os aplicativs geralmente precisam de armazenament persistente e pr iss Windws Azure frnece seus própris mecanisms baseads em nuvem para armazenar e recuperar dads. A platafrma ferece três pções de armazenament, tdas acessadas via HTTP GETs, PUTs e DELETEs padrã. A Figura 3 ilustra iss. 4

6 Figura 3: O serviç de armazenament d Windws Azure pde ser acessad pr aplicativs d Windws Azure u pr aplicativs executads em utrs lugares. Os três tips de armazenament d Windws Azure sã: Blbs: permitem armazenar bjets bináris grandes, cm vídes e imagens. Tables: frnecem um alt armazenament escalnável nas entidades de base (nã em tabelas relacinais). Queues: permitem envi e recebiment de mensagens entre instâncias de funçã da Web e instâncias de funçã d Trabalhadr d aplicativ. É imprtante ressaltar que esses três também pdem ser acessads pr aplicativs que nã estã send executads n serviç de Cmputaçã d Windws Azure. Pr exempl, um aplicativ lcal u hspedad pde ptar pr armazenar grandes arquivs de víde cm Blbs d Windws Azure. A platafrma Windws Azure também inclui Banc de dads SQL Azure (anterirmente cnhecid cm SQL Data Services). O banc de dads SQL Azure ferece armazenament relacinal padrã basead em SQL Server, cmplet cm prcediments de armazenament e muit mais. Embra um únic banc de dads n Banc de dads d SQL Azure nã pssa cnter tanta infrmaçã quant um únic Windws Azure Strage table, essas bases de dads ferecem um mdel de armazenament familiar, acessível pr mei d ADO.NET e utrs mecanisms amplamente utilizads para acess a dads. Para bter uma visã mais detalhada d Windws Azure, cnsulte Apresentand Windws Azure. Para bter um levantament de tda a platafrma Windws Azure (anterirmente cnhecida cm Platafrma de serviçs Azure), cnsulte Apresentand a Platafrma de Serviçs Azure: Uma visã inicial d Windws Azure, Serviçs.NET, Serviçs SQL e Serviçs d Live. 5

7 MODELO COMERCIAL A principal atraçã de uma platafrma em nuvem, e uma de suas maires diferenças em relaçã à hspedagem tradicinal, é a tarifaçã baseada n cnsum. Cm as hspedagens tradicinais u em um data center intern, prprietári de um aplicativ nrmalmente paga pr um cnjunt específic de máquinas, pr um períd fix de temp. Para aplicativs cm carga variável, este cnjunt fix deve ser grande suficiente para lidar cm pic mais alt, que significa que a capacidade nã é usada em mments fra d pic. Platafrmas em nuvem nã sã bem assim. Cm Windws Azure, pr exempl, prprietári de um aplicativ paga pels recurss de cmputaçã e armazenament que utiliza. Quand a carga d aplicativ fr leve, ele pderá slicitar, pr exempl, três instâncias de funçã da Web e duas instâncias de funçã d Trabalhadr. Quand a carga fr pesada, ele pderá elevar sua slicitaçã para seis instâncias de funçã da Web e quatr instâncias de funçã d Trabalhadr. Em ambs s cass, prprietári d aplicativ paga apenas pels recurss que seu aplicativ está utilizand. O sistema de preçs d Windws Azure é relativamente simples, cm três variáveis principais: temp de cmputaçã, armazenament de dads e acess, e largura de banda transferida para dentr e para fra. Para calcular temp, é cbrad d prprietári d aplicativ um valr fix para cada hra que uma VM está em execuçã. Para dads, há uma taxa fixa pr gigabyte pr mês, junt cm uma taxa de perações cntra s dads armazenads, cm GETs e PUTs. Para largura da banda, prprietári d aplicativ paga um valr fix pr gigabyte de dads transferids dentr u fra de um data center Windws Azure. (Nã há, entretant, tarifas de largura de banda para acess as dads em um data center.) As taxas sã: Cmputaçã = US$ 0,12/hra para cada máquina virtual (VM) em execuçã Armazenament = US$ 0,15/GB armazenad pr mês, US$ 0,01/ perações ds dads armazenads Largura de Banda = US$ 0,10/GB recebids, US$ 0,15/GB enviads Os aplicativs d Windws Azure também pdem usar banc de dads SQL Azure para armazenament. Mais uma vez, a cbrança é baseada n us, cm duas variáveis: quantidade de dads armazenads e quantidade de dads enviads u recebids de um data center d Windws Azure. As taxas sã: Web Editin: US$ 9,99/mês para um banc de dads relacinal cm até 1 GB de armazenament Business Editin: US$ 99,99/mês para um banc de dads relacinal cm até 10 GB de armazenament Largura de Banda = US$ 0,10/GB recebids, US$ 0,15/GB enviads Embra nã esteja dispnível n lançament inicial da platafrma, a Micrsft diz que ferecerá, eventualmente, descnts baseads n cmprmiss. Clientes dispsts a cmprmeterem-se a níveis específics de us mínim verã seus encargs reduzids. Os cmprmisss ajudam plan da Micrsft de frma mais eficiente e, assim, s descnts refletem esses custs mais baixs. Assim cm acntece cm suas utras fertas, a Micrsft também tem um prgrama de parceria para Windws Azure. Parte diss é QuickStart Azure, que frnece um lcal central para ISVs e utrs parceirs para cmeçarem a explrar a platafrma Windws Azure e se cnectarem à Micrsft e a utrs clientes que usam esta platafrma. A empresa também tem uma ferta de Aceleraçã de Desenvlviment, que ferece as ISVs dispsts a firmar um cmprmiss de seis meses, descnts para desenvlvedres n us da platafrma Windws Azure. Fóruns, suprte pr telefne e utrs serviçs tradicinais também estã dispníveis, refletind entendiment da Micrsft sbre papel fundamental que s ISVs pssuem em trnar Windws Azure um sucess. 6

8 USANDO O WINDOWS AZURE: ALGUMAS OPÇÕES PARA ISVS Para descbrir se uma platafrma em nuvem pde melhrar seu negóci, é precis pensar em cm vcê pderia utilizá-la. Pr iss, esta seçã analisa algumas das principais frmas em que s ISVs pdem usar Windws Azure. USANDO ARMAZENAMENTO EM NUVEM POR SEU APLICATIVO LOCAL Talvez a maneira mais simples de um aplicativ ISV usar Windws Azure seja armazenament de dads. Cm mencinad anterirmente, Windws Azure Strage pde ser acessad pr aplicativs lcais, bem cm pels aplicativs Windws Azure. Pr exempl, um aplicativ que atualmente faz backups para sistemas lcais de armazenament pde, em vez diss, ptar pr usar s blbs Strage d Windws Azure. Iss pde melhrar a cnfiabilidade d backup, pis cm tud n Windws Azure Strage, s blbs sã replicads pel mens três vezes. Ele também pde reduzir s custs, pr cnta das ecnmias de escala frnecidas pels grandes centrs de dads da Micrsft. Ou pense em um aplicativ que frnece grandes quantidades de dads para seus usuáris: vídes, arquivs de áudi u qualquer utra cisa. Em vez de armazenar s dads lcalmente, aplicativ pde ptar nvamente pr usar s blbs Strage d Windws Azure para bter mair dispnibilidade, menr cust u ambs. E Windws Azure Strage nã é a única pçã. Usand banc de dads SQL Azure, um aplicativ também pde armazenar dads relacinais em nuvem. Pr exempl, um aplicativ que precisa cmpartilhar um cnjunt de tabelas relacinais pr mei de várias instâncias em execuçã em diferentes lcais pde ser beneficiad pr ter s dads acessíveis em um só lugar. Existem algumas limitações: pr exempl, um únic banc de dads n banc de dads d SQL Azure, nã pde exceder dez gigabytes. Send assim, este serviç nã é exatamente cm usar SQL Server na nuvem. Ainda assim, existem algumas vantagens ptenciais. Grande parte d trabalh necessári para administrar um banc de dads é eliminada cm banc de dads SQL Azure, uma vez que a Micrsft faz iss pr vcê. A dispnibilidade de seus dads também aumenta, uma vez que, cm Windws Azure Strage, banc de dads SQL Azure armazena três cópias de tds s dads para se prteger cntra falhas de hardware. O cust desse armazenament pde ser ainda mais baix d que armazenament lcal, especialmente para rganizações menres. Usar a platafrma em nuvem da Micrsft para armazenar seus dads exige cnfiança nessa platafrma. A melhr maneira de criar a cnfiança é cmeçar devagar, em seguida, se necessári, expandir cm base nessa base. Um ISV que está pensand em usar Windws Azure u banc de dads SQL Azure pde achar que usar s serviçs de armazenament pr um aplicativ lcal lhe permite adquirir experiência cm essa nva abrdagem, antes de firmar um cmprmetiment mair. Essa pde ser uma ba maneira de iniciar na cmputaçã em nuvem. COMBINANDO COMPUTAÇÃO EM NUVEM COM SEU APLICATIVO LOCAL Se clcar um aplicativ de dads na nuvem pde fazer sentid, entã vcê pde usar a nuvem para executar alguns códigs d seu aplicativ. Pr exempl, pense em um ISV cm um aplicativ que pderia se beneficiar da criaçã de um mercad nline entre tdas as empresas que utilizam essa sluçã. Criar esta funcinalidade em uma platafrma em nuvem, cm Windws Azure, deveria ser significativamente mais rápid e mais barat d que criá-la ttalmente d zer. Ou supnha que um aplicativ lcal pderia, às vezes, se beneficiar de váris núcles de prcessadres para executar cargas exigentes de CPU. Este aplicativ pderia criar um númer de instâncias de funçã d Trabalhadr d 7

9 Windws Azure para fazer este trabalh e entã desligá-las quand elas nã fssem mais necessárias. Cm sempre, cliente seria cbrad apenas pels recurss utilizads, u seja, as hras que essas VMs das funções d Trabalhadr estavam, de fat, send executadas. Existem muitas situações em que deslcar um aplicativ existente inteiramente para a nuvem nã é prátic. Migrar milhões de linhas de códig para uma platafrma em nuvem pde ser muit arriscad, muit car u simplesmente nã valer a pena. Em cass cm este, adicinar nvas funcinalidades executadas em nuvem pde fazer mais sentid. Cm Windws Azure frnece uma platafrma précnstruída para a execuçã de aplicativs em nuvem, ele pde criar esse tip de códig mais facilmente. COMO CRIAR UMA VERSÃO DO SEU APLICATIVO SAAS Ser um ISV, significava há muit temp, instalar sftwares diretamente nas máquinas de seus clientes. Cm s aplicativs SaaS, iss nã é mais uma verdade. A cntrári de pactes de sftwares cnvencinais, um aplicativ SaaS é executad em um data center acessível pela Internet, e é nrmalmente entregue as clientes via web. Os aplicativs SaaS pdem ferecer benefícis reais para s clientes, incluind: Menr risc: a cntrári ds pactes de sftware cnvencinais, s aplicativs SaaS nã exigem um grande investiment inicial. Em vez diss, s clientes pdem experimentar aplicativ sem cust adicinal, antes de cmprá-l, prprcinand mais cnfiança de que aplicativ irá agregar valr as seus negócis. Estrutura de preçs mais atraentes: s aplicativs SaaS nrmalmente utilizam tarifaçã baseada n us, cm uma taxa pr usuári pr mês. Iss permite que s clientes cmecem devagar, depis adicinem s usuáris de acrd cm a necessidade. Iss também permite a substituiçã de um gast de capital na cmpra de sftware cm uma despesa peracinal, que pde ser um atrativ para algumas rganizações. Implantaçã mais rápida e mais barata: Em vez de instalar sftware em máquinas lcais, s usuáris de um aplicativ SaaS nrmalmente acessam aplicativ pr mei de um navegadr da Web cmum. Atualizações mais fáceis: Em vez de melhrar as suas próprias cópias de um pacte de sftware adquirid, cliente de um aplicativ SaaS pde cnfiar n prvedr SaaS que atualiza aplicativ de md centralizad. As vantagens d SaaS certamente sã atraentes para alguns clientes e alguns tips de aplicativs. Essa abrdagem também pssui desvantagens, pr iss nã se aplica a tds s aplicativs. Os maires desafis enfrentads pels clientes SaaS incluem: Cnfiança: Um cliente pde realmente cnfiar n frnecedr de um aplicativ SaaS? O aplicativ estará sempre dispnível? O frnecedr d aplicativ é cnfiável para dads crprativs cnfidenciais? A cnfiança n frnecedr é mair bstácul que a mairia ds clientes enfrenta cm s aplicativs SaaS. É imprtante ressaltar que essa cnfiança também deve se estender para a platafrma em nuvem nde aplicativ SaaS é cnstruíd. Questões de regulamentaçã e cumpriment: É exigid pel gvern que muitas empresas cumpram uma série de padrões, tais cm Sarbanes-Oxley, Basel II, e utrs. Se um aplicativ SaaS (e a platafrma em nuvem na qual ele é cnstruíd) nã pde cumprir essas brigações, a empresa nã pde utilizá-ls. Persnalizaçã: Pactes tradicinais de sftwares lcais nrmalmente pdem ser persnalizads de várias maneiras. Os aplicativs SaaS, pel cntrári, nrmalmente sã multilcatáris, que significa 8

10 que uma única cópia d sftware é cmpartilhada pr tds s usuáris. Embra a persnalizaçã ainda seja pssível, muitas vezes ela é mais limitada d que um pacte de sftware tradicinal. Integraçã cm aplicativs lcais: um aplicativ SaaS deve frnecer alguma frma de integrar seu códig e dads cm aplicativs lcais. Iss inclui a integraçã de identidade, uma vez que s clientes nrmalmente querem lgn únic. Gestã: A mairia das ferramentas lcais para gerenciament e mnitrament de aplicativs nã funcina bem cm s aplicativs SaaS atuais. Iss prvavelmente mudará, a situaçã hje é desanimadra para alguns clientes. Assim cm s aplicativs SaaS têm prós e cntras para as rganizações que cmpram sftware, eles também ferecem vantagens e desvantagens para as empresas que vendem sftware. Os benefícis ds aplicativs SaaS para ISVs incluem: Ptencial para mais vendas: Uma vez que s clientes enfrentam mens riscs e menr cmprmiss financeir inicial, fazer as primeiras vendas pde ser mais rápid e mais barat. Os aplicativs SaaS também pdem ser atraentes para nvas categrias de clientes, tais cm rganizações menres, prque requerem mens experiência interna cm TI. Atualizações de cliente mais fáceis: Em vez de cnvencer cada cliente a substituir um pacte lcal, um ISV pde atualizar tds s usuáris d seu aplicativ SaaS de uma vez. Iss pde reduzir significativamente s custs de suprte ISV, uma vez que nã existe mais a brigaçã de suprtar muitas versões antigas de um aplicativ. Nada é gratuit. N entant e, pr iss, a mudança para um mund SaaS também apresenta alguns incnvenientes para s ISVs. Alguns ds mais visíveis sã: Um mdel de vendas e receitas diferentes: Gasts gradativs em vez de entrar cm investiment financeir inicial. Pel mens inicialmente iss pde significar margens mais baixas. Mens cntrle sbre cliente: Sem s custs fixs de um aplicativ já cmprad e, talvez, extremamente persnalizad lcalmente, s clientes pdem achar mais fácil mudar para um cncrrente. Mens receitas de serviçs de persnalizaçã: ISVs que derivam uma parte significativa ds seus rendiments de serviçs de persnalizaçã pdem ter essa receita reduzida cm aplicativs SaaS. Desafis técnics: Criar um aplicativ SaaS exige um cnjunt de habilidades técnicas diferentes das que a mairia ds ISVs já tem. Em vez de criar familiaridade n sftware lcal, sua rganizaçã de desenvlviment deve agra cnstruir um aplicativ altamente escalnável e cm cmpartilhament altamente cnfiável. Além diss, cm Windws Azure nem sempre se cmprta de frma idêntica a ambiente Windws Server, pdem ser necessárias algumas alterações n códig existente. Pr exempl, a mesm temp em que Windws Azure carrega slicitações de salds em instâncias de funçã da Web d aplicativ, ele nã suprta a afinidade de sessã. Ist permite uma escalabilidade muit melhr, mas esse pde nã ser md para qual seu aplicativ está prjetad atualmente. A verdade é evidente: Os aplicativs SaaS têm um papel imprtante a desempenhar, mas eles nã vã eliminar s sftwares lcais. Cada ISV que frnece um pacte de aplicativs deve lhar para suas fertas e tmar uma decisã: Pr que frnecer SaaS? Especialmente se seus cncrrentes estã ind pr este caminh, criar uma versã SaaS de um aplicativ lcal atual pde ser a pçã certa. Cm mencinad anterirmente, a principal meta d Windws Azure é suprtar aplicativs SaaS. Muits aspects d seu prjet refletem essa meta. Pr exempl, um aplicativ SaaS deve ser mais escalnável d que um aplicativ lcal prque ele dará suprte a múltipls clientes simultaneamente. A divisã d 9

11 Windws Azure em funçã da Web/funçã d Trabalhadr bjetiva ajudar na criaçã de aplicativs escalnáveis maciçamente pr mei da divisã d trabalh entre um frnt-end da Web e um back end de Trabalhadr. Da mesma frma, Windws Azure Strage table é expressamente cncebid para armazenar grandes quantidades de dads, muit mais d que pde ser gerenciad pr um sistema de gerenciament relacinal únic de banc de dads. Um aplicativ SaaS também deve ser mais cnfiável d que um aplicativ lcal, uma vez que uma falha afeta tds s clientes, nã apenas um. Pr mei d mnitrament de cada instância em funcinament d aplicativ, a Malha Windws Azure pde ajudar a alcançar este bjetiv. Se uma instância u uma VM u mesm uma máquina inteira falhar, Cntrle da malha vai reiniciar utra para cupar seu lugar. O Cntrle da malha também permite a atualizaçã de um aplicativ em execuçã, sem desligá-l, um serviç imprtante para um aplicativ SaaS que deve estar permanentemente dispnível. Mais um atribut imprtante para um aplicativ SaaS eficaz é a elasticidade, u seja, a capacidade de lidar cm s pics de demanda. Cm um aplicativ cnvencinal, um data center deve ser capaz de suprtar uma carga máxima que esse aplicativ nunca verá. Iss é certamente pssível, mas é car e um desperdíci a mair parte da capacidade d data center prvavelmente está cisa na mair parte d temp. Cm Windws Azure, entretant, a sluçã deste prblema é mais simples. Lembre-se que prprietári de um aplicativ pde alterar númer de instâncias em execuçã em temp real, cnfiand n Cntrladr da malha para criar u desligar VMs cnfrme necessári. Uma vez que s clientes d Windws Azure sã cbrads apenas pels recurss que utilizam, iss permite que eles paguem pr um grande númer de recurss de cmputaçã apenas quand esses sã realmente necessáris. Quand a carga diminui, aplicativ pde enclher nvamente para seu tamanh nrmal. Os aplicativs SaaS realmente têm requisits diferentes ds aplicativs tradicinais lcais. Fi pr essas diferenças que Windws Azure fi prjetad cm ele é. Um ISV que cria um aplicativ SaaS é livre para cnstruir sua própria platafrma, e inicialmente alguns fizeram iss nã havia alternativa. N entant, cm surgiment de platafrmas em nuvem, s ISVs que criam aplicativs SaaS pdem agra se cncentrar na sua lógica cmercial, em vez da infraestrutura. Ind mais adiante, é prvável que a mairia ds aplicativs SaaS sejam criads na platafrma em nuvem, tal cm Windws Azure. FORNECENDO SERVIÇOS DE SUPORTE A PLATAFORMAS EM NUVEM Muits ISVs atualmente frnecem serviçs de infraestrutura e gerenciament de ambientes lcais. Muits utrs frnecem sftware que facilita a vida ds desenvlvedres. Embra algumas dessas sluções nã sejam relevantes em nuvem, utras sã. E as nvas prtunidades também existem, lcais em que s ISVs pdem ganhar dinheir agregand valr a Windws Azure. Pr exempl, Windws Azure frnece acess a dads de desempenh ds aplicativs em execuçã. Uma ferramenta que agregasse esses dads, e apresentasse-s pr mei de uma interface eficaz, pderia ajudar s clientes d Windws Azure a gerenciar seus aplicativs em nuvem. O Windws Azure também ferece APIs que permitem que um aplicativ altere númer de instâncias de funçã da Web e instâncias de funçã d Trabalhadr em execuçã dinamicamente, em vez de cnfiar em uma pessa para fazer iss. A platafrma nã frnece, n entant, um sftware que mnitre a carga d aplicativ, e use esses APIs para ajustar númer de instâncias em execuçã em cnfrmidade. Um ISV pde preencher esse burac frnecend um códig que permite as desenvlvedres adicinarem facilmente este cmprtament as seus aplicativs. 10

12 O advent de platafrmas em nuvem é uma grande mudança para ISVs. Cm qualquer grande mudança, muitas vezes faz sentid fazer uma cisa de cada vez, tal cm usar armazenament em nuvem d Windws Azure u descarregament de uma parte d seu aplicativ em nuvem. Se iss funcinar bem e fr bm financeiramente vcê pde passar para passs maires, quand necessáris, cm a criaçã de uma versã SaaS cmpleta d seu aplicativ. COMPARANDO O WINDOWS AZURE COM ALTERNATIVAS O Windws Azure nã surgiu d nada existem utras abrdagens. Esta seçã cmpara Windws Azure cm duas de suas alternativas mais óbvias: as platafrmas tradicinais de hspedagem e platafrmas em nuvem que ferecem máquinas virtuais (VMs) sb demanda. HOSPEDAGEM TRADICIONAL O primeir bstácul para a mairia das pessas que prcuram um lugar terceirizad para executar seus aplicativs é um prvedr de hspedagem. Nas hspedagens tradicinais, um cliente slicita um cnjunt fix de recurss e se cmprmete a pagar pr esses recurss pr um períd definid. Pr exempl, um ISV que deseja executar um aplicativ SaaS pde cntratar um hster para lhe frnecer seis servidres Windws pr um an, pagand uma quantia pré-definida pr este serviç. A hspedagem tem muitas vantagens. Usar um serviç de hspedagem é frequentemente mais barat d que executar um data center intern, especialmente para rganizações menres. Ela também permite que cliente evite a cmplexidade de executar seu própri data center enquant cntinua a ter ttal cntrle sbre as máquinas que ele está usand. Embra advent das platafrmas em nuvem deva, prvavelmente, impactar n mercad tradicinal de hspedagem, este mdel nã acabará ele ainda faz sentid em muitas situações. N entant, pel mens para alguns aplicativs, a platafrma em nuvem, cm Windws Azure, é a melhr esclha. As vantagens incluem: A capacidade de aumentar rapidamente númer de servidres em us: Enquant um hster pde levar dias para deixar uma nva máquina dispnível, um aplicativ d Windws Azure pde ter uma nva VM instalada e funcinand em minuts. A habilidade para diminuir rapidamente númer de servidres em us: Hsters nrmalmente precisam de um cmprmiss cm um cnjunt fix de servidres que sã prvisinads apenas para vcê. Cm Windws Azure, um aplicativ pde reduzir númer de VMs que estã send usadas prtant, s custs de funcinament deste aplicativ diminuind númer de instâncias de funçã da Web e/u de funçã d Trabalhadr. Nã há cmprmiss inicial cm um númer mínim de servidres. A capacidade de prestar serviçs explicitamente cncebids para aplicativs altamente escalnáveis e altamente dispníveis: Hsters geralmente ferecem sistemas d Windws padrã, deixand que seus clientes façam que fr necessári para executar seus aplicativs cm êxit. Cnfrme descrit anterirmente, uma platafrma em nuvem, cm Windws Azure pde ser explicitamente prjetada para suprtar aplicativs cm escalabilidade muit alta e requisits de dispnibilidade. Mens sbrecarga administrativa: A cntrári d Windws Azure, hsters cmumente frnecem as clientes acess administrativ cmplet às suas máquinas. Em cmpensaçã, mais trabalh administrativ é necessári, tud cm base n sistema patch peracinal para gerir s sistemas de gerenciament de banc de dads. Cm Windws Azure (e Banc de Dads SQL Azure), a mair parte deste trabalh é feita pr vcê, pupand temp e dinheir. 11

13 VMS SOB DEMANDA Um númer de frnecedres, incluind a Amazn, Mss, GGrid, e utrs, ferecem máquinas virtuais sb demanda. A cntrári ds hsters tradicinais, esses frnecedres ferecem tipicamente cbranças baseadas n us sem que seja necessári cmprmiss e cm VMs rapidamente dispníveis. Em utras palavras, eles frnecem platafrmas em nuvem. O Windws Azure é também uma platafrma em nuvem, mas mesm que ele use (e cbre via) VMs, ele se difere em aspects imprtantes das platafrmas que ferecem máquinas virtuais (VMs) sb demanda. Cm uma platafrma baseada puramente em VMs, a situaçã é de certa frma muit parecida cm a de hspedagem: Vcê tem cntrle cmplet, incluind acess administrativ às suas VMs, mas também assume a ttal respnsabilidade pr cnfigurar e gerenciar as VMs e s sftwares que elas cntêm. Cm Windws Azure, vcê frnece apenas um aplicativ Windws, juntamente cm instruções sbre cm executar várias instâncias. A platafrma encarrega-se de td rest, incluind a atualizaçã d sftware d sistema quand necessári. Outra diferença imprtante está na frma cm s dads relacinais sã tratads. Cm platafrmas típicas baseadas em VMs, vcê pde executar um banc de dads relacinal em uma VM assim cm vcê executa mesm banc de dads lcalmente u em um hster. Iss certamente funcina, mas exige que vcê faça a instalaçã, manutençã e administraçã deste banc de dads. Assegurar a cnfiabilidade também pde ser um desafi, pis cluster típic de discs cmpartilhads muitas vezes nã é pssível. N mund Azure, um aplicativ pde usar banc de dads SQL Azure. Cnfrme descrit anterirmente, esta tecnlgia prprcina uma lja da Micrsft de gestã relacinal, que registra tds s dads várias vezes para ter cnfiabilidade. Mais uma vez vcê perde a capacidade de ter cntrle ttal, mas ganha simplicidade e cnfiabilidade integradas. CONCLUSÕES Cm tdas as nvas platafrmas, Windws Azure só terá sucess se s ISVs ptarem pr cnstruir aplicativs nele. A Micrsft entende iss claramente e, pr iss, fazer sua platafrma em nuvem atrativa para este públic é priridade. Os atrativs principais sã: O Windws Azure permite que s ISVs executem aplicativs e armazenem dads em um data center grande e paguem apenas pels recurss utilizads, que trna ecnmicamente atraente. A frnecer uma platafrma prnta prjetada para suprtar aplicativs escalnáveis e cnfiáveis em nuvem, Windws Azure reduz temp e dinheir necessáris para criar e executar aplicativs SaaS e utrs códigs baseads em nuvem. A cmputaçã em nuvem se parece cm a próxima grande nda da nssa indústria. Assim cm s ISVs tiveram de se adaptar às mudanças trazidas pels PCs, dispsitivs móveis e utras nvas platafrmas, agra eles precisam decidir cm explrar platafrmas em nuvem. E assim cm Windws desempenhu um papel significativ nas mudanças anterires, Windws Azure está prnt para assumir um papel imprtante neste nv mund. Se vcê é respnsável pr traçar s caminhs de sua empresa, cmpreender e avaliar ambiente Azure faz muit sentid. 12

14 SOBRE O AUTOR David Chappell é Diretr da Chappell & Assciates ( em San Francisc, Califórnia. Pr mei de sua fala, escrita, e cnsultria, ele ajuda as pessas em td mund a cmpreender, usar e tmar melhres decisões sbre nvas tecnlgias. 13

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Pr que criar um nv mdel de prgramaçã?... 3 Três regras d mdel de prgramaçã d Windws

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Mensagem do atendimento ao cliente

Mensagem do atendimento ao cliente ASSUNTO: Cisc WebEx: Patch padrã a ser aplicad em [[DATA]] para [[WEBEXURL]] Cisc WebEx: Patch padrã em [[DATA]] A Cisc WebEx está enviand esta mensagem para s principais cntats de negóci em https://[[webexurl]]

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Traz para sua empresa:

Traz para sua empresa: Traz para sua empresa: Link Internet para Prfissinais Liberais, Pequenas e Médias Empresas e inclusive as Grandes Empresas Características Nex Cnnect Small Business é serviç de Link Internet destinad às

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo Descriçã d serviç Cpilt Optimize CAA-1000 Visã geral d serviç Esta Descriçã d serviç ( Descriçã d serviç ) é firmada pr vcê, cliente, ( vcê u Cliente ) e a entidade da Dell identificada na fatura de cmpra

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

Manual do Usuário. Interface do cliente. Copyright 2012 BroadNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22

Manual do Usuário. Interface do cliente. Copyright 2012 BroadNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22 Manual d Usuári Interface d cliente Cpyright 2012 BradNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22 INDICE INDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 REQUISITOS MÍNIMOS... 3 BENEFÍCIOS... 3 APLICAÇÕES... 4 INICIANDO O APLICATIVO...

Leia mais

Windows Server 2012 R2 Folheto de licenciamento

Windows Server 2012 R2 Folheto de licenciamento Windws Server 2012 R2 Flhet de licenciament Visã geral d prdut O Windws Server 2012 R2 captura a experiência da Micrsft na entrega de serviçs em nuvem em escala mundial, ferecend um servidr de us empresarial

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual Lja Virtual Desenvlviment FrmigaNegócis Orçament: /2012 Cliente: Respnsável: Prjet: Lja virtual Telefne: Frmiga (MG), de de 2012 Intrduçã Segue abaix prjet para desenvlviment de nv website para lja Virtual

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Microsoft Live Meeting 2007 Manual Para Programar Reuniões

Microsoft Live Meeting 2007 Manual Para Programar Reuniões M A N U A L D O A D M I N I S T R A D O R Micrsft Live Meeting 2007 Manual Para Prgramar Reuniões Intrduçã Esta seçã detalha cm ter acess a sua cnta e estabelecer suas pções predeterminadas de reuniã.

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE

ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE 1. Definições ANEXO TÉCNICO DE SERVIÇOS BEMATECH CLOUD GEMCO ANYWHERE Este dcument cntém as especificações técnicas e requisits ds serviçs de Clud Cmputing da Bematech para Sistema Gemc Anywhere. Estes

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Soluções Benefix para Varejo (NFC-e)

Soluções Benefix para Varejo (NFC-e) BENEFIX SISTEMAS E GESTÃO DE NEGÓCIOS LTDA Rua da Cnceiçã, 95, Niterói / RJ Telefne: +55 21 2621-5063 Telefne: +55 41 3353-3839 E-mail: cntat@e-benefix.cm.br Sluções Benefix para Varej (NFC-e) Sluções

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento

- APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS Tudo que você precisa em um único equipamento Pabx Alcatel - APRESENTAÇÃO - Central de Pabx Alcatel OmniPCX Office A Cnintel apresenta para mercad a linha de prduts cnvergentes PABX Alcatel OmniPCX Office. Pabx Alcatel Mdular, escalável, pders, flexível,

Leia mais

PDF Livre com o Ghostscript

PDF Livre com o Ghostscript PDF Livre cm Ghstscript Um tutrial para criaçã de um geradr de arquivs PDF em Windws, basead em ferramentas gratuitas. Márci d'ávila, 05 de mai de 2004. Revisã 8, 20 de setembr de 2007. Categria: Text

Leia mais

Contrato de Usuário Final da Aspect para Produtos Microsoft (Rev 3.0)

Contrato de Usuário Final da Aspect para Produtos Microsoft (Rev 3.0) Favr Salvar u Imprimir para Seus Arquivs Cntrat de Usuári Final da Aspect para Prduts Micrsft (Rev 3.0) Inclui: Cntrat de Licença de Usuári Final da Aspect Referente a Micrsft SQL Server 2008 R2 Standard

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

Procedimentos para o uso de TI no DRH

Procedimentos para o uso de TI no DRH Prcediments para us de TI n DRH As clabradres d DRH Cm parte das diretrizes divulgadas através d memrand nº 243/2008-SAM01, e visand melhrias na manutençã de cmputadres, segurança das infrmações e cntrle

Leia mais

CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM INFORMÁTICA I N S T R U Ç Õ E S

CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM INFORMÁTICA I N S T R U Ç Õ E S 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS GOIÂNIA CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM INFORMÁTICA I N S T R U Ç Õ E S Verifique

Leia mais

Shavlik Patch para Microsoft System Center

Shavlik Patch para Microsoft System Center Shavlik Patch para Micrsft System Center Guia d Usuári Para us cm Micrsft System Center Cnfiguratin Manager 2012 Cpyright e Marcas cmerciais Cpyright Cpyright 2014 Shavlik. Tds s direits reservads. Este

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Sistema OnixNet / TrucksNet Contagem de Estoque pelas oficinas

Sistema OnixNet / TrucksNet Contagem de Estoque pelas oficinas Versã: 3.0.0.48 Empresa: TrucksCntrl Slicitante: Diretria Respnsável: Fernand Marques Frma de Slicitaçã: e-mail/reuniã Analista de Negóci: Fábi Matesc Desenvlvedr: Fabian Suza Data: 24/09/2012 Sistema

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais