DESENVOLVIMENTO DAS NUVENS E DOS SISTEMAS DE NEBULOSIDADE COM BASE EM PRODUTO DIGITAL DOS CANAIS INFRAVERMELHO E VAPOR D'ÁGUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DAS NUVENS E DOS SISTEMAS DE NEBULOSIDADE COM BASE EM PRODUTO DIGITAL DOS CANAIS INFRAVERMELHO E VAPOR D'ÁGUA"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DAS NUVENS E DOS SISTEMAS DE NEBULOSIDADE COM BASE EM PRODUTO DIGITAL DOS CANAIS INFRAVERMELHO E VAPOR D'ÁGUA Natalia Fedorova Maria Helena de Carvalho Dmitri Fedorov Universidade Federal de Pelotas Abstract A digital product resulting from the joint processing of geostationary satellite infrared and water vapor imagery was developed with the objective of obtaining an alternative way of monitoring cloudiness evolution and displacement. This product is important for showing the tendency of clouds and weather systems to weaken or to intensify. In order to obtain this cloudiness intensification analysis product, several digital imagery treatment software modules (cloud classification using threshold techniques, imagery manipulation and animation etc.) were developed. The preliminary results, obtained using GOES-8 imagery for the Southern Hemisphere, indicate the utility of this product, which can be presented either as single images or as animated pictures. 1 Introdução A maioria das técnicas para a classificação digital de nebulosidade usa o método dos limiares (em Inglês, Threshold Methods ; ver, por exemplo, Arking, 1964), o qual foi originalmente elaborado para os canais infravermelho (IR) ou visível (VIS). Mais tarde foram desenvolvidos métodos com muitos limiares (ver, por exemplo, Stowe et al., 1978). Consagrou-se, assim, a técnica de realce (em Inglês, enhancement ), segundo a qual para cada intervalo de count (ou, depois da conversão, brilho - para o visível, ou temperatura de brilho para o infravermelho) faz-se corresponder um tom de cinza ou uma cor. As técnicas bispectrais ( Bispectral Methods ; ver, por exemplo, Stowe et al., 1988) usam dois canais (IR e VIS) conjuntamente. Mais recentemente, os satélites passaram a obter imagens em outros canais, como por exemplo no do vapor d água (WV). Neste trabalho os autores desenvolveram um software para análise digital dos processos sinóticos, usando imagens IR e WV obtidas por satélites geoestacionários e, em particular, um método digital para a análise do desenvolvimento da nebulosidade, utilizando algumas idéias do método desenvolvido por Bakst e Fedorova (1994 e 1997). 2 Dados e Metodologia Analisaram-se os dados do satélite GOES nos canais infravermelho (IR) e vapor d'água (WV) a cada hora no Hemisfério Sul. Foram usados estes dois canais, pois como se sabe, o infravermelho fornece dados de temperatura do topo da nuvem e o WV informa sobre a umidade média dentro da nuvem, sendo estas informações importantes para atingir o objetivo do presente trabalho. Os autores desenvolveram um método de análise da intensificação e do enfraquecimento das nuvens e dos sistemas de nebulosidade, os quais dependem da evolução e do deslocamento das mesmas. Estes dois processos foram estudados conjuntamente, porque eles provocam, tanto o aumento e intensificação da nebulosidade na estação meteorológica, como a diminuição e a dissipação da mesma. Para aqueles meteorologistas que trabalham na área operacional, é necessário determinar estes dois processos conjuntamente, pois eles provocam mudança de tempo. De acordo com Cotton e Anthes (1989),

2 freqüentemente as nuvens se desenvolvem quando a temperatura do topo diminui e a umidade das nuvens aumenta, e se enfraquecem quando o oposto ocorre. O método de análise digital destinado ao monitoramento da intensificação e do enfraquecimento das nuvens e dos sistemas de nebulosidade desenvolvido pressupõe uma etapa de preparação seguida de vários passos, como descrito a seguir: I. A separação da nebulosidade e da superfície é feita por meio do método dos limiares separadamente para cada pixel em dois canais (IR e WV). Entende-se que o pixel apresenta nebulosidade se qualquer um ou os dois canais indicarem a sua presença. Os limiares são determinados por meio de histogramas das imagens para cada canal separadamente. As formas dos histogramas não mudam significativamente quando se trabalha com uma grande área (por exemplo, o hemisfério sul) e para cada estação do ano. Por isto, os histogramas apresentam informação sobre os limiares. II. A classificação do tipo da nebulosidade é realizada por meio do método com dois limiares no IR. Os limiares são obtidos do histograma da imagem para a identificação de dois tipos de nuvens: primeiro, as nuvens do tipo Cb e Ns e, depois, todas as outras. A diferença entre estes dois grupos é que no primeiro se formam as precipitações. Para a verificação da classificação, usou-se a descrição de Anderson et al. (1974) em regime interativo de trabalho e também os resultados da observação da nebulosidade na estação meteorológica do CPMet/UFPel. Nosso software prevê a possibilidade de se identificar mais tipos de nuvens pelo aumento do número de limiares. A utilização do IR é justificada pelo fato de que neste canal é possível identificar com mais facilidade as nuvens que estão relacionadas com precipitação, citadas anteriormente. III. A análise da intensificação e do enfraquecimento da nebulosidade é feita através de vários passos. Primeiro passo: obtém-se imagens, a cada hora, que retratam a mudança dos campos de umidade e de temperatura do topo da nebulosidade ou, respectivamente, nos canais WV e IR. A mudança é calculada fazendo-se a diferença pixel a pixel, entre valores de counts, em cada canal separadamente (passo III- 1). Segundo passo: usando-se a técnica bispectral para cada pixel, em dois canais (IR e WV) conjuntamente, obtém-se uma imagem digital única que mostra o aumento ou o decréscimo dos valores de temperatura e de umidade. Na imagem resultante não prevalece nenhuma das duas informações Foram analisadas todas as possibilidades de mudança de umidade e temperatura.. (passo III-2). Terceiro passo: (III-3) intensificação ou enfraquecimento da nebulosidade calculados também por meio da técnica bispectral para os mesmos canais, porém para apenas dois grupos de nuvens, Cb e Ns (como descrito no item II). Com a finalidade de se obter o produto digital destinado a monitorar o desenvolvimento da nebulosidade, os autores criaram um software em Micro-PC, usando uma linguagem orientada a objetos, a Borland Delphi 3. Para a compressão/descompressão das imagens JPEG foi utilizada a sexta revisão de uma biblioteca em linguagem C da Independent JPEG Group (IJG). Para o processamento das imagens foram utilizadas funções de processamento pixel a pixel desenvolvidas pelos autores. Na saída, podem ser obtidas imagens de 4 bits (16 cores), 8bits (256 cores) ou 24bits (16M cores) Qualquer resultado pode ser salvo como BitMap ou JPEG e simultaneamente visualizado. O software também possui vários recursos, tais como Ampliação (em Inglês, ZOOM ), Amostragem na tela inteira e Animação. 3 Produtos digitais para análise do desenvolvimento das nuvens e dos sistemas sinóticos no Hemisfério Sul: um estudo de caso. O conjunto completo de passos e etapas do processamento até o produto final destinado à análise da nebulosidade foi aplicado a um conjunto de imagens IV e WV obtidas pelo GOES-8 sobre o Hemisfério Sul, nos dias 31 de julho e 01 de agosto de 1997 nos seguintes horários: 22:52 UTC, 23:52

3 UTC e 0:52 UTC. Os resultados do primeiro passo evidenciaram: a) a faixa de nebulosidade existente nas latitudes médias do Hemisfério Sul; b) o ciclone localizado sobre a América do Sul, com um sistema de zonas frontais associado; c) um vórtice secundário na retaguarda do sistema ciclônico citado no item b); e d) a massa de nuvens sem estrutura ciclônica e algumas aglomerações de nuvens na região do Oceano Pacífico( fig. 1). Figura 1: Separação da nebulosidade e da superfície pelo uso simultâneo dos dois canais IR e WV. A cor preta representa a supefície. Os resultados do passo III-1 mostram as regiões onde o topo da nebulosidade sofre resfriamento/aquecimento (fig.2 a) e onde há aumento/diminuição de umidade. Pode ser notado que na vanguarda do vórtice ciclônico o topo da nebulosidade, na fronteira, resfria-se mais rapidamente (cor amarela), e na parte mais interna da nebulosidade, mais lentamente (cor vermelha). No centro do vórtice ciclônico, é observada uma região sem mudança de temperatura (cor cinza). A cor violeta indica aquecimento mais rápido e a azul, aquecimento mais lento. A maior parte da região com estas cores encontra-se na retaguarda do vórtice. Os dois pares de cores (amarelo/vermelho e azul/violeta) mostram a estrutura dos sistemas. Figura 2: Produto para análise do topo da nebulosidade; o resfriamento aparece em vários tons de amarelo e vermelho, onde o amarelo representa resfriamento maior que o vermelho; o aquecimento é mostrado pelas várias tonalidades de azul e violeta, onde o violeta indica aquecimento maior que o azul; a cor cinza representa ausência de mudança de temperatura.

4 A fig. 3 mostra o produto destinado à análise da intensificação e do enfraquecimento das nuvens (passo III-2). Nota-se, por exemplo, a intensificação das nuvens na vanguarda do vórtice ciclônico e o enfraquecimento na retaguarda do mesmo. Esta figura também mostra a intensificação das nuvens na corrente de ar úmido (cores azul-marinho e amarela) e no ar seco (cores verde e laranja).o cálculo foi feito para cada pixel e obteve-se como resultado regiões onde se verificou a ocorrência de um determinado processo sinótico. Figura 3: Produto destinado à análise da intensificação (vermelho) e do enfraquecimento (branco) das nuvens. As cores azul-marinho e amarela (cores1) e as cores verde e laranja (cores 2) mostram o desenvolvimento/enfraquecimento das nuvens na corrente de ar úmido (cores 1) e na de ar seco (cores 2), respectivamente. A cor cinza indica que não existe desenvolvimento. A classificação das nuvens de acordo com o passo II e o desenvolvimento destes tipos de nuvens (passo III. 3) são apresentados na fig. 4, e constituem o principal produto digital deste trabalho. A cor vermelha mostra o desenvolvimento das nuvens tipo Cb e Ns e a cor rosa apresenta o desenvolvimento das nuvens nos médios e baixos níveis. As cores branca e cinza mostram o enfraquecimento destes tipos de nuvens, respectivamente. Figura 4: Produto destinado à identificação de áreas onde ocorrem intensificação (vermelho e rosa) e enfraquecimento ( branco e cinza) das nuvens tipo Cb e Ns (vermelho e branco) e todas as outras (rosa e cinza). A cor verde mostra as regiões onde as nuvens tipo Cb e Ns persistem por algum tempo.

5 4 Conclusão Criou-se um algoritmo de análise do desenvolvimento ou enfraquecimento das nuvens e dos sistemas sinóticos usando-se dois canais, infravermelho e vapor d água. Foi criado, também, um novo software para a análise da intensificação ou enfraquecimento das nuvens e dos sistemas sinóticos, usando-se dois canais (infravermelho e vapor d água) do satélite GOES. Como resultado, obteve-se um produto que permite identificar as regiões de intensificação e enfraquecimento de nuvens e de sistemas sinóticos, o qual pode ser usado, operacionalmente, na previsão do tempo. 5 Referências Bibliográficas Arking, 1964: Latitudinal distributions of cloud cover from TIROS III photographs. Science, 143, Anderson, R.K. et al., 1973: The use of satellite pictures in weather analysis and forecasting. WMO, Technical Note No. 124, Geneva, 275 pp. Bakst, L., Fedorova, N., 1994: Investigation of Cloudiness from Satellite Multispectral AVHRR Data for the Purpose of Synoptic Analysis. Issledovanie Zemli is Kosmosa, 4, 3-8.(in Russian). Cotton, R. W., Anthes, R.A., 1989: Storm and Cloud Dynamics, Academic Press, Inc Fedorova, N., L. Bakst, 1997: Evolution and Displacement Velocity of the Large-scale Cyclonic Cloud Systems from Satellite Data. Joint Assemblies of IAMAS & IAPSO, Melbourne, Australia, p IM2-13. Rao, P.K., S.J. Holmes, R.K. Anderson, J.S. Winston, and P.E. Lehr, 1990: Weather Satellites: Systems, Data, and Environmental Applications. American Meteorological Society, Boston, Stowe, L.L., M. Chen, H. Jacobowitz, and I. Ruff, 1978: Classification of clouds for the Nimbus Satellite ERB Experiment using THIR data. Proc. of the 3 rd Conf. on Atmospheric Radiation, June 28-30, Davis, CA, Amer. Meteor. Soc., Boston, MA, Stowe, L.L., C.G. Wellemeyer, T.F. Eck, H.Y.M. Yeh, and the Nimbus-7 Cloud Data Processing Team,1988: Nimbus-7 global cloud climatology. Part I: algorithms and validation. J of Clim.,1,

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 RGB - Poeiras Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica 1 Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Determinar o objectivo do realce Escolher do canal apropriado Pré-processamento de imagem

Leia mais

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE ANATOLI STAROSTIN PAULO ROBERTO PELUFO FOSTER 1 ROSELI GUETHS GOMES 1 VLADAIR MORALES DE OLIVEIRA

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ADVECÇÃO DE AR QUENTE ATRAVÉS DA ANÁLISE DE DADOS DE SATÉLITES

IDENTIFICAÇÃO DA ADVECÇÃO DE AR QUENTE ATRAVÉS DA ANÁLISE DE DADOS DE SATÉLITES Short Research Note IDENTIFICAÇÃO DA ADVECÇÃO DE AR QUENTE ATRAVÉS DA ANÁLISE DE DADOS DE SATÉLITES N. Fedorova & L. Bakst Neste trabalho foram encontradas duas características para a identificação da

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS

AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS Vanderlei R. de Vargas Jr. 1, Cláudia R. J.de Campos 1, Gustavo Rasera 1, Cristiano W. Eichholz 1 1 Universidade Federal

Leia mais

CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI

CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI Entre os dias 22 e 23 de outubro de 2012 o processo de formação de um ciclone extratropical

Leia mais

Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana)

Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana) Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana) Alice dos Santos Macedo; Bianca Buss Maske; Roseli Gueths Gomes Faculdade de Meteorologia/ Universidade

Leia mais

3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS

3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS 3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS Natalia Fedorova; Maria Helena de Carvalho; Benedita Célia Marcelino; Tatiane P. Pereira, André M. Gonçalves; Eliane P.

Leia mais

SAMPC SISTEMA DE ANÁLISE METEOROLÓGICA EM PC VERSÃO 3.0 PARA WINDOWS95

SAMPC SISTEMA DE ANÁLISE METEOROLÓGICA EM PC VERSÃO 3.0 PARA WINDOWS95 SAMPC SISTEMA DE ANÁLISE METEOROLÓGICA EM PC VERSÃO 3.0 PARA WINDOWS95 Roberto Rabelo Júnior (rabelo@met.inpe.br); Nelson Arai (arai@met.inpe.br); Egídio Arai; Asiel Bomfin Júnior; Jorge Luiz Martins Nogueira;

Leia mais

ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA

ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA Alexandra Amaro de Lima Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - METEOROLOGIA/INPE Av.

Leia mais

PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL. Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki

PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL. Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki Universidade Federal de Pelotas - UFPel Centro de Pesquisas Meteorológicas CPMet

Leia mais

ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES

ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES Renato Galante Negri 1 e Luiz Augusto Toledo Machado 1 RESUMO Esse artigo descreve uma técnica de estimativa da altura da base das

Leia mais

Estudo de caso de Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis utilizando o software GrADS e imagens de satélite do EUMETSAT

Estudo de caso de Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis utilizando o software GrADS e imagens de satélite do EUMETSAT Estudo de caso de Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis utilizando o software GrADS e imagens de satélite do EUMETSAT Maurício Granzotto Mello, Maely Soares Silva, Joana Trentin Piceni de Souza, Maria Clara

Leia mais

VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL DE SISTEMAS FRONTAIS: ANÁLISE DO DIA 24 DE AGOSTO DE 2005.

VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL DE SISTEMAS FRONTAIS: ANÁLISE DO DIA 24 DE AGOSTO DE 2005. VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL DE SISTEMAS FRONTAIS: ANÁLISE DO DIA 24 DE AGOSTO DE 2005. Aline Fernanda Czarnobai 1 Daniel Augusto de Abreu Combat 2 Jorge Bortolotto 3 Rafaelle Fraga de Santis 4 Carlos Eduardo

Leia mais

Análise do Movimento vertical na América do Sul utilizando divergência do Vetor Q

Análise do Movimento vertical na América do Sul utilizando divergência do Vetor Q Análise do Movimento vertical na América do Sul utilizando divergência do Vetor Q Cristina Schultz, Thalyta Soares dos Santos, Rômulo Augusto Jucá Oliveira, Bruna Barbosa Silveira Instituto Nacional de

Leia mais

Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC)

Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC) Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC) Várias cidades da faixa litorânea do Estado de Santa Catarina (SC) foram castigadas por intensas chuvas anômalas ocorridas durante

Leia mais

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 1. Introdução O inverno de 2011 foi marcado por excessos de chuva na Região Sul do país que, por sua

Leia mais

UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL. Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes

UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL. Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, Instituto Nacional

Leia mais

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO Avisos Meteorológicos Especiais: Um Estudo de Caso para a Cidade de São Paulo-SP Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Wagner de Aragão Bezerra². 1, 2 Meteorologista, Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO Éder P. Vendrasco1; Carlos F. Angelis1; Edson T. Branco2; Caetano T. Lo Ré2; Marcelo Santos2 1 Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

CAPÍTULO 5 TECNOLOGIA ESPACIAL NA PREVISÃO DO TEMPO

CAPÍTULO 5 TECNOLOGIA ESPACIAL NA PREVISÃO DO TEMPO INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 5 TECNOLOGIA ESPACIAL NA PREVISÃO DO TEMPO Sérgio Henrique Soares Ferreira e Hélio Camargo Júnior INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 5 T E C N O L O G I A E S P A C

Leia mais

ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS

ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS Dejanira Ferreira Braz¹ 1Universidade Federal de Pelotas UFPel/Faculdade de Meteorologia Caixa Postal 354-96.001-970 - Pelotas-RS,

Leia mais

Análise Termodinâmica de Santarém Durante o Experimento BARCA

Análise Termodinâmica de Santarém Durante o Experimento BARCA Análise Termodinâmica de Santarém Durante o Experimento BARCA MARCELA MACHADO POMPEU (1),FABRÍCIO MARTINS (2) MARIA AURORA SANTOS DA MOTA (3) MARIA ISABEL VITORINO (3) (1) Estudante de Pós Graduação em

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE

INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE Jorge Luiz Martins Nogueira Nelson Jesus Ferreira Eduardo Jorge de Brito Bastos Ana Silvia Martins Serra do

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1

EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1 EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1 Luiz Augusto T. Machado(1), Juan Ceballos(2), Marigláudio Gondim(2), Daniel A. Vilas(1) e Roberto

Leia mais

Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil

Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil 1 Elizabete Alves Ferreira, Mamedes Luiz Melo 1, Josefa Morgana Viturino de

Leia mais

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 Ricardo Antonio Mollmann Junior 1, Natalia Parisotto Sinhori 1, Yasmin Uchôa da Silva 1, Heliofábio Barros Gomes¹, Rosiberto

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO

DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO 111 DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRECIPITAÇÃO UTILIZANDO SAT~LITE E RADAR METEOROLOGICO Jorge Conrado Conforte 1 Maria Aparecida Senaubar 2 Oswaldo Massambani 2 Fausto Carlos de Almeida 1 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade: Estudo de caso ocorrido no Rio Grande do Sul

Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade: Estudo de caso ocorrido no Rio Grande do Sul Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.2150 Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade:

Leia mais

Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia

Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia Estudo de caso de um sistema frontal atuante na cidade de Salvador, Bahia Fernanda Gonçalves Rocha 1 ; Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista (CNPq), Programa de Pós-graduação em Meteorologia/DCA/UFCG,

Leia mais

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DA ENERGIA CINÉTICA ASSOCIADA A ATUAÇÃO DE UM VÓRTICE CICLÔNICO SOBRE A REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DA ENERGIA CINÉTICA ASSOCIADA A ATUAÇÃO DE UM VÓRTICE CICLÔNICO SOBRE A REGIÃO NORDESTE DO BRASIL ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DA ENERGIA CINÉTICA ASSOCIADA A ATUAÇÃO DE UM VÓRTICE CICLÔNICO SOBRE A REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Raimundo Jaildo dos Anjos Instituto Nacional de Meteorologia INMET raimundo@inmet.gov.br

Leia mais

APRENDIZADO AUXILIADO POR COMPUTADOR: UM MÓDULO DE TREINAMENTO SOBRE INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS OBTIDAS POR SATÉLITE. Abstract

APRENDIZADO AUXILIADO POR COMPUTADOR: UM MÓDULO DE TREINAMENTO SOBRE INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS OBTIDAS POR SATÉLITE. Abstract APRENDIZADO AUXILIADO POR COMPUTADOR: UM MÓDULO DE TREINAMENTO SOBRE INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS OBTIDAS POR SATÉLITE Marlene Elias Ferreira Giovanna Matos Filippo Paulo Norberto Fioratti Filho Universidade

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

Atividade: matrizes e imagens digitais

Atividade: matrizes e imagens digitais Atividade: matrizes e imagens digitais Aluno(a): Turma: Professor(a): Parte 01 MÓDULO: MATRIZES E IMAGENS BINÁRIAS 1 2 3 4 5 6 7 8 Indique, na tabela abaixo, as respostas dos 8 desafios do Jogo dos Índices

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE NUVENS UTILIZANDO IMAGENS AVHRR DO SATÉLITE NOAA-14 ABSTRACT

CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE NUVENS UTILIZANDO IMAGENS AVHRR DO SATÉLITE NOAA-14 ABSTRACT CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DE NUVENS UTILIZANDO IMAGENS AVHRR DO SATÉLITE NOAA-14 JOSÉ RICARDO DE ALMEIDA FRANÇA * E RICARDO RAPOSO DOS SANTOS 1 UFRJ-IGEO - Departamento de Meteorologia Av. Brigadeiro Trompowsky

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE CENAS EM IMAGENS GOES MULTIESPECTRAIS MEDIANTE UM MÉTODO DE "AGRUPAMENTO DINÂMICO".

CLASSIFICAÇÃO DE CENAS EM IMAGENS GOES MULTIESPECTRAIS MEDIANTE UM MÉTODO DE AGRUPAMENTO DINÂMICO. CLASSIFICAÇÃO DE CENAS EM IMAGENS GOES MULTIESPECTRAIS MEDIANTE UM MÉTODO DE "AGRUPAMENTO DINÂMICO". Marcus Jorge Bottino e Juan Carlos Ceballos Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos CPTEC/INPE

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani Depto. de Meteorologia, IAG-USP

Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani Depto. de Meteorologia, IAG-USP 743 AN~SE DE TEXTURA NA IMAGEM IV DE SATÉLITES METEOROLóGICOS E APLICAÇÕES AO ESTUDO DA CONVECÇÃO Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani Depto. de Meteorologia, IAG-USP Resumo - Dados digitais

Leia mais

ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP RESUMO

ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP RESUMO ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP Caroline R. Mazzoli da Rocha 1, Patricia V. Waldheim 1, Vanessa S. B. Carvalho 2, Wallace Menezes 3 RESUMO O estudo apresenta uma avaliação

Leia mais

Resumo. Abstract. 1. Introdução

Resumo. Abstract. 1. Introdução Contribuições da Região Amazônica e do Oceano Atlântico nas chuvas intensas de Janeiro de 2004 sobre a Região Nordeste do Brasil Raimundo Jaildo dos Anjos Instituto Nacional de Meteorologia raimundo.anjos@inmet.gov.br

Leia mais

COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a 2005 Flávio Conceição Antonio 1,2

COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a 2005 Flávio Conceição Antonio 1,2 COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a Flávio Conceição Antonio 1,2 RESUMO - Este trabalho mostra a climatologia da nebulosidade sobre as localidades de Natal (estado do Rio

Leia mais

USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM

USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM p.001 de 005 USO DO MATLAB NA GERAÇÃO DE IMAGEM SINTÉTICA COM MENOR PROPORÇÃO DE NUVEM JOSÉ ARIMATÉIA BARROSO NETO ANA LÚCIA BEZERRA CANDEIAS Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Tecnologia

Leia mais

CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin Departamento de Ciências Atmosféricas - IAG, Universidade de São Paulo - USP, R. do Matão No. 1226 Cidade Universitária,

Leia mais

ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006.

ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006. ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006. Maria Marle Bandeira 1 & Ewerton Cleudson de Sousa Melo 2 RESUMO Foram utilizados dados

Leia mais

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO Abstract Everson Dal Piva* everson@cpmet.ufpel.tche.br Natalia Fedorova natalia@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS José Fernando Pesquero Prakki Satyarmurty Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

ESTUDO SOBRE FRENTES QUENTES QUE OCORREM NO SUL DO BRASIL. mhcar@uol.com.br, natalia@dimin.net. Recebido Março 2010 Aceito Dezembro 2010

ESTUDO SOBRE FRENTES QUENTES QUE OCORREM NO SUL DO BRASIL. mhcar@uol.com.br, natalia@dimin.net. Recebido Março 2010 Aceito Dezembro 2010 Revista Brasileira de Meteorologia, v.26, n.2, 257-272, 2011 ESTUDO SOBRE FRENTES QUENTES QUE OCORREM NO SUL DO BRASIL MARIA HELENA DE CARVALHO 1, NATALIA FEDOROVA 2 1 Departamento de Meteorologia, Universidade

Leia mais

DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO.

DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO. 758 DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO. Gutemberg Borges França Instituto de Atividades Espaciais CTA/IAE/ECA - são José dos Campos

Leia mais

Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS

Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS Madson T. Silva 1, Vicente de P.R da Silva 2, Julliana L. M. Freire 3, Enilson P. Cavalcanti 4 1 Doutorando em Meteorologia,

Leia mais

Eny da Rosa Barboza Natalia Fedorova Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Meteorológicas natalia@cpmet.ufpel.tche.

Eny da Rosa Barboza Natalia Fedorova Universidade Federal de Pelotas Centro de Pesquisas Meteorológicas natalia@cpmet.ufpel.tche. ASSOCIAÇÕES ENTRE A CORRENTE DE JATO SUBTROPICAL E COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA PARTE I: A INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE JATO SUBTROPICAL NO DESENVOLVIMENTO DE COMPLEXOS CONVECTIVOS DE MESOESCALA Eny

Leia mais

A ZONA DE CONVERGÊNCIA DO ATLÂNTICO SUL NO MODELO CLIMÁTICO DO HADLEY CENTRE. Iracema F.A.Cavalcanti 1 e Peter Rowntree 2 ABSTRACT

A ZONA DE CONVERGÊNCIA DO ATLÂNTICO SUL NO MODELO CLIMÁTICO DO HADLEY CENTRE. Iracema F.A.Cavalcanti 1 e Peter Rowntree 2 ABSTRACT A ZONA DE CONVERGÊNCIA DO ATLÂNTICO SUL NO MODELO CLIMÁTICO DO HADLEY CENTRE. Iracema F.A.Cavalcanti e Peter Rowntree CPTEC/INPE, BRASIL HADLEY CENTRE, U.K. ABSTRACT The South Atlantic Convergence Zone

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA Amanda Souza Campos 1 ;Maria Isabel Vitorino 2 ;Paulo Kunh 2 ;Jaci Saraiva Bilhalva 3 ; Adriano M. Leão de Sousa 4 1 UFPA/IG/FAMET

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

ESTUDO DE CASO DE CHUVAS EXTREMAS NO NEB: RECIFE (PE) - ABRIL DE 2011. wendellmax@gmail.com

ESTUDO DE CASO DE CHUVAS EXTREMAS NO NEB: RECIFE (PE) - ABRIL DE 2011. wendellmax@gmail.com ESTUDO DE CASO DE CHUVAS EXTREMAS NO NEB: RECIFE (PE) - ABRIL DE 2011 Wendell Max Barbosa Fialho 1 e Luiz Carlos Baldicero Molion 1 1 Universidade Federal de Alagoas Instituto de Ciências Atmosféricas

Leia mais

à atmosfera, considera a atenuação e a reflexão devido à presença das nuvens.

à atmosfera, considera a atenuação e a reflexão devido à presença das nuvens. 457 RESUMO ESTIMATIVA DA RADIAÇÂO SOLAR INSTANTÂNEA POR SAT~LITE PARA C~U CLARO OU ENCOBERTO Nelson Arai Fausto Carlos de Almeida Usando um modelo físico de transferência radiativa e imagens obtidas por

Leia mais

Visualização e Acompanhamento Automático de Sistemas de Nuvens

Visualização e Acompanhamento Automático de Sistemas de Nuvens Visualização e Acompanhamento Automático de Sistemas de Nuvens SELAN RODRIGUES DOS SANTOS 1 CATI ELISA DE AVILA VALADÃO 1 MARCELO DREUX 2 1 PUC-Rio, Departamento de Informática 2 PUC-Rio, Departamento

Leia mais

Ocorrência de Storm Track no Hemisfério sul

Ocorrência de Storm Track no Hemisfério sul Ocorrência de Storm Track no Hemisfério sul 1Luciana C. S. Vieira,2Britaldo S.S.Filho, Apresentado no XVII Congresso Brasileiro de Agrometeorologia 18 a 21 de Julho de 2011 SESC Centro de Turismo de Guarapari,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR.

CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR. CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR. Abstract Anatoli Starostin Universidade Federal de Pelotas, Centro

Leia mais

Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR

Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR Metodologias de estimativa de cobertura de nuvens e seus resultados no modelo BRASIL-SR Jefferson Gonçalves de Souza 1 Alice dos Santos Macedo 1 Fernando Ramos Martins 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 ESTUDO DE CASO - TEMPESTADE NA AMAZÕNIA BRASILEIRA Mamedes L. Melo 1, André L. de Moura, Flávia Lacerda, Ligia R. Bernardet, Reinaldo B. da Silveira Instituto Nacional de Meteorologia INMET RESUMO No dia

Leia mais

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4

ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ESTIMATIVA DE NDVI UTILIZANDO IMAGENS DOS SATÉLITES CBERS-2B_CCD, CBERS-2B_WFI E METEOSAT-9_SEVIRI 4 ELIZABETH FERREIRA 1, ANTONIO A. A. DANTAS 2, HUMBERTO A. BARBOSA 3 1 Engenheira Agrícola, Professora

Leia mais

ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998)

ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998) ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998) Thalison Lempke da Silva 1, Paulo Roberto Pelufo Foster 2 RESUMO - Este trabalho tem

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe / A Rede de Detecção de Relâmpagos Total GLD360 da Vaisala detecta atividades meteorológicas no mundo inteiro A rede em que você pode confiar! A Rede de Detecção

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Jurandir Ventura Rodrigues 1 Simone Sievert da Costa 1 Rogério da Silva Batista 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS.

Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS. Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS. Bruna Zaparoli, Claudinéia B. Saldanha, Rita de Cássia Marques Alves Centro Estadual de Pesquisas em Sensoriamento

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

Detecção automática de sombras e nuvens em imagens CBERS e Landsat 7 ETM

Detecção automática de sombras e nuvens em imagens CBERS e Landsat 7 ETM Detecção automática de sombras e nuvens em imagens CBERS e Landsat 7 ETM Airton Marco Polidorio 1 Franklin César Flores 1 Clélia Franco 1 Nilton Nobuhiro Imai 2 Antonio Maria Garcia Tommaselli 2 1 Universidade

Leia mais

Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica

Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica RESUMO: Este documento apresenta um método de previsão a curto prazo

Leia mais

SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO E DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA DOS CICLONES DAS PRINCIPAIS CIDADES DA REGIÃO SUL DO BRASIL.

SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO E DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA DOS CICLONES DAS PRINCIPAIS CIDADES DA REGIÃO SUL DO BRASIL. SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO E DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA DOS CICLONES DAS PRINCIPAIS CIDADES DA REGIÃO SUL DO BRASIL. Simone Rosangela Mombach *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS DOS DIAS 04 a 09 DE JANEIRO DE 2011 ASSOCIADOS A PANCADAS DE CHUVA EM SANTA MARIA-RS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS DOS DIAS 04 a 09 DE JANEIRO DE 2011 ASSOCIADOS A PANCADAS DE CHUVA EM SANTA MARIA-RS ANÁLISE DAS CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS DOS DIAS 04 a 09 DE JANEIRO DE 2011 ASSOCIADOS A PANCADAS DE CHUVA EM SANTA MARIA-RS Mauricio Ilha de Oliveira 1 Daiane de Vargas Brondani¹ Ernani de Lima Nascimento²

Leia mais

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO Ednardo Moreira Rodrigues 1, Carlos Jacinto de Oliveira 2, Francisco Geraldo de Melo Pinheiro 2, Jonathan Alencar

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMAS CONVECTIVOS DE MESOESCALA SOBRE O SUL DA AMÉRICA DO SUL UTILIZANDO O MODELO WRF

AVALIAÇÃO DE SISTEMAS CONVECTIVOS DE MESOESCALA SOBRE O SUL DA AMÉRICA DO SUL UTILIZANDO O MODELO WRF AVALIAÇÃO DE SISTEMAS CONVECTIVOS DE MESOESCALA SOBRE O SUL DA AMÉRICA DO SUL UTILIZANDO O MODELO WRF Luciana Cardoso Neta 1 Roseli Gueths Gomes 2 1, 2 Centro de Pesquisa e Previsões Meteorológicas - (CPPMet)

Leia mais

Adversidades Climáticas Geradoras de Eventos de Inundação. Camila Cossetin Ferreira camila.ferreira@crs.inpe.br

Adversidades Climáticas Geradoras de Eventos de Inundação. Camila Cossetin Ferreira camila.ferreira@crs.inpe.br Adversidades Climáticas Geradoras de Eventos de Inundação Camila Cossetin Ferreira camila.ferreira@crs.inpe.br Introdução Circulação Geral da Atmosfera Massas de Ar que Afetam a América do Sul Sistemas

Leia mais

DIAGNóSTICO 00 CAMPO DE PRECIPITAÇÃO A PARTIR DA INTEGRAÇÃO RADAR E SATÉLITE METEOIDLéX;ICOS

DIAGNóSTICO 00 CAMPO DE PRECIPITAÇÃO A PARTIR DA INTEGRAÇÃO RADAR E SATÉLITE METEOIDLéX;ICOS 267 ResUTO DAGNóSTCO 00 CAMPO DE PRECPTAÇÃO A PARTR DA NTEGRAÇÃO RADAR E SATÉLTE METEODLéX;COS MARA A. SENAUBAR ALVES cra-ae JORGE CONRADO CONFOR'E NPE OSWADO MASSAMBAN AG-USP FAUSTO C. DE ALflffiDA NPE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA. Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA. Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza ANÁLISE DE NEVOEIROS NOS AEROPORTOS DAS CAPITAIS DO SUL DO BRASIL Florianópolis

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

ANÁLISE DE PICOS SECUNDÁRIOS NA CONCENTRAÇÃO DE OZÔNIO EM SUPERFÍCIE SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

ANÁLISE DE PICOS SECUNDÁRIOS NA CONCENTRAÇÃO DE OZÔNIO EM SUPERFÍCIE SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ANÁLISE DE PICOS SECUNDÁRIOS NA CONCENTRAÇÃO DE OZÔNIO EM SUPERFÍCIE SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 1 Helena Turon Balbino, 2 Edmilson Dias de Freitas RESUMO: Neste trabalho são analisados máximos

Leia mais

ANÁLISE DA PASSAGEM DE UM SISTEMA FRONTAL NO SUL DE SANTA CATARINA EM AGOSTO DE 2005. Rafael Marques 1

ANÁLISE DA PASSAGEM DE UM SISTEMA FRONTAL NO SUL DE SANTA CATARINA EM AGOSTO DE 2005. Rafael Marques 1 ANÁLISE DA PASSAGEM DE UM SISTEMA FRONTAL NO SUL DE SANTA CATARINA EM AGOSTO DE 2005. Rafael Marques 1 RESUMO: Este artigo descreve a ocorrência da passagem de um sistema frontal em Tubarão, região sul

Leia mais

Por. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE CP 515, 12201-970, São José dos Campso, SP, Brasil. E-Mail: casseb@met.inpe.br.

Por. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE CP 515, 12201-970, São José dos Campso, SP, Brasil. E-Mail: casseb@met.inpe.br. Aplicação do Método das Variáveis Conservativas no Estudo da Estrutura da Camada Limite Amazônica. Por Alexandre M. Casseb do Carmo, Sergio H. Franchito e V. Brahamananda Rao Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com ANÁLISE PRELIMINAR DA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA E ALBEDO DE SUPERFÍCIE PARA MICRORREGIÃO DO BAIXO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE, UTILIZANDO O SENSOR TM DO LANDSAT 5 E O ALGORITMO SEBAL.

Leia mais

Protótipo tipo de um Ambiente para Processamento de Imagens Raster 2D

Protótipo tipo de um Ambiente para Processamento de Imagens Raster 2D Protótipo tipo de um Ambiente para Processamento de Imagens Raster 2D Adriana Fornazari Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador Roteiro Introdução Ambientes de processamento de imagens Arquivos gráficos

Leia mais

Análise sinótica e avaliação qualitativa do evento severo ocorrido no Estado de Santa Catarina (SC) em novembro de 2008 RESUMO

Análise sinótica e avaliação qualitativa do evento severo ocorrido no Estado de Santa Catarina (SC) em novembro de 2008 RESUMO Análise sinótica e avaliação qualitativa do evento severo ocorrido no Estado de Santa Catarina (SC) em novembro de 2008 Naiane Pinto Araujo 1, Kelen M. Andrade 1, Carlos R. Weide Moura 1, Gustavo C. J.

Leia mais

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Heriberto dos Anjos Amaro 1, Elisângela Gonçalves Lacerda 1, Luiz Carlos Baldicero Molion 2 1 Pontifícia Universidade

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO Antônio Marcos Mendonça 1, Alessandro Sarmento Cavalcanti 2, Antônio do Nascimento Oliveira 2, Fábio Hochleitner 2, Patrícia

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DOS SISTEMAS CONVECTIVOS DE ESCALA MESO-α ATRAVÉS DAS IMAGENS DE SATÉLITE GOES-8

ANÁLISE DESCRITIVA DOS SISTEMAS CONVECTIVOS DE ESCALA MESO-α ATRAVÉS DAS IMAGENS DE SATÉLITE GOES-8 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO ESTADUAL DE PESQUISAS EM SENSORIAMENTO REMOTO E METEOROLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO ANÁLISE DESCRITIVA DOS SISTEMAS CONVECTIVOS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. Versão 1.0 Data 15/09/2015

PERGUNTAS FREQUENTES. Versão 1.0 Data 15/09/2015 PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.0 Data 15/09/2015 1. O que é S-NPP? S-NPP (Suomi-National Polar-orbiting Partnership) é o primeiro da nova geração de satélites de órbita polar da série JPSS (Joint Polar

Leia mais

Implantação de sistema computacional aplicado a informações meteorológicas para internet.

Implantação de sistema computacional aplicado a informações meteorológicas para internet. Autor: Irene Cristina Pereira Corrêa Orientador(a): Júlia Clarinda Paiva Cohen Co-orientador: Paulo Afonso Fischer Kuhn Filiação: Curso de Meteorologia / Universidade Federal do Pará E-mail: irenecristinacorrea@hotmail.com

Leia mais

Introdução a Oceanografia GEO232

Introdução a Oceanografia GEO232 Introdução a Oceanografia GEO232 Módulo 3 Oceanografia Física Aula 2 Interação Oceano-Atmosfera 1º semestre 2007 Carlos Lentini cadlentini@gmail.com Escalas típicas: Atmosfera e Oceano Fluídos geofísicos:

Leia mais

O software EVP Plus fornece o processamento mais recente de imagens para os sistemas CR e DR

O software EVP Plus fornece o processamento mais recente de imagens para os sistemas CR e DR O software EVP Plus fornece o processamento mais recente de imagens para os sistemas CR e DR Introdução Os técnicos de radiografia esperam um grau alto de automação e eficiência na tecnologia que eles

Leia mais

Colóquio APMG 201405. Um Inverno particular. Pedro Viterbo Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Agradecimentos: Julia Slingo, UK Metoffice

Colóquio APMG 201405. Um Inverno particular. Pedro Viterbo Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Agradecimentos: Julia Slingo, UK Metoffice Colóquio APMG 201405 Um Inverno particular Pedro Viterbo Instituto Português do Mar e da Atmosfera Agradecimentos: Julia Slingo, UK Metoffice APMG 201405 Colóquio APMG 201405 Com as devidas desculpas a

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO

DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO DIGITALIZAÇÃO E CONTAGEM DAS HORAS DE BRILHO SOLAR NAS PARTIÇÕES HORÁRIA E DIÁRIA PARA HELIOGRAMAS-EQUINÓCIO ALEXANDRE DAL PAI 1 ; FABIO HENRIQUE P. CORRÊA 2 ; LUIZ CARLOS DALL ANTONIA 3 ; DOUGLAS RODRIGUES

Leia mais