INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA. Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA. Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA Andyara Oliveira Callegare Bruna Franciny Kamers Felini de Souza ANÁLISE DE NEVOEIROS NOS AEROPORTOS DAS CAPITAIS DO SUL DO BRASIL Florianópolis - Santa Catarina Junho de 2010

2 RESUMO Em qualquer meio de transporte a meteorologia se torna importantíssima, principalmente a previsão de fenômenos atmosféricos que possam prejudicar a atividade humana. Para a aviação um dos mais importantes elementos meteorológicos é a visibilidade horizontal que interfere fortemente durante o pouso e decolagem, o nevoeiro pode ser capaz de restringir a visibilidade horizontal em até 1 km e têm causado atrasos, cancelamentos e acidentes durante os vôos; sendo uma causa comum de fechamento de aeródromos na região sul- brasileira. Foi realizada uma revisão da pesquisa sobre nevoeiros, apresentando a definição assim como sua formação e classificação. E posteriormente analisado e estudado trabalhos elaborados anteriormente sobre os Aeroportos Internacionais de Afonso Pena e Salgado Filho. E por fim foi analisado e elaborado gráficos sobre as horas de nevoeiros no Aeroporto Internacional Hercílio Luz durante o período de 1968 até 1992.Assim tendo-se uma melhor visão sobre os nevoeiros nos aeroportos da região sul brasileira. Palavras chave: aeroporto, nevoeiro, massas de ar.

3 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1- Nevoeiro de advecção...8 FIGURA 2- Nevoeiro de radiação...9 FIGURA 3- Nevoeiro de encosta...10 FIGURA 4- Nevoeiro de frontal...11 FIGURA 5- Gráfico de horas de nevoeiro por ano em POA...13 FIGURA 6- Gráfico de horas de nevoeiro por mês em POA...14 FIGURA 7-Gráfico de frequência de nevoeiro em Curitiba...15 FIGURA 8- Gráfico de horas de nevoeiro por ano (68/92)...16 FIGURA 9- Gráfico de horas de nevoeiro por mês (68/92)...17 FIGURA 10- Gráfico de porcentagem de horas de nevoeiro por estação (68/92)...18

4 SUMÁRIO 1 NTRODUÇÃO Objetivo geral Objetivo especifico NEVOEIROS NEVOEIROS DE MASSAS DE AR Nevoeiros de Advecção Nevoeiros de Radiação Nevoeiro Advectivo Radioativo Nevoeiro de Encosta NEVOEIROS FRONTAIS IDENTIFICAÇÃO DE NEVOEIROS POR SATELITE ANÁLISE AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO AEROPORTO INTERNCAIONAL AFONSO PENA AEROPORTO INTERNCAIONAL HERCÍLIO LUZ Horas de nevoeiro por ano Horas de nevoeiro por mês Porcentagem de horas de nevoeiro por estação CONCLUSÃO...19

5 1 INTRODUÇÃO A meteorologia possui grande importância nos diversos setores da vida humana. Na aérea de transporte a meteorologia possui grande importância para determinar se é seguro passar em algum lugar quando tiver tendo algum fenômeno meteorológico,chuvas fortes podem deixar a pista muito escorregadia e causar acidentes nas estradas,quando tem tempestades nos oceanos a navegação não é segura, e como não se tem como controlar esses fenômenos naturais o máximo que podemos fazer é prever esses fenômenos e assim tentar reduzir o numero de acidentes. A visibilidade horizontal é um dos fatores meteorológicos que interferem em todos os meios de transportes,na aviação interfere fortemente na hora da decolagem e do pouso de uma aeronave. Na presença de nevoeiros a visibilidade pode ser diminuída em até 1 km podendo causar acidentes e os pilotos devem considerar o risco de acidentes,. Se o nevoeiro estiver muito denso e o piloto tiver dificuldade para pousar a saída mais segura é pousar em algum aeroporto próximo. O aumento do número de aeroportos possibilita o pouso em local seguro. É comum na região sul - brasileira o fechamento de aeródromos pelas condições de mau tempo e pela ocorrência de nevoeiros. Além do grande numero de ocorrências de nevoeiro na região sul, o tráfego aéreo aumentou bastante nos últimos anos, aumentando assim a importância da segurança aérea para os vôos nessa região. O Aeroporto Internacional Afonso Pena localizando em Curitiba-PR é comumente fechado para operações por causa de nevoeiros por ser uma região fortemente afetada por esse fenômeno e é um aeródromo movimentado, tendo transportado passageiros em 2009, tendo em vista que a previsão de nevoeiros é muito útil para a segurança dos vôos.assim como o Aeroporto Internacional Afonso Pena o Aeroporto Internacional Salgado Filho localizado em Porto Alegre-RS é também fortemente afetado por nevoeiros e fechado para operações e transportou ainda mais passageiros em 2009, passageiros. Apesar do Aeroporto Internacional Hercílio Luz localizado em Florianópolis não ter altas taxas de ocorrência de nevoeiros como nos outros aeródromos da região

6 sul, esse fenômeno causa alguns atrasos nos vôos e dificuldades na hora do pouso,tendo sido transportados em passageiros,bem menos que nos outros aeródromos das capitais da região sul - brasileira. Neste estudo será analisado as horas de ocorrência de nevoeiros por ano e por mês assim como sua porcentagem por estação do ano,sendo analisado dados desde 1968 até 1992 e elaborado gráficos para o Aeroporto Internacional Hercílio Luz.Nos Aeroportos Internacionais de Salgado Filho e Afonso Pena será apresentado os resultado obtidos por trabalhos feitos anteriormente pelo Instituto de Controle Aéreo. 1.1 OBJETIVOS Objetivo Geral Estudar e analisar os nevoeiros nos Aeroportos das capitais do Sul do Brasil Objetivos Específicos a-)elaborar um referencial teórico sobre nevoeiros. b-)elaborar e analisar gráficos de horas de nevoeiros no Aeroporto Internacional Hercílio Luz durante o período de 1968 até c-)estudar e analisar os resultados dos gráficos de horas de nevoeiro no Aeroporto Internacional Salgado filho durante o período de 1998 até d-)estudar e analisar os resultados de gráficos de freqüência de nevoeiros no Aeroporto Internacional Afonso Pena durante o período de 1998 até 2007.

7 2 NEVOEIROS Nevoeiro é uma nuvem do tipo stratus próxima ao solo. Formada por saturação do ar, que poder ocorrer pelo resfriamento do ar ou acréscimo de vapor de água ao ar e diminui a visibilidade em até metros. Para sua formação é necessário que a temperatura do ar esteja próxima à do ponto de orvalho, vento fraco à superfície e existência de processos de arrefecimento do ar. Dissipa-se com o aquecimento do solo, com a diminuição da umidade relativa e com o aumento da intensidade do vento. Pode ser classificado como forte, moderado e fraco, sendo forte quando afeta a visibilidade em 100m, moderado quando afeta a visibilidade entre 100m e 500m e fraco quando afeta entre 500m e 1.000m. São divididos em nevoeiros de massas de ar e nevoeiros frontais, conforme sua formação. 2.1 NEVOEIROS DE MASSAS DE AR São subdivididos em nevoeiros de advecção, radiação, advectivo-radioativo e de encosta. É formado devido ao resfriamento do ar úmido, até a umidade relativa se elevar e a temperatura do ar atingir o ponto de orvalho.

8 2.1.1Nevoeiro de Advecção. FONTE: acesso em 1 de junho de Traduzido pelo grupo. FIGURA1:Nevoeiro de advecção. O nevoeiro pode ocorrer devido ao transporte de ar quente sobre a superfície fria, podendo ser associado à brisa terrestre e à brisa marítima, ao ar marítimo e ao ar tropical. Os nevoeiros associados à brisa marinha e terrestre ocorrem devido ao contraste de temperatura entre o continente e o oceano. Causando, no inverno nevoeiros sobre o continente e, no verão, sobre o oceano. O nevoeiro de ar marítimo é formado quando uma massa de ar quente se move de uma parte mais aquecida do oceano para outra parte mais fria. O nevoeiro de ar tropical é similar ao nevoeiro de ar marítimo, exceto que esse é devido ao deslocamento de uma massa de ar saindo de uma região tropical e indo para a região polar, sendo gradativamente resfriado pelo oceano.

9 Quando o nevoeiro ocorre devido ao transporte de ar frio sobre a superfície quente é chamado de nevoeiro de vapor. O nevoeiro de vapor se forma quando ar frio com baixa pressão se desloca sobre a água mais quente, tendo maior freqüência no outono e inverno e podendo ocorrer sobre qualquer massa de água(rios,lagos,oceanos) Nevoeiro de Radiação FONTE: acesso em 1 de junho de Traduzido pelo grupo. FIGURA 2: NEVOEIRO DE RADIAÇÃO Ocorre devido ao rápido resfriamento do solo em noites sem nuvens e ventos fracos, dissipa-se rapidamente nas manhãs com o aquecimento solar.só acontecem em continentes e podem ser acumulados por varias noites.

10 O nevoeiro de superfície é formado a partir da inversão térmica da superfície causada pelo resfriamento radioativo durante apenas uma noite, o ar em contato com o solo se resfria até atingir o ponto de orvalho. O nevoeiro de alta inversão é característico no inverno e ocorre devido a inversão térmica da superfície pelo resfriamento radioativo acumulado de várias noites Nevoeiro advectivo radioativo Podem ocorrer nas regiões próximas às grandes massas de água devido ao resfriamento noturno do ar úmido vindo das águas aquecidas sobre o continente, ocorre principalmente no verão e outono e produz alta temperatura do ponto de orvalho Nevoeiro de encosta FONTE: acesso em 1 de junho de Traduzido pelo grupo. FIGURA 3: NEVOEIRO DE ENCOSTA

11 Ocorre devido ao rápido resfriamento de uma massa de ar úmido se deslocando para altitudes maiores. Não se dissipa com ventos fortes, pois esses quanto mais fortes mais rápido elevam a massa de ar resultando em um resfriamento mais rápido. 2.2 NEVOEIROS FRONTAIS FONTE: acesso em 1 de junho de Traduzido pelo grupo. FIGURA 4: NEVOEIRO FRONTAL Os nevoeiros pré e pós frontais ocorrem quando a precipitação associada ao ponto de orvalho aumenta. Quando associada a uma frente quente é chamada de ré-frontal e gera nevoeiros dispersos. Quando associada a uma frente fria é chamada de pós-frontal e gera nevoeiros localizados. O nevoeiro frontal se forma no encontro de massas de ar que estiverem muito úmidas antes de se encontrarem. Quando se encontram o resfriamento gera um nevoeiro provisório ao longo da frente.

12 2.3 IDENTIFICAÇÃO DE NEVOEIROS POR SATELITES A identificação do nevoeiro por imagens de satélites meteorológicos melhora os sistemas de alerta. Nas imagens do visível (VIS) o nevoeiro apresenta uma textura lisa, se tornando difícil de distinguir de uma nuvem stratus, nas imagens de infravermelho (IV) o nevoeiro aparece em tonalidade cinza escuro quando a temperatura do solo não é próxima à do topo do nevoeiro. Se a temperatura do solo for próxima à do topo se torna impossível de ser identificada, sendo necessário uma combinação das imagens do visível e do infravermelho parar se detectar. 3 ANÁLISE 3.1 AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO

13 O Aeroporto Internacional Salgado Filho localizado em Porto Alegre, devido a grande incidência de nevoeiros, é fechado para pousos e decolagens durante esse fenômeno. A análise e a freqüência das ocorrências de nevoeiros no anos de 1998 até 2006, foi realizada no Relatório de Pesquisa ANALISE DE FREQUENCIA DE OCORRENCIA DE NEVOEIROS NO AEROPORTO SALGADO FILHO-PORTO ALEGRE/RS, produzido no Instituto de Controle do Espaço Aéreo em 2008, e elaborado pelo aluno Luiz Alexandre Fragoso de Almeida. Mostra-se a seguir alguns gráficos apresentando as horas de nevoeiro por ano e horas de nevoeiro por mês. FONTE:INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AEREO. FIGURA 5: Gráfico de horas de nevoeiro por ano em POA.

14 FONTE:INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AEREO. FIGURA 6:Gráfico de horas de nevoeiro por mês em POA. Tendo em media 120 horas e 32 dias de nevoeiro por ano, o Aeroporto Internacional Salgado Filho apresenta cerca de 70% de suas ocorrencias nos meses de maio a agosto, principalmente nos meses de outono. Em Porto Alegre existe alta taxa de ocorrência de nevoeiros devido a vários fatores geográficos e meteorológicos. O autor desse trabalho sugeriu a avaliação da relação entre nevoeiros e os fenômenos do El niño e da La niña. 3.2 AEROPORTO INTERNACIONAL AFONSO PENA Localizado em Curitiba, apresenta grande incidência de nevoeiros e é gravemente afetado por esse fenômeno, resultando no fechamento para pousos e decolagens. A análise e a freqüência de ocorrências de nevoeiros nos anos de 1998 até 2007 foi realizada no Relatório de Pesquisa ANALISE DE FREQUENCIA DA OCORRENCIA DE NEVOEIROS NO AEROPORTO INTERNACIONAL AFONSO

15 PENA CURITIBA/PR, produzido no Instituto de Controle do Espaço Aéreo em 2008, elaborado pelo aluno Marcelo Augusto Damaceno. Mostra-se a seguir o gráfico de freqüência de ocorrência de nevoeiro por estação do ano. FONTE:INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AEREO. FIGURA 7:Gráfico de freqüência de ocorrência de nevoeiro em Curitiba A figura 7 apresenta a freqüência de ocorrência de nevoeiros por estação do ano e hora de formação e dissipação,possuindo a maior parte de suas ocorrências nos meses de outono e em seguido no inverno com a maior parte de no período da manhã atingindo o valor máximo próximo as 07 e não ocorrendo entre as 11 até as AEROPORTO INTERNACIONAL HERCÍLIO LUZ Localizado em Florianópolis A seguir apresentam-se gráficos elaborados para a avaliação de horas de nevoeiros no Aeroporto Internacional Hercílio Luz com os dados da estação meteorológica desse aeródromo cedidos pelo Maurici Monteiro.

16 3.3.1Horas de nevoeiro por ano. FIGURA 8: Gráfico de horas de nevoeiro por ano (68/92). A figura 8 apresenta as horas de ocorrência de nevoeiro por ano, no período de 1968 a É possível verificar uma redução significativa de 1968 até 1971 e nos anos de 1975, 1980, 1986, 1987e 1989, uma vez que a ocorrência do fenômeno ficou inferior a 10 horas, sendo mínima em 1970 com 3,4 horas de fenômeno. Os anos de 1984,1988 e 1990 foram os anos com maiores horas de ocorrência, ficando próximos a 45 horas. O ano de 1988 foi o ano com mais horas, com 46,4 horas de nevoeiro. Ao total foram constatadas 450,6 horas de ocorrência de nevoeiro no período sob análise. Enquanto que a média de horas de nevoeiro por ano no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em média é de 120 horas, no Aeroporto Internacional Hercílio Luz se tem, apenas, em media 18 horas de nevoeiro por ano, sendo esse ultimo bem menos afetado por esse fenômeno.

17 3.3.2 Horas de nevoeiro por mês. FIGURA 9:Gráfico de horas de nevoeiro por mês (68/92). A figura 9 apresenta o total de horas de ocorrência de nevoeiro por mês, no período de jan/1968 à dez/1992, onde é possível perceber uma maior quantidade de horas de nevoeiro nos meses de maio a setembro, correspondendo à 453,6 horas de ocorrência ao todo. É possível verificar que de novembro a abril ficou inferior à 5 horas. Enquanto que no Aeroporto Internacional Hercílio Luz não se registrou mais de 10 horas de ocorrências de nevoeiros nos meses de outubro a abril, no Aeroporto Internacional Afonso Pena não foi registrado valores inferiores a 10 horas de ocorrência nesses meses. Em Florianópolis, o aumento significativo de horas de nevoeiro ocorre no mês de maio, enquanto que em Porto Alegre o aumento significativo é no mês de abril. Em ambos os aeroportos o maior índice de horas de nevoeiro é no mês de junho Porcentagem de horas de nevoeiro por estação.

18 FIGURA 10:Gráfico de porcentagem de horas de nevoeiro por estação (68/92). A figura 10 apresenta a porcentagem de horas de nevoeiro por estação do ano de 1968 até Percebe-se que durante o outono e inverno é quando ocorre mais horas de nevoeiro enquanto durante a primavera e verão quase se mantém nulos. Durante o inverno ocorre mais da metade das ocorrências tendo 58,50% do total de horas de nevoeiro.

19 4 CONCLUSÃO A questão dos nevoeiros é de grande importância para aviação, pois afeta a visibilidade na hora dos pousos e decolagens, que é um fator importantíssimo para a segurança nas aeronaves. A previsão das ocorrências de nevoeiro é essencial para a aviação e pode ser auxiliada por satélites, mas é dificultado pela falta de imagens no visível durante a noite que é quando se forma a maioria dos nevoeiros,sendo necessária para a identificação por satélite as imagens do visível e infravermelho. Sendo necessários desenvolver métodos de previsão mais precisos para melhorar o gerenciamento dos vôos, já que os vôos domésticos continuam em crescimento. O Aeroporto Internacional Hercílio Luz localizado na cidade de Florianópolis é pouco prejudicado por esse fenômeno, com cerca de 18 horas de nevoeiro por ano, e tendo aumento significativo de horas de nevoeiro durante os meses de junho a agosto,e portanto se deve ter uma precaução maior nesses meses, pois a chances desse fenômeno ocorrer aumenta.no Aeroporto Internacional Afonso Pena localizado na cidade de Porto Alegre que é fortemente afetado por esse fenômeno,com cerca de 120 horas de nevoeiro por ano,tendo um aumento significativo de horas nos meses de abril até setembro,2 meses a mais de aumento significativo e quase 7 vezes mais horas de ocorrência que em Florianópolis.No Aeroporto Internacional Afonso Pena localizado em Curitiba que é comumente fechado por causa de nevoeiros pode-se verificar que os nevoeiros de longa duração se formam no dia anterior e quanto mais tarde se forma o nevoeiro mais curto ele será,além de que em todos os aeródromos estudados foi durante o outono e inverno que ocorreram a maioria dos nevoeiros. Estando em constante evolução a meteorologia depende de modelos matemáticos complexos e assim sendo difícil sua previsão, mas sendo necessária, é muito útil prever as condições da atmosfera para melhorar a qualidade de vida.

20 REFERÊNCIAS Almeida,Luiz Alexandre Fragozo de ANÁLISE DE FREQÜÊNCIA DA OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO PORTO ALEGRE/RS,2008 BYERS,Horace Robe.General meteorology.nova York e Londres :Ed.Sgraw-hill book company,1944. CENTRO DE PREVISÃO DE TEMPO E ESTUDOS CLIMATICOS.Disponivel em: Acesso em 1 de junho de Damaceno, Marcelo Augusto.ANÁLISE DE FREQÜÊNCIA DA OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL AFONSO PENA CURITIBA/PR, 2008 FERREIRA, Artur Gonçalves. Meteorologia Prática. São Paulo: Oficina de Textos, INSTITUTE FOR COMPUTACIONAL EARTH SYSTEM SCIENCE.Disponivel em: Acesso em 1 de junho de LYNDON STATE COLLEGE ATMOSPHERIC SCIENCES.Disponivel em: Acesso em 1 de junho de METEO QUELUZ.Disponivel em: Acesso em 1 de junho de 2010.

21 PRETOR-PINNEY, Gavin. Guia do observador de nuvens. Tradução: Claudio Figueiredo. Rio de Janeiro: Intríseca, SONNEMAKER,João Baptista.Meteorologia.São Paulo :Ed. Só textos,1983. TUBELLIS. A. & NASCIMENTO, F. J. L. Meteorologia Descritiva.São Paulo :Ed. Nobel,1988. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO.Disponivel em: Acesso em 1 de junho de UNIVERSITY CORPORATION FOR ATMOSFERIC RESEARCH.Disponivel em: stics.htm Acesso em 1 de junho de Varejão-Silva,Mário Adelmo. Meteorologia e Climatologia VD2,2005 Disponivel em: Acesso em 1 de junho de 2010.

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%)

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) O CLIMA MUNDIAL E BRASILEIRO A Atmosfera Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) As camadas da atmosfera: Troposfera; Estratosfera; Mesosfera; Ionosfera; Exosfera.

Leia mais

OS TIPOS DE NUVENS REGISTRADOS NA CIDADE DE PONTA GROSSA NOS ANOS 2013 E 2014

OS TIPOS DE NUVENS REGISTRADOS NA CIDADE DE PONTA GROSSA NOS ANOS 2013 E 2014 OS TIPOS DE NUVENS REGISTRADOS NA CIDADE DE PONTA GROSSA NOS ANOS 2013 E 2014 10 BATISTA, Cassiane Gabriele CRUZ, Gilson Campos Ferreira da Introdução A ação do Sol sobre a superfície terrestre, produz

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses

Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses Dados divulgados nesta semana das anomalias de temperatura da superfície do mar no Oceano Pacífico indicaram que fenômeno El Niño está na presente,

Leia mais

Prof: Franco Augusto

Prof: Franco Augusto Prof: Franco Augusto Efeito de latitude A forma esférica da Terra, faz os raios solares chegarem com intensidades variadas nas diversas porções do planeta. Nas áreas próximas à linha do Equador, com baixas

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado O começo deste verão é o mais abrasador dos últimos 11 anos no Rio Grande do Sul. As médias de temperatura máxima oscilam entre 28 C e 34 C nas diferentes regiões do Estado, chegando a alcançar três graus

Leia mais

ANÁLISE DE FREQÜÊNCIA DA OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO PORTO ALEGRE/RS. Relatório de Pesquisa

ANÁLISE DE FREQÜÊNCIA DA OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO PORTO ALEGRE/RS. Relatório de Pesquisa INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DIVISÃO DE ENSINO ANÁLISE DE FREQÜÊNCIA DA OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO PORTO ALEGRE/RS Relatório de Pesquisa Luiz Alexandre Fragozo

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 1. Introdução O inverno de 2011 foi marcado por excessos de chuva na Região Sul do país que, por sua

Leia mais

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas As definições de clima e tempo frequentemente são confundidas. Como esses dois termos influenciam diretamente nossas vidas, é preciso entender precisamente o que cada um significa e como se diferenciam

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

MASSAS DE AR E FRENTES

MASSAS DE AR E FRENTES MASSAS DE AR E FRENTES MASSA DE AR MAIS OU MENOS 5 KM DE ALTURA MAIS OU MENOS 2000 KM DE DIÂMETRO MASSA DE AR UM VASTO VOLUME DE AR, COM CARACTERÍSTICAS DE PRESSÃO, TEMPERATURA E UMIDADE APROXIMADAMENTE

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima

A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima - Conceitos e definições (iniciais) importantes: - Atmosfera: camada gasosa que envolve a Terra (78% Nitrogênio, 21% Oxigênio e 1% outros). A camada gasosa

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA Nuvens 2008 Índice Processo Adiabático 3 Calculo de Base de Nuvens 3 Nuvens Cumuliformes 3 Equilíbrio atmosférico 3 Características da instabilidade 4 Características

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO A DINÂMICA ATMOSFÉRICA CAPÍTULO 1 GEOGRAFIA 9º ANO Vanessa Andrade A atmosfera é essencial para a vida, porque além de conter o oxigênio que respiramos, ela mantém a Terra quente,

Leia mais

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS 2011/2012 Geografia 7º Ano de escolaridade O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS Estado do tempo e clima Elementos e fatores do clima A ATMOSFERA: Invólucro gasoso (camada de ar) que envolve a Terra;

Leia mais

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Relatório Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Introdução O presente documento pretende explicar o mais exato possível as condições meteorológicas que afetaram as soltas no dia 19ABR14.

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC Gean Carlos CANAL 1 ; Leonardo de Oliveira NEVES 2 ; Isaac Weber PITZ 3 ; Gustavo SANGUANINI 4 1 Bolsista interno IFC; 2 Orientador; 3 Graduando Agronomia;

Leia mais

Os principais tipos climáticos mundiais

Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais 1 massas de ar -Definição - Origens - Tipos - Frentes (fria e quente) 2 Climas -O que define os climas? - Tipos de climas

Leia mais

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico.

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO Abstract Everson Dal Piva* everson@cpmet.ufpel.tche.br Natalia Fedorova natalia@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA Como já foi visto no estudo dos movimentos atmosféricos, a distribuição dos ventos na superfície deve ser aproximadamente as das Figuras da página seguinte. Os ventos

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Geografia Série: 6ª Ensino Fundamental Professor: Rogério Duarte Geografia Atividades para Estudos Autônomos Data: 28 / 09 / 2015 Aluno(a): Nº:

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

b)condução.- O vapor d água e os aerossóis aquecidos, aquecerão por contato ou condução o restante da mistura do ar atmosférico, ou seja, o ar seco.

b)condução.- O vapor d água e os aerossóis aquecidos, aquecerão por contato ou condução o restante da mistura do ar atmosférico, ou seja, o ar seco. 4.3. Temperatura e transporte de Energia na Atmosfera ( Troposfera ).- A distribuição da energia solar na troposfera é feita através dos seguintes processos: a)radiação.- A radiação solar aquece por reflexão

Leia mais

Caracterização climática do estado de Santa Catarina: uma abordagem dos principais sistemas atmosféricos que atuam durante o ano.

Caracterização climática do estado de Santa Catarina: uma abordagem dos principais sistemas atmosféricos que atuam durante o ano. Caracterização climática do estado de Santa Catarina: uma abordagem dos principais sistemas atmosféricos que atuam durante o ano. Maurici Amantino Monteiro * Resumo O presente trabalho descreve o clima

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Índices Teleconectivos

Índices Teleconectivos Índices Teleconectivos NAO North Atlantic Oscillation ENSO El Niño Southern Oscillation Dinâmica do Clima Ana Picado 338 Carina Lopes 868 Introdução: Dinâmica do Clima A circulação atmosférica é bem conhecida

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11.

MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11. MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO IAC -3135-137-1095 EXPEDIÇÃO 20.10.95 09.11.95 NOSER D-HC-GV-SE-SR-IN-X TITULO: VÔO AGRÍCOLA

Leia mais

AS CHUVAS E AS SECAS INFLUENCIADAS PELO EL NIÑO E LA NIÑA NO SUL E NORDESTE BRASILEIRO

AS CHUVAS E AS SECAS INFLUENCIADAS PELO EL NIÑO E LA NIÑA NO SUL E NORDESTE BRASILEIRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADEMICO DE SAÚDE E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ANA PAULA GOLÇALVES CARLA ROSA LOPES

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 CONTEÚDOS Detalhe do posto meteorológico de Angra do Heroísmo, instalado na Igreja do Colégio (c. 1927). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP 1. (Fuvest 2012) Para ilustrar a dilatação dos corpos, um grupo de estudantes apresenta, em uma feira de ciências, o instrumento esquematizado na figura acima. Nessa montagem, uma barra de alumínio com

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DADOS CLIMATOLÓGICOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DE SUPERFÍCIE

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos domínios morfoclimáticos

Leia mais

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS)

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) 1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESTADO DO TEMPO E CLIMA? Estado do tempo É o conjunto de condições atmosféricas que se verificam num determinado lugar, num curto período

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 CONTEÚDOS Observatório José Agostinho 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 03 Caracterização Climática Mensal 03 Precipitação total 04

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade

vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade Fatores Climáticos: vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade correntes marítimas disposição do relevo. CORRENTES MARÍTIMAS Radiação Solar TIPOS DE CHUVAS 1- Massa de Ar Equatorial Amazônica:

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

NEVOEIRO EM PORTO ALEGRE - PREDITORES.

NEVOEIRO EM PORTO ALEGRE - PREDITORES. NEVOEIRO EM PORTO ALEGRE - PREDITORES. Valdeci Donizeti J. França 1, Antônio Paulo de Queiroz 2, Paulo R. Bastos de Carvalho 3 1,2,3 Centro Nacional de Meteorologia Aeronáutica Centro Integrado de Defesa

Leia mais

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 PERMANECE A TENDÊNCIA DE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA NA REGIÃO SUL SUMÁRIO EXECUTIVO A primeira semana da estação de inverno,

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Cemtec - MS Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos

Cemtec - MS Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos (Cemtec MS) Previsão do tempo PARA OS DIAS: 27 de maio (quarta-feira) a 29 de maio (sexta-feira) Chuva em Campo Grande para o mês de MAIO (até dia 26 às 13 h): 77,6 mm (estação do Inmet) A Normal Climatológica

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA NA ILHA DE SANTA CATARINA Projeto Integrador

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA Valores eternos. TD Recuperação MATÉRIA Geografia ANO/TURMA SEMESTRE DATA 6º 2º Dez/13 ALUNO(A) PROFESSOR(A) Tiago Bastos TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS NOTA VISTO DOS PAIS/RESPONSÁVEIS 1. Analise e

Leia mais

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial

EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I. Desorientação espacial EDIÇÃO Nº 10 FEVEREIRO 2013 INFORME SERIPA I Periódico de Prevenção A atitude (posição de voo) de uma aeronave é geralmente determinada pela referência do horizonte natural. Quando este está obscurecido,

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC)

Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC) Bloqueio atmosférico provoca enchentes no Estado de Santa Catarina(SC) Várias cidades da faixa litorânea do Estado de Santa Catarina (SC) foram castigadas por intensas chuvas anômalas ocorridas durante

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

Previsão de nevoeiro para o Aeroporto Salgado Filho por meio do uso combinado do Fog Stability Index com o método desenvolvido por José Soares Lima.

Previsão de nevoeiro para o Aeroporto Salgado Filho por meio do uso combinado do Fog Stability Index com o método desenvolvido por José Soares Lima. Previsão de nevoeiro para o Aeroporto Salgado Filho por meio do uso combinado do Fog Stability Index com o método desenvolvido por José Soares Lima. Fog forecasting for the Salgado Filho Airport through

Leia mais

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR?

QUAL É A CIDADE MAIS DISTANTE DO MAR? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 03 / 2 / 203 UNIDADE III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Aula5 UMIDADE DO AR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula5 UMIDADE DO AR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula5 UMIDADE DO AR META Abordar o elemento climático umidade em sua expressão mais signifi cativa, na tentativa de fazer compreender seus mecanismos.. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: defi

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Maio de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 2 5 7 8 Instituto Português

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

Análise de um evento de chuva intensa no litoral entre o PR e nordeste de SC

Análise de um evento de chuva intensa no litoral entre o PR e nordeste de SC Análise de um evento de chuva intensa no litoral entre o PR e nordeste de SC Entre o dia 11 de março de 2011 e a manhã do dia 13 de março de 2011 ocorreram chuvas bastante intensas em parte dos Estados

Leia mais

Exercícios - Fatores Exógenos

Exercícios - Fatores Exógenos Exercícios - Fatores Exógenos 1. A figura abaixo retrata a barreira que o relevo representa para os ventos e as massas de ar. Com base nesta figura são feitas as seguintes afirmativas: ( F ) As letras

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA DE HELIPONTOS. Visão geral sobre a operação de helicópteros no espaço aéreo brasileiro

SEMINÁRIO SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA DE HELIPONTOS. Visão geral sobre a operação de helicópteros no espaço aéreo brasileiro SEMINÁRIO SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA DE HELIPONTOS Visão geral sobre a operação de helicópteros no espaço aéreo brasileiro ROTEIRO Operação em Plataformas Petrolíferas Corredores de Helicópteros Procedimentos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM 1ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM 1. Fenômeno astronômico marca início do inverno no hemisfério sul A figura abaixo ajuda a compreender o fenômeno. Para dar

Leia mais

vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade

vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade Fatores Climáticos: vegetação massas líquidas latitude altitude maritimidade correntes marítimas disposição do relevo. CORRENTES MARÍTIMAS Radiação Solar TIPOS DE CHUVAS 1- Massa de Ar Equatorial Amazônica:

Leia mais

Sol. O Balanço de Energia do Planeta

Sol. O Balanço de Energia do Planeta Sol O Balanço de Energia do Planeta Aquecimento desigual do Planeta...no tempo:...no espaço: BALANÇO DA RADIAÇÃO À ESCALA MENSAL Rad. de pequeno c.d.o. (recebida) Balanço da radiação (recebida-emitida)

Leia mais

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR COMET Professor: Ar úmido A água está presente em certo grau em toda atmosfera em três estados: sólido, líquido e gasoso. O estado gasoso, ou vapor de água atmosférico

Leia mais