Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A RELATÓRIO ANUAL 2013 BANCO SUMITOMO MITSUI BRASILEIRO SA. SAC: Page 0 Ouvidoria:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A RELATÓRIO ANUAL 2013 BANCO SUMITOMO MITSUI BRASILEIRO SA. SAC: 0800-722 - 0248 Page 0 Ouvidoria: 0800-722 - 2762"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL 2013 BANCO SUMITOMO MITSUI BRASILEIRO SA SAC: Page 0 Ouvidoria:

2 CONTEÚDO PÁGINA I. MENSAGEM DO PRESIDENTE... 2 II. O SÍMBOLO... 3 III. SUMITOMO MITSUI FINANCIAL GROUP ( SMFG )... 4 IV. SUMITOMO MITSUI BANKING CORPORATION ( SMBC )... 5 V. BANCO SUMITOMO MITSUI BRASILEIRO S/A ( SMBCB )... 6 VI. ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS... 7 VII. RECURSOS HUMANOS... 8 VIII. COMITÊS CORPORATIVOS... 9 IX. GERENCIAMENTO DE RISCOS X. CONTROLE DE RISCO E HISTÓRICO DE PERDA DE EMPRÉSTIMO XI. PERFORMANCE XII. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS XIII. BALANÇOS PATRIMONIAIS XIV. DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO XV. DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO XVI. DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA XVII. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS XVIII. CANAIS DE ATENDIMENTO AO CLIENTE SAC: Page 1 Ouvidoria:

3 I. MENSAGEM DO PRESIDENTE Sumitomo Mitsui Banking Corporation ( SMBC ) mantem o foco em desenvolvimento de negócios internacionais como seu principal driver para o seu crescimento e expansão. Nesse contexto, a expansão de negócios de bancos comerciais nos mercados emergentes é parte importante da sua estratégia. Com a finalidade de maximizar os seus negócios internacionais, o SMBC vem expandindo sua rede ao redor do mundo e tem dado importância cada vez maior à interação entre suas agências internacionais. Com o intuito de apoiar esse crescimento, o SMBC vem modernizando o seu sistema de monitoramento de risco, capacitando seus recursos humanos em negócios internacionais e promovendo seus profissionais locais das unidades de negócios ao redor do mundo. O SMBC estabeleceu a subsidiária brasileira, Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro, voltada a atividades de bancos comerciais, há 56 anos em São Paulo. Desde sua fundação o Banco tem adquirido experiência e conhecimento dando apoio a seus principais clientes, provendo serviços financeiros de primeira qualidade. Em 27 de novembro de 2013 o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. passou a adotar o nome comercial (fantasia) de Sumitomo Mitsui Banking Corporation Brasil ("SMBCB"). Essa nova denominação tem como objetivo promover a melhor identificação com a Matriz, o "Sumitomo Mitsui Banking Corporation (SMBC)", estendendo globalmente as suas atividades bancárias. O SMBCB entende tanto as características peculiares do mercado brasileiro, bem como a chave para o sucesso em negócios globais. Acreditamos que a combinação da nossa presença local com a nossa rede global possa ser um instrumento útil e diferenciado para nossos clientes. A economia global continua cheia de incertezas. Nesse ambiente, acreditamos que nossa experiência global e conhecimento possam apoiar os seus negócios. Takaaki Otani Presidente Sumitomo Mitsui Banking Corporation Brasil SAC: Page 2 Ouvidoria:

4 II. O SÍMBOLO O símbolo do SMBC teve sua origem na idéia de Marca Crescente, que significa o novo crescimento do Banco através da manifestação das diversas habilidades dos profissionais do SMBC, de forma a prestar serviços financeiros de alto valor agregado e contribuir para o bem estar financeiro dos clientes. O verde claro e o verde escuro foram escolhidos como as cores da Instituição. O verde claro é utilizado na Marca Crescente para simbolizar as características de modernidade, conhecimento e simpatia do Banco, enquanto que o verde escuro é usado no pano de fundo do símbolo e na cor do texto para representar nossa tradição, confiabilidade e estabilidade. SAC: Page 3 Ouvidoria:

5 III. SUMITOMO MITSUI FINANCIAL GROUP ( SMFG ) O Sumitomo Mitsui Financial Group, Inc., foi constituído em dezembro de 2002 através de uma transferência de ações como uma holding bancária. As empresas do SMFG oferecem uma gama diversificada de serviços financeiros, centrado na atividade bancária, incluindo serviços de cartão de crédito, leasing, serviços de informações e valores mobiliários. Em 1º de novembro de 2010, o SMFG listou seus American Depositary Receipts (ADRs) na Bolsa de Nova York (NYSE). Esta decisão foi pautada na construção de uma base para acelerar o processo de se tornar um player global e para o contínuo desenvolvimento do negócio através da melhoria na transparência da condição financeira e maximização da conveniência dos investidores, participando diretamente no maior mercado mundial de ações e ao mesmo tempo diversificando seus canais de financiamento. SAC: Page 4 Ouvidoria:

6 IV. SUMITOMO MITSUI BANKING CORPORATION ( SMBC ) O Sumitomo Mitsui Banking Corporation foi constituído em Abril de 2001, através da fusão de dois bancos líderes: O Sakura Bank Limited e o Sumitomo Bank Limited. O SMBC tornou-se uma subsidiária integral do SMFG e em março de 2003, houve a fusão entre o SMBC e o Banco Wakashio Ltd. As vantagens competitivas do SMBC incluem uma sólida base de clientes, a rápida implementação de novas estratégias e uma extensa variedade de produtos e serviços financeiros considerando o expertise de empresas estratégicas do Grupo em áreas especializadas. O SMBC, como membro fundamental do SMFG, trabalha em conjunto com outros membros do Grupo para oferecer aos clientes serviços financeiros de alta qualidade e especialização. O SMFG e o SMBC transferiram suas sedes, anteriormente localizadas nos bairros Hibiya e Otemachi, para a seguinte localização. Endereço: 1-2, Marunouchi 1-chome, Chiyoda-ku, Tokyo , Japan (Sumitomo Mitsui Banking Corporation Head Office Building) Nota: Alguns departamentos foram realocados para Otemachi 1-chome Mitsui Building (2-3, Otemachi 1-chome, Chiyoda-ku, Tokyo). SAC: Page 5 Ouvidoria:

7 V. BANCO SUMITOMO MITSUI BRASILEIRO S/A ( SMBCB ) O Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A, subsidiária do SMBC, foi devidamente constituído segundo as leis brasileiras, com uma carteira de banco comercial, e passou a operar como banco múltiplo, acrescentando às suas atividades a carteira de banco de investimento desde O Banco foi constituído na década de 50 sob a denominação Casa Bancária Brazcot Ltda. Posteriormente, o antigo Sumitomo Bank Limited ( SBL ) adquiriu 60% do controle acionário do banco, época em que o Banco tornou-se a segunda subsidiária internacional do SBL, alterando sua denominação para "Banco Sumitomo Brasileiro S/A". A partir de 1º de abril de 2001, ao mesmo tempo em que o recém-constituído SMBC entrou em operação, a subsidiária brasileira entrou em operação com a nova denominação, Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A. Desde 2005, o SMBCB atua no mercado de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no Japão, oferecendo serviços especializados no segmento de Mercado de Carbono. Nos últimos anos, o SMBCB vem apoiando iniciativas que visam integrar a sustentabilidade e o mercado financeiro, desempenhando um papel fundamental na adoção de melhores práticas contra as mudanças climáticas globais. Em 27 de novembro de 2013 o Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. passou a adotar o nome comercial (fantasia) de Sumitomo Mitsui Banking Corporation Brasil ("SMBCB"). Essa nova denominação tem como objetivo promover a melhor identificação com a Matriz, o "Sumitomo Mitsui Banking Corporation (SMBC)", estendendo globalmente as suas atividades bancárias. SAC: Page 6 Ouvidoria:

8 VI. ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS O mercado-alvo do SMBCB é o segmento corporate, voltado para as grandes empresas e as empresas japonesas, no que se refere à concessão de crédito, no entanto, em alguns segmentos de negócio está relacionado a empresas de menor porte, para fins de captação de recursos no segmento de gestão de ativos de terceiros. 1. Tesouraria O SMBCB executa transações interbancárias e alguns negócios de tesouraria com os clientes de forma a atender à sua necessidade. Possui perfil conservador nas transações que realiza, visando sempre o retorno e segurança das aplicações. 2. Mercado de Depósito à Prazo O SMBCB atua no mercado de Certificado de Depósito (CDB). 3. Mercado Interbancário Além de emitir certificado de depósitos, o SMBCB vem operando com a captação de Depositos Interfinanceiros. O banco tem a política de manutenção de um relacionamento saudável com bancos de primeira linha. Todas as corretoras com a qual operamos são aprovadas e regularmente revisadas pela Diretoria. 4. Captação de Dólar Americano A totalidade de captação de recursos externos do SMBCB é feita junto à agência de Nova Iorque do SMBC. As linhas de crédito do SMBC são utilizadas para empréstimos na modalidade Resolução 3.844, financiamento de exportação e importação, bem como para operações de câmbio. 5. Atividades do Asset Management O departamento de Asset Management do SMBCB vem empreendendo seus melhores esforços para oferecer administração de qualidade e serviços de diversos fundos mútuos para seus investidores. Os fundos do SMBCB atendem com alta qualidade as demandas dos investidores. O Asset Management tem como principal objetivo a segurança e a preservação do patrimônio de seus cotistas, adotando uma política de investimento bastante conservadora sem, contudo, deixar de buscar as melhores oportunidades de forma a assegurar uma rentabilidade competitiva. A política de investimento é desenvolvida através de cenários macroeconômicos de longo prazo e expectativas de mercado de curto prazo. Esta política de investimento, bem como um bom método de administração do risco permite assegurar retorno razoável do investimento. A gestão dos ativos são segregados da administração dos recursos próprios do SMBCB e, portanto, não são reportados em seu balanço patrimonial. Na data base de 31 de dezembro de 2013, o SMBCB tinha uma carteira administrada composta por 6 (seis) fundos de investimentos; SAC: Page 7 Ouvidoria:

9 Fundos sob Administração (base de 31 de dezembro de 2013 e 31 de dezembro de 2012) Fundo Patrimônio Líquido (em milhares de R$) SM Plus FI Multimercado SM Master Plus FI Ref.DI CPLP SM Prev FI Multimercado SM Platinum Plus FIC FI Ref.DI CPLP SM FIC FIM Pactual High Yield SM TASC FI Ref.DI VII. RECURSOS HUMANOS O SMBCB acredita na importância de seus Recursos Humanos como fator preponderante na formação de seus resultados e manutenção de seus negócios. Assim, o SMBCB tem como um de seus valores a disseminação de políticas de Recursos Humanos modernas e voltadas à manutenção das necessidades demandadas pelos negócios que o Banco desenvolve no Brasil. 1. Diretoria Os membros da Diretoria reúnem-se regularmente e são responsáveis pelos assuntos estratégicos relacionados ao SMBCB, exceto pelo Diretor Adjunto que é responsável pela administração de recursos de terceiros. Os membros da Diretoria também supervisionam o desenvolvimento das atividades do SMBCB e aprovam todas as políticas relacionadas ao Banco. A Diretoria do SMBCB é composta pelos seguintes membros: Takaaki Otani Hirokazu Hatanaka Roberto Isamu Ono Roberto Hitoshi Mizuno Carlos Eduardo de Moraes Barros Junior Clóvis Prince do Amaral Presidente Vice-Presidente Diretor Diretor Diretor Diretor Adjunto 2. Funcionários Funcionários motivados, incentivados e reconhecidos são requisitos indispensáveis na busca por uma competitividade cada vez maior e consistente. A Administração monitora regularmente os procedimentos, políticas e programas do Banco para assegurar que os Funcionários sejam tratados, de forma consistente, com respeito e consideração e que as oportunidades de crescimento profissional se dêem em bases isentas e justas. O SMBCB tem estabelecido um programa de educação continuada para seus funcionários. Os treinamentos técnicos visam o aprimoramento e atualização do conhecimento dos funcionários, SAC: Page 8 Ouvidoria:

10 de forma a produzir profissionais altamente qualificados. Todos os funcionários são elegíveis para esse programa, contanto que estejam trabalhando no Banco por mais de três (3) meses. Ao final de dezembro de 2013, o SMBCB contava com 112 funcionários. VIII. COMITÊS CORPORATIVOS A gestão e administração do SMBCB são exercidas pela Diretoria. Além da Diretoria, o SMBCB possui comitês estabelecidos com as seguintes atribuições básicas: 1. Comitê de Ativos e Passivos Deliberar sobre a política de gerenciamento de ativos e passivos, de gerenciamento de riscos de mercado e liquidez. 2. Comitê de Crédito Analisar os riscos da carteira de crédito e as propostas de limites de crédito, estabelecendo restrições de crédito a empresas, grupo de empresas e/ou setores/segmentos da economia, sempre visando a segurança da Instituição. 3. Comitê de Novos Produtos e Serviços Analisar a exposição a riscos na implementação de novos produtos e/ou serviços; Recomendar, ou não a aprovação do novo produto e/ou serviço para a Diretoria do SMBCB, que irá determinar sua implementação ou não. 4. Comitê de Prevenção à Lavagem de Dinheiro Assegurar que as políticas e procedimentos de Prevenção à Lavagem de Dinheiro da Instituição estão sendo observados por todos os funcionários; Assegurar que treinamentos presenciais anuais são conduzidos; Decidir a respeito do encerramento do relacionamento comercial com clientes envolvidos em crimes de lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo. 5. Comitê de Risco Operacional Visão geral dos eventos internos e externos de risco operacional; Riscos inerentes e residuais; Banco de dados dos eventos de risco operacional; Plano de Continuidade de Negócios; Cumprimento às normas estabelecidas. 6. Comitê de Compliance Assegurar a apropriada administração das atividades da Instituição; Melhorar o suporte à Diretoria no atendimento à estratégia da Instituição, políticas e medidas adotadas; Garantir a disseminação de controles internos, mitigação de riscos e aderência às leis locais e internacionais aplicáveis. 7. Comitê de Investimentos SAC: Page 9 Ouvidoria:

11 Avaliar e decidir sobre as possibilidades de distribuição de fundos para um Fundo de Investimento, exclusivo ou não. Aprovar procedimentos e critérios necessários para o desenvolvimento das atividades do Asset Management. Supervisionar o retorno dos fundos de investimento. Manter as atividades do Asset Management de acordo com a Comissão de Valores Mobiliários brasileira CVM e regulamentos do Banco Central. IX. GERENCIAMENTO DE RISCOS O SMBCB entende que o gerenciamento de riscos é essencial para a promoção da estabilidade nas instituições financeiras e que adotar uma postura de transparência na divulgação de informações referentes a esta atividade fortalece a Instituição, contribuindo para a solidez do sistema financeiro. A Diretoria do SMBCB busca constantemente avaliar e aperfeiçoar sua estrutura de gerenciamento de riscos, influenciando na cultura e no método de atuação da Instituição. Tal prática é fundamentada em procedimentos, métodos e técnicas padronizadas e objetiva monitorar, mensurar, mitigar e reportar as exposições aos riscos de quaisquer natureza nas diversas atividades e processos desenvolvidos, produtos ou serviços oferecidos, de forma a apoiar o contínuo desenvolvimento sustentado de suas atividades. 1. Risco de Crédito O Risco de Crédito é a possibilidade de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações nos termos pactuados, a desvalorização dos ativos de crédito, decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, a redução de ganhos ou remunerações, as vantagens concedidas na renegociação e aos custos de recuperação. O Risco de Crédito está fortemente relacionado com outros tipos de risco, como o Risco de Mercado, de Liquidez e de Liquidação entre outros. Estes tipos de riscos, muitas vezes, derivam do Risco de Crédito e podem se manifestar simultaneamente. O Departamento de Gerenciamento de Risco, é uma unidade independente de mensuração de risco que é subordinada ao Vice-Presidente do Banco e é responsável pelo gerenciamento dos riscos de crédito, mercado e liquidez, tendo como responsabilidade assegurar práticas prudentes e técnicas idôneas de controles de risco. Na estrutura organizacional do Banco, a função de monitoramento de riscos é representada por um departamento independente da área de negócios e auditoria, que se reporta diretamente ao Vice-Presidente do Banco, sendo fundamental para que se tenha uma visão e controle independentes de risco. 2. Risco de Mercado O Risco de Mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas decorrentes do efeito da oscilação de preços, índices e taxas sobre os descasamentos de prazos, moedas e indexadores das carteiras ativa e passiva. O SMBCB adota uma política e uma exposição bastante conservadora aos fatores de risco de mercado. A política de Gerenciamento de Risco de Mercado é pautada no controle diário das posições de risco de mercado do Banco, no controle dos Limites para posições, dividido em Limites para exposição a taxa de juros e exposição em taxas de câmbio, além de Limites/Diretrizes para Stop Loss. Além disso, o Departamento de Gerenciamento de Risco monitora o risco de mercado também através da metodologia de Value at Risk (VaR) paramétrico e testes de estresse. SAC: Page 10 Ouvidoria:

12 Para garantir a implantação das diretrizes e políticas vigentes, o SMBCB tem implementado, o Comitê de Ativos e Passivos (ALCO), que reúne-se ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que necessário. Dentre seus objetivos estão a deliberação sobre a política de gerenciamento de riscos de mercado e liquidez, política de gerenciamento de ativos e passivos, a garantia da observância de limites/diretrizes para o risco de mercado e liquidez, verificação de procedimentos no tratamento de novos produtos e sua estrutura de gerenciamento de riscos. 3. Risco Operacional O Risco operacional é definido como a possibilidade de ocorrência de perda resultante de deficiência ou inadequação de processos internos, comportamento humano e sistemas, ou ainda, proveniente de eventos externos. O risco operacional está relacionado a perdas originadas de erros operacionais de qualquer espécie, que afetem o lucro do Banco. A estrutura de gerenciamento do Risco Operacional é considerada um fator estratégico e competitivo para demonstrar que o SMBCB é uma instituição financeira que procura adotar as melhores práticas e procedimentos na administração do Risco Operacional, assim como para o gerenciamento eficaz do capital econômico e regulatório. Tal estrutura é regida por duas áreas corporativas específicas e independentes: Security Office, responsável pela coordenação do plano de continuidade de negócios e o Corporate Affairs & Compliance Department, responsável pela gestão consolidada dos eventos de risco operacional e pela gestão do sistema de controles internos, ambas subordinadas ao Vice-Presidente da Instituição, e tem entre outros objetivos, o cumprimento às disposições da Resolução 3.380, com objetivo de melhorar o ambiente de controles e, por conseguinte, disseminar a cultura de risco operacional e controles internos no SMBCB. A Administração, alinhada à sua política e Governança Corporativa, reconhece, participa e compartilha da responsabilidade pela contínua melhoria nessa estrutura, visando garantir o cumprimento dos objetivos e metas traçados e a segurança e qualidade aos clientes, acionistas e partes relacionadas com o Banco. X. CONTROLE DE RISCO E HISTÓRICO DE PERDA DE EMPRÉSTIMO Após aprovação prévia dada pelo comitê de crédito local, o Departamento de Crédito prepara o dossiê de crédito com análise pormenorizada de dados cadastrais, financeiros, de mercado bem como demais fatores de risco, submete-o à aprovação da Diretoria e, em seguida, à unidade aprovadora de crédito da Matriz. Após aprovação final as linhas são inseridas no sistema de crédito local e global para fins de controle. A exposição ao crédito e a revisão da qualidade de crédito são realizadas pelo menos semestralmente. O Comitê de Ativos e Passivos revisa as posições dos ativos e passivos em relação às mudanças nas condições de mercado, perspectivas econômicas e indicadores financeiros. O SMBCB considera seus controles internos de crédito como conservadores, conforme demonstrado por seu histórico de perdas de empréstimos, adotando como política a efetiva mitigação dos riscos e a maximização da qualidade de sua carteira. SAC: Page 11 Ouvidoria:

13 1. Histórico de Perdas de Empréstimos e Investimentos A política de constituição da reserva para perdas de créditos e investimentos é a elaboração de provisões específicas, com base na política geral adotada pelo SMBCB, que possui um perfil conservador, devidamente alinhada com a regulamentação em vigor. Pela regulamentação do Banco Central do Brasil a constituição da provisão para perda sobre as operações de crédito (PDD) é obrigatória para qualquer empréstimo sem garantia que esteja vencido há mais de 15 dias. A tabela a seguir mostra o volume da provisão para devedores duvidosos do SMBCB para a carteira de crédito por nível de risco na data base 31 de Dezembro de Reserva Geral Taxa de Total das % da Provisão Total das % da Provisão Nível de provisão operações carteira constituída operações carteira constituída risco - % AA A 0, B C 3, Total % % XI. PERFORMANCE 1. Balanço Patrimonial No fechamento de Dezembro de 2013, o SMBCB apresentava um total de ativos de R$ e um patrimônio líquido de R$ A maior parte dos passivos obtidos para captação dos ativos do SMBCB foram proporcionados pelo Sumitomo Mitsui Banking Corporation, Nova Iorque, nas linhas de importação, exportação, Resolução e também pela captação de depositos a prazo junto à clientes locais. 2. Demonstrativo de Renda A renda de patrimônio do SMBCB após impostos para o final de dezembro de 2013 representava um lucro de cerca de R$49,18 por lote de mil ações. Devido ao perfil de clientes alvo do Banco, as principais fontes de receitas do SMBCB estão relacionadas às operações de crédito (empréstimos, repasses, financiamento à exportação e importação), intermediação de transações estruturadas e transações de tesouraria. SAC: Page 12 Ouvidoria:

14 XII. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BANCO SUMITOMO MITSUI BRASILEIRO S/A Data-Base 31 de dezembro de Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Aos Administradores e Acionistas do Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. (São Paulo SP) Examinamos as demonstrações financeiras do Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. ( Banco ), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2013 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício e semestre findos naquela data, assim como o resultado das principais práticas contábeis e demais notas explicativas Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração do Banco é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração das demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demontrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito de valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras do Banco para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia das práticas contábeis utilizadas e razoabilidade das estimativas contáveis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião Opinião Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. em 31 de dezembro de 2013, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício e semestre findos naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. São Paulo, 28 de fevereiro de SAC: Page 13 Ouvidoria:

15 XIII. BALANÇOS PATRIMONIAIS Ativo Nota explicativa Passivo Nota explicativa Circulante Circulante Disponibilidades Depósitos Aplicações interfinanceiras de liquidez Depósitos à vista Aplicações no mercado Depósitos em moeda aberto estrangeira Aplicações em depósitos Depósitos a prazo interfinanceiros Aplicações em moedas estrangeiras Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos Captações no mercado aberto Carteira de Terceiros Carteira própria 6.a Vinculados prestação de garantias Instrumentos financeiros derivativos b Relações interdependências Recursos em trânsito de terceiros Relações interfinanceiras Obrigações por empréstimos 16.a Créditos vinculados Empréstimos no exterior Depósitos no Banco Central Obrigações por repasses no país 16.c Repasses Interfinanceiros FINAME Correspondentes no país Operações de crédito Obrigações por repasses do exterior 16.b Setor privado Repasses do exterior Provisão para créditos de liquidação duvidosa (866) (1.012) SAC: Page 14 Ouvidoria:

16 Outros créditos Instrumentos financeiros 6.b derivativos Carteira de câmbio Instrumentos financeiros derivativos Rendas a receber Diversos Outras obrigações Provisão para outros créditos de liquidação duvidosa Provisão para outros (2.831) (4.257) Cobrança e arrecadação de tributos e assemelhados (840) (840) Carteira de câmbio créditos Outros valores e bens Sociais e estatutárias Fiscais e previdenciárias 17.a Despesas antecipadas Dívidas subordinadas 17.c Material em estoque Diversas 17.b Realizável a longo prazo Exigível a longo prazo Aplicações interfinanceiras de liquidez Depósitos Depósitos interfinanceiros Aplicações em depósitos interfinanceiros Obrigações por repasses no país 16 c Títulos e valores mobiliários Finame e instrumentos financeiros 6.a derivativos Carteira própria Obrigações por repasses no exterior 16b Vinculados a operações Repasses do exterior c compromissadas - Relações interfinanceiras Obrigações por empréstimos 16a Repasses Interfinanceiros Empréstimo no exterior Operações de créditos Outras obrigações Setor privado Fiscais e previdenciárias 17a Provisão para outros créditos de liquidação duvidosa (1.535) (321) Dívidas subordinadas 17.c SAC: Page 15 Ouvidoria:

17 Outros créditos Diversas 17.b Diversos Resultados de exercício futuros Resultados de exercício futuros Outros valores e bens Patrimônio líquido Despesas antecipadas Capital Permanente De domiciliados no país 1 1 Investimentos De domiciliados no exterior Participações em controladas Reserva de lucros No país Ajuste ao valor de mercado Títulos mobiliários e derivativos (2.036) 25 Outros Investimentos Ajuste Passivos Atuariais 712 (6.110) Prejuízos acumulados - (23.026) Imobilizado de Uso Outras imobilizações de uso Depreciações acumuladas (4.409) (4.081) Diferido Gastos de Organização e expansão Amortizações Acumuladas (1.563) (1.549) Intangível Ativos Intangíveis Amortizações Acumuladas (5.479) (5.073) Total do Ativo Total do Passivo SAC: Page 16 Ouvidoria:

18 XIV. DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO Exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012 e Semestre findo em 31 de dezembro de 2013 (Em milhares de Reais, exceto o lucro por lote de mil ações) Nota explicativa 2º semestre Exercício Exercício Receitas da intermediação financeira Operações de crédito 21.a Resultado de operações com títulos e valores mobiliários 21.b Resultado de operações de câmbio 21.d Despesas da intermediação financeira ( ) ( ) ( ) Operações de captação no mercado 21.e (52.350) (90.990) (56.250) Operações de empréstimo e repasses 21.f (97.782) ( ) ( ) Resultado com instrumentos financeiros derivativos 6.b Provisão para créditos de liquidação duvidosa 8.e (405) 358 (2.880) Resultado bruto da intermediação financeira Outras Receitas (Despesas) Operacionais (16.100) (30.780) (19.298) Receitas de prestação de serviços 21.g Despesas de pessoal 21.h (19.659) (32.756) (28.689) Outras despesas administrativas 21.i (9.007) (15.812) (14.851) Despesas tributárias 21.j (3.105) (5.835) (5.844) Resultado de participações em coligadas e controladas Outras receitas operacionais 21.k Outras despesas operacionais 21.l (1.407) (3.295) (9.054) Resultado operacional Resultado não operacional Resultado antes da tributação e das participações SAC: Page 17 Ouvidoria:

19 Imposto de renda e contribuição social 20 (9.673) (18.631) Imposto de Renda (4.129) (8.041) (8.625) Contribuição Social (2.555) (4.910) (5.158) Ativo Fiscal Diferido - IR e CS 20.b (2.989) (5.680) Participações estatutárias (924) (924) (793) Lucro líquido do semestre/exercícios Lucro por lote de mil ações - R$ 27,71 49,18 183,64 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. XV. DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012 e Semestre findo em 31 de dezembro de 2013 (Em milhares de Reais) Nota explicativa Capital realizado Legal Estatutários Próprios Outros Ajustes de Avaliação Patrimonial Prejuízos acumulados Total Saldos em 31 de dezembro de (171) - ( ) Reversão de Reservas - (2.206) Ajuste ao valor de mercado - Títulos e valores mobiliários e derivativos Lucro Líquido do Exercício Reserva legal Saldos em 31 de dezembro de (23.026) Plano de beneficio a funcionários (adoção CPC 33-R1) - (6.110) - (6.110) Saldos ajustados em 31 de dezembro de (6.110) (23.026) SAC: Page 18 Ouvidoria:

20 Reversão de Reservas - (6.132) Ajuste ao valor de mercado - Títulos e valores mobiliários e derivativos (2.061) - - (2.061) Ajustes passivos pontuais Reserva Legal 19.c (798) - Reserva Estatutária 19.d (11.166) - Dividendos 19.b (3.988) (3.988) Lucro líquido do exercício Saldo em 31 de Dezembro de (2.036) Saldos em 30 de junho de (2.834) (6.110) (3.267) Reversão de Reservas - (717) Ajustes passivos atuariais Reserva Legal 19.c (798) 798 Reserva Estatutária 19.d (11.166) - Dividendos 19.b (3.988) (3.988) Lucro Líquido do semestre Saldos em 31 de dezembro de (2.036) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. SAC: Page 19 Ouvidoria:

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Circulante 2.490.627 2.197.604 Circulante 2.097.717 2.123.381. Disponibilidades 19.597 24.274 Depósitos 14 1.239.262 1.041.795

Circulante 2.490.627 2.197.604 Circulante 2.097.717 2.123.381. Disponibilidades 19.597 24.274 Depósitos 14 1.239.262 1.041.795 Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A. Balanços patrimoniais em 30 de junho de 2014 e 2013 (Em milhares de Reais) Nota Nota Ativo explicativa Passivo explicativa Circulante 2.490.627 2.197.604 Circulante

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Demonstrações financeiras Individuais e Consolidadas 30 de junho de 2013 e 2012 KPMG Auditores Independentes Agosto de 2013 Relatório dos auditores

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização Patrimônio R$ Mil Líquido 1.DISPONIBILIDADES 8 0,03 Depósitos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e 2014 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio KPDS 125950 MSB Bank S.A. Banco de Câmbio Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo - Central Sicredi PR/SP Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito dos Estados do Paraná e de São Paulo com Relatório dos Auditores Independentes - Central Sicredi PR/SP Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. BV LEASING - ARRENDAMENTO MERCANTIL S.A. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, apresentamos as demonstrações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32

INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CREDIALIANÇA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL Av. Castro Alves, 1579 - Rolândia - PR CNPJ: 78.157.146/0001-32 BALANCETE PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 (valores expressos em milhares

Leia mais

DCI Quarta-feira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21

DCI Quarta-feira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21 DCI Quartafeira, 29 de agosto de 2012 LE G A L C21 Société Générale Brasil S.A. e Controladas CNPJ 61.533.584/000155 Avenida Paulista, 2300 9º andar Cerqueira César CEP 01310300 São Paulo SP Telefone:

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. ITAUVEST PERSONNALITÉ CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO EM Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações financeiras em Page 1 of 37 Conteúdo Relatório da Administração 3 Resumo do relatório do Comitê de Auditoria 5 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 6 Balanços

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Demonstrações financeiras Conglomerado Prudencial. 30 de junho de 2014 c om Relatório dos auditores independentes

Demonstrações financeiras Conglomerado Prudencial. 30 de junho de 2014 c om Relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Conglomerado Prudencial 30 de junho de c om Relatório dos auditores independentes Conglomerado Prudencial Demonstrações contábeis 30 de junho de Índice Relatório dos auditores

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200 - Bl.4

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e 2013 KPDS 110896 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 4 Balanços patrimoniais 6 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações das mutações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Monetar Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. (Anteriormente denominada Sommar Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda) 31 de dezembro de 2014 com Relatório

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo II CNPJ: 04.823.561/0001-41

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo II CNPJ: 04.823.561/0001-41 Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores

Leia mais

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Multi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa CNPJ: 04.044.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa CNPJ: 04.044. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Empresa (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 30 de junho de 2011

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil)

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 Explicativas CIRCULANTE 4.414 Disponibilidades 26 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 2.566 Operações de Crédito 5 1.800 Outros Créditos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 94331 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações das mutações do patrimônio social 7 Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil) COOPERATIVA CENTRAL DE CRÉDITO URBANO - CECRED CNPJ: 05.463.212/0001-29 Rua Frei Estanislau Schaette, 1201 - B. Água Verde - Blumenau/SC NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras. Confederação Brasileira de Remo. em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2012. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Banco GMAC S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Banco GMAC S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Banco GMAC S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas do Conglomerado Prudencial, Referentes ao Semestre Findo em 30 de Junho de e Relatório dos Auditores Independentes. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores

Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores Banco Modal S.A. e Banco Modal S.A. e empresas controladas (CONEF) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2010 e de 2009 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010.

CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. CA 02-303/2010 São Paulo - SP, 19 de março de 2010. À Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Membros do Ministério Público de São Paulo PROMOCRED. Diretoria-Executiva São Paulo SP Assunto: Auditoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito.

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. RESOLUÇÃO Nº 3.721 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público

Leia mais

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito de Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins - Central Sicredi Brasil Central

Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito de Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins - Central Sicredi Brasil Central Demonstrações Financeiras Cooperativa Central de Crédito de Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins - Central Sicredi Brasil Central com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 30 de setembro de 2012 e 2011 com Relatório dos auditores

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

Banco Commercial Investment Trust do Brasil S.A. CNPJ nº 43.818.780/0001-94

Banco Commercial Investment Trust do Brasil S.A. CNPJ nº 43.818.780/0001-94 Demonstrações Financeiras Publicadas no Diário Oficial do Estado de São Paulo e Jornal Diário de Notícias em 31 de Março de 2015 ÍNDICE Balanço Patrimonial Relatório da Administração... 4 Ativo e Passivo...

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis BNB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento Renda Fixa Curto Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Cooperativa de Crédito Rural dos Produtores Agrícolas e Pecuários da Média Sorocabana - CREDICANA

Cooperativa de Crédito Rural dos Produtores Agrícolas e Pecuários da Média Sorocabana - CREDICANA Cooperativa de Crédito Rural dos Produtores Agrícolas e Pecuários da Média Sorocabana - CREDICANA Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

Associação Guemach Lar da Esperança. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Associação Guemach Lar da Esperança. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis 3-4 Balanços

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Grupos CNPJ: 03.706.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Referenciado DI Longo Prazo Grupos CNPJ: 03.706. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais