DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE 1.997

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE 1.997"

Transcrição

1 DOS LIMITES IMPOSTOS PELO ART. 73, INC. VII, DA LEI FEDERAL Nº 9.605, DE 30 DE SETEMBRO DE Gina Copola (abril de 2.015) I - Reza o art. 73, inc. VII, da Lei federal nº 9.504/97: Art. 73. São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais: (...) VII - realizar, em ano de eleição, antes do prazo fixado no inciso anterior, despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição. O dispositivo legal veda, portanto, a realização de despesas com publicidade que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição e a jurisprudência tem entendido que prevalece o de menor valor.

2 2 Resta-nos, portanto, perquirir sobre os limites que são impostos por tal dispositivo de acordo com o entendimento jurisprudencial. II - Tenha-se presente em primeiro lugar que na vedação do art. 73, inc. VII, da Lei federal nº 9.605, de 30 de setembro de 1.997, não estão incluídos os gastos com publicação de atos oficiais como leis, decretos, portarias, e outros instrumentos legais, conforme tem decidido reiteradamente a jurisprudência. É o que se lê de forma cristalina do venerando acórdão proferido pelo egrégio Tribunal Superior Eleitoral, em Recurso Especial Eleitoral nº , rel. Ministro CAPUTO BASTOS, julgado em 7/11/2006, e publicado no DJ de 30/11/2006, p. 96, com o seguinte excerto: A mera publicação de atos oficiais da Municipalidade, quais sejam leis, decretos e portarias, em encartes do jornal Regional News, por força de contrato celebrado, precedido de licitação, não se confunde com publicidade institucional proibida pelo dispositivo supracitado da Lei das Eleições. III Ainda no mesmo diapasão é o r. acórdão proferido pelo e. Tribunal Regional Eleitoral, em Recurso Especial nº 36345, relator Des. ROBERTO CARUSO COSTABILE E SOLIMENE, julgado em 23/04/2013, e publicado no DJESP de 30/04/2013, com a seguinte ementa:

3 3 Recurso Eleitoral. Ação de Investigação Judicial Eleitoral. Eleição de Imputações sobre conduta vedada mediante realização de despesas com publicidade institucional em ano de eleição que supostamente excederam a média dos três anos anteriores ou daquelas realizadas no ano anterior (art. 73, VII, da Lei 9.504/97). Sentença: Ação julgada improcedente. A publicação de atos oficiais, tais como leis e decretos, não caracteriza publicidade institucional. Precedentes jurisprudenciais. Hipótese de despesas realizadas com publicidade institucional ou com publicidade e propaganda institucional que não ultrapassaram o limite legal. Conduta vedada não caracterizada. Ainda no mesmo diapasão, decidiu o e. TRE-RS, em Recurso nº RS, Relator: Des. INGO WOLFGANG SARLET, Julgamento: 25/06/2013, Data de Publicação: DEJERS - Diário de Justiça Eletrônico do TRE-RS, Tomo 116, Data 27/06/2013, Página 6. IV - E ainda no mesmo diapasão decidiu o e. TRE- RO, em Recurso nº 25766, Relator: JOSÉ JORGE RIBEIRO DA LUZ, Data de Publicação: DJE/TRE-RO - Diário Eletrônico da Justiça Eleitoral, Tomo 199, Data 25/10/2013, Página 5, com a seguinte ementa: Recurso eleitoral. Ação de investigação judicial eleitoral. (...)V - A publicação de atos

4 4 oficiais caracteriza publicidade obrigatória e convocatória, porquanto obedece a imperativo constitucional insculpido no princípio da publicidade dos atos da Administração, a conferir-lhes legitimidade e eficácia; dessa forma, para aferição de eventual conduta vedada prevista no inciso VII do art. 73, da Lei n /1997, devem ser consideradas somente as publicações institucionais, extraindo-se do cômputo as publicações obrigatórias e convocatórias do órgão público. V - A configuração das condutas vedadas elencadas no art. 73, da Lei n /1997, bem como do abuso do poder de autoridade, político ou econômico, exigem provas robustas e incontestes, tendo em vista a gravidade das sanções previstas na legislação eleitoral. VI - Recurso do Ministério Público Eleitoral não provido. Resta cristalino, portanto, que a despesa realizada com a publicação de atos oficiais como leis, decretos, ou portarias, exemplificativamente não se confunde com a publicação institucional para fins do preceituado no art. 73, inc. VII, da Lei federal nº 9.504/97. Assim sendo, todas as despesas realizadas com a publicação de atos oficiais devem ser extirpadas da conta elaborada para gastos com publicidade institucional para fins do art. 73, VII, da Lei federal nº 9.504, de

5 5 V Superada a questão das despesas que podem integrar o cálculo para efeito de aplicação do art. 73, inc. VII, da Lei nº 9.504/97, passemos à questão temporal. É cediço em direito que o período a ser considerado no caso em tela é somente o compreendido até o dia 7 de julho de O art. 73, inc. VII, da Lei federal nº 9.504/97: Art. 73 (...) VII - realizar, em ano de eleição, antes do prazo fixado no inciso anterior, despesas com publicidade dos órgãos públicos federais, estaduais ou municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição. (Grifamos) E o prazo estipulado no inciso anterior, que é o inc. VI, é o seguinte: VI - nos três meses que antecedem o pleito: (Grifamos) A lei é cristalina ao rezar nos três meses que antecedem o pleito, e, portanto, é evidente que gastos com publicidade seja institucional ou não realizadas após a eleição não entram na proibição legal.

6 6 VI O e. TSE, em Recurso Especial nº SP, relator: Min. HENRIQUE NEVES DA SILVA, julgado em 24/10/2013, Data de Publicação: DJE - Diário de justiça eletrônico, Tomo 242, Data 19/12/2013, já decidiu que o art. 73, VII, proíbe que os administradores públicos realizem gastos com publicidade no primeiro semestre do ano da eleição três meses que antecedem o pleito que excedam a média dos gastos nos três últimos anos que antecedem o pleito ou do último ano imediatamente anterior à eleição. Vejamos: O art. 73, VII, da Lei nº 9.504/97 previne que os administradores públicos realizem no primeiro semestre do ano da eleição a divulgação de publicidade que extrapole o valor despendido no último ano ou a média dos três últimos, considerando-se o que for menor. Tal proibição visa essencialmente evitar que no ano da eleição seja realizada publicidade institucional, como meio de divulgar os atos e ações dos governantes, em escala anual maior do que a habitual. 3. A melhor interpretação da regra do art. 73, VII, da Lei das Eleições, no que tange à definição - para fins eleitorais do que sejam despesas com publicidade -, é no sentido de considerar o momento da liquidação, ou seja, do reconhecimento oficial de que o serviço foi prestado. (Grifamos)

7 7 Ou seja, o período a ser considerado para fins do art. 73, VII, da Lei 9.504/97 é o primeiro semestre do ano da eleição apenas. VII - A Lei federal nº 9.504/97, conforme é cediço em direito, é proibitiva e sancionatória, e, portanto, não admite interpretações ampliativas, de modo a prejudicar direito de quem quer que seja. Isso porque leis que restringem direitos são interpretadas de forma restritiva, ou seja, o intérprete não pode incluir mais restrições que não constam expressamente do texto legal. E, portanto, qualquer gasto com publicidade efetuado após a realização das eleições não integra a conta a ser elaborada mesmo porque a intenção do legislador foi a de evitar o uso da máquina pública para promoção pessoal do agente político em ano de eleição, e se a eleição já tiver sido realizada, não tem sentido incluir o gasto com publicidade na vedação legal. Com todo efeito, é óbvio que após a realização da eleição nenhuma publicidade terá o condão de influenciar o resultado do pleito já encerrado. VIII O que não se admite, porém, é que seja realizado um cálculo semestral tanto como do paradigma como o do exercício apreciado, ou seja, o que a jurisprudência não admite é que se

8 8 elabore um cálculo aritmético do primeiro semestre dos últimos três anos (como por exemplo dos anos de 2.009, 2.010, e 2.011), ou do primeiro semestre último exercício (por exemplo 2.011) para servir de base para o cálculo do primeiro semestre do ano em questão (por exemplo 2.012). Tal conta não é admitida simplesmente porque não consta da lei, conforme já decidiu o e. Tribunal Superior Eleitoral e Agravo Regimental e Recurso Especial nº /SC, rel. Ministro DIAS TOFFOLI. IX Além de tudo isso, aplicam-se aqui os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade que devem servir de alicerce e fundamento para as decisões administrativas, e, sobretudo, para as judiciais, o professor JOSÉ ROBERTO PIMENTA OLIVEIRA, em dissertação que cuida do tema e citando HARTMUT MAURER, já tivera ensejo de prelecionar que Hartmut Maurer, após registrar que uma medida que é levada a efeito, com vistas à consecução de um fim (ou um resultado) determinado deve obrigatoriamente ser conforme a certa proporcionalidade no sentido amplo do termo, isto é, deve ser apropriada, necessária e ditada nas justas proporções requeridas pelo seu fim (Os Princípios da razoabilidade e da proporcionalidade no direito administrativo brasileiro, São Paulo: Malheiros, 2.006, p. 50)

9 9 X - São, ainda, lições de JOSÉ ROBERTO PIMENTA OLIVEIRA: Como, no Estado de Direito, a intervenção do Estado deve sempre ser objeto de valoração comparativa com respeito aos bens jurídicos que sacrifica, exige-se que uma medida adotada pelos poderes públicos não deve gravar de maneira excessiva o indivíduo e não deve resultar para este intolerável. (In ob. cit., p. 55) E, no mesmo sentido da lição transcrita, denota-se que o e. Poder Judiciário não pode aplicar penas desproporcionais à conduta do agente, de modo a sacrificá-lo pela suposta prática de atos danosos. É o que se depreende, ainda, e por necessária dicção do art. 71, inc. VIII, da Constituição Federal, ao determinar que em casos de ilegalidade de despesas, aplica-se multa proporcional ao dano causado ao erário. XI O aqui invocado princípio da proporcionalidade é o mesmo aplicável em direito penal, que também é chamado de princípio da proibição de excesso, ao significar que a pena deve ser aplicada conforme a culpabilidade do agente, não podendo, com isso, haver excessos. Observa-se que em direito penal, as penas são estabelecidas em ordem hierárquica, e, assim, conforme a culpabilidade do agente, elas são aplicadas. Ensina DAMÁSIO E. DE JESUS, de forma rigorosamente elucidativa, que a culpabilidade é a medida da pena, in

10 10 Direito Penal - Parte Geral, 23 ed. São Paulo: Saraiva, 1.999, p. 11. Esse entendimento também se aplica ao caso presente. XII Nesse sentido, decidiu o e. TRE-RS, em Recurso nº 23205, Relator: DES. MARIA DE FÁTIMA FREITAS LABARRÈRE, julgado em 17/10/2013, Data de Publicação: DEJERS - Diário de Justiça Eletrônico do TRE-RS, Tomo 198, Data 24/10/2013, Página 4: Recurso. Condutas vedadas. Publicidade institucional. Art. 73, inc. VI, b, e VII, da Lei n /97. Eleições 2012.Procedência da representação no juízo originário. Cominação de sanção pecuniária aos representados.realização de despesas com publicidade, no primeiro semestre de ano eleitoral, em valores que superam a média dos últimos três anos, assim como os gastos havidos no ano que antecedeu as eleições. Todavia, trata-se de excesso insignificante e irrelevante para macular o bem jurídico protegido pela norma, qual seja, a igualdade entre os candidatos. Provimento. (Grifamos) Estão aí elencados, portanto, os limites que devem ser observados na aplicação do art. 73, inc. VII, da Lei federal nº 9.605/97, de modo a evitar a aplicação desproporcional da lei.

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO PROCESSO: RE 13-17.2013.6.21.0077 PROCEDÊNCIA: OSÓRIO RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELITORAL RECORRIDA: ANDREA SOUZA TEIXEIRA GONÇALVES Eleições 2012. Recurso Eleitoral. Representação. Doação acima do

Leia mais

A NOMEAÇÃO DE PARENTE PARA CARGO DE SECRETÁRIO CONFIGURA NEPOTISMO PROIBIDO PELA SÚMULA VINCULANTE Nº 13, DO E. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL?

A NOMEAÇÃO DE PARENTE PARA CARGO DE SECRETÁRIO CONFIGURA NEPOTISMO PROIBIDO PELA SÚMULA VINCULANTE Nº 13, DO E. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL? A NOMEAÇÃO DE PARENTE PARA CARGO DE SECRETÁRIO CONFIGURA NEPOTISMO PROIBIDO PELA SÚMULA VINCULANTE Nº 13, DO E. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL? Gina Copola (agosto de 2.013) 1 I O tema relativo ao nepotismo

Leia mais

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1

Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade de Aparente Cunho Institucional 1 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 171 Propaganda Eleitoral: A Propaganda Subliminar e outras Formas de Publicidade

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RE 28-94.2013.6.21.0041 PROCEDÊNCIA: SANTA MARIA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDOS: SILVIO BONADEU-ME E SILVIO BONADEU -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Como se sabe, a legislação vigente prevê uma série de limitações referentes à realização de despesas em ano eleitoral, as quais serão a seguir

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RE 118-06.2013.6.21.0170 PROCEDÊNCIA: CANOAS RECORRENTE: FRANCIELE CARRETOS STEFFEN RECORRIDA: JUSTIÇA LEITORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO REF.: REPRESENTAÇÃO N.º 717/2006 CLASSE 16 REPRESENTANTE: PARTIDO DOS TRABALHADORES - PT REPRESENTADO: PARTIDO SOCIAL DA DEMOCRACIA

Leia mais

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31 E-mail de 06/06/2006 ASSUNTO: Prorrogação de contrato no período eleitoral ANEXO: Parecer 179/06-AJ Prezados Senhores, Tem o presente a finalidade de encaminhar o Parecer nº 179/2006-AJ, que trata da possibilidade

Leia mais

ACÓRDÃO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 27.701 - CLASSE 22 a - PARNAMIRIM - RIO GRANDE DO NORTE.

ACÓRDÃO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 27.701 - CLASSE 22 a - PARNAMIRIM - RIO GRANDE DO NORTE. / TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 27.701 - CLASSE 22 a - PARNAMIRIM - RIO GRANDE DO NORTE. Relator: Ministro Caputo Bastos. Agravante: Ministério Público

Leia mais

LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL

LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL LIMITES À REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS EM ANO ELEITORAL 1. INTRODUÇÃO Em anos de eleições municipais, estaduais e federais, devem ser observadas várias limitações à realização de

Leia mais

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97)

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) REPRESENTAÇÃ ÇÃO O POR CAPTAÇÃ ÇÃO O E GASTOS ILÍCITOS DE RECURSOS (Art( Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) 1. CAIXA DOIS Recursos não contabilizados de campanha eleitoral, que não transitam em conta bancária

Leia mais

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM TEMA: Princípio da presunção de inocência versus princípio

Leia mais

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A

SERVIDORES PÚBLICOS CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL RELATIVAS A SERVIDORES PÚBLICOS KLEIDE MARIA TENFFEN FIAMONCINI ADVOGADA DA AMAVI kleide@amavi.org.br / juridico@amavi.org.br O QUE VOCÊ AGENTE PÚBLICO NÃO PODE FAZER!!!

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE AMOSTRAS EM LICITAÇÕES

A EXIGÊNCIA DE AMOSTRAS EM LICITAÇÕES A EXIGÊNCIA DE AMOSTRAS EM LICITAÇÕES Gina Copola (maio de 2.013) I O tema relativo às amostras em licitações tem sido discutido pelos aplicadores do direito já por algum tempo, porém ainda não resta pacificado,

Leia mais

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 Denúncia espontânea. Exclusão da multa moratória. Inexistência de distinção entre multa moratória e multa punitiva, visto que ambas são excluídas em caso de configuração

Leia mais

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97 268 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 7 Curso: 1º Seminário de Direito Eleitoral: Temas Relevantes para as Eleições de 2012 A Vedação da Propaganda Institucional no Período Eleitoral e a Lei 9.504/97

Leia mais

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral As eleições são resguardadas pelo princípio da anualidade, insculpido no art. 16 da Constituição Federal. Esse princípio constitucional,

Leia mais

Acordam o!=; ministros do Tribunal Superior Eleitoral, ACÓRDÃO

Acordam o!=; ministros do Tribunal Superior Eleitoral, ACÓRDÃO TR.IBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 9998978-81. 2008.6.13.0000 - CLASSE 32 - CARLOS CHAGAS - MINAS GERAIS Relator: Ministro Aldir Passarinho Junior Agravante:

Leia mais

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst

CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst CONDUTAS VEDADAS EM ANO ELEITORAL E FINAL DE MANDATO MUNICIPAL Palestrante: Marcos Fey Probst Promoção: Execução: Condutas vedadas em ano eleitoral Promoção Execução Condutas Vedadas em ano eleitoral Art.

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE JURISPRUDÊNCIA E DOCUMENTAÇÃO GUIA PRÁTICO 1 ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS RESOLUÇÃO TSE Nº 23.364/2011 ELEIÇÕES 2012 REGISTRO

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: PC 1523-68.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: KEVIN CHAVES KRIEGER, CARGO DEPUTADO ESTADUAL Nº 11011 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROCESSO N.º 594-82.2012 CLASSE RE PROT. N.º

PROCESSO N.º 594-82.2012 CLASSE RE PROT. N.º PROCESSO N.º 594-82.2012 CLASSE RE PROT. N.º 146.932/2012 ASSUNTO: REPRESENTAÇÃO CONDUTA VEDADA A AGENTE PÚBLICO LIMITES DE GASTOS COM PUBLICIDADE EM ANO ELEITORAL ELEIÇÕES 2010 REPRESENTANTE: COLIGAÇÃO

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE GARANTIA PARA PARTICIPAÇÃO EM LICITAÇÃO E A NECESSIDADE DE SUA PRORROGAÇÃO AO LONGO DO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO

A EXIGÊNCIA DE GARANTIA PARA PARTICIPAÇÃO EM LICITAÇÃO E A NECESSIDADE DE SUA PRORROGAÇÃO AO LONGO DO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO A EXIGÊNCIA DE GARANTIA PARA PARTICIPAÇÃO EM LICITAÇÃO E A NECESSIDADE DE SUA PRORROGAÇÃO AO LONGO DO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO Gina Copola (maio de 2.015) I É cediço em direito que a Administração Pública

Leia mais

líquido e certo dos estabelecimentos representados pelo impetrante.

líquido e certo dos estabelecimentos representados pelo impetrante. MANDADO DE SEGURANÇA Nº 1295697-5, DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA. Impetrante: ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE SUPERMERCADOS - APRAS Impetrado: SECRETÁRIO DE ESTADO DA SEGURANÇA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1 Número: 2 Categoria de Investimento: 3 Anexo: 4 Objeto: 5 Justificativa: 5.1. 5.2. 5.3.

TERMO DE REFERÊNCIA 1 Número: 2 Categoria de Investimento: 3 Anexo: 4 Objeto: 5 Justificativa: 5.1. 5.2. 5.3. TERMO DE REFERÊNCIA 1 Número: 2 Categoria de Investimento: Concurso Público de Provas e Títulos 3 Anexo: 4 Objeto: Contratação de Fundação/empresa para prestar serviços técnicos especializados de organização

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: PC 2072-78.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: IVAR PAVAN, CARGO DEPUTADO FEDERAL Nº: 1330 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS.

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS. VISTOS. Trata-se de representação formulada pela COLIGAÇÃO SÃO PAULO NO RUMO CERTO em face da COLIGAÇÃO SÃO PAULO, NA MELHOR DIREÇÃO e de GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO, nos termos do art. 96 da

Leia mais

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA AGRAVO Nº 831.160-0/01, DE MEDIANEIRA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS AGRAVADOS : DORIVAL ASSIS DE SOUZA E OUTROS RELATOR ORIGINÁRIO : DES. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA

Leia mais

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores EMENTA: CONSULTA LEGISLATIVO MUNICIPAL I. CUSTEIO DE CARTÕES

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RP 2550-86.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: CAXIAS DO SUL RS (136ª ZONA ELEITORAL) REPRESENTANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL (PRE) REPRESENTADOS: PARTIDO DOS TRABALHADORES PT, GILBERTO JOSÉ SPIER

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina ACÓRDÃO N. 24656 Relator: Juiz Rafael de Assis Horn Requerente: Instituto Festival de Dança de Joinville ; - REQUERIMENTO - AUTORIZAÇÃO PARA VEICULAÇÃO DE PUBLICIDADE NO TRIMESTRE QUE ANTECEDE Ò PLEITO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA RELATÓRIO O Exmº. Sr. Desembargador Federal EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR (Vice-presidente): Trata-se de agravo regimental interposto por CONSTRUTORA TENóRIO FIGUEIREDO LTDA

Leia mais

Remuneração dos Agentes Políticos.

Remuneração dos Agentes Políticos. Remuneração dos Agentes Políticos. Subsídio Os Agentes Políticos recebem por subsídio (art. 39, 4º da CF/88), a saber: 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Bases legais Constituição Federal Lei das Eleições (Lei 9.504/97) Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) Código Eleitoral Resoluções do TSE Finalidade da Legislação

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RC 1-30.2013.6.21.0068 PROCEDÊNCIA: FLORES DA CUNHA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDO: JONATAN DE OLIVEIRA -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RP 82-28.2014.6.21.0008 PROCEDÊNCIA: BENTO GONÇALVES (8ª ZONA ELEITORAL) REPRESENTANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL (PRE) REPRESENTADOS: COLIGAÇÃO O NOVO CAMINHO PARA O RIO GRANDE e TIAGO CHANAN

Leia mais

PARECER Nº 250/2015. Sob esse tema o art. 60 da Consolidação das Leis do Trabalho - Decreto Lei 5452/4, assim dispõe:

PARECER Nº 250/2015. Sob esse tema o art. 60 da Consolidação das Leis do Trabalho - Decreto Lei 5452/4, assim dispõe: PARECER Nº 250/2015 ANÁLISE DA PORTARIA DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (MTE) Nº 702, DE 28/05/2015, PUBLICADA NO DOU DO DIA 29, QUE ESTABELECE REQUISITOS PARA A PRORROGAÇÃO DE JORNADA EM ATIVIDADE

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007)

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) Acrescenta 1º e 2º ao art. 45 do Decreto n.º 70.235, de 6 de março de 1972, para vedar a

Leia mais

PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS:

PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: PARECER Nº 003/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: PREFEITOS DE DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTOS: O FGTS E A CONVERSÃO DO REGIME CELETISTA PARA O ESTATUTÁRIO. DA CONSULTA: Trata-se de consulta formulada

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo

Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo SESSÃO ORDINÁRIA 27-01-2014 PROCESSO Nº 129-48.2013.6.08.0024 - CLASSE 30 NOTAS TAQUIGRÁFICAS Fls. 1/6 RELATÓRIO O Sr. JURISTA GUSTAVO CÉSAR DE MELLO CALMON HOLLIDAY (RELATOR):- Senhor Presidente: Trata-se

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 32.617 - MT (2010/0131496-9) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : ANTÔNIO MÁXIMO GOMES DE SANTANA : ANA LÚCIA RICARTE : ESTADO

Leia mais

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ I TRIBUNAL SUPERIOR ELE.ITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ Relator: Ministro Arnaldo Versiani Agravantes: Lauro

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO SP O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO A C Ó R D Ã O CMVTA PEDIDO FORMULADO PELA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ASSOCIAÇÕES DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA AVALIADORES FEDERAIS FENASSOJAF PARA A ALTERAÇÃO DO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 7º DA RESOLUÇÃO CSJT Nº

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes:

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes: 5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: 21ª, de Bambuí Recorrentes: Ministério Público Eleitoral Coligação Todos Juntos por Bambuí Recorrido: Lelis Jorge da Silva Relatora: Juíza Alice

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR AC Nº 540866/PE (0010598-17.2010.4.05.8300) APTE : UNIMED GUARARAPES - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO ADV/PROC : BRUNO BEZERRA DE SOUZA e outros APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ASSIST MP : ANS - AGÊNCIA

Leia mais

DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL

DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL DESPESA COM PESSOAL RESTRIÇÕES EM ANO ELEITORAL Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado 2008 é ano eleitoral e último ano do mandato eletivo dos prefeitos municipais, o que atrai a incidência de diversas restrições

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS Processo n.156-80.2014.6.04.0000 Classe 42 Representação por Pesquisa Eleitoral Irregular Representante: Diretório Regional do Partido do Movimento Democrático Brasileiro PMDB e Coligação Majoritária Renovação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Por: Carina Barbosa Gouvêa O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a repercussão geral, através do plenário virtual, do tema debatido

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 730.228 MATO GROSSO DO SUL RELATORA ADV.(A/S) RECTE.(S) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :RENATA GONÇALVES PIMENTEL :ITAMAR JOSÉ POTYGUARA PRATA DE PINHO E OUTRO(A/S)

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.952 SANTA CATARINA RELATORA RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :ADMINISTRADORA DE BENS PORTOGALLO LTDA E OUTRO(A/S) : DANIELA GUEDES DE BASSI E OUTRO(A/S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 340.091 - RS (2013/0142183-2) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : METILDE CASAGRANDE SOUZA E OUTROS : CLARISSA ASSUNÇÃO VIEIRA E OUTRO(S) FLÁVIO

Leia mais

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido:

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido: DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL. DESAPROPRIAÇÃO POR INTERESSE SOCIAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA. CLASSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE RURAL. INCLUSÃO DE ÁREAS NÃO APROVEITÁVEIS. PRECEDENTE DO

Leia mais

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS ESTUDO JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS Leonardo Costa Schuler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ESTUDO MARÇO/2007 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO Nº 15708 CE (0007321-11.2010.4.05.8100) APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APELADO : UFC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REPTE : PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO

Leia mais

A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral

A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral A execução de programas e concessão de benefícios sociais em ano eleitoral A execução de programas e concessão benefícios sociais em ano eleitoral deve ser realizada pela Administração Pública com parcimônia

Leia mais

Os Tribunais de Contas e a lista de gestores com contas irregulares: como eu voto?

Os Tribunais de Contas e a lista de gestores com contas irregulares: como eu voto? Os Tribunais de Contas e a lista de gestores com contas irregulares: como eu voto? Apresentação J. R. Caldas Furtado 1 A PREVISÃO CONSTITUCIONAL DA LEI DAS INELEGIBILIDADES Lei complementar estabelecerá

Leia mais

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 27 André Fernandes Arruda 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema da aplicação da pena de inelegibilidade nas representações

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA PARECER PRÉVIO

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA PARECER PRÉVIO CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PROCURADORIA PROC. Nº 3279/11 PLL Nº 160/11 PARECER PRÉVIO Trata-se de Projeto de Lei de iniciativa parlamentar que estabelece regras para o licenciamento urbanístico das

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 7.971 - MG (2012/0031718-1) RELATORA RECLAMANTE ADVOGADO RECLAMADO INTERES. ADVOGADO : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI : ROSILENE DE MOURA SOUZA : DOUGLAS CARVALHO ROQUIM E OUTRO(S) : PRIMEIRA

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL ELEITORAL N 26.448 - CLASSE 22 a - NATAL - RIO GRANDE DO NORTE. Relator: Ministro Ricardo Lewandowski. Agravante: Wilma Maria de

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS.

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. Elaborado em 07/2008 Gerson Tarosso Advogado. Sócio fundador do escritório

Leia mais

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA Gina Copola (abril de 2.013) I - A doutrina pátria tem se debruçado com afinco nos últimos anos sobre o controvertido tema relativo

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 SUMÁRIO Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 Parte I DIREITO MATERIAL... 17 Abuso do poder econômico... 17 Captação ilícita

Leia mais

Nº 70053391546 COMARCA DE FELIZ CONSTRUTORA SC LTDA A C Ó R D Ã O

Nº 70053391546 COMARCA DE FELIZ CONSTRUTORA SC LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. LICITAÇÃO. MULTA APLICADA EM RAZÃO DE ATRASO NA EXECUÇÃO DE OBJETO DO CONTRATO. NECESSIDADE DE ABERTURA DE PRAZO PARA DEFESA PRÉVIA. A imposição de qualquer das penalidades previstas nos

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, usando das atribuições que

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.280.171 - SP (2011/0144286-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : A C DE A : ANNA CRISTINA BORTOLOTTO SOARES E OUTRO(S) : B L C DE A E OUTRO : CLEBER SPERI EMENTA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.279.941 - MT (2011/0167277-9) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : ESTADO DE MATO GROSSO PROCURADOR : PATRYCK DE ARAUJO AYALA E OUTRO(S) RECORRIDO : VALDECIR AUGUSTO

Leia mais

O PARTICULAR NA LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

O PARTICULAR NA LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA O PARTICULAR NA LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Gina Copola Um dos temas de direito público de maior destaque e relevância na atualidade refere-se ao enquadramento dos particulares nos termos da Lei

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 06/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR

NOTA TÉCNICA Nº 06/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Diretoria de Normas NOTA TÉCNICA Nº 06/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR Brasília, 14 de março de 2008. Referência:

Leia mais

MANDADO DE SEGURANÇA Nº 467817-05.2014.8.09.0000 (201494678179)

MANDADO DE SEGURANÇA Nº 467817-05.2014.8.09.0000 (201494678179) MANDADO DE SEGURANÇA Nº 467817-05.2014.8.09.0000 (201494678179) COMARCA DE GOIÂNIA IMPETRANTE: IMPETRADOS: RELATOR: ADRIANO JOSÉ DOS SANTOS SECRETÁRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESTADO DE GOIÁS E OUTRO

Leia mais

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal Solicito informações a respeito do posicionamento jurisprudencial atualizado a respeito da necessidade de degravação dos depoimentos prestados nas audiências gravadas por meio audiovisual. Explico: a Defesa

Leia mais

Condutas vedadas aos agentes públicos em período

Condutas vedadas aos agentes públicos em período 1 de 7 15/7/2014 16:51 Este texto foi publicado no site Jus Navigandi no endereço http://50.116.32.46:8081/artigos/27311 Para ver outras publicações como esta, acesse http://jus.com.br Condutas vedadas

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5028235-83.2013.404.0000/SC

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5028235-83.2013.404.0000/SC AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 5028235-83.2013.404.0000/SC RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO MPF : Des. Federal FERNANDO QUADROS DA SILVA : DIEGO TORRES : Roger Rasador Oliveira : SERGIO DANTAS CHAMOUN : HYTALO

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme537454 ER 18/10/2005 SEGUNDA TURMA RELATORA RECORRENTE(S) : MIN. ELLEN GRACIE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (RECURSO CRIMINAL Nº 3454) CONSTITUCIONAL. PROCESSSUAL PENAL. COMPETÊNCIA DA

Leia mais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Equifax do Brasil Ltda., empresa com mais de 100 anos de existência e presente em mais de 15 países, tendo iniciado suas atividades

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas RESPOSTAS ÀS QUESTÕES APRESENTADAS NO SEMINÁRIO EM ANO DE ELEIÇÃO, A REGRA É CLARA, REALIZADO EM 25/03/14, NO AUDITÓRIO I DO PALÁCIO DO PLANALTO. Recomenda-se cautela na utilização

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho

A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008. Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho A Propaganda Institucional e as Eleições de 2008 Randolpho Martino JúniorJ www.vicosa.com.br/randolpho Propaganda Institucional Definição: é a publicidade destinada a divulgar os atos, programas, obras,

Leia mais