POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO"

Transcrição

1 POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO RETROSPECTIVA E CONTRIBUTOS Mário Teles Andreia Barata POOC da área territorial da ARH Tejo, IP Parque das Nações - 11 de Setembro de 2009

2 Índice Como era? O que mudou? Como poderá vir a ser? 1. Área de intervenção 2. Metodologia 3. Âmbito Notas finais

3 1 - ÁREA DE INTERVENÇÃO Faixa Costeira Faixa Costeira LINHA BASE LEI DOMINIO 58/2005, PRIVADO 29 DEZ; DOMÍNIO PÚBLICO MARÍTIMO - DL 468/71, 5 NOV. ÁGUAS TERRITORIAIS ÁGUAS 500 m ÁGUAS DE TRANSIÇÃO 50 m LMPMAVE 30 B.A.T. SUPERFICIAIS ÁGUAS INTERIORES ÁGUAS COSTEIRAS 1 M 12 M DOMINIO 2 Km PRIVADO DOMÍNIO PÚBLICO MARÍTIMO LEI 54/2005, 15 NOV; FAIXA TERRESTRE DE PROTECÇÃO FAIXA MARÍTIMA DE PROTECÇÃO 500 m 50 m LMPAVE? 30 B.A.T. PLANOS DE ORDENAMENTO DA FAIXA COSTEIRA POOC - D.L. 309/93, 2 SET. ; D.L. 218/94, 20 AGO. 2 FAIXA Km COSTEIRA - D.L. 302/90, 26 SET. FAIXA TERRESTRE DE PROTECÇÃO FAIXA MARÍTIMA DE PROTECÇÃO RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL - DL 93/90, 19 MAR; DL 213/92, 12 OUT. PLANOS DE ORDENAMENTO DA FAIXA COSTEIRA POOC - D.L. 309/93, 2 SET. ; D.L. 218/94, 20 AGO. FAIXA COSTEIRA - D.L. 302/90, 26 SET. RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL - DL 166/2008, 22 AGO

4 1 - ÁREA DE INTERVENÇÃO Decreto-Lei n.º 309/93 (Regulamenta a elaboração e aprovação dos POOC) Área de jurisdição dos POOC: - Faixa terrestre de protecção - 500m; - Faixa marítima de protecção - batimétrica 30m Excluídas dos POOC: - Áreas sob jurisdição portuária Limites Administrativos de Concelhos Limites ou de Áreas de Bacias Protegidas Hidrográficas Lei n.º 58/2005

5 POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO: RETROSPECTIVA E CONTRIBUTOS 1 - ÁREA DE INTERVENÇÃO Ç Canhão da Nazaré singularidade do trecho costeiro Ordenamento do espaço marinho: superfície? coluna de água? leito? Aguas costeiras transcendem área do POOC Excluídas dos POOC: Águas de transição Incluídas no POOC: L Lagoas Costeiras C t i Excluídas dos POOC: - Áreas sob jurisdição portuária

6 ETODOLOGIA POOC VILAMOURA - VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

7 ETODOLOGIA POOC VILAMOURA - VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

8 PLANO DE ORDENAMENTO DA RESERVA NATURAL DO ESTUÁRIO DO TEJO FASE 1 ESTUDOS DE CARACTERIZAÇÃO O que existe no território? (Uso do solo) Que valor lhe é atribuído? Identificação dos valores existentes no território. Classificação dos valores de acordo com a escala de valores pré-definida.

9 CONTEÚDO DOS ESTUDOS DE VALORAÇÃO VALORES NATURAIS VALORES FÍSICOS VALORES BIOLÓGICOS VALORES PAISAGÍSTICOS VALORES CULTURAIS ARQUITECTÓNICOS ARQUEOLÓGICOS ETNOGRÁFICOS

10 FASE 2 - DIAGNÓSTICO MATRIZ DE AMEAÇAS Estuário e Salinas Poluição Plan no de águ ua Zo ona entre- m arés sem ve egetação Poluição da água e sedimentos e bioacumulação de metais pesados Salinas Sapal Poluição de origem urbana e industrial Poluição (difusa ou pontual) com origem na agricultura e pecuária P l i ã l lb f i á Poluição em lagos, albufeiras e águas represadas

11 FASE 2 - DIAGNÓSTICO Identificar actividades: a proibir/condicionar a permitir/potenciar AMEAÇAS OPORTUNIDADES REGIME PRELIMINAR DE PROTECÇÃO valor + pressão = regime preliminar de protecção

12 Área Estuarina Área de Protecção Total Actividades: id d

13 Área Estuarina s de Protecção Parcial do Tipo II Actividades: - Produção de sal;

14 Mouchão da Póvoa 4. Salina da Saragoça POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO: RETROSPECTIVA E CONTRIBUTOS s de Intervenção Específica

15 MBITO Área Marinha VULNERABILIDADE à poluição de origem marinha POTENCIALIDADE de novas utilizações: Aquacultura; Energia; Áreas marinhas protegidas Mergulho;

16 DE ILIDADE eguinte informação: ces de sensibilidade teira à poluição de em marinha; tificação de habitats e as sensíveis, aos quais rão associadas áreas gestão especial; es de poluição es de poluição tentes e potenciais.

17 ices de sensibilidade ira à poluição de origem marinha Índice de Sensibilidade Costeira à poluição marinha Cor de representação gráfica na Carta de Sensibilidades Tipo de costa ia: cação de base definida pela NOAA al Oceanic and Atmospheric stration) com introdução de es específicas julgadas mais das ao troço costeiro de Cascais. classificada em secções, de acordo uas características geomorfológicas: grau de exposição à energia das ondas e das marés; declividade do litoral; tipo de substrato. itats tipicamente associados; sibilidade à poluição por ocarbonetos e outra poluição de em marinha; Arribas rochosas expostas com elevada declividade com/sem grandes blocos na base; estruturas artificiais expostas impermeáveis. Plataformas rochosas de declividade média ou baixa, expostas. Praias dissipativas de areia fina a média, expostas. Praias encaixadas de areia fina a média, abrigadas. Barras arenosas e bancos de declive suave. Praias encaixadas de areia e cascalho. Enrocamentos expostos. Costa de detritos calcários. Zonas arenosas expostas de espraiados de maré (tidal flats) Arribas rochosas abrigadas. Estruturas artificiais abrigadas. Enrocamento abrigado.

18 ersão poluentes conservativos eral as manchas de poluição não atingem a linha de POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO: RETROSPECTIVA E CONTRIBUTOS dispersão de poluentes em condições muito específicas problemáticas na linha de costa titui uma situação de risco o trânsito de navios na barra Local 20 ENCHENTE VAZANTE

19 gitação marítima RESULTADOS DO MODELO DE PROPAGAÇÃO DA ONDULAÇÃO NA ZONA COSTEIRA DE CASCAIS Pontos 1 a 4 Ponto 2 NW N POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO: RETROSPECTIVA E CONTRIBUTOS NE Ponto 1 Ponto 3 30 Ponto 1 Poto 4 Pontos 5 e 6 1, 2] ]2, 3] ]3, 4] ]4, 5] ]5, 6] ]6, 7] ]7, 8] W 0 E Ponto 2 Ponto 3 Ponto 4 90 N Altura significativa (m) SW SE N W 60 N E Ponto 5 Ponto 6 S 30 Pontos 7 a 10 ]1, 2] ]2, 3] ]3, 4] ]4, 5] ]5, 6] ]6, 7] ]7, 8] Altura significativa (m) Ponto 7 Ponto 9 Ponto 8 N W N N E E SE Ponto 7 Ponto 9 Ponto 8 Ponto 10 W S W 0 E S S E Ponto 10

20 CARTA DE ENCIALIDADES eguinte informação: ação de struturas de apoio à ; icação de zonas de ; icação de área propícia ão de recifes artificiais ados à conservação da ersidade; ara o estudo e ação do Gelidium ipedale; com capacidade de volvimento de ades turísticas, ionadas especialmente meio aquático como o

21 MBITO Protecção da Costa Praia da Conceição Barras do Tejo e Costa da Caparica

22

23 ITO PROTECÇÃO DA COSTA Barras do Tejo e Costa da Caparica

24 Situação de 1993 HIDROPROJE ENGENHARIA E GESTÃO, S.A ESCALA 1:15000 Situação de 1998 SITUAÇÃO ANO 1998 Fonte: Instituto Hidrográfico (INT 1875) (2ª edição - Março 1992, carta 45, correcções 1993) SITUAÇÃO ANO 1993 acto das cartas náuticas no INT1875 e

25

26 usas das alterações na Região das Barras do Tejo: Aumento das profundidades sobre o Cachopo do Norte diminuição da alimentação pelas ribeiras da Costa do Estoril; Deslocação da extremidade deste banco em direcção ao passe da Barra Grande Dragagens de manutenção do passe da Barra. Diminuição dos caudais de pico das cheias; Redução do prisma de maré do estuário;

27 aios de sibilidade à ação da metria opo Norte 2.2m ZH da 6

28 aios de sibilidade à ação da metria opo Norte.0m ZH da 6

29 rence tion idual Tidal rents

30 N rence tion Cascais São Julião Costa da Caparica ual Sand nsport ave ditions Taxa Acumulada (m3/ano) [0.,10000.[ [10000.,30000.[ [30000.,50000.[ >= Tempo de Simulação: 31 horas m3/ano (m)

31 tion 1 esidual urrent

32 tion 1 omparison with the eference Situation al Fluxes Sections 1 d 2

33 tion 1 nual Sand ansport

34 tion 4 esidual urrent

35 tion 4 nual Sand ansport

36 as Finais: Monitorização : Necessidade de gerar previamente a informação adequada Área: Metodologia: Complexidade Níveis de protecção Valorizar a área (recursos, ecossistemas, pessoas, bens, actividades) Passar da perigosidade ao risco - Escala de trabalho Âmbito:

37

38 ANALISYS OF THE MORPHODYNAMIC BEHAVIOUR POOC OF NA TAGUS ÁREA DA ESTUARY ARH DO TEJO: ENTRANCE RETROSPECTIVA ZONE. E CONTRIBUTOS SIMULATION OF ALTERNATIVE SOLUTIONS thod of Study em of ematical els: MODEL FOR TIDE PROPAGATION ON TAGUS ESTUARY BATHYMETRY DOMAIN GEOMETRY WATER LEVEL WIND MODEL FOR COASTAL WAVE PROPAGATION H I D VELOCITY AND WATER LEVEL FIELDS FOR ONE TIDAL CYCLE TIDE LEVEL DEEP WATER WAVE CONDITION WAVE BOUNDARY CONDITIONS FIELDS OF RADIATION STRESS WAVE DIRECTION AND HEIGHT FIELDS MODEL OF TIDE AND WAVE INDUCED CURRENTS BOUNDARY SURFACE LEVEL AND VELOCITY

39 ANALISYS OF THE MORPHODYNAMIC BEHAVIOUR OF TAGUS ESTUARY ENTRANCE ZONE. SIMULATION OF ALTERNATIVE SOLUTIONS POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO: RETROSPECTIVA E CONTRIBUTOS od of Study S t f M th ti l M d l AND WATER LEVEL FIELDS BY TIDAL WAVES RECTION AND HEIGHT FIELDS SEDIMENT TRANSPORT MODEL SEDIMENT PROPERTIES BOTTOM BOUNDARY LAYER PROPERTIES BOUNDARY SEDIMENTAR FLUXES SEDIMENT SINKS AND SOURCES System of Mathematical Models MODEL FOR MORPHOLOGICAL EVOLUTION TREND S E D FREQUENCY OF OCCURRENCE FOR EACH WAVE CONDITION WITHIN ONE YEAR (f i ) FIELDS ON SEDIMENT TRANSPORT INTEGRATED OVER A TIDAL CYCLE FOR EACH WAVE CONDITIONO FIELDS OF INSTANTANEOUS SEDIMENT TRANSPORT TIME SERIES OF INSTANTANEOUS SEDIMENT TRANSPORT MODEL OF INTEGRATED SEDIMENT TRANSPORT AND FIELDS OF EROSION AND ACCRETION OVER ONE TIDAL CYCLE FOR EACH WAVE FIELDS OF INTEGRATED TRANSPORT RATES OVER ONE YEAR OF SIMULATION INTEGRATED FLUXES ON SELECTED SECTIONS OVER THE SIMULATION PERIOD

40 ANALISYS OF THE MORPHODYNAMIC BEHAVIOUR OF TAGUS ESTUARY ENTRANCE ZONE. SIMULATION OF ALTERNATIVE SOLUTIONS thod of Study POOC NA ÁREA DA ARH DO TEJO: RETROSPECTIVA E CONTRIBUTOS tem of hematical els omputational omains

Caracterização das correntes costeiras

Caracterização das correntes costeiras CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo do litoral na área de intervenção da APA I.P.

Leia mais

DOMÍNIO DE ESTUDO: MAPEAMENTO E ANÁLISE EVOLUTIVA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE DETEÇÃO REMOTA E CRITÉRIOS BIOFÍSICOS

DOMÍNIO DE ESTUDO: MAPEAMENTO E ANÁLISE EVOLUTIVA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE DETEÇÃO REMOTA E CRITÉRIOS BIOFÍSICOS DOMÍNIO DE ESTUDO: MAPEAMENTO E ANÁLISE EVOLUTIVA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE DETEÇÃO REMOTA E CRITÉRIOS BIOFÍSICOS Ricardo Nogueira Mendes (1), Rodrigo Ceia (1), João Catalão (1), Ricardo Melo (1), Tiago Silva

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FONTE DA TELHA Código da Água Balnear PTCX7L Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Região Hidrográfica do Tejo Ribeiras do Oeste Gabriela Moniz e Francisco Reis Torres Vedras, 11 de Dezembro de 2009 Administrações das Regiões Hidrográficas

Leia mais

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN Portalegre 7 de Julho de 2015 1 RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL DELIMITAÇÃO DE ACORDO COM O NOVO REGIME JURÍDICO Resolução do Conselho de Ministros n.º

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Castelo

Perfil de Água Balnear do Castelo Perfil de Água Balnear do Castelo Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear CASTELO Código da Água Balnear PTCV2T Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE CASCAIS Área do Concelho de Cascais 97,1km 2 Parque Natural de Sintra-Cascais ocupa 33 km 2 Nº de habitantes 205 117 O MAR

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear MEDAO-SUPERTUBOS Código da Água Balnear PTCF2K Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Carcavelos

Perfil de Água Balnear de Carcavelos Perfil de Água Balnear de Carcavelos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear Carcavelos Código da Água Balnear PTCQ8X Ano de Identificação 1993 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

Praia da Sereia. Identificação da Água Balnear. Fotografia. Localização Geográfica e Administrativa da Água Balnear. Perfil de Água Balnear

Praia da Sereia. Identificação da Água Balnear. Fotografia. Localização Geográfica e Administrativa da Água Balnear. Perfil de Água Balnear Praia da Sereia Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear SEREIA Código da Água Balnear PTCT3K Ano de Designação 2004 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal Moderadamente

Leia mais

Hidrografia e Litoral

Hidrografia e Litoral Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Hidrografia e Litoral João Silva Natália Cunha Ana Müller Lopes Manuela

Leia mais

Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC Alcobaça Mafra.

Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC Alcobaça Mafra. MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL NOTA TÉCNICA Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC

Leia mais

BIODIVERSIDADE. Maria José Costa

BIODIVERSIDADE. Maria José Costa BIODIVERSIDADE Maria José Costa Sou de opinião de que estamos longe de conhecer que espécies existem realmente no ambiente oceânico. Hápor aímais espécies do que pensamos. ROBERT H. GIBBS JUNIOR (1986)

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

IAS-INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA SUBAQUÁTICA, Lda. Curriculum

IAS-INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA SUBAQUÁTICA, Lda. Curriculum IAS-INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA SUBAQUÁTICA, Lda. Curriculum DENOMINAÇÃO SOCIAL: Investigação Arqueológica Subaquática-I.A.S.,Lda. SEDE: Rua Óscar Acúrsio, 15 2785-747 S. Domingos de Rana MATRÍCULA: Registo

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus nemus@nemus.pt ÍNDICE 1. Introdução: alterações climáticas

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

Ciência Viva no Verão

Ciência Viva no Verão Ciência Viva no Verão Participação da Agência Portuguesa do Ambiente 1/10 1. Ciência Viva no Verão A Ciência Viva no Verão é uma iniciativa da Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica que

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

Ondas estão a. mudar de direção. vulneráveis à mudança de direção das ondas. Por ugal corre o risco de ter praias com cada vez menos ai^ia

Ondas estão a. mudar de direção. vulneráveis à mudança de direção das ondas. Por ugal corre o risco de ter praias com cada vez menos ai^ia EROSÃO COSTEIRA PROCESSO AGRAVA ESTADO DAS PRAIAS DA COSTA PORTUGUESA Ondas estão a mudar de direção As praias de Cascais e Sintra são das que estampais vulneráveis à mudança de direção das ondas. Por

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

REQUALIFICAÇÃO DE RIBEIRAS COSTEIRAS NO ÂMBITO DE UMA ESTRATÉGIA PARA A PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO, I.P.

REQUALIFICAÇÃO DE RIBEIRAS COSTEIRAS NO ÂMBITO DE UMA ESTRATÉGIA PARA A PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO, I.P. Recursos Hídricos /// Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos /// Volume 32# 01 REQUALIFICAÇÃO DE RIBEIRAS COSTEIRAS NO ÂMBITO DE UMA ESTRATÉGIA PARA A PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL NA ÁREA DE

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Saúde

Perfil de Água Balnear da Saúde Perfil de Água Balnear da Saúde Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear SAÚDE Código da Água Balnear PTCF7X Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal

Leia mais

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial Marco Freire Nuno de Sousa Neves A gestão dos recursos naturais requer um conhecimento

Leia mais

Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira

Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira Luís Ivens Portela Laboratório Nacional de Engenharia Civil, LNEC, Lisboa, Portugal V Seminário Nacional do Programa Bandeira Azul 25 Nov2015 -Setúbal Índice

Leia mais

EIA - Porto Pontal Paraná

EIA - Porto Pontal Paraná EIA - Porto Pontal Paraná 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO O conceito de área de influência é de difícil operacionalização prática, particularmente quando se trata da abordagem de processos e estruturas

Leia mais

ANEXO I INDICE DE SENSIBILIDADE PARA A COSTA PORTUGUESA DESTINADO A INTERVENÇÕES DE LIMPEZA DE POLUIÇÃO

ANEXO I INDICE DE SENSIBILIDADE PARA A COSTA PORTUGUESA DESTINADO A INTERVENÇÕES DE LIMPEZA DE POLUIÇÃO ANEXO I INDICE DE SENSIBILIDADE PARA A COSTA PORTUGUESA DESTINADO A INTERVENÇÕES DE LIMPEZA DE POLUIÇÃO INTRODUÇÃO O Índice de Sensibilidade que se propõe tem nesta fase apenas o objectivo de ajudar na

Leia mais

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco

QUALIDADE ECOLÓGICA. Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco QUALIDADE ECOLÓGICA Variáveis endógenas e exógenas; Indicadores e índices de qualidade ecológica; Toxicidade e análise de risco DETERMINAÇÃO DO ESTADO DE QUALIDADE ECOLÓGICA Parâmetros biológicos Indicadores

Leia mais

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol PRAIAS i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos Transversal à praia Longitudinal à praia v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol Terminologia A praia é um depósito

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal

Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal João Ferrão* Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal 109 Portugal tem uma extensa zona costeira, comparativamente com a sua área geográfica,

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Sessão de Divulgação do Sistema de Incentivo às Empresas Programa Operacional do Algarve PO Algarve 21

Sessão de Divulgação do Sistema de Incentivo às Empresas Programa Operacional do Algarve PO Algarve 21 Sessão de Divulgação do Sistema de Incentivo às Empresas Programa Operacional do Algarve PO Algarve 21 Biblioteca Municipal de Silves Sexta-Feira, 27 de Janeiro de 2012 Empresa Varzeamar Actividades Marítimo

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I CI.IM006.6.20121030 Estratégia de Sustentabilidade Zona Costeira de Cascais Zona Costeira de Cascais Parque Natural Sintra Cascais 15 praias balneares 17 praias monitorizadas permanentemente ZIBA Zona

Leia mais

Ciências da Informação Geográfica Aula de Hidrografia. Definição e Objectivo da Hidrografia. Questão colocada a um painel de peritos em 1979

Ciências da Informação Geográfica Aula de Hidrografia. Definição e Objectivo da Hidrografia. Questão colocada a um painel de peritos em 1979 Hidrografia Definição e Objectivo da Hidrografia O que é a Hidrografia? Questão colocada a um painel de peritos em 1979 Identificados três vertentes essenciais Identificados três grupos de utilizadores

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

A Visão do Município de Cascais

A Visão do Município de Cascais A Visão do Município de Cascais Presente e Futuro Do Ordenamento da Orla Costeira Sessão de Debate sobre os Planos da Orla Costeira ARH do Tejo I.P. Torres Vedras - 11 de Dezembro de 2009 CASCAIS Município

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES Secretariado Técnico ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

Componentes e Funcionalidades do SIG Institucional da ARH do Centro I.P. Nuno Charneca Nuno Bravo

Componentes e Funcionalidades do SIG Institucional da ARH do Centro I.P. Nuno Charneca Nuno Bravo Componentes e Funcionalidades do SIG Institucional da ARH do Centro I.P. Nuno Charneca Nuno Bravo Enquadramento do Projeto 1. Desenvolvimento e implementação da Base de dados (geográfica) central da ARH

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus, Pedro Fernandes, Cláudia Fulgêncio nemus@nemus.pt ÍNDICE

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular NÍVEL MÉDIO DO MAR Diagrama triangular Classificação do litoral com base na energia Hayes (1979) Morfologias costeiras em função da amplitude da maré PTorres JAD Torres, RS, Brasil Limites da Praia Profundidade

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo Apresentação FIESP Os Múltiplos Usos do Mar e a Atividade Pesqueira A Pesca Industrial no Estado de São Paulo PESCA INDUSTRIAL ATIVIDADE REGULAMENTADA LICENCIADA NÃO CRIMINOSA TIPOS DE PESCA A pesca industrial

Leia mais

Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas. Aspectos gerais

Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas. Aspectos gerais Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas Biól. Carlos Ferreira Lopes, Msc. Setor de Operações de Emergência da CETESB Aspectos gerais A gestão do atendimento a emergências químicas deve considerar

Leia mais

NOTAS DE PREENCHIMENTO DE APOIO AO QUESTIONÁRIO COASTWATCH

NOTAS DE PREENCHIMENTO DE APOIO AO QUESTIONÁRIO COASTWATCH NOTAS DE PREENCHIMENTO DE APOIO AO QUESTIONÁRIO COASTWATCH A INFORMAÇÃO SOBRE LOCAL E SOBRE QUEM PREENCHE O QUESTIONÁRIO 1 Informação sobre o local O código do país é o 12 e já está assinalado no questionário

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

M O O MA M R AUTORES:

M O O MA M R AUTORES: CONTATO DA TERRA COM O MAR AUTORES: Tiago e Francisco 2010 Índice O QUE É A COSTA? FORMAS DE RELEVO DO LITORAL PRAIA DUNAS BAÍA ESTUÁRIO CABO ARRIBA OUTROS A COSTA PORTUGESA BIBLIOGRAFIA E NETGRAFIA O

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO Estudos Preliminares de Impacte Ambiental Avaliação de Impacte Ambiental Fernando Santana Departamento de Ciências e Engenharia

Leia mais

Erosão e Inundação Costeiras:

Erosão e Inundação Costeiras: Erosão e Inundação Costeiras: Fenómenos e vulnerabilidades e um olhar sobre a costa continental Portuguesa Francisco Sancho fsancho@lnec.pt com contributos de: P. Freire, A. Fortunato, F.Oliveira, M. Clímaco

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima

Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima CNAI 10 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima Victor F. Plácido da Conceição Vila Real Trás-os-Montes, 20 de Outubro de 2010 Agenda 1. O Instituto

Leia mais

Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe. Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia

Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe. Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia Sondagem a prumo Sondagem com sondadores acústicos Sumário Introdução Requisitos mínimos

Leia mais

Implementação do Web SIG para o PGRH

Implementação do Web SIG para o PGRH Implementação do Web SIG para o PGRH ARH Centro, I.P. Requisitos do Sistema Ref.: 30/11/2010 FICHA TÉCNICA Referência: Projecto: Implementação do Web SIG para o PGRH Gestor de Projecto: Miguel Rodrigues

Leia mais

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO

O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO SIMBIENTE Engenharia e Gestão Ambiental Apresentação Institucional O MUNDO É UM SISTEMA COMPLEXO Edição: Janeiro 2012 O Mundo é um sistema complexo. Sistemas naturais. Sistemas socioeconómicos. Desafio

Leia mais

Estudo Sintético de Diagnóstico da Geomorfologia e da Dinâmica Sedimentar dos Troços Costeiros entre Espinho e Nazaré

Estudo Sintético de Diagnóstico da Geomorfologia e da Dinâmica Sedimentar dos Troços Costeiros entre Espinho e Nazaré Fig. 4.27 - Recuo da linha de costa a sul da barra de Aveiro. A erosão costeira induzida pelos molhes da barra foi extraordinariamente intensa. A estabilização relativa da situação foi efectuada através

Leia mais

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira Situação actual na protecção do património geológico Paulo Pereira o que é o património geológico? Elementos da geodiversidade Parte do património natural Ameaçado e não renovável Primeiras iniciativas

Leia mais

ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL

ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL Índice 1 Introdução 2 2 - Metodologia 2 3 Índice de Sensibilidade Ambiental (ISA) 3 3.1 Classificação inicial 5 3.2 Levantamento de campo 9 3.3 Critérios de classificação

Leia mais

Dispersão de Petróleo Metodologias para a sua Previsão

Dispersão de Petróleo Metodologias para a sua Previsão Dispersão de Petróleo Metodologias para a sua Previsão - Hidromod Paulo Chambel Leitão - Hidromod Frank Braunschweig Maretec/IST Rodrigo Fernandes Maretec/IST Sistemas de Apoio à Decisão em Emergências

Leia mais

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. JOSÉ SERRA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA CLUSTER 8 Perspectivas da Geografia Urbana CLUSTER 6 Estruturas urbanas, Planejamento urbano,

Leia mais

Superintendência do Porto de Rio Grande. http://www.portoriogrande.com.br

Superintendência do Porto de Rio Grande. http://www.portoriogrande.com.br Superintendência do Porto de Rio Grande http://www.portoriogrande.com.br 1º WORSHOP SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PORTOS DAS REGIÕES SUL E SUDESTE ESTUDO DE CASO LICENÇA DE OPERAÇÃO DO PORTO ORGANIZADO

Leia mais

Nuno José da Silva Grade

Nuno José da Silva Grade INFORMAÇÃO PESSOAL Nuno José da Silva Grade Morada: Urb. das Gambelas, Rua Sidónio d'almeida Lt. 75, 8005-294 Faro (Portugal) 00351 963 002 360 nuno.grade@icnf.pt EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO 01/10/2005 30/09/2006

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

FOLHA INFORMATIVA Nº42-2012. Um batelão afundado no Tejo

FOLHA INFORMATIVA Nº42-2012. Um batelão afundado no Tejo Editor: Instituto Politécnico de Santarém Coordenação: Gabinete coordenador do projecto Ano 5; N.º 209; Periodicidade média semanal; ISSN:2182-5297; [N.35] FOLHA INFORMATIVA Nº42-2012 Um batelão afundado

Leia mais

PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2.º CICLO

PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2.º CICLO PLANOS DE GESTÃO DE REGIÃO HIDROGRÁFICA 2.º CICLO QUESTÕES SIGNIFICATIVAS DA GESTÃO DA ÁGUA (QSiGA) Região Hidrográfica do Tejo e Ribeiras do Oeste Sessão de Participação Pública Alcanena, 8 de Abril de

Leia mais

RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR?

RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR? RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR? José Nunes André* & Maria de Fátima Neves Cordeiro** geógrafos *IMAR Coimbra (Instituto do Mar) **Escola Secundária de Vieira de Leiria Neste trabalho analisámos

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

Decreto-Lei n.º 93/90 de 19 de Março

Decreto-Lei n.º 93/90 de 19 de Março A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 93/90 de 19 de Março Revê

Leia mais

As Respostas da Sociedade: DQEM, OSPAR, ONGs, Entidades Públicas. Foto: IMAG-DRAM

As Respostas da Sociedade: DQEM, OSPAR, ONGs, Entidades Públicas. Foto: IMAG-DRAM As Respostas da Sociedade: DQEM, OSPAR, ONGs, Entidades Públicas Foto: IMAG-DRAM Diretiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Procura atingir o BOM ESTADO AMBIENTAL aplicando uma abordagem ecossistémica.

Leia mais

Formação dos dirigentes e quadros superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas

Formação dos dirigentes e quadros superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas Formação dos dirigentes e quadros superiores da Administração Pública para as energias renováveis oceânicas Tópico: Análise do quadro normativo em Portugal e comparação com outros países da Europa Tema

Leia mais

Reconhecimento de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens

Reconhecimento de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens RECURSOS HÍDRICOS Domínio Público Hídrico de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens Dra. Águeda Silva (Eng.ª Fernanda Ambrósio e Eng.º João Pedro Martins) Seminário Gestão das margens das linhas

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO

CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO CONCEÇÃO PLANEAMENTO OPERACIONALIZAÇÃO MAR PORTUGAL - Um Mar de Oportunidades MAR PORTUGAL Conectividade intercontinental; Todas as regiões são litorais ou insulares; Mar profundo. MAR PORTUGAL - Um Mar

Leia mais

Caracterização e diagnóstico das massas de água de transição e costeiras

Caracterização e diagnóstico das massas de água de transição e costeiras PGBH que integram a Região Hidrográfica das Ribeiras do Algarve (RH8) Caracterização e diagnóstico das massas de água de transição e costeiras Consórcio NEMUS HIDROMOD AGRO.GES Faro, 29 de Março de 2011

Leia mais

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis

Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas dos rios Vouga, Mondego e Lis CENÁRIOS PROSPECTIVOS Pescas, Aquicultura e Portos 13 de Junho de 2011 Pesca e Aquicultura CONSULTA DE RELATÓRIOS PÚBLICOS, SECTOR

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré

MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar. Município da Nazaré MUNICÍPIOS E O MAR Associação Fórum Empresarial da Economia do Mar Município da Nazaré PROJECTO VIVER O MAR Valorizar a associação da Nazaré ao Mar como factor de identidade Assegurar o conhecimento Científico

Leia mais

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável

Manifesto europeu para o turismo náutico sustentável INTRODUÇÃO Através de várias iniciativas, incluindo as declarações sobre turismo de Manila e Haia, a comunidade internacional confirmou a importância do papel do turismo de veicular o desenvolvimento social

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU Régis Chrystian da Silva (1) Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente pela Faculdade de

Leia mais

CNAI 10. Visita Técnica

CNAI 10. Visita Técnica CNAI 10 Visita Técnica Baixo Sabor, 21de Outubro de 2010 INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP Amarante 01 de Julho 2010 PGAI Plano de Gestão Ambiental Integrado do Vale do Sabor e Região Circundante Medidas

Leia mais

Estoril Um caso de Sucesso

Estoril Um caso de Sucesso Estoril Um caso de Sucesso Les Esturiales Bureau Meeting - Lisboa, 11 Maio/2007 Fundação Cidade Lisboa Os Concelhos da Área Metropolitana de Lisboa Mafra Loures Sintra Odivelas Amadora Cascais Oeiras Lisboa

Leia mais

PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA. POOC SintraSado no. Concelho de Sesimbra

PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA. POOC SintraSado no. Concelho de Sesimbra PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA POOC SintraSado no Concelho de Sesimbra POOC Sintra / Sado no Concelho de Sesimbra 1 - O litoral de Sesimbra 2 - A elaboração do Plano 3 - A publicação e o Plano

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

Grupo de trabalho «Inovação»

Grupo de trabalho «Inovação» Comissão Arco Atlântico Grupo de trabalho «Inovação» Projecto de plano da ação para 2015-2016 Objetivo do grupo A Aquitânia deseja mobilizar as Regiões Atlânticas para a questão da inovação na Economia

Leia mais

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Journal of Coastal Research, 28(4):903-922. 2012 INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO MÉTODOS

Leia mais

AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC

AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC AS ESCORRÊNCIAS RODOVIÁRIAS: UMA FONTE DE POLUIÇÃO DIFUSA SOBRESTIMADA OU SUBESTIMADA? Ana Estela Barbosa Departamento de Hidráulica e Ambiente LNEC As escorrências rodoviárias: uma fonte de poluição difusa

Leia mais