HIDRALERTA SISTEMA DE PREVISÃO E ALERTA DE INUNDAÇÕES EM ZONAS COSTEIRAS E PORTUÁRIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HIDRALERTA SISTEMA DE PREVISÃO E ALERTA DE INUNDAÇÕES EM ZONAS COSTEIRAS E PORTUÁRIAS"

Transcrição

1 HIDRALERTA SISTEMA DE PREVISÃO E ALERTA DE INUNDAÇÕES EM ZONAS COSTEIRAS E PORTUÁRIAS Conceição Juana Fortes

2 Tópicos Motivação do projeto Sistema HIDRALERTA Componentes Metodologia Casos de Aplicação Baía da Praia da Vitória, Terceira Zona da Costa da Caparica LNEC 2

3 A Realidade Risco pessoas Consequências atingidas por massas de água e arrastadas para o mar Efeitos afogamento Scarborough, Reino Unido Flórida, EUA Hartlepool, Reino Unido LNEC 3

4 A Realidade Risco veículos (estradas) Consequências atingidos por massas de água e parte eléctrica afectada / inundados Efeitos avaria / reparação / custos LNEC 4

5 A Realidade Risco estradas (veículos) Consequências atingidos por massas de água e parte eléctrica afectada / inundados Efeitos avaria / reparação / custos LNEC 5

6 A Realidade Risco bens imóveis (edifícios, equipamentos) Consequências atingidos por massas de água e inundados / danificados Efeitos obras de reparação / custos LNEC 6

7 A Realidade Risco infraestruturas (marinas / portos) Consequências alteração das condições de agitação no interior das marinas Efeitos interferência nas atividades das marinas Marina do Lugar de Baixo, Madeira Marina de Cascais Porto da Ericeira LNEC 7

8 A Realidade Risco infraestruturas (portos) Consequências alteração das condições de agitação no interior das marinas / portos Efeitos interferência nas atividades em portos Ponta Delgada, Azores LNEC 8

9 Motivação É portanto importante Prever situações de risco em zonas costeiras e portuárias Estabelecer mapas de risco para um correto planeamento Alertar as entidades responsáveis em situações de emergência Objetivo Minimizar a perda de vidas reduzindo prejuízos económicos e ambientais Projeto HIDRALERTA LNEC 9

10 O Projeto HIDRALERTA Desenvolvimento do Sistema de Previsão e Alerta de Inundações em Zonas Costeiras e Portuárias Financiado pela FCT 3 anos (a partir de 21 de Março de 2012) Participantes Laboratório Nacional de Engenharia Civil Universidade Nova de Lisboa Universidade dos Açores LNEC 10

11 O Projeto HIDRALERTA Desenvolvimento do Sistema de Previsão e Alerta de Inundações em Zonas Costeiras e Portuárias Este projeto pretende: Desenvolver um sistema de previsão, alerta e análise de risco associado ao galgamento e inundação em zonas costeiras e portuárias Utilização de medições e/ou previsões da agitação marítima nas zonas costeira e portuária, para calcular os efeitos dos galgamentos e inundações Criação de uma ferramenta user-friendly avaliação em tempo real de situações de emergência e emissão de alertas às entidades competentes sempre que se preveja estar em causa a segurança de pessoas, bens ou atividades desenvolvidas nessas zonas Produção de mapas de risco que constituam uma ferramenta de apoio à decisão pelas entidade competentes Desenvolvimento de um protótipo para o baía da Praia da Vitória e da zona de Lisboa-Vale do Tejo (Costa da Caparica) LNEC 11

12 Componentes do HIDRALERTA AGITAÇÃO MARÍTIMA características da agitação marítima ao largo e em áreas costeiras e portuárias GALGAMENTOS E INUNDAÇÃO avaliação dos galgamentos e inundação em áreas costeiras e infraestruturas portuárias SISTEMA DE ALERTA análise em tempo real das situações de emergência e envio automático de mensagens de alerta para as autoridades responsáveis MAPAS DE RISCO elaboração de mapas de risco para apoio à gestão costeira e portuária Agitação marítima Mapas de risco Galgamentos e inundação Sistema de alerta LNEC 12

13 Metodologia 1 Dados medidos (Bóia-Ondógrafo) Regime de agitação na zona de interesse Transferência do regime de agitação ao Largo (modelos numéricos) 2 Cálculo do galgamento e da inundação 3 Sistema de gestão de risco Sistema de alerta Mapas de risco Envio de SMS e

14 Agitação Marítima 1 Caracterizar a agitação marítima na região de estudo através de modelos numéricos ou medições in situ LNEC 14

15 Inputs Galgamento e Inundação 2 VAN DER MEER (1995,1998) Input Layer Feed-forw ard Hidden Layer Output Layer Q Q p tan gh 3 s gh 3 s Rc EXP A Rc / r EXP B Hs p / H s r p p 2 2 i Error Propagation j Output LNEC 15

16 Alerta ou Gestão do Risco 3 Análise da informação obtida Sistema de alerta para aviso das entidades competentes sempre que a segurança do porto está em causa de modo a reduzir a ocorrência de emergências nas atividades portuárias Sistema de gestão do risco para suporte do processo de tomada de decisão no planeamento costeiro e portuário LNEC 16

17 Arquitectura Proposta (sistema de gestão de risco) LNEC 17

18 Arquitectura Proposta: Dados de Entrada Os dados relevantes para a aplicação são: Dados da boia ondógrafo; Cartografia relevante para a zona de interesse; Tabelas com a classificação de risco associada a valores medidos, ou projectados, para pontos de interesse; Tabelas com projeções entre valores medidos pelo sensor e pontos de interesse. LNEC 18

19 Arquitectura Proposta: Processamento Os dados provenientes de sensores têm que ser importados para o sistema, e convertidos para formatos úteis. A avaliação de risco de um determinado evento é determinada pela análise dos resultados das interpolações efetuadas sobre as tabelas de projeção. Os valores medidos são registados no sistema, assim como as interpolações. Esta informação vai permitir a geração de mapas de risco. LNEC 19

20 Arquitectura Proposta: Dados Gerados Os dados gerados pelo sistema contemplam: A informação proveniente dos sensores; Os dados relacionados com a avaliação de risco. Entres os quais: Tabelas de risco e projeção; Valores de interpolações; Indicadores de risco calculados. Os mapas de risco; Os relatórios produzidos por utilizadores. LNEC 20

21 Arquitectura Proposta: Interação A aplicação web vai permitir a agregação de todos os componentes do sistema. Além da análise e exportação dos dados registados no sistema, quer sejam importados de sensores, tabelas ou resultados de processamento, também vai permitir a parametrização da aplicação. A geração de relatórios é também umas das operações disponíveis. LNEC 21

22 Casos de Aplicação Baía da Praia da Vitória Zona da Costa da Caparica LNEC 22

23 Porto da Praia da Vitória A baía da Praia da Vitória localiza-se na costa este da ilha Terceira, uma das nove ilhas do arquipélago dos Açores, Portugal. Esta baía tem cerca de 2400 m de comprimento e 1100 m de largura máxima. LNEC 23

24 Trabalho Realizado Previsão dos galgamentos em estruturas do baía da Praia da Vitória Para o Sistema de Alerta Para a criação de Mapas de Risco LNEC 24

25 defesa frontal aderente da baía cujos perfis são indicados na Figura Báia da Praia da Vitória P2 a) P1 b) Figura 1 Vista aérea do porto da Praia da Vitória; a) Defesa fronta Estruturas marítimas do baía da Praia da Vitória P1 - quebra-mar sul em frente ao cais 12, à cota m (Z.H.) P2 - zona dos esporões da defesa frontal, à cota m (Z.H.) LNEC 25

26 Previsão do Galgamento em Sistema de Alerta/Gestão do Risco 1 Caraterização da agitação marítima Ilha Terceira WWIII results 1-2 dias de avanço Séries longas (anos) / cenários LNEC 26

27 q(l/s/m) Previsão do Galgamento em Sistema de Alerta/Gestão do Risco 2 Cálculo do galgamento Modelo Neuronal CLASH (NN_OVERTOPPING) Point P8 ghstm-1,0 q(l/s/m) ghstm -1, Date LNEC 27

28 q(l/s/m) Previsão do Galgamento em Sistema de Alerta 3 Sistema de alerta eventos de galgamento (2 acima dos níveis aceitáveis) Point P8 ghstm-1,0 q(l/s/m) ghstm -1, Sistema de alerta Date LNEC 28

29 Previsão do Galgamento para Gestão do Risco 3 Gestão do risco Nível de Risco Risco = Probabilidade x Consequências LNEC 29

30 Costa da Caparica Praia São João - Caparica, Fev. 2010

31 Costa da Caparica LNEC 31

32 Trabalho Realizado Foi construída uma base de dados para organizar os dados provenientes da boia ondógrafo, localizada ao largo do Porto de Lisboa. A importação de dados está automatizada Início da previsão de espraiamento/galgamento para sistema de alerta e gestão do risco Início da caraterização da vulnerabilidade e riscos da Praia de S. João da Caparica LNEC 32

33 Metodologia para Análise da Vulnerabilidade Apoiada num Sistema de Informação Geográfica, a metodologia apresentada consiste em três etapas fundamentais: a) produção de mapas de vulnerabilidade, baseada numa análise automatizada dos níveis de inundação na área de estudo, que forem previamente estabelecidos para vários cenários; b) com base nos valores limiares, são estabelecidos os factores qualitativos que estão associados às consequências da inundação / galgamento em zonas onde essas alturas ultrapassam limites pré-definidos; c) Combinação dos passos acima, permitindo a avaliação dos riscos de inundações em praias, estruturas costeiras e portos. LNEC 33

34 Produção de Mapas de Vulnerabilidade Costa da Trafaria Programa de Valorização e Requalificação Ambiental (Câmara Municipal de Almada / Parquexpo/FCT-UNL) LNEC 34

35 Fatores Qualitativos / Consequências Ferreira, 2004 Costa Polis, 2011 Raposeiro et al LNEC 35

36 Riscos de Inundação em Praias Raposeiro et al Classes de risco Baixo Moderado Elevado Muito elevado Máximo Raposeiro et al Ferreira, 2004 LNEC 36

37 Resultados Sistema inovador de previsão de inundações e de alerta das autoridades responsáveis pela gestão costeira e portuária HIDRALERTA Implementação e teste do sistema protótipo no baía da Praia da Vitória, Açores e da zona de Lisboa-Vale do Tejo (Costa da Caparica) Nova metodologia para o cálculo dos galgamentos e inundação, através da utilização combinada de diferentes técnicas Mapas de risco de galgamentos e inundações Base de dados com toda a informação LNEC 37

38 Maria Teresa Reis Rui Capitão João Alfredo Santos Liliana Pinheiro Armanda Rodrigues André Sabino Paulo Raposeiro José Carlos Ferreira Carlos da Silva Eduardo de Azevedo Anabela Simões Conceição Rodrigues Agradecimentos LNEC 38

Segurança e Comportamento de Obras Marítimas

Segurança e Comportamento de Obras Marítimas Jornadas de Investigação e Inovação do LNEC Recursos naturais e Energia Segurança e Comportamento de Obras Marítimas O Papel do LNEC na segurança de obras marítimas. Presente e Perspetivas Futuras Eng.

Leia mais

Relatório da visita à Costa da Caparica. 9 de Julho de 2012

Relatório da visita à Costa da Caparica. 9 de Julho de 2012 SISTEMA DE PREVISÃO E ALERTA DE INUNDAÇÕES EM ZONAS COSTEIRAS E PORTUÁRIAS PTDC/AAC-AMB/120702/2010 Relatório da visita à Costa da Caparica 9 de Julho de 2012 Julho de 2012 Relatório HIDRALERTA 01/2012

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade Conferência Nacional do projeto SUSTAIN Promover a Sustentabilidade Local das Comunidades Costeiras A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

Riscos de situações extremas de origem meteorológica. Nuno Moreira, IPMA

Riscos de situações extremas de origem meteorológica. Nuno Moreira, IPMA Riscos de situações extremas de origem meteorológica Nuno Moreira, IPMA 1º Encontro Riscos Naturais Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 20 setembro 2012 Resumo Introdução - a meteorologia e o risco Fenómenos

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa;

A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa; 1 2 A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa; As ilhas encontram-se dispersas por uma extensão de 600km, desde Santa Maria

Leia mais

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO QUALIDADE DE SERVIÇO TÉCNICA A qualidade de serviço de natureza técnica no sector eléctrico está associada à análise dos seguintes aspectos: Fiabilidade do fornecimento da energia eléctrica (continuidade

Leia mais

Prognos SMART OPTIMIZATION

Prognos SMART OPTIMIZATION Prognos SMART OPTIMIZATION A resposta aos seus desafios Menos estimativas e mais controlo na distribuição A ISA desenvolveu um novo software que permite o acesso a dados remotos. Através de informação

Leia mais

Caracterização das correntes costeiras

Caracterização das correntes costeiras CRIAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO NO LITORAL ABRANGIDO PELA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Estudo do litoral na área de intervenção da APA I.P.

Leia mais

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n

9 o 25b 00n 39 o 41b 10n 9 o 25b 00n 38 o 40b 40n 9 o 16b 50n 38 o 34b 50n. 9 o 12b 00n 38 o 24b 30n N. o 213 14 de Setembro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 6441 3. o A eficácia da concessão está dependente de prévia sinalização, de acordo com as condições definidas nas Portarias n. os 1103/2000

Leia mais

Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação

Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação José Miguel Santos, Miguel Serrano Ana Maria Nunes Missão Promover o processo de inovação, transformando o conhecimento em vantagens

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

Pretendemos por este meio dar a conhecer as áreas de intervenção da nossa empresa, na expectativa do vosso interesse.

Pretendemos por este meio dar a conhecer as áreas de intervenção da nossa empresa, na expectativa do vosso interesse. Energia sem limites Lic. n.º 38549 Amorlux Projectos e Instalações Eléctricas, Lda. Amorlux, Projectos e Instalações Eléctricas, Lda, fundada em 1994, é uma empresa Portuguesa com ampla e reconhecida experiência

Leia mais

Aluvião a 20 de fevereiro de 2010 na RAM

Aluvião a 20 de fevereiro de 2010 na RAM Aluvião a 20 de fevereiro de 2010 na RAM Aluviões = Fluxos de Detritos = Enxurradas; Movimentos de vertente rápidos por ação da água e com transporte de material sólido em concentrações elevadas; Fenómenos

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR?

RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR? RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR? José Nunes André* & Maria de Fátima Neves Cordeiro** geógrafos *IMAR Coimbra (Instituto do Mar) **Escola Secundária de Vieira de Leiria Neste trabalho analisámos

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Castelo

Perfil de Água Balnear do Castelo Perfil de Água Balnear do Castelo Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear CASTELO Código da Água Balnear PTCV2T Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Brochura do Material de Estímulo Inquérito Sobre a Segurança no Abastecimento de Electricidade

Brochura do Material de Estímulo Inquérito Sobre a Segurança no Abastecimento de Electricidade Brochura do Material de Estímulo Inquérito Sobre a Segurança no Abastecimento de Electricidade Em primeiro lugar, os nossos agradecimentos pela sua ajuda neste tópico muito importante. Esta brochura contém

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

SISTEMA COMPLETO DE MEDIDA DE HUMIDADE MODELOS MMS2

SISTEMA COMPLETO DE MEDIDA DE HUMIDADE MODELOS MMS2 SISTEMA COMPLETO DE MEDIDA DE HUMIDADE MODELOS MMS2 O novo sistema MMS2 inclui a mais recente tecnologia para investigação de humidade em edifícios ou inspeção de humidade em materiais de construção, através

Leia mais

Síntese ilha do Faial

Síntese ilha do Faial Síntese ilha do Faial Na ilha do Faial, foi identificada uma situação urgente, na Ribeira das Águas Claras, freguesia do Capelo. Na generalidade dos casos, são identificadas situações de instabilidade

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Ribeiro de Araújo. Consultor

Ribeiro de Araújo. Consultor O sub-sistema AIS que integra o Sistema Português de VTS Costeiro Descrição sumária Apresentação preparada por Ribeiro de Araújo 2008 Sistema de Controlo de Tráfego Marítimo Objectivos Objectivo: melhorar

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

EXERCÍCIO A TERRA TREME

EXERCÍCIO A TERRA TREME EXERCÍCIO A TERRA TREME Q&A A. A TERRA TREME EXERCÍCIO PÚBLICO DE PREPARAÇÃO PARA O RISCO SÍSMICO 1. Porquê lançar uma iniciativa como esta? As catástrofes sísmicas parecem-nos sempre um fenómeno distante.

Leia mais

Ondas estão a. mudar de direção. vulneráveis à mudança de direção das ondas. Por ugal corre o risco de ter praias com cada vez menos ai^ia

Ondas estão a. mudar de direção. vulneráveis à mudança de direção das ondas. Por ugal corre o risco de ter praias com cada vez menos ai^ia EROSÃO COSTEIRA PROCESSO AGRAVA ESTADO DAS PRAIAS DA COSTA PORTUGUESA Ondas estão a mudar de direção As praias de Cascais e Sintra são das que estampais vulneráveis à mudança de direção das ondas. Por

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BPstat manual do utilizador Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança SQS Software Quality Systems SQS Portugal Apresentação A SQS Portugal - Software Quality Systems, é uma empresa especializada em ajudar os seus clientes

Leia mais

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Geodetect, Lda. DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Travessa do Governo Civil, Nº4 2ºDrt. Sala 5 3810-118 Aveiro PORTUGAL (+351) 967 085 701 (+351) 963 829 703

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO ASCENDI AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA - RESUMO NÃO TÉCNICO - - ADITAMENTO - JUNHO 2010 CERTINOR Engenharia e Consultoria, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA Av. da República, n.º 2503, Sala

Leia mais

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES Moção Sectorial Investigação, Desenvolvimento e Inovação (ID&I) - Potenciar a Sociedade do Conhecimento nos Açores O trinómio Investigação, Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho Brasília 16 a 18 de março de 2015 CERSA Centro de Referência em Segurança da Água José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho CERSA Projecto de futuro ao serviço da saúde

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

ANÚNCIO DE ADJUDICAÇÃO DO CONTRATO

ANÚNCIO DE ADJUDICAÇÃO DO CONTRATO 1/ 11 ENOTICES_CCE-AML 07/12/2009- ID:2009-142749 Formulário-tipo 3 - PT UNIÃO EUROPEIA Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, L-2985 Luxemburgo Fax: (352) 29 29-42670

Leia mais

Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota. Artigo 1º. Objeto

Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota. Artigo 1º. Objeto Regulamento das condições de utilização da Infraestrutura da RIS para efeitos de manutenção remota Artigo 1º Objeto O presente regulamento define as condições de acesso e utilização da infraestrutura da

Leia mais

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Índice Visão Ferroviária; Arquitectura de Sistemas de Informação; Desafios; Pág. 2 Visão Ferroviária - Introdução

Leia mais

Case Study Boavista Golf. Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe.

Case Study Boavista Golf. Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe. Case Study Boavista Golf Sistema de Monitorização e Controlo da Produção de Água para Rega de Campos de Golfe. Introdução Portugal é considerado, por muitos especialistas, um dos melhores lugares para

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil bb Luis Sá luis.sa@prociv.pt 1 O Novo RSB O novo Regulamento de Segurança de Barragens (RSB) foi aprovado pelo DL 344/2007 de 15 de Outubro Este

Leia mais

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos O QUE É? O Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos - SVARH, permite conhecer em tempo-útil o estado hidrológico dos rios e albufeiras do país (níveis de água, caudais e volumes armazenados)

Leia mais

Instituto Hidrográfico - Marinha. Infra-estrutura de dados geoespaciais sobre o ambiente marinho

Instituto Hidrográfico - Marinha. Infra-estrutura de dados geoespaciais sobre o ambiente marinho Instituto Hidrográfico - Marinha Infra-estrutura de dados geoespaciais sobre o ambiente marinho Sumário Instituto Hidrográfico - Capacidades instaladas A Actividade Capacidades únicas Integração dos sistemas

Leia mais

AUDITORIA INTERNA Nº 01/2014

AUDITORIA INTERNA Nº 01/2014 AUDITORIA INTERNA Nº 01/2014 Auditoria de: Qualidade Ambiente Urbanismo Outro: Área Auditada: Local: Data da Auditoria: Data do Relatório: Todas as que constam do plano de auditoria Câmara Municipal de

Leia mais

Ciências da Informação Geográfica Aula de Hidrografia. Definição e Objectivo da Hidrografia. Questão colocada a um painel de peritos em 1979

Ciências da Informação Geográfica Aula de Hidrografia. Definição e Objectivo da Hidrografia. Questão colocada a um painel de peritos em 1979 Hidrografia Definição e Objectivo da Hidrografia O que é a Hidrografia? Questão colocada a um painel de peritos em 1979 Identificados três vertentes essenciais Identificados três grupos de utilizadores

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GALGAMENTO DE ESTRUTURAS PORTUÁRIAS: PORTO DE PONTA DELGADA

AVALIAÇÃO DO GALGAMENTO DE ESTRUTURAS PORTUÁRIAS: PORTO DE PONTA DELGADA AVALIAÇÃO DO GALGAMENTO DE ESTRUTURAS PORTUÁRIAS: PORTO DE PONTA DELGADA OVERTOPPING ASSESSMENT OF PORT STRUCTURES: PONTA DELGADA S HARBOR David Manuel Fernandes Silva Mestre em Engenharia Civil /// FCTUC

Leia mais

Metodologia de manutenção

Metodologia de manutenção Metodologia de manutenção Prof. Manoel Henrique Ementa Elementos de manutenção (definições sobre manutenção, tipos e políticas) Introdução à confiabilidade (conceitos, taxa de falhas, e confiabilidade

Leia mais

Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D

Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D Diogo Artur Fonseca Matos Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica 16 de Julho 2013 Conteúdos 1 Introdução Apresentação

Leia mais

GERAMOS ENERGIA PARA O SEU NEGÓCIO

GERAMOS ENERGIA PARA O SEU NEGÓCIO GERAMOS PARA O SEU NEGÓCIO DINÂMICA A É A ETERNA ALEGRIA WILLIAM BLAKE POETA E PINTOR INGLÊS, 177-1827 A energia possibilita o momento, potencia aquele instante extraordinário em que sistemas interagem

Leia mais

Sistema de qualificação Sectores especiais

Sistema de qualificação Sectores especiais União Europeia Publicação no suplemento do Jornal Oficial da União Europeia 2, rue Mercier, 2985 Luxembourg, Luxemburgo +352 29 29 42 670 ojs@publications.europa.eu Informação e formulários em linha: http://simap.europa.eu

Leia mais

Controlo da velocidade em eixos rodoviários

Controlo da velocidade em eixos rodoviários Controlo da velocidade em eixos rodoviários Definição de soluções combinadas de acalmia de tráfego Sílvia SANTOS 1 ; Ana BASTOS SILVA 2 Departamento de Engenharia Civil Universidade de Coimbra Rua Luís

Leia mais

SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica

SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica Especializações em Transportes e Vias de Comunicação e Sistemas de Informação Geográfica Transportes / SIG / INSPIRE Painel Lisboa 6 novembro 2012 SIIG Sistema de Identificação e Informação Geográfica

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 CONTEÚDOS Detalhe do posto meteorológico de Angra do Heroísmo, instalado na Igreja do Colégio (c. 1927). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III. Maria Teresa Reis João Alfredo Santos

Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III. Maria Teresa Reis João Alfredo Santos Verificação da Segurança a de Estruturas Marítimas Utilizando Métodos Probabilísticos de Níveis II e III Maria Teresa Reis João Alfredo Santos SUMÁRIO >Introdução > Conceitos básicos >Software PARASODE-BALI

Leia mais

Boletim de previsão da apanha e captura de bivalves Semana 4, 20 a 26 de Janeiro de 2014

Boletim de previsão da apanha e captura de bivalves Semana 4, 20 a 26 de Janeiro de 2014 Condições atuais e previsões Ponto da situação Devido à presença de fitoplâncton produtor de toxinas marinhas ou de níveis de toxinas acima dos valores regulamentares estão interditas temporariamente,

Leia mais

de Susceptibilidade Geotécnica

de Susceptibilidade Geotécnica II Congresso Internacional de Riscos 24-25 Maio 2010, Coimbra Classificação de Susceptibilidade Geotécnica João Narciso 1, Pedro Santarém Andrade 2 1 Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e

Leia mais

Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013

Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 A. Âmbito e objetivos do exercício de avaliação A Fundação para

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS JOÃO COELHO RITA ALMEIDA ALICE GANHÃO ANA SANTOS JOÃO FELICIANO Conferência Nacional de Geodecisão Escola

Leia mais

Sistema Informação Geográfico

Sistema Informação Geográfico Sistema Informação Geográfico Autoridade Tributária e Aduaneira Judas Gonçalves IT Project Manager Agenda Enquadramento; Sistema de Informação Geográfico da AT: - Base de Dados Geográfica Centralizada;

Leia mais

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS

FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS FERRAMENTAS E SOLUÇÕES DE APOIO À GESTÃO E MANUTENÇÃO DE ATIVOS Ivo BRAGA 1 RESUMO Os Serviços de manutenção exigem cada vez mais um elevado nível de complexidade. Mesmo a nível local onde o grau de especialização

Leia mais

Relatório do Trabalho Realizado pelo Bolseiro Rui Reis

Relatório do Trabalho Realizado pelo Bolseiro Rui Reis EROS Erosão dos Litorais Rochosos Diferenças na Proteção Conferida pelas Praias Arenosas e pelas Plataformas Litorais PTDC/CTE-GIX/111230/2009 Relatório do Trabalho Realizado pelo Bolseiro Rui Reis (Setembro

Leia mais

Aplicação do Regime de. Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos. Marisa Silva

Aplicação do Regime de. Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos. Marisa Silva Aplicação do Regime de Responsabilidade Ambiental Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos Marisa Silva Lisboa, 11 de Outubro de 2011 Aplicação do Regime de Responsabilidade

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO RESUMO NÃO TÉCNICO

MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO RESUMO NÃO TÉCNICO Câmara Municipal de Viana do Castelo MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO Novembro de 2008 MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO Equipa Técnica: José F. G. Mendes,

Leia mais

SOLAR OVEN. Eco-Cook in Mouraria. Introdução à Engenharia Mecânica Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica

SOLAR OVEN. Eco-Cook in Mouraria. Introdução à Engenharia Mecânica Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica SOLAR OVEN Eco-Cook in Mouraria Introdução à Engenharia Mecânica Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Aluno: Diogo Lucas nº 78044 Aluno: João Ornelas nº 79681 Lisboa, 25 de Novembro de 2013 Introdução

Leia mais

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Curso de Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa 2 A globalização da Sociedade da Informação em

Leia mais

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution IAPMEI EEN KMS Knowledge Management Solution Praia, 1 e 2 de Dezembro de 2011 IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação http://www.iapmei.pt/ Principal instrumento das políticas

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

enewsletter ABRIL`09 www.centralprojectos.pt Página Web 1 de 6 http://www.centralprojectos.pt/includes/newsletter.php Newsletter Um Ano Depois

enewsletter ABRIL`09 www.centralprojectos.pt Página Web 1 de 6 http://www.centralprojectos.pt/includes/newsletter.php Newsletter Um Ano Depois Página Web 1 de 6 enewsletter ABRIL`09 www.centralprojectos.pt Newsletter Um Ano Depois Esta edição marca o primeiro ano da newsletter, projecto que nasceu com o intuito de divulgar junto dos nossos parceiros

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

em alterações climáticas da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CCIAM), liderado por

em alterações climáticas da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CCIAM), liderado por O primeiro mapa nacional do risco de inundações Alerta. Investigadores da Universidade de Lisboa apresentam hoje na Fundação Gulbenkian estudo que mostra um risco acrescido de cheias, no futuro, no Norte

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 A SPRAçores Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, S.A., é uma sociedade que tem por

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

CEP - DA. Controle Estatístico do Processo

CEP - DA. Controle Estatístico do Processo CEP - DA Controle Estatístico do Processo Principais Funcionalidades Automatiza as rotinas do Controle Estatístico do Processo A solução para CEP da Directa Automação, composta de software e hardware,

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA AVISO N.º 12 / SI/ 2012 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJETO A metodologia de cálculo para seleção e hierarquização dos projetos é baseada no indicador de Mérito do

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 CONTEÚDOS Observatório José Agostinho 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 03 Caracterização Climática Mensal 03 Precipitação total 04

Leia mais

A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS

A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS. A COORDENAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE SOCORRO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA E A IMPORTÂNCIA VITAL DAS COMUNICAÇÕES Sumário Caracterização

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Projeto de Execução Designação da empreitada CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO DA E.M. 242-1 E ESTRADA ATLÂNTICA Julho de 2015 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SOFTMANAGEMENT SOFTWARE DE GESTÃO

SOFTMANAGEMENT SOFTWARE DE GESTÃO O ritmo acelerado na era da informação torna imperativo que cada empresa reserve um tempo significativo para examinar e perguntar que adaptações deverá empreender agora para sobreviver e prosperar. Philip

Leia mais

Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO]

Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO] Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO] Introdução O cagarro é a ave marinha mais abundante nos Açores, que se desloca ao Arquipélago para acasalar e nidificar. Os Açores são considerados

Leia mais

Candidatura e Reconhecimento da ERICEIRA RESERVA MUNDIAL DE SURF

Candidatura e Reconhecimento da ERICEIRA RESERVA MUNDIAL DE SURF Candidatura e Reconhecimento da ERICEIRA RESERVA MUNDIAL DE SURF ERICEIRA SURFIN PORTUGAL «Se há uma coisa que eu gostaria de poder fazer, era levar os meus filhos e netos à praia que me formou (ribeira

Leia mais

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Evolução da última década Manuela Sampayo Martins (Eng.ª) Sistemas de Informação Sistemas de Geográfica, Informação Lda. Geográfica,

Leia mais

FIXED ASSETS MANAGEMENT SYSTEM

FIXED ASSETS MANAGEMENT SYSTEM FIXED ASSETS MANAGEMENT SYSTEM FAMS Newsletter 2015 Gestão online do património O FAMS permite sistematizar e otimizar todos os processos de patrimoniação de bens móveis e imóveis acompanhando todo o seu

Leia mais

DataWareHouse +GásWeb Plataforma Internet para a Gestão de Dados em Tempo Real

DataWareHouse +GásWeb Plataforma Internet para a Gestão de Dados em Tempo Real DataWareHouse +GásWeb Plataforma Internet para a Gestão de Dados em Tempo Real José Basílio Simões Director-Geral da ISA Professor da FCTUC www.isa.pt Coimbra, Abril de 2004 presentação da Empresa ISA

Leia mais