SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO"

Transcrição

1 SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO Estudos Preliminares de Impacte Ambiental Avaliação de Impacte Ambiental Fernando Santana Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

2 actividade selecção do local Fonte da Telha, Montijo, Alcochete, Porto Alto, Rio Frio, Portela de Sacavém

3 actividade selecção do local Fonte da Telha, Montijo, Alcochete, Porto Alto, Rio Frio, Sta. Cruz, Ota, Azambuja, Portela de Sacavém, Alverca, Granja, Tires e Marateca

4 actividade selecção do local Fonte da Telha, Montijo, Alcochete, Porto Alto, Rio Frio, Sta. Cruz, Ota, Azambuja, Portela de Sacavém, Alverca, Granja, Tires e Marateca

5 OTA RIO FRIO

6 actividade selecção do local Fonte da Telha, Montijo, Alcochete Porto Alto, Rio Frio, Sta. Cruz, Ota, Azambuja, Portela de Sacavém, Alverca, Granja, Tires e Marateca estudo de incidências ambientais

7 estudos de incidências ambientais (consultor : FCT UNL) _ identificação de descritores _ elaboração de termos de referência para cada descritor _ selecção de especialistas _ relatórios por descritor _ integração na matriz multi-critério objectivos Possibilitar a integração dos aspectos ambientais na tomada de decisão Fornecer informação acerca do projecto, sua necessidade, impactes ambientais e medidas de minimização Constituir um fórum para consulta pública

8 estudos de incidências ambientais decisão de realizar um processo de AIA elaboração de um EPIA para cada localização acompanhamento formal do Ministério do Ambiente organização e procedimentos conforme legislação em vigor (D.L.186/90) consulta pública estudo preliminar de impacte ambiental (EPIA) reorganização dos estudos de incidências âmbito espacial : área de implantação do empreendimento âmbito temporal: fase construção fase exploração - início de operação fase exploração - horizonte de capacidade

9 estudos preliminares de impacte ambiental (EPIA) Ota Rio Frio Justificação e Descrição do Projecto Antecedentes Evolução do Tráfego no Aeroporto de Lisboa Previsões de Tráfego Necessidade de Novo Aeroporto Localização da Nova Infra-Estrutura

10 componente Geologia e Geomorfologia Casualidade Sísmica Solos Recursos Hídricos Subterrâneos Hidrologia e Qualidade da Água Qualidade do Ar Ruído Ecologia Flora e Comunidades Vegetais Fauna Terrestre Biologia Aquática Comunidades e Fragmentação de Habitats Paisagem Património Paleontológico Património Histórico-Cultural Planeamento e Uso do Solo Economia Local e Regional Comunidades Locais Risco de Colisão de Aeronaves com Aves

11 estudos preliminares de impacte ambiental (EPIA) Ficha Técnica componente Geologia e Geomorfologia Casualidade Sísmica Solos Recursos Hídricos Subterrâneos Hidrologia e Qualidade da Água Coordenação: execução Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Departamento de Engenharia Civil Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Instituto de Ciências da Terra e do Espaço Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Departamento de Geologia Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Universidade de Évora Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

12 componente Qualidade do Ar Ruído Flora e Comunidades Vegetais Fauna Terrestre Biologia Aquática Fragmentação de Habitats Paisagem execução Instituto do Ambiente e Desenvolvimento Universidade de Aveiro Instituto de Ciências da Terra e do Espaço Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa Acusticontrol Consultores em Engenharia Acústica e Controlo de Ruído, Lda. Museu, Laboratório e Jardim Botânico Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa Naturibérica, Estudos e Divulgação em Biologia, Lda. Instituto de Oceanografia Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa PROAP Estudos e Projectos de Arquitectura Paisagística, Lda.

13 componente Património Paleontológico Património Histórico-Cultural Planeamento e Uso do Solo Economia Local e Regional Comunidades Locais Risco de Colisão de Aeronaves com Aves Apoio Técnico à Coordenação execução Departamento de Geologia Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa Museu de Arqueologia CESUR Centro de Sistemas Urbanos e Regionais Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa ECOSSISTEMA, Consultores em Engenharia do Ambiente, Lda. Gabinete de Análise Económica Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Psicologia Universidade de Lisboa Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

14 estudos preliminares de impacte ambiental principais impactes Em ambas as localizações foram identificados impactes negativos nas componentes ruído, qualidade do ar, paisagem e uso do solo Impactes positivos na economia local e regional e comunidades locais Ota: Geomorfologia (movimentação de terras) Rio Frio: Fragmentação de habitats e vegetação (montado de sobro)

15 descritor : avifauna risco de colisão superior em Rio Frio devido aos vôos locais e migratórios necessidade da adopção de medidas para redução dos movimentos de aves conflitualidade entre os objectivos de conservação para a zona e as medidas destinadas a reduzir os movimentos de aves

16 estudos adicionais Identificadas situações em Rio Frio que motivaram estudos adicionais: Liquefacção de solos (LNEC) Risco elevado de colisão de aves com aeronaves baseado na aplicação do modelo matemático e nas conclusões dos estudos de avifauna (ICAO)

17 estudos adicionais Relatório da ICAO Análise Estudos de avifauna e modelo de colisão Estatíticas de colisão ocorridas em Lisboa e zonas envolventes Relatórios oficiais sobre acidentes/incidentes Conclusões Cen 1 Na perspectiva da prevenção de birdstrike escolher a Ota. Posteriormente, iniciar estudos de movimentos locais de aves. Relatório da ICAO

18 actividade selecção do local Fonte da Telha, Montijo, Alcochete, Porto Alto, Rio Frio, Sta. Cruz, Ota, Azambuja, Portela de Sacavém, Alverca, Granja, Tires e Marateca estudo de incidências ambientais estudos preliminares de impacte ambiental Despacho Conjunto MEPTA / MA 622/98 comissão de avaliação de impacte ambiental para o novo aeroporto de lisboa

19 actividade selecção do local Fonte da Telha, Montijo, Alcochete, Porto Alto, Rio Frio, Sta. Cruz, Ota, Azambuja, Portela de Sacavém, Alverca, Granja, Tires e Marateca estudo de incidências ambientais estudos preliminares de impacte ambiental comissão de avaliação de impacte ambiental para o novo aeroporto de lisboa DGA INAG ICN IPAMB DRA / LVT CCR / LVT

20 actividade selecção do local Fonte da Telha, Montijo, Alcochete, Porto Alto, Rio Frio, Sta. Cruz, Ota, Azambuja, Portela de Sacavém, Alverca, Granja, Tires e Marateca estudo de incidências ambientais estudos preliminares de impacte ambiental comissão de avaliação de impacte ambiental para o novo aeroporto de lisboa consulta pública Pinhal Novo Alenquer

21 pressupostos ausência de projecto inexistência de estudo da alternativa zero apresentação de dois EPIA autónomos, sem inclusão de uma abordagem comparativa

22 pressupostos análise comparativa análise comparativa dos impactes identificados no EPIA de cada localização e para todos os descritores ambientais

23 componente OTA RIO FRIO local + favorável Geologia, Geomorfologia e Solos 50 x 10 6 m 3 plataforma qualidade dos solos favorável à fundação das pistas 5 x 10 6 m 3 ± plano solos saturados (água) menos favoráveis à fundação das pistas Ota menor importação de materiais (pedreiras próximas) maior importação de materiais Casualidade Sísmica (obras com 50 anos duração/ /1000 anos de período de recorrência) estimativa magnitude VIII estimativa magnitude IX = Qualidade do Ar (área afectada) 258 ha 252 ha (N / S) 317 ha (E / O) (menor população afectada) =

24 componente OTA RIO FRIO local + favorável Recursos Hídricos Hidrologia / / Águas Superficiais correcção de drenagem Ribeiras de Alvarinho e Alenquer afectação Albufeira dos Vinte e Dois (E / O) ou Albufeira de Venda Velha (N / S) Ota Águas Subterrâneas Aquífero de Grés da Ota (vuln. alta) Bacia Tejo / Sado (vulnerabilidade alta e extremamente alta) Paisagem = Património = Planeamento e Uso do Solo Economia Local e Regional (área natural) = Comunidades Locais =

25 componente OTA RIO FRIO local + favorável Ruído População Afectada > 65 db N / S S / N E / O O / E 55 L 65 db N/ S S / N E / O O / E =

26 componente OTA RIO FRIO local + favorável Sistemas Ecológicos Geologia, Geomorfologia Fauna, Flora e Habitats Solos biodiversidade aparentemente superior (paisagem fragmentada) coroa de Áreas Protegidas ou Classificadas: Estuário do Tejo, Estuário do Sado, Açude da Murta, Parque Natural da Arrábida, Paisagem Protegida da Arriba Fóssil da Costa da Caparica, Açude da Agolada, Açude do Monte da Barca e Sítio de Interesse Comunitário de Cabrela Ota proximidade com Estuário do Tejo movimentos pendulares de aves entre áreas montado de sobro (abate de árvores) avifauna associada ao montado de sobro (riscos de colisão)

27 componente OTA RIO FRIO local + favorável Sistemas Ecológicos Geologia, Geomorfologia Fauna, Flora e Habitats Solos (continuação) proximidade com Estuário do Tejo 135 espécies (avifauna) Pombo-Torcaz (Herdade do Pinheiro) (população flutuante 3,5 x 10 6 ind.) 142 espécies (26 espécies migradoras) Ota Local de passagem de espécies migradoras O NAL, a ser instalado na zona de Rio Frio, implicará sérios riscos para a segurança das aeronaves, pois a grande quantidade de aves existentes tanto no Sado, como no Tejo, como em trânsito entre os dois estuários, poderá implicar um demasiadamente elevado risco de colisão.

28 pressupostos análise comparativa temáticas significativas aquelas em que se previa a ocorrência de impactes positivos ou negativos, simultaneamente muito significativos, de elevada duração e de âmbito supra-local Exploração e movimentação de terras Áreas Classificadas para a Conservação da Natureza Habitats/Corredores Ecológicos Avifauna/Colisão de Aeronaves com Aves Montado de Sobro Aquíferos Ruído Qualidade do Ar Dinamização Económica Condições de Vida e Emprego Ordenamento do Território Instrumentos de Planeamento Sistema de Transportes Adesão das Comunidades Locais ao NAL

29 pressupostos análise comparativa temáticas significativas temáticas determinantes quando os impactes incidentes eram não minimizáveis, não compensáveis e irreversíveis, não sendo portanto possível garantir a inerente sustentabilidade ambiental áreas classificadas para a conservação da natureza habitats / corredores ecológicos avifauna / colisão de aeronaves com aves aquíferos montado de sobro

30 Áreas classificadas para a Conservação da Natureza A classificação e delimitação das Zonas de Protecção Especial (ZPE) e dos Sítios de Importância Comunitária (SIC) dos estuários do Tejo e do Sado constituem-se como factores conflituais com a localização do NAL em Rio Frio. Habitats/Corredores Ecológicos Atendendo não só à exploração do empreendimento do NAL mas também aos impactes indirectos previsíveis, a afectação dos habitats naturais e dos corredores ecológicos implicará efeitos que extravasam, em muito, a área de implantação do NAL, pondo em causa o contínuo natural presente na coroa das Áreas Protegidas da Península de Setúbal. Tal facto confere à opção de Rio Frio uma magnitude muito elevada e irreversibilidade dos impactes negativos, de minimização e compensação condicionadas pela necessidade de gestão dos habitats envolventes do NAL, no âmbito da segurança das operações aeroportuárias. Avifauna/Colisão de Aeronaves com Aves Tanto por ser um grupo biológico que integra espécies protegidas que implicaram a criação das ZPE dos Estuários do Tejo e do Sado, como por constituir um factor fundamental para a avaliação do risco de colisão de aeronaves com aves, a afectação da avifauna determina a selecção, de uma forma exclusiva, da opção Ota.

31 Aquíferos Os aquíferos formam unidades hidrogeológicas na bacia do Tejo e Tejo-Sado, cujas características de vulnerabilidade e produtividade são elevadas. Todavia, a unidade hidrogeológica da bacia do Tejo-Sado, onde se inclui a alternativa de localização de Rio Frio, apresenta uma vulnerabilidade considerada alta a extremamente alta, podendo os impactes previsíveis assumir grande magnitude, elevada significância e não minimizáveis relativamente à qualidade e volume de água disponível. Em consequência, esta alternativa apresenta-se como mais desfavorável que a da Ota. Montado de Sobro O sistema Montado em Rio Frio reveste-se, no contexto dos Sistemas Ecológicos, de um papel determinante, tanto pela sua expressividade, como pelas zoocenoses que suporta, em particular a avifauna. Trata-se de uma das maiores manchas produtivas e contínuas (em bom estado fitosanitário) de povoamentos puros de sobreiros a nível nacional. A sua importância é de reconhecido interesse múltiplo (ecológico, económico, social, silvícola).

32 1969 LOCAIS 6 GNAL síntese TAMS / Profabril 1994 ANA 1997 Grupo de Trabalho / NAER OTA RIO FRIO Componente ambiental EPIA EPIA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO Comparação de EPIA Consulta Pública Temáticas Significativas Temáticas Determinantes CONCLUSÕES

33 pressupostos análise comparativa temáticas significativas temáticas determinantes conclusões as alternativas de localização propostas apresentam impactes negativos significativos. No entanto, a localização do NAL na Ota é menos desfavorável que em Rio Frio (orientação E/O e N/S), por esta apresentar graves condicionantes que podem pôr em causa a sua sustentabilidade ambiental

34 Resolução do Conselho de Ministros nº 18-B/2000 de 27 de Abril 1- Prosseguir o desenvolvimento dos processos relativos à construção do Novo Aeroporto na Ota. 2- Encarregar o Ministério do Equipamento em articulação com o Ministério das Finanças de promover, de imediato, as acções necessárias para concretizar os objectivos e orientações preconizados, conducentes ao estabelecimento da parceria público-privada e à escolha de parceiros privados

História de um processo de decisão: o Novo Aeroporto de Lisboa. Miguel Coutinho Maria Rosário Partidário

História de um processo de decisão: o Novo Aeroporto de Lisboa. Miguel Coutinho Maria Rosário Partidário História de um processo de decisão: o Novo Aeroporto de Lisboa Miguel Coutinho Maria Rosário Partidário Portela 15.Out.1942 1942 Aeroporto da Portela entra em funcionamento Localizado na periferia da cidade

Leia mais

Valoração da sustentabilidade perspectivas e expectativas dos agentes da sociedade civil

Valoração da sustentabilidade perspectivas e expectativas dos agentes da sociedade civil MEC, 4º ano, 2º sem, 2007-08 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Valoração da sustentabilidade perspectivas e expectativas dos agentes da sociedade civil 5ª aula Maria do Rosário Partidário

Leia mais

BRISA Auto-estradas de Portugal. UM PARADIGMA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Preservar a Lezíria EMPRESA

BRISA Auto-estradas de Portugal. UM PARADIGMA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Preservar a Lezíria EMPRESA BRISA Auto-estradas de Portugal UM PARADIGMA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Preservar a Lezíria EMPRESA A Brisa Auto Estradas de Portugal, empresa fundada em 28 de Setembro de 1972, é o maior operador português

Leia mais

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos;

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos; 1. Medida 3.5.: Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Ambiental e do Ordenamento 2. Descrição Esta medida contempla o apoio aos investimentos a realizar nos domínios do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento

Leia mais

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira Situação actual na protecção do património geológico Paulo Pereira o que é o património geológico? Elementos da geodiversidade Parte do património natural Ameaçado e não renovável Primeiras iniciativas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O PROCESSO DE PLANEAMENTO DO AEROPORTO E O PROCESSO DE PLANEAMENTO REGIONAL O CASO DO NOVO AEROPORTO DE LISBOA

A RELAÇÃO ENTRE O PROCESSO DE PLANEAMENTO DO AEROPORTO E O PROCESSO DE PLANEAMENTO REGIONAL O CASO DO NOVO AEROPORTO DE LISBOA IV JornadaS A coerência entre as várias políticas e instrumentos e o seu contributo para a coesão territorial A RELAÇÃO ENTRE O PROCESSO DE PLANEAMENTO DO AEROPORTO E O PROCESSO DE PLANEAMENTO REGIONAL

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva C. M. Porto Mós M s 24/02/2010 25022010 1 centro tecnológico

Leia mais

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA

PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA PROXIMIDADE AEROPORTUÁRIA: CONTRIBUTOS PARA UMA LEITURA SÓCIO-ECOLÓGICA João Craveiro, Margarida Rebelo, Marluci Menezes, Paulo Machado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Departamento de Edifícios

Leia mais

Guia para a Apreciação Técnica. de Estudos de Impacte Ambiental. Sector dos Campos de Golfe. Relatório Preliminar

Guia para a Apreciação Técnica. de Estudos de Impacte Ambiental. Sector dos Campos de Golfe. Relatório Preliminar Centro de Estudos de Hidrossistemas DECivil Guia para a Apreciação Técnica de Estudos de Impacte Ambiental Sector dos Campos de Golfe Relatório Preliminar DECivil, IST Dezembro de 2006 (versão 28/05/2007)

Leia mais

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico?

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? 1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? Este Resumo Não Técnico é um volume independente que integra o Estudo de Impacte Ambiental do Parque Eólico de S. Lourenço da Montaria. Destina-se, como o nome

Leia mais

Oikos - Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria

Oikos - Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria Contributos da Oikos - Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria Relativamente ao EIA do IC9, EN1/Nó de Fátima (A1) e Variante à EN243 em Porto de Mós. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal

A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal A LPN face à conservação da Biodiversidade em Portugal 26 de Setembro, 2007 Seminário Sociedade civil, Empresas e Biodiversidade Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Índice 1) A LPN 2) Programas e Projectos

Leia mais

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa : Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa José Manuel Viegas CESUR- Instituto Superior Técnico; e TIS.pt, consultores em Transportes Inovação e Sistemas, s.a. Workshop APDR Impacto dos Aeroportos

Leia mais

Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável. III.3. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade. Tipologia de Investimento

Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável. III.3. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade. Tipologia de Investimento Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável III.. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade Tipologia de Investimento Eixo III III. CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N.

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Resumo Não Técnico

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Resumo Não Técnico ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico PEDREIRA DA PEDRINHA II Julho de 2011 GEOTROTA Unipessoal Lda Quinta do Castanheiro, Canada dos Caracóis, nº3, 9600-059 Pico da Pedra Tel./Fax: 296498259

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DO FRIDÃO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) que agora se apresenta é relativo ao Aproveitamento

Leia mais

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE II Convenção Sou de Peniche A. Oliveira das Neves 13 de Junho de 2008 ÍNDICE A. OBJECTIVOS DA MAGNA CARTA PENICHE 2025 B. DOCUMENTOS DE TRABALHO C. INTEGRAÇÃO REGIONAL A

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 2. OBJECTIVOS E JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 2. OBJECTIVOS E JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO - 1 - ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 1 2. ANTECEDENTES--------------------------------------------------------------------------- 1 3.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Identificação Designação do Projecto: Tipologia de Projecto: Localização: Proponente: Entidade licenciadora: Autoridade de AIA: Hotel de Apartamentos da Praia dos Moinhos

Leia mais

PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS

PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS NORTE TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL EGIONAL O NOVO NOVO RJIGT 13 de julho de 2015 o O planeamento nas áreas protegidas

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA (Estudo Prévio) I. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta

Leia mais

Herdade da Apostiça - Sesimbra

Herdade da Apostiça - Sesimbra Herdade da Apostiça - Sesimbra A Herdade da Apostiça abrange a parte Norte da Mata de Sesimbra. É limitada a Poente pelo mar. Trata-se de uma paisagem litoral quase exclusivamente natural atendendo a que

Leia mais

Parecer da Quercus, do GEOTA e da LPN sobre o Estudo de Impacte Ambiental do Novo Aeroporto de Lisboa

Parecer da Quercus, do GEOTA e da LPN sobre o Estudo de Impacte Ambiental do Novo Aeroporto de Lisboa Parecer da Quercus, do GEOTA e da LPN sobre o Estudo de Impacte Ambiental do Novo Aeroporto de Lisboa Nos termos do disposto nos Artigo 14º do D.L. 69/2000, de 3 de Maio e 14º do D.L. 197/2005, de 8 de

Leia mais

Universidade de Évora

Universidade de Évora Universidade de Évora Edital Abertura do Mestrado Engenharia Geológica No ano letivo 2012/2013 1. O Curso é promovido por: Universidade de Évora Escola de Ciências e Tecnologia Departamento de Geociências

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO RELATIVO À CONTRIBUIÇÃO DA FINAGRA PARA O OBJECTIVO EUROPEU DE PARAR A PERDA DE BIODIVERSIDADE ATÉ 2010 Declaração de Compromisso A Herdade do Esporão (Reguengos de Monsaraz)

Leia mais

Comunidades Sustentáveis

Comunidades Sustentáveis Comunidades Sustentáveis Ph.D., Engº do Ambiente Dep. Engª Civil, Arquitectura / Instituto Superior Técnico manuel.pinheiro@civil.ist.utl.pt ou manuel.pinheiro@lidera.info Comunidades? Comunidade communitas,

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO

PARECER DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO PARECER DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL NOVO AEROPORTO DE LISBOA (ESTUDO PRÉVIO / PLANO DIRECTOR DE REFERÊNCIA) Procedimento de AIA nº 2251 Comissão de Avaliação: Agência Portuguesa

Leia mais

A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de Recursos Hídricos do Rio das Pérolas 17 de Maio 2011

A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de Recursos Hídricos do Rio das Pérolas 17 de Maio 2011 O que quer que possuamos, duplica o seu valor quando temos a oportunidade de o partilhar com outros. JEAN-NICOLAS BOUILLY (1763-1842) A PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA Visita da Delegação da Comissão de

Leia mais

REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO

REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO Sandra de Melo Nobre Eng.ª Ambiente ECOserviços Gestão de sistemas Ecológicos, Lda. snobre@ecoservicos.pt Outubro 2010 Palavras-Chave

Leia mais

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados 1 CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados 1. Área Científica Predominante do Curso: Ambiente, urbanismo e desenvolvimento sustentável 2. Porquê um Curso na Área do Ambiente e Urbanismo na

Leia mais

História de um processo de decisão: o novo aeroporto de Lisboa

História de um processo de decisão: o novo aeroporto de Lisboa História de um processo de decisão: o novo aeroporto de Lisboa Miguel Coutinho 1 e Maria Rosário Partidário 2 1: IDAD - Instituto do Ambiente e Desenvolvimento, Campus Universitário, 3810-193 AVEIRO, Tel:

Leia mais

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77 2.7 síntese de diagnóstico A síntese de diagnóstico perspectiva desenhar a realidade insular de Santa Maria materializada em indicadores-chave, permitindo estabelecer a situação de referência no que concerne

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53-A/2008, de 22 de Setembro (DR 22 Setembro).

Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, rectificado pela Declaração de Rectificação n.º 53-A/2008, de 22 de Setembro (DR 22 Setembro). 1/34 Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de Julho, Estabelece o regime jurídico da conservação da natureza e da biodiversidade e revoga os Decretos-Leis n.os 264/79, de 1 de Agosto, e 19/93, de 23 de Janeiro

Leia mais

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável.

(Ponto I) (Ponto II) 2. A lagoa encontra-se de facto poluída embora à primeira vista pareça um ecossistema saudável. Soluções: Ficha 1º Ciclo (Ponto I) 2. F L A M I N G O A Q T S S F F S A G G A S A U T P A E O J P A S G A C I L R E C A R P F L A U F L L H A E C Z L T E O Q R I A Q E U O C A I M A O I R U E Ç T I I A

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA 6 Volume I Relatório

REGIÃO HIDROGRÁFICA 6 Volume I Relatório REGIÃO HIDROGRÁFICA 6 Volume I Relatório Parte 4 Cenários Prospectivos Tomo B Anexos t0922/03 Jun 20; Edição de Fev 202 (após Consulta Pública) Co-financiamento Plano de Gestão s Bacias Hidrográficas

Leia mais

NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Construção e Energias Renováveis. Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Construção e Energias Renováveis. Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Construção e Energias Renováveis Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO NORTE 2007-2013 Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Domínios: Valorização e qualificação ambiental Gestão activa da Rede Natura e da

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.730, DE 9 DE JANEIRO DE 2002. (publicada no DOE nº 007, de 10 de janeiro de 2002) Dispõe sobre a Educação

Leia mais

CURSO JARDINS DE COBERTURA E JARDINS VERTICAIS

CURSO JARDINS DE COBERTURA E JARDINS VERTICAIS CURSO JARDINS DE COBERTURA E JARDINS VERTICAIS 28 e 29 de Março de 2012 FARO Inscreva-se até ao dia 10 de Fevereiro e usufrua de 15% de desconto CONTACTOS PARA INSCRIÇÕES: 218 806 148 cursosjarquitecturas@about.pt

Leia mais

Avaliar a sustentabilidade costeira à escala municipal a ferramenta do SUSTAIN

Avaliar a sustentabilidade costeira à escala municipal a ferramenta do SUSTAIN Avaliar a sustentabilidade costeira à escala municipal a ferramenta do SUSTAIN Margarida Nunes Conferência Nacional do SUSTAIN. Lisboa, 14 Dez. 2012 Desenvolvimento Sustentável. é o desenvolvimento que

Leia mais

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PARTE COMPLEMENTAR A RELATÓRIO AMBIENTAL Agosto 2012 PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PARTE COMPLEMENTAR A RELATÓRIO AMBIENTAL

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

Impactes cumulativos / Cumulative impacts

Impactes cumulativos / Cumulative impacts Mestrado em Engenharia do Ambiente 5º ano / 9º semestre Impactes Ambientais Impactes cumulativos / Cumulative impacts 7 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário NEPA 1970: Conceito de impactes

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO SÍNTESE METODOLÓGICA Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO

Leia mais

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Política Nacional do Meio Ambiente Lei 6938/81 Principais instrumentos de gestão

Leia mais

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA Pós-avaliação AIA As fases da AIA no DL 69/2000 Selecção dos projectos Definição do âmbito Consulta pública Elaboração do EIA Apreciação técnica do EIA Consulta pública Decisão DIA Pós-avaliação Consulta

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA

ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA Gil, Artur* & Calado, Helena** CIGPT Centro de Informação Geográfica

Leia mais

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável

Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável O seu parceiro de confiança! Com uma visão inovadora a CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS aposta no Desenvolvimento Sustentável A NOSSA EMPRESA 2 A CÉSAR FREITAS ARQUITECTOS é uma empresa pluridisciplinar focalizada

Leia mais

IAS-INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA SUBAQUÁTICA, Lda. Curriculum

IAS-INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA SUBAQUÁTICA, Lda. Curriculum IAS-INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA SUBAQUÁTICA, Lda. Curriculum DENOMINAÇÃO SOCIAL: Investigação Arqueológica Subaquática-I.A.S.,Lda. SEDE: Rua Óscar Acúrsio, 15 2785-747 S. Domingos de Rana MATRÍCULA: Registo

Leia mais

NÓ DE CASTRO VERDE (A2) /CASTRO VERDE I.P.2 PROJECTOSDE MEDIDASDEMINIMIZAÇÃO ESTUDODEIMPACTE AMBIENTAL E RELATÓRIOFINALDO. Vol.

NÓ DE CASTRO VERDE (A2) /CASTRO VERDE I.P.2 PROJECTOSDE MEDIDASDEMINIMIZAÇÃO ESTUDODEIMPACTE AMBIENTAL E RELATÓRIOFINALDO. Vol. M.O.P.T.H. S.E.O.P. INSTITUTODAS ESTRADAS DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DEPROJECTOSEAPOIOTÉCNICODOex-ICOR I.P.2 NÓ DE CASTRO VERDE (A2) /CASTRO VERDE PROJECTO DEEXECUÇÃO RELATÓRIOFINALDO ESTUDODEIMPACTE AMBIENTAL

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Janeiro 2015 E17093 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

CARTA DE MISSÃO Departamento: Organismo/Serviço: Cargo: Titular: Período da Comissão de Serviço: 1. Missão do organismo:

CARTA DE MISSÃO Departamento: Organismo/Serviço: Cargo: Titular: Período da Comissão de Serviço: 1. Missão do organismo: CARTA DE MISSÃO Departamento: Secretaria Regional dos Recursos Naturais Organismo/Serviço: Direção Regional do Ambiente Cargo: Diretor Regional do Ambiente Titular: Hernâni Hélio Jorge Período da Comissão

Leia mais

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados 1 CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados http://cidadessustentaveis.dcea.fct.unl.pt 1. Área Científica Predominante do Curso: Ambiente, urbanismo e desenvolvimento sustentável 2. Porquê

Leia mais

A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético:

A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético: A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético: O Caso do Planeamento das Redes de Transporte de Electricidade 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes Vila Real 20 de Outubro de 2010 Autores:

Leia mais

Figura 3.1 Alcar-do-Algarve em flor... 4

Figura 3.1 Alcar-do-Algarve em flor... 4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O PROJECTO... 3 3. DESCRIÇÃO DO AMBIENTE AFECTADO... 3 4. PRINCIPAIS IMPACTES... 5 5. MEDIDAS MINIMIZADORAS... 6 6. PROGRAMAS DE MONITORIZAÇÃO... 6 ÍNDICE DE FIGURAS Figura

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Artur Manuel Chambel Silvério MORADA :

CURRICULUM VITAE. Artur Manuel Chambel Silvério MORADA : CURRICULUM VITAE A. DADOS PESSOAIS NOME : Artur Manuel Chambel Silvério MORADA : Rua Manuel Almeida Vasconcelos. Lt. 34 Sb/Cv. Esq. 2775-713 Carcavelos TELEF. 918113117 ou 214549050 E-MAIL: artursilverio@naturiberica.pt

Leia mais

ÍNDICE. GLOSSÁRIO pag 1-3. I APRESENTAÇÃO pag 4

ÍNDICE. GLOSSÁRIO pag 1-3. I APRESENTAÇÃO pag 4 ÍNDICE GLOSSÁRIO pag 1-3 I APRESENTAÇÃO pag 4 II ASPECTOS LEGAIS pag 5-14 1 Atendimento à Legislação 2 Atendimento ao Estatuto da Cidade 3 Legislação Aplicável III CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO pag

Leia mais

Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Estudo de Impacte Ambiental, Pico d Água Parque

Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Estudo de Impacte Ambiental, Pico d Água Parque 1. Introdução 1.1. Introdução O presente documento refere-se ao (RNT) do Estudo de Impacte Ambiental do projecto de Loteamento do Parque Empresarial Pico d Água Parque. O proponente da realização do presente

Leia mais

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES 9. SÍNTESE DE IMPACTES Um dos objectivos fundamentais deste Estudo de Ambiental é o de identificar os impactes diferenciais da utilização de RIP como combustíveis alternativos. Assim, a existência ou não

Leia mais

MINISTERIO DAS CillADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamentodo Território

MINISTERIO DAS CillADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamentodo Território MINISTERIO DAS CillADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamentodo Território DECLARAÇÃO DE IMP ACTE AMBffiNT AL "PEDREIRA VALE DA ALAGOA" (Projecto

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

Novo Aeroporto Internacional de Lisboa. 11 de Junho de 2007 Assembleia da República

Novo Aeroporto Internacional de Lisboa. 11 de Junho de 2007 Assembleia da República Novo Aeroporto Internacional de Lisboa 11 de Junho de 2007 Assembleia da República Antecedentes Estudo de localizações desde 1969 (cerca de 30 anos) Estudadas 15 localizações alternativas num raio de 50

Leia mais

José Manuel Pereira Alho RESUMO CURRICULAR

José Manuel Pereira Alho RESUMO CURRICULAR José Manuel Pereira Alho RESUMO CURRICULAR 2013 NOME: MORADA: CONTATOS: IDENTIFICAÇÃO: José Manuel Pereira Alho Estrada de Fátima,1150A, Atouguia 2490-053 OURÉM josemalho@gmail.com +351966021635 Bilhete

Leia mais

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre:

Pedro Castro Henriques - DID. As áreas protegidas a seguir apresentados dividem-se entre: áreas protegidas de portugal continental estatutos de conservação (áreas protegidas citadas de norte para sul; legislação essencial por ordem cronológica; dados referentes a março 2006) Pedro Castro Henriques

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL CCDRLVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Guia de Apreciação Técnica de Estudos

Leia mais

BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A.

BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. A12 AUTO-ESTRADA SETÚBAL / MONTIJO SUBLANÇOS MONTIJO / PINHAL NOVO / / NÓ A2-A12 / SETÚBAL MAPA ESTRATÉGICO DE RUÍDO RESUMO NÃO TÉCNICO BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL,

Leia mais

P t ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TROÇO ALENQUER (OTA) POMBAL DA LIGAÇÃO FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE ENTRE LISBOA E PORTO

P t ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TROÇO ALENQUER (OTA) POMBAL DA LIGAÇÃO FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE ENTRE LISBOA E PORTO EIA LAVE Lisboa - P t ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TROÇO ALENQUER (OTA) POMBAL DA LIGAÇÃO FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE ENTRE LISBOA E PARECER DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER AO ESTUDO EM FASE DE DISCUSSÃO

Leia mais

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Gabinete de Planeamento Estratégico Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Em 2003, o Município de Palmela tomou a decisão de proceder à revisão

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

Actividades Estação Biológica do Garducho. Maio Junho de 2009

Actividades Estação Biológica do Garducho. Maio Junho de 2009 Actividades Estação Biológica do Garducho Maio Junho de 2009 Inserir texto / índice Indíce Quem Somos Onde estamos Objectivos Principais projectos Actividades na Estação Biológica do Garducho Calendarização

Leia mais

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P.

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P. PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE MAPUTO MAPUTO 2013 AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P. CERRO DE DOCUMEIRAÇÃO E INFORMAÇÃO Entrada do Documento:PI'«oce,5a,w) *1.~, la Edição PLANO DE

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

A REDE FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE E A SUA ARTICULAÇÃO COM O. Lisboa, 2 de Abril 2009

A REDE FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE E A SUA ARTICULAÇÃO COM O. Lisboa, 2 de Abril 2009 A REDE FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE E A SUA ARTICULAÇÃO COM O SISTEMA AEROPORTUÁRIO Lisboa, 2 de Abril 2009 Enquadramento Histórico e Ponto de Situação do Projecto Principais Decisões 2003-2005: 2005:

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL

DECLARAÇÃO AMBIENTAL C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S DECLARAÇÃO AMBIENTAL Atento ao parecer das entidades consultadas e às conclusões da Consulta Pública, relativos ao procedimento de Avaliação Ambiental Estratégica

Leia mais

O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA

O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA Guerreiro, Humberto Eng. de Minas - Visa Consultores, S.A., Oeiras. 1. INTRODUÇÃO Na exploração de minas e

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração.

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico TAFE TRATAMENTO DE ALUMÍNIO E FERRO, S.A. Projecto de Alteração. Data: 11 de Dezembro de 2003 Copyright SIA / NAIMET 2003 1.- Índice 1.- Índice... 2 2.- Introdução...

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS Informação-síntesepara apoioà sessãode avaliação dos trabalhos desenvolvidosapóso GIF de Catraia São Brás de Alportel e Tavira, 24 de novembro de 2014 1. ÁREA ARDIDA ENTRE

Leia mais

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva O planeamento como factor de sustentabilidade e José Sancho Silva Resumo da intervenção: Macro tendências do turismo O turismo como factor de desenvolvimento nacional, regional e local A competitividade

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO Resumo Não Técnico GABINETE DE REABILITAÇÃO URBANA março de 2015 Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Leia mais

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II EQUIPA Coordenadores

Leia mais

AUDITORIA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA AO PROJETO DE ESTRADAS. A IMPORTÂNCIA DA FASE FINAL DO PROCEDIMENTO

AUDITORIA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA AO PROJETO DE ESTRADAS. A IMPORTÂNCIA DA FASE FINAL DO PROCEDIMENTO AUDITORIA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA AO PROJETO DE ESTRADAS. A IMPORTÂNCIA DA FASE FINAL DO PROCEDIMENTO João Lourenço Cardoso 1, Carlos de Almeida Roque 2 1 LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil,

Leia mais

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental 2015 / 2016 Escolas Centro de Formação Ambiental SEDE - Lisboa 2 Horário de Funcionamento das Actividades 2ª feira a 6ª feira: 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30 4 horários:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

S.R. DO AMBIENTE E DO MAR. Despacho n.º 622/2005 de 24 de Maio de 2005

S.R. DO AMBIENTE E DO MAR. Despacho n.º 622/2005 de 24 de Maio de 2005 S.R. DO AMBIENTE E DO MAR Despacho n.º 622/2005 de 24 de Maio de 2005 Por despacho da Secretária Regional do Ambiente e do Mar, de 20 de Abril de 2005: Tendo em vista o preenchimento do cargo de Directora

Leia mais

ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB

ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB Plano de Emergência de Aves Rupícolas Descrição geral ALDEIA ATN APFNT PALOMBAR ERVAPRATA - AEPGA - ICNB Problemas de conservação do património natural no PNDI As prioridades de conservação do PNDI (a

Leia mais

Florestas de Proteção: Áreas Prioritárias para Conservação e Ações para a Preservação das Áreas Protegidas

Florestas de Proteção: Áreas Prioritárias para Conservação e Ações para a Preservação das Áreas Protegidas Florestas de Proteção: Áreas Prioritárias para Conservação e Ações para a Preservação das Áreas Protegidas Fotos: Fundação Araripe Dra. Cecília Costa Depto. De Botänica UFPE cepacosta@yahoo.com.br Perda

Leia mais