Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE"

Transcrição

1 O Plano de Comunicação/Divulgação Pós LIFE, visa dar a conhecer a forma como a CMMN pretende continuar a divulgar os resultados obtidos ao longo do projecto GAPS. Dividido em duas partes, a primeira tem como objectivo fornecer uma visão geral do projecto, metodologia e resultados; a segunda parte do plano identifica um conjunto de acções, a desenvolver nos próximos dois anos, que visam divulgar os resultados obtidos no projecto de uma forma estruturada, promover a protecção dos valores presentes, promover a divulgação turística do Sítio e garantir o envolvimento futuro da população. Nesse sentido, o Plano integra acções de divulgação já realizadas no projecto, bem como novas acções, cuja necessidade foi identificada no Programa de Execução que acompanha o PIER - Plano de Intervenção em Espaço Rural para o Sítio de Monfurado. Objectivos Possibilidade de Reprodução de Resultados Promovido pela Câmara Municipal de Montemor o-novo, entre e , o Gestão Activa e Participada do Sítio de Monfurado, teve por objectivo a conservação dos valores naturais do Sítio de Monfurado, com especial destaque para os habitats do Anexo I da Directiva Habitats e espécies do Anexo II da mesma Directiva. Simultaneamente, o projecto procurou contribuir para a conservação de espécies referenciadas no Anexo IV da Directiva e, também de forma indirecta, para a avifauna protegida pela Directiva Aves. Para atingir tais objectivos, e tendo por base o conhecimento prévio então disponível acerca das principais ameaças que se verificavam no Sítio à conservação das espécies e habitats que eram conhecidas à data da candidatura, o Projecto incluiu um conjunto de medidas de gestão com vista a minimizar essas ameaças. Ao mesmo tempo, assegurou a realização de um conjunto de estudos preparatórios que se reconheceu serem necessários com vista a adquirir um maior conhecimento sobre espécies, habitats, ameaças e/ou medidas de gestão que se entendeu serem particularmente relevantes para atingir os objectivos de conservação a que alude o artigo 6º da Directiva Habitats. Relativamente à sustentabilidade e potencial de replicação dos resultados, a cobertura dada pela imprensa ao projecto e a elevada procura por parte de alguns proprietários locais, no sentido de saberem mais sobre o projecto e sobre algumas acções em específico, constituem bons indicadores do interesse e sustentabilidade e potencial de replicação das acções do projecto. Paralelamente, e na sequência do convite feito a outros projectos LIFE, para apresentação dos resultados, foi já manifestado interesse, por parte de dois dos projectos convidados, no cruzamento de informação obtida no âmbito do projecto. Ainda no que respeita à replicação de resultados, e face a todos os constrangimentos, poderá afirmar-se que, o Sítio de Cabrela, face ao know-how adquirido, poderá vir a constituir um local potencial para replicação dos resultados. Inovação As acções propostas no âmbito do Projecto constituíram e constituem ainda hoje, um bom exemplo a nível nacional, do que é e de como se faz conservação da natureza. O Sistema Geográfica de Apoio ao Combate a Incêndios, o Sistema de Informação Geográfica para o Sítio de Monfurado, as Fichas de Boas Práticas de Gestão, entre muitos outros exemplos, mas essencialmente, o PIER, actualmente quase a entrar em fase de discussão pública, constituem bons exemplos do carácter inovador do projecto, especialmente se se atender a que este último é um documento elaborado por duas autarquias diferentes, mas com um objectivo comum - o da conservação da natureza. Benefícios a Longo Prazo/Sustentabilidade de Resultados No que respeita a benefícios de longo prazo, espera-se o continuar, por parte dos parceiros privados, as técnicas utilizadas quer nas sementeiras, quer nas limpezas das linhas de água. Para além disso, a continuação do equipamento adquirido para acções relacionadas com a conservação da natureza, permitirá certamente a sustentabilidade os resultados. Não obstante o sucesso das intervenções, destaca-se a necessidade de se reforçar as acções de informação/sensibilização/divulgação para a conservação dos valores naturais, através da realização de actividades como as propostas neste documento. A realização destas acções encontra-se no entanto dependente de eventuais financiamentos que possam apoiar os investimentos necessários. A este nível refira-se que o financiamento do programa LIFE foi fundamental para a execução deste projecto, sem o qual a autarquia não teria conseguido implementar o mesmo.

2 Resultados Ambientais/Sócio/Económicos A nível ambiental, o Projecto permitiu sensibilizar a população local, alertando-a para as questões da conservação da natureza, e para a riqueza, em termos de valores naturais, que constitui o Sítio de Monfurado. Face à duração do projecto, foi possível definir estratégias de divulgação, junto dos mais velhos, mas essencialmente junto dos mais novos, através de um conjunto de acções que permitiram a realização de várias actividades, de carácter regular. Para além do interesse ambiental, o projecto apresentou benefícios sócios / económicos, na medida em que permitiu a criação de postos de emprego associados à operação das soluções implementadas, que deverão ter continuidade após o Projecto. Adicionalmente, ofereceu melhores condições para o desenvolvimento de actividades relacionadas com a agricultura e pastorícia, ao demonstrar a sustentabilidade dos ensaios de gestão realizados. Actividades de Divulgação Realizadas Página Internet do Projecto Público-alvo: todos Newsletters de divulgação de resultados do Projecto (9000 exemplares) Fichas de Boas Práticas Agrícolas(1000 exemplares) Público-alvo: público em geral Iniciativa Dias Tranquilos Iniciativa Domingos a Brincar Público-alvo: crianças e jovens Campos de Trabalho Público-alvo: estudantes do ensino secundário e universitário Workshops Actividades de educação ambiental de carácter regular sob o tema A Escola Conserva o Sítio Público-alvo: crianças do ensino pré-escolar e 1º ciclo do ensino básico Kit Pedagógico (50 exemplares) Público-alvo: escolas do concelho Comemoração do Dia Mundial da Árvore e da Floresta (5) Público-alvo: crianças do concelho Sessões de Esclarecimento nas Freguesias (2) Público-alvo: população das freguesias do Escoural e São Cristóvão Apresentação de resultados em seminários Sessões Participativas (2), especialmente a residente no Sítio de Monfurado Sessões de Sensibilização Público-alvo: ensino pré-escolar e escolas do 1º ciclo Seminário Final do Projecto Relatório Não Técnico do Projecto

3 1 Actualização da Página Internet do Breve descrição: Actualização regular dos conteúdos da página Internet criada no Projecto, disponibilizando informação sobre as acções realizadas no período Pós-Projecto, novidades e eventos, bem como outros estudos e trabalhos relacionados com o Sítio de Monfurado. Reforço dos conteúdos em Inglês. Justificação/Objectivos: Divulgar de uma forma continuada as acções do Projecto, salientando aquelas que terão seguimento em fase Pós-Projecto, bem como os seus resultados. Disponibilizar, de uma forma concisa, informação geral e actualizada sobre o Sítio de Monfurado e outros instrumentos úteis à gestão das áreas de Rede Natura Público-alvo: público em geral Orçamento previsto: 6640 euros/2 anos 2 Organização do Seminário Bienal Gestão da Rede Natura Breve descrição: Organização de Seminários Bienais, que permitam reunir várias entidades envolvidas na gestão das áreas de Rede Natura Serão apresentados e discutidos bons exemplos, com destaque para os trabalhos testados ou desenvolvidos no âmbito de projectos financiados pelo programa LIFE. Justificação/Objectivos: Divulgar a experiência adquirida durante e após o projecto, bem como os resultados de outros projectos inovadores e de referência nesta área, desenvolvidos a nível nacional e internacional, contribuindo para a troca de experiências entre entidades públicas e privadas. Promover a troca de experiências e o debate sobre a gestão futura das Áreas de Rede Natura Público-alvo: Câmaras Municipais, Universidades outras entidades públicas e privadas com responsabilidades na gestão das Áreas de Rede Natura 2000 Orçamento previsto: 3625 euros/2 anos 3 Organização de Feira Bienal para Divulgação do Sítio de Monfurado Breve descrição: Realização de uma Feira que promova a divulgação dos valores naturais e culturais do Sítio, incluindo a promoção dos produtos locais tradicionais, a gastronomia local e as práticas culturais. Será promovida nas várias freguesias no Sítio, de forma alternada, e será organizada de forma a coincidir com o Seminário Bienal Gestão da Rede Natura 2000 e outros eventos promovidos pelas autarquias de Évora de Montemor-o-Novo, em especial os organizados pelo Núcleo de Interpretação Ambiental dos Baldios. Justificação/Objectivos: Divulgar os valores naturais e culturais do Sítio, através de acções que promovam o desenvolvimento do turismo e outras actividades de uma forma sustentável na área do Sítio. Público-alvo: Munícipes, Juntas de Freguesia, População escolar, Autarquias, associações locais e nacionais relacionadas com os valores a divulgar, organismos da administração central, etc Orçamento previsto: 8330 euros/ 2 anos

4 4 Participação em Eventos Nacionais e Internacionais Breve descrição: Participação através de apresentação de comunicações, painéis ou stands em seminários e/ou feiras temáticas, realizadas a nível nacional ou internacional. Para isso será realizada uma pesquisa regular no sentido de identificar eventuais eventos e preparar possíveis participações. Serão distribuídos os materiais de sensibilização/divulgação produzidos no projecto e no pós-projecto. Justificação/Objectivos: Divulgação dos resultados a nível nacional e internacional, promovendo a replicação dos mesmos noutras zonas com características semelhantes. Público-alvo: todos os interessados Orçamento previsto: 6480 euros/ 2 anos 5 Dinamização de Acções de Sensibilização no NIA Breve descrição: Manutenção da actividade regular do Núcleo tendo por base os meios e a experiencia adquiridos durante o projecto GAPS, com especial destaque para: continuação dos Dias Tranquilos (edição trimestral); realização de 3 Exposições Temáticas/ano, implementação de Projecto Educativo dirigido às escolas do conselho; realização de 2 campos de trabalho/ ano (1 na área da conservação da natureza e outro na área da arqueologia); intercâmbios com outros núcleos/centros de interpretação ambiental a nível nacional; divulgação do kit pedagógico produzido no projecto junto de outras escolas nacionais e promover a sua implementação em todas as escolas do concelho. Justificação/Objectivos: Divulgar os valores do Sítio junto da população escolar e do público em geral; Sensibilizar para a conservação do Sítio; Promover a troca de experiências e a visitação do Sítio. Público-alvo: escolas do concelho, universidades, associações ambientalistas e outras entidades Orçamento previsto: euros/2 anos 6 Organização de Sessões Temáticas Conversas à volta do Sítio Breve descrição: Sessões temáticas a promover mensalmente nas várias freguesias de forma alternada, relacionadas com as actividades desenvolvidas no Sítio (gestão e doenças do montado, manutenção de pastagens, gestão de zonas de caça, promoção da pesca, encabeçamento pecuário, risco de incêndio, gestão de resíduos, etc). Para isso serão convidados oradores especializados (Prof. Universitários, entidades com experiencia na matéria, técnicos das duas autarquias envolvidas, que tenham conhecimentos na área). Estas sessões serão amplamente divulgadas a nível local e nacional, através de um programa definido semestralmente. Sempre que possível serão acompanhadas de exposições temáticas e inseridas nos circuitos de outros eventos previstos a nível local (por exemplo, com os passeios previstos nos Dias Tranquilos ), de forma a assegurar uma maior participação. Espera-se que as mesmas incluam metodologias participativas e que, em alguns, casos assumam o formato de workshops com recurso à demonstração de boas práticas. Serão distribuídos os materiais de divulgação já produzidos e outros que venham a ser editados. Justificação/Objectivos: Promover a discussão de problemas e a divulgação de boas práticas relacionadas com as principais actividades desenvolvidas no Sítio; Identificar eventuais constrangimentos e propor novas acções que permitam minimizar os mesmos. Público-alvo: Proprietários do Sítio de Monfurado e do Sítio de Cabrela, Juntas de Freguesia, Autarquias e outras entidades com competências na gestão/fiscalização, tais como: gestores de zonas de caça, pescadores, agricultores, organismos da administração central, Guarda Nacional Republicana, etc. Orçamento previsto: euros/2 anos

5 7 Organização de Sessões Participativas de Apoio à Decisão Breve descrição: Serão desenvolvidas sessões que utilizem metodologias participativas, nas várias freguesias do Sítio. Será realizada pelo menos uma sessão por ano, onde serão apresentados os resultados das acções desenvolvidas pelas autarquias, na área do Sítio no ano anterior e discutido o plano de actividades para o ano seguinte. Adicionalmente, caso surjam projectos/acções propostas para a área do Sítio que impliquem Avaliação de Impactes Ambiental ou Licenciamento Ambiente, poderão ser realizadas outras sessões. Nestes casos os contributos dos participantes serão integrados nos pareceres a emitir pelas Autarquias no âmbito dos procedimentos de discussão pública. Justificação/Objectivos: Envolver a população na Gestão do Sítio, designadamente no que respeita à tomada de decisão sobre projectos com impactes significativos, divulgação de resultados e recolha de opiniões referentes ao plano anual de actividades proposto pelas autarquias para a área do Sítio. Promover eventuais parcerias. Público-alvo: Proprietários do Sítio de Monfurado, juntas de freguesia e outras entidades interessadas Orçamento previsto: 5890 euros/2 anos 8 Edição de Materiais de Divulgação/Sensibilização Breve descrição:. Re-Edição das Fichas de Boas Práticas com conteúdos complementares; Brochuras anuais para divulgação dos trabalhos realizados; Agenda Anual das Actividades para o Sítio; Folheto para divulgação do PIER; Edição de Livro Receitas de Monfurado, Guias Práticos para Utilização do Sistema de Informação Geográfica criado no projecto; Guia turístico para a totalidade do Sítio, Stand do Sítio de Monfurado. Justificação/Objectivos: Produzir folhetos e outros materiais de divulgação que permitam de uma forma simples divulgar os valores naturais e culturais presentes, sensibilizar para a sua protecção, promover a implementação de boas práticas de gestão e promover o turismo na óptica da conservação da natureza. Público-alvo: todos os interessados Orçamento previsto: euros/2 anos Eventuais Fontes de Financiamento: não identificadas

6 A1 Orçamento Descriminado das Acções Previstas Acção Rubrica da despesa Descrição dos trabalhos Custo Parcelar ( ) Custo Total por 2 anos 1 Actualização da Página Internet do Projecto 2 - Organização de Seminário Bienal Gestão da rede Natura 2000 Pessoal Produção de conteúdos e concepção gráfica 2520 /ano Assistência externa Tradução para inglês 700/ano Pessoal Organização e Produção de conteúdos 1925/2 anos Consumíveis 300 pastas respectivos conteúdos p/ distribuição no seminário 300/2 anos Assistência externa Edição de cartazes, brochura e convites 600/2 anos Viagens e estadia 2 viagens p/ convidados internacionais 800/2 anos Organização e produção de conteúdos 1925/ 2 anos 3 Organização de Feira Bienal para Divulgação do Sítio de Monfurado 4 Participação em Eventos Nacionais e Internacionais Pessoal Montagem da Feira 615/ 2 anos Dinamização da feira 630/ 2 anos Assistência externa Edição de cartazes, brochuras, convites e exposição para a feira 5000/ 2 anos Despesas gerais Gasóleo, electricidade 160/ 2 anos Pessoal Produção de conteúdos e exposição dos mesmos em 2 eventos 840/ano Viagem e estadia 1 viagem internacional e 1 nacional 400/ano Outros custos Custo de inscrição (2 eventos) 2000/ano Pessoal Organização e Dinamização das acções; Elaboração de conteúdos 33600/ano Edição do folheto Dias Tranquilos 2400/ano 5 - Dinamização do Núcleo de Interpretação Ambiental dos Baldios Assistência externa 3 Painéis para Exposições temáticas 9000/ano Edição de folhetos campos de trabalho 1200/ano Edição de outros folhetos 1200/ano Pessoal técnico especializado para acompanhamento das acções 2000/ano Organização de Sessões Temáticas Conversas à volta do Sítio de Monfurado 7 Organização de Sessões Participativas de apoio à decisão Consumíveis Material diverso para dinamização das acções 6000/ano Despesas gerais Gasóleo, Electricidade, Água 5000/ano Pessoal Organização e Dinamização de 12 sessões/ano 6300/ano Consumíveis Material diverso 500/ano Despesas gerais Gasóleo e electricidade 600/ano Pessoal Organização e Dinamização de 5 sessões/ano 2625/ano Consumíveis Material diverso 200/ano Despesas gerais Gasóleo e electricidade 120/ano Pessoal Produção de conteúdos e recolha de informação 12600/2 anos Re-edição das Fichas de Boas Praticas de Gestão 3000/2 anos 8 Edição de materiais de divulgação/sensib ilização Assistência externa Edição 2 brochuras anuais com resultados das acções pós-projecto (9000 ex.) Folheto de divulgação do PIER (1000 ex.) Concepção e edição do livro Receitas de Monfurado (500 ex.) 1200/2 anos 600/2 anos 12500/2 anos Guias Práticos para utilização dos SIG criados no projecto GAPS (2000 ex.) 1200/2 anos Concepção e Edição de Guia Turístico para a totalidade do Sitio (500 ex) 25000/2 anos TOTAL

CAPÍTULO I. Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto

CAPÍTULO I. Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto Artigo 1º (Denominação, natureza e âmbito) 1. O Instituto Superior de Ciências Educativas e o Instituto

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2013 PROGRAMA DEEDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE

PLANO DE ATIVIDADES 2013 PROGRAMA DEEDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE PLANO DE ATIVIDADES 2013 PROGRAMA DEEDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO Tendo como linha orientadora a estratégia definida pelo município de Esposende no que diz respeito à sensibilização e formação

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Versão 2.0 de 4 de Junho de 2007 Promotores: Co-financiamento: Introdução A Agenda 21 do Vale do Minho é um processo de envolvimento dos cidadãos

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Montemor-o-Novo

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Montemor-o-Novo Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Montemor-o-Novo Preâmbulo Este Regulamento tem como objectivo e fins reger e disciplinar a organização e funcionamento do Conselho Local de Acção

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Preambulo

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Preambulo REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Preambulo O movimento associativo corresponde a uma afirmação cultural dos valores nacionais que deve ser valorizado, defendido e promovido, na medida em que

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

Apoios financeiros às actividades do i2ads e dos seus membros

Apoios financeiros às actividades do i2ads e dos seus membros FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org Apoios financeiros às actividades do e dos seus

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência Termos de Referência Consultor(a) para Sistematização de Experiências de ONGs para os Direitos das Mulheres, na Guiné-Bissau 1. ENQUADRAMENTO 1.1 A SNV Guiné-Bissau A SNV, Organização Holandesa para o

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO NORTE 2007-2013 Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Domínios: Valorização e qualificação ambiental Gestão activa da Rede Natura e da

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.2 ACONSELHAMENTO Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 PROGRAMA VISEU RURAL Valorizar os produtos da terra Melhorar a vida das nossas aldeias documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 CONSELHO ESTRATÉGICO DE VISEU Apresentação. O mundo rural

Leia mais

GAEPC - Gestão Activa de Espaços Protegidos e Classificados MÉRITO DA OPERAÇÃO. Metodologia de Cálculo

GAEPC - Gestão Activa de Espaços Protegidos e Classificados MÉRITO DA OPERAÇÃO. Metodologia de Cálculo GAEPC - Gestão Activa de Espaços Protegidos e Classificados 2º Aviso MÉRITO DA OPERAÇÃO Metodologia de Cálculo Critério A Contribuição para os objectivos do PO, respectivos indicadores e categorização

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 REDE RURAL NACIONAL

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 REDE RURAL NACIONAL Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 REDE RURAL NACIONAL Rede Rural Nacional 1. Procedimento e Cronograma A RRN foi criada em Portugal pelo Decreto-Lei n.º 66/2009, de 20 de Março.

Leia mais

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português Lisboa, 25 de fevereiro 2015 1 Considerando que: 1. O Turismo é uma atividade estratégica para a economia

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE

Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE Linhas Gerais do Processo de Atualização do EDIC DE CABO VERDE ATUALIZAÇÃO DO EDIC - ESTUDO DIAGNÓSTICO SOBRE A INTEGRAÇÃO DO COMÉRCIO DE CABO VERDE CONVITE / CONCURSO I. ENQUADRAMENTO Cabo Verde é beneficiário

Leia mais

GABINETE DO VICE-PRESIDENTE Praça do Município 6230 338 Fundão. REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo

GABINETE DO VICE-PRESIDENTE Praça do Município 6230 338 Fundão. REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro estabelece o regime jurídico das autarquias locais, aprova o estatuto das entidades intermunicipais,

Leia mais

Freguesia de Gouveia

Freguesia de Gouveia PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA FREGUESIA REGULAMENTO 1º Objecto O Programa de Ocupação de Tempos Livres promovido pela Junta de Freguesia, tem por objectivo proporcionar a ocupação saudável dos

Leia mais

Florestar Sustentabilidade da Floresta

Florestar Sustentabilidade da Floresta 1. ENQUADRAMENTO 1.1 INTRODUÇÃO O Projecto Florestar Sustentabilidade da Floresta com intervenção na região Norte (distritos de Bragança, Vila Real, Braga e área de intervenção do Parque Nacional da Peneda-Gerês)

Leia mais

18 a 20 de Novembro de 2011. Estoril. Organização: Auditório do Centro Escolar - ESHTE. www.cim-estoril.com

18 a 20 de Novembro de 2011. Estoril. Organização: Auditório do Centro Escolar - ESHTE. www.cim-estoril.com 18 a 20 de Novembro de 2011 Organização: Estoril Auditório do Centro Escolar - ESHTE www.cim-estoril.com Apresentação Na sequência das três edições realizadas em anos anteriores, a Associação Desportos

Leia mais

SEMINÁRIO REDE SOCIAL: PLANEAR PARA INTERVIR SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: GERADORES DE UM FLUXO CONTINUO DE INFORMAÇÃO

SEMINÁRIO REDE SOCIAL: PLANEAR PARA INTERVIR SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: GERADORES DE UM FLUXO CONTINUO DE INFORMAÇÃO SEMINÁRIO REDE SOCIAL: PLANEAR PARA INTERVIR SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: GERADORES DE UM FLUXO CONTINUO DE INFORMAÇÃO CONCEITO Sistema de informação Sistema, tanto manual como automático, composto por pessoas,

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

Encontro Anual Agenda 21 Local. Guia Agenda 21 Local. Um desafio de todos

Encontro Anual Agenda 21 Local. Guia Agenda 21 Local. Um desafio de todos Encontro Anual Agenda 21 Local Guia Agenda 21 Local Um desafio de todos Isabel Lico Montemor-o-Novo 20 novembro 2015 Objetivos do Guia Agenda 21 Um desafio de todos Referencial Normativo Conceção e implementação

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº. 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito e objeto

Artigo 1.º. Âmbito e objeto PROJETO DE REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA A SELEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO E SUA INTEGRAÇÃO NO ROTEIRO NACIONAL DE INFRAESTRUTURAS DE INVESTIGAÇÃO DE INTERESSE ESTRATÉGICO Artigo 1.º

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012 11 de Janeiro 2012 REGIME JURÍDICO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUA NO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) DEVERES DO ESTADO EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 1. Formação /qualificação

Leia mais

DISPOSIÇÕES COMUNS : 1. ASPETOS TÉCNICOS

DISPOSIÇÕES COMUNS : 1. ASPETOS TÉCNICOS DISPOSIÇÕES COMUNS : 1. ASPETOS TÉCNICOS Slide n 1 Programa implementado através de decisões de financiamento individuais Regulamento LIFE+ Convenção de Subvenção Disposições Comuns Proposta Revista Slide

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2014

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2014 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2014 I Edição - Orçamento Participativo de Viana do Castelo A Câmara Municipal de Viana do Castelo (CMVC) reconhece o Orçamento Participativo (OP) como um instrumento e um importante

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO

REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO (Aprovado na 16.ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 20 de Agosto de 2008 e na 4.ª Sessão Extraordinária

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Nº Candidatura: / Data de entrega: / / 1 O Concurso de Ideias Empreendedoras de Oliveira de Azeméis Empreendedorismo em idade escolar é uma iniciativa do Contrato Local de Desenvolvimento

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Ações de capacitação empresarial

Ações de capacitação empresarial AÇÕES COLETIVAS - ATIVIDADES DE APOIO À EXPORTAÇÃO Acores Export -2016 Introdução Este documento é desenvolvido com base na informação recolhida junto das principais empresas exportadoras que contribuíram

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CÓDIGO DO AVISO: POVT - POVT-35-2013-59

EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) CÓDIGO DO AVISO: POVT - POVT-35-2013-59 CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURA EIXO PRIORITÁRIO II SISTEMAS AMBIENTAIS E DE PREVENÇÃO, GESTÃO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS (FUNDO DE COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS REGULAMENTO

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

NORMAS DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

NORMAS DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE ALJUSTREL Preâmbulo A Câmara Municipal de Aljustrel, reconhecendo a intervenção do Movimento Associativo, como um parceiro estratégico determinante na promoção e dinamização de atividades

Leia mais

Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável. III.3. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade. Tipologia de Investimento

Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável. III.3. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade. Tipologia de Investimento Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável III.. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade Tipologia de Investimento Eixo III III. CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N.

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL

PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL CÓDIGO DO AVISO: POVT-34-2010-39

Leia mais

O Eixo 4 Inovar a Habitação Social do Programa Integrado de Apoio Social Mor Solidário tem 2 Medidas,

O Eixo 4 Inovar a Habitação Social do Programa Integrado de Apoio Social Mor Solidário tem 2 Medidas, Eixo 4 - Inovar a Habitação Social O Eixo 4 Inovar a Habitação Social do Programa Integrado de Apoio Social Mor Solidário tem 2 Medidas, Medida 1: Gestão Integrada e Requalificação dos Fogos Sociais do

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento Normas Orientadoras BAIRRO Co-financiamento Índice Capítulo I - Âmbito...1 Artigo 1.º - Objecto...1 Artigo 2.º - Definições...1 Artigo 3º - Apelos Bairro 21...1 Artigo 4.º - Objectivos dos Apelos Bairro

Leia mais

Normas e Critérios de Apoio ao Movimento Associativo Cultural do Concelho 1 - INTRODUÇÃO

Normas e Critérios de Apoio ao Movimento Associativo Cultural do Concelho 1 - INTRODUÇÃO 1 - INTRODUÇÃO O desenvolvimento cultural constitui um dos elementos estruturantes da democratização do país, para o qual o Movimento Associativo Cultural (MAC), de base popular, tem dado um contributo

Leia mais

Medidas de apoio à inovação

Medidas de apoio à inovação Medidas de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Rede INOVAR The Portuguese Agro, Food and Forest Innovation Network Rede

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Introdução 1. As Autarquias locais desempenharam ao longo dos últimos anos um papel insubstituível no desenvolvimento

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo

Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Desportivo Exposição dos Motivos Do conjunto das atribuições que estão confiadas aos Municípios destacam-se as intervenções nas áreas de tempos livres e

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE)

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Sob proposta da Directora do CIEP-UE, com parecer favorável da Assembleia de Representantes da Escola de

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 ADRA PORTUGAL Plano de Atividades 2014 Rua Ilha Terceira, 3 3º 100-171 LISBOA Telefone: 213580535 Fax: 213580536 E-Mail: info@adra.org.pt Internet: www.adra.org.pt Introdução A ADRA (Associação Adventista

Leia mais

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011

INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011 INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011 Depois de descarregar para o computador o formulário (seleccionando o formulário e, com o botão direito

Leia mais

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Fundo Português de Carbono FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS CANDIDATURA DE PROGRAMA [de acordo com o Anexo do Regulamento] Resumo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação Regulamento de Estágios 2º Ciclo em Psicologia da Universidade da Beira Interior Artigo 1.º

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGIMENTO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PG.01_PROC.07_IMP.08 DDS SECTOR DA ACÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO 1 de 9 REGIMENTO PREÂMBULO Considerando que a Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes:

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes: Fevereiro 2014 Introdução A Escola é hoje um mundo onde todos os atores educativos têm voz por isso a facilidade, a celeridade, a clareza e a abertura são as caraterísticas da comunicação que possibilitam

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 3.3 Como se elabora um plano de trabalho

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 3.3 Como se elabora um plano de trabalho Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 3.3 Como se elabora um plano de trabalho 2 Ficha 3.3 Como se elabora um plano de trabalho Índice 1 Determinação do plano de trabalho...

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE AFONSO SILVA Índice... 3 Resumo... 3 Alinhamento estratégico dos objectivos...

Leia mais

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde FIC - Feira Internacional de Cabo Verde Cabo Verde 19 a 22 de Novembro de 2009 Enquadramento A aicep Portugal Global, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional, propõe-se dinamizar a presença

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

LIPOR. IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE AMBIENTE Preparar o Porto para um futuro sustentável EMPRESA

LIPOR. IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE AMBIENTE Preparar o Porto para um futuro sustentável EMPRESA LIPOR IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE AMBIENTE Preparar o Porto para um futuro sustentável EMPRESA A LIPOR Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto é a entidade responsável

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N.

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N. EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO: SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice PLANO DE ATIVIDADES 2015 Índice 1. Introdução... 2 1.1. Âmbito e organização... 2 1.2. Enquadramento institucional... 2 2. Objetivos estratégicos e operacionais... 5 3. Metas a alcançar e atividades a

Leia mais

Proposta de Plano de Atividades do. Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017

Proposta de Plano de Atividades do. Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017 Proposta de Plano de Atividades do Conselho Educativo de Marvila para 2014-2017 1. Introdução A Lei de bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A.

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização. Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Ficha de Produto Tipo de Produto: Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização Produto: Financiamentos, Garantias, Capital de Risco, etc. / SOFID, S.A. Objectivo: Contribuir para o progresso

Leia mais