ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Resumo Não Técnico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Resumo Não Técnico"

Transcrição

1 ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico PEDREIRA DA PEDRINHA II Julho de 2011 GEOTROTA Unipessoal Lda Quinta do Castanheiro, Canada dos Caracóis, nº3, Pico da Pedra Tel./Fax:

2 ÍNDICE 1 PREÂMBULO QUAL O OBJECTIVO DO RESUMO NÃO TÉCNICO DO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL? O QUE É O PROJECTO DA PEDREIRA DA PEDRINHA II? LOCALIZAÇÃO CARACTERISTICAS GERAIS DO PROJECTO PORQUE É NECESSÁRIO A EXECUÇÃO DO PROJECTO? QUAIS SERÃO OS ELEMENTOS AFECTADOS PELO PROJECTO E COMO SE PODERÃO MINIMIZAR OS IMPACTES? CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DA ZONA QUAIS AS ÁREAS REGULAMENTARES E/OU SENSÍVEIS AFECTADAS PELO PROJECTO? ALTERNATIVAS AVALIAÇÃO DE IMPACTES E MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS

3 1 PREÂMBULO O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) sobre o projecto Pedreira da Pedrinha II esteve a cargo da GEOTROTA Unipessoal Lda., a convite do proponente, a empresa Somague Ediçor Engenharia S.A. Considera-se que a justificação deste estudo se enquadra no Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A de 15 de Novembro, onde são enunciados os projectos sujeitos a AIA, segundo o Anexo II deste documento são sujeitas a AIA todas as pedreiras e minas a céu aberto que em conjunto com as outras unidades similares num raio de 1 km ultrapassem área superior a 5 ha ou um volume extraído superior a t/ano. O presente Resumo Não Técnico (RNT) constitui o documento de suporte à participação pública, transcrevendo de uma forma simples e sumária as informações mais relevantes contidas no Estudo de Impacte Ambiental (EIA) relativas ao projecto da Pedreira da Pedrinha II, bem como destacando a situação de referência, análise de impactes e medidas de minimização. Este Resumo Não Técnico decorre da solicitação da Comissão de Avaliação do EIA da Pedreira da Pedrinha II, em Parecer de Apreciação, solicitando a reformulação/correcção do Relatório Técnico, sendo assim necessário a reformulação do RNT, o qual se apresenta. O período de elaboração/correcção do EIA decorreu entre 28 de Junho a 7 de Julho de

4 2 QUAL O OBJECTIVO DO RESUMO NÃO TÉCNICO DO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL? O presente volume constitui o Resumo Não Técnico do Estudo de Impacte Ambiental. Este tem como objectivo descrever de forma sucinta e numa linguagem perceptível para o público em geral todos os aspectos relevantes, contidos no Relatório Técnico, dando uma maior relevância aos impactes significativos previstos, bem como as medidas de minimização a implantar. O objectivo principal foi avaliar as várias vertentes ambientais, tendo em vista a potenciação dos impactes positivos e a minimização dos impactes negativos possibilitando uma tomada de decisão consciente por partes dos decisores. O proponente deste estudo é a empresa Somague Ediçor Engenharia S.A., sendo a entidade licenciadora responsável a Direcção Regional do Ambiente, da Secretaria Regional do Ambiente e do Mar. 3

5 3 O QUE É O PROJECTO DA PEDREIRA DA PEDRINHA II? 3.1 LOCALIZAÇÃO A exploração de inertes, PPII, localiza-se na freguesia das Lajes, no Concelho das Lajes, ilha das Flores (figura 1). Os acessos à pedreira estão identificados na figura 1. O acesso posto em evidência será o principal. Figura 1 Localização e acessos à pedreira, na escala 1/

6 3.2 CARACTERISTICAS GERAIS DO PROJECTO Este projecto tem como objectivo acautelar o fornecimento da matéria-prima a curto e médio prazos, com vista a satisfazer as necessidades de entidades públicas e privadas, nomeadamente a empresa Somague Ediçor Engenharia S.A. Assim sendo, os principais objectivos de licenciamento da Pedreira da Pedrinha II são: Exploração de rocha (basalto); Recuperação paisagística da zona. As características gerais do projecto estão representadas na tabela 1. Promotor Tabela 1 Caracterização do projecto da Pedreira dda Pedrinha II. Características Designação/Valor Entidade licenciadora Inerte em exploração Somague Ediçor - Engenharia, S.A. DRAIC Rocha basáltica s.l. Área da Pedreira m 2 Área da zona de defesa m 2 Área de exploração m 2 Horizonte da exploração Altitude máxima de desmonte Altitude mínima de desmonte Método de extracção Equipamentos desmonte/carga 12 anos 400 m 318 m O desmonte dever-se-á levar a cabo de cima para baixo, através da execução de degraus de exploração, com uma altura de 10 metros e largura de 5 metros. 1 Rocdrill; 1 Pá carregadora; 1 Giratória Horário de trabalho 5 dias por semana, entre as 8:00 e as 17:00 Trabalhadores 1 responsável pela exploração; 2 manobrador e 1 ajudante Reservas brutas m 3 Inerte (basalto) m 3 Estéreis m 3 Desmonte Junho 2011 Dezembro 2021 Aterros Janeiro 2016 Dezembro 2022 Regularização de terrenos Janeiro Dezembro 2022 Encerramento da exploração Junho 2023 O projecto em causa rege-se pelo Plano de Pedreira que apresenta informações relativas à logística da exploração (documentos administrativos), dados relativos ao desmonte e 5

7 informações qualitativas e quantitativas das tarefas de recuperação paisagística, assim como ao seu encerramento. A área total proposta para a exploração, segundo levantamento topográfico actualizado, é de m 2. A área de exploração da PPII é de m 2, totalizando as zonas de defesa m 2 (Figura 5). Figura 2 Implementação das zonas de defesa na PPII, na escala 1/

8 Figura 3 Perfis com indicação das superfícies actual, após desmonte e após recuperação paisagística, na escala 1/ PORQUE É NECESSÁRIO A EXECUÇÃO DO PROJECTO? A necessidade do projecto visa acautelar o abastecimento de matéria-prima para a ilha das Flores, nomeadamente para garantir o fornecimento de inertes a entidades públicas e privadas, para as obras previstas para a ilha das Flores enunciadas na tabela 2. 7

9 Tabela 2 Obras previstas para a ilha das Flores com direcção a cargo da empresa Somague Ediçor Engenharia, S.A. OBRAS Empreitada de Construção de uma Avenida na Fajã Grande Execução da Empreitada de Reabilitação da Cabeça do Molhe do Porto das Lajes das Flores Empreitada de Construção dos Centros de Processamento de Resíduos e Centros de Valorização Orgânica por Composta Empreitada de Construção de Recreio Náutico e Edifício no Porto das lajes das Flores e Trabalhos Marítimos no Corvo Empreitada de Beneficiação de 17 Km de Estradas Regionais na Ilha das Flores Construção de Rampa para Navios Ro-Ro e Ferry no Porto das Flores Empreitada de Reabilitação da Fábrica da Baleia do Boqueirão em Santa Cruz das Flores Empreitada para a Construção do Hotel das Flores e Recuperação, Ampliação da Fábrica da Baleia do Boqueirão a Centro 8

10 4 QUAIS SERÃO OS ELEMENTOS AFECTADOS PELO PROJECTO E COMO SE PODERÃO MINIMIZAR OS IMPACTES? 4.1 CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DA ZONA A caracterização da situação de referência consiste na descrição do local, sem projecto, de modo a identificar as principais alterações introduzidas pelo mesmo. Deste modo, foram considerados alguns descritores, passíveis de serem afectados pelo projecto. Ao nível dos recursos hídricos, os cursos de água superficial na envolvente e no limite da exploração são de carácter temporário, onde, em ocasiões de chuva forte e na ausência de vegetação, poderão ocorrer escorrências de água temporárias. A maior parte das águas será infiltrada devido à elevada permeabilidade das formações rochosas. Relativamente à flora, na zona da pedreira, devido à ocupação por pastagens, a diversidade de espécies é bastante reduzida. Predominam as árvores e os arbustos. Na área da pedreira encontram-se duas espécies com valor ambiental alto: a Urze, a qual é uma espécie existente somente nos Açores, sendo esta protegida, e o Feto-do-botão, espécie nativa dos Açores, também ela protegida. A zona envolvente apresenta uma comunidade vegetal descaracterizada, onde se incluem espécies invasoras (e.g. Conteira). Relativamente à fauna, estão identificadas na zona várias espécies de aves existentes só nos Açores, entre as quais pombo-torcaz-dos-açores, tentilhão, estorninho, milhafre, melropreto e narceja. Existem ainda espécies introduzidas (coelhos, ratos e furão-doméstico), as quais não têm valor ao nível da conservação das espécies. Relativamente aos solos a zona de intervenção abrange áreas descobertas ocupadas por pastagem. De acordo com o PDM de Lajes das Flores, a área de implementação da pedreira está afecta a espaços agrícolas não incluídos na RAR e espaços florestais de produção. Em relação à geologia e geomorfologia a zona em estudo situa-se na região geomorfológica denominada por Maciço Central, Zona Periférica. Ao nível da geologia consideram-se dois complexos vulcânicos principais para a ilha das Flores: o Complexo de base e o Superior. O local onde está localizada a exploração insere-se no CS, em que se concentram todas as manifestações vulcânicas sub-aéreas. Na zona onde se pretende desenvolver a Pedreira da Pedrinha II aflora uma escoada lávica de basaltos porfiríticos. 9

11 Em oposição aos grupos Central e Oriental, do Arquipélago dos Açores, o grupo Ocidental apresenta risco sísmico e vulcânico reduzia, visto a actividade sísmica registada prender-se, essencialmente, com a dinâmica associada à evolução da Crista Média Atlântica, a leste. Em termos da paisagem, refere-se que a exploração se encontra numa zona de relevo pouco acidentado. Em termos paisagísticos o local da exploração situa-se numa zona de pastagem, circundada por uma cortina arbórea. No que diz respeito a pontos de vista destacam-se as visadas de Oeste, ao longo da estrada municipal existente nas proximidades da pedreira, nomeadamente a partir do Miradouro mais a Norte desta. No entanto, tendo presente as cortinas arbóreas existentes e as características do desmonte, em profundidade, os impactes, neste particular, serão mitigados. Este projecto trará impactes significativos a nível da sócio-economia tendo por base os dados recolhidos nos Anuários Estatísticos da Região Autónoma dos Açores, onde, entre os anos de 2006 e 2009, se verifica um aumento da população do concelho das Lajes das Flores. Em termos económicos as principais actividades económicas são a agricultura, a criação de gado bovino e a pesca. Após a análise dos dados referentes à população e emprego e com o aumento do parque habitacional, existem evidências da necessidade de mais materiais para construção civil e obras públicas, os quais convergem na necessidade de maior disponibilidade de matériasprimas. A zona da Pedreira da Pedrinha II é muito tranquila em termos de ruído; não existem aglomerações urbanas ou industriais. As únicas fontes de ruído identificadas serão as resultantes da passagem pontual de viaturas nas vias circundantes à pedreira. Em relação ao clima e meteorologia, à semelhança do registado globalmente para o arquipélago dos Açores, o clima da ilha das Flores é temperado oceânico caracterizado por temperaturas amenas, precipitação regular ao longo de todo o ano, elevada humidade relativa do ar e ventos fortes frequentes. As temperaturas do ar no mês mais frio variam entre os 2 e os 20ºC, enquanto no mês mais quente a temperatura do ar é inferir a 30ºC e verifica-se que em todos os meses a temperatura é superior a 10ºC. A pluviosidade na ilha das Flores apresenta uma média anual 10

12 de 1.716,10 mm, sendo os meses com maior precipitação os meses de Dezembro e Janeiro e os mais secos os meses de Junho e Julho. No que toca à qualidade do ar, a zona em estudo é caracterizada pela quase inexistência de fontes de poluição. Os potenciais problemas de poluição atmosférica na zona serão consequência, principalmente, dos gases de escape dos veículos que circulam na estrada e do eventual o levantamento de poeiras nos trabalhos de exploração da pedreira. Estes, devido ao carácter intermitente e à baixa taxa de desmonte, serão reduzidos e sem consequência para os agregados populacionais mais próximos. Em termos de património, dada a dimensão do projecto, não se considera a existência de património edificado que pela sua localização possa vir a ser afectado directamente pela exploração da Pedreira da Pedrinha II 4.2 QUAIS AS ÁREAS REGULAMENTARES E/OU SENSÍVEIS AFECTADAS PELO PROJECTO? A área da Pedreira da Pedrinha II não se encontra localizada em nenhuma das áreas classificadas integradas no Parque Natural da Ilha das Flores. 11

13 Localização da Pedreira Figura 4 Rede de áreas Protegidas, classificadas pelo Parque Natural da Ilha das Flores De acordo com o PDM de Lajes das Flores, a área de implementação da pedreira está afecta a espaços agrícolas não incluídos na Reserva Agrícola Regional e a espaços florestais de produção (Figura 3). De acordo com o regulamento do PDM, nestes espaços é possível o licenciamento de explorações de inertes desde que não estejam sujeitos a legislação contrária, facto que se verifica para esta situação. 12

14 Figura 5 Implantação da Pedreira da Pedrinha II sobre a planta de Ordenamento do PDM de Lajes das Flores. 4.3 ALTERNATIVAS No decorrer deste estudo propõem-se três alternativas diferentes. São elas: 1. Alternativa zero (manter a situação actual); 2. Exploração da pedreira e recuperação paisagística. 3. Exploração da pedreira com alteração da sua localização e recuperação paisagística. 13

15 4.4 AVALIAÇÃO DE IMPACTES E MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO A não execução do projecto implicará o não aproveitamento dos recursos geológicos presentes no subsolo. Com a alteração da localização da pedreira prevêem-se a diminuição dos impactes positivos ao nível da socioeconómica, na medida em que obrigará à investigação de um novo local com matéria-prima adequada e à consequente compra de um novo terreno, com vista à exploração, reflectindo-se estes gastos acrescidos no valor dos inertes apresentado ao consumidor final. Os recursos presentes no subsolo foram previamente estudados por uma campanha de prospecção, que serviu para aferir a sua qualidade e adequação às futuras utilizações pretendidas. A alteração da localização implicará a necessidade de uma nova campanha de prospecção, levando a mais custos para explorador. O licenciamento da pedreira permitirá a exploração dos recursos de massas minerais para a utilização diversificada em obras públicas e construção civil em geral na Ilha das Flores, fazendo aumentar as taxas de crescimento socioeconómico. Este crescimento vai contribuir decisivamente para o desenvolvimento económico da ilha, sendo considerado um impacte positivo, permanente e de significância média. Relativamente à vertente do emprego, serão criados novos postos de trabalho directos e indirectos associados à transformação e aplicação em obras dos materiais extraídos nesta pedreira. Identificam-se seguidamente os impactes do projecto, onde se inclui a exploração da pedreira e recuperação paisagística assim como algumas medidas a adoptar de modo a minimizar esses impactes. Recursos hídricos O impacte mais significativo em termos de recursos hídricos é a alteração da superfície motivada pela desmatação e desmonte. Este impacte será reduzido dada a ausência de cursos de água permanentes na área envolvente, destacando-se apenas uma linha de água de carácter intermitente no limite Norte da exploração, que, com a delimitação das zonas de 14

16 defesa da pedreira e elevada permeabilidade dos materiais do subsolo, não conduzirá a impacte significativos. Ecologia Ao nível da flora a exploração da pedreira, a ecologia terá impactes negativos ao nível do coberto vegetal dado a existência no local de espécies com alto valor ambiental; estes impactes serão minimizados através do transplante das espécies protegidas e da promoção das espécies vegetais endémicas e nativas utilizadas na fase de recuperação paisagística tal como previsto no projecto. Relativamente à fauna os impactes negativos resultam no afastamento temporário fauna nativa e endémica dos Açores. Este impacte pode ser minimizado promovendo a criação de habitats na periferia da pedreira de modo a estabelecer estas espécies de fauna. Solos Deverão ser tomadas medidas em relação ao derrame de óleos ou combustíveis pelas máquinas, nos locais onde os trabalhos serão executados. As máquinas deverão sofrer manutenção fora da zona de trabalho, em locais específicos para esse fim (oficinas). Geologia A exploração da pedreira irá resultar numa exploração de um recurso geológico não renovável à escala humana o que constitui um impacte negativo. Ruído A utilização dos equipamentos de desmonte e transporte irá aumentar os níveis de ruído durante a fase de exploração da pedreira. O impacte pode ser reduzido através de inspecções periódicas das viaturas, no que toca ao ruído produzido e utilização de protecção adequada por parte dos trabalhadores. O nível de ruído provocado por qualquer equipamento deverá ser concordante com os parâmetros definidos por lei. Com a ausência de receptores sensíveis nas imediações, torna estes impactes pouco significativos. 15

17 Qualidade do Ar Os potenciais impactes provocados neste descritor são: o eventual levantamento de poeiras nos trabalhos de exploração da pedreira e a emissão dos gases de escape. No que diz respeito ao primeiro impacte este pode ser minimizado através da aspersão com água dos caminhos com piso térreo, utilização de mascaras por parte dos trabalhadores e utilização de cobertura adequada (lona) dos veículos transportadores de cascalho. No segundo impacte, este pode ser minimizado através de inspecções periódicas das viaturas e máquinas, no que toca aos gases emitidos. Sócio-Economia A exploração da pedreira e recuperação paisagística irá contribuir para o desenvolvimento económico da região através do aproveitamento de matérias-primas associado à criação de postos de trabalho durante as fases de exploração e de recuperação paisagística. Paisagem O impacte na paisagem é geralmente o mais significativo nos casos de explorações de pedreiras; no entanto, dado a localização da pedreira, esta apresenta pouca visibilidade. Os impactes ao nível da paisagem serão minimizados pela recuperação paisagística conforme definido no projecto. 4.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com este EIA, e atendendo ao seu conteúdo deste estudo, considera-se que os impactes negativos decorrentes da actividade de exploração e posterior recuperação paisagística da Pedreira da Pedrinha II não se sobrepõem à mais-valia que o mesmo irá trazer ás populações e ao desenvolvimento do Município de Lajes das Flores, em particular, e à ilha das Flores, no geral. A envolvente da zona em estudo abrange diversos tipos de ocupação de solo, essencialmente áreas agrícolas e espaços florestais. Em relação a áreas regulamentares, a área da pedreira está qualificada como espaços agrícolas não incluídos na Reserva Agrícola Regional e espaços florestais de produção. 16

18 Da avaliação dos impactes realizada, verifica-se que, de uma forma geral, a exploração da pedreira, não irá provocar impactes negativos muito significativos, uma vez que a posterior recuperação paisagística irá colocar a zona em parâmetros aceitáveis. Os maiores impactes que estão relacionados com exploração da pedreira são: a exploração de um recurso não renovável, a destruição do coberto vegetal e a fuga dos animais da zona de intervenção e a interrupção da qualidade visual. Como impactes negativos de menor importância salienta-se a possibilidade do derrame de produtos químicos para o solo a dispersão de poeiras, a emissão de gases pelas viaturas, o ruído provocado pela maquinaria a utilizar e a perturbação das populações. Contudo, o projecto apresenta impactes positivos bastante significativos como o desenvolvimento socioeconómico do município, através da criação de postos de trabalho e a recuperação paisagística do local. Durante a exploração da pedreira as medidas de minimização dos impactes permitirão reduzir os impactes negativos do projecto, de modo a que os impactes negativos globais sobre o ambiente sejam pouco significativos. 17

ESTUDO BIENTAL RESUMO

ESTUDO BIENTAL RESUMO ESTUDO DE IMPACTE AMB BIENTAL TUFEIRA DA CANADA DA MINA RESUMO NÃO TÉCNICO NOVEMBRO 2011 ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 QUAL O OBJECTIVO DO RESUMO NÃO TÉCNICO DO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL?... 2 3 O QUE É

Leia mais

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico?

1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? 1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? Este Resumo Não Técnico é um volume independente que integra o Estudo de Impacte Ambiental do Parque Eólico de S. Lourenço da Montaria. Destina-se, como o nome

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE PEDREIRA DE COVÃO ALTO RESUMO NÃO TÉCNICO. Reformulado

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE PEDREIRA DE COVÃO ALTO RESUMO NÃO TÉCNICO. Reformulado Rua Carlos Belo de Morais 57, 2.º B 2790-231 Carnaxide ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE PEDREIRA DE COVÃO ALTO RESUMO NÃO TÉCNICO Reformulado Rua 1.º de Maio, 17 Pé da Pedreira 2025 161 ALCANEDE

Leia mais

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração.

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico TAFE TRATAMENTO DE ALUMÍNIO E FERRO, S.A. Projecto de Alteração. Data: 11 de Dezembro de 2003 Copyright SIA / NAIMET 2003 1.- Índice 1.- Índice... 2 2.- Introdução...

Leia mais

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva C. M. Porto Mós M s 24/02/2010 25022010 1 centro tecnológico

Leia mais

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses

Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Expansão do Parque Empresarial de Lanheses Estudo de Impacte Ambiental Volume III Relatório elaborado para: GestinViana Edifício de Apoio à Doca de Recreio 4900 Viana do Castelo IMA 12.05-03/26 FEVEREIRO

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

MINISTERIO DAS CillADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamentodo Território

MINISTERIO DAS CillADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamentodo Território MINISTERIO DAS CillADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamentodo Território DECLARAÇÃO DE IMP ACTE AMBffiNT AL "PEDREIRA VALE DA ALAGOA" (Projecto

Leia mais

O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA

O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA O ACOMPANHAMENTO TÉCNICO COMO CONTRIBUTO PARA A MELHORIA DO DESEMPENHO DA INDÚSTRIA EXTRACTIVA Guerreiro, Humberto Eng. de Minas - Visa Consultores, S.A., Oeiras. 1. INTRODUÇÃO Na exploração de minas e

Leia mais

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO Variante à ER1-1ª Vila Franca do Campo Sumário Executivo Índice 1. Introdução...2 2. Antecedentes do Projecto...2 3. Descrição do Projecto...3

Leia mais

PROJECTO DO HOTEL NA QUINTA DAS DONAS

PROJECTO DO HOTEL NA QUINTA DAS DONAS QUINTA DAS DONAS Empreendimentos Imobiliários, Lda. PROJECTO DO HOTEL NA QUINTA DAS DONAS ANTEPROJECTO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Outubro de 2003 1 - INTRODUÇÃO Neste documento apresenta-se

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 2. OBJECTIVOS E JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 2. OBJECTIVOS E JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO - 1 - ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO ----------------------------------------------------------------------------- 1 2. ANTECEDENTES--------------------------------------------------------------------------- 1 3.

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão)

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) 1ª Alteração PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) M U N I C Í P I O D E A R C O S D E V A L D E V E Z D I V I S Ã O D E D E S E N V O L V I MENTO E C O N Ó M I C O E U R B A N I

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES 9. SÍNTESE DE IMPACTES Um dos objectivos fundamentais deste Estudo de Ambiental é o de identificar os impactes diferenciais da utilização de RIP como combustíveis alternativos. Assim, a existência ou não

Leia mais

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO Lisboa, Abril de 2015 Esta página foi deixada propositadamente em branco 2 ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez

II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez 66/12 II.3. CARACTERIZAÇÃO ECONÓMICO-FINANCEIRA II.3.1. ABASTECIMENTO DE ÁGUA II.3.1.1. Problemas Ambientais e de Escassez II.3.1.1.1. Medidas adoptadas por motivos ambientais e de escassez A captação

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do Diploma: Ministérios das Finanças e da Administração Pública, do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural

Leia mais

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJETO DE EXECUÇÃO

RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJETO DE EXECUÇÃO ÉVORA RESORT RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJETO DE EXECUÇÃO VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO JUNHO DE 2012 ÉVORA RESORT RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJETO DE EXECUÇÃO Sumário Executivo

Leia mais

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Florência Loureiro Setembro de 09 Pág. 1 de 11 INDICE 1 -Introdução. 2.-Caracterização do Municipio de Mondim de Basto 3.-Caracterização dos Empreendimentos 3.1-Princípios

Leia mais

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO

PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO PARQUE EÓLICO DA SERRA DA ALVOAÇA PROJECTO DE EXECUÇÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) VOLUME 1 SUMÁRIO EXECUTIVO ÍNDICE DE PORMENOR 1. INTRODUÇÃO...1 2. PROCESSO DE

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Estudo de Impacte Ambiental, Pico d Água Parque

Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Resumo Não Técnico. Estudo de Impacte Ambiental, Pico d Água Parque 1. Introdução 1.1. Introdução O presente documento refere-se ao (RNT) do Estudo de Impacte Ambiental do projecto de Loteamento do Parque Empresarial Pico d Água Parque. O proponente da realização do presente

Leia mais

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS

A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS A ADEQUABILIDADE DAS PEDREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE ATERROS DE RESÍDUOS João M. L. Meira Geólogo INTRODUÇÃO A gestão adequada dos resíduos é, na actualidade, um dos grandes desafios das sociedades modernas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

GENERG VENTOS DA BEIRA BAIXA ENERGIAS RENOVÁVEIS, SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA. PARQUE EÓLICO DA GARDUNHA II ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

GENERG VENTOS DA BEIRA BAIXA ENERGIAS RENOVÁVEIS, SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA. PARQUE EÓLICO DA GARDUNHA II ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL GENERG VENTOS DA BEIRA BAIXA - ENERGIAS RENOVÁVEIS, SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL T580.1.2 JUL, 2010 T58012-VOL2-RNT-R0.doc GENERG VENTOS DA BEIRA BAIXA ENERGIAS RENOVÁVEIS, SOCIEDADE

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO Introdução O presente relatório de avaliação diz respeito a dois prédios, um com armazém e outro com moradia, na Travessa da Igreja de Nevogilde, na cidade do Porto. A avaliação do terreno e/ou edifícios

Leia mais

BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A.

BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. A12 AUTO-ESTRADA SETÚBAL / MONTIJO SUBLANÇOS MONTIJO / PINHAL NOVO / / NÓ A2-A12 / SETÚBAL MAPA ESTRATÉGICO DE RUÍDO RESUMO NÃO TÉCNICO BRISA AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL,

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO Estudos Preliminares de Impacte Ambiental Avaliação de Impacte Ambiental Fernando Santana Departamento de Ciências e Engenharia

Leia mais

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira Situação actual na protecção do património geológico Paulo Pereira o que é o património geológico? Elementos da geodiversidade Parte do património natural Ameaçado e não renovável Primeiras iniciativas

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

~ ~ . MINIsTÉRIO DO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO R RECURSOS MARINHOS DIRECÇÃO GERAL DO AMBIENTE

~ ~ . MINIsTÉRIO DO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO R RECURSOS MARINHOS DIRECÇÃO GERAL DO AMBIENTE ~\ ~ ~. MINIsTÉRIO DO AMBIENTE, DESENVOLVIMENTO R CP 115- PrJia - Cabo Ver - Tel: 261898 V617511 Fax: 2617511 E-mail: dgiràntclecom.n AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO INTITULADO IIpARQUE EÓLICO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Válido até 13/03/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Freguesia SALVATERRA DE MAGOS E FOROS DE SALVATERRA Concelho SALVATERRA DE

Leia mais

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77 2.7 síntese de diagnóstico A síntese de diagnóstico perspectiva desenhar a realidade insular de Santa Maria materializada em indicadores-chave, permitindo estabelecer a situação de referência no que concerne

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008

L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 L 201/8 Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2008 REGULAMENTO (CE) N. o 734/2008 DO CONSELHO de 15 de Julho de 2008 relativo à protecção dos ecossistemas marinhos vulneráveis do alto mar contra os efeitos

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ 8-6-2012 TEMA III A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ Ano Lectivo 2011/2012 Geologia Joana Pires nº15 12ºB Glaciares Os glaciares são massas de gelo que se originam á superfície terrestre devido à acumulação,

Leia mais

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE?

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Regime Extraordinário da Regularização de Atividades Económicas RERAE Perguntas Frequentes 1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Podem apresentar pedido de regularização das atividades económicas

Leia mais

NÓ DE CASTRO VERDE (A2) /CASTRO VERDE I.P.2 PROJECTOSDE MEDIDASDEMINIMIZAÇÃO ESTUDODEIMPACTE AMBIENTAL E RELATÓRIOFINALDO. Vol.

NÓ DE CASTRO VERDE (A2) /CASTRO VERDE I.P.2 PROJECTOSDE MEDIDASDEMINIMIZAÇÃO ESTUDODEIMPACTE AMBIENTAL E RELATÓRIOFINALDO. Vol. M.O.P.T.H. S.E.O.P. INSTITUTODAS ESTRADAS DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DEPROJECTOSEAPOIOTÉCNICODOex-ICOR I.P.2 NÓ DE CASTRO VERDE (A2) /CASTRO VERDE PROJECTO DEEXECUÇÃO RELATÓRIOFINALDO ESTUDODEIMPACTE AMBIENTAL

Leia mais

ATE XXII. Índice. 12 - Conclusões... 1. LT 500 kv Marimbondo II - Campinas e Subestações Associadas Conclusões do Empreendimento 1/1

ATE XXII. Índice. 12 - Conclusões... 1. LT 500 kv Marimbondo II - Campinas e Subestações Associadas Conclusões do Empreendimento 1/1 Índice 12 - Conclusões... 1 Índice 1/1 12 - ATE XXII A Linha de Transmissão (LT) 500 kv Marimbondo II Campinas e Subestações Associadas é um empreendimento da ATE XXII Transmissora de Energia S.A a ser

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA (Estudo Prévio) I. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Orientações para a Tipologia de Intervenção Melhoria da Eficiência Energética em Habitações de Famílias de Baixos Rendimentos no âmbito de Intervenções

Leia mais

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia

Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia Informações Básicas para Licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS Licença Prévia SMAMA DDRGA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de

Leia mais

Oikos - Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria

Oikos - Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria Contributos da Oikos - Associação de Defesa do Ambiente e do Património da Região de Leiria Relativamente ao EIA do IC9, EN1/Nó de Fátima (A1) e Variante à EN243 em Porto de Mós. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios Manteigas,27 de Abril 2011 Seminário de Encerramento do Projecto EEAGrants Rui Almeida EIXOS ESTRATÉGICOS DO PLANO NACIONAL

Leia mais

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto)

TEXTO INTEGRAL. Artigo 1.º (Objecto) DATA : Segunda-feira, 16 de Julho de 1990 NÚMERO : 162/90 SÉRIE I EMISSOR : Ministério da Indústria e Energia DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 232/90 SUMÁRIO: Estabelece os princípios a que deve obedecer

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Identificação Designação do Projecto: Tipologia de Projecto: Localização: Proponente: Entidade licenciadora: Autoridade de AIA: Hotel de Apartamentos da Praia dos Moinhos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5 1 - a) Projeto de instalação com o conteúdo previsto no n.º 2; b) Pagamento da taxa que for devida nos termos do regime de exercício da atividade industrial; c) Identificação da decisão sobre o pedido

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Programa de Execução e Plano de Financiamento Janeiro 2014 PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJECTIVOS DO PP... 2 2.1 Objectivos

Leia mais

Biomas e formações vegetais mundiais

Biomas e formações vegetais mundiais Biomas e formações vegetais mundiais Bioma é uma comunidade biológica, ou seja, a fauna e a flora e suas interações entre si e com o ambiente físico, o solo, a água, o ar. O bioma da Terra compreende a

Leia mais

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos;

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos; 1. Medida 3.5.: Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Ambiental e do Ordenamento 2. Descrição Esta medida contempla o apoio aos investimentos a realizar nos domínios do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Neste grupo inclui-se, o fornecimento dos meios e dos equipamentos explicitamente incluídos no contrato, e necessários ao apoio logístico

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Nota Justificativa A beneficiação e promoção dos pequenos espaços do domínio público

Leia mais

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP Diretrizes para apresentação projeto licenciamento Licença Prévia LP A documentação técnica abaixo relacionada ve servir para análise e posterior emissão ou inferimento Licença Prévia - LP. A documentação

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO Novembro 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º Objectivo e Âmbito Territorial... 3 Artigo 2.º Relação com Outros Instrumentos de Gestão

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL

DECLARAÇÃO AMBIENTAL C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S DECLARAÇÃO AMBIENTAL Atento ao parecer das entidades consultadas e às conclusões da Consulta Pública, relativos ao procedimento de Avaliação Ambiental Estratégica

Leia mais

A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético:

A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético: A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético: O Caso do Planeamento das Redes de Transporte de Electricidade 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes Vila Real 20 de Outubro de 2010 Autores:

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE ARTIGO 1. (OBJECTO) O exercício da publicidade e propaganda comercial rege-se pelas disposições do presente regulamento. ARTIGO 2.

Leia mais

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA Pós-avaliação AIA As fases da AIA no DL 69/2000 Selecção dos projectos Definição do âmbito Consulta pública Elaboração do EIA Apreciação técnica do EIA Consulta pública Decisão DIA Pós-avaliação Consulta

Leia mais

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 1. INTRODUÇÃO O presente termo de referência visa subsidiar a análise dos impactos ambientais

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

AUTO DE APREENSÃO DE BENS MÓVEIS

AUTO DE APREENSÃO DE BENS MÓVEIS Insolvencia: ESTAÇÃO DE SERVIÇO J. MEIRELES FILHOS LDA ADMINISTRADOR JUDICIAL: Dr. Francisco José Areias Duarte AUTO DE APREENSÃO DE BENS MÓVEIS Retificado No âmbito da delegação de funções, previstas

Leia mais

MANIFESTO VERDE. Açores Sustentáveis. Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores. Eleições para a Assembleia Legislativa

MANIFESTO VERDE. Açores Sustentáveis. Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores. Eleições para a Assembleia Legislativa Eleições para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos AÇORES MANIFESTO VERDE Uma Voz Ecologista na Assembleia Legislativa dos Açores Pela Produção e Consumo de Produtos Locais e Regionais Pela

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Freguesia CAMPO E SOBRADO Concelho VALONGO GPS 41.181981, -8.473370 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2013

Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2013 Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2013 CONTEÚDOS 23 de setembro 1923, atribuição ao observatório da Horta do nome de Príncipe Alberto de Mónaco. 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

COLINA DO SAL, Lda. Estudo de Impacte Ambiental do Marinhas Parque Hotel. Projecto de Execução Resumo Não Técnico 08033PEAB00RL1

COLINA DO SAL, Lda. Estudo de Impacte Ambiental do Marinhas Parque Hotel. Projecto de Execução Resumo Não Técnico 08033PEAB00RL1 COLINA DO SAL, Lda. Estudo de Impacte Ambiental do Marinhas Parque Hotel Projecto de Execução Resumo Não Técnico 08033PEAB00RL1 2008/033 30 de Novembro 2009 COLINA DO SAL, Lda. MARINHAS PARQUE HOTEL ESTUDO

Leia mais

Site Assessment. Carta Militar n.º Local: Solar. Data: 22-09-2010 Responsável: Check SIM / NÃO Descrição N. Check SIM / NÃO Descrição

Site Assessment. Carta Militar n.º Local: Solar. Data: 22-09-2010 Responsável: Check SIM / NÃO Descrição N. Check SIM / NÃO Descrição Ilha antiago Tecnologia Achada da Ponta Bomba Data: 22-09-2010 Responsável: /CG º Código T.2 POTECIAL DO RECURO EÓLICO Tem medições Check IM / ÃO Descrição Há extrapolações possíveis Há mesoescala Estudo

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE72617225 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (EXISTENTE) Morada / Localização Rua

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos)

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos) ! " Capítulo I Introdução Geral Capítulo II Antecedentes do Projecto Capítulo III Conformidade com a DIA Capítulo IV Planos de Monitorização Ambiental Capítulo V Conclusões ANEXOS TÉCNICOS BIBLIOGRAFIA

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO 1. Disposições gerais 1.1. De acordo com o Art.º 12 do Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública, publicado no Diário da República de 17 de Setembro de 1999 e no Edital Camarário

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução

Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Revisão do Plano Diretor Municipal de Carrazeda de Ansiães Fase 4 Plano Diretor Municipal Volume III Programa de Execução Janeiro 2015 E17093 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Freguesia BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO Concelho LAGOS GPS 37.157682, -8.742078

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Avaliação Ambiental Estratégica Recomendações para a integração e apreciação da Componente Saúde Humana nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Nº: 36/DA DATA:09.10.09 Para: Contacto

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 L 150/12 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 REGULAMENTO (CE) N.º 812/2004 DO CONSELHO de 26.4.2004 que estabelece medidas relativas às capturas acidentais de cetáceos no exercício das actividades

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais