Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira"

Transcrição

1 Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Região Hidrográfica do Tejo Ribeiras do Oeste Gabriela Moniz e Francisco Reis Torres Vedras, 11 de Dezembro de 2009

2 Administrações das Regiões Hidrográficas - ARH No dia 1 de Outubro de 2008 entraram em funcionamento as Administrações de Região Hidrográfica às quais competem atribuições de gestão das águas, no âmbito do respectivo planeamento, licenciamento e fiscalização na respectiva circunscrição territorial de actuação: ARH do Norte RH Minho e Lima; RH Cávado, Ave e Leça; RH Douro. ARH do Centro RH Vouga, Mondego, Lis e Ribeiras do Oeste. ARH do Tejo RH Tejo. ARH do Alentejo RH Sado e Mira; RH Guadiana. ARH do Algarve: RH Ribeiras do Algarve Espanha

3 Área de jurisdição da ARH do Tejo, I.P. Administração da Região Hidrográfica do Tejo, I.P. : Região Hidrográfica do rio Tejo Ribeiras do Oeste por protocolo com a ARH do Centro, I.P. Portugal ARH do Tejo Área (km2) (31 %) População (39 %) Número de concelhos (39 %) Frente litoral (km) (32 %) Número de zonas balneares (32 %)

4 Orla Costeira Porção de território onde o mar coadjuvado pela acção eólica, exerce directamente a sua acção e que se estende, a partir da margem até 500m, para o lado de terra e até à batimétrica dos 30m. Linha de base DQA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ÁGUAS SUPERFICIAIS: INTERIORES e de 50 m FAIXA TERRESTRE DE PROTECÇÃO 2 Km ÁGUAS COSTEIRAS 1M 12M DOMÍNIO PÚBLICO MARÍTIMO DOMINIO PRIVADO 500 m TRANSIÇÃO ÁGUAS TERRITORIAIS LMPMAVE MARGEM das águas do mar - 30 m LEITO FAIXA MARÍTIMA DE PROTECÇÃO ORLA COSTEIRA abrangida pelos POOC ZONA COSTEIRA 12M

5 Planos de Ordenamento da Orla Costeira POOC 4 Planos de Ordenamento da Orla Costeira em vigor: Ovar Marinha Grande (parcialmente) Alcobaça Mafra (na totalidade) Sintra - Sado (parcialmente) Cidadela - S. Julião da Barra (na totalidade) Concelhos abrangidos: Marinha Grande, Alcobaça, Nazaré, Caldas da Rainha, Óbidos, Peniche, Lourinhã, Torres Vedras, Mafra, Sintra, Cascais, Almada, Sesimbra 1 Plano de Ordenamento de Estuário (POE): POE Estuário do Tejo - a iniciar

6 POOC da 1.ª Geração Contexto Transitam as competências de gestão do Domínio Público Marítimo nas áreas sem interesse portuário para o ministério que tutela o Ambiente (1992) Necessário definir regras de atribuição de usos privativos do DPM para implantação de infra-estruturas e equipamentos de apoio à utilização das praias. E restante orla costeira Criada a figura de POOC. Instrumentos supletivos com objectivos de interesse nacional, que estabelecem regimes de salvaguarda de recursos e valores naturais e o regime de gestão compatível com a utilização sustentável do território (1993) POOC planos a 2 escalas: ordenamento à 1: e implementação /gestão dos usos das praias balneares à 1:2.000 com indicações para projecto Praia da Peralta Lourinhã e Praia da Duquesa - Cascais

7 POOC da 1.ª Geração Objectivos dos POOC Ordenar os diferentes usos e actividades específicas Classificar as praias e regulamentar o uso balnear Valorizar e qualificar as praias consideradas estratégicas por motivos ambientais e turísticos Enquadrar o desenvolvimento de actividades específicas da orla costeira Assegurar a conservação da natureza Extracto do Plano de Praia da Lagoa de Albufeira - POOC Sintra - Sado

8 Avaliação Contexto actual Decorreram mais de 10 anos sobre a elaboração dos POOC em vigor Maior enfoque á gestão holística das águas - novo paradigma do ordenamento e gestão da orla costeira reconhecendo-se o papel fundamental dos sistemas fluviais e das suas bacias hidrográficas (DQA) Criação das Administrações de Região Hidrográfica com a missão de proteger e valorizar as componentes ambientais das águas, e de proceder à gestão sustentável dos recursos hídricos. Com competências de elaboração de: - Planos de gestão de região hidrográfica; - Planos de ordenamento da orla costeira; - Planos de ordenamento dos estuários Melhor Enquadramento Estratégico. Publicadas: Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da Zona Costeira e Estratégia Nacional para o Mar Em elaboração o Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo Em início os Planos de Ordenamento de Estuários

9 Avaliação Contexto actual dos IGT PROT OVT entretanto publicado (RCM n.º 64-A/2009, de 6 de Agosto), estabelece um conjunto de condicionamentos específicos à ocupação da orla costeira, designadamente, em espaços agrícolas e espaços naturais, remetendo ainda para sede de elaboração/revisão dos POOC a aferição dos perímetros urbanos em função de regimes de salvaguarda PROT da Área Metropolitana de Lisboa, em alteração, consagra como um dos seus objectivos fundamentais a contenção da expansão da área metropolitana de Lisboa em especial sobre o litoral e sobre áreas de maior valor ambiental Plano do Parque Natural de Sintra Cascais é mais restritivo que o POOC Sintra Sado para determinadas áreas da sua abrangência, havendo que proceder à respectiva compatibilização Em elaboração o Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo Em início o Plano de Ordenamento do Estuário do Tejo Em início o Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo e o Plano de Bacia Hidrográfica das Ribeiras do Oeste

10 Planos de Ordenamento da Orla Costeira em vigor POOC Ovar Marinha Grande (RCM nº 142/2000, de 20 de Outubro) - Elaborado pelo INAG, I.P. - Revisão para a área de jurisdição da ARH do Centro I.P. cometida ao INAG, I.P. (Despacho SEOTC nº 22400/2009, publicado no DR 2ª série, 9 de Outubro) - A área da ARH do Tejo, I.P. abrange, no concelho da Marinha Grande, apenas o troço a sul da praia da Vieira A implementação deste POOC, incluindo as competências em matéria de licenciamento e fiscalização esteve, até 1 de Outubro de 2008, incumbida à CCDR do Centro

11 Planos de Ordenamento da Orla Costeira em vigor POOC Alcobaça - Mafra (RCM nº 11/2002, de 17 de Janeiro) - Elaborado pelo INAG, I.P. - A área abrangida pelo Plano encontra-se na totalidade incluída na ARH do Tejo, I.P. a qual sucedeu à CCDR LVT, na respectiva implementação - Na implementação deste POOC foi identificado um conjunto de aspectos que dificultam a concretização de medidas nele consignadas e que justificam a ponderação das opções do Plano - O PROT OVT entretanto publicado estabelece um conjunto de condicionamentos específicos à ocupação da orla costeira 500 m

12 Planos de Ordenamento da Orla Costeira em vigor POOC Sintra - Sado (RCM nº 86/2003, de 25 de Junho) - Elaborado pelo ICNB, I.P. -A área deste Plano encontra-se incluída na ARH do Tejo, I.P., desde a ribeira do Falcão, a norte, até ao Cabo Espichel, a sul. Do Cabo Espichel ao Outão, a área deste POOC está incluída na ARH do Alentejo I.P. - A coordenação da implementação deste plano esteve cometida ao ICNB, I.P., até dia 1 de Outubro de 2008, atentas as competências em matéria de licenciamento e fiscalização que se encontravam atribuídas àquele instituto - O ICNB, I.P. identificou alguns constrangimentos à implementação deste plano, designadamente no que se refere aos planos de praia - A CCDR LVT entendeu que haveria que reavaliar as faixas de salvaguarda do risco atendendo nomeadamente à situação do troço de costa da praia de S. João da Caparica

13 Planos de Ordenamento da Orla Costeira em vigor POOC Cidadela Forte de São Julião da Barra (RCM nº 123/98, de 19 de Outubro) - Elaborado pelo INAG, I.P. - A área deste plano encontra-se na totalidade incluída na ARH do Tejo, I.P., a qual sucedeu à CCDR LVT, na respectiva implementação - Foi ultrapassado o prazo de vigência de 10 anos deste POOC, devendo o mesmo ser revisto - Foi elaborado um relatório de avaliação da adequação e concretização do plano, tal como previsto na legislação em vigor para apoiar a revisão a efectuar

14 Avaliação dos POOC FONTE: adaptado de Marcus Pollete (2006) a partir de Olsen & Ochoa (2006) Enquadrar a possibilidade de elaborar um único POOC, abrangendo a totalidade da orla costeira da ARH do Tejo, I.P.

15 Avaliação dos POOC de 1.ª Geração Aspectos Negativos Défice de enquadramento estratégico Elevada rigidez, não permitindo flexibilidade para a gestão Não foi efectuada uma abordagem integrada das águas interiores, estuarinas e costeiras e dos ecossistemas associados Diferentes tipologias e maturidade dos vários POOC conduziu à falta de harmonização no ordenamento e na gestão dos respectivos troços costeiros Excessiva valorização e dependência do zonamento de usos em detrimento de regimes de salvaguarda para apoio à gestão Défice de informação, de conhecimento e de capacitação técnica Alguma desadequação das propostas definidas face à situação existente Na implementação regista-se por vezes défice de articulação entre entidades

16 Avaliação dos POOC de 1ª Geração - Aspectos Positivos Planos específicos para as questões do litoral, com uma abordagem transversal do território. multidisciplinar inter- instituições Definição de regras claras de ocupação para a salvaguarda de sistemas e valores naturais Reconhecimento do Domínio Hídrico como bem público Inversão, nalguns casos, de tendências de ocupação indevida

17 Avaliação dos POOC de 1ª Geração - Aspectos Positivos Programação de intervenções de ordenamento, de gestão de risco e de reabilitação de áreas degradadas e requalificação de áreas de uso balnear apoios e equipamentos de Praia, acessos e estacionamentos Aumento do conhecimento técnico e científico relativo à situação existente e sistematização de informação Aumento da sensibilização da sociedade em geral e aumento da sua exigência

18 2.ª Geração de POOC Trabalhos Preparatórios e Contributos Realização de Sessões de debate e reflexão (a 1ª em Lisboa a 11 de Setembro de 2009, a 2ª em Torres Vedras a 11 de Dezembro de 2009, estando prevista a realização de uma terceira com representantes de concessionários, associações de defesa do ambiente, projectistas de planos de praia e apoios de praia, etc...) Cartografia da linha de máxima preia-mar de águas vivas equinociais (linha limite do leito das águas do mar), da crista das arribas, bem como da respectiva margem - adjudicada a entidade externa - conclusão prevista para Agosto de 2010 Avaliação dos POOC da área de jurisdição da ARH do Tejo, I.P. e definição de objectivos e conteúdos para a sua revisão - Adjudicada a entidade externa conclusão prevista para Abril de 2010

19 2.ª Geração de POOC Trabalhos Preparatórios e Contributos Estratégia para Protecção e Valorização do Litoral Região Hidrográfica do Tejo e Ribeiras do Oeste - publicação da ARH do Tejo I.P., Junho 2009 Documentos de estratégia em elaboração: Uma Estratégia para cada um dos 13 concelhos da orla costeira Promoção de parcerias com autarquias para uma gestão partilhada das áreas litorais gestão do risco e delegação de competências de licenciamento e fiscalização de apoios de praia Desenvolvimento e implementação de um Sistema de Monitorização do Litoral da ARH do Tejo, I.P. - Concurso Público Internacional em fase de apreciação de propostas

20 2.ª Geração de POOC Trabalhos Preparatórios e Contributos A orla costeira da ARH do Tejo, I.P. apresenta características a que se associa risco significativo para pessoas e bens, questão esta estruturante na definição de opções de uso e ocupação do território Urge assim a permanente monitorização da evolução dos sistemas costeiros e do risco associado à sua utilização, assim como a implementação de medidas em função dos resultados da monitorização e estudos desenvolvidos

21 2.ª Geração de POOC Trabalhos Preparatórios e Contributos Gestão de Risco

22 2.ª Geração de POOC Trabalhos Preparatórios e Contributos Gestão de Risco Medida TIPO A Medida TIPO B Colocação ou reposição imediata de sinalização Delimitação física de zonas de risco elevado na de perigo na base e no topo das arribas base e no topo das arribas

23 2.ª Geração de POOC Trabalhos Preparatórios e Contributos Gestão de Risco Medida TIPO D Medida TIPO C Realização de operações de saneamento de blocos instáveis e Interdição de sectores de praia ou arriba (estacionamentos, reperfilamento dos perfis das arribas acessos, passeios pedonais, estradas)

24 POOC de 2.ª Geração - Oportunidades e Desafios Enquadrado numa visão estratégica nacional e na harmonização de métodos e resultados prosseguidos Mais transparente e participado, no processo de elaboração e no de implementação Mais integrador e de abordagem ecossistémica Que assuma a vocação de ordenamento da faixa marítima Mais rigoroso nas metodologias e meios utilizados Que integre o melhor conhecimento técnico e científico, sobretudo no que se refere ao meio hídrico e respectivas trocas entre os sistemas interiores e os costeiros, e identifique os usos e actividades com impactes negativos significativos em cada um dos sentidos

25 POOC de 2.ª Geração - Oportunidades e Desafios Mais dinâmico e flexível de forma a permitir uma gestão adaptativa, nomeadamente com recurso a programas de monitorização dos sistemas e a programas de monitorização da implementação do plano, que permita midentificar a necessidade de o alterar ou rever Dotado de um conjunto de ferramentas (zonamento, regulamentação, planos de acção, planos de contingência, avaliações de incidências ambientais, ) que acautelem efeitos das pressões sobre os sistemas e recursos naturais Sede privilegiada para a promoção de parcerias com entidades públicas e privadas com vista à gestão da orla costeira Sede de programação partilhada das acções, que se pretendem exequíveis, avaliáveis e adaptáveis, e de coordenação da sua implementação

26 POOC de 2ª Geração - Oportunidades e desafios Promover uma mudança tranquila de evolução na continuidade do trabalho anteriormente efectuado

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE CASCAIS Área do Concelho de Cascais 97,1km 2 Parque Natural de Sintra-Cascais ocupa 33 km 2 Nº de habitantes 205 117 O MAR

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES Secretariado Técnico ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto

Leia mais

A Visão do Município de Cascais

A Visão do Município de Cascais A Visão do Município de Cascais Presente e Futuro Do Ordenamento da Orla Costeira Sessão de Debate sobre os Planos da Orla Costeira ARH do Tejo I.P. Torres Vedras - 11 de Dezembro de 2009 CASCAIS Município

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA. POOC SintraSado no. Concelho de Sesimbra

PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA. POOC SintraSado no. Concelho de Sesimbra PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA POOC SintraSado no Concelho de Sesimbra POOC Sintra / Sado no Concelho de Sesimbra 1 - O litoral de Sesimbra 2 - A elaboração do Plano 3 - A publicação e o Plano

Leia mais

Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal

Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal João Ferrão* Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades Planeamento e ordenamento costeiro em Portugal 109 Portugal tem uma extensa zona costeira, comparativamente com a sua área geográfica,

Leia mais

O Programa de Acção Territorial do Escarpão

O Programa de Acção Territorial do Escarpão O Programa de Acção Territorial do Escarpão João Telha CEDRU - Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, Lda Seminário Indústria Extractiva Ordenamento Territorial e Licenciamento de Pedreiras

Leia mais

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014 O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo Abril, 2014 Porquê uma nova Lei? 1. A atual Lei de Solos data de 1976, encontra-se obsoleta face à atual conjuntura socioeconómica

Leia mais

Prioridades para o Litoral 2007-2013

Prioridades para o Litoral 2007-2013 Prioridades para o Litoral 2007-2013 Modelo de Coordenação Estratégica Despacho nº 6043/2006, de 14 de Março, do Senhor Secretário de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades, define um modelo

Leia mais

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação TIPIFICAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE RISCO NA ORLA COSTEIRA NAS ILHAS DOS AÇORES Planeamento e Ordenamento nas Zonas Costeiras Ana Maria Morais BARROCO Arqt.ª Paisagista, Quaternaire Portugal; +351213513200, abarroco@quaternaire.pt

Leia mais

Estoril Um caso de Sucesso

Estoril Um caso de Sucesso Estoril Um caso de Sucesso Les Esturiales Bureau Meeting - Lisboa, 11 Maio/2007 Fundação Cidade Lisboa Os Concelhos da Área Metropolitana de Lisboa Mafra Loures Sintra Odivelas Amadora Cascais Oeiras Lisboa

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

Ciência Viva no Verão

Ciência Viva no Verão Ciência Viva no Verão Participação da Agência Portuguesa do Ambiente 1/10 1. Ciência Viva no Verão A Ciência Viva no Verão é uma iniciativa da Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica que

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC Alcobaça Mafra.

Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC Alcobaça Mafra. MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL NOTA TÉCNICA Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear MEDAO-SUPERTUBOS Código da Água Balnear PTCF2K Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007

2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 2856 Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 Portaria n. o 530/2007 de 30 de Abril O Decreto-Lei n. o 136/2007, de 27 de Abril, definiu a missão e as atribuições do Instituto da Conservação

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Bases para a Estratégia de Gestão Integrada da Zona Costeira Nacional

Bases para a Estratégia de Gestão Integrada da Zona Costeira Nacional Bases para a Estratégia de Gestão Integrada da Zona Costeira Nacional Projecto de Relatório do Grupo de Trabalho Fernando Veloso Gomes (coordenador) Ana Barroco Ana Ramos Pereira Carlos Sousa Reis Helena

Leia mais

Perfil de Água Balnear do Castelo

Perfil de Água Balnear do Castelo Perfil de Água Balnear do Castelo Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear CASTELO Código da Água Balnear PTCV2T Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Reconhecimento de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens

Reconhecimento de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens RECURSOS HÍDRICOS Domínio Público Hídrico de Propriedade Privada sobre terrenos nas margens Dra. Águeda Silva (Eng.ª Fernanda Ambrósio e Eng.º João Pedro Martins) Seminário Gestão das margens das linhas

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

REQUALIFICAÇÃO DE RIBEIRAS COSTEIRAS NO ÂMBITO DE UMA ESTRATÉGIA PARA A PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO, I.P.

REQUALIFICAÇÃO DE RIBEIRAS COSTEIRAS NO ÂMBITO DE UMA ESTRATÉGIA PARA A PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO, I.P. Recursos Hídricos /// Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos /// Volume 32# 01 REQUALIFICAÇÃO DE RIBEIRAS COSTEIRAS NO ÂMBITO DE UMA ESTRATÉGIA PARA A PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO LITORAL NA ÁREA DE

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO Áreas de reabilitação urbana, Planos de pormenor de reabilitação urbana, Programas de Acção Territorial Outros instrumentos 1. Os elementos essenciais

Leia mais

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA)

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) WORKSHOP Análise e Monitorização Química do Estado da Água Perspectivas para os Laboratórios Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) Directiva das Águas Subterrâneas Decreto Lei nº 208/2008 Implementação

Leia mais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais Sumário Atribuições e competências dos vários níveis de Competências e financiamento das Autarquias locais Níveis de administração Administração Central/Nível Nacional Administração Local/Nível Municipal

Leia mais

INTERVENÇÃO DE REQUALIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA RIA FORMOSA PLANO ESTRATÉGICO ÍNDICE

INTERVENÇÃO DE REQUALIFICAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA RIA FORMOSA PLANO ESTRATÉGICO ÍNDICE ÍNDICE Sumário Executivo...4 1 Introdução...9 2 Área de intervenção delimitação e caracterização...11 2.1 I Área de intervenção delimitação... 12 2.2 Enquadramento jurídico administrativo... 15 2.2.1 Domínio

Leia mais

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN Portalegre 7 de Julho de 2015 1 RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL DELIMITAÇÃO DE ACORDO COM O NOVO REGIME JURÍDICO Resolução do Conselho de Ministros n.º

Leia mais

Implementação do Web SIG para o PGRH

Implementação do Web SIG para o PGRH Implementação do Web SIG para o PGRH ARH Centro, I.P. Requisitos do Sistema Ref.: 30/11/2010 FICHA TÉCNICA Referência: Projecto: Implementação do Web SIG para o PGRH Gestor de Projecto: Miguel Rodrigues

Leia mais

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha

Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Perfil de Água Balnear da Fonte da Telha Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear FONTE DA TELHA Código da Água Balnear PTCX7L Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

Ministério d DL 302/2008

Ministério d DL 302/2008 DL 302/2008 O regime jurídico de protecção das albufeiras de águas públicas de serviço público foi inicialmente consagrado no -Lei 502/71, de 18 de Novembro, com o objectivo de assegurar a harmonização

Leia mais

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE

VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE VISÃO ESTRATÉGICA PARA PENICHE II Convenção Sou de Peniche A. Oliveira das Neves 13 de Junho de 2008 ÍNDICE A. OBJECTIVOS DA MAGNA CARTA PENICHE 2025 B. DOCUMENTOS DE TRABALHO C. INTEGRAÇÃO REGIONAL A

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO PONTO DE SITUAÇÃO DO PROCESSO OBJECTIVOS

Leia mais

Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro

Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro BRAVO, Nuno; SEABRA, Cristina; SILVA, Leonor Resumo No âmbito das suas competências, estabelecidas

Leia mais

2ª FASE - AVALIAÇÃO DOS POOC NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO

2ª FASE - AVALIAÇÃO DOS POOC NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA ARH DO TEJO 0 310 620 155 Kilometers Legenda Área de Intervenção do POOCcidadela de Cascais - Forte de S. Julião da Barra Figura 78: Âmbito territorial do POOC Cidadela S. Julião da Barra (a escala de representação

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Este documento serve de apoio à utilização das Plataformas de Consulta do Projecto SPOTIA - Orientações de política territorial sustentável e avaliação

Leia mais

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade Conferência Nacional do projeto SUSTAIN Promover a Sustentabilidade Local das Comunidades Costeiras A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

Leia mais

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I CI.IM006.6.20121030 Estratégia de Sustentabilidade Zona Costeira de Cascais Zona Costeira de Cascais Parque Natural Sintra Cascais 15 praias balneares 17 praias monitorizadas permanentemente ZIBA Zona

Leia mais

Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro. Estabelece o quadro de transferência de atribuições e competências para as autarquias locais CAPÍTULO I

Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro. Estabelece o quadro de transferência de atribuições e competências para as autarquias locais CAPÍTULO I Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro Estabelece o quadro de transferência de atribuições e competências para as autarquias locais A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Workshop - Regulamentação da cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Luis Rebolo ESTRUTURA DA

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água no Mundo Como pode a PPA contribuir para uma melhor consolidação.

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA 7 Volume I Relatório

REGIÃO HIDROGRÁFICA 7 Volume I Relatório REGIÃO HIDROGRÁFICA 7 Volume I Relatório Parte 7 Sistema de Promoção, de Acompanhamento, de Controlo e de Avaliação t09122/02 Jun 2011; Edição de Fev 2012 (após Consulta Pública) Co-financiamento Planos

Leia mais

Praia da Sereia. Identificação da Água Balnear. Fotografia. Localização Geográfica e Administrativa da Água Balnear. Perfil de Água Balnear

Praia da Sereia. Identificação da Água Balnear. Fotografia. Localização Geográfica e Administrativa da Água Balnear. Perfil de Água Balnear Praia da Sereia Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear SEREIA Código da Água Balnear PTCT3K Ano de Designação 2004 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica Mesotidal Moderadamente

Leia mais

FÓRUM CIDADE GRUPO 8

FÓRUM CIDADE GRUPO 8 FÓRUM CIDADE GRUPO 8 UMA NOVA POLÍTICA URBANA Durante os doze anos (1990/2001) que esteve à frente dos destinos de Lisboa, a coligação liderada pelo Partido Socialista demonstrou uma vitalidade e uma capacidade

Leia mais

Hidrografia e Litoral

Hidrografia e Litoral Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Hidrografia e Litoral João Silva Natália Cunha Ana Müller Lopes Manuela

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA R RAM - INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES OBRAS MARÍTIMAS INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES

ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA R RAM - INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES OBRAS MARÍTIMAS INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES ANEXO B APÊNDICE 3 ADENDA R RAM - INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES OBRAS MARÍTIMAS INFRAESTRUTURAS, USOS E ATIVIDADES Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-3-R-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020

Leia mais

Plano de Ordenamento da Albufeira do ERMAL

Plano de Ordenamento da Albufeira do ERMAL www.dhv.pt Plano de Ordenamento da Albufeira do ERMAL Relatório Maio 2010 E17109 Fase 3 Volume III Programa de Execução DHV, S.A. Estrada de Alfragide, nº 92 Alfragide 2610-015 Amadora - PORTUGAL T +351

Leia mais

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE

PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PARTE COMPLEMENTAR A RELATÓRIO AMBIENTAL Agosto 2012 PLANO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DAS RIBEIRAS DO OESTE PARTE COMPLEMENTAR A RELATÓRIO AMBIENTAL

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Gerência de Gestão Portuária Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuária Trata-se de um processo contínuo e adaptativo, envolvendo condicionantes ambientais,

Leia mais

LEI DA ÁGUA (Lei nº 58/2005) E LEI DA TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS (Lei nº 54/2008) António Gonçalves Henriques 1

LEI DA ÁGUA (Lei nº 58/2005) E LEI DA TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS (Lei nº 54/2008) António Gonçalves Henriques 1 LEI nº 58/2005 LEI DA ÁGUA, 29/12 LEI nº 54/2005 TITULARIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS, 15/11 António Gonçalves Henriques António Gonçalves Henriques 1 Lei nº 54/2005 Âmbito: águas, leitos e margens, zonas

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77 2.7 síntese de diagnóstico A síntese de diagnóstico perspectiva desenhar a realidade insular de Santa Maria materializada em indicadores-chave, permitindo estabelecer a situação de referência no que concerne

Leia mais

SESSÃO DE DEBATE PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA

SESSÃO DE DEBATE PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA SESSÃO DE DEBATE PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE - CONTRIBUTOS Torres Vedras 11 de Dezembro de 2009 Helena Godinho ÍNDICE Introdução Apresentação das Praias Balneares

Leia mais

DISPONIBILIZAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO NA INTERNET. Investimento Elegível: 52.031,42 Comparticipação FEDER: 31.

DISPONIBILIZAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO NA INTERNET. Investimento Elegível: 52.031,42 Comparticipação FEDER: 31. DISPONIBILIZAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO NA INTERNET Tipologia 01.0526 Sistema de Apoio à Modernização Administrativa Beneficiário: Globalgarve, Cooperação e desenvolvimento,

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 92/XII/1.ª

Projecto de Resolução n.º 92/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Resolução n.º 92/XII/1.ª Recomenda ao Governo a revisão, com carácter de urgência, do Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano

Leia mais

Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água

Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água Fernanda Gomes Divisão de Planeamento Instituto da Água 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 2. ESTRUTURA DO RELATÓRIO DAS QUESTÕES SIGNIFICATIVAS 3. PARTICIPAÇÃO PÚBLICA 2/37 3/37 Directiva Quadro da Água A Directiva

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Gerência de Gestão Portuária Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuária Trata-se de um processo contínuo e adaptativo, envolvendo condicionantes ambientais,

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

ARRANQUE DO SEGUNDO CICLO DE PLANIFICAÇÃO HIDROLÓGICA EM PORTUGAL NO CONTEXTO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA (*)

ARRANQUE DO SEGUNDO CICLO DE PLANIFICAÇÃO HIDROLÓGICA EM PORTUGAL NO CONTEXTO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA (*) ARRANQUE DO SEGUNDO CICLO DE PLANIFICAÇÃO HIDROLÓGICA EM PORTUGAL NO CONTEXTO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA (*) No sentido de contribuir para a avaliação do arranque do segundo ciclo de planeamento das águas

Leia mais

De quem é a água? Quem tem direito a u%lizá- la? Em que condições? Quem tem prioridade na sua u%lização?

De quem é a água? Quem tem direito a u%lizá- la? Em que condições? Quem tem prioridade na sua u%lização? Polí%cas de Ambiente Polí%cas de Ambiente em Portugal Polí%ca Nacional da Água e Convenção de Albufeira para os Rios Luso- Espanhois Francisco Nunes Correia IST, Ano Lec%vo 2010/2011 Questões primordiais

Leia mais

RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS QUESTÕES DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I.

RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS QUESTÕES DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I. DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I.P; DPP Coimbra, 28 de Setembro de 2010 NOTA EXPLICATIVA No contexto do processo de avaliação

Leia mais

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos;

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos; 1. Medida 3.5.: Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Ambiental e do Ordenamento 2. Descrição Esta medida contempla o apoio aos investimentos a realizar nos domínios do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento

Leia mais

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Porto, 1 de Outubro de 2009 António Viana 2 Plano da Apresentação Missão OESF 2006 Investimentos 2009-2013 3 Missão da REFER Proporcionar ao mercado

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Investimento Adjudicado 2007-2009

Investimento Adjudicado 2007-2009 Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário Investimento Adjudicado 2007-2009 Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Memorando de apoio à audição parlamentar de 24 Março de 2010 NOTA

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

O planeamento dos recursos hídricos em Portugal e o segundo ciclo dos planos de gestão de região hidrográfica

O planeamento dos recursos hídricos em Portugal e o segundo ciclo dos planos de gestão de região hidrográfica O planeamento dos recursos hídricos em Portugal e o segundo ciclo dos planos de gestão de região hidrográfica Evelyn Zucco a), Francisco Costa b) a) Universidade do Minho, Portugal, evelynzucco@gmail.com

Leia mais

SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral

SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral João HERDEIRO 1, Marisa SILVA 1 e Paulo PATRÍCIO 1 1 Direção-Geral do Território, Portugal (ajherdeiro@dgterritorio.pt; marisas@dgterritorio.pt; ppatricio@dgterritorio.pt)

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Gabinete do Director-Geral Índice 1. Introdução 2. Perfil da DGOTDU como organização 3. Identificação das vulnerabilidades 4. Programa

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais