MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO GABINETE DA SECRETÁRIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DAS CIDADES Secretariado Técnico ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação Baseado no relatório de progresso de 15 de Junho de 2010

2 Enquadramento legal Com a publicação do Decreto-Lei n.º 166/2008, de 22 de Agosto que estabelece o regime jurídico da Reserva Ecológica Nacional (RJREN), a delimitação da Reserva Ecológica Nacional (REN) passa a compreender dois níveis: o estratégico e o operativo. O nível estratégico é concretizado através de orientações estratégicas de âmbito nacional e regional e de acordo com os critérios constantes do RJREN. O nível operativo é concretizado através da delimitação das áreas integradas na REN tendo por base as orientações estratégicas e de acordo com os critérios constantes do RJREN. As orientações estratégicas de âmbito nacional e regional compreendem as directivas e os critérios para a delimitação das áreas de REN a nível municipal e são acompanhadas de um esquema nacional de referência. O esquema nacional de referência inclui a identificação gráfica das principais componentes de protecção dos sistemas e processos biofísicos, dos valores a proteger e dos riscos a prevenir. As orientações estratégicas de âmbito nacional são elaboradas pela CNREN, com a colaboração das CCDR. As orientações estratégicas de âmbito regional são elaboradas pelas CCDR com a colaboração das ARH, em articulação com os municípios da área territorial abrangida. A CNREN e as CCDR coordenam os procedimentos de elaboração das orientações estratégicas de âmbito nacional e regional no sentido de assegurar a coerência dos respectivos conteúdos. As orientações estratégicas de âmbito nacional e regional são aprovadas por RCM. As orientações estratégicas de âmbito nacional e regional devem ser elaboradas no prazo de um ano contado a partir da data da tomada de posse da CNREN. Ponto de situação A CNREN criada pelo Decreto-Lei n.º 166/2008, de 22 de Agosto iniciou funções em 25 de Maio de Teve a sua 1.ª reunião ordinária no dia 26 de Maio de Na sua 2.ª reunião ordinária, realizada em 23 de Junho de 2009, foi apresentada por este secretariado técnico (STCNREN) uma proposta de metodologia e faseamento para a elaboração das orientações estratégicas de âmbito nacional que considera a necessária coordenação destas com o âmbito regional, onde se fundamenta o recurso a especialistas nos ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 2/11

3 diferentes domínios temáticos que interessam à REN e se apresentam propostas concretas de instituições de ensino superior públicas, com competências firmadas nos domínios pretendidos, a contratar para elaboração das orientações estratégicas de âmbito nacional e articulação com as orientações estratégicas de âmbito regional. Este documento foi levado ao conhecimento da Sra. Secretária de Estado do Ordenamento do Território e das Cidades em 20 de Janeiro de A metodologia e faseamento propostos foram aceites pela CNREN na sua 3.ª reunião ordinária, realizada em 28 de Julho de Porém, só em Setembro de 2009, perante a inexistência de propostas alternativas por parte dos membros da CNREN, este STCNREN pôde iniciar contactos com as diferentes instituições de ensino superior que havia proposto. Destes contactos, uma vez conseguido o acolhimento da proposta e após desenvolvimento dos procedimentos requeridos, existindo dotação orçamental que os suportasse, resultou a celebração dos seguintes contratos: 1. Fundação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FFCUL), para os domínios temáticos litoral e instabilidade de vertentes, em 27 de Novembro de 2009; 2. Instituto Superior Técnico (IST), para o domínio temático recursos hídricos subterrâneos, em 27 de Novembro de 2009; 3. Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT), para o domínio temático recursos hídricos superficiais, em 15 de Abril de 2010; e 4. Universidade de Évora (UE), para o domínio temático erosão hídrica do solo, para a articulação e integração global dos vários domínios temáticos e para a execução do esquema nacional de referência, em 31 de Maio de Os produtos contratados encontram-se sistematizados no anexo I. O faseamento dos trabalhos de elaboração das orientações estratégicas de âmbito nacional consta de quatro fases, cada uma das quais composta por um conjunto de tarefas. De salientar que a tarefa 2.3 é transversal a toda a fase 2. e que a fase 3 se sobrepõe parcialmente à fase 2. Sinteticamente, o faseamento que vem sendo prosseguido é o seguinte: Fase 1 Harmonização de definições e critérios de delimitação Tarefa 1.1. Harmonização de definições e critérios de delimitação para as várias tipologias de áreas integradas na REN; Tarefa 1.2. Análise e aprofundamento, por domínios temáticos do documento referido na tarefa anterior; ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 3/11

4 Tarefa 1.3. Validação pela CNREN do documento de harmonização de definições e critérios de delimitação para as várias tipologias de áreas integradas na REN. Fase 2 Elaboração das orientações estratégicas de âmbito nacional Tarefa 2.1. Elaboração de projecto de orientações estratégicas de âmbito nacional por domínios temáticos; Tarefa 2.2. Validação pela CNREN das orientações estratégicas de âmbito nacional por domínio temático; Tarefa 2.3. Acompanhamento da elaboração das orientações estratégicas de âmbito regional Tarefa 2.4. Articulação e integração das orientações estratégicas de âmbito nacional definidas por domínios temáticos; Tarefa 2.5. Validação pela CNREN do projecto de orientações estratégicas de âmbito nacional. Fase 3 Elaboração do esquema nacional de referência Tarefa 3.1. Projecto de representação espacial à escala nacional (continente) das principais componentes de protecção dos sistemas e processos biofísicos, dos valores a salvaguardar e dos riscos a prevenir; Tarefa 3.2. Validação pela CNREN dos projectos finais de orientações estratégicas de âmbito nacional e de esquema nacional de referência. Fase 4 Apresentação ao Governo do projecto de orientações estratégicas A 1.ª fase dos trabalhos encontra-se concluída após terem sido incorporados no documento Harmonização de definições e critérios de delimitação para as várias tipologias de áreas integradas na REN o resultado das análises críticas efectuadas pelos consultores e as considerações dos membros da CNREN e das CCDR, documentação disponível na plataforma colaborativa da CNREN e no CD anexo ao presente relatório. A validação do documento deveria ter ocorrido na reunião da CNREN de dia 13 de Abril de 2010 mas, não se tendo verificado quórum na parte reservada às orientações estratégicas, foi apenas realizada uma sessão de trabalho com os consultores, cuja presença havia sido solicitada pela própria CNREN. O documento final está disponível na plataforma colaborativa da CNREN e consta do CD anexo ao presente relatório. Não tendo sido feitas quaisquer considerações que o coloquem em causa, este STCNREN considera-o tacitamente validado. A conclusão da 1.ª fase só foi possível com a colaboração informal de parte dos consultores. Conforme resulta das respectivas cláusulas contratuais, a FFCUL e o IST concluíram e fizeram ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 4/11

5 a entrega formal do primeiro produto contratado ainda no decurso de 2009, a FCT só teve de formalizar a sua entrega no passado dia 30 de Abril e a UE tem por prazo final a data do presente relatório. Esta colaboração informal permitiu, também, que se tenha dado início aos trabalhos conjuntos em 29 de Janeiro de 2010, data da primeira reunião entre este STCNREN e todas as equipas de consultores. Desde essa data realizaram-se quatro reuniões de coordenação dos âmbitos nacional e regional (uma das quais como sessão de trabalho, por falta de quórum) e duas reuniões entre a CNREN e os consultores (uma das quais como sessão de trabalho, por falta de quórum), tal como seguidamente se explicita: 1. CNREN/Consultores/CCDR (1.ª reunião conjunta para apresentação das análises críticas e recolha de comentários das CCDR e CNREN), em 9 de Março de 2010; 2. STCNREN/Consultores/CCDR (litoral+instabilidade de vertentes+erosão hídrica do solo), em 25 de Março de 2010, a pedido das CCDR; 3. STCNREN/Consultores/CCDR (recursos hídricos superficiais e subterrâneos), em 8 de Abril, a pedido das CCDR; 4. CNREN/Consultores, em 13 de Abril, a pedido da CNREN (sessão de trabalho); 5. CNREN/Consultores/CCDR (2.ª reunião conjunta para apresentação das orientações estratégicas sectoriais e tomada de conhecimento do desenvolvimento das orientações estratégicas de âmbito regional), em 25 de Maio (sessão de trabalho). Não foram concluídas as intervenções dos consultores (a última passou para a reunião seguinte). As CCDR não tiveram oportunidade de apresentar as orientações estratégicas regionais, mas a CCDR Algarve deixou um documento que, segundo indicou, reúne o trabalho já realizado e apresenta uma estrutura acordada entre todas as CCDR, à excepção do ponto relativo ao esquema regional de referência. 6. CNREN/Consultores (última intervenção dos consultores), em 1 de Junho de Em 4 de Junho último realizou-se a segunda reunião STCNREN/Consultores. A 2.ª fase dos trabalhos encontra-se em curso. Foram já presentes à CNREN e às CCDR, em 20 e 21 de Maio últimos, relatórios provisórios contendo as orientações estratégicas por domínio temático (disponíveis na plataforma colaborativa da CNREN e no CD anexo ao presente relatório), estando acordada a entrega das versões finais para o próximo dia 18 de Junho. Foi, ainda, iniciada a componente de articulação e integração global, tendo sido presente à CNREN em 1 de Junho e disponibilizado às CCDR em 7 de Junho do corrente ano um quadro síntese (inserido na plataforma colaborativa da CNREN e no CD anexo ao presente relatório) ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 5/11

6 e, ainda, discutidos os contributos de cada equipa de consultores para a elaboração do esquema nacional de referência e iniciada a respectiva recolha. Além de outros, chegados a este STCNREN em momentos anteriores, esta 2.ª fase conta com inúmeros contributos e comentários, verbais e escritos. No anexo II encontra-se a lista dos documentos escritos recebidos nesta fase, indicando-se, para cada um, o assunto e a sua origem. Todos estão disponíveis na plataforma colaborativa da CNREN e no CD anexo a este relatório. No início do trabalho conjunto, em 29 de Janeiro deste ano, foi preparado e dado a conhecer aos consultores o calendário dos trabalhos que se apresenta seguidamente, prevendo-se, então, a finalização do projecto de orientações estratégicas de âmbito nacional em finais de Junho de 2010 e a sua apresentação ao Governo em Julho seguinte. Jan Fevereiro Março Abril Maio Junho Jul APROVAÇÃO 4 REUNIÕES CNREN REUNIÕES CCDR Recursos hídricos superficiais Análise crítica fundamentada às definições, funções e critérios 1.2 Elaboração das orientações estratégicas por tipologia de área Recursos hídricos subterrâneos Análise crítica fundamentada às definições, funções e critérios Elaboração das orientações estratégicas por tipologia de área Litoral e Instabilidade de vertentes Análise crítica fundamentada às definições, funções e critérios Elaboração das orientações estratégicas por tipologia de área Erosão hídrica do solo Análise crítica fundamentada às definições, funções e critérios 1.2 Elaboração das orientações estratégicas por tipologia de área Articulação e integração global Articulação de regimes e integração das várias áreas temáticas Esquema Nacional de referência Elaboração 3.1 Tarefas: 1.2. Análise e aprofundamento por domínios temáticos 1.3. Validação pela CNREN do documento de harmonização de definições e critérios de delimitação para as várias tipologias de áreas integradas na REN 2.1. Elaboração de projecto de orientações estratégicas de âmbito nacional por domínios temáticos 2.2. Validação pela CNREN das orientações estratégicas de âmbito nacional por domínio temático 2.3. Articulação entre orientações estratégicas de âmbito nacional e regional (colaboração e acompanhamento) 2.4. Articulação e integração das orientações estratégicas de âmbito nacional definidas por domínios temáticos 2.5. Validação pela CNREN do projecto de orientações estratégicas de âmbito nacional 3.1. Projecto de representação espacial à escala nacional (continente) das principais componentes de protecção dos sistemas e processos biofísicos, dos valores a salvaguardar e dos riscos a prevenir 3.2. Validação pela CNREN do projecto final de orientações estratégicas de âmbito nacional e de esquema nacional de referência 4. Apresentação ao Governo dos projectos de orientações estratégicas (nacional e regional) Calendário apresentado aos consultores na reunião de 29 de Janeiro de 2010 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 6/11

7 Porém, chegados à data actual, cerca de 5 meses após o início efectivo do trabalho, verificase a impossibilidade de cumprir o prazo definido à partida. As diferenças entre o então previsto e o realizado prendem-se, essencialmente, com o atraso no arranque da 2.ª fase, motivada por desfasamentos no início das colaborações; com a variedade de intervenientes e a dificuldade de acerto de calendários; e, sobretudo, com a complexidade e responsabilidade de que se reveste o trabalho, claramente demonstradas nas conclusões das análises críticas realizadas e das reuniões efectuadas. Para finalizar a 2.ª fase importa ver validadas pela CNREN, para além do documento de harmonização de conceitos e definições (tarefa 1.3), as orientações estratégicas por domínio temático (tarefa 2.2), bem como o projecto de orientações estratégicas de âmbito nacional a apresentar ao Governo (tarefa 3.2) e, entre uma e outra, continuar a coordenar com as CCDR os procedimentos de elaboração das orientações estratégicas de âmbito nacional e regional no sentido de assegurar a coerência dos respectivos conteúdos (tarefa 2.3). Importa, também, elaborar o esquema nacional de referência (tarefa 3.1), para o que é necessário recolher e tratar os dados das várias equipas de consultores. Jan Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Ago Setembro APROVAÇÃO 4 REUNIÕES CNREN REUNIÕES CCDR Recursos hídricos superficiais Análise crítica fundamentada às definições, funções e critérios 1.2 Elaboração das orientações estratégicas por tipologia de área 2.1 Recursos hídricos subterrâneos Análise crítica fundamentada às definições, funções e critérios Elaboração das orientações estratégicas por tipologia de área 2.1 Litoral e Instabilidade de vertentes Análise crítica fundamentada às definições, funções e critérios Elaboração das orientações estratégicas por tipologia de área 2.1 Erosão hídrica do solo Análise crítica fundamentada às definições, funções e critérios 1.2 Elaboração das orientações estratégicas por tipologia de área 2.1 Articulação e integração global Articulação de regimes e integração das várias áreas temáticas Esquema Nacional de referência Elaboração 3.1 Tarefas: 1.2. Análise e aprofundamento por domínios temáticos 1.3. Validação pela CNREN do documento de harmonização de definições e critérios de delimitação para as várias tipologias de áreas integradas na REN 2.1. Elaboração de projecto de orientações estratégicas de âmbito nacional por domínios temáticos 2.2. Validação pela CNREN das orientações estratégicas de âmbito nacional por domínio temático 2.3. Articulação entre orientações estratégicas de âmbito nacional e regional (colaboração e acompanhamento) 2.4. Articulação e integração das orientações estratégicas de âmbito nacional definidas por domínios temáticos 2.5. Validação pela CNREN do projecto de orientações estratégicas de âmbito nacional 3.1. Projecto de representação espacial à escala nacional (continente) das principais componentes de protecção dos sistemas e processos biofísicos, dos valores a salvaguardar e dos riscos a prevenir 3.2. Validação pela CNREN do projecto final de orientações estratégicas de âmbito nacional e de esquema nacional de referência 4. Apresentação ao Governo dos projectos de orientações estratégicas (nacional e regional) Calendarização a 15 de Junho e proposta de calendário até ao final dos trabalhos ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 7/11

8 Tentando, agora com maior aproximação, indicar um prazo que se pretende realista, embora conscientes dos sempre possíveis imponderáveis, preparou-se um novo calendário. Nele prevê-se a realização de mais duas reuniões conjuntas CNREN/Consultores/CCDR, em que a indicada no final da segunda quinzena de Julho contará com a presença de todos os consultores e a que se lhe segue (indicada para inicio de Setembro), contará apenas com a equipa responsável pela articulação e integração global e pela elaboração do esquema nacional de referência, e de mais uma reunião STCNREN/Consultores para acertos finais e esquema nacional de referência. A conclusão do projecto de orientações estratégicas dar-se-á antes do final do mês de Setembro, altura em que se prevê estejam reunidas as condições para a sua apresentação ao Governo. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 8/11

9 ANEXO Lista de contributos para a elaboração das orientações estratégicas ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 9/11

10 Lista de contributos para a elaboração das orientações estratégicas 1. ANMP (parecer provisório) + memória descritiva e justificativa da proposta de delimitação da REN de Mafra (anexo I) + contributos para o equacionar de critérios para a tipologia áreas de elevado risco de erosão hídrica do solo da Câmara Municipal das Caldas da Rainha (anexo II) primeira parte relativa às tipologias de área REN e segunda parte com comentários das câmaras municipais de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR LVT em sequência de parecer que solicitou), recebido em 24 de Maio de 2010; 2. Orientações Estratégicas_REN Legendas_REN_ orientações estratégicas de âmbito regional (documento de trabalho da CCDR Algarve), deixado na reunião de 25 de Maio de 2010; 3. DOC_OER_Algarve_ ANEXO II_esquema regional de referencia + ANEXO III_legenda tipo - orientações estratégicas de âmbito regional (documento de trabalho da CCDR Algarve), recebido em 19 de Março de 2010; 4. Síntese Orient Estrat Regionais com caracterização_ orientações estratégicas de âmbito regional (documento de trabalho da CCDR Alentejo), recebido em 12 de Março de 2010; 5. Relocalização de construções contributo (CCDR Alentejo), recebido em 3 de Março de 2010; 6. Recursos hídricos cartograma dos sistemas aquíferos do Alentejo (PROT Alentejo), recebido em 2 de Março de 2009; 7. Harmonização REN. Resposta aos especialistas3 sugestões, críticas e comentários (CCDR Centro), recebido em 19 de Março de 2010; 8. Questões_CCDRCentro - questões/contributos para a elaboração das orientações estratégicas (CCDR Centro), recebido em 10 de Julho de 2009; 9. REN OE. Reunião de dia 8 comentários sobre recursos hídricos (mensagem da CCDR LVT) recebida em 6 de Abril de 2010; 10. Comentários ao DL de comentários gerais (CCDR LVT), recebido em 23 de Novembro de 2010; 11. Harmonização_comentarios_ comentários ao documento Harmonização de definições e critérios de delimitação para as várias tipologias de áreas integradas na REN (CCDR LVT), recebido em 17 de Setembro de 2009; ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 10/11

11 12. Comentários_harmonização_ comentários ao documento Harmonização de definições e critérios de delimitação para as várias tipologias de áreas integradas na REN (mensagem da CCDR Norte), recebida em 20 de Novembro de 2009; 13. Doc_Reunião informação sobre o assunto Incorporação dos contributos da ARH-N e dos municípios para as orientações estratégicas regionais, (CCDR Norte), recebida em 9 de Março de 2010; 14. CCDRNorte singularidades regionais no estabelecimento de critérios de delimitação da REN (CCDR Norte), entregue em mão em 30 de Outubro de 2009; 15. Contributos_CMSilves + Guia_Metodologico_REN + cartografia guia metodológico para a delimitação da REN (SEOTC/CM Silves), recebido em 20 de Abril de 2010; 16. Contributo_ MAI_ANPC áreas de protecção do litoral, zonas adjacentes e zonas ameaçadas pelo mar não classificadas como adjacentes (CNREN/MAI_ANPC), recebido em 17 de Março de 2010; 17. Contributo_INAG faixas marítima e terrestre de protecção costeira, sapais, arribas e respectiva faixa de protecção, águas de transição e respectivos leitos e zonas adjacentes (CNREN/INAG), recebido em 21 de Abril de 2010; 18. Contributo_MEID_RicardoAguiar todo o DL n.º 166/2010, de 22 de Agosto (CNREN/MEID/PRM_Ricardo Aguiar), recebido em 8 de Abril de 2010; 19. Contributo_MOPTC_IPTM faixa marítima de protecção costeira, praias, águas de transição e respectivos leitos, zonas ameaçadas pelo mar, águas de transição e respectivos leitos (CNREN/MOTPC), recebido em 2 de Dezembro de 2010; 20. Contributo_MOPTC_REFER cursos de água e respectivos leitos e margens, albufeiras que contribuam para a conectividade e coerência ecológica da REN, respectivos leitos, margens e faixas de protecção (CNREN/MOPTC), recebido em 2 de Março de 2010; 21. REN-orientações estratégicas-litoral-jlr faixa marítima de protecção costeira, praias, restingas, barreiras-soldadas e ilhas-barreira, tômbolos, sapais, ilhéus e rochedos emersos no mar, arribas e respectivas faixas de protecção, águas de transição e respectivos leitos (CNREN/MAI_ANPC), recebido em 1 de Junho de 2010; 22. QuestõesUE_Respostas respostas a questões colocadas no âmbito da articulação e integração global (alguns membros da CNREN), de 20 de Maio de 2010; 23. ResumoQuestões_STCNREN - conjunto de opiniões e questões, colocadas por escrito e em reuniões, pelos vários intervenientes na elaboração do nível estratégico da REN: CNREN, STCNREN, CCDR e Consultores (STCNREN), em 23 de Abril de ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS DA REN ÂMBITO NACIONAL Ponto de situação 11/11

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN Portalegre 7 de Julho de 2015 1 RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL DELIMITAÇÃO DE ACORDO COM O NOVO REGIME JURÍDICO Resolução do Conselho de Ministros n.º

Leia mais

11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014

11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014 11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014 PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA PARA A ADMINISTRAÇÃO LOCAL: DESENVOLVIMENTO E PERSPETIVAS DE UTILIZAÇÃO

Leia mais

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira

Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Sessão Debate Planos de Ordenamento da Orla Costeira Região Hidrográfica do Tejo Ribeiras do Oeste Gabriela Moniz e Francisco Reis Torres Vedras, 11 de Dezembro de 2009 Administrações das Regiões Hidrográficas

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Gabinete do Director-Geral Índice 1. Introdução 2. Perfil da DGOTDU como organização 3. Identificação das vulnerabilidades 4. Programa

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Workshop - Regulamentação da cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Luis Rebolo ESTRUTURA DA

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

1998/2008 Ideias do GEOTA sobre 10 anos de Lei de Bases de Ordenamento do Território

1998/2008 Ideias do GEOTA sobre 10 anos de Lei de Bases de Ordenamento do Território 1998/2008 Ideias do GEOTA sobre 10 anos de Lei de Bases de Ordenamento do Território O GEOTA Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente, acompanha desde 1997 a Lei de Bases do Ordenamento

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU

Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU Consultas a Entidades da Administração Central no âmbito do RJUE Portal do SIRJUE Maior Eficácia e maior rapidez Correta análise e submissão do processo Procedimentos:

Leia mais

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela

Gabinete de Planeamento Estratégico. Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Gabinete de Planeamento Estratégico Contextualização e desenvolvimento do processo de revisão do Plano Diretor Municipal de Palmela Em 2003, o Município de Palmela tomou a decisão de proceder à revisão

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE SECRETARIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA AGOSTO DE 2001 ESTRATÉGIA

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

Metodologia Relativamente ao Modelo de Intervenção referir quais as técnicas e os métodos que vai utilizar;

Metodologia Relativamente ao Modelo de Intervenção referir quais as técnicas e os métodos que vai utilizar; REGULAMENTO ATRIBUIÇÃO DE PARECERES TÉCNICOS (Enquadramento) A Rede Social, conforme consubstanciado na Resolução do Conselho de Ministros de 18 de Novbro de 1997 e actualizada pelo DecretoLei nº 115 de

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

Normas do Orçamento Participativo

Normas do Orçamento Participativo Normas do Orçamento Participativo Município de Braga 16 O Orçamento Participativo, cujas regras aqui se apresentam, pretende incentivar o exercício de uma cada vez mais ativa, qualificada e concreta intervenção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Este documento serve de apoio à utilização das Plataformas de Consulta do Projecto SPOTIA - Orientações de política territorial sustentável e avaliação

Leia mais

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt Ordenamento do Território e Protecção Civil Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt www.triplov.com ooutroladodalua.blogspot.com Paulo Alves, Instituto de Meteorologia Autoridade Nacional de

Leia mais

Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal

Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal Nota explicativa sobre a tramitação da elaboração/revisão do plano director municipal Legislação de enquadramento A tramitação dos procedimentos exigíveis nos processos de elaboração e revisão de planos

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito -

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito - Visitas às Eco-Escolas Auditorias de Qualidade do Programa - Guião de preenchimento do inquérito - NOTAS PRÉVIAS O presente documento serve de guião à aplicação da ficha de visita às Eco-Escolas fornecendo

Leia mais

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior

1 Escola Superior de Desporto de Rio Maior Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE DISSERTAÇÃO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 AM/02 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL (EIA) ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SINDICAL DOS CONSERVADORES DOS REGISTOS RELATÓRIO. AUDIÊNCIA COM O SR. PRESIDENTE do IRN, I.P., DR. ANTÓNIO FIGUEIREDO

ASSOCIAÇÃO SINDICAL DOS CONSERVADORES DOS REGISTOS RELATÓRIO. AUDIÊNCIA COM O SR. PRESIDENTE do IRN, I.P., DR. ANTÓNIO FIGUEIREDO RELATÓRIO AUDIÊNCIA COM O SR. PRESIDENTE do IRN, I.P., DR. ANTÓNIO FIGUEIREDO No passado dia 23 de Junho do corrente ano, membros do Conselho Directivo da Associação Sindical dos Conservadores dos Registos

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal

Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal Fase 4 Plano Diretor Municipal Relatório de Ponderação da Discussão Pública Junho 2015 E17133 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO Em 1986 a Organização Mundial de Saúde (OMS) lança o projeto Cidades Saudáveis em 11 cidades europeias. O propósito desta iniciativa visou fortalecer

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação de Viana do Alentejo Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de setembro, visou estabelecer um quadro de transferências de atribuições e competências da Administração

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS I A Comissão Directiva do POPH informa que decorre entre os dias 30 de Janeiro e 3 de Março de 2008 o período para apresentação de candidaturas ao Programa Operacional

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas

Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas Carta registada com A/R Ao Conselho de Administração do. - 1 B - A ü t o r i d a d e ~ d e ~ Av.JoséMalhobl2 1099-017 Lisboa Lisboa, 16 de Outubro de 2007 Assunto: Consulta Pública sobre Cadastro de Infra-estruturas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente

Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente Desenvolvimentos mais recentes SANTOS, Ana Sofia; GASPAR, Rosário; CONDESSA, Beatriz Resumo A documentação e informação existente

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES 1 REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES PROJETO FLORESTA COMUM PREÂMBULO Tendo por base o protocolo celebrado entre a AFN Autoridade Florestal Nacional, o ICNB,

Leia mais

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020]

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] PREÂMBULO A Parceria Territorial Alentejo Central [2014-2020] resulta da dinâmica do Conselho de Cooperação para o acompanhamento à Iniciativa

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Considerando que: 1. A experiência do Conselho Local de Educação em Palmela procurou fomentar a valorização da educação como motor de desenvolvimento do local,

Leia mais

Implementação do Web SIG para o PGRH

Implementação do Web SIG para o PGRH Implementação do Web SIG para o PGRH ARH Centro, I.P. Requisitos do Sistema Ref.: 30/11/2010 FICHA TÉCNICA Referência: Projecto: Implementação do Web SIG para o PGRH Gestor de Projecto: Miguel Rodrigues

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC FAQs Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE

PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE PROCESSO DE AUDITORIA DE SISTEMAS INTERNOS DE GARANTIA DA QUALIDADE Exercício Experimental ASIGQ 2012 Análise Crítica do Processo e Medidas de Melhoria Março 2013 2 1. Introdução A Agência de Avaliação

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

Resumo. Fernando da Fonseca Cruz *

Resumo. Fernando da Fonseca Cruz * Inforgeo, 2009, 77-88 CONTRIBUTO METODOLÓGICO PARA A DELIMITAÇÃO DA REN COM RECURSO À TECNOLOGIA SIG Fernando da Fonseca Cruz * Resumo O crescimento demográfico e o desenvolvimento urbanístico são os principais

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS Decreto-Lei 54-A/99, de 22 de Fevereiro Lei 162/99, de 14 de Setembro Decreto-Lei 315/2000, de 2 de Dezembro Decreto-Lei 84-A/2002, de 5 de Abril Subgrupo de Apoio

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação

Palavras-chave: Zona costeira, risco, minimização, participação TIPIFICAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE RISCO NA ORLA COSTEIRA NAS ILHAS DOS AÇORES Planeamento e Ordenamento nas Zonas Costeiras Ana Maria Morais BARROCO Arqt.ª Paisagista, Quaternaire Portugal; +351213513200, abarroco@quaternaire.pt

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL FASE DE FORMAÇÃO INICIAL Durante o ano de 2003 realizaram-se dois cursos de estágio, o 1º e 2º Curso de Estágio de 2003, os quais foram frequentados por 412 e 711 Advogados Estagiários, respectivamente.

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO

Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Regulamento Interno do Centro de Informática e Tecnologias da Informação da Universidade Nova de Lisboa PREÂMBULO Os princípios de orientação do presente regulamento do CITI são os seguintes: 1º Participação

Leia mais

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012 Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 Documentação Produzida http://prodesporto.idesporto.pt/ Etapas do Processo Referenciais de Formação Geral Referenciais de Formação Específica

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 C l Si õ Carlos Simões, Divisão de Informação e Gestão Territorial

Leia mais

Seminário GISA. Uma saudação às equipas que trabalham para estudar, apresentar resultados e discuti-los com os presentes.

Seminário GISA. Uma saudação às equipas que trabalham para estudar, apresentar resultados e discuti-los com os presentes. Câmara Municipal Gabinete da Presidência Seminário GISA Exmºs Senhores: Quero cumprimentar todos os participantes e saudar a vossa presença nesta sala pelo interesse que manifestam pelas questões do ambiente,

Leia mais