NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular"

Transcrição

1 NÍVEL MÉDIO DO MAR Diagrama triangular

2 Classificação do litoral com base na energia Hayes (1979)

3 Morfologias costeiras em função da amplitude da maré

4 PTorres JAD Torres, RS, Brasil

5 Limites da Praia Profundidade de fecho Dunas, Arriba,... JAD Torres, RS, Brasil

6 Profundidade de fecho Profundidade a partir da qual não há modificações batimétricas significativas numa escala anual Profundidade a partir da qual os processos costeiros não induzem transporte (longitudinal e/ou transversal) significativo (1) (1) - Hallemeyer, JAD R. J., "A profile Zonation for Seasonal Sand Beaches from Wave Climate". Coastal Engineering, Vol 4, Torres, RS, Brasil

7 Profundidade de fecho (1) d 1 = 2.28H S,12h/y (H 2 s,12h/y ) gt 2 s_e d 1 profundidade de fecho relativa à maré viva média H S,12h/y altura significativa que é excedida durante 12 horas anualmente T 2 s_e período significativo correspondente a H S,12h/y (1) - Hallemeyer, JAD R. J., "A profile Zonation for Seasonal Sand Beaches from Wave Climate". Coastal Engineering, Vol 4, Torres, RS, Brasil

8 Fisiografia costeira

9 praia A praia é constituída por duas partes: praia emersa praia submersa Considerar, na gestão costeira, apenas a praia emersa é um ERRO muito GRAVE JAD 2010 Jericoacoara, CE, Brasil

10 praia

11 JAD 2010 Jericoacoara, CE, Brasil

12 Porque é que as praias são de areia? (ou seja, de um sedimento muito calibrado)

13 Transporte diferencial de partículas foto JAD 2008 Ponta do Sol, Ilha de Santo Antão, Cabo Verde

14 Transporte diferencial de partículas foto Partículas muito pequenas são transportadas para terra e para o mar sendo a resultante para o mar Partículas intermédias são transportadas para terra Partículas muito grandes não são transportadas nem para terra nem para o mar Assim, na praia, acumulam-se as partículas cujas tensões críticas de corte (τc) estão compreendidas entre as tensões de corte (τ0) induzidas pela crista e pela cava da onda Consequentemente, as características da onda determinam o tipo de sedimento existente na praia JAD 2008 Ponta do Sol, Ilha de Santo Antão, Cabo Verde

15 Critérios de Rebentação Critérios de Rebentação Complexidade dos Processos na Rebentação Variabilidade dos Critérios Teórico-Empíricos de Rebentação JAD 2010 Jericoacoara, CE, Brasil

16 ridge and runnel S. Wittmann, 1981 Waterside Beach, Nova Scotia, Canadá

17 Glacianne Dantas, 2010 Praia da Baleia, Itapipoca, CE, Brasil

18 Barras submarinas

19 Praias Dissipativas e Praias Reflectivas Conceitos explorados na década de 80 pelos australianos Wright & Short (*) Praia Dissipativa a onda vai dissipando energia em estruturas submersas e chega à praia emersa já com pouca energia Praia Reflectiva a onda dissipa pouca energia em interacções com o fundo e chega à praia emersa ainda com muita energia (e parte é normalmente reflectida de novo em direcção ao oceano) (*) - Wright, L.D., and Short, A. D., 1984, Morphodynamic variability of surf zones and beaches: A Synthesis: Marine Geology, v. 56, p JAD Fortaleza, CE, Brasil

20 Praia Reflectiva Praia Dissipativa JAD Fortaleza, CE, Brasil

21 Praias Dissipativas e Praias Reflectivas Com frequência utiliza-se um parâmetro adimensional proposto em 1975 por Guza & Inman (1) Surf Scaling Parameter ε = a b ω 2 g tan 2 α a b amplitude da onda na rebentação ω frequência angular da onda, em radianos α inclinação da praia ω = 2 π L Segundo Wright & Short (1984) (2) ε < 2,5 praias reflectivas 20 > ε > 2,5 praias intermédias ε > 20 praias dissipativas (1) - Guza, R. and Inman, D. 1975, Edge waves and beach cusps: J. Geophys. Res., v. 80, n. 21, (2) JAD - Wright, 2010 L.D., and Short, A. D., 1984, Morphodynamic variability of surf zones and beaches: A Synthesis: Marine Geology, v. 56, p Fortaleza, CE, Brasil 6108

22 Classificação das praias Masselink & Short (1993) - The effect of tide range on beach morphodynamics, a conceptual beach model. Journal of Coastal Research, 9,

23 Pendor da Praia JAD Jericoacoara, CE, Brasil

24 Correntes de retorno Rip currents Agueiros Correntes de fuga Cecilia Lascody Tunquen, Chile National Weather Service

25 Beach cusps... foto Foto Rob Brander (2002) Pearl Beach, Sydney, Australia

26 Beach cusps... foto Foto Rob Brander (2002) Pearl Beach, Sydney, Australia

27 Undertow... foto Movimento da água que, após o espraio, volta para o oceano Foto Rob Brander (2002) Pearl Beach, Sydney, Australia

28 Surf beat... foto Variabilidade da altura das ondas devido a interferência entre trens de ondas Variação da altura da rebentação de séries de ondas Munk, 1949; Tucker, 1950 Período típico do surf beat : 6 a 8 vezes o período médio das ondas Influência do surf beat na corrente longilitoral e nas rip currents Foto Rob Brander (2002) Pearl Beach, Sydney, Australia

29 Run up PSununga Run up nível atingido pela água após a rebentação Set up elevação relativamente ao nível médio do mar na altura Foto JAD 2001 Praia da Sununga, SP, Brasil

30 Espraio (swash) PSununga A energia cinética da onda é convertida em energia potencial Direcção definida pela onda e influenciada pelo vento Transporte sedimentar selectivo Refluxo (ou ressaca) (backwash) Água movimenta-se devido à gravidade Segue a direcção da maior inclinação da praia Foto JAD 2001 Transporte sedimentar selectivo Praia da Sununga, SP, Brasil

31 Resultado do movimento sedimentar induzido pelo espraio PSununga Movimentação em zig-zag no sentido do ângulo de ataque da onda Foto JAD 2001 Praia da Sununga, SP, Brasil

32 Deriva Litoral PSununga Foto JAD 2001 Praia da Sununga, SP, Brasil

33 Deriva Litoral Potência da onda disponível para transporte longilitoral Unidades: watts / metro Razão de transporte sedimentar longilitoral Pode ser determinado pela fórmula empírica: Foto JAD 2001 Unidades: metros cúbicos / segundo Praia da Sununga, SP, Brasil

34 Deriva Litoral Quantidade de sedimentos transportada ao longo do litoral durante determinado período Deriva litoral potencial Deriva litoral efectiva Deriva litoral saturada Foto JAD 2001 Praia da Sununga, SP, Brasil

35 Modelo de Johnson JAD Jericoacoara, CE, Brasil

36 Modelo dos Sedimentos Relíquia JAD Jericoacoara, CE, Brasil

37 Modelo de Curray JAD Jericoacoara, CE, Brasil

38 Regra de Brunn S L R = h+b R recuo da linha de costa S elevação do nível médio do mar L extensão transversal do perfil activo (até à profundidade de fecho) h profundidade de fecho B cota da duna JAD Jericoacoara, CE, Brasil

39 J. Alveirinho Dias CIMA - Centro de Investigação Marinha e Ambiental CNPq Pesquisador Visitante web page: w3.ualg.pt/~jdias Vincent van Gogh Embarcações de pesca na praia de Saintes-Casar

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL Ana Fatima da Silva 1 ; Norberto Olmiro Horn Filho 2 ; Ulisses Rocha de Oliveira 3 ana.oceano@gmail.com 1 Programa de Pós-Graduação em Geociências

Leia mais

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DE SEIS PRAIS DO MUNICÍPIO DE PARATY, RJ: DADOS PRELIMINARES Fernanda Costa de Andrade 1 ; José Antônio Baptista Neto 1 ; Valéria Gomes Veloso fernanda.andrade@ymail.com 1

Leia mais

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol PRAIAS i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos Transversal à praia Longitudinal à praia v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol Terminologia A praia é um depósito

Leia mais

Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira.

Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira. Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira. Monia Rech; Telma Aisengart Geosoft Latinoamerica Hoefel (1995) descreveu que assim que o vento

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

ELLIFF et al., p. 133-138 133

ELLIFF et al., p. 133-138 133 ELLIFF et al., p. 133-138 133 CLASSIFICAÇÃO MORFODINÂMICA DA PRAIA DO GONZAGA, SANTOS, SÃO PAULO, BRASIL Carla Isobel ELLIFF¹ Nathalia de Sousa MOTTA² Iara Mineiro SCRICCO³ Mariângela Oliveira de BARROS

Leia mais

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA Elaine Siqueira Goulart 1 ; Lauro Júlio Calliari 1 elainegoulart@gmail.com 1 - Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA.

RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA. RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA. Lucas do Nascimento 1 ; Adeylan Nascimento Santos 1 ; Abílio Carlos da Silva Pinto Bittencourt

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS

CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS CLASSIFICAÇÃO DOS AMBIENTES MARINHOS Introdução Os oceanos ocupam cerca de 71% da superfície da Terra As partes mais profundas atingem quase 11000 metros Profundidade média dos oceanos é 3800 m. Volume

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação

O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação ISSN 1678-5975 Dezembro - 2007 Nº 5 103-109 Porto Alegre O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação Lins-de-Barros

Leia mais

Algumas Regras Simples...

Algumas Regras Simples... Algumas Regras Simples... JAD Porto da Carrasqueira, Estuário do Sado, Portugal Só há problemas de erosão costeira quando a costa está ocupada Kivalina, Alaska, USA Em geral é a ocupação moderna que gera

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 18 Praias e Ambiente Marinho Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Praias Definição de praia zona de material

Leia mais

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Journal of Coastal Research, 28(4):903-922. 2012 INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO MÉTODOS

Leia mais

VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA DO NENEL, ILHA BELA (ILHA DO BOI), VITÓRIA-ES

VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA DO NENEL, ILHA BELA (ILHA DO BOI), VITÓRIA-ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE ECOLOGIA E RECURSOS NATURAIS CURSO DE OCEANOGRAFIA ANA CLAUDIA J. MARCONDES VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA

Leia mais

Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira

Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira Luís Ivens Portela Laboratório Nacional de Engenharia Civil, LNEC, Lisboa, Portugal V Seminário Nacional do Programa Bandeira Azul 25 Nov2015 -Setúbal Índice

Leia mais

A propagação das ondas marítimas e dos tsunami

A propagação das ondas marítimas e dos tsunami A propagação das ondas marítimas e dos tsunami Prof. Fernando Lang da Silveira Instituto de Física da UFRGS http://textos/ondas_tsunami.pdf Tsunami onda(s) de porto em japonês - é uma palavra que designa

Leia mais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais Porquê ocorre erosão da costa? Falta de sedimentos Exaustão da fonte Retenção de sedimentos Tempestades Elevação do nível do mar Datação C14 sem correção reservatório Datação com correção com calibração

Leia mais

Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição

Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição Flavia Moraes Lins de Barros1 1 Mestranda de Geografia PPGG / UFRJ Laboratório de Geografia

Leia mais

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 3 n.1 Jan/Mar 1998, 105-110 TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE Renato R. Martins, Elírio E. Toldo Jr., Luiz E. S. B. Almeida Universidade

Leia mais

Resistência Resistência do Navio. Resistência Resistência do Navio

Resistência Resistência do Navio. Resistência Resistência do Navio do Navio 1 do Navio do navio: do navio a uma velocidade constante é a força necessária para rebocar o navio a essa velocidade em águas tranquilas. Se a querena não tiver apêndices a resistência diz-se

Leia mais

Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE).

Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE). Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE). Miguel da G. Albuquerque¹; José A.S. Fontoura²; Lauro J. Calliari¹;

Leia mais

DINÂMICA SEDIMENTAR DO TRECHO LITORAL PRAIA DA VIEIRA - PRAIA VELHA Hidrodinâmica e transporte longitudinal de sedimentos

DINÂMICA SEDIMENTAR DO TRECHO LITORAL PRAIA DA VIEIRA - PRAIA VELHA Hidrodinâmica e transporte longitudinal de sedimentos DINÂMICA SEDIMENTAR DO TRECHO LITORAL PRAIA DA VIEIRA - PRAIA VELHA Hidrodinâmica e transporte longitudinal de sedimentos Filipa S. B. F. OLIVEIRA Doutora em Eng. Costeira, LNEC, Av. do Brasil, 11, 17-66

Leia mais

Morfodinâmica praial: uma breve revisão

Morfodinâmica praial: uma breve revisão Revisão Rev. bras, oceanogr.. 5l(único):63-78. 2003 Morfodinâmica praial: uma breve revisão (Beach morphodynamics: a brief review) Lauro Júlio Calliari 1, Dieter Muehc 2, Fernanda Gemael Hoefel 3 & Elírio

Leia mais

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL CLAUDINO-SALES, V. (1) (1) Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará, (vcs@ufc.br) PARENTE, L.P. (2) (2) Instituto de Ciências do

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES Leão, Caroline 1 ; Albino, Jacqueline 1 1 Departamento de Ecologia e Recursos Naturais- UFES (carolineleao@yahoo.com.br; jacqueline.albino@terra.com.br)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DO MAR - LABOMAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MARINHAS TROPICAIS LIANA RODRIGUES QUEIROZ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DO MAR - LABOMAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MARINHAS TROPICAIS LIANA RODRIGUES QUEIROZ UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DO MAR - LABOMAR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MARINHAS TROPICAIS LIANA RODRIGUES QUEIROZ AS PRAIAS ARENOSAS DO ESTADO DO CEARÁ: RELAÇÃO ENTRE

Leia mais

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota Luís Pina Rebêlo; Pedro Oliveira Brito. Departamento de Geologia Marinha - INETI 1- Introdução

Leia mais

Morfodinâmica Bi-Tridimensional de Praia e Zona de Surfe Intermediária-Dissipativa no Litoral Norte-RS

Morfodinâmica Bi-Tridimensional de Praia e Zona de Surfe Intermediária-Dissipativa no Litoral Norte-RS ISSN 1678-5975 Junho - 2008 V. 6 nº 1 81-97 Porto Alegre Morfodinâmica Bi-Tridimensional de Praia e Zona de Surfe Intermediária-Dissipativa no Litoral Norte-RS Tabajara L.L.C.A. 1 ; Almeida L.E.S.B. 2

Leia mais

Hidrografia e Litoral

Hidrografia e Litoral Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Hidrografia e Litoral João Silva Natália Cunha Ana Müller Lopes Manuela

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PROFUNDIDADE DE FECHAMENTO PARA O LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO DA PROFUNDIDADE DE FECHAMENTO PARA O LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL Cópia do artigo publicado em meio digital pela Associação Brasileira de Recursos Hídricos, como caderno da Revista Brasileira de Recursos Hídricos, por ocasião do evento XIII Simpósio Brasileiro de Recursos

Leia mais

Impactes do Turismo nas Zonas Costeiras

Impactes do Turismo nas Zonas Costeiras Impactes do Turismo nas Zonas Costeiras J. Alveirinho Dias Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve jdias@ualg.pt w3.ualg.pt/~jdias a As modificações costeiras, designadamente

Leia mais

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 4, Nº (2003) 3-7 Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia 2 3 Dieter Muehe, Rosuita Helena

Leia mais

Erosão e Inundação Costeiras:

Erosão e Inundação Costeiras: Erosão e Inundação Costeiras: Fenómenos e vulnerabilidades e um olhar sobre a costa continental Portuguesa Francisco Sancho fsancho@lnec.pt com contributos de: P. Freire, A. Fortunato, F.Oliveira, M. Clímaco

Leia mais

EROSÃO E ESTADO MORFODINÂMICO DA PRAIA CENTRAL DE MARATAÍZES, SUL DO ESPRITO SANTO * ALBINO, J. 1

EROSÃO E ESTADO MORFODINÂMICO DA PRAIA CENTRAL DE MARATAÍZES, SUL DO ESPRITO SANTO * ALBINO, J. 1 EROSÃO E ESTADO MORFODINÂMICO DA PRAIA CENTRAL DE MARATAÍZES, SUL DO ESPRITO SANTO * ALBINO, J. Departamento de Ecologia e Recursos Naturais Universidade Federal do Espírito Santo Av Fernando Ferrari 5

Leia mais

Aquisição de dados sobre a dinâmica de praias em diversas escalas temporais. Exemplos no litoral da Estremadura

Aquisição de dados sobre a dinâmica de praias em diversas escalas temporais. Exemplos no litoral da Estremadura Aquisição de dados sobre a dinâmica de praias em diversas escalas temporais. Exemplos no litoral da Estremadura Jorge Trindade* Ana Ramos Pereira* Ricardo Metrogos** jorgetrd@niv-ab.pt anarp@fl.ul.pt ricardo.metrogos@navteq.com

Leia mais

MORFODINÂMICA DA PRAIA DE AJURUTEUA NE DO PARÁ

MORFODINÂMICA DA PRAIA DE AJURUTEUA NE DO PARÁ MORFODINÂMICA DA PRAIA DE AJURUTEUA NE DO PARÁ Marcelo Augusto Moreno da Silva Alves 1 ; Maâmar El-Robrini 2. 1 Msc. em Geologia Marinha e Sedimentologia, Grupo de Estudos Marinhos e Costeiros,Universidade

Leia mais

TRANSPORTE DE SEDIMENTOS E ESTADO MORFODINÂMICO DA PRAIA DA CURVA DE JUREMA, VITÓRIA - ES

TRANSPORTE DE SEDIMENTOS E ESTADO MORFODINÂMICO DA PRAIA DA CURVA DE JUREMA, VITÓRIA - ES UNIVERSIDA DE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E ECOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA NAYLA OKAMOTO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS E ESTADO

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR SOBRE LIXO MARINHO: Actividades Dentro e Fora da Sala de Aula

MANUAL DO PROFESSOR SOBRE LIXO MARINHO: Actividades Dentro e Fora da Sala de Aula MANUAL DO PROFESSOR SOBRE LIXO MARINHO: Actividades Dentro e Fora da Sala de Aula Com base na experiência adquirida através do Projecto BCLME sobre Lixo Marinho, este manual pretende dar alguma orientação

Leia mais

MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ

MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ Isabela Fortes de Azevedo ; Jacyra Veloso 2 ; Josefa Varela Guerra ; João Marcello de Ribeiro Camargo 3. Departamento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS DA ILHA DE COTIJUBA (BAÍA DO MARAJÓ) NO ESTADO DO PARÁ

CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS DA ILHA DE COTIJUBA (BAÍA DO MARAJÓ) NO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS

Leia mais

da ZONA PILOTO João Duarte Aurora Bizarro

da ZONA PILOTO João Duarte Aurora Bizarro Caracterização Ambiental da ZONA PILOTO João Duarte Aurora Bizarro Lisboa, 15/06/2009 Zona Piloto Decreto Lei 5/2008 de 8 de Janeiro Delimitação tendo em conta, nomeadamente, ausência de afloramentos rochosos

Leia mais

Estudo Sintético de Diagnóstico da Geomorfologia e da Dinâmica Sedimentar dos Troços Costeiros entre Espinho e Nazaré

Estudo Sintético de Diagnóstico da Geomorfologia e da Dinâmica Sedimentar dos Troços Costeiros entre Espinho e Nazaré Fig. 4.27 - Recuo da linha de costa a sul da barra de Aveiro. A erosão costeira induzida pelos molhes da barra foi extraordinariamente intensa. A estabilização relativa da situação foi efectuada através

Leia mais

DINÂMICA SEDIMENTAR NA ZONA DE REBENTAÇÃO

DINÂMICA SEDIMENTAR NA ZONA DE REBENTAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DINÂMICA SEDIMENTAR NA ZONA DE REBENTAÇÃO Mónica Sofia Afonso Ribeiro MESTRADO EM GEOLOGIA DO AMBIENTE, RISCOS GEOLÓGICOS E ORDENAMENTO

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

Quaternary and Environmental Geosciences (2009) 01(2):49-57

Quaternary and Environmental Geosciences (2009) 01(2):49-57 Morfodinâmica da Praia do Futuro, Fortaleza-CE: uma sintese de dois anos de estudo Morphodynamic of Futuro Beach, Fortaleza-CE: a synthesis of two years of study Miguel da Guia Albuquerque ad, Lauro Júlio

Leia mais

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA META Abordar os conteúdos relacionados com as praias arenosas oceânicas e a erosão costeira, contemplando definições, modelos de classifi cação das praias

Leia mais

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo

Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Avaliação de Risco no Litoral e Previsão de Impactes Ambientais: casos de estudo Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus nemus@nemus.pt ÍNDICE 1. Introdução: alterações climáticas

Leia mais

De onde vem o Nome Tsunami?

De onde vem o Nome Tsunami? O Que é Um Tsunami? Um tsunami é um conjunto de ondas que ocorrem após perturbações muito elevadas que deslocam verticalmente uma coluna de água, como, por exemplo, um sismo, actividade vulcânica, abrupto

Leia mais

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL Luiz Henrique Sielski de Oliveira 1 ; Fernando Alvim Veiga 2 ; Rodolfo José Angulo 1 ; Maria Cristina

Leia mais

EFEITOS DE ESCALA EM MODELAÇÃO NUMÉRICA DA EROSÃO DE UM PERFIL DE PRAIA SCALE EFFECTS IN NUMERICAL MODELLING OF BEACH PROFILE EROSION

EFEITOS DE ESCALA EM MODELAÇÃO NUMÉRICA DA EROSÃO DE UM PERFIL DE PRAIA SCALE EFFECTS IN NUMERICAL MODELLING OF BEACH PROFILE EROSION EFEITOS DE ESCALA EM MODELAÇÃO NUMÉRICA DA EROSÃO DE UM PERFIL DE PRAIA SCALE EFFECTS IN NUMERICAL MODELLING OF BEACH PROFILE EROSION EFFETS D ÉCHELLE DANS LA MODÉLISATION NUMÉRIQUE DE L ÉROSION D UN PROFIL

Leia mais

Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird

Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird Patricia Fernanda Passos de Oliveira 1 Renê Jota Arruda de Macêdo 1 Hewerton Alves da Silva 1 Eduardo Paes Barreto

Leia mais

Variação espaço-temporal das correntes de retorno em municípios da região metropolitana do Recife

Variação espaço-temporal das correntes de retorno em municípios da região metropolitana do Recife Variação espaço-temporal das correntes de retorno em municípios da região metropolitana do Recife Spatial and temporal variability of rip currents in Recife metropolitan region cities João Carlos B. G.

Leia mais

Ondas Internas num Fluido Continuamente Estratificado

Ondas Internas num Fluido Continuamente Estratificado Ondas Internas num Fluido Continuamente Estratificado Observação e experimentos Olga T. Sato, Ph.D. olga.sato@usp.br Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo Olga T. Sato (IOUSP) Ondas Internas

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia. Ana Fatima da Silva

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia. Ana Fatima da Silva Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia Ana Fatima da Silva COMPORTAMENTO MORFODINÂMICO E SEDIMENTAR DAS PRAIAS ADJACENTES AO

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia. Ana Fatima da Silva

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia. Ana Fatima da Silva Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia Ana Fatima da Silva COMPORTAMENTO MORFODINÂMICO E SEDIMENTAR DAS PRAIAS ADJACENTES AO

Leia mais

A Utilização dos SIG na Estimativa da Corrente de Deriva Litoral

A Utilização dos SIG na Estimativa da Corrente de Deriva Litoral A Utilização dos SIG na Estimativa da Corrente de Deriva Litoral Aplicação à Costa Oeste de Portugal Continental entre a Figueira da Foz a Nazaré GOMES, Fernando; BESSA PACHECO, Miguel; JORGE DA SILVA,

Leia mais

EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO

EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO Lauro Julio Calliari 1, Todd Holand 2 Marcelo Sperle Dias 3, Susana Vinzon 4, E.B. Thorton 5,T. P.

Leia mais

Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC Alcobaça Mafra.

Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC Alcobaça Mafra. MINISTÉRIO DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL NOTA TÉCNICA Ocupação das Faixas de Risco e Áreas do Domínio Hídrico sob Jurisdição da CCDR-LVT na Área de Intervenção do POOC

Leia mais

DINÂMICA COSTEIRA: Principais elementos do sistema praial

DINÂMICA COSTEIRA: Principais elementos do sistema praial DINÂMICA COSTEIRA: Principais elementos do sistema praial ELEMENTOS DOS PROCESSOS COSTEIROS Marés Ondas Correntes induzidas por ondas Nível do mar Sedimentos MARÉS - oscilações verticais periódicas do

Leia mais

Modelação de Evolução da Linha de Costa Influência do Uso de Séries Sintéticas de Agitação

Modelação de Evolução da Linha de Costa Influência do Uso de Séries Sintéticas de Agitação Modelação de Evolução da Linha de Costa Influência do Uso de Séries Sintéticas de Agitação Miguel Vaz Sena Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil Júri Presidente: Prof. Dr. Augusto

Leia mais

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ):

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS. & OCEANOGRÁFICOS (Figuras) CLIENTE: COMPANHIA DOCAS DO PARÁ - CDP EXECUTORES: Cartografia, Hidrografia e

Leia mais

O CLIMA DE ONDAS EM ÁGUAS PROFUNDAS DE DUAS REGIÕES DO LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO BRASIL

O CLIMA DE ONDAS EM ÁGUAS PROFUNDAS DE DUAS REGIÕES DO LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO BRASIL O CLIMA DE ONDAS EM ÁGUAS PROFUNDAS DE DUAS REGIÕES DO LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO BRASIL Rodrigo Nogueira de Araújo 1 ; Paolo Alfredini 2. 1 Professor Assistente e Mestre em Engenharia Civil na

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil

Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil Revista Brasileira de Geociências Ulisses Rocha de Oliveira et al. 38(3): 566-576, setembro de 2008 Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil Ulisses Rocha de

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO

ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO ÁREA DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA APA TAVIRA DESPACHO N.º 4223/2014, 21 MARÇO 9 de abril de 2014 Dinâmica dos usos e atividades da Economia do Mar Pesca e Aquicultura, 2005 a 2012 A atividade aquícola é uma prioridade

Leia mais

SOS - Salvem o Surf Press Release, Carcavelos 14/12/14 2014

SOS - Salvem o Surf Press Release, Carcavelos 14/12/14 2014 SOS - Salvem o Surf Press Release, Carcavelos 14/12/14 2014 Posição final da SOS Salvem o surf sobre os impactes das urbanizações projetadas na envolvente da Praia de Carcavelos, apresentada na conferência

Leia mais

Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe. Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia

Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe. Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia Engenharia Hidrográfica: do fio-de-prumo ao sondador multifeixe Fernando Freitas Artilheiro Divisão de Hidrografia Sondagem a prumo Sondagem com sondadores acústicos Sumário Introdução Requisitos mínimos

Leia mais

MORFODINÂMICA COSTEIRA E O USO DA ORLA OCEÂNICA DE SALINÓPOLIS (NORDESTE DO PARÁ, BRASIL)

MORFODINÂMICA COSTEIRA E O USO DA ORLA OCEÂNICA DE SALINÓPOLIS (NORDESTE DO PARÁ, BRASIL) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA TESE DE DOUTORADO Nº 103 MORFODINÂMICA COSTEIRA E O USO DA ORLA OCEÂNICA DE SALINÓPOLIS (NORDESTE

Leia mais

DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES

DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA MARINHA BACHARELADO EM BIOLOGIA MARINHA ONDAS MARINHAS ABILIO SOARES GOMES 2003 1 ONDAS Fenômeno de propagação de energia de um ponto a outro, sem que ocorra transporte de matéria.

Leia mais

Uma abordagem morfodinâmica na caracterização fisica das praias estuarinas da Baia de Paranaguá, sul do Brasil

Uma abordagem morfodinâmica na caracterização fisica das praias estuarinas da Baia de Paranaguá, sul do Brasil Revista Brasileira de Geociências Leonardo Cruz da Rosa & Carlos Alberto Borzone 38(2): 237-245, junho de 2008 Uma abordagem morfodinâmica na caracterização fisica das praias estuarinas da Baia de Paranaguá,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DA PRAIA DO MORRO, GUARAPARI ESPÍRITO SANTO

CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DA PRAIA DO MORRO, GUARAPARI ESPÍRITO SANTO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E ECOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA LEONARDO AZEVEDO KLUMB OLIVEIRA CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

MORFODINÂMICA PRAIAL E SEGURANÇA AO BANHO DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA-ES *

MORFODINÂMICA PRAIAL E SEGURANÇA AO BANHO DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA-ES * MORFODINÂMICA PRAIAL E SEGURANÇA AO BANHO DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA-ES * SABAINI, R. S 1 1 Curso de Oceanografia UFES Bolsista IC FACITEC PMV renatastelzer@yahoo.com.br ALBINO, J. 2 2 Departamento de

Leia mais

ÍNDICE GERAL VOLUME 1

ÍNDICE GERAL VOLUME 1 1/12 ÍNDICE GERAL VOLUME 1 1 IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...1/1 1.1.Identificação do Empreendedor...1/1 1.2.Identificação da Empresa Consultora...1/1 2.... HISTÓRICO DO EMPREENDIMENTO...1/11 2.1. Impacto

Leia mais

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular. Ondas

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular. Ondas NÍVEL MÉDIO DO MAR Diagrama triangular Ondas Parâmetros da Onda Tipos de Ondas Tipos de Ondas Ondas Capilares - L < 1,7 cm Ondas Gravíticas - L > 1,7 cm - tensão superficial dominante - gravidade dominante

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

Monitoramento de manobras de navios No Documento: 2015/016 REV 1

Monitoramento de manobras de navios No Documento: 2015/016 REV 1 Página 1 Sismar Software O SISMAR, sistema de monitoramento de manobras de navios com dados ambientais integrados, tem objetivo de monitorar os processos de atracação, desatracação e ainda fornecer informações

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

CONDIÇÕES MORFODINÂMICAS ASSOCIADAS A AFOGAMENTOS. CONTRIBUIÇÃO À SEGURANÇA NAS PRAIAS OCEÂNICAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

CONDIÇÕES MORFODINÂMICAS ASSOCIADAS A AFOGAMENTOS. CONTRIBUIÇÃO À SEGURANÇA NAS PRAIAS OCEÂNICAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONDIÇÕES MORFODINÂMICAS ASSOCIADAS A AFOGAMENTOS. CONTRIBUIÇÃO À SEGURANÇA NAS PRAIAS OCEÂNICAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Morphodynamic Conditions Related to Drowning Victims. Contribution to Beach

Leia mais

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS Departamento de Geofísica EXPOSIÇÃO ITINERANTE DO MUSEU DE CIÊNCIAS DA USP ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

Leia mais

Escola Secundária Vitorino Nemésio

Escola Secundária Vitorino Nemésio Escola Secundária Vitorino Nemésio Ano lectivo 2008/2009 Fisica e Química B 11ºAno 3º Teste de Avaliação Sumativa Nome: Nº: Classificação: Enc.Educação: A professora: 1. Todas as afirmações são falsas.

Leia mais

CAPACIDADE DE CARGA SOCIAL DAS PRAIAS DOS MUNICÍPIOS DE CAMAÇARI, MATA DE SÃO JOÃO E ENTRE RIOS, BAHIA, BRASIL

CAPACIDADE DE CARGA SOCIAL DAS PRAIAS DOS MUNICÍPIOS DE CAMAÇARI, MATA DE SÃO JOÃO E ENTRE RIOS, BAHIA, BRASIL SILVA et al., p. 53-59 53 CAPACIDADE DE CARGA SOCIAL DAS PRAIAS DOS MUNICÍPIOS DE CAMAÇARI, MATA DE SÃO JOÃO E ENTRE RIOS, BAHIA, BRASIL Iracema Reimão SILVA¹ Abílio Carlos da Silva Pinto BITTENCOURT²

Leia mais

Aula 3 GEOMORFOLOGIA COSTEIRA. Aracy Losano Fontes

Aula 3 GEOMORFOLOGIA COSTEIRA. Aracy Losano Fontes Aula 3 GEOMORFOLOGIA COSTEIRA META Apresentar uma visão geral da Geomorfologia Costeira visando o entendimento da interferência de processos marinhos e subaéreos, atuais e pretéritos, e as formas de relevo

Leia mais

Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014

Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014 Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA ZONA COSTEIRA BRASILEIRA LEI 7661/88 ZONA COSTEIRA PERNAMBUCANA PERNAMBUCO FAIXA TERRESTRE Municipios

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos

Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Perfil de Água Balnear de Medão-Supertubos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear MEDAO-SUPERTUBOS Código da Água Balnear PTCF2K Ano de Identificação 1991 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa

Leia mais

MORFODINÂMICA DAS PRAIAS DE MESO-MACROMARÉS DA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DO PARÁ

MORFODINÂMICA DAS PRAIAS DE MESO-MACROMARÉS DA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DO PARÁ MORFODINÂMICA DAS PRAIAS DE MESO-MACROMARÉS DA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DO PARÁ Marcelo Augusto Moreno da Silva Alves1; Maâmar El-Robrini2; Pedro Walfir Martins e Sousa Filho3; Daniel Ramôa Farias4 & Carmena

Leia mais

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I

0 3 0 1 2 1 0.2.6 6 0 0 M CI.I CI.IM006.6.20121030 Estratégia de Sustentabilidade Zona Costeira de Cascais Zona Costeira de Cascais Parque Natural Sintra Cascais 15 praias balneares 17 praias monitorizadas permanentemente ZIBA Zona

Leia mais

Como ocorre um Tsunami

Como ocorre um Tsunami Como ocorre um Tsunami O QUE É O tsunami é uma onda gigante gerada por distúrbios sísmicos, que possui alto poder destrutivo quando chega à região costeira. A palavra vem do japonês "tsu" (porto, ancoradouro)

Leia mais

AFRIKITESURF Surfing with brothers

AFRIKITESURF Surfing with brothers WWW..COM WWW..COM WWW..COM Florida 5h Portugal 4h CABO VERDE 3h Fortaleza Situado em um local previlegiado e escolhido a dedo, a Afrikitesurf consegue oferecer ondas durante 350 dias no ano com variedades

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

Geoideias: Earthlearningidea. Litorais mudando Investigando como a erosão, o transporte e a deposição das ondas podem mudar as formas dos litorais

Geoideias: Earthlearningidea. Litorais mudando Investigando como a erosão, o transporte e a deposição das ondas podem mudar as formas dos litorais Litorais mudando Investigando como a erosão, o transporte e a deposição das ondas podem mudar as formas dos litorais Os litorais, com suas falésias, praias, cabos e baías, estão constantemente mudando

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

Key-words: sandy beaches, morphodynamics, sedimentology, coastal transport, coastal erosion, São Paulo.

Key-words: sandy beaches, morphodynamics, sedimentology, coastal transport, coastal erosion, São Paulo. Praias arenosas oceânicas do estado de São Paulo (Brasil): síntese dos conhecimentos sobre morfodinâmica, sedimentologia, transporte 1 Resumo: O presente trabalho apresenta uma síntese do estado da arte

Leia mais