Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição"

Transcrição

1 Determinação do estado morfodinâmico praial no momento da observação a partir de fotografias de longa exposição Flavia Moraes Lins de Barros1 1 Mestranda de Geografia PPGG / UFRJ Laboratório de Geografia Marinha - Dep. de Geografia da UFRJ Abstract The aim of the present paper is to present a method for the identification of the morphodynamic state as a complement to the visual observation and quantitative determination. The technique, inexpensive and of easy application, consist in the utilization of a photographic camera with a fixed and very small aperture in order to allow long time exposures. Cameras with and without lens (pin hole) can be used. For this purpose a plastic cap with a very small hole (about 0,03 cm) is fixed in front of the objective or directly to the camera. The hole is more than six times smaller than the smallest aperture of a common diaphragm (f:16) in order to allow expositions for several minutes. This technique registers the position of the bars where the wave breaking occurs and therefore the identification of the morphodynamic state of the breaker zone. The technique was tested at several beaches of Rio de Janeiro and the results proved its efficacy for the identification of surf zone's morphological features. Palavras-Chave: morfodinâmica praial 1. Introdução O perfil topográfico de uma praia apresenta variabilidade complexa em função principalmente do clima de ondas e das características granulométricas. Embora muitos estudos vêem sendo realizados na tentativa de compreender esta dinâmica, a resposta morfológica de uma praia às condições oceanográficas ainda não é completamente conhecida. Dentre os diversos modelos de classificação e previsão do estado morfodinâmico das praias o mais aceito e conhecido internacionalmente foi elaborado por Wright e Short (1984) para praias com regime de micro-maré (até 2 metros). Tal classificação identifica seis estados morfodinâmicos e propõe um parâmetro para previsão do estado modal, isto é, o estado mais recorrente em uma determinada praia. Outros estudos mais recentes apresentam novas técnicas e parâmetros visando, ao invés da previsão do estado modal, a classificação morfodinâmica das praias no momento da observação (Lippmann e Holman, 1990; Muehe, 1998). Tais estudos refletem a necessidade de maior precisão na determinação do estado morfodinâmico, seja através da melhor compreensão da relação entre a morfodinâmica e os diversos parâmetros envolvidos (clima de ondas, sedimentos, topografia) ou de novas técnicas de observação das feições submersas. Neste último caso, com o objetivo de melhor identificar a morfologia e localização dos bancos de areia submersos próximos à zona de arrebentação Lippmann e Holman (1990) sugerem uma metodologia de obtenção de imagens por sensoriamento remoto. Baseando-se em tal metodologia o presente trabalho tem como objetivo apresentar uma técnica de observação do estado morfodinâmico, complementar a observação visual e aos parâmetros matemáticos. Ao contrário daquela apresentada por Lippmann e Holman (op. cit.) a técnica sugerida neste artigo apresenta baixo custo e fácil aplicação. Acredita-se com isso contribuir na identificação das feições morfológicas da zona de surfe e na determinação do estado

2 morfodinâmico das praias no momento da observação. 2. Modelos de Previsão e Classificação de Estados Morfodinâmicos de Praias O modelo proposto por Wright e Short (1984) reconhece os seguintes estados morfodinâmicos: dois extremos (refletivo e dissipativo) e quatro intermediários. Resumidamente, o estado dissipativo é caracterizado por sedimentos finos, gradiente topográfico da face da praia baixo e zona de surfe larga. O estado refletivo, ao contrário, apresenta geralmente sedimentos com maior diâmetro, alto gradiente e ausência de zona de surfe. A passagem do estágio dissipativo para o refletivo ocorre pela migração do banco de areia em direção à costa, formando quatro estágios intermediários. O estado seguinte ao dissipativo é chamado de banco longitudinal e se caracteriza pela presença de um banco de areia paralelo à costa marcando o início da zona de arrebentação. Entre a costa e o banco encontra-se uma calha. A zona de surfe neste estado é menor do que no anterior. O terceiro estado, nomeado de banco e calha, se caracteriza pela presença de cúspides na face da praia e no banco de areia que se encontra separado da praia por um canal, ora largo, ora mais estreito. No estado bancos transversais o banco de areia se conecta à praia em alguns trechos, formando bancos transversais à costa. Entre um banco e outro se formam fortes correntes de retorno que atravessam a zona de surfe, espraiandose após esta. O estado de terraços de baixa mar se aproxima das características refletivas. O banco de areia na maré baixa encontra-se exposto formando um terraço separado da face da praia por um pequeno canal. O gradiente topográfico é bem maior se comparado aos outros estágios intermediários. Wright e Short (1984) determinam ainda que uma praia tende a apresentar um estado modal que depende do ambiente. Os autores afirmam que o estado da praia é função da altura e período da onda e do tamanho do sedimento. A partir desta afirmação os seis estados foram relacionados ao parâmetro Ω de Dean, que incorpora as características da onda (altura na arrebentação) e dos sedimentos (velocidade de decantação). Muehe (1998), em contrapartida, através do acompanhamento de medições oceanográficas e sedimentológicas em diversas praias do estado do Rio de Janeiro, constatou pequena correspondência entre o estado morfodinâmico no momento da observação e aquele determinado pelo parâmetro de Dean. O autor (op. cit.) demonstra haver pouca correlação entre a velocidade de decantação dos sedimentos e os parâmetros de ondas no caso das praias dissipativas e intermediárias e formula a hipótese de que a comparação dos parâmetros de onda na zona de espraiamento e os parâmetros de ondas na zona de arrebentação representa uma abordagem mais diagnóstica do estado morfodinâmico no momento da observação do que o parâmetro de Dean. Desta forma, um novo parâmetro denominado delta ( ) é sugerido pelo autor para determinação do estado morfodinâmico no momento da observação no qual são associados o coeficiente de dissipação, isto é, a perda de energia da onda durante seu deslocamento e o coeficiente de regime de fluxo dado pela relação entre o período da onda (T) e o período do espraiamento na face da praia (Tespr). Buscando uma nova classificação morfológica das praias, Lippmann e Holman (1990) desenvolveram uma técnica de sensoriamento remoto - time average imaging of incident wave breaking - com a qual é possível estimar a localização das cristas dos bancos submersos. A partir da interpretação de imagens de longa exposição (10 minutos) da zona de surfe, obtidas por filmagem de vídeo passando posteriormente por um sistema de processador de imagem, Lippmann e Holman (op. cit.) sugerem alterações no modelo apresentado por Wright e Short (1984) identificando oito estados morfodinâmicos.

3 3. Material e Método A técnica proposta no presente trabalho consiste na utilização de uma câmera fotográfica manual, um filme com velocidade baixa (ASA 100), uma tampa opaca com um orifício no centro de aproximadamente 0,03cm, um disparador automático e um tripé. Duas diferentes formas de utilização da câmera fotográfica foram testadas: a) utilizando uma lente normal de 55mm e incorporando a esta a tampa opaca; b) utilizando o aparato opaco no lugar da lente (este tipo de câmera sem lente é denominado na língua inglesa de Pin Hole). Nas duas formas a passagem de luz deverá ocorrer apenas através do pequeno orifício. Desta forma, a entrada de luz na câmera será muito reduzida o que permite empregar um tempo de exposição maior do que uma câmera fotográfica usual. A menor abertura do diafragma de uma lente normal (f:16) possui aproximadamente 0,2 cm. A redução deste valor para 0,03 cm permite o aumento do tempo de exposição em mais de seis vezes. Portanto, em um dia de sol em que é preciso com a lente normal e o filme ASA 100 aplicar, por exemplo, uma velocidade de 1/125 segundos e abertura do diafragma f:16, na lente com o orifício de apenas 0,03cm será possível expor a câmera por aproximadamente 0,5 segundo para obter uma fotografia com a mesma qualidade. Tendo em vista que para o alcance dos objetivos não é exigida uma qualidade em termos de cor e nitidez muito elevada, e dependendo da claridade do dia e do local a ser fotografado, é possível empregar um tempo de exposição de vários minutos (foram empregados até 4 minutos). Para que a câmera fotográfica permaneça sem movimento é necessário a utilização do tripé e do disparador automático. A revelação das fotografias foi realizada em meio comercial comum. Após a revelação as fotografias foram escaneadas e através do programa Photoshop 6.0 da Adobe foram transformadas em preto e branco e ajustadas quanto ao brilho e contraste. O objetivo do emprego da longa exposição é registrar em uma mesma fotografia a arrebentação de uma série de ondas (o número de ondas dependerá do período destas e do tempo de exposição). Com isso, será registrado também o contraste da intensidade de luz entre o local mais recorrente da arrebentação das ondas e o de "não-arrebentação" permitindo, então, identificar o padrão espacial da arrebentação das ondas. Como fora constatado por Lippmann e Holman (1989) o local de arrebentação corresponde aproximadamente a posição do banco de areia o que, por sua vez, está diretamente relacionado ao estado morfodinâmico das praias. As fotografias de longa exposição foram realizadas nas praias do Foguete, localizada na cidade de Cabo Frio, Massambaba, em Arraial do Cabo, Recreio e Barra da Tijuca, ambas na cidade do Rio de Janeiro. As duas primeiras praias vêem sendo monitoradas através de perfis transversais desde 1995 pelo grupo de Geografia Marinha da UFRJ (Muehe et al., 2001). 4. Resultados No momento da fotografia foram observadas na praia do Foguete ondas de 1,2 metros de altura e período de 7 segundos. Na fotografia com 2 minutos de exposição (Foto 1a) observa-se uma quase contínua mancha clara indicando uma zona de surfe larga com várias arrebentações, características estas típicas do estado denominado por Wright e Short (1984) como dissipativo. Nota-se que a fotografia com longa exposição revela informações sobre o padrão de arrebentação das ondas diferentes da fotografia tirada instantaneamente (câmera normal) (Foto 1b).

4 Foto 1a - Praia do Foguete, Cabo Frio - RJ Exposição de 2 minutos utilizando uma câmera Pinhole. Foto 2b - Praia da Massambaba, Arraial do Cabo RJ. Câmera normal. A fotografia retirada na praia do Recreio com 1 minuto de exposição (Foto 3a) revela a presença de um banco longitudinal. Observa-se ainda uma interrupção neste banco o que pode estar relacionado às correntes de retorno. Foram observadas no momento ondas de 0,5 metro de altura e período de 12 segundos. Foto 1b - Praia do Foguete, Cabo Frio - RJ Câmera normal. Na praia da Massambaba foram observadas no momento da fotografia ondas com 1,5 metros de altura e período de 6 segundos. A fotografia desta praia com exposição de 2 minutos revela o padrão de arrebentação que indica a presença de banco longitudinal e banco transversal (Foto 2a) sugerindo uma praia no estado de Banco Transversal segundo a classificação de Wright e Short (1984). banco transversal Foto 3a - Praia do Recreio - Rio de Janeiro. Exposição de 1min utilizando uma câmera com lente normal e a tampa opaca. banco longitudinal Foto 3b - Praia do Recreio - Rio de Janeiro. Câmera normal. Foto 2a Praia da Massambaba, Arraial do Cabo - RJ. Exposição de 2 minutos utilizando uma câmera Pinhole.

5 Finalmente, na praia da Barra da Tijuca, a fotografia com 2 minutos de exposição (foto 4a) revela a presença de bancos transversais intercalados por canais onde as ondas não arrebentam. Porém, como é possível observar na fotografia, os bancos transversais não estão conectados ao póspraia, o que pode indicar o início do processo de transição para o estado de banco e praia de cúspides. Foto 4a Praia da Barra da Tijuca Rio de Janeiro Exposição de 2 minutos utilizando uma câmera PinHole. Foto 4b Praia da Barra da Tijuca Rio de Janeiro Câmera Normal 5. Conclusões Os primeiro resultados do uso de fotografias de longa exposição mostraram a eficácia desta técnica para a identificação das feições morfológicas da zona de surfe. O fato do filme permanecer exposto à luz por um tempo longo torna possível registrar o padrão de arrebentação de uma série de ondas o que não ocorre em uma fotografia instantânea. Desta forma, acredita-se que a técnica sugerida neste artigo pode auxiliar as pesquisas que visem compreender melhor a morfologia das praias, sua dinâmica e a variabilidade diante as mudanças das condições oceanográficas. No entanto algumas limitações, também encontradas na técnica apresentada por Lippmann e Holman (1990), devem ser listadas. Em primeiro lugar a técnica só pode ser realizada quando a ondulação é forte o suficiente para formar uma zona de arrebentação gerando um contraste de luz na fotografia. Pelo mesmo motivo nos dias muito nublados ou com chuva não é possível obter fotografias com boa qualidade. Além disso, nem todas as praias apresentam locais elevados e com bom ângulo para posicionar a câmera de forma adequada para a fotografia. Por fim, as praias refletivas não são bem representadas nas fotografias tendo em vista a ausência de zona de arrebentação característica deste estado. É importante novamente frisar que a técnica sugerida neste trabalho apresenta custo muito baixo diferentemente daquela apresentada por Lippman e Holmann (1990) que exige a utilização de uma câmara de vídeo e um programa de computador sofisticado para o processamento das imagens. Em trabalhos futuros outras experiências serão realizadas visando melhorar a técnica apresentada. Pretende-se ainda incorporar a fotografia de longa exposição ao monitoramento de diversas praias do estado do Rio de Janeiro o qual já vem sendo realizado pelo laboratório de Geografia Marinha da UFRJ a partir do levantamento de perfis topográficos. 6. Bibliografia LIPPMANN, T. C. e HOLMAN, R. A Quantification of sand bar morphology: a video technique based on wave dissipation. Journal of Geophysical Research, vol. 94: LIPPMANN, T. C. e HOLMAN, R. A The spatial and Temporal Variability of Sand Bar Mophology. Journal of Geophysical Research, vol. 95 NO. C7:

6 MUEHE, D Estado Morfodinâmico praial no instante da observação: uma alternativa de identificação. Revista Brasileira de Oceanografia, 46 (2): p MUEHE, D.; FERNANDEZ, G. B.; SAVI, D. C Resposta Morfodinâmica de um Sistema praia-antepraia a oeste de cabo Frio exposto às tempestades de In: VIII CONGRESSO DA ABEQUA. Boletim de Resumos. Mariluz, Imbé, RS, 2001, p WRIGHT, L. SHORT, A. D Morphodynamic Variability of Surf Zones and Beaches: A Syntesis. Marine Geology, 56: p Este trabalho foi realizado no âmbito do projeto Geomorfologia e processos morfodinâmicos da plataforma continental interna e ante-praia no estado do Rio de Janeiro desenvolvido pelo laboratório de Geografia Marinha da UFRJ aprovado e financiado pelo CNPq (processo nº /05).

O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação

O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação ISSN 1678-5975 Dezembro - 2007 Nº 5 103-109 Porto Alegre O Uso de Fotografias de Longa Exposição como Nova Técnica para Determinação do Estado Morfodinâmico Praial no Momento da Observação Lins-de-Barros

Leia mais

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol PRAIAS i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos Transversal à praia Longitudinal à praia v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol Terminologia A praia é um depósito

Leia mais

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE

TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 3 n.1 Jan/Mar 1998, 105-110 TRENÓ PARA MEDIDAS DO FUNDO DA ZONA DE SURFE Renato R. Martins, Elírio E. Toldo Jr., Luiz E. S. B. Almeida Universidade

Leia mais

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA Elaine Siqueira Goulart 1 ; Lauro Júlio Calliari 1 elainegoulart@gmail.com 1 - Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL Ana Fatima da Silva 1 ; Norberto Olmiro Horn Filho 2 ; Ulisses Rocha de Oliveira 3 ana.oceano@gmail.com 1 Programa de Pós-Graduação em Geociências

Leia mais

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil

Instituto de Pesquisas Hidráulicas. IPH - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil. Av. Bento Gonçalves 9500, 91509-900, Porto Alegre, RS, Brasil IDENTIFICAÇÃO DE JAZIDAS POTENCIAIS DE AREIA NA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARA RECUPERAÇÃO DE PRAIAS URBANAS ENTRE AS CIDADES DE NITERÓI E MACAÉ RJ Julio F. de Oliveira 1 ; Dieter Muehe 2 ; Luiz E.

Leia mais

RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA.

RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA. RISCOS PARA O BANHO DE MAR ASSOCIADOS AOS ESTÁGIOS MORFODINÂMICOS DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU SUL DA BAHIA. Lucas do Nascimento 1 ; Adeylan Nascimento Santos 1 ; Abílio Carlos da Silva Pinto Bittencourt

Leia mais

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular

NÍVEL MÉDIO DO MAR. Diagrama triangular NÍVEL MÉDIO DO MAR Diagrama triangular Classificação do litoral com base na energia Hayes (1979) Morfologias costeiras em função da amplitude da maré PTorres JAD Torres, RS, Brasil Limites da Praia Profundidade

Leia mais

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 4, Nº (2003) 3-7 Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia 2 3 Dieter Muehe, Rosuita Helena

Leia mais

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DE SEIS PRAIS DO MUNICÍPIO DE PARATY, RJ: DADOS PRELIMINARES Fernanda Costa de Andrade 1 ; José Antônio Baptista Neto 1 ; Valéria Gomes Veloso fernanda.andrade@ymail.com 1

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DAS CÚSPIDES DA PRAIA DE CAMBURI, VITÓRIA ES Leão, Caroline 1 ; Albino, Jacqueline 1 1 Departamento de Ecologia e Recursos Naturais- UFES (carolineleao@yahoo.com.br; jacqueline.albino@terra.com.br)

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira.

Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira. Influencia de fatores climáticos e oceanográficos na morfodinâmica de 3 perfis distintos da costa brasileira. Monia Rech; Telma Aisengart Geosoft Latinoamerica Hoefel (1995) descreveu que assim que o vento

Leia mais

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Journal of Coastal Research, 28(4):903-922. 2012 INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO MÉTODOS

Leia mais

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO RAFAEL LOPES MENDONÇA ICLEIBER NASCIMENTO LIMA

Leia mais

Morfodinâmica praial: uma breve revisão

Morfodinâmica praial: uma breve revisão Revisão Rev. bras, oceanogr.. 5l(único):63-78. 2003 Morfodinâmica praial: uma breve revisão (Beach morphodynamics: a brief review) Lauro Júlio Calliari 1, Dieter Muehc 2, Fernanda Gemael Hoefel 3 & Elírio

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES.

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. Larissa Cristina Alves 1 ; Marcelo Renato Lamour 1 ; larialves_oceano@ufpr.br 1 Centro

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL RESUMO

MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL RESUMO 1 ISSN 1679-3013 TROPICAL OCEANOGRAPHY ONLINE MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL Patrícia Mesquita PONTES Tereza Cristina Medeiros de ARAÚJO

Leia mais

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL

PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL PEQUENAS BARREIRAS NO ESTADO DO CEARA, NORDESTE DO BRASIL CLAUDINO-SALES, V. (1) (1) Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará, (vcs@ufc.br) PARENTE, L.P. (2) (2) Instituto de Ciências do

Leia mais

Marcelo de Araujo Vitola

Marcelo de Araujo Vitola AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DOS PARÂMETROS PARA A CLASSIFICAÇÃO MORFODINÂMICA DE PRAIAS ARENOSAS APLICADOS A PRAIA DA BARRA DO FURADO - LITORAL NORTE DO RIO DE JANEIRO Marcelo de Araujo Vitola TESE SUBMETIDA

Leia mais

45 mm. Palavras-chave: Erosão costeira, Georreferenciamento, Transporte de sedimentos.

45 mm. Palavras-chave: Erosão costeira, Georreferenciamento, Transporte de sedimentos. EROSÃO COSTEIRA NO ARCO PRAIAL BARRA DA TIJUCA - RECREIO DOS BANDEIRANTES, ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO: IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE RETROGRADAÇÃO E PROGRADAÇÃO DA LINHA DE COSTA ¹ Rafael Santos de Sousa

Leia mais

ELLIFF et al., p. 133-138 133

ELLIFF et al., p. 133-138 133 ELLIFF et al., p. 133-138 133 CLASSIFICAÇÃO MORFODINÂMICA DA PRAIA DO GONZAGA, SANTOS, SÃO PAULO, BRASIL Carla Isobel ELLIFF¹ Nathalia de Sousa MOTTA² Iara Mineiro SCRICCO³ Mariângela Oliveira de BARROS

Leia mais

Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE).

Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE). Caracterização do fluxo sedimentar na zona de surfe de praias de micro e meso marés aplicação a praia do Cassino (RS) e praia do Futuro (CE). Miguel da G. Albuquerque¹; José A.S. Fontoura²; Lauro J. Calliari¹;

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL FÍSICO DO MUNICÍPIO DE ARACAJU COMO SUBSÍDIO AO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DE SERGIPE FONTES, Aracy Losano Universidade Federal de Sergipe. Núcleo de Pós-Graduação

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA DO NENEL, ILHA BELA (ILHA DO BOI), VITÓRIA-ES

VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA DO NENEL, ILHA BELA (ILHA DO BOI), VITÓRIA-ES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE ECOLOGIA E RECURSOS NATURAIS CURSO DE OCEANOGRAFIA ANA CLAUDIA J. MARCONDES VULNERABILIDADE EROSIVA DA PRAIA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DA PRAIA DO MORRO, GUARAPARI ESPÍRITO SANTO

CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DA PRAIA DO MORRO, GUARAPARI ESPÍRITO SANTO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS DEPARTAMENTO DE OCEANOGRAFIA E ECOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM OCEANOGRAFIA LEONARDO AZEVEDO KLUMB OLIVEIRA CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes

Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA. Aracy Losano Fontes Aula 9 PRAIAS ARENOSAS OCEÂNICAS E EROSÃO COSTEIRA META Abordar os conteúdos relacionados com as praias arenosas oceânicas e a erosão costeira, contemplando definições, modelos de classifi cação das praias

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

Laboratório de Oceanografia Geológica

Laboratório de Oceanografia Geológica O Laboratório de Oceanografia Geológica LOG concentra suas pesquisas para no reconhecimento, e caracterização de ambientes costeiros e marinhos visando o aproveitamento do seu potencial natural, especificamente

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL

BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL BATIMETRIA E DISTRIBUIÇÃO DOS SEDIMENTOS DA PLATAFORMA CONTINENTAL INTERNA PARANAENSE PARANÁ - BRASIL Luiz Henrique Sielski de Oliveira 1 ; Fernando Alvim Veiga 2 ; Rodolfo José Angulo 1 ; Maria Cristina

Leia mais

EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO

EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO EXPERIMENTO CASSINO 2005: UMA SÍNTESE DOS LEVANTAMENTOS EFETUADOS NA ANTE-PRAIA E ZONA DE ARREBENTAÇÃO Lauro Julio Calliari 1, Todd Holand 2 Marcelo Sperle Dias 3, Susana Vinzon 4, E.B. Thorton 5,T. P.

Leia mais

Morfodinâmica e a estabilidade da praia de Piratininga, Niterói (RJ)

Morfodinâmica e a estabilidade da praia de Piratininga, Niterói (RJ) Revista Brasileira de Geociências André Luiz Carvalho da Silva et al. 39(4): 685-694, dezembro de 2009 Morfodinâmica e a estabilidade da praia de Piratininga, Niterói (RJ) André Luiz Carvalho da Silva

Leia mais

Raphael Souza Ribeiro. Caracterização morfodinâmica de praias do Estado de Santa Catarina com vistas à avaliação de perigo ao banhista

Raphael Souza Ribeiro. Caracterização morfodinâmica de praias do Estado de Santa Catarina com vistas à avaliação de perigo ao banhista Raphael Souza Ribeiro Caracterização morfodinâmica de praias do Estado de Santa Catarina com vistas à avaliação de perigo ao banhista Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Geografia,

Leia mais

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS GEOLOGIA GERAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Quarta 14 às 18h museu IC II Aula 18 Praias e Ambiente Marinho Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Praias Definição de praia zona de material

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS DA ILHA DE COTIJUBA (BAÍA DO MARAJÓ) NO ESTADO DO PARÁ

CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS DA ILHA DE COTIJUBA (BAÍA DO MARAJÓ) NO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CARACTERIZAÇÃO MORFOSSEDIMENTAR DURANTE O ANO DE 2007 DAS PRAIAS ESTUARINAS

Leia mais

Morfodinâmica Bi-Tridimensional de Praia e Zona de Surfe Intermediária-Dissipativa no Litoral Norte-RS

Morfodinâmica Bi-Tridimensional de Praia e Zona de Surfe Intermediária-Dissipativa no Litoral Norte-RS ISSN 1678-5975 Junho - 2008 V. 6 nº 1 81-97 Porto Alegre Morfodinâmica Bi-Tridimensional de Praia e Zona de Surfe Intermediária-Dissipativa no Litoral Norte-RS Tabajara L.L.C.A. 1 ; Almeida L.E.S.B. 2

Leia mais

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA.

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Silvia Letícia Alves Garcêz¹, Maria Aurora Santos da Mota². ¹Estudante de Graduação da Universidade Federal do Pará,

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

MORFODINÂMICA DAS PRAIAS DE MESO-MACROMARÉS DA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DO PARÁ

MORFODINÂMICA DAS PRAIAS DE MESO-MACROMARÉS DA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DO PARÁ MORFODINÂMICA DAS PRAIAS DE MESO-MACROMARÉS DA ZONA COSTEIRA DO ESTADO DO PARÁ Marcelo Augusto Moreno da Silva Alves1; Maâmar El-Robrini2; Pedro Walfir Martins e Sousa Filho3; Daniel Ramôa Farias4 & Carmena

Leia mais

Monitoramento do avanço da frente de dunas na região do Peró, Cabo Frio, Rio de Janeiro. Francisco de Assis Dourado Antonio Soares da Silva

Monitoramento do avanço da frente de dunas na região do Peró, Cabo Frio, Rio de Janeiro. Francisco de Assis Dourado Antonio Soares da Silva Monitoramento do avanço da frente de dunas na região do Peró, Cabo Frio, Rio de Janeiro Francisco de Assis Dourado Antonio Soares da Silva Departamento de Recursos Minerais do Rio de Janeiro DRM-RJ Rua

Leia mais

MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ

MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ MONITORAMENTO DE MUDANÇAS MORFOLÓGICAS EM PRAIAS ARENOSAS: O CASO DE ITAIPUAÇU, MARICÁ RJ Isabela Fortes de Azevedo ; Jacyra Veloso 2 ; Josefa Varela Guerra ; João Marcello de Ribeiro Camargo 3. Departamento

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 168 172 ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS OLIVEIRA, Rafael

Leia mais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais 1 Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 Bruno Ferraz Bartel 2 Christiane

Leia mais

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010

Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Reflexos da extração de areia na morfologia do ribeirão dos Macacos-MG, entre 1989 e 2010 Carvalho, A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA, IGC/UFMG) ; Raposo, A.A. (PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA,

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

Rotas de aprendizagem - Projetos

Rotas de aprendizagem - Projetos Página1 Rotas de aprendizagem - Projetos Domínio - A Terra: Estudos e Representações Subdomínio: A e o Território 1/2 Quinzenas (Inicio: 1.º período) 1) Reconhecer a como a ciência que estuda os territórios

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

Astrofotografia com camera fixa

Astrofotografia com camera fixa Astrofotografia com camera fixa José Carlos Diniz - dinizfam@uninet.com.br Ao escrever sobre este tema pretendemos estimular o uso da astrofotografia, desmistificando e apresentando de forma simples e

Leia mais

ESTUDO GEOAMBIENTAL DA ORLA DE MARACAÍPE IPOJUCA (PE), BRASIL

ESTUDO GEOAMBIENTAL DA ORLA DE MARACAÍPE IPOJUCA (PE), BRASIL ESTUDO GEOAMBIENTAL DA ORLA DE MARACAÍPE IPOJUCA (PE), BRASIL Renê Jota Arruda de Macêdo 1 Eduardo Paes Barreto 2 Almany Costa Santos 3 Valdir do Amaral Vaz Manso 4 1, 2 Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO

FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO FOTOGRAFIA BÁSICA: EQUIPAMENTOS Controles básicos da câmera OBTURADOR Tempo de exposição velocidade de disparo AFETA

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO IV: INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM EM MAR ABERTO POR JET PROBE Preparado

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DA PAISAGEM COSTEIRA DO LITORAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, NE DO BRASIL.

ANÁLISE PRELIMINAR DA PAISAGEM COSTEIRA DO LITORAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, NE DO BRASIL. ANÁLISE PRELIMINAR DA PAISAGEM COSTEIRA DO LITORAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, NE DO Marcelo dos Santos Chaves Universidade Federal Do Rio Grande Do Norte mschaves2007@gmail.com Zuleide Maria Carvalho

Leia mais

TOPEX/POSEIDON Jason 1

TOPEX/POSEIDON Jason 1 SISMOLOGIA Um dos primeiros terremotos a ser analisado cientificamente foi o terremoto de Lisboa, em novembro de 1755. Esse terremoto, que foi seguido de um tsunami, praticamente destruiu a cidade de Lisboa.

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL Maria das Neves Gregório 1 ;Tereza C. Medeiros de Araújo 2. 1 Geógrafa e aluna do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia

Leia mais

VARIAÇÃO MORFOSEDIMENTAR E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA NA PRAIA DE BREJATUBA, GUARATUBA, PR.

VARIAÇÃO MORFOSEDIMENTAR E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA NA PRAIA DE BREJATUBA, GUARATUBA, PR. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ THAÍS GUIMARÃES DE FREITAS VARIAÇÃO MORFOSEDIMENTAR E SUA RELAÇÃO COM A DINÂMICA NA PRAIA DE BREJATUBA, GUARATUBA, PR. PONTAL DO PARANÁ 29 THAÍS GUIMARÃES DE FREITAS VARIAÇÃO

Leia mais

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento A câmera fotográfica 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento Definição Câmera fotográfica é uma câmara escura projetada segundo características específicas (quanto a ótica, mecânica

Leia mais

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3 MODELAGEM NUMÉRICA DO TERRENO A PARTIR DA RECUPERAÇÃO DA BATIMETRIA DE 1958 NA FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL E DA ÁREA DA PLATAFORMA CONTINENTAL ADJACENTE, E SUAS APLICAÇÕES GEOLÓGICAS Anderson Gomes de Almeida

Leia mais

Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil

Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil Revista Brasileira de Geociências Ulisses Rocha de Oliveira et al. 38(3): 566-576, setembro de 2008 Variabilidade morfológica da praia do Pântano do Sul, ilha de Santa Catarina, Brasil Ulisses Rocha de

Leia mais

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota Luís Pina Rebêlo; Pedro Oliveira Brito. Departamento de Geologia Marinha - INETI 1- Introdução

Leia mais

Aspectos granulométricos dos sedimentos siliciclásticos do sistema praia - duna frontal da folha Sombrio, sul do Estado de Santa Catarina, Brasil

Aspectos granulométricos dos sedimentos siliciclásticos do sistema praia - duna frontal da folha Sombrio, sul do Estado de Santa Catarina, Brasil Aspectos granulométricos dos sedimentos siliciclásticos do sistema praia - duna frontal da folha Sombrio, sul do Estado de Santa Catarina, Brasil Ulisses Rocha de Oliveira, Anderson Tavares de Melo, Daniel

Leia mais

PROJETO "TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL)"

PROJETO TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL) PROJETO "TRANSFERÊNCIA DE METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE APOIO À GESTÃO DO LITORAL BRASILEIRO, SISTEMA DE MODELAGEM COSTEIRA DO BRASIL (SMC-BRASIL)" ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MMA/IDEMA-RN/UFRN RELATÓRIO

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais Porquê ocorre erosão da costa? Falta de sedimentos Exaustão da fonte Retenção de sedimentos Tempestades Elevação do nível do mar Datação C14 sem correção reservatório Datação com correção com calibração

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia. Ana Fatima da Silva

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia. Ana Fatima da Silva Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia Ana Fatima da Silva COMPORTAMENTO MORFODINÂMICO E SEDIMENTAR DAS PRAIAS ADJACENTES AO

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia. Ana Fatima da Silva

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia. Ana Fatima da Silva Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-graduação em Geografia Ana Fatima da Silva COMPORTAMENTO MORFODINÂMICO E SEDIMENTAR DAS PRAIAS ADJACENTES AO

Leia mais

Capítulo IV- Pinhole. Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A

Capítulo IV- Pinhole. Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A Capítulo IV- Pinhole Pinhole: Processo de se fazer fotografia sem a necessidade do uso de equipamentos convencionais. A câmera pode ser construída de forma artesanal utilizando materiais simples. O nome

Leia mais

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 Ricardo Antonio Mollmann Junior 1, Natalia Parisotto Sinhori 1, Yasmin Uchôa da Silva 1, Heliofábio Barros Gomes¹, Rosiberto

Leia mais

Processamento Sísmico:

Processamento Sísmico: Processamento Sísmico: Até aqui vimos que um pulso sísmico artificial atravessa as camadas e parte de sua energia é refletida em cada superfície de contraste de impedância acústica. A fração da amplitude

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Aplicação de rotinas morfológicas para detecção de redes de drenagem. Fernando Leonardi 1 Erivaldo Antônio da Silva 2

Aplicação de rotinas morfológicas para detecção de redes de drenagem. Fernando Leonardi 1 Erivaldo Antônio da Silva 2 Aplicação de rotinas morfológicas para detecção de redes de drenagem Fernando Leonardi 1 Erivaldo Antônio da Silva 2 1,2 Universidade Estadual Paulista - UNESP Caixa Postal 19060 900 Presidente Prudente

Leia mais

MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL)

MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL) MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL) Ana Regina L. Uchoa de Moura 1 ; Xiomara Franchesca G. Diaz 2 ; Bernadete Negromonte C. Bem 3 ; Márcia

Leia mais

Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce

Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce Polizel, S.P. (INPE) ; Cremon, E.H. (INPE) ; Rossetti, D.F. (INPE) RESUMO Esse trabalho

Leia mais

Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird

Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird Identificação de feições morfológicas de praias através de Imagens de Satélite Quickbird Patricia Fernanda Passos de Oliveira 1 Renê Jota Arruda de Macêdo 1 Hewerton Alves da Silva 1 Eduardo Paes Barreto

Leia mais

Micro-ambientes marítimos: método para sua definição. Marítime microenvironment: method for its definition

Micro-ambientes marítimos: método para sua definição. Marítime microenvironment: method for its definition Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.12, p.93-99, Outubro, 2008 Micro-ambientes marítimos: método para sua definição Marítime microenvironment: method for its definition Sônia S. F. Bretanha 1 & André

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO DE GEOGRAFIA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite.

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.7636 Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por

Leia mais

EM BUSCA DA FORMA IDEAL DE UM FUNDO ARTIFICIAL PARA SURFE. Luiz Guilherme Morales de Aguiar

EM BUSCA DA FORMA IDEAL DE UM FUNDO ARTIFICIAL PARA SURFE. Luiz Guilherme Morales de Aguiar EM BUSCA DA FORMA IDEAL DE UM FUNDO ARTIFICIAL PARA SURFE Luiz Guilherme Morales de Aguiar DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL.

DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL. DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL. Ronaldo dos Santos da Rocha 1 Elírio E. Toldo Jr. 2 Jair Weschenfelder 2 1 Eng. Cartógrafo, Prof. Dr. Depto. Geodésia

Leia mais

Planificação a longo prazo

Planificação a longo prazo A Terra: Estudos e Representações 1º Período / 2º Período Planificação a longo prazo Professores: Carlos Naré e Isabel Rodrigues Ano letivo: 2015-2016 Número de aulas previstas (3 x 45 minutos / semana)

Leia mais

45 mm. Celia Regina de Gouveia Souza 1 ; Agenor Pereira Souza 2 ; Reinaldo Silveira Ferreira 3 ; Eduardo Garcia Rosa 4 ; Paulo César Munarin 5

45 mm. Celia Regina de Gouveia Souza 1 ; Agenor Pereira Souza 2 ; Reinaldo Silveira Ferreira 3 ; Eduardo Garcia Rosa 4 ; Paulo César Munarin 5 PROGRAMA DE MONITORAMENTO PRAIAL PARA AVALIAÇÃO DE POSSÍVEIS IMPACTOS DA DRAGAGEM DE APROFUNDAMENTO DO CANAL DO PORTO DE SANTOS: SÍNTESE DA ABORDAGEM METODOLÓGICA Celia Regina de Gouveia Souza 1 ; Agenor

Leia mais

Enchentes em Santa Catarina - setembro/2013

Enchentes em Santa Catarina - setembro/2013 Enchentes em Santa Catarina - setembro/2013 O início da primavera de 2013 foi marcado por um período de chuvas intensas no estado de Santa Catarina, atingindo 82 municípios e afetando mais de 24 mil pessoas.

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006

COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006 COMPARAÇÃO ENTRE MEDIDAS DE VELOCIDADE DO VENTO EM RIO GRANDE, RS, DE 2001 A 2006 Joel Rubert 1, Margareth Badejo dos Santos 2, Nisia Krusche 3 RESUMO: Diferenças entre as medidas de vento, realizadas

Leia mais

Relação entre a Precipitação Acumulada Mensal e Radiação de Onda Longa no Estado do Pará. (Dezembro/2009 a Abril/2010)

Relação entre a Precipitação Acumulada Mensal e Radiação de Onda Longa no Estado do Pará. (Dezembro/2009 a Abril/2010) Relação entre a Precipitação Acumulada Mensal e Radiação de Onda Longa no Estado do Pará. (Dezembro/2009 a Abril/2010) Adriana Hellen Ferreira Cordeiro¹, Nilza Araújo Pachêco² 1. Graduanda de Meteorologia

Leia mais