Sistemas Empresariais Integrados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Empresariais Integrados"

Transcrição

1 Sistemas Empresariais Integrados Introdução Basic MOM: in basic MOM it is the sender who specifies the identity of the receivers sender receiver message broker core : with message brokers, custom message routing logic can be defined at the message broker level or at the queue level message broker Alonso, Casati, Kuno, Machiraju, Web Services: Concepts, Architectures, Applications, Springer,

2 Introdução Enterprise Service Bus (ESB) M. Weske: Business Process Management, Springer-Verlag Berlin Heidelberg 2007 Introdução Routing baseado em conteúdo cada tipo de mensagem destina-se a um canal/aplicação diferente, ou o mesmo tipo de mensagem segue para um canal de destino mediante certas condições p.ex.: Quantidade > 500 2

3 Introdução Routing com base em processos vantagem: muito maior flexibilidade vantagem: ponto central de controlo desvantagem: pode limitar desempenho Introdução M. Weske: Business Process Management, Springer-Verlag Berlin Heidelberg

4 Message-oriented middleware IBM MQSeries/ WebSphereMQ Java Message Service(JMS) Microsoft Message Queuing(MSMQ) etc. (Oracle AQ, Apache ActiveMQ, etc.) IBM WebSphere Message Broker / WebSphere ESB Glassfish/ Open ESB + NetBeans Microsoft BizTalk Server webmethods Integration Server etc. (Oracle Fusion, JBoss SOA platform, etc.) Message broker: visão geral Orquestrador Aplicação Aplicação Plataforma de mensagens 4

5 1º modo de integração: routing ao nível das mensagens Orquestrador Aplicação Aplicação Plataforma de mensagens 2º modo de integração: routing ao nível da orquestração Orquestrador Aplicação Aplicação Plataforma de mensagens 5

6 Exemplo: BizTalk Orquestração XML ou Flat File Receive Port Send Port MessageBox MessageBox é uma base de dados e também um broker guarda informação de mensagens e propriedades guarda informação de subscritores despacha mensagens para subscritores armazena mensagens se for necessário teoricamente, é possível ter várias MessageBox load balancing umas fazem routing, outras processam 6

7 Integração ao nível das mensagens Receive Port Send Port A MessageBox Filtro Port Customer = XYZ A Price > 1000 B Qty < 500 C Send Port B Send Port C Anatomia de uma receiveport Mensagem recebida por uma de várias receive locations Adaptador Adaptador Adaptador Adaptador (File, HTTP, SQL, etc.) Receive Pipeline Receive Pipeline Receive Pipeline Pipeline (PassThru, XML, customizada) Receive Location Receive Location Receive Location Mapa de Transformação Receive Port Mapa de transformação (opcional) 7

8 Anatomia de uma sendport Mensagem enviada para o exterior Adaptador Adaptador (File, HTTP, SQL, etc.) Send Pipeline Mapa Pipeline (PassThru, XML, customizada) Mapa de transformação (opcional) Filtro Filtro (opcional) Send Port Filtros em sendports têm uma expressão lógica p.ex.: produto = iogurte AND quantidade <= 10 aporta subscreveas mensagens que obedecem à expressão múltiplas portas com filtros diferentes permitem implementar content-based routing Filtro 1 Send Port Receive Port MessageBox Filtro 2 Send Port 8

9 Promoção de propriedades as propriedades usadas nas expressões dos filtros têm de ser promovidas p.ex. filtro 1: produto = iogurte AND quantidade <= 10 p.ex. filtro 2: produto = natas AND validade < 3 dias as propriedades produto, quantidade e validade têm de ser promovidas Filtro 1 Send Port Receive Port MessageBox Filtro 2 Send Port Promover propriedades implica criar um property schema(adicional) representa os dados importantes para integração promover os campos da mensagem original indica que a mensagem contém alguns desses dados Schema Produto Quantidade Data Validade Preço Property Schema Produto Quantidade Validade 9

10 Criação do property schema exemplo com uma só propriedade (Quantity) Promoção de propriedades noutros schemas exemplo de promoção do campo Quantity 10

11 Promoção de propriedades no Tutorial 1, Quantity foi distinguida para ser possível aceder ao valor na orquestração aqui estamos a ver propriedades promovidas para ser possível aceder ao valor ao nível das mensagens Orquestração Propriedades distinguidas Receive Port Send Port Propriedades promovidas MessageBox 11

12 Propriedades da mensagem Propriedade distinguida corresponde a uma expressão XPath usada para expressões e código nas orquestrações não é acessível à MessageBox Propriedade promovida necessita de um property schema usada em filtros e content-based routing acessível à MessageBox e a todos os componentes exige algum processamento adicional (performance) Integração ao nível das mensagens receber mensagem numa receive port extrair propriedades promovidas da mensagem consultar filtros dos subscritores neste caso os subscritores são send ports em geral, também podem ser orquestrações enviar a mensagem para os subscritores manter um registo para efeitos de monitorização semelhante ao journal em sistemas MSMQ 12

13 Integração ao nível das mensagens Receive Port Schema Property Schema Filtro Send Port Filtro Send Port MessageBox Filtro Send Port Integração ao nível da orquestração também há sendportse receiveports na orquestração as portas são lógicas ao nível das mensagens as portas são físicas é preciso fazer a ligação (portbinding) entre as duas em vez de filtros: routing é dado pelo fluxo da orquestração ashapedecidepermite caminhos alternativos com base em expressões com propriedades distinguidas mapas de transformação aparecem na shapetransforme não nas portas 13

14 Integração ao nível da orquestração Receive Port RequestInstance.Item.Quantity > 500 Send Port Send Port Integração ao nível da orquestração Send Port Receive Port MessageBox Send Port 14

15 Armazém Cenário do tutorial 1 Pedido Sistema ERP Não = Não aprovado Quantidade <= 500? Sim = Aprovado Cenário do tutorial 1 visão conceptual em termos de messaging Armazém Request Request Denied Broker (BizTalk) Request Quantidade <= 500 Quantidade > 500 Sistema ERP 15

16 Implementação do Tutorial 1 ao nível das mensagens criar schemas Request e RequestDenied criar property schema com Quantity promover Quantity no Request.xsd criar mapa Request-> RequestDenied criar 1 receiveporte 2 sendports configurar o filtro da porta request accepted configurar mapa e filtro da porta request denied 1. Criar os schemas Request e RequestDenied 16

17 2. Criar property schema RequestProperties.xsd 3. Promover Quantity no schema Request 17

18 4. Criar mapa Request-> RequestDenied 5. Configurar e fazer deploy da aplicação 18

19 6. Criar receive port e receive location 7. Criar a sendportpara pedidos aceites e configurar filtro Quantity <=

20 8. Criar a sendportpara pedidos negados e configurar mapa e filtro Request-> MapToReqDenied-> RequestDenied EAISolutionWithoutOrchestration.Quantity > Iniciar a aplicação estado das portas enlisted/unenlisted com / sem subscrição started/stopped: activo (à escuta) / não activo 20

21 Aplicação faz o mesmo que o Tutorial 1 sem orquestrações e com content-based routing Armazém Request Request Denied Broker (BizTalk) Request Quantidade <= 500 Quantidade > 500 Sistema ERP No entanto solução é assíncrona, mas supõe as aplicações estão todas online ao mesmo tempo um pedido aceite é enviado para o sistema ERP e o sistema recebe-o nesse momento como tornar a solução mais flexível? com filas de mensagens uma fila para os pedidos uma fila para os pedidos negados uma fila para os pedidos aceites 21

22 10. Parar a aplicação 11. Criar as filas requests requestsdenied requestsaccepted 22

23 12. Alterar a receive location de FILE para MSMQ e configurar nome da fila 13. Alterar as send ports para as filas respectivas 23

24 14. Iniciar a aplicação 15. Gerar uma instância de Request.xsd 24

25 16. Editar a mensagem por exemplo: <ns0:request xmlns:ns0="http://eaisolutionwithoutorchestration.request"> <Header> <ReqID>123</ReqID> <Date> </Date> </Header> <Item> <Description>Iogurte</Description> <Quantity>3</Quantity> <UnitPrice>0.50</UnitPrice> <TotalPrice>1.50</TotalPrice> </Item> </ns0:request> 17. Criar aplicação para enviar pedido (armazém) string requestmsg = File.ReadAllText("Request.xml"); Ler conteúdo string queuename MessageQueue queue = new MessageQueue(queueName); Abrir a fila Message queuemsg = new Message(); Criar mensagem StreamWriter writer = new StreamWriter(queueMsg.BodyStream); writer.write(requestmsg); writer.flush(); queue.send(queuemsg); Colocar conteúdo na mensagem Enviar mensagem 25

26 18. Ler a resposta da fila (sistema ERP) string queuename MessageQueue queue = new MessageQueue(queueName); Message queuemsg = queue.receive(); StreamReader reader = new StreamReader(queueMsg.BodyStream); string requestmsg = reader.readtoend(); Abrir a fila Receber mensagem Ler conteúdo da mensagem Console.WriteLine(requestMsg); Processar 19. Pedido aceite e pedido negado exemplos Mensagem recebida na fila requestsaccepted Mensagem recebida na fila requestsdenied 26

27 Conclusão uma solução de integração pode ser feita ao nível das mensagens, com content-based routing exige promoção de propriedades das mensagens ao nível da orquestração, com a definição do processo pode fazer uso de propriedades distinguidas necessita de propriedades promovidas se usar correlações (porquê?) Correlações e propriedades promovidas Instância 1 Instância 2 Instância 3 S S S R R R MessageBox? Send Port Receive Port Necessário promover para ter acesso às propriedades e identificar a instância 27

28 Tutorial 2: cenário Warehouse 2.Request Denied 1.Request 5.ConfirmedPO 2.Request Accepted BizTalk 3.PO 4.CommonPO Supplier ERP Tutorial 2 Tutorial 2: mapa PO -> CommonPO 28

29 Tutorial 2: orquestração POConfirmed_Instance = PO_Instance; Mapa PO -> CommonPO Tutorial 3 Tutorial 3: cenário Warehouse 2.Request Denied 1.Request 5.ConfirmedPO 7.Invoice 6.ASN 2.Request Accepted BizTalk 3.PO 4.CommonPO 8.Payment Voucher 9.Payment Ack. ASN, Invoice, Payment Ack. Supplier ERP Tutorial 3 29

30 Tutorial 3 Web Service Tutorial 3 Web Service Porta da orquestração publicada como WS Porta da orquestração publicada como WS 30

31 Tutorial 3 Mapa Invoice-> Payment Invocação de Regras de Negócio Tutorial 3 Web Service 31

32 Tutorial 3 AdvancedShipNotice Porta da orquestração publicada como WS CommonInvoice Porta da orquestração publicada como WS CommonPO Web Service Tutorial 3 Porta da orquestração publicada como WS Porta da orquestração publicada como WS Necessidade de correlação! Necessidade de correlação! Web Service 32

33 Tutorial 3 Definir as propriedades num property schema 1 propriedade de correlação: PO_Num Tutorial 3 Promover propriedade na CommonPO 33

34 Tutorial 3 Promover propriedade na AdvancedShipNotice Tutorial 3 Promover propriedade na CommonInvoice 34

35 Tutorial 3 Criar correlation type e correlation set correlation type: indica as propriedades a usar correlation set: correlação a usar na orquestração correlation set Nota: na mesma orquestração, pode haver várias correlações (correlation set) do mesmo tipo (correlation type) correlation type Tutorial 3 Indicar shapes que fazem parte da correlação Following Correlation Initializing Correlation Following Correlation 35

Sistemas Empresariais Integrados

Sistemas Empresariais Integrados Sistemas Empresariais Integrados Introdução ao BizTalk Server Enterprise Service Bus (ESB) M. Weske: Business Process Management, Springer-Verlag Berlin Heidelberg 2007 1 Message broker M. Weske: Business

Leia mais

Estrutura Message Brokers

Estrutura Message Brokers Estrutura Message Brokers Amadeu Dias amadeu@di.fc.ul.pt O que são Message Brokers O Porquê! Arquitectura Geral Aspectos a ter em conta Referências O que são Message Brokers Middleware MOM específico:

Leia mais

Middleware Orientado a Mensagens (MOM)

Middleware Orientado a Mensagens (MOM) Middleware Orientado a Mensagens Visão Geral RPC/RMI é inadequado para comunicação em alguns cenários de aplicação Cliente e servidor precisam estar ativos durante a comunicação Implica em espera para

Leia mais

Sistemas Empresariais Integrados

Sistemas Empresariais Integrados Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Sistemas Empresariais Integrados Tutorial de Web Services 2º semestre Pretende-se desenvolver um Web Service que converte valores de temperatura de graus

Leia mais

Patrocinadores. Agenda. Introdução ao BizTalk Server 2006. CTS01 O que há de novo no BizTalk Server 2006? Perspectiva Histórica

Patrocinadores. Agenda. Introdução ao BizTalk Server 2006. CTS01 O que há de novo no BizTalk Server 2006? Perspectiva Histórica Microsoft TechDays 2005 Aprender, Partilhar, Experimentar CTS01 O que há de novo no BizTalk Server 2006? Patrocinadores Agenda CTS01 is RATED: NO CODE Introdução ao BizTalk Server 2006 Perspectiva histórica

Leia mais

Service Oriented Architectures

Service Oriented Architectures Service Oriented Architectures Uma abordagem evolutiva Manager, IT Middleware Vodafone Portugal Mario.saraiva@vodafone.com Agenda 1. O desafio da Integração O princípio do Middleware, ActiveWorks e Middleware

Leia mais

Web Services e SOAP. Alexandre Zua CaldeiraTecnologias de Middleware 2006/2007 20.10.2006. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Web Services e SOAP. Alexandre Zua CaldeiraTecnologias de Middleware 2006/2007 20.10.2006. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Alexandre Zua Caldeira Tecnologias de Middleware 2006/2007 Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 20.10.2006 1 Introdução Definições Limitações do Middleware Estudado Integração com Web Services

Leia mais

Sistemas Empresariais Integrados

Sistemas Empresariais Integrados Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Sistemas Empresariais Integrados Tutorial do Adaptador SQL 2º semestre Considere uma base de dados com uma tabela account que guarda o número de conta,

Leia mais

Message Oriented Middleware (MOM)

Message Oriented Middleware (MOM) Message Oriented Middleware (MOM) March 24, 2010 Comunicação Assíncrona Problema: Nem sempre as entidades comunicantes estão disponíveis simultaneamente. Por exemplo, um servidor de submissão pode estar

Leia mais

soluções transversais SOLUÇÕES middleware

soluções transversais SOLUÇÕES middleware soluções transversais SOLUÇÕES middleware RESUMO DA SOLUÇÃO ITbank framework 4g performance orquestração interoperabilidade O Middleware SOA ITBank framework 4g implementa uma arquitetura SOA com orquestração

Leia mais

WebSphere MQ. Bruno Miguel de Sousa Gonçalves

WebSphere MQ. Bruno Miguel de Sousa Gonçalves WebSphere MQ Bruno Miguel de Sousa Gonçalves 1.Introdução ao WebSphere Os produtos WebSphere providenciam comunicação entre programas através da interligação entre componentes heterogéneos, processadores,

Leia mais

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos ESB Enterprise Service Bus Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos Resumo Introdução Definição Problemas atuais e Vantagens Evolução do ESB ESB versus EAI, MOM, Workfow, SOA

Leia mais

Workflow Management Systems

Workflow Management Systems Workflow Management Systems João Sequeira Tecnologias de Middleware 28 Outubro 2004 Plano de Apresentação Introdução O que são WfMS Background Histórico Definição de Sistemas de Workflow Execução de um

Leia mais

Middleware Orientado a Mensagens Visão Geral Comunicação Gerenciamento de Filas Padrões e Produtos 1 Middleware Orientado a Mensagens RPC/RMI é inadequado para comunicação em alguns cenários de aplicação

Leia mais

Integração Orientada a Serviços

Integração Orientada a Serviços Integração Orientada a Serviços Porto Alegre, Agosto de 2006 Agenda Sobre a e-core SOA O que é? Web Services x SOA Principal Motivação - Integração SOI ESB BPEL JBI ServiceMix Solução Proposta A Empresa

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Otimização dos processos de integração de sistemas de informação por meio de barramento de serviços

Otimização dos processos de integração de sistemas de informação por meio de barramento de serviços Otimização dos processos de integração de sistemas de informação por meio de barramento de serviços Celly de Siqueira Martins, André Lara Temple de Antonio Diretoria de Soluções em Billing Fundação CPqD

Leia mais

Open Operational Platform

Open Operational Platform Open Operational Platform Visão Tecnológica 20.01.2009 Agenda Enquadramento Arquitectura Características Diferenciadoras Case Study 2 Enquadramento 3 Mobilidade Optimização Processos Tecnologia Operações

Leia mais

Passo a Passo. WebSphere Message Broker. Fluxo como WebService

Passo a Passo. WebSphere Message Broker. Fluxo como WebService Passo a Passo WebSphere Message Broker Fluxo como WebService Alexandre José Batista ajbatist@ibest.com.br Criado em: 07/11/08 Página 1 de 38 Índice 1. OBJETIVOS DO DOCUMENTO... 4 2. CRIANDO UM FLUXO NO

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

Integração de Sistemas de Informação Universitários via Web Services

Integração de Sistemas de Informação Universitários via Web Services Integração de Sistemas de Informação Universitários via s Carlos Costa Serviços Académicos da Universidade dos Açores CMATI Universidade dos Açores ccosta@uac.pt Ana Cristina Melo Serviços Acção Social

Leia mais

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Serviço Service Requisitante Consumer Service Serviço Provider Provedor consumidores processos business e processes negócios Coreografia process choreography

Leia mais

Sistemas Empresariais Integrados

Sistemas Empresariais Integrados Sistemas Empresariais Integrados Tecnologias de messaging (MSMQ) Tecnologias de messaging Microsoft Message Queuing(MSMQ) faz parte do sistema operativo infra-estrutura de mensagens e plataforma de desenvolvimento

Leia mais

Aplicabilidade: visão geral

Aplicabilidade: visão geral CURSO BÁSICO SAXES 2 Aplicabilidade: visão geral BI Comércio Indústria nf-e Serviços Software house Enterprise Business Bus Banco financeiro Instituição Sindicato ERP html Casos 3 6 Customização: importação

Leia mais

: : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal

: : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal : : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal Sérgio Magalhães mgi01020@fe.up.pt As vantagens competitivas ganham-se muitas vezes por ser o primeiro a chegar

Leia mais

INTEGRADOR DE MENSAGENS CORPORATIVAS PARA UMA INFRA-ESTRUTURA DE ELETRONIC DATA INTERCHANGE (EDI)

INTEGRADOR DE MENSAGENS CORPORATIVAS PARA UMA INFRA-ESTRUTURA DE ELETRONIC DATA INTERCHANGE (EDI) INTEGRADOR DE MENSAGENS CORPORATIVAS PARA UMA INFRA-ESTRUTURA DE ELETRONIC DATA INTERCHANGE (EDI) Fernando José Lunelli Marcel Hugo - Orientador Roteiro da apresentação: Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

Websphere ESB Caminho para Adopção

Websphere ESB Caminho para Adopção Websphere ESB Caminho para Adopção Websphere ESB: Que desafios para o Negócio? Adaptar rapidamente os meus processos Fusão de organizações Internacionalização Deslocalização Mudança no negócio Novas regras

Leia mais

INT-9: Implementing ESB Processes with OpenEdge and Sonic David Cleary

INT-9: Implementing ESB Processes with OpenEdge and Sonic David Cleary Implementando Processos ESB com OpenEdge e Sonic Paulo Costa Global Field Services Agenda Desenvolvendo Processos de Negócio Visão geral da tecnologia Desenvolvendo um processo de negócio do início ao

Leia mais

R/3 e SAP WAS. 8/28/2003 José Alves Marques. R/3 e SAP WAS(2)

R/3 e SAP WAS. 8/28/2003 José Alves Marques. R/3 e SAP WAS(2) R/3 e SAP WAS O R/3 é um ERP Enterprise Resource Planning Um ERP é o sistema empresarial que disponibiliza módulos para os processos de negócio - de uma empresa Um ERP permite aumentar a eficiência dos

Leia mais

SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços

SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços SINS: um Ambiente para Geração de Aplicações baseadas em Serviços Sérgio Larentis Júnior, Jorge Luis Victória Barbosa, Sérgio Crespo Coelho da Silva Pinto, Andrêsa Vargas Larentis Programa Interdisciplinar

Leia mais

Orquestração de aplicações OpenEdge com Sonic

Orquestração de aplicações OpenEdge com Sonic Orquestração de aplicações OpenEdge com Sonic OpenEdge e o ESB... Renato L. Rissardi System Engineer Objetivos Orquestração de aplicações OpenEdge com Sonic Introdução aos produtos Sonic Como ABL interage

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

WSDL e UDDI. Pedro Miguel Martins Nunes WSDL. WSDL Exemplo prático Resumo UDDI. Serviço UDDI Estruturas de dados UDDI e WSDL API Resumo

WSDL e UDDI. Pedro Miguel Martins Nunes WSDL. WSDL Exemplo prático Resumo UDDI. Serviço UDDI Estruturas de dados UDDI e WSDL API Resumo e Serviço e e Tecnologias de Middleware 06/07 Curso de Especialização em Informática Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 27.10.2006 e Serviço e 1 2 Serviço e 3 e...o

Leia mais

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Paulo Pires paulopires@nce.ufrj.br http//genesis.nce.ufrj.br/dataware/hp/pires 1 distribuídas baseadas em componentes Comunicação transparente,

Leia mais

Aula Prática #1. Sumário Aula #1. Modelo de avaliação Apresentação do Projecto

Aula Prática #1. Sumário Aula #1. Modelo de avaliação Apresentação do Projecto Aula Prática #1 SEI 2004/2005 DEI, LEIC Taguspark Instituto Superior Técnico SEI 2004/2005 - DEI, IST [Artur Caetano] 2 Sumário Aula #1 Modelo de avaliação Apresentação do Projecto Objectivos Metodologia

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Arquitecturas de Sistemas de Informação

Arquitecturas de Sistemas de Informação Arquitecturas de Sistemas de Informação Arquitectura Tecnológica Arquitectura Tecnológica O que é: É a escolha dos tipos de tecnologia que devem ser utilizados para dar suporte a cada um dos sistemas e

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

SINS: Um ambiente para geração de aplicações baseadas em serviços

SINS: Um ambiente para geração de aplicações baseadas em serviços SINS: Um ambiente para geração de aplicações baseadas em serviços Sérgio Larentis Jr (Unisinos) Andrêsa Larentis (Unisinos) Jorge Barbosa (Unisinos) Sérgio Crespo C. S. Pinto (Unisinos) SBSI 2008 Roteiro

Leia mais

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul Juliano Sulzbach Consultor de Vendas Oracle Regional Sul GUO-RS Oracle BPEL Process Manager Agenda Introdução Oracle BPEL Process Manager Rápida revisão Demonstrações Agenda Introdução Oracle BPEL Process

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Introdução a Arquiteturas ESB I N S T I T U T O D E G E S TÃ O E M T E C N OLOGIA D A I N F OR M A Ç Ã O

Introdução a Arquiteturas ESB I N S T I T U T O D E G E S TÃ O E M T E C N OLOGIA D A I N F OR M A Ç Ã O Introdução a Arquiteturas ESB Uma típica sala de TV Uma TV e um DVD. Uma típica sala de TV em operação Conexão ponto a ponto entre a sala de TV e o DVD. A sala de TV dos seus sonhos Uma TV Digital, sistemas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação Remota Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Comunicação entre processos está no coração de todo sistema distribuído. Não tem sentido estudar sistemas distribuídos

Leia mais

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML.

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. Web services Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. XML é utilizado para codificar toda a comunicação de/para um web service. Web services

Leia mais

OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces. Domain Interfaces. Domain. Interfaces. Object Request Broker (ORB) Object Services

OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces. Domain Interfaces. Domain. Interfaces. Object Request Broker (ORB) Object Services 1 Copyright 1998, 1999 Francisco Reverbel OMA (Object Management Arquitecture): Application Interfaces Domain Domain Interfaces Interfaces Object Request Broker (ORB) Object Services 2 Copyright 1998,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) J2EE () Sumário Introdução J2EE () APIs J2EE Web Container: Servlets e JSP Padrão XML 2 J2EE é Uma especificação para servidores

Leia mais

Roadmap e Arquitetura SOA

Roadmap e Arquitetura SOA Roadmap e Arquitetura SOA São Paulo, Setembro de 2006 0000 2006 Accenture Todos os direitos reservados. Accenture, seu logotipo e Accenture Resultado Alta Performance são marcas registradas da Accenture.

Leia mais

Sistemas Empresariais Integrados. Enunciado do Projeto

Sistemas Empresariais Integrados. Enunciado do Projeto MEIC-A Sistemas Empresariais Integrados 2 o Semestre 2012/2013 Enunciado do Projeto Este documento descreve os objetivos, enquadramento, e requisitos do projeto de Sistemas Empresariais Integrados (SEI).

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Criando Web Services. Palestrante: Daniel Destro do Carmo

Criando Web Services. Palestrante: Daniel Destro do Carmo Criando Web Services com Apache Axis Palestrante: Daniel Destro do Carmo Tópicos do Tutorial Introdução O que são Web Services? Padrões Web Services SOAP WSDL Web Services com Java O que é Apache Axis?

Leia mais

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g 1. Introdução Neste artigo serão apresentados alguns conceitos inerentes a SOA Service Oriented Architecture e um exemplo prático de construção de processo

Leia mais

TDC2012. EJB simples e descomplicado, na prática. Slide 1

TDC2012. EJB simples e descomplicado, na prática. Slide 1 TDC2012 EJB simples e descomplicado, na prática Slide 1 Palestrantes Kleber Xavier Arquiteto Senior / Globalcode kleber@globalcode.com.br Vinicius Senger Arquiteto Senior / Globalcode vinicius@globalcode.com.br

Leia mais

SOA 2.0 ou Event-Driven SOA

SOA 2.0 ou Event-Driven SOA SOA SOA 2.0 ou Event-Driven SOA 1 Introdução Recentemente, a Oracle anuciou o termo SOA 2.0. E já deu para imaginar a repercussão que isto teve. Estamos em um momento onde SOA (Service-Oriented Architecture),

Leia mais

Oracle WebLogic Server 11g: Conceitos Básicos de Administração

Oracle WebLogic Server 11g: Conceitos Básicos de Administração Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Oracle WebLogic Server 11g: Conceitos Básicos de Administração Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Este curso treina administradores Web nas técnicas para

Leia mais

Apache Camel rotas para as suas mensagens. Bruno Borges 2009

Apache Camel rotas para as suas mensagens. Bruno Borges 2009 Apache Camel rotas para as suas mensagens Bruno Borges 2009 Apache Camel Integração SOAP MSMQ JMS RSS FTP JT/400 JDBC SMTP HTTP FIX JBI JPA Twitter SOAP LDAP TCP Integração Camel ? Framework Open Source

Leia mais

Integração Empresarial / Abordagem Estratégica

Integração Empresarial / Abordagem Estratégica Integração Empresarial / Abordagem Estratégica Enterprise Integration Billing Service Customer Representative Situação Inicial Sales Portal Customer Enterprise Systems Accounting Order Processing BSD Customer

Leia mais

Web Technologies. Tópicos da apresentação

Web Technologies. Tópicos da apresentação Web Technologies Tecnologias de Middleware 2004/2005 Hugo Simões hsimoes@di.fc.ul.pt 1 A Web Tópicos da apresentação Tecnologias Web para suporte a clientes remotos (Applets,CGI,Servlets) Servidores Aplicacionais

Leia mais

Requisitos Não-Funcionais em Aplicações Orientadas a Serviços: Análise da Tecnologia Fuse ESB

Requisitos Não-Funcionais em Aplicações Orientadas a Serviços: Análise da Tecnologia Fuse ESB Universidade do Minho Escola de Engenharia Alexandre Manuel Loureiro Barbosa Requisitos Não-Funcionais em Aplicações Orientadas a Serviços: Análise da Tecnologia Fuse ESB Dissertação de Mestrado Engenharia

Leia mais

SOA Service Oriented Architecture. Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com

SOA Service Oriented Architecture. Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com SOA Service Oriented Architecture Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com 1 Roteiro SOA Serviços Tecnologias para o desenvolvimento de serviços Modelagem de Negócios 2 O que é SOA É uma arquitetura de desenvolvimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA SERVLETS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o conceito aplicações orientada a serviços via web Apresentar o papel dos contentores

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

Enterprise Architecture Management System

Enterprise Architecture Management System GRUPO AITEC Enterprise Architecture Management System Solução de gestão para Arquiteturas Empresariais Unidade Arquitetura Empresarial Agosto de 2010 Índice 1 Introdução... 3 1.1 Porquê automatizar Blueprints?...

Leia mais

Unique business solutions. Easily implemented

Unique business solutions. Easily implemented Unique business solutions. Easily implemented Premier Business Partner ezly tecnologia ltda www.ezly.com.br rua gomes de carvalho 892 9º andar 04547 003 vila olímpia são paulo sp brasil t+ 55 11 3045 8282

Leia mais

Visão Geral Técnica Xenos Enterprise Server. Grupo Xenos. Dados. Documentos

Visão Geral Técnica Xenos Enterprise Server. Grupo Xenos. Dados. Documentos Visão Geral Técnica Xenos Enterprise Server Dados Documentos Linha de Aplicativos de Negócio Arquitetura do Xenos Enterprise Server A plataforma do Xenos Enterprise Server (ES) trata dos desafios do negócio

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento baseado na Web Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento baseado

Leia mais

Como criar um EJB. Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse

Como criar um EJB. Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse Como criar um EJB Criando um projeto EJB com um cliente WEB no Eclipse Gabriel Novais Amorim Abril/2014 Este tutorial apresenta o passo a passo para se criar um projeto EJB no Eclipse com um cliente web

Leia mais

Orquestração de Processos de Negócio

Orquestração de Processos de Negócio Orquestração de Processos de Negócio Partitura, Libreto, Maqueta Ponto de Situação da Arquitectura Os Processos de negócio foram levantados e foram descritos Eventualmente em BPMN Os Serviços de Negócio

Leia mais

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping;

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping; Guia de Orientação para Implementação de Web Services Este documento apresenta alguns direcionamentos referentes à implementação de web services. É uma versão preliminar da construção do Guia de Orientação

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Combinação de serviços já existentes para criar um novo serviço. jcd@cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. Composição de Serviços Com WS-BPEL

Combinação de serviços já existentes para criar um novo serviço. jcd@cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. Composição de Serviços Com WS-BPEL Introdução à Composição de serviços Web Júlio César Damasceno jcd@ Agenda Definição Motivação Background Arquitetura Orientada a Serviço (SOA) Computação Orientada a Serviço (SOC) Web Services Composição

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA SOA E INTERNET DAS COISAS

MBA EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA SOA E INTERNET DAS COISAS MBA EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA SOA E INTERNET DAS COISAS Você trabalha ou quer trabalhar com tecnologias orientadas para objetos e sua distribuição na internet usando objetos inteligentes, especialmente

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

PESQUISA EMPRESARIAL E SOLUÇÕES FAST

PESQUISA EMPRESARIAL E SOLUÇÕES FAST 10 de Março de 2010 PESQUISA EMPRESARIAL E SOLUÇÕES FAST Pedro Moutinho 2 Pesquisa Empresarial e Soluções FAST 3 Pesquisa Empresarial e Soluções FAST AGENDA A marca Web 2.0 Conectar Pessoas, Conteúdos

Leia mais

Apresentando Sonic V7.0

Apresentando Sonic V7.0 Apresentando Sonic V7.0 A próxima geração do ESB Renato L. Rissardi System Engineer Agenda Apresentando Sonic v7.0 Novas Ferramentas de desenvolvimento Web Services Avançados Demo Resumo Q & A 2 Progress

Leia mais

A interface de uma mensagem é extremamente flexível e permite várias formas de customização de conteúdo. Figura 1 - Tipos de Mensagens JMS

A interface de uma mensagem é extremamente flexível e permite várias formas de customização de conteúdo. Figura 1 - Tipos de Mensagens JMS Programando com Java Artigo http://mballem.wordpress.com/ Chat JMS com ActiveMQ Java Message Service Autor Marcio Ballem: é formado em Sistemas de Informação e possui certificação Oracle Certified Professional,

Leia mais

http://www.expressolivre.org 1

http://www.expressolivre.org 1 Nilton Emílio Bührer Neto niltonneto@celepar.pr.gov.br Analista de Serviços de Rede Coordenador Projeto Expresso Livre Divisão de Implementação de Serviços de Rede Gerência de Serviços de Rede DTI http://www.expressolivre.org

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

4.1. TRABALHAR COM O CALENDÁRIO

4.1. TRABALHAR COM O CALENDÁRIO Calendário 2Calendário 14 INTRODUÇÃO O Calendário é uma grande ferramenta do Outlook que se pode usar como livro de reuniões para escalonar eventos, aperceber-se de datas importantes e gerir a lista de

Leia mais

Cartão de Cidadão. Autenticação com o Cartão de Cidadão AMA. 20 de Novembro de 2007. Versão 1.6

Cartão de Cidadão. Autenticação com o Cartão de Cidadão AMA. 20 de Novembro de 2007. Versão 1.6 Cartão de Cidadão Autenticação com o Cartão de Cidadão 20 de Novembro de 2007 Versão 1.6 AMA ÍNDICE 1. I TRODUÇÃO... 3 Modelo base de Autenticação... 3 Modelo de Autenticação Federado... 4 2. AUTE TICAÇÃO

Leia mais

Manual de Integração WebService

Manual de Integração WebService Manual de Integração WebService Sumário 1. O que é a Integração WebService? 2. Envio Simples 3. Consultar Status da Mensagem 3.1 Consultar Mensagens Recebidas 4. Tecnologia do WebService Facilita 1. O

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

A Importância de gerir ficheiros nas Organizações

A Importância de gerir ficheiros nas Organizações A Importância de gerir ficheiros nas Organizações Transferência de Ficheiros: Porquê? É um suporte acessível para transferência de informação entre aplicações e entre sistemas heterogéneos Possibilita

Leia mais

Comunicação entre Processos

Comunicação entre Processos Comunicação entre Processos Comunicação entre Processos - Sistemas Operacionais fornecem mecanismos para comunicação entre processos (IPC), tal como filas de mensagens, semáfaros e memória compartilhada.

Leia mais

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware.

Camadas de Software - o Middleware. Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas. Aplicações. Middleware. Camadas de Software - o Middleware Sistemas Distribuídos Capítulo 2: Modelos e Arquitecturas Modelos de Arquitecturas para sistemas distribuidos Interfaces e Objectos Requerimentos para Arquitecturas Distribuídas

Leia mais

SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS

SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS SERVICE-ORIENTED ARCHITECTURE INTEGRATING ERP SYSTEMS Fernando Antônio Guimarães Tenório (Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, Brasil) ftenorio_561@hotmail.com From the mid-90s to the present day,

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri. Rodrigo Barrionuevo

Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri. Rodrigo Barrionuevo Esri Maps para Inteligência de Negócios Conceitos e Produtos Esri Rodrigo Barrionuevo O que é Business Intelligence? Plataforma apoio a decisão Online Analytic Process OLAP Reporting & Ad Hoc Query Business

Leia mais

Oracle e Mercado de TI UNIVEM. André Faria Gerente de Alianças e Canais

Oracle e Mercado de TI UNIVEM. André Faria Gerente de Alianças e Canais Oracle e Mercado de TI UNIVEM André Faria Gerente de Alianças e Canais Agenda A Oracle O Mercado de TI e o Mercado de Trabalho O Programa Oracle Academy Oracle Corporation Maior empresa de software empresarial

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br)

Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) DAS5316 - Integração de Sistemas Corporativos BPEL Business Process Execution Language Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br)

Leia mais