Comunicação entre Processos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação entre Processos"

Transcrição

1 Comunicação entre Processos

2 Comunicação entre Processos - Sistemas Operacionais fornecem mecanismos para comunicação entre processos (IPC), tal como filas de mensagens, semáfaros e memória compartilhada. - Sistemas de computação distribuída utilizam estes mecanismos para fornecer uma interface de programação da aplicação (API) que permita a comunicação entre processos ser programada em alto nível de abstração. - Computação distribuída requer troca de informação entre processos independentes.

3 IPC unicast and multicast Em computação distribuída, dois ou mais processos envolvidos em IPC através de um protocolo que ambos comcordam. Um processo pode ser o enviante em alguns pontos durante o protocolo um recebedor durante outros. Quando a comunicação é de um processo para outro o IPC é chamado de unicast. Quando a comunicação é de um processo para um grupo de processos, o IPC é chamado de multicast.

4 Unicast vs. Multicast P 2 P 2 P... 3 P 4 m m m m P 1 P 1 u n i c a s t m u l t i c a s t

5 Comunicação entre Processos em computação distribuída P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 d a t a s e n d e r r e c e i v e r

6 Operações básicas fornecidas em uma API para comunicação entre processos Receive ( [sender], buffer_da_mensagem) Connect (endereço sender, endereço receiver), para comunicação orientada a conexão Send ( [receiver], mensagem) Disconnect (identificador da conexão), para comunicação orientada a conexão.

7 IPC em HTTP W e b s e r v e r a p r o c e s s a n o p e r a t i o n d a t a f l o w S 1 S 2 S 3 S 4 H T T P r e q u e s t H T T P r e s p o n s e C 1 C 2 C 3 C 4 o p e r a t i o n s : S 1 : a c c e p t c o n n e c t i o n S 2 : r e c e i v e ( r e q u e s t ) S 3 : s e n d ( r e s p o n s e ) S 3 : d i s c o n n e c t C 1 : m a k e c o n n e c t i o n C 2 : s e n d ( r e q u e s t ) C 3 : r e c e i v e ( r e s p o n s e ) C 4 : d i s c o n n e c t W e b b r o w s e r

8 Sincronização de Evento Comunicação entre processos requer que 2 processo sincronizem suas operações: um lado envia e o outro recebe até que todos os dados tenha sido enviados e recebidos. Ideal, a operação send inicia antes da operação receive começar. Na prática, a sincronização requer suporte do sistema.

9 Comunicação Síncrona X Assíncrona As operações IPC podem fornecer a sincronização necessária usando bloqueamento. Uma operação bloqueante emitida por um processo irá bloquear o processamento do processo até a operação ser completada. Alternativamente, operações IPC podem ser assíncronas ou não bloqueantes. Uma operação assíncrona emitida por um processo não irá bloquear o processamento do processo. Ao contrário, o processo esta livre para proceder seu processamento e pode opcionalmente ser notificado pelo sistema quando a operação é completada.

10 send e receive Síncrono p r o c e s s 1 r u n n i n g o n h o s t 1 p r o c e s s 2 r u n n i n g o n h o s t 2 b l o c k i n g r e c e i v e s t a r t s b l o c k i n g s e n d s t a r t s a n o p e r a t i o n e x e c u t i o n f l o w b l o c k i n g s e n d r e t u r n s a c k n o w l e d g e m e n t o f d a t a r e c e i v e d p r o v i d e d b y t h e I P C f a c i l i t y b l o c k i n g r e c e i v e e n d s s u s p e n d e d p e r i o d S y n c h r o n o u s S e n d a n d R e c e i v e

11 send Assíncrono e receive Síncrono P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 b l o c k i n g r e c e i v e s t a r t s n o n b l o c k i n g s e n d b l o c k i n g r e c e i v e r e t u r n s o p e r a t i o n e x e c u t i o n f l o w s u s p e n d e d p e r i o d A s y n c h r o n o u s S e n d a n d S y n c h r o n o u s R e c e i v e

12 send síncrono e receive assíncrono - 1 P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 b l o c k i n g s e n d i s s u e d t r a n s p a r e n t a c k n o w l e d g e m e n t p r o v i d e d b y t h e I P C f a c i l i t y n o n b l o c k i n g r e c e i v e i s s u e d e x e c u t i o n f l o w s u s p e n d e d p e r i o d S y n c h r o n o u s S e n d a n d A s y n c h r o n o u s R e c e i v e S c e n a r i o A

13 send síncrono e receive assíncrono - 2 P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 b l o c k i n g s e n d i s s u e d n o n b l o c k i n g r e c e i v e i s s u e d a n d r e t u r n e d i m m e d i a t e l y i n d e f i n i t e b l o c k i n g e x e c u t i o n f l o w s u s p e n d e d p e r i o d P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 S y n c h r o n o u s S e n d a n d A s y n c h r o n o u s R e c e i v e S c e n a r i o B

14 send síncrono e receive assíncrono - 3 P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 b l o c k i n g s e n d i s s u e d t r a n s p a r e n t a c k n o w l e d g e m e n t p r o v i d e d b y t h e I P C f a c i l i t y n o n b l o c k i n g r e c e i v e i s s u e d a n d r e t u r n e d i m m e d i a t e l y p r o c e s s i s n o t i f i e d o f t h e a r r i v a l o f d a t a e x e c u t i o n f l o w s u s p e n d e d p e r i o d S y n c h r o n o u s S e n d a n d A s y n c h r o n o u s R e c e i v e S c e n a r i o C

15 send assíncrono e receive assíncrono P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 b l o c k i n g s e n d i s s u e d n o n b l o c k i n g r e c e i v e i s s u e d a n d r e t u r n e d i m m e d i a t e l y p r o c e s s i s n o t i f i e d o f t h e a r r i v a l o f d a t a e x e c u t i o n f l o w s u s p e n d e d p e r i o d A s y n c h r o n o u s S e n d a n d A s y n c h r o n o u s R e c e i v e S c e n a r i o C

16 diagrama de eventos P r o c e s s A P r o c e s s B r e q u e s t 1 t i m e r e s p o n s e 1 i n t e r p r o c e s s c o m m u n i c a t i o n e x e c u t i o n f l o w p r o c e s s b l o c k e d r e q u e s t 2 r e s p o n s e 2 E v e n t d i a g r a m f o r a p r o t o c o l

17 Bloqueios, impasses e timeouts Operações bloqueantes emitidas em sequência errada pode causar impasses. Impasses devem ser evitados. Alternativamente, timeout pode ser usado para detectar deadlocks. P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 r e c e i v e f r o m p r o c e s s 2 i s s u e d p r o c e s s 1 b l o c k e d p e n d i n g d a t a f r o m p r o c e s s 2. r e c e i v e d f r o m p r o c e s s 1 i s s u e d p r o c e s s 2 b l o c k e d p e n d i n g d a t a f r o m p r o c e s s 1.

18 Usando threads para IPC assíncrono Na utilização de uma API IPC, é importante saber quando as operações são síncronas ou assíncronas. Se apenas operações bloqueantes são fornecidas para send e/ou receive, então é responsabilidade do programador utilizar processos ou threads se operações assíncronas são desejadas. p r o c e s s m a i n t h r e a d n e w t h r e a d i s s u e s a b l o c k i n g I P C o p e r a t i o n m a i n t h r e a d c o n t i n u e s w i t h o t h e r p r o c e s s i n g t h r e a d i s b l o c k e d t h r e a d i s u n b l o c k e d a f t e r t h e o p e r a t i o n i s f u l f i l l e d

19 Impasses e Timeouts Operações connect e receive podem resultar em bloqueio indefinido Exemplo, uma requisição bloqueante connect pode resultar no bloqueio do processo requisitante que será suspenso indefinidamente se a conexão não for completada ou não puder ser completada como resultado de uma falaha na rede. Geralmente não é aceitável para um processo requisitante esperar indefinidamente. Bloqueio indefinido pode ser evitado usando timeout. Bloqueio indefinido pode também ser causado por um impasse

20 Bloqueio Indefinido devido a impasse (deadlock) P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 " r e c e i v e f r o m p r o c e s s 2 " i s s u e d ; p r o c e s s 1 b l o c k e d p e n d i n g d a t a f r o m p r o c e s s 2. a n o p e r a t i o n p r o c e s s e x e c u t i n g p r o c e s s b l o c k e d " r e c e i v e f r o m p r o c e s s 1 " i s s u e d ; p r o c e s s 2 b l o c k e d p e n d i n g d a t a f r o m p r o c e s s 1.

21 Representação de dados Programas -> estruturas de dados, info em msg é seqüencial Estruturas de dados devem ser sequencializadas antes da transmissão e reconstruídas na chegada. Info em msgs podem ser tipos diferentes de valores, são armazenados de formas diferentes. Troca de dados envolve conversão para formato comum antes da trans. e conversão local na recepção. Data marshalling é o processo de (i) sequencializar uma estrutura de dados e (ii) converter os dados para uma representação externa. Alguns esquemas de representação de dados bem conhecidos são: Sun XDR ASN.1 (Abstract Syntax Notation) XML (Extensible Markup Language)

22 Protocolos de Codificação dos Dados l e v e l o f a b s t r a c t i o n d a t a e n c o d i n g s c h e m e s S a m p l e S t a n d a r d s a p p l i c a t i o n s p e c i f i c d a t a e n c o d i n g l a n g u a g e X M L : ( E x t e n s i b l e M a r k u p L a n g u a g e ) g e n e r a l d a t a e n c o d i n g l a n g u a g e n e t w o r k d a t a e n c o d i n g s t a n d a r d A S N. 1 ( A b s t r a c t S y n t a x N o t a t i o n ) S u n X D R ( E x t e r n a l D a t a R e p r e s e n t a t i o n )

23 Representação Externa (XDR) 5 Smit h--- 6 Lond on msg composta por seqüência de objetos de 4 bytes inteiro 1 objeto, string de 4 chars 1 objeto arrays, structures, strings: seqüências de bytes com tam. especificado. Reduz carga computacional. Gasta banda passante.

24 Amostra de um arquivo XML XML linguagem de marcação, tornando padrão troca de dados na Web. XML sintaxe semelhante a HTML. Diferente de HTML, tags XML dizem o significado dos dados, ao contrário de como mostra-los. Exemplo: <message> <subject>xml Is Really Cool</subject> <text> How many ways is XML cool? Let me count the ways... </text> </message>

25 Marshalling " T h i s i s a t e s t. " h o s t A m a r s h a l l i n g 1. f l a t t e n i n g o f s t r u c t u r e d d a t a i t e m s 2. c o n v e r t i n g d a t a t o e x t e r n a l ( n e t w o r k ) r e p r e s e n t a t i o n " T h i s i s a t e s t. " u n m a r s h a l l i n g c o n v e r t d a t a t o i n t e r n a l r e p r e s e n t a t i o n 2. r e b u i l d d a t a s t r u c t u r e s. E x t e r n a l t o i n t e r n a l r e p r e s e n t a t i o n a n d v i c e v e r s a i s n o t r e q u i r e d - i f t h e t w o s i d e s a r e o f t h e s a m e h o s t t y p e ; - i f t h e t w o s i d e s n e g o t i a t e s a t c o n n e c t i o n. h o s t B

26 protocolos baseados em texto Marshalling é mais simples quando os dados trocados são na forma de texto. Troca de dados em texto tem vantagem adicional que os dados podem ser facilmente analizados em um programa e mostrados. Desta forma, é prática popular protocolos trocar requisições e respostas na forma de strings de caracteres. Tais protocolos são chamados de baseados em texto. Muitos protocolos são baseados em texto: FTP (File Transfer Protocol), HTTP, and SMTP (Simple Mail Transfer Protocol).

27 Diagrama de Evento para uma sessão de protocolo P r o c e s s 1 P r o c e s s 2 r e q u e s t 1 t i m e r e s p o n s e 1 i n t e r p r o c e s s c o m m u n i c a t i o n e x e c u t i o n f l o w p r o c e s s b l o c k e d r e q u e s t 2 r e s p o n s e 2 E v e n t d i a g r a m f o r a p r o t o c o l

28 Diagrama de Evento sessão HTTP w e b s e r v e r w e b b r o w s e r r e q u e s t r e q u e s t i s a m e s s a g e i n 3 p a r t s : - < c o m m a n d > < d o c u m e n t a d d d r e s s > < H T T P v e r s i o n > - a n o p t i o n a l h e a d e r - o p t i o n a l d a t a f o r C G I d a t a u s i n g p o s t m e t h o d r e s p o n s e r e s p o n s e i s a m e s s a g e c o n s i s t i n g o f 3 p a r t s : - a s t a t u s l i n e o f t h e f o r m a t < p r o t o c o l > < s t a t u s c o d e > < d e s c r i p t i o n > - h e a d e r i n f o r m a t i o n, w h i c h m a y s p a n s e v e r a l l i n e s ; - t h e d o c u m e n t i t s e l f.

29 Diagrama de Sequência P r o c e s s A P r o c e s s B r e q u e s t 1 r e s p o n s e 1 r e q u e s t 2 i n t e r p r o c e s s c o m m u n i c a t i o n r e s p o n s e 2

30 Diagrama de Sequência sessão HTTP P r o c e s s A P r o c e s s B r e q u e s t 1 r e s p o n s e 1 r e q u e s t 2 i n t e r p r o c e s s c o m m u n i c a t i o n r e s p o n s e 2

31 Protocolo Em uma aplicação distribuída, dois processos realizam comunicação entre processos com uma concordância mútua em um protocolo. A especificação de um protocolo deve incluir (i) a sequência de dados trocados, que pode ser descrita usando um diagrama de eventos no tempo. (ii) a especificação do formato dos dados trocados a cada passo.

32 HTTP: uma amostra de protocolo O Hypertext Transfer Protocol é um protocolo para um processo (browser) obter um documento de um processo servidor web. É um protocolo requisição/resposta: um browser envia uma requisição para um processo servidor web, que responde com uma resposta.

33 Protocolo HTTP w e b s e r v e r w e b b r o w s e r r e q u e s t r e q u e s t i s a m e s s a g e i n 3 p a r t s : - < c o m m a n d > < d o c u m e n t a d d d r e s s > < H T T P v e r s i o n > - a n o p t i o n a l h e a d e r - o p t i o n a l d a t a f o r C G I d a t a u s i n g p o s t m e t h o d r e s p o n s e r e s p o n s e i s a m e s s a g e c o n s i s t i n g o f 3 p a r t s : - a s t a t u s l i n e o f t h e f o r m a t < p r o t o c o l > < s t a t u s c o d e > < d e s c r i p t i o n > - h e a d e r i n f o r m a t i o n, w h i c h m a y s p a n s e v e r a l l i n e s ; - t h e d o c u m e n t i t s e l f. W e w i l l e x p l o r e H T T P i n d e t a i l s l a t e r t h i s q u a r t e r.

34 Sessão HTTP Script started on Tue Oct 10 21:49: :49pm telnet 80 Trying Connected to tiedye2- srv.csc.calpoly.edu. Escape character is '^]'. GET /~mliu/ HTTP/1.0 HTTP/ OK Date: Wed, 11 Oct :51:18 GMT Server: Apache/1.3.9 (Unix) ApacheJServ/1.0 Last-Modified: Tue, 10 Oct :51:54 GMT ETag: "1dd1e- e27-39e3492a" Accept- Ranges: bytes Content- Length: 3623 Connection: close Content- Type: text/html <HTML> <HEAD> <TITLE> Mei- Ling L. Liu's Home Page </TITLE> </HEAD> <BODY bgcolor=#ffffff> HTTP Request HTTP response status line HTTP response header document content

35 IPC: paradigmas e implementações Paradigmas de IPC em diferentes níveis de abstração, evolução com correspondentes implementações. l e v e l o f a b s t r a c t i o n I P C p a r a d i g m s E x a m p l e I P C I m p l e m e n t a t i o n s r e m o t e p r o c e d u r e / m e t h o d R e m o t e P r o c e d u r e C a l l ( R P C ), J a v a R M I s o c k e t A P I U n i x s o c k e t A P I, W i n s o c k d a t a t r a n s m i s s i o n s e r i a l / p a r a l l e l c o m m u n i c a t i o n

Internet e protocolos web. A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais. Topologia tem de fornecer caminhos alternativos

Internet e protocolos web. A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais. Topologia tem de fornecer caminhos alternativos Internet e protocolos web A Internet é uma rede descentralizada de recursos computacionais Tolerante a falhas (no single point of failure) Topologia tem de fornecer caminhos alternativos entre 2 computadores

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Coulouris Capítulo 4

Sistemas Distribuídos. Coulouris Capítulo 4 Sistemas Distribuídos Coulouris Capítulo 4 Mensagens Para comunicar-se com outros processos, um processo envia uma MENSAGEM para um DESTINO; um outro processo nesse destino recebe a mensagem. As operações

Leia mais

Comunicação Inter-Processos. Prof. Adriano Fiorese. Conceitos Iniciais

Comunicação Inter-Processos. Prof. Adriano Fiorese. Conceitos Iniciais Comunicação Inter-Processos Conceitos Iniciais 1 Características para Comunicação Inter-Processos. Passagem de Mensagem pode ser suportada por duas operações de comunicação (send e receive). A comunicação

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

Programação para Internet Flávio de Oliveira Silva, M.Sc.

Programação para Internet Flávio de Oliveira Silva, M.Sc. INTERNET Grande conjunto de redes de computadores interligadas pelo mundo. Começou como uma rede interligando Universidades no E.U.A A partir de 1993 a Internet começou a ser explorada comercialmente.

Leia mais

Sistemas Distribuídos 59. Sistemas Distribuídos 61. "Receive não-bloqueante:

Sistemas Distribuídos 59. Sistemas Distribuídos 61. Receive não-bloqueante: Comunicação entre processos! Memória Compartilhada: " os processo compartilham variáveis e trocam informações através do uso dessas variáveis compartilhadas COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS P1 Área Compartilhda!

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Conceitos: Paradigma C/S. Conceitos: Paradigma C/S. Paradigma Cliente/Servidor

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Conceitos: Paradigma C/S. Conceitos: Paradigma C/S. Paradigma Cliente/Servidor Comunicação em Sistemas Distribuídos Paradigma / Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam se comunicar para que possam interagir O desempenho de um SD depende criticamente do

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico.

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. A Web e o HTTP Web Até a década de 1990, a Internet era utilizada por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. Então, no início dessa década, iniciou-se

Leia mais

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação Tópicos em Sistemas Distribuídos Modelos de Comunicação Comunicação em SD Comunicação entre processos Sockets UDP/TCP Comunicação em grupo Broadcast Multicast Comunicação entre processos Conceitos básicos

Leia mais

Aulas Práticas. Implementação de um Proxy HTTP. O que é um proxy?

Aulas Práticas. Implementação de um Proxy HTTP. O que é um proxy? Redes de Computadores Aulas Práticas Implementação de um Proxy HTTP Material de suporte às aulas de Redes de Computadores Copyright DI FCT/UNL / 1 O que é um proxy? Genericamente é um processo que actua

Leia mais

Programação para Internet I. 2. O protocolo HTTP. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet I. 2. O protocolo HTTP. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet I 2. O protocolo HTTP Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Protocolos Conjunto de regras que define o modo como aplicações informáticas comunicam entre si. Permite

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Tipos de comunicação Middleware: serviço intermediário na comunicação de nível de aplicação. Fig. 67 Ex.: correio eletrônico Comunicação é persistente. Middleware

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Programação WEB Desenvolvimento de Sistemas para WEB

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: comunicação orientada por mensagem e comunicação orientada por fluxo Prof. MSc. Hugo Souza Continuando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Comunicação Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Comunicação entre Processos Protocolos Modelo OSI Modelo Cliente Servidor 3 Comunicação entre

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES. Alan Nakai

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES. Alan Nakai INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES Alan Nakai ROTEIRO Introdução Tipos de Redes de Computadores Protocolos Modelo em Camadas Internet Introdução O que é uma rede de computadores? Coleção de computadores

Leia mais

HyperText Transfer Protocol (HTTP)

HyperText Transfer Protocol (HTTP) Programação Na Web HyperText Transfer Protocol () António Gonçalves Arquitectura Protocolo de transporte de documentos hypertexto RFC 1945 - Versão 1.0 RFC 2616 - Versão 1.1 O pedido é feito em ASCII e

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação- Protocolos, Tipos, RPC Capítulo 4 Agenda Protocolos em Camadas Pilhas de Protocolos em Sistemas Distribuídos Tipos de Comunicação

Leia mais

2Arquitetura cliente-servidor

2Arquitetura cliente-servidor Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Paradigma cliente-servidor Paradigma peer-to-peer

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú REDES DE COMPUTADORES Prof. Evandro Cantú Prof. Evandro Cantú, evandro.cantu@ifpr.edu.br Slides adaptados de J. Kurose & K. Ross 2 Curso de Capacitação Intelbras Redes Computadores Maio 2007 Camada de

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Permite o acesso remoto a um computador;

Permite o acesso remoto a um computador; Telnet Permite o acesso remoto a um computador; Modelo: Cliente/Servidor; O cliente faz um login em um servidor que esteja conectado à rede (ou à Internet); O usuário manipula o servidor como se ele estivesse

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

Rede de Computadores (REC)

Rede de Computadores (REC) Rede de Computadores (REC) Aula 04 Camada de Aplicação Prof. Jackson Mallmann dcc2jm@joinville.udesc.br Exemplos de requisição via telnet. iniciar / executar / cmd (Windows) telnet endereço telnet 192.168.1.3

Leia mais

Protocolo HTTP. Palavras-chave: Navegador, aplicativos, web, cliente, servidor.

Protocolo HTTP. Palavras-chave: Navegador, aplicativos, web, cliente, servidor. 1 Protocolo HTTP RODRIGO PREIS BEOCK, Leandro 1 ; DE FREITAS CONSONE, Cibele 2 ; RODRIGUES LIMA, Leandro 3 ; PETRICA, Eder 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO/UNEMAT - COLÍDER 5 RESUMO: O presente

Leia mais

Introdução à Multimídia

Introdução à Multimídia Sistemas Multimídia - Aula 01 Introdução à Multimídia Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto Criando uma nova aplicação de rede Escrever programas que Executem sobre diferentes sistemas finais e Se comuniquem através de uma

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Universidade Federal do Rio Grande do Norte Redes de Computadores - Camada de Aplicação Curso de Engenharia de Software Prof. Marcos Cesar Madruga/Thiago P. da Silva Material basedado em [Kurose&Ross 2009]

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS CUP Disk Memoey CUP Memoey Disk Network CUP Memoey Disk Comunicação em Sistemas Distribuídos Sumário Modelo Cliente e Servidor Troca de Mensagens Remote Procedure Call Comunicação

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Voltando ao exemplo da calculadora... Rede local

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula)

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2013.09 v2 2013.09.10 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

@sergio_caelum sergiolopes.org

@sergio_caelum sergiolopes.org HTTP/2 @sergio_caelum sergiolopes.org review HTTP em 5 slides $ telnet www.caelum.com.br 80 Trying 64.233.171.121... Connected to ghs.googlehosted.com. Escape character is '^]'. GET / HTTP/1.1 Host: www.caelum.com.br

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi

Introdução ao PHP. Prof. Késsia Marchi Introdução ao PHP Prof. Késsia Marchi PHP Originalmente PHP era um assíncrono para Personal Home Page. De acordo com convenções para atribuições de nomes recursivas do GNU foi alterado para PHP Hypertext

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo cliente e servidor Slide 2 Nielsen C. Damasceno Modelos Cliente - Servidor A principal diferença entre um sistema centralizado e um sistema distribuído está na comunicação

Leia mais

Programação de Servidores CST Redes de Computadores. Marx Gomes Van der Linden

Programação de Servidores CST Redes de Computadores. Marx Gomes Van der Linden Programação de Servidores CST Redes de Computadores Marx Gomes Van der Linden Programação de Servidores Aplicações cliente/servidor para web. Fundamentos de HTML+CSS. Linguagem de programação de servidor:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação Slide 1 Aplicação e Protocolo de Aplicação Aplicação: processos distribuídos em comunicação rodam nos computadores usuários da rede como programas de usuário trocam

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA. Aula 1 SENAC TI Fernando Costa

FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA. Aula 1 SENAC TI Fernando Costa FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA Aula 1 SENAC TI Fernando Costa Camada de Aplicação Objetivos: aspectos conceituais dos protocolos de aplicação em redes modelos de serviço da camada de transporte

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Java Enterprise Edition. by Antonio Rodrigues Carvalho Neto

Java Enterprise Edition. by Antonio Rodrigues Carvalho Neto Java Enterprise Edition by Antonio Rodrigues Carvalho Neto Enterprise Edition Architecture O que é Java Enterprise Edition? Java EE é uma plataforma que reune diversas especificações relacionadas a computação

Leia mais

Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Primeiro Técnico. Prof. Cesar

Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Primeiro Técnico. Prof. Cesar Primeiro Técnico Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Prof. Cesar 1 TCP - Transmission Control Protocol Esse protocolo tem como principal objetivo realizar a comunicação entre aplicações de dois

Leia mais

Sockets. Bruno Guimarães Lucas Rossini

Sockets. Bruno Guimarães Lucas Rossini Sockets Bruno Guimarães Lucas Rossini Introdução Comunicação entre processos: Memória compartilhada Memória distribuída - Mensagens pela rede Um sistema distribuído é ausente de memória compartilhada,

Leia mais

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web 1.264 Lição 11 Fundamentos da Web Navegadores e servidores da Web A Internet é apenas um conjunto de redes interconectadas livremente. Um conjunto de redes de área local conectado via redes de área ampla

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

Distributed Systems Principles and Paradigms

Distributed Systems Principles and Paradigms Distributed Systems Principles and Paradigms Maarten van Steen VU Amsterdam, Dept. Computer Science (Tradução e Adaptação Ricardo Anido - IC/Unicamp) Capítulo 04: Comunicação Versão: 20 de março de 2014

Leia mais

Passagem de Mensagens

Passagem de Mensagens Passagem de Mensagens Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br 22 de novembro de 2011 Francisco Silva (UFMA/LSD)

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 2 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - Protocolos de Internet Mensagem M Aplicação HTTP, SMTP, FTP, DNS Segmento Ht M Transporte TCP, UDP Datagrama Hr Ht M Rede

Leia mais

Fernando M. V. Ramos, RC (LEI), TP02. HTTP. Redes de Computadores

Fernando M. V. Ramos, RC (LEI), TP02. HTTP. Redes de Computadores TP02. HTTP Redes de Computadores Objetivos Uma introdução ao protocolo HTTP Um olhar com algum detalhe para dentro do protocolo Noções básicas Uma página web consiste num conjunto de objetos Ficheiros

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br

Desenvolvimento de Aplicações Web. Prof. José Eduardo A. de O. Teixeira www.vqv.com.br / j.edu@vqv.com.br Desenvolvimento de Aplicações Web Programação Contextualização de aplicações Web: navegadores e servidores como interpretadores, tecnologias do lado do cliente (XHTML, CSS, Javascript) e do lado do servidor

Leia mais

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome DNS Sistema de Nomes de Domínio O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome Camada de Aplicação DNS Telnet e SSH SNMP SMTP, POP e IMAP WWW FTP O espaço de nomes DNS Parte

Leia mais

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha Desenvolvimento WEB II Professora: Kelly de Paula Cunha O Java EE (Java Enterprise Edition): série de especificações detalhadas, dando uma receita de como deve ser implementado um software que utiliza

Leia mais

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 03 MODELO OSI/ISO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 PROTOCOLOS Protocolo é a regra de comunicação usada pelos dispositivos de uma

Leia mais

Camada de Aplicação. Prof. Tiago Semprebom. tisemp@sj.cefetsc.edu.br www.sj.cefetsc.edu.br/~tisemp. 2: Camada de aplicação 1

Camada de Aplicação. Prof. Tiago Semprebom. tisemp@sj.cefetsc.edu.br www.sj.cefetsc.edu.br/~tisemp. 2: Camada de aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Camada de Aplicação Prof. Tiago Semprebom tisemp@sj.cefetsc.edu.br

Leia mais

Breve introdução a User Dir e Senhas no Apache Uma abordagem prática (aka crash course on User Dir and Directory Authentication on Apache)

Breve introdução a User Dir e Senhas no Apache Uma abordagem prática (aka crash course on User Dir and Directory Authentication on Apache) Breve introdução a User Dir e Senhas no Apache Uma abordagem prática (aka crash course on User Dir and Directory Authentication on Apache) Prof. Rossano Pablo Pinto Novembro/2012 - v0.1 Abril/2013 - v0.3

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas Internet A Internet surgiu a partir de um projeto da agência norte-americana ARPA com o objetivo de conectar os computadores dos seus departamentos de pesquisa. Essa conexão iniciou-se em 1969, entre 4

Leia mais

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ)

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Aula 1: Apresentação do curso e revisão de interface de sockets 03 de março de 2010 1 2 O que é a Internet 3 4 Objetivos e página do curso Objetivos Apresentar a motivação,

Leia mais

O protocolo HTTP. O que é o protocolo HTTP?

O protocolo HTTP. O que é o protocolo HTTP? O protocolo HTTP Você aprenderá: O que é e como funciona o protocolo HTTP. Quais são as partes de um pedido HTTP. Quais são as partes de um a resposta HTTP. IIS - HTTP 1 O que é o protocolo HTTP? Hyper

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP

Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP Departamento de Ciência da Computação Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP Igor Monteiro Moraes Redes

Leia mais

Tipos de Servidores. Servidores com estado

Tipos de Servidores. Servidores com estado Tipos de Servidores Com Estado X Sem Estado Sequenciais X Concorrentes Com Conexão X Sem Conexão Servidores com estado Servidores com estado armazenam informação sobre cada cliente. Operações podem ser

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Redes de Computadores 1 o Exame

Redes de Computadores 1 o Exame Redes de Computadores 1 o Exame 28 de Junho de 2006 Nota prévia As respostas erradas nas questões de escolha múltipla descontam a cotação dessa questão a dividir pelo número de alternativas. O exame tem

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

Web das Coisas WoT. Software: APIs para IoT. Prof. João Bosco Teixeira Junior

Web das Coisas WoT. Software: APIs para IoT. Prof. João Bosco Teixeira Junior Web das Coisas WoT Software: APIs para IoT Prof. João Bosco Teixeira Junior WoT Um novo paradigma para desenvolvimento de aplicações inspirado na ideia do IOT; Utiliza protocolos e padrões amplamente aceitos

Leia mais

Tecnologias para Web Design

Tecnologias para Web Design Tecnologias para Web Design Introdução Conceitos básicos World Wide Web (Web) Ampla rede mundial de recursos de informação e serviços Aplicação do modelo de hipertexto na Web Site Um conjunto de informações

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ

08/04/2013. Agenda. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ. O Sistema CACHÉ Agenda Caché Server Pages Uma Aplicação Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Salgado Mestrado Profissional 2 SGBD de alto desempenho e escalabilidade Servidor de dados multidimensional Arquitetura

Leia mais