Perguntas & Respostas UTE PAMPA SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas & Respostas UTE PAMPA SUL"

Transcrição

1 Perguntas & Respostas UTE PAMPA SUL 1. Quem é a Tractebel Energia, empresa proprietária da UTE Pampa Sul? Com 27 usinas hidrelétricas, termelétricas e de fontes complementares, em 12 estados de todas as regiões do Brasil, a Tractebel Energia é líder em geração privada de energia elétrica no País, totalizando uma capacidade instalada própria de MW. Sediada em Florianópolis (SC) e pertencente ao grupo GDF SUEZ, a Companhia conta com cerca de empregados e tem como maiores clientes distribuidoras e comercializadoras de energia, além de grandes e médias indústrias e empresas. Foi responsável, em 2013, por 7% do suprimento do mercado nacional e uma das líderes em negócios com clientes livres. A Tractebel Energia está listada na bolsa de valores de São Paulo e, entre suas principais certificações, estão ISO 9001, ISO 14001, OHSAS e Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBOVESPA. 2. Quem é a GDF SUEZ? A GDF SUEZ é um player global de energia e um operador especialista em três setores-chave: eletricidade, gás natural e serviços de energia. O Grupo é o maior produtor independente de energia do planeta com 113,7 GW de capacidade instalada em 70 países. A GDF SUEZ está listada nas bolsas de valores de Paris, Bruxelas e Luxemburgo. 3. Qual a experiência da Tractebel energia com Usinas a carvão? A Tractebel Energia possui larga experiência na operação e manutenção de usinas a carvão. Do total de seu portfolio de MW próprios, MW são provenientes de termelétricas. A carvão, a Tractebel Energia opera o Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo (SC) com 857 MW e a Usina Termelétrica Charqueadas (RS) que tem 72 MW. Além dessas, a Tractebel opera as Usinas Ibitiúva, Ferrari e Lages, a biomassa, e William Arjona, a gás natural. Todas as Usinas da Tractebel apresentam excelentes índices de performance sendo que as usinas a carvão têm desempenho acima da média nacional mesmo se comparadas a novas usinas que usam carvão importado (de melhor qualidade que o nacional). 4. Por que investir em termeletricidade a carvão? As termelétricas fornecem segurança e estabilidade ao sistema elétrico nacional, pois independem de condições climáticas para gerar energia. Das opções de insumos existentes, o carvão é o de menor custo e maior abundância, pois o gás natural vindo da Bolívia já está 100% comprometido e a biomassa é intermitente, pois depende dos ciclos agrícolas. Há outros argumentos relevantes: falta de grandes projetos hidrelétricos; os reservatórios construídos ao longo dos últimos anos operam a fio d água, ou seja, têm reduzida capacidade de acumulação; a região Sul tem o maior risco de déficit, segundo o ONS e a região Sul é 1

2 atualmente importadora de energia elétrica e enfrenta dificuldades para o atendimento da carga (consumo de energia elétrica) no verão no Rio Grande do Sul. Assim, a instalação de unidades geradoras termelétricas a carvão aumentará o grau de confiabilidade do sistema e reduzirá o risco de déficit de energia e a necessidade de importação de energia proveniente de outras regiões. 5. Por que instalar a Usina em Candiota? A principal razão é que a região de Candiota (RS) possui a maior jazida conhecida de carvão do Brasil e a que apresenta menores custos de produção. Além da proximidade de unidades mineiras, a região apresenta adequada malha rodoviária, solo favorável à instalação das estruturas e proximidade de subestação e de linhas de transmissão. 6. Qual o tamanho das reservas de carvão de Candiota? De acordo com dados da Aneel, as reservas brasileiras ocupam o 10º lugar no ranking mundial, totalizando sete bilhões de toneladas. Desse volume de reservas, o Rio Grande do Sul responde por 89,25%; Santa Catarina, 10,41%; Paraná, 0,32% e São Paulo, 0,02%. Somente a Jazida de Candiota (RS) possui 38% de todo o carvão nacional. 7. Qual o investimento que será feito? O total a ser investido na implantação de uma das Unidades da UTE Pampa Sul é de cerca de R$ 1,8 bilhão. 8. Os recursos serão próprios ou financiados? Parte dos recursos será própria (equity) e parte financiada (BNDES e outros bancos ou através de emissão de debêntures). 9. Qual o valor do MW/h que ficou estabelecido no leilão A-5 de 28 de novembro? O preço teto para o leilão de UTEs a biomassa, GNL e carvão era de 209 R$/MWh. A Tractebel Energia comercializou a energia ao preço de 201,98 R$/MWh. 10. Quando começam as obras? As obras somente podem ser iniciadas após a concessão da Licença de Implantação pelo Ibama. Estima-se que as obras devam começar no primeiro semestre de 2015 com a terraplenagem do terreno. No segundo semestre de 2015, as obras civis terão início. 11. Qual o período de contrato da Usina? A energia vendida no leilão A-5 de 2014 foi contratada por um período de 25 anos a partir de 1º de janeiro de 2019, quando a Usina entrará em operação comercial. 12. A Usina será despachada na base do sistema elétrico ou será energia de reserva? 2

3 A Usina foi contratada no leilão A-5 de 2014, que não se trata de um leilão de energia de reserva. Uma usina termelétrica, como Pampa Sul, pode ser despachada por: inflexibilidade, mérito ou razões sistêmicas. Pampa Sul tem uma inflexibilidade de 50%, isto significa que a mesma irá operar pelo menos seis meses por ano a plena capacidade. Os outros despachos dependem da situação do Sistema Interligado Nacional e das decisões do Operador Nacional do Sistema no momento. A nossa expectativa é que, ao longo dos 25 anos de contrato, a Usina opere a plena carga, em média de 8 a 9 meses por ano. 13. Qual a capacidade instalada da Usina? O projeto desta Usina prevê capacidade instalada total de 680 MW, composta por duas unidades geradoras de 340 MW cada uma. No entanto, a Tractebel Energia participou e vendeu no leilão A-5 de 2014 com apenas a primeira fase do projeto, composta por uma unidade de 340MW. 14. Qual a capacidade licenciada? O licenciamento ambiental foi realizado para a capacidade instalada total de 680 MW, compreendendo duas unidades de 340 MW. 15. Por que a Empresa vai implantar somente uma máquina? A Tractebel Energia decidiu instalar uma unidade, pois este é um investimento que exige mobilização de grande quantidade de recursos. A primeira unidade criará uma infraestrutura que facilitará a implantação da segunda unidade, como a conexão ao sistema elétrico. O planejado sempre foi a instalação das unidades em etapas. 16. Qual a tecnologia que será usada na Usina? A principal diferença tecnológica em relação a outras usinas termelétricas a carvão em operação no Brasil é a utilização de caldeira do tipo Leito Fluidizado Circulante (em inglês, Circulating Fluidized Bed CFB), que apresenta uma maior flexibilidade a variações na qualidade do combustível e é a mais adequada ao carvão da região. Este tipo de caldeira resulta em menores emissões de NOx e de SOx. A tecnologia de Leito Fluidizado Circulante está enquadrada como tecnologia de combustão limpa do carvão (Clean Coal Technology). Os demais equipamentos da Usina (turbina, gerador, condensador, torre de resfriamento, bombas, etc.) utilizam tecnologia semelhante às demais usinas a carvão existentes no Brasil. Ressalta-se que, por serem equipamentos mais modernos, apresentam um melhor desempenho operacional. 3

4 17. Como essa tecnologia contribui para o controle de emissões de GEE (Gases de Efeito Estufa), material particulado, óxidos de Nitrogênio (NOx) e Enxofre (SOx)? A caldeira CFB apresenta menores emissões de NOx e SOx, quando comparada com as tradicionais caldeiras de carvão pulverizado (utilizadas nas demais usinas a carvão do Brasil), pelas seguintes razões: a. por ter uma menor temperatura de combustão resulta em menor emissão de NOx b. por ter um maior tempo de reação em função da recirculação do material em reação (carvão + calcário) para a fornalha, via ciclone. A adição de calcário na fornalha junto com o carvão permite a captura de grande parte do enxofre existente no carvão, reduzindo as emissões de SOx. Com relação às emissões de SOx, além da captura citada na caldeira CFB, a Usina ainda conta com um dessulfurizador, onde será feita captura adicional do enxofre, permitindo a redução das emissões de SOx abaixo dos limites estabelecidos. Além disso, filtros de manga e precipitadores eletrostáticos filtram e retêm o material particulado, evitando que cheguem à chaminé. Em relação às emissões de GEE, como essa tecnologia possui uma maior eficiência, teremos um menor consumo de carvão resultando numa menor emissão desses gases. 18. O que é leito fluidizado? Na fornalha (reator) são injetados carvão e calcário e um fluxo de ar previamente aquecido. O fluxo de ar (criado por ventiladores) faz a mistura entre o carvão e o calcário circular continuamente através da fornalha e do ciclone até que suas partículas sólidas sejam totalmente queimadas. Parte dos resíduos sólidos da combustão (cinzas) é removida no ciclone e na fornalha. O fluxo de gases resultantes segue, então, através das superfícies de troca de calor da caldeira e dos dutos de ar e gases, passando pelos diversos filtros (precipitador eletrostático e filtro de mangas, que capturam as partículas menores e mais leves das cinzas, e o dessulfurizador, onde é feita a captura final dos óxidos de enxofre) Por fim, o fluxo de gases vai para o meio ambiente por meio de uma chaminé de 200 metros. 4

5 19. Como funciona? Segue abaixo esquema da caldeira em CFB (leito fluidizado circulante). 20. De onde virá o calcário? O calcário virá de minas existentes na região de Candiota, Hulha Negra e Bagé ou outras regiões do Rio Grande do Sul. 21. De onde virá o carvão? O carvão será oriundo de minas de carvão situadas próximo à Usina e será fornecido pela Copelmi, maior mineradora privada de carvão no País. 22. Como o carvão será transportado das minas à Usina? O carvão será levado por correia transportadora do sistema de britagem da mina até o pátio de carvão na Usina. 23. Onde o carvão ficará armazenado? Na maior parte do tempo, o carvão será produzido na mina e imediatamente consumido na Usina. A UTE Pampa Sul conta com silos de carvão, com poucas horas de capacidade, para acomodar variações no fornecimento. Também haverá um pequeno estoque de carvão em 5

6 uma área contígua à Usina, para permitir o seu funcionamento em determinadas situações (por exemplo, manutenções nas correias transportadoras, início de operação enquanto a mina não começa a produzir, etc.). 24. Onde o calcário ficará armazenado? O calcário ficará depositado em área contígua à Usina. 25. Qual o consumo estimado de carvão? A UTE Pampa Sul operando na sua capacidade máxima nominal consumirá cerca de 245 mil toneladas por mês. Considerando que a Usina irá operar a plena carga de oito a nove meses por ano, o consumo médio de Pampa Sul será de cerca de 160 mil toneladas por mês. 26. Qual o consumo estimado de calcário? Este assunto ainda depende de negociação com o fornecedor dos equipamentos, mas será de aproximadamente 7 mil toneladas/mês. 27. Os equipamentos serão importados? O Brasil não fabrica caldeiras, turbinas e geradores do porte que serão utilizados em Pampa Sul, portanto, parte dos equipamentos seria importada, independente do EPCista selecionado. No caso de Pampa Sul, os principais equipamentos serão importados da China (caldeira), Alemanha (turbina) e Estados Unidos (gerador). Por outro lado, uma parte considerável dos equipamentos, componentes e serviços utilizados para a implantação da Usina será produzida no Brasil. O índice de nacionalização (percentual em termos de custos da implantação da Usina de produtos e serviços de origem nacional) é da ordem de 60%. 28. Como os equipamentos importados chegarão até a Usina? Os equipamentos importados virão de navio a partir dos seus países de origem, entrarão no Brasil pelo Porto de Rio Grande (RS) e serão transportados via rodoviária até a Usina. 29. O que é um EPCista? Chama-se EPCista o fornecedor de um contrato EPC. O termo EPC é um termo inglês que significa engineering, procurement and construction. Isso significa em termos de um projeto deste porte, que a empresa será responsável pelo projeto, aquisição dos equipamentos e montagem/construção e comissionamento da Usina. O empreendedor receberá o projeto pronto, comissionado e funcionando conforme as especificações técnicas anexas ao contrato. 30. Quem é o EPCista? A SDEPCI é uma empresa com larga experiência em mais de 600 projetos consultoria, design e engenharia para geração de energia, totalizando mais de 70 GW. A companhia já atuou como 6

7 EPCista em mais de 50 projetos de usinas tendo implantando uma capacidade instalada total de MW. Desde os anos 80, a SDEPCI está envolvida no desenvolvimento da tecnologia CFB. Até o momento, mais de 40 usinas com essa tecnologia foram implantadas pela parceira da Tractebel Energia em Pampa Sul. 31. Por que um EPCista chinês? Na fase de concorrência foram entregues documentações do projeto para elaboração de propostas para empresas EPCistas com qualificação em projetos similares à UTE Pampa Sul de diferentes países, a saber: Brasil, Espanha, Estados Unidos, Coreia do Sul e China. A seleção do EPCista foi baseada na otimização da equação custo x qualidade, garantindo uma Usina com qualidade e bom desempenho operacional ao mesmo tempo em que permite oferecer ao consumidor um preço razoável. A empresa que apresentou a melhor proposta técnica e comercial foi uma empresa da China. 32. Virão operários da China para a obra? Naturalmente os fornecedores trazem seu pessoal próprio para posições estratégicas e de confiança. Além disso, em função de não ser comum a implantação de usinas a carvão deste porte (e menos ainda de caldeiras de leito fluidizado), para algumas funções qualificadas e especializadas, não existe oferta de mão de obra no mercado nacional. Desta forma, durante a implantação de Pampa Sul haverá alguns trabalhadores estrangeiros chineses e de outras nacionalidades sempre respeitando as leis brasileiras. Entretanto, é necessário ressaltar que a grande maioria dos postos de trabalho criados será ocupada por trabalhadores brasileiros. 33. De onde virá a água para a Usina? A água para a Usina virá do reservatório que será construído no Rio Jaguarão. 34. Qual a área que será alagada pelo reservatório? A área total alagada pelo reservatório será de 382,35 ha, a Área de Proteção Permanente no entorno do reservatório será de 162,75 ha, totalizando 545,1 ha nos municípios de Candiota e Hulha Negra. 35. Por que eram dois reservatórios e somente será construído um? O projeto da UTE Pampa Sul na sua capacidade máxima (680 MW, 2 x 340 MW) demanda aproximadamente 0,52 m³/s de água. Como o projeto será implantado em duas etapas, a demanda inicial será de 0,26 m³/s, que pode ser abastecida por apenas uma barragem. Vale destacar que esta água será destinada predominantemente para o sistema de resfriamento (torres de resfriamento), onde a mesma será evaporada. Em síntese, a maior parte da água consumida será devolvida ao ambiente na forma de vapor. 7

8 Nenhuma rodovia da região, em especial a rodovia que liga a Vila Seival, em Candiota e a localidade de Trigolândia no município de Hulha Negra, será atingida ou interrompida pela barragem. 36. Quanto de mata nativa será suprimida quando do enchimento do reservatório? O estudo de diagnóstico ambiental constante do Estudo de Impacto Ambiental indicou que a mata ciliar a ser suprimida será de 195 ha. No entanto, em função do empreendimento, serão adotadas medidas compensatórias, a exemplo da Compensação Ambiental, que implicarão investimentos em Unidade de Conservação, além do plantio da vegetação no entorno do reservatório. 37. Como essa mata nativa vai ser recuperada? O Estudo de Impacto Ambiental da UTE Pampa Sul apresenta medidas que visam diminuir, controlar ou compensar esses impactos e ainda potencializar os impactos considerados positivos. Essas medidas estão incluídas nos chamados Programas Ambientais. Neste caso, foi proposto o Programa de Reposição Florestal e Monitoramento das Áreas de Preservação Permanente dos Reservatórios. Serão desenvolvidos projetos específicos, nos quais a reposição florestal será contemplada, considerando o plantio de árvores nas áreas a serem recuperadas com a utilização de espécies nativas da região. 38. Quais as medidas mitigadoras que a Companhia vai tomar? Com a identificação e avaliação dos impactos ambientais gerados em decorrência do empreendimento, foram definidos programas de intervenção e controle com o objetivo de mitigar, neutralizar e/ou compensar os impactos adversos e potencializar aqueles considerados benéficos. Segue abaixo a lista dos Programas Ambientais propostos: Plano Ambiental da Construção e seus respectivos subprogramas Inventário Florestal e Programa de Reposição Florestal Programa de Monitoramento de Águas Superficiais Programa de Monitoramento de Águas Subterrâneas Programa de Monitoramento da Qualidade do Ar Programa de Supressão Vegetal e Limpeza das Áreas de Alague Programa de Controle e Erradicação de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras na Área da Usina Programa de Revegetação de Matas Ciliares e Conexão do Corredor Ecológico Programa de Implantação da Cortina Vegetal Programa de Resgate e Afugentamento de Fauna Terrestre Programa de Controle de Insetos Vetores Programa de Monitoramento da Ictiofauna Programa de Comunicação Social Programa de Educação Ambiental Programa de Monitoramento dos Indicadores de Saúde 8

9 Programa de Desapropriação e Indenização de Proprietários Atingidos Programa de Atividades e Responsabilidade Social das Obras 39. O que a Companhia vai fazer com o CO 2 resultante da combustão do carvão? A Tractebel Energia, controladora da Usina Termelétrica Pampa Sul S/A, possui em seu portfólio de usinas em operação, fontes renováveis de energia, perfazendo MW de potência instalada de um parque gerador de MW, o que significa que 87% da energia produzida é proveniente de fontes renováveis. Esse índice é semelhante à média nacional, que também é fortemente baseada em fontes renováveis, como hidrelétricas. Nesse sentido, o Brasil possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo. A Tractebel continuará a investir em fontes renováveis, principalmente eólicas, hidrelétricas e biomassa, e tais fontes equilibrarão a emissão de CO 2 da UTE Pampa Sul S/A. A Tractebel vem desenvolvendo pesquisas em fontes alternativas dando foco na energia solar fotovoltaica, tendo já em operação a maior unidade do Brasil em Tubarão (SC). A UTE Pampa Sul, como qualquer equipamento que tenha combustão de combustível fóssil, como carros, aquecedores de água a gás, fogão a gás, e outros, o CO2 vai para atmosfera. Para elucidar a questão é importante frisar que o setor elétrico brasileiro é responsável por apenas 1,2% das emissões equivalentes de CO2 do Brasil. Segundo o Plano Nacional de Energia PNE 2030, em 2030, o Brasil requererá o triplo da energia elétrica demandada em 2005, ano utilizado como referência, e a participação de fontes renováveis será de 81,4%. Apesar de a geração de eletricidade por fonte hidráulica cair em termos relativos, aumentará a participação de outras fontes renováveis como a geração eólica e a geração termelétrica a biomassa com uso de bagaço de cana. No mesmo período, é esperado o aumento da participação de combustíveis fósseis na matriz elétrica, que passarão de 7,8% para 12,9% (EPE, 2007). Com esse aumento na geração, as emissões de Gases de Efeito Estufa deverão triplicar e em termos relativos à participação do Setor Elétrico para dos 1,2% para 3,2 % do total das emissões de GEEs do Brasil em (Instituto Acende Brasil - White Paper nº 6) 40. O que é a fumaça branca que se vê nas torres de resfriamento? Não se trata de fumaça, mas sim de vapor d água do processo de resfriamento. 41. A UTE Pampa Sul vai poluir o meio ambiente? O Estudo de Impacto Ambiental da UTE Pampa Sul buscou levantar o diagnóstico atual da região de abrangência da Usina, os possíveis impactos negativos a serem causados com sua implantação e operação, além de apresentação das medidas mitigadoras desses impactos através da definição de Programas Ambientais. Os impactos positivos serão potencializados também através de Programas Ambientais. 9

10 Todas as medidas de controle serão adotadas de forma manter os padrões de emissões atmosféricas, lançamento de efluentes, gerenciamento de resíduos, etc., dentro dos limites legais. 42. O que apontam os estudos da bacia aérea de Candiota? O estudo da bacia aérea de Candiota aponta que mesmo com a instalação de todos os potenciais projetos existentes para a região, os limites de qualidade de ar não serão superados na região de máximo impacto da UTE Pampa Sul operando a 100% da carga. A qualidade do ar na área de máximo impacto das emissões do empreendimento é considerada boa, podendo receber novos incrementos, sem apresentar saturação, desde que controlados. 43. A UTE Pampa Sul vai contribuir para o aquecimento global? Considerando o parque gerador de sua controladora, Tractebel Energia, com geração de energia de fontes renováveis, haverá um equilíbrio. A projeção da geração térmica e de fontes renováveis indica que as emissões totais da Empresa diminuirão nos próximos 20 anos. 44. Para onde irão os recursos da Compensação Ambiental definida pelo Ibama? A destinação dos recursos da Compensação Ambiental é uma decisão do órgão licenciador, no caso, do Ibama, que até o momento não apresentou sua decisão. 45. A cinza resultante da queima do carvão poderá ser utilizada na construção civil? A empresa tem como premissa o aproveitamento da cinza na construção civil, inclusive algumas empresas e prefeituras já entraram em contato com a Tractebel Energia visando utilizar esta cinza para tijolos (construções populares) e outras finalidades. Apenas no caso de não ser viabilizado o seu aproveitamento produtivo, como último recurso, a cinza será disposta na cava da mina para recomposição da topografia da área explorada. 46. A Companhia pretende apoiar projetos de uso da cinza na construção civil? Todo projeto que vise dar uma finalidade produtiva para a cinza será avaliado e, se possível, apoiado. 47. A Companhia vai investir recursos da Compensação Ambiental na Unidade de Conservação existente em Candiota? A destinação dos recursos da Compensação Ambiental é uma decisão do órgão licenciador, no caso, do Ibama. 48. A Companhia vai investir recursos da Compensação Ambiental na Unidade de Conservação em implantação em Bagé? A destinação dos recursos da Compensação Ambiental é uma decisão do órgão licenciador, no caso, do Ibama. 10

11 49. A água das barragens poderá ser usada em caso de estiagem na região? A outorga do uso da água das barragens foi concedida à UTE Pampa Sul pelo Departamento de Recursos Hídricos, órgão da Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Rio Grande do Sul. Qualquer outro uso da água das barragens deverá ser outorgado por este órgão, não tendo a Usina competência legal para tal. 50. Por que o reservatório foi localizado onde há mata nativa? Para a localização da Usina, próxima a jazida de carvão, o rio mais representativo é o rio Jaguarão. Para a definição da localização do reservatório Jaguarão levou-se em consideração a localização de assentamentos agrários e locais com potencial de formação do reservatório. Outros aspectos foram considerados: Bacia hidrográfica: se os barramentos fossem deslocados para montante para evitar a supressão da mata nativa, a bacia de contribuição diminuiria, acarretando uma menor capacidade de reservação. Por outro lado, a jusante dos atuais eixos, há direitos outorgados a outros agentes. É necessária reservação que garanta segurança para que a água não seja um limitador da operação, o que iria de encontro ao propósito do projeto, que é ter capacidade de operar nas mais adversas circunstâncias. PEIXES 51. Quais as espécies animais foram identificadas na área da Usina? Foram registradas 45 espécies de peixes. A maioria dos peixes não possui hábito migratório. Maior interesse para pesca amadora: cascudo, traíra e jundiá. ORGANISMOS AQUÁTICOS Foram avaliados principalmente larvas de insetos, pequenos crustáceos e moluscos (conchas). As espécies encontradas são indicadoras de ambientes já alterados. As espécies mais sensíveis ou raras foram encontradas apenas em tributários do rio Jaguarão, fora da área de barramento. INSETOS Foram realizados inventários para avaliação da diversidade de insetos, salientando-se os insetos vetores de doenças e as abelhas nativas. 11

12 ANFÍBIOS E RÉPTEIS Foram registradas 12 espécies de anfíbios e 7 de répteis. Todos os répteis e anfíbios são comuns na área de estudo e na região. Apresentam grande tolerância à alteração e perturbação nos ambientes em que ocorrem. AVES Foram identificadas 176 espécies de aves. Nas áreas de campo e lavoura são comuns a tesourinha, o tipío, o cardeal e a andorinha-do-campo. Nas áreas úmidas são comuns marrecas, galinholas, maçaricos, perdigões e saracura. Das espécies ameaçadas de extinção são comuns caboclinho-de-chapéu-cinzento, noivinha-de-rabo-preto e coleiro-do-brejo. MAMÍFEROS Foram encontradas 35 espécies de mamíferos. Os mais comuns foram: gambá-de-orelhabranca, tatu-galinha, preá, graxaim e capivaras. Foram registradas sete espécies de mamíferos ameaçadas de extinção: paca, lontra, gato-palheiro, gato-do-mato-grande, gato-maracajá, gato-mourisco e veado-catingueiro. 52. O que a Companhia vai fazer para evitar a extinção dessas espécies? O EIA da UTE Pampa Sul prevê medidas mitigadoras deste impacto com adoção de Programas Ambientais, tais como: Programa de Resgate de Fauna Silvestre, Programa de Monitoramento da Fauna, Programa de Educação Ambiental, Programa de Compensação Ambiental, Programa de Conservação e Uso do Entorno e das Águas do Reservatório. Em síntese, serão adotadas medidas tanto para resgatar a fauna presente nas áreas diretamente afetadas quanto para monitorar sua adaptação em outros ambientes. 53. A vazão do rio Jaguarão será mantida em épocas de seca? Será mantida uma vazão ecológica, calculada considerando-se a manutenção do ecossistema a jusante (abaixo) do barramento em atendimento à legislação específica e conforme a Outorga de Água. 54. A vazão do rio Jaguarão será mantida durante o enchimento dos reservatórios? Mesmo durante do enchimento, será mantida uma vazão ecológica definida pela Outorga de Água, considerando-se a manutenção do ecossistema a jusante do barramento e atendimento da legislação específica. 55. Quais os impactos nos meios físico, biótico e socioeconômicos advindos do enchimento dos reservatórios? 12

13 Os impactos com o enchimento do reservatório foram identificados no Estudo de Impacto Ambiental e foram propostas medidas mitigadoras para cada um desses impactos. Os principais impactos para a fase de implantação são: Alteração na vazão do rio Jaguarão durante o enchimento dos reservatórios; Incidência de processos erosivos nas margens do rio Jaguarão; Alteração no regime fluvial do segmento do rio Jaguarão; Alteração nos organismos aquáticos; Supressão de vegetação; Perda e fragmentação do habitat terrestre; Afugentamento e mortandade de exemplares da fauna; Diminuição da diversidade de espécies; Introdução de espécies exóticas; Usos tradicionais da terra e implicações sociais e culturais; Atividades recreativas. 56. Qual a Área Diretamente Afetada do empreendimento? A Área Diretamente Afetada compreende a área do acampamento, o site da Usina e a área do reservatório. As duas áreas do acampamento e do site situam-se no município de Candiota e medem aproximadamente 155 ha e a área do reservatório está localizada na divisa dos municípios de Candiota e Hulha Negra, ocupando uma área total de 545,10 ha, sendo 382,35 ha correspondentes ao reservatório e o restante a APP (Área de Preservação Permanente). 57. Qual a Área de Influência Direta do empreendimento? A Área de Influência Direta compreende os municípios de Candiota e Hulha Negra. 58. Qual a Área de Influência Indireta do empreendimento? A Área de Influência Indireta compreende os municípios de Bagé, Hulha Negra, Candiota, Herval, Pedras Altas, Aceguá e Pinheiro Machado, todos no Rio Grande do Sul. 59. Para onde o vento vai levar a fumaça da chaminé? A análise da rosa dos ventos da região indica predominância do vento leste, no verão e primavera, portanto indo na direção oeste; e nordeste no outono e no inverno, portanto soprando na direção sudoeste. Dada a tecnologia utilizada na Usina, os níveis de emissões atmosféricas serão muito baixos. Além disso, os estudos (modelagem) matemáticos indicam que os limites de qualidade do ar serão respeitados. 60. O solo pode ser poluído pelo depósito de carvão? Não. O depósito de carvão será impermeabilizado e protegido com canaletas de drenagem para escoamento. 13

14 61. O solo pode ser poluído pelo depósito de calcário? Não. O depósito de calcário será coberto e impermeabilizado, eliminando assim o risco de contaminação do solo. 62. Os efluentes da Usina serão tratados? Sim. Haverá uma estação de tratamento de efluentes gerados no processo e outra estação de tratamento de esgoto sanitário. A Estação de Tratamento de Efluentes gerados no processo industrial tem por finalidade a captação e tratamento dos efluentes líquidos passíveis de contaminação produzidos pela planta geradora, priorizando a sua reutilização e, no caso de excedentes, efetuando o descarte dos efluentes devidamente tratados no rio Jaguarão. 63. O que é Ciclo Fechado de Água? Chamamos de ciclo aberto quando a água é captada no mar, rio ou lagoa e após circular no condensador da usina retorna ao mar, rio ou lagoa. Ciclo fechado é chamado quando a água captada não retorna ao local da sua captação, é resfriada em torres de refrigeração e estocada em tanques ou bacias e retorna para sua utilização. 64. O bioma Pampa vai ser ameaçado? O bioma Pampa não sofrerá ameaças pela implantação da UTE Pampa Sul, pois todos os estudos ambientais anteriores foram realizados e uma série de programas, projetos e ações irá garantir o mínimo impacto. Além disso, na área da Usina e seus reservatórios, o bioma já foi transformado pela ação do homem em área de pastagem e lavoura. 65. A qualidade do ar da região será monitorada? A região possui uma ampla rede de monitoramento da qualidade do ar com sete estações distribuídas em Bagé, Aceguá, Pinheiro Machado, Pedras Altas e Candiota (Aeroporto, núcleo urbano e Três Lagoas). Os Estudos Ambientais da UTE Pampa Sul preveem mais uma estação de qualidade do ar completa. 66. Os arroios e fontes de água próximas da Usina terão o PH alterado? Não, pois não haverá lançamento de efluentes líquidos sem tratamento, ou emissões atmosféricas sem o rigoroso sistema de tratamento de gases. 67. Como a Companhia vai recuperar a flora e a fauna atingidas pela obra? O EIA da UTE Pampa Sul prevê medidas mitigadoras para impacto sob a flora e fauna com adoção de Programas Ambientais, tais como: Programa de Resgate de Fauna Silvestre; Programa de Monitoramento da Fauna; Programa de Educação Ambiental; 14

PROJETO UTE PAMPA SUL

PROJETO UTE PAMPA SUL PROJETO UTE PAMPA SUL 21/Junho/10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 UTLC 363 MW SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO EMPREENDEDOR PROJETO DA UTE PAMPA SUL 2 Sistema Elétrico Brasileiro

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Apresentação 2 Thermal Energy LatAm Rio de Janeiro, 01/02/2012

Leia mais

Gestão Ambiental. Diretrizes GRI: 2 EC2 EN27. Conformidade Legal. Principais Aspectos e Impactos Ambientais. Equilíbrio

Gestão Ambiental. Diretrizes GRI: 2 EC2 EN27. Conformidade Legal. Principais Aspectos e Impactos Ambientais. Equilíbrio GRI: 2 EC2 EN27 Gestão Ambiental Diretrizes Conformidade Legal Todas as usinas operadas pela Tractebel Energia possuem as autorizações e licenças ambientais exigidas pela legislação em vigor. A Companhia

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Parecer Técnico GEDIN 97/2008 Processo COPAM: 17/1988/011/2006 Empreendedor: AVG SIDERURGIA LTDA. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade: Produção

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

Projeto UTE Pampa Sul. Apresentação ao SENGE - RS 08 de Outubro de 2015

Projeto UTE Pampa Sul. Apresentação ao SENGE - RS 08 de Outubro de 2015 Projeto UTE Pampa Sul Apresentação ao SENGE - RS 08 de Outubro de 2015 QUEM SOMOS Tractebel Energia S.A. - a maior geradora de energia elétrica privada do Brasil; Controlada pela grupo Engie (ex-gdf Suez),

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos Construção do Alto-Forno 3 Uma nova Coqueria Um terceiro Convertedor Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo Geração de novos empregos A CST Companhia Siderúrgica de Tubarão implantará o seu processo

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033.

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. CRIAÇÃO DO IPAAM O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. É vinculado diretamente a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias

Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Matriz de referência de Ciências da Natureza e suas Tecnologias Competência de área 1 Compreender as ciências naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas, percebendo seus papéis

Leia mais

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 24 de Agosto 2013

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL 3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS (Avanço no Licenciamento Ambiental de Rodovias) Lucio Lima da Mota São Paulo. 21 de Outubro de 2010 Adaptado

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Desde a inauguração, em 1983, a ArcelorMittal Tubarão segue uma gestão orientada pela busca contínua da inovação e da qualidade em processos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Desafios para enfrentar. o papel dos edifícios verdes. Secretaria do Verde e Meio Ambiente

Desafios para enfrentar. o papel dos edifícios verdes. Secretaria do Verde e Meio Ambiente Desafios para enfrentar mudanças as climáticas e o papel dos edifícios verdes Secretaria do Verde e Meio Ambiente DESAFIOS PARA AS CIDADES Redução da emissão global dos gases que causam efeito estufa 50%

Leia mais

CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE CAPÍTULO II DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS NATURAIS E DO SANEAMENTO SEÇÃO I DO MEIO AMBIENTE ARTIGO 242 Todos tem direito ao meio ambiente saudável e ecologicamente equilibrado, impondo-se a todos, e em

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS 1. BIOMASSA O termo biomassa refere-se a uma série de produtos e sub-produtos agrícolas e florestais, assim como resíduos diversos de origem animal e humana

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Sustentabilidade e Diálogo no Setor Elétrico

Sustentabilidade e Diálogo no Setor Elétrico Sustentabilidade e Diálogo no Setor Elétrico II Seminário Ética, Sustentabilidade e Energia Tractebel Energia Alexandre Uhlig 13 de junho de 2013 Florianópolis O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais