Projeto UTE Pampa Sul. Apresentação ao SENGE - RS 08 de Outubro de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto UTE Pampa Sul. Apresentação ao SENGE - RS 08 de Outubro de 2015"

Transcrição

1 Projeto UTE Pampa Sul Apresentação ao SENGE - RS 08 de Outubro de 2015

2 QUEM SOMOS Tractebel Energia S.A. - a maior geradora de energia elétrica privada do Brasil; Controlada pela grupo Engie (ex-gdf Suez), líder mundial no segmento de energia; Atualmente com capacidade instalada própria de mais de 7GW, através de 27 usinas e um portfolio balanceado entre Distribuidoras, Clientes Livres e Comercializadoras. Aumento Capacidade Instalada Fontes Geradoras Distribuição Plantas TBLE 16% 5% 1 79% Hidrelétricas 79% Complementares 5% Termelétricas 16% Legenda Hidrelétrica Termelétrica Complementar Em Construção 2

3 O QUE ESTAMOS VIVENDO HOJE Aproximadamente 760 MW em implantação; Um pipeline de projetos com mais de MW em desenvolvimento; Fontes diversificadas (eólica, térmica, biomassa, solar); Projetos em desenvolvimentos em diversos estados do Brasil, Santa Mônica (97 MW) Santo Agostinho (600 MW) Campo Largo (772 MW) Foco de Projeto Solar Foco de Projetos Biomassa Norte Catarinense (600 MW) Pampa Sul - (340 MW) Pampa Sul FASE II (340 MW) 3

4 Localização de Candiota e rota pelas BR 290 e 153 e 293

5 PROJETOS A CARVÃO EM CONSTRUÇÃO/DESENVOLVIMENTO PAMPA SUL (RS) Capacidade Instalada: 340 MW Localização: Candiota (RS) Combustível: Carvão nacional EPC: SDEPCI (Chinês) Venda de energia: Leilão A-5/2014 COD: Janeiro/2019; Investimento: R$ 1,8 bilhão Rio Grande do Sul Contratos Principais UTE PAMPA SUL Correia Transportadora EPC - UTE Barragem - Adutora Eng. Prop. Linha Transmissão Financiamento Carvão Calcário PAMPA SUL FASE II (RS) Capacidade Instalada: 340 MW; Ampliação da Pampa Sul; Localização: Candiota (RS) Combustível: Carvão nacional; Estágio de desenvolvimento: etapa inicial; Licença Prévia: emitida 5

6 d b UTE Miroel Wolowiski 340 MW

7 UTE PAMPA SUL (4,5 km) (1 km) Mina SSM (Copelmi) (20 km) 7

8 Implantação Principais Contratos Contrato de EPC da UTE Contratada: SDEPCI - Shandong Electric Power Engineering Consulting Institute Corp., Ltd. Regime de contratação: EPC Turn-key Lump Sum, envolvendo: os projetos básico e executivo a execução das obras civis e montagem fornecimento de todos os equipamentos da usina, incluindo a caldeira, o conjunto turbogerador, transformadores, torre de resfriamento, dessulfurizador, etc. 55% em serviços e equipamentos importados / 45% em serviços e equipamentos nacionais Reservatório Barragem de terra com núcleo de argila, com vertedouro em concreto de soleira livre, com 900m de altura, m³ de volume de barragem,368 ha de área alagada e 10 milhões m³ de volume Estrutura para captação de água e bombeamento d água Adutora com 7 km de comprimento Tensão: 525kV Comprimento: 20km Ponto de conexão: SE Candiota 2 Comprimento: 4,5km Capacidade: 500t / h Linha de Transmissão Correia transportadora de Carvão

9 Caldeira de Leito Fluidizado Ciclone Caldeiras de 100 a 350 MW Desenho mais usual As Caldeiras CFB ( circulating fluidised bed ), leito fluidizado circulante, apresentam menor temperatura de combustão, 900 oc. Vantagens: Ocorre a Dessulfiração na Câmara Combustão pela injeção de Calcário Menor emissões de Nox Podem queimar carvão e biomassa Aceitam mais de um tipo de carvão dentro de uma faixa de PCS. O Carvão não é pulverizado é somente triturado

10 Caldeira de Leito Fluidizado fluxo na fornalha e ciclone Fotos de Fábio Mendes Relatório de Visita

11 Lavador de Gases, FGD Úmido FGD Flue Gas Desulfurization FGD Úmido Uso de Calcário em pó no FGD Úmido resulta em Gesso

12 CFB da UTMW em corte Lateral

13 CFB da UTMW em corte de vista superior Podemos observar que a Caldeira terá três Ciclones, Luvo, Precipitador conjugado com Filtro de Mangal, e WET FGD próximo a Chaminé

14 Dados do Carvão e do Calcário O Enxofre Total poderá ir a 1,7 %, o Carvão será ROM.

15 UTMW valores permitidos de emissões

16 Fase de Operação Carvão Fornecedor: Seival Sul Mineração (SSM) - SSM: 70% Copelmi Qualidade: PSC kcal/kg, Cinza: 55%, S: 1,7% Quantidade anual: de 1,4 a 2,8 milhões de toneladas de carvão Prazo: 25 anos (31/12/2043) Mina a ser implantada para suprir o Projeto Pampa Sul investimento em decorrência do projeto Calcário Processo de seleção de fornecedores em andamento Quantidade anual: t / ano Pessoal Fase de operação (25 anos) 300 diretos e indiretos Principais Gastos Insumos (carvão, calcário e outros): R$ 107 milhões / ano Gastos em manutenção: R$ 19 milhões / ano Pessoal Próprio (O&M): R$ 17 milhões / ano Infra-estrutura e outros custos (transporte, segurança, TI, SSMA, treinamento): R$ 7 milhões / ano

17 Premissa: Capacitação de Mão-de-obra Gerar oportunidades para a profissionalização e a habilitação de trabalhadores da região. Minimizar, sempre que possível, a quantidade de trabalhadores a serem buscados fora da região Contribuir para o incremento da atividade econômica dos municípios da região. Potencializar os efeitos positivos da oferta local de postos de trabalho Atividades realizadas Definição da demanda e perfil da mão de obra e dos cursos Convênio firmado com o SENAI/RS, FGTAS/SINE e Municípios, no valor de R$ 438 mil, para a realização de 16 cursos, com 24 turmas e para capacitar 480 alunos Constituição de Grupo de Trabalho (UTE Pampa Sul, SENAI/RS, FGTAS/SINE e Municípios) para definição dos critérios para cadastramento dos candidatos e avaliação dos cursos Cadastramento de vagas e currículos nas agências do FGTAS/SINE

18 Cursos já programados: Capacitação de Mão-de-obra Armação de Ferragem, Carpintaria de Fôrmas, Pedreiro, Instalador Hidráulico, Pintor de Obras, Solda pelo Processo Mig/Mag, Montagem Mecânica (Bagé), Solda de Aços Carbono e Baixa Liga pelo Processo ER, Montador de Estruturas Metálicas, Auxiliar de Mecânica Industrial, Solda de Aços Carbono e Baixa Liga pelo Processo TIG, Básico de Isolamento Térmico Industrial, Básico de Pintura Industrial, Básico para Encanador Industrial, Eletricista Geral e Eletricidade Industrial Partes de Operação e Manutenção com o SENAI em Bagé, 30 operadores e 20 técnicos de Manutenção. Bagé (23/01/2015) Candiota (25/02/2015) Hulha Negra (19/05/2015) Pinheiro Machado (24/06/2015)

19 Atividades em Candiota - Seival. Embarques na China. Senai em Bagé

20 OBRIGADO Renato Schimitd Barbosa Gerente Regional do Rio Grande do Sul - RERS (51) ramal Hugo Roger Stamm Gerente Socioambiental e Institucional - UTMW (48)

Anexo 04 Descrição das Estruturas Permanentes e Provisórias previstas para a UTE Pampa Sul

Anexo 04 Descrição das Estruturas Permanentes e Provisórias previstas para a UTE Pampa Sul Anexo 04 Descrição das Estruturas Permanentes e Provisórias previstas para a UTE Pampa Sul Item Setor Instalações Descrição Área [m²] Permanente Casa de máquinas Casa de máquinas e edificações construídas

Leia mais

PROJETO UTE PAMPA SUL

PROJETO UTE PAMPA SUL PROJETO UTE PAMPA SUL 21/Junho/10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 UTLC 363 MW SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO EMPREENDEDOR PROJETO DA UTE PAMPA SUL 2 Sistema Elétrico Brasileiro

Leia mais

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Apresentação 2 Thermal Energy LatAm Rio de Janeiro, 01/02/2012

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10

USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETAPA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 USINA HIDRELÉTRICA BELO MONTE EMPRESA: CONSÓRCIO NORTE ENERGIA POTÊNCIA INSTALADA: 11.233,1 MW ETA: PROJETO BÁSICO DATA: 18/08/10 CONTATO: TEL.: 1. LOCALIZAÇÃO RIO: XINGU SUB-BACIA: RIO XINGU RIO XINGU

Leia mais

CALDEIRAS PARA QUEIMA DE DIFERENTES TIPOS DE BIOMASSA

CALDEIRAS PARA QUEIMA DE DIFERENTES TIPOS DE BIOMASSA WORKSHOP JOSÉ PAULO STUPIELLO CALDEIRAS PARA QUEIMA DE DIFERENTES TIPOS DE BIOMASSA ERICSON MARINO CONSULTOR PIRACICABA 02/10/2013 POR QUE FALAR DE CALDEIRAS NESTE SEMINÁRIO AO SE DISCUTIR AS IMPLICAÇÕES

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT

GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT - 04 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS - GPT

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação de Empresas

Leia mais

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL ANA PAULA ANDERSON 1 e GILNEI CARVALHO OCÁCIA 2 1- SUMESA Sulina de Metais S/A 2- ULBRA/CANOAS Departamento de Engenharia

Leia mais

ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO ENERGIA

ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO ENERGIA ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO ENERGIA A SEGURANÇA DE NOSSOS COLABORADORES E O CUIDADO COM AS COMUNIDADES E COM O MEIO AMBIENTE SÃO A NOSSA PRIORIDADE A Techint Engenharia e Construção está comprometida com a

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

Usina Hidrelétrica Jirau

Usina Hidrelétrica Jirau ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL S.A. Usina Hidrelétrica Jirau Outubro de 2009 Dep. Federal MOREIRA MENDES Energia Sustentável do Brasil 2 GDF Suez (50,1%) Contrato de Concessão ANEEL/MME) Financiamento (BNDES)

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Carvão Mineral Brasília, 14 de junho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Carvão Mineral Observações Iniciais Carvão Mineral no Mundo Tecnologias para uso do carvão na

Leia mais

Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda

Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda Visão institucional TBLE e Complexo Jorge Lacerda 30.07.2008 2 GDF-SUEZ: Principais atividades Participações GDF-SUEZ no Brasil 100,00 % 21,47 % SUEZ Energy South America Participações SUEZ Energy Brasil

Leia mais

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 24 de Agosto 2013

Leia mais

Perspectivas para a geração termelétrica a carvão

Perspectivas para a geração termelétrica a carvão Juliana de M. Marreco 1 Amaro Pereira Jr 2 Marina E. Tavares 2 RESUMO Este trabalho apresenta uma análise da expansão do uso do carvão para geração de eletricidade no Brasil e no mundo. Com base em uma

Leia mais

Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014

Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014 MArço 2014 Diálogo Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam - MAR. de 2014 ambiental Informativo do Projeto Minas-Rio destinado aos conselheiros do Copam fev/2013 Inovação e

Leia mais

Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO. Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil

Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO. Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil Geração de Excedentes de Energia no Setor SUCROENERGÉTICO Nicolas Dupaquier Gerente de Projetos Areva Renewables Brasil Organização AREVA Renewables Unidades de negócios AREVA Mineração Front End Reatores

Leia mais

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010

Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética. Novembro/2010 Ibitiúva Bioenergética S. A. Projeto UTE Ibitiúva Bioenergética Novembro/2010 Portfólio balanceado de ativos, com localização estratégica Capacidade instalada de 6.469,1 MW em 21 usinas operadas pela Companhia:

Leia mais

Geração Termelétrica a Carvão. Desenvolvimento de Novos Projetos

Geração Termelétrica a Carvão. Desenvolvimento de Novos Projetos Geração Termelétrica a Carvão Desenvolvimento de Novos Projetos Julho 2008 PRINCIPAIS RESERVAS DE CARVÃO MINERAL NO MUNDO (BILHÕES DE TONS) PRODUÇÃO DE CARVÃO MINERAL NO MUNDO (BILHÕES DE TONS) Produção

Leia mais

Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011

Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011 Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011 A Renova Energia Histórico comprovado na prospecção, estruturação, execução e operação de projetos de geração de energia renovável. Fundação RENOVA Enerbras

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Imbituva Introdução:

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Imbituva Introdução: Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Imbituva Introdução: O objetivo deste relatório é o atendimento da Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima e em específico ao Anexo

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa 2010 Disclaimer Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas da Companhia e de sua

Leia mais

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro Tecnologias, Seminário Internacional Oportunidades de Energias e Estudos Renováveis veis, para Limpas o Incremento e Cogerada e Cogeração ITM Expo Feiras e Convenções São Paulo (SP) 27 a 29/11/2007 Palestra

Leia mais

Questionário para contratação do Seguro de Riscos Operacionais / Nomeados. Geração de Energia (Danos Materiais)

Questionário para contratação do Seguro de Riscos Operacionais / Nomeados. Geração de Energia (Danos Materiais) Questionário para contratação do Seguro de Riscos Operacionais / Nomeados Geração de Energia (Danos Materiais) 1 Dados do Segurado: Nome: CNPJ: 2 Local de Risco: 3 Valores em Risco Danos Materiais: Lucros

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Seminário de Boa Governação das Energias Renováveis Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Madival Alva das Neves Meteorologista (Direção Geral do Ambiente) São Tomé, 30 de junho,

Leia mais

QUALINSTAL - 2013. Certificação das Empresas Instaladoras Ações ABEGÁS

QUALINSTAL - 2013. Certificação das Empresas Instaladoras Ações ABEGÁS Certificação das Empresas Instaladoras Ações ABEGÁS Ambiente da Distribuição de Gás no Brasil 1 - O Cenário da Capacitação de Mão de Obra (Maio 2008): 1.1 Qualificação uniformizada e certificação de profissionais:

Leia mais

Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada

Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada ESCOLA SENAI DE MAUÁ Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada S NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO Eletropneumática 40 27/04/2016 19/05/2016 15h 18h X X X X X Eletropneumática 40 04/07/2016 27/07/2016

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

Termoeletricidade com combustíveis fósseis

Termoeletricidade com combustíveis fósseis Comissão de Serviços de Infraestrutura Audiência pública: Investimento e gestão: desatando o nó logístico do País 1º ciclo: Energia e desenvolvimento do Brasil Painel 01: Eletricidade convencional Termoeletricidade

Leia mais

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos

Construção do Alto-Forno 3. Uma nova Coqueria. Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo. Um terceiro Convertedor. Geração de novos empregos Construção do Alto-Forno 3 Uma nova Coqueria Um terceiro Convertedor Terceira Máquina de Lingotamento Contínuo Geração de novos empregos A CST Companhia Siderúrgica de Tubarão implantará o seu processo

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012 Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura Rio de Janeiro Abril de 2012 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Telecomunicações; Saneamento Ambiental; Logística e transportes;

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE ARGAMASSA E CONCRETO

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE ARGAMASSA E CONCRETO ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE ARGAMASSA E CONCRETO Setembro/15 Análise de Competitividade Argamassa Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 Conjuntura hidrológica bastante adversa 2014 foi 10º ano mais seco da história (84 anos)

Leia mais

PV Workshop: Desenvolvimento de Projetos Fotovoltáicos

PV Workshop: Desenvolvimento de Projetos Fotovoltáicos PV Workshop: Desenvolvimento de Projetos Fotovoltáicos Entenda os elementos críticos para se planejar e dimensionar um sistema fotovoltáico Diadema - SP PV Workshop Este treinamento de dois dias irá apresentar

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO. PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa)

JUSTIFICAÇÃO. PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogério Lisboa) Dispõe sobre a obrigatoriedade de previsão para uso de aquecedores solares de água em novas edificações multifamiliares. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

TECNOLOGIA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA: PROJETOS GASEIFAMAZ E GASEIBRAS

TECNOLOGIA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA: PROJETOS GASEIFAMAZ E GASEIBRAS TECNOLOGIA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA: PROJETOS GASEIFAMAZ E GASEIBRAS 1º Seminário Sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Eng. Sandra M.

Leia mais

ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR

ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR ESPAÇO DE PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE ENERGIA TÉRMICA COM BIOMASSA, UM NEGÓCIO A TODO VAPOR santander.com.br/sustentabilidade Como parte do esforço para conter as mudanças climáticas, as companhias deverão

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI N.º 13.593, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. (publicada no DOE nº 248, de 31 de dezembro de 2010) Altera a Lei nº 8.820,

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA POR USINAS TERMELÉTRICAS

ANÁLISE DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA POR USINAS TERMELÉTRICAS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA - 19 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA ANÁLISE DAS EMISSÕES DE GASES

Leia mais

Demuth Energy: nova fabricante de turbinas e hidromecânicos. Páginas 2 a 7

Demuth Energy: nova fabricante de turbinas e hidromecânicos. Páginas 2 a 7 Parque fabril Demuth em Portão/RS: área de 17 mil m², corpo técnico qualificado e, agora, atuação em um novo segmento Demuth Energy: nova fabricante de turbinas e hidromecânicos Há 28 anos desenvolvendo

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos

Leia mais

Ecopaint Oven. www.durr.com

Ecopaint Oven. www.durr.com Ecopaint Oven Sistemas de ESTUFA de última geração www.durr.com Ecopaint Ecopaint Oven Oven Ecopaint Oven Sistemas de estufa para superfícies perfeitas A chave para a reticulação ideal da superfície A

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Assistente de Tecnologia da Informação e Técnico em Instrumentação. Descrição e Requisitos

Assistente de Tecnologia da Informação e Técnico em Instrumentação. Descrição e Requisitos Vitória, 20 de Maio de 2014. A Selecta, empresa de Recrutamento e Seleção, divulga as vagas de emprego em aberto, com destaque para: Analista Financeiro, Assistente Contábil, Assistente de Tecnologia da

Leia mais

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.

Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com. Av. Dr. Léo de Affonseca Netto n 750 Jd. Novo Horizonte Lorena / SP CEP: 12605-720 Fone/Fax: (12) 3157-4244 E-mail: rm@rm-gpc.com.br PROBEM Programa Biomassa Energia Materiais Refinaria de Biomassa Érica

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL Santa Carolina (denominado Projeto Santa

Leia mais

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A.

AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. AHE SIMPLÍCIO QUEDA ÚNICA* Luiz Antônio Buonomo de PINHO Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Rogério Sales GÓZ Gerente / Engenheiro Civil Furnas Centrais Elétricas S. A. Brasil RESUMO

Leia mais

Visão Global - Experiências de ITAIPU

Visão Global - Experiências de ITAIPU Visão Global - Experiências de ITAIPU no Projeto Veículo Elétrico Rio de Janeiro,18 de junho de 2012. Eng. Celso Ribeiro Barbosa de Novais Chefe da Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável da ITAIPU

Leia mais

Perguntas & Respostas UTE PAMPA SUL

Perguntas & Respostas UTE PAMPA SUL Perguntas & Respostas UTE PAMPA SUL 1. Quem é a Tractebel Energia, empresa proprietária da UTE Pampa Sul? Com 27 usinas hidrelétricas, termelétricas e de fontes complementares, em 12 estados de todas as

Leia mais

TRATAMENTO E RECIRCULAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DA UTE CHARQUEADAS. Rita Clarice Machado Tissot GERASUL

TRATAMENTO E RECIRCULAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DA UTE CHARQUEADAS. Rita Clarice Machado Tissot GERASUL GIA/013 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XI ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA RESUMO TRATAMENTO E RECIRCULAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DA UTE CHARQUEADAS Rita Clarice Machado

Leia mais

Incineração. Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010

Incineração. Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010 Incineração Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010 O que é Incineração? É a decompos ição de produtos e/ou s ubprodutos via oxidação térmica à alta temperatura (

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau Proposta de investimento em Inovação e Sustentabilidade: Planta Piloto de Bio-refinaria Jirau Soluções para uso de madeira de SVA 8 de junho de 2016 CONTEÚDO Capítulo 1 YPIRA: Integração dos setores de

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local

Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local Contribuição do Projeto BK Energia Itacoatiara para o Desenvolvimento Sustentável a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O projeto BK Energia Itacoatiara contribui para a sustentabilidade

Leia mais

Carolina Luiza Rizental Machado

Carolina Luiza Rizental Machado Carolina Luiza Rizental Machado INTRODUÇÃO A energia termoelétrica é aquela gerada a partir da queima de algum combustível, tanto de fontes renováveis, quando de fontes não renováveis; As usinas termoelétricas

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci FONTES DE ENERGIA 1 Um pouco de Física (I, II, III e IV) 2 O Problema dos Transportes 3 Fontes de Energia de Grande Porte 4 Fontes Alternativas 5 E o

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 COMBUSTÃO MULTICOMBUSTÍVEL EM LEITO FLUIDIZADO PARA APLICAÇÃO EM PCTS L.D. Zen*, M.J. Soaresº, G. F. Gomesºº *CIENTEC,

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS

ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS ENERGIAS RENOVÁVEIS: VANTAGENS E DESVANTAGENS 1. BIOMASSA O termo biomassa refere-se a uma série de produtos e sub-produtos agrícolas e florestais, assim como resíduos diversos de origem animal e humana

Leia mais

ANEXO II - QUADRO DE CAPTURA DE DEMANDA - PRONATEC-PBM DESCRIÇÃO DO CURSO TIPO DE CURSO

ANEXO II - QUADRO DE CAPTURA DE DEMANDA - PRONATEC-PBM DESCRIÇÃO DO CURSO TIPO DE CURSO ANEXO II - QUADRO DE CAPTURA DE DEMANDA - PRONATEC-PBM Guia Pronatec de Cursos FIC: http://pronatec.mec.gov.br/fic Catálogo Nacional de Cursos Técnicos: http://pronatec.mec.gov.br/cnct (FIC ou Técnico)

Leia mais

Linha de Financiamento do BNDES para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT

Linha de Financiamento do BNDES para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT Linha de Financiamento do BNDES para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT Automático BNDES PMAT Apresentação do Programa O que é o

Leia mais

CSP: III EIMO 2012. Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012

CSP: III EIMO 2012. Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012 CSP: III EIMO 2012 Marcelo M. Baltazar 30 novembro de 2012 Quem somos? Acionistas: Vale, Dongkuk e Posco, com 50%, 30% e 20%, respectivamente Somos a primeira usina siderúrgica integrada da Região Nordeste

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS Montes Claros, 11 de setembro de 2015 AGENDA Expansão do Sistema de Distribuição

Leia mais

Divisão de Montagens

Divisão de Montagens Só um tradicional fornecedor é capaz de oferecer: Projeto Fabricação Montagem & Supervisão Elétrica & Automação Retrofit & Repotenciamento Assistência Técnica Comissionamento & Posta em Marcha Treinamento

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015. Sempre focado no crescimento e inovação.

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015. Sempre focado no crescimento e inovação. APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Sempre focado no crescimento e inovação. INDICE Sobre a Mettalica Visão, Missão e Valores Aplicação Capacidade Programas Certificações Normas atendidas Principais Clientes

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Controle e redução de perdas de água e uso eficiente de energia em sistemas de abastecimento de água Eng. Airton Gomes

Leia mais

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS terça-feira, 10 de novembro de 2015 Objetivo Apresentar os alguns dos tipos de relacionamento estabelecidos entre a

Leia mais

Projeto de Cogeração Termoelétrica Santa Adélia. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local

Projeto de Cogeração Termoelétrica Santa Adélia. a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O, localizado em Jaboticabal, interior do estado de São Paulo, consiste na queima do bagaço de cana-de-açúcar

Leia mais

Transferência dos ativos de Iluminação Pública sob responsabilidade da CPFL Energia. Abril/2013

Transferência dos ativos de Iluminação Pública sob responsabilidade da CPFL Energia. Abril/2013 Transferência dos ativos de Iluminação Pública sob responsabilidade da CPFL Energia Abril/2013 March, 2013 Agenda 1 Grupo CPFL Energia 2 Desafios ligados aos ativos de Iluminação Pública 3 Projeto de transferência

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

BOLSA DE SALÁRIOS valores de fevereiro pagos em março de 2014, em real consulta na internet: www.datafolha.com.br/salarios

BOLSA DE SALÁRIOS valores de fevereiro pagos em março de 2014, em real consulta na internet: www.datafolha.com.br/salarios 1 DIRETORES E GERENTES Diretores administrativo 7.181 41.859 28.597 0,8 adm. e financeiro 9.882 44.258 25.142 0,0 comercial 7.900 51.518 30.347 1,3 financeiro 7.900 44.470 27.009 1,0 industrial 14.622

Leia mais

Cogeração de energia: o desafio da sustentabilidade energética

Cogeração de energia: o desafio da sustentabilidade energética Cogeração de energia: o desafio da sustentabilidade energética Cesar Tofanetto Gerente de Projetos, Energias e Manutenção francisco.tofanetto@lanxess.com Fevereiro, 2013 Porto Feliz unidade importante

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DAS BARRAGENS, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS, TALUDES E TUNELZINHO.

INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DAS BARRAGENS, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS, TALUDES E TUNELZINHO. INSPEÇÃO FORMAL DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA DAS BARRAGENS, ESTRUTURAS CIVIS ANEXAS, TALUDES E TUNELZINHO. UHE SÁ CARVALHO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. GERÊNCIA DE SEGURANÇA DE BARRAGENS AG/SB 1. OBJETO

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais De todas as especialidades da Engenharia, pode-se dizer que a Engenharia Mecânica é das mais amplas e diversificadas. Ela se envolve com instalações industriais, máquinas e equipamentos

Leia mais

A questão energética. Capítulo 28

A questão energética. Capítulo 28 A questão energética Capítulo 28 Balanço energético mundial Energia é a capacidade de produzir trabalho; Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo Necessidade de novas fontes de energia Ciclos

Leia mais

Inovação e competitividade na indústria de energia eólica. Vivian Sebben Adami Produttare Consultores Associados

Inovação e competitividade na indústria de energia eólica. Vivian Sebben Adami Produttare Consultores Associados Inovação e competitividade na indústria de energia eólica Vivian Sebben Adami Produttare Consultores Associados Capacidade Instalada (MW) Fonte 2011 2012 2013 %13/12 Hidreletrica 82.459 84.294 86.708 2,9%

Leia mais

Zillo Lorenzetti projeto de cogeração com bagaço

Zillo Lorenzetti projeto de cogeração com bagaço Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O consiste na queima do bagaço de canade-açúcar para geração de energia para uso próprio e para exportação

Leia mais

CASO DE SUCESSO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA

CASO DE SUCESSO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA INTRODUÇÃO Grandes obras civis e de montagem eletromecânica costumam representar um desafio nos aspectos de cumprimento de cronogramas e atendimento aos requisitos de segurança do trabalho e saúde ocupacional,

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante Introdução Águas de Niterói hoje possui um consumo de energia

Leia mais

Projetos de Captação, Coleta e Queima de Biogás em Aterros Sanitários. Maio/2014

Projetos de Captação, Coleta e Queima de Biogás em Aterros Sanitários. Maio/2014 Projetos de Captação, Coleta e Queima de Biogás em Aterros Sanitários Maio/2014 1 SUMÁRIO 1. Apresentação; 2. Fundação; 3. Áreas de atuação; 4. Práticas comuns para captação do biogás; 5. A experiência

Leia mais

potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ)

potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ) Energia eólica no Brasil: potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ) Introdução As mudanças climáticas

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro Sylvio Nóbrega Coutinho Sustentabilidade no Setor Sylvio Nóbrega Coutinho Energia Elemento propulsor de desenvolvimento da sociedade A humanidade depende cada vez mais de um elevado consumo energético

Leia mais

FONTES FIXAS EXISTENTES

FONTES FIXAS EXISTENTES FONTES FIXAS EXISTENTES SUBGRUPO FERTILIZANTES PROPOSTA DE PADRÕES DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS PARA FONTES FIXAS EXISTENTES DO SETOR DE FERTILIZANTES E ÁCIDOS SULFÚRICO, NÍTRICO E FOSFÓRICO EM

Leia mais

Área de Gestão. 1. Cursos de Qualificação e Aperfeiçoamento. Inscrições Abertas. Vagas Limitadas! Faça já a Sua Matrícula.

Área de Gestão. 1. Cursos de Qualificação e Aperfeiçoamento. Inscrições Abertas. Vagas Limitadas! Faça já a Sua Matrícula. Inscrições Abertas Vagas Limitadas! Faça já a Sua Matrícula. Documentos necessários para efetuar a matrícula: RG, CPF e Comprovante de Residência *Parcelamento através de boleto bancário, sujeito a aprovação

Leia mais