QUI201 (QUI145) QUÍMICA ANALÍTICA B (Química Industrial) Prof. Mauricio X. Coutrim

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUI201 (QUI145) QUÍMICA ANALÍTICA B (Química Industrial) Prof. Mauricio X. Coutrim"

Transcrição

1 QUI201 (QUI145) QUÍMICA ANALÍTICA B (Química Industrial) Prof. Mauricio X. Coutrim

2 Exemplo: EQUILÍBRIOS DE OXI-REDUÇÃO Reações de oxidação/redução são reações que ocorrem com transferência de elétrons Ce 4+ é o agente oxidante (maior afinidade por elétron) Fe 2+ é o agente redutor (menor afinidade por elétron) Semi reação: Ag + + é Ag (s) (ocorre redução / diminui o nox / é um agente oxidante) Semi reação: Cu (s) Cu é (ocorre oxidação / aumenta o nox / é um agente redutor) BALANCEAMENTO DE REAÇÕES DE OXI REDUÇÃO Na equação química devem ser considerada a lei de conservação das massas! Em ambos os lados da equação devem ser idênticas: 1) As diferentes espécies (considerar todos os átomos em tipos e quantidades); 2) As quantidades molares das mesmas (coeficientes estequiométricos; 3) As quantidades eletrônicas (cargas). 2

3 BALANCEAMENTO DE REAÇÕES SIMPLES DE OXI REDUÇÃO 18.7: Escreva as equações das semi reações balanceadas, indique se é de oxidação ou redução e balanceie as seguintes reações. Escreva as semi reações no processo de redução. a) Sn Fe 3+ Sn Fe 2+ b) Cr (s) + 3 Ag + Cr Ag (s) Balanceie as cargas e as espécies de cada lado das equações! c) Sn (s) + 2 H + Sn 2+ + H 2(g) d) Sn H 2(g) Sn H + e) Sn 2+ + Co (s) Co 2+ + Sn (s) 3

4 BALANCEAMENTO DE REAÇÕES DE OXI REDUÇÃO PELAS SEMIM REAÇÕES Seja a reação entre: Separar as semi reações: Tratando a 1ª semi reação: (de redução: Mn +7 Mn +2 ) 1) A falta de oxigênio é suprida com H 2 O e depois a de hidrogênio com H +. Assim: 2) O balanceamento de carga é feito com elétrons: 4

5 BALANCEAMENTO DE REAÇÕES DE OXI REDUÇÃO Para a reação entre: Tratando a 2ª semi reação: (de oxidação: N +3 N +5 ) 1) A falta de oxigênio é suprida com H 2 O e depois a de hidrogênio com H +. Assim: 2) O balanceamento de carga é feito com elétrons: Somando as semi reações (acertar antes o n o de elétrons: x5 reação com 2 é e x2 a com 5 é): Rearranjando: 5

6 BALANCEAMENTO DE REAÇÕES DE OXI REDUÇÃO Faça o balanceamento para: MnO Fe 2+ Mn 2+ + Fe 3+ Separar as semi reações: 1ª semi reação: (de redução: Mn +7 Mn +2 ) 2ª semi reação : Fe 2+ Fe 3+ (de oxidação: Fe +2 Fe +3 ) O balanceamento de carga é feito com elétrons: Fe 2+ Fe 3+ + é Somando as semi reações (acertar antes o n o de elétrons: x5 aquela com 1 é e x1 a com 5 é). Rearranjando: EXERCÍCIOS 18.7 A DO LIVRO (8ª edição) 6

7 BALANCEAMENTO DE REAÇÕES DE OXI REDUÇÃO / Exercícios 18.7: Escreva as equações das semi reações, acrescente H + e/ou H 2 O necessários para obter o balanceamento, identifique se a semi reação é de oxidação ou de redução e balanceie a equação global. a) Cu (s) (oxi) + 2 NO 3- (red) + 4 H + Cu NO 2(g) + 2 H 2 O (a semi reação Cu Cu 2+ é de oxidação e a NO 3- NO 2 é de redução) b) 5 H 2 SO 3 (oxi) + 2 MnO 4- (red) 5 SO Mn H H 2 O c) Ti 3+ (oxi) + Fe(CN) 6 3- (red) + H 2 O TiO 2+ + Fe(CN) H + d) 2 Ce 4+ (red) + H 2 O 2 (oxi) 2 Ce H + + O 2(g) e) Sn 4+ (red) + 2 Ag (s) (oxi) + 2 I - Sn AgI (s) f) UO 2 2+ (red) + Zn (s) (oxi) + 4 H + U 4+ + Zn H 2 O g) 2 MnO 4- (red) + 5 HNO 2 (oxi) + H + 2 Mn NO H 2 O h) 3 IO 3- (red) + 6 Cl HN 2 NNH 2 (oxi) + 4 H + 3 ICl N 2(g) + 9 H 2 O 7

8 BALANCEAMENTO DE REAÇÕES DE OXI REDUÇÃO / Exercícios 18.9: Escreva as equações das semi reações, acrescente H + e/ou H 2 O necessários para obter o balanceamento, escreva a equação global balanceada e identifique os agentes oxidantes e redutores do lado esquerdo da mesma. a) 5 I - (a. red.) + IO 3- (a. ox.) + 6 H + 3 I 2(aq) + 3 H 2 O I - (agente redutor) e IO 3- (agente oxidante) b) 2 Cl - (a. red.) + MnO 2(s) (a. ox.) + 4 H + Cl 2(g) + Mn H 2 O c) 3 Mn 2+ (a. red.) + 2 MnO 4- (a. ox.) + 4 OH - 5 MnO 2(s) + 2 H 2 O d) V 2+ (a. red.) + 2 V(OH) 4+ (a. ox.) + 2 H + 3 VO H 2 O e) I 2 (a. ox.) + H 2 S (s) (a. red.) 2 I - + S (s) + 2 H + f) IO 3- (a. ox.) + 2 I - (a. red.) + 6 Cl H + 3 ICl H 2 O g) MnO 4- (a. ox.) + 5 VO 2+ (a. red.) + 11 H 2 O Mn V(OH) H + h) Cr 2 O 7 2- (a. ox.) + 3 U 4+ (a. red.) + 2 H + 2 Cr UO H 2 O 8

9 REAÇÕES DE OXIDAÇÃO/REDUÇÃO E AS REAÇÕES ÁCIDO/BASE Equilíbrio Ácido / Base (conceito de BrØnsted-Lowry) Transferência de prótons Equilíbrio de Oxidação / Redução Sn 2+ + Fe 3+ Sn 4+ + Fe 2+ Ag. Redutor Ag. Oxidante Ag. Oxidante Ag. Redutor Transferência de elétrons Avaliando as seguintes reações que são espontâneas para a direita Ordem da força do agente oxidante: 9

10 Facilidade de redução (melhor agente oxidante) EQUILÍBRIOS DE OXI-REDUÇÃO REAÇÕES DE OXIDAÇÃO/REDUÇÃO CLASSIFICAÇÃO DOS METAIS COM RELAÇÃO À FACILIDADE DE OXIDAR-SE (ORDEM CRESCENTE DA FORÇA DOS AGENTES REDUTORES) Ordem da força do agente oxidante: 10

11 REAÇÕES DE OXIDAÇÃO/REDUÇÃO (contato direto) Árvore de prata Cobre em solução de nitrato de prata Fonte: Ordem da força do agente oxidante: Ag + > Cu 2+ 11

12 REAÇÕES DE OXIDAÇÃO/REDUÇÃO (célula eletroquímica) Célula Eletroquímica Cobre e prata ficam fisicamente separados cátodo ânodo Fonte: Ordem da força do agente oxidante: Ag + > Cu 2+ 12

13 CONCEITOS RELACIONADOS ÀS REAÇÕES DE OXIDAÇÃO/REDUÇÃO Corrente elétrica (I): movimento ordenado de elétrons (íons ou partículas num material) Lei de Ohm: a corrente elétrica depende de uma diferença de potencial (ddp) e da resistência do meio (R): I = ddp / R. Célula eletroquímica: dois eletrodos imersos em soluções eletroquímicas Catodo: eletrodo onde ocorre a redução // Anodo: eletrodo onde ocorre a oxidação Célula galvânica: armazenam energia (baterias). Ex. pilha de Daniell Célula eletrolítica: requer energia externa para operar (processo de carregar uma bateria) 13

14 (CÉLULA GALVÂNICA) Voltagem inicial = 1,18 V (fornecimento de mais que 1,18 V torna essa uma célula eletrolítica) Zn (s) Zn é Cu é Cu (s) anodo (ocorre oxidação) Catodo (ocorre redução) As semi reações são chamadas de reação de meia célula 14

15 Representação da célula Convenção da IUPAC: Eletrodo da oxidação (anodo/eletrodo negativo) à esquerda e o da redução (catodo/eletrodo positivo) à direita. Essa célula é escrita como: Ag / AgNO 3 (0,0200 mol.l -1 ) // CuSO 4 (0,0200 mol.l -1 ) / Cu Reação: 2Ag (s) + Cu 2+ 2Ag + + Cu (s) ; E cel = -0,412. Se E cel > 0; reação é espontânea! 15

16 POTENCIAL DE ELETRODO O potencial (E cel ) de uma célula é a diferença entre os potenciais das semicélulas (eletrodo), E eletrodo. Por convenção: E cel = E direita E esquerda. Mas, não é possível se obter E eletrodo absoluto! Eletrodo Padrão de Hidrogênio célula (E 0 cel): é um eletrodo de referência, gasoso, fácil de ser construído e para o qual, por convenção, se estabelece um potencial padrão igual a zero (0,000), independente da temperatura! Nesse eletrodo ocorre a seguinte reação: Pt, H 2 (p=1,00 atm) / H + (x mol.l -1 ) //. Potencial Padrão de Eletrodo (E 0 ) = E 0 de uma semirreação é definido como seu potencial de eletrodo quando as atividades dos reagentes e produtos forem iguais a unidade Esses valores são tabelados! (referem-se somente à reação de redução) 16

17 FORÇA COMO AGENTE OXIDANTE EQUILÍBRIOS DE OXI-REDUÇÃO Potencial Padrão de Redução (ou de Eletrodo) da meia célula FORÇA COMO AGENTE REDUTOR 17

18 POTENCIAL DA CÉLULA O potencial (E cel ) de uma célula está relacionada com a energia livre da reação (DG) da célula. DG = - n F E cel ; onde: n = número de mols de elétrons; F = Constante de Faraday = C Potencial padrão da célula (E 0 cel) : é o potencial da célula quando os reagentes estão no estado padrão. A energia livre da reação nesse caso é chamada de energia livre padrão da célula (DG 0 ). E 0 cel é medido em relação a um padrão de referência (Eletrodo Padrão de Hidrogênio, EPH, ao qual é atribuído E 0 = 0 volt) 18

19 POTENCIAL DA CÉLULA Eletrodo Padrão de Hidrogênio, EPH Potencial Padrão de Eletrodo = Potencial Padrão de Redução = 0 volt Potencial padrão da célula (E 0 cel) é a soma dos potenciais das meia células (eletrodo): Cu é Cu (s) E 0 1 = +0,337 V Zn é Zn (s) E 0 2 = -0,763 V Zn (s) + Cu 2+ Zn 2+ + Cu (s) E 0 T = +1,100 V Quando o E 0 cel > 0 a reação é espontânea (Cobre e íons Zn2+ não ocorre espontaneamente) 19

20 POTENCIAL DE ELETRODO (CÁLCULOS) EQUAÇÃO DE NERNST: DG 0 = - n F E 0 cel = - R T ln K eq ; Para a reação de meia célula: aa + bb + né cc + dd E = E 0 (RT/nF) ln [([C] c [D] d ) / ([A] a [B] b )] E = E 0 (0,0592/n) log [([C] c [D] d ) / ([A] a [B] b )] (a 25 o C) E = Potencial real da meia célula, em V; E 0 = Potencial Padrão de Eletrodo, em V; R = 8,314 J K -1 mol -1 ; T = Temperatura, em K; n = número de elétrons da reação; F = Constante de Faraday (96485 C.mol -1 ); ln = logaritmo natural (2,303 log 10 ); [A], [B], [C], [D] = Atividade de reagentes e produtos concentração molar. 20

21 POTENCIAL DE ELETRODO (CÁLCULOS) EQUAÇÃO DE NERNST: DG 0 = - n F E 0 cel = - R T ln K eq ; Para a reação de meia célula: Zn é Zn (s) E = E 0 (0,0592/2) log 1 / [Zn 2+ ] (a 25 o C); AgCl + é Zn (s) + Cl - E = E 0 (0,0592/1) log [Cl - ]*1 / 1; Cr 2 O H + + 6é Cr H 2 O E = E 0 (0,0592/6) log [Cr 3+ ] 2 *1 / [Cr 2 O 2-7 ] [H + ] 14. Generalizando: Alguns potenciais dependem do ph! Ox + mh + + né Red E = E 0 (0,0592/n) log [Red] / [Ox] [H + ] (a 25 o C) 21

22 POTENCIAL DE ELETRODO (CÁLCULOS) Calcule o potencial de eletrodo para um eletrodo de Ag imerso numa solução de NaCl 0,0500 mol.l -1. Dado: E 0 Ag + /Ag = 0,799 V (Ag + + é Ag (s) ) e E 0 AgCl/Ag = 0,222 V (AgCl (s) Ag (s) + Cl - + é) Resolvendo pela primeira semi reação (pelo E 0 da Ag): Sendo: Ag + + é Ag (s) ; E 0 Ag + /Ag = 0,799 V e AgCl (s) Ag + + Cl - ; K PS = 1, K PS = [Ag + ] [Cl - ]; [Ag + ] = K PS / [Cl - ] = 1, / 0,0500 = 3, mol.l -1. Tem-se que: E = E 0 Ag + /Ag - 0,0592 log (1/[Ag + ]) = 0,799 0,0592 log (1/3, ) = 0,299 V. Resolvendo em função da outra semi reação (pelo Cl - ): Sendo: AgCl (s) Ag (s) + Cl - + é ; E 0 AgCl/Ag = 0,222 V EAgCl/Ag = E 0 AgCl/Ag - 0,0592 log [Cl - ] = 0,222 0,0592 log (0,0500) = 0,299 V. 22

23 POTENCIAL DE ELETRODO (CÁLCULOS) Calcule o potencial de eletrodo padrão para o processo: Ag 2 SO 3(s) + 2é 2Ag + SO 2-3. Dado: E 0 Ag + /Ag = 0,799 V e K PS do Ag 2 SO 3 = 1, O que se quer é o E 0 Ag 2 SO 3 /Ag, então: Resolvendo pela primeira semi reação (pelo E 0 da Ag): Sendo: Ag + + é Ag (s) ; E 0 Ag + /Ag = 0,799 V e Ag 2 SO 3(s) 2Ag + + SO 2-3 ; K PS = 1, Reescrevendo em função de [Ag + ]: K PS = [Ag + ] 2 [SO 3 2- ]; [Ag + ] = K PS / [SO 3 2- ]. Por definição no Potencial Padrão a atividade de produtos e reagentes é igual a unidade (1). Então, [SO 3 2- ] = 1,00. Então, tem-se que: E 0 Ag 2 SO 3 /Ag = E 0 Ag + /Ag - 0,0592 log (1 / [Ag + ]) = 0,799 0,0592 log (1 / 1, / 1,00 ) = 0,799 0,0592 log 8, = 0,799 0,409; E 0 Ag 2 SO 3 /Ag = 0,390 V. 23

24 POTENCIAL DE CÉLULA (CÁLCULOS) Calcule o potencial da célula: Cu/Cu 2+ (0,0200 mol.l -1 ) // Ag + (0,0200 mol.l -1 ) / Ag. Calcule também a variação de energia livre (DG) da reação da célula. Dado: Ag + + é Ag (s) ; E 0 Ag + /Ag = 0,799 V e Cu é Cu(s); E 0 Cu 2+ /Cu = 0,337 V. O potencial de eletrodo das semi células são: O potencial da célula é calculado sempre como E direita E esquerda. Então pelo diagrama da célula: A reação é Cu(s) + 2 Ag + 2 Ag + Cu 2+ ; então DG para essa reação é dada como: 24

25 POTENCIAL DE ELETRODO (CÁLCULOS) Calcule o potencial real de uma solução de permanganato de potássio, onde [MnO 4- ] = 1, mol.l -1, [Mn 2+ ] = 1, mol.l -1 e ph = 1,00, a 25 o C. Dado: E 0 MnO4-/Mn2+ = 1,51 V. A semi reação: MnO H + + 5é Mn H 2 O Então: E MnO4-/Mn2+ = E 0 MnO4-/Mn2+ (0,0592/n)*(log([Mn 2+ ]/([MnO 4- ]*[H + ] 8 ))); E MnO4-/Mn2+ = 1,51 (0,0592/5)*(log(1, /(1, *(1, ) 8 )); E MnO4-/Mn2+ = 1,51 0,01184*(log(1, /1, )) = 1,51 0,01184*log1, ; E MnO4-/Mn2+ = 1,51 0,01184*5 = 1,51 0,0592 = 1,45 V E qual o potencial dessa solução em ph = 3,00? E MnO4-/Mn2+ = 1,51 (0,0592/5)*(log(1, /(1, *(1, ) 8 )); E MnO4-/Mn2+ = 1,51 0,01184*(log(1, /1, )) = 1,51 0,01184*log1, ; E MnO4-/Mn2+ = 1,51 0,01184*21 = 1,51 0,2486 = 1,26 V 25

26 POTENCIAL DE ELETRODO (CÁLCULOS) Sugestão: Ex , Skoog, 8ª ed. Calcule o potencial de uma eletrodo de platina imerso em uma solução: a) 0,0263 mol.l -1 em K 2 PtCl 4 e 0,1492 mol.l -1 em KCl; b) 0,0750 mol L1 em Sn(SO 4 ) 2 e 2, mol L -1 em SnSO 4 ; c) tamponada a um ph 6,00 e saturada em H 2(g) a 1,00 atm; d) 0,0353 mol L -1 em VOSO 4, 0,0586 mol L -1 em V 2 (SO 4 ) 3 e 0,100 mol L -1 em HClO 4. e) preparada pela mistura de 25,00 ml de SnCl 2 0,0918 mol L -1 com o mesmo volume de FeCl 3 0,1568 mol L -1. f ) preparada pela mistura de 25,00 ml de V(OH) 4+ 0,0832 mol L -1 com 50,00 ml de V 2 (SO 4 ) 3 0,01087 mol L -1 que tenha ph igual a 1,00. PtCl é Pt(s) + 4Cl - ; E 0 = +0,73V Sn é Sn 2+ ; E 0 = +0,154V 2H + + 2é H 2 ; E 0 = 0,000V VO H + + é V 3+ + H 2 O; E 0 = +0,359 V Fe 3+ + é Fe 2+ ; E 0 = +0,771 (Sn2+ + 2é Sn (s) ; E 0 = 0,136) V(OH) H + + é VO H 2 O; E 0 = +1,02V; VO H + + é V 3+ + H 2 O; E 0 = +0,359 26

REAÇÕES DE ÓXIDO-REDUÇÃO

REAÇÕES DE ÓXIDO-REDUÇÃO REAÇÕES DE ÓXIDO-REDUÇÃO A Química Analítica moderna tem por base a medida dos Sinais Analíticos, relacionados às transformações de propriedades dos materiais ao longo de uma Análise Química. Entre estes

Leia mais

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 18 / IQG 31 9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO I. INTRODUÇÃO As reações de oxirredução estão entre as reações químicas mais comuns e importantes. Estão envolvidas

Leia mais

Corrosão e Protecção

Corrosão e Protecção Corrosão e Protecção Capítulo 1.2 Fundamentos Docente: João Salvador Fernandes Lab. de Tecnologia lectroquímica Pavilhão de Minas, 2º Andar xt. 1964 Princípios de lectroquímica Quando se imerge uma placa

Leia mais

http://www.rumoaoita.com / - Material escrito por: Marlos Cunha (ITA T-12) Métodos de Balanceamento

http://www.rumoaoita.com / - Material escrito por: Marlos Cunha (ITA T-12) Métodos de Balanceamento Métodos de Balanceamento Conteúdo Introdução... 1 Método das tentativas... 1 Método algébrico... 1 Método do íon-elétron... 2 Método da oxi-redução... 3 Auto oxi-redução... 3 Balanceamento dependendo do

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

Equilíbrio de Oxidação Redução

Equilíbrio de Oxidação Redução Equilíbrio de Oxidação Redução Reações de Oxidação Redução Caracterizam-se pela transferências de elétrons entre as espécies envolvidas. Qual a consequência da transferência de elétrons? Oxidação: uma

Leia mais

Eletroquímica. Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Química

Eletroquímica. Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Química Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Química Eletroquímica Professora: Melissa Soares Caetano Disciplina QUI 702 Eletroquímica estuda as relações

Leia mais

Eletrólise. Energia elétrica. Energia química. pilhas

Eletrólise. Energia elétrica. Energia química. pilhas Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica Pet - Agronomia Petiana: Tatiane Almeida Tutor: José Ribamar Torres Conceito ELETROQUÍMICA Energia química eletrólise pilhas Energia elétrica Transformação

Leia mais

Eletroquímica. 1 Introdução

Eletroquímica. 1 Introdução 1 Introdução Eletroquímica A matéria é composta de partículas eletricamente carregadas, portanto não é surpreendente a possibilidade de converter energia elétrica em energia química e viceversa. A Eletroquímica

Leia mais

Eletroquímica e Termodinâmica

Eletroquímica e Termodinâmica Eletroquímica e Termodinâmica Podemos relacionar a variação de energia livre de Gibbs de uma reação e a diferença de potencial da pilha através da seguinte equação: G(reação) = - nfe O potencial da célula

Leia mais

PILHAS - TEORIA. a) Oxidação: A oxidação envolve o aumento do número de oxidação (NOX) de um determinado elemento a partir da perda de elétrons.

PILHAS - TEORIA. a) Oxidação: A oxidação envolve o aumento do número de oxidação (NOX) de um determinado elemento a partir da perda de elétrons. PILHAS TEORIA Introdução A Eletroquímica é o ramo da Química que estuda a relação existente entre a corrente elétrica e as reações. Ela pode ser dividida em dois tipos de processos: pilhas e eletrólise.

Leia mais

Estequiometria. Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira

Estequiometria. Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Estequiometria Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira -A palavra estequiometria deriva das palavras

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário:

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário: ELETRÓLISE - TEORIA Introdução Dentro do estudo de eletroquímica temos a eletrólise, que consiste num processo não-espontâneo, baseado na decomposição de uma espécie química (eletrólito) por uma corrente

Leia mais

Lista de exercícios de Química Correção da Revisão para a 2ª Avaliação de Química: Pilhas

Lista de exercícios de Química Correção da Revisão para a 2ª Avaliação de Química: Pilhas Nome: Bimestre: 3º Ano / série: 2ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: / / 2011 1. Considere o esquema a seguir e responda: Lista de exercícios de Química

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 6/06/ Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G= - n F E G = G o + RT ln Q ΔE ΔE [A] [A] 0 Questão Valor Grau Revisão kt a,5 a,5 3 a,5

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A

PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Num recipiente de 3,0 L de capacidade, as seguintes pressões parciais foram medidas: N 2 = 0,500 atm; H 2 = 0,400 atm;

Leia mais

ELETROQUÍMICA: PILHAS ELETRÓLISE

ELETROQUÍMICA: PILHAS ELETRÓLISE ELETROQUÍMICA: PILHAS ELETRÓLISE Profa. Adélia Química Aplicada HISTÓRICO 1800 ALESSANDRO VOLTA Ele empilhou pequenos discos de zinco e cobre, separando-os com pedaços de um material poroso (feltro) embebidos

Leia mais

E L E T R O Q U Í M I C A

E L E T R O Q U Í M I C A UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE E L E T R O Q U Í M I C A Professora: Dra. Sonia B. Faldini 2003 1 Introdução A Eletroquímica tem aplicação em muitas áreas da química, da biologia e da física. Desenvolvimentos

Leia mais

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor VESTIB LAR Gabarito Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Muitos álcoois, como o butanol (C 4 H 10 O), têm importância comercial como solventes e matériasprimas na produção industrial

Leia mais

Professora Sonia. b) 3Ag 2O (s) + 2Al (s) 6Ag (s) + A l 2O 3(s)

Professora Sonia. b) 3Ag 2O (s) + 2Al (s) 6Ag (s) + A l 2O 3(s) ITA 2001 DADOS CONSTANTES Constante de Avogadro = 6,02 x 10 23 mol 1 Constante de Faraday (F) = 9,65 x 10 4 Cmol 1 Volume molar de gás ideal = 22,4L (CNTP) Carga Elementar = 1,602 x 10 19 C Constante dos

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 13/11/07

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 13/11/07 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 3//07 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: G = - n F E o a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 0,0 RT ΔE = ΔE lnq nf G

Leia mais

A resposta correta deve ser a letra B.

A resposta correta deve ser a letra B. ITA - 1999 1- (ITA-99) Assinale a opção CORRETA em relação à comparação das temperaturas de ebulição dos seguintes pares de substâncias: a) Éter dimetílico > etanol; Propanona > ácido etanóico; Naftaleno

Leia mais

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE QUESTÃO 1 Peso 2 A dissolução do cloreto de amônio, NH 4 Cl(s), em água ocorre

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO strado em Química Aplicada Seleção 2007 1/6 1 a etapa do Processo de Seleção 2007 - Parte 1 Questão 01: (A) Arranje, em ordem crescente de comprimento de onda, os seguintes tipos de fótons de radiação

Leia mais

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO Valentim M B Nunes, 2003 ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO CÉLULAS GALVÂNICAS OU ELECTROQUÍMICAS 1. Revisão de reacções redox Consideremos o seguinte dispositivo experimental, em que uma barra de zinco é colocada

Leia mais

Equilíbrio de oxi- redução. Prof a Alessandra Smanio0o QMC 5325 - Química Analí;ca - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Equilíbrio de oxi- redução. Prof a Alessandra Smanio0o QMC 5325 - Química Analí;ca - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Equilíbrio de oxi- redução Prof a Alessandra Smanio0o QMC 5325 - Química Analí;ca - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Reações de Oxidação Redução Caracterizam- se pela transferências de elétrons entre as

Leia mais

Lista Prova - Gás Ideal

Lista Prova - Gás Ideal Lista Prova - Gás Ideal 1) Se 2 mols de um gás, à temperatura de 27ºC, ocupam um volume igual a 57,4 litros, qual é a pressão aproximada deste gás? Considere R=0,082 atm.l/mol.k (Constante dos Gases) a)

Leia mais

EQUAÇÕES REDOX 7.1 As semi reações Consideramos a oxidação como a perda de elétrons Ex: Mg (s) Mg +2 (s) +2e Par redox Ox/Red Mg +2 /Mg

EQUAÇÕES REDOX 7.1 As semi reações Consideramos a oxidação como a perda de elétrons Ex: Mg (s) Mg +2 (s) +2e Par redox Ox/Red Mg +2 /Mg Eletroquímica ELETROQUÍMICA/ EQUAÇÕES REDOX / CÉLULAS GALVÂNICAS / ELETRÓLISE Eletroquímica Interação da eletricidade e reações químicas ELETRICIDADE REAÇÕES QUÍMICAS Definição :Eletroquímica é o ramo

Leia mais

Reações de Oxidação e Redução

Reações de Oxidação e Redução Eletroquímica é a área da química que estuda a tendência que os elétrons possuem em se transferirem em uma determinada reação química através de sua concentração e das espécies envolvidas. Reações de Oxidação

Leia mais

X -2(3) X -2 x (4) X - 6 = -1 X 8 = -1 X = 5 X = 7

X -2(3) X -2 x (4) X - 6 = -1 X 8 = -1 X = 5 X = 7 2001 1. - Uma camada escura é formada sobre objetos de prata exposta a uma atmosfera poluída contendo compostos de enxofre. Esta camada pode ser removida quimicamente envolvendo os objetos em questão com

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

3 A água do mar contém em média 1,08 x 10 3 ppm de Na e 270 ppm de sulfato. Sabendo que a densidade da água do mar é, em média, 1,02 g/ml, calcule:

3 A água do mar contém em média 1,08 x 10 3 ppm de Na e 270 ppm de sulfato. Sabendo que a densidade da água do mar é, em média, 1,02 g/ml, calcule: ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS E APOSTILAS CITADOS ABAIXO. OBSERVAÇÃO: Considerar as massas molares dos elementos nos dados fornecidos na última página. 1 Encontre

Leia mais

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011 Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização Prof a Lilian Silva 2011 INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução

Leia mais

PROF: Alex LISTA 8 DATA: 15/ 08 / 2010

PROF: Alex LISTA 8 DATA: 15/ 08 / 2010 NOME: PROF: Alex LISTA 8 DATA: 15/ 08 / 010 Eletrólise (Médio/Difícil) 01 - (FUVEST SP/005) Com a finalidade de niquelar uma peça de latão, foi montado um circuito, utilizando-se fonte de corrente contínua,

Leia mais

Eletroquímica. Oxidar é perder elétrons, havendo então, um aumento algébrico do NOX.

Eletroquímica. Oxidar é perder elétrons, havendo então, um aumento algébrico do NOX. Eletroquímica André Silva Franco A eletroquímica é a parte da química que estuda, na maior parte, a transferência de elétrons em reações e suas aplicações. Encontramos a eletroquímica em nosso corpo, por

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA (ELETRÓLISE)

ESTEQUIOMETRIA (ELETRÓLISE) ESTEQUIOMETRIA (ELETRÓLISE) EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (UEL-PR) A carga elétrica necessária para transformar, por eletrólise, 2 mols de íons Cu 2+ em cobre metálico é igual a: a) 1 Faraday. b) 2 Faradays.

Leia mais

7- (PUCCAMP) Examine as equações químicas a seguir: I- 2CrO 4

7- (PUCCAMP) Examine as equações químicas a seguir: I- 2CrO 4 OXIRREDUÇÃO 1- Se X, Y e Q apresentam número de oxidação máximo nas espécies químicas XO 4 2-, MgYO 3 e H 3 QO 4, então pertencem, respectivamente, à família dos: A) Metais Alcalinos, Carbono e Nitrogênio.

Leia mais

QUI 326 Primeira lista de exercícios 1/2013

QUI 326 Primeira lista de exercícios 1/2013 Exercícios de revisão QUI 326 Primeira lista de exercícios 1/2013 1) Balanceie as equações abaixo: a) Cu + HNO 3 Cu (NO 3 ) 2 + NO +H 2 O b) CrO 3 + SnCl 2 + HCl CrCl 3 + SnCl 4 + H 2 O c) PbO 2 + HCl

Leia mais

Análise Quantitativa da Eletrólise

Análise Quantitativa da Eletrólise RECIFE Colégio Salesiano Sagrado Coração ] Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2015 Disciplina: Físico Química Professor: Eber Barbosa 01 Histórico A análise quantitativa, ou seja, estequiométrica

Leia mais

RECIFE. Colégio Salesiano Sagrado Coração. Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química. Pilha (Espontâneo, ΔG < 0)

RECIFE. Colégio Salesiano Sagrado Coração. Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química. Pilha (Espontâneo, ΔG < 0) RECIFE Colégio Salesiano Sagrado Coração ] Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 2013 Disciplina: Química Professor: Eber Barbosa 01 Introdução Eletroquímica é o estudo das relações existentes entre

Leia mais

EQUILÍBRIO DA OXIDAÇÃO E REDUÇÃO 1

EQUILÍBRIO DA OXIDAÇÃO E REDUÇÃO 1 EQUILÍBRIO DA OXIDAÇÃO E REDUÇÃO 1 1. Conceitos Eletroquímica é o estudo das reações químicas nas quais partículas carregadas (íons ou elétrons) atravessam a interface entre duas fases da matéria, tipicamente

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

Eletroquímica Eletrólise

Eletroquímica Eletrólise ] 01 Introdução Eletrólise é todo processo químico não espontâneo (ΔG > 0) provocado por corrente elétrica. Estudaremos dois tipos de eletrólise: Eletrólise Ígnea: É a eletrólise da substância fundida.

Leia mais

Sistema ELITE de Ensino IME - 2014/2015 GABARITO COMENTADO FOLHA DE DADOS. Informações de Tabela Periódica

Sistema ELITE de Ensino IME - 2014/2015 GABARITO COMENTADO FOLHA DE DADOS. Informações de Tabela Periódica Sistema ELITE de Ensino IME - 014/015 FOLHA DE DADOS Informações de Tabela Periódica GABARITO COMENTADO Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 1,0 14,0 16,0 19,0 7,0 35,5 65,0 118,7 17,0

Leia mais

B) (até três pontos) Para os pares de espécies apresentados em i, ii e iii, tem-se, respectivamente, Al +, F - e Li.

B) (até três pontos) Para os pares de espécies apresentados em i, ii e iii, tem-se, respectivamente, Al +, F - e Li. Química 1. O raio atômico (ou iônico) é uma propriedade periódica que exerce grande influência na reatividade dos átomos (ou dos íons). A) Explique, em termos de carga nuclear efetiva, a variação apresentada

Leia mais

Prof a. Dr a. Luciana M. Saran

Prof a. Dr a. Luciana M. Saran HCl 0,1N FCAV/UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Analítica Fundamentos da Análise Titrimétrica (Volumétrica) NaOH 0,1N Prof a. Dr a. Luciana M. Saran Fenolftaleína 1 O QUE É? ANÁLISE TITRIMÉTRICA

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO DA PROVA A parte objetiva da prova consideravelmente mais simples e mais fácil que o habitual. Algumas questões tinham uma resolução imediata (como as questões 2, 7 e 10) e outras exigiam pouco

Leia mais

Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão

Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão 2.1- Termodinâmica das reações químicas Termodinâmica é a ciência que estuda transformações de energia Avaliando se a reação é ou não espontânea.

Leia mais

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO - DEFINIÇÃO Ferrugem Deterioração Oxidação Perda de material ASTM G15: Reação química ou eletroquímica entre um material (geralmente metálico)

Leia mais

ELETROQUÍMICA Potenciais padrão a 298K Metais Cu Mg Zn Soluções CORRETO ordem crescente de reatividade

ELETROQUÍMICA Potenciais padrão a 298K Metais Cu Mg Zn Soluções CORRETO ordem crescente de reatividade ELETROQUÍMICA 1- (FURG) Deixou-se por um determinado tempo um fio de estanho e um fio de ferro mergulhados em uma solução aquosa de sulfato de cobre (CuSO 4 ). A respeito desse experimento pode-se afirmar

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2006 Prof. Emiliano Chemello

Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2006 Prof. Emiliano Chemello Níveis de dificuldade das Questões Fácil 11 questões Médio 14 questões Difícil 5 questões Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2006 Prof. Emiliano Chemello www.quimica.net/emiliano chemelloe@yahoo.com.br

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

UFSC. Química (Amarela) 31) Resposta: 43. Comentário

UFSC. Química (Amarela) 31) Resposta: 43. Comentário UFSC Química (Amarela) 1) Resposta: 4 01. Correta. Ao perder elétrons, o núcleo exerce maior atração sobre os elétrons restantes, diminuindo o raio. Li 1s2 2s 1 Li+ 1s 2 Raio atômico: átomo neutro > íon

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012 GABARITO DA PROVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012 GABARITO DA PROVA DE QUÍMICA Questão 1 O ácido carbônico é formado quando se borbulha o dióxido de carbono em água. Ele está presente em águas gaseificadas e refrigerantes. Em solução aquosa, ele pode sofrer duas dissociações conforme

Leia mais

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7 1 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ - UTPR DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA BACHARELADO EM QUÍMICA Práticas de ísico

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015. PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a):

GOIÂNIA, / / 2015. PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA:Química SÉRIE: 3º ALUNO(a): Lista de Recuperação Semestral No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

VOLUMETRIA DE ÓXIDO-REDUÇÃO

VOLUMETRIA DE ÓXIDO-REDUÇÃO DEFINIÇÃO: VOLUMETRIA DE ÓXIDO-REDUÇÃO Análise quantitativa volumétrica baseada na reação de óxido redução transferência de elétrons (variação do nox das substâncias envolvidas). Oxidação: Redução: Perda

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Energia para realizar reações químicas: eletrólise do iodeto de potássio aquoso Existem reações químicas não espontâneas, mas que são realizadas com rapidez

Leia mais

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém sete questões, constituídas de itens e subitens, e é composto de dezesseis

Leia mais

Exercícios Adicionais de Oxirredução

Exercícios Adicionais de Oxirredução Nome Série 3ª. N o Professor Bia F Disciplina Química Data Exercícios Adicionais de Oxirredução OBS: Recomendo que façam os exercícios de n os.: 1, 2, 3, 4, 5, 10, 13. Os demais são recomendados para aqueles

Leia mais

Energia é conservada!

Energia é conservada! Calor transferido E = q + w Variação de energia Trabalho realizado pelo sistema Energia é conservada! ENDOtérmico: o calor é transferido da VIZINHANÇA para o SISTEMA. T(sistema) aumenta enquanto T (vizinhança)

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS INSTRUÇÕES: PRCESS SELETIV 2013/2 - CPS PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURS DE GRADUAÇÃ EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco) questões discursivas. Caso

Leia mais

Lista de Exercícios Fundamentos de Análise Volumétrica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Fundamentos de Análise Volumétrica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Quantos mililitros de ácido nítrico 0,125 M são necessários para titular 1,30 g de hidróxido de bário? MASSAS

Leia mais

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Os metais alcalinos, ao reagirem com água, produzem soluções dos respectivos hidróxidos e gás hidrogênio. Esta tabela apresenta

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

d) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,30 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) e) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,74 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni)

d) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,30 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) e) E 0 red (Cr 3+ /Cr) = 0,74 V; E 0 red (Ni 2+ /Ni) 1. (Ufpr 2013) As baterias são indispensáveis para o funcionamento de vários dispositivos do dia a dia. A primeira bateria foi construída por Alessandro Volta em 1800, cujo dispositivo consistia numa pilha

Leia mais

21814. (Ufg) Observando a tira, responda:

21814. (Ufg) Observando a tira, responda: 17054. (Unesp) As baterias dos automóveis são cheias com solução aquosa de ácido sulfúrico. Sabendo-se que essa solução contém 38% de ácido sulfúrico em massa e densidade igual a 1,29g/cm, pergunta-se:

Leia mais

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Exercícios de ph Turma Evolução

Exercícios de ph Turma Evolução . A forma dos fios do cabelo (liso ou ondulado) se deve à forma das estruturas proteicas da queratina. Promovendo reações químicas nas ligações dissulfeto (RSSR) presentes na proteína, é possível alterar

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

Números de oxidação e Reações Redox

Números de oxidação e Reações Redox Ciências da Arte e do Património Química e Física dos Materiais II (Materiais Inorgânicos) Números de oxidação e Reações Redox Olinda Monteiro(ocmonteiro@fc.ul.pt) Olinda Monteiro (ocmonteiro@fc.ul.pt)

Leia mais

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio?

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio? Questão 1: O Brasil é o campeão mundial da reciclagem de alumínio, colaborando com a preservação do meio ambiente. Por outro lado, a obtenção industrial do alumínio sempre foi um processo caro, consumindo

Leia mais

Visite : WWW.ENEMDESCOMPLICADO.COM.BR. I. Fe + Pb 2+ Fe +2 + Pb. II. Zn + Fe 2+ Zn 2+ + Fe. e) Zn 2+ deve ser melhor oxidante do que Pb 2+.

Visite : WWW.ENEMDESCOMPLICADO.COM.BR. I. Fe + Pb 2+ Fe +2 + Pb. II. Zn + Fe 2+ Zn 2+ + Fe. e) Zn 2+ deve ser melhor oxidante do que Pb 2+. Exercícios de Química Eletroquímica 1 (Vunesp) A imersão de um fio de cobre num recipiente contendo solução aquosa de cloreto de mercúrio II provoca, depois de algum tempo, o aparecimento de gotículas

Leia mais

I. Fe + Pb 2+ Fe +2 + Pb. II. Zn + Fe 2+ Zn 2+ + Fe. c) Zn 2+ deve ser melhor oxidante do que Fe 2+. e) Zn 2+ deve ser melhor oxidante do que Pb 2+.

I. Fe + Pb 2+ Fe +2 + Pb. II. Zn + Fe 2+ Zn 2+ + Fe. c) Zn 2+ deve ser melhor oxidante do que Fe 2+. e) Zn 2+ deve ser melhor oxidante do que Pb 2+. Exercícios de Química Eletroquímica 1 (Vunesp) A imersão de um fio de cobre num recipiente contendo solução aquosa de cloreto de mercúrio II provoca, depois de algum tempo, o aparecimento de gotículas

Leia mais

PROF: Alex LISTA 3 DATA: 22/06/2011

PROF: Alex LISTA 3 DATA: 22/06/2011 NOME: PROF: Alex LISTA 3 DATA: /06/0 Estudar para segunda fase-uftm. Com a finalidade de manter uma imagem jovem, muitas pessoas eliminar as rugas do rosto utilizando a quimioesfoliação (peeling químico),

Leia mais

ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS

ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS 95 ELETROQUÍMICA EXERCÍCIOS Questão 01) Uma maneira de proteger estruturas metálicas da corrosão em ambientes úmidos é ligá-las eletricamente a metais com potenciais de oxidação maiores do que o do metal

Leia mais

COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA

COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA 97. A solubilidade do oxalato de cálcio a 20 C é de 33,0 g por 100 g de água. Qual a massa, em gramas, de CaC 2 O 4 depositada no fundo do recipiente quando 100 g de CaC 2 O 4

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Balanceamento REDOX EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 Determine os coeficientes das equações abaixo, reduzindo-os aos menores números inteiros. a) Cr 2(SO 4) 3 + H 2O + KMnO 4 + K 2SO 4 K 2Cr 2O 7 + H 2SO 4 +

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

1 COLÉGIO MARISTA ROSÁRIO Exercícios de revisão Química 2º ano Professoras Mara Goi e Viviane Fermiano

1 COLÉGIO MARISTA ROSÁRIO Exercícios de revisão Química 2º ano Professoras Mara Goi e Viviane Fermiano 1 COLÉGIO MARISTA ROSÁRIO Exercícios de revisão Química 2º ano Professoras Mara Goi e Viviane Fermiano Caro aluno, a presente lista visa auxiliá-lo em seus estudos para a prova de recuperação. Os exercícios

Leia mais

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM)

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) 1-Leia o texto a seguir. Com o passar do tempo, objetos de prata escurecem e perdem seu brilho em decorrência da oxidação desse metalpelo seu contato com oxigênio e

Leia mais

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake Introdução à Eletroquímica: Conceitos fundamentais Pilhas e Baterias 1 Química moderna : Eletroquímica Eletroquímica Estudo de sistemas que envolvem passagem de corrente elétrica e envolvendo reações químicas

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico de Laboratório / Área: Química Que massa de sulfato de cobre pentahidratado é necessária para se preparar 500 ml de uma solução 1,0 x 10-2 mol L -1 de cobre?

Leia mais

Substância CO CO2. C kj mol K N + O O N + O O

Substância CO CO2. C kj mol K N + O O N + O O Informações de Tabela Periódica Elemento C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica u, 00,0,0 6,0 9,0 7,0 5,5 65,0 8,7 7,0 Número atômico 6 7 8 9 7 0 50 5 Constantes: Constante de Faraday 96500 C mol Constante

Leia mais

UFU 2009/1. 2- Uma das alternativas para reduzir a quantidade de lixo produzida mundialmente é aplicar a teoria dos 3Rs:

UFU 2009/1. 2- Uma das alternativas para reduzir a quantidade de lixo produzida mundialmente é aplicar a teoria dos 3Rs: UFU 2009/1 1-Nas festas de Réveillon, o céu fica embelezado pelas cores emitidas pela queima dos fogos de artifício. A esses fogos são adicionadas substâncias, cujos átomos emitem radiações de luminosidades

Leia mais

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA PILHAS

TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA PILHAS TURMA DE REVISÃO - EMESCAM 1º SEMESTRE 2012 - QUÍMICA Prof. Borges PILHAS 1. (Uepg 2010) A figura a seguir ilustra o esquema de uma pilha formada por um eletrodo de Zn em solução de Zn 2+ e um outro eletrodo

Leia mais

1) Faça o balanceamento das equações abaixo:

1) Faça o balanceamento das equações abaixo: PROFESSORA: GIOVANA CARABALLO MELATTI DATA: / /2015 COMPONENTE CURRICULAR: QUÍMICA LISTA DE EXERCÍCIOS DE SALA ALUNO: LISTA DE EXERCÍCIOS REVISÃO 1) Faça o balanceamento das equações abaixo: a) C 2 H 6

Leia mais

QUIMICA - 3ª SÉRIE - REVISÃO

QUIMICA - 3ª SÉRIE - REVISÃO QUIMICA - 3ª SÉRIE - REVISÃO Questão 01) Considere a reação em fase gasosa: Gab: B N 2 + 3H 2 2NH 3 Fazendo-se reagir 4L de N 2 com 9L de H 2 em condições de temperatura e pressão constantes, pode-se afirmar

Leia mais