Relatório de Sustentabilidade. Modelo Continente SGPS, SA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Sustentabilidade. Modelo Continente SGPS, SA"

Transcrição

1 Relatório de Sustentabilidade 2006 Modelo Continente SGPS, SA

2

3 Índice Relatório de Sustentabilidade de Mensagem do CEO...04 Valores e Princípios...06 Perfil da Empresa...08 Retalho Alimentar Retalho Especializado Suporte aos Negócios Inovação Governação...18 Estrutura e Composição dos Orgãos Sociais e da Equipa de Gestão Gestão de Risco Gestão da Remuneração Relações com Stakeholders...22 Relações com Clientes Relações com Colaboradores Relações com Fornecedores Relações com a Comunidade Relações com Accionistas Criação de Valor...32 Desempenho Económico Partilha de Valor Impactes Económicos e Sociais Indirectos Protecção do Ambiente...36 Política e Compromissos Organização, Responsabilidade e Competências Instalações Certificação Ambiental Produtos Alterações Climáticas e Redução da Camada de Ozono Energia Gases de Refrigeração Resíduos Água e Efluentes Líquidos Transporte e Logística Monitorização de Desempenho Ambiental Comunicação/Sensibilização Ambiental Valorização de Capital Humano da Empresa...48 Políticas de Recursos Humanos Caracterização dos Colaboradores Recrutamento Formação de Aperfeiçoamento e Desenvolvimento Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Comunicação Interna Clima e Cultura Envolvimento com a Comunidade...54 Missão Sorriso Programa de Apoio às Escolas Acções de Entretenimento e Animação e Dinamização Cultural Apoio a Instituições Qualidade e Segurança Alimentar...62 Indicadores de Desempenho...64 Glossário...68

4 Relatório de Sustentabilidade de 2006 A Modelo Continente SGPS, SA, enquanto líder da actividade retalhista em Portugal, reconhece a responsabilidade das suas acções e consequentes impactes que estas podem induzir nos seus diferentes stakeholders. Não obstante este reconhecimento ter, desde sempre, norteado as suas estratégias, políticas e práticas, entendeu-se importante publicar este primeiro Relatório de Sustentabilidade, como meio privilegiado para comunicar todas as actividades desenvolvidas pela Modelo Continente neste âmbito, e divulgar indicadores de desempenho nas vertentes económica, ambiental e social, relativos a Tratando-se este, do primeiro Relatório de Sustentabilidade da Modelo Continente, nele é também abordado o percurso da empresa neste domínio. A Modelo Continente elaborou o presente Relatório tendo em consideração as linhas de orientação da Global Reporting Initiative. Mensagem do Chief Executive Officer Oano de 2006 caracterizou-se na Modelo Continente, pela concretização de um ambicioso plano de expansão orgânica da empresa, consolidando a sua condição de líder do mercado retalhista em Portugal. Com a abertura de 87 novas lojas distribuídas pelos três formatos de base alimentar e pelas insígnias de base não alimentar, a Modelo Continente reforçou a cobertura do território nacional disponibilizando assim os seus serviços a um cada vez maior número de clientes. Desde a inauguração da primeira loja em 1985 e, considerando algumas das actuais magnitudes da Empresa, como sejam volume de negócios de milhões de Euros, 480 lojas (entre hipermercados, supermercados e nove insígnias de retalho de base não alimentar), 205 mil artigos em comercialização, fornecedores e 2,4 milhões de clientes por semana, servidos por colaboradores decorreu, de facto, um período de intenso crescimento e de constante e atempada mudança na nossa actividade. Como até agora, a Modelo Continente continuará apostada no desenvolvimento sustentado das suas actividades como retalhista, no respeito por um conjunto de elevados critérios de Ética, no relacionamento com os seus diferentes stakeholders e manifestando uma forte sensibilidade e aderência aos princípios de responsabilidade social corporativa. Destacando cinco aspectos em particular, onde se manifesta a nossa política e prática, em termos de responsabilidade social e desenvolvimento sustentável, referencio: 4 Relatório de Sustentabilidade 06

5 Nuno Jordão Chief Executive Officer da Modelo Continente, SGPS Relações de Confiança - Sustentabilidade na geração e partilha de riqueza. - Eco-eficiência no desenvolvimento da nossa actividade, decorrente de uma generalizada sensibilização dos colaboradores ao tema da protecção do Ambiente. - Procura constante das melhores práticas em termos de política de Recursos Humanos, designadamente no tocante à Formação contínua, Saúde e Segurança no Trabalho, para a globalidade dos colaboradores da Empresa. - Enraizamento no tecido social onde estamos inseridos, através de uma intensa participação em iniciativas de solidariedade social de que as campanhas como Missão Sorriso, Pilhas de Livros e Computadores para as Escolas são apenas exemplos. - Proactividade no desenvolvimento do grau de informação dos nossos clientes, enquanto consumidores, através de acções neste domínio nas escolas, nos pontos de venda e na produção de material informativo disponibilizado em publicações próprias e no nosso site. É com orgulho, satisfação e também com o sentimento de que iremos poder fazer mais e melhor no futuro, que verificamos que este posicionamento da Empresa em termos de Sustentabilidade, tem permitido dar importantes contributos ao desenvolvimento social e económico das comunidades onde a Modelo Continente instalou a sua actividade. Convicto de que esta forma de actuar tem estado na base da obtenção de verdadeiras relações de confiança com todos aqueles com quem nos relacionamos, aqui manifesto aos nossos clientes, fornecedores, autoridades, accionistas e colaboradores, o meu reconhecimento pela colaboração recebida. Relatório de Sustentabilidade 06 5

6 Valores e Princípios A Modelo Continente é a empresa líder do Retalho em Portugal, operando um portfólio alargado de formatos de base alimentar e não alimentar. Ao longo dos seus mais de 20 anos de actividade, sempre pautou os seus padrões de conduta por um quadro de Valores e Princípios, que enquadraram o caminho de sucesso percorrido. Neste quadro de referência a Modelo Continente, enquanto empresa do Grupo Sonae (fundador do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) e do BCSD Portugal), tem desenvolvido iniciativas e incorporado práticas no sentido da construção de um modelo de desenvolvimento sustentável, fundado em pilares de consciência ambiental e social. ÉTICA Qualquer organização necessita de valores duradouros, de princípios de conduta e de linguagem comum que promovam o alinhamento interno e o enquadramento do relacionamento externo e institucional. A Modelo Continente construiu uma cultura forte, competitiva e sustentável, moldada num quadro estável e coerente de Valores e Princípios que abarcam as dimensões comportamental, económica, social e ambiental. Estes Valores e Princípios constituem-se fundamentalmente em: 6 Relatório de Sustentabilidade 06

7 Ética na Governaç.ão > Governação responsável e atenta, com uma Liderança baseada no Rigor e Transparência. Capacidade e Desenvolvimento dos Colaboradores > Valorização de competências e promoção do desempenho, sustentados num encorajamento e apoio ao desenvolvimento pessoal e profissional Honestidade, Confiança e Respeito > Valores fundamentais que asseguram o compromisso da equipa de gestores e de todos os colaboradores em geral com o desenvolvimento da Empresa, num ambiente de trabalho adequado e sem qualquer tipo de discriminação. Inovação > Factor distintivo e diferenciador da marca, dos processos e dos serviços. Parceria com Fornecedores > Desenvolvimento de relações de parceria com fornecedores baseadas em princípios de colaboração e partilha de objectivos dirigidos à satisfação dos consumidores. Consciência Ambiental e Abertura à Comunidade > Melhoria contínua do desempenho ambiental dos seus produtos, processos e actividades e abertura à comunidade envolvente de cada uma das suas unidades e à sociedade em geral. Independência Face ao Poder Político > Autonomia em relação à Administração Central e Local, às organizações e partidos políticos, sem prejudicar uma atitude de cooperação aberta, diligente e responsável. Estes são os valores e princípios que a Modelo Continente tenta traduzir no relacionamento com os seus stakeholders. Aos colaboradores, simultaneamente destinatários e agentes a quem incumbe a responsabilidade de defender e aplicar estes princípios na sua actividade quotidiana estes princípios, é assegurada a ampla difusão deste quadro de valores de referência desde o primeiro momento em que integram a Organização. Relatório de Sustentabilidade 06 7

8 Perfil da Empresa A Modelo Continente é o principal operador no mercado de retalho português, sendo líder no mercado de base alimentar e uma referência nos mercados de base não alimentar onde actua. O contributo da Modelo Continente para a modernização do mercado de retalho é hoje incontornável, após ter iniciado uma verdadeira revolução nos hábitos de consumo e no panorama comercial português com a implementação do primeiro hipermercado Continente, em A inauguração daquela unidade comercial pôs cobro a um longo período de estagnação do sector retalhista português, cristalizado em modelos de gestão tradicionais. Alguns Indicadores horas F Relatório de Sustentabilidade 06

9 Duas décadas foram suficientes para aproximar os hábitos de consumo nacionais dos padrões europeus, consumando um processo de desenvolvimento do sector retalhista que o transformou, no quadro da economia portuguesa, num dos sectores mais competitivos e exemplares no que respeita à implementação das melhores práticas internacionais. Foi também este o percurso da Modelo Continente. Neste período, foi possível consolidar uma relação de satisfação e confiança com o cliente, em re-invenção permanente, que catapultou as marcas da Modelo Continente para uma posição cimeira nos índices de reconhecimento dos consumidores. Neste período, foi igualmente possível implementar um modelo de gestão que conduziu a Organização no sentido da inovação, da modernização tecnológica e da eficiência operacional, equiparando-a aos melhores exemplos e práticas internacionais. Hoje, a Modelo Continente centra a sua estratégia na consolidação da posição de liderança no mercado português, suportada num conjunto de competências que a qualifica para um quadro concorrencial à escala global, à luz do qual formata os seus desafios de futuro. No domínio do retalho de base alimentar, a Modelo Continente opera através das cadeias Continente - hipermercados de grande dimensão vocacionados para a abordagem aos mercados das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto e, bem assim, das cidades de maior dimensão Modelo - hipermercados de média dimensão vocacionados para a abordagem dos mercados dos principais centros urbanos regionais e da cadeia de supermercados Modelo Bonjour - especializada numa oferta de conveniência e proximidade, nas regiões metropolitanas de Lisboa e do Porto. Ao longo da última década, a Modelo Continente assumiu uma estratégia de diversificação do seu portfólio de negócios, apostando em vários formatos de retalho especializado: Worten (electrodomésticos e electrónica de consumo), Modalfa (vestuário), Sport Zone (equipamento e vestuário desportivo), Vobis (equipamento informático), Maxmat (construção, bricolage e jardim), Zippy (vestuário de bebé e criança), STAR (agências de viagens), Área Saúde (parafarmácias novo conceito recém lançado ao abrigo da nova lei que liberaliza a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica) e Worten Mobile (telecomunicações móveis). O crescimento da actividade para estas novas áreas de negócio tem vindo a ser feito privilegiando a utilização de recursos internos e potenciando a rentabilização de sinergias operacionais. A Modelo Continente não descarta, porém, o desenvolvimento de parcerias com outros operadores de reconhecida competência. São esses, designadamente, o caso da insígnia Maxmat, uma frutífera e já longa joint-venture celebrado com o grupo irlandês CRH, ou o caso do acordo de franquia celebrado com o parceiro local Insco Insular de Hipermercados, SA, para a exploração da insígnia Modelo na Região Autónoma dos Açores. Relatório de Sustentabilidade 06 9

10 Abertura de lojas da Modelo Continente em 2006 A 31 de Dezembro de 2006, para o conjunto de todas as suas insígnias, a Modelo Continente detinha em funcionamento 480 lojas que disponibilizavam uma área de venda consolidada de m2. O volume de negócios consolidado da Modelo Continente, ao longo do exercício de 2006, totalizou milhões de Euros. Este valor representou um crescimento de 13% face ao ano precedente no mercado português. Este foi um ano de forte crescimento orgânico, tendo sido inauguradas 87 novas unidades comerciais, num total de 45 mil novos metros quadrados, a que se juntam 60 lojas da insígnia STAR adquiridas no início do ano. Os próximos exercícios continuarão a ser caracterizados por um forte esforço de crescimento e modernização, num plano de desenvolvimento estratégico que prevê o investimento de 400 milhões de Euros até Açores Madeira Retalho Alimentar Hipermercado Hipermercado Supermercado Retalho não Alimentar Electrodomésticos e electrónica de consumo Vestuário Equipamento e vestuário desportivo Vestuário de bebé e criança Equipamento Informático Construção, bricolage e jardim Telecomunicações móveis Parafarmácia Agência de Viagens 10 Relatório de Sustentabilidade 06

11 Retalho Alimentar Continente: 19 lojas com m 2 A marca Continente é a grande referência no sector do retalho e da distribuição moderna em Portugal. É uma marca com forte implantação nacional, que revolucionou o mercado com a abertura do 1º hipermercado Continente em 1985 afirmando-se desde logo como líder nos preços baixos e na variedade, valores que se mantêm desde essa data. A insígnia Continente tem sabido manter e consolidar uma posição de liderança, evidenciando, ao longo de mais de 20 anos, uma grande capacidade de adoptar as mudanças entretanto verificadas no sector. Na base desta performance, está a aposta numa política de constante inovação, acompanhando e estimulando as necessidades de mudança dos seus clientes, da sociedade e do país. Inúmeros prémios e distinções, nacionais e internacionais, recebidos ao longo dos anos atestam os bons resultados deste esforço. Segundo o estudo europeu Marcas de Confiança, nas suas quatro edições consecutivas (2003/4/5/6), a insígnia Continente foi considerada a cadeia de hipermercados em que os portugueses mais confiam. Também o Continente On-line foi distinguido com o prémio Melhor loja online Nacional nos Prémios Leitor 2006 da PCGuia. Ao nível de comunicação, a insígnia Continente tem adquirido uma posição de destaque, revelando ser a marca mais recordada ao longo dos anos. A um posicionamento de preços muito competitivo, a insígnia Continente alia a variedade, o atendimento e os serviços prestados a um cariz fortemente promocional, para enformar uma oferta value-for-money de grande apetência e notoriedade. O site Continente On-line, lançado em 2000, é hoje líder de comércio electrónico na área do retalho. Relatório de Sustentabilidade 06 11

12 Encontrando-se formatada no sentido de servir preferencialmente os mercados afectos aos principais centros urbanos regionais, a cadeia Modelo possui uma rede de hipermercados de média dimensão ( m 2 ) dispersa pela totalidade do território do continente e marca uma posição de destaque nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores. A sua localização obedece a critérios de proximidade ao cliente e constitui, sem dúvida, uma vantagem competitiva e um factor de preferência. Modelo: 80 lojas com m 2 Esta proximidade física e humana na relação com o cliente constitui um traço fundamental na estrutura da identidade e filosofia da marca Modelo, desde logo evidenciada pela localização, dimensão e formato das lojas. Estas, mais pequenas que os grandes hipermercados, asseguram o compromisso ideal entre os imperativos de variedade e baixo preço e os critérios de proximidade e conveniência. A capacidade de renovação e forte criatividade, associadas a uma grande eficácia no atendimento, elevaram a cadeia Modelo a uma posição de destaque entre os operadores de retalho alimentar, especialmente daqueles vocacionados para a abordagem dos mercados regionais afectos aos núcleos urbanos de média dimensão. A insígnia Modelo Bonjour afirma a sua qualidade através de supermercados com cerca de 800 m 2, localizados nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto. Enquanto insígnia de conveniência e proximidade, especialmente vocacionada para as compras mais frequentes do dia-a-dia, a Modelo Bonjour sublinha a sua vertente alimentar e procura localizações inseridas em zonas habitacionais. Modelo Bonjour: 25 lojas com m 2 A marca privilegia a qualidade dos produtos frescos e o ambiente cuidado e agradável das suas lojas, sem descurar nunca uma política de preços baixos. 12 Relatório de Sustentabilidade 06

13 Retalho Especializado A Worten é a maior cadeia de comercialização de electrodomésticos e de electrónica de consumo no mercado português e uma referência na área do retalho especializado. Em Portugal, a Worten desempenhou um papel pioneiro neste segmento do retalho especializado, sendo a primeira cadeia a assumir um projecto de âmbito nacional. Contando com uma ampla gama de produtos, zonas de entretenimento e auditórios de experimentação, a insígnia oferece uma selecção tecnológica inovadora e um conjunto de serviços especializados. A Worten está presente nas principais regiões do país, com uma rede de lojas situadas maioritariamente junto dos hipermercados Continente e Modelo, com formatos A Worten Mobile veio ampliar a gama de oferta da insígnia Worten no segmento das telecomunicações móveis. Este passo permitiu reforçar o posicionamento de especialista junto dos consumidores, factor de competitividade num segmento onde proliferam os operadores focalizados e tecnicamente evoluídos. A Worten Mobile centra a sua oferta comercial na qualidade dos serviços prestados, designadamente na vertente do diagnóstico de necessidades do cliente e do aconselhamento das soluções mais eficientes, graças a uma equipa de colaboradores com formação e experiência. Worten: 87 lojas com m 2 Worten Mobile: 11 lojas com 414 m 2 diferenciados de forma a lidar com a heterogeneidade dos mercados locais: as Worten Megastore, unidades de maior dimensão vocacionadas para os mercados das regiões metropolitanas de Lisboa e do Porto e para as principais cidades capitais de distrito e as Worten Superstore, unidades de média dimensão, especialmente vocacionadas para a exploração dos mercados afectos aos centros urbanos regionais. A Worten conta ainda com o site um serviço transaccional online que disponibiliza uma vasta gama de produtos. A Vobis, cadeia especializada na comercialização de equipamento informático e respectivos acessórios, tornou as novas tecnologias mais acessíveis a todos os portugueses, com lojas integradas em centros comerciais. Com uma presença junto dos principais mercados nacionais, uma gama completa e oferecendo as soluções tecnologicamente mais avançadas, uma equipa de profissionais especializados e garantia de serviço altamente qualificado, a Vobis é reconhecida como a principal cadeia de informática portuguesa. O site complementa o serviço disponível ao cliente com compras online. Vobis: 21 lojas com m 2 Relatório de Sustentabilidade 06 13

14 A Sport Zone - cadeia de lojas de desporto - tem como objectivo a promoção e fomento da prática de desporto em Portugal, através da comercialização de uma larga gama de produtos a preços competitivos e da criação de uma forte relação com a comunidade, que permita desenvolver e melhorar as condições para a prática desportiva. Modalfa: 70 lojas com m 2 A Modalfa tem como proposta de valor ser a cadeia de vestuário e acessórios de moda para toda a família, com maior presença nos mercados urbanos regionais onde faculta às populações locais o acesso às mais recentes tendências da moda. A expansão da insígnia Modalfa acompanhou o crescimento da cadeia Modelo e está implantada em todo o país. Face ao crescimento registado nos últimos anos e acompanhando a crescente sofisticação e exigência dos seus clientes, a Modalfa tem vindo a investir na sua imagem, aproximando ainda mais a marca do seu público e afirmando um novo estilo, mais moderno, actual e versátil, sempre fiel ao estatuto de loja para toda a família. Este esforço culminou recentemente no lançamento de uma nova linha gráfica para todos os suportes comunicacionais da insígnia. A par da nova identidade visual da Modalfa foi lançado o site institucional, onde os valores da marca são comunicados através de uma linguagem apelativa. Zippy Kidstore: 11 lojas com m 2 A Sport Zone está equipada com tudo para o desporto: o sportswear e o equipamento para todas as modalidades e todas as grandes marcas. São mais de artigos pertencentes a 300 marcas diferentes. Paralelamente à sua vertente comercial, a marca tem por missão divulgar o desporto e incentivar a prática desportiva, mantendo fortes relações com a comunidade. Sport Zone: 48 lojas com m 2 A Zippy Kidstore é uma insígnia de roupa e acessórios, com um design moderno e materiais confortáveis, inteiramente dedicada às crianças dos 0 aos 8 anos. A cadeia foi lançada pela Modelo Continente em 2004, com a inauguração da primeira loja no Gaiashopping, distinguindo-se pela animação e colorido da imagem, bem como pela vasta gama de artigos para bebé e criança, puericultura e artigos pré-mamã. Lançada há apenas 2 anos, a insígnia completou já com sucesso uma primeira fase de teste e afinação do conceito de negócio e iniciou, em 2006, um processo de expansão que, até final de 2007, deverá assegurar a abertura de pontos de venda nos principais centros comerciais nacionais e facultar à Zippy Kidstore a cobertura adequada do mercado português. 14 Relatório de Sustentabilidade 06

15 A insígnia Maxmat actua no domínio da distribuição e comercialização de materiais de construção, bricolage e jardim, visando alcançar os segmentos de mercado tradicionalmente designados por RMI (Repair, Maintenace and Improvement Reparação, Manutenção e Melhoria) e do DIY (Do It Yourself - Faça você mesmo), onde elege como clientes alvo preferenciais as pequenas empresas de construção civil, os profissionais liberais do sector e os grandes utilizadores particulares. Este projecto resulta de uma parceria celebrada entre a Modelo Continente e o grupo irlandês CRH em A cadeia privilegia espaços com cerca de m 2 de área de venda e oferece uma gama de mais de produtos que posiciona junto dos clientes através da assinatura Soluções Profissionais. Área Saúde: 26 lojas com m 2 Em 2005, passou a ser permitida a comercialização de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) em outros estabelecimentos que não farmácias. Este novo quadro legal facultou à Modelo Continente o lançamento de uma insígnia especializada no domínio da higiene, beleza e cuidados de saúde, denominada Área Saúde. Na verdade, a Modelo Continente foi pioneira, inaugurando o primeiro espaço de saúde em Portugal inserido numa cadeia de hipermercados. Maxmat: 21 lojas com m 2 A STAR é uma das empresas com maior expressão no negócio das agências de viagens e turismo em Portugal. Através de equipas especializadas nas diferentes vertentes comerciais do negócio - viagens de lazer, viagens de negócios, incoming e congressos e incentivos - a STAR disponibiliza um serviço completo, adequado e de elevada qualidade a todos quantos gostam de viajar sem fronteiras. Estas lojas proporcionam um ambiente acolhedor e organizado onde o consumidor encontra, a preços muito competitivos e disponível em horário alargado, uma gama variada e completa de produtos de qualidade que, para além dos referidos MNSRM, abrange as categorias de produtos de emagrecimento, de tratamento capilar, de puericultura, protectores solares e, bem assim, produtos de aromaterapia, fitoterapia e homeopatia. Ao cliente são ainda disponibilizados diferentes serviços como, entre outros, aconselhamento nutricional e dermocosmético e medição do peso e da tensão arterial. A empresa possui dois modernos Business Travel Centres, dedicados exclusivamente a empresas, e mais de 60 balcões de atendimento de norte a sul do País, a maioria dos quais localizados nos maiores centros comerciais portugueses e junto aos hipermercados da cadeia Continente. Star: 61 lojas com m 2 Relatório de Sustentabilidade 06 15

16 > Suporte aos Negócios Logística A Modelo Continente reconhece na operação logística uma das competências mais importantes e diferenciadoras da cadeia de valor do negócio. Nesse pressuposto, a Modelo Continente foi um dos primeiros operadores portugueses a abraçar um modelo de logística centralizada, onde as entregas de fornecedores são recolhidas num entreposto central, em vez de junto de cada ponto de venda. Este modelo cedo provou as suas vantagens em termos de optimização da cadeia de abastecimento, via incremento da produtividade e da eficiência dos processos, da melhoria dos níveis de serviço às lojas, do controlo de qualidade e da segurança alimentar. Vantagens que, por se repercutirem a montante da cadeia de valor, justificaram a fácil adesão dos fornecedores ao modelo. Não menos relevante é o impacte ambiental desta opção de centralização, que racionaliza as rotas de transporte e minimiza sobremaneira o tráfego de veículos no acesso às diferentes lojas, muitas vezes localizadas em zonas sensíveis da malha rodoviária ou de cariz predominantemente residencial. Hoje a Modelo Continente opera 10 entrepostos com a área coberta da ordem de m 2, por onde são movimentados cerca de 86 por cento dos produtos vendidos pelas diferentes insígnias. Centros de fabrico: O modelo de crescimento e desenvolvimento abraçado pela Modelo Continente não se limitou a promover a diversificação da oferta comercial, suportada na qualidade da plataforma logística disponível. Para além disso, num movimento induzido por objectivos de criação de valor para o cliente e de busca de patamares mais elevados no âmbito da qualidade e segurança alimentares, a Empresa apostou na integração vertical, a montante, da fileira de alguns produtos perecíveis considerados estratégicos. Foi essa a opção adoptada no caso da carne, do peixe e da pastelaria seca. Actualmente, a Modelo Continente explora 3 unidades industriais, a saber: Centro de Processamento de Carnes (CPC) unidade industrial, localizada em Santarém, cuja actividade engloba os processos centralizados de recepção, desmancha, fatiamento e embalagem de carnes. Centro de Distribuição de Pescado (CDP) unidade industrial, localizada em Santarém, responsável pela recepção, controlo, embalagem e expedição de peixe fresco e bacalhau salgado seco. Centro de Fabrico de Pastelaria Seca (CFP) - unidade industrial, localizada em Ermesinde, responsável pela fabricação de padaria e pastelaria. Estrutura Central O modelo organizacional implementado pela Modelo Continente combina uma lógica de centralização de todas as funções de suporte ao negócio com uma opção de descentralização e especialização das vertentes operacional e comercial das diferentes insígnias. Centro de Processamento de Carnes 16 Relatório de Sustentabilidade 06

17 Inovação O mercado de retalho português é, em todos os seus segmentos, um mercado exposto a elevados índices de intensidade concorrencial, onde marcam presença alguns dos principais operadores internacionais. Neste contexto, a geração de vantagens competitivas sustentáveis pressupôs sempre a prossecução de estratégias de diferenciação, no âmbito das quais a inovação desempenha um papel fundamental. O trajecto percorrido pela Modelo Continente, que a conduziu a uma posição de liderança no mercado retalhista português, é indissociável de uma permanente atitude de inovação, aliada à procura incessante da melhoria. Na verdade, este foi o posicionamento adoptado ao longo de vinte anos de actividade na exploração de novos negócios, na procura de novos mercados e de novos canais e, bem assim, no desenvolvimento, adaptação e implementação de novas tecnologias. Dos diferentes projectos inovadores lançados pela Modelo Continente resultaram efeitos profundos e duradouros, seja pela sua contribuição para a evolução dos hábitos de consumo dos portugueses seja pelo estímulo à modernização do sector retalhista nacional e, bem assim, de todos os sectores produtivos a montante. Só em 2006, a Modelo Continente investiu mais de 15 milhões de euros em projectos de inovação. > impulso dado a muitas iniciativas originais e envolventes no domínio da Responsabilidade Social, as quais registaram uma adesão surpreendente a nível nacional, como são exemplo, entre outras, as campanhas Missão Sorriso, Pilhas de Livros ou Computadores para as Escolas ; > concepção e desenvolvimento do projecto de nova geração de centros comerciais Modelo, onde se materializam novas soluções ao nível das acessibilidades e ergonomia das instalações, da eficiência energética e da sustentabilidade ambiental, das tecnologias de apoio aos processos chave do negócio, tendo como enquadramento o objectivo último de promover a qualidade do ambiente loja e o bem estar dos clientes. Em 2006 a Modelo Continente foi distinguida com o primeiro prémio relativo a Innovation and Excellence in BPM & Workflow Implementation patrocinado pela Workflow Management Coalition. > Em 2006, a Modelo Continente investiu mais de 15 milhões de euros em projectos de inovação. De entre os vários projectos de inovação desenvolvidos mais recentemente, impõe-se uma referência especial aos seguintes: > introdução de caixas de Self-Service nas lojas da insígnia Continente, tecnologia que faculta a prestação de um serviço com valor efectivo para o cliente, num dos processos de negócio que para este maior sensibilidade assume: o do acto de pagamento e da respectiva celeridade; Caixa Self-Service Relatório de Sustentabilidade 06 17

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

SONAE MUDAR PARA CONTINUAR A CRESCER

SONAE MUDAR PARA CONTINUAR A CRESCER SONAE MUDAR PARA CONTINUAR A CRESCER 1. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS CORPORATIVAS 1. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS CORPORATIVAS 2. NOVA ORGANIZAÇÃO DO PORTEFÓLIO 3. NOVA ORGANIZAÇÃO DE GESTÃO 1. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

ANF. Associação Nacional de Farmácias

ANF. Associação Nacional de Farmácias ANF Associação Nacional de Farmácias Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Associação Nacional de Farmácias N.º Colaboradores 150 N.º de Estabelecimentos 3 Dispersão

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS APLICAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS -1- AGENDA Quem somos Modelo de Gestão Gestão por Objectivos - BSC Conclusões e Resultados -2- AGENDA Quem somos -3- O QUE FAZEMOS

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Secção C ORGANIZAÇÃO INTERNA. Subsecção I Estatutos. Subsecção II Comunicação de Irregularidades

Secção C ORGANIZAÇÃO INTERNA. Subsecção I Estatutos. Subsecção II Comunicação de Irregularidades Secção C ORGANIZAÇÃO INTERNA Subsecção I Estatutos 48. Regras Aplicáveis à Alteração dos Estatutos da Sociedade Não estão estatutariamente definidas quaisquer regras aplicáveis à alteração dos estatutos

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Comunicado de Resultados

Comunicado de Resultados Comunicado de Resultados Resultados trimestrais consolidados a 31 de Março de 2006 4 de Maio de 2006 Highlights Volume de negócios de 646 milhões de Euros crescimento de 9% em Portugal face a período homólogo

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

A EMPRESA. A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em

A EMPRESA. A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em A EMPRESA A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em áreas onde apresenta factores diferenciadores, como a representação em conselhos

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal?

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? A realidade comercial que podemos designar por Distribuição Moderna começou

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Business analytics conquista terreno

Business analytics conquista terreno Business analytics conquista terreno Surge como uma evolução natural do business inteliigence e alimenta-se da necessidade de as empresas obterem respostas cada vez mais exactas. O business analytics acaba

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Programa de Acção da Candidatura a Presidente

Programa de Acção da Candidatura a Presidente Programa de Acção da Candidatura a Presidente do Instituto Politécnico de Beja de Manuel Alberto Ramos Maçães 1 Índice I. O Porquê da Candidatura II. III. IV. Intenção Estratégica: Visão, Envolvimento

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Comunicado de Resultados

Comunicado de Resultados Comunicado de Resultados Resultados Consolidados 30 de Junho de 2007 Sonae Distribuição S.G.P.S., SA Em destaque A Sonae Distribuição apresentou ao longo do primeiro semestre de 2007 um crescimento de

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os

Leia mais

Responsabilidade Social Temas do Consumo Boas Práticas na Agriloja Retalho Especializado de Agricultura e Pecuária

Responsabilidade Social Temas do Consumo Boas Práticas na Agriloja Retalho Especializado de Agricultura e Pecuária Responsabilidade Social Temas do Consumo Boas Práticas na Agriloja Retalho Especializado de Agricultura e Pecuária Patrícia Garcia Diretora Recursos Humanos e Qualidade Agridistribuição, S.A. Semana da

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011

SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011 INVESTIMENTO SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011 Investimento Social Clientes 268M de descontos em cartão/talão Produtos de marca Continente ~25% mais baratos que produto líder Comunidade 10,4M

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010 PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom 17 de Junho de 2010 Agenda Missão e História da PT Compras Centralização da Função Compras Modelo de Compras da Portugal Telecom Um Modelo

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais