Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel"

Transcrição

1 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Rigor e Transparência Rigor e Transparência

2 COSTUMAMOS DIZER NO FGA QUE O UTENTE, AINDA QUE NÃO TENHA RAZÃO, É A RAZÃO DA NOSSA EXISTÊNCIA E DIZEMOS TAMBÉM QUE UM PROCESSO É MUITO MAIS DO QUE UM SIMPLES ACERVO DOCUMENTAL EM CADA PROCESSO HÁ UMA SITUAÇÃO DE VIDA REAL

3 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? TEMOS VINDO A AJUSTAR A NOSSA ESTRUTURA FUNCIONAL ÀS MAIORES EXIGÊNCIAS DOS CONSUMIDORES

4 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? EM ESTREITA COLABORAÇÃO COM O DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO ISP, CONCEBEMOS, INSTALÁMOS E MANTEMOS UM MODERNO E EFICAZ SISTEMA DE INFORMAÇÃO ESTA APLICAÇÃO, QUE PRATICAMENTE ANULOU A CARGA ADMINISTRATIVA DA GESTÃO DOS PROCESSOS, VEIO AUMENTAR SIGNIFICATIVAMENTE A NOSSA CAPACIDADE DE RESPOSTA. E COM SEGURANÇA E RAPIDEZ, PERMITE-NOS IDENTIFICAR SITUAÇÕES DESVIANTES, POSSIBILITANDO SENÃO EVITAR A SUA OCORRÊNCIA, PELO MENOS OPERAR A SUA IMEDIATA CORRECÇÃO

5 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? DISPOMOS DE UM EFICIENTE SERVIÇO DE ATENDIMENTO, PRESTADO AOS UTENTES PELO DEPARTAMENTO DE ATENDIMENTO DO ISP NESTE SERVIÇO, QUE ESTÁ ON-LINE COM O NOSSO SISTEMA DE INFORMAÇÃO, OS INTERESSADOS PODEM PRATICAR TODOS OS ACTOS RELACIONADOS COM A NOSSA ACTIVIDADE - APRESENTAR PARTICIPAÇÕES, SABER DO ESTADO DO PROCESSO, MARCAR PERITAGENS, ETC.

6 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? AO NÍVEL DOS RECURSOS HUMANOS, SOMOS MUITO EXIGENTES NAS ADMISSÕES. E COM O PATROCÍNIO DO DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DO ISP, FOMENTAMOS O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL E A ACTUALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS, COM ATEMPADAS E ADEQUADAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO TEMOS UMA EQUIPA JOVEM, COM ELEVADA FORMAÇÃO ACADÉMICA E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL, EMPENHADÍSSIMA EM APRENDER, TOTALMENTE VIRADA PARA OS MEIOS TECNOLOGICAMENTE MAIS EVOLUÍDOS, MAS SOBRETUDO DETERMINADA EM SERVIR COM PROFISSIONALISMO E ISENÇÃO, AQUELES QUE RECORREM AO FGA

7 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? VISANDO A UNIFORMIZAÇÃO DE CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS, FORAM APROVADOS VÁRIOS INSTRUMENTOS NORMATIVOS INTERNOS, COMPILADOS E DISPONÍVEIS A TODOS OS COLABORADORES NA PASTA DA QUALIDADE, JUNTAMENTE NÃO SÓ COM TODA A RESTANTE DOCUMENTAÇÃO DE SUPORTE, MAS TAMBÉM COM TODA E INFORMAÇÃO NECESSÁRIA À REALIZAÇÃO E CONTROLO DE CADA UMA DAS TAREFAS

8 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? PROMOVEMOS A OUTORGA DE VÁRIOS PROTOCOLOS: COM HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS PARA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE, GARANTINDO, QUANDO NECESSÁRIO E DEVIDO, O ACOMPANHAMENTO MÉDICO DOS SINISTRADOS ATÉ À SUA CURA CLÍNICA

9 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? PROMOVEMOS A OUTORGA DE VÁRIOS PROTOCOLOS: COM O INSTITUTO DE MEDICINA LEGAL PARA AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL, VISANDO IMPRIMIR O MÁXIMO GRAU DE RIGOR E IMPARCIALIDADE NA FIXAÇÃO DAS INCAPACIDADES

10 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? PROMOVEMOS A OUTORGA DE VÁRIOS PROTOCOLOS: COM A APS COM O ESCOPO DE AGILIZAR A REGULARIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE SINISTROS EM QUE O FGA E AS ASSOCIADAS DA APS SEJAM PARTE

11 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS. E COMO? PROMOVEMOS A OUTORGA DE VÁRIOS PROTOCOLOS: COM PRESTADORES DE SERVIÇOS NAS ÁREAS DA AVALIAÇÃO DO DANO MATERIAL E AVERIGUAÇÕES, EM ORDEM A GARANTIR A RECOLHA RÁPIDA E FIDEDIGNA DA INFORMAÇÃO, NECESSÁRIA À DECISÃO DO PROCESSO

12 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? PROMOVEMOS A OUTORGA DE VÁRIOS PROTOCOLOS: COM EMPRESAS DE RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS PARA REFORÇAR A NOSSA ACTUAÇÃO NOS PROCESSOS DE REEMBOLSOS, PROCURANDO ATE À EXAUSTÃO SACRIFICAR, NA MEDIDA DO EXEQUÍVEL, O PATRIMÓNIO DOS RESPONSÁVEIS. ESTES DEVEM SENTIR O PESO DO INCUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO DE SEGURAR OS SEUS VEÍCULOS

13 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? PARA MEDIR O GRAU DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES, LANÇÁMOS AINDA NA DÉCADA DE 90 UM INQUÉRITO DE OPINIÃO, QUE TEMOS MANTIDO E MELHORADO, INSTRUMENTO QUE NOS AJUDOU A DESPISTAR ERROS E MELHORAR PRÁTICAS

14 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? CONTRATÁMOS E MANTEMOS UM SERVIÇO DE CLIENTE MISTÉRIO, PARA PODERMOS AFERIR EM PERMANÊNCIA, OS PADRÕES DE QUALIDADE DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO

15 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? SUBMETEMO-NOS, POR INICIATIVA DO CONSELHO DIRECTIVO DO ISP, À REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS PERMANENTES EXTERNAS PARA AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS E DAS CONTAS DO FGA

16 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? IMPLEMENTAMOS E MANTEMOS UM SERVIÇO DE AUDITORIA INTERNA PERMANENTE, GARANTINDO O CUMPRIMENTO DOS PROCEDIMENTOS, A IDENTIFICAÇÃO E CORRECÇÃO DE EVENTUAIS SITUAÇÕES DESVIANTES

17 CONSCIENTES DA IMPORTÂNCIA DO FGA NA ESFERA DOS CIDADÃOS, HÁ MUITO QUE INVESTIMOS NA QUALIFICAÇÃO DOS NOSSOS SERVIÇOS E COMO? AVALIANDO CONTINUAMENTE OS NOSSOS PRESTADORES DE SERVIÇOS, COM QUEM TROCAMOS PERMANENTEMENTE INFORMAÇÃO O QUE PERMITE QUE AS SUAS SINERGIAS ESTEJAM COMPLETAMENTE VOLTADAS PARA AS NOSSAS NECESSIDADES, ORIGINANDO-LHES GANHOS DE PRODUTIVIDADE, EVITANDO PERDAS COM A REALIZAÇÃO DE TAREFAS/DILIGÊNCIAS QUE NÃO NOS INTERESSAM, E AO MESMO TEMPO UM SERVIÇO DE QUALIDADE DIRECCIONADO PARA AS NOSSAS NECESSIDADES

18 EXERCER, NOS TERMOS LEGAIS E REGULAMENTARES APLICÁVEIS, AS FUNÇÕES DE FUNDO DE GARANTIA E ORGANISMO DE INDEMNIZAÇÃO ÃO É A NOSSA MISSÃO QUE CUMPRIMOS TENDO EM CONTA OS PRINCÍPIOS PIOS ORIENTADORES: CUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO APLICÁVEIS CONSOLIDAÇÃO DE UMA IMAGEM INSTITUCIONAL DE RIGOR ELEVADA COMPETÊNCIA TÉCNICA T E CELERIDADE PROCESSUAL PROCURA DA VERDADE MATERIAL NA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS FUNDAMENTAÇÃO DAS DECISÕES EM PERMANENTE SENTIDO DE JUSTIÇA PRIVILEGIAR A REGULARIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE SINISTRO POR VIA EXTRAJUDICIAL MELHORIA CONTÍNUA NUA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

19 CUMPRINDO JÁ 6 DOS 8 PRINCÍPIOS DA FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9001:2000: FOCALIZAÇÃO NO CLIENTE/UTENTE; LIDERANÇA ENVOLVIMENTO DAS PESSOAS MELHORIA CONTÍNUA ABORDAGEM À TOMADA DE DECISÕES BASEADA EM FACTOS RELAÇÕES MUTUAMENTE BENÉFICAS COM FORNECEDORES

20 EM 2004, CONSCIENTES DAS SUAS REAIS VANTAGENS, DECIDIMOS DEITAR MÃOS ÀS FERRAMENTAS DA QUALIDADE, E AVANÇAMOS PARA A IDENTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROCESSOS DA QUALIDADE, DISTRIBUINDO ADEQUADAMENTE A RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE CADA UM DELES, TENDO ASSIM ADOPTADO: A GESTÃO POR PROCESSOS, E A ABORDAGEM DA GESTÃO COMO UM SISTEMA FICOU ASSIM COERENTE COM A NORMA ISO 9001:2000.

21 PARALELAMENTE CRIAMOS UM PASTA DIGITAL DA QUALIDADE, BEM ESTRUTURADA E ORGANIZADA E DE FÁCIL ACESSO ASSEGURANDO UMA EXCELENTE E EFICAZ GESTÃO DA INFORMAÇÃO NESSA ÚTIL FERRAMENTA DE GESTÃO, DISPONIBILIZAMOS ON-LINE A TODOS OS COLABORADORES, ENTRE OUTROS: TODA A DOCUMENTAÇÃO DE SUPORTE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS PARA TODOS OS CÁLCULOS NECESSÁRIOS UMA BASE DE DADOS JURISPRUDENCIAL TODA A INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA TODOS OS INDICADORES DE DESEMPENHO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

22 EM DEZEMBRO DE 2004 O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO FGA FOI RECONHECIDO PELA APCER COM A CERTIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE COM A NORMA ISO 9001:2000

23 COMPROMETIDOS NA MELHORIA CONTÍNUA DOS SERVIÇOS, TEMOS MANTIDO ESSA CERTIFICAÇÃO, QUE NOS DÁ A GARANTIA DE QUE TUDO FAZEMOS PARA QUE A PRESTAÇÃO DO NOSSO SERVIÇO AO UTENTE TENHA UMA QUALIDADE EXCELENTE

24 O MELHOR TESTEMUNHO DESTA MELHORIA CONTÍNUA NO SERVIÇO PRESTADO AO UTENTE É A AVALIAÇÃO QUE ESTE TEM FEITO AO SERVIÇO QUE LHE PRESTAMOS 5 Evolução da Satisfação do Utente

25 O PORQUÊ DA CERTIFICAÇÃO EMBORA NÃO ESTANDO SUBMETIDOS A FACTORES CONCORRÊNCIAIS NEM A TER DE DIFERENCIAR O SERVIÇO PARA AUMENTAR A NOSSA COTA DE MERCADO E/OU GARANTIR A SOBREVIVÊNCIA, PRETENDEMOS EVIDENCIAR QUE ESTAMOS BEM ORGANIZADOS DEVIDAMENTE PREPARADOS E EMPENHADOS EM GARANTIR AO UTENTE UM SERVIÇO DE EXCELENTE QUALIDADE

26 REAIS VANTAGENS A EVIDÊNCIA DE QUE ESTAMOS BEM ORGANIZADOS PREPARADOS E EMPENHADOS EM GARANTIR AO UTENTE UM SERVIÇO DE EXCELENTE QUALIDADE

27 PRINCIPAIS DIFICULDADES DIFICULDADES SÓ AS TIVEMOS NO INÍCIO DA PREPARAÇÃO PARA A CERTIFICAÇÃO PELA FALTA DE REFERÊNCIAS, DADO QUE FOMOS O PRIMEIRO FUNDO DE GARANTIA AUTOMÓVEL A IMPLEMENTAR E CERTIFICAR UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

28 SOMOS RECONHECIDOS POR SERMOS CERTIFICADOS? PENSAMOS QUE SIM, MAS CONFESSAMOS QUE NÃO TEM SIDO NOSSA PREOCUPAÇÃO ESSE RECONHECIMENTO

29 PORQUÊ A OPÇÃO PELA APCER? SENDO A CONSOLIDAÇÃO DE UMA IMAGEM INSTITUCIONAL DE RIGOR UM DOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES COM QUE LEVAMOS A CABO A NOSSA MISSÃO, OPTAMOS PELA APCER POR NOS PARECER UMA ENTIDADE CERTIFICADORA TAMBÉM DETENTORA DE UMA FORTE IMAGEM DE RIGOR

30 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Rigor e Transparência Rigor e Transparência

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES Considerando que: nos termos legais e regulamentares aplicáveis, o FUNDO DE GARANTIA AUTOMÓVEL, entre outras atribuições,

Leia mais

Certificação das Entidades de Acção Social. Soluções e Desafios. rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro. Orador: www.apcer.pt.

Certificação das Entidades de Acção Social. Soluções e Desafios. rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro. Orador: www.apcer.pt. Certificação das Entidades de Acção Social Soluções e Desafios rita.porto@apcer.pt Lisboa, 11 de Dezembro www.apcer.pt AGENDA 0. Apresentação da actividade da APCER 1. Actuais exigências e necessidades

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE POSTOS DE TURISMO 8 PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Focalização no cliente Relações com fornecedores mutuamente benéficas Liderança Decisão baseada em factos Princípios da Qualidade

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação. 06 de Março de 2010 Hotel Fátima. Orador: Local e Data:

Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação. 06 de Março de 2010 Hotel Fátima. Orador: Local e Data: Qualidade no Terceiro Sector A Importância da Certificação 06 de Março de 2010 Hotel Fátima AGENDA I. Enquadramento da actividade da APCER II. III. Modelos de Avaliação da Qualidade das Respostas Sociais

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Material para os Discentes da Universidade da Madeira. NP EN ISO 9000, 9001 e 9004. Elaborado em 2005 por. Herlander Mata-Lima

Material para os Discentes da Universidade da Madeira. NP EN ISO 9000, 9001 e 9004. Elaborado em 2005 por. Herlander Mata-Lima Material para os Discentes da Universidade da Madeira NP EN ISO 9000, 9001 e 9004 Elaborado em 2005 por Herlander Mata-Lima 1 NORMAS ISO 9000 As normas ISO 9000 servem de base para as organizações, independentemente

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level. A Importância da Certificação da Qualidade

Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level. A Importância da Certificação da Qualidade A Importância da Certificação da Qualidade Seminário "Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Marco de Canaveses, 17 de Fevereiro de 2011 1 Programa Apresentação do Grupo SGS Qualidade e

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

Benefícios da Certificação no Sector do Turismo. Orador: Carla Pinto

Benefícios da Certificação no Sector do Turismo. Orador: Carla Pinto Benefícios da Certificação no Sector do Turismo I. Apresentação da APCER II. Serviços e Benefícios no Sector do Turismo III. Certificação no Sector do Turismo I. APRESENTAÇÃO DA APCER 1. Quem Somos Início

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

NP EN ISO 9001:2008. Porto

NP EN ISO 9001:2008. Porto Apresentação baseada na: 1. Experiência Certificação de SGQ ISO 9001 na APPACDM no ; 2. Formação realizada no âmbito do projecto Solidariedade, Mudar com Qualidade ; 3. Implementação de Modelos de Avaliação

Leia mais

A Certificação de Qualidade no Sector Segurador. Sandra Santos - GDQ-Ok! TeleSeguro Certificação do Sistema Gestão da Qualidade

A Certificação de Qualidade no Sector Segurador. Sandra Santos - GDQ-Ok! TeleSeguro Certificação do Sistema Gestão da Qualidade A Certificação de Qualidade no Sector Segurador Certificações da OK! TeleSeguro Certificação do site de acordo com a especificação QWeb (Certificação de de Negócio Electrónico). 2006 Reconhecimento pela

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Carolina Nogueira Gestora de Cliente carolina.nogueira@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação

Leia mais

Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de:

Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de: Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de: Qualidade e IT Service Management Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Ambiente Higiene e Segurança no Trabalho

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Uma equipa Comprometida com o Sucesso do Cliente!

Uma equipa Comprometida com o Sucesso do Cliente! Uma equipa Comprometida com o Sucesso do Cliente! 1986 Fabrico das 1ª (primeiras) Balanças totalmente eletrónicas 1996 Desenvolvimento do 1º Software - AdegaGest 2010 Criação de Departamento Informático

Leia mais

O Papel dos Intermediários Financeiros

O Papel dos Intermediários Financeiros Mercados de Capitais e Informação ao Investidor O Papel dos Intermediários Financeiros Lisboa, 12 Dezembro 2002 Sumário O Mercado Financeiro Tradicional O Processo de Desintermediação Financeira O Papel

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Ana Francisco Gestora de Cliente Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

Certificação nas Escolas de Hotelaria e Turismo

Certificação nas Escolas de Hotelaria e Turismo Tradicional Sonolenta Provocadora Certificação nas Escolas de Hotelaria e Turismo Dúvidas e Certezas A necessidade de implementar sistemas formais de certificação é tão premente nas Escolas de Hotelaria

Leia mais

Política de Gestão de Reclamações

Política de Gestão de Reclamações Política de Gestão de Reclamações DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A Popular Seguros considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que presta aos seus Clientes, Colaboradores e Parceiros

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES Definições: Promotores: toda a pessoa singular que, com o Banco ActivoBank, S.A. tenha celebrado um contrato de prestação de serviços, com o objectivo de exercer, a titulo

Leia mais

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens

indiferenca.com Índice Empresa Pág. 3 Valores Pág. 3 Mercado Pág. 4 Serviços Pág. 4 Marcas Pág. 6 Protocolo Pág. 7 Vantagens Página2 Índice Empresa Valores Mercado Serviços Marcas Protocolo Vantagens a. Alunos / Docentes / Funcionários Contrapartidas Pág. 3 Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 7 Pág. 8 Pág. 8 4440-650 Valongo

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho 31 de Agosto de 2009 Índice INTRODUÇÃO-----------------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

A SOLSEG Soluções Integradas de Seguros, Lda. é uma empresa de direito e capitais exclusivamente angolanos, que se dedica à prestação de serviços à

A SOLSEG Soluções Integradas de Seguros, Lda. é uma empresa de direito e capitais exclusivamente angolanos, que se dedica à prestação de serviços à A SOLSEG Soluções Integradas de Seguros, Lda. é uma empresa de direito e capitais exclusivamente angolanos, que se dedica à prestação de serviços à indústria seguradora e à gestão de frotas. A NOSSA MISSÃO

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO

INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO Elaborado por: Carla Latas nº 3501 Rui Soares nº 3508 Ana Lopes nº 3512 Coimbra, 02 de Junho de 2005.

Leia mais

Edição A. Código de Conduta

Edição A. Código de Conduta Edição A Código de Conduta -- A 2011.09.26 1 de 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 PRINCÍPIOS E NORMAS GERAIS... 2 a) Trabalho Infantil... 2 b) Trabalho forçado... 2 c) Segurança e bem-estar no local de trabalho...

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Andreia Martins Gestora de Cliente andreia.martins@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes Microfil QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Manuel Antunes Faculdade de Letras da Universidade do Porto 4 de Novembro de 2005 Tema A transferência de suporte e o desenvolvimento de software

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação. Qualidade e Certificação

Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação. Qualidade e Certificação Seminário CNIS - APCER QUALIDADE - Pressuposto de Diferenciação Qualidade e Certificação 27 de Outubro de 2007 Gabriela Lopes Direcção de Certificação e de Auditores www.apcer.pt Agenda O que é a certificação?

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01

Manual do Sistema de Gestão Integrado MSGI-01 Manual de Acolhimento LogicPulse Technologies, Lda. Índice PROMULGAÇÃO... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OBJETIVOS DO MANUAL... 4 3. APRESENTAÇÃO DA LOGICPULSE TECHNOLOGIES... 5 4. ORGANOGRAMA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Quem somos Origem, posição actual Actividade iniciada em 1952. O prestígio de meio século de presença no mercado, A Qualidade dos produtos que comercializa

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Banco de Portugal EUROSISTEMA REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL

Banco de Portugal EUROSISTEMA REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL Tendo em conta: A lei orgânica do Banco de Portugal; As recomendações constantes do relatório do Fundo Monetário internacional relativo ao exercício

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar

A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar A norma ISO/TS 22003: Acreditação de Organismos de Certificação de Sistemas de Gestão de Segurança a Alimentar Leopoldo Cortez Andreia Geraldo Alberto Mosqueira Resumo Introdução A Acreditação e o IPAC

Leia mais

Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012

Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012 Certificação voluntária de serviços de segurança contra incêndio NP 4513:2012 Conteúdos Histórico O que é? Porque foi criada? Estrutura da norma Objetivos Princípios Esquema de certificação Âmbito e validade

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis. Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO

A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis. Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO A ISO 26000 e a sua relação com os referenciais certificáveis Os 7 temas fundamentais da ISO 26000 vertente Ambiente - A experiência da EGEO Ana Maria Lopes CONTEÚDO EGEO SIG- nas empresas da EGEO social

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

Certificação pela ISO 9001:2000

Certificação pela ISO 9001:2000 Agenda A motivação inicial para o Projecto da Qualidade Os benefícios da implementação de um Sistema de Gestão de Qualidade A extensão do Sistema com a inclusão de mais Processos Francisco Nunes Dias 04-11-2008

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Introdução aos SGQ (norma ISO 9001:2008) Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa ONG fundada em 1947 em Genebra Actualmente esta organização encontra se em 120 países. promover

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Helena Ferreira (helena.ferreira@apcer.pt) Gestora de Desenvolvimento da APCER I. APRESENTAÇÃO DA APCER www.apcer.pt 1. Quem Somos Início de actividade

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

Código de Ética e Conduta. do Funcionário Público

Código de Ética e Conduta. do Funcionário Público Código de Ética e Conduta do Funcionário Público 2015 Ficha técnica Título: Código de ética do funcionário público Autor: Secretaria de Estado da Administração Pública Ilustrações: Alberto Fortes Paginação

Leia mais

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER ISO 9001:2015 Rui Oliveira APCER Agenda Enquadramento do Processo de Revisão Principais Mudanças Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade Próximos Passos Cronograma para

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO BD INSOLVÊNCIA base de dados on-line

MANUAL DE UTILIZAÇÃO BD INSOLVÊNCIA base de dados on-line MANUAL DE UTILIZAÇÃO BD INSOLVÊNCIA base de dados on-line 2 ÍNDICE ÍNDICE Apresentação... 3 Vantagens... 3 Descrição da BD Insolvência... 4 Pesquisar... 6 Refinar Pesquisa... 7 Resultados da Pesquisa...

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 580 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 580 DECLARAÇÃO DO ORGÃO DE GESTÃO Dezembro de 1998 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-5 Objectivos 6 Requisitos da declaração 7-11 Conteúdo da declaração 12-15 Posição do revisor/auditor

Leia mais