PREVSAN Fundação de Previdência dos Empregados da Saneago

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREVSAN Fundação de Previdência dos Empregados da Saneago"

Transcrição

1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O P A S S I V O DISPONÍVEL , ,37 EXIGÍVEL OPERACIONAL , ,67 Programa Previdencial , ,19 Programa Administrativo , ,16 Programa de Investimentos 1.503,65 438,32 REALIZÁVEL , ,1 3 EXIGÍVEL ATUARIAL , ,00 Provisões Matemáticas , ,00 Programa Previdencial , ,84 Benefícios Concedidos , ,00 Programa Administrativo 336,73 308,57 Benefícios a Conceder , ,00 Programa de Investimentos , ,7 2 (-)Prov.Matemáticas a Constituir ( ,00) ( ,00) Renda Fixa , ,5 4 Operações com Participantes , ,18 RESERVAS E FUNDOS , ,04 Equilíbrio Técnico , ,22 Resultados Realizados , ,22 Superávit Técnico Acumulado , ,22 PERMANENTE , ,21 Fundos , ,82 Programa Administrativo , ,99 Imobilizado , ,21 Programa de Investimentos , , ,7 TOTAL DO ATIVO ,68 TOTAL DO PASSIVO , ,71 1 As Notas Explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis. Oswaldo Justino Duarte Maudo Pereira Gonçalves Diretor Superintendente Diretor Adm. Finanças CPF CPF Manoel do Carmo Elias Campos Antônio Luiz de Albuquerque Diretor de Seguridade Contador CRC Al T GO CPF CPF

2 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DESCRIÇÃO PROGRAMA PREVIDENCIAL 0,00 0,00 (+) Recursos Coletados , ,06 (-) Recursos Utilizados ( ,70) ( ,35) (-) Custeio Administrativo ( ,32) ( ,54) (+) Recursos Oriundos do Programa Administrativo ,00 0,00 (+/-) Resultados dos Investimentos Previdenciais , ,51 (-/+) Constituições/Reversões de Provisões Atuariais ( ,00) ( ,00) (-/+) Constituições/Reversões de Fundos 0, ,67 (=) Déficit (Superávit) Técnico do Exercício ( ,02) ,35 PROGRAMA ADMINISTRATIVO 0,00 0,00 (+) Recursos Oriundos de Outros Programas , ,37 (+) Receitas ,00 0,00 (-) Despesas ( ,59) ( ,77) (-) Recursos Transferidos para o Programa Previdencial ( ,00) 0,00 (-/+) Resultados dos Investimentos Administrativos , ,55 (=) Constituições (Reversões) de Fundos ( ,29) ( ,15) PROGRAMA DE INVESTIMENTOS 0,00 (0,00) (+/-) Renda Fixa , ,77 (+/-) Operações com Participantes , ,15 ( - ) Custeio Administrativo ( ,74) ( ,83) ( ,2 ( ,0 (+/-) Resultados Recebidos/Transferidos de Outros Programas 5) 6) (=) Constituições (Reversões) de Fundos ( ,51) ( ,03) As Notas Explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis. Oswaldo Justino Duarte Maudo Pereira Gonçalves Diretor Superintendente Diretor Adm. Finanças CPF CPF Manoel do Carmo Elias Campos Antônio Luiz de Albuquerque Diretor de Seguridade Contador CRC Al T GO CPF CPF

3 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS FINANCEIROS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DESCRIÇÃO (+/-) PROGRAMA PREVIDENCIAL , ,99 ( + ) ENTRADAS , ,80 ( + ) Recursos Coletados , ,06 ( +-) Recursos a Receber , ,74 ( - ) SAÍDAS ( ,97) ( ,81) ( - ) Recursos Utilizados ( ,70) ( ,35) ( +-) Utilizações a Pagar , ,54 PROGRAMA ADMINISTRATIVO ( ,11) ( ,60) (+-) ENTRADAS ,85 0,00 ( + ) Receitas ,00 0,00 (+-) Receitas a Receber (28,15) 0,00 ( +-) SAÍDAS ( ,96) ( ,60) ( - ) Despesas ( ,59) ( ,77) ( +-) Despesas a Pagar , ,07 ( - ) Permanente ( ,50) (47,33) 5.574,43 (+/-) PROGRAMA DE INVESTIMENTOS ( ,00) ( ,92) (+/-) Renda Fixa ( ,00) ( ,00) ( = ) Operações com Participantes ( ,00) ,08 ( = ) FLUXO NAS DISPONIBILIDADES , ,47 (+/-) Disponível Inicial , ,90 (+/-) Disponível Final , ,37 VARIAÇÃO NAS DISPONIBILIDADES , ,47 As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis. Oswaldo Justino Duarte Maudo Pereira Gonçalves Diretor Superintendente Diretor Adm. Finanças CPF CPF Manoel do Carmo Elias Campos Antônio Luiz de Albuquerque Diretor de Seguridade Contador CRC Al T GO CPF CPF

4 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E DE (Em R$) 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação de Previdência dos Empregados da SANEAGO - PREVSAN, patrocinada pela Saneamento de Goiás S/A - SANEAGO, é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar, sem fins lucrativos, instituída pela Portaria nº. 399, de 21 de agosto de 1992 do Ministério da Previdência Social - MPS, publicada no D.O.U. de 24 de agosto de 1992, amparada pelas Leis Complementares nºs 108 e 109, ambas de 29 de maio de O objetivo principal é a suplementação dos benefícios concedidos pela Previdência Social Oficial aos seus participantes empregados da SANEAGO. Para a consecução de seus objetivos os participantes e a patrocinadora efetuam contribuições de acordo com percentual determinado, segundo cálculos atuariais. O Plano de Benefícios da Fundação é estruturado na modalidade de Benefício Definido, com custos a cargo da patrocinadora e dos participantes, cabendo a eles as respectivas contribuições definidas atuarialmente, na mesma proporção para os custos normais. A escrituração contábil é centralizada em sua sede, com escrituração em livros legais e obrigatórios, capazes de assegurar sua exatidão, de acordo com a legislação vigente. 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis são de responsabilidade da Administração e estão sendo apresentadas segundo determinações contidas na Resolução CGPC nº. 5 de 30 de janeiro de 2002, com as alterações introduzidas pelas Resoluções CGPC nº. 10 de 5 de julho de 2002, 23 de 06 de dezembro de 2006 e a 25 de 30 de junho de 2008, do Ministério da Previdência Social. O Plano de Contas apresenta como principal característica a segregação dos registros contábeis em quatro programas distintos, segundo a natureza e a finalidade das transações, compreendendo programas-fim (Previdencial e Assistencial, sendo que a Fundação não administra este último) e programa-meio (Administrativo e de Investimentos). O fluxo de recursos nas contas de resultados, envolvendo cobranças e repasses entre os mesmos são efetuados por meio das contas de Transferências Interprogramas. 3. SUMÁRIO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS As principais práticas contábeis adotadas pela Fundação, para elaboração de suas demonstrações contábeis, são aquelas estabelecidas pelo Conselho de Gestão da Previdência Complementar do MPS e podem ser resumidas como segue: a) As receitas e despesas foram registradas pelo regime de competência. b) O Programa Previdencial registra as contribuições devidas pela Patrocinadora e pelos Participantes no final de cada mês. 4

5 c) Os Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da Fundação estão aplicados de acordo com o disposto na Resolução do Conselho Monetário Nacional - CMN nº. 3792, de 28 de setembro de 2009, que regulamentam os limites de investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. A contabilização é realizada por segmento de aplicação em Renda Fixa e Operações com Participantes, obedecendo aos seguintes critérios: - As Aplicações em Renda Fixa são demonstradas pelo valor nominal de aquisição, acrescidas dos rendimentos, calculados com base na valorização das cotas dos fundos de investimentos; e - As Operações com Participantes são representadas por empréstimos aos participantes, acrescidos de juros contratualmente pactuados, calculados pro rata die e apropriados às contas de resultado. d) As Provisões Matemáticas são apuradas com base em cálculos atuariais, procedidos por atuário externo. Representam o valor atual dos compromissos futuros do Plano de Benefícios da Prevsan, para com seus participantes ativos e assistidos, referentes aos benefícios concedidos e a conceder. Os valores das Provisões Matemáticas apurados nas avaliações atuariais, envolve cálculos atuariais para os quais são adotados hipóteses e premissas sobre eventos futuros, consideradas razoáveis e apropriadas por ocasião de cada avaliação atuarial. Portanto, os resultados desses cálculos são sensíveis às variações das hipóteses e premissas utilizadas. Assim modificações nas experiências observadas poderão implicar em variações relevantes nos resultados atuariais. e) Os critérios utilizados nas transferências interprogramas são aqueles estabelecidos na Resolução CGPC Nº. 05, de 2002, alterada pela Resolução CGPC Nº. 10, de f) Constituição de Fundos Programa Administrativo: O Fundo Administrativo é constituído com as sobras de recursos do custeio administrativo. Programa de Investimento: O Fundo do Programa de Investimento é constituído por meio da arrecadação de uma taxa de seguro, cobrada na concessão dos empréstimos a participantes, destinados a cobertura dos saldos devedores dos empréstimos, em caso de morte do participante. 5

6 4. DISPONÍVEL Os recursos disponíveis em conta movimento existentes no dia 31 de dezembro de 2009 e 2008 destinam-se ao pagamento da Folha de Pagamento de Suplementações de Benefícios dos Participantes Assistidos e despesas de custeio, vencíveis no 1 o dia útil do mês seguinte. Banco Itau S/A 3.299, ,08 Caixa Econômica Federal , ,12 Banco do Brasil S/A 1.634,30 111,62 Banco Itau S/A- Vinculado , ,28 Banco Brasil - Vinculado , , , ,37 5. REALIZÁVEL Programa Previdencial Este grupo abriga as contribuições a receber da Patrocinadora, dos participantes ativos e das contribuições contratadas. Contribuições a receber da Patrocinadora , ,42 Contribuições a receber dos Participantes , ,28 Contribuições sobre Jóias 7.130, ,49 Contribuições Contratadas , ,17 Devolução de Suplementação 478,77 349, , ,84 Demonstrativo da Composição Consolidada das Contribuições Contratadas: Contribuições em Atraso Contratadas , ,05 Serviço Passado Contratado , , , ,17 O valor das Contribuições Contratadas foi objeto de celebração de Instrumento de Consolidação e Parcelamento de Dívida entre a Saneamento de Goiás S/A SANEAGO e a Fundação de Previdência dos Empregados da SANEAGO PREVSAN, em 15 de agosto de O valor global contratado será amortizado pelo Sistema Price, com juros efetivos de 6% ao ano, em 142 parcelas mensais e sucessivas de R$ ,26, vencendo-se a primeira em 20/08/2003 e a última em 20/05/2015, corrigidas pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor - INPC do IBGE. 6

7 A SANEAGO ofereceu como garantia contratual recursos até o valor mensal da respectiva parcela, corrigida na forma contratual, oriundos das tarifas de água e coleta de esgoto, recebidas pelo Banco Interveniente Caixa Econômica Federal. Em novembro de 2009 foi firmado termo aditivo ao instrumento de consolidação e parcelamento de divida assinado em 15 de agosto de 2003, visando reestruturação do valor das prestações vincendas da 76ª a 142ª com redução das parcelas vincendas a partir da 76ª ate 84ª, e acréscimo do valor das parcelas a partir da 85ª a 142ª, mantido o mesmo prazo para amortização da divida, taxa de juros, índice de atualização e demais condições inicialmente pactuadas. O valor contratado vem sendo cumprido regularmente, de acordo com os termos contratuais, tendo sido armotizado ate o mês de dezembro de 2009, 77 parcelas das 142 contratadas. Programa Administrativo Representa o saldo relativo ao seguro, para cobertura contra risco de incêndio, roubo, danos elétricos, raio e explosão dos bens móveis e edificações para uso próprio e com assinatura de periódicos. Seguro Imóvel - Edificação para Uso Próprio 121,40 93,25 Jornais e Revistas 215,33 215,32 336,73 308,57 Programa de Investimentos Este grupo abriga as aplicações dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da Fundação nos segmentos de Renda Fixa e Operações com Participantes. A gestão dos recursos no segmento de Renda Fixa está estruturada através de Fundos de Investimentos Financeiros exclusivos, com gestão a cargo do Banco do Brasil S/A, Caixa Econômica Federal e Banco Itaú S/A, com centralização dos serviços de custódia e controladoria no Banco Itaú S/A. As Operações com Participantes são representadas por empréstimos aos participantes, acrescidos de juros contratualmente pactuados. Todos os contratos são firmados com a cobertura de seguro em caso de morte do participante. A seguir apresentamos quadro demonstrativo da composição consolidada da carteira de investimentos: Renda Fixa Banco Itaú S/A , ,56 Banco do Brasil S/A , ,32 Caixa Econômica Federal , , , ,54 Operações com Participantes 7

8 Empréstimos , , , , , ,72 A composição analítica da carteira Renda Fixa pode ser assim resumida: RENDA FIXA CDB PÓS - CDI , ,37 CDB PÓS - SELIC ,09 0,00 DEBENTURES -SIMPLES-PRÉ ,90 0,00 DEBENTURES -SIMPLES , ,72 CDB PÓS-LIQ.ANTECIPADA-CDI , ,49 CDB PÓS-LIQ.ANTECIPADA-SELIC ,54 0,00 LFTN ,93 0,00 LTN , ,66 LTN - OVER ,64 0,00 LFT OVER , ,52 NTN-B , ,30 NTN-F , ,15 NTN OVER ,01 0,00 LFT 0, ,01 CONTAS A PAGAR/RECEBER(LÍQUIDO) (17.332,27) ,68 Total de RENDA FIXA , ,54 6. PERMANENTE Os itens do permanente estão registrados pelo custo de aquisição, deduzidos a depreciação acumulada, calculada com base nas taxas de depreciação estabelecida pela legislação vigente, de acordo com a vida útil do bem. Contas Taxa Custo Depreciação Valor Valor Depreciação Acumulado Líquido Líquido 7.164,7 Móveis e Utensílios 10% a.a , , ,72 Eqtos de Informática 20% a.a , , , ,98 Ar Condicionado 25% a.a , , , ,33 Edificações p/ uso Próprio 2% a.a , , , ,18 Terrenos ,00 0, , , , , , ,21 As edificações para uso próprio e respectivos terrenos foram avaliados em Fevereiro de 2009, pela empresa especializada em avaliação patrimonial Cabero Engenharia, Avaliações e Perícias Ltda, cujo o resultado da avaliação impactou positivamente o valor 8

9 do ativo permanente pela valorização expressiva dos lotes onde esta instalado a sede da PREVSAN, decorrente do importante desenvolvimento do setor. 7. EXIGÍVEL OPERACIONAL - PROGRAMA PREVIDENCIAL Representa o saldo das Suplementações de Benefícios e Encargos Sociais aos Participantes Assistidos, bem como da provisão relativa à restituição das reservas de poupança dos participantes desligados do Plano de Benefícios. Suplementação Previdencial a Pagar , ,87 Encargos Sociais Assistidos , ,01 Provisão Restituição de Poupança , , , ,19 8. EXIGÍVEL OPERACIONAL - PROGRAMA ADMINISTRATIVO Representa as obrigações da Fundação com despesas no mês de dezembro de 2009, vencíveis no exercício seguinte. PROGRAMA ADMINISTRATIVO Pessoal 7.584, ,51 Encargos Sociais 8.448, ,08 Provisão sobre Férias , ,24 Pessoal a Disposição , ,72 Fornecedores Diversos , ,24 Outras Exigibilidades , , , ,16 9. EXIGÍVEL OPERACIONAL - PROGRAMA DE INVESTIMENTOS Representa as obrigações da Fundação em relação aos impostos incidentes nas aplicações dos recursos. PROGRAMA DE INVESTIMENTOS IOF a recolher - Empréstimos a Participantes 1.418,59 425,94 Cobrança em Trânsito - Empréstimo a Pagar 85,06 12, ,65 438, EXIGÍVEL ATUARIAL 9

10 Provisões Matemáticas As Provisões Matemáticas são obtidas mediante cálculos atuariais que objetivam mensurar os compromissos líquidos da Entidade, com relação a Benefícios Concedidos e a Conceder, tendo como base o último dia do exercício. A seguir apresentamos demonstrativo da composição consolidada do exigível atuarial: BENEFÍCIOS CONCEDIDOS , ,00 Benefícios do Plano , ,00 BENEFÍCIOS A CONCEDER , ,00 Benefícios do Plano com a Geração Atual , ,00 (-)Outras Contribuições da Geração Atual ( ,00) ( ,00) PROVISÕES MATEMÁTICAS A CONSTITUIR ( ,00) ( ,00) PROVISÕES MATEMÁTICAS , ,00 Benefícios Concedidos Representam o valor atual dos benefícios futuros, correspondentes aos participantes e dependentes em gozo de benefício vitalício de prestação continuada. Benefícios a Conceder Representam a diferença entre os valores atuais dos benefícios futuros e das contribuições futuras do plano, relativos aos participantes que ainda não estejam em gozo de benefícios vitalícios de prestação continuada. Benefícios do Plano com a Geração Atual Corresponde ao valor atual dos benefícios a serem concedidos aos integrantes da geração atual que ainda não estejam em gozo de benefício de prestação continuada, avaliado de acordo com Nota Técnica Atuarial, líquido do valor atual das contribuições futuras por elas devidas quando do recebimento dos referidos benefícios. Outras Contribuições da Geração Atual Corresponde ao valor atual das contribuições futuras, com prazo de vigência indeterminado, a serem realizadas pela patrocinadora e pelos integrantes da geração atual que ainda não estejam em gozo de benefício de prestação continuada, excluindo-se toda e qualquer contribuição cujo recebimento dependa do ingresso de novos participantes nesse plano ou de novos empregados na patrocinadora, bem como as contribuições a serem recolhidas tanto pelos integrantes da geração atual durante o 10

11 período de percepção do benefício quanto pela patrocinadora sobre o valor dos benefícios a serem pagos a esses integrantes. Provisões Matemáticas a Constituir Representam o valor atual dos compromissos passados assumidos pelos Participantes, correspondentes ao montante do custo normal relativo aos benefícios avaliados pelo regime de capitalização, acumulados até a data de filiação ao plano, deduzido do valor dos compromissos já amortizados. 11. RESULTADOS REALIZADOS SUPERÁVIT TÉCNICO A rentabilidade patrimonial da PREVSAN, calculada pelo método de Taxa Interna de Retorno TIR, com base nos fluxos contábeis, alcançou no exercício de 2009, o percentual de 10,46%, que descontada a inflação acumulada no ano no percentual de 4,11% (INPC-IBGE) resultou na taxa de rentabilidade real no exercício de 6,10%, o que representa 1,05% acima da meta atuarial. Demonstrativo da situação financeiro-atuarial: Ativo total , ,71 Exigível Operacional ( ,86) ( ,67) Fundos ( ,62) ( ,82) Ativo Líquido Previdencial , ,22 Exigível Atuarial ( ,00) ( ,00) Superávit , ,22 Como apresentado na tabela acima o Ativo Líquido é suficiente para cobrir o Exigível Atuarial, gerando assim um superávit. A redução do saldo do superávit do Plano de Benefícios 001 da Prevsan em 31 de dezembro de 2009, quando comparado ao existente em 31 de dezembro de 2008, decorre do expressivo crescimento das Provisões Matemáticas do Plano. O crescimento real médio dos Salários Reais de Contribuição dos participantes mantidos entre a base de cálculo de agosto/2008 e agosto/2009, de aproximadamente 6,50%, o qual impacta no valor do Salário Real de Benefício, foi o fator preponderante para essa evolução das Provisões Matemáticas. Os resultados da avaliação atuarial são extremamente sensíveis às modificações futuras, nas experiências observadas como: crescimento salarial, rotatividade, capacidade de benefícios salariais, mortalidade, invalidez e benefícios do Regime Geral de Previdência Social implicarão em variações substanciais nos resultados atuariais. 12. FUNDOS 11

12 Programa Administrativo , ,99 Programa de Investimentos , , , ,82 Fundo Administrativo Constituído pelas contribuições destinadas ao custeio administrativo do plano, deduzindose as despesas administrativas, acrescidos da remuneração do mesmo. Fundo de Investimentos Valores resultantes da taxa de seguro incidente sobre os valores dos empréstimos aos participantes, destinado à cobertura dos saldos devedores dos empréstimos, em caso de morte do devedor. 13. DESPESAS ADMINISTRATIVAS Engloba as despesas administrativas dos programas Previdencial e de Investimentos, sendo que as despesas da administração do Programa Previdencial são custeadas por um percentual de 15%, incidente sobre as contribuições normais da Patrocinadora e dos Participantes, conforme definido no Plano Anual de Custeio de 2009, as despesas da Administração do Programa de Investimentos são custeadas pelo Programa de Investimentos, através de rateio, no caso dos custos comuns aos dois programas. As despesas com pessoal, serviços de terceiros, despesas gerais e depreciações foram rateadas entre os programas Previdencial e de Investimentos, sendo 43,98% do Programa Previdencial e 56,02% do Programa de Investimentos. A diferença positiva resultante do custeio e dos recursos efetivamente gastos com a cobertura das despesas realizadas no exercício foram incorporada ao Fundo Administrativo. Oswaldo Justino Duarte Diretor Superintendente CPF Maudo Pereira Gonçalves Diretor Adm. Finanças CPF Manoel do Carmo Elias Campos Diretor de Seguridade CPF Antônio Luiz de Albuquerque Contador CRC AL 2541 T-GO CPF

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - TVA

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - TVA Demonstrativos Financeiros Relatório Anual 2014 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios TVA Período: 2014 e 2013 dezembro R$ Mil Descrição 2014 2013 Variação (%) 1. Ativos 14.922

Leia mais

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Janeiro/2012

Balancete. Consolidado. Facopac - Sociedade Previdencia Privada C.N.P.J.: 71.562.656/0001-46. Janeiro/2012 1 ATIVO 96.188.642,25 D 6.390.113,18 4.158.982,72 98.419.772,71 D 1.1 DISPONÍVEL 197.613,09 D 2.038.125,38 1.993.131,39 242.607,08 D 1.1.1 IMEDIATO 197.613,09 D 2.038.125,38 1.993.131,39 242.607,08 D 1.1.1.2

Leia mais

Balancete Sintético Plano/Empresa: Consolidado/Consolidado

Balancete Sintético Plano/Empresa: Consolidado/Consolidado 1 ATIVO 29.921.571,88 10.000.990,23-9.249.110,85 751.879,38 30.673.451,26 1.1 DISPONIVEL 3.786.238,93-3.785.758,69 480,24 480,24 1.1.1 IMEDIATO 3.786.238,93-3.785.758,69 480,24 480,24 1.1.1.1 BANCOS CONTA

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é uma rede mundial

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2014 VERSÃO RESUMIDA

RELATÓRIO ANUAL 2014 VERSÃO RESUMIDA RELATÓRIO ANUAL 2014 VERSÃO RESUMIDA A ACIPREV Fundo Multiinstituído de Previdência Complementar apresenta o relatório das principais atividades da Entidade durante o ano de 2014, resumidamente, como autoriza

Leia mais

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 Altera a legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, e dá outras providências. Faço saber que o presidente da República adotou a Medida Provisória

Leia mais

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Parecer

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD VIP REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO 01.615.744/0001-83 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD VIP REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO 01.615.744/0001-83 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD VIP REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO 01.615.744/0001-83 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem:

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem: 2 1 3 4 2 PGBL ou VGBL? O plano PGBL, dentre outras, tem a vantagem do benefício fiscal, que é dado a quem tem renda tributável, contribui para INSS (ou regime próprio ou já aposentado) e declara no modelo

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

As Notas Explicativas integram o conjunto das demonstracoes contabeis.

As Notas Explicativas integram o conjunto das demonstracoes contabeis. Fundo de Pensao Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Secao do Parana e da Caixa de Assistencia dos Advogados do Parana OABPrevPR CNPJ 00.889.819/000151 Demonstracoes Contabeis dos s Findos

Leia mais

Regulamento básico: finanças e controladoria

Regulamento básico: finanças e controladoria Regulamento básico: finanças e controladoria Diretoria de Administração e Planejamento Abril de 2002 Este regulamento estabelece as diretrizes a serem adotadas pela RNP na gestão de seus recursos financeiros,

Leia mais

A T I V O P A S S I V O DE RIBEIRÃO PRETO FINDO EM DE 2012. Títulos. Títulos PASSIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONÍVEL. Realizável PATRIMÔNIO/CAPITAL

A T I V O P A S S I V O DE RIBEIRÃO PRETO FINDO EM DE 2012. Títulos. Títulos PASSIVO ATIVO CIRCULANTE DISPONÍVEL. Realizável PATRIMÔNIO/CAPITAL FIPASE CNPJ 04.755.519/ /0001-30 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕESS CONTÁBEIS PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 FIPASE - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 20122 A T I V O P A S

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015

CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015 CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015 Altera o Documento 24 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito Rural e do

Leia mais

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012

PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 PORTARIA Nº 72, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2012 Estabelece normas gerais de consolidação das contas dos consórcios públicos a serem observadas na gestão

Leia mais

BB Crédito Imobiliário

BB Crédito Imobiliário Selecione a Linha de Crédito Aquisição PF PMCMV Aquisição PF PMCMV Convênios Aquisição PF FGTS Pró-Cotista Aquisição FGTS PF Aquisição PF FGTS Convênios Dados da Agência acolhedora / condutora da Operação

Leia mais

Custeio das Despesas Administrativas das EFPC

Custeio das Despesas Administrativas das EFPC Custeio das Despesas Administrativas das EFPC Superintendência Nacional de Previdência Complementar Diretoria de Assuntos Atuariais, Contábeis e Econômicos Coord. Geral de Pesquisas Atuariais, Contábeis

Leia mais

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Global Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.563/0001-33 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUGÃO CFP N 002/98 de 19 de abril de 1998 "Altera a Consolidação das Resoluções do Conselho Federal de Psicologia, aprovada pela Resolução CFP N 004/86, de 19 de outubro de 1986." O CONSELHO FEDERAL

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31/12/2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31/12/2014 Pag.: 357 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31/12/2014 I. CONTEXTO OPERACIONAL: NOTA 01 A Fundação Síndrome de Down, CNPJ 52.366.838/0001-05, é pessoa jurídica de direito privado, sem fins

Leia mais

Restrições de Investimento: -.

Restrições de Investimento: -. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O TOKYO-MITSUBISHI UFJ LEADER FI REF DI 00.875.318/0001-16 Informações referentes a 05/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TOKYO-MITSUBISHI

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FIC REF DI LP EMPRESA 04.044.634/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FIC REF DI LP EMPRESA 04.044.634/0001-05 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO REFERENCIADO DI LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998

DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 DECRETO Nº 2.655, DE 02 DE JULHO DE 1998 Regulamenta o Mercado Atacadista de Energia Elétrica, define as regras de organização do Operador Nacional do Sistema Elétrico, de que trata a Lei n o 9.648, de

Leia mais

TAG GR IV Fundo de Investimento Imobiliário - FII (Administrado pela Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários)

TAG GR IV Fundo de Investimento Imobiliário - FII (Administrado pela Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários) 1 Contexto operacional O TAG GR IV Fundo de Investimento Imobiliário - FII, cadastrado junto a Comissão de Valores Mobiliários sob o código (107-4) é um Fundo de Investimento Imobiliário, regido pelo seu

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE PLANO COLETIVO EMPRESARIAL CONTRATADA CLASSIFICAÇÃO: COOPERATIVA MÉDICA REG. ANS N 34.

TERMO ADITIVO A CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE PLANO COLETIVO EMPRESARIAL CONTRATADA CLASSIFICAÇÃO: COOPERATIVA MÉDICA REG. ANS N 34. TERMO ADITIVO A CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE Cuiabá PLANO COLETIVO EMPRESARIAL CONTRATADA EMPRESA: UNIMED CUIABÁ COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO CLASSIFICAÇÃO: COOPERATIVA MÉDICA REG. ANS N 34.208-4 CGC:

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 030 - Plano Online 500MB Requerimento de Homologação Nº 8886 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária CLARO

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC RENDA FIXA SIMPLES 22.918.245/0001-35 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC RENDA FIXA SIMPLES 22.918.245/0001-35 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC RENDA FIXA SIMPLES 22.918.245/0001-35 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

CONTRATO Nº 189/2012

CONTRATO Nº 189/2012 CONTRATO Nº 189/2012 Pelo presente instrumento particular, o MUNICÍPIO DE CANDELÁRIA, Pessoa Jurídica de Direito Público, com sede na Av. Pereira Rego, 1665, representada neste ato por seu, Sr. LAURO MAINARDI,

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.105, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. ALTERA O REGULAMENTO DO ICMS, APROVADO PELO DECRETO Nº 35.245, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1991, PARA IMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES DOS PROTOCOLOS ICMS 107, DE 16 DE NOVEMBRO

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015

CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRI/2015 CENÁRIO ECONÔMICO PLANO UNIFICADO 2º TRIMESTRE DE 2015 1 CENÁRIO ECONÔMICO O segundo trimestre do ano de 2015 demonstrou uma aceleração da deterioração dos fatores macroeconômicos no Brasil, com aumento

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS

Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS Anexo III Metas Fiscais III.8 Avaliação da Situação Financeira e Atuarial dos Benefícios Assistenciais da Lei Orgânica de Assistência Social LOAS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101,

Leia mais

Investimentos na Duprev

Investimentos na Duprev Investimentos na Duprev Plano de Aposentadoria Duprev CD Contribuições Participantes + = aposentadoria Contribuições da empresa Saldo para Patrimônio Investido Perfis de Investimento Alternativas de aplicação

Leia mais

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS

CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS CARTILHA DO PLANO DE BENEFÍCIOS Esta cartilha traz informações e dicas, de forma simples e clara, para que você conheça as vantagens que o seu plano de previdência oferece. Leia com atenção e comece a

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS SOBERANO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO RENDA FIXA - SIMPLES CNPJ/MF: Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 003/2013 (alterada com a publicação da Portaria MPS 307/2013)

NOTA TÉCNICA Nº 003/2013 (alterada com a publicação da Portaria MPS 307/2013) NOTA TÉCNICA Nº 003/2013 (alterada com a publicação da Portaria MPS 307/2013) Brasília, 29 de agosto de 2013. (segunda redação) ÁREA: Jurídico TÍTULO: Parcelamento de débitos previdenciários dos Municípios

Leia mais

FUNDAÇÃO TECHNOS. O presente para o seu futuro

FUNDAÇÃO TECHNOS. O presente para o seu futuro FUNDAÇÃO TECHNOS O presente para o seu futuro ASSUNTOS: - A Previdência no Brasil; - Organograma da Technos; - Vantagens para os funcionários; - Histórico de Rentabilidade; - Controle e Fiscalização; -

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ADICIONAL PROASA

REGULAMENTO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ADICIONAL PROASA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ADICIONAL PROASA Regulamento Índice Capítulo I Do Programa de Assistência à Saúde Adicional Capítulo II Das Definições Preliminares Capítulo III Dos Beneficiários

Leia mais

1 CONTEXTO OPERACIONAL

1 CONTEXTO OPERACIONAL NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E 2006 (Em milhares de reais) 1 CONTEXTO OPERACIONAL A FUNDAÇÃO BANESTES DE SEGURIDADE SOCIAL BANESES,

Leia mais

5. Relações Interfinanceiras e Interdependências. 1. Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. 2. Créditos Vinculados/Obrigações Vinculadas

5. Relações Interfinanceiras e Interdependências. 1. Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis. 2. Créditos Vinculados/Obrigações Vinculadas TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DOS SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 5 Relações Interfinanceiras e Interdependências 1 Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis 1- Compensação de

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 732, DE 2011 Altera o 2º do art. 4º da Lei nº 10.522, de 19 de julho de 2002, que dispõe sobre o cadastro informativo dos créditos não quitados de órgãos e entidades

Leia mais

Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016

Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016 Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016 1 ÍNDICE Imposto de Renda 2016... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais.... 05 Formas de entrega.... 06 Multa pelo atraso na entrega...

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto).

TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto). TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto). CONTRATADA: UNIMED MURIAÉ COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA., inscrita no CNPJ/MF nº 25.971.433/0001-15,

Leia mais

Em atendimento à Audiência Pública supra citada, vimos pela presente apresentar nossas considerações sobre a minuta disponibilizada.

Em atendimento à Audiência Pública supra citada, vimos pela presente apresentar nossas considerações sobre a minuta disponibilizada. Curitiba, 15 de janeiro de 2008 Sr. José Augusto da Silva Superintendente de Mediação Administrativa Setorial Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL SGAN - Quadra 603 - Módulo I 70830-030 Brasília

Leia mais

Prefeitura Municipal de Votorantim

Prefeitura Municipal de Votorantim PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 013/2016 PROJETO DE LEI ORDINÁRIA N.º 006/2016 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2017 e dá outras providências. ERINALDO ALVES DA SILVA, PREFEITO

Leia mais

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade

Resultado Primário e Resultado Nominal. de Contabilidade Resultado Primário e Resultado Nominal Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Ementa Programa do Módulo 4 - RREO Resultado Primário e Nominal CH: 04 h Conteúdo: 1. Necessidades

Leia mais

Demonstrações Contábeis Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 10.539.

Demonstrações Contábeis Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 10.539. FFIE - Fundo Fiscal de Investimentos e Estabilização Fundo de Investimento Multimercado Crédito Privado (Anteriormente FFIE - Fundo Fiscal de Investimento e Estabilização Fundo de (Administrado pela BB

Leia mais

Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações

Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações Banrisul Commodities Fundo de Investimento em Ações CNPJ 10.199.946/0001-82 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras Para o Exercício

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.127, de 7 de fevereiro de 2011 DOU de 8.2.2011 Dispõe sobre a apuração e tributação de rendimentos recebidos acumuladamente de que trata o art. 12-A da Lei nº 7.713, de 22

Leia mais

GESTÃO DE RISCO 3 TRIMESTRE 2012

GESTÃO DE RISCO 3 TRIMESTRE 2012 Relatório de Risco - 2011 GESTÃO DE RISCO 3 TRIMESTRE 2012 Parte 2: Tabelas com as exposições a risco de crédito, mercado, liquidez e operacional em atendimento à circular n o 3477 do Banco Central do

Leia mais

TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS

TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS TERCEIRA COLETÂNEA DE RESPOSTAS DADAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2015 - GOIÁS PARCERIAS Processo n : 201500004029144 Assunto: CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) com Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

a. Base de apresentação

a. Base de apresentação NOTA 1 - A INSTITUIÇÃO E SUAS OPERAÇÕES A ASSOCIAÇÃO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO POUPEX, organizada sob a forma de sociedade civil, de acordo com as Leis nº. 6.855, de 18.11.1980, e 7.750, de 13.04.1989,

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-140 APROVADA EM DEZ/2015 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco. IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Outubro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo 2014. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo 2014 Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento

Leia mais

TESOURO DIRETO TÍTULOS PÚBLICOS

TESOURO DIRETO TÍTULOS PÚBLICOS TÍTULOS PÚBLICOS TESOURO DIRETO ESTA INSTITUIÇÃO É ADERENTE AO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO. O Tesouro Nacional utiliza

Leia mais

6 C ; > OE O ƐƚĂƚƵƐ 6 > 8 2/ 72 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

Leia mais

MUDANÇAS NA TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS MP 206/04

MUDANÇAS NA TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS MP 206/04 MUDANÇAS NA TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS MP 206/04 RENDA VARIÁVEL IR GANHO DE CAPITAL OS GANHOS LÍQUIDOS AUFERIDOS EM OPERAÇÕES REALIZADAS EM BOLSAS DE VALORES, DE MERCADORIAS E ASSEMELHADAS,

Leia mais

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00

02. (FCC MPE-RN/2012). A receita extraorçamentária em 31.12.2011, em reais, era: (A) 50.000,00 (B) 60.000,00 (C) 100.000,00 SEMANA 10 - Despesa Pública: Dispêndios orçamentários (Despesa orçamentária) e Extra- Orçamentários; 01. (ESTILO-ESAF/2012) Os dispêndios públicos podem ser de natureza orçamentária ou extraorçamentária.

Leia mais

Balancete Sintético Plano/Empresa: PGA/Consolidado

Balancete Sintético Plano/Empresa: PGA/Consolidado 1 ATIVO 27.523.420,83 4.082.932,78-3.672.724,38 410.208,40 27.933.629,23 1.1 DISPONIVEL 5.554,97 1.420.405,52-1.425.960,49-5.554,97 1.1.1 IMEDIATO 5.554,97 1.420.405,52-1.425.960,49-5.554,97 1.1.1.1 BANCOS

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público 1 Plano de ontas Aplicado ao Setor Público 1 Legenda dos níveis de desdobramento: 1 Nível lasse 2º Nível Grupo 3º Nível Subgrupo 4º Nível Título 5º Nível Subtítulo 6º Nível Item 7º Nível - Subitem As contas

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa- RNP

Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa- RNP Demonstrativo do Fluxo de Caixa Financeiro do Exercício Associação Rede Nacional de Ensino e Pesquisa- RNP Findo em 31 de dezembro de 2011 Acompanhado do Relatório de Asseguração Limitada dos Auditores

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA "De Olho no Ponto"

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA De Olho no Ponto REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA "De Olho no Ponto" 1º. Registro nº. 1.372.079, de 21 de setembro de 2012 5º Oficial de Registro

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014

RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 PREPARADOS PARA VENCER RELATÓRIO FINANCEIRO 2014 RT 007/2015 Demonstrações Financeiras Confederação Brasileira de Judô 31 de dezembro de 2014 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84.

... Classificação Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual. 1.1.1.1.2.01.02.02 Caução Wall Mart Brasil Ltda 84. Folha: 1 1 ATIVO 8.691.994.154,02D 1.342.304.403,87 1.179.704.682,09 8.854.593.875,80D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 3.466.459.417,09D 1.235.880.022,69 1.139.597.863,30 3.562.741.576,48D 1.1.1 Disponível 1.048.640,92D

Leia mais

INFORMAÇÕES RESUMIDAS PARA ENTENDIMENTO DAS CONSEQUÊNCIAS DA TENTATIVA DE ILEGAL CISÃO DO PLANO PETROS DO SISTEMA PETROBRÁS.

INFORMAÇÕES RESUMIDAS PARA ENTENDIMENTO DAS CONSEQUÊNCIAS DA TENTATIVA DE ILEGAL CISÃO DO PLANO PETROS DO SISTEMA PETROBRÁS. NOSSA LUTA CONTINUA Paulo Teixeira Brandão - Conselheiro Deliberativo da Petros Eleito pelos Participantes INFORMAÇÕES RESUMIDAS PARA ENTENDIMENTO DAS CONSEQUÊNCIAS DA TENTATIVA DE ILEGAL CISÃO DO PLANO

Leia mais

Demonstrações Financeiras. Federação Nacional das Apaes

Demonstrações Financeiras. Federação Nacional das Apaes Demonstrações Financeiras Federação Nacional das Apaes 31 de dezembro de 2012 e de 2011 FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAES - FENAPAES Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Índice Relatório

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

Plano de Benefícios Plano PSAP Bandeirante. Demonstrações Contábeis do Plano PSAP Bandeirante por modalidade

Plano de Benefícios Plano PSAP Bandeirante. Demonstrações Contábeis do Plano PSAP Bandeirante por modalidade Demonstrações Contábeis do Plano PSAP Bandeirante por modalidade Devido ao Plano PSAP/Bandeirante possuir quatro modalidades distintas, BD, CV, BSPS e Pecúlio, demonstramos os quadros das Demonstrações

Leia mais

Demonstrações contábeis

Demonstrações contábeis Unisys - Previ Entidade de Previdência Complementar Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Conteúdo Parecer dos auditores independentes

Leia mais

MUTUOPREV ENTIDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

MUTUOPREV ENTIDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR MUTUOPREV ENTIDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR 1. CONSTITUÍDA NOS TERMOS DA LEI COMPLEMENTAR 109 DE 29.05.2001, SEM FINS LUCRATIVOS, COM AUTONOMIA ADMINISTRATIVA E PERSONALIDADE JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULO FRONTIN/PR CADERNO DE PROVA CONTADOR CADERNO DE PROVA CONTADOR Nº. DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 03 de junho de 2012. N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - ABRIL/2015

BALANCETE ANALÍTICO - ABRIL/2015 Folha : 1 1 ATIVO 4.009.419,95 D 1.629.902,67 2.246.254,36 3.393.068,26 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 955.155,70 D 1.629.902,67 2.246.254,36 338.804,01 D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 583.101,30 D 1.627.251,30 2.195.109,54

Leia mais

CONVÊNIO ICMS 108, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012

CONVÊNIO ICMS 108, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012 CONVÊNIO ICMS 108, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012 Autoriza o Estado de São Paulo a dispensar ou reduzir multas e demais acréscimos legais mediante parcelamento de débitos fiscais relacionados com o ICM e o

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 19/2016-BNDES Rio de Janeiro, 07 de abril de 2016 Ref.: Produtos BNDES Automático e BNDES Finame Agrícola Ass.: Programa BNDES de Incentivo

Leia mais

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios Anexo 4 Termo de Referência do Plano de Negócios I. Introdução 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo orientar as Proponentes na elaboração de seu Plano de Negócios, conforme definido no Edital,

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Contrato de Câmbio na Exportação.

Contrato de Câmbio na Exportação. Contrato de Câmbio na Exportação. A Momento da Contratação B Liquidação do contrato de câmbio C Alteração D Cancelamento E Baixa do Contrato de Câmbio F Posição de Câmbio: nivelada, comprada e vendida.

Leia mais

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido.

Em setembro de 2011, ocorreu a cisão parcial de 99,99% de seu patrimônio líquido. NUMERAL 80 PARTICIPAÇÕES S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 (Valores expressos em milhares de reais - R$) 1. CONTEXTO OPERACIONAL

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

Fundo de Investimento em Ações - FIA

Fundo de Investimento em Ações - FIA Renda Variável Fundo de Investimento em Ações - FIA Fundo de Investimento em Ações O produto O Fundo de Investimento em Ações (FIA) é um investimento em renda variável que tem como principal fator de risco

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB EMPRÉSTIMO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB EMPRÉSTIMO I - DADOS DA CÉDULA: Nº DA CÉDULA: VALOR: R$ DATA EMISSÃO: DATA VENCIMENTO: LOCAL DE EMISSÃO: BELO HORIZONTE - MG PREÂMBULO II - DADOS DO (S) EMITENTE (S): NOME: CPF/CNPJ: CARTEIRA DE IDENTIDADE: nº Orgão

Leia mais

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras CNPJ: 03.922.006/0001-04 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A.

Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras CNPJ: 03.922.006/0001-04 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. Demonstrações Financeiras HSBC Fundo de Investimento em Ações Petrobras (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo - 31 de março de 2011 e 2010 com relatório dos auditores independentes

Leia mais