Pesquisa da CNM sobre a Demanda reprimida em Saúde no Estado do Rio Grande do Sul

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa da CNM sobre a Demanda reprimida em Saúde no Estado do Rio Grande do Sul"

Transcrição

1 Pesquisa da CNM sobre a Demanda reprimida em Saúde no Estado do Rio Grande do Sul Brasília

2 Situação da Saúde no Estado do Rio Grande do Sul Introdução Em virtude dos registros das solicitações de gestores municipais gaúchos em relação a necessidade de expansão da rede de estabelecimentos ambulatoriais e hospitalares públicos, com a finalidade de atender às demandas locais e referenciadas, bem como a demanda apresentada pela Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Rio Grande do Sul sobre a necessidade de um aporte financeiro maior para os estabelecimentos hospitalares filantrópicos, a CNM realizou pesquisa, no período de 8 de maio a 30 de junho de 2011, junto aos Municípios gaúchos, com o intento de identificar uma possível demanda reprimida nos serviços de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar. Para um melhor entendimento, foi caracterizado como demanda reprimida todo e qualquer procedimento ambulatorial ou hospitalar, pactuado ou não com um Município de referência, que está aguardando agendamento, ou que não obteve resposta de realização ou sua negação, permanecendo o usuário pendente de assistência à saúde. Muitos Municípios possuem como referência a Capital Porto Alegre, para realização desses procedimentos, o que acarreta num alto ônus com o deslocamento de pacientes até a Capital para receberem a assistência necessária, assim como transtornos para os usuários do SUS e seus familiares. A pactuação de referências e contra- referências faz parte da organização hierárquica e regionalizada das ações e serviços de saúde do SUS, conforme sua complexidade, portanto, os encaminhamentos de pacientes aos Municípios de referência são normais, porém, caracterizados vulgarmente como ambulância- terapia. Esse procedimento ocorre em toda a rede de atenção à saúde de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar, porém, tem sido alvo criticas pelos usuários do SUS, pela imprensa e pelos órgãos fiscalizadores, em alguns casos, sendo motivos de questionamentos quanto a qualidade da gestão local. Desta forma, antes de qualquer avaliação sobre a situação da saúde, faz- se necessário o conhecimento da organização e regionalização da rede local, regional e estadual das ações e serviços de saúde. Objetivo Conhecer a possível demanda reprimida em assistência à saúde no Estado do Rio Grande do Sul e suas causas, a organização da rede de assistência de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar no Estado e o financiamento do setor Saúde, e, orientar possíveis soluções.

3 Metodologia As informações (primárias) foram levantadas por meio de um questionário com a identificação do Município e do responsável pelas informações. Este foi aplicado por contato telefônico pela equipe da Central de Atendimento da CNM, no período de 8 de maio a 31 de junho de 2011, em 127 Municípios gaúchos. A seleção dos Municípios foi aleatória, observando- se um limite entre 10% e 30% de Municípios pesquisados por porte populacional. A devolução das respostas ficou a critério dos gestores locais que, dependendo da quantidade de procedimentos reprimidos, poderiam responder por telefone ou encaminhar por meio eletrônico. Os resultados foram consolidados pela equipe de estudos técnicos e analisados pela Coordenação Técnica de Saúde da CNM. O questionário da pesquisa possibilitou a inserção de consultas especializadas e de qualquer outro procedimento, tendo como base a tabela única do SUS. Os dados (secundários) que compõem a pesquisa sobre a estruturação da rede de estabelecimentos de saúde, foram coletados junto ao Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) e sistemas web do DATASUS, e de financiamento junto ao Sistema de Informação do Orçamento Público em Saúde (SIOPS), e de financiamento junto ao Sistema de Informação do Orçamento Público em Saúde (SIOPS) e Fundo nacional de Saúde (FNS). Em um segundo momento, as informações do estudo serão analisadas em conjunto com as informações levantadas pela Federal das Santas Casas de Misericórdias e Filantrópicos do Rio Grande do Sul, que se responsabilizou em levantar a disponibilidade de serviços ambulatoriais e hospitalares de média e alta complexidade da rede filantrópica no Estado. Resultado da amostra Os 127 Municípios gaúchos que participaram da pesquisa correspondem a uma amostra de 25,6% do conjunto de Municípios do estado do Rio Grande do Sul, e foram selecionados de forma aleatória, segundo o porte populacional estabelecendo- se para tanto como meta o limite de Municípios pesquisados por porte populacional entre 10% e 30% ou mais. A amostra atingiu a meta proposta, conforme demonstrado na tabela 1. Para a pesquisa foram consideradas como demandas reprimidas todas as consultas especializadas, exames de diagnóstico e as internações clínicas e cirúrgicas de média alta complexidade que aguardam agendamento para realização, independente do tempo de espera.

4 Tabela 1 Amostra de Municípios que participaram da pesquisa, segundo o porte populacional. Rio Grande do Sul, Fonte: CNM. Os Municípios pesquisados apresentaram uma demanda reprimida total de , dentre consultas, exames e internações. Os Municípios que apresentaram o maior quantitativo de demanda reprimida foram Guaíba e Esteio, representando, respectivamente, 12,6% e 10,9% do total de procedimentos reprimidos. O conjunto dos 10 primeiros Municípios que possuem maior demanda reprimida são responsáveis por 53,4% do total do Estado, conforme tabela 2, e apresentam uma demanda reprimida de mais de 58,5 mil procedimentos. Outra informação importante é que o conjunto de Municípios gaúchos pesquisados totalizam 2,3 milhões de habitantes que corresponde a 21,7% da população total do Estado. Isso revela uma amostra significativa da população e de procedimentos não atendidos no SUS e torna válida a pesquisa realizada pela CNM, uma vez que contempla parcela significativa de Municípios e, principalmente, de usuários do SUS gaúcho. Tabela 2 Ranking dos dez primeiros Municípios com maior demanda reprimida de procedimentos. Fonte: CNM.

5 Quando avaliada a demanda por tipo de procedimento, verifica- se que a maior necessidade é de consultas especializadas, com um total de consultas, representando 47,6% do total da demanda reprimida do conjunto de Municípios pesquisados, seguida de exames de diagnóstico (31,9%), outros procedimentos com menor demanda (19,1%) e as internações (1,4%), conforme demonstrado na tabela 3. Tabela 3 Distribuição e proporção de procedimentos conforme classificação. Fonte: CNM. Quando verificado o ranking das demandas em consultas especializadas verifica- se que a especialidade de ortopedia e traumatologia é responsável por quase 11 mil consultas reprimidas, o que representa 21,1% do total das demandas em consultas especializadas, seguido pela oftalmologia (17,4%) e otorrinolaringologia com (11,3%), conforme tabela 4. Existe demanda também para as especialidades de reumatologia (9,5%), endocrinologia( 9%), urologia (8%), neurologia (6,5%), cardiologia (6,4%), cirurgia geral (5,5%) e dermatologia (5,3%). Tabela 4 Ranking e proporção de consultas, segundo a especialidade. Fonte: CNM. Neste caso, de consultas especializadas, é importante destacar que além da clínica médica ou geral, são consideradas especialidades básicas a pediatria, a obstetrícia e ginecologia. O

6 quadro acima comprova que os Municípios gaúchos estão cumprindo suas responsabilidades uma vez que não houve nenhum registro de demanda reprimida nas especialidades básicas. Para as internações hospitalares foram registradas, no período da pesquisa, a demanda para os 127 Municípios de pouco mais de internações aguardando agendamento. Foi observado que 88,6% corresponde a especialidade de psiquiatria, com internações não atendidas. As demais especialidades com maior demanda são pneumologia (3,9%) e pediatria (2,9%). Tabela 5 Necessidade de internações e proporção, segundo a especialidade. Fonte: CNM. Para os exames de diagnóstico foram registrados quase 35 mil procedimentos não atendidos, dentre os quais vale destacar os exames de ultra- sonografia (19,3%), outras cirurgias (17%), diagnóstico por anatomia patológica e citopatologia (8,6%). Os métodos diagnósticos em especialidades que não são definidos de forma específica e englobam vários procedimentos, são responsáveis por 18,3% da demanda não atendida (tabela 6). Tabela 6 Demais procedimentos com maior demanda, segundo distribuição, proporção e a classificação da tabela única do SUS. Fonte: CNM.

7 Quando avaliados os dados por Regional de Saúde (RS), verifica- se que a 1 a e a 2 a Regionais de Saúde foram as que apresentaram o maior quantitativo de procedimento reprimidos, tendo como sede o Município de Porto Alegre (tabela 7). Também merece destaque a 6 a Regional de Saúde, que tem como sede o Município de Passo Fundo, responsável por 9,3% da demanda reprimida apresentada; seguida da 16 a RS (8,1%), com sede em Lajeado e 10 a RS (6,3%), com sede em Alegrete. As Regionais de Saúde 18 a e 19 a encontram- se agrupadas em virtude de não estarem disponíveis no sitio da Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul a relação de Municípios que as compõem. Tabela 7 Distribuição e proporção de procedimentos segundo a regional de saúde. Fonte: CNM. * Relação de Municípios que as compõem não está disponível no site da secretaria de estado da saúde do Rio Grande do Sul. Com base nos dados da pesquisa realizada que registrou mais de 109 mil procedimentos reprimidos para uma população de 2,3 milhões de habitantes, no primeiro semestre de 2011, quando simulado pela equipe técnica da CNM o quantitativo de procedimentos reprimidos para a população do Estado do Rio Grande do Sul, com mais de 10,6 milhões de habitantes, estima- se que pode chegar a meio milhão de procedimentos reprimidos somente no primeiro semestre, conforme demonstrado na tabela 8. Desta forma, a pesquisa realizada pela CNM revela que existe um déficit elevado de procedimentos da assistência ambulatorial e hospitalar de média e alta complexidade na rede do SUS gaúcho. Isso pode ser decorrente do fato de a rede assistencial se constituir, em sua maioria, de estabelecimentos privados prestadores de serviços contratados pelas esferas

8 estadual e/ou municipal do SUS. Pois, conforme demonstrado na pesquisa existe um pequeno quantitativo de ambulatórios e hospitais públicos, principalmente, faltam estruturas públicas na rede estadual, o que merece uma especial atenção em busca de soluções para atender as necessidades de saúde da população local. Tabela 8 Distribuição e proporção de procedimentos segundo a regional de saúde. Fonte: CNM. Rede assistencial do SUS gaúcho Em relação a organização das ações e serviços de saúde, tem- se a configuração do Sistema Único de Saúde (SUS) como o conjunto de serviços de saúde organizados em estabelecimentos públicos e privados de forma regionalizada e hierarquizada de acordo com suas complexidades. Isso significa dizer que o Município deve implantar serviços de acordo com sua capacidade de execução, levando- se em consideração a capacidade técnica, administrativa e financeira. Os demais serviços, de maior complexidade, devem ser pactuados com os Municípios de referência e de maior porte, incluindo- se nessa rede a capital e os estabelecimentos estaduais de saúde. É importante ressaltar que a legislação do SUS define que os serviços de saúde devem ser realizados na rede própria da administração direta, ou seja, nos estabelecimentos públicos, podendo, de forma a complementar, a rede privada na qualidade de prestadores de serviços do SUS, realizá- los. Nestes casos, os estabelecimentos filantrópicos possuem preferência aos privados com fins lucrativos. A rede assistencial do Estado se configura a partir da definição dos Municípios de referência para a execução dos procedimentos de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar. A formação de regiões de saúde ou regionais de saúde justifica essa organização da rede em grupos de Municípios e os encaminhamentos que são realizados pelos Municípios de menor porte para os que concentram capacidade técnica, tecnológica, administrativa e financeira. Esse processo é legal e constitucional, pois, é assim que os serviços são organizados, de forma regionalizada e hierarquizada.

9 Porém, essa prática, criticada de forma maçante pela imprensa nacional, ficou vista como incompetência ou falta de gestão, principalmente, por parte dos Municípios e, chegou a ser denominada de ambulância- terapia ou mesmo van- terapia. De acordo com a Lei 8080/90, considerada a Lei Orgânica da Saúde, em seus artigos 16, 17 e 18, são definidas as competências específicas para as esferas federal, estadual e municipal do SUS, respectivamente. Dentre as competências da União está a de definir e coordenar os sistemas de redes integradas de assistência de alta complexidade (art. 16, III, a). Além de promover a descentralização, para as Unidades Federadas (Estados) e para os Municípios, dos serviços e ações de saúde, respectivamente, de abrangência estadual e municipal. Desta forma, a União deve participar da definição das redes de referência e descentralizar os serviços de abrangência estadual para o Estado. Aos Municípios deveriam ser descentralizados apenas os serviços locais, ou seja, no próprio Município. Porém, a responsabilidade dos Municípios tem se extrapolado, quando assumem os serviços de referência micro- regionais ou regionais, com a obrigação de oferecê- los para a sua população e para as populações dos demais Municípios de sua região de saúde. Esse segundo processo, de descentralizar serviços de complexidade e abrangência maiores, deve observar rigorosamente a capacidade do Município em assumir determinados serviços, levando em consideração a possibilidade de ofertar quanti- qualitativamente os mesmos, em vista de suprir a demanda da população local e referenciada, sem comprometimento da gestão e gerência locais. Desta forma, o simples fato de atender ao princípio constitucional da descentralização das ações e serviços do SUS e a intenção de ampliação da rede local, não devem se sobrepor à capacidade do ente em realizar e, principalmente, manter os serviços sob sua responsabilidade. É importante lembrar as competências da União de apoio técnico e co- financiamento aos estados e Municípios para a realização das ações e serviços do SUS, estabelecida na Constituição de 1988 e na Lei Orgânica da Saúde (8080/90). Já ao Estado (ente) compete prestar apoio técnico e financeiro aos Municípios e executar supletivamente ações e serviços de saúde, quando os Municípios não possuírem capacidade técnica e financeira para isso (art. 17, III). Ainda, como competência do Estado está a tarefa de identificar estabelecimentos hospitalares de referência e gerir sistemas públicos de alta complexidade, de referência estadual e regional. Nessa definição legal, a responsabilidade em manter a rede de alta complexidade ambulatorial e hospitalar é dos Estados, sendo opcional aos Municípios essa atribuição. As competências municipais estão descritas no art. 18 da Lei 8080/90 e dentre elas está a atenção integral à saúde de sua população, o que pode ser ofertado na rede local de estabelecimentos de saúde, sejam públicos ou privados contratados. Para os serviços de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar não disponíveis na rede local há a previsão legal de pactuação com outros entes que dispõem dos mesmos, respeitando a rede estadual de referências e contra- referências definida no Plano Diretor de Regionalização (PDR).

10 Como observado no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES), a rede de serviços de atenção à saúde no Estado do Rio Grande do Sul se encontra estruturada com estabelecimentos do setor público e privado (tabela 9). As estruturas públicas municipais estão voltadas para as ações básicas de saúde, concentrando 95% dos estabelecimentos básicos de saúde centros e postos de saúde. Já a atenção de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar, que exige recursos humanos especializados e aparatos tecnológicos, concentra- se no setor privado, composto por estabelecimentos particulares e filantrópicos. Tabela 9 Distribuição de estabelecimentos assistenciais de saúde, segundo a esfera administrativa. Rio Grande do Sul, Fonte: Ministério da Saúde - Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil - CNES. Os cadastros de ambulatórios e clínicas especializadas totalizam unidades, das quais 94,5% são de natureza privada. Dentre os 326 hospitais gerais apenas 14,4% são de natureza pública, os demais são privados (85,6%) e, se dividem entre particulares (19%) e filantrópicos (81%). É nítida a ausência das esferas estadual e federal na estruturação da rede ambulatorial e hospitalar no Estado do Rio Grande do Sul, que juntas somam 112 unidades de saúde, ou seja, 0,63% do total de estabelecimentos de saúde cadastrados no Rio Grande do Sul. Isso tem ocorrido mesmo com a definição da Lei Orgânica do SUS desde 1990, que é uma competência

11 das esferas estadual e federal. Segundo os dados do SCNES, existem apenas 4 hospitais estaduais, sendo dois geral e dois especializados. Quando avaliados os dados de acordo com a esfera administrativa dos estabelecimentos de saúde, verifica- se que os 326 hospitais gerais estão organizados da seguinte forma: 3,4% federais, 0,6% estaduais, 10,4% municipais e 85,6% privados. Segundo informações do SCNES/DATASUS, do total de hospitais gerais existentes no Estado do Rio Grande do Sul, 18 estão localizados em Porto Alegre. A Região Metropolitana de Porto Alegre, composta por 32 Municípios, concentra 52 desses estabelecimentos de saúde, o que representa 16% da rede de hospitais gerais do Estado para atender cerca de 37% da população gaúcha. Diante da situação apresentada, existe uma demanda considerável de serviços de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar referenciada pelos diversos Municípios gaúchos para a capital Porto Alegre, o que tem acarretado em falta de resolubilidade nos sistemas municipais locais e fila de espera de usuários para atenção especializada do SUS. Esse acúmulo de serviços não atendidos ocasiona na denominada demanda reprimida. De acordo com os dados sobre a rede do SUS disponíveis no DATASUS, verifica- se que existem 352 hospitais cadastrados no Estado do Rio Grande do Sul, dentre hospital dia (7), hospital especializado (19) e hospital geral (326). Destes a esfera municipal já é responsável por 9,7%, conforme gráfico seguinte. Ao detalhar a situação dos 326 hospitais gerais, verifica- se que Porto Alegre com 18 unidades hospitalares gerais, detém 5,5% do total cadastrado no Estado do Rio Grande do Sul, seguido de Santa Maria com oito (2,5%). Os Municípios de Caxias do Sul com seis (1,8%), Passo Fundo com seis (1,8%) e Pelotas com cinco (1,5%) vêm a seguir. Os demais possuem menos de 0,9% ou seja, menos de três estabelecimentos hospitalares na modalidade geral. Vale ressaltar que 220 Municípios gaúchos contam com um hospital geral, independente da natureza, conforme informações disponíveis no DATASUS. Figura 1 Proporção de hospitais segundo a esfera administrativa. Rio Grande do Sul, Fonte: DATASUS/MS.

12 É importante destacar que do total de hospitais gerais cadastrados no Sistema do DATASUS, 226 são de natureza filantrópica sem fins lucrativos, o que corresponde a pouco mais de 69% do total desses estabelecimentos de saúde. Foi encontrada uma inconsistência entre as informações sobre a rede do SUS disponibilizadas no DATASUS e as do SCNES (Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde). Neste último está disponível uma lista de hospitais filantrópicos no Estado do Rio Grande do Sul, por Município, da qual constam apenas 71 unidades hospitalares (anexo I). Profissionais médicos no Rio Grande do Sul Essa foi uma outra informação que despertou a atenção da equipe técnica da CNM, visto que a existência de uma demanda reprimida sugere a necessidade de mais profissionais de saúde tanto na rede municipal quanto nas redes de referência e estaduais, uma que a demanda se refere a procedimentos especializados. Neste caso, para os procedimentos apresentados como demanda reprimida, fica nítida a relação com a concentração do profissional médico nos grandes centros urbanos e, principalmente, na Capital e Região Metropolitana de Porto Alegre. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o parâmetro utilizado para o cálculo da necessidade do profissional médico é de 1 para cada mil habitantes. No caso de Estado do Rio Grande do Sul que possui cadastrados no SCNES profissionais médicos, esse coeficiente é de 1,8 médico para cada mil habitantes, ou seja, quase o dobro (tabela 10). Para a Região da Grande Porto Alegre, composta por 32 Municípios, essa proporção é bem maior do que a preconizada pela OMS, chegando a 2,4 profissionais médicos para cada mil habitantes. Já os demais 6 milhões de habitantes, que se encontram fora da Região Metropolitana, contam com 1,5 profissional médico para atendê- los. Tabela 10 Distribuição de profissionais médicos, segundo a esfera administrativa. Rio Grande do Sul. Fonte: DATASUS/MS. Seguindo a mesma configuração dos estabelecimentos assistenciais de saúde, os profissionais de saúde se organizam por esfera administrativa e mais uma vez se observa a ausência quase que total da esfera estadual. Quando avaliada a distribuição total de profissionais médicos por esfera administrativa, no Estado do Rio Grande do Sul, verifica- se que a maioria está vinculada a rede privada (65,8%) seguida da rede municipal (23%). A esfera federal conta com 10,4% e a estadual, com insignificantes 0,8% desses profissionais (figura 2).

13 Figura 2 Distribuição de profissionais médicos segundo a esfera administrativa. Rio Grande do Sul. Fonte: DATASUS/MS. Com a concentração dos profissionais médicos nos grandes centros urbanos ou próximos à região metropolitana, somente o Município de Porto Alegre conta com mais de 5,6 mil profissionais médicos, detendo 29% da força de trabalho dessa categoria. Como contra- senso dessa situação, ainda existem 51 Municípios gaúchos que não registram em seus cadastros o profissional médico, conforme listados no anexo II. Tabela 11 Distribuição de profissionais médicos, segundo o ranking de Municípios, esfera administrativa e proporção de lotação. Rio Grande do Sul, Fonte: DATASUS/MS. A Região Metropolitana de Porto Alegre, com 32 Municípios conta com mais de 9,3 mil profissionais médicos cadastrados no SUS, o que equivale a quase 48% do total de médicos no Estado do Rio Grande do Sul. Quando avaliada a proporção por esfera administrativa responsável pela colocação dos profissionais na Região Metropolitana, verifica- se que 60% estão vinculados ao setor privado e 24% a esfera municipal. Os demais 16% encontram- se vinculados as esferas federal e estadual.

14 Os dados comprovam a ausência da esfera estadual, que não é muito diferente da situação dos estabelecimentos de saúde anteriormente apresentada. A esfera estadual contribui com 1% dos profissionais médicos lotados na Região Metropolitana (tabela 12). Tabela 12 Distribuição e proporção de profissional médico que atende no SUS, segundo a esfera administrativa e em relação ao total de profissionais cadastrados no SUS gaúcho. Região Metropolitana de Porto Alegre/RS. Fonte: DATASUS/MS. Outra informação muito importante apresentada na tabela anterior é a proporção de profissionais médicos que atendem no SUS por esfera administrativa, lotados na Região Metropolitana, em relação ao total de profissionais no Estado do Rio Grande do Sul, o que revelou que 68,8% dos profissionais médicos federais concentram- se na Região Metropolitana, seguido da esfera estadual que concentra 100 dos 160 médicos que atendem ao SUS o que representa 62,5% destes. Desta forma, confirma- se uma concentração de profissionais médicos na Região da Capital e entorno, havendo a necessidade de melhor distribuir a mão de obra disponível no Estado do Rio Grande do Sul de forma que as demandas dos Municípios sejam atendidas, e principalmente, que o acesso à saúde da população gaúcha seja promovido pela rede pública. Ao detalhar a informação sobre os médicos pertencentes a administração direta da esfera estadual e que atende no SUS, verificou- se que segundo o tipo de estabelecimento nos quais os profissionais encontram- se cadastrados, mais de 50% estão em hospitais especializados na Capital, seguida da Unidade de Serviço de Apoio Diagnose em Terapia em Ijuí com 22% (tabela 13). Vale Ressaltar que hospital especializado estadual só existem dois cadastrados no SCNES, e são da área de psiquiatria, o Hospital Psiquiátrico São Pedro e o Hospital Sanatório Partenon. Os demais hospitais cadastrados em Porto Alegre, são hospitais privados sob gestão municipal. Tabela 13 Distribuição e proporção de profissional médico pertencente a esfera estadual, segundo o tipo de estabelecimento de saúde e o Município. Rio Grande do Sul.

15 Já na avaliação detalhada sobe os médicos federais que atendem o SUS, foram identificados (98% do total). Estão distribuídos da seguinte forma, 879 na administração direta (43%), dos quais 89,5% estão na Capital Porto Alegre (tabela 14). Existem ainda 347 profissionais em outros estabelecimento da administração direta, como unidades da Marinha e Exército, representando 17% do total. Tabela 14 Distribuição de profissional médico pertencente a esfera federal e que atende no SUS, segundo o tipo de estabelecimento de saúde e o Município. Rio Grande do Sul. Fonte: DATASUS/MS. Em fundação pública foram identificados 168 profissionais médicos, no Município de Pelotas, sendo que destes, 158 encontram- se em hospital geral, o que representa 94% do total (tabela 15). Em Pelotas existe cadastrado o SCNES, na qualidade de hospital geral, apenas o Hospital da Universidade Federal de Pelotas. Tabela 15 Distribuição de profissional médico pertencente a esfera federal e que atende no SUS, pela administração direta em fundação pública, segundo o tipo de estabelecimento de saúde e o Município. Rio Grande do Sul. Fonte: DATASUS/MS. Por fim, foram identificados mais 604 profissionais médicos pertencentes à esfera federal e que atendem no SUS, vinculados por meio de empresas públicas no Município de Porto Alegre, o que representa 29,75% do total de médicos federais no Estado do Rio Grande do Sul. Desta forma, mais uma vez, a pesquisa realizada pela CNM demonstra a necessidade de uma melhor distribuição da força de trabalho de profissionais médicos no Estado, possibilitando a atenção à saúde mais próxima da população e evitando o grande fluxo de referencias para a Capital Porto Alegre e Região Metropolitana.

16 Financiamento em saúde Para os Municípios que não conseguem agendar as consultas, exames e internações nos Municípios de referência, a solução é a contratação dos serviços dos hospitais privados, com ou sem fins lucrativos, o que acaba onerando mais as finanças municipais, já que para isso, são utilizados recursos próprios dos Municípios. Os Municípios gaúchos vão investindo recursos financeiros próprios em saúde pública numa escala crescente, chegando a uma média superior a 18% de suas receitas (figura 3). No ano de 2010, dos 496 Municípios gaúchos, apenas 3 não aplicaram os 15% mínimos constitucionais em saúde. Figura 3 Percentual de investimento médio dos Municípios no setor saúde. Rio Grande do Sul, 2000, Fonte: SIOPS/MS. Quando essas informações do Sistema de Informações sobre Orçamento Públicos de Saúde (SIOPS) são avaliadas para o estado do Rio Grande do Sul, verifica- se que este é a Unidade Federativa brasileira que menos investe recursos próprios na saúde pública. A média de investimento em saúde no período de 2000 a 2010 foi de 5,8% (figura 4). Quando avaliados os valores investidos no período de 2000 a 2009, segundo a esfera de gestão do SUS no Rio Grande do Sul, verifica- se que em virtude do não cumprimento da Emenda 29, o Estado do Rio Grande do Sul deixou de investir R$ 4,6 bilhões em Saúde.

17 Figura 4 Percentual de investimento em saúde. Estado do Rio Grande do Sul, Fonte: SIOPS/MS Por outro lado, na busca de compensar a ausência da esfera estadual, o conjunto de Municípios gaúchos investiram R$ 5,1 bilhões além do mínimo constitucional sobre sua responsabilidade (tabela 16). Tabela 16 Distribuição de despesas em saúde e diferença em relação ao mínimo constitucional, segundo esfera administrativa. Rio Grande do Sul, 2000 a Fonte: CNM. Para o financiamento dos serviços de média e alta complexidade ambulatoriais e hospitalares, somente nos sete primeiros meses de 2011, a Secretaria de Estado da Saúde do RS recebeu do governo federal mais de R$ 410 milhões de reais para os serviços de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar (tabela 17).

18 Tabela 17 Distribuição de despesas em saúde e diferença em relação ao mínimo constitucional, segundo esfera administrativa. Rio Grande do Sul, 2000 a Fonte: FNS/MS. Dos recursos federais recebidos pelo Estado do Rio Grande do Sul, pouco mais de R$ 68 milhões foram repassados fundo a fundo para os estabelecimentos de saúde prestadores de serviços, conforme o anexo III, o que representa 16,6% do total de recursos recebidos no período. Vale ressaltar que essas ações devem ter financiamento tripartite, sendo necessária a apresentação da contrapartida estadual e sua aplicação nos serviços em questão. De acordo com informações contidas no site da Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul, o Estado mantém convênios com os estabelecimentos prestadores de serviços ambulatoriais e hospitalares para os quais vem repassando regularmente recursos financeiros destinados à manutenção das ações e serviços de saúde contratados. Em 2011, até o mês de setembro o Governo do Estado repassou mais de R$ 361 milhões para os estabelecimentos esses estabelecimentos, conforme anexo V. Porém, conforme as informações das Secretarias Municipais de Saúde, também, existem contratos de prestação de serviços desses estabelecimentos direto com os Municípios e, mantidos com recursos próprios. Em relação aos Municípios gaúchos, apenas 66 recebem recursos federais do bloco de média e alta complexidade (MAC) destinados ao financiamento das ações ambulatoriais e hospitalares, o que representa uma parcela muito pequena do total de Municípios, somente 13,3%, conforme anexo IV. A descentralização dos recursos federais de MAC, assim como de uma parcela de incentivo estadual, é primordial para o alcance do princípio da integralidade, proporcionando maior autonomia municipal na pactuação e manutenção dos serviços ambulatoriais e hospitalares de média e alta complexidade condizente com às demandas da população. Para tanto, se faz necessária uma nova pactuação dos procedimento e dos recursos destinados à média e alta complexidade ambulatoriais e hospitalares.

19 Conclusões A pesquisa que a CNM realizou atingiu seu objetivo, uma vez que ficou comprovada a existência de demanda reprimida no setor de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul. Por meio da obtenção das respostas dos 127 Municípios que participaram da pesquisa, foram registrados mais de 109 mil procedimentos caracterizados como reprimidos, em virtude de filas de espera para seus agendamentos ou mesmo do não atendimento. Existe uma concentração, na Capital e Região Metropolitana de Porto Alegre, tanto de estrutura física quanto de recursos humanos, o que provoca uma maior demanda de procedimentos para essa região. Quando comparada a estruturação da rede do SUS no Rio Grande do Sul e os estados de Santa Catarina e Paraná, também pertencentes a Região Sul do país, verifica- se que existe uma diferença considerável. Em Santa Cataria a rede estadual de hospitais conta com 15 unidades, sendo 5 especializadas e 10 gerais, o que representa 6,6% do total desses estabelecimentos disponíveis no SUS para atender uma população de pouco mais de 6,2 milhões de habitantes. Já no Paraná, com mais de 10,4 milhões de habitantes, a rede estadual conta com 12 estabelecimentos hospitalares, sendo 2 especializados e 10 gerais, o que representa 3,1% da rede disponível no Estado. A rede privada responde por 69,5% e em contrapartida os Municípios já assumiram mais de 26% da rede, mantendo, desta forma, estabelecimentos próprios públicos na rede ambulatorial e hospitalar de média e alta complexidade. Na Região Nordeste do país, destaca- se o Estado de Pernambuco que possui 8,7 milhões de habitantes e dispõe de 178 hospitais gerais, sendo 15% sob a responsabilidade da esfera estadual, 29 % municipal e 53,9% privada. A esfera estadual conta com 7 hospitais especializados e 27 gerais. É claro que não há um padrão a ser seguido na quantificação de estabelecimentos hospitalares para cada esfera de governo. Cada ente organiza- se de acordo com sua capacidade técnico- administrativa e necessidades da população, porém, a legislação define que a participação da esfera privada se dará de forma complementar à rede pública de estabelecimentos e serviços de saúde. Em relação ao financiamento de média e alta complexidade, conforme identificado na pesquisa, existem investimentos financeiros destinados aos estabelecimentos de saúde contratados para a prestação dos serviços de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar para o SUS gaúcho. Esses recursos são disponibilizados pelas três esferas de governo, sendo necessário avaliar sua distribuição e se são suficientes para a manutenção da rede. Diante do exposto, é possível elencar algumas constatações e ações, como desdobramento dessa pesquisa, que devem ser melhor avaliadas e realizadas para aprimorar as informações sobre as demandas em saúde e a atual estruturação do Sistema Único de Saúde gaúcho e, consequentemente, a apresentação de propostas e sugestões de solução para a situação ora apresentada.

20 Existe uma grande demanda de procedimentos ambulatoriais e hospitalares de média e alta complexidade no Estado do Rio Grande do Sul reprimidos, sem a devida atenção e resolubilidade. Existe uma concentração de estruturas assistências e recursos humanos na Capital e Região Metropolitana de Porto Alegre, o que logicamente provocará uma maior demanda para essa região. A rede de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar é caracterizada pela grande maioria de estabelecimentos privados, de natureza filantrópica e particular, deixando a desejar, principalmente, pela ausência de estruturas públicas estaduais. O Estado do Rio Grande do Sul não cumpre o percentual mínimo de 12% de investimentos em Saúde determinado como obrigatório pela Emenda Constitucional 29 a partir de 2004, havendo um enorme déficit acumulado com o SUS. Além de não cumprir o mínimo constitucional, o governo do Estado tem quase 50% dos recursos da Saúde, destinado à obras de saneamento, sem a devida justificativa. É necessário providências do Estado para reestruturar e reorganizar a rede de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar do Rio Grande do Sul, com a identificação das unidades de referência regional e estadual. É necessário repactuar os recursos federais destinados ao financiamento das ações e serviços de média alta complexidade ambulatorial e hospitalar, garantindo financiamento desses serviços na rede municipal do SUS. Há a necessidade de levantamento detalhado da disponibilidade de serviços e recursos humanos no SUS com o objetivo de redimensionar a oferta de serviço e a força de trabalho conforme a necessidade identificada. É necessário levantar as informações quanto aos contratos existentes para prestação de serviços entre os estabelecimentos de saúde e as esferas federal, estadual e municipal, identificando a real necessidade de implementação orçamentária e financeira nos serviços ambulatoriais e hospitalares. É necessário reavaliar a participação dos estabelecimentos filantrópicos na assistência pública de saúde, principalmente, em relação aos valores praticados e às complementações de tabela, uma vez que estes não devem se manter exclusivamente com recursos públicos que, por outro lado, já são beneficiados com a redução da carga tributária. É necessário avaliar o cumprimento da legislação do estabelecimentos filantrópicos prestadores de serviços do SUS (Lei /09 e Portaria MS 1970/11). É necessário avaliar os investimentos financeiros pelas três esferas de gestão e a destinação desses recursos, uma vez que existem estabelecimentos de saúde que recebem recursos federais e estaduais, conforme anexos III e V. Há a necessidade de maior fiscalização sobre a gestão estadual e o cumprimento do percentual mínimo de investimento em saúde, garantindo recursos suficientes para o SUS e desafogando as finanças municipais.

21 Anexo I Distribuição se hospitais filantrópicos, segundo o Município, Rio Grande do Sul. CNES Estabelecimento Município ABOSCO SANTA ROSA ASS. HOSPITALAR MANOEL FRANCISCO GUERREIRO GUAPORE HOSPITAL ANA NERY SANTA CRUZ DO SUL HOSPITAL ARCANJO SAO MIGUEL GRAMADO HOSPITAL AUXILIADORA ROSARIO DO SUL HOSPITAL BANCO DE OLHOS DE PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE HOSPITAL BENEFICENCIA PORTUGUESA PORTO ALEGRE HOSPITAL BRUNO BORN LAJEADO HOSPITAL CARIDADE TRES PASSOS TRES PASSOS HOSPITAL COMUNITARIO DE CARAZINHO CARAZINHO HOSPITAL COMUNITARIO NONOAI NONOAI HOSPITAL COMUNITARIO SARANDI SARANDI HOSPITAL CRISTO REDENTOR MARAU MARAU HOSPITAL DE ALVORADA ALVORADA HOSPITAL DE CAMPO BOM DR LAURO REUS CAMPO BOM HOSPITAL DE CANELA CANELA HOSPITAL DE CARIDADE BRASILINA TERRA TUPANCIRETA HOSPITAL DE CARIDADE DE CANGUCU CANGUCU HOSPITAL DE CARIDADE DE IJUI IJUI HOSPITAL DE CARIDADE DE SANTIAGO SANTIAGO HOSPITAL DE CARIDADE DE SANTO CRISTO SANTO CRISTO HOSPITAL DE CARIDADE E BENEFICENCIA CACHOEIRA DO SUL HOSPITAL DE CARIDADE PALMEIRA DAS MISSOES PALMEIRA DAS MISSOES HOSPITAL DE CARIDADE SAO VICENTE DE PAULO CRUZ ALTA HOSPITAL DE PORTAO PORTAO HOSPITAL DOM JOAO BECKER GRAVATAI HOSPITAL DOS PASSOS RIO PARDO HOSPITAL DOS TRABALHADORES ATRA RONDA ALTA HOSPITAL ESTRELA ESTRELA HOSPITAL FREI CLEMENTE SOLEDADE SOLEDADE HOSPITAL GERAL SANTA CASA DE URUGUAIANA URUGUAIANA HOSPITAL INFANTIL SAO BORJA HOSPITAL MONTENEGRO MONTENEGRO HOSPITAL N S AUXILIADORA IRAI IRAI HOSPITAL NOSSA SENHORA DA OLIVEIRA VACARIA HOSPITAL NOSSA SENHORA DA PIEDADE NOVA PALMA HOSPITAL NOSSA SENHORA DO LIVRAMENTO GUAIBA HOSPITAL NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES TORRES HOSPITAL NOSSA SRA DAS GRACAS CANOAS CANOAS HOSPITAL PADRE JEREMIAS CACHOERINHA CACHOEIRINHA HOSPITAL PANAMBI PANAMBI HOSPITAL PARQUE BELEM PORTO ALEGRE

22 HOSPITAL SANTA CRUZ SANTA CRUZ DO SUL HOSPITAL SANTA LUZIA CAPAO DA CANOA HOSPITAL SANTO ANGELO SANTO ANGELO HOSPITAL SANTO ANTONIO TAPEJARA HOSPITAL SANTO ANTONIO SAO SEPE HOSPITAL SAO CARLOS FARROUPILHA HOSPITAL SAO JOAO SANANDUVA SANANDUVA HOSPITAL SAO LUIZ DOM PEDRITO HOSPITAL SAO LUIZ GONZAGA SAO LUIZ GONZAGA HOSPITAL SAO PATRICIO DE ITAQUI ITAQUI HOSPITAL SAO PEDRO GARIBALDI HOSPITAL SAO ROQUE DE GETULIO VARGAS GETULIO VARGAS HOSPITAL SAO SEBASTIAO MARTIR VENANCIO AIRES HOSPITAL SAO VICENTE DE PAULO TRES DE MAIO HOSPITAL SAO VICENTE DE PAULO OSORIO HOSPITAL SAPIRANGA SAPIRANGA HOSPITAL TACCHINI BENTO GONCALVES HOSPITAL TRAMANDAI TRAMANDAI HOSPITAL UNIVERSITARIO URCAMP BAGE HOSPITAL VIDA SAUDE SANTA ROSA IRMANDADE S CASA DE MISERIC. DE S V PALMAR SANTA VITORIA DO PALMAR SANTA CASA DE ALEGRETE ALEGRETE SANTA CASA DE CARIDADE DE BAGE BAGE SANTA CASA DE CARIDADE JAGUARAO JAGUARAO SANTA CASA DE MISERIC S LOURENCO DO SUL SAO LOURENCO DO SUL SANTA CASA DE MISERICORDIA SANTANA DO LIVRAMENTO SANTA CASA DE MISERICORDIA DE PELOTAS PELOTAS SANTA CASA DE SAO GABRIEL SAO GABRIEL SOCIEDADE PORTUGUESA DE BENEFICENCIA PELOTAS Fonte: SCNES/MS.

23 Anexo II Relação de Municípios que não possuem profissional médico cadastrado junto ao CNES/DATASUS/MS.

24 Anexo III Relação de estabelecimentos de saúde que receberam recursos federais de média e alta complexidade fundo a fundo, na competência julho de 2011, por Município. Prestador Valor Município ASSOCIACAO CONGREGACAO DE SANTA CATARINA 5.128,02 NOVO HAMBURGO/RS ASSOCIACAO HOSPITALAR VILA NOVA ,69 PORTO ALEGRE/RS ASSOCIACAO HOSPITALAR VILA NOVA ,90 PORTO ALEGRE/RS ASSOCIACAO PRO-ENSINO EM SANTA CRUZ DO SUL ,77 SANTA CRUZ DO SUL/RS ASS. PROENSINO EM SANTA CRUZ DO SUL HOSP SANTA CRUZ ,69 SANTA CRUZ DO SUL/RS ASS. PROENSINO EM SANTA CRUZ DO SUL HOSP SANTA CRUZ ,05 SANTA CRUZ DO SUL/RS CLINIRIM CLINICA DE DOENCAS RENAIS ,97 PORTO ALEGRE/RS FUNDACAO IVAN GOULART HOSPITAL INFANTIL ,77 SAO BORJA/RS FUNDACAO IVAN GOULART HOSPITAL INFANTIL ,94 SAO BORJA/RS FUNDACAO IVAN GOULART HOSPITAL INFANTIL ,12 SAO BORJA/RS FUNDACAO IVAN GOULART HOSPITAL INFANTIL ,08 SAO BORJA/RS FUNDACAO IVAN GOULART HOSPITAL INFANTIL ,76 SAO BORJA/RS FUNDACAO IVAN GOULART HOSPITAL INFANTIL ,70 SAO BORJA/RS FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CARDIOLOGIA ,55 PORTO ALEGRE/RS FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CARDIOLOGIA ,59 PORTO ALEGRE/RS FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CARDIOLOGIA ,81 PORTO ALEGRE/RS FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CARDIOLOGIA ,50 PORTO ALEGRE/RS FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE PORTO ALEGRE 2.400,00 PORTO ALEGRE/RS HOSP. DE CLIN DE POA (CM) ,17 PORTO ALEGRE/RS HOSP. DE CLIN DE POA (CM) ,87 PORTO ALEGRE/RS HOSP. DE CLIN DE POA (CM) ,60 PORTO ALEGRE/RS HOSP. DE CLIN DE POA (CM) ,60 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL ANA NERY SANTA CRUZ DO SUL ,35 SANTA CRUZ DO SUL/RS HOSPITAL ANA NERY SANTA CRUZ DO SUL ,11 SANTA CRUZ DO SUL/RS HOSPITAL ANA NERY SANTA CRUZ DO SUL ,00 SANTA CRUZ DO SUL/RS HOSPITAL CRISTO REDENTOR S/A ,84 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL CRISTO REDENTOR S/A ,77 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL CRISTO REDENTOR S/A ,33 PORTO ALEGRE/RS Hospital de Caridade e Beneficiência ,97 CACHOEIRA DO SUL/RS Hospital de Caridade e Beneficiência ,62 CACHOEIRA DO SUL/RS Hospital de Caridade e Beneficiência ,80 CACHOEIRA DO SUL/RS Hospital de Caridade e Beneficiência ,43 CACHOEIRA DO SUL/RS HOSPITAL ESCOLA DA UFPEL ,78 FMS DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA DA UFPEL ,37 FMS DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA DA UFPEL ,49 FMS DE PELOTAS Hospital Espírita de Porto Alegre ,66 PORTO ALEGRE/RS Hospital Espírita de Porto Alegre ,54 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL FEMINA SA ,04 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL FEMINA SA ,96 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL FEMINA SA ,73 PORTO ALEGRE/RS

25 HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEICAO SA ,97 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEICAO SA ,20 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEICAO SA ,17 PORTO ALEGRE/RS HOSPITAL SAO JOSE ,89 GIRUA/RS HOSPITAL SÃO SEBASTIÃO MARTIR ,55 VENANCIO AIRES/RS HOSPITAL SÃO SEBASTIÃO MARTIR ,45 VENANCIO AIRES/RS HOSPITAL SÃO SEBASTIÃO MARTIR ,66 VENANCIO AIRES/RS IRMAND S CASA DE MISERIC PORTO ALEGRE ,28 PORTO ALEGRE/RS IRMAND S CASA DE MISERIC PORTO ALEGRE ,02 PORTO ALEGRE/RS IRMAND S CASA DE MISERIC PORTO ALEGRE 9.707,49 PORTO ALEGRE/RS IRMAND S CASA DE MISERIC PORTO ALEGRE ,41 PORTO ALEGRE/RS ORTOSINOS SERVICOS MEDICOS LTDA 4.988,05 SAO LEOPOLDO/RS Sanatório Belém ,33 PORTO ALEGRE/RS Sanatório Belém ,72 PORTO ALEGRE/RS SANTA CASA DE M DE PELOTAS ,66 FMS DE PELOTAS SERVICO DE DOENCAS RENAIS LTDA ,40 PORTO ALEGRE/RS SOCIEDADE HOSPITAL DE CARIDADE SANTA ROSA ,00 SANTA ROSA/RS Sociedade Portuguesa de Beneficiência ,15 PORTO ALEGRE/RS Sociedade Portuguesa de Beneficiência ,00 PORTO ALEGRE/RS SPAC HOSPITAL UNIVERSITARIO UCPEL ,50 FMS DE PELOTAS SPAC HOSPITAL UNIVERSITARIO UCPEL ,39 FMS DE PELOTAS SPAC HOSPITAL UNIVERSITARIO UCPEL ,16 FMS DE PELOTAS VITA RIM CLINIC DOENCAS RENAIS LTDA ,27 PORTO ALEGRE/RS Fonte: FNS/MS.

26 Anexo IV Relação de Municípios que receberam recursos federais de média e alta complexidade fundo a fundo, até julho de 2011, segundo o valor mensal e estimativa anual. Nome da Entidade Mensal Até 07/11 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE ALEGRETE , ,74 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE ALTO FELIZ 515, ,62 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE ANTONIO PRADO , ,64 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE BARRA DO QUARAI 1.954, ,93 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE BENTO GONCALVES , ,44 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE BOA VISTA DO CADEADO , ,16 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE BOA VISTA DO SUL 7.209, ,92 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE BOM JESUS 7.209, ,92 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE BOM PRINCIPIO , ,44 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CACHOEIRA DO SUL , ,44 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CAMPESTRE DA SERRA 426,72 853,44 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CANELA , ,41 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CANOAS , ,96 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CARAZINHO , ,56 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CARLOS BARBOSA , ,36 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CAXIAS DO SUL , ,77 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CORONEL PILAR 260, ,28 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE DOM PEDRO DE ALCANTARA 983, ,92 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE ESMERALDA 3.532, ,83 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE FAGUNDES VARELA 591, ,34 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE FARROUPILHA , ,38 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE FELIZ , ,11 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE FLORES DA CUNHA , ,42 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE GARIBALDI , ,52 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE GIRUA , ,55 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE GRAMADO , ,41 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE GRAVATAI , ,58 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE GUABIJU , ,28 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE GUAPORE , ,12 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE IPE 1.038, ,07 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE JAQUIRANA , ,68 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE JOIA , ,50 FUNDO MUN. DE SAUDE DE MONTE ALEGRE DOS CAMPOS 228, ,18 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE MONTE BELO DO SUL 489,91 979,82 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE MUITOS CAPOES 538, ,14 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE NOVA BASSANO 5.501, ,66 FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE NOVA PADUA 473,88 473,88 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE NOVA PETROPOLIS , ,40 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE NOVA PRATA , ,44 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE NOVO HAMBURGO , ,11 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE PANAMBI , ,68 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE PELOTAS , ,58 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE PICADA CAFE 5.320, ,78 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE PINHAL DA SERRA 500, ,06 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE PORTO ALEGRE , ,00

27 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE PORTO XAVIER , ,12 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE PROTASIO ALVES 1.040, ,78 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SANTA CRUZ DO SUL , ,66 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SANTA ROSA , ,41 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SANTA TEREZA 1.177, ,40 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SAO BORJA , ,19 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SAO JORGE 523, ,68 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SAO JOSE DOS AUSENTES 2.726, ,74 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SAO LEOPOLDO , ,08 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SAO MARCOS , ,16 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SÃO VENDELINO 318, ,67 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE SERAFINA CORREA , ,88 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE UNIAO DA SERRA 289,38 289,38 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE UNIAO DA SERRA 289,38 289,38 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE VACARIA , ,87 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE VALE REAL 1.750, ,52 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE VENANCIO AIRES , ,96 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE VERANOPOLIS , ,74 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE VILA FLORE 1.652, ,96 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE VISTA ALEGRE DO PRATA 81,09 567,63 FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE VITORIA DAS MISSOES 371,92 371,92 Total , ,60 Fonte: FNS/MS.

28 Anexo V Relação de estabelecimentos de saúde que receberam recursos de média e alta complexidade fundo a fundo do governo do estado do Rio Grande do Sul, até setembro de Prestador Município 2006 a * Hospital São Vicente de Paulo Passo Fundo , ,93 Hospital de Caridade de Ijui Ijui , ,80 Santa Casa do Rio Grande Rio Grande , ,07 Hospital Bruno Born Lajeado , ,34 Hospital da Cidade Passo Fundo Passo Fundo , ,19 Hospital Padre Jeremias Cachoerinha Cachoeirinha , ,15 Hospital de Alvorada Alvorada , ,14 Hospital Tacchini Bento Gonçalves , ,87 Santa Casa de Caridade de Bagé Bagé , ,40 Hospital Geral Santa Casa de Uruguaiana Uruguaiana , ,56 Hospital de Caridade São Vicente de Paulo Cruz Alta , ,75 Hospital São Vicente de Paulo Osório , ,16 Hospital Santo Ângelo Santo Ângelo , ,21 Santa Casa de São Gabriel São Gabriel , ,43 Santa Casa de Alegrete Alegrete , ,14 Hospital Nossa Senhora da Oliveira Vacaria , ,22 Hospital Sapiranga Sapiranga , ,59 Hospital Nossa Senhora dos Navegantes Torres , ,85 Hospital Santa Luzia Capao da Canoa , ,76 Santa Casa de Misericórdia Santana do Livramento , ,94 Hospital São Vicente de Paulo Três de Maio , ,02 Hospital Auxiliadora Rosário do Sul , ,93 Hospital Estrela Estrela , ,76 Hospital Tramandai Tramandai , ,79 Hospital de Campo Bom Dr Lauro Reus Campo Bom , ,05 Hospital de Caridade de Cangucu Cangucu , ,17 Hospital Infantil São Borja , ,08 Hospital São Carlos Farroupilha , ,24 Hospital de Caridade de Santiago Santiago , ,55 Hospital Caridade Três Passos Três Passos , ,27 Associação Congregação de Santa Catarina Novo Hamburgo , ,03 Hospital São Luiz Gonzaga São Luiz Gonzaga , ,44 Hospital Arcanjo São Miguel Gramado , ,48 Santa Casa de Miseric S Lourenço do Sul São Lourenço do Sul , ,87 Hospital de Caridade Palmeira das Missões Palmeira das Missões , ,63 Hospital São Patrício de Itaqui Itaqui , ,69 Hospital Frei Clemente Soledade Soledade , ,64 Hospital São Luiz Dom Pedrito , ,26 Associação Hospitalar Vila Nova Porto Alegre , ,43

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES UF MUNICIPIO CNES NOME RS AGUDO 2234386 HOSPITAL AGUDO RS ALEGRETE 2248328 SANTA CASA DE ALEGRETE RS ALVORADA 2232081 HOSPITAL DE ALVORADA RS ANTONIO PRADO 2241072 HOSPITAL

Leia mais

SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0

SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0 SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0 Emitido em: 27/06/2014 Municipio CRS Valor pago ACEGUA 07 140,00 AGUA SANTA 06 120,00 AGUDO 04 1.530,00

Leia mais

16 de fevereiro (Dia do Mun.) 04 de junho (C. Christi) 25 de julho (Dia do Colono) 31 de outubro (Dia da Reforma) 04 de junho (C.

16 de fevereiro (Dia do Mun.) 04 de junho (C. Christi) 25 de julho (Dia do Colono) 31 de outubro (Dia da Reforma) 04 de junho (C. FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2015 Dados atualizados em NOVEMBRO/2015 Conforme Ato nº 12/2014 Órgão Especial, não haverá expediente no Tribunal de Justiça e nos serviços forenses de primeira instância

Leia mais

CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS

CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS Cidade Aceguá Rosário do Sul 277 km 3h22min Agudo São Sepé 106 km 1h42min Alegrete Rosário do Sul 102 km 1h15min Alto Feliz Novo Hamburgo 62,5 km 1h05min Alvorada Sapucaia

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE

REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE REGULAMENTAÇÃO DO FINANCIAMENTO DA SAÚDE O QUE É A EMENDA 29? Foi promulgada no ano de 2000 e considerada uma grande conquista social vez que vinculou recursos públicos para o financiamento da Saúde dos

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

AUTORES: SHEILA DONIN NELTON CARLOS CONTE

AUTORES: SHEILA DONIN NELTON CARLOS CONTE UM ESTUDO DO INVESTIMENTO PÚBLICO EM EDUCAÇÃO BÁSICA E O DESEMPENHO DOS ALUNOS EM AVALIAÇÕES NACIONAIS NOS MUNICÍPIOS PERTENCENTES À ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA ENCOSTA SUPERIOR DO NORDESTE DO RIO GRANDE

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social.

O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS

I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS I Carta do Fórum dos Conselhos Municipais de Educação- RS Os Conselhos Municipais de Educação do Rio Grande do Sul, reunidos no Fórum Estadual de CMEs-RS, nos dias 26 e 27 de Outubro de 1995, após a realização

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RS. EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013.

GOVERNO DO ESTADO DO RS. EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013. GOVERNO DO ESTADO DO RS EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013. Investimento geral em educação na atual gestão R$ 17.826.973.025,67 Eixos de destaque:

Leia mais

21.05.1878 Lei n. 1152 restabeleceu a Comarca de Caçapava, tendo como termo

21.05.1878 Lei n. 1152 restabeleceu a Comarca de Caçapava, tendo como termo &20$5&$&$d$3$9$'268/ &5,$d 2LEI N. 185 DE 22 DE OUTUBRO DE 1850. LEI N. 1152 DE 21 DE MAIO DE 1878. DECRETO N. 41, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1894. '$7$'(,167$/$d 2 (1'(5(d2'$6('('2)252 Rua Lúcio Jaime, 387

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM TURISMO E HOSPITALIDADE COORDENAÇÃO UCS DO PROJETO VINCULADO AO EDITAL PRÓ-INTEGRAÇÃO Nº 55/2013

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM TURISMO E HOSPITALIDADE COORDENAÇÃO UCS DO PROJETO VINCULADO AO EDITAL PRÓ-INTEGRAÇÃO Nº 55/2013 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM TURISMO E HOSPITALIDADE COORDENAÇÃO UCS DO PROJETO VINCULADO AO EDITAL PRÓ-INTEGRAÇÃO Nº 55/2013 CHAMADA PÚBLICA Nº 001/2016 PPGTURH ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA BOLSA

Leia mais

LOCAIS ATENDIMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO RS

LOCAIS ATENDIMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO RS LOCAIS ATENDIMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO RS Local atendimento Telefones Município Hospital de Alvorada Alvorada Hospital Municipal de Pronto Dr. Nelson Marchezan Canoas Hospital

Leia mais

Rede credenciada do IPERGS que realiza exames de mamografia

Rede credenciada do IPERGS que realiza exames de mamografia Rede credenciada do IPERGS que realiza exames de mamografia NOME PRESTADOR IRM STA CASA DE CARIDADE DE ALEGRETE HOSPITAL DE LIMA VITA IMAGEM DIAGNOSTICO POR IMAGEM LTDA CENTRO VERANENSE DE DIAGN PRO-SAUDE

Leia mais

Campanha Nacional dos Bancários 2009

Campanha Nacional dos Bancários 2009 ALEGRETE -PAB Centro Administrativa da Prefeitura BAGÉ -Ag.Centro -PAB Justiça do Trabalho BENTO GONÇALVES CACHOEIRA DO SUL CAMAQUÃ -Ag Cidade Alta -Ag. Cachoeira do Sul -PAB Justiça do Trabalho Ag. Camaquã

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS.

PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS. PASSO A PASSO PARA A EXECUÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS ELETIVOS. Este documento tem por objetivo orientar Estados, Distrito Federal e Municípios como proceder no planejamento dos procedimentos Cirúrgicos

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

Guia de Rede Credenciada

Guia de Rede Credenciada Unifácil Atenção: Clientes do plano Unifácil podem utilizar o sistema de busca para consultar a rede credenciada de urgência e emergência. Mais informações podem ser obtidas na Central de Agendamentos

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PRESÍDIO ESTADUAL DE ALEGRETE

PRESÍDIO ESTADUAL DE ALEGRETE DIAS E HORÁRIOS DE VISITAS EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS DO ESTADO ATENÇÃO: CONSULTAR O REGULAMENTO GERAL QUANTO ÀS CONDIÇÕES DE INGRESSO CIDADE ESTABELECIMENTO PRISIONAL DIAS, HORÁRIOS E OUTRAS OBSERVAÇÕES

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB FGV. Debates. As tendências do Sistema Único de Saúde

Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB FGV. Debates. As tendências do Sistema Único de Saúde Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Debates FGV As tendências do Sistema Único de Saúde Hospitais sem fins lucrativos Estabelecimentos de saúde que

Leia mais

Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS

Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS MACRORREGIÃO METROPOLITANA 430060 Alvorada 1 430087 Araricá 1 430310 Cachoeirinha 1 430390 Campo Bom 1 430460 Canoas 1 430640 Dois Irmãos 1 430760 Estância

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dra. Daiane da Silva Oliveira

PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dra. Daiane da Silva Oliveira PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Dra. Daiane da Silva Oliveira INTRODUÇÃO Publicação da Lei 12.732; Com a Publicação da Lei 12.732, que fixa o prazo máximo

Leia mais

Guia de Rede Credenciada

Guia de Rede Credenciada Unifácil Atenção: Clientes do plano Unifácil podem utilizar o sistema de busca para consultar a rede credenciada de urgência e emergência. Mais informações podem ser obtidas na Central de Agendamentos

Leia mais

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL.

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. Araújo Leônidas, Florentino Júnio; Iturri de La Mata, José Antonio; Queiroga de

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL SERVIÇOS

SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre 1 1 2 1 5 1-4 2 2 1 4 1 1 1 - Alegrete - 1 - - - - - - - - - - - - - - Alvorada - - 1 - - - 1 - - 1 - - - - - - Arroio do Sal - - 1 - - - - - -

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZACEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 Introdução Vera Maria Câmara Coelho 2 O estudo analisou os gastos nos Centros Especializados

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIONALIZAÇÃO NAS DIFERENTES REDES DE ATENÇÃO: COAP E REGIONALIZAÇÃO FERNANDO RITTER SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONTRATO ORGANIZATIVO DA AÇÃO

Leia mais

PLANO UNIFÁCIL EMPRESARIAL GLOBAL. Núcleos de Atendimento UNIFÁCIL: Atendimentos de urgência/ emergência:

PLANO UNIFÁCIL EMPRESARIAL GLOBAL. Núcleos de Atendimento UNIFÁCIL: Atendimentos de urgência/ emergência: PLANO UNIFÁCIL EMPRESARIAL GLOBAL Abrangência na Região Metropolitana de Porto Alegre, Costa Doce e Litoral Norte, com acomodações padrão enfermaria. Para consultas não há livre escolha de médicos e serviços,

Leia mais

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007

Matérias selecionadas do DOU de 05 de novembro de2007 Conteúdo: SEÇÃO 1...2 PORTARIA No- 2.831, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...2 PORTARIA No- 2.834, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...4 PORTARIA No- 2.835, DE 1o- DE NOVEMBRO DE 2007...5 PORTARIA Nº 600, DE 1o- DE

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES EDITAL Nº 1/GM/MS, DE 4 DE AGOSTO DE 2015. ADESÃO DE ENTES FEDERADOS E INSTITUIÇÕES À CONCESSÃO DE BOLSAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA 1.

Leia mais

Porto Alegre. Instituição Endereço Fone Fax. Av. Bento Gonçalves, 3722 Bairro Partenon Cep: 90650.001

Porto Alegre. Instituição Endereço Fone Fax. Av. Bento Gonçalves, 3722 Bairro Partenon Cep: 90650.001 Porto Alegre Uniddes Dispensdors de Medicmentos ARV ADS-Ambultório de Dermtologi Snitári Av. João Pesso, 1327 Birro Cidde Bix Cep: 94-1 (51) 391-1432 (51) 391-1457 (51) 391-1423 Hospitl de Clínics de Porto

Leia mais

RADIOGRAFIA DOS HOSPITAIS MUNICIPAIS ABRIL/2013

RADIOGRAFIA DOS HOSPITAIS MUNICIPAIS ABRIL/2013 11 UMA RADIOGRAFIA DOS HOSPITAIS MUNICIPAIS ABRIL/2013 A Confederação Nacional de Municípios (CNM), preocupada com a realidade da Saúde Pública no Brasil e com as discussões em torno da qualidade dos serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 883, DE 5 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o Decreto nº 7.082, de 27 de janeiro de 2010, que institui o Programa Nacional de Reestruturação

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO

MINISTÉRIO DO TURISMO Informativo para Pactuação de Cursos FIC do Eixo Hospitalidade e Lazer e Eixo Desenvolvimento Educacional e Social Idiomas: inglês e espanhol Tendo em vista a preparação do Programa Nacional de Qualificação

Leia mais

Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS

Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS Conselho Nacional de Procuradores Gerais - CNPG Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH Comissão Permanente de Defesa Da Saúde - COPEDS ENUNCIADOS SOBRE TERCEIRIZAÇÃO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE Enunciado

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

ANEXO ÚNICO 1ª CRE - PORTO ALEGRE 2ª CRE - SÃO LEOPOLDO

ANEXO ÚNICO 1ª CRE - PORTO ALEGRE 2ª CRE - SÃO LEOPOLDO ANEXO ÚNICO 1ª CRE - PORTO ALEGRE PORTO ALEGRE 1a/4a LP/CONHEC. LING. GUARANI 1a/4a LP/CONHEC. LING. KAINGANG ED ESP - DEFIC AUDITIVA/LIBRAS ED ESP - DEFIC MENTAL ED ESP - DEFIC MULTIPLA ED ESP - DEFIC

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL ASS: Cadastro e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias

Leia mais

Os Consórcios Públicos como Ferramenta de Gestão de Serviços Públicos

Os Consórcios Públicos como Ferramenta de Gestão de Serviços Públicos Os Consórcios Públicos como Ferramenta de Gestão de Serviços Públicos Silvio Barros Prefeito de Maringa prefeito@maringa.pr.gov.br Conceito Reunião de pessoas físicas ou jurídicas que por meio de uma administração

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO

MINISTÉRIO DO TURISMO Informativo para Pactuação de Cursos FIC do Eixo Hospitalidade e Lazer e Eixo Desenvolvimento Educacional e Social Idiomas: inglês e espanhol Tendo em vista a preparação do Programa Nacional de Qualificação

Leia mais

REPASSE DE RECURSOS REFERENTES AOS NOVOS EXAMES DO COMPONENTE PRÉ-NATAL E TESTE RÁPIDO DE GRAVIDEZ DA REDE CEGONHA

REPASSE DE RECURSOS REFERENTES AOS NOVOS EXAMES DO COMPONENTE PRÉ-NATAL E TESTE RÁPIDO DE GRAVIDEZ DA REDE CEGONHA Circular 597/2013 São Paulo, 04 de Dezembro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REPASSE DE RECURSOS REFERENTES AOS NOVOS EXAMES DO COMPONENTE PRÉ-NATAL E TESTE RÁPIDO DE GRAVIDEZ DA REDE CEGONHA Diário

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE SERVIÇOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE SERVIÇOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ ORGANIZAÇÃO DA REDE DE SERVIÇOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ APRESENTAÇÃO: LÚCIA STELA P. LOPES DE SOUZA CO-AUTORAS: ELISANGELA FARIAS ELIZABETE SILVANA WEIDILENE MORAES GRADUANDAS DO CURSO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311/14 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 311/14 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 311/14 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS

CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 214 1º quadrimestre CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS Fontes: Central de Transplantes do RS/Secretaria Estadual da Saúde Sistema de Informações Gerenciais - Sistema

Leia mais

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade PAI ASSOCIACAO SANTAMARENSE DE BENEFICENCIA DO GUARUJA / ASSOCIACAO SANTAMARENSE DE QUINTO BERTOLDI 40 VILA MAIA GUARUJA SP

Leia mais

Leonardo Rodrigues Silva Administrador de Sistemas e Serviços de Saúde, Pós-Graduando em Gestão de Investimentos em saúde (FIOCRUZ).

Leonardo Rodrigues Silva Administrador de Sistemas e Serviços de Saúde, Pós-Graduando em Gestão de Investimentos em saúde (FIOCRUZ). PROJETO DE VIABILIDADE PARA ELEVAR A ACESSIBILIDADE AOS EXAMES DE RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA (RNM), DO HOSPITAL CRISTO REDENTOR DO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO. (Trabalho de conclusão do curso de Pós-Graduação

Leia mais

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Apoio: Apoio: Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Cidreira Ciríaco Cruzeiro do Sul David Canabarro

Leia mais

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014. Infrahosp

CICLO DE INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA 14/07/2014. Infrahosp Infrahosp Julho 2014 1 Sumário Categoria:... 3 Temática... 3 Ementa... 3 Ideia... 4 Infrahosp... 4 Nome do Pré-Projeto:... 4 Órgão executor:... 4 Início / Término da implementação:... 4 Público-alvo:...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Credenciamento e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 Institui, no Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, o Componente de Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 172, DE 26 DE JANEIRO DE 2006

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 172, DE 26 DE JANEIRO DE 2006 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 172, DE 26 DE DE 2006 Homologa processo de adesão ao Programa de Reestruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no Sistema Único de Saúde

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria do PAC. Nota de Resposta a Requerimento recebido via Lei de Acesso à Informação

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria do PAC. Nota de Resposta a Requerimento recebido via Lei de Acesso à Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria do PAC Nota de Resposta a Requerimento recebido via Lei de Acesso à Informação Assunto: PAC 2 Creches e Pré-escolas 1. Quais foram os critérios

Leia mais

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 * Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569, de 1º de julho de 2000, que institui o Programa

Leia mais

Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS

Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS PAULO VAZ - DIRETOR GERAL NEWBD Conflito de interesse: Diretor Geral da NewBD, empresa especializada na produção de estudos com uso de

Leia mais

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS HOSPITAIS ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS SUS 240.430.247 1.753 TOTAL SUS LEITOS 170.869 126.883 (74%) INTERNAÇÕES SUS TOTAL 11.590.793 100% FILANTRÓPICOS

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES I - A Cooperativa de Economia e Credito Mútuo dos Funcionários dos Correios no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná CredCorreios, divulga o presente

Leia mais

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia?

Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Nº 186. Novembro de 2015 Qual a relação entre a fragilidade da política pública de saúde e o sobrelucro das mineradoras na Amazônia? Por Grazielle David, assessora política do Inesc Introdução A mineração

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2016

FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2016 FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2016 Dados atualizados em JANEIRO/2016 Conforme Ato DPGE nº 34/2015, não haverá expediente na Defensoria Pública do Estado nos Feriados Nacionais e dias de festa

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado HUMANIZAÇÃO E ACESSO DE QUALIDADE A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado Alexandre Mont Alverne 25/11/2015 Regulação Significado: Michaelis: Regular+ção: ato ou efeito de

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 060/15 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribui ções legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 060/15 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribui ções legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 060/15 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribui ções legais, e considerando: a Portaria GM/MS nº 874/13, que institui a Política Nacional de Pre venção e Controle

Leia mais

Conforme segue abaixo: LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990. Das Diárias

Conforme segue abaixo: LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990. Das Diárias Conforme segue abaixo: LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 Das Diárias Art. 58. O servidor que, a serviço, afastar-se da sede em caráter eventual ou transitório para outro ponto do território nacional

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTAS Nº 01/03

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTAS Nº 01/03 Inquérito Civil: Compromitente: Ministério Público do Estado de Mato Grosso Promotoria da Cidadania, Defesa Comunitária e do Consumidor Compromissados: Secretaria de Estado de Saúde e Fundação de Saúde

Leia mais

Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014

Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014 NOTA ORIENTATIVA 01/2014 GCOOR/GGCOF Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014 (Planejamento e Programação, Pactuação, Prestação de Contas e Monitoramento para fins de repasse financeiro)

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013 DEPLAN/SEDUC 1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013 Porto Alegre Outubro/2014 DEPLAN/SEDUC 2 Equipe

Leia mais

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade Ambulatorial ALERGIA E IMUNOLOGIA (ALERGOLOGISTA) CARDIOLOGISTA CIRURGIAO EM GERAL Pagina 1 de 8 CIRURGIAO VASCULAR CLINICO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO

NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO NOTA TÉCNICA 31 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO PARA FOMENTO E APRIMORAMENTO DAS CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA REDE DE FRIO Brasília, 16 de agosto de 2013 REPASSES FINANCEIROS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006.

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. Define o processo da Programação Pactuada e Integrada da Assistência em Saúde seja um processo instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU

Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Laboratório de Políticas Públicas Municipais (LPPM) Nota Técnica n 02 ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CARUARU Caruaru, 2013 Diretor Presidente da Associação Caruaruense de Ensino Superior Prof. Paulo Muniz Lopes

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL. SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016

BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL. SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016 BOLETIM INFORMATIVO N 1889 ACOMPANHAMENTO DE PREÇOS RECEBIDOS PELOS PRODUTORES DO RIO GRANDE DO SUL SEMANA DE 28/12/2015 a 01/01/2016 PREÇOS EM R$ PRODUTOS UNIDADE MÍNIMO MÉDIO MÁXIMO 50 Kg 37,00 40,32

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA MILITARES ESTABELECIMENTOS DE ENSINO CONVENIADOS EM PORTO ALEGRE

PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA MILITARES ESTABELECIMENTOS DE ENSINO CONVENIADOS EM PORTO ALEGRE PROGRAMA EDUCAÇÃO PARA MILITARES O QUE É? É o protocolo de intenções assinado entre o Ministério da Defesa e a Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (CONFENEN), entidade representante dos

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF Perguntas mais frequentes 1. O QUE É O NASF? 2. QUAIS PROFISSIONAIS PODEM COMPOR UM NASF? 3. COMO É DEFINIDA A COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES NASF NOS MUNICÍPIOS? 4. COMO

Leia mais

Índice de Desempenho da Saúde Suplementar - IDSS

Índice de Desempenho da Saúde Suplementar - IDSS Índice de Desempenho da Saúde Suplementar - IDSS Ano Base de 2014 Divulgação: Setembro 2015 Dimensões avaliadas do IDSS Atenção à Saúde: Avalia a qualidade da atenção, com ênfase nas ações de promoção,

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO Divisão de Recursos Humanos INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR Todas escolas da Rede Pública Estadual são conveniadas ao Ministério

Leia mais

Hospitais com Registros Hospitalares de Câncer Região Sul (atualizado em junho de 2009)

Hospitais com Registros Hospitalares de Câncer Região Sul (atualizado em junho de 2009) Hospitais com Registros Hospitalares de Câncer Região Sul (atualizado em junho de 2009) PARANÁ CASCAVEL Clinica Médica Nossa Senhora de Salete Rua Carlos de Carvalho, 4183 - Centro - Cascavel - PR Cep:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Ronaldo Nogueira) Dispõe o credenciamento de profissionais e de empresas da área de saúde, para o atendimento de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) em nível ambulatorial.

Leia mais