O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social."

Transcrição

1 O papel do gestor municipal na promoção da sustentabilidade urbana na produção da Habitação de Interesse Social. Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

2 SUSTENTABILIDADE URBANA O equacionamento das necessidades habitacionais no Brasil demanda programas de larga escala, que devem aliar: Sustentabilidade econômica (custo de produção e manutenção) Sustentabilidade social (rede de proteção social, acesso a equipamentos públicos e comunitários, ações de geração de emprego e renda) Sustentabilidade ambiental (redução de resíduos, de extração de matéria prima, de emissão de CO² na cadeia produtiva, de impacto no ciclo hidrológico e de consumo de energia nos edifícios) Sustentabilidade urbana

3 SUSTENTABILIDADE URBANA Sustentabilidade urbana, para os moradores e para a cidade, pressupõe a qualidade: da unidade habitacional - projetos arquitetônicos que, garantam conforto físico e sua durabilidade; do empreendimento permitir diferentes usos (mix de uso), atender a diferentes faixas de renda (mix de renda), integrar áreas verdes; na relação do empreendimento com a cidade integração com o tecido da cidade, acesso a serviços e equipamentos sociais, baixa necessidade de mobilidade;

4 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Temos o desafio de produzir, com sustentabilidade, milhões de unidades habitacionais, quebrando paradigmas e construindo cidades.

5 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Objetivo final da oferta de habitação de interesse social é garantia do direito constitucional a moradia......mas a produção da habitação de interesse social é também um instrumento para a promoção da sustentabilidade urbana. O Programa Minha Casa Minha Vida é instrumento que permite ao município incorporar o tema da sustentabilidade no planejamento urbano.

6 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA NOVOS DESFAIOS PARA OS MUNICÍPIOS A diversidade de modalidades, o ritmo e a incorporação do mercado privado como agente promotor da habitação impõem novos papéis e articulações mais efetivas do gestor local exige uma participação efetiva do gestor local como parceiro indutor, articulador e estruturador da implantação do PMCMV no município.

7 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA POTENCIALIDADES E RISCOS Como programa de larga escala, o PMCMV pode ser um importante instrumento para: Recuperar áreas degradadas, elevando a qualidade de vida dessas comunidades; Promover a ocupação de vazios urbanos; e Promover a expansão urbana seja feita de forma planejada. Porém, se não for inserido em um planejamento local adequado, pode implicar em riscos para a sustentabilidade social, urbanística e ambiental

8 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA POTENCIALIDADES E RISCOS O município na condição de gestor do território tem o papel de induzir que: Os empreendimentos dialoguem com as prioridades de atendimento apontadas no planejamento habitacional local; O porte e as tipologias dos empreendimentos sejam adequadas às características do município; A implantação dos empreendimentos seja condizente com a capacidade de atendimento de infraestrutura e serviços urbanos; A implantação dos empreendimentos esteja articulada à uma estratégia de geração de emprego e renda.

9 É papel do Município: PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PAPEL DOS MUNICÍPIOS Discussão e aprovação dos projetos propostos pelo setor privado; O diagnóstico da demanda por equipamentos e serviços e ações para suprir esta demanda; A organização e seleção dos beneficiários cadastro habitacional atualizado e com informações para aplicação dos critérios de seleção; O trabalho social - durante a construção e após a ocupação do empreendimento; E, também, a gestão estratégica do território...

10 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PAPEL DOS MUNICÍPIOS Uma gestão estratégica do território, permite que o município utilize-se do programa para o desenvolvimento social, econômico e ambiental do município; concilie os investimentos em habitação, com os investimentos em educação, saúde e transporte; garanta a sustentabilidade dos empreendimentos; seja indutor no processo de ocupação e desenvolvimento do território.

11 PMCMV 2 PAPEL DOS MUNICÍPIOS No Termo de Adesão o Ente se compromete a: Executar o Trabalho Social Instituir Grupo de Análise de Empreendimentos multidisciplinar Apresentar: Instrumento de Compromisso Relatório de Diagnóstico de Demanda por Equipamentos e Serviços Públicos e Urbanos Matriz de Responsabilidades

12 PMCMV 2 APROVAÇÃO DE PROJETOS Relatório de Diagnóstico da Demanda por Equipamentos Análise da necessidade de implantação de novos equipamentos para suprir a demanda a ser gerada pela implantação do empreendimento Estudo comparativo entre a demanda criada pelo empreendimento e a capacidade ociosa instalada nos equipamentos e serviços públicos existentes no entorno Realizado pelo Grupo de Análise de Empreendimentos, composto por representantes do município nas áreas de habitação, assistência social, educação, saúde, planejamento e transportes

13 PMCMV 2 APROVAÇÃO DE PROJETOS Matriz de Responsabilidades Descrição das medidas necessárias para o atendimento das demandas identificadas no Relatório Indicação dos responsáveis por implantar tais medidas Estabelecimento de cronograma de implementação Indicação de meios para seu atendimento

14 PMCMV 2 DIRETRIZES DE PROJETO Empreendimentos com mais de UH deverão ter garantidas áreas para implantação de equipamentos públicos; Empreendimento em condomínio terão máximo de 300 UH; Condomínios com mais de 60 UH terão 1% do investimento utilizado para construção de equipamentos de uso comum; Empreendimentos ou conjunto de empreendimentos a partir de UH deverão ser apresentados para a SNH/MCIDADES imediatamente após serem protocolados na IF para análise da concepção urbanística;

15 PMCMV 2 DIRETRIZES DE PROJETO Empreendimentos serão considerados contíguos quando a menor distancia entre seus perímetros for igual ou inferior a metros. Empreendimentos ficam limitados a um máximo de UH Empreendimentos localizados em zona de expansão urbana deverão estar contíguos à malha urbana e possuir no entorno áreas destinadas para atividades comerciais locais Projetos propostos em módulos ou etapas serão considerados como um único empreendimento Crianças em idade escolar deverão ser atendidas, por escolas preferencialmente no entorno do empreendimento

16 PMCMV 2 EQUIPAMENTOS O FAR poderá contratar equipamentos de educação, saúde, assistência social, segurança e outros a critério da SNH/MCidades, complementares à habitação; A edificação dos equipamentos observará as políticas setoriais federal, estaduais, distrital ou municipais; A contratação dos equipamentos deverá ser formalizada por meio da IF, com interveniência do Ente Público que assumirá a operação, a guarda e a manutenção do equipamento; A edificação dos equipamentos deverá ocorrer em área situada na poligonal do empreendimento e ser contratada simultaneamente à contratação das UH;

17 PMCMV 2 EQUIPAMENTOS Quando não inseridos na poligonal do empreendimento os equipamentos deverão ser dotados de infraestrutura externa; Os projetos arquitetônicos deverão respeitar os requisitos mínimos estabelecidos pelo responsável pela política setorial federal; Os valores máximos a serem pagos estão limitados aos estabelecidos pelos responsáveis pelas políticas setoriais federais; A soma dos valores a serem custeados pelo FAR para equipamentos está limitada a 6% do valor da edificação e infraestrutura do empreendimento.

18 PMCMV METAS E RESULTADOS META DE CONTRATAÇÃO 3,4 MILHÕES DE UNIDADES CONTRATADAS 2 MILHÕES DE UNIDADES ENTREGUES 1 MILHÃO DE UNIDADES Á CONTRATAR 1,4 MILHÕES DE UNIDADES INVESTIMENTO TOTAL REALIZADO (DEZ /2012) = R$ 156 BILHÕES

19 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA IMPACTOS E POTENCIALIDADES DO PROGRAMA Res. Nova Esperança São José do Rio Preto SP unidades Empreendimento em área de expansão porém com sistema viário integrado ao viário existente; Empreendimento de grande porte mas com previsão de equipamentos escola e creche; Áreas de lazer implantadas no antigo canteiro de obras, aproveitando a estrutura existente. Áreas produtivas - implantação de um pequeno distrito empresarial próximo ao empreendimento geração de emprego, onde serão implantadas também áreas comerciais.

20 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA IMPACTOS E POTENCIALIDADES DO PROGRAMA Aparecida de Goiânia - GO Cerca de unidades distribuídas em 6 empreendimentos pulverizados Empreendimentos inseridos em áreas consolidadas Integração da política habitacional com as demais ações de planejamento urbano do município indução pelo município de ocupação de áreas infraestruturadas e com oferta de serviços e possibilidade de geração de renda. Empreendimentos propostos Pólos industriais

21 PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA IMPACTOS E POTENCIALIDADES DO PROGRAMA Parque municipal a ser implantado Goiânia - GO Residencial Conjunto Vera Cruz unidades Empreendimento inserido em bairro consolidado afastado do centro da cidade Empreendimento de grande porte porém distribuído em quadras para ocupar vazios urbanos existentes em bairro consolidado Construção em etapas Empreendimento ainda não contratado Bairro Consolidado - Casas 1ª Etapa Apartamentos e casas 2ª Etapa - Apartamentos Áreas verdes Comércio e Serviços Lotes de uso misto

22 PMCMV RESIDENCIAL BAIRRO CARIOCA RIO DE JANEIRO uh Bairro Carioca

23 PMCMV RESIDENCIAL BAIRRO CARIOCA RIO DE JANEIRO EQUIPAMENTOS COMUNITÁRIOS LINHA DO METRÔ/TREM

24 PMCMV RESIDENCIAL BAIRRO CARIOCA RIO DE JANEIRO

25 PMCMV RESIDENCIAL BAIRRO CARIOCA RIO DE JANEIRO

26 PMCMV RESIDENCIAL BAIRRO CARIOCA RIO DE JANEIRO

27 PMCMV PARANOÁ PARQUE BRASÍLIA uh Paranoá Parque

28 PMCMV PARANOÁ PARQUE BRASÍLIA Paranoá Parque Brasília DF unidades RESIDENCIAL INSTITUCIONAL COMERCIAL POSTO ADE ÁREAS VERDES EQUIPAMENTO DE GRANDE PORTE ÁREAS NÃO OCUPADAS Terreno doado pelo GDF Chamamento de empresas realizado pelo GDF com projeto urbanístico elaborado pelo ente público Previsão de áreas institucionais e comerciais Previsão de construção de equipamentos

29 PMCMV 2 RESULTADOS BRASIL POSIÇÃO DE CONTRATAÇÃO E ENTREGA: 15/06/2013 Renda Modalidade Contratação total Unidades Unidades Quantidade Valor Total Concluídas Entregues unidades Entidades FAR Oferta Pública FAIXA 1 Rural FAR Urbanização TOTAL FAIXA FAIXA 2 FAIXA 3 FGTS FGTS TOTAL - BRASIL

30 PMCMV 2 RESULTADOS RIO GRANDE DO SUL POSIÇÃO DE CONTRATAÇÃO E ENTREGA: 15/06/2013 Renda Modalidade Contratação total Unidades Unidades Quantidade Valor Total Concluídas Entregues unidades Entidades FAR FAIXA Oferta Pública Rural FAR Urbanização TOTAL FAIXA FAIXA FGTS FAIXA 3 FGTS TOTAL RS

31 PMCMV DESEMPENHO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Nome do município DIRETRIZ PMCMV 2 UH PMCMV 2 DIRETRIZ RESTANTE Alegrete Alvorada Araricá Arroio dos Ratos Bagé Bento Gonçalves Cachoeira do Sul Cachoeirinha Camaquã Campo Bom Canguçu Canoas Capão da Canoa Capela de Santana Carazinho Carlos Barbosa

32 PMCMV DESEMPENHO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Nome do município DIRETRIZ PMCMV 2 UH PMCMV 2 DIRETRIZ RESTANTE Caxias do Sul Charqueadas Cruz Alta Dois Irmãos Eldorado do Sul Erechim Estância Velha Esteio Estrela Farroupilha Flores da Cunha Frederico Westphalen Garibaldi Glorinha Gravataí Guaíba

33 PMCMV DESEMPENHO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Nome do município DIRETRIZ PMCMV 2 UH PMCMV 2 DIRETRIZ RESTANTE Guaporé Igrejinha Ijuí Ivoti Lajeado Marau Montenegro Nova Hartz Nova Santa Rita Novo Hamburgo Parobé Passo Fundo Pelotas Portão Porto Alegre Rio Grande

34 PMCMV DESEMPENHO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Nome do município DIRETRIZ PMCMV 2 UH PMCMV 2 DIRETRIZ RESTANTE Rolante Santa Cruz do Sul Santa Maria Sant'Ana do Livramento Santa Rosa Santo Ângelo Santo Antônio da Patrulha São Borja São Gabriel São Jerônimo São Leopoldo São Sebastião do Caí Sapiranga Sapucaia do Sul

35 PMCMV DESEMPENHO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Nome do município DIRETRIZ PMCMV 2 UH PMCMV 2 DIRETRIZ RESTANTE Taquara Teutônia Torres Triunfo Uruguaiana Vacaria Venâncio Aires Viamão TOTAL Base de dados: 15/06/2013

36 Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades Informações

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

Informações de Mercado

Informações de Mercado Informações de Mercado 04 de julho de 2013 Informações de Mercado Relevância do CI no desenvolvimento do país (*) Projeções Banco do Brasil (**) Projeção da ABECIP até 2015 e estimativa Dimob até 2016

Leia mais

Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social.

Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social. Rumo à Cidade Sustentável: promovendo a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida na produção da Habitação de Interesse Social. Júnia Santa Rosa Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Apoio: Apoio: Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Cidreira Ciríaco Cruzeiro do Sul David Canabarro

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO A Capital: capital = principal; sede do governo estadual; onde são tomadas as decisões de interesse do estado;

Leia mais

MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios

MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios Desafios do PMCMV Sustentabilidade, Perenidade e Imagem O sucesso do PMCMV depende da produção de moradias bem localizadas, servidas de infraestrutura,

Leia mais

SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0

SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0 SECRETARIA DA SAÚDE - Fundo Estadual de Saúde Valores PAGOS - referente ao processo 051790-2000/14-0 Emitido em: 27/06/2014 Municipio CRS Valor pago ACEGUA 07 140,00 AGUA SANTA 06 120,00 AGUDO 04 1.530,00

Leia mais

16 de fevereiro (Dia do Mun.) 04 de junho (C. Christi) 25 de julho (Dia do Colono) 31 de outubro (Dia da Reforma) 04 de junho (C.

16 de fevereiro (Dia do Mun.) 04 de junho (C. Christi) 25 de julho (Dia do Colono) 31 de outubro (Dia da Reforma) 04 de junho (C. FERIADOS MUNICIPAIS NAS COMARCAS DO RS/2015 Dados atualizados em NOVEMBRO/2015 Conforme Ato nº 12/2014 Órgão Especial, não haverá expediente no Tribunal de Justiça e nos serviços forenses de primeira instância

Leia mais

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades 29ª. Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção Novembro 2013

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE

SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE SÍNTESE: PESQUISA DE MEIOS DE HOSPEDAGEM IBGE Divisão de Informações e Estudos Estratégicos do Turismo Secretaria do Turismo Governo do Estado do Rio Grande do Sul Agosto 2013 EQUIPE TÉCNICA Governador

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA A produção de Habitação de Interesse Social na promoção do desenvolvimento urbano

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA A produção de Habitação de Interesse Social na promoção do desenvolvimento urbano PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA A produção de Habitação de Interesse Social na promoção do desenvolvimento urbano Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

INÊS MAGALHÃES. Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVOS Estimular a provisão de habitação de interesse social em larga escala e em todo o território;

Leia mais

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES UF MUNICIPIO CNES NOME RS AGUDO 2234386 HOSPITAL AGUDO RS ALEGRETE 2248328 SANTA CASA DE ALEGRETE RS ALVORADA 2232081 HOSPITAL DE ALVORADA RS ANTONIO PRADO 2241072 HOSPITAL

Leia mais

CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS

CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS CIDADES MAIS PRÓXIMAS DOS PÓLOS Cidade Aceguá Rosário do Sul 277 km 3h22min Agudo São Sepé 106 km 1h42min Alegrete Rosário do Sul 102 km 1h15min Alto Feliz Novo Hamburgo 62,5 km 1h05min Alvorada Sapucaia

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ALESSANDRA D AVILA Diretora do Departamento de Urbanização de Assentamentos Precários Rio de Janeiro/RJ, 03 de Setembro de 2015 AVANÇOS

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL. A Energia do Futuro Mais Perto de Você!

Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL. A Energia do Futuro Mais Perto de Você! Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL A Energia do Futuro Mais Perto de Você! SULGAS Estrutura Acionária 49% PETROBRAS Capital Social 51% RS Histórico da SULGAS Até 1988 distribuição e comercialização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311/14 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 311/14 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 311/14 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RS. EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013.

GOVERNO DO ESTADO DO RS. EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013. GOVERNO DO ESTADO DO RS EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013. Investimento geral em educação na atual gestão R$ 17.826.973.025,67 Eixos de destaque:

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Porto Alegre (1 vaga) Área: Assessoria de Planejamento

ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Porto Alegre (1 vaga) Área: Assessoria de Planejamento SISTEMA FECOMÉRCIO-RS SELECIONA: O Senac-RS Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, Administração Regional no Estado do Rio Grande do Sul, está selecionando profissionais para desenvolver suas atividades

Leia mais

Programas Governamentais para Habitação de Interesse Social

Programas Governamentais para Habitação de Interesse Social Programas Governamentais para Habitação de Interesse Social Financiamento e repasse governamental para Habitação de Interesse Social Evaniza Rodrigues 29/10/2013 MCMV FAR MCMV Entidades - FDS PNHR FGTS

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS

Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS Municípios do RS que realizam fisioterapia SUS/RS MACRORREGIÃO METROPOLITANA 430060 Alvorada 1 430087 Araricá 1 430310 Cachoeirinha 1 430390 Campo Bom 1 430460 Canoas 1 430640 Dois Irmãos 1 430760 Estância

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3. 05 de junho de 2014

Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3. 05 de junho de 2014 Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3 05 de junho de 2014 INSERÇÃO URBANA E QUALIFICAÇÃO DOS PROJETOS URBANÍSTICOS E DE ARQUITETURA (parâmetros) PARCERIA ENTRE ATORES/ CADEIA

Leia mais

Campanha Nacional dos Bancários 2009

Campanha Nacional dos Bancários 2009 ALEGRETE -PAB Centro Administrativa da Prefeitura BAGÉ -Ag.Centro -PAB Justiça do Trabalho BENTO GONÇALVES CACHOEIRA DO SUL CAMAQUÃ -Ag Cidade Alta -Ag. Cachoeira do Sul -PAB Justiça do Trabalho Ag. Camaquã

Leia mais

SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL SERVIÇOS

SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL SERVIÇOS DE ATENDIMENTO À MULHER - RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre 1 1 2 1 5 1-4 2 2 1 4 1 1 1 - Alegrete - 1 - - - - - - - - - - - - - - Alvorada - - 1 - - - 1 - - 1 - - - - - - Arroio do Sal - - 1 - - - - - -

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 0-3 SM PODER PÚBLICO 1 PMCMV 0 a 3 SM Poder Público - Construtoras ENTENDA O PROGRAMA O Programa consiste na aquisição de Terreno onde são construídas unidades habitacionais,

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

Plano de Saneamento Regional e Municipais

Plano de Saneamento Regional e Municipais 3º Seminário Internacional de Saneamento e 1ª Conferência Regional dos Planos de Saneamento do Consórcio Pró-Sinos Plano de Saneamento Regional e Municipais FEEVALE Novo Hamburgo 02 e 03/12/2013 Resíduos

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 Brasília, 3 de Novembro de 2015. ÁREA: Planejamento Territorial e Habitação TÍTULO: Novidades na operacionalização do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) em sua Terceria Fase

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO EM PERNAMBUCO

SEMINÁRIO ESTADUAL POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO EM PERNAMBUCO SEMINÁRIO ESTADUAL POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO EM PERNAMBUCO 29/10/2015 OS PROGRAMAS E PROJETOS ESTRATÉGICOS PARA INTEGRAÇÃO DA POLÍTICA URBANA EM PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIAS EM P

Leia mais

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas World Urban Forum 2010 Side Event Principais Conclusões do Eixo Físico-Urbanístico Consultor Sênior - Prof. Dr. João Sette Whitaker Ferreira Antecedentes históricos

Leia mais

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Objetivos Gerais: PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Melhorar as condições de vida dos moradores do MACIÇO DO MORRO DA CRUZ, a partir de investimentos em infra-estrutura e serviços sociais. Objetivos Específicos:

Leia mais

Governança Metropolitana no Brasil

Governança Metropolitana no Brasil Governança Metropolitana no Brasil Relatório de Pesquisa Caracterização e Quadros de Análise Comparativa da Governança Metropolitana no Brasil: análise comparativa das funções públicas de interesse comum

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI

SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI SOLUÇÕES CAIXA EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL Residencial Jacinta Andrade Teresina - PI SOLUÇÕES EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL A CAIXA tem um importante papel de contribuir na redução do déficit habitacional

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE DELEGADOS E SUPLENTES I - A Cooperativa de Economia e Credito Mútuo dos Funcionários dos Correios no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná CredCorreios, divulga o presente

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

Nº de Vagas para Cadastro reserva. Educador Social 04 40hs/semanais R$ 2.100,00

Nº de Vagas para Cadastro reserva. Educador Social 04 40hs/semanais R$ 2.100,00 Edital de Chamada Pública nº 01/2015 Convênio 792198/2013-SDH/PR Projeto: Promoção do Protagonismo de Crianças e Adolescentes no Estado do Rio Grande do Sul. A ASSOCIAÇÃO DE APOIO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

Leia mais

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios

Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios 1 Diagnóstico da violência, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), a partir da incidência de homicídios Alexandre da Silva Medeiros UFRGS Juan Mario Fandiño Marino UFRGS Pedro Vargas Fernandes

Leia mais

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Panorama Ciclo econômico do Pré-Sal Prioridade de Governo Sustentabilidade socioeconômica e ambiental Indústria offshore

Leia mais

Secretaria de Infraestrutura e Logística

Secretaria de Infraestrutura e Logística Secretaria de Infraestrutura e Logística Investimento - 2011 Geração Transmissão Distribuição Total CEEE Realizado2011 R$13.071,26 R$65.019,92 R$118.149,60 R$196.240,78 Plano de Investimentos 2012-2014

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DE 5 MUNICÍPIOS

PESQUISA-AÇÃO CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DE 5 MUNICÍPIOS PESQUISA-AÇÃO CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DE 5 MUNICÍPIOS O Projeto Um Plano Articulado para Cultura e Educação pretende colaborar para a formulação de um sistema educacional articulado entre as experiências

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Porto Alegre. Instituição Endereço Fone Fax. Av. Bento Gonçalves, 3722 Bairro Partenon Cep: 90650.001

Porto Alegre. Instituição Endereço Fone Fax. Av. Bento Gonçalves, 3722 Bairro Partenon Cep: 90650.001 Porto Alegre Uniddes Dispensdors de Medicmentos ARV ADS-Ambultório de Dermtologi Snitári Av. João Pesso, 1327 Birro Cidde Bix Cep: 94-1 (51) 391-1432 (51) 391-1457 (51) 391-1423 Hospitl de Clínics de Porto

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO Divisão de Recursos Humanos INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR Todas escolas da Rede Pública Estadual são conveniadas ao Ministério

Leia mais

Os interessados deverão enviar currículo pelo e-mail: rhcentrohistorico@senacrs.com.br

Os interessados deverão enviar currículo pelo e-mail: rhcentrohistorico@senacrs.com.br SISTEMA FECOMÉRCIO-RS SELECIONA: O Senac-RS Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, Administração Regional no Estado do Rio Grande do Sul, está selecionando profissionais para desenvolver suas atividades

Leia mais

"ANEXO I PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA RECURSOS DO FAR DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE UNIDADES HABITACIONAIS

ANEXO I PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA RECURSOS DO FAR DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE UNIDADES HABITACIONAIS PORTARIA N 518, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2013, (D.O.U. DE 11.11.2013) Dá nova redação à Portaria nº 168, de 12 de abril de 2013, do Ministério das Cidades, que dispõe sobre as diretrizes gerais para aquisição,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013

DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013 DEPLAN/SEDUC 1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO DIAGNÓSTICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO RIO GRANDE DO SUL - 2013 Porto Alegre Outubro/2014 DEPLAN/SEDUC 2 Equipe

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 Institui o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social - PMHIS, e dá outras providências A CÂMARA MANICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVOU

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação

Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação Seminário Nacional Capacitação para Gestores e Comunidades dos CEUS das Artes e Esportes Unificados Política Nacional de Habitação Brasília dezembro de 2014 GRAVES PROBLEMAS FUNDIÁRIOS Falta de registro

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR

MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES: A AUTOGESTÃO COLETIVA NA PRODUÇÃO DA MORADIA POPULAR Evaniza Rodrigues Jul/2011 Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as)

Leia mais

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA)

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA) 1 INTRODUÇÃO Este relatório consolida os principais resultados obtidos com a pesquisa sobre acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasileiras pesquisa Renavam, efetuada como parte integrante do

Leia mais

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av.

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. ÁREA 3-3 Limites e potencialidades limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. dos Estados e a free-way/ RS- 290. espaço adequado para novas atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE PROGRAMA ESCOLA ABERTA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE PROGRAMA ESCOLA ABERTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE PROGRAMA ESCOLA ABERTA 1. Princípios orientadores Fruto de um acordo de cooperação técnica entre o Ministério da Educação e a Unesco, o programa

Leia mais

ESTRATÉGIA SEBRAE PARA O DESENVOLVIMENTO DOS EMPRESÁRIOS

ESTRATÉGIA SEBRAE PARA O DESENVOLVIMENTO DOS EMPRESÁRIOS ESTRATÉGIA SEBRAE PARA O DESENVOLVIMENTO DOS EMPRESÁRIOS Fonte: Sebrae Mais prático Mais flexível Mais personalizado www.sebraemais.com.br Programa SEBRAETEC = Consultorias Tecnológicas O que

Leia mais

Perfil CAIXA 70,2. 65 Mil. 97,9 Empregados 5.564. Milhões de clientes. Anos de existência. Pontos de Atendimento

Perfil CAIXA 70,2. 65 Mil. 97,9 Empregados 5.564. Milhões de clientes. Anos de existência. Pontos de Atendimento Perfil CAIXA 152 Anos de existência 70,2 Milhões de clientes 65 Mil Pontos de Atendimento 5.564 Presente em todos os municípios brasileiros Mil 97,9 Empregados Eixos de Trabalho BANCO COMERCIAL PENHOR

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO Divisão de Recursos Humanos INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR Todas escolas da Rede Pública Estadual são conveniadas ao Ministério

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

PRESÍDIO ESTADUAL DE ALEGRETE

PRESÍDIO ESTADUAL DE ALEGRETE DIAS E HORÁRIOS DE VISITAS EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS DO ESTADO ATENÇÃO: CONSULTAR O REGULAMENTO GERAL QUANTO ÀS CONDIÇÕES DE INGRESSO CIDADE ESTABELECIMENTO PRISIONAL DIAS, HORÁRIOS E OUTRAS OBSERVAÇÕES

Leia mais

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo AlphaVille Urbanismo Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo História A história de um conceito de bem viver 1974 2008 História A história de um

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06257/2011/RJ COGAP/SEAE/MF Em 25 de março de 2011. Referência: Processo n.º 18101.000131/2011-85. Assunto: Distribuição Gratuita

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Minha Casa Minha Vida 2 Eng. Mário de Almeida, MBA em Real Estate pelo NRE Prof.Dr. Fernando Bontorim Amato, pesquisador do NRE A primeira

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas

Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas Uma Parceria do Governo do Estado do ES com o Governo Federal e Municípios Capixabas O maior Programa Habitacional da História do Espírito Santo Mais de R$ 800 Milhões de Investimentos em Habitação Os

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013

RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013 RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL 1. Dados Iniciais Estado: Goiás Município: Aparecida de Goiânia APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013 2. Dados da pessoa responsável pelo preenchimento

Leia mais

Trabalho Social nos Empreendimentos De Saneamento Básico

Trabalho Social nos Empreendimentos De Saneamento Básico Trabalho Social nos Empreendimentos De Saneamento Básico Brasília, 01 de Dezembro de 2015 Definição O Trabalho Social: 1) compreende um conjunto de estratégias, processos e ações, 2) é realizado a partir

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

21.05.1878 Lei n. 1152 restabeleceu a Comarca de Caçapava, tendo como termo

21.05.1878 Lei n. 1152 restabeleceu a Comarca de Caçapava, tendo como termo &20$5&$&$d$3$9$'268/ &5,$d 2LEI N. 185 DE 22 DE OUTUBRO DE 1850. LEI N. 1152 DE 21 DE MAIO DE 1878. DECRETO N. 41, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1894. '$7$'(,167$/$d 2 (1'(5(d2'$6('('2)252 Rua Lúcio Jaime, 387

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS

SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS SECRETARIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEAS VISÃO Ser referência na região norte na efetivação de políticas sociais que promovam o desenvolvimento regional com inclusão social. MISSÃO Contribuir

Leia mais

SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS

SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL FL.: 1 de 5 SERVIÇOS DE TELEFONIA MÓVEL PARA TELEMETRIA COM FORNECIMENTO DE CHIPS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 DATA: 12/03/13 19/03/13 08/04/13 10/07/13 EXECUÇÃO: DIEGO

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR

INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO Divisão de Recursos Humanos INSTITUIÇÕES DE ENSINO CONVENIADAS PARA FINS DE ESTÁGIO CURRICULAR Todas escolas da Rede Pública Estadual são conveniadas ao Ministério

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14 PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO I SEL SECRETARIA EXECUTIVA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS I SEC MANUAL DE EMPREENDIMENTOS DE GRANDE PORTE nr1 nr2 nr3 SÃO PAULO 2014 EMPREENDIMENTOS

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais