Plano de Saneamento Regional e Municipais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Saneamento Regional e Municipais"

Transcrição

1 3º Seminário Internacional de Saneamento e 1ª Conferência Regional dos Planos de Saneamento do Consórcio Pró-Sinos Plano de Saneamento Regional e Municipais FEEVALE Novo Hamburgo 02 e 03/12/2013

2 Resíduos Sólidos Urbanos Tópicos Diagnóstico -Consolidação de informações municipais Planilha de levantamento de dados. Prognóstico Projeção da população, geração per capita e composição dos RSU, etc. Definição de Metas x Metas para Região Sul (PLANARES) Proposição de Ações Municipais x Ações Associadas Tratamento de resíduos orgânicos, destinação final de rejeitos, etc.

3 Metas para Região Sul Plano Nacional (Agosto/2012) Meta Unidade Região Brasil Eliminação total dos lixões até 2014 % Sul Áreas de lixões reabilitadas % Brasil Sul RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Redução dos resíduos recicláveis secos dispostos em aterro Redução do percentual de resíduos úmidos disposto em aterros Recuperação de gases de aterro sanitário Potencial de 300 MW % % MW Brasil Sul Brasil Sul Brasil Sul Inclusão e fortalecimento da organização de catadores Municípios com cobrança por serviços de RSU, sem vinculação com o IPTU Catadores % Brasil Sul Brasil Sul

4 Metas para Região Sul - PLANSAB RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Meta Unidade Região Percentual de domicílios urbanos atendidos Brasil % por coleta direta de resíduos sólidos Sul Percentual de domicílios rurais atendidos por Brasil % coleta direta e indireta de resíduos sólidos Sul Percentual de municípios com presença de Brasil % lixão/vazadouro de resíduos sólidos Sul % de municípios com coleta seletiva de resíduos sólidos domiciliares % % de municípios que cobram taxa de lixo % Brasil Sul Brasil Sul

5 Diagnóstico preliminar Coleta seletiva MAPAS DIAGNOSTICO

6 Diagnóstico preliminar Triagem de recicláveis MAPAS DIAGNOSTICO

7 Diagnóstico preliminar Tratamento de orgânicos MAPAS DIAGNOSTICO

8 Diagnóstico preliminar Disposição final MAPAS DIAGNOSTICO

9 Município Diagnóstico preliminar Disposição final Nome da Unidade Município de disposição final Distância rodoviária da sede (km) Situação do aterro Propriedade Araricá Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 147 Licença de operação Privado Cachoeirinha REVITA São Leopoldo 33,4 Licença de operação Privado Campo Bom Aterro municipal Campo Bom - Licença de operação Municipal Canela Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 200 Licença de operação Privado Canoas REVITA São Leopoldo 21,7 Licença de operação Privado Caraá BRISA Tramandaí 53,6 Licença de operação Privado Dois Irmãos Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 135 Licença de operação Privado Estâncias Velha Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 126 Licença de operação Privado Esteio Sem informações - Glorinha BRISA Tramandaí 71,8 Licença de operação Privado Gramado Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 194 Licença de operação Privado Igrejinha Aterro municipal Igrejinha - Licença de operação Municipal Nova Hartz Aterro municipal Nova Hartz - Licença de operação Municipal Nova Santa Rita Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 107 Licença de operação Privado Novo Hamburgo Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 119 Licença de operação Privado Parobé Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 155 Licença de operação Privado Portão Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 125 Licença de operação Privado Riozinho BRISA Tramandaí 94,3 Licença de operação Privado Rolante Aterro municipal Rolante - Licença de operação Municipal Santo Antônio da Patrulha BRISA Tramandaí 82 Licença de operação Privado São Francisco de Paula Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 190 Licença de operação Privado São Leopoldo REVITA São Leopoldo - Licença de operação Privado Sapiranga Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 137 Licença de operação Privado Sapucaia do Sul Aterro Sanitário Municipal de Sapucaia do Sul Sapucaia do Sul - Licença suspensa Municipal Taquara Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 150 Licença de operação Privado Três Coroas Central de Resíduos Recreio Minas do Leão 170 Licença de operação Privado

10 Prognóstico Projeção da população Municípios ARARICÁ CACHOEIRINHA CAMPO BOM CANELA CANOAS CARAÁ DOIS IRMÃOS ESTÂNCIA VELHA ESTEIO GLORINHA GRAMADO IGREJINHA NOVA HARTZ NOVA SANTA RITA NOVO HAMBURGO PAROBÉ PORTÃO RIOZINHO ROLANTE SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA SÃO FRANCISCO DE PAULA SÃO LEOPOLDO SAPIRANGA SAPUCAIA DO SUL TAQUARA TRÊS COROAS

11 Geração Prognóstico Parâmetros adotados Faixa populacional (hab.) Taxa de Geração (kg/hab.dia) Menos de 50 mil 0,65 50 mil a 500 mil 0,8 Composição Faixa populacional (hab.) Matéria Orgânica Recicláveis Rejeitos/ Outros < % 20% 15% % 25% 15% > % 30% 15%

12 Ações Municipais x Ações Associadas Vantagens das ações associadas ou consorciadas: Ganho de escala, viabilizando tecnologias; Redução dos custos de implantação e de operação; Melhor planejamento e gerenciamento dos RSU; Redução de áreas impactadas.

13 Proposta de ações consorciadas Educação ambiental; Regulamentação e fiscalização dos serviços de saneamento; Contratação de serviços e aquisição de equipamentos e veículos; Centrais comercialização de materiais recicláveis; Centrais de tratamento de resíduos orgânicos; Transbordo de rejeitos; Destinação final de rejeitos; Diagnóstico de passivos ambientais;

14 Propostas Educação Ambiental Promover a educação ambiental, atendendo as demandas dos municípios e os princípios básicos da PNSB e a PNRS; Divulgar, promover e informar sobre a Logística Reversa; Promover a redução, reutilização, a reciclagem (3Rs); Criar programa regional de educação ambiental e saneamento nas escolas da rede pública e privada; Criar programas de sensibilização e promoção das atividades realizadas pelos serviços de limpeza pública e coleta de RS; Garantir em orçamento verba anual específica para programas de educação ambiental nos municípios, em valor igual a 2% sobre o valor total de despesas com serviços relacionados aos RS.

15 Regulamentação e fiscalização dos serviços de saneamento Propostas Criação de uma agência reguladora para as atividades de saneamento básico na bacia do Sinos: Controle de tarifas; Universalização dos serviços; Estabelecimento de padrões e normas para a prestação dos serviços; Fomento da competitividade; Controle de qualidade; Arbitramento dos conflitos, entre outros.

16 Regulamentação e fiscalização dos serviços de saneamento Aspectos vantajosos Equilíbrio: Tende a buscar um equilíbrio entre os interesses privados e as metas do setor público. Especialistas: Os responsáveis pela atividade regulatória devem ser conhecedores da atividade, garantindo eficiência regulatória. Neutralidade política: Tendem a atuar mais distantes dos interesses econômicos e políticos, atuando de acordo com critérios técnicos.

17 Contratação de serviços e aquisição de equipamentos e veículos Propostas Estudo da contratação conjunta de serviços como: Varrição, poda, capina, etc; Coleta domiciliar indiferenciada (regular) ou diferenciada (seletiva); Tratamento de resíduos; Disposição final de RSU. Aspectos vantajosos Redução de custos unitários; Padronização de procedimentos; Redução de áreas impactadas ambientalmente (passivos ambientais); Melhor fiscalização de contratos e serviços; Possibilidade de melhores tecnologias para a execução dos serviços (Exemplo: Coleta mecanizada conteinerizada).

18 Comercialização de materiais recicláveis Propostas Criação de uma central de gerenciamento, armazenamento e comercialização de materiais recicláveis Padronização de procedimentos administrativos e operacionais; Comercialização direta para a indústria recicladora (melhor aceitação); Criação de identidade própria e única; Promoção de capacitação; Maior facilidade para busca de parcerias; Maior capacidade de apoios públicos nas ações realizadas;

19 Especificações Tratamento de resíduos orgânicos Distância máxima percorrida entre o centro de massa do município e a unidade de compostagem Tecnologia adotada Capacidade instalada Porte mínimo 25 km Compostagem acelerada 25% superior a meta Equivalente a hab. Proposta de ações Coleta seletiva de orgânicos; Agrupamento de municípios para tratamento; Implantação de unidades regionais de compostagem acelerada.

20 Tratamento de resíduos orgânicos

21 Proposições Tratamento de resíduos orgânicos Município Gp Ação Cap. Inst. (t/ano) Ação Cap. Inst. (t/ano) Ação Cap. Inst. (t/ano) Ação Cap. Inst. (t/ano) Ação Cap. Inst. (t/ano) CANOAS 1 Instalação Ampliação Ampliação CACHOEIRINHA 2 Instalação Ampliação Ampliação SAPUCAIA DO SUL 3 Instalação Ampliação ESTEIO 3 NOVA SANTA RITA 3 NOVO HAMBURGO 4 Instalação Ampliação SÃO LEOPOLDO 5 Instalação Ampliação ESTÂNCIA VELHA 6 Instalação PORTÃO 6 CAMPO BOM 7 Adequação Ampliação SAPIRANGA 7 DOIS IRMÃOS 7 NOVA HARTZ 8 ARARICÁ 8 PAROBÉ 8 TAQUARA 8 ROLANTE 9 Adequação Ampliação Ampliação RIOZINHO 9 IGREJINHA 9 Instalação Ampliação Ampliação TRÊS COROAS 10 GRAMADO 10 Adequação Ampliação CANELA 11 SÃO FRANCISCO DE PAULA 11 SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA 12 Instalação Ampliação GLORINHA 12 CARAÁ 12 Adequação 3 Unidades 0 Unidades 0 Unidades 0 Unidades 0 Unidades Instalação 6 Unidades 2 Unidades 0 Unidades 0 Unidades 0 Unidades Ampliação 0 Unidades 2 Unidades 6 Unidades 4 Unidades 2 Unidades

22 Tratamento de resíduos orgânicos

23 Tratamento de resíduos orgânicos

24 Tratamento de resíduos orgânicos

25 Tratamento de resíduos orgânicos

26 Tratamento de resíduos orgânicos

27 Destinação Final Especificações Localização Tipo de resíduos Porte mínimo Tecnologia empregada Distânciamáxima entre centro de geração e unidade de disposição final Portão e Taquara Rejeitos Equivalente a habitantes Aterro Sanitário 100 km Proposições Instalações de Aterros Sanitários Capacidade dos aterros a serem instalados (t/dia) Portão Taquara Obs: Aterro Sanitário da -Companhia Riograndensede Valorizacaode ResiduosS/A em São Leopoldo, será mantido devido a um contrato já estabelecido.

28 Destinação Final Áreas disponíveis

29 Tratamento de resíduos orgânicos MAPAS

30 Transbordo Especificações Tipo de resíduos Especificações Rejeito Empregado quando distânciaentre centro de geração e unidade de disposição final têm distância rodoviária maior que 25km Proposições Implantação 2019 Cachoeirinha,Canoas, Campo Bom, Gramado, Rolante, São Francisco de Paula e Santo Antônio da Patrulha

31 Tratamento de resíduos orgânicos MAPAS

32 Biól. Melissa K. Izawa Eng. Quím. Guilherme A. Duarte

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO BOM

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO BOM PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO BOM Campo Bom/RS, 2012. 1 EQUIPE DO CONSÓRCIO PÚBLICO DE SANEAMENTO BÁSICO DA BACIA DO RIO DOS SINOS - PRÓ-SINOS Julio Dorneles Licenciado

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA

MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA MUNICÍPIO DE SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PROPOSTAS DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (RESUMO)

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Balanço dos cinco anos da Política Municipal de Mudança do Clima de São Paulo Rede Nossa São Paulo 20/05/2014 Plano de Metas da PMSP

Leia mais

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Caro, candidato(a) à prefeito(a), após mais de 20 anos de tramitação

Leia mais

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Lei 12.305/2010 Estão sujeitos à elaboração de plano de gerenciamento de resíduos sólidos: I - os geradores de resíduos sólidos previstos

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul

Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Apoio: Apoio: Alpestre Alto Feliz Ararica Bagé Brochier Butiá Cachoeirinha Campo Bom Canoas Capão da Canoa Capão do Leão Capivari do Sul Casca Caxias do Sul Cidreira Ciríaco Cruzeiro do Sul David Canabarro

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

PORTO ALEGRE 25/03/13. DAT - Ministério Público do Rio Grande do Sul

PORTO ALEGRE 25/03/13. DAT - Ministério Público do Rio Grande do Sul PORTO ALEGRE 25/03/13 DAT - Ministério Público do Rio Grande do Sul PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO ESGOTO - CARACTERÍSTICAS LOCAIS ESGOTO PLUVIAL x DRENAGEM PLUVIAL ESGOTO CLOACAL x ESGOTO SANITÁRIO SOLUÇÕES

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152

A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO (continuação) Profª Analiese Apelt Turma: 152 A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO A Capital: capital = principal; sede do governo estadual; onde são tomadas as decisões de interesse do estado;

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

Seminário Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos

Seminário Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos Seminário Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos NOVEMBRO/2010 Programas do Governo Federal operacionalizados pela CAIXA relacionados a Resíduos Sólidos Urbanos Mara Botelho Ulhoa Regional de

Leia mais

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA Funasa Programa de Cooperação Técnica Visa criar condições de sustentabilidade para o adequado atendimento populacional. Ênfase será conferida à qualificação dos investimentos

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 09 de Novembro 2011 Política Nacional de Resíduos Sólidos Responsabilidade Compartilhada entre Prefeituras, Empresas, Cidadãos e Catadores BRASIL ESTADO DE SÃO PAULO Região Metropolitana FONTE:

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SECOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS SECOS PROPOSTAS PARA REELABORAÇÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Texto de referência TEMA GESTÃO DOS RESÍDUOS SECOS 1 O processo de preparação

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE NOVO HAMBURGO

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE NOVO HAMBURGO PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE NOVO HAMBURGO Novo Hamburgo/RS, 2012. 1 EQUIPE DO CONSÓRCIO PÚBLICO DE SANEAMENTO BÁSICO DA BACIA DO RIO DOS SINOS - PRÓ-SINOS Julio Dorneles

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Pinhalzinho Aspectos Gerais Pinhalzinho Relação Pinhalzinho x CISBRA 5% dos habitantes do CISBRA 3% da pop. urbana do CISBRA 12% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Pinhalzinho 154,531

Leia mais

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Decreto 54.991/2014 (leis 12.305/2010, 11.445/2007 e 12.187/2009)

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO São Leopoldo/RS, 2012. 1 EQUIPE DO CONSÓRCIO PÚBLICO DE SANEAMENTO BÁSICO DA BACIA DO RIO DOS SINOS - PRÓ-SINOS Julio Dorneles

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

Eixo: LOGISTICA REVERSA

Eixo: LOGISTICA REVERSA PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS LEI 11.445/2007 Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS

Leia mais

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos 1 Diagnóstico regional Geração média resíduos na região: 1,0 kg/hab/dia Média nacional: 1,1 kg/hab/dia Alta temporada: acréscimo estimado em 54% do total gerado

Leia mais

DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA. www.granziera.com.br

DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA. www.granziera.com.br DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA www.granziera.com.br REGULAÇÃO: OBJETIVOS OBJETIVOS DA REGULAÇÃO estabelecer padrões e normas para a adequada prestação dos serviços e para a sadsfação dos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios. 10 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios. 10 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios 10 Fórum de Saneamento Estímulo à demanda por novos objetos Inviabilização do uso prolongado dos objetos É uma

Leia mais

Seminário. Remuneração pelos Serviços Prestados Cooperativas de Catadores/as de Material Reciclável. Instituto Pólis 29 de Abril de 2014.

Seminário. Remuneração pelos Serviços Prestados Cooperativas de Catadores/as de Material Reciclável. Instituto Pólis 29 de Abril de 2014. Seminário Instituto Pólis 29 de Abril de 2014 O projeto denominado Fortalecimento dos Catadores e Catadoras e Ampliação da Coleta Seletiva no Grande ABC foi gerado no âmbito da CoopCent ABC (Cooperativa

Leia mais

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988:

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PIGIRS Arcabouço legal Constituição Federal de 1988: Artigo 225 Lei Federal Nº 11.445/2007 e Decreto Federal Nº 7.217/2010; Lei Federal Nº 12.305/2010

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento MORUNGABA Aspectos Gerais - Morungaba CISBRA Relação Populacional Morungaba x CISBRA 4% dos habitantes do CISBRA 4% da pop. urbana do CISBRA 3% da pop. rural do CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Morungaba

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO OESTE

SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO OESTE ANÁLISE DAS DIVERSAS TECNOLÓGICAS DE TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL, EUROPA, ESTADOS UNIDOS E JAPÃO SITUAÇÃO DA GESTÃO E TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA REGIÃO CENTRO

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária Dados Estatísticos Guarulhos Região metropolitana Estado de São Paulo de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil Tem extensão territorial de 320 km², sendo composta por 47 Bairros

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO (leis 12.305/2010, 11.445/2007 e 12.187/2009) Implementando a Política Nacional de Resíduos Sólidos na Cidade de São Paulo PROCESSO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012

PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012 Junho / 2012 Guarulhos Região Metropolitana de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil 320 km²

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ - 2011 CURSO DE GERENCIAMENTO DE RSS LEI 12.305 DE 02 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e

Leia mais

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO SEMINÁRIO PREPARATÓRIO À XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES REGIÃO CENTRO-OESTE CUIABÁ, 02 DE SETEMBRO DE 2011 TEMA: POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Legislação Conceitos Atores Mobilização Social Reavaliação Prazos 1 LEGISLAÇÃO Constituição Federal Art. 23 É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos sólidos 19 de maio de 2015, às 9h

Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos sólidos 19 de maio de 2015, às 9h PALESTRA: Desafios da Responsabilidade Compartilhada pela Gestão de Resíduos PALESTRANTE: ANNELISE MONTEIRO STEIGLEDER PAINEL: DATA : Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos. Desafio para os Municípios

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS. Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos. Desafio para os Municípios Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS Coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos Desafio para os Municípios Cerca de 20% do que se joga no lixo é fruto do desperdício de resíduos orgânicos

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Março/2014

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Março/2014 PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Março/2014 Plano Estadual de Resíduos Sólidos Horizonte de atuação: 20 anos; Revisões: a cada 4 anos Estruturação: 1. Panorama dos Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo

Leia mais

Diretriz 01: Diretriz 01: Eliminação e recuperação de áreas irregulares de disposição final de RCC ( bota-fora ) em todo o território nacional.

Diretriz 01: Diretriz 01: Eliminação e recuperação de áreas irregulares de disposição final de RCC ( bota-fora ) em todo o território nacional. Diretriz 01: Diretriz 01: Eliminação e recuperação de áreas irregulares de disposição final de RCC ( bota-fora ) em todo o território nacional. Estratégias: 1. Estabelecimento de uma rede de monitoramento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Propostas Iniciais PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO (leis 12.305/2010, 11.445/2007 e 12.187/2009) Implementando a Política Nacional de Resíduos Sólidos na Cidade de

Leia mais

Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil

Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil Diagnóstico Analítico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Brasil OPAS - Ministério das Cidades Realização: Água e Vida Confiabilidade das Informações * Terminologia adotada * Informações técnicas * Qualidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Tecnologia em Cidades da América Latina. A Experiência do Município de São Paulo/SP - Brasil

Tecnologia em Cidades da América Latina. A Experiência do Município de São Paulo/SP - Brasil Tecnologia em Cidades da América Latina A Experiência do Município de São Paulo/SP - Brasil Silvano Silvério da Costa Presidente da AMLURB Autoridade Municipal de Limpeza Urbana de São Paulo São Paulo

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS PROPOSTAS PARA REELABORAÇÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Texto de referência TEMA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS 1 O processo de preparação

Leia mais

Políticas Setoriais. Base Legal. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Gestão Ambiental Políticas Setoriais

Políticas Setoriais. Base Legal. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Gestão Ambiental Políticas Setoriais Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Gestão Ambiental Políticas Setoriais Políticas Setoriais Políticas específicas, que estabelecem diretrizes para assuntos/temas específicos e/ou que

Leia mais

Índice. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07. Formas de Arrecadação... 09. Orçamento Municipal... 10

Índice. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07. Formas de Arrecadação... 09. Orçamento Municipal... 10 Carlos Rossin Índice 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07 Formas de Arrecadação... 09 Orçamento Municipal... 10 Agentes executores dos serviços... 13 Regulamentações...

Leia mais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais Eng. Marcos Montenegro Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção DF CLÁUSULA 7ª. (Dos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Cléber Lúcio da Silva Secretário Municipal de Meio Ambiente. Gestor Ambiental CREA: 166175D

APRESENTAÇÃO. Cléber Lúcio da Silva Secretário Municipal de Meio Ambiente. Gestor Ambiental CREA: 166175D APRESENTAÇÃO Cléber Lúcio da Silva Secretário Municipal de Meio Ambiente Gestor Ambiental CREA: 166175D Contato: 3534-5744 8371-7949 Email: sema@igarape.mg.gov.br A Secretaria de Meio Ambiente SECRETÁRIO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI ABELARDO LUZ - SC Agosto de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS PARA A RESTITUIÇÃO/RECUPERAÇÃO DE MATERIAIS Novembro de 2014 Salvador-BA ENTENDENDO AS DIFERENÇAS UNIÃO EUROPEIA (Parlamentarismo) BRASIL

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Bióloga MSc.. Andréa Garcia Geólogo Mattos Alem Roxo DIVISÃO

Leia mais

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO REGIÃO DO SERTÃO ALAGOANO 1º PARTE CAPACITAÇÃO TÉCNICA O que é o Plano de Resíduos? O que é o Plano de Resíduos?

Leia mais

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação)

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação) Educação ambiental e participação comunitária Modelo de projeto (estruturação) A problemática da coleta seletiva 3.2. Concepção geral do sistema projetado 3.3. Objetivos gerais 3.4. Objetivos específicos

Leia mais

O Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Baixo São Francisco Sergipano (Brasil): Avanços e Desafios

O Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Baixo São Francisco Sergipano (Brasil): Avanços e Desafios O Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Baixo São Francisco Sergipano (Brasil): Avanços e Desafios José Wellington Carvalho Vilar Dr. em Ordenamento Territorial pela Universidade de Granada

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS o o In In te g rr a d a R de es s e íd d í u o s ã t s Só Só l i i l d d e o o G s s Apoio: Proposta de Atuação na Cadeia da Reciclagem e na Gestão dos Resíduos Sólidos

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

III-216 PROPOSTA DO PLANO DE REGIONALIZAÇÃO PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO-MG

III-216 PROPOSTA DO PLANO DE REGIONALIZAÇÃO PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO-MG III-216 PROPOSTA DO PLANO DE REGIONALIZAÇÃO PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO-MG Cynthia Fantoni Alves Ferreira (1) Engenheira Civil, Mestre e Doutora em Saneamento,

Leia mais

Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP

Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP Edital de Consulta Pública Nº 02//2010 BNDES/FEP Análise das Diversas Tecnológicas de Tratamento e Disposição Final de Resíduos Sólidos no Brasil, Europa, Estados Unidos e Japão SEMINÁRIO RECIFE COORDENAÇÃO

Leia mais

Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios

Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios Lúcio Costa Proença Analista Ambiental Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Ministério

Leia mais

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS Texto de apoio à discussão sobre o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do município de Osasco Secretaria de Planejamento

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Bertrand Sampaio de Alencar Teresina, 12 de junho de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Marco

Leia mais

SindusCon-SP opina sobre mudanças do Plano Nacional de Resíduos Sólidos em audiência pública

SindusCon-SP opina sobre mudanças do Plano Nacional de Resíduos Sólidos em audiência pública Resíduos: atualizada Resolução do Conama A Resolução 307/2002 do Conama, que estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção, foi alterada pela Resolução Conama

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. A política Nacional de resíduos sólidos é muito importante na história do gerenciamento de

Leia mais