PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO"

Transcrição

1 Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para novas ações e medidas 1

2 Tecnologias de Informação e Comunicação Subprogramas mobilizadores SOFTWARE E SERVIÇOS TI Estratégia: focalização e conquista de mercados MICROELETRÔNICA Estratégia: focalização e conquista de mercados MOSTRADORES DE INFORMAÇÃO (DISPLAYS) Estratégia: focalização e conquista de mercados INFRA-ESTRUTURA PARA INCLUSÃO DIGITAL Estratégia: ampliação do acesso e focalização ADENSAMENTO DA CADEIA PRODUTIVA Estratégia: conquista de mercados (interno e externo) 2

3 Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Subprograma SOFTWARE E SERVIÇOS TI Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para resultados, ações e medidas 3

4 Software e Serviços TI Estratégias: focalização e conquista de mercados Objetivo: posicionar o Brasil como produtor e exportador relevante de software e serviços de TI Situação atual Metas Desafios Gestão - Exportações limitadas: US$ 800 milhões em 2007 (exportações mundiais: US$ 36 bilhões) - Mercado doméstico: US$ 9 bilhões, crescendo a 15% a.a. - Baixa participação de empresas brasileiras de tecnologia nacional no mercado interno - Oferta fragmentada, com grande número de MPEs - Janela de oportunidade para conquista de parcela do mercado off-shore - Exportações: US$ 3,5 bilhões em novos empregos formais até Serviços TI: consolidação de 2 grupos ou empresas de tecnologia nacional com faturamento superior a R$ 1 bilhão - Ampliar a inserção internacional - Incrementar o investimento em capacitação tecnológica - Fortalecer empresas brasileiras de tecnologia nacional apoiando consolidação empresarial - Consolidar e fortalecer a marca Brazil IT" MCT/MDIC 4

5 Software e Serviços TI: instrumentos existentes Desafios Instrumentos Fortalecer as empresas brasileiras de tecnologia nacional apoiando a consolidação empresarial BNDES: Prosoft, Linhas inovação, financiamento capitalização SEBRAE: Proimpe SENAI/MTE/MCT: formação e treinamento ABDI: ENTICs Incrementar o investimento em capacitação tecnológica FINEP: subvenção, crédito, capital de risco INPI: gestão da propriedade intelectual BNDES: Prosoft, apoio à inovação, financiamento, capitalização MCT: SIBRATEC Lei do Bem (11.196/05): à inovação ABDI: ENTICs Lei da ZFM (8.387/91): CNPq/CAPES: bolsas RHAE Lei de Inovação (10.973/04): à inovação Lei de Informática (10.176/2001): à inovação Ampliar a inserção internacional BNDES: Prosoft apoio à exportação Lei do Bem (11.196/05): à exportação - REPES PROEX APEX/MDIC: promoção comercial MRE: promoção comercial Consolidar e fortalecer a marca Brazil IT APEX/MDIC: promoção comercial MRE: promoção comercial INPI: gestão da propriedade intelectual ABDI: ENTICs 5

6 Software e Serviços TI (1/3) Ações Medidas Resp. Deduzir em dobro, para determinação da base de cálculo do IR e da CSLL, das despesas com Programas Acelerados de Capacitação de Pessoal MCT MF MDIC Desoneração Tributária Aperfeiçoar o REPES (Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação) - Eliminar a restrição de acesso para empresas usuárias do regime cumulativo de PIS/COFINS - Eliminar a exigência de uso de software exclusivo de controle - Reduzir para 50% do percentual de exportação requerido para usufruto dos MF/MCT MDIC Desonerar a folha de pagamentos - Reduzir a contribuição patronal para a seguridade social sobre a folha de pagamento para até 10% - Reduzir a contribuição para o Sistema S para até zero, de acordo com a participação das exportações no faturamento total da empresa MCT MDIC MF Apoio Financeiro e Capitalização Renovar e ampliar o Novo Prosoft - R$ 1 bilhão entre 2007/2010 Estender ao setor de software as condições previstas pelo Novo Revitaliza (taxa fixa com equalização) BNDES BNDES 6

7 Software e Serviços TI (2/3) Ações Medidas Resp. Formação de RH Instituir Programa Nacional de Formação de RH em TI MCT, MDIC MTE, MEC Qualidade e Certificação Instituir Programa Nacional de Qualidade e Avaliação da Conformidade de Software com aderência a padrões internacionais MDIC MCT Fomento a Exportação e Internacionalização das Empresas Brasileiras Criar Grupo de Trabalho para elaboração do Programa Nacional de Exportação e Internacionalização em TI MEDIDA NOVA (1) Organizar as atividades de promoção à exportações MDIC, MRE APEX MRE, APEX Foi definida 1 medida nova, passando o Programa a contar com 5 ações e 9 medidas. 7

8 Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Subprograma MICROELETRÔNICA Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para resultados, ações e medidas 8

9 Microeletrônica Estratégias: focalização e conquista de mercados Objetivo: ampliar produção local e exportações de componentes microeletrônicos Situação atual Metas Desafios Gestão - Déficit de US$ 11,45 bilhões na balança comercial do complexo eletrônico em 2007: componentes eletrônicos (US$ 5,5 bilhões), principalmente semicondutores (US$ 3,25 bilhões) - Implantar 2 empresas de fabricação de Circuitos Integrados (ou MEMS), envolvendo a etapa de front-end - Elevar número de Design Houses do programa CI Brasil de 7 para 14 e fortalecer a sua atuação - Implantar empresas brasileiras de base tecnológica Foco: Design Houses e ASICS - Converter Brasil em plataforma de exportação para grandes players internacionais. Foco: CI padronizados e foundries MCT/MDIC 9

10 Microeletrônica: instrumentos existentes Desafios Instrumentos Implantar empresas brasileiras de base tecnológica Foco: Design Houses e ASICS BNDES: apoio à inovação financiamento capitalização CNPq/CAPES: bolsas RHAE FINEP: subvenção crédito capital de risco INPI: gestão da propriedade intelectual Lei de Inovação (10.973/04): à inovação MCT: SIBRATEC Institutos do Milênio Lei do Bem (11.196/05): à inovação ABDI: articulação Lei /07 (PADIS): à produção SENAI: formação e treinamento SEBRAE: Proimpe Lei de Informática (10.176/2001): Converter Brasil em plataforma de exportação para grandes players internacionais. Foco: CI padronizados e foundries Lei /2007 (PADIS): à produção local de semicondutores APEX/MRE: promoção comercial MDIC/BNDES/ABDI: atração de investimentos estrangeiros BNDES: financiamento à exportação capitalização ABDI: articulação PROEX SUFRAMA: apoio à exportação 10

11 Microeletrônica (1/2) Ações Medidas Resp. Desoneração Tributária Aperfeiçoar o PADIS - Eliminar a restrição de acesso aos incentivos do Programa na aquisição de máquinas e equipamentos usados - Ampliar a aplicação do PADIS para outros dispositivos semicondutores (chip on board, componentes RFID e smart cards) MEDIDA NOVA (1) Reduzir as alíquotas do II sobre bens de capital e insumos para fabricação de circuitos integrados e displays MEDIDA NOVA (2) Incluir a redução da CSLL no art 4º, inciso III da Lei /2007 MCT MDIC MF MCT, MDIC MF MCT, MDIC MF, ABDI Fortalecer o Programa CI Brasil e modernizar os centros de P&D (incluindo tecnologia de processos) MCT/FINEP BNDES, ABDI Centros Tecnológicos CEITEC - Concluir a infraestrutura fabril até 30 de junho de Iniciar a produção de circuitos integrados até julho de 2009 MEDIDA NOVA (3) Elaborar e executar programa de modernização dos centros de P&D MCT/FINEP BNDES, ABDI MCT/FINEP 11

12 Microeletrônica (2/2) Ações Medidas Resp. Atração de Investimentos Implantar o PAIEM (Programa de Atração de Investimentos em Microeletrônica) - Identificar investidores potenciais - Organizar missões de fomento para divulgação do mercado brasileiro e dos instrumentos de apoio existentes - Apoiar à estruturação de operações de investimento direto externo em microeletrônica (incluindo jointventures) MDIC, MCT BNDES, ABDI MRE APEX Capacitação e Treinamento Formatar programa de capacitação de especialistas em projetos de CI e processos de manufatura de semicondutores Meta: formar especialistas até 2011 MCT/FINEP CNPq/MDIC CAPES BNDES,ABDI Foram definidas 3 medidas novas, passando o Programa a contar com 4 ações e 8 medidas. 12

13 Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Subprograma DISPLAYS Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para resultados, ações e medidas 13

14 Mostradores de Informação (Displays) Estratégias: focalização e conquista de mercados Objetivo: fomentar o desenvolvimento tecnológico e produção locais em displays e seus componentes Situação atual Metas 2010 Desafios Gestão - Substituição acelerada da tecnologia de displays produzidos no Brasil (CRTs), por LCD - Déficit comercial de displays US$ 1,5 bi (2007) - Utilização ubíqua de displays em informática, telecomunicações, eletrônica de consumo e eletrônica embarcada - Instalar uma empresa de manufatura de painéis delgados com tecnologia emergente - Instalar uma empresa fornecedora global para displays ou de seus insumos - Apoiar o desenvolvimento tecnológico e consolidação empresarial de empresas brasileiras: foco em tecnologias emergentes - Converter o Brasil em plataforma de exportação de grandes players internacionais: foco em tecnologias consolidadas MDIC/MCT 14

15 Displays: instrumentos existentes Desafios Instrumentos Apoiar o desenvolvimento tecnológico e consolidação de empresas brasileiras com foco em tecnologias emergentes BNDES: linhas inovação financiamento capital de risco INPI: gestão da propriedade intelectual FINEP: subvenção crédito capital de risco MCT: SIBRATEC Institutos do Milênio Lei de Inovação (10.973/04): à inovação ABDI: articulação Lei /2007 (PADIS): à produção CenPRA: rede BR-Display Lei de Informática (10.176/2001): INMETRO: caracterização e incubação de projetos Lei da ZFM (8.387/91): CNPq/CAPES: bolsas RHAE Converter o Brasil em plataforma de exportação de grandes players internacionais. Foco em tecnologias consolidadas BNDES: financiamento à exportação capitalização APEX/MDIC: promoção comercial Lei /2007 PADIS CenPRA: rede BR-Display INPI: gestão da propriedade intelectual Lei de Informática (1.176/91): SUFRAMA: apoio à exportação Lei de Inovação (10.973/04): à inovação PROEX 15

16 Displays (1/2) Ações Fortalecimento da Infraestrutura Tecnológica Apoio à Consolidação de Empresas Brasileiras Medidas Fortalecer e capitalizar Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI (atual denominação do CenPRA) - Apoiar a Rede Brasileira de Mostradores de Informação BR Display Formar GT com participação do setor privado Objetivo: identificar janelas de oportunidades (produtos e/ou componentes) para a entrada de empresas brasileiras em tecnologias emergentes de displays ( p.ex., OLEDs e seus componentes), onde barreiras à entrada ainda são predominantemente tecnológicas Duração do GT: 3 meses Resp. MCT, BNDES FINEP CNPq/CAPES MCT/CTI FINEP, MDIC BNDES, ABDI Entidades Representativas Financiamento e Capitalização Implantar o Programa Brasileiro de Displays, focado nos segmentos identificados pelo GT - Apoiar o desenvolvimento tecnológico e formação/ articulação de incubadoras e parques tecnológicos - Financiar a implantação de plantas-piloto e prototipagem de displays ou de seus componentes - Consolidar a estrutura patrimonial, apoio a empresas, SPEs, consórcios e joint-venture - Estruturar, fortalecer e capitalizar fundos de empresas emergentes (FEEs), Fundos de Venture Capital e Fundos de Investimento em Participação (FIPEs) - Estruturar Fundos de Investimentos em Participações e em Direitos Creditórios (FIDCIs) MCT FINEP MDIC BNDES ABDI Atração de Investimentos Implantar o PAIED (Programa de Atração de Investimentos em Displays) - Identificar investidores potenciais - Organizar missões de fomento para divulgação do mercado brasileiro e dos instrumentos de apoio existentes - Apoiar à estruturação de operações de investimento direto externo (incluindo joint-ventures) MDIC BNDES MCT MRE ABDI AÇÃO NOVA (1) Capacitação e Treinamento MEDIDA NOVA (1) Fortalecer a infraestrutura tecnológica MCT Foi definida 1 ação nova e 1 medida nova, passando o Programa a contar com 5 ações e 4 medidas. 16

17 Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Subprograma INFRAESTRUTURA PARA INCLUSÃO DIGITAL Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para resultados, ações e medidas 17

18 Infra-estrutura para a inclusão digital Estratégias: focalização e ampliação do acesso Objetivos: (i) ampliar acesso da população à infra-estrutura digital; (ii) fomentar desenvolvimento tecnológico e produção locais em equipamentos e componentes prioritários para ampla difusão da Banda Larga, equipamentos de informática e TV Digital no Brasil Situação atual Metas 2010 Desafios Gestão - Penetração de Internet: 17% dos domicílios brasileiros (PNAD 2007) - 22% dos domicílios brasileiros têm acesso a computadores pessoais (PNAD 2007) - Mercado incipiente de TV Digital - Ampliar o acesso à Internet para 25% dos domicílios brasileiros - Garantir o acesso à Banda Larga a 100% das escolas públicas urbanas em Dobrar a base instalada de computadores nos domicílios brasileiros - Oferecer serviços de interatividade na TV Digital terrestre para área de cobertura de 30 milhões de domicílios - Ampliar a capacidade instalada de Banda Larga (comunicações, ópticas, wireless e comunicações por rádio e satélite) - Elevar investimento em inovação em tecnologias prioritárias - Ampliar o acesso da população aos benefícios das TICs: banda larga, informática e TV Digital - Ampliar o uso de TICs pelas MPEs MCT 18

19 Infra-estrutura para a inclusão digital: instrumentos existentes Desafios Instrumentos Elevar investimento em inovação em tecnologias prioritárias FINEP: subvenção crédito capital de risco INPI: gestão da propriedade intelectual M. Com: FUNTTEL ABDI: ENTICs BNDES: linhas inovação financiamento capitalização MCT: SIBRATEC Lei de Inovação (10.973/04): à inovação SENAI: formação e treinamento Lei de Informática (1.176/91): incentivos fiscais Lei do Bem (10.973/04): à inovação CNPq/CAPES bolsas RHAE Ampliar capacidade em tecnologias prioritárias BNDES: PROTVD linhas inovação Financiamento capitalização Lei de ZFM (8.387/91) Lei do Bem (11.196/05): Lei /07 PADTV Lei de Informática (10.176/01): FINEP: subvenção crédito capital de risco M. Com FUST FUNTTEL FISTEL GSAC Anatel: metas de universalização Ampliar o acesso da população aos benefícios das TICs Lei do Bem /05): Incentivos fiscais Programa de Inclusão Digital ( Computador para todos ) BNDES: Cidadão Conectado PROTVD PMAT ABDI: ENTICs M. Com: FUST GESAC SENAI: formação e treinamento Ampliar o uso de TICs pelas MPEs BNDES: financiamento capitalização Cartão BNDES SENAI: formação e treinamento ABDI: ENTICs SEBRAE: Proimpe MCT: SIBRATEC 19

20 Infraestrutura para a inclusão digital (1/2) Ações Fomento à a Inclusão Digital Medidas Promover o novo programa Cidadão Conectado Computador para Todos (inclusão de notebooks) Promover o novo PROTVD-Programa de Apoio à Implementação do Sistema Brasileiro de TV Digital Financiar a aquisição de sistemas de informática nas escolas Financiar a aquisição de sistemas de informática e conectividades para as MPMEs MEDIDA NOVA (1): Ampliar para localidades os pontos do GESAC e implantar 1 Telecentro em cada município do País Resp. Casa Civil/PR MCT/MDIC MEC/BNDES MC/BNDES CEF/BB BNDES/MC MCT/MDIC BNDES MCT, Min. Com. ANATEL MEDIDA NOVA (2):Ampliar o prazo de validade do programa de inclusão digital da Lei do Bem MCT, MF Min. Com. Promoção do Investimento em Inovação Tecnológica MEDIDA NOVA (3) Priorizar recursos do FUNTTEL para as novas tecnologias convergentes, redes de alta velocidade, comunicação sem fio e interatividade MEDIDA NOVA (4) Fomentar o desenvolvimento tecnológico e industrial em telecomunicações MCT/FINEP MDIC/BNDES Min. Com. ANATEL MCT Min. Com. ANATEL 20

21 Infraestrutura para a inclusão digital Ações Medidas Resp. AÇÃO NOVA (1) Fomento à TV Digital MEDIDA NOVA (5): Oferecer sinal de TV Digital terrestre para área de cobertura de 30 milhões de domicílios MEDIDA NOVA (6): Apoiar o desenvolvimento de soluções interativas para TV digital MEDIDA NOVA (7): Incorporar a recepção de ISDB-T em equipamentos de acesso MCT, Min. Com. ANATEL Min. Com. Min. Com. Foram definidas 1 ação nova e 7 medidas novas. O programa passou a contar com 3 ações e 11 medidas 21

22 Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Subprograma ADENSAMENTO DA CADEIA PRODUTIVA em TICs Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para resultados, ações e medidas 22

23 Adensamento da cadeia produtiva em TICs Estratégias: conquista de mercados, focalização Objetivo: reduzir o déficit comercial dos setores de TICs no Brasil Situação atual Metas 2010 Desafio Gestão - Ampliação do déficit comercial de equipamentos de TICs: US$ 6,5 bilhões (2005), US$ 8,7 bilhões (2006) e US$ 11,45 bi 2007) - Penetração de importações (importações/consumo aparente) em 2005: 40% - Indústria de Equipamentos Eletrônicos: predominância de unidades de montagem com pouca agregação de partes, peças e componentes produzidos localmente -Reduzir a penetração de importações de TICs do complexo eletrônico: para 30 % - Interromper a trajetória ascendente do déficit comercial do complexo eletrônico Ampliar a inovação, capacidade instalada e produção local de TICs (incluindo: partes, peças e componentes) MDIC/MCT 23

24 Adensamento da cadeia produtiva: instrumentos existentes Desafio Instrumentos Ampliar a capacidade instalada e produção local de produtos de TICs (incluindo: partes, peças e componentes) Lei /2007: PATVD Lei do Bem (11.196/05): Lei de Informática (10.176/01): CNPq/ CAPES: bolsas RHAE Lei da ZFM (8.387/91): incentivos fiscais INPI: gestão da propriedade intelectual BNDES: PROTVD apoio à inovação financiamento capitalização ABDI: ENTICs FINEP: subvenção crédito capital de risco MCT: SIBRATEC Lei de Inovação (10.973/04): à inovação MDIC ABDI 24

25 Adensamento da cadeia produtiva (1/2) Ações Medidas Resp. Desoneração Tributária Definir o PPB de capacitores, resistores e placas de circuito impresso (em geral) para possibilitar o usufruto dos benefícios da Lei de Informática por parte de empresas instaladas no País MF, MCT MDIC Elaborar PACTIC Elaboração de Programa de Adensamento da Cadeia Produtiva em TICs (PACTIC) Identificar componentes eletrônicos e outros insumos passíveis de fabricação no Brasil, com a participação do setor privado - Critérios básicos de seleção: potencial de substituição de importações; identificação de gargalos de custo; potencial exportador e intensidade tecnológica - Definir estratégia de apoio à fabricação local dos componentes selecionados, articulando instrumentos existentes:, linhas de financiamento e instrumentos de capitalização - Articular instrumentos disponíveis para diversificação/ampliação da capacidade instalada de empresas existentes, e/ou formação de SPEs, consórcios e/ou joint-ventures MDIC MCT M. Com BNDES ABDI SUFRAMA NOVA AÇÃO (1) Desenvolvimento de Fornecedor NOVA MEDIDA (1) Incentivar o desenvolvimento de fornecedores com o objetivo de adensar verticalmente a cadeia, promover a instalação de novos fornecedores e fortalecer os existentes MDIC MCT BNDES Foram definidas 1 ação nova e 1 medida nova. O programa passou a contar com 3 ações e 3 medidas 25

26 Tecnologias de Informação e Comunicação PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MEDIDAS HORIZONTAIS AOS CINCO SUBPROGRAMA 26

27 Tecnologias de Informação e Comunicação MEDIDAS HORIZONTAIS AOS CINCO SUBPROGRAMA Ações Medidas Resp. Desoneração Tributária Permitir que as empresas de informática e automação possam deduzir da base de cálculo do IRPJ e da CSLL os dispêndios relativos a PD&I, multiplicados por um fator de até 1,8 MCT, MF MDIC Compras Públicas Atualizar a regulamentação do art. 3º da Lei de Informática: compras públicas de bens e serviços de informática MCT, MDIC MP, ABDI Estruturar Fundos de Investimento em Participações (FIPs) e Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs) BNDES Mercado de Capitais Apoio Financeiro e Capitalização Financiar e capitalizar as empresas, SPEs, consórcios e joint-ventures para viabilizar investimentos no setor Criar Programa de apoio financeiro e capitalização BNDES BNDES Financiar e capitalizar empresas FINEP, BNDES Mercado de Capitais 27

28 Tecnologias de Informação e Comunicação MEDIDAS HORIZONTAIS AOS CINCO SUBPROGRAMA Ações Medidas Resp. Promoção do Investimento Em Inovação Criar Grupo de Trabalho: Lei do Bem Objetivo: reduzir incerteza jurídica quanto à aplicabilidade dos incentivos à inovação tecnológica previstos na Lei do Bem (11.196/05), regulamentados pelo Decreto 5.798/06 Permitir que as empresas de informática e automação possam deduzir da base de cálculo do IRPJ e da CSLL os dispêndios relativos a PD&I, multiplicados por um fator de até 1,8 MDIC, MCT MF MF Centros Tecnológicos Fortalecer o Programa CI Brasil e modernizar os centros de P&D (incluindo tecnologia de processos) MCT/FINEP BNDES, ABDI Apoio às MPES Estruturar, fortalecer e capitalizar os Fundos de Empresas Emergentes (FEEs) e Fundos de Venture Capital Desenvolver e capitalizar as incubadoras e os parques tecnológicos, articulados com universidades e centros de pesquisa BNDES, FINEP Mercado de Capitais MCT/FINEP BNDES O Programa conta com 6 ações e 11 medidas horizontais aos cinco subprogramas. 28

29 TICs Áreas estratégicas para PD&I Desafios científico-tecnológicos e produtivos Nanotecnologia Engenharia de Interfaces Comunicações por Rádio e Satélite Displays flexíveis 8 Processamento Tecnologias Wireless Componentes optoeletrônicos Eletrônica Orgânica de Alto Desempenho 29

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Ministério da Ciência e Tecnologia Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Augusto Gadelha Secretário de Política de Informática Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91

Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91 Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91 Francisco Silveira Chefe de Divisão/CGTE/SEPIN MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Lei de Informática Lei 7.232 29.out.1984 Lei 8.248 23.out.1991 Lei 10.176

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO 1 Sumário OPORTUNIDADE PARA UMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO SÍNTESE DA PROPOSTA NÍVEL SISTÊMICO: PROJETOS E INICIATIVAS NÍVEL ESTRUTURAL: PROJETOS

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para novas

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS 1 Madeira e Móveis Estratégias: conquista de mercados, focalização, diferenciação e ampliação do acesso Objetivos:

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas PDP setembro/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA BIOETANOL Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS

PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS Os Programas Estruturantes um dos níveis da Política de Desenvolvimento Produtivo estão divididos em três eixos: os Programas Mobilizadores

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE SETOR DE BRINQUEDOS 1 Setor de Brinquedos Estratégias: Ampliação de Acesso e Conquista de Mercado Objetivos: 1 - Aumentar a competitividade; 2 - consolidar o

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE BIODIESEL 1 Biodiesel Estratégias: Ampliação de Acesso (inserção social e redução das disparidades regionais) Objetivos:

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades Exportação de Software e Serviços de TICs Panorama e Oportunidades Brasília, Novembro de 2008 André Limp Gestor de Projetos - Tecnologia MERCADOS DESENVOLVIDOS Sistema financeiro Seguradoras Gestão de

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Workshop 007 Tecnologia da Informação

Workshop 007 Tecnologia da Informação Workshop 007 Diretor, Softex Blumenau, November 20 th th 2007 Logo Empresa Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2007 QUESTÕES APRESENTADAS: 1) Como o Brasil desenvolve o setor de TI e quais os maiores desafios?

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO 1 Sumário OPORTUNIDADE PARA UMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO SÍNTESE DA PROPOSTA NÍVEL SISTÊMICO: PROJETOS E INICIATIVAS NÍVEL ESTRUTURAL: PROJETOS

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS ENERGIA NUCLEAR Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Alan Fischler Área Industrial Depto das Industrias de TICs 11/04/2012 Brasília

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Departamento de Tecnologias da Informação e Serviços DTIS Área de

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA PETRÓLEO, GÁS NATURAL E PETROQUÍMICA 1 Petróleo, Gás Natural e Petroquímica Estratégias: liderança mundial

Leia mais

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde Inova Saúde Equipamentos Médicos Agenda Diagnóstico da Indústria * - Condicionantes e tendências da demanda por saúde - Estrutura

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Exportações Objetivos: (i) aumentar o nº de empresas exportadoras; (ii) diversificar

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013 O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades Piracicaba, 21 de março de 2013 A ABIMAQ Uma das principais associações industriais do

Leia mais

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação Associação de empresas do setor eletroeletrônico de base tecnológica nacional Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação P&D Brasil - Quem somos Associação de empresas do setor

Leia mais

Financiamento das Iniciativas de Inclusão Digital

Financiamento das Iniciativas de Inclusão Digital Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Financiamento das Iniciativas de Inclusão Digital III IPAIT 07 / 06 / 2005 Mauricio Neves MSN@BNDES.GOV.BR Gerente Depto Indústria Eletrônica Área Industrial

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011 19ª. Plenária do Fórum Permanente Comitê Comércio Exterior 21 de julho de 2011 1. Atualização do Questionário de Gargalos à Exportação 2. Atualização das Estatísticas do Comércio Exterior de Bens e Serviços

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Padrão Digital TV e Rádio. Padrão Digital Visão da Indústria de Componentes. Toshihiko Komatsu

ABINEE TEC 2005. Padrão Digital TV e Rádio. Padrão Digital Visão da Indústria de Componentes. Toshihiko Komatsu Padrão Digital TV e Rádio Padrão Digital Visão da Indústria de Componentes Toshihiko Komatsu Vice-Diretor da Área de Componentes Elétricos e Eletrônicos ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014 Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País As Políticas Industrial e de Inovação no setor de Petróleo e Gás Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Política Industrial em Telecomunicações

Política Industrial em Telecomunicações Ministério das Comunicações Política Industrial em Telecomunicações Maximiliano Martinhão Secretário de Telecomunicações Ministério das Comunicações Brasília Maio/2013 Antecedentes Históricos 1997: Abertura

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica

Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica BNDES - Departamento de Indústria Eletrônica Lilian Ribeiro Mendes - lilian@bndes.gov.br II Workshop sobre os Efeitos das Radiações Ionizantes em Componentes Eletrônicos

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Apoio do BNDES ao Projeto de Circuitos Integrados Departamento de Indústria Eletrônica Área Industrial março/2007 BNDES: Dados Gerais Fundado

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Maurício Reis Santos AIB/DECAPEG Área de Insumos Básicos Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás DEMANDA POR PETRÓLEO: aumento

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

BALANÇO DA PITCE Avanços Conquistados e Desafios Imediatos

BALANÇO DA PITCE Avanços Conquistados e Desafios Imediatos BALANÇO DA PITCE Avanços Conquistados e Desafios Imediatos Conselho Deliberativo da ABDI 11 de abril de 2006 PITCE: induzir novo patamar competitivo na indústria Nem o fechamento e o protecionismo dos

Leia mais

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco

O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco O apoio do BNDES à Inovação por meio do Capital de Risco CNI-MEI São Paulo, 19 de outubro de 2015 Agenda Atuação da BNDESPAR em Capital de Risco Participações diretas Participações por meio de Fundos de

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego formal, crescimento da massa

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira

Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira Tendências Tecnológicas da Siderurgia Brasileira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Parte 1 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico Recomendações tecnológicas Parte 2 Proposta da ABM para ampliar sua participação

Leia mais

para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação Componentes Eletrônicos Augusto Gadelha Secretário

para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação Componentes Eletrônicos Augusto Gadelha Secretário Políticas e Estratégias para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação ão, Comunicação e Componentes Eletrônicos Augusto Gadelha Secretário rio de Política de Informática Política do MCT em Tecnologia

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

INTERNALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA MICROELETRÔNICA NO BRASIL

INTERNALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA MICROELETRÔNICA NO BRASIL INTERNALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA MICROELETRÔNICA NO BRASIL Josiane Fachini Falvo (CNI ) josifalvo@yahoo.com.br Marco Antonio Silveira (CTI/GAIA ) marco.silveira@cti.gov.br A indústria microeletrônica é considerada

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Aluysio Asti Superintendente da Área de Planejamento- BNDES Abril/2006 Marcos

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014

MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL. Brasília, 18 de junho de 2014 MEDIDAS DE POLÍTICA INDUSTRIAL Brasília, 18 de junho de 2014 1 Objetivos Fortalecer a indústria no novo ciclo de desenvolvimento econômico Estimular aumentos de produtividade e da competitividade Promover

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Programa de Atração de Investimentos

Programa de Atração de Investimentos 1 Programa de Atração de Investimentos Oficina de Trabalho da RENAI - Rede Nacional de Informação sobre o Investimento Brasília, 08 de Junho de. Antecedentes 2 O Governo Brasileiro quer dar prioridade

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009 Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil 6 de outubro de 2009 1 Agenda Estado da Indústria Nacional de Informática Estímulos à Indústria Nacional

Leia mais

O que pode ser financiado?

O que pode ser financiado? BNDES Automático Projetos de Investimento BNDES Automático Obras civis, montagem e instalações Móveis e Utensílios Estudos e projetos de engenharia associados ao investimento Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO 27 de outubro de 2006 Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e

Leia mais