HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO"

Transcrição

1 HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Marcela Lie Kawasaki Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

2 Introdução O tecido linfóide ide distribui-se se ao longo da lâmina própria pria em todo o tubo digestivo, apresentando uma maior concentração a partir do íleo terminal, local em que se formam as placas de Peyer O número n e o tamanho das placas de Peyer aumentam progressivamente durante a vida fetal, mas o crescimento mais rápido r ocorre nos três primeiros anos de vida Penna FJ, col. Rev. Med. Minas Gerais v.3 n4 out/dez 1993 Ottoni CMC. Doenças do aparelho digestivo na infância 1994

3

4 Introdução O aumento continua na puberdade, porém em menor escala, e após s esse período háh um progressivo declínio Ottoni CMC, Doenças do aparelho digestivo na infância 1994

5 Introdução Hiperplasia nodular linfóide ide (HNL) é caracterizada por numerosos nódulos n linfóides ides hiperplásicos na mucosa e submucosa intestinal É dividida em hiperplasia nodular linfóide ide difusa e focal envolvendo principalmente o íleo terminal e o reto A hiperplasia nodular linfóide ide difusa é rara, frequentemente associada a um maior risco de tumor gastrointestinal,, principalmente o linfoma Shteyer E, col. Pediatrics 2003 Ersoy E. Turk J Gastroenterol 2008; 19(4):

6 Durante muitos anos, a HNL tem sido considerada uma resposta a estímulos inespecíficos na mucosa, na maioria das vezes infecções e, conseqüentemente entemente,, tem sido considerada como um fenômeno fisiopatológico durante a infância Iacono G, col. Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007; 5:

7 Introdução Durante os últimos anos, a HNL caracteriza-se por acometer a mucosa do trato gastrointestinal de forma irregular, segmentar e/ou por aumento da densidade epitelial da fraçao ao γδ+ da célula T, tendo sido descrita em associação com alergia ao leite de vaca em crianças as de idade escolar, bem como hipersensibilidade com outros alimentos, como por exemplo a doença a celíaca Estes dois fenômenos são considerados uma indicação de exacerbação da resposta imune local contra antígenos de alimentos em uma certa proporção dessas crianças as Turunen S, col. The Journal of Pediatrics, november 2004

8 Introdução Tem sido relatada associação da HNL com vírus, bactérias ou infecções parasitárias, rias, bem como uma reação alérgica a vários v alimentos HNL pode estar relacionada com doença inflamatória intestinal e intussucepção intestinal recorrente Eyal Shteyer, col. Pediatrics 2003 Wu JF, col. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition 2004

9 Em adultos háh uma maior associação com imunodeficiências (hipogamaglobulinemia( ou infecção pelo vírus v da imunodeficiência humana) e linfoma Geralmente localizada no cólon c retossigmóide ide e no íleo terminal A verdadeira prevalência da HNL em indivíduos duos saudáveis permanece desconhecida, pois a colonoscopia é indicada apenas em pacientes com alta probabilidade de doenças específicas e com sintomas graves, tais como sangramento nas fezes ou diarréia de longa duração Kokkonen J, Karttunen TJ. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition 2002

10 Quadro clínico No estudo com 14 crianças, as, idades entre 8 meses e 12 anos, realizado por Penna e cols. em 1993, foram observados os seguintes sintomas: - Enterorragia (10/14) - Diarréia (5/14) - Distensão abdominal (2/14) - Encoprese (2/14) Penna FJ, col. Rev. Méd. Minas Gerais 1993

11 Colón e cols. demonstraram, em uma análise retrospectiva, que a queixa mais comum de pacientes com HNL era dor abdominal periumbilical (58%), a qual não era aliviada com a evacuação ou mudanças de hábitos alimentares A segunda queixa mais comum era hematoquezia (32%), sendo descrita como raias de sangue ou sangue vermelho vivo, principalmente no final das evacuações Outras queixas: diarréia crônica, febre baixa e anemia Colón AR, col. J. Clin. Gastroenterol 1991

12 Diagnóstico Exames inespecíficos - Velocidade de Hemosedimentação - Ferro séricos - Ferritina sérica - Parasitológico de fezes - Sangue oculto nas fezes - Hemograma Fagundes Neto U., Wehba J., Penna FJ., Gastroenterologia Pediátrica 1991

13 Diagnóstico Enema opaco com duplo contraste - Nota-se presença a de pequenos defeitos de enchimento sob forma de nodulações milimétricas, com um ponto de contraste no centro Penna FJ, Mota JAC, Otoni CMC. Ver. Méd. Minas Gerais 2003

14 Enema opaco com duplo contraste Turunen S, col. The Journal of Pediatrics, november 2004

15 Endoscopia digestiva alta e colonoscopia > Observam-se lesões polipóides ides sésseis, s sseis, com umbilicação central, que as diferenciam dos pólipos verdadeiros > Cápsula endoscópica: indicada para avaliação do íleo terminal, local de difícil acesso pelos aparelhos endoscópicos Penna FJ, col. Rev. Med. Minas Gerais 1993 Wu JF, col. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition 2004

16 Schwartz DC, col. Gastrointestinal Endoscopy 2003

17 Histologia Evidencia, nos locais acometidos, folículos linfáticos hiperplásicos com infiltração linfocitária perifolicular e centros germinativos aumentados, em tamanho e com intensa atividade mitótica tica Confirma o diagnóstico Penna FJ, Mota JAC, Otoni CMC; Ver. Méd. Minas Gerais 2003

18

19 Imunohistoquímica mica Turunen S. e cols. realizaram um estudo para investigar a prevalência de alergia ao leite de vaca em crianças as com constipação Além m disso avaliaram a presença a de HNL na mucosa do cólon e íleo terminal e utilizaram como marcador da resposta imune local a densidade intraepitelial da fração γδ+ + das celulas T e verificaram aumento significativamente maior de celulas T (γδ( γδ+) nas amostras de biópsia do íleo terminal em relação ao grupo controle (sem diagnóstico específico fico) Turunen S, col. The Journal of Pediatrics 2004

20 Tratamento Tratamento é direcionado às s condições associadas, pois o transtorno em si geralmente não requer intervenção Em alguns casos, dependendo da intensidade dos sintomas, pode-se fazer uso de prednisona 1mg/kg/dia por 10 dias A excisão local é indicada quando há desenvolvimento de complicações ões, tais como: dor abdominal recorrente, intussucepção recorrente, hematoquezia, sangramento intestinal crônico Gastrointestinal endoscopy,2003 vol58,nº4 Wu JF, col. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition 2004 Nassif M.K.et al J. Ped. 1982; 52: 45-7

21 Tratamento Shteyer e cols. estudaram dois casos de crianças as (menina de 10 meses e menino de 5 anos) com intussucepção recorrente e presença a de hiperplasia nodular linfóide ide no cólon c transverso e íleo terminal respectivamente. Ambos realizaram várias v reduções da intussucepção com enema,, porém m devido a recorrências, foram tratados com prednisona 1mg/kg/dia por duas semanas, com posterior redução durante 4 semanas. Após s tratamento notou-se diminuição acentuada da HNL e não houve recorrência da intussucepção no período de acompanhamento de dois anos subsequentes Shteyer E, col. Pediatric 2003

22 Colonic Lymphoid Nodular Hyperplasia in Children: Relationship to Food Hypersensitivity GIUSEPPE IACONO,* * ALBERTO RAVELLI, LIDIA DI PRIMA, CALOGERO SCALICI,* STAFANIA BOLOGNNI, SARA CHIAPPA, GIUSEPPE PIRRONE, GIUSEPPINA LICASTRI,* AND ANTONIO CARROCCIO *Division of Pediatric Gastroenterology, Di Cristina Children s s Hospital, Palermo; gastrointestinal Pathophysiology and Gastroenterology, University Department of Pediatrics, Children dren s s Hospital, Brescia; and Internal Medicine Unit, Policlinico University Hospital, Palermo, Italy

23 Pacientes e Métodos M Pacientes Todos os pacientes que se submeteram à colonoscopia diagnóstica, em dois centros pediátricos terciários, rios, localizados no norte e no sul da Itália, foram prospectivamente incluídos no estudo Os pacientes foram recrutados durante o período entre janeiro de 2002 e dezembro de 2004 Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

24 As principais indicações para colonoscopia foram: dor abdominal intensa, crônica ou recorrente (n = 205) constipação intestinal crônica, refratária ria à terapia com laxante (n = 111) anemia ferropriva (n = 91) diarréia sanguinolenta (n = 70) retardo de crescimento inexplicável ou baixa estatura (n = 45) sangue oculto / hematoquezia (n = 40) febre persistente ou recorrente (n = 32) diarréia crônica (n = 30) vômitos crônicos (n = 8) autismo (n = 1) Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

25 Pacientes excluídos do estudo: pacientes que jáj tinham sido avaliados com colonoscopia em outro centro médicom pacientes com doença a gastrointestinal (por exemplo, doença a inflamatória intestinal) pacientes que estavam recebendo esteróides pacientes que estavam em uma dieta de exclusão, por qualquer motivo Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

26 Durante o período do estudo, 428 pacientes apresentaram um ou mais dos sintomas listados, mas 180 tinham diagnóstico prévio, portanto, foram excluídos do estudo Os 248 pacientes restantes foram inicialmente incluídos no estudo e foram submetidos à colonoscopia Três pacientes foram posteriormente excluídos: um, por não ter completado a colonoscopia e os outros dois, por perda do seguimento 245 crianças as foram incluídas (101,, 144,, faixa etária entre 2 meses e 13 anos, mediana 8,5 anos) Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

27 Foi obtida a história pessoal e familiar de todos os pacientes, os quais logo a seguir foram submetidos a exame físico f detalhado, testes bioquímicos e testes de alergologia,, incluindo IgE total e específica e/ou testes cutâneos para alimentos, bem como dosagem de IgG anti-β-lactoglobulina Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

28 Endoscopia e Histologia As colonoscopias foram realizadas com os pacientes sedados ou sob anestesia geral O íleo terminal foi alcançado ado e explorado sempre que possível Um nódulo n linfático foi definido como um folículo de extrusão, com um diâmetro de 2mm, e HNL foi definida como um conjunto de 10 nódulos n linfóides ides de extrusão Biópsias endoscópicas foram retiradas do íleo terminal e de cada segmento do cólon c (ceco, ascendente, transverso, descendente, sigmóide ide e reto). Além m disso, duas a cinco biópsias foram coletadas em áreas em que HNL ou outras lesões endoscópicas foram encontradas Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

29 Endoscopia e Histologia: Todos os exames histológicos foram realizados por patologistas experientes que desconheciam os dados clínicos e laboratoriais dos pacientes A presença a de nódulo, n com ou sem centro germinativo, também m foi avaliado Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

30 Outras investigações ões: Dependendo dos dados clínicos e laboratoriais dos indivíduos, duos, foram realizados um ou mais dos seguintes testes: antiendomísio e/ou anticorpo antitransglutaminase IgA,, anticorpos totais IgA,, sangue oculto nas fezes, exame de fezes e cultura de parasitas, bactérias e vírus v nas fezes, radiografia de tórax, t endoscopia digestiva alta com biópsia, enema opaco, ultra-sonografia abdominal e tomografia computadorizada do abdome O diagnóstico final foi baseado em critérios rios padrão reconhecidos, e os pacientes foram acompanhados por meses (mediana de 18 meses) para confirmar os diagnósticos Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

31 Relação entre HNL e hipersensibilidade alimentar: Para avaliar uma possível relação entre a HNL e hipersensibilidade alimentar, todos os pacientes sem um diagnóstico definitivo e com HNL como a única alteração, iniciaram dieta de exclusão com base em experiência anterior dos autores, com a exclusão do leite de vaca e seus derivados, trigo, peixe, tomate, ovo, cacau e soja Após s 8 semanas, todos os pacientes cujos sintomas melhoraram com a dieta de exclusão, foram submetidos ao desencadeamento alimentar, e o diagnóstico de hipersensibilidade alimentar foi confirmado apenas quando os sintomas reapareceram Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

32 Resultados: Diagnóstico de DII foi feita em 65 pacientes (27%) Achados menos comuns: pólipo p juvenil no cólon c (n = 6), angiodisplasia do cólon c (n = 3) e linfangiectasia primária ria (n = 1) HNL sem outras lesões endoscópicas foi observada em 52 pacientes (21%) A colonoscopia não mostrou achados patológicos em 93 pacientes (38%). O diagnóstico final desses pacientes foram a síndrome s do intestino irritável (n = 4), constipação crônica causada por alergia alimentar (n = 35) e constipação crônica idiopática (n = 54) Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

33 Resultados: HNL foi observada em 21 pacientes com DII: 12 com colite ulcerativa, 8 com a doença a de Crohn e 1 com colite indeterminada No total, HNL foi observada em 73 das 245 colonoscopias (30%) e foi um achado isolado em 52 destes 73 (71%) Os pacientes com HNL isolada, submetidos a colonoscopia apresentavam um ou mais dos seguintes sintomas: hematoquezia (n = 31), dor abdominal (n = 26), prisão de ventre (n = 22), anemia (n = 22), dificuldade para crescer ou perda de peso (n = 12), diarréia crônica (n = 6), vômitos (n = 4), febre (n = 2) Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

34 Resultados: HNL isolada na endoscopia foi localizada (T=52): no colo e íleo terminal em 17 casos exclusivamente no íleo terminal em 13 casos na região retossigmóide ide em 13 casos no cólon c esquerdo e direito em 9 casos Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

35 Resultados: Os pacientes com HNL isolada foram colocados em uma dieta oligoalergênica; ; os sintomas desapareceram em 48 dos 52 pacientes com mediana de 5,5 dias (2-30 dias) Esses 48 pacientes foram submetidos ao desencadeamento com leite de vaca, e em 43 os sintomas reapareceram em uma mediana de 2,5 dias (1-10 dias) Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

36 Resultados: Além m disso, os desencadeamentos abertos mostraram hipersensibilidade a outros alimentos em 10 pacientes (trigo = 10, ovo = 6, soja = 6, tomate = 5, carne = 4, cacau = 3, peixe = 3, leite de cabra = 2); os sintomas reapareceram dias após s a sua reintrodução Dos 245 pacientes do estudo, a freqüência de hipersensibilidade alimentar foi de 42% Em pacientes com HNL isolada, a hipersensibilidade alimentar foi mais comum do que em relação aos pacientes sem HNL (83% x 31%, p <0,0001) Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

37 Resultados: O reto e o íleo terminal foram as regiões com as alterações histológicas mais frequentes e importantes Em 7 pacientes com HNL e alergia alimentar, a colonoscopia foi repetida meses (mediana de 4,5 meses) após s o início da dieta de exclusão. Em todos estes 7 pacientes HNL persistiu, mas com uma menor extensão e menor tamanho do nódulo n em relação à primeira colonoscopia Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

38 Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

39 Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

40 Conclusão: Foi constatado que a presença de HNL na mucosa do cólon e/ou íleo terminal é um achado freqüente (30%) em crianças submetidas à colonoscopia. Além da associação com outras lesões endoscópicas, HNL está relacionada principalmente a uma condição de hipersensibilidade alimentar, e afeta principalmente os pré-escolares ou crianças em idade escolar com hematoquezia. Os autores sugerem que o diagnóstico de hipersensibilidade alimentar deve ser considerado em todas as crianças com HNL do cólon e/ou íleo terminal Clinical Gastroenterology and Hepatology 2007

41 Lymphonodular Hyperplasia on the Mucosa of the Lower Gastrointestinal Tract in Children: An Indication of Enhance Immune Response? *Jorma Kokkonen and Tuomo J. Karttunen Departments of *Pediatrics and Pathology, Oulu University Hospital, Oulu, Finland J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

42 Pacientes e Métodos: M Estudo realizado no período de 1997 a 2000 Foram incluídas 140 crianças, as, todas submetidas ao exame colonoscópico Idade média m de 10,4 +/- 3,9 anos, variando de anos; 51 meninas e 89 meninos Embora o objetivo em cada caso era atingir o íleo terminal, este foi avaliado apenas em 74 pacientes (54%) Se o paciente apresentava sintomas gastrointestinais superiores ou suspeita de doença a de Crohn,, fazia-se gastroduodenoscopia na mesma ocasião da colonoscopia. Assim,, o estômago de 102 (72%) indivíduos duos também foi estudado J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

43 Baseado em informações clínicas e nos achados endoscópicos e histopatológicos, os pacientes foram agrupados nas seguintes categorias: 1) Pacientes com doença a inflamatória intestinal (DII), colite crônica. Os pacientes foram classificados em dois grupos principais, segundo a distribuição da inflamação nos exames endoscópicos e histológicos: 1a) colite ulcerativa com acometimento do lado esquerdo; o ceco e cólon ascendente totalmente normal, 1b) acometimento do lado direito ou pancolite,, ambos com envolvimento do ceco e cólon c ascendente ou com inflamação por todo o cólonc 2) Pacientes com doença a de Crohn.. O diagnóstico foi estabelecido, neste estudo, apenas se úlceras aftosas com granulomas epitelióides ides foram vistas no exame histológico 3) Pacientes com condições inflamatórias secundárias à distúrbios locais ou sistêmicos como vasculite sistêmica 4) Pacientes que apresentavam massa linfóide ide ou HNL no cólon c ou no íleo terminal, sem outros achados endoscópicos ou alterações histológicas compatíveis com colite 5) Pacientes sem alterações no trato gastrointestinal J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

44 Diagnóstico de alergia alimentar: Foi realizada investigação de alergia alimentar quando os pacientes ou os pais relatavam exacerbação dos sintomas, relacionados à ingestão de alimentos (dor abdominal ou diarréia após s comer, auto diagnóstico de intolerância à lactose) ou história de alergia ao leite de vaca Diagnóstico de alergia alimentar foi aceito se tivesse IgE específico positivo e teste de desencadeamento positivo ou se IgE específico negativo, com dois desencadeamentos positivos Métodos estatísticos: sticos: Teste t Student e teste x² foram utilizados para estimar a significância entre os subgrupos J Pediatr Gastroenterol Nutr; Vol. 34, No. 1, January 2002

45 Exame endoscópico: Foram feitas biópsias de três áreas distintas do cólon c com acometimento. Uma quarta amostra da biópsia foi feita no íleo terminal, quando esta era atingida ao exame Avaliação da HNL: Apenas um aglomerado de nódulos n linfóides ides (n> 10 nódulos) foi considerado significativo J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

46 Dois pacientes com colite do lado direito apresentavam hepatite crônica agressiva e um apresentava poliartrite Um paciente tinha vasculite e HNL no íleo terminal, mas sem colite J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

47 J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

48 22 dos 102 indivíduos submetidos a gastroduodenoscopia (22%) tinham HNL no bulbo duodenal HNL no bulbo duodenal era significativamente mais frequente em pacientes com HNL no cólon (p <0,0001) em relação aos que não apresentavam. No entanto, HNL no íleo terminal não mostrou associação significativa com HNL no estômago J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

49 27 pacientes (36%) tiveram diagnóstico de alergia alimentar Alergia ao leite de vaca (n = 23), trigo (n = 4), leite e trigo (n = 10) Sete indivíduos com alergia alimentar tinham associação com colite do lado direito (n = 4) ou pancolite (n = 3) Não houve associação de alergia alimentar com com colite do lado esquerdo ou doença de Crohn J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

50 J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

51 HNL no cólon foi observada mesmo após dieta de exclusão, o que significa que o aumento do tecido linfóide permanece por um longo tempo J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

52 Conclusão: Os autores encontraram evidências de que HNL na mucosa do cólon ou íleo terminal não é apenas um achado inocente. Se detectada no cólon, parece mais sugestivo de alergia alimentar gastrointestinal. Este estudo sugere que pacientes com colite do lado direito ou pancolite, teriam benefícios com o uso de dieta elementar, caso a HNL seja considerada como uma resposta imunológica à antígenos luminais J Pediatr Gastroenterol Nutr, Vol. 34, No. 1, January 2002

Hiperplasia Nodular Linfóide

Hiperplasia Nodular Linfóide DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Hiperplasia Nodular Linfóide Tatiana Furlan Berreta Fornaro Residente de 3º Ano Introdução

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

DOENÇA CELÍACA. Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição

DOENÇA CELÍACA. Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição DOENÇA CELÍACA Grupo: Camila Tenório Danniely Soares Érica Ouriques Isabelle Priscila Juliana Arraes Renata Batista O

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica DOR ABDOMINAL CRÔNICA NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE Soraia Tahan É comum nos atendimentos pediátricos a associação da queixa de dor abdominal

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

INFORMATIVO SCHÄR BRASIL. Líder em alimentos sem glúten UMA MARCA. Olá,

INFORMATIVO SCHÄR BRASIL. Líder em alimentos sem glúten UMA MARCA. Olá, INFORMATIVO SCHÄR BRASIL Olá, Confira a nova edição do Informativo Schär Brasil, que nesta segunda publicação foca seu conteúdo na população infantil. Apresentamos um estudo realizado pela Dr. Gemma Castillejo,

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

Cápsula Endoscópica. Carina Rios Residente de 4º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina- UNIFESP

Cápsula Endoscópica. Carina Rios Residente de 4º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina- UNIFESP Cápsula Endoscópica Técnica, indicação e interpretação Carina Rios Residente de 4º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina- UNIFESP Cápsula endoscópica (CE) Introduzida

Leia mais

Raniê Ralph Semiologia 2

Raniê Ralph Semiologia 2 06 de Agosto de 2007. Professor Luiz Sérgio Emery. Hemorragia Digestiva Evolução 75% cessam espontaneamente. 25% persistem ou recorrem. 10% a 30% de morte. Trata-se de uma doença grave. Epidemiologia 10%

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

Rastreio Cancro Colo-rectal

Rastreio Cancro Colo-rectal O que é o cancro colo-rectal? O cancro colo-rectal é um tumor maligno que se localiza no cólon (também conhecido por intestino grosso) ou no recto. Mata 9 a 10 pessoas por dia em Portugal Cólon e Recto

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Doença Celíaca. Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012

Doença Celíaca. Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012 Doença Celíaca Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012 ANO LECTIVO 2010-2011 PÁGINA - 2 Índice Introdução...3 O que

Leia mais

Dr. José Cesar Junqueira Ph.D Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Dr. José Cesar Junqueira Ph.D Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Doença a Celíaca Dr. José Cesar Junqueira Ph.D Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNI-RIO Doença a Celíaca Histórico Arateus da Capadócia - 200 AC Gee - 1888 Dicke 1950 ESPGHAN 1969 revistos

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO?

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO? DOENÇA CELÍACA Suspeita clínic a de doença celíaca ttg 1 IgA ou Antiendomísio (AEM) IgA 2 + IgA sérica 3? Probabilidade de doença celíaca é baixa Probabilidade de doença celíaca é alta Deficiência de IgA?

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

Investigador português premiado nos EUA

Investigador português premiado nos EUA Investigador português premiado nos EUA DOENÇA DE CROHN O INVESTIGADOR Henrique Veiga-Femandes, que estuda o papel de células na defesa contra infeções intestinais, recebeu o prémio Sénior Research Award,

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG.

Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG. NOTA TÉCNICA 91/2013 Data: 12/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG.

Leia mais

Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo?

Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo? Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo? Ana Renata Badan Especializanda de 1º Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP

Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Definição: -Pólipoéuma massa tumoral que se projeta em direção àluz intestinal.

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA "Deus seja Louvado"

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA Deus seja Louvado PROJETO DE LEI Nº /2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DIFERENCIADA PARA ALUNOS ALÉRGICOS NA REDE DE ENSINO MUNICIPAL DE VILA VELHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica 14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica Enunciado Paciente de 13 anos, sexo masculino, foi levado ao PA-HCUFMG queixando melena. Peso e estatura adequados para a idade

Leia mais

rgica Cuidados de enfermagem à pessoa com problemas de saúde com relevância para a prática de enfermagem cirúrgica

rgica Cuidados de enfermagem à pessoa com problemas de saúde com relevância para a prática de enfermagem cirúrgica Cuidados de enfermagem à pessoa com problemas de saúde com relevância para a prática de enfermagem cirúrgica rgica 1.2 - INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM À PESSOA COM PROBLEMAS DE SAÚDE AO NÍVEL DO SISTEMA GASTROINTESTINAL

Leia mais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A opção pela Gastroenterologia 23 Sociedades Federadas Regionais 54 Serviços de Gastroenterologia reconhecidos e aprovadas pelo MEC 1986 Sede do VI Congresso

Leia mais

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg IMOSEC (cloridrato de loperamida) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. comprimidos 2 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Imosec cloridrato de loperamida comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio.

Cancro Gástrico. Prevenção, Diagnóstico e Tratamento. Cancro Digestivo. 30 de Setembro 2006. Organização. Sponsor. Apoio. Organização Sponsor Cancro Gástrico Prevenção, Diagnóstico e Tratamento Apoio Secretariado Central Park R. Alexandre Herculano, Edf. 1-4º C 2795-240 Linda-a-Velha Telefones: 21 430 77 40/1/2/3/4 Fax: 21

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

DOENÇA CELÍACA ATÍPICA EM ADOLESCENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1: RELATO DE CASO

DOENÇA CELÍACA ATÍPICA EM ADOLESCENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1: RELATO DE CASO DOENÇA CELÍACA ATÍPICA EM ADOLESCENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1: RELATO DE CASO Nabel Anderson de Lencaster Saldanha da Cunha 1 Maria Auxiliadora Ferreira Brito Almino 2 Kédma Suelen Braga Barros 3

Leia mais

Polipose Intestinal: Como conduzir?

Polipose Intestinal: Como conduzir? Caso Clínico Polipose Intestinal: Como conduzir? Apresentadora: Caroline Camargo (R2 de Gastroenterologia) Orientadora: Dra. Luciana Vandesteen 16 de março de 2015 IMAGEM DA SEMANA PSEUDODIVERTICULOSE

Leia mais

Guia para. Crianças e Adolescentes. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa

Guia para. Crianças e Adolescentes. Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa Guia para Crianças e Adolescentes Um futuro sem Doença de Crohn e Colite Ulcerosa A Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino (Colite Ulcerosa e Doença de Crohn) é uma organização voluntária,

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato?

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato? Caso Clínico 1 (2 pontos) Primigesta com 36 semanas de gestação é admitida na maternidade com queixas de náuseas, epigastralgia e cefaleia. Gesta II Para I (Parto normal). Ao exame, encontra - se eupneica,

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs Manual Educativo de Pacientes e Familiares 1 ÍNDICE MANUAL EDUCATIVO DE PACIENTES E FAMILIARES O MANUAL... 04 1. O QUE É CÂNCER?... 05 2. SINAIS DE ALERTA PARA O CÂNCER... 10 3. RECOMENDAÇÕES PARA EVITAR

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos

Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos Dor abdominal: entenda as causas, tipos de dor e tratamentos Conheça as doenças mais comumente relacionadas ao sintoma e como identificar Quando falamos em dor abdominal, muitos podem pensar que ela se

Leia mais

Estudo do perfil de pacientes pediátricos que se submeteram à colonoscopia em um hospital de referência

Estudo do perfil de pacientes pediátricos que se submeteram à colonoscopia em um hospital de referência Artigo Original Estudo do perfil de pacientes pediátricos que se submeteram Study of pediatric patients profile who submitted colonoscopies in a reference hospital Joana Tássia Pinheiro de Figueiredo¹,

Leia mais

Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino

Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino 1 www.bowelscreeningwales.org.uk Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino Este folheto dá-lhe informações sobre o rastreio

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 17/05/2013. NTRR 74/ 2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 74/ 2013 a Solicitante: Juiza de Direito Herilene de Oliveira Andrade Itapecerica Número do processo: 335.13.910-3 Data: 17/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Réu: Município de

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Algoritmo de Investigação Emagrecimento

Algoritmo de Investigação Emagrecimento 2012 5 de Maio Sábado Algoritmo de Investigação Emagrecimento Alice Gonçalves Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Perda ponderal Fisiopatologia: aporte energético, consumo energético Epidemiologia (Meltzer

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Cápsula Endoscópica e Enteroscopia

Cápsula Endoscópica e Enteroscopia Cápsula Endoscópica e Enteroscopia Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Introdução O intestino delgado tem sido historicamente

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

FLEET ENEMA. Tommasi Importação e Exportação Ltda. Solução Retal. Fosfato de Sódio Dibásico 0,06g/mL Fosfato de Sódio Monobásico 0,16 g/ml

FLEET ENEMA. Tommasi Importação e Exportação Ltda. Solução Retal. Fosfato de Sódio Dibásico 0,06g/mL Fosfato de Sódio Monobásico 0,16 g/ml FLEET ENEMA Tommasi Importação e Exportação Ltda Solução Retal Fosfato de Sódio Dibásico 0,06g/mL Fosfato de Sódio Monobásico 0,16 g/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Nome Comercial: Fleet Enema Denominação

Leia mais

Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010)

Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010) Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010) Diemel JM, Van den Hurk APJM, Muris JWM, Pijpers MAM, Verheij AAA, Kurver MJ traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV)

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV) NOTA TÉCNICA 24/2014 Solicitante Regina Célia Silva Neves Juizado Fazenda Pública de Itaúna Processo Número 0338.13.012.595-2 Data: 07/02/2014 Medicamento/ dieta x Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato

Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato Faculdade de Medicina de Lisboa Cadeira de Pediatria II Dra. Ana Paula Mourato Amorim, Carla; Bello, Iria; Carvalho, Vanessa; Esteves, Andreia; Neto, Diana; Nóbrega, Joana; Peças, Sofia; Teixeira, Cristina;

Leia mais

ALERGIA E INTOLERÂNCIA ALIMENTAR: causas e consequências

ALERGIA E INTOLERÂNCIA ALIMENTAR: causas e consequências ALERGIA E INTOLERÂNCIA ALIMENTAR: causas e consequências ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO A utilização do alimento pelo organismo depende de um processo que envolve: Ingestão Digestão Absorção Transporte Utilização

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Gastroenterite eosinofílica canina revisão de literatura

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Gastroenterite eosinofílica canina revisão de literatura PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Gastroenterite eosinofílica canina revisão de literatura Priscila AquinoBrisolla de Barros 1, Bruno Roque Lima 2, Adriana Ventura 3, Cezar Augusto

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais