Hiperplasia Nodular Linfóide

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hiperplasia Nodular Linfóide"

Transcrição

1 DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Hiperplasia Nodular Linfóide Tatiana Furlan Berreta Fornaro Residente de 3º Ano

2 Introdução Por muitos anos, a Hiperplasia Nodular Linfóide (HNL) do íleo terminal e colo tem sido considerada uma resposta da mucosa a estímulos inespecíficos, na maioria das vezes infecciosas e, consequentemente, tem sido descrita como um fenômeno fisiopatológico durante a infância. Mais recentemente, a HNL tem sido associada a alergia à proteína do leite de vaca e à imunodeficiência. IACONO, G. ET AL, Colonic Lymphoid Hyperplasia in Children: Relationship to food hypersensitivity. Clin Gastroent and Hepatology 2007;5:

3 Introdução O tecido linfóide distribui-se ao longo da lâmina própria em todo o tubo digestivo, apresentando uma maior concentração a partir do íleo terminal, local em que se formam as placas de Peyer. O número e o tamanho das placas de Peyer aumentam progressivamente durante a vida fetal. No entanto, nos 3 primeiros anos de vida ocorre crescimento mais rápido. Na puberdade o aumento continua em menor escala, e após esse período, há um progressivo declínio. Penna FJ, col. Rev. Med. Minas Gerais v.3 n4 out/dez 1993 Ottoni CMC. Doenças do aparelho digestivo na infância 1994

4 Introdução A HNL é o acúmulo de folículos linfóides, ocorrendo predominantemente na lâmina própria. É diagnosticada quando os folículos são maiores que 2 mm de diâmetro, localizando-se principalmente no intestino grosso, na região retossigmóide ou no íleo terminal. Além do tamanho dos nódulos, há autores que relatam a importância da presença de umbilicação central, para o diagnóstico de HNL. KOKKONEN et al, Lymphonodular Hyperplasia on the Mucosa of the Lower Gastrointestinal Tract in Children: Na Indication of Enhanced Immune Response?. JPGN, 2002;34:42-46 WU, JF et al, Bleeding from Ileal Nodular Lymphoid Polyposis Identified by Capsule Endoscopy. JPGN, 2004;39:

5 Introdução A patogênese da HNL é desconhecida, mas é comumente relacionada a precursores de células plasmáticas devido ao defeito de maturação durante o desenvolvimento de linfócitos B a fim de compensar o funcionamento inadequado do tecido linfóide intestinal. A HNL pode estar associada a vírus, bactérias e infecções parasitárias (principalmente giardíase) e hipersensibilidade alimentar, assim como pode estar presente nos casos de intussucepção intestinal recorrente e Doença Inflamatória Intestinal. ERSOY, E et al. A case of diffuse nodular lymphoid hyperplasia. Turk J Gastroenterol, 2008; 19(4): SHTEYER, E e col. Pediatrics 2003 WU JF, col. Bleeding from Ileal Nodular Lymphoid Polyposis Identified by Capsule Endoscopy. JPGN, 2004;39:

6 Introdução No entanto, a freqüência em crianças ainda não foi reportada. A incidência de HNL como causa de sangramento oculto do trato gastrointestinal ainda não foi estabelecida. Num estudo realizado por LEE et al, 17 crianças com sangramento intestinal apresentaram à videolaparoscopia: 8 Divertículo de Merckel, 2 duplicações intestinais, 2 HNL, 1 enterite vascular e 4 exames normais. SHUHAIBER, J et al. Nodular lymphoid hyperplasia: a cause for obscure massive gastrointestinal bleeding. 2005; 40,E17-E19 LEE KH et al. Laparoscopy for definitive diagnosis ant treatment of gastrointestinal bleeding of obscure origin in children. J Pediatr Surg.2000;35:1291-3

7 Quadro clínico Diarréia Diarréia com sangue Sangramento retal Dor abdominal Palidez cutânea Anemia

8 Quadro clínico Colón et al. 1991, estudaram 147 crianças com diagnóstico de HNL, sendo 58% meninos, variando de 3 meses a 16 anos. 58% apresentavam dor abdominal, num período de 2 a 12 meses, periumbilical em aperto, não apresentava irradiação e não cedia com as evacuações Sangue nas fezes foi a segunda causa mais comum, aparecendo em 32% das crianças, como laivos de sangue, sangue vermelho vivo, às vezes misturados com muco, ao final das evacuações. 24 das 47 crianças que apresentaram sangue nas fezes, não se queixavam de dor abdominal. Colón A.R. et al J Clin Gastroent 1991; 13(2) 163-6

9 Quadro clínico Num estudo realizado por Penna et al, com 14 crianças (entre 8 meses e 12 anos), em 1993, foram observados os seguintes sintomas: Enterorragia (71,4%) Diarreia (35,7%) Distensão abdominal (14,2%) Encoprese (14,2%) Penna FJ, col. Rev. Méd. Minas Gerais 1993

10 Diagnóstico Exames laboratoriais: Hemograma VHS Ferro Ferritina Pesquisa de sangue oculto nas fezes Protoparasitológico de fezes Fagundes Neto U., Wehba J., Penna FJ., Gastroenterologia Pediátrica 1991

11 Diagnóstico Exames de Imagem: Enema Opaco: Técnica do duplo contraste Apresenta falha de enchimento, com imagens arredondadas e algumas umbilicadas, representadas como áreas hipertransparentes As lesões podem ser segmentadas ou forrarem todo o colo. Penna FJ, Mota JAC, Otoni CMC. Ver. Méd. Minas Gerais 2003

12 Diagnóstico Turunen S, col. The Journal of Pediatrics, november 2004

13 Diagnóstico Endoscopia Digestiva Alta e Colonoscopia: Observam-se lesões polipóides sésseis, com umbilicação central, diferenciando-as dos pólipos verdadeiros. Pequenas tumorações, com áreas centrais pálidas ou com sangramento, com diâmetro entre 1 e 7 mm. Cápsula endoscópica: indicada para avaliação do íleo terminal, local de difícil acesso pelos aparelhos endoscópicos. WU JF, col. Bleeding from Ileal Nodular Lymphoid Polyposis Identified by Capsule Endoscopy. JPGN, 2004;39:

14 Diagnóstico Schwartz DC, col. Gastrointestinal Endoscopy 2003

15 Diagnóstico Biópsia: O diagnóstico histopatológico é o mais importante fator para determinar HNL. O exame histológico mostra folículos linfáticos hiperplásicos, com infiltração linfocitária perifolicular, e centros germinativos aumentados em tamanho e com intensa atividade mitótica Há alongamento dos folículos mucosos de células B devido a hiperplasia do centro folicular. O revestimento intestinal epitelial não mostra alterações Penna FJ, Mota JAC, Otoni CMC. Hiperplasia Nodular Linfóide Intestinal na Infância. Rev Méd Minas Gerais 1993; v3. ERSOY, E et al. A case of diffuse nodular lymphoid hyperplasia. Turk J Gastroenterol, 2008; 19(4):

16 Diagnóstico

17 Diagnóstico Schwartz DC Gastrointestl endosc 2003; 58:

18 Quadro clínico foram analisados 207 pacientes que apresentavam sangramento retal por no mínimo três meses verificaram que seis (3%) destas crianças apresentavam hiperplasia nodular linfóide à sigmoidoscopia, cujo diagnóstico foi confirmado pelo estudo histológico.

19 Alergia Alimentar A HNL tem sido associada a alergia à proteína do leite de vaca, assim como outras hipersensibilidades alimentares e doença celíaca. Esse fenômeno é considerado como uma resposta imune local contra antígenos alimentares, sendo comumente encontrada no íleo terminal nos exames de colonoscopia. TURUNEN et al. Lymphoid nodular hyperplasia and cow s milk hypersensitivity in children with chronic constipation. The journal of Pediatrics, 2004

20 Alergia Alimentar Kokkonen et al sugerem uma associação entre HNL e hipersensibilidade alimentar, relatando que 52% dos pacientes apresentavam alergia a algum alimento. No entanto, Iacomo et al demonstraram a freqüência dessa associação em 30% dos pacientes, sendo que 75% está relacionado a alergia à proteína do leite de vaca. Os 25% restantes correspondem a hipersensibilidade ao trigo, ovo, soja. IACONO, G. ET AL, Colonic Lymphoid Hyperplasia in Children: Relationship to food hypersensitivity. Clin Gastroent and Hepatology 2007;5: KOKKONEN et al, Lymphonodular Hyperplasia on the Mucosa of the Lower Gastrointestinal Tract in Children: Na Indication of Enhanced Immune Response?. JPGN, 2002;34:42-46

21 Alergia Alimentar Machida e cols., em 1994 no Canadá, fizeram colonoscopia com biópsia em 34 crianças que referiam sangue nas fezes Em 25 delas ao exame macroscópico foi caracterizada colite. Em 10 pacientes foram encontrados HNL, 7 associados com colite Após a biópsia, 31 tinham colite confirmada com numerosa eosinofilia Machida H.M. et al J. Ped. Gastroent. Nutr. 1994; 19: 22-6

22 Alergia alimentar Kokkonen J.e cols., entre 1997 e 2000, incluíram 140 crianças que foram submetidas à colonoscopia. Em 46 (32%) pacientes foram encontrados HNL no colon e em 50 no íleo terminal. 102 foram também submetidas a endoscopia digestiva alta, tendo sido encontrado 22 pacientes com HNL na região do bulbo duodenal. Alergia alimentar foi diagnosticada em 13 crianças que apresentavam HNL no bulbo duodenal, em 18 quando esta foi vista no íleo terminal e 25 na mucosa colônica. O diagnóstico de alergia foi estabelecido após desencadeamento. kokkonem J. J. Ped. Gastroent. Nutr. 2002; 34: 42-6

23 Hipogamaglobulinemia A associação entre HNL e Hipogamaglobulinemia pode representar uma resposta inume local aos repetidos estímulos antigênicos presentes no trato alimentar sob forma de bactérias e vírus. Em 1977, Webster et al investigaram 34 pacientes com hipogamaglobulinemia primária. HNL ocorreu em 19% dos casos e apenas 2 pacientes apresentavam giardíase. UESUGUI, D; FAGUNDES NETO, U. Hiperplasia Nodular Linfóide Inteestinal. The Elect J Ped Gast Nut Liv Dis Webster et al. Nodular lymphoid hyperplasia of the bowel in primary hipogammaglobulinemia. Gut, 1977; 18:

24 Hipogamaglobulinemia Indivíduos susceptíveis com imunodeficiência podem desenvolver hiperplasia linfóide reativa, com formações polipóides, quando em contato com irritantes como infecções, fatores ambientais e químicos. Aplicações semanais de gamaglobulina parece não influenciar na melhora dos pacientes. WU JF, col. Bleeding from Ileal Nodular Lymphoid Polyposis Identified by Capsule Endoscopy. JPGN, 2004;39: JOO M et al. Nodular lymphoid hyperplasia and histologic changes mimicking celiac disease, collagenous sprue and lymphocytic colitis in a patient with selective IgA deficiency. Pathology Research and practice, 2009

25 Giardíase A associação entre HNL e giardíase foi inicialmente descrita em pacientes com imunodeficiência humoral Posteriormente, nódulos linfáticos têm sido descritos no íleo terminal e colon de crianças imunologicamente normais Ajdukiewicz A.R. Gut 1972; 13: Ward H. Gut 1983; 24:

26 Giardíase Weerth A. Gastroint Endosc 2002; 54: 605-7

27 Giardíase Weerth A. Gastroint Endosc 2002; 54: 605-7

28 Giardíase Warde cols., em 1983, avaliaram 25 pacientes de 12 a 42 anos durante 3 anos, que apresentavam giardíase. Giardia lamblia foi detectada nas fezes e/ou aspirados jejunais de todos os pacientes. Todos apresentavam hiperplasia nodular linfóide. Dezenove fizeram tratamento com metronidazol, sendo que em 17 deles ocorreu regressão da HNL. Ward H. Gut 1983; 24:

29 Tratamento Em crianças, a HNL sem doença associada é normalmente auto-limitada e frequentemente não há necessidade de tratamento Em alguns casos, dependendo da intensidade dos sintomas, pode-se usar Prednisona 1 mg/kg/dia por períodos curtos (10 dias) Deve-se direcionar o tratamento às condições associadas à HNL WU JF, col. Bleeding from Ileal Nodular Lymphoid Polyposis Identified by Capsule Endoscopy. JPGN, 2004;39:

30 Tratamento A conduta recomendada é retirar o possível agente (alérgeno, giárdia) causador do problema. A excisão local é rara e indicada quando há presença de complicações, como intussucepção intestinal recorrente, sangramento intestinal crônico com HNL focal. WU JF, col. Bleeding from Ileal Nodular Lymphoid Polyposis Identified by Capsule Endoscopy. JPGN, 2004;39:

HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO HIPERPLASIA NODULAR LINFÓIDE: IDE: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Marcela Lie Kawasaki Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

Estudo do perfil de pacientes pediátricos que se submeteram à colonoscopia em um hospital de referência

Estudo do perfil de pacientes pediátricos que se submeteram à colonoscopia em um hospital de referência Artigo Original Estudo do perfil de pacientes pediátricos que se submeteram Study of pediatric patients profile who submitted colonoscopies in a reference hospital Joana Tássia Pinheiro de Figueiredo¹,

Leia mais

Cápsula Endoscópica. Carina Rios Residente de 4º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina- UNIFESP

Cápsula Endoscópica. Carina Rios Residente de 4º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina- UNIFESP Cápsula Endoscópica Técnica, indicação e interpretação Carina Rios Residente de 4º Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina- UNIFESP Cápsula endoscópica (CE) Introduzida

Leia mais

Rastreio Cancro Colo-rectal

Rastreio Cancro Colo-rectal O que é o cancro colo-rectal? O cancro colo-rectal é um tumor maligno que se localiza no cólon (também conhecido por intestino grosso) ou no recto. Mata 9 a 10 pessoas por dia em Portugal Cólon e Recto

Leia mais

Raniê Ralph Semiologia 2

Raniê Ralph Semiologia 2 06 de Agosto de 2007. Professor Luiz Sérgio Emery. Hemorragia Digestiva Evolução 75% cessam espontaneamente. 25% persistem ou recorrem. 10% a 30% de morte. Trata-se de uma doença grave. Epidemiologia 10%

Leia mais

Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP

Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia, Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Definição: -Pólipoéuma massa tumoral que se projeta em direção àluz intestinal.

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino

Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino 1 www.bowelscreeningwales.org.uk Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino Este folheto dá-lhe informações sobre o rastreio

Leia mais

Clostridium difficile: quando valorizar?

Clostridium difficile: quando valorizar? Clostridium difficile: quando valorizar? Sofia Bota, Luís Varandas, Maria João Brito, Catarina Gouveia Unidade de Infecciologia do Hospital D. Estefânia, CHLC - EPE Infeção a Clostridium difficile Diarreia

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

Investigador português premiado nos EUA

Investigador português premiado nos EUA Investigador português premiado nos EUA DOENÇA DE CROHN O INVESTIGADOR Henrique Veiga-Femandes, que estuda o papel de células na defesa contra infeções intestinais, recebeu o prémio Sénior Research Award,

Leia mais

Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG.

Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG. NOTA TÉCNICA 91/2013 Data: 12/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG.

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

Cápsula Endoscópica e Enteroscopia

Cápsula Endoscópica e Enteroscopia Cápsula Endoscópica e Enteroscopia Cristiane Boé Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Introdução O intestino delgado tem sido historicamente

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA "Deus seja Louvado"

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA Deus seja Louvado PROJETO DE LEI Nº /2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DIFERENCIADA PARA ALUNOS ALÉRGICOS NA REDE DE ENSINO MUNICIPAL DE VILA VELHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica DOR ABDOMINAL CRÔNICA NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE Soraia Tahan É comum nos atendimentos pediátricos a associação da queixa de dor abdominal

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Polipose Intestinal: Como conduzir?

Polipose Intestinal: Como conduzir? Caso Clínico Polipose Intestinal: Como conduzir? Apresentadora: Caroline Camargo (R2 de Gastroenterologia) Orientadora: Dra. Luciana Vandesteen 16 de março de 2015 IMAGEM DA SEMANA PSEUDODIVERTICULOSE

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca:

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: Nós temos atitude, e você? O Câncer do Intestino pode ser prevenido com um teste simples e indolor que pode ser realizado em sua casa. O teste é GRATUITO oferecido

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

INFORMATIVO SCHÄR BRASIL. Líder em alimentos sem glúten UMA MARCA. Olá,

INFORMATIVO SCHÄR BRASIL. Líder em alimentos sem glúten UMA MARCA. Olá, INFORMATIVO SCHÄR BRASIL Olá, Confira a nova edição do Informativo Schär Brasil, que nesta segunda publicação foca seu conteúdo na população infantil. Apresentamos um estudo realizado pela Dr. Gemma Castillejo,

Leia mais

Linfangiectasia Intestinal: Diagnóstico e Tratamento

Linfangiectasia Intestinal: Diagnóstico e Tratamento Linfangiectasia Intestinal: Diagnóstico e Tratamento Adriana Chebar Lozinsky Residente de 3 Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica 14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica Enunciado Paciente de 13 anos, sexo masculino, foi levado ao PA-HCUFMG queixando melena. Peso e estatura adequados para a idade

Leia mais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais

A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A Gastroenterologia Visão e perspectivas atuais A opção pela Gastroenterologia 23 Sociedades Federadas Regionais 54 Serviços de Gastroenterologia reconhecidos e aprovadas pelo MEC 1986 Sede do VI Congresso

Leia mais

DIARREIA NUM DOENTE COM IMUNODEFICIÊNCIA COMUM VARIÁVEL: A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO

DIARREIA NUM DOENTE COM IMUNODEFICIÊNCIA COMUM VARIÁVEL: A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO Setembro/Outubro 2007 DIARREIA NUM DOENTE COM IMUNODEFICIÊNCIA COMUM VARIÁVEL 199 Caso Clínico / Clinical Case DIARREIA NUM DOENTE COM IMUNODEFICIÊNCIA COMUM VARIÁVEL: A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO J.

Leia mais

Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo?

Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo? Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo? Ana Renata Badan Especializanda de 1º Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS

ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS ATUALIZAÇÃO NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DAS DIARRÉIAS AGUDAS Aderbal Sabra MD. PhD. Cientista Visitante e Staff Senior ICISI Georgetown University USA Professor de Pediatria, Gastroenterologia e Alergia

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Gastroenterite eosinofílica canina revisão de literatura

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Gastroenterite eosinofílica canina revisão de literatura PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Gastroenterite eosinofílica canina revisão de literatura Priscila AquinoBrisolla de Barros 1, Bruno Roque Lima 2, Adriana Ventura 3, Cezar Augusto

Leia mais

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE São Paulo 17/11/2011 Estudo genético da síndrome de Birt- Hogg-Dubé (variante Hornstein- Knickenberg) Bolsista: Sergio Aparecido do Amaral Junior (Faculdade

Leia mais

DOENÇA CELÍACA. Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição

DOENÇA CELÍACA. Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição DOENÇA CELÍACA Grupo: Camila Tenório Danniely Soares Érica Ouriques Isabelle Priscila Juliana Arraes Renata Batista O

Leia mais

Doença Celíaca. Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012

Doença Celíaca. Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012 Doença Celíaca Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012 ANO LECTIVO 2010-2011 PÁGINA - 2 Índice Introdução...3 O que

Leia mais

Key-words: Munchausen syndrome by proxy; food hypersensitivity; child abuse.

Key-words: Munchausen syndrome by proxy; food hypersensitivity; child abuse. Relato de Caso Síndrome de Munchausen por terceiro simulada como alergia alimentar múltipla: relato de caso Munchausen syndrome by proxy simulating food multiple allergy: a case report Mauro Batista de

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Imunidade Adaptativa Humoral

Imunidade Adaptativa Humoral Imunidade Adaptativa Humoral Daiani Cristina Ciliao Alves Taise Natali Landgraf Imunidade Adaptativa Humoral 1) Anticorpos: Estrutura Localização 2) Maturação de célula B: Interação dependente de célula

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

Orientação ao paciente. Doença de Crohn

Orientação ao paciente. Doença de Crohn Orientação ao paciente Doença de Crohn Índice O QUE É a Doença de Crohn?... 04 O quão FREQUENTE é a Doença de Crohn?... 04 A Doença de Crohn é CONTAGIOSA?... 04 Qual a sua CAUSA?... 05 Quais os sintomas

Leia mais

rgica Cuidados de enfermagem à pessoa com problemas de saúde com relevância para a prática de enfermagem cirúrgica

rgica Cuidados de enfermagem à pessoa com problemas de saúde com relevância para a prática de enfermagem cirúrgica Cuidados de enfermagem à pessoa com problemas de saúde com relevância para a prática de enfermagem cirúrgica rgica 1.2 - INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM À PESSOA COM PROBLEMAS DE SAÚDE AO NÍVEL DO SISTEMA GASTROINTESTINAL

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO

EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO DIARREIA AGUDA EPIDEMIOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PREVENÇÃO PROF. DR. ULYSSES FAGUNDES NETO Instituto de Gastroenterologia Pediátrica de São Paulo (I-Gastroped) Diarreia foi responsável, em

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO - UNIFESP ESOFAGITE EOSINOFÍLICA: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO TATIANA TIZZO HATAKEYAMA Residente de

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC A pesquisa foi realizada pelo Laboratório Freitag & Weingärtner durante o período de 01/06/2005 a 31/08/2005 na cidade de Rio dos Cedros-SC em

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs

Manual Educativo de PaciEntEs E FaMiliarEs Manual Educativo de Pacientes e Familiares 1 ÍNDICE MANUAL EDUCATIVO DE PACIENTES E FAMILIARES O MANUAL... 04 1. O QUE É CÂNCER?... 05 2. SINAIS DE ALERTA PARA O CÂNCER... 10 3. RECOMENDAÇÕES PARA EVITAR

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Algoritmo de Investigação Emagrecimento

Algoritmo de Investigação Emagrecimento 2012 5 de Maio Sábado Algoritmo de Investigação Emagrecimento Alice Gonçalves Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Perda ponderal Fisiopatologia: aporte energético, consumo energético Epidemiologia (Meltzer

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

Curso de Patologia Digestiva

Curso de Patologia Digestiva Curso de Patologia Digestiva Neoplasias Linfóides do Tracto Gastro-Intestinal Aspectos Histológicos Sofia Loureiro dos Santos Serviço de Anatomia Patológica Hospital Fernando Fonseca, EPE SPG, Lisboa,

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

BULA. Mylicon. Gotas IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Suspensão oral: Frascos gotejadores contendo 15 ml. USO ORAL

BULA. Mylicon. Gotas IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Suspensão oral: Frascos gotejadores contendo 15 ml. USO ORAL BULA Mylicon Gotas simeticona IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Suspensão oral: Frascos gotejadores contendo 15 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO ORAL COMPOSIÇÃO Cada ml (11 a 12 gotas) contém 75

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA MED194 Monitor: Ricardo Souza ÓRGÃOS LINFÓIDES 1-ÓRGÃOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS

Leia mais

COLITES MICROSCÓPICAS

COLITES MICROSCÓPICAS 1 Flávio Antonio Quilici Fernando Cordeiro Lisandra Carolina M. Quilici COLITES MICROSCÓPICAS INTRODUÇÃO Nas últimas décadas o acesso ao intestino grosso pela colonoscopia e suas múltiplas biópsias possibilitou

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria TRIAGEM NEONATAL Fibrose Cística Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria Fibrose Cística - Definição Mucoviscidose ou Doença do Beijo Salgado Doença genética mais comum em caucasianos Afeta sexo feminino

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA

SERVIÇO DE GASTROENTEROLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PRESIDENTE DUTRA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA Coordenador: Arnaldo de Jesus Dominici Adalgisa de Sousa Paiva Ferreira INTRODUÇÃO A Residência Médica é uma modalidade de ensino de

Leia mais

Sangramento retal Resumo de diretriz NHG M89 (setembro 2012)

Sangramento retal Resumo de diretriz NHG M89 (setembro 2012) Sangramento retal Resumo de diretriz NHG M89 (setembro 2012) Damoiseaux RAMJ, De Jong RM, De Meij MA, Starmans R, Dijksterhuis PH, Van Pinxteren B, Kurver MJ traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Cirurgiões gerais, cirurgiões do aparelho digestivo, coloproctologistas, endoscopistas e gastroenterologistas.

Cirurgiões gerais, cirurgiões do aparelho digestivo, coloproctologistas, endoscopistas e gastroenterologistas. Coordenação Geral Dr. Lucio G. B. Rossini Público Alvo Cirurgiões gerais, cirurgiões do aparelho digestivo, coloproctologistas, endoscopistas e gastroenterologistas. Objetivo Levar conhecimento, aprimoramento

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais