INFORMATIVO SCHÄR BRASIL. Líder em alimentos sem glúten UMA MARCA. Olá,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMATIVO SCHÄR BRASIL. Líder em alimentos sem glúten UMA MARCA. Olá,"

Transcrição

1 INFORMATIVO SCHÄR BRASIL Olá, Confira a nova edição do Informativo Schär Brasil, que nesta segunda publicação foca seu conteúdo na população infantil. Apresentamos um estudo realizado pela Dr. Gemma Castillejo, gastropediatra espanhola que, desde 2006, tem a doença celíaca como principal área de pesquisa. Complementando o artigo da Dra. Gemma, temos a contribuição da brasileira Dra. Karen Aparecida Ponceano Nunes Marcondes, Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente. Também trazemos um artigo que mostra o modelo Dr. Schär de Produção, que segue o processo de Agricultura Controlada, importantíssimo para garantir o alto padrão de qualidade, segurança e excelentes valores nutricionais dos nossos produtos. #2 ÍNDICE PAG. 2ÊUÊ i X>ÊVi >V>Ê >Ê população pediátrica PAG. 6ÊUÊ V ÕêiÃ]Ê«ÀÊÀ> Ê Karen A. P. Nunes PAG. 8ÊUÊ }À VÕ ÌÕÀ>ÊV ÌÀ >`>\Ê o modelo Dr Schär de produção Boa Leitura!

2 DOENÇA CELÍACA NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA A expressão clínica da doença celíaca é mais heterogênea do que o anteriormente pensado. Até poucos anos atrás, a doença era considerada típica da infância; entretanto, o número de casos diagnosticados tem aumentado de modo significativo, tanto na população pediátrica quanto em adultos. trabalha como gastronterologista pediatra no Hospital Universitário Espanha, desde Também é professoraassistente na Universidade sua principal área de pesquisa é a doença celíaca Acesse schar.com.br, leia notícias, saiba onde encontrar nossos produtos e conheça deliciosas receitas. No passado, a doença celíaca se manifestava tradicionalmente durante a infância, através de fezes pálidas líquidas ou semilíquidas com forte mau cheiro, peso estagnado ou redução de peso, distensão abdominal, hipotrofia muscular e anorexia, além de irritabilidade). Atualmente, entretanto, o aparecimento dos sintomas mudou as mais comuns. Embora a doença Novas diretrizes para diagnóstico da doença celíaca A Sociedade Europeia de Gastroenterologia, publicou novos critérios para o diagnóstico da doença celíaca. Sob as novas diretrizes, a biópsia do intestino delgado não é mais considerada como exame padrão ouro; agora, os testes sorológicos desempenham um papel muito mais importante. Para o diagnóstico os tomáticos e assintomáticos com risco aumen- diferentes algoritmos de diagnóstico para cada um dos dois grupos. Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition celíaca possa ocorrer em qualquer idade, entre as crianças ela é diagnosticada mais frequentemente antes dos três anos de idade. Em 1988, M. Maki descreveu pela primeira vez o quadro clínico atípico da doença celíaca [1], e outros autores confirmaram posteriormente que a manifestação clássica da doença é aquela que ocorre de forma menos frequente. Constatou-se gradualmente que o número de pacientes diagnosticados através de sintomas digestivos estava diminuindo, enquanto os casos detectados através de exames em grupos de risco estavam aumentando. De acordo com uma publicação de 2007 de outro autor, entre os anos de 1987 e 1990 o percentual de casos de doença celíaca clássica era de 75% comparada a 25% para a forma atípica, enquanto que, no período entre 2001 e 2006, o percentual era de 55% para atípica e 45% para clássica. De qualquer forma, é consenso que o número de crianças diagnosticadas com doença celíaca aumentou e, no diagnóstico, observa-se que há um número menor de sintomas, e que estes são menos severos. 2

3 Forma clássica Esta forma é caracterizada por sintomas gastrointestinais com início entre 6 e 24 anos de idade, após a introdução de glúten na dieta. Nas crianças, o crescimento tende a ser retardado, seguido de sintomas de perda de peso, diarreia crônica ou recorrente, vômitos, distensão abdominal, hipotonia muscular, anorexia e irritabilidade. Em casos mais graves, ocorrem verdadeiras crises celíacas, com sintomas de diarreia explosiva, distensão abdominal importante, desidratação, distúrbios eletrolíticos, hipotensão e letargia. Com um quadro clínico tão tradicional, estes pacientes são facilmente reconhecidos e, por isso, leva-se pouco tempo entre o início dos sintomas até o encaminhamento a um gastroenterologista. O especialista, então, confirmará o diagnóstico através de marcadores transglutaminase IgA e HLA DQ2 ou DQ8), associados a biópsia duodenal, que apresentará uma forma específica de atrofia intestinal. De acordo com um artigo publicado recentemente [1], a necessidade de biópsia pode ser dispensada em alguns poucos casos específicos, por meio de uma conversa com os pais. Neste caso, a confirmação final do diagnóstico acontecerá através da observação do desenvolvimento normal da criança, após a retirada do glúten de sua dieta. Curta nossa fanpage fb.com/scharbr e fique por dentro de todas as novidades da Schär. Formas atípicas De maneira geral, as formas atípicas da doença celíaca são observadas em crianças com idade acima de 2 anos. Estas crianças apresentam mani- relacionados entre si, mas que também podem ocorrer isoladamente [6, 7]. Neste caso, podem ocorrer distúrbios na digestão, incluindo dores abdominais recorrentes, náuseas, vômitos, flatulência, inchaço, constipação, diarreia recorrente e distensão abdominal. Mais frequentemente, os sintomas não são relacionados ao trato gastrointestinal, mento, puberdade atrasada, ausência mia por deficiência de ferro que não responde ao tratamento, anemia devido à falta de vitamina B12 ou ácido fólico, deficiências vitamínicas), hepatológi- - herpetiforme / doença de Duhring ou teoporose, artrite ou dores nas juntas, recorrente, distúrbios no esmalte dentário). A doença celíaca também pode ocorrer concomitantemente a uma série de sintomas psiquiátricos [8, 9], embora isso seja observado mais frequentemente em pacientes adultos, incluindo periférica, dores de cabeça, ataxia cerebral, ansiedade e depressão. Uma importante questão a ser observada é que precisamos nos distanciar do quadro clínico normalmente associado à doença celíaca, no qual o paciente sempre apresenta queda de peso. Em dos pacientes apresentaram obesidade Em um estudo recente, outros autores [10] mostraram que, em um grupo de crianças norte-americanas diagnosticadas entre 2000 e 2008, na época do diagnóstico 19% apresentaram um IMC do peso e 6% eram obesas) e 74,5% tinham um IMC normal. De maneira geral, as crianças diagnosticadas em tenra idade tendem predominantemente a apresentar sintomas gastrointestinais. Quanto mais velho o paciente na época do diagnóstico, maior a probabilidade de formas atípicas predominarem. Além disso, os pacientes que inicialmente apresentam sintomas digestivos, mas não foram diagnosticados a tempo, desenvolvem sintomas que vão além daqueles relacionados à digestão. 3

4 Forma silenciosa Os exames laboratoriais e a biópsia intestinal são compatíveis com o diagnóstico da doença celíaca, mas a criança encontra-se assintomática. Muitas destas crianças pertencem a grupos de risco e sofrem de outras 1, tireoidite, hepatite, psoríase, etc.), Down, síndrome de Turner, síndrome de Williams, deficiência de IgA) ou são parentes de primeiro grau de pacientes celíacos. Além disso, elas podem ser detectadas em estudos de screening em uma determinada população. Em pesquisas mais extensas, podem ser identificados sintomas subclínicos em quase todas elas. Forma latente Acesse schar.com.br, leia notícias, saiba onde encontrar nossos produtos e conheça deliciosas receitas. O termo latente refere-se aqueles indivíduos assintomáticos e com biópsia intestinal normal consumindo glúten, mas que em um momento específico na vida apresentaram características clínicas e laboratoriais da doença celíaca, inclusive com biópsia intestinal com atrofia intestinal. Isso acontece em geral com crianças celíacas que, apesar do estímulo provocado pelo glúten, não sofrem recidivas e, por isso, são dispensadas do gastroenterologista como tendo sido curadas e que, quando adultas, sofrem uma recidiva. Forma potencial Neste caso, a criança apresenta transglutaminase IgA e/ou anticorpos antiendomísio IgA e HLA DQ 2/8), mas as biópsias intestinais são normais ou mas. Estas crianças apresentam um risco elevado de desenvolver um dano típico da doença celíaca com o decorrer do tempo e, consequentemente, devem fazer um acompanhamento regular, mesmo se for decidido que elas não precisam seguir nenhuma dieta específica. tas, a doença celíaca é considerada um grande camaleão, particularmente porque pode se manifestar através de diversos sintomas em vários órgãos ou, na forma silenciosa, pode permanecer totalmente não detectada. Por isso, mesmo com um mínimo de sintomas, deve haver suspeitas constantes e ser solicitados testes so- transglutaminase tipo IgA), junto com o celíaca são associados a uma deficiência de IgA sérica). 4

5 CASO CLÍNICO Uma criança de 2 anos é internada na pediatria com uma fratura no fêmur. Histórico familiar Imperceptível Histórico do paciente prevista 50 cm até 6 meses de idade idade psicomotor normal, de acordo com o percentil 25 existentes Doença atual Na creche, a criança se irrita facilmente e de forma visível. As funcionárias da creche relatam uma pequena contusão enquanto ela estava brincando. Ao ser internada no pronto-socorro, é feita uma radiografia da perna, a qual apresenta uma fratura na terça parte do fêmur esquerdo. Após tração, é colocada uma atadura gessada na pelve. No exame realizado durante a inter- ritina 16 mg/dl). No exame físico, ficou evidente a distensão abdominal. Pela anamnese a criança não apresentava sintomas gastrointestinais. Devido à fratura no fêmur sem trauma evidente, a anemia por deficiência de ferro e a distensão abdominal, foi decidido dosar o anticorpo anti-transglutaminase IgA, que apresentou um resultado positivo rose. Após confirmação do diagnóstico da doença celíaca, foi iniciada uma dieta com melhora clínica e 2 anos apresentou resultado normal. Aos 6 anos de idade, o crescimento adequado estava no percentil 75. Raio-X original Acesse schar.com.br, leia notícias, saiba onde encontrar nossos produtos e conheça deliciosas receitas. 5

6 CONCLUSÕES A doença celíaca é uma enteropatia imuno-mediada do intestino delgado desencadeada pela ingestão do glúten em indivíduos geneticamente susceptíveis. A predisposição genética da doença celíaca está relacionada ao sendo que aproximadamente 90%-95% dos celíacos apresentam o HLA-DQ2, e do restante, a maioria apresenta o HLA- Estudos de triagem sorológica mos- da doença celíaca são variadas e que a doença não é exclusiva da população pediátrica. A distribuição das formas de apresentação clínica da doença celíaca tem sido comparada a um iceberg devido à existência de casos de apresentação sintomática, que corresponderiam à porção visível do iceberg, e os de apresentação assintomática, que corresponderiam à porção submersa sica gastrointestinal da doença celíaca No entanto, no estudo de Sdepanian dos pacientes com a forma clássica Gastroenterologista pediatra com Certificado de Atuação na Área de Gastroenterologia Pediátrica Gastroenterologia; Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente com dissertação em Prevalência de Doença Celíaca na Curta nossa fanpage fb.com/scharbr e fique por dentro de todas as novidades da Schär. terem desenvolvido os sintomas após os 2 anos de idade, também houve um aumento da proporção das formas diagnóstico há 5 ou mais anos, para 16,8%), diagnosticadas mais frequentemente após os 2 anos de idade. Diante da grande variabilidade das formas de apresentação e da sua associação com outras doenças, os testes sorológicos tornaramse imprescindíveis no rastreamento da doença celíaca nos indivíduos com sintomas sugestivos, sendo particularmente úteis naqueles sem sintomas gastrointestinais, nos indivíduos com condições associadas a doença celíaca e nos parentes de 1º grau assintomáticos do paciente celíaco, bem como no seguimento dos pacientes celíacos em relação à aderência ao tratamento.(5,6,12) Há uma boa evidência que o anti-transglutaminase IgA (anti-ttg IgA) e o antiendomísio IgA (EMA IgA) são testes altamente sensíveis e específicos para identificação de indivíduos com doença celíaca sem deficiência de IgA, com valor preditivo positivo para evidencia da doença na biópsia de 1,00 em indivíduos sintomáticos. (12) Baseado nos conhecimentos acima, a Sociedade Europeia de Gastroenterologia, Hepatologia e blicou em 2012 novos protocolos para o diagnóstico de doença celíaca. Segundo o novo algoritmo, pacientes sintomáticos com anti-ttg IgA maior que 10 vezes o valor de referência, EMA IgA positivo e HLA DQ4 e/ou HLA DQ8 positivo devem ser considerados portadores de doença celíaca sem a necessidade de biópsia duodenal. Pacientes menores de 2 anos sintomáticos com anti-ttg IgA menor que 10 vezes o valor de referência devem ser submetidos a dosagem de anticorpos da classe IgG e, no caso de sintomas graves, a biópsia duodenal para o diagnóstico da doença. Sempre dosar a IgA sérica para exclusão dos casos de deficiência 6

7 No Brasil não temos ainda disponibilidade do estudo genético para aplicabilidade do novo protocolo em larga escala no diagnóstico da doença celíaca. Por isso, o diagnóstico é feito de acordo com critério revisado da ESPGHAN de 1990, no qual a biópsia intestinal ainda é considerada fundamental para confirmar o diagnóstico da doença. Pelo critério revisado, nos pacientes maiores de dois anos de idade com histológicas características na biópsia do intestino delgado e inquestionável após a introdução da dieta, o diagnóstico de doença celíaca pode ser considerado definitivo para toda vida, sem necessidade de biópsias adicionais. A presença de marcadores sorológicos positivos no momento do diagnóstico e seu desaparecimento com a dieta conferem maior peso ao diagnóstico. A biópsia de controle para verificar a recuperação da mucosa com a dieta é mandatória somente em pacientes com resposta clínica duvidosa e naqueles com formas assintomáticas de apresentação, como frequentemente é o caso de parentes de 1º grau dos pacientes celíacos e pacientes diagnosticados O desencadeamento com glúten deve ser realizado quando há alguma dúvida do diagnóstico inicial como, por exemplo, quando não foi realizada a biópsia inicial ou quando o fragmento de biópsia foi inadequado ou não característico de doença celíaca; em todas as crianças diagnosticadas com menos de dois anos de idade, para excluir outras doenças que podem ser responsáveis pela atrofia vilositária, como alergia à proteína do leite de vaca, síndrome pós-enterite e giardíase; e, finalmente, em crianças mais velhas e adolescentes que pretendem abandonar a dieta por contra própria. Permanece essencial, quando o desencadeamento for indicado, a obtenção de uma biópsia de controle enquanto o paciente está em dieta isenta de glúten. O desencadeamento deve ser realizado após pelo menos dois anos de dieta, de preferência não antes dos 6 anos de idade e nem durante o estirão puberal. Uma nova biópsia deve ser obtida quando houver sintomatologia evidente, ou quando os marcadores sorológicos forem positivos, ou de qualquer modo após três a seis meses do início do houver alteração característica da arquitetura da mucosa, o paciente deverá continuar com dieta com glúten e uma nova biópsia deve ser obtida, na ausência de sintomas ou alteração de testes laboratoriais, após dois anos. Se a arquitetura vilositária continuar normal, este paciente deverá ser acompanhado e outras biópsias obtidas se houver sintomatologia ou se os marcadores algumas crianças podem demorar muito mais que dois anos para apresentar Bibliografia Acesse schar.com.br, leia notícias, saiba onde encontrar nossos produtos e conheça deliciosas receitas. 7

8 AGRICULTURA CONTROLADA: O MODELO DR. SCHÄR DE PRODUÇÃO O processo de agricultura controlada é muito importante na indústria alimentícia - não somente para garantir a disponibilidade de toda a quantidade necessária de matéria prima mas especialmente para garantir o alto padrão de qualidade desejado pela indústria. Há alguns anos o grupo Dr. Schär vem trabalhando no estabelecimento de uma cadeia de fornecimento controlado para seus mais importantes ingredientes. Inicialmente focado na produção matérias prima utilizadas na elaboração de alimentos, hoje temos contrato com diversos produtores também para milhete, trigo sarraceno, sorgo, grãos de guar, e outros. O processo inicia pela seleção dos melhor equipados e que trabalham de acordo com procedimentos agronômicos altamente qualificados. Então são escolhidas variedades específicas de sementes, já testadas em projetos anteriores, para cultivo de acordo com as rural e o grupo Dr. Schär. Diversos par- exemplo é a Universidade de Bologna, na Itália, que atuou no estudo e seleção das melhores variedades de sementes para o cultivo do milhete. Este modelo de operação permite que todo o processo seja rastreável, da semente até a moagem e transporte dos grãos. Assim, o resultado final é uma farinha de altíssima qualidade e totalmente segura em relação a uma possível contaminação - tanto em relação ao glúten quanto em relação a microtoxinas e outros alergênicos. Tudo para garantir ao consumidor produtos de muito sabor, segurança e excelentes valores nutricionais. Você sabia? A Schär não utiliza conservantes, corantes ou aromatizantes artificiais em nenhum de seus produtos. Curta nossa fanpage fb.com/scharbr e fique por dentro de todas as novidades da Schär. 8

Dr. José Cesar Junqueira Ph.D Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Dr. José Cesar Junqueira Ph.D Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Doença a Celíaca Dr. José Cesar Junqueira Ph.D Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNI-RIO Doença a Celíaca Histórico Arateus da Capadócia - 200 AC Gee - 1888 Dicke 1950 ESPGHAN 1969 revistos

Leia mais

Doença Celíaca. Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012

Doença Celíaca. Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012 Doença Celíaca Curso: Hotelaria Variante Restaurante/Bar Formador: João Ribeiro Formando: Inês Paiva Ano/Turma: 10ºD Ano Lectivo: 2011/2012 ANO LECTIVO 2010-2011 PÁGINA - 2 Índice Introdução...3 O que

Leia mais

Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo?

Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo? Simpósio: Sorologia na doença celíaca: o que há de novo? Ana Renata Badan Especializanda de 1º Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

DOENÇA CELÍACA. Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição

DOENÇA CELÍACA. Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição Universidade Federal de Pernambuco UFPE Processos Patológicos Gerais - PPG Nutrição DOENÇA CELÍACA Grupo: Camila Tenório Danniely Soares Érica Ouriques Isabelle Priscila Juliana Arraes Renata Batista O

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO?

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO? DOENÇA CELÍACA Suspeita clínic a de doença celíaca ttg 1 IgA ou Antiendomísio (AEM) IgA 2 + IgA sérica 3? Probabilidade de doença celíaca é baixa Probabilidade de doença celíaca é alta Deficiência de IgA?

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

Doença Celíaca: um problema de saúde pública universal

Doença Celíaca: um problema de saúde pública universal Doença Celíaca: um problema de saúde pública universal Prof. Dr. Ulysses Fagundes Neto Professor Titular Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina/UNIFESP 1 Doença Celíaca:

Leia mais

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA "Deus seja Louvado"

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA Deus seja Louvado PROJETO DE LEI Nº /2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DIFERENCIADA PARA ALUNOS ALÉRGICOS NA REDE DE ENSINO MUNICIPAL DE VILA VELHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

DOENÇA CELÍACA ATÍPICA EM ADOLESCENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1: RELATO DE CASO

DOENÇA CELÍACA ATÍPICA EM ADOLESCENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1: RELATO DE CASO DOENÇA CELÍACA ATÍPICA EM ADOLESCENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1: RELATO DE CASO Nabel Anderson de Lencaster Saldanha da Cunha 1 Maria Auxiliadora Ferreira Brito Almino 2 Kédma Suelen Braga Barros 3

Leia mais

DOENÇA CELÍACA E GASTRONOMIA: CONVERSAS PRELIMINARES DE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SENAC DE PERNANBUCO

DOENÇA CELÍACA E GASTRONOMIA: CONVERSAS PRELIMINARES DE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SENAC DE PERNANBUCO 1 DOENÇA CELÍACA E GASTRONOMIA: CONVERSAS PRELIMINARES DE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SENAC DE PERNANBUCO LUCIANA ALBUQUERQUE LYRA,SANDRA MARINHO DE OLIVEIRA E MARCOS ALEXANDRE DE MELO

Leia mais

Intolerância à Lactose

Intolerância à Lactose Intolerância à Lactose A intolerância à lactose é a condição que se refere aos sintomas decorrentes da má digestão da lactose. Esta situação ocorre quando o organismo não produz lactase suficiente, uma

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

PERFIL DOS CELÍACOS NO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR. Curso de Enfermagem 1,2 (patrícia_depine@hotmail.com; oknihei@yahoo.com)

PERFIL DOS CELÍACOS NO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR. Curso de Enfermagem 1,2 (patrícia_depine@hotmail.com; oknihei@yahoo.com) PERFIL DOS CELÍACOS NO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR Patrícia Rafaela Depiné (Apresentadora), Oscar Kenji Nihei (Orientador) Curso de Enfermagem, (patrícia_depine@hotmail.com; oknihei@yahoo.com) Palavra-chave:

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Natasha. Fundamentação teórica Dispepsia Caso complexo Natasha Especialização em Fundamentação teórica DISPEPSIA Vinícius Fontanesi Blum Os sintomas relacionados ao trato digestivo representam uma das queixas mais comuns na prática clínica diária.

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

O QUE É O GLÚTEN E POR QUE EXISTEM PRODUTOS SEM GLÚTEN?

O QUE É O GLÚTEN E POR QUE EXISTEM PRODUTOS SEM GLÚTEN? Porquê sem glúten? O QUE É O GLÚTEN E POR QUE EXISTEM PRODUTOS SEM GLÚTEN? Grande parte da população consume diariamente produtos de padaria e pastelaria. Por esse motivo, é importante oferecer uma alternativa

Leia mais

Hipotireoidismo. O que é Tireóide?

Hipotireoidismo. O que é Tireóide? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hipotireoidismo O que é Tireóide? É uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, bem abaixo

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN

BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN BOAS PRÁTICAS PARA EVITAR A CONTAMINAÇÃO POR GLÚTEN DOENÇA CELÍACA A doença celíaca (DC) é um distúrbio imunemediado que afeta principalmente o trato gastrointestinal. É uma enteropatia glúten induzida.

Leia mais

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca:

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: Nós temos atitude, e você? O Câncer do Intestino pode ser prevenido com um teste simples e indolor que pode ser realizado em sua casa. O teste é GRATUITO oferecido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL POLÍTICAS DE ATENDIMENTO A PORTADORES DA DOENÇA CELÍACA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL POLÍTICAS DE ATENDIMENTO A PORTADORES DA DOENÇA CELÍACA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL POLÍTICAS DE ATENDIMENTO A PORTADORES DA DOENÇA CELÍACA Cleidiamar Aparecida Furlanetto Daniela Marchi Karina

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Dor abdominal crônica na criança e no adolescente Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica DOR ABDOMINAL CRÔNICA NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE Soraia Tahan É comum nos atendimentos pediátricos a associação da queixa de dor abdominal

Leia mais

Conhecimento dos pediatras sobre doença celíaca: estudo piloto

Conhecimento dos pediatras sobre doença celíaca: estudo piloto Conhecimento dos pediatras sobre doença celíaca ARTIGO ORIGINAL ISSN 1677-5090 2010 Revista de Ciências Médicas e Biológicas Conhecimento dos pediatras sobre doença celíaca: estudo piloto The pediatricians

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I ALIMENTAÇÃO Preventiva Volume I By porque evoluir é preciso Que o teu alimento seja seu medicamento Hipócrates Pai da medicina moderna Não coma, nutra-se! Existem muitas informações importantes disponíveis,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Cefaleia crónica diária

Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária O que é a cefaleia crónica diária? Comecei a ter dores de cabeça que apareciam a meio da tarde. Conseguia continuar a trabalhar mas tinha dificuldade em

Leia mais

Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012

Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012 Promotores: 23 a 25 de fevereiro de 2012 Apoio: Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores de Restinga Sêca 23 a 25 de fevereiro de 2012 ASPECTOS NUTRICIONAIS DE PRODUTOS DERIVADOS DO ARROZ Informações

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

Tamaril Senna alexandrina Mill + ASSOCIAÇÃO Sistema Digestivo

Tamaril Senna alexandrina Mill + ASSOCIAÇÃO Sistema Digestivo Tamaril Senna alexandrina Mill + ASSOCIAÇÃO Sistema Digestivo EDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica: Senna alexandrina Mill, Cassia fistula L., Tamarindus indica L., Coriandrum sativum L. e Periandra

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV)

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV) NOTA TÉCNICA 24/2014 Solicitante Regina Célia Silva Neves Juizado Fazenda Pública de Itaúna Processo Número 0338.13.012.595-2 Data: 07/02/2014 Medicamento/ dieta x Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Doença Celíaca mitos e verdades

Doença Celíaca mitos e verdades Doença Celíaca mitos e verdades Trigo - História Existem evidências arqueológicas de um pão pesado na era Paleolítica na Europa, há 30.000 anos atrás, embora a alimentação fosse principalmente baseada

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil Cadernos de Informação Científica Ano 8 nº 12 2013 Síndrome do X Frágil C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a definição e causas A síndrome do X frágil (SXF), também conhecida como

Leia mais

Problemas Gastro-Intestinais

Problemas Gastro-Intestinais Problemas Gastro-Intestinais Parâmetros Ocidentais Vômito; Dor na região abdominal, gástrica, etc. Gastrite, Úlcera, Diarréia, Prisão de ventre (constipação) Cólica, Vermes. Anamnese: Tipo de dor ou desconforto:

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010)

Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010) Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010) Hakvoort L, Dubbeld P, Ballieux MJP, Dijkstra RH, Meijman HJ, Weisscher PJ, Willemse BG, Eizenga WH traduzido do original

Leia mais

TRABALHO DESENVOLVIDO PELA COORDENADORIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA

TRABALHO DESENVOLVIDO PELA COORDENADORIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA TRABALHO DESENVOLVIDO PELA COORDENADORIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA EQUIPE DA COORDENADORIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR COORDENADORA: CLEUSA REGINA

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Anemia: Conteúdo. Definições

Anemia: Conteúdo. Definições Anemia Resumo de diretriz NHG M76 (março 2003) Van Wijk MAM, Mel M, Muller PA, Silverentand WGJ, Pijnenborg L, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Hérnia Inguinal. O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é a protrusão (saliência ou abaulamento) de uma víscera ou órgão através de

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos

Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos Principal função exócrina = produção, secreção e estoque de enzimas digestivas (gordura, proteínas e polissacarideos) Cães: Possuem dois ductos pancreáticos (principal e acessório) Gatos: Ducto biliar

Leia mais

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem!

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Convivendo bem com a doença renal Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Nutrição e dieta para diabéticos: Introdução Mesmo sendo um paciente diabético em diálise, a sua dieta ainda

Leia mais

Exercícios de Ciências

Exercícios de Ciências nome: n o : 7 o urma Ivana Fundamental a no: t : e nsino: data: p rofessor(a): b imestre: nota: Exercícios de Ciências 1) (1,0) Começamos nosso estudo do reino animal pelo grupo dos Poríferos, os invertebrados

Leia mais

DENGUE E FEBRE AMARELA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

DENGUE E FEBRE AMARELA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV DENGUE E FEBRE AMARELA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Os Arbovírus ARBOVÍRUS = ARthropod BOrne VIRUS Arbovírus pertencem a três famílias: Togavírus Bunyavírus Flavivírus: Febre

Leia mais

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG

Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Será que égastrite? Luciana Dias Moretzsohn Faculdade de Medicina da UFMG Sintomas Dor na região do estômago Estômago estufado Empanzinamento Azia Arrotos frequentes Cólica na barriga Vômitos e náusea

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA)

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) Anualmente milhares de pessoas se submetem a rinoplastia. Algumas destas pessoas estão insatisfeitas com a aparência de seus narizes há muito tempo; outras não estão contentes

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado. Forma farmacêutica: Solução de enema

ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado. Forma farmacêutica: Solução de enema ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado Forma farmacêutica: Solução de enema 1 MODELO DE BULA ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

APROVADO EM 01-10-2004 INFARMED

APROVADO EM 01-10-2004 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO Antibiophilus, 250 mg, Cápsulas Lactobacillus casei variedade rhamnosus Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

Difilobotríase: alerta e recomendações

Difilobotríase: alerta e recomendações MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Difilobotríase: alerta e recomendações Desde março de 2005, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS) tem sido notificada da

Leia mais

Febre Periódica, Estomatite Aftosa, Faringite e Adenite (PFAPA)

Febre Periódica, Estomatite Aftosa, Faringite e Adenite (PFAPA) www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Febre Periódica, Estomatite Aftosa, Faringite e Adenite (PFAPA) Versão de 2016 1. O QUE É A PFAPA 1.1 O que é? PFAPA significa Febre Periódica, Estomatite

Leia mais

Clostridium difficile: quando valorizar?

Clostridium difficile: quando valorizar? Clostridium difficile: quando valorizar? Sofia Bota, Luís Varandas, Maria João Brito, Catarina Gouveia Unidade de Infecciologia do Hospital D. Estefânia, CHLC - EPE Infeção a Clostridium difficile Diarreia

Leia mais