METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB"

Transcrição

1 METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB

2 Capítulo 2 ASPECTOS METODOLÓGICOS O método de cálculo adotado pela CONAB busca contemplar todos os itens de dispêndio, explícitos ou não, que devem ser assumidos pelo produtor, desde as fases iniciais de correção e preparo do solo até a fase inicial de comercialização do produto. O cálculo do custo de uma determinada cultura estabelece custos de produção associados aos diversos padrões tecnológicos e preços de fatores em uso nas diferentes situações ambientais. Desta forma, o custo é obtido mediante a multiplicação da matriz de coeficientes técnicos pelo vetor de preços dos fatores. Na formulação do método de cálculo dos custos de produção, o objetivo deliberado é a determinação do custo médio por unidade de comercialização das principais culturas constantes da pauta da Política de Garantia de Preços Mínimos- PGPM algodão, arroz, feijão, milho e soja, na safra de verão, e o trigo na safra de inverno. Como o cálculo do custo de produção envolve uma série de rotinas nem sempre de fácil entendimento para todos, é importante que se faça uma descrição dos procedimentos empregados pela CONAB na elaboração desses custos. 2.1 Coeficientes Técnicos de Produção No cálculo do custo de produção de uma determinada cultura deve constar como informação básica a combinação de insumos, de serviços e de máquinas e implementos utilizados ao longo do processo produtivo. Esta combinação é conhecida como pacote tecnológico e indica a quantidade de cada item em particular, por unidade de área, que resulta num determinado nível de produtividade. Essas quantidades mencionadas, referidas a unidade de área (hectare) são denominadas de coeficientes técnicos de produção, podendo ser expressas em tonelada, quilograma ou litro (corretivos, fertilizantes, sementes e agrotóxicos), em horas (máquinas e equipamentos) e em dia de trabalho (humano ou animal). 4

3 Dadas as peculiaridades da atividade agrícola, os referidos coeficientes são influenciados diretamente pela diversidade de condições ambientais de clima, de fertilidade, de tipos e topografia do solo, dentre outros, que moldam, na prática, uma grande variedade de padrões tecnológicos de produção. Assim, para tornar possível o estabelecimento de coeficientes técnicos e superar os problemas da extrema diversidade existente, faz-se necessária a aceitação de alguns padrões genéricos que sejam representativos do conjunto de tecnologias adotadas pelos produtores das diferentes regiões do País, desde que guardem certa consistência entre eles. A matriz de coeficientes técnicos em uso na CONAB foi originada de um projeto de pesquisa iniciado em março de 1976 pelos técnicos da então Comissão de Financiamento da Produção CFP e concluído em 1979, quando foram calculados os primeiros custos da Empresa. Esta matriz tem sido revisada de lá para cá, de modo a incorporar as inovações tecnológicas que vêm sendo adotadas pelos produtores. Para a atualização dos coeficientes técnicos, são realizados painéis nas regiões produtoras, em que se convidam agrônomos e técnicos de cooperativas, de empresas de assistência técnica e extensão rural (pública e privada), de revendas de insumos/máquinas agrícolas, da EMBRAPA, das Secretarias de Agricultura Estaduais; dos agentes financeiros, além de produtores e dos técnicos da CONAB. Considerando-se os constantes investimentos em pesquisas, o desenvolvimento de novas tecnologias e as operações que passam a ser realizadas no processo produtivo devido ao ataque de pragas e doenças, é importante que as atualizações ocorram com freqüência. Deste modo, objetivando evitar a defasagem do pacote tecnológico foi determinado que as atualizações para as culturas anuais devem ocorrer a cada 3 (três) anos e para as culturas perenes a cada 5 (cinco) anos. Vale ressaltar que, em casos específicos, podem ocorrer inclusões ou alterações nos coeficientes técnicos antes do prazo estimado. 2.2 Sistema de Coleta de Preços Outra variável essencial no cálculo de custo de produção é o vetor de preços dos fatores que fazem parte do processo de produção, representado pelos preços médios efetivamente praticados na área objeto do estudo. Diferentemente do que 5

4 acontece com os coeficientes técnicos, os preços dos insumos e serviços apresentam variações mais freqüentes, exigindo levantamentos periódicos durante o ciclo produtivo, mesmo em períodos de baixa inflação. O vetor de preços utilizado pela CONAB nos cálculos dos custos de produção é proveniente de pesquisas nas zonas de produção das Unidades da Federação por técnicos da própria Companhia junto aos revendedores de insumos e serviços. Estas acontecem segundo um calendário estabelecido de acordo com as necessidades de se calcular os custos de produção. São implementadas através de visitas aos mais expressivos centros de comercialização de insumos, de máquinas e de serviços agrícolas nas principais regiões produtoras do País. Os dados pesquisados são, então, tratados estatisticamente, calculando-se as médias aritméticas dos preços nos Estados (nos casos de dados discrepantes, os extremos são excluídos). Somente após este processo ocorrerá a utilização dos valores nos cálculos dos custos de produção. É importante ressaltar que há necessidade de se calcular uma estimativa de custos antes que seja iniciado o preparo do solo, de maneira que a formulação e a divulgação das políticas para o setor aconteçam com a devida antecedência. Em razão disso, a pesquisa de preços de insumos enfrenta certas dificuldades, uma vez que, com a sazonalidade no mercado de fatores agrícolas, os preços de alguns insumos nem sempre estão disponíveis nesse momento. Essas dificuldades são contornadas caso a caso segundo critérios estatísticos específicos, a exemplo de estudos de tendência de preços, com base em séries históricas e de relativos de preços. Finalmente, cabe registrar que nesses centros de comercialização, os levantamentos são efetuados junto às cooperativas agropecuárias e aos representantes e revendedores de insumos e máquinas agrícolas e, se necessário, complementados via e- mail, telefone ou fax, buscando-se com isso refletir, com a máxima fidedignidade, os preços efetivamente pagos pelos produtores. 2.3 Adequação dos Custos no Tempo De um modo geral, a produção agrícola se desenvolve em etapas distintas preparo do solo, plantio, tratos culturais e colheita exigindo, para tanto, períodos relativamente longos para serem realizadas. Isso faz com que os insumos e serviços 6

5 sejam incorporados à lavoura em diferentes momentos, ao longo do processo produtivo. Conseqüentemente, surgem dificuldades quanto à forma de se mensurar estes componentes fora de sua efetiva época de utilização, mesmo em períodos de baixa inflação. Por isso, em trabalhos de custos de produção agrícola, é importante que se deixe claro a distinção entre orçamento ou estimativas de custo e custo efetivo ou simplesmente custo, bem como a data-base ou de referência em que os cálculos estão sendo realizados. A metodologia empregada pela CONAB busca identificar corretamente os custos de produção no tempo, contemplando, pelo menos, duas situações distintas: a) custo estimado, realizado de três a quatro meses antes do início das operações de preparo de solo, visa subsidiar as decisões de política agrícola para a safra a ser plantada, de modo a permitir a avaliação prévia do que plantar, que culturas estimular e qual o montante de recursos necessários para o financiamento da safra; b) custo efetivo, calculado a partir dos preços praticados na época oportuna de utilização, determina o custo efetivamente incorrido pelo produtor e serve para controle, avaliação, estudos de rentabilidade e subsídios às futuras políticas para o setor. No primeiro caso, o cálculo tem por base os preços correntes de todos os insumos e serviços a serem utilizados no decorrer do processo produtivo, levantados num determinado momento, independentemente da época em que os mesmos serão incorporados ao processo produtivo, assumindo, assim, que as possíveis variações dos mesmos serão captadas ao longo do ciclo de produção e contempladas quando do cálculo do custo efetivo. Conforme já foi dito, os preços que eventualmente não estão disponíveis nesse momento, têm tratamento próprio, segundo critérios específicos. No segundo caso, estes dispêndios vão sendo revistos, a cada instante, de acordo com o desembolso efetivo em cada fase do ciclo produtivo, a saber: preparo do solo, plantio, tratos culturais e colheita. Assim, a partir da utilização desse critério, é possível fazer-se cálculos periódicos do custo durante todo o período de produção, bastando para isto eleger a data-base desejada, bem como calcular o custo efetivo ao término da safra. 7

6 Neste contexto, vale dizer que, para a safra de verão, o ideal seria calcular os custos em, pelo menos, quatro momentos distintos, a saber: antes do início do cultivo (abril/maio); no início do cultivo (agosto/setembro); no decorrer do ciclo de cultivo (novembro/dezembro) e; após o término da colheita (abril). Vale ressaltar que, atualmente, os custos são calculados a cada dois meses, coincidindo com os períodos de divulgação dos levantamentos de campo das estimativas da produção brasileira de grãos, realizados pela CONAB. 2.4 Mensuração dos Componentes de Custos Do ponto de vista da mensuração dos custos de oportunidade social, os critérios adotados para sua determinação são os seguintes: a) custos explícitos, cujos valores podem ser mensurados de forma direta, são determinados de acordo com os preços praticados pelo mercado, admitindo-se que os mesmos representam seus verdadeiros custos de oportunidade social. Situam-se nesta categoria os componentes de custo que são desembolsados pelo agricultor no decorrer de sua atividade produtiva, tais como insumos (sementes, fertilizantes e agrotóxicos), mão-de-obra temporária, serviços de máquinas e animais, juros, impostos e outros. b) custos implícitos não são diretamente desembolsados no processo de produção, visto que correspondem à remuneração de fatores que já são de propriedade da fazenda, mas não podem deixar de ser considerados, uma vez que se constituem, de fato, em dispêndios. Sua mensuração se dá de maneira indireta, através da imputação de valores que deverão representar o custo de oportunidade de seu uso. Nesta categoria enquadram-se os gastos com depreciação de benfeitorias, instalações, máquinas e implementos agrícolas e remuneração do capital fixo e da terra. 8

7 2.5 Representatividade dos Custos Quanto à representatividade estatística, os custos de produção calculados pela CONAB buscam observar o comportamento médio dos diversos padrões tecnológicos praticados no cultivo dos produtos amparados pela PGPM, bem como dos preços dos fatores de produção, ao nível das regiões geográficas Sul, Sudeste e Centro- Oeste, denominada Região Centro-Sul e ao nível da Região Norte/Nordeste. Ao longo do tempo, as decisões de governo para a agricultura basearam-se, via de regra, em informações de caráter global, isto é, aquelas com níveis de agregação geográfica que representam, em grandes números, todas as zonas de produção agrícola. Recentemente, tem-se observado decisões de política agrícola em planos mais regionalizados, o que, sem dúvida, constituem-se em avanços, diante de um quadro de rápidas transformações tecnológicas na agricultura. 9

8 Capítulo 3 DETALHAMENTO DAS CONTAS As planilhas de custos da CONAB estão organizadas de maneira a separar os componentes de acordo com sua natureza contábil e econômica. Em termos contábeis, os custos variáveis são separados em despesas de custeio da lavoura, e outras despesas, que se desdobram em despesas de pós-colheita e despesas financeiras, esta última incidente sobre o capital de giro utilizado. Da mesma forma, os custos fixos são diferenciados em depreciação do capital fixo e demais custos fixos envolvidos na produção e remuneração dos fatores terra e capital fixo. Em termos econômicos, os componentes do custo são agrupados, de acordo com sua função no processo produtivo, nas categorias de custos variáveis, custos fixos, custo operacional e custo total. Nos custos variáveis são agrupados todos os componentes que participam do processo, na medida que a atividade produtiva se desenvolve, ou seja, aqueles que somente ocorrem ou incidem se houver produção. Enquadram-se aqui os itens de custeio, as despesas de pós-colheita e as despesas financeiras. No planejamento de política econômica adotada para cada produto, os custos variáveis desempenham papel crucial na definição do limite inferior do intervalo dentro do qual o preço mínimo deve variar, constituindo-se, no curto prazo numa condição necessária para que o produtor continue na atividade. Nos custos fixos, enquadram-se os elementos de despesas que são suportados pelo produtor, independentemente do volume de produção, tais como depreciação, seguros, manutenção periódica de máquinas e outros. O custo operacional é composto de todos os itens de custos variáveis (despesas diretas) e a parcela dos custos fixos diretamente associada à implementação da lavoura. Difere do custo total apenas por não contemplar a renda dos fatores fixos, consideradas aqui como remuneração esperada sobre o capital fixo e sobre a terra. É um conceito de maior aplicação em estudos e análises que vislubrem horizontes de médio prazo. 10

9 O custo total de produção,compreende o somatório do custo operacional mais a remuneração atribuída aos fatores de produção. Numa perspectiva de longo prazo todos esses itens devem ser considerados na formulação de políticas para o setor Descrição dos Itens que Compõem o Custo de Produção Considerando os critérios de organização apresentados acima, os elementos do custo de produção agrícola são reunidos segundo o plano de contas a seguir: A - CUSTO VARIÁVEL I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA 1 - Operação com aviões 2 - Operação com máquinas 3 - Aluguel de máquinas 4 - Mão-de-obra temporária 5 - Mão-de-obra permanente 6 - Sementes 7 - Fertilizantes 8 - Agrotóxicos 9 - Despesas administrativas II - DESPESAS PÓS-COLHEITA 1 - Transporte externo 2 - Classificação 3 - Recepção/Limpeza/Secagem/Armazenamento (30 dias) 4 - Despesas com PROAGRO III - DESPESAS FINANCEIRAS 1 - Juros 2 - Impostos e taxas B - CUSTO FIXO IV - DEPRECIAÇÕES 1 - Depreciação de benfeitorias e instalações 2 - Depreciação de máquinas e implementos V - OUTROS CUSTOS FIXOS 1 - Manutenção periódica de máquinas 2 - Encargos sociais 3 - Seguro do capital fixo 11

10 C - CUSTO OPERACIONAL (A + B) VI - RENDA DE FATORES 1 - Remuneração esperada sobre capital fixo 2 - Terra D - CUSTO TOTAL (C + VI) Operação com aviões Algumas operações, por razões diversas, são realizadas com utilização de aviões, como por exemplo, a aplicação de agrotóxicos nas lavouras irrigadas, onde o uso da máquina torna-se praticamente impossível. Neste item são computadas as despesas que o produtor realiza na contratação de aplicações aéreas (agrotóxicos, fertilizantes, etc). Assim como em qualquer item das despesas de custeio, o dispêndio é obtido mediante a multiplicação do respectivo coeficiente técnico pelo custo do serviço de aluguel do avião Operação com máquinas O valor que aparece nesta conta resulta do somatório das despesas com operações mecanizadas, com máquinas próprias, no preparo do solo (conservação de terraços, aração, gradagem e aplicação de herbicidas PPI); no plantio e adubação de manutenção, nos tratos culturais (aplicação de agrotóxicos, capinas mecânicas e aplicação mecânica de adubo de cobertura), na colheita e no transporte interno. O dispêndio em cada operação é obtido mediante a multiplicação do respectivo coeficiente técnico pelo custo horário de máquina. O custo horário de máquina é calculado pela CONAB a partir dos índices de consumo de óleo combustível, lubrificantes, filtros e salário do operador, de acordo com a potência de cada máquina utilizada no processo produtivo, bastando, para tanto, conhecer os preços desses insumos e serviços no momento desejado. Esses preços são pesquisados junto às revendas e instituições técnicas do setor, sempre na primeira semana do mês. Cabe enfatizar que, aos custos de operação de máquina, são adicionados os gastos parciais com manutenção das mesmas no decorrer do ciclo da cultura que representam 40% dos gastos totais com este dispêndio, obtendo-se, assim, o custo/hora 12

11 total. Estas despesas são, portanto, apropriadas a essa categoria do custo variável, por representar um desembolso imediato do agricultor. Como as despesas com manutenção de máquinas tanto ocorrem ao longo do ciclo produtivo da lavoura, como após o seu encerramento, o restante (60%) são computados no custo fixo Aluguel de máquinas Só difere em relação ao item anterior Operação com máquinas, porque o produtor, por não possuir máquina própria, contrata os serviços de terceiros para realizar os serviços Operações com animais Representam os gastos relacionados às operações realizadas com animais de tração do produtor. Segundo uma planilha própria, o cálculo deste custo contempla as despesas com alimentação, operador, manejo e defesa sanitária (vacinas e medicamentos), necessários à manutenção e à sobrevivência do animal Mão-de-obra De acordo com a metodologia de cálculo, são considerados dois tipos de mão-de-obra: o trabalhador temporário e a mão-de-obra permanente. Tais despesas são apropriadas como custo variável, uma vez que representam desembolso imediato para o agricultor. Por trabalhador temporário entende-se aquele que é remunerado por dia de serviço na execução de tarefas que não exigem maiores qualificações. Enquadram-se nesta categoria diversos tipos de trabalhadores, desde os trabalhadores volantes (bóias frias) até os pequenos proprietários que se assalariam para a complementação da renda familiar. parte (3.1.13). 1 Em razão da complexidade do cálculo de manutenção de máquina, este item é comentado à 13

12 Sabe-se, contudo, que para a realização de determinadas práticas em culturas anuais, o trabalhador é melhor remunerado, seja pelos cuidados requeridos na sua execução, seja pela oportunidade da realização das mesmas, onde o atraso pode implicar em queda de produtividade e prejudicar a qualidade do produto colhido. Neste particular, é feita uma diferenciação no caso da mão-de-obra requerida para as colheitas de algodão e de feijão. O valor do salário pago ao diarista é obtido por meio de pesquisa de campo. Já a remuneração paga pela colheita de algodão e de feijão é calculada através do critério de comparação histórica do valor dispendido nessas operações com aquele pago ao diarista (serviços gerais). Assim, comparando-se a média das remunerações pagas nos últimos anos aos trabalhadores contratados para a operação de colheita dessas culturas com a média do salário pago ao diarista, no mesmo período, observou-se que existe um comportamento relativamente estável entre essas duas variáveis, que faz com que os gastos com essa operação possam ser expressos como uma proporção do salário pago ao diarista. Nas duas últimas safras, esta proporção foi da ordem de 25% do valor pago ao diarista, para se colher uma arroba (15kg) de algodão. Para a colheita de feijão a diária correspondeu a 115% do valor de uma diária comum. Mão-de-obra Permanente: são os dispêndios efetuados para a remuneração dos trabalhadores permanentes (capatazia). Na medida que o trabalhador permanente de uma propriedade agrícola tende a atender a propriedade como um todo, a mensuração do tempo e do valor gasto em uma atividade específica torna-se difícil de ser aferido, exigindo, para tanto, que se adote alguns critérios que permitam a obtenção de uma aproximação razoável desse gasto, durante o ciclo produtivo de uma determinada cultura. Como não se trata de uma propriedade em particular, mas de uma estimativa genérica para o conjunto de propriedades existentes para se determinar o montante da mão-de-obra permanente usado em cada cultura, na presente metodologia, considera-se o valor de um salário mínimo, pelo período de seis meses, rateado por 100,00 hectares. Este período é entendido como sendo o tempo médio de duração dos ciclos das culturas anuais, enquanto 100,00 hectares seria o tamanho médio de uma 14

13 propriedade, possível de ser administrada por um capataz. Dessa forma, obtém-se o dispêndio com mão-de-obra permanente em cada hectare, padrão a todas as culturas. Operador: o salário do operador de máquinas é contemplado diretamente no cálculo do custo de hora/máquina (item ) Insumos Refere-se às despesas de aquisição de fertilizantes, agrotóxicos e sementes. Fertilizantes e Agrotóxicos: os preços são obtidos através de pesquisas de campo e referem-se aos insumos colocados na propriedade do agricultor. Estes preços pesquisados são comparados com a série histórica, de maneira a testar sua compatibilidade com a tendência histórica real 2. Sementes e Mudas: no momento em que se calcula o custo estimado, o mercado de sementes ainda não formou seus preços, exigindo, então, que se recorra a um critério específico, que consiste em fazer um estudo comparativo entre os preços do grão e da respectiva semente, de modo a se obter um relativo de preços que possa ser utilizado para se estimar o preço da semente na época efetiva de sua comercialização, baseando-se nas expectativas de preços de mercado para o grão. Primeiramente, os preços nominais pagos pelos produtores na safra anterior, com a aquisição de sementes na época de concentração da comercialização deste insumo, são atualizados monetariamente para o mês de junho, através do IGP-DI. Em seguida, os preços reais das sementes são ponderados pelo calendário de plantio dos principais estados produtores, obtendo-se, assim, os preços reais médios pagos, ponderados para a safra. Posteriormente, adota-se o mesmo procedimento para os preços recebidos pelos agricultores, mediante a tabulação dos preços nominais nos principais estados produtores, no período de comercialização dos produtos, corrigindo-os pelo mesmo índice, também para o mês de junho. Estes preços reais são ponderados pelos 2 A CONAB dispõe de séries históricas mensais de preços pagos pelos produtores por insumos e serviços, oriundos de duas fontes: IPP (CONAB/FGV), cuja pesquisa é realizada em diversos Estados brasileiros, e SEAB/DERAL, cuja pesquisa contempla os preços praticados no Estado do Paraná. 15

14 percentuais de colheita mensal e pelo volume de produção obtido em cada um dos principais estados produtores, obtendo-se dessa forma, os preços reais médios recebidos. Os relativos sementes/grãos ou caroço são obtidos através da divisão dos preços reais médios pagos pelas sementes, pelos preços reais médios recebidos com a venda dos grãos ou caroços (algodão). A partir daí, faz-se a estimativa do preço de sementes de duas maneiras: a) relativo encontrado na safra atual multiplicado pelo preço real ponderado do produto; b) média dos relativos das safras anteriores e atual multiplicada pelo preço real do produto. Finalmente, faz-se o comparativo, mediante o confronto das estimativas de preços previstos para a safra, com o preço mínimo de sementes, com os preços coletados na última pesquisa de campo e com os fornecidos pela Associação Brasileira dos Produtores de Sementes (ABRASEM), também em valores de junho, de modo a testar a consistência dos preços obtidos Transporte externo Refere-se às despesas realizadas com o transporte do produto da propriedade rural até a estrutura de pré-beneficiamento (limpeza e secagem) e armazenamento. Nos custos estimados, adota-se os preços reais de frete, praticados por ocasião da comercialização da safra anterior, obtidos através de pesquisa de campo. Quando do cálculo do custo final, no encerramento da safra, é feita uma nova pesquisa, quando então são considerados os preços de frete efetivamente praticados no decorrer do período de colheita CDO e Classificação São itens específicos da lavoura de arroz, que ocorre na précomercialização, onde se registram as despesa de CDO Contribuição para Defesa da Orizicultura e para classificar o produto. 16

15 Recepção, Limpeza, Secagem, Armazenamento (30 dias) São computados aqui os gastos de pré-comercialização e outras complementações necessárias à comercialização do produto. Esses gastos são mensurados com base nas tarifas praticadas pela CONAB, no armazenamento de produtos de terceiros Despesas com PROAGRO Considera-se a taxa de participação, por cultura, denominada adicional, (Capítulo 7, Seção 3, do Manual de Crédito Rural do BACEN), compreendendo os seguintes percentuais: Algodão herbáceo...7,0% Arroz irrigado...4,7% Arroz de sequeiro...11,7% Feijão...11,7% Milho...7,0% Soja...7,0% Essas alíquotas são acrescidas de 2%, a título de assistência técnica que o agricultor deve contratar para se beneficiar do Programa e incidem uma única vez sobre o valor total de custeio agrícola Juros São considerados nesta rubrica os juros incidendentes sobre os recursos necessários ao custeio da lavoura, computados a partir das respectivas épocas de liberação ou de utilização. A mensuração desse componente é feita a partir de estimativas de crédito que o agricultor obtém com recursos do crédito rural oficial, portanto à taxa de juros preferenciais, e com recursos provenientes de fontes alternativas (própria ou de terceiros) para a complementação do financiamento da lavoura, remunerados pela taxa SELIC. 17

16 Depreciações Consideram-se aqui as despesas referentes à depreciação dos bens materiais (imóveis, máquinas e equipamentos) utilizados pelo agricultor. O método utilizado para o cálculo das depreciações foi o linear que considera a depreciação como uma função linear da idade do bem, variando uniformemente ao longo da vida útil. Depreciação de benfeitorias: os valores da depreciação com edificações (casa e galpão), e no caso do arroz irrigado, com depósito de combustível, a tubulação e rede elétrica, são obtidos conforme fórmula abaixo: {[( VN VR) / VUa] xt. Ocup. } / AREA onde: VN = valor do bem novo. VR = valor residual do bem. VUa = vida útil do bem definida em anos. T.Ocup = taxa de ocupação do bem, definida como sendo o percentual de utilização deste bem em uma determinada lavoura, obtido a partir da média de utilização dos tratores nesta lavoura. ÁREA = área cultivada da lavoura. Depreciação de máquinas e equipamentos: para estes bens o cálculo da depreciação se dá através da seguinte fórmula: [( VN VR) VUh] xhs Tr /.. onde VN = Valor do bem novo. VR = Valor residual do bem. VUh = Vida útil do bem definida em horas. 18

17 Hs Tr = total de horas trabalhadas por hectare pelo bem, em uma safra, para realizar todas as tarefas de preparo do solo à colheita em uma dada lavoura. Tabela II VIDA ÚTIL E VALOR RESIDUAL MÁQUINAS, IMPLEMENTOS E INSTALAÇÕES ESPECIFICAÇÃO VIDA ÚTIL VALOR RESIDUAL Anos Horas (% do valor novo) MÁQUINAS: Trator Colheitadeira Retroescavadeira Motor (elétrico e diesel) IMPLEMENTOS: Arado 2 discos terraço Arado 3 discos hidráulico Arado 4 discos terraço Arado 4 discos arrasto Cultivador mecânico - 5/7 linhas Carreta com pneus - 3 toneladas Carreta com pneus - 4 toneladas Carreta com pneus - 5 toneladas Bomba d água mm Distribuidor de calcário até Kg Grade simples - 24 discos Grade aradora acima 18 discos Grade niveladora - 30 discos Grade niveladora - 32/36 discos Plantadeira/adubadeira - 6 linhas Plantadeira/adubadeira mecânica - 6 linhas Pulverizador de barra - 400/1.000 litros Carpideira tração animal - 3 enxadas Debulhador - 50 sacas/hora Plaina terraceadora - lâmina Rolo compactador Kg Semeadeira a lanço Semeadeira/adubadeira mecânica - acima 15 linhas Entaipadeira - 2 discos Trilhadeira - acima 50 sacas/hora Roçadeira de arrasto Carreta Graneleira - 1 eixo 3 toneladas Grade de dentes tapadeira INSTALAÇÕES: Galpão para máquinas e implementos Casa de alvenaria para administrador Casa de madeira para auxiliares

18 Manutenção periódica de máquinas Entende-se por manutenção de máquinas ao conjunto de dispêndios necessários à conservação das mesmas. Estima-se que ao longo de sua vida útil, o produtor dispenda o correspondente a 50% do valor da máquina nova (ou 5% ao ano, considerando-se a vida útil de 10 anos). Conforme já foi comentado no item 3.1.1, na categoria de custos fixos são contemplados apenas os gastos de manutenção realizados após o término do ciclo produtivo da cultura, com o objetivo de colocar o maquinário em condições de uso para a safra seguinte. Essas despesas correspondem, em média, a 60% dos gastos totais com manutenção Encargos sociais Nesta rubrica enquadram-se as despesas com férias, 13º salário, INSS, FGTS referentes à mão-de-obra fixa, já que estas não se constituem em desembolsos imediatos de recursos, uma vez que as despesas com o pagamento dos salários já foram consideradas anteriormente no item Estes encargos perfazem um acréscimo de 59% sobre o total pago ao trabalhador permanente, o qual foi especificado nas despesas de custeio da lavoura Seguro do capital fixo Refere-se às despesas de contratação de seguro dos elementos componentes do capital fixo. O prêmio cobrado é uma taxa média entre todos os elementos segurados e é aplicado sobre a metade do valor total dos ativos fixos cotados ao preço atual de mercado do equipamento novo. Para as benfeitorias e instalações, devido a dificuldade de se definir a vida útil dos mesmos em horas, utiliza-se a seguinte fórmula: { [(( ) ) 2 ] } VMxQM xt. Ocup. / xp / A onde: 20

19 VM = Valor do bem novo. QM = Quantidade do bem. T. Ocup. = Taxa de ocupação do bem, definida como sendo o percentual de utilização deste bem em uma dada lavoura. P = Taxa de prêmio. A = Área cultivada da lavoura. Para as máquinas e implementos, utiliza-se a seguinte fórmula: {[(( onde: ) / 2 ) / ]. } VMxQM CAT xhs Tr xp VM = Valor do bem novo. QM = Quantidade do bem. CAT = Capacidade anual de trabalho do bem em horas, definida como a razão entre a vida útil do bem em horas e a vida útil do bem em anos. Hs. Ts. = Total de horas trabalhadas por hectare pelo bem, em uma safra, para realizar todas as tarefas do preparo do solo à colheita em dada lavoura. P = Taxa de prêmio Remuneração Esperada Sobre o Capital Fixo É a remuneração atribuída ao montante de capital fixo (benfeitorias, instalações, máquinas e equipamentos) empregado na produção. Considera-se, para tanto, qual seria a remuneração percebida pelo capital empatado em ativos fixos na produção, em seu melhor uso alternativo. No presente caso, utiliza-se a taxa média real de 6% ao ano (remuneração paga às aplicações em caderneta de poupança), como 21

20 representativa do custo de oportunidade do capital fixo empregado no processo de produção agrícola. Esta taxa de juros é aplicada sobre a metade do valor total dos ativos fixos cotados ao preço atual de mercado do equipamento novo. Para as benfeitorias e instalações, devido a dificuldade de se definir a vida útil dos mesmos em horas, utiliza-se a seguinte fórmula: ([(( VMxQM ) xt. Ocup. ) / 2 ] xj} / A onde: VM = Valor do bem novo. QM = Quantidade do bem. T. Ocup. = Taxa de ocupação do bem, definida como sendo percentual de utilização deste bem em uma dada lavoura. J = Taxa de remuneração. A = Área cultivada da lavoura. Para máquinas e implementos, a fórmula utilizada é a seguinte: {[(( ) / 2 ) / ].. } VMxQM CAT xhs Tr xj onde: VM = Valor do bem novo. QM = Quantidade do bem. CAT = Capacidade anual de trabalho do bem em horas, definida como a razão entre a vida útil do bem em horas e a vida útil do bem em anos. Hs. Tr. = Total de horas trabalhadas por hectare pelo bem, em uma safra, para realizar todas as tarefas, do preparo do solo à colheita, em uma dada lavoura. J = Taxa de remuneração. 22

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Custo de. Gerência de Custos de Produção- GECUP

Custo de. Gerência de Custos de Produção- GECUP Custo de Produção Gerência de Custos de Produção- GECUP GECUP Produtos Estimativas de custos de produção da agropecuária, atualizados bimestralmente; Análise do mercado de insumos e de fatores de produção;

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ Curitiba, 2007 ÍNDICE CUSTO DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE... 1 I CARACTERÍSTICAS DA PROPRIEDADE... 1 II CARACTERÍSTICAS DA EXPLORAÇÃO... 1 III CONSTRUÇÕES...

Leia mais

DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA

DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA Documento elaborado e aprovado pelas duas instituições Este documento apresenta um estudo comparativo

Leia mais

O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS

O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS 1. INTRODUÇÃO Este texto visa apresentar uma metodologia para o cálculo do custo total de produção de produtos

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Muito embora os resultados financeiros da Companhia sejam divulgados no calendário de ano-civil (ex. o primeiro trimestre divulgado compreende o

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS LEVANTAMENTO REALIZADO POR FARSUL/CEPEA 19/05/2014 PROPRIEDADE TÍPICA: MUINCÍPIO DE CRUZ ALTA Característica da Propriedade: 44 ha Reserva Legal

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR

GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR Por João Paulo Bernardes Deleo e Álvaro Legnaro Colaboração: Carlos Alexandre Almeida e Jefferson Luiz de Carvalho

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

ESTIMATIVA DOS CUSTOS ECONÔMICOS DE PRODUÇÃO DE SOJA TRANSGÊNICA, NO MUNICÍPIO DE NICOLAU VERGUEIRO/RS

ESTIMATIVA DOS CUSTOS ECONÔMICOS DE PRODUÇÃO DE SOJA TRANSGÊNICA, NO MUNICÍPIO DE NICOLAU VERGUEIRO/RS ESTIMATIVA DOS CUSTOS ECONÔMICOS DE PRODUÇÃO DE SOJA TRANSGÊNICA, NO MUNICÍPIO DE NICOLAU VERGUEIRO/RS RESUMO: Este trabalho foi desenvolvido na Empresa Granja Zanatta, usando para estudo a aplicação de

Leia mais

Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) *

Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) * Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) * Lucilio Rogerio Aparecido Alves ** Fábio Isaias Felipe *** Geraldo Sant Ana de Camargo Barros

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Capítulo XV Custos e Rentabilidade

Capítulo XV Custos e Rentabilidade Capítulo XV Custos e Rentabilidade Marcelo do Amaral Santana Clóvis Oliveira de Almeida José da Silva Souza As estimativas de custos de produção e de rentabilidade para uma cultura podem proporcionar informações

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Segundo Trimestre 2014 Principais Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

Custo de Produção: uma importante ferramenta gerencial na agropecuária

Custo de Produção: uma importante ferramenta gerencial na agropecuária Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Custo de Produção: uma importante ferramenta gerencial na agropecuária Na definição de um empreendimento agrícola, é importante que se faça um planejamento

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO 1 COMITÊ GESTOR: 1.1 DA COMPOSIÇÃO: o Comitê Gestor do Fundo Mútuo Agrícola será composto pelos seguintes membros: - 01 (um) Representante do Conselho de Administração; - 01 (um) Representante do Conselho

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

A POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS PGPM

A POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS PGPM ESTUDO A POLÍTICA DE GARANTIA DE PREÇOS MÍNIMOS PGPM Leonardo Tavares Lameiro da Costa Consultor Legislativo da Área X Agricultura e Política Rural ESTUDO JULHO/2015 Câmara dos Deputados Praça dos Três

Leia mais

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb RESSEGURO DO PROAGRO Eng Agr Angelo Gemignani Sb CRÉDITO RURAL Institucionalizado em 1965 através da Lei n 4.829, de 5-11-65 SEGURO RURAL Institucionalizado em 1966 através do Decreto-Lei n 73, de 21-11-66

Leia mais

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 ISSN 2176-2864, Versão Eletrônica Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 75 As estimativas dos custos e lucros de produção de uma determinada atividade agropecuária

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE

CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE CUIDADOS NO CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 Os novos tempos da economia brasileira passam a exigir do empresário rural atenção redobrada na administração de sua empresa,

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 17/2014 Serviços de Vigilância da Federação: PR Data de início

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMAS VOLUME DE RECURSOS Do aporte nacional, garantir para o RS no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos para financiamento agropecuário de forma oportuna, tempestiva e suficiente. Aumentar os limites

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Documentos. ISSN 1982-5390 Outubro, 2009. Planilha Eletrônica para Gerenciamento Rural Instruções de Uso

Documentos. ISSN 1982-5390 Outubro, 2009. Planilha Eletrônica para Gerenciamento Rural Instruções de Uso Documentos ISSN 1982-5390 Outubro, 2009 86 Planilha Eletrônica para Gerenciamento Rural Instruções de Uso ISSN 1982-5390 Outubro, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa de

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

Comunicado 330 Técnico

Comunicado 330 Técnico Comunicado 330 Técnico Foto: Paulo Ferreira ISSN 1517-4964 Setembro, 2013 Passo Fundo, RS Estimativas de viabilidade econômica do cultivo de canola no Rio Grande do Sul e no Paraná, safra 2013 Cláudia

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO;

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO; ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO; FCA/UNESP BOTUCATU - SP - BRASIL gloriac@fca.unesp.br APRESENTAÇÃO SEM PRESENÇA

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento.

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. São objetivos do ABC: Reduzir as emissões de gases de efeito estufa oriundas

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ

VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ Claudia Brito Silva 1 Antonio Carlos Moretto 2 Rossana Lott Rodrigues 2 Resumo A agricultura de precisão envolve um conjunto de conceitos

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL RESUMO

VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL RESUMO VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL Josué G. Delmond 1 ; Gracielly Ribeiro de Alcântara 1 ; Suely M. Cavalcante

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2013/14 MATO GROSSO - Outubro/2012

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2013/14 MATO GROSSO - Outubro/2012 MATO GROSSO - Outubro/2012 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.208.516 3.159.861 1.615.657 617.912 1.747.076 8.349.020 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.190,90 R$ 1.178,31

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Terceiro Trimestre 2015 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

REFORMANDO OS EQUIPAMENTOS PARA REDUZIR OS CUSTOS FIXOS NA AGRICULTURA,UM CASO PRÁTICO.

REFORMANDO OS EQUIPAMENTOS PARA REDUZIR OS CUSTOS FIXOS NA AGRICULTURA,UM CASO PRÁTICO. REFORMANDO OS EQUIPAMENTOS PARA REDUZIR OS CUSTOS FIXOS NA AGRICULTURA,UM CASO PRÁTICO. Domingos Renato Ventorini Gustavo José Ventorini Resumo: Diante das dificuldades que os agricultores brasileiros

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012

Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012 Metodologia Composição dos Custos - Valores limites Vigilância e Limpeza Genivaldo dos Santos Costa Brasília, 30 de maio de 2012 DLSG/SLTI SUMÁRIO 1. Histórico 2. Objetivo 3.Acórdão nº 1.753/2008 4. Metodologia

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2493

CARTA-CIRCULAR N 2493 CARTA-CIRCULAR N 2493 Divulga o documento n. 23 do MCR, referente ao regulamento do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (PROAGRO). Tendo em vista o disposto no MCR 7-1-3-"n" e 7-2-11- "g", fica

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente.

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente. APRESENTAÇÃO O presente diagnóstico Sócio-Econômico da Lavoura de Arroz e sua cadeia produtiva têm por finalidade apresentar sua relevante importância no município de Arroio Grande e Zona Sul, sendo a

Leia mais

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS O SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Gerência de Apoio ao Desenvolvimento em Mercados GEMERC 1. INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro representa

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

A depreciação, a amortização e a exaustão no custo de produção agrícola

A depreciação, a amortização e a exaustão no custo de produção agrícola A depreciação, a amortização e a exaustão no custo de produção agrícola Aroldo Antonio de Oliveira Neto 1 Asdrúbal de Carvalho Jacobina 2 Jales Viana Falcão 3 Resumo: A reposição e a modernização das máquinas,

Leia mais

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções.

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções. Assunto: Sugestões da Petrobras Biocombustível para alteração da minuta da Portaria do Selo Combustível Social, fornecida pelo MDA em reunião com representantes das empresas produtoras de Biodiesel e disponibilizada

Leia mais

DECRETO Nº 1.654, DE 15 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 1.654, DE 15 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 1.654, DE 15 DE JUNHO DE 2005 Publicado no DOE(Pa) de 16.06.05. Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO PARA OS SISTEMAS DE PLANTIO NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RIO GRANDE DO SUL

ANÁLISE DE RISCO PARA OS SISTEMAS DE PLANTIO NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RIO GRANDE DO SUL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO CARLA MICHELE CUSTODIO CORBETI ANÁLISE DE RISCO PARA OS SISTEMAS DE PLANTIO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná

Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná 06 DE NOVEMBRO DE 2012 caderno de editais PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná Arquivo/ANPr Os agricultores ainda têm informações sobre o uso

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS APLICADA AO AGRONEGÓCIO: CULTURAS TEMPORÁRIAS Autores ADRIANO JOSE RAUBER Universidade Estadual do Oeste do Paraná

GESTÃO DE CUSTOS APLICADA AO AGRONEGÓCIO: CULTURAS TEMPORÁRIAS Autores ADRIANO JOSE RAUBER Universidade Estadual do Oeste do Paraná GESTÃO DE CUSTOS APLICADA AO AGRONEGÓCIO: CULTURAS TEMPORÁRIAS Autores ADRIANO JOSE RAUBER Universidade Estadual do Oeste do Paraná AURI DIESEL Universidade Estadual do Oeste do Paraná MARCIO WAGNER Universidade

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL 1 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL Mario Luiz Martinez Luis Carlos Takao Yamaguchi Rui da Silva Verneque A demanda crescente por proteína animal tem exigido que os sistemas de produção sejam cada

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais