IDAMS. Pacote de Programas para a Análise e Gerenciamento de Dados Desenvolvido Internacionalmente. Manual de Referência do WinIDAMS. (lançamento 1.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDAMS. Pacote de Programas para a Análise e Gerenciamento de Dados Desenvolvido Internacionalmente. Manual de Referência do WinIDAMS. (lançamento 1."

Transcrição

1 IDAMS Pacote de Programas para a Análise e Gerenciamento de Dados Desenvolvido Internacionalmente Manual de Referência do WinIDAMS (lançamento 1.3) Abril de 2008 Copyright c UNESCO

2 Publicado por UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura 7, Place de Fontenoy Paris 07 SP, França Título da obra original: WinIDAMS Reference Manual (release 1.3) c by UNESCO Primeira edição em inglês pela UNESCO em 1988 Tradução em português: Prof. José Raimundo CARVALHO Professor de Economia CAEN Pós-graduação em Economia Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil ISBN (UNESCO - versão em inglês)

3 Prefácio Objetivos do IDAMS A idéia por trás do IDAMS é prover gratuitamente os Estados Membros da UNESCO de um pacote de programas de geranciamento de dados e análise estatística razoavelmente completo. O IDAMS, usado em combinação com o CDS/ISIS (software da UNESCO para administração de base de dados e recuperação de informação), os equipará com software integrado, permitindo o processamento, de uma maneira unificada, tanto de dados numéricos quanto textuais coletados com finalidades científica e administrativa por universidades, institutos de pesquisa, administrações nacionais, etc. O objetivo maior é ajudar os Estados Membros a progredir na racionalização da administração dos seus vários setores de atividades, um objetivo que é crucial tanto para estabelecer planos sólidos de desenvolvimento quanto para o monitoramento das suas execuções. Origem e Breve História do IDAMS IDAMS foi originalmente derivado do pacote de software OSIRIS III.2 desenvolvido no início dos anos setenta no Institute for Social Research da Michigan University, U.S.A. Ele tem sido, e continua sendo, enriquecido, modificado e atualizado pelo Secretariado da UNESCO com a cooperação de experts de diferentes países, como especialistas Americanos, Belgas, Britânicos, Colombianos, Franceses, Húngaros, Poloneses, Russos, Eslovacos e Ucranianos, de onde vem o nome do software: Internationally Developed Data Analysis and Management Software Package. No início havia IDAMS para computadores mainframe da IBM O primeiro lançamento (1.2) foi distribuído em 1988; continha a maior parte das facilidades de análise de dados. Apesar de rotinas básicas e um número de programas terem sido retirados do OSIRIS III.2, eles foram substancialmente modificados e novos programas foram adicionados propiciando ferramentas para contagem de ordem parcial, análise fatorial, ordenamento de alternativas e tipologia com classificação ascendente. Inovações para manuseamento de códigos e para documentação de execução de programa foram incorporadas. O software foi acompanhado do Manual do Usuário, Amostras de Impressão e Cartão de Referência Rápida. Lançamento 2.0 foi distribuído em Além de agrupar (1) programas para calcular correlações Pearsonianas e (2) programas para ordenamento de alternativas, ele continha melhorias técnicas em um número de programas. Lançamento 3.0 foi distribuído em Continha melhorias significativas como: harmonização de parâmetros, palavras-chave e sintaxe de declarações de controle, possibilidade de checagem da sintaxe de declarações de controle sem execução, possibilidade de execução em um número limitado de casos, harmonização das menssagens de erro, possibilidade de agregação e listagem de variáveis recodificadas; recodificação alfabética e seis novas funções aritméticas na opção Recode. Dois novos programas foram adicionados: um para checar a consistência de dados e outro para análise discriminante. O Anexo com fórmulas estatísticas foi adicionado ao Manual do Usuário. Nota: Em 1993, depois da preparação do lançamento 3.02 para os sistemas operacionais OS e VM/CMS, o desenvolvimento da versão para mainframe foi terminada.

4 ii Paralelamente, havia IDAMS para microcomputadores em MS-DOS O desenvolvimento da versão para microcomputadores começou em 1988 e continuou em paralelo ao desenvolvimento da versão para mainframe até o lançamento 3. O primeiro lançamento (1.0) foi distribuído em 1989, com as mesmas características e programas da versão mainframe. Lançamento 2.0 foi distribuído em 1990; ele era também completamente compatível com a versão mainframe. Além disso, a Interface do Usuário propiciou facilidades para a preparação de dicionário, entrada de dados, preparação e execução de arquivos de setup e impressão de resultados. Lançamento 3.0 foi distribuído em 1992 juntamente com a versão mainframe. Contudo, a Interface do Usuário se tornou bem mais amigável, propiciando novos editores de dicionário de dados, um acesso direto aos protótipos de setup para todos os programas, bem como um módulo para exploração de gráfica interativa de dados. Os dois lançamentos intermediários 3.02 e 3.04, distribuídos em 1993 e 1994 respectivamente, incluíram principalmente melhorias técnicas internas e debugging de um número de programas. O lançamento 3.02 foi o último totalmente compatível com a versão mainframe. Micro IDAMS iniciou sua existência independente em O software passou por um completo e sistemático processo de teste, especialmente na área de manuseio de erros do usuário, e foi completamente removido de bugs. Lançamento 4 (último lançamento para DOS), distribuído em 1996, inclui uma interface amigável melhorada, possibilidade de adequação do ambiente, Manual do Usuário on-line, linguagem de controle simplificada, novas modalidades de apresentação gráfica e capacidade de produzir versões em línguas nacionais. Dois novos programas se originaram para dar aos usuários análise de agrupamentos e técnicas de busca de estruturas. O Manual do Usuário foi reestruturado para apresentar os tópicos de uma maneira concisa e fácil de seguir. Pela primeira vez, foi disponibilizada uma versão em Inglês. Desde 1998, o lançamento 4 tem sido gradualmente desenvolvido em Francês, Espanhol, Árabe e Russo. 2000: primeira versão de IDAMS para Windows e desenvolvimento adicional O lançamento 1.0 de IDAMS para o sistema operacional Windows de 32-bit foi fornecido para teste no ano 2000 e sua distribuição iniciou-se em Ela oferece uma interface de usuário moderna com uma gama de novas características para melhorar a facilidade de uso e o acesso on-line ao Manual de Referência usando Windows Help padrão. Novos componentes interativos para análise de dados propiciam ferramentas para construção de tabelas multidimensionais, exploração gráfica de dados e análise de séries temporais. O lançamento 1.1 foi distribuído em setembro de 2002 com as seguintes melhorias: (1) externalização do texto, abrindo a possibilidade de ter o software em outras línguas além do Inglês; (2) harmonização do texto nos resultados. Foi a primeiro lançamento da versão Windows que apereceu em Inglês, Francês e Espanhol. O lançamento 1.2 foi distribuído en julho de 2004 em Inglês, Francês e Espanhol, e contém novas funções em três programas, na Interface do Usuário e nos módulos interativos de exploração gráfica de dados e de análise de séries temporais. Foi distribuído en abril de 2006 em Português. O lançamento 1.3 foi também distribuído em Inglês, Francês, Português e Espanhol, e contém um novo programa para análise de variância multivariada (MANOVA), cálculo do coeficiente de variação em quatro programas, manuseio melhorado das variáveis recodificadas com decimais em SCAT e TABLES, e completa harmonização do comprimento de registro de dados. Reconhecimentos Primeiramente, agradecimentos devem ir para o Prof. Frank-M. Andrews ( 1994) do Institute for Social Research, University of Michigan, Estados Unidos, como também para o Instituto que autorizou a UN- ESCO a possuir o código fonte do OSIRIS III.2 e usá-lo como ponto de partida no desenvolvimento do pacote de software IDAMS. Maiores melhorias e adições vem acontencendo desde então. A esse respeito, agradecimentos particulares devem ir para: Dr Jean-Paul Aimetti, Administrador do D.H.E. Conseil, Paris e Professor no Conservatoire National des Arts et Métiers (CNAM), Paris (França); Prof. J.-P. Benzécri

5 iii and E.-R. Iagolnitzer, U.E.R. de Mathématiques, Université de Paris V (França); Eng. Tibor Diamant e Dr Zoltán Vas, József Attila University, Szeged (Hungria); Prof. Anne-Marie Dussaix, Ecole Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales (ESSEC), Cergy-Pontoise (França); Dr Igor S. Enyukov and Eng. Nicolaï D. Vylegjanin, StatPoint, Moscow (Federação Russa); Dr Péter Hunya, que tem sido o Diretor do Kalmár Laboratory of Cybernetics, József Attila University, Szeged (Hungria), e Administrador do Programa IDAMS na UNESCO entre Julho de 1993 e Fevereiro de 2001; Jean Massol, EOLE, Paris (França); Prof. Anne Morin, Institut de Recherche en Informatique et Systèmes Aléatoires (IRISA), Rennes (França); Judith Rattenbury, ex-diretora, Divisão de Processamento de Dados, World Fertility Survey, London, e atualmente fundadora e diretora da SJ MUSIC editora, Cambridge (Reino Unido); J.M. Romeder e Association pour le Développement et la Diffusion de l Analyse des Données (ADDAD), Paris (França); Prof. Peter J. Rousseeuw, Universitaire Instelling Antwerpen, (Bélgica); Dr A.V. Skofenko, Academy of Sciences, Kiev (Ucrânia); Eng. Neal Van Eck, Susquehanna University, Selinsgrove (Estados Unidos); Nicole Visart que lançou o Programa IDAMS na UNESCO e que, além das suas contribuições em todos os estágios, assegurou a coordenação e monitoramento de todo o projeto até a sua aposentadoria em Éimpossível dar os devidos créditos a todas as pessoas, além dos acima já mencionados, que contribuíram com idéias e esforços para o IDAMS e para o OSIRIS III.2, de onde foi originado. Até agora IDAMS tem sido desenvolvido principalmente na UNESCO. Segue uma lista de nomes dos principais programas, componentes e facilidades incluídos no WinIDAMS, com os nomes dos autores e programadores, e os nomes das instituições onde foi realizado o trabalho. Interface do Usuário e Facilidades Básicas Recode Ellen Grun ISR Peter Solenberger ISR Interface do Usuário Jean-Claude Dauphin UNESCO Acesso on-line ao Pawel Hoser Polish Academy of Sciences Manual de Referência Jean-Claude Dauphin UNESCO Facilidades para Gerenciamento de Dados AGGREG Tina Bixby ISR Jean-Claude Dauphin UNESCO BUILD Carl Bixby ISR Sylvia Barge ISR Tibor Diamant UNESCO CHECK Tina Bixby ISR Jean-Claude Dauphin UNESCO CONCHECK Neal Van Eck Van Eck Computing Consulting CORRECT Tibor Diamant UNESCO IMPEX Péter Hunya UNESCO LIST Marianne Stover ISR Sylvia Barge ISR Jean-Claude Dauphin UNESCO MERCHECK Karen Jensen ISR Sylvia Barge ISR Zoltán Vas JATE MERGE Tina Bixby ISR Nancy Barkman ISR Jean-Claude Dauphin UNESCO SORMER Carol Cassidy ISR Jean-Claude Dauphin UNESCO SUBSET Judy Mattson ISR Judith Rattenbury ISR Jean-Claude Dauphin UNESCO TRANS Jean-Claude Dauphin UNESCO

6 iv Facilidades para Análise de Dados CLUSFIND Leonard Kaufman Vrije Universiteit Brussel Peter J. Rousseeuw Vrije Universiteit Brussel Neal Van Eck Van Eck Computing Consulting Tibor Diamant UNESCO CONFIG Herbert Weisberg ISR DISCRAN J.-M. Romeder ADDAD and ADDAD Péter Hunya UNESCO Tibor Diamand UNESCO FACTOR J.P. Benzécri, Université de Paris V E.R. Iagolnitzer Université de Paris V Péter Hunya JATE MANOVA Charles E. Hall George Washington University Elliot M. Cramer George Washington University Neal Van Eck ISR Tibor Diamand UNESCO MCA Edwin Dean ISR John Sonquist ISR Tibor Diamant UNESCO MDSCAL Joseph Kruskal Bell Telephone Frank Carmone Bell Telephone Lutz Erbring ISR ONEWAY Spyros Magliveras ISR Tibor Diamant UNESCO PEARSON John Sonquist ISR Spyros Magliveras ISR Neal Van Eck ISR Ronald Nuttal Boston College Tibor Diamant UNESCO POSCOR Péter Hunya JATE QUANTILE Robert Messenger ISR Tibor Diamant UNESCO RANK Anne-Marie Dussaix ESSEC Albert David ESSEC Péter Hunya JATE A.V. Skofenko Ukrainian Academy of Sciences REGRESSN M.A. Efroymson ESSO Corporation Bob Hsieh ESSO Corporation Neal Van Eck ISR Peter Solenberger ISR SCAT Judith Goldberg ISR SEARCH John Sonquist ISR Elizabeth Lauch Baker ISR James N. Morgan ISR Neal Van Eck Van Eck Computing Consulting Tibor Diamant UNESCO TABLES Neal Van Eck ISR and Van Eck Computing Consulting Tibor Diamant UNESCO TYPOL Jean-Paul Aimetti CFRO Jean Massol CFRO Péter Hunya JATE Jean-Claude Dauphin UNESCO Tabelas Multidimensionais Jean-Claude Dauphin UNESCO GraphID Igor S. Enyukov StatPoint Nicolaï D. Vylegjanin StatPoint TimeSID Igor S. Enyukov StatPoint

7 v Com relação à documentação, reconhecimentos devem ser expressados para todas as pessoas que contribuíram para a sua preparação, particularmente para: Judith Rattenbury que esboçou a primeira versão em Inglês do Manual (1988) e que continuou revisando outras edições até 1998; Jean-Paule Griset (UN- ESCO, Paris) que desenhou juntamente com Nicole Visart a tipografia do Manual usado até 1998; Teresa Krukowska (IDAMS Group, UNESCO, Paris) que compilou a parte com as fórmulas estatísticas, mudou a tipografia do Manual em 1998, continua atualizando a versão original em Inglês desde 1999, que é responsável pela produção do Manual em Inglês, Francês, Espanhol e Português, e que toma conta da harmonização, o máximo possível, dos textos em Inglês, Francês, Espanhol e Português. Reconhecimento para os autores dos documentos do OSIRIS de cujo material foi extraído o Manual de Referência do WinIDAMS devem ser feitos da seguinte maneira: o Manual do Usuário do OSIRIS III.2 Vol.1 (editado por Sylvia Barge e Gregory A. Marks) e Vol.5 (compilado por Laura Klem), Institute for Social Research, University of Michigan, Estados Unidos. Agradecimentos devem ir também para os tradutores do pacote de software e da documentação em Francês, Espanhol e Português pela suas cooperações: Professor José Raimundo Carvalho, CAEN Pós-graduação em Economia, UFC, Fortaleza, Brasil, pela tradução do Manual e dos textos pertencentes ao software em Português. Professor Bernardo Liévano, Escuela Colombiana de Ingeniería (ECI) Bogota, Colômbia, pela tradução do Manual e dos textos pertencentes ao software em Espanhol. Professor Anne Morin, Institut de Recherche en Informatique et Systèmes Aléatoires (IRISA), Rennes, França, pela contribuição na tradução em Francês dos textos pertencentes ao software. Nicole Visart, Grez-Doiceau, Bélgica, pela tradução do Manual em Francês. As seguintes instituições realizaram traduções do software e do Manual em Árabe e Russo: ALECSO - Departamento de Documentação e Informação, Tunis, Tunisia, e Universidade Hidrometeorológica do Estado Russo, Departamento de Telecomunicações, St. Petersburg, Federação Russa. Requisições de WinIDAMS and Maiores Informações Para maiores informações do WinIDAMS relacionadas ao conteúdo, atualização, treinamento e distribuição, por favor escreva para: UNESCO Communication and Information Sector Information Society Division CI/INF - IDAMS 1, rue Miollis PARIS CEDEX 15 France

8

9 Conteúdo 1 Introdução WinIDAMS Interface do Usuário Facilidades para Gerenciamento de Dados Facilidades para Análise de Dados Dados em IDAMS Comandos do IDAMS e Arquivo Setup Características Padrão do IDAMS Importação e Exportação de Dados Troca de Dados entre CDS/ISIS e IDAMS Estrutura deste Manual I Noções Fundamentais 9 2 Dados em IDAMS O Dataset IDAMS Descrição Geral Método de Armazenamento e Acesso Arquivos Dados O arranjo de Dados Características do Arquivo Dados Arquivos Hierárquicos Variáveis Códigos para Dados Perdidos Valores Não-numéricos ou em Branco em Variáveis Numéricas - Dados Ruins Regras de Edição de Variáveis Produzidas pelos Programas do IDAMS O Dicionário do IDAMS Descrição Geral Exemplo de um Dicionário Matrizes IDAMS A Matriz Quadrada do IDAMS A Matriz Retangular do IDAMS Uso de Dados de outros Programas Dados Brutos Matrizes O Arquivo Setup do IDAMS Conteúdo e Finalidade Comandos do IDAMS Especificações de Arquivo Exemplos do Uso de Comandos $ e Especificações de Arquivo Declarações de Controle de Programa Descrição Geral Regras Gerais de Codificação Filtros Títulos Parâmetros Declarações de Recode

10 viii CONTEÚDO 4 Facilidade Recode Regras de Codificação Conjunto de Amostra de Declarações de Recode Manuseio de Dados Perdidos Como Recode Funciona Operandos Básicos Operadores Básicos Expressões Funções Aritméticas Funções Lógicas Declarações de Designação Declarações Especiais de Designação Declarações de Controle Declarações Condicionais Declarações de Inicialização/Definição Exemplos do Uso de Declarações de Recode Restrições Nota Gerenciamento e Análise de Dados Validação de Dados com IDAMS Resumo Checando a Integridade dos Dados Checando Valores Não-numéricas e Inválidas Checagem de Consistência Gerenciamento e Transformação de Dados Análise de Dados Exemplo de uma Pequena Tarefa a ser Executada pelo IDAMS II Trabalhando com o WinIDAMS 63 6 Instalação Requerimentos do Sistema Procedimento de Instalação Testando a Instalação Folders e Arquivos Criados Durante Instalação Folders do WinIDAMS Arquivos Instalados Desinstalação Iniciando Visão Geral dos Passos a serem Executados com o WinIDAMS Criar um Ambiente de Aplicação Preparar um Dicionário Entre com Dados Prepare o Setup Execute o Setup Rever Resultados e Modificar o Setup Imprima os Resultados Arquivos e Folders Arquivos em WinIDAMS Folders em WinIDAMS Interface do Usuário Conceito Geral Menus Comuns a Todas Janelas do WinIDAMS Customização do Ambiente para uma Aplicação Criando/Renovando/Exibindo Arquivos Dicionário

11 CONTEÚDO ix 9.5 Criando/Renovando/Exibindo Arquivos Dados Importando Arquivos de Dados Exportando Arquivos Dados do IDAMS Criando/Renovando/Exibindo Arquivos Setup Executando Setups do IDAMS Manuseando Arquivos Resultados Criando/Renovando Arquivos em Formato Texto e RTF III Facilidades para Gerenciamento de Dados Agregação de Dados (AGGREG) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplo Construção de um Dataset IDAMS (BUILD) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Dicionário de Entrada Dados de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Exemplos Verificação de Códigos (CHECK) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Verificação de Consistência (CONCHECK) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Verificação de Intercalação de Registros (MERCHECK) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dados de Saída Dados de Entrada Estrutura de Setup

12 x CONTEÚDO 14.7 Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Correção de Dados (CORRECT) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrição Exemplo Importação/Exportação de Dados (IMPEX) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Arquivos de Saída Arquivos de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Lista de Datasets (LIST) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrição Exemplos Intercalação de Datasets (MERGE) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Classificação e Fusão de Arquivos (SORMER) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dicionário de Saída Dados de Saída Dicionário de Entrada Dados de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos

13 CONTEÚDO xi 20 Subdivisão de Datasets (SUBSET) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Transformação de Dados (TRANS) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos IV Facilidades para Análise de Dados Análise de Agrupamento (CLUSFIND) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Entrada Matriz de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Análise de Configuração (CONFIG) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Matriz de Configuração de Saída Matriz de Distância de Saída Matriz de Configuração de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrição Exemplos Análise Discriminante (DISCRAN) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Funções de Distribuição e de Lorenz (QUANTILE) 191

14 xii CONTEÚDO 25.1 Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplo Análise Fatorial (FACTOR) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset(s) de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Regressão Linear (REGRESSN) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Matriz de Correlação de Saída Dataset(s) de Resíduos de Saída Dataset de Entrada Matriz de Correlação de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Escalonamento Multidimensional (MDSCAL) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Matriz de Configuração de Saída Matriz de Dados de Entrada Matriz de Ponderação de Entrada Matriz de Configuração de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplo Análise de Classificação Múltipla (MCA) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset(s) de Resíduos de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Análise de Variância Multivariada (MANOVA) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS

15 CONTEÚDO xiii 30.3 Resultados Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Análise de Variância Univariada (ONEWAY) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Scoring Baseado em Ordenação Parcial de Casos (POSCOR) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Correlação de Pearson (PEARSON) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Matrizes de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Ordenamento de Alternativas (RANK) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Diagramas de Dispersão (SCAT) Descrição Geral Características Padrão de IDAMS Resultados Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplo Busca de Estrutura (SEARCH) 275

16 xiv CONTEÚDO 36.1 Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Resíduos de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos Tabelas Univariadas e Bivariadas (TABLES) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Tabelas Univariadas/Bivariadas de Saída Matrizes de Estatísticas Bivariadas de Saída Dataset de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplo Tipologia e Classificação Ascendente (TYPOL) Descrição Geral Características Padrão do IDAMS Resultados Dataset de Saída Matriz de Configuração de Saída Dataset de Entrada Matriz de Configuração de Entrada Estrutura de Setup Declarações de Controle de Programa Restrições Exemplos V Análise Interativa de Dados Tabelas Multidimensionais e suas Apresentações Gráficas Visão Geral Preparação da Análise Janela Tabelas Multidimensionais Apresentação Gráfica de Tabelas Univariadas/Bivariadas Como Fazer uma Tabela Multidimensional Como Mudar uma Tabela Multidimensional Exploração Gráfica de Dados Visão Geral Preparação da Análise Janela Principal de GraphID para Análise de um Dataset Barra de Menu e Barra de Ferramentas Manipulação da Matriz de Diagramas de Dispersão Histogramas e Densidades Linhas de Regressão (Linhas suavizadas) Gráficos de Box-Whisker Diagrama Agrupado Diagramas de Dispersão em Três-dimensões e suas Rotações Janela de GraphID para Análise de uma Matriz Barra de Menu e Barra de Ferramentas Manipulação da Matriz Exibida

17 CONTEÚDO xv 41 Análise de Séries Temporais Visão Geral Preparação da Análise Janela Principal de TimeSID Barra de Menu e Barra de Ferramentas A Janela de Séries Temporais Transformação de Séries Temporais Análise de Séries Temporais VI Fórmulas Estatísticas e Referências Bibliográficas Análise de Agrupamento Estatísticas Univariadas Medidas Padronizadas Matriz de Dissimilaridade Computada de um Dataset do IDAMS Matriz de Dissimilaridade Computada de uma Matriz de Similaridade Matriz de Dissimilaridade Computada de uma Matriz de Correlação Partição ao Redor de Medoids (PAM) Agrupamento Aplicado a Grandes Volumenes de Dados (CLARA) Agrupamento Difuso (FANNY) Agrupamento Hierárquico Aglomerativo (AGNES) Agrupamento Hierárquico Divisivo (DIANA) Agrupamento Monotético (MONA) Referências Análise de Configuração Configuração Centrada Configuração Normalizada Solução com Eixos Principais Matriz de Produtos Escalares Matriz de Distâncias Entre Pontos Configuração Rotacionada Configuração Translada Rotação Varimax Configuração Classificada Referências Análise Discriminante Estatísticas Univariadas Discriminação Linear Entre 2 Grupos Discriminação Linear Entre Mais Do Que 2 Grupos Referências Funções de Distribuição e de Lorenz Fórmula para Pontos de Quebra Pontos de Quebra de Função de Distribuição Pontos de Quebra da Função de Lorenz Curva de Lorenz O coeficiente de Gini Estatística D de Kolmogorov-Smirnov Nota a Respeito de Pesos Análise Fatorial Estatísticas Univariadas Dados de Entrada Matrizes Núcleo (Matrizes de Relações) Traço Valores e Vetores Próprios Tabela de Valores Próprios

18 xvi CONTEÚDO 46.7 Tabela de Fatores de Variáveis Ativas Tabela de Fatores de Variáveis Passivas Tabela de Fatores de Casos Ativos Tabela de Fatores de Casos Passivos Fatores Rotacionados Referências Regressão Linear Estatísticas Univariadas Matriz de Soma Total de Quadrados e Produtos Cruzados Matriz de Soma de Quadrados Residuais e Produtos Cruzados Matriz de Correlação Total Matriz de Correlação Parcial Matriz Inversa Estatísticas de Resumo de Análise Estatísticas de Análise para Preditores Resíduos Nota sobre Regressão Stepwise Nota sobre Regressão Descendente Nota sobre Regressão com Intercepto Zero Escalonamento Multidimensional Ordem de Computações Configuração Inicial Centragem e Normalização da Configuração História de Cálculos Esforço para Configuração Final Configuração Final Configuração Classificada Resumo Nota sobre Empates nos Dados de Entrada Nota sobre Pesos Referências Análise de Classificação Múltipla Estatísticas da Variável Dependente Estatísticas de Preditores para Análise de Classificação Múltipla Estatísticas de Análise para Análise de Classificação Múltipla Estatísticas de Resumo dos Resíduos Estatísticas de Categoria do Preditor para Análise de Variância Univariada Estatísticas para Análise de Variância Univariada Referências Análise de Variância Multivariada Estatísticas Gerais Cálculos para um Teste em uma Análise Multivariada Análise Univariada Análise de Covariância Análise de Variância Univariada Estatísticas Descritivas para Categorias da Variável de Controle Estatísticas de Análise de Variância Scoring Baseado em Ordenação Parcial de Casos Terminologia Especial e Definições Cálculo dos Escores Referências Correlação de Pearson Estatísticas Emparelhadas Médias e Desvios-Padrões Não-emparelhadas

19 CONTEÚDO xvii 53.3 Equação de Regressão para Escores Brutos Matriz de Correlação Matriz de Produtos Cruzados Matriz de Covariância Ordenamento de Alternativas Manuseamento dos Dados de Entrada Método Baseado em Lógica Clássica Métodos Baseados em Lógica Difusa: A Relação de Entrada Método difuso-1: Camadas Não-dominadas Método difuso-2: Ranges Referências Diagramas de Dispersão Estatísticas Univariadas Estatísticas Univariadas Emparelhadas Estatísticas Bivariadas Busca de Estrutura Análise de Médias Análise de Regressão Análise de Chi-quadrado Referências Tabelas Univariadas e Bivariadas Estatísticas Univariadas Estatísticas Bivariadas Nota sobre Pesos Tipologia e Classificação Ascendente Tipos de Variáveis Utilizadas Perfil de Caso Perfil de Grupo Distâncias Usadas Construindo uma Tipologia Inicial Características de Distâncias por Grupos Estatísticas de Resumo para Variáveis Quantitativas e para Variáveis Qualitativas Ativas Descrição de Tipologia Resultante Resumo da Quantidade de Variância Explicada pela Tipologia Classificação Ascendente Hierárquica Referências Apêndice: Mensagens de Erro dos Programas do IDAMS 435 Índice 437

20

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes:

SPSS Statistical Package for the Social Sciences Composto por dois ambientes: Introdução ao SPSS Essa serie de aulas sobre SPSS foi projetada para introduzir usuários iniciantes ao ambiente de trabalho do SPSS 15, e também para reavivar a memória de usuários intermediários e avançados

Leia mais

SisDEA Home Windows Versão 1

SisDEA Home Windows Versão 1 ROTEIRO PARA CRIAÇÃO E ANÁLISE MODELO REGRESSÃO 1. COMO CRIAR UM MODELO NO SISDEA Ao iniciar o SisDEA Home, será apresentada a tela inicial de Bem Vindo ao SisDEA Windows. Selecione a opção Criar Novo

Leia mais

DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015

DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015 DELEGAÇÃO DE TETE CAPACITAÇÃO INTERNA DO CORPO DOCENTE/ FEVEREIRO DE 2015 TEMA: IBM SPSS Statistics 20 FACILITADORES: dr. Alfeu Dias Martinho dr. Pércio António Chitata dr. Domingos Arcanjo António Nhampinga

Leia mais

Histórico. Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes.

Histórico. Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes. MINITAB 14 Histórico Software estatístico utilizado em mais de 80 países por pesquisadores, engenheiros, analistas empresariais, professores, estudantes. Possui ferramentas para diversos tipos de análise

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS

ORGANIZAÇÃO DESTINATÁRIOS APRESENTAÇÃO os módulos de análise de dados em IBM SPSS Statistics, organizados pelo Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho (CICS), pretendem contribuir para a difusão da utilização

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3

Sumário. Parte l. 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 Sumário Parte l 1. Introdução à pesquisa qualitativa e quantitativa em marketing 1 1.1 Pesquisa qualitativa 1 1.2 Pesquisa quantitativa 3 2. Entrevistas 5 2.1 Tipos de entrevistas 8 2.2 Preparação e condução

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Relatórios de montagem

Relatórios de montagem Relatórios de montagem Número da Publicação spse01660 Relatórios de montagem Número da Publicação spse01660 Notificação de Direitos Limitados e de Propriedade Este software e a documentação relacionada

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Estatística Usando EXCEL

Estatística Usando EXCEL Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Estatística Usando EXCEL Distribuição de alunos segundo idade e sexo > =23 60% 40% 21 ---23 67% 33% 19 ---21

Leia mais

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD

CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo Pós-Graduação em Gestão de Negócios CICLO DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARICÁ- RJ EDITOR DE TEXTO - WORD EMENTA

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA

PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA 18 PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA AS QUESTÕES DE 41 A 60 CONSIDERAM O ESQUEMA PADRÃO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA OPERACIONAL MICROSOFT WINDOWS ME E DAS FERRAMENTAS MICROSOFT WINDOWS EXPLORER, MICRO-

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

Instruções de uso do TABNET. Linha, Coluna e Conteúdo

Instruções de uso do TABNET. Linha, Coluna e Conteúdo O Tabnet, aplicativo desenvolvido pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS), permite ao usuário fazer tabulações de bases de dados on-line e foi gentilmente cedido para disponibilização

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL MINUTA - PROJETO BÁSICO 1. DO OBJETO Aquisição de licenças de uso perpétuo do software SPSS for Windows v. 17.0 (módulos base e table) 2. DA JUSTIFICATIVA Trata-se

Leia mais

A SPHINX BRASIL PARCERIAS ALGUMAS REFERÊNCIAS EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO NO BRASIL

A SPHINX BRASIL PARCERIAS ALGUMAS REFERÊNCIAS EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO NO BRASIL A SPHINX BRASIL É parceira direta e representante exclusiva da Le Sphinx Développement France. No mercado há mais de 25 anos é referência em tecnologias para pesquisa e análise de dados para mais de 50.000

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

EXCEL 2013. Público Alvo: Arquitetos Engenheiros Civis Técnicos em Edificações Projetistas Estudantes das áreas de Arquitetura, Decoração e Engenharia

EXCEL 2013. Público Alvo: Arquitetos Engenheiros Civis Técnicos em Edificações Projetistas Estudantes das áreas de Arquitetura, Decoração e Engenharia EXCEL 2013 Este curso traz a vocês o que há de melhor na versão 2013 do Excel, apresentando seu ambiente de trabalho, formas de formatação de planilhas, utilização de fórmulas e funções e a criação e formatação

Leia mais

Usar FTK Imager para gerar evidências, exportar arquivos de evidências, criar imagens forenses e converter imagens existentes.

Usar FTK Imager para gerar evidências, exportar arquivos de evidências, criar imagens forenses e converter imagens existentes. AccessData BootCamp Forensic Toolkit, FTK Imager, Password Recovery Toolkit and Registry Viewer O curso AccessData BootCamp fornece conhecimento e habilidade necessária para instalar, configurar e o uso

Leia mais

O que há de novo. Audaces Idea

O que há de novo. Audaces Idea O que há de novo Audaces Idea Com o propósito de produzir tecnologia de ponta, o principal requisito da Política de Qualidade da Audaces é buscar a melhoria contínua de seus produtos e serviços. Inovadora

Leia mais

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A.

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A. IMES Catanduva Probabilidades e Estatística Estatística no Excel Matemática Bertolo, L.A. Aplicada Versão BETA Maio 2010 Bertolo Estatística Aplicada no Excel Capítulo 3 Dados Bivariados São pares de valores

Leia mais

Conteúdo Manual do sistema de ajuda do KDE

Conteúdo Manual do sistema de ajuda do KDE 2 Conteúdo 1 Manual do sistema de ajuda do KDE 5 1.1 Sistema de ajuda do KDE................................. 5 1.1.1 Instalação...................................... 5 1.2 Invocar a ajuda.......................................

Leia mais

EDITORA FERREIRA MP/RJ_EXERCÍCIOS 01

EDITORA FERREIRA MP/RJ_EXERCÍCIOS 01 EDITORA FERREIRA MP/RJ NCE EXERCÍCIOS 01 GABARITO COMENTADO 01 Ao se arrastar um arquivo da pasta C:\DADOS para a pasta D:\TEXTOS utilizando se o botão esquerdo do mouse no Windows Explorer: (A) o arquivo

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Manual do Cantor. Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama

Manual do Cantor. Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama Alexander Rieder Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o Cantor 6 2.1 Recursos do Cantor..................................... 6 2.2 As infraestruturas do Cantor...............................

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Basicão de Estatística no EXCEL

Basicão de Estatística no EXCEL Basicão de Estatística no EXCEL Bertolo, Luiz A. Agosto 2008 2 I. Introdução II. Ferramentas III. Planilha de dados 3.1 Introdução 3.2 Formatação de células 3.3 Inserir ou excluir linhas e colunas 3.4

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Ajuda do Sistema Aquarius.

Ajuda do Sistema Aquarius. Ajuda do Sistema Aquarius. Esta ajuda é diferenciada da maioria encontrada nos sistemas de computador do mercado. O objetivo desta ajuda é literalmente ajudar o usuário a entender e conduzir de forma clara

Leia mais

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal Introdução à Ciência da Computação I Março/2004 Introdução (1 de 3) Homenagem a Blaise Pascal, filósofo e matemático do século XVII. Desenvolvida

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Derwent Innovations Index

Derwent Innovations Index Derwent Innovations Index DERWENT INNOVATIONS INDEX Cartão de referência rápida ISI Web of Knowledge SM O Derwent Innovations Index é uma ferramenta poderosa de pesquisa de patentes, que combina Derwent

Leia mais

3 Processamento de Dados e Sistemas de Informações Contábil-Financeiros, 12

3 Processamento de Dados e Sistemas de Informações Contábil-Financeiros, 12 Apresentação, xiii Prefácio, xv Parte I Introdução ao Problema, 1 1 Introdução, 3 1.1 Problema, 3 1.2 Proposta, 5 2 A Organização, 7 2.1 Visão da empresa, 7 2.2 Sistema empresa, 9 3 Processamento de Dados

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO 1 TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br direitos autorais. INTRODUÇÃO À ANÁLISE MULTIVARIADA Apenas uma breve apresentação Para não dizerem que

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 13B DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar, discutir o conceito de métricas de software orientadas a função. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Linguagem R R-Gui e R-Commander

Linguagem R R-Gui e R-Commander Linguagem R R-Gui e R-Commander 1 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO E PACOTES O sistema é formado por um programa básico (R-Gui) e muitos pacotes com procedimentos adicionais. Tudo é gratuito e com código

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS

4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Sphinx APRENDIZ - p.94 4 DIGITAR, CONSULTAR E ALTERAR DADOS DIGITAR DADOS Depois de o questionário estar pronto, seus formulários definidos e as respostas coletadas ou prontas a coletar/importar, é possível

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Diferenças da versão 6.3 para a 6.4

Diferenças da versão 6.3 para a 6.4 Release Notes Diferenças da versão 6.3 para a 6.4 Melhorias Comuns ao Sistema Help O Help Online foi remodelado e agora é possível acessar os manuais de cada módulo diretamente do sistema. Mapeamento de

Leia mais

Estruturando um aplicativo

Estruturando um aplicativo Com o Visual FoxPro, é possível criar facilmente aplicativos controlados por eventos e orientados a objetos em etapas. Esta abordagem modular permite que se verifique a funcionalidade de cada componente

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Suponha que uma pasta esteja sendo exibida pelo Windows Explorer e os seguintes arquivos são exibidos:

Suponha que uma pasta esteja sendo exibida pelo Windows Explorer e os seguintes arquivos são exibidos: 14 PROVA DE CONHECIMENTOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA CÓD. 05 QUESTÃO 31: Suponha que uma pasta esteja sendo exibida pelo Windows Explorer e os seguintes arquivos são exibidos: Aqui existem um arquivo do tipo

Leia mais

ArcSoft MediaConverter

ArcSoft MediaConverter ArcSoft MediaConverter User Manual Português 1 201004 Índice Índice... 2 1. Índice... 3 1.1 Requisitos do sistema... 4 1.2 Extras... 4 2. Convertendo arquivos... 7 2.1 Passo1: Selecionar mídia... 7 2.1.1

Leia mais

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes 4 Análise de Dados 4.1 Perfil dos Respondentes A taxa de resposta foi de aproximadamente 8% de respostas na amostra de clientes que compram fora da loja (telefone e/ou Internet) e 3% na amostra de clientes

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU $,'(GR5HSRUW0DQDJHU Neste capítulo vamos abordar o ambiente de desenvolvimento do Report Manager e como usar os seus recursos. $FHVVDQGRRSURJUDPD Depois de instalado o Report Manager estará no Grupo de

Leia mais

Treinamento em BrOffice.org Calc

Treinamento em BrOffice.org Calc Treinamento em BrOffice.org Calc 1 Índice I. INTRODUÇÃO...3 II. NÚMEROS, TEXTOS, FÓRMULAS E DATAS...4 III. MENUS BÁSICOS...5 1. Arquivo...5 2. Editar...5 3. Formatar...5 IV. FÓRMULAS...8 V. REFERÊNCIAS

Leia mais

Linguagem R R-Gui e R-Commander

Linguagem R R-Gui e R-Commander Linguagem R R-Gui e R-Commander 1 INSTALAÇÃO DO PROGRAMA BÁSICO E PACOTES O sistema é formado por um programa básico (R-Gui) e muitos pacotes com procedimentos adicionais. Tudo é gratuito e com código

Leia mais

Software de análise de dados. Versão Sete. Melhorias

Software de análise de dados. Versão Sete. Melhorias Software de análise de dados Versão Sete Melhorias Software de análise de dados O IDEA Versão Sete apresenta centenas de novas melhorias e funcionalidades desenvolvidas para ajudá-lo a usar melhor o produto,

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 experts em Gestão de Conteúdo

ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 experts em Gestão de Conteúdo ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2 1.1 Público alvo... 3 1.2 Convenções... 3 1.3 Mais recursos... 3 1.4. Entrando em contato com a ez... 4 1.5. Direitos autorais e marcas

Leia mais

O modelo está dividido em três componentes ou módulos principais: Apresentamos, a seguir, um fluxograma simplificado do sistema do modelo UTCS-1:

O modelo está dividido em três componentes ou módulos principais: Apresentamos, a seguir, um fluxograma simplificado do sistema do modelo UTCS-1: SP 24/11/79 NT 049/79 Modelo de Simulação de tráfego Urbano UTCS 1 Eng.º Sérgio Michel Sola Introdução Um modelo desenvolvido pela Federal Highway Administration (FHWA) no início da década de 70, denominado

Leia mais

Guia de instalação Command WorkStation 5.6 com o Fiery Extended Applications 4.2

Guia de instalação Command WorkStation 5.6 com o Fiery Extended Applications 4.2 Guia de instalação Command WorkStation 5.6 com o Fiery Extended Applications 4.2 O Fiery Extended Applications Package (FEA) v4.2 contém aplicativos do Fiery para realizar tarefas associadas a um Fiery

Leia mais

Excel 2010 Módulo i. Incrementando. Seus conhecimentos

Excel 2010 Módulo i. Incrementando. Seus conhecimentos Excel 2010 Módulo i Incrementando Seus conhecimentos Aperfeiçoando A sua prática Página 1/10 ÍNDICE. Histórico... 003. Definição de Planilha Eletrônica... 006. Formas de Ponteiro... 013. Referências...

Leia mais

Curso de Linux Básico

Curso de Linux Básico Curso de Linux Básico Oficina TecnoJovem Outubro/2013 Instalação de Programas Introdução Pacotes Gerenciamento de Pacotes Exemplos Material baseado na Documentação Ubuntu, disponível na Internet (WIKI)

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação Correlação Canônica Outubro / 998 Versão preliminar Fabio Vessoni fabio@mv.com.br (0) 306454 MV Sistemas de Informação Introdução Existem várias formas de analisar dois conjuntos de dados. Um dos modelos

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC)

Gerenciador de Referências. EndNote. Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Gerenciador de Referências EndNote Nonato Ribeiro Biblioteca de Ciências e Tecnologia (UFC) Pesquisa na Web of Science O que é o EndNote? Funcionalidades da ferramenta Como incluir citações no Word usando

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

Sumário. 1 Introdução ao Excel 2013 1

Sumário. 1 Introdução ao Excel 2013 1 Sumário Introdução...xiii A quem se destina este livro... xiii Como este livro está organizado... xiii Como baixar os arquivos de prática... xiv Suporte técnico... xvii 1 Introdução ao Excel 2013 1 Identificação

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas Aula 02 Excel 2010 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Operações básicas; 2. Utilizando Funções; 3. Funções Lógicas; 4. Gráficos no Excel;

Leia mais

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Conceito de aprendizagem................................. 5 1.2 Primeiros passos no Artikulate..............................

Leia mais

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TERMINOLOGIA BÁSICA ALGORITMO Um algoritmo pode ser visto como uma seqüência de ações expressas em termos

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

SQL. Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno. Faculdade de Informática de Taquara. Igrejinha - RS Brazil

SQL. Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno. Faculdade de Informática de Taquara. Igrejinha - RS Brazil SQL Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno Faculdade de Informática de Taquara Igrejinha - RS Brazil jacirdeoliveira@faccat.br, alencar@philler.com.br Resumo. Este artigo irá descrever a linguagem de

Leia mais

Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1

Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1 Guia de instalação Command WorkStation 5.5 com o Fiery Extended Applications 4.1 Sobre o Fiery Extended Applications O Fiery Extended Applications (FEA) 4.1 é um pacote dos seguintes aplicativos para uso

Leia mais

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO AULA 1 Conceitos muito básicos 1 Introdução O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

vb Inno Script Conversor

vb Inno Script Conversor vb Inno Script Conversor 1 vb Inno Script Conversor Copyright 2006-2007, Lizaro Soft Lizaro Soft All rights Reserved vb Inno Script Conversor 2 1 Descrição vb Inno Scrip Conversor é um conversor de projetos

Leia mais

1º No módulo de Gestão Contábil é possível acessar o relatório através do menu Relatórios Razão.

1º No módulo de Gestão Contábil é possível acessar o relatório através do menu Relatórios Razão. Impairment Produto : TOTVS Gestão Contábil 12.1.1 Processo : Relatórios Subprocesso : Razão Data publicação da : 12/11/2014 O relatório razão tem a finalidade de demonstrar a movimentação analítica das

Leia mais

Estatística no EXCEL

Estatística no EXCEL Estatística no EXCEL Prof. Ms. Osorio Moreira Couto Junior 1. Ferramentas... 2 2. Planilha de dados... 3 2.1. Introdução... 3 2.2. Formatação de células... 4 2.3. Inserir ou Excluir Linhas e Colunas...

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais