Classificação da Criticidade das Rotas do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos da Braskem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Classificação da Criticidade das Rotas do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos da Braskem"

Transcrição

1 Classificação da Criticidade das Rotas do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos da Braskem Kátia Oliveira DNV Energy Solutions Consultora de Análise de Riscos da Det Norske Veritas (DNV) Energy Solutions Mariana Bardy DNV Energy Solutions Consultora de Análise de Riscos e Gerente da Filial do Rio de Janeiro da Det Norske Veritas (DNV) Energy Solutions Américo Diniz BRASKEM Competitividade Empresarial/SSMA - BRASKEM ABSTRACT The precarious situation of the Brazilian roads has demanded a more efficient management of the transporting companies of hazardous materials with the objective to prevent and to minimize accidents with possible actions for containment of releases with potential to reach communities and water resources. In this context, DNV and BRASKEM companies had developed a methodology of qualitative risk analysis, called Criticality Analysis for Hazardous Materials Transportation. The objective of this methodology is identifying the most critical points of routes to make actions to avoid accidents. In general, the risk of determined activity can be defined as a combination between frequency of occurrence of the activity and its consequences. The expression most common of the combination of frequency and consequence for the evaluation of the risk is the one considers that it as the product of the frequency for the consequences. This conceptualization of risk was used for the definition of the item of criticality evaluation, divided in two distinct categories: relative item of evaluation to the frequency of occurrence and to the consequences. At the end, is possible the identification of stretches of bigger criticality of the transport route. For this stretches is necessary to propose actions to emergency control to reduce the frequency or to minimize the consequences of eventual accidents. Moreover, the construction of a criticality map is possible, in qualitative terms, of all the products carried for BRASKEM, with its respective routes, what it will be extremely important for the effective management of risks in the transport of hazardous materials.

2 1. INTRODUÇÃO A técnica denominada Classificação da Criticidade das Rotas do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos foi elaborada com o objetivo da formação de um critério para a identificação da criticidade de trechos rodoviários, por onde são transportados produtos perigosos, do ponto de vista de risco de acidentes. A metodologia leva em consideração as condições das vias, a gestão da empresa transportadora frente aos equipamentos utilizados para o transporte e principalmente o tratamento dado aos motoristas, com relação ao controle de jornada de trabalho, controle de saúde, entre outros. Os trechos identificados como de alta criticidade, posteriormente, deverão ser objeto de análises de segurança onde serão determinadas ações preventivas ou de controle de emergências, visando diminuir a freqüência ou minimizar as conseqüências de eventuais acidentes. 2. METODOLOGIA A metodologia utilizada para classificação da criticidade de trechos das rotas do transporte rodoviário de produtos perigosos, do ponto de vista de risco de acidentes, tem como base a avaliação de itens (segurança e meio ambiente) relevantes na identificação da criticidade dos trechos. O processo de seleção dos itens de avaliação foi feito com base nos conceitos de risco. 2.1CONCEITOS DE RISCO De um modo geral, o risco de uma determinada atividade pode ser definido como uma combinação entre a freqüência de ocorrência de acidentes decorrentes da realização da atividade e as suas conseqüências. A expressão mais comum da combinação de freqüência e conseqüência para a avaliação do risco é a que o considera como o produto da freqüência pelas conseqüências. Assim, o risco pode ser expresso pela equação: Risco = Freqüência X Conseqüência 2.2CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DOS ITENS DE AVALIAÇÃO A conceituação de risco apresentada foi utilizada para a definição dos itens de avaliação de criticidade. Tais itens são divididos em duas categorias distintas: itens de avaliação relativos à freqüência de ocorrência, e itens de avaliação relativos às conseqüências. Os itens de avaliação da freqüência de ocorrência de acidentes correspondem aos fatores ou características presentes em cada trecho da rota rodoviária que contribuem para o aumento da probabilidade de ocorrência de acidentes no trecho. Por exemplo, sabe-se por experiência, que trechos com curvas ou declives acentuados são mais suscetíveis de

3 ocorrência de acidentes que trechos horizontais em linha reta. Portanto, a presença de tais características da via aumenta a criticidade do trecho no que concerne à possibilidade de ocorrência de acidentes. Sabe-se igualmente que a severidade das conseqüências de um acidente tende a ser maior em trechos que atravessam áreas densamente povoadas ou áreas ambientalmente sensíveis. Portanto, a presença de áreas de grande população ou com importantes aspectos ambientais deverá ser selecionada como um item de avaliação de criticidade relativo às conseqüências de acidentes. 2.3APLICAÇÃO DA METODOLOGIA A metodologia utilizada para classificação da criticidade de trechos das rotas do transporte rodoviário de produtos perigosos, consiste no preenchimento de planilhas, conforme modelos apresentados nas Tabelas 1 e 2. As planilhas deverão ser preenchidas com a participação de técnicos que conheçam os seguintes aspectos do transporte: características operacionais do trecho; características da via permanente do trecho; características do produto transportado; características geográficas e climatológicas do trecho. Tabela 1. Itens de Avaliação para a Freqüência Itens de Avaliação para Freqüência Peso do Item VIA Projeto (Geometria da via, presença de obras de arte, presença de obstáculos na pista) 20 Estado de conservação 20 Gestão da Via 15 Histórico de vandalismo, roubo e/ou acidentes 20 Clima 10 Fluxo de veículos 5 Fluxo do produto transportado 10 TOTAL 100 EQUIPAMENTO Estado de conservação do veículo deficiente ou sem sinalização 30 Inexistência de Plano de Manutenção/Inspeção do veículo 20 Ano de fabricação do cavalo 10 Inexistência de inspeção da carreta 10 Monitoramento do veículo 30 TOTAL 100 EMPRESA TRANSPORTADORA Inexistência de política de recrutamento/critério de seleção. 20 Falta de treinamento do motorista / Falta de reavaliação do treinamento 30 Falta ou deficiência de controle de jornada de trabalho 10 Motorista terceirizado 10 Sem monitoramento físico/psicológico/médico/visual 10 Falta ou deficiência no controle de alcoolismo e drogas 20

4 Itens de Avaliação para Freqüência Peso do Item VIA TOTAL 100 Tabela 2. Itens de Avaliação para a Conseqüência Itens de Avaliação para Conseqüência Peso do item Presença de Comunidades 25 Atendimento à Emergência 10 Proximidade com Obras de arte, pólo industrial, tubovias, dutovias, subestação, outros. 10 Presença de Corpos d água e/ou Ecossistemas 20 Potencial de Dano do Produto 25 Imagem da Empresa 10 TOTAL 100 Para cada item de avaliação, podem ser consideradas características e presença de elementos especiais como, por exemplo: Estado de conservação: deve-se avaliar a existência de sinalização precária, ausência de acostamento, erosão da costa, drenagem deficiente, pavimento danificado, entre outros). São atribuídos 4 pontos por item, com o valor máximo de 20 pontos; Fiscalização ineficiente: se não é feita a fiscalização da documentação, deve-se atribuir 2 pontos; se não é feita a fiscalização pelo Tacógrafo, deve-se atribui 3 pontos; se não é feita vistoria do equipamento, deve-se atribuir 3 pontos; se não é feita a checagem do kit de emergência, deve-se atribuir 2 pontos, e assim sucessivamente. Da mesma forma, para os itens de avaliação de conseqüência, há um detalhamento dos aspectos considerados: População exposta: atribuir 15 pontos para acima de pessoas; 10 pontos para a e 5 pontos para inferior a pessoas; Potencial de Dano do Produto: devem ser atribuídos pontos de acordo com o tipo de produto, variando pelo estado físico (sólido, líquido e gasoso) e categoria (tóxico, inflamável, corrosivo e radioativo). Os passos para a aplicação da metodologia estão listados a seguir: 1 Passo: Seleção da rota e do produto transportado. 2 Passo: Divisão da rota em trechos. 3 Passo: Para cada trecho, atribuir pontos para os itens de avaliação de freqüência da via e para os itens de avaliação de conseqüência. 4 Passo: A categoria de freqüência para o trecho analisado será obtida de acordo com as categorias de freqüência, apresentadas na Tabela 3. O total de pontos é obtido através do somatório de todos os itens. Tabela 3. Categorias de Freqüência dos Trechos

5 Categoria de Freqüência Pontuação dos itens de avaliação Freqüente 80 pts. 100 Provável 60 pts. < 80 Ocasional 40 pts.< 60 Remoto 20 pts. < 40 Improvável 0 pts. < 20 5 Passo: A categoria de conseqüência para o trecho analisado será obtida de acordo com as categorias de conseqüência, apresentadas na Tabela 4. O total de pontos é obtido através do somatório de todos os itens. Tabela 4 Categorias de Conseqüência dos Trechos Categoria de conseqüência Pontuação dos itens de avaliação Catastrófica 75 pts. 100 Crítica 50 pts. < 75 Moderada 25 pts. < 50 Baixa 0 pts. < 25 6 Passo: Combinando-se as categorias de freqüência com as de conseqüência, obtém-se a criticidade do trecho através da Matriz de Criticidade, conforme Figura 1, a qual fornece uma indicação qualitativa do nível de risco de cada trecho identificado na análise. A Matriz de Criticidade está dividida em três regiões, a saber: Criticidade Baixa: região para qual não há necessidade de medidas obrigatórias, as medidas propostas são consideradas sugestões; Criticidade Média: região para qual deverão: 1) Ser propostas medidas para redução da criticidade que deverão efetivamente reduzir a criticidade para região de criticidade baixa quando implementadas, ou 2) Ser realizados estudos complementares, conforme matriz de criticidade, para maior detalhamento da criticidade do trecho e proposição de medidas caso necessário. Caberá à Liderança da unidade responsável pelo transporte definir prazo e responsável para implementação das recomendações e para realização dos estudos complementares. As recomendações propostas deverão ser econômica e tecnicamente viáveis. Criticidade Alta: região para qual deverão ser realizados estudos complementares, conforme matriz de criticidade, para maior detalhamento da criticidade do trecho e proposição de medidas caso necessário. Caberá à Liderança da unidade responsável pelo transporte definir prazo e responsável para implementação das recomendações e para realização dos estudos complementares. 7 Passo: Após a obtenção da criticidade do trecho, será feita uma reavaliação dos resultados utilizando a avaliação dos itens referentes à gestão da empresa transportadora.

6 Desta forma o total de pontos para a freqüência será reavaliado. O novo valor para a freqüência de acidentes de cada um dos trechos será obtido através de uma média ponderada entre os três principais itens de avaliação de freqüência: Via, Equipamento e Empresa Transportadora. A soma dos itens para Via e Equipamento tem pesos de 35% cada e a soma dos itens para a Empresa Transportadora tem peso de 30%. A avaliação dos itens referentes à gestão da empresa transportadora deverá ser validada através do relatório de auditoria do SASMAQ da empresa transportadora durante a análise da rota. 8 Passo: Combinando-se o novo valor para a categoria de freqüência com o valor de conseqüência já obtido no Passo 5, obtém-se a criticidade do trecho, considerando a gestão da empresa transportadora. Ou seja, uma vez que uma outra empresa seja responsável pelo transporte, a reavaliação deverá ser refeita. 9 Passo: Seguir os mesmos passos para os demais trechos da rota. 10 Passo: De acordo com o resultado obtido para a criticidade dos trechos da rota em análise, adotar as medidas obrigatórias para redução da criticidade dos trechos, conforme apresentado no 6º Passo. F R E Q U Ê N C I A Matriz de Criticidade BRASKEM LOGÍSTICA IMPROVÁVÉL REMOTO OCASIONAL PROVÁVEL FREQUENTE C O N S E Q U Ê N C I A CATASTRÓFICA CRÍTICA MODERADA BAIXA MÉDIA OBRIGATÓRIO RECOMENDAÇÃO OU ESTUDOS COMPLEMENTARES BAIXA OBRIGATÓRIO ESTUDO DE VULNERABILIDADE PARA CENÁRIOS COM LIBERAÇÃO DE SUBSTÂNCIA INFLAMÁVEL E/OU TÓXICA BAIXA MÉDIA OBRIGATÓRIO RECOMENDAÇÃO OU ESTUDOS COMPLEMENTARES ALTA OBRIGATÓRIO RECOMENDAÇÃO E ESTUDOS COMPLEMENTARES MÉDIA OBRIGATÓRIO RECOMENDAÇÃO OU ESTUDOS COMPLEMENTARES MÉDIA OBRIGATÓRIO RECOMENDAÇÃO OU ESTUDOS COMPLEMENTARES Para regiões de Criticidade Média, as recomendações devem obrigatoriamente baixar o risco para a região de Criticidade Baixa, caso contrário, é necessário realizar estudo complementar. Figura 1. Matriz de Criticidade 3. ESTUDO DE CASO

7 O estudo de caso realizado com a aplicação desta metodologia tem como objetivo avaliar o potencial de risco para o transporte rodoviário de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), desde o Porto de Salvador até o Pólo Industrial de Camaçari, no estado da Bahia. A freqüência do transporte é cerca de 3 carretas/dia. 3.1DESCRIÇÃO DA ROTA O trajeto entre o Porto de Salvador e o Pólo de Camaçari foi dividido em 4 trechos, de acordo com as características encontradas ao longo das vias da rota analisada. Trecho 1 Porto de Salvador BR-324 A carreta deixará o Porto de Salvador em direção ao Pólo de Camaçari; passará pela Avenida da França e fará o retorno na Rua Suécia, pegando o acesso ao Túnel Américo Simas e percorrendo a Avenida Presidente Castelo Branco e posteriormente a Avenida Mário Leal Ferreira. O trecho dentro de Salvador caracteriza-se por ser uma região de médio povoamento, tráfego intenso e alguns locais mais críticos que cabe ressaltar: Túnel Américo Simas local de confinamento Vale de Nazaré (próximo ao Estádio Otávio Mangabeira - Fonte Nova) tráfego intenso, principalmente na ocorrência de eventos na Fonte Nova. As Tabelas 5 e 6 apresentam como exemplo, a classificação de freqüência e severidade, considerando as especificidades do Trecho 1. Tabela 5 Exemplo de Classificação de Freqüência Trecho 1 Itens de Avaliação Relativos à Freqüência de Ocorrência de Acidentes (Via) Trecho 1 TOTAL Geometria da Via Obras de arte cul os na Projeto Declive 2 Aclive 2 Mão-Dupla 2 Cruzamento na Pista 0 Rotatórias 0 Curvas Acentuadas 2 Outros 8 Viadutos de Passagem Superior ou Inferior 1,5 Túneis 1,5 Passarelas 0 Pontes 0 Outros 0 3 Área urbana 1,5

8 Itens de Avaliação Relativos à Freqüência de Ocorrência de Acidentes (Via) Trecho 1 TOTAL Avaliar a existência de: Fiscalização Ineficiente Redutores de Velocidade 1,5 Animais na pista 0 Obras/ Serviços Eventuais 1,5 Outros 0 4,5 Estado de conservação Sinalização Precária 4 Ausência de acostamento 0 Erosão da Costa 0 Drenagem Deficiente 0 Pavimento Danificado 4 Outros 0 8 Gestão da Via Ausência/Inexistência de bases ou pontos de apoio ao longo 0 do trecho 0 Não é feita a fiscalização da documentação 0 Não é feita a fiscalização pelo Tacógrafo 3 Não é feita vistoria do equipamento 0 Não é feita a checagem do Kit de Emergência 0 3 Histórico de vandalismo, roubo e/ou acidentes Histórico de Vandalismo 0 0 Histórico de Roubo 7,5 7,5 Histórico de Acidentes 7,5 7,5 Clima Avaliar altos índices pluviométricos 0 Queimadas 0 Interferência de Vegetação na Pista 0 Intensidade de Radiação Solar Elevada 2 Neblina 0 Outros 0 2 Fluxo de veículos 0 Alto fluxo de veículos na via 5 5 Fluxo do produto transportado 0 Acima de 5 carretas/dia 0 0

9 Itens de Avaliação Relativos à Freqüência de Ocorrência de Acidentes (Via) Trecho 1 TOTAL 1 a 5 Carretas por dia 5 5 Inferior a 1 carreta/dia 0 0 Tabela 6 Exemplo de Classificação de Severidade Trecho 1 Itens de Avaliação Relativos às Conseqüências dos Acidentes Trecho 1 TOTAL População exposta Fatores Agravantes Avaliar existência de: Avaliar a proximidade Presença de Comunidades Acima de pessoas 15 Entre a pessoas 0 Inferior a pessoas 0 15 Existência de área indígena 0 Existência de comunidades tradicionais 0 Existência de patrimônio histórico cultural 0 Existência de via elevada 0 Existência de população sazonal (eventos, festas) 0 Existência de trânsito urbano intenso 2 2 Atendimento à Emergência Área de sombra 0 Distância acima de 80 km entre evento e recursos para atendimento 0 Hospitais ou aeroportos 0 Dificuldades no acesso ao local 0 Baixa qualificação dos recursos 0 Outros 0 0 Proximidade com Obras de arte, pólo industrial, tubovias, dutovias, subestação, outros. Viadutos de passagem superior ou inferior 1,5 Pontes 0 Túneis 1,5 Passagem de nível 0 Pólo Industrial 0 Tubovias 0 Dutovias 0

10 Itens de Avaliação Relativos às Conseqüências dos Acidentes Trecho 1 TOTAL Estado Físico Categoria Avaliar: Subestação 0 Outros 0 3 Presença de Corpos d água e/ou Ecossistemas Corpo d'água classe especial até 1 km de distância 0 Corpo d'água classe 1 até 1 km de distância 0 Planície de Inundação 0 Área agrícola 0 Para mar, lagos, lagoa, reservatórios de água 0 Para captação de água direta ou indireta 0 Para ecossistema frágil 0 Para cobertura vegetal favorável a combustão 0 Área de preservação ambiental 0 0 Potencial de Dano do Produto (Para material não perigoso - classificar somente de acordo com o estado físico) Líquido 0 Gás 5 Sólido 0 Tóxico 0 Inflamável 8 Corrosivo 0 Radioativo 0 13 Imagem da Empresa Impactos econômicos 2 Comunidade 2 Sindicatos 2 Órgão ambiental 2 Mídias 2 10 Trecho 2 BR-324 A carreta seguirá pela BR-324 margeando os bairros de Águas Claras, Valéria e Nova Palestina, cruzando alguns afluentes do Rio Ipitanga e a BA-526. A carreta, ainda na BR- 324, cruzará a linha férrea na altura de Simões Filho, e passará ao lado da Lagoa da Sebra. Após Simões Filho, a carreta segue à direta, pela BA-093.

11 O trecho a partir da BR-324 é caracterizado por médio povoamento, asfalto danificado em alguns pontos, iluminação deficiente e tráfego em mão única. Também apresenta desnível entre a pista e o acostamento. Trecho 3 BA-093 Na BA-093, a carreta cruzará um afluente do Rio Joanes e passará ao lado das comunidades de Simões Filho, Palmares e Pitanga de Palmares. Logo no início da BA-093, existe uma série de quebra-molas, em uma região onde há também uma escola. Em outras partes deste trecho, existe pouco povoamento, próximo à estrada. A pista é de mão dupla, sem acostamento em alguns pontos, com desnível entre a pista e acostamento. Além de iluminação deficiente no trecho. A BA-093 apresenta cruzamentos com a Dutovia Pólo-Aratu e com dutos da Petrobras. Trecho 4 Canal de Tráfego A carreta seguirá pelo Canal de Tráfego, cruzará alguns afluentes do Rio Joanes, chegando finalmente ao Pólo Petroquímico de Camaçari. Este trecho apresenta boas condições de tráfego e com asfalto em boas condições. Não há comunidades próximas. 3.2RESULTADOS OBTIDOS Após a compilação das pontuações em cada trecho os resultados encontrados estão resumidos na Tabela 7 a seguir. Como pode ser observado, o Trecho 2 apresenta criticidade Alta, o Trecho 3 criticidade Média e os Trechos 1 e 4 criticidade Baixa. O próximo passo na análise foi feito considerando aspectos referentes à empresa transportadora e aos equipamentos utilizados no transporte. Tabela 7 Resultados do Estudo de Caso Transporte de GLP Trecho 1 Trecho 2 Trecho 3 Trecho 4 Freqüência - via 53,5 66,0 73,0 38,0 Conseqüência 43,0 56,5 42,0 39,5 Categoria de freqüência obtida Ocasional Provável Provável Remota Categoria de conseqüência obtida Moderada Crítica Moderada Moderada Categoria de Criticidade obtida Baixa Alta Média Baixa Foi considerado, como exemplo, que a empresa responsável pelo transporte do GLP nesta rota apresenta um alto nível de atendimento aos requisitos identificados como críticos para a minimização da freqüência de ocorrência de acidentes rodoviários, obtendo pontuação mínima neste item. Com relação aos equipamentos utilizados, a única ressalva feita trata-se da utilização de veículos com mais de 10 anos de fabricação, alcançando 10 pontos, conforme indicado na Tabela 8. Tabela 8 Exemplo de Avaliação da Empresa Transportadora

12 Itens de avaliação relativos à Freqüência de ocorrência de acidentes Transportadora EQUIPAMENTO Estado de conservação do veículo deficiente ou sem sinalização - atribuir 30 pts 0 Inexistência de Plano de Manutenção/Inspeção - atribuir 20 pts 0 Ano de fabricação do veículo Acima de 5 anos: 10 pts; Inferior a 5 anos: 0 pt 10 Inexistência de inspeção da carreta - atribuir 10 pts 0 Monitoramento do Veículo Sem utilização de GPS/Rastreamento - atribuir 8 pts; Sem controle de velocidade/tacógrafo - atribuir 8 pts; Sem comunicação - atribuir 8 pts; Ausência de rotograma - atribuir 8 pts - Máximo de 30 pts. 0 TOTAL 0 EMPRESA TRANSPORTADORA Inexistência de política de recrutamento/critério de seleção - atribuir 20 pts 0 Falta de treinamento do motorista / Falta de reavaliação do treinamento - atribuir 30 pts 0 Falta ou deficiência de controle de jornada de trabalho - atribuir 10 pts 0 Motorista terceirizado - atribuir 10 pts 0 Sem monitoramento físico/psicológico/médico/visual - atribuir 10 pts 0 Falta ou deficiência no controle de alcoolismo e drogas - atribuir 20 pts 0 TOTAL 0 Após a avaliação dos itens referentes à gestão da empresa transportadora e aos equipamentos utilizados, a nova classificação de criticidade está indicada na Tabela 9. Tabela 9 Resultados do Estudo de Caso Transporte de GLP Incluindo a Gestão da Empresa Transportadora Trecho 1 Trecho 2 Trecho 3 Trecho 4 Freqüência - via 53,5 66,0 73,0 38,0 Freqüência - veículo 10,0 Freqüência - motorista 0,0 Freqüência total 22,2 26,6 29,1 16,8 Conseqüência 43,0 56,5 42,0 39,5 Categoria de freqüência obtida Remota Remota Remota Improvável Categoria de conseqüência obtida Moderada Crítica Moderada Moderada Categoria de Criticidade obtida Baixa Baixa - AV Baixa Baixa

13 Como pode ser observado, em relação à Figura 1, não há nenhum trecho classificado como criticidade Alta ou Média, pois todos os trechos situaram-se na categoria de criticidade Baixa, porém, para o Trecho 2 é necessária a realização de uma Análise de Vulnerabilidade, a qual indicará o potencial de dano às pessoas e/ou instalações ao longo do trecho. Em caso da possibilidade de dano, deverão ser propostas medidas para diminuir a probabilidade e/ou conseqüência dos danos. Para os demais trechos, o resultado indica que o transporte do produto GLP entre o Porto de Salvador e o Pólo de Camaçari, considerando o critério de aceitabilidade empregado e os sistemas de gestão utilizados pela empresa transportadora avaliada, possui criticidade baixa e desta forma, não há necessidade de medidas adicionais. 4. COMENTÁRIOS FINAIS A metodologia desenvolvida permite de uma forma simples e estruturada a avaliação de rotas de transporte de produtos perigosos, identificando os trechos de maior criticidade durante o transporte. Podem ser identificados pontos de melhoria que impliquem na redução dos riscos referentes ao transporte dos produtos e avaliar e qualificar empresas transportadoras que se adequem aos níveis de risco que cada tipo de produto pode representar à população. Esta análise pode ser utilizada também como primeiro filtro para identificar quais os produtos e trechos de rotas de transporte que deverão ser objetos de análises de risco mais detalhadas (quantitativas) onde serão determinadas ações preventivas ou de controle de emergências, visando diminuir a freqüência ou minimizar as conseqüências de eventuais acidentes. Observa-se que o objetivo principal deste estudo foi desenvolver uma metodologia de fácil aplicação que proporcione à Braskem obter uma melhor gestão de seus riscos, integrando os riscos de transporte de produtos ao seu programa de gerenciamento de risco. 5. REFERÊNCIAS 1. CCPS, Guidelines for Chemical Process Quantitative Risk Analysis; American Institute of Chemical Engineers, 2a. Edição, CCPS, Guidelines for Hazard Evaluation Procedures, American Institute of Chemical Engineers, 3a. Edição, Lees, Frank E., Butterworth s, Loss Prevention on the Process Industries, Londres, 3ª Edição, 1996.

Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis

Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 8: Estudo de Caso Posto de Combustíveis Preparado

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Avaliação e Treinamento para Motoristas

Avaliação e Treinamento para Motoristas Avaliação e Treinamento para Motoristas Atualmente, resulta cada vez mais necessário treinar o pessoal que dirige veículos automotores, ainda quando dirigir não for sua tarefa principal. A falta de uma

Leia mais

Infra-estrutura de Salvador: Prazo de validade vencido. Realização: Sinaenco

Infra-estrutura de Salvador: Prazo de validade vencido. Realização: Sinaenco Infra-estrutura de Salvador: Prazo de validade vencido Realização: Sinaenco Objetivos Alertar as autoridades e a sociedade sobre a urgência e a importância da adoção por parte dos órgãos públicos das três

Leia mais

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Alexsandro da Silva Cardoso (UERJ) asc@csn.com.br Doninzeti Ferreira de Oliveira (UERJ) doninzeti@csn.com.br Edson

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER José Luiz de França Freire DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Alberto

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DAS CARRETAS NORMA DE SEGURANÇA OBRIGATÓRIA PARA TODAS AS EMPRESAS INSTALADAS NO POLO

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DAS CARRETAS NORMA DE SEGURANÇA OBRIGATÓRIA PARA TODAS AS EMPRESAS INSTALADAS NO POLO 1. INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo apresentar às empresas associadas ao COFIC um modelo de Programa de Gerenciamento de Riscos - PGR a ser cumprido pelas empresas parceiras transportadoras de

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br

Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br ATIVIDADES PARA UM PROJETO PILOTO DE CONTRATO DE GESTÃO DA CONSERVAÇÃO EM UMA REDE PRELIMINARMENTE SELECIONADA Eng. Rogério Wallbach Tizzot E-mail: tizrw@uol.com.br Atividade 1 : Avaliação do Estado Geral

Leia mais

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCOS EM PORTOS E TERMINAIS MARÍTIMOS

APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCOS EM PORTOS E TERMINAIS MARÍTIMOS APLICAÇÃO DE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCOS EM PORTOS E TERMINAIS MARÍTIMOS Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy Solutions Certified Functional Safety Engineer

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção

Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Guia de Análise de Vulnerabilidades e Medidas de Proteção Ênio Viterbo Jr. (Bayer) Coordenador da Comissão de Proteção Empresarial César Garcia (neologos)) Consultor Guias de Proteção da Abiquim Guia de

Leia mais

ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES

ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES ANÁLISE DE CAMADAS DE PROTEÇÃO: UM MEIO EFICAZ NA REDUÇÃO DE ACIDENTES Autor: Elisio Carvalho Silva Data: 30/03/2012 INTRODUÇÃO O perigo está relacionado a qualquer atividade que fazemos. Enquanto ele

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OBJETIVO... 2 3. DOCUNTAÇÕES... 2 3.1 DO VEÍCULO... 2 3.2 DO CONDUTOR... 2 4. TREINAMENTOS... 2 5. PRATICAS SEGURAS

Leia mais

Infra-estrutura: Prazo de Validade Vencido. Realização: Sinaenco

Infra-estrutura: Prazo de Validade Vencido. Realização: Sinaenco Realização: Sinaenco Objetivos Alertar as autoridades e a sociedade sobre a urgência e a importância da adoção por parte dos órgãos públicos das três esferas de poder (federal, estaduais e municipais)

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Nova etapa da passagem do gasoduto terrestre do Projeto Mexilhão

Nova etapa da passagem do gasoduto terrestre do Projeto Mexilhão Anexo V - Releases e repercussão na imprensa Release do dia 19 de março de 2010 Nota à imprensa 19/03/2010 Nova etapa da passagem do gasoduto terrestre do Projeto Mexilhão Neste domingo (21/03), começa

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Nesta oportunidade, confirmo que estes projetos estão fundamentados em Estudos, Estatísticas e Opiniões de Cidadãos domiciliados no bairro.

Nesta oportunidade, confirmo que estes projetos estão fundamentados em Estudos, Estatísticas e Opiniões de Cidadãos domiciliados no bairro. Barueri, 21 de Setembro de 2009. Ilustríssimo Senhor Rubens Furlan PREFEITO DE BARUERI Ref: Projetos do 1 Conselho Gestor de Segurança da Aldeia de Barueri Venho à presença de Vossa Excelência apresentar

Leia mais

PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS

PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS OBJETIVO DOS PROGRAMAS PREVENIR ATITUDES INSEGURAS NO TRANSPORTE POR MEIO DA CONSCIENTIZAÇÃO DOS MOTORISTAS. META ATINGIR O NÍVEL ZERO EM ACIDENTES SÉRIOS. PRINCIPAL

Leia mais

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Definições: Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas de materiais

Leia mais

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo:

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1 Coleta Deve ser efetuada em cada

Leia mais

Segurança no Transporte. 28 de Junho de 2011

Segurança no Transporte. 28 de Junho de 2011 Segurança no Transporte 28 de Junho de 2011 Agenda 1. Introdução 2. Gestão de Viagens 3. Gestão de Motorista 4. Gestão de Veículos 5. Gestão da Transpedrosa Introdução A performance de SSMA ao longo do

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário.

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

Engenharia de Risco de Transporte Benefício da rastreabilidade de cargas. COMUS / ACSP - 27 Maio 2010. luis.vitiritti@br.zurich.

Engenharia de Risco de Transporte Benefício da rastreabilidade de cargas. COMUS / ACSP - 27 Maio 2010. luis.vitiritti@br.zurich. Engenharia de Risco de Transporte Benefício da rastreabilidade de cargas COMUS / ACSP - 27 Maio 2010 Luis Vitiritti Marine RE LATAM tel 55 11 5504-8694 cel 55 11 9945-2376 www.risk-engineering.com Rodrigo

Leia mais

A tendimento Emergencial Gerenciamento de riscos no transporte terrestre de produtos perigosos

A tendimento Emergencial Gerenciamento de riscos no transporte terrestre de produtos perigosos A tendimento Emergencial Gerenciamento de riscos no transporte terrestre de produtos perigosos Ronaldo de Oliveira Silva; Técnico ambiental do Setor de Operações de Emergência da Cetesb - Companhia de

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

Rodovia Perimetral Norte

Rodovia Perimetral Norte Buscando criar um novo caminho que integre as três rodovias Federais (Br s 101, 116 e 324), que cruzam Feira de Santana, a rodovia perimetral norte de 33 km, surge como uma alternativa muito importante

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS INDUSTRIAIS E AMBIENTAIS COM A ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS (APP) E LÓGICA FUZZY

AVALIAÇÃO DE RISCOS INDUSTRIAIS E AMBIENTAIS COM A ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS (APP) E LÓGICA FUZZY AVALIAÇÃO DE RISCOS INDUSTRIAIS E AMBIENTAIS COM A ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS (APP) E LÓGICA FUZZY Paulo Victor Fleming, Ph.D. Depto de Engenharia Mecânica, Universidade Salvador (UNIFACS), Salvador,

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA

ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado do Acre PROACRE / FINANCIAMENTO ADICIONAL PROSER JUNHO 2012 LVA PARA INFRAESTRUTURA

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONDUTORES

AVALIAÇÃO DE CONDUTORES AVALIAÇÃO DE CONDUTORES Autores FÁBIO MARIO DE OLIVEIRA FÁBIO ROBERTO RAMALHO PEREIRA JOÃO PEDRO CANTARIO DE OLIVEIRA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇO SA RESUMO O projeto Avaliação de Condutores surgiu diante

Leia mais

CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015. Assunto: Definição Correta do Grupo de Manutenção no Início da Operação do Veículo Modelos afetados: Todos

CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015. Assunto: Definição Correta do Grupo de Manutenção no Início da Operação do Veículo Modelos afetados: Todos CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015 Favor divulgar esta circular para: Gerente de Serviços Gerente de Peças Encarregado de Garantia Monitor de Pós Vendas Ônibus Frotistas Ônibus Frotistas Caminhões Assunto:

Leia mais

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO NOVEMBRO 2013 ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE SOBRE O RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE PENEDO/AL E NEÓPOLIS/SE 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE

Leia mais

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO é um sistema de informações especialista, concebido e desenvolvido para automatizar, integrar e dar suporte aos principais processos utilizados

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.6 Programa de Gerenciamento de Risco e Plano de Ação de Emergências Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.6

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

Definição dos objetivos da análise, caracterização da instalação e da região de interesse;

Definição dos objetivos da análise, caracterização da instalação e da região de interesse; CAPÍTULO 10 ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO O Estudo de Análise de Riscos (EAR) foi desenvolvido pela empresa RCA Rabaneda Consultoria Ambiental, subcontratada da CPEA e contempla as futuras instalações do

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso 6 2.1 O que é Produto Perigoso? 6 2.2 Conceito de Risco x Perigo 6 2.3 Classe de Risco e número ONU 7 2.4 Exigências aplicáveis 8 2.4.1

Leia mais

5. Mapeamento da oferta de transportes (RFI)

5. Mapeamento da oferta de transportes (RFI) 52 5. Mapeamento da oferta de transportes (RFI) Para mapear a oferta, uma Request for Information (RFI) foi lançada no mercado, pela empresa pesquisada, com o objetivo de levantar informações adicionais

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Bicicletas e ciclovias João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs O veículo Um prisma com: Largura: 1,0m Comprimento: 1,75m Altura: 2,25m Vantagens para saúde Ciclismo é um dos esportes aeróbicos

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias

Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias FNS Repercussão na Mídia Vídeo 1: 3 min Ao Final da Apresentação: Breve Estudo de Caso: Auditoria de Qualidade na FNS TCU 2012 Quais

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

MÉTODOS ANALÍTICOS PARA TOMADA DE DECISÃO NA TRANSPOSIÇÃO DE OBSTÁCULOS POR FAIXAS DE DUTOS

MÉTODOS ANALÍTICOS PARA TOMADA DE DECISÃO NA TRANSPOSIÇÃO DE OBSTÁCULOS POR FAIXAS DE DUTOS MÉTODOS ANALÍTICOS PARA TOMADA DE DECISÃO NA TRANSPOSIÇÃO DE OBSTÁCULOS POR FAIXAS DE DUTOS Fabio Vinicius Fontoura Gil Fabio Vinicius Fontoura Gil - fabio@esteio.com.br é Agrimensor (Unicamp) e Engenheiro

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011

ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011 ARTIGO TÉCNICO HZTEC 002-2011 NOVEMBRO DE 2011 TÍTULO: A ANÁLISE DE RISCOS DE PROCESSOS E INSTALAÇÕES COMO ELEMENTO BÁSICO DO GERENCIAMENTO DE RISCOS INDUSTRIAIS Por Eng.º Eduardo de Mello Schmitt * 1

Leia mais

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás cartilha ppd final imagem 2/24/06 6:12 PM Page 1 Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás 08000 110 197 cadastroderede@comgas.com.br Companhia de Gás de São Paulo Rua das Olimpíadas, 205-10º andar (recepção)

Leia mais

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Introdução O transporte de produtos perigosos é um caso particular do transporte de mercadorias numa cadeia de fornecimento. Durante esta atividade, vários fatores

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE ALTA TAXAS CADA

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE Quem somos QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Quem somos O mercado está cada dia mais competitivo e dentro deste cenário, nasce a

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE

O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE INTRODUÇÃO Recife-Pernambuco tem uma densidade demográfica bastante alta se comparada

Leia mais

O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos

O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos Ricardo Paulo dos Santos Engenharia de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente ECOSORB AGENDA Por quê Gerenciar Riscos? Gerenciamento de Risco: Uma visão integrada;

Leia mais

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO ÍCARO LOGÍSTICA AMBIENTAL QUÍMICO ORION DE VARGAS FLORES TELEFONE COMERCIAL: 51-3051-7544 TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 51-9918-9135 icaroamb@cpovo.net orion.phoenix@terra.com.br

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Módulo 2: Risco e Impacto Ambiental

Módulo 2: Risco e Impacto Ambiental APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 2: Preparado para: Ministério do Meio Ambiente Secretaria

Leia mais

Avaliação da implementação das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo

Avaliação da implementação das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo Avaliação da das propostas do Distrito de Tupi apresentadas no Orçamento Participativo Objetivo Com o objetivo de realizar uma análise e contribuir com o aprimoramento do Orçamento Participativo 12 no

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais.

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-012 PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL PARA ACIDENTES ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

5 km/h a mais, uma vida a menos

5 km/h a mais, uma vida a menos 5 a mais, uma vida a menos Respeite os limites de velocidade www.fundacionmapfre.com.br O excesso de velocidade não acontece por acidente, é uma escolha. Na correria do dia-a-dia, vivemos apressados e,

Leia mais

revelando tudo ZHA Zurich Hazard Analysis Análise de Riscos Zurich Engenharia de Riscos Soluções Diferenciadas

revelando tudo ZHA Zurich Hazard Analysis Análise de Riscos Zurich Engenharia de Riscos Soluções Diferenciadas revelando tudo ZHA Zurich Hazard Analysis Engenharia de Riscos Soluções Diferenciadas Ferramenta de gerenciamento de riscos voltada a facilitar a sistemática de identificação, avaliação e redução de perigos

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL IMAGEM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL PESQUISA QUANTITATIVA APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS PÚBLICOS-ALVO: POPULAÇÃO e FORMADORES DE OPINIÃO FÓRUM VOLVO DE SEGURANÇA NO TRÂNSITO 24 DE SETEMBRO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OU ANÁLISE DE RISCOS I. CONCEITUAÇÃO GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PADRÃO 1 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PGR ou ANÁLISE DE RISCOS AR descreve detalhadamente

Leia mais

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Webinar O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Juliana Scalon 4 de Setembro de 2013 Aprimore o desempenho dos fornecedores Para se sobressair no mercado atual

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras

Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras Carro com dinheiro no compartimento do combustível: Para quem percorre quilometragens altas, a economia com o GNV pode compensar o custo do kit

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS Introdução A BR-262 atravessa o estado do Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, a partir do município de Três Lagoas (divisa com estado de São Paulo), passando pela capital, Campo Grande, até o município

Leia mais

Camila Rosa da Silva Takada 1 ; Rafael Soares Montanhini de Oliveira 2 ; Kaio Cézar de Assis Borba 3 ; Wesley Adonai Mafra 4 RESUMO

Camila Rosa da Silva Takada 1 ; Rafael Soares Montanhini de Oliveira 2 ; Kaio Cézar de Assis Borba 3 ; Wesley Adonai Mafra 4 RESUMO You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor ANÁLISE DE RISCO DA ATUAÇÃO DA EQUIPE DO LABORATÓRIO

Leia mais

ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA.

ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA. ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCO, PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E PLANO DE AÇÃO DE EMERGÊNCIA. OBJETIVOS DO PROGRAMA A VALEC, como concessionária da Ferrovia Norte Sul será a responsável pela operação

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais