MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro"

Transcrição

1 Ref.: Inquérito Civil Público n.º / PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO EGRÉGIA 1ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Trata-se de Representação formulada em desfavor do DNIT, sob a alegação de que a Autarquia instalou aparelhos eletrônicos redutores de velocidade na BR-428 em descumprimento aos termos da Resolução n. 396/2011, do CONTRAN, que exige, para tais tipos de equipamentos, a existência de display que aponte a velocidade detectada pelo aparelho. Oficiado, o DNIT prestou esclarecimentos às ff. 34/58, destacando que não houve instalação de lombadas eletrônicas, isto é, equipamentos redutores de velocidade, mas apenas de equipamentos controladores de velocidade, os quais dispensam, na forma do art. 1º, 1º e 2º, da Resolução n. 396/2011, do CONTRAN, a presença do display, exigência imposta apenas aos equipamentos redutores de velocidade. Segundo o DNIT, foram instalados dois equipamentos controladores de velocidade nos seguintes trechos urbanos: 1 KM 185,1, da BR-428, próximo ao cruzamento da rodovia com a Perimetral de Petrolina; e 2 KM 189,4, da BR-428, na Av. Sete de Setembro. Dessa forma, ao que nos parece, a controvérsia ora em questão gira em torno da configuração dos aparelhos como redutores ou controladores de velocidade. No primeiro caso, haveria necessidade de display. No segundo, não. Assim dispõem os 1º e 2º, do art. 1º, da Resolução n. 396/2011: b) controlador eletrônico de velocidade: medidor de velocidade Av. Presidente Tancredo Neves, 101, Centro, Petrolina/PE, CEP: Telefone: (87) FAX: (87)

2 destinado a fiscalizar o limite máximo regulamentado para a via ou trecho por meio de sinalização (placa R-19) ou, na sua ausência, pelos limites definidos no art. 61 do CTB; c) redutor eletrônico de velocidade (barreira ou lombada eletrônica): medidor de velocidade, do tipo fixo, com dispositivo registrador de imagem, destinado a fiscalizar a redução pontual de velocidade em trechos considerados críticos, cujo limite é diferenciado do limite máximo regulamentado para a via ou trecho em um ponto específico indicado por meio de sinalização (placa R-19). É dizer: O controlador de velocidade apenas fiscaliza se os veículos estão observando a velocidade máxima permitida naquele trecho, seja através de sinalização específica, seja através da aplicação dos limites do art. 61, do CTB. Por sua vez, o redutor de velocidade fiscaliza se os veículos estão obedecendo o limite máximo de velocidade em um trecho específico, devidamente indicado por meio de sinalização, limite este inferior ao limite normal da via. Para o deslinde do caso em apreço, necessário se fez comparar as sinalizações de velocidade máxima nos trechos imediatamente anteriores àqueles fiscalizados pelos equipamentos, de maneira a se verificar se a instalação destes aparelhos acarretou a necessidade de diminuição da velocidade máxima adotada na via ou, noutro sentido, se a velocidade máxima anterior já era igual à velocidade máxima no trecho fiscalizado. Assim, oficiou-se novamente ao DNIT, requisitando que comprovasse de forma documentada e fotografada, que os aparelhos instalados não são redutores de velocidade, mas sim apenas controladores, através da comprovação de que a velocidade máxima anterior já era igual à velocidade máxima no trecho fiscalizado, seja através de placas de sinalização expostas nas vias, seja através da aplicação dos limites do art. 61, do CTB. O DNIT, por sua vez, encaminhou registro fotográfico da Av. Sete de Setembro, km 188,0 ao km 193,4, da BR-428, a fim de comprovar a existência de várias placas de regulamentação de 40km/h na via, em ambos os sentidos, bem como encaminhou cópia do Estudo Técnico realizado antes da 2 de 7

3 implantação dos equipamentos controladores de velocidade, nos pontos citados da BR-428 (ff. 63/95). Em análise às fotografias encaminhadas, observa-se que estas contemplaram o trecho que vai do km 188,5 até o km 192,0 da BR-428, tanto no sentido Petrolina/Recife, quanto no sentido Recife/Petrolina, as quais, de fato, atestaram a existência de placas sinalizadoras de velocidade máxima de 40 km/h na rodovia, sendo umas anteriores à instalação do radar fixo e outras colocadas quando de sua instalação. Entretanto, observou-se que o trecho fotografado contemplou, tão somente, o radar instalado no km 189,4 da BR-428, não havendo registros fotográficos que compreendesse o radar instalado no km 185,1. Desse modo, oficiou-se, mais uma vez, ao DNIT, requisitando o encaminhamento de relatório fotográfico que contemplasse o trecho do km 185,1 da BR-428, de forma a atestar a existência de placas sinalizadoras anteriores à instalação do radar fixo (60km/h) no local (ff. 98/99). Em resposta, o DNIT informou que, de fato, não havia placas de regulamentação de velocidade antes da implantação do radar. No entanto, quando da implantação do equipamento, foram instaladas todas as placas previstas no edital, ressaltando que a velocidade de 60km/h no citado trecho foi devidamente comprovada mediante o estudo técnico anteriormente encaminhado, tendo em vista tratar-se de travessia urbana, bem como que a operação do radar só se efetivou após a devida colocação das placas e calibração do equipamento pelo INMETRO (ff. 101/104). Por fim, acostou fotografias das placas sinalizadoras de 60km/h instaladas nos dois sentidos da via. É a síntese. Como já frisado em passagem anterior, o cerne da questão consiste em avaliar se as lombadas eletrônicas instaladas pelo DNIT caracterizam-se como aparelhos redutores de velocidade, ou, noutro caso, como aparelhos controladores de velocidade. Isto porque, na forma dos 1º e 2º, do art. 1º, da Resolução n. 396/2011, apenas os aparelhos redutores de velocidade 3 de 7

4 exigiriam a presença do display, senão vejamos: b) controlador eletrônico de velocidade: medidor de velocidade destinado a fiscalizar o limite máximo regulamentado para a via ou trecho por meio de sinalização (placa R-19) ou, na sua ausência, pelos limites definidos no art. 61 do CTB; c) redutor eletrônico de velocidade (barreira ou lombada eletrônica): medidor de velocidade, do tipo fixo, com dispositivo registrador de imagem, destinado a fiscalizar a redução pontual de velocidade em trechos considerados críticos, cujo limite é diferenciado do limite máximo regulamentado para a via ou trecho em um ponto específico indicado por meio de sinalização (placa R-19). 2º Quando for utilizado redutor eletrônico de velocidade, o equipamento deverá ser dotado de dispositivo (display) que mostre aos condutores a velocidade medida. Nessa ordem de fatores, coube, então, diligenciar no sentido de apurar se as vias possuíam as velocidades máximas de 40 e 60km/h, ou, de outra forma, se permitiam, em trechos imediatamente anteriores ou posteriores aos aparelhos eletrônicos, velocidades superiores a estas. Em relação ao trecho da Av. Sete de Setembro, km 188,0 ao km 193,4, da BR-428, o DNIT encaminhou registros fotográficos do km 188,5 até o km 192,0 da BR-428, tanto no sentido Petrolina/Recife, quanto no sentido Recife/Petrolina, os quais atestam a existência de placas sinalizadoras de velocidade máxima de 40 km/h na rodovia, sendo umas anteriores à instalação do radar fixo e outras colocadas quando de sua instalação. Ou seja, a velocidade da via em trechos imediatamente anteriores e posteriores às lombadas eletrônicas era de 40km/h, e continuou sendo no trecho fiscalizado pelo aparelho eletrônico, razão pela qual se vislumbra tratar-se de aparelho controlador, e não redutor de velocidade, pois a velocidade fiscalizada é aquela adotada ao longo via. No que diz respeito ao equipamento instalado no km 185,1 da BR 428, em que pese a ausência de placas sinalizadoras no trecho, cumpre ressaltar o que estabelece o Código de Trânsito Brasileiro em seu art. 61, 1º, in verbis: 4 de 7

5 Art. 61. A velocidade máxima permitida para a via será indicada por meio de sinalização, obedecidas suas características técnicas e as condições de trânsito. 1º Onde não existir sinalização regulamentadora, a velocidade máxima será de: I nas vias urbanas: a) oitenta quilômetros por hora nas vias de trânsito rápido; b) sessenta quilômetros por hora, nas vias arteriais; c) quarenta quilômetros por hora, nas vias coletoras; d) trinta quilômetros por hora, nas vias locais. Ademais, o Anexo I do citado Diploma Legal, traz, ao estabelecer os conceitos e definições, a seguinte diferenciação: VIA DE TRÂNSITO RÁPIDO: aquela caracterizada por acessos especiais com trânsito livre, sem interseções em nível, sem acessibilidade direta aos lotes lindeiros e sem travessia de pedestres em nível. VIA ARTERIAL: aquela caracterizada por interseções em nível, geralmente controlada por semáforo, com acessibilidade aos lotes lindeiros e às vias secundárias e locais, possibilitando o trânsito entre as regiões da cidade. Nesse passo, a partir da análise do Estudo Técnico encaminhado pelo DNIT, verifica-se, de pronto, que o trecho do km 185,1 é considerado como Trecho Urbano, com travessia de pedestres ao longo da via, fluxo de ciclistas e cruzamento de veículos, afastando, portanto, a possibilidade de se estar diante de uma via de trânsito rápido, cuja velocidade máxima permitida é de 80km/h. Ora, tendo em vista se estar diante de Trecho Urbano, cuja velocidade máxima permitida nesta modalidade é de 80km/h, e considerando a existência de fluxo de pedestres no local, é descabido falar que se trata de via de trânsito rápido, logo, a velocidade máxima que poderia ser estabelecida para a área, seria, certamente de 60km/h. Cumpre observar, por sinal, que, nos Estudos Técnicos encaminhados, constam, como velocidades regulamentadas, 40km/h para o trecho 189,4 e 60km/h para o trecho 185,1, corroborando a conclusão de que, de fato, estes 5 de 7

6 trechos já possuíam tais parâmetros como limite de velocidade antes da instalação dos radares, não havendo que se falar, portanto, em redução de velocidade. De mais a mais, convém acentuar que a instalação de lombadas eletrônicas, assim como a definição dos locais que as receberão, são decisões políticas inseridas no âmbito da denominada discricionariedade técnica, possuindo, pois, o DNIT uma margem de liberdade para, a partir de critérios técnicos, tomar tais decisões, não competindo ao Poder Judiciário e ao Ministério Público, salvo excepcionalmente, se constatadas irregularidades ou arbitrariedades, pretender interferir nessa tomada de decisão. No caso em apreço, a documentação encaminhada pelo DNIT demonstra, de forma categórica, que as lombadas eletrônicas não foram instaladas a bel prazer, ou sem qualquer critério que embasasse a decisão. Pelo contrário, foram acostados aos autos estudos técnicos criteriosos e detalhados que levarão à conclusão de que os trechos necessitariam de aparelhos eletrônicos. Por tudo quanto exposto, não se verificam indícios de irregularidades praticadas pelo DNIT ao proceder à instalação dos equipamentos eletrônicos, posto que são considerados controladores de velocidade, e não redutores, de modo que, segundo a norma regulamentar, não há necessidade da presença de display, razão pela qual o arquivamento é medida que se impõe. Dessa forma, com fulcro no art. 9º, 1º e 3º, da Lei n /85, c/c art. 62, inc. IV, da Lei Complementar n. 75/93, regulamentado pelo art. 6º, inc. IV e 1º, da Resolução n. 20/96 do Conselho Superior do Ministério Público Federal, submeto a presente promoção de Arquivamento para exame, deliberação e, se for o caso, homologação por parte dessa Egrégia Câmara de Coordenação e Revisão. Por oportuno, cientifique-se o Representante, na forma do art. 17, da Resolução nº 87/2006 do CSMPF, inclusive quanto à faculdade prevista em seu 3º. 6 de 7

7 Baixa na distribuição e no controle processual. Petrolina-PE, 23 de setembro de BRUNO BARROS DE ASSUNÇÃO Procurador da República 7 de 7

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro Ref.: Inquérito Civil Público n.º 1.26.006.000008/2009-09 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO EGRÉGIA 3ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Trata-se de Inquérito Civil Público instaurado

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para fiscalização da velocidade de veículos automotores, elétricos, reboques e semi-reboques, conforme o Código de Trânsito

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade, de avanço de sinal vermelho e da parada sobre a faixa de pedestres de veículos automotores,

Leia mais

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências.

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 214, de 13/11/2006 Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo)

PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) *C0052969A* C0052969A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.287, DE 2015 (Do Sr. Veneziano Vital do Rêgo) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06)

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. RADAR NA VIA NÃO PRECISA MAIS DE AVISO. RESPEITE OS LIMITES Julyver Modesto de Araujo

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. RADAR NA VIA NÃO PRECISA MAIS DE AVISO. RESPEITE OS LIMITES Julyver Modesto de Araujo RADAR NA VIA NÃO PRECISA MAIS DE AVISO. RESPEITE OS LIMITES Julyver Modesto de Araujo Desde 22/11/06, os órgãos e entidades executivos de trânsito e rodoviários eram obrigados a informar a existência de

Leia mais

c Publicada no DOU de 2-9-2003.

c Publicada no DOU de 2-9-2003. RESOLUÇÃO DO CONTRAN N o 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

Aplicação do dispositivo CAIXA DE SEGURANÇA (Safety Box) para Travessias de Pedestres em vias simples e mão dupla

Aplicação do dispositivo CAIXA DE SEGURANÇA (Safety Box) para Travessias de Pedestres em vias simples e mão dupla NT2162011 AplicaçãododispositivoCAIXADESEGURANÇA(SafetyBox)para TravessiasdePedestresemviassimplesemãodupla LuizAlbertoGonçalvesRebelo MarcosCézarZaccaria MarceloGuidolin MariaMargaridaNunesSobral 1 Apresentação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

Segurança do trânsito 9. Velocidade e distância de parada Fevereiro 2010

Segurança do trânsito 9. Velocidade e distância de parada Fevereiro 2010 9. Velocidade e distância de parada Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN A velocidade é um dos maiores fatores de risco

Leia mais

Radares de Velocidade. Número de vias 49. Número de pontos com infra-estrutura 137. Número de pontos com equipamento em operação (rodízio)

Radares de Velocidade. Número de vias 49. Número de pontos com infra-estrutura 137. Número de pontos com equipamento em operação (rodízio) A multifuncionalidade apresentada na utilização dos equipamentos eletrônicos nas vias de Campinas. José Vieira de Carvalho; Atílio André Pereira; Jeany Lúcia da Silva Oliveira. EMDEC Empresa Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de ondulações transversais (lombadas físicas) em vias públicas, disciplinadas pelo Parágrafo único do art. 94 do Código de

Leia mais

O ART. 29, VIII DO CTB E A RESOLUÇÃO 268/2008 DO CONTRAN AUTORIZAM A LIVRE PARADA E ESTACIONAMENTO PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE VALORES?

O ART. 29, VIII DO CTB E A RESOLUÇÃO 268/2008 DO CONTRAN AUTORIZAM A LIVRE PARADA E ESTACIONAMENTO PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE VALORES? O ART. 29, VIII DO CTB E A RESOLUÇÃO 268/2008 DO CONTRAN AUTORIZAM A LIVRE PARADA E ESTACIONAMENTO PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE VALORES? O presente estudo analisa brevemente a alegada livre parada supostamente

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Legislação de Trânsito 14, neste material. 115 Para

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Fase 3 Elaboração das propostas Etapa 3.1, 3.2 e 3.4 Concepção, análise e detalhamento das propostas Página 1 de 10 Sumário 2.5. Plano de ações para

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 5 Características do tráfego (cont.) fonte: revista 4 Rodas Publicidade, 1.962 5.1. Planejamento

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Promoção de Arquivamento nº 09/2015/PRM/STA Ref: IC nº 1.26.003.000097/2013-91

Promoção de Arquivamento nº 09/2015/PRM/STA Ref: IC nº 1.26.003.000097/2013-91 AO NÚCLEO DE APOIO OPERACIONAL À PFDC NA PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA DA 5º REGIÃO Promoção de Arquivamento nº 09/2015/PRM/STA Ref: IC nº 1.26.003.000097/2013-91 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por

Leia mais

PARECER Nº 010/09 I INTRODUÇÃO

PARECER Nº 010/09 I INTRODUÇÃO 1 PROCESSO Nº: 125416209 INTERESSADO: Superintendência Municipal de Trânsito de Jataí ASSUNTO: Legalidade do Estacionamento de viaturas Policiais sobre passeios e calçadas. PARECER Nº 010/09 I INTRODUÇÃO

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Origem: PRT 12ª Região Interessado(s) 1: Jailson Araújo de Jesus e outro Interessado(s) 2: Construtora Lupe Ltda. Interessado(s) 3: Ministério Público do Trabalho Assunto(s):

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

DECISÃO. VISTOS EM INSPEÇÃO (PROVIMENTO/COGER nº 38/2009, art. 122, 1º, I)

DECISÃO. VISTOS EM INSPEÇÃO (PROVIMENTO/COGER nº 38/2009, art. 122, 1º, I) G12 PROCESSO N : 0005420-60.2015.4.01.3600 CLASSE : 7200 AÇÃO POPULAR AUTOR : DILEMARIO DO VALE ALENCAR RÉUS : MAURO MENDES FERREIRA, MUNICIPIO DE CUIABA-MT, THIAGO FRANCA CABRAL DECISÃO VISTOS EM INSPEÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO 4º OFÍCIO DA TUTELA COLETIVA Inquérito Civil nº 1. 26. 000. 000036/ 2013-54.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO 4º OFÍCIO DA TUTELA COLETIVA Inquérito Civil nº 1. 26. 000. 000036/ 2013-54. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PERNAMBUCO 4º OFÍCIO DA TUTELA COLETIVA Inquérito Civil nº 1. 26. 000. 000036/ 2013-54. Promoção de Arquivamento 1. Cuida-se de inquérito civil cujo

Leia mais

Projetos de publicidade na faixa de domínio da rodovia

Projetos de publicidade na faixa de domínio da rodovia Projetos de publicidade na faixa de domínio da rodovia Os projetos deverão apresentar: a. Requerimento devidamente preenchido (anexo 1); b. Fotos (no mínimo uma panorâmica e uma localizada) indicando o

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

SISTEMA DE FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA DE VEÍCULOS. Especificações Técnicas

SISTEMA DE FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA DE VEÍCULOS. Especificações Técnicas SISTEMA DE FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA DE VEÍCULOS Características Gerais Especificações Técnicas. Ser de fácil transporte, acondicionado em estrutura resistente a sua condução, formada pelo conjunto dos elementos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 03/12 LIGAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS REDUTORES DE VELOCIDADE E CÂMERAS DE SEGURANÇA 1. OBJETIVO O presente comunicado técnico tem como objetivo oferecer orientação aos projetistas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: Interessado(s) 1: Interessado(s) 2: PRT 15ª Região Ribeirão Preto/SP Josiane Baldo Lucia Helena Lamberte Molinar Gazetti Sandra Regina Barbosa Cuba Cortez Município de Franca Assunto(s): Trabalho

Leia mais

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 19 da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Dispõe sobre a prestação de serviço público de transporte individual de passageiros por meio de motocicletas e veículos congêneres de aluguel, denominado moto-táxi.

Leia mais

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Nota Técnica 232 2014 Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Max Ernani Borges De Paula Banco de dados de vítimas dos acidentes de trânsito fatais A Companhia de Engenharia de Tráfego realiza

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00278840 UNIDADE GESTORA: PREFEITURA MUNICIPAL DE TIJUCAS INTERESSADO:

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

Controladores de Velocidade ou Monitoramento de Trânsito

Controladores de Velocidade ou Monitoramento de Trânsito Controladores de Velocidade ou Monitoramento de Trânsito Gilvane Amorim Oliveira Ivan Carlos Almeida dos Santos Marcelo Husek de Freitas Paulo Ricardo Rodrigues Pinto Visão Geral Controladores Eletrônicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL

AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL ANEXO 4 AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS/SISTEMAS EM CAMPO TESTE EM ESCALA REAL CONCORRÊNCIA Nº 02/2012 ANEXO 4 - FL. 2 DA AVALIAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS A empresa LICITANTE detentora da melhor proposta, deverá

Leia mais

RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática

RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática RESOLUÇAO 212, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006, DO CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Dispõe sobre a implantação do Sistema de Identificação Automática de Veículos SINIAV em todo o território nacional. O

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.006, DE 2015 (Do Sr. Takayama)

PROJETO DE LEI N.º 1.006, DE 2015 (Do Sr. Takayama) *C0052306A* C0052306A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.006, DE 2015 (Do Sr. Takayama) Estabelece a obrigatoriedade de que todo o transporte escolar no território nacional seja feito mediante a

Leia mais

Atividade 1 - Análise

Atividade 1 - Análise PARTE 1 Introdução A continuidade do Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade, em uma nova versão, está sendo discutida pelos diversos atores envolvidos, especialmente os técnicos do DNIT

Leia mais

Interessados: RESPONSÁVEIS: João Paulo Bastos Hildebrandt e Paulo Macedo de Carvalho Mesquita

Interessados: RESPONSÁVEIS: João Paulo Bastos Hildebrandt e Paulo Macedo de Carvalho Mesquita Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0054-06/99-1 Identidade do documento: Acórdão 54/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas. Centro Psiquiátrico Pedro II. Exercício de 1997. Garantias

Leia mais

.31.4.1.,4 ff4b. Hal. Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Des a Maria das Neves do Egito de A. D.

.31.4.1.,4 ff4b. Hal. Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Des a Maria das Neves do Egito de A. D. f.31.4.1.,4 ff4b Hal Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Des a Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N o 001.2007.002957-2/001 - 'AMPINA GRANDE

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA. EDITAL RDC n 47/2014-05

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA. EDITAL RDC n 47/2014-05 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA EDITAL RDC n 47/2014-05 5º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS 1ª Pergunta: Usualmente, os editais do DNIT

Leia mais

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO

RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO Ref.: Processo Administrativo nº. 141445/2014 Pregão Eletrônico nº. 056/2014 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AGENCIAMENTO E FORNECIMENTO

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 2.1 Formas de controle do tráfego em interseção ou seção de via... 9 2.2 Princípios da Sinalização Semafórica... 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

PARECER JURÍDICO. Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação.

PARECER JURÍDICO. Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação. Página 1 de 5 PARECER JURÍDICO Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação. Legislação aplicável: Lei 8.666/93. Lei 12.440/11. Como é de conhecimento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Ofícios da Tutela Coletiva

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Ofícios da Tutela Coletiva IC nº 1.28.000.000360/2003-26 DECISÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 11/2012 1. O presente procedimento administrativo foi instaurado, a fim de investigar ilícito ambiental noticiado pelo IBAMA, objeto do Auto de

Leia mais

Quem utiliza nossas tecnologias

Quem utiliza nossas tecnologias Empresa A VELSIS foi criada com o objetivo de oferecer soluções de alta tecnologia para a área de ITS (Intelligent Transportation System), fornecendo uma completa linha de produtos para soluções de mobilidade.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Polo Petrolina/Juazeiro

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Polo Petrolina/Juazeiro MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Polo Petrolina/Juazeiro Av. Presidente Tancredo Neves, 101, Centro, Petrolina/PE, CEP: 56.304-190 Promoção de Arquivamento Tutela 004/2011/PR-PTA/JZO/3º

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 405 DE 12 DE JUNHO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 405 DE 12 DE JUNHO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 405 DE 12 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre a fiscalização do tempo de direção do motorista profissional de que trata o artigo 67-A, incluído no Código de Transito Brasileiro CTB, pela Lei n 12.619,

Leia mais

DER/PR ES-D 14/05 DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM

DER/PR ES-D 14/05 DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41)

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco PROMOÇÃO

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco PROMOÇÃO Inquérito Civil Público n. º 1.26.000.000764/2011-02 Promoção de Arquivamento nº 486-2013/MPF/PRPE/AT PROMOÇÃO Trata-se de inquérito civil público instaurado nesta Procuradoria da República a partir de

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE 255-2044 - CEP 01045-903 FAX Nº 231-1518

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE 255-2044 - CEP 01045-903 FAX Nº 231-1518 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE 255-2044 - CEP 01045-903 FAX Nº 231-1518 Deliberação CEE nº 09/95 Dispõe sobre delegação de Competências aos Conselhos Municipais e Regionais

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/ICP/15345/2012 ORIGEM: PRT 2ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DRA. ASSUNTO: TEMAS GERAIS

CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/ICP/15345/2012 ORIGEM: PRT 2ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DRA. ASSUNTO: TEMAS GERAIS CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/ICP/15345/2012 ORIGEM: PRT 2ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DRA. DÉBORA MONTEIRO LOPES INTERESSADO 1: MIRELLA NICACIO INTERESSADO 2: SALES COMÉRCIO E SERVIÇOS

Leia mais

NORMA 07 ANEXO I MEDIÇÃO DE PERCURSOS PARA PROVAS DE RUA

NORMA 07 ANEXO I MEDIÇÃO DE PERCURSOS PARA PROVAS DE RUA NORMA 07 ANEXO I MEDIÇÃO DE PERCURSOS PARA PROVAS DE RUA Art. 1º - Todas as provas de rua (corridas de rua ou provas de marcha) para serem reconhecidas pela CBAt devem ter o seu percurso medido e certificado

Leia mais

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº. 0079/2009

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº. 0079/2009 PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO Nº. 1.26.000.002445/2008-28. PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº. 0079/2009 1. O procedimento em epígrafe, instaurado a partir de representação formulada por Lúcia Helena Xavier, tem

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

Assunto: Representação acerca de procedimento licitatório - inexigibilidade.

Assunto: Representação acerca de procedimento licitatório - inexigibilidade. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 323/94 - Segunda Câmara - Ata 44/94 Processo nº TC 625.141/94-6 Responsável: Dra. Marga Inge Barth Tessler, Juiza Federal Diretora do Foro. Órgão: Justiça

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO Normas e Procedimentos 1. DISPOSIÇÕES GERAIS A UNIVESP instituiu, por deliberação de seu Conselho de Curadores, o PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP, com as características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC 044.367/2012-0 Fiscalização 1363/2012 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 2.382/2011 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

LUGGER BRASIL Indústria e Comércio Ltda.

LUGGER BRASIL Indústria e Comércio Ltda. À COMPANHIA EDITORA DE PERNAMBUCO CEPE CNPJ/MF nº 10.921.252/0001-07 RUA COELHO LEITE, 530, SANTO AMARO CEP: 50100-140 RECIFE PE REF. PREGÃO ELETRÔNICO N 019/2015 PROCESSO LICITATÓRIO Nº 051/2015 MENOR

Leia mais

Decisão de Pregoeiro n 0039/2009-SLC/ANEEL. Em 4 de setembro de 2009.

Decisão de Pregoeiro n 0039/2009-SLC/ANEEL. Em 4 de setembro de 2009. Decisão de Pregoeiro n 0039/2009-SLC/ANEEL Em 4 de setembro de 2009. Processo nº: 48500.000496/2009-53 Licitação: Pregão Eletrônico nº 49/2009 Assunto: Análise do recurso interposto pela Ductbusters Engenharia

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.714, DE 25 DE ABRIL DE 2011 Institui o Sistema de Estacionamento Rotativo pago, nas vias e logradouros públicos denominado Zona Azul São José dos Pinhais. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/PP/Nº 10355/2013 ORIGEM: PRT 1ª REGIÃO PROCURADOR OFICIANTE: DR. JOÃO CARLOS TEIXEIRA INTERESSADO 1: UNIÃO FEDERAL INTERESSADO 2: ARPOADOR DE HOTÉIS E TURISMO LTDA. SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

Ministério Público Federal PROMOÇÃO

Ministério Público Federal PROMOÇÃO Procedimento Administrativo n. º 1.26.000.000265/2011-15 Promoção de Arquivamento n.º 80/MPF/PRPE/AT PROMOÇÃO Cuida-se de procedimento administrativo, instaurado nesta Procuradoria da República, com o

Leia mais

Segurança viária na Lomba do Pinheiro - Porto Alegre/RS.

Segurança viária na Lomba do Pinheiro - Porto Alegre/RS. Segurança viária na Lomba do Pinheiro - Porto Alegre/RS. Marcelo Hansen; Alessandra Andrea Both Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) Gerência de Planejamento de Trânsito Rua João Neves da

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015 2º semestre de 2015 POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 1 A Engenharia

Leia mais

PARECER JURÍDICO N 110/2014 - ASJUR

PARECER JURÍDICO N 110/2014 - ASJUR PROCESSO(S) N(S)º : 56356509/2014 e 57368845/2014 INTERESSADO : L. D. Equipamentos Profissionais Ltda. ASSUNTO : Impugnação Pregão Presencial n 019/2014 PARECER JURÍDICO N 110/2014 - ASJUR Os autos aportaram

Leia mais

Produto 2: O Sistema Viário Estrutural: Análise e Diagnóstico decorrentes das Visitas de Campo

Produto 2: O Sistema Viário Estrutural: Análise e Diagnóstico decorrentes das Visitas de Campo Produto 2: O Sistema Viário Estrutural: Análise e Diagnóstico decorrentes das Visitas de Campo DA CARACTERIZAÇÃO INICIAL A cidade de Socorro foi colonizada no início de 1738, fundada em 09 de agosto de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Técnico Operacional - Motorista (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas.

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. QUESTÃO 06

LÍNGUA PORTUGUESA. Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. QUESTÃO 06 UFG/CS CMTC - 2010 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto a seguir para responder às questões de 01 a 07. País cumpre só 1/3 das metas para a educação Relatório feito sob encomenda para o Ministério da Educação

Leia mais

CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA

CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PERFIL DAS MULTAS DE TRÂNSITO PROCESSADAS NO MUNICÍPIO DE LIMEIRA JAN-SET / 2015 Núcleo de Gestão de Políticas Públicas, Ciências Sociais,

Leia mais

PORTARIA Nº 27, DE 07 DE MAIO DE 2002

PORTARIA Nº 27, DE 07 DE MAIO DE 2002 PORTARIA Nº 27, DE 07 DE MAIO DE 2002 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 19 da Lei 9.503, de 23 de setembro de 1997 que instituiu

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 DISPÕE SOBRE O PLANO VIÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIOERÊ EM CONFORMIDADE COM A LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 001/2007 LEI DO PLANO DIRETOR, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

PARECER N.º 28/CITE/2005

PARECER N.º 28/CITE/2005 PARECER N.º 28/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 45.º do Código do Trabalho e dos artigos 79.º e 80.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 26 FH/2005 I OBJECTO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO 1/5 1. Objetivo Estabelecer critérios para sinalizar e isolar as áreas de trabalho, com a finalidade de garantir a distância e o isolamento adequado na execução de serviços em iluminação pública em redes

Leia mais

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364

RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 RELATÓRIO SITUAÇÃO DA BR 163/364 Fevereiro/2014 1 1. Introdução O Movimento Pró-Logística, que reúne as entidades Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (APROSOJA), Associação

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 277, DE 28 DE MAIO DE 2008

RESOLUÇÃO N.º 277, DE 28 DE MAIO DE 2008 RESOLUÇÃO N.º 277, DE 28 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre o transporte de menores de 10 anos e a utilização do dispositivo de retenção para o transporte de crianças em veículos. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO

O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO Por Fernando Oliva Palma 1) Introdução Os acidentes de trânsito, hoje em dia, constituem um dos principais motivos do elevado número

Leia mais

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO EDITAL Nº 0519/2010-16 PROCESSO Nº 50616.000794/2010-21 JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO TERMO: FEITO: DECISÓRIO RECURSO ADMINISTRATIVO COM EFEITO SUSPENSIVO REFERÊNCIA: EDITAL nº: 0519/2010-16 RAZÕES:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RELATOR - CONSELHEIRO ANTONIO ROQUE CITADINI 12ª SESSÃO ORDINÁRIA DA SEGUNDA CÂMARA, DIA 06/05/2014 ITENS: 35 e 36 Processo: TC-006335/026/10 Representante(s): Albatroz Segurança e Vigilância Ltda., por

Leia mais

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA 1) - Normas Gerais de Circulação e Conduta: a)- Trânsito é a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação,

Leia mais