Editorial. Sumário. Editorial... 1 Entrevista... 2 Ciência e Prática... 4 Painel do Sócio... 5 Aconteceu... 6 Calendário de Eventos...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial. Sumário. Editorial... 1 Entrevista... 2 Ciência e Prática... 4 Painel do Sócio... 5 Aconteceu... 6 Calendário de Eventos..."

Transcrição

1 Editorial Sumário Editorial... 1 Entrevista... 2 Ciência e Prática... 4 Painel do Sócio... 5 Aconteceu... 6 Calendário de Eventos... 7 O último número de nosso boletim informativo trouxe dois artigos descrevendo as impressões deixadas pelo Decennial da SHEA (Society for Healthcare and Epidemiology of America), realizado em março deste ano em Atlanta, EUA. São artigos que nos deram um panorama do que acumulamos em termos da epidemiologia das infecções relacionadas à saúde (IRAS) e do que vem pela frente. Muito já conhecemos a respeito das melhores técnicas do cuidado que têm impacto na redução das infecções adquiridas durante o processo de assistência; no entanto, como implantar tais técnicas, garantir sua adesão por parte dos profissionais de saúde (dentro de um cenário de trabalho muitas vezes adverso) e, sobretudo, sustentar as melhorias conseguidas por longos períodos são questões que se colocam como os grandes desafios da próxima década. Dentro desta perspectiva há a necessidade de mais estudos que proponham revisão dos processos na assistência. A responsabilização dos gestores, tanto da alta administração das instituições como no nível das unidades assistenciais, tem que ser assumida. Ainda não é raro encontrar coordenadores assistenciais de unidades que veem as IRAS como um problema do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar e não como seu problema. A participação de toda a sociedade em relação à prevenção das IRAS também precisa avançar e ganhar corpo. Para isso é necessário que os espaços de informação ampliem o debate acerca das condições de funcionamento das instituições de assistência à saúde, seja em relação à estrutura física, recursos humanos ou tecnológicos. Precisamos informar o paciente e seus familiares acerca da maneira pela qual eles podem assumir uma postura mais ativa durante seu tratamento, colaborando para a assistência mais segura. Finalmente, o interesse de entidades das esferas governamentais e o Ministério Público exercendo seus papéis de defesa do interesse público devem ser acolhidos entre os profissionais de controle de infecção para que possamos juntos atingir nosso objetivo comum, que é a assistência segura ao paciente. Dr. Ícaro Boszczowski Médico Infectologista Assistente da CCIH HC/FMUSP; Coordenador da CCIH do Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch. CRM-SP

2 Entrevista Associação Congrega Profissionais para Controle de Infecção Dr. Antônio Tadeu Fernandes Presidente da Associação Brasileira de Infecção Hospitalar. CRM-SP Nesta edição trazemos uma entrevista com o Dr. Antônio Tadeu Fernandes, presidente da ABIH. Informativo Apecih: Qual a importância da ABIH? Dr. Antônio Tadeu Fernandes: A ABIH é a associação que congrega os profissionais de saúde que atuam ou se interessam pelo controle de infecção. Além de representar em nível nacional os controladores de infecção, reúne as entidades estaduais de controle de infecção e realiza a cada dois anos o Congresso Brasileiro de Controle de Infecção, possibilitando que sócios de qualquer uma das entidades estaduais tenham descontos especiais nesses eventos. IA: Por que precisamos ter uma representação em nível nacional? Dr. Fernandes: Como o controle de infecção, a ABIH é multiprofissional e foca sua ação nesse tema. Assim, ela se credencia para nos representar nacionalmente. Isto é importante por possibilitar nossa participação, contribuindo tecnicamente para a elaboração de legislação que interfere com o controle de infecção. A possibilidade de debate da proposta de incorporação das CCIHs na gerência de risco no último congresso contribuiu para enfatizar a importância desta comissão e manter sua identidade. O debate de aspectos legais é um desafio atual, que reforça a necessidade de atuação coordenada nacionalmente. IA: Como a ABIH poderia contribuir com esses debates? Dr. Fernandes: Por ter abrangência nacional e contato com as entidades estaduais, a ABIH pode identificar lideranças e formadores de opinião em todos os Estados sobre os temas que estão sendo debatidos e selecionar profissionais que melhor nos representem, considerando ainda ser entidade interdisciplinar e multiprofissional. IA: Qual a relação da ABIH com a APECIH? Dr. Fernandes: A APECIH empresta sua sede para a ABIH. Se atualmente sou o presidente da ABIH, fui o presidente fundador da APECIH e participei ativamente do debate dessa relação, que a meu ver ainda não é ideal. Ambas foram fundadas em 1987, mas na época sem internet, vindas de movimentos distintos, que aparentemente não se conheciam e com estratégias distintas de integração nacional. Após alguns anos chegou-se a um consenso, confirmando a ABIH como entidade nacional, mas tendo em sua direção também um colegiado, representado por todas as associações estaduais ativas. A ABIH deve reforçar seu papel político e de integração nacional, sem ter quadro associativo exclusivo, mas apoiando todos os Estados a terem associações locais ativas, difundindo eventos 2

3 e produção científica de qualidade, como congressos regionais e as monografias da APECIH, para todos os sócios das entidades estaduais. Também está nos planos a criação de comitês técnicos multiprofissionais e interestaduais e a consolidação e apoio aos eventos regionais e nacionais da área. IA: Como a ABIH está se planejando para atingir esses objetivos? Dr. Fernandes: Estamos centrados em colocar a casa em ordem, resolvendo pendências de gestões anteriores, e elaborando uma proposta de Estatuto que se adeqüe à nova legislação e ao debate sobre o futuro da entidade, que se realizará na assembléia geral, durante o congresso de controle de infecção no Recife. Estamos também reativando o site da entidade, no qual teremos as informações pertinentes a todo esse processo, facilitando a participação de todos. IA: Como será o congresso de controle de infecção em Recife? Dr. Fernandes: O congresso será de 1º a 4 de setembro de 2010, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Recife/Olinda. Em sua programação teremos cursos pré-congresso, conferências, mesas-redondas, painéis de debates e temas livres, possibilitando a atualização e troca de experiências entre os profissionais que se dedicam ao tema. Os mais destacados formadores de opinião e as principais lideranças nacionais e internacionais estarão presentes. Do amplo temário destaco: perspectivas e a busca de excelência em prevenção e controle de infecção; o desafio das pandemias e da multirresistência; impacto de novas tecnologias; métodos para reprocessamento de artigos; antibioticoterapia e antibioticoprofilaxia; controle de infecção extra-hospitalar; emprego de evidências científicas; infecções maternas e perinatais; manuseio de feridas; atualização na prevenção das IRAS e emprego de bundles; gestão de risco; controle de surtos, como o de micobactérias. IA: Qual será a importância de participar desse congresso? Dr. Fernandes: Além do intercâmbio e possibilidade de atualização, aliados à hospitalidade e belezas de Recife, Olinda e região (destacando Porto de Galinhas e Fernando de Noronha), que poderão ser visitadas no feriadão que se segue ao congresso, eu destaco também o momento crucial que vive o controle de infecção, exige um posicionamento, quando se debatem seus aspectos legais, essencialmente na responsabilidade nos casos de infecção: se necessário comprovar imprudência, imperícia ou negligência, ou se a simples comprovação da origem relacionada à assistência caracteriza a responsabilidade das instituições ou dos profissionais de saúde que atenderam o paciente. Particularmente para nós, sócios da APECIH, temos também a possibilidade de trocar experiências para a realização do próximo congresso, programado para 2012 na cidade de Santos (SP). Mais informações sobre o evento estão disponíveis no site

4 Ciência e Prática Cirurgias Seguras Salvam Vidas Enfª Claudia Vallone Silva Enfermeira da SCIH do Hospital Israelita Albert Einstein - COREN As infecções relacionadas à assistência à saúde afetam milhões de pacientes anualmente no mundo todo. Estas aumentam a morbidade dos pacientes, prolongam o período de hospitalização, estão associadas a graves sequelas e são de alto custo para pacientes, familiares e para o sistema de saúde, além de aumentarem o risco de morte. A vigilância epidemiológica das infecções relacionadas à assistência à saúde e a criação de indicadores colhidos sistematicamente trouxeram o conhecimento mais apurado destas infecções, fatores de risco e problemas associados. Além disso, auxiliaram no estabelecimento de prioridades e permitiram avaliação das medidas de controle implantadas Informação para Ação. Houve a confirmação de que a prevenção das infecções é possível. Atualmente, a mentalidade para a redução das infecções deve ser de Tolerância Zero, ou seja, seguir as medidas de prevenção o tempo todo, com todos os pacientes e em todos os procedimentos. Realizar em 100% das vezes medidas reconhecidas para prevenir as infecções. A necessidade de um olhar mais apurado e objetivo em busca da segurança e qualidade nos serviços de saúde, além de uma mudança cultural em que se atribuíam os erros ou eventos adversos ao mau profissional (incompetente, negligente, que age de forma imprudente, etc.), fez com que na última década a ciência direcionasse estudos e produzisse informações consistentes que pudessem sugerir alterações importantes nos resultados catastróficos encontrados em nossos sistemas de saúde. A publicação do livro To err is human: building a safer health care system, do Institute of Medicine, em 2000, mostrou dados de mortalidade relacionada a erros advindos do cuidado à saúde que poderiam ser evitados, chamou atenção para consequências graves e o custo exorbitante destes eventos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) vem trabalhando com o tema Segurança ao Paciente desde 2002 e em 2004, com a criação da Aliança Mundial da Saúde, intensificou seus objetivos de facilitar o desenvolvimento de práticas e políticas de segurança do paciente em nível mundial. O primeiro grande desafio global, lançado em outubro de 2005, foi melhorar a adesão à higiene das mãos nos 5 momentos importantes da assistência à saúde. O lema da campanha foi Cuidado limpo é cuidado seguro. O programa Cirurgias Seguras Salvam Vidas é o segundo desafio, e foi criado pela OMS com a finalidade de reduzir o número de mortes causadas por procedimentos cirúrgicos no mundo todo. Seu objetivo é unir comprometimento político e clínico direcionados para importantes medidas de segurança, que incluem: práticas de anestesia segura, evitar infecções cirúrgicas, promover a realização do procedimento certo, no local e paciente corretos e melhorar a comunicação entre as diversas equipes envolvidas nestes procedimentos. O programa tem por base simplicidade, ampla aplicabilidade e envolvimento de todos. O líder da implementação deste segundo desafio global é o Dr. Atul Gawande, médico da Escola de Saúde Pública de Harvard, que com um grupo de trabalho multiprofissional testou o checklist de segurança cirúrgica em oito hospitais. Ao final do período de experiência, este estudo piloto já demonstrou redução das complicações cirúrgicas: 47% de redução de óbitos e 36% de redução de complicações pós-operatórias. O checklist provou ser aplicável a qualquer instituição, independente do grau de complexidade ou fonte pagadora. O instrumento deve ser preenchido por profissional treinado e é dividido em três fases: período antes da indução anestésica; período após a indução anestésica e antes da incisão cirúrgica, e período imediatamente depois do fechamento da incisão, porém antes da remoção do paciente da sala operatória. As 4

5 Painel do Sócio questões são verbalizadas em voz alta, de maneira que toda a equipe se detenha na pergunta e confirme ou não a resposta. O checklist deve ser incorporado ao trabalho rotineiro e a qualquer não conformidade a equipe é responsável por interromper o ato e solucionar a questão, antes de qualquer evento. O checklist aborda questões simples, como identificação do paciente e da equipe médica, cirurgia certa do lado certo, antecipação de possíveis eventos críticos, controle de instrumentais antes do procedimento, momento certo da antibioticoprofilaxia, entre outros. Todo o material original da campanha está disponível no site da World Health Organization (WHO) e em português no site da Organização Pan- Americana de Saúde. Atualmente, menos de dois anos da publicação do WHO Surgical Safety Checklist in Washington, DC, já existem hospitais pelo mundo que utilizam a estratégia. Alguns países optaram por modificações locais no checklist, tornando-o aplicável às várias realidades. Milhões de pacientes estão agora sendo beneficiados. Algumas iniciativas nacionais em favor da segurança do paciente trouxeram resultados importantes para a melhoria da assistência à saúde. Pode-se citar o Programa Hospitais Sentinela, o compromisso da ANVISA em relação à Aliança Mundial para Segurança do Paciente, que desencadeou um plano para a melhoria da adesão à higiene de mãos nos hospitais brasileiros e agora o engajamento neste novo desafio global - Cirurgia Segura. No Brasil foi criada também, em maio de 2008, uma Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente (REBRAENSP), vinculada à Rede Internacional de Enfermagem, que tem como objetivo ser elo de articulação e cooperação técnica entre instituições, além de trabalhar com educação e fortalecimento de uma assistência de enfermagem segura. Em parceria com o COREN-SP publicou uma cartilha com 10 Passos para a Segurança do Paciente, incluindo a Cirurgia Segura. A melhoria dos sistemas de gestão deve priorizar a segurança do paciente, a prevenção de danos, a rastreabilidade das ações e procedimentos, a consistência dos monitoramentos, a comunicação eficaz, a utilização de ferramentas de melhoria e indicadores sistêmicos, pois só desta forma conseguiremos de fato a melhoria da assistência à saúde. Prezado associado, Encaminhamos o boleto para o pagamento da anuidade APECIH para Você que está em dia com a anuidade de 2009 está recebendo o manual Limpeza, Desinfecção e Esterilização de Artigos em Serviços de Saúde. Contamos com a sua colaboração e lembre-se das vantagens de ser um sócio em dia com sua anuidade. Recebimento gratuito das monografias, novas e as revisadas. Recebimento gratuito do jornal da APECIH, com notícias e atualidades científicas, informes técnicos e revisões importantes ao seu dia a dia de trabalho. Descontos em cursos desenvolvidos ou apoiados pela APECIH. Descontos no XII Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar, que irá ocorrer de 1º a 4 de setembro de 2010, no Centro de Convenções de Pernambuco Recife/Olinda. Participe! É sempre bom aprender novidades e rever os velhos amigos. Referências 1. Word Alliance for Patient Safety. Implementation manual WHO surgical safety checklist. Safe surgery saves lives. 1st ed, Haynes AB, Weiser TG, Berry WR, Lipstz SR et al. A surgical safety checklist to reduce morbidity and mortality in a global population. NEJM 2009;January Manual: Cirurgias Seguras Salvam Vidas. 5

6 Aconteceu Simpósio sobre Controle de Infecção Hospitalar na Escola Superior do Ministério Público de São Paulo Dr. Ícaro Boszczowski Médico Infectologista Assistente da CCIH HC/FMUSP; Coordenador da CCIH do Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch. CRM-SP No dia 9 de junho, a APECIH participou de um evento realizado em parceria pelo Ministério Público de São Paulo (MPSP) e o Conselho Regional de Medicina (CREMESP). A ocasião deu lugar ao lançamento do livro O controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo, assinado pelas duas instituições organizadoras do evento. A APECIH avalia esta iniciativa fiscalizadora em defesa da população de forma positiva. Carecemos de espaço para discussão madura e aprofundada das questões envolvendo as infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) nos seus aspectos estruturais e processuais. Ampliar a participação da sociedade neste debate trará, sem dúvida, muitos benefícios, a exemplo do que ocorre em outros segmentos da saúde pública, como no caso do bem-sucedido programa brasileiro de infecção por HIV/Aids. No entanto, ressaltamos que os fatores determinantes de uma infecção adquirida durante a assistência são complexos e múltiplos e nem sempre facilmente compreensíveis. Desta forma, nós técnicos controladores de infecção podemos e devemos estabelecer diálogo aberto com todos os segmentos sociais, expondo de forma clara e objetiva todos os aspectos envolvidos na cascata que pode resultar em eventos adversos infecciosos e não infecciosos. As IRAS, especialmente aquelas adquiridas dentro do hospital, refletem, em última análise, o nível de organização institucional. Falando de outra maneira, a qualidade da assistência em todos os níveis da organização e a prevenção da infecção são dois elementos indissociáveis. Portanto, essa discussão passa, sem sombra de dúvida, pela eficiência gerencial e suporte compatível com os serviços prestados pelos hospitais públicos e privados. Neste sentido, as certificações externas têm contribuído muito. Ainda assim, sempre haverá uma parcela da população especialmente vulnerável à infecção por ser beneficiada de um lado com a sobrevida ampliada, graças aos recursos diagnósticos e terapêuticos cada vez mais efetivos, e exposta de outro lado ao risco de adquirir infecção justamente por sobreviver longos períodos com suas defesas fragilizadas. Estes casos podem ser prevenidos, mas não absolutamente evitados em sua totalidade, por maior que seja a qualidade da assistência e o esforço empregado na prevenção destas infecções. As IRAS nos impõem um custo social ao interromper muitas vidas além do custo financeiro das fontes pagadores da assistência hospitalar em todos os níveis. Estamos certos que o olhar do Ministério Público de São Paulo voltado para esta questão estratégica de saúde pública em nosso país é oportunidade muito bem-vinda de ampliarmos o debate em torno dela, o que trará amadurecimento a todo usuário do sistema da saúde, que tem o direito inalienável a uma assistência segura. 6

7 Calendário de Eventos MBA DE GESTÃO EM SAÚDE E CONTROLE DE INFECÇÃO julho/2010 São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis e Brasília Informações: (11) º CONGRESSO MUNDIAL DE ESTERILIZAÇÃO E 7º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTERILIZAÇÃO E CIH SOBECC 30 de julho a 1º de agosto/2010 São Paulo, SP Informações: (11) INFOCUS 25 a 27 de agosto/2010 Santiago, Chile XLII - CURSO BÁSICO - INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR APECIH 18 a 29 de outubro/2010 São Paulo, SP Informações: (11) Associação Paulista de Epidemiologia e Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde - APECIH Endereço: Rua Itapeva, conj Bela Vista - CEP São Paulo - SP Tel/Fax: (11) O jornal da APECIH é uma publicação trimestral dirigida particularmente aos associados e editada pela diretoria, sob coordenação da Comissão de Divulgação. Presidente: Vera Lúcia Borrasca Vice-presidente: Rosana Richtmann 1º Secretário: Ícaro Boszczowski 2ª Secretária: Alessandra Santana Destra 3ª Secretária: Claudia Vallone Silva 1ª Tesoureira: Márcia Vanusa Lima Fernandes 2ª Tesoureira: Francisco Ivanildo de Oliveira Jr. 3ª Tesoureira: Claudia Mangini Presidente: Márcia Valadão Albernaz Vice-Presidente: Elizabeth Rodrigues Peres Luzio DIRETORIA DA APECIH - Triênio: Suplentes: Adriana Maria da Silva Felix e Paula Marques de Vidal Conselho fiscal efetivo: Silvia Figueiredo Costa, Gláucia Varkulja e Adriana Maria da Costa e Silva Conselho fiscal suplente: Luiz Carlos Ribeiro Lamblet e Lourdes das Neves Miranda Comissão de Divulgação: Adriana Maria da Silva Felix, Claudia Vallone Silva e Paula Marques de Vidal Comissão Científica: Alessandra Santana Destra, Ícaro Boszczowski e Lourdes das Neves Miranda Comissão de Qualificação Profissional: Silvia Figueiredo Costa e Rosana Richtmann Relações Públicas: Francisco Ivanildo de Oliveira Jr. DIRETORIA regional santos - Triênio: Secretária: Maria Fátima dos Santos Cardoso 1ª Tesoureiro: José Ricardo de Moraes Wilmers 2ª Tesoureiro: Marco Antônio Barbosa dos Reis Publicação produzida pela Office Editora e Publicidade Ltda. Diretor Responsável: Nelson dos Santos Jr. - Diretora Executiva: Waléria Barnabá - Diretor de Arte: Roberto E. A. Issa - Publicidade: Adriana Pimentel Cruz e Rodolfo B. Faustino - Jornalista Responsável: Cynthia de Oliveira Araujo (MTb ) - Redação: Flávia Lo Bello, Luciana Rodriguez e Vivian Ortiz - Gerente de Produção Gráfica: Roberto Barnabá - Departamento Jurídico: Martha Maria de Carvalho Lossurdo (OAB/SP ). Office Editora e Publicidade Ltda - Rua General Eloy Alfaro, Chácara Inglesa - CEP São Paulo - SP - Brasil - Tel.: (11) É proibida a reprodução total ou parcial dos artigos sem autorização dos autores e da editora. Os pontos de vista aqui expressos refletem a experiência e as opiniões dos autores. Os conceitos aqui emitidos são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião da editora. (09410B) 7

8

Desde a primeira CCIH do Brasil, criada em 1963, no Hospital

Desde a primeira CCIH do Brasil, criada em 1963, no Hospital Editorial APECIH - 25 Anos Desde a primeira CCIH do Brasil, criada em 1963, no Hospital Ernesto Dornelles, em Porto Alegre, até o início dos anos 80, poucos hospitais brasileiros tinham essas comissões,

Leia mais

Dia mundial de luta contra a Aids

Dia mundial de luta contra a Aids Editorial O último trimestre do ano teve entre os focos da mídia uma avalanche sobre a superbactéria. A KPC revelou de maneira pouco sutil a dificuldade do país em lidar com ameaças microbiológicas, mesmo

Leia mais

Editorial. Sumário. Prezados Associados,

Editorial. Sumário. Prezados Associados, Editorial Prezados Associados, O XIII Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar se aproxima. A Comissão Organizadora e a Apecih vêm trabalhando intensamente para promover

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO PROTOCOLO DE SERVIÇO CIRURGIA SEGURA Responsáveis: Vânia Segalin, Graziela Cauduro, Rafaela Andolhe Colaboradores: Roosi Zanon Código: PS03 CIRSEG Data: Dezembro/2015 1 FINALIDADE A finalidade do protocolo

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP Andréa Tamancoldi Couto Enfermeira chefe de seção Centro Cirúrgico

Leia mais

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares freeimages.com CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares A adesão dos profissionais de saúde e o envolvimento de pacientes e familiares nas medidas de prevenção reduzem o

Leia mais

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Paula Marques Vidal Hospital Geral de Carapicuíba- OSS Grupo São Camilo Abril -2013 TÓPICOS CCIH no Brasil Trabalho

Leia mais

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo Cilmara Polido Garcia Períodos de 1855 N. de soldados admitidos no hospital N. (%) de soldados que morreram Janeiro a março 10.283 3354 (33) Abril

Leia mais

Caros sócios e Profissionais de Saúde de todo o Brasil

Caros sócios e Profissionais de Saúde de todo o Brasil Editorial Caros sócios e Profissionais de Saúde de todo o Brasil A data do XIII Congresso Brasileiro de Controle de Infecção e Epidemiologia Hospitalar, que acontecerá em Santos de 7 a 10 de novembro de

Leia mais

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016 Programa Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2015-2016 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Ana L. Vasconcelos Coordenadora Programa Integrado de Cirurgia O Protocolo de cirurgia segura do

Leia mais

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014

Programa. Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014 Programa Prêmio Latino Americano de Excelência e Inovação na Higienização das Mãos 2014 Mensagem do Presidente da Iniciativa O Primeiro Desafio Global na área da Segurança do Paciente da OMS Clean Care

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE

INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE Maria Clara Padoveze Introdução No texto a seguir vamos abordar diversos elementos que permeiam

Leia mais

INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE

INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE INTERFACE ENTRE A CME, CCIH e GERÊNCIA DE RISCO: FATOR DETERMINANTE DA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE Maria Clara Padoveze Introdução No texto a seguir vamos abordar diversos elementos que permeiam

Leia mais

BOAS PRÁTICAS CIRURGIA SEGURA 1

BOAS PRÁTICAS CIRURGIA SEGURA 1 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, fevereiro de 2.011. BOAS PRÁTICAS CIRURGIA SEGURA 1 A 55ª Assembléia da Saúde Mundial, em 2002, publicou uma resolução na qual impulsionava os Estados

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do paciente...pode parecer talvez um estranho princípio enunciar como

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Boletim Informativo SIERJ. Continuação da Programação do I Congresso. de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro

Boletim Informativo SIERJ. Continuação da Programação do I Congresso. de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro Ano 07 Nº 20 Out/Nov/Dez de 2006 Boletim Informativo SIERJ Continuação da Programação do I Congresso de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro 04 Congresso promove atualização e troca de experiência

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 Segurança do paciente nas Américas Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Qualidade

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente 3º Encontro de Esterilização A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente DRA. DEBORA OTERO MÉDICA INFECTOLOGISTA - CCIH HOSPITAL FEDERAL DE IPANEMA HEMORIO Total de vidas perdidas por

Leia mais

AS ROTAS PARA A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

AS ROTAS PARA A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE J O R N A L CONTROLE DE nº 70 ano XXIV Venda proibida Exemplar de assinante AS ROTAS PARA A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE O Dr. Marcelo Pustiglione, coordenador do SESMT do HCUSP, avalia as medidas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Página: 1/16 1. INTRODUÇÃO Em outubro de 2004, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou a Aliança Mundial para Segurança do Paciente. A iniciativa foi uma resposta à Resolução 55.18 da Assembléia Mundial

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial

FICHA TÉCNICA. Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial FICHA TÉCNICA Gestão de Risco em Saúde: Segurança para Pacientes, Equipes e Ambiente Assistencial O objetivo do curso é capacitar os profissionais de saúde no uso de ferramentas de gerenciamento de risco

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA

A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA 19. A IMPORTÂNCIA DA CME DENTRO DA CIRURGIA SEGURA Enf.ª M.Sc. Elaine Lasaponari COREN SP.nº68.582 CME E CIRURGIA SEGURA : UMA EXIGÊNCIA NO SÉCULO XXI Cultura para cirurgia Cirurgia segura Segura Pode

Leia mais

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Claudia Garcia de Barros Diretora de Prática Assistencial, Qualidade, Segurança e Meio Ambiente Hospital Albert Einstein 1859 - Florence

Leia mais

C Ci Ciriiru rru r r urg rrgi ggia iia aa a S Se SSe S g egu gur ura rra

C Ci Ciriiru rru r r urg rrgi ggia iia aa a S Se SSe S g egu gur ura rra Cirurgia Segura Histórico da construçã ção o para Segurança a do paciente cirúrgico rgico 2004 - OMS Aliança Mundial para a Segurança do Paciente Desafios globais 2007-2008 Segurança da assistência cirúrgica

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é?

Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é? Investigação em Segurança do Paciente/Doente Curso Introdutório Sessão 1 Segurança do Paciente/Doente, o que é? Claudia Travassos, médica, MPH, PhD Pesquisadora Titular e Coordenadora do Portal Proqualis,

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084

PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084 PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084 Ementa: Protocolo de cirurgia segura - demarcação de lateralidade, responsabilidade da realização. 1. Do fato Enfermeiras referem

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73 CÂMARA TÉCNICA DE LEIS E NORMAS CÂMARA TÉCNICA DE PESQUISA E EDUCAÇÃO PARECER TÉCNICO Nº 01/2015 Porto Alegre, 06 de novembro de 2015. Atividade do Técnico de Enfermagem como auxiliar de operador de máquina,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE

CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Seminário Nacional: redução do risco para a segurança do paciente e qualidade em serviços de saúde CONCEITOS, POLÍTICAS, PRINCÍPIOS, DIRETRIZES E PRÁTICAS PARA PROMOÇÃO DA SEGURANÇA DO PACIENTE Brasília,

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR

GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR GESTÃO DE RISCO HOSPITALAR EVENTOS ADVERSOS (EAs) Evento Adverso pode ser definido como lesão não intencional que resultou em incapacidade temporária ou permanente e/ou prolongamento do tempo de permanência

Leia mais

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente 29 de julho de 2015 Capacitação em segurança do paciente para a vigilância sanitária SESA-PR Rosângela Gomes Benevides Coordenadora de

Leia mais

Gerente de Qualidade do Hospital Sírio-Libanês. Vera Lúcia Borrasca Enfermeira Gerente de Segurança Assistencial do Hospital Sírio-Libanês

Gerente de Qualidade do Hospital Sírio-Libanês. Vera Lúcia Borrasca Enfermeira Gerente de Segurança Assistencial do Hospital Sírio-Libanês Coordenação Sandra Cristine da Silva Profª. Dra. em Enfermagem Gerente de Qualidade do Vera Lúcia Borrasca Enfermeira Gerente de Segurança Assistencial do Apresentação Abordar a qualidade em saúde não

Leia mais

Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística)

Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística) Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística) Parceria da ANVISA com o Centro de Simulação Realística do Hospital Israelita Albert

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA CLÍNICA Unidade Dias e Horários

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA RELATO DE

Leia mais

Cruz Vermelha Brasileira

Cruz Vermelha Brasileira Cruz Vermelha Brasileira Modelo de Gestão 5As MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO CENÁRIO INSTITUCIONAL Hospital de Campanha ARC Hospital de Campanha Atendimento Pré Hospitalar

Leia mais

RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO

RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO RELAÇÃO TRABALHOS APROVADOS 9º SIMPÓSIO Os Trabalhos publicados são de total responsabilidade dos respectivos autores. 1 - CÓD. 792 CONSCIENTIZAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DA CME SOBRE A IMPORTÂNCIA DO

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

www.feirahospitalmed.com.br

www.feirahospitalmed.com.br www.feirahospitalmed.com.br O maior encontro médico-hospitalar do norte-nordeste do Brasil A HOSPITALMED - Feira de Produtos, Equipamentos, Serviços e Tecnologia para Hospitais, Laboratórios, Clínicas

Leia mais

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO 1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO Os registros sobre a origem da acreditação nos Estados Unidos identificam como seu principal precursor, em 1910, o Doutor e Professor Ernest Amony Codman, proeminente cirurgião

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA CLÍNICA Unidade Dias e Horários

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH Orientações O que é o PCIH Considera-se Programa de Controle de Infecção Hospitalar o conjunto de ações desenvolvidas deliberada e sistematicamente, com

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

14/10/2014. Qualidade e Segurança do Paciente na América Latina uma breve avaliação

14/10/2014. Qualidade e Segurança do Paciente na América Latina uma breve avaliação 4/0/04 O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E O SISTEMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (SNVS) Qualidade e Segurança do Paciente na América Latina uma breve avaliação Responsabilidade Autonomia federativa Diversidade

Leia mais

26 de Fevereiro a 03 de Março de 2008

26 de Fevereiro a 03 de Março de 2008 Pesquisa Clipping InterJornal MapaMídia 26 de Fevereiro a 03 de Março de 2008 Lista das Notícias (Positivas, Neutras e Negativas) publicadas nos principais Jornais, Revistas e Sites, citando Danilo Cabral

Leia mais

CONCOMITÂNCIA DE DIFERENTES MODELOS DE ACREDITAÇÃO NUMA MESMA INSTITUIÇÃO

CONCOMITÂNCIA DE DIFERENTES MODELOS DE ACREDITAÇÃO NUMA MESMA INSTITUIÇÃO Nº DO TRABALHO: P_197_2011 ACREDITAÇÃO CONCOMITÂNCIA DE DIFERENTES MODELOS DE ACREDITAÇÃO NUMA MESMA INSTITUIÇÃO RESUMO Acreditação - coexistência de diferentes modelos numa instituição. Métodos de acreditação

Leia mais

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência Lucian Leape Institute, The National Patient Safety Foundation Relatório da Mesa-redonda [Roundtable] sobre transparência SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial. 11.8x. março de 2015. Versão: 3.0

TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial. 11.8x. março de 2015. Versão: 3.0 TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Como utilizar esse material em seus estudos?... 4 2 Introdução... 4 3 Relatórios Descritivos...

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho. Enfermagem em Saúde do Trabalhador

Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho. Enfermagem em Saúde do Trabalhador Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho Enfermagem em Saúde do Trabalhador DADOS. Mais de 6.000 pessoas morrem por dia no mundo: acidentes e doenças ligadas à atividades laborais;.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BASES DA MEDICINA INTEGRATIVA

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO Necessidade de Atendimento e Riscos à saúde Complexidade do Sistema de Atenção à Saúde. Difíceis interações entre

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA Unidade Dias

Leia mais

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM

Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Experiência: Sistema de Controle logístico de Medicamentos Antirretrovirais - SICLOM Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Responsável: Juliana Monteiro da Cruz, Gerente de Desenvolvimento

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Leia mais

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS III Simpósio Estadual de Controle de Infecção Hospitalar Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS Enf. Thiago Batista Especialista em controle de infecção MBA em gestão em

Leia mais

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH?

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Dra. Cláudia Mangini Hospital Municipal de SJC Hospital vivalle Controle de Infecção Hospitalar e Sistemas de Acreditação Traçar um paralelo

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM EM CENTRO

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos

Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos IDENTIFICAÇÃO DO LOCAL: ANEXO 31 Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos Você está em contato

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM NO SUPORTE À CIRURGIA ROBÓTICA

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS. ABRAMD - Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS. ABRAMD - Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS ABRAMD - Associação Brasileira Multidisciplinar de Estudos sobre Drogas Contribuições para Audiência Pública sobre COMUNIDADES TERAPÊUTICAS

Leia mais

Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012

Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012 Gestão do Corpo Clínico Avaliação da Prática Médica Baseada em Evidências Antonio Antonietto agosto 2012 antonio.antonietto@hsl.org.br Até meados dos anos 70 - hospitais universitários ou de organizações

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA

HOSPITAL REGIONAL DE DIVINOLÂNDIA CONDERG-CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE GOVERNO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA 1. Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar - CCIH, formada por Membros Executores e Consultores, tem como objetivo, elaborar e implementar o programa anual de controle de infecções,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM CARDIOLOGIA PARA MÉDICOS

Leia mais

Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto. O trabalho da Rede Parto do Princípio

Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto. O trabalho da Rede Parto do Princípio Mulheres em rede pela humanização da assistência ao parto O trabalho da Rede Parto do Princípio Enfª Marisol Figueiredo Almeida Bacharel em enfermagem UCB Pós Graduanda em atenção integral à saúde materno-infantil

Leia mais