Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais. Autor:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais. Autor:"

Transcrição

1 Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais Autor: Roberto de Lima Campos Mestre em Informática pela Pontifícia Universidade Católica - RJ em Formado em Administração de Empresas pela Faculdade Moraes Júnior - RJ em Já trabalhou em diversos projetos de automação industrial e vem dedicando-se ao desenvolvimento de sistemas da classe MES. Atualmente exerce a função de consultor especialista de negócios industriais da CPM/SA. Sinopse: Atualmente é indiscutível a necessidade de integração entre os sistemas ERP e os sistemas industriais através da camada M.E.S (Manufacturing Execution Systems). Diversas soluções tem sido desenvolvidas nos últimos anos e uma em especial vem conquistando mercado em diversas áreas de atuação, tanto de processo como de manufatura. Trata-se dos historiadores, softwares capazes de conectar-se com a maioria dos sistemas de controle de processos (supervisórios,, SDCDs, etc), ler dados dos mesmos a velozes taxas de aquisição e armazená-los de forma histórica em arquivos de dados compactados. Estes arquivos são acessados por interfaces especiais que disponibilizam estes dados como um servidor. O objetivo deste trabalho é apresentar a arquitetura de um software para extração on-line dos dados dos historiadores, baseada em expressões de eventos e de tempos e, o envio dos mesmos diretamente para bancos de dados relacionais (SQL). Sua funcionalidade contribui para aumento da qualidade de produtos, já que faz uma integração verdadeira entre sistemas de chão de fábrica e corporativos. Em seu escopo de extração há um tratamento especial para coletas de paradas de equipamentos, visando alimentação de dados para cálculos de produtividade, que com certeza contribuem para a melhoria da lucratividade.

2 1. Objetivo. O objetivo deste trabalho é apresentar uma solução para desenvolvimento de um software de extração de dados industriais utilizando historiadores. Basicamente, um Historiador é um software que contém um repositório onde são concentradas todas as informações relevantes das células de produção, diretamente ligadas aos sistemas de supervisão e controle. O Historiador coleta informações dos sistemas de supervisão, CLPs, SDCDs e sistemas legados e, os armazena em uma base de dados real time. Tal base tem características não encontradas nos bancos de dados convencionais, como grande capacidade de compactação e alta velocidade de resposta a consulta em sua base histórica. Devido a isto, é capaz de armazenar um grande volume de dados com recursos mínimos, se comparado às soluções convencionais. Os historiadores também são chamados por seus fabricantes de PIMS ( Plant Information Management Systems). A primeira grande vantagem de se utilizar um historiador é que todos os pontos de coleta (ou tags), possuem seus valores armazenados de forma temporal com um dado tipo timestamp sempre informando a hora exata na qual o mesmo foi coletado. A segunda grande vantagem é que um mesmo historiador poderá manter um repositório com dados coletados das mais diversas fontes e tipos de sistemas de controle industrial. A motivação de se propor o sistema título deste trabalho é a de que apesar de todas as suas vantagens, os historiadores mantém um repositório de dados brutos. E apesar de a maioria dos softwares historiadores possuírem interfaces com sistemas da camada corporativa, não existem programas flexíveis o suficiente para conter uma inteligência que possa transformar o dado do repositório e enviá-lo aos ERPs e sistemas da classe MES de uma forma simples, segura e organizada. O objetivo do trabalho é justamente propor a arquitetura e as características de um software tipo middleware que leia dados dos repositórios de historiadores, identifique estes dados de acordo com os modelos fabris e, os envie aos sistemas corporativos que os requisitam. 2. Historiadores. O que é um historiador ou um software normalmente denominado de PIMS? A definição de um software deste tipo foi dada no item 1. A principal função de um Historiador é concentrar a massa de dados e permitir transformar dados em informação e informação em conhecimento. Para um engenheiro de processo é a ferramenta fundamental que permite tirar conclusões sobre o comportamento atual e passado da planta, que permite confrontar o comportamento atual com o de dias atrás ou com o melhor já observado no sistema. Um dos maiores benefícios de um Historiador é permitir ao engenheiro de processo entender as situações operacionais que se apresentam, e compará-las com situações padrões previamente arquivadas. Uma prática comum é se armazenar todos os dados de preparação da linha (set-up) para associá-los aos resultados obtidos. Uma das características mais importantes de sistemas historiadores é sua grande capacidade de compressão de dados históricos, o que torna possível armazenar até 3 anos da operação de uma planta em um disco rígido de capacidade típica em um PC (80 Gbytes). A figura 1 traz a arquitetura de um historiador. Figura 1. Arquitetura de um Historiador A maioria dos historiadores encontrados no mercado possuem diversos tipos de software analisadores dos dados coletados.em geral são sofisticados sistemas de controle estatístico de processo e sistemas para emissão de gráficos dos mais diversos tipos. Isto por si só já é um diferencial na decisão pelo uso de um software deste tipo.

3 3. Arquitetura do Sistema. O sistema integrado de coleta de dados industriais, incluindo os historiadores,será denominado neste trabalho de Sistema de Coleta Automática de Dados Industriais. A sua arquitetura é mostrada na figura 2. Corporativo Interface de Extração Regras de Coleta Envio para ERP/MES ERP, MES Historiador WAN Execução Historiador Analisadores Planta Fabril Planta Fabril LAN LAN SCADA OPC Server SDCD SCADA OPC Server SDCD Controle Figura 2. Arquitetura do Sistema de Coleta Automática de dados Industriais A figura 1 mostra a distribuição dos componentes do sistema pelas 3 camadas MES (Manufacturing Execution Systems), que são: Corporativo, Execução e Controle. Na camada de controle encontram-se os sistemas de controle de processos industriais, representados pelos tipos mais conhecidos que são os SCADAs e os SDCDs. Servidores de OPC (OLE for Process Control) já são utilizados atualmente pela maioria dos fabricantes de e outros controladores e, agem como uma interface que disponibiliza em tempo real os dados destes equipamentos para os historiadores. Na camada de execução encontra-se o historiador, que conectado através de um rede local (LAN), coleta os dados dos SCADAS, Servidores OPC e SDCDs e os armazena na sua base temporal compactada. Na camada corporativa encontra-se a Interface de Extração de Dados e os sistemas MES e ERP. A Interface de Extração tem uma característica centralizada. Supondo uma indústria que possui fábricas espalhadas por um país ou mesmo pelo mundo, a interface leria dados dos historiadores de cada uma das fábricas através de uma rede tipo WAN, os transformaria e os enviaria aos sistemas usuários. O historiador que aparece na camada corporativa é uma alternativa para armazenamento de um grupo de fábricas com pequeno volume de dados, para as quais não se justificaria em termo de custos a aquisição deste produto. Assim, os SCADAS, Servidores OPC e SDCDs destas fábricas enviariam os dados para um único historiador através da rede WAN, que residiria em local centralizado da corporação. Este historiador será normalmente lido pela interface contendo dados de várias fábricas. A arquitetura com a interface centralizada possui uma série vantagens tais como: o o o Toda a inteligência de configuração e o controle de operação da extração de dados ficam agrupadas em único ponto, facilitando a sua manutenção. O armazenamento histórico dos dados pelos historiadores dispensam a coleta instantânea. Isto é, se houver algum problema de rede, por exemplo, assim que o mesmo for resolvido, a interface continua seu trabalho de extração. A inteligência de extração pode ser re-utilizada por diversas fábricas que tenham requisitos similares. Dispensa-se o trabalho de instalação das interfaces em cada uma das fábricas e reduz-se o custo por não haver necessidade de hardware adicional para os mesmos. Naturalmente a arquitetura proposta aqui poderá ter várias outras formas em função dos requisitos de projeto e das soluções de conectividade que são utilizadas dentro de uma corporação.

4 4. Modelos de Processo e de Plantas Fabris. Quando fala-se em coleta de dados industriais para sistemas corporativos não se pode deixar de pensar na correlação que estes dados devem ter com os modelos adotados por estes sistemas. Por exemplo, ao coletar-se o volume de um tanque que armazena determinado produto, deve-se saber pelo menos de qual tanque é este volume, e de qual fábrica é este tanque. Isso gera então a necessidade dos conhecidos cadastros de fábricas e de tanques, com seus códigos, nomes e associações. Na realidade tais cadastros são resultados de modelagens de dados que são feitas a nível dos objetos das plantas fabris, produtos, receitas, etc. Para que se possa coletar um dado industrial, qualquer interface deverá ter o conhecimento das associações daquele dado com as representações do mundo corporativo. Por isso é indispensável que se modele e se preencha estes tipos de dados. Entre os modelos mais conhecidos e usados atualmente está o modelo preconizado pelo padrão S88 (S88 Batch Control Standard) da ANSI-ISO. Dois padrões desta norma ditam conceitos sobre modelos e terminologia (S88.01) e estruturas de dados e linguagens (S ). Esta norma é usada para padronizar os conceitos de sistemas que utilizam o processamento de bateladas. Porém, o modelo físico proposto por ela pode ser usado também por outros tipos de indústrias, que não as de processo de batelada. A figura 3 traz o modelo físico proposto pela norma S88. Enterprise Site Area Must contain Process Cell Unit Equipment Module Must contain Must contain Figura 3. Modelo Físico da norma ANSI-ISO S88 Control Module O que o modelo define é que uma corporação deve conter um ou mais sites. Cada site pode conter uma ou mais áreas. Cada área deve conter uma ou mais células de processo. Cada célula de processo deve conter uma ou mais unidades. Cada unidade pode conter um ou mais equipamentos. Cada equipamento pode conter um ou mais módulos de controle. Há uma definição conceitual para cada um destes componentes. Para se utilizar este modelo deve-se adequar de forma interpretativa os objetos da planta fabril a estas definições. Por exemplo, ao modelar-se uma indústria de bebidas pode-se definir que os sites são as fábricas, as áreas são processo (elaboração da bebida) e engarrafamento, as células de processo são as linhas de produção, e as unidades são conjuntos representativos de equipamentos, tais quais um tanque ou uma enchedora de garrafas. Utilizando-se ou não este modelo, toda interface de extração de dados irá requerer estes cadastros. Por exemplo, para se coletar o tempo de parada de uma enchedora de garrafas deve-se ter cadastrado os códigos de todas as enchedoras para informar-se ao sistema de qual delas é aquele tempo de parada. Há outras definições que transcendem os modelos fabris como por exemplo os tipos de dados coletados (p.ex dado de processo ou parada de equipamento) e o significado do item coletado. Este último acaba resultando na necessidade de um cadastro de itens a coletar, de forma a distinguir por exemplo que um valor representa a temperatura de um tanque, um volume produzido, um tempo de parada ou a data do início de uma determinada operação. O cadastramento do modelo fabril poderá ser implementado na interface ou importado dos softwares corporativos. O cadastramento das características das coletas deverá ser obrigatoriamente implementado pela interface.

5 5. Estrutura da Interface de Extração de Dados. Pode-se conceituar a Interface de Extração de Dados como: O componente do Sistema de Coleta Automática de Dados Industriais capaz de ler os dados dos historiadores, transformá-los de acordo com regras definidas pelo usuário e enviá-los aos sistemas corporativos em intervalos contínuos ou prédeterminados de tempo. Para desenvolver-se um software desta natureza, com requisitos de flexibilidade e confiabilidade e, alto poder de definição das regras de coletas, é requerido um projeto similar ao de um produto. Provavelmente em pouco tempo fabricantes de historiadores estarão agregando interfaces deste tipo as suas listas de produtos add-in para dispensar ou pelo menos diminuir as tarefas de integração entre os bancos de dados de historiadores e os bancos de dados padrão SQL. Os sub-itens a seguir definem os requisitos recomendados para uma interface deste tipo. 5.1 Componentes da Interface. A figura 4 mostra os módulos da interface: Modelador, Configurador, Compilador, Extrator e Documentador. Todos estes módulos gravam ou acessam informações armazenadas em um banco de dados próprio, conforme representação da figura 2, que apresenta um símbolo de disco conectado com o micro da interface. Recomenda-se utilizar um banco de dados padrão SQL. Interface Interface Modelador Modelador Configurador Configurador Compilador Compilador Extrator Extrator Documentador Documentador Figura 4. Módulos da Interface de Extração de Dados Modelador. O Modelador é o módulo responsável pelo cadastramento das informações necessárias as coletas de dados. Entre elas estão o modelo fabril, conforme explicado no item 4, contendo os cadastros de todas as entidades pertinentes, os cadastros de produtos, receitas, materiais e o cadastro dos itens de coletas. O cadastro dos itens de coleta identifica cada item que será coletado,podendo ter as naturezas mais diferentes possíveis, como por exemplo: uma temperatura, uma quantidade de peças produzida, um tempo de parada de equipamento ou uma data de início de operação. Recomenda-se que este módulo possua facilidades de importação dos dados necessários destes cadastros, pois na maioria das vezes, estas codificações já fazem parte dos ERPs e dos sistemas MES. Todos os dados do Modelador são armazenados no banco de dados da Interface Configurador. O Configurador é o módulo responsável pela definição das coletas que deverão ser feitas e suas regras de extração. Mas o que vem a ser uma coleta de dados? Uma coleta poderá ser definida por : um valor obtido através de algum processamento feito sobre dados armazenados por historiadores quando acontece alguma condição de evento ou de tempo verificada sobre outros dados também armazenados pelos historiadores. Uma coleta será representada por uma regra de disparo do tipo: If <condição de disparo> = verdade then :- <processamento da coleta> A condição de disparo é uma expressão condicional envolvendo dados do historiador. Como cada dado do historiador é um ponto de coleta ou tag, o configurador deverá ter um cadastro que relacione cada um dos tags a ser usado do historiador, podendo fazer-se uma nomeação dos mesmos, ou uma espécie de apelido. Estes nomes de tags é que serão usados na condição de disparo e no processamento de uma coleta. O Configurador deverá permitir também a possibilidade de condições de coletas por tempo nas suas várias modalidades: contínuo por intervalos, em períodos determinados, por data e hora fixos,etc. O processamento da coleta também deverá receber funções especiais tais como média, máximo, mínimo, somatório, desvio padrão, tempo entre eventos e outras. Mas uma coleta não necessariamente representa somente um item de dados. Deverá haver uma tipificação das coletas de acordo com a natureza do dado que será coletado. Isso receberá influência do tipo de indústria em questão. Por exemplo, no projeto de um configurador para processos de bateladas e que também tenha recursos para coletar paradas de

6 equipamentos, os tipos de coletas deverão ser: batelada, rastreabilidade, item de dado e paradas de equipamentos.uma coleta de batelada informará por exemplo a data de início e fim de uma batelada e a receita utilizada. A tipificação é importante pois o envio de uma coleta é sempre acompanhado de todos os dados necessários mantidos pelo Modelador. Portanto a configuração de cada tipo de coleta varia em termos dos dados a serem informados pelo usuário. Todos os dados do Configurador são armazenados no banco de dados da Interface Compilador. O Compilador é o módulo responsável pela tabulação e compilação dos dados mantidos pelo Modelador e Configurador e, pela gravação destes em tabelas especialmente projetadas para o módulo Extrator que será descrito no próximo item. Várias transformações são feitas de acordo com os dados que são requeridos pelo engenho do Extrator, visando uma alta performance deste módulo Extrator. O módulo Extrator é o módulo responsável pela leitura dos historiadores, transformação dos dados e, envio dos mesmos ao sistemas requerentes de acordo com o modelo fabril criado pelo Modelador e pelas definições das coletas criadas pelo Configurador. O Extrator deverá possuir um engenho (engine) desenhado para suportar os seguintes requisitos: o algorítimo do engenho deve ter o conceito de varredura de tempo e de espaço, avaliando as ocorrências de todas as condições de eventos e de tempos dos disparos das coletas em um período determinado; deverá ser construído visando uma boa performance do Extrator; deverá controlar os períodos de tempo de varredura, salvando-os no banco de dados da interface, garantindo que o início de uma nova varredura será imediatamente após o final da varredura anterior; deverá controlar os estados das condições de disparo, garantindo que após o disparo de uma condição, somente após uma mudança no estado de seus tags a condição será habilitada para um novo disparo; deverá permitir extração contínua, a intervalos de tempo ou em data/hora pré-estabelecida; deverá permitir processamento paralelo das varreduras das diversas fábricas para otimizar o tempo de processamento. As saídas do Extrator constituem-se nos dados enviados aos sistemas usuários. Estas saídas deverão ser projetadas de forma o mais flexível possível, mas seguindo os requisitos destes softwares. Para enviar dados a bancos padrão SQL recomenda-se o uso de Stored Procedures através de interfaces ODBC. O Extrator envia um comando SQL ao banco com todos os dados requeridos e a procedure distribui os mesmos nas tabelas. Para conectividade com ERPs recomenda-se usar as próprias ferramentas dos softwares, como por exemplo as funções ABAP do SAP. Para uma interface off-line pode-se fazer a geração das coletas em arquivos padrão XML que serão importados posteriormente pelos ERPs e sistemas tipo MES Documentador. O módulo Documentador é responsável pela geração de uma documentação das coletas definidas, explicando as condições de disparo e cálculos efetuados, sempre relacionando as coletas com o modelo fabril associado. Com estes documentos é possível saber-se com exatidão qual a metodologia de coleta usada para cada um dos itens envolvidos Implementação Atualmente há várias soluções tecnológicas que podem ser usadas no projeto da Interface, como por exemplo as plataformas:.net, Java ou C++. Os módulos Modelador, Configurador, Compilador e Documentador possuem todas as características de um sistema tradicional de informações. Os quatro módulos poderão ser distribuídos em menus de uma única aplicação que seja executada no servidor Web através de um browser. Isso facilita o uso e dispensa instalações em micros usuários. O projeto do Extrator já requer maiores cuidados devido aos seus requisitos de performance. Recomenda-se que seja feita uma modelagem de classes dos dados necessários pelo engenho e que esta modelagem seja implementada por um banco de dados orientado a objetos, com suas instâncias de classes e suas associações entre objetos. Este banco será criado na memória através de instâncias de suas classes, carregando-se os dados dos objetos do banco de dados da interface (das tabelas geradas pelo Compilador). Com isso obtém-se uma alta performance e uma maior resistência a possíveis problemas de disco. O modelo de classes deverá prever os armazenamentos requeridos pelo algoritimo do engenho. Por exemplo, ao varrer um período de tempo de 30 minutos para uma dada condição de disparo de coleta, poderão ser encontradas várias ocorrências. Logo deverá haver uma classe de histórico de disparos que armazene os fatos para um posterior envio de comandos. A conectividade do Extrator com os historiadores é feita de forma simples, pois todos eles possuem uma interface em geral tipo OLEDB que permite o envio de comandos padrão SQL

7 para recuperar os dados dos historiadores. O desenho do algoritimo do engenho é influenciado pelos recursos disponíveis por estas interfaces de leitura dos historiadores. 6. Conclusão. O uso de historiadores ou PIMS em plantas industriais traz uma vantagem significativa que é o fato de manter-se um banco temporal compactado com o registro de todos os tags relevantes, podendo ser usado para extrações, auditorias, controles estatísticos e gráficos em geral. Mas apesar dos sofisticados programas add-in que acompanham os historiadores, nem sempre consegue-se fazer extrações de dados para outros tipos de sistemas sem ter que construir-se algum tipo de interface. Este artigo, além de propor o uso de historiadores como base de fornecimento de dados para sistemas corporativos, apresenta uma solução moderna, robusta e flexível para interfaces entre historiadores e sistemas corporativos. O Sistema de Coleta Automática de Dados Industriais dá a sua contribuição para a melhoria da qualidade dos processos e produtos, pois pode coletar dados que medem estas caraterísticas e enviá-los para análises corporativas. Em relação a melhoria da lucratividade, sua influência é inquestionável, pois o sistema poderá coletar informações de tempos de paradas de equipamentos que serão processadas por sistemas de gerenciamento da produtividade, perseguindo sempre o aumento da mesma. 7. Bibliografia. BUSINESS RULES GROUP. Defining Business Rules - What Are They Really. Jul Disponível em: Acesso em: 22 Out Software Historiador-Arquitetura Disponível em: Acesso em: 12 Fev Kusiak, Andrew Intelligent Manufacturing Systems -. Englewood Cliffs, New Jersey : Prentice Hall International Series in Industrial and System Engineering, p. ISA-The Instrumentation, Systems, and Automation Society ANSI/ISA S88 Batch Standard a General Overview ISA Philadelphia Section 20 February 2002 ANSI/ISA Enterprise Control System Integration Part 1: Models and Terminology ANSI/ISA Batch Control Part 2: Data Structures and Guidelines for Languages

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Redes Industriais Professor Affonso Alessandro J. de Souza / Affonso Guedes Objetivos Discorrer

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Utilização da Planilha de Análise de Decisão

Utilização da Planilha de Análise de Decisão Utilização da Planilha de Análise de Decisão METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO - VERSÃO 1. A planilha apresentada está pronta e formatada para ser utilizada no processo de Análise de Decisão envolvendo

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Redes Industriais. Alexandre Rocha Alysson Geisel

Redes Industriais. Alexandre Rocha Alysson Geisel Redes Industriais OPC OLE for Process Control Alexandre Rocha Alysson Geisel 1 O que é OPC? Padrão de comunicação entre os dispositivos de chão de fábrica e os sistemas de automação e informação, desenvolvido

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma:

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma: 1 Introdução A utilização de frameworks como base para a construção de aplicativos tem sido adotada pelos desenvolvedores com três objetivos básicos. Primeiramente para adotar um padrão de projeto que

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial Gerenciamento de software como ativo de automação industrial INTRODUÇÃO Quando falamos em gerenciamento de ativos na área de automação industrial, fica evidente a intenção de cuidar e manter bens materiais

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Software para Controle Estatístico do Processo (CEP)

Software para Controle Estatístico do Processo (CEP) Software para Controle Estatístico do Processo (CEP) A FERRAMENTA CEP: "CEP é uma poderosa ferramenta de monitoramento e controle dos parâmetros vitais de processo e de produto, objetivando buscar a estabilização

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 1 - INTRODUÇÃO NEXCODE NOTE, também conhecido como NEXNOTE, é um conjunto de soluções de software desenvolvidas sob a plataforma

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Especificação Suplementar

Especificação Suplementar Especificação Suplementar Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/10/2014 2.0 2.1 funcionalidade e segurança de M. Vinícius acesso 30/10/2014

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition São sistemas que utilizam software para monitorar e supervisionar as variáveis e os dispositivos de sistemas

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1

COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1 COMO APLICAR AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INTERFACE E INTEGRAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE DE AUTOMAÇÃO 1 Wilson Laizo Filho 2 Antônio César de Araújo Freitas 3 Ludmila Rodrigues Fernandes 4 Eduardo do Carmo Silva

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Integração TOTVS Colaboração 2.0 Recepção NFS-e - Datasul

Integração TOTVS Colaboração 2.0 Recepção NFS-e - Datasul Integração TOTVS Colaboração 2.0 Recepção NFS-e - Datasul Setembro/2014 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Objetivos do projeto TOTVS Colaboração 2.0... 3 3. Sistemas Envolvidos... 3 4.

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00

SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 SAV Sistema de Aluguel de Veículos I - DOCUMENTO DE REQUISITOS Versão 1.00 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 CONVENÇÕES, TERMOS E ABREVIAÇÕES... 3 1.1.1 Identificação dos Requisitos... 3 1.1.2 Prioridades

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Banco de Dados. 13 - Arquiteturas para SGBDs

Banco de Dados. 13 - Arquiteturas para SGBDs Banco de Dados 13 - Arquiteturas para SGBDs 1 Tópicos Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos SGBDs e a

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais