Desafios na Educação Física

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios na Educação Física"

Transcrição

1

2

3 Conhecimento construído em parcerias Desafios na Educação Física Organização Elizabete Freire Sônia Cavalcanti Corrêa

4 Copyright 2012 Bookmakers Ltda. ISBN: Capa, diagramação e projeto gráfico: Algo+ Soluções Editoriais Revisão: Renato Bittencourt Impressão: Singular Digital Coordenação editorial: Thalita Uba CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ F933c Freire, Elisabete dos Santos Conhecimento construído em parcerias [recurso eletrônico] : desafios na educação física / Elisabete dos Santos Freire... [et al.]. - 1.ed.. - Rio de Janeiro : Bookmakers, p., recurso digital : il. Formato: epub Requisitos do sistema: Adobe Digital Editions Modo de acesso: World Wide Web ISBN (recurso eletrônico) 1. Educação física - Estudo e ensino 2. Prática de ensino 3. Livros eletrônicos. I. Título CDD: CDU: [2012] Bookmakers Editora Ltda. Rua Treze de Maio, 23, grupo Centro Rio de Janeiro - RJ Tel.: (21) ª edição / Novembro de 2012

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO, 7 FADIGA NA CORRIDA: Uma abordagem multidisciplinar, 17 PERSPECTIVAS SOBRE A FORMAÇÃO DO TALENTO NO ESPORTE, 47 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O uso da Web 2.0 e do Moodle, 71 OS TEMPERAMENTOS HUMANOS: Uma experiência interdisciplinar da docência ao voleibol, 99 MOTIVAÇÃO E ANSIEDADE NO ESPORTE: da iniciação ao alto rendimento, 121 PROJETO SALVAMENTO AQUÁTICO, 147 A BIOMECÂNICA APLICADA À EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: Ensinos Fundamental e Médio, 169 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE SUAS APRENDIZAGENS EM UM PROJETO DE INTERVENÇÃO INTERDISCIPLINAR, 197 APRENDER COM A PRÁTICA: Uma experiência de formação de professores de educação física, 219 MOSTRA DE ATIVIDADES RÍTMICAS E GINÁSTICA: A Experiência de Aproximar Diferentes Disciplinas, 243 Autores, 261

6

7 INTRODUÇÃO Elisabete dos Santos Freire Sonia Cavalcanti Corrêa Em 1º de setembro de 1999, o Conselho Universitário da Universidade Presbiteriana Mackenzie autorizou a implantação do curso de graduação em educação física. O professor mestre Marcel Mendes, então magnífico vice-reitor e relator, apresentou a segunda matéria da pauta afirmando que: A criação do curso de graduação em educação física traz em seu bojo fortes componentes históricos, que realçam a tradição e o pioneirismo do Mackenzie na área de educação física e esporte no Brasil. A essa significativa credencial somam-se as disponibilidades de infraestrutura já implantada e a excelência do corpo docente. (ATA DA REUNIÃO, 1999, p. 2) A proposta inicial do curso é sustentada por projeto da Coordenadoria de Educação Física da Universidade Presbiteriana Mackenzie, assinada pelo professores mestres Marcos Merida, então coordenador, e Jonilio Orlando, que na época representavam os anseios de todos os professores da área. Tal proposta levou em consideração as diretrizes estabelecidas pela Lei 9.394/1996 (LDBEN) e pela Resolução CFE 03, de 16 de julho de 1987, abrangendo a licenciatura e o bacharelado. A sólida formação geral e a possibilidade de opção para aprofundamento de conhecimentos foi ponto marcante do currículo pleno proposto, com duração mínima de oito semestres, compreendendo uma carga de horas e apresentação obrigatória de trabalho de conclusão de curso, em nossa universidade denominado trabalho de graduação interdisciplinar. Esse currículo foi guiado pela orientação científica, a integração entre teo-

8 ria e prática, o conhecimento filosófico, do ser humano e da sociedade, bem como, pelo conhecimento técnico, representado pelos estudos das diversas manifestações clássicas e emergentes da cultura do movimento humano. Vale ressaltar que a Universidade Presbiteriana Mackenzie esteve acompanhando as discussões em torno das mudanças da legislação desde a elaboração do documento da Comissão de Especialistas de Ensino em Educação Física (Coesp-EF) do MEC/Sesu, encaminhado ao CNE, em 13 de maio de 1999, e do Parecer CNE/CSE 1.070, de 23 de novembro de 1999; passando pela Resolução CNE/CP 01, de 18 de fevereiro de 2002; a Resolução CNE/CP 02, de 19 de fevereiro de 2002; e o Parecer CNE/CES 138, de 03 de abril de 2002; bem como seus desdobramentos. O curso foi implantado a partir do primeiro semestre de 2000 no Campus Tamboré, tendo em vista as instalações e equipamentos disponíveis. Refletindo a seriedade e o compromisso característicos do Mackenzie, a entrada dos alunos foi feita por admissão em processo seletivo único (vestibular), inicialmente, com duas turmas de 40 alunos no período noturno e, a partir do primeiro semestre de 2001, mais uma turma de 40 alunos no período vespertino. O professor mestre Marcos Merida foi designado para responder, sit et in quantum, pela instalação e a implementação da Faculdade de Educação Física da Universidade Presbiteriana Mackenzie, por meio da Portaria da Reitoria 67, de 20 de setembro de A partir daí, começou a contratação da equipe de operacionais e de docentes, concomitantemente ao planejamento e a execução de ampliações, reformas e adequações dos espaços físicos e das instalações esportivas. Teve-se, inicialmente, compromisso especial com a aquisição de um acervo bibliográfico, priorizando a bibliografia básica das disciplinas a serem implantadas a cada semestre, mas não esquecendo as obras complementares. O reitor, professor doutor Claudio Lembo, designou o professor mestre Marcos Merida para exercer o cargo de diretor da FEF, por meio da Portaria da Reitoria 89, de 13 de dezembro de Designou, também, a professora mestra Rita de Cássia Garcia Verenguer como chefe do Departamento Didático-Científico da Atividade Física, por meio da Portaria da Reitoria 07, de 17 de fevereiro de 2000, e o professor mestre Ronê Paiano como chefe do 8 Conhecimento Construído em Parcerias

9 Departamento de Aptidão Física, Esporte e Qualidade de Vida, por meio da Portaria da Reitoria 06, de 07 de fevereiro de Em setembro de 2003, o curso de educação física passou pelo processo de reconhecimento. A Comissão de Avaliação das Condições de Ensino, designada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, atribuiu os conceitos CB, CMB e CMB, respectivamente, às dimensões corpo docente, organização didático-pedagógica e instalações. Vale ressaltar que o resultado CB na dimensão corpo docente significou que, na época, o número de professores em regime de contrato parcial e integral foi considerado insuficiente. O resultado do reconhecimento dos cursos de bacharelado e licenciatura foi publicado no Diário Oficial da União, respectivamente em 20 de maio de 2004, Portaria 1.417/2004, e 04 de maio de 2005, Portaria 1.494/2005. Em novembro de 2004, pela primeira vez, os graduandos dos cursos de educação física do país realizaram o Exame Nacional de Desempenho Estudantil (Enade) como parte do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). O Enade-2004 foi respondido por uma amostra de 156 estudantes, sendo 72 concluintes e 84 ingressantes. O resultado, obtido por meio de análise considerando o peso amostral, correspondeu ao conceito 4. Em fevereiro de 2005, houve a primeira reestruturação administrativa na universidade, com a extinção das chefias de departamento e o surgimento da coordenação do curso. Do ponto de vista dessa nova estrutura, o curso continuou a contar com o professor mestre Marcos Merida na direção da unidade e foi designada, pela Portaria da Reitoria 168/2005, a professora doutora Rita de Cássia Garcia Verenguer para responder pela coordenação de curso. Em julho de 2006, a universidade acolheu a segunda reestruturação administrativa: surgiu o Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), cuja direção ficou a cargo da professora doutora Beatriz Regina Pereira Saeta. No CCBS, ficaram locados os cursos de ciências biológicas, educação física, farmácia e psicologia e, seis meses depois, a ele foram incorporados os cursos de fisioterapia e nutrição. Introdução 9

10 Nesta segunda reestruturação, surgiu o cargo de coordenador de curso do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde e para a coordenação do curso de educação física foi designada, em Portaria da Reitoria 105/2006, a professor doutora Rita de Cássia Garcia Verenguer. No ano de 2006, no âmbito da universidade e do curso, fortaleceram- -se as discussões para a implantação das novas matrizes curriculares dos cursos de educação física, considerando a Resolução CNE/CP 02/2002 (licenciatura) e a Resolução CNE/CES 07/2004 (bacharelado). Em novembro de 2007, os graduandos do curso realizaram, pela segunda vez, o Enade. O resultado, divulgado em agosto de 2008, é o apresentado abaixo. Enade 2007 IDD CGC Conceito Em termos comparativos, o curso de educação física da UPM foi o único a alcançar esse resultado considerando as instituições privada do estado de São Paulo e compõe um grupo com outras 11 instituições brasileiras que alcançaram nota máxima no Enade Em março de 2009, passou a exercer a função de coordenador de curso o professor doutor Ronê Paiano. A construção do projeto pedagógico do curso de educação física da Universidade Presbiteriana Mackenzie considera que o ensino universitário assume papel social diferenciado no contexto da sociedade do século XXI. O século XXI vem sendo considerado como aquele em que conhecimento, riqueza, soberania racional e qualidade de vida estão ligados por um mesmo fio: uma população educada e com autonomia para buscar e produzir informação. A sociedade do conhecimento, como tem sido chamada, caracterizar- -se-á como aquela em que o conhecimento é a mola propulsora para a sociedade. Em outras palavras, a geração de riqueza dependerá do incentivo à pesquisa e à educação universal e de pessoas altamente preparadas. 10 Conhecimento Construído em Parcerias

11 Nesse sentido, delineia-se para o processo de preparação profissional um novo paradigma que vai exigir mudança de comportamento. A aprendizagem deverá ser contínua e vitalícia, pois o conhecimento tem meia-vida e a aprendizagem, não. É preciso pensar na abordagem aprender a aprender, ou seja, a prioridade deve ser o processo de aprendizagem, uma vez que os conteúdos são transitórios. E, sobretudo, criar um ambiente para que seja desenvolvida a autonomia, a responsabilidade e a automotivação. Às tarefas tradicionais da universidade (produção e divulgação do conhecimento, preparação profissional, prestação de serviços à comunidade e preservação do patrimônio cultural) serão adicionadas outras, como por exemplo a criação de novos tipos de certificação de competências e ciclos de formação, a aproximação do conhecimento acadêmico, do profissional e do popular e, principalmente, a diminuição do déficit de conhecimento da sociedade em geral com currículos alternativos e flexíveis. Diante dessa nova realidade, desenham-se novos desafios aos atores universitários. Aos docentes caberá, além da competência técnica (conhecimento da sua área e dos processos de ensino e aprendizagem), a competência política (conhecimento do tempo/espaço social, da cidadania). Entre as ideias de curiosidade, rigor intelectual, autonomia e atitudes éticas, o docente por excelência será aquele que tem uma atitude positiva frente ao conhecimento e vive um estado permanente de indagação ou, em outras palavras, é um pesquisador. Dos discentes serão exigidas novas atribuições: de receptores para colaboradores de conhecimento, de críticos passivos para solucionadores de problemas e propositores de soluções, de espectadores para protagonistas de suas competências. Se os docentes e discentes têm novos desafios e papéis, aos gestores universitários cabem a construção de um cenário acadêmico que vise à agilidade nas decisões e a diminuição da burocracia, o treinamento constante do corpo docente e administrativo, o incremento das atividades extracurriculares (grupo de estudos e/ou pesquisa, viagens pedagógicas, etc.) e o investimento e acesso ilimitado à tecnologia informacional. Introdução 11

12 Assim, o desafio atual dos cursos de graduação tem sido a reorganização da estrutura curricular, propondo mecanismos que possam aproximar teoria e prática, ciência e profissão. Como fruto do amadurecimento e sensibilidade dos docentes-pesquisadores, observa-se atualmente uma preocupação maior em legitimar a pesquisa aplicada como aquela que poderá trazer mudanças significativas para intervenção profissional. Nessa perspectiva, é preciso que o graduando também assuma o papel de produtor do conhecimento, participando da elaboração e da implementação de pesquisas. Nesse sentido, a problematização científica também deve se originar no próprio cotidiano do aluno, em sua relação com a realidade da profissão. Com isso, será possível superar a dicotomia entre teoria e prática, integrando conhecimentos acadêmicos e intervenção profissional. A preparação profissional em educação física e a constituição da estrutura curricular precisam considerar o fenômeno ensino-pesquisa-extensão, pois é ele que sustenta a universidade e dá respaldo científico à profissão. As atividades que compõem o ensino - matriz curricular, estágio curricular supervisionado, prática como componente curricular e atividades acadêmico- -científico-culturais - precisam estar integradas de modo a se complementarem. Quanto ao estágio, ele não pode ser considerado um apêndice na formação: é peça fundamental para a reflexão do cotidiano profissional e deve estar inserido, principalmente, nas disciplinas de orientação à intervenção. No projeto pedagógico, procurou-se aproximar a realização dos estágios dos conhecimentos disseminados no curso, fazendo com que o contato com o ambiente real de intervenção estimule a construção de conhecimento de maneira significativa As atividades que compõem a pesquisa desenvolvimento de projetos, participação em grupos de estudo, realização de trabalhos disciplinares e interdisciplinares, apresentação de trabalhos em eventos científicos potencializam o processo de profissionalização e dão vitalidade ao conhecimento da área, e por isso mesmo são frequentemente estimuladas no curso. Em média, são oferecidos oito grupos de estudos, que, com frequência, origi- 12 Conhecimento Construído em Parcerias

13 nam projetos de iniciação científica, posteriormente apresentados em eventos científicos. Muitos desses projetos transformam-se em artigos, publicados nos diversos periódicos da área. Considerando que a educação física é uma profissão academicamente fundamentada, a extensão não pode ser relegada ao segundo plano, visto que se caracteriza por um espaço privilegiado para o aperfeiçoamento da intervenção profissional, por meio de uma intervenção supervisionada e acompanhada por profissionais/docentes experientes. Tem sido característica do curso o estímulo à participação dos alunos em projetos de extensão, sendo oferecidos os projetos nas seguintes áreas: educação física infantil; educação física na adolescência; educação física adaptada; e educação física escolar. Dessa forma, é tradição no curso que os graduandos, em algum momento, vivam a experiência com a extensão. Faz parte da história do curso um cuidado com a construção de um currículo que abranja a construção de saberes de natureza conceitual, procedimental e atitudinal. Já em 2002, na construção coletiva do projeto pedagógico, foram discutidos os conteúdos de cada disciplina e, a partir dessa discussão, houve a elaboração de planos de ensino nos quais se optou por explicitar a presença de cada uma das dimensões do conteúdo. A comprovação de que esse era o caminho correto veio depois, com a publicação das diretrizes curriculares para os cursos de graduação em educação física, aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação no parecer 58/2004. Nessas diretrizes, defende-se que o graduado deve dominar os conhecimentos conceituais, procedimentais e atitudinais. Vale a pena destacar uma entre tantas atitudes estimuladas no curso: a competência para trabalhar em equipe. Ela aparece no perfil profissional esperado, tanto no curso de licenciatura quanto no de bacharelado, por se considerar que ela é fundamental na sociedade atual. Para preparar profissionais com tal competência, é condição sine qua non que docentes, equipe técnica e gestores consigam trabalhar de maneira articulada. Partindo dessa premissa, desde seu início, tem sido uma característica do curso o trabalho integrado entre os professores, integração esta es- Introdução 13

14 timulada pelos gestores. Assim, estabelecer parcerias para construir conhecimentos tem sido nossa prática. A construção dessas parcerias conta frequentemente com o envolvimento dos graduandos. Geralmente, elas seguem percursos distintos e resultam em produtos diversificados: alguns docentes se aproximam para realizar pesquisas e produzir conhecimentos científicos, outros realizam experiências de ensino e/ou extensão. Apresentar alguns dos trabalhos construídos em parceria é o objetivo deste livro. A primeira parte apresenta ensaios e textos sobre temas escolhidos pelos professores. A motivação para a construção desses trabalhos surge em diferentes momentos: em reuniões de grupos de estudo, nas bancas de defesa dos trabalhos de conclusão de curso ou, ainda, em discussões informais, realizadas na sala de professores, no refeitório ou na lanchonete. O primeiro capítulo, escrito por Corrêa, Caperuto, Costa, Coutinho e Hirota, apresenta o olhar de diferentes áreas do conhecimento sobre a fadiga. Nele, os autores fazem uma síntese de discussões realizadas em diferentes disciplinas que trataram do tema de maneira interdisciplinar, discussão amadurecida em reuniões do grupo de estudo. No segundo capítulo, Uezo, Masseto, Massa e Campanelli analisam o talento esportivo, ideia que toma forma nas discussões realizadas no grupo de estudos sobre esse tema, organizado pelos autores. Outro capítulo que surge a partir das análises em grupo de estudo foi o elaborado por Verenguer e Costa, discutindo assunto recente, que merece o olhar dos pesquisadores da educação física: a WEB 2.0. Conversas informais entre os professores, sobre os alunos e suas reações a determinados temas discutidos em aula, originam os dois capítulos seguintes. Matos e Bojikian analisam como os temperamentos humanos se apresentam nas atividades de ensino durante a graduação de futuros profissionais de educação física e na organização de equipes de voleibol. Hirota, Tondato e Knijnik procuram integrar conhecimentos de diferentes pesquisas para compreender as relações entre motivação, ansiedade e lesões no esporte. 14 Conhecimento Construído em Parcerias

15 Na segunda parte do livro estão reunidos textos que apresentam relatos de experiências ou propostas pedagógicas aplicadas e avaliadas pelos seus autores. Assim, no sexto capítulo Masseto, Ressurreição e Cossote descrevem uma proposta pedagógica para discutir o salvamento aquático nos cursos de graduação, a partir da integração entre as disciplinas teoria e prática dos esportes aquáticos e socorros de urgência. Na mesma linha, Corrêa, Freire, Ladeira, Piceda e Rodrigues analisam aspectos biomecânicos do equilíbrio e apresentam propostas para desenvolver esse tema nas aulas de educação física. Nos dois capítulos seguintes, de autoria de Filgueiras e Paiano e de Filgueiras, Rodrigues e Silva, os resultados da aplicação de projetos interdisciplinares são relatados. Os autores se fundamentam em uma epistemologia da prática e apresentam dois exemplos de integração entre ensino, pesquisa e extensão. Encerrando o livro, Grillo, Pichiliani, Souza Jr., Merida e Ferreira Filho relatam a experiência com a Mostra de Ginástica, evento que, realizado semestralmente há sete, usa a ginástica como meio para tratar diferentes temas apresentados nas disciplinas envolvidas. Com a apresentação deste livro, pretendemos compartilhar experiências e disseminar conhecimento produzido, esperando que nossos escritos tragam contribuições tanto para aqueles que estão diretamente envolvidos com o ensino, a pesquisa e a extensão quanto para os demais graduandos e profissionais que constroem a educação física diariamente. Introdução 15

16

17 FADIGA NA CORRIDA: Uma abordagem multidisciplinar Sonia Cavalcanti Corrêa Erico Caperuto André Costa, MarcelaMeneguello Coutinho Vinicius Barroso Hirota Nos Jogos Olímpicos de Verão de 1984, realizados em Los Angeles, durante a maratona feminina (a primeira maratona olímpica feminina), ganha pela norte-americana Joan Benoit, a suíça Gabriela Andersen-Scheiss, completamente desidratada e desorientada pelo esforço no calor, além de estar com uma forte cãibra na perna esquerda, cambaleou nos últimos 200 metros, levando dez minutos para completá-los, até cair desacordada nos braços dos médicos, sobre a linha de chegada. Após a prova, ela disse aos jornalistas que queria terminar o percurso, pois aquela talvez fosse sua única oportunidade olímpica, por causa dos seus 39 anos. A corredora chegou apenas na 37ª colocação entre 44, mas foi mais aplaudida que a medalhista de ouro Joan Benoit. Por causa desse incidente, a International Association of Athletics Federations (IAAF) - Federação de Atletismo Internacional - fez o artigo Andersen-Scheiss, que permite aos atletas receberem auxílio médico durante o percurso sem serem desclassificados. O fato é considerado, até hoje, um dos maiores exemplos de perseverança, gana e espírito olímpico, um exemplo exacerbado de determinação e força de vontade capaz de superar até mesmo os limites de autopreservação do corpo humano. Características como as apresentadas pela atleta são os mais evidentes sintomas de fadiga que o organismo pode apresentar. Além de se tornar um exemplo de determinação, a atleta colocou em cheque alguns importan-

18 tes conceitos de fadiga que serão discutidos neste capítulo. Os mecanismos desses conceitos e do processo de fadiga serão discutidos sob a óptica da fisiologia, da bioquímica e da biomecânica. 1. Aspectos históricos da fadiga Um dos mais antigos registros em relação à fadiga data do século XVIII. O livro La fatica (MOSSO, 1904) justifica a fadiga por dois fatores: o primeiro é pela diminuição da força muscular, e o segundo, como uma sensação. Ou seja, temos um fato físico que pode ser medido e comparado, e um fato psíquico, que não consegue ser medido. As descrições de fadiga da literatura, bem como a própria definição do termo fadiga, ainda gera intenso debate frente à quantidade de significados que o termo e o fenômeno podem assumir. Bainbridge (1931), um dos primeiros autores de fisiologia do exercício, relatava que, geralmente, a fadiga havia sido atribuída apenas a alterações na capacidade cardíaca, mas os fatos como um todo indicavam que a soma das mudanças que acontecem no corpo culmina na cessação final do esforço. O Dicionário Oxford traz, como definição de fadiga, cansaço extremo depois do esforço, redução na eficiência muscular, dos órgãos etc., depois de atividade prolongada. O Dicionário Aurélio caracteriza a fadiga como s.f. (substantivo feminino) sensação penosa causada pelo esforço ou trabalho intenso; cansaço. Estafa, esgotamento. Nas ciências do exercício, existe uma variação enorme na definição de fadiga. Afirmações clássicas como falha em manter a força esperada ou exigida (EDWARDS, 1981), ou perda na capacidade de gerar força máxima (BIGLAND-RITCHIE et al., 1986), ou ainda um estado reversível de depressão na força, incluindo um ritmo menor de aumento da força e um relaxamento mais lento (FITTS; HOLLOSZY, 1978) são colocadas. É possível que exista uma grande variedade de explicações para a fadiga, de desequilíbrios metabólicos na unidade motora a mecanismos mediados pelo sistema nervoso central (ENOKA; DUCHATEAU, 2008). O balanço entre esses mecanismos, que podem ser divididos como centrais 18 Fadiga na Corrida:Uma abordagem multidisciplinar

19 e periféricos, pode ser parcialmente dependente da duração e da intensidade da fadiga, e também do grupo muscular que está sendo investigado (BEHM; ST-PIERRE, 1997). Mesmo não havendo um consenso quanto ao conceito de fadiga, grande parte dos pesquisadores concorda que é um fenômeno subjetivo, multicausal, cuja gênese e cuja expressão envolvem aspectos físicos, cognitivos e emocionais como os apresentados por Gabriela Andersen-Scheiss no final da maratona de 1984 (MOTA; PIMENTA, 2002). 2. Pesquisas em fadiga: qual será o futuro? Considerações sobre o futuro do estudo da fadiga trazem perguntas interessantes. Por exemplo, pesquisadores com objetivo de estudar os limites da performance humana devem estar familiarizados com duas proposições muito aceitas, porém incompatíveis. A primeira diz que sem o uso de ergogênicos artificiais, como manipulação genética ou drogas, será difícil ver futuras melhoras significantes nos recordes de esportes como natação ou atletismo (NEVILL, 2005). Por outro lado, há aqueles que acreditam em eventos de super-resistência, como os exploradores antárticos ou indivíduos que faziam caminhadas intercontinentais, como exemplos de que o ser humano não consegue saber realmente até aonde pode ir, uma vez que raramente são colocados em situação de risco de vida (NOAKES, 2006). Observando a chegada da atleta Gabriela Andersen-Scheiss e refletindo sobre essas duas colocações surge a pergunta: os limites para a performance são mecânicos e imutáveis, ou sugestionáveis e indefinidos? 3. Aspectos gerais da fadiga A fadiga causada pelo exercício é uma sensação comum que todos já experimentamos. Durante o exercício, a sobrecarga pode criar tal sensação de intensidade que o sujeito precisa reduzir o ritmo de exercício, ou até mesmo parar sua realização. Qualquer atividade física consome energia Corrêa, Caperuto, Costa, Coutinho e Hirota 19

20 e, mais cedo ou mais tarde, vai esvaziar os estoques de energia do corpo, forçando-o a parar. Um consumo ilimitado desses estoques sem reabastecimento teria efeitos prejudiciais no equilíbrio do ser humano e em sua saúde física. Portanto, as sensações de fadiga e exaustão acabam sendo essenciais para manter nossa integridade física. Essas sensações representam o elemento psicológico, que vai, ao longo do tempo, promover mudanças no comportamento. As mudanças físicas e bioquímicas que acompanham a realização do exercício são os elementos fisiológicos responsáveis pela sinalização de fadiga. O fenômeno da fadiga e da exaustão durante o exercício compõe campos de interesse de diversas disciplinas, especialmente da fisiologia e da psicologia do esporte (AMENT; VERKERKE, 2009). A fadiga muscular pode se referir a um déficit motor, uma percepção ou declínio na função mental; pode descrever a diminuição gradativa na capacidade de o músculo gerar força ou o ponto final de uma atividade sustentada. Ela pode ser medida como uma redução na força muscular, mudança na atividade eletromiográfica ou exaustão da função contrátil. Tal amplitude de conceito é um problema, porque nesse contexto a fadiga pode abranger vários fenômenos que são consequências de diferentes mecanismos fisiológicos. Isso reduz a probabilidade de identificarmos a sua causa de maneira específica. Para contornar essa limitação, a maioria dos pesquisadores invoca uma definição mais focada, como por exemplo a redução, causada pelo exercício, na capacidade do músculo para produzir força ou potência, independentemente se a tarefa pode ou não ser sustentada (BIGLAND-RITCHIE; WOODS, 1984; SØGAARD et al., 2006). Embora um consenso seja uma espécie de utopia quando se trata do conceito de fadiga, todos os autores trazem elementos comuns em suas observações. Um dos elementos mais apontados é a interdependência ou a íntima relação dos aspectos do sistema nervoso central com os aspectos musculares. Uma colocação simplista poderia classificar como uma divisão entre fadiga central e periférica, levando-se em consideração todos os detalhes que permeiam cada uma dessas classificações e culminam em exemplos como o da maratonista, como ilustrado na Figura Fadiga na Corrida:Uma abordagem multidisciplinar

21 Figura 1. Relação dos elementos bioquímicos, fisiológicos e psicológicos da Fadiga com a geração das alterações imunológicas, biomecânicas e de saúde. A fadiga parece, então, um evento em que diversas variáveis estão envolvidas, entre elas elementos fisiológicos, bioquímicos e psicológicos, que culminam em alterações mecânicas, imunológicas e, por fim, de saúde que podem ser observadas em suas mais diferentes e, em alguns casos, mais extremas manifestações. 4. A fisiologia da fadiga Do ponto de vista fisiológico, navegando entre o simplismo e dando espaço a todos os detalhes do preciosismo, podemos considerar fadiga como qualquer espécie de interrupção do processo de comunicação entre o cérebro e o músculo. Esse processo nasce no desejo, controlado exclusivamente pelo sistema nervoso central (SNC), de realizar determinado movimento em determinado ritmo e com determinada força. A informação é então transferida através do sistema nervoso periférico para os músculos, que se contraem para compor o movimento desejado. Os aspectos bioquímicos específicos e locais de cada um desses sítios são determinantes para a realização ou não do movimento. Entretanto, quando observamos o fenômeno de uma forma mais integrativa, podemos acrescentar peças importantes no seu complexo quadro. Corrêa, Caperuto, Costa, Coutinho e Hirota 21

22 5. A fadiga central: podemos literalmente morrer de cansaço? Múltiplos processos no sistema nervoso e no músculo podem contribuir para a fadiga muscular. Diversos deles iniciam-se juntamente com o início da contração voluntária. A fadiga progride junto com o exercício e começa a se recuperar quando ele cessa. Em algum momento, durante o exercício, dependendo de sua intensidade, a força ou potência voluntária máxima vai ser consideravelmente reduzida pela fadiga. Se o exercício é submáximo, a fadiga pode ocorrer (uma fadiga mensurável) sem perda da performance na tarefa, por conta do recrutamento de outras unidades motoras em substituição às fadigadas. Já a fadiga central se refere a processos superiores e pode ser definida como uma falha na ativação voluntária do músculo progressivamente induzida pela realização do exercício (HOLTZHAUSEN et al., 1994). A fadiga central pode ser demonstrada como no estudo clássico de Merton (1954), quando se consegue um aumento na força gerada por uma estimulação nervosa (artificial) durante um esforço voluntário máximo. Se esse aumento extra pode ser provocado pela estimulação nervosa durante o esforço voluntário máximo, ou algumas fibras não tinham sido recrutadas ou os neurônios não as estavam recrutando rápido o suficiente para produzir as contrações no momento da estimulação (HERBERT; GANDEVIA, 1999). Esse aumento forçado na ativação (chamado de contração superimposta) significa que a fadiga central e os processos centrais alterados, próximos ao local de estimulação do axônio do neurônio motor, estão contribuindo para uma perda de força. Alguns mecanismos supraespinhais também podem contribuir para a fadiga central (GANDEVIA et al., 1996; TAYLOR et al., 2006). Para os flexores do cotovelo, por exemplo, a estimulação magnética transcraniana (EMT) do córtex motor gera contrações forçadas a despeito do esforço máximo do sujeito (TODD et al., 2003). Isso indica que, no momento da estimulação, a produção de estímulo do córtex motor não é máxima (parte dela permanece inalterada) e não é suficiente para ativar todas as unidades motoras necessárias para produzir a força muscular máxima. Portanto, a produção de estímulo pelo córtex motor não é suficiente. Um 22 Fadiga na Corrida:Uma abordagem multidisciplinar

23 aumento na contração superimposta (forçada) provocada pela estimulação cortical durante o exercício pode ser considerado um marcador de fadiga supraespinhal (TAYLOR; GANDEVIA, 2008). Seguindo essa mesma linha de raciocínio, acrescentam Seifert e Petersen (2010) que mudanças na informação sensorial de músculos ativos ocorrem durante exercícios fatigantes deteriorando a capacidade do organismo para gerar força. Portanto, o comando motor central deve ser ajustado dependendo da tarefa a ser realizada, contando com a sinalização periférica. Os potenciais de ação do músculo evocados pela estimulação magnética transcraniana (EMT) mudam durante o desenvolvimento da atividade muscular, o que demonstra mudanças nas redes espinhal e cortical durante o exercício extenuante. O trabalho desses autores sugere que, conforme a fadiga se estabelece durante o exercício, existe um aumento paralelo na excitação dos circuitos inibitórios que controlam a estimulação corticoespinhal. Esse trabalho corrobora as ideias defendidas por Noakes et al. (2004). Noakes et al. (2004) questionam os conceitos baseados nos modelos de fisiologia do exercício de limitação ou catástrofe (EDWARDS, 1983). Esses modelos dizem que a fadiga se desenvolve depois de um ou mais sistemas orgânicos serem estressados além de sua capacidade, levando rapidamente a uma falha completa do sistema que nós reconhecemos como exaustão. O exemplo mais estabelecido, talvez a fonte original dessa forma de pensar, é a teoria de que há uma limitação de oxigênio para o músculo, levando a uma hipóxia muscular ou anaerobiose, com consequente desequilíbrio na produção/utilização de ATPs, sendo portanto a causa da fadiga durante exercícios de curta duração e alta intensidade o conhecido modelo de catástrofe anaeróbica cardiovascular (KRETCHMAR, 2007). Entretanto, a falha que passa despercebida nessa teoria é que, se o ritmo de produção de ATPs fosse menor que o ritmo gasto, essa diferença causaria, em última instância, o rigor muscular. Mas se o rigor muscular não se desenvolve em nenhum tipo de exercício em vertebrados, então alguma outra forma de controle deve existir para determinar o fim do exercício, mesmo com o ritmo de produção e utilização de ATPs em equilíbrio. Corrêa, Caperuto, Costa, Coutinho e Hirota 23

24 Dessa forma, Jones et al. (2004) concluem que os modelos atuais, que postulam a fadiga sendo regulada exclusivamente por mudanças ocorridas nos músculos que se exercitam, não explicam a maior parte das formas de fadiga provocadas pelo exercício. A maior evidência disso é os trabalhos que mostram como o recrutamento motor em músculos ativos nunca é absolutamente máximo (MARINO, 2009; DUFFIELD et al., 2009; MOCK et al., 2000; GABBET, 2008) durante exercícios voluntários em humanos. Alguns autores (ROYAL et al., 2006), estabelecendo um novo modelo, dizem que a fadiga periférica é um sistema dinâmico e linear no qual a falha resulta de um aumento progressivo na quantidade de alguns metabólitos ou variáveis, até que estes alcancem um nível máximo. Em relação a esta hipótese, Noakes et al. (2004) dizem que em humanos com um SNC intacto ainda não foi identificado nenhum metabólito que se acumule segundo esse modelo linear. Também é examinada pelos autores a hipótese do modelo de fadiga neural central, baseada na evidência de que sempre existe uma reserva de recrutamento (GANDEVIA, 2001; ST CLAIR GIBSON et al., 2001) no músculo esquelético em todas as formas de fadiga, indicando que o SNC regula, e na verdade limita, o recrutamento muscular especificamente para manter o equilíbrio e evitar o colapso, a catástrofe. O sistema seria controlado provavelmente por uma regulação em antecedência de estruturas corticais ou inibição reflexa dos comandos neurais aferentes pelos quimiorreceptores III e IV, reagindo a mudanças na concentração de substratos ou metabólitos, ou talvez até mesmo de informações dos mecanoreceptores dos músculos esqueléticos, pulmonares e cardíacos. Com base em estudos próprios, St Clair Gibson et al. (2001), Kay et al. (2001) e outros, como Lucia et al. (2003) e Noakes et al. (2004), propõem uma versão mais compreensiva e atualizada do modelo original descrito (NOAKES et al., 2001). De acordo com o modelo do governador central, eles propõem que durante o exercício espontâneo, diferentemente do ambiente do laboratório, o SNC continuamente modifica o ritmo como parte de um sistema 24 Fadiga na Corrida:Uma abordagem multidisciplinar

25 complexo dinâmico e não linear. Neste modelo, a produção de trabalho (o ritmo de exercício) é continuamente ajustado com base em cálculos metabólicos realizados em níveis subconscientes do SNC. Esses cálculos levam em conta o conhecimento prévio adquirido em sessões de exercício anteriores, o fim planejado da sessão de exercício atual, o ritmo metabólico atual, entre outras tantas variáveis em potencial. Esses cálculos subconscientes criam um ajuste contínuo no ritmo de produção de trabalho e, portanto, no ritmo de exercício durante a sessão. Este modelo dá uma visão revolucionária de que a fadiga não é um evento físico, e sim uma sensação, que é a manifestação consciente desses cálculos subconscientes realizados pelo SNC (ST CLAIR GIBSON et al., 2001; ST CLAIR GIBSON et al.,2003). Dessa maneira, o modelo prevê que o controle final do desempenho em exercícios está na habilidade do cérebro para variar o ritmo de trabalho e a demanda metabólica alterando o número de unidades motoras recrutadas durante o exercício. Portanto, a partir do que foi explanado, pergunta-se: quais parâmetros fisiológicos determinam o número de unidades motoras recrutadas pelo SNC nos músculos esqueléticos ativos? Lambert et al. (2004) examinam, em um estudo, a regulação periférica da atividade metabólica e como o processo periférico é integrado nos centros do SNC. Eles revisam a evidência que mostra que metabólitos periféricos podem fornecer informações aos centros regulatórios no cérebro pela via aferente, sendo, portanto, parte importante no processo regulatório. Alterações nas vias eferentes geradas como resultado de uma entrada periférica sensorial aferente tem um atraso natural que leva a um ajuste contínuo, com consequente produção de trabalho oscilante, ou seja, com ritmo variável de exercício, como parte do sistema dinâmico, não linear, complexo e que regula o corpo todo. Lambert et al. (2004) argumentam ainda que essas alterações no ritmo de esforço também podem ser parcialmente determinadas por sistemas regulatórios que existam na periferia. Esses sistemas contribuem para um sistema de controle hierárquico com propriedades redundantes, e essa redundância de processos de comando cria um sistema mais robusto, mais complexo, capaz de manter Corrêa, Caperuto, Costa, Coutinho e Hirota 25

26 a homeostase com mais eficiência do que se contasse com apenas um processo de controle, no qual faltem a integração central ou a presença de redundâncias. Finalmente, eles mostram que as respostas neurais e metabólicas ao exercício podem ser reprogramadas por fatores como a exposição anterior ao exercício. Até mesmo uma única sessão de exercícios, antes de um evento particular, pode alterar a atividade metabólica e a sensação consciente de fadiga durante a próxima sessão de exercícios, indicando que o processamento do governador central pode ser mutável e continuamente reprogramado com base na continuidade e em novas experiências. Dessa forma, essas informações podem se interligar com as propostas por Noakes et al. (2004) em um diagrama, como representado na Figura 02. Figura 2. Ações do sistema nervoso central (SNC) associadas à fadiga central (adaptado de NOAKES et al., 2004). Organizando as ideias da Figura 2, notamos três proposições diferenciadas. Primeiro, tanto no repouso quanto em qualquer forma de exercício, todas as funções fisiológicas são reguladas por mecanismos de controle do sistema nervoso central em busca do equilíbrio para evitar que qualquer prejuízo aconteça ao organismo. Segundo, a sensação consciente de fadiga não vem diretamente da ação dos metabólitos na periferia, mas dos centros regulatórios em partes sub- 26 Fadiga na Corrida:Uma abordagem multidisciplinar

27 conscientes do cérebro, com a função de garantir a homeostase durante o exercício (ST CLAIR GIBSON et al., 2003). Portanto, a sensação distinta de fadiga não está diretamente relacionada com o término do exercício, mas sim com uma interpretação contínua do efeito do atual nível de atividade sobre a capacidade futura de se exercitar, e consequentemente, de quaisquer ameaças dessa atividade na manutenção da homeostase (ST CLAIR GIB- SON et al., 2003; TUCKER et al., 2004). Terceiro, como a sensação de fadiga é mais uma emoção que um estado físico, as estratégias de treino e seu controle durante o exercício espontâneo e todo o processo envolvido, mais que apenas o resultado final, são provavelmente o fenômeno mais importante da fisiologia do exercício. Os autores desenvolveram o argumento de que as limitações ou o modelo de catástrofe em fisiologia do exercício não são válidos especificamente porque não explicam o mais óbvio. Isto é, longe de ser limitado pela falência de um ou mais sistemas fisiológicos durante o exercício, a realidade é que todos os sistemas fisiológicos do organismo, tanto no repouso quanto no exercício, são equilibradamente regulados em um processo contínuo, especificamente para prevenir a catástrofe, incluindo a exaustão física, amplo dano celular ou até mesmo a morte como resultado do exercício. Embora esse embasamento teórico seja sólido, uma vez mais Gabriela Andersen-Scheiss coloca, na prática, esses conceitos em xeque, gerando uma dúvida - que permanece sem resposta - em relação a quanto controle o sistema nervoso central exerce sobre o desempenho no exercício, especialmente em situações extremas, tanto do ponto de vista psicológico quanto do ponto de vista fisiológico, como foi a sua chegada na maratona da Olimpíada de Ainda nessa linha de raciocínio, concordam Amann et al. (2008), que induziram vários graus de fadiga nos músculos antes de uma tarefa em que o desempenho foi medido. Os autores mostraram um efeito dose dependente da fadiga periférica no comando central durante o exercício. O comando motor central e, consequentemente, a produção de trabalho e performance foram mais altos quando a tarefa avaliada foi feita sem a existência prévia de fadiga periférica, e a performance (produção de trabalho e Corrêa, Caperuto, Costa, Coutinho e Hirota 27

28 ativação do comando motor central) foi mais baixa quando havia um grau severo de fadiga muscular pré existente, realizada anteriormente a tarefa avaliada. Entretanto, a fadiga muscular induzida pelo exercício no final da tarefa avaliada foi quase idêntica, a despeito das diferenças significativas na performance durante o exercício (a tarefa) e dos níveis de fadiga preexistentes, confirmando que a fadiga muscular é uma variável cuidadosamente regulada e integrada com o sistema nervoso central. Apesar de Martin et al. (2010) afirmarem que os fatores centrais são os principais responsáveis pela grande perda de torque máximo apresentada pelos músculos depois de um evento de ultraendurance, especialmente nos quadríceps, eles também apontam que a redução no comando central pode ter contribuído para a preservação relativa da função periférica, o que afetou a evolução da velocidade da corrida durante um teste de 24 horas. A despeito da importante contribuição da bioquímica, como no caso da geração de energia e nos demais fatores localizados na periferia muscular, fica claro que há uma intensa comunicação entre esses dois núcleos (a periferia muscular e o controle neural central), que, embora influenciados por diversos elementos, compõem o quadro de fadiga. Com isso, fica bem caracterizado que a fadiga periférica parece ser controlada por instâncias superiores. 6. Alterações bioquímicas na fadiga Existem diversos fatores bioquímicos que também são importantes causadores de fadiga, como elencados no Quadro Fadiga na Corrida:Uma abordagem multidisciplinar

29 Quadro 1. Fatores bioquímicos associados à fadiga periférica Fadiga Periférica DEPLEÇÃO ATP PCR Glicose plasmática Glicogênio muscular ACÚMULO Mg 2+ ADP P i Lactato H + NH 3 EROs (Sendo ATP, trifosfato de adenosina; PCr, creatina fosfato; Mg 2+, íons de magnésio; ADP, difosfato de adenosina; P i, fosfato inorgânico; H +, íons de hidrogênio; NH 3, amônia; e EROs, espécies reativas de oxigênio.) Assim, tanto a depleção de substratos energéticos (trifosfato de adenosina ATP, creatina fosfato PCr, glicose plasmática e glicogênio muscular) como o acúmulo de derivados metabólicos (íons de magnésio - Mg 2+, difosfato de adenosina ADP, fosfato inorgânico P i, íons lactato, íons de hidrogênio - H +, amônia - NH 3 e as espécies reativas de oxigênio EROs) interferem no equilíbrio dinâmico entre a síntese e a utilização do ATP (PELLEY, 2007; LEHNINGER et al., 2006; MAUGHAN et al., 2000; NEWSHOLME; LEECH, 1988). As funções biológicas como a função contrátil muscular, entre outras são mantidas, primariamente pela energia química gerada pela hidrólise do ATP. Pelo fato de sua concentração absoluta no músculo esquelético ser extremamente limitada (aproximadamente 24 mmol/kg de músculo seco) e insuficiente, por exemplo para suprir a demanda energética durante o exercício físico, as células exibem diferentes sistemas para a ressíntese de ATP (MAUGHAN et al., 2000). Corrêa, Caperuto, Costa, Coutinho e Hirota 29

30 No início do exercício físico, há maior contribuição dos processos anaeróbios ou imediatos para a ressíntese de ATP, por meio da degradação de PCr e da hidrólise de glicogênio e/ou da glicose a lactato (FOSS; KE- TEYIAN, 2000; DI PRAMPERO; FERRETTI, 1999). Com a continuidade da sessão (exercícios com intensidade abaixo do limiar anaeróbio), tais sistemas diminuem sua participação e observa-se aumento da atividade oxidativa (sistema aeróbio), com a demanda energética passando a ser suprida predominantemente por esta via, com a utilização de carboidratos e lipídeos pelas mitocôndrias das células musculares, via ciclo do ácido cítrico ou de Krebs. A contribuição relativa dos diferentes substratos energéticos para a continuidade do exercício físico é determinada pela dieta, as ações hormonais, a intensidade e a duração do esforço, e os níveis de treinamento. Em exercícios aeróbios (intensidade abaixo do limiar anaeróbio), a manutenção da ressíntese de ATP pelos processos oxidativos (ciclo de Krebs e fosforilação oxidativa) ocorre preferencialmente pela oxidação de ácidos graxos a acetil coenzima A (acetil-coa) e pela conversão de glicogênio/glicose a oxaloacetato. Ambos os substratos, intermediários importantes do ciclo de Krebs, devem estar presentes em quantidades proporcionais na matriz mitocondrial para que as reações oxidativas sejam realizadas. A condensação de oxaloacetato e acetil-coa em citrato, regulada pela enzima citrato sintase, controla diretamente a oxidação do acetil-coa derivado tanto do piruvato como dos ácidos graxos. Entretanto, pelas características do exercício (intensidade abaixo do limiar anaeróbio), o acetil- -CoA passa a ser derivado basicamente dos ácidos graxos estocados nas células musculares (na forma de triacilglicerol) e também dos ácidos graxos livres, presentes na corrente sanguínea e transportados até a célula muscular, ligados à albumina (CHAMPE et al., 2007; MAUGHAN et al., 2000; NEWSHOLME; LEECH, 1988). A contribuição dos ácidos graxos em intensidades abaixo do limiar anaeróbio é evidente e, em decorrência dos grandes estoques destes substratos no organismo, dificilmente este seria um fator limitante do exercício. Assim, os estoques de glicogênio e a oferta de glicose passam 30 Fadiga na Corrida:Uma abordagem multidisciplinar

31 a ser fatores importantes tanto para a manutenção da oxidação de acetil- -CoA como para a ressíntese de ATP. Estima-se que no homem haja cerca de 400g de glicogênio estocado no músculo esquelético e apenas 100g de glicogênio no fígado (CHAMPE et al., 2007; MAUGHAN et al., 2000). Dessa forma, em exercícios prolongados a contribuição de glicose via glicogenólise torna-se uma etapa limitante por causa do baixo estoque de glicogênio no organismo. A depleção dos estoques hepático e muscular de glicogênio, possível de ocorrer durante o exercício prolongado, limita a produção de oxaloacetato e a atividade oxidativa, sendo um dos fatores limitantes da produção de ATP por esta via, e portanto, um causador de fadiga. Com isso, fica clara a importância de se manter o equilíbrio no funcionamento do ciclo de Krebs para evitar a formação de metabólitos limitantes da produção de ATP, como se pode observar na Figura 3, que ilustra a formação de NH 3. Figura 3. Funcionalidade do ciclo de Krebs, relação dos processos de cataplerose e anaplerose na formação da amônia (sendo NH 3, amônia; CO 2, dióxido de carbono). Corrêa, Caperuto, Costa, Coutinho e Hirota 31

32 Como ilustrado na Figura 3, outro ponto importante a destacar no metabolismo oxidativo é a constante formação de dióxido de carbono (CO 2 ) e glutamina, que representam perdas de carbonos (cataplerose) com a funcionalidade do ciclo de Krebs, as quais precisam ser repostas continuamente. O ponto de inserção de novas moléculas no ciclo (anaplerose) ocorre com a síntese de oxaloacetato a partir de moléculas de piruvato (derivado do glicogênio/glicose), pela ação da enzima piruvato carboxilase, ou por aminoácidos não essenciais como o aspartato, a asparagina e o glutamato. Assim, pelos baixos estoques de glicogênio no organismo, em atividades prolongadas a via anaplerótica passa a ter a contribuição dos aminoácidos, gerando a amônia, um dos metabólitos que também podem gerar a fadiga (CURI; PROCÓPIO, 2009; CHAMPE et al., 2007; MAUGHAN et al., 2000). Já em exercícios físicos cuja intensidade é acima do limiar anaeróbio, caracterizado pela demanda energética extremamente elevada em curto intervalo de tempo, a ressíntese de ATP é suprida prioritariamente pelos sistemas anaeróbios ou imediatos (PCr, glicogenólise hepática/muscular e glicólise muscular). Por causa de sua maior velocidade de ressíntese, observa-se no decorrer do exercício grande acúmulo intramuscular de diversos metabólitos, dentre os quais se destacam ADP, P i, lactato e H +, que são agentes associados à fadiga (CURI; PROCÓPIO, 2009; CHAMPE et al., 2007; MAUGHAN et al., 2000). A seguir, iremos discutir suas contribuições no desenvolvimento da fadiga, embora ainda exista muita controvérsia sobre o papel de cada um deles nesse processo. Na via dos fosfagênios, a ressíntese de ATP ocorre por meio da energia liberada pela dissociação da PCr (por meio da ação da enzima creatina quinase) em P i e creatina livre (VOLEK; RAWSON, 2004; SPENCER; GASTIN, 2001; MAUGHAN et al., 2000; NEWSHOLME; LEECH, 1988). Entretanto, os estoques de PCr permitem a predominância desta via por poucos segundos, com aumento das concentrações intracelulares de ADP e P i, que também podem interferir na manutenção da intensidade e da duração do exercício. Assim, observa-se maior fluxo de substratos pelas vias glicolítica e glicogenolítica, que passam a responder pela demanda 32 Fadiga na Corrida:Uma abordagem multidisciplinar

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES EM METODOLOGIAS ATIVAS

REGULAMENTO DE ATIVIDADES EM METODOLOGIAS ATIVAS REGULAMENTO DE ATIVIDADES EM METODOLOGIAS ATIVAS Aprovado em CEPE e CAS Processo 074/2013 Parecer 070/2013 de 05/12/2013 REGULAMENTO DE ATIVIDADES EM METODOLOGIAS ATIVAS Capítulo I Caracterização do Ensino

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana - Universidade Castelo

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. 16\10\14 das 8h30 às 11h30

SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. 16\10\14 das 8h30 às 11h30 Câmpus de Presidente Prudente SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. Presentes: 16\10\14 das 8h30 às 11h30 DOCENTES: Cinthia

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Regulação do metabolismo do glicogênio

Regulação do metabolismo do glicogênio Regulação do metabolismo do glicogênio A U L A 27 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Aprender sobre as vias de regulação do metabolismo de glicogênio. Reforçar os conceitos adquiridos

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE APRESENTAÇÃO DO CURSO O curso de licenciatura em Educação Física da FAPEPE tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a atuarem no contexto escolar,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil

Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil Proposta de inserção da Cronobiologia na educação infantil 1. Apresentação 2.Inserção da Cronobiologia na pré-escola 3.Inserção da Cronobiologia no fundamental ciclo I 4.Referências. 1. Apresentação Este

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Núcleo Temático: Disciplina:

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Educação Física - Licenciatura EMENTÁRIO ANATOMIA I Ementa:. Estudo da forma, estrutura, função e localização de órgãos que compõem os sistemas que formam o aparelho locomotor: sistema esquelético, sistema articular, sistema muscular

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais