Relatório de Gestão Exercício 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Gestão Exercício 2012"

Transcrição

1 Relatório de Gestão Exercício 2012 Usina Fotovoltaica de Sobrado - Município de Novo Airão

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DA UNIDADE JURISDICIONADA IDENTIFICAÇÃO DA UJ FINALIDADE E COMPETÊNCIAS INSTITUCIONAIS DA UJ ORGANOGRAMA FUNCIONAL DA UJ Descrição sucinta das competências e atribuições de responsabilidade de cada área componente da estrutura da UJ Identificação dos macroprocessos conduzidos pelas subdivisões existentes e os principais produtos deles decorrentes MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS DA UJ MACROPROCESSOS DE APOIO DA UJ PRINCIPAIS PARCEIROS DA UJ Principais Parceiros Externos Principais Parceiros Internos PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, PLANO DE METAS E DE AÇÕES DA UJ PLANEJAMENTO DAS AÇÕES DA UJ ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO FRENTE AOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DA UJ EXECUÇÃO DO PLANO DE METAS OU DE AÇÕES DA UJ INDICADORES DA UJ ESTRUTURA DE GOVERNANÇA E DE AUTOCONTROLE DA GESTÃO DA UJ ESTRUTURA DE GOVERNANÇA DA UJ AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DOS CONTROLES INTERNOS DA UJ REMUNERAÇÃO PAGA A ADMINISTRADORES DA UJ Política de Remuneração dos Membros da Diretoria Estatutária e dos Conselhos de Administração e Fiscal Demonstrativo da Remuneração Mensal de Membros de Conselho Demonstrativo Sintético da Remuneração de Membros de Diretoria e de Conselhos SISTEMA DE CORREIÇÃO DA UJ Página 1 de 237

3 3.5 CUMPRIMENTO PELA INSTÂNCIA DE CORREIÇÃO DA PORTARIA Nº 1.043/2007 DA CGU PROGRAMAÇÃO E EXECUÇÃO DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA INFORMAÇÕES SOBRE PROGRAMAS DO PPA DE RESPONSABILIDADE DA UJ Informações Sobre Programas Temáticos de Responsabilidade da UJ Informações Sobre Objetivos Vinculados a Programas Temáticos de Responsabilidade da UJ Informações Sobre Iniciativas Vinculadas a Programas Temáticos de Responsabilidade da UJ Informações Sobre Ações de Programas Temáticos de Responsabilidade da UJ Informações Sobre Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado de Responsabilidade da UJ Informações Sobre Ações Vinculadas a Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado de Responsabilidade da UJ INFORMAÇÕES SOBRE A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DA DESPESA Identificação das Unidades Orçamentárias da UJ Programação de Despesas TÓPICOS ESPECIAIS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS GESTÃO DE PESSOAS, TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA E CUSTOS RELACIONADOS COMPOSIÇÃO DO QUADRO DE SERVIDORES ATIVOS Demonstração da Força de Trabalho à Disposição da UJ Qualificação da Força de Trabalho Demonstração dos Custos de Pessoal da UJ Composição do Quadro de Servidores Inativos e Pensionistas Acumulação Indevida de Cargos, Funções e Empregos Públicos Providências Adotadas nos Casos de Acumulação Indevida de Cargos, Funções e Empregos Públicos Informações Sobre os Atos de Pessoal Sujeitos a Registros e Comunicação Indicadores Gerenciais Sobre Recursos Humanos Página 2 de 237

4 6.2 TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA EMPREGADA E CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS Informação Sobre Terceirização de Cargos e Atividades do Plano de Cargos do Órgão Informações Sobre a Substituição de Terceirizados em Decorrência da Realização de Concurso Público Informações sobre a Contratação de Serviços de Limpeza, Higiene e Vigilância Ostensiva pela UJ Informações sobre Locação de Mão de Obra para Atividades não Abrangidas pelo Plano de Cargos do Órgão Composição do Quadro de Estagiário GESTÃO DO PATRIMÔNIO E IMOBILIÁRIO GESTÃO DA FROTA DE VEÍCULOS PRÓPRIOS E CONTRATADOS DE TERCEIROS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃOE GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) GESTÃO DO USO DOS RECURSOS RENOVÁVEIS E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL E LICITAÇÕES SUSTENTÁVEIS CONSUMO DE PAPEL, ENERGIA ELÉTRICA E ÁGUA CONFORMIDADE E TRATAMENTO DE DISPOSIÇÕES LEGAIS E NORMATIVAS DELIBERAÇÕES DO TCU E DO OCI ATENDIDAS NO EXERCÍCIO Deliberações do TCU Atendidas no Exercício Deliberações do TCU Pendentes de Atendimento ao Final do Exercício Recomendações do OCI Atendidas no Exercício Recomendações do OCI Pendentes de Atendimento ao Final do Exercício INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DECLARAÇÃO DE BENS E RENDAS ESTABELECIDAS NA LEI Nº 8.730/ Situação do Cumprimento das Obrigações Impostas pela Lei 8.730/ DECLARAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO DE DADOS NO SIASG E SICONV INFORMAÇÕES CONTÁBEIS Página 3 de 237

5 11.1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E NOTAS EXPLICATIVAS EXIGIDAS PELA LEI Nº 6.404/ COMPOSIÇÃO ACIONÁRIA DAS EMPRESAS ESTATAIS Composição Acionária do Capital Social como Investida PARECER DA AUDITORIA INDEPENDENTE OUTRAS INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO OUTRAS INFORMAÇÕES CONSIDERADAS RELEVANTES PELA UJ ANEXO 01: DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E NOTAS EXPLICATIVAS EXIGIDAS PELA LEI Nº 6.404/ Página 4 de 237

6 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Identificação da UJ... 8 Quadro 2 Avaliação do Sistema de Controles Internos da UJ Quadro 3 Remuneração dos Conselhos de Administração e Fiscal Quadro 4 Síntese da Remuneração dos Administradores Quadro 5 Detalhamento de Itens da Remuneração Variável dos Administradores Quadro 6 Programa de Governo Constante do PPA - Temático Quadro 7 Objetivos de Programas Temáticos de Responsabilidade da UJ Quadro 8 Iniciativas de Programa Temático de Responsabilidade da UJ Quadro 9 Ações Vinculadas a Programa Temático de Responsabilidade da UJ Quadro 10 Programa de Governo Constante do PPA de Gestão e Manutenção Quadro 11 Ações Vinculadas a Programa de Gestão, Manutenção e Serviços de Responsabilidade da UJ Quadro 12 Identificação das Unidades Orçamentárias da UJ Quadro 13 Programação de Despesas Correntes Quadro 14 Programação de Despesas de Capital Quadro 15 Resumo da Programação de Despesas e da Reserva de Contingência Quadro 16 Força de Trabalho da UJ Situação Apurada em 31/ Quadro 17 Situações que Reduzem a Força de Trabalho da Situação Apurada em 31/ Quadro 18 Detalhamento da Estrutura de Cargos em Comissão e Funções Gratificadas da UJ Situação Apurada em 31/ Quadro 19 Quantidade de Servidores da UJ por Faixa Etária Situação Apurada em 31/ Quadro 20 Quantidade de Servidores da UJ por Nível de Escolaridade Situação Apurada em 31/ Quadro 21 Quadro de Custos de Pessoal no Exercício de Referência e nos Dois Anteriores Quadro 22 Composição do Quadro de Servidores Inativos Situação Apurada em 31/ Quadro 23 Instituidores de Pensão Situação Apurada em 31/ Quadro 24 Atos Sujeitos ao Registro do TCU (ART. 3º da IN TCU 55/2007) Quadro 25 Atos Sujeitos à Comunicação ao TCU (ART. 3º da IN TCU 55/2007) Quadro 26 Regularidade do Cadastro dos Atos no SISAC Quadro 27 Atos Sujeitos à Remessa Física ao TCU (ART. 14 da IN TCU 55/2007) Quadro 28 Atuação do OCI Sobre os Atos Submetidos a Registro Página 5 de 237

7 Quadro 29 Cargos e Atividades Inerentes a Categorias Funcionais do Plano de Cargos da UJ Quadro 30 Contratos de Prestação de Serviços de Limpeza, Higiene e Vigilância Ostensiva Quadro 31 Contratos de Prestação de Serviços com Locação de Mão de Obra Quadro 32 Composição do Quadro de Estagiários Quadro 33 Gestão da Tecnologia da Informação da UJ Quadro 34 Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis Quadro 35 Consumo de Papel, Energia Elétrica e Água Quadro 36 Cumprimento das Deliberações do TCU Atendidas no Exercício Quadro 37 Relatório de Cumprimento das Recomendações do OCI Quadro 38 Relatório de Cumprimento das Recomendações do OCI Quadro 39 Composição Acionária do Capital Social Página 6 de 237

8 INTRODUÇÃO A Administração da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. tem a satisfação de apresentar o Relatório de Gestão referente ao exercício social findo em 31 de dezembro de As informações presentes neste relatório estão organizadas em 12 itens, que retratam a gestão e os resultados obtidos pela Empresa, conforme orientações contidas na Portaria TCU nº 150, de julho de Das informações solicitadas, não foram apresentadas respostas para os itens destacados na tabela abaixo, em função de os referidos itens não se aplicarem a Amazonas Energia, tendo em vista que a mesma segue a Lei nº 6.404/76 (Lei das S/A) e não a Lei nº (Contabilidade Pública), ou porque não houve ocorrência do fato no exercício vigente. ITEM INFORMAÇÃO SOLICITADA Movimentação de Créditos Interna e Externa Execução Orçamentária da Despesa. 5.1 Reconhecimento de Passivos. 5.2 Pagamentos e Cancelamentos de Restos a Pagar de Exercícios Anteriores. 5.4 Suprimento de Fundos. 5.4 Renúncias Tributárias Sob a Gestão. 5.6 Gestão de Precatórios Autorizações Expedidas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para Realização de Concursos Públicos para Substituição de Terceirizados. 7.2 Gestão do Patrimônio Imobiliário Informações Sobre a Adoção de Critérios e Procedimentos Estabelecidos pelas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Declaração do Contador Atestando a Conformidade das Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas Previstas na Lei nº 4.320/1964 e pela NBC T 16.6 Aprovada pela Resolução CFC Nº 1.133/2008. No exercício de 2012, em continuidade aos objetivos estratégicos e empresariais definidos no modelo de gestão estabelecido para as Empresas de Distribuição da Eletrobras, foi dado prosseguimento ao Plano de Melhoria de Desempenho PMD para o quinquênio Registramos que a Empresa está se preparando para os desafios da segregação das atividades de Geração e Transmissão dos negócios da Distribuição advindos da interligação do Sistema Elétrico Isolado de Manaus com o Sistema Interligado Nacional SIN, importante evento que ocorrerá no próximo exercício. Além disto, comemora o início das obras da Usina Termelétrica de Mauá III, novo referencial de geração de energia a partir do gás natural da Região Amazônica. A Companhia está consciente dos desafios de 2013, cujo ambiente econômico é promissor e com grandes desafios em toda área de concessão, onde o fornecimento de energia elétrica tem crescido a taxas significativas, redobrando os compromissos com a melhoria dos serviços prestados, com disciplina financeira e técnico-operacional, de modo a honrar os compromissos com os consumidores, acionistas, clientes e fornecedores. Página 7 de 237

9 1 IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DA UNIDADE JURISDICIONADA 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA UJ Quadro 1 Identificação da UJ Poder: Executivo Poder e Órgão de Vinculação Órgão de Vinculação: Ministério de Minas e Energia Código SIORG: 2852 Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação Completa: Amazonas Distribuidora de Energia S/A Denominação Abreviada: ADESA Código SIORG: Código LOA: Código SIAFI: Situação: Ativa Natureza Jurídica: Sociedade de Economia Mista CNPJ: / Principal atividade: Distribuição de Energia Elétrica Código CNAE: Telefone/Fax de Contato: (92) / (92) Endereço Eletrônico: Página da Internet: Endereço Postal: Av. Sete de Setembro, Cachoeirinha - Manaus / AM - CEP: Normas Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Normas de Criação e Alteração da Unidade Jurisdicional Companhia de Eletricidade de Manaus CEM Lei nº 1654, de 28/07/1952: Autoriza a criação da Companhia de Eletricidade de Manaus CEM. Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A Eletronorte Decreto nº , art. 1º, de 30/07/1973: Autorizado o funcionamento da Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A Eletronorte, como empresa de energia elétrica. Incorporação da Companhia de Eletricidade de Manaus CEM, pela Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A Eletronorte, em 10/11/1980. Manaus Energia S/A 17/10/1997: Criação da Manaus Energia S/A, subsidiária integral da Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A Eletronorte. Inciso IV, do art. 5º da Medida Provisória nº , de 17/10/1997, posteriormente convalidada pela Lei nº 9.648, de 27/05/1998, com Escritura Pública de Constituição, no Cartório do 3º Ofício de Notas e Protesto de Títulos de Brasília, datada de 23/12/1997, Livro D-475 às folhas 184 a 191. Manaus Energia S/A Em 28/03/2008, foi aprovada, em Assembleia Geral Extraordinária, a incorporação da Companhia Energética do Amazonas CEAM, nos termos do artigo 227 da Lei nº 6.404/76, conforme já previamente aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL, em 18/03/2008, devendo a Manaus Energia S/A suceder todos os direitos e obrigações. Manaus Energia S/A Em 28/05/2008, foi aprovada, em Assembleia Geral Extraordinária da Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A - Eletronorte, a aquisição, pela Eletrobras, da totalidade das ações da Manaus Energia S/A, de titularidade da Eletronorte. Página 8 de 237

10 Quadro 1 Identificação da UJ (Continuação) Amazonas Distribuidora de Energia S/A Em 23/04/2009, foi aprovada, em Assembleia Geral Extraordinária da Manaus Energia S/A, registrada na Junta Comercial do Estado do Amazonas JUCEA, em 12/05/2009, a alteração do Art. 1º do Estatuto Social da Manaus Energia S/A, em decorrência da mudança da razão social, passando a vigorar com a seguinte redação: Amazonas Distribuidora de Energia S/A é uma sociedade por ações e terá suas atividades regidas por este Estatuto e pela legislação em vigor. Razão Social: Amazonas Distribuidora de Energia S/A CGC: / Inscrição Estadual: Endereço (Sede): Av. Sete de Setembro, nº Cachoeirinha - Manaus/AM - CEP: Incorporação: 28/03/2008, nos termos do artigo 227 da Lei nº 6.404/76, conforme já previamente aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL, em 18/03/2008. Capital Social: R$ ,39 (quatro bilhões, trezentos e trinta milhões, novecentos e dezessete mil, quatrocentos e quatro reais, e trinta e nove centavos). Capital para Deliberação: 0,5% do Capital Social: R$ ,02 (vinte e um milhões; seiscentos e cinquenta e quatro mil; quinhentos e oitenta e sete reais; e dois centavos). NIRE: Outras Normas Infralegais Relacionadas à Gestão e Estruturação da Unidade Jurisdicionada A nova estrutura organizacional está em fase de elaboração. Manuais e Publicações Relacionadas às Atividades da Unidade Jurisdicionada Estão sendo elaboradas junto com a nova estrutura organizacional. Código SIAFI: Não se aplica Código SIAFI: Não se aplica Unidades Gestoras e Gestões Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI da Unidade Gestora: Não se aplica Unidades Gestoras Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Nome: Não se aplica Gestões Relacionadas à Unidade Jurisdicionada Nome: Não se aplica Relacionamento Entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Gestão: Não se aplica Página 9 de 237

11 1.2 FINALIDADE E COMPETÊNCIAS INSTITUCIONAIS DA UJ As orientações de caráter estratégico da Amazonas Energia fazem parte do Grupo Eletrobras, quais sejam: Visão das Empresas Eletrobras: Em 2020, ser o maior sistema empresarial global de energia limpa, com rentabilidade comparável às das melhores Companhias do setor elétrico. Visão das Empresas de Distribuição da Eletrobras: Conquistar, até 2014, a sustentação do negócio Distribuição, alcançando os níveis de rentabilidade e de qualidade definidos pela Agência Reguladora para todas as empresas. Missão: Atuar nos mercados de energia de forma integrada, rentável e sustentável. Valores: Foco em resultados, Empreendedorismo e Inovação, Valorização e Comprometimento das Pessoas, Ética e Transparência. Em 2012 a Amazonas Energia realizou um investimento de R$ 751 milhões, distribuído conforme abaixo: Investimentos Realizados em 2012 R$ milhões Programas 2012 Participação por Programa (%) Geração ,28 Transmissão 54 7,19 Distribuição ,49 Luz Para Todos ,18 Infraestrutura de Apoio 29 3,86 Total ,00 Os investimentos na geração foram em ações de manutenção preventiva e revitalização de equipamentos principais e auxiliares das Usinas de Aparecida, Mauá, UHE Balbina e grupos geradores do interior do estado, com vistas a garantir a continuidade e confiabilidade do fornecimento de energia. Com relação aos investimentos na transmissão destacamos, além do início das obras do sistema de transmissão em 230 e 138 kv e da ampliação de cinco SE s 69 kv, a energização das SE s 69/13,8 kv Iranduba e Manacapuru e das LT s 69 kv Distrito Dois / Cachoeirinha e Ponta Negra / Ponta do Ismael. Na distribuição os recursos foram direcionados para a ampliação e a manutenção de redes e redução de perdas técnicas e comerciais na capital e no interior do Estado. Apesar dos indicadores Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora DEC e Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora FEC, registrados na capital, terem ficado acima dos limites estipulados pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL, os investimentos realizados no sistema de distribuição de Manaus propiciaram uma redução significativa desses indicadores em relação ao ano de Já o Tempo Médio de Atendimento a Emergências TMAE apresentou um incremento de 26,7 minutos sobre o ano de 2011, como consequência do aumento do tempo requerido para reparar os estragos provocados na rede de distribuição pelos temporais de natureza atípica para a região que ocorreram durante o ano de Página 10 de 237

12 No interior do Estado, o DEC e o FEC foram maiores que os registrados em 2011 devido principalmente a interrupções na geração. Em relação ao combate às perdas de energia elétrica, evidenciamos a continuidade da tendência de queda no índice de perdas anualizadas da capital, iniciada no ano de 2011, quando caíram de 43,2% para 42,9%. Ao final de 2012 registramos o índice de 39,8, numa redução de 2,78 pontos percentuais em relação a Também é importante observar a melhoria de 10% na relação PMSO/ROL, que evoluiu de 59% em 2011 para 49% em Com um investimento da ordem de R$ 114 milhões, através do Programa Luz para Todos PLpT, foram ligadas unidades consumidoras em Desde o início da execução do Programa, foram construídos ,76 km de rede de distribuição rural em alta e baixa tensão e ligados domicílios rurais, beneficiando uma população de aproximadamente pessoas em todo o Estado do Amazonas por meio da disponibilização de serviços essenciais e da possibilidade de maior incremento na criação de emprego e renda nessas comunidades rurais. Merece destaque o início da construção da usina Mauá 3, cujo empreendimento entra para a história do Estado do Amazonas por ser a maior e única usina termelétrica a operar em ciclo combinado (gás natural + vapor) construída na região. A usina, com potência instalada local efetiva (líquida) de 570,4 MW, utilizará com maior eficiência possível o volume máximo disponível de M³/dia de gás natural, de acordo com o previsto no contrato. Depois de passar por um rigoroso processo de licitação internacional que teve a participação de seis grandes empresas, a Usina Mauá 3 está sendo construída pela empresa Andrade Gutierrez, vencedora do processo licitatório. Com um investimento da ordem de R$ 1 bilhão, está previsto que a termelétrica comece a operar em ciclo aberto até o primeiro semestre de 2014 e seja concluída até o primeiro semestre de No que diz respeito aos Programas Especiais e em atendimento ao que determina a Lei nº 9.991/2000 e ao Contrato de Concessão a Amazonas Energia vem dando continuidade aos Programas de Eficiência Energética PEE e de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico P&D. Dentre os projetos relacionados à Eficiência Energética, destacam-se os direcionados aos consumidores da subclasse residencial baixa renda, ao poder público e aos consumidores residenciais. Todos os empreendimentos da Companhia estão devidamente licenciados ou com pedidos de licenciamento em tramitação nos órgãos ambientais do Estado do Amazonas. Além de um Centro de Proteção Ambiental, onde são desenvolvidos diversos programas, a Companhia mantém um convênio com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA para manutenção da Reserva Biológica do Uatumã REBIO, criada por força do Decreto Federal , de 06 de junho de A Companhia desenvolve projetos e ações que proporcionam geração de renda, promoção de cidadania, preservação ambiental e educação sobre o uso racional e seguro de energia elétrica nas comunidades adjacentes a seus empreendimentos. Reafirma seu compromisso com a igualdade e direito de oportunidades entre homens e mulheres no ambiente empresarial, além de ser signatária dos Princípios de Empoderamento das Mulheres - resultado da parceria da ONU Mulheres e o Pacto Global das Nações Unidas. No decorrer do exercício de 2012 foi dado prosseguimento às tratativas de implantação dos projetos a serem executados com recursos do Banco Mundial. A concessão do financiamento à Eletrobras é Página 11 de 237

13 destinada ao Programa Corporativo das Empresas de Distribuição da Eletrobras e de Melhoria da Qualidade dos Serviços e Redução de Perdas Elétricas, no qual a Amazonas Energia está incluída. Por fim, destacamos que em 2013 deverão ser concluídos dois processos de extrema relevância empresarial, a saber: a integração ao SIN por meio da linha de transmissão de 500 kv Tucuruí- Manaus e a Desverticalização da Companhia, em obediência ao artigo 20 da Lei nº de 15 de março de 2004, complementado posteriormente pela Lei de 9 de fevereiro de ORGANOGRAMA FUNCIONAL DA UJ Página 12 de 237

14 1.3.1 Descrição sucinta das competências e atribuições de responsabilidade de cada área componente da estrutura da UJ Assembleia Geral: A Assembleia Geral, convocada e instalada de acordo com a Lei e o Estatuto Social, tem poderes para decidir sobre todos os negócios relativos ao objeto da Companhia e tomar as resoluções que julgar convenientes à sua defesa e desenvolvimento. Conselho Fiscal: Compete ao Conselho Fiscal verificar os atos dos administradores da companhia, o cumprimento de seus deveres legais e estatutários e examinar suas demonstrações financeiras, além de outras competências fixadas em legislação específica. Conselho de Administração: Compete ao Conselho de Administração a fixação da orientação geral dos negócios da companhia, através de diretrizes fundamentais de administração, bem como o controle superior da Empresa, pela fiscalização da observância das diretrizes por ele fixadas, acompanhamento da execução dos programas aprovados e verificação dos resultados obtidos. Auditoria Interna: Compete à Auditoria Interna verificar o cumprimento das diretrizes e atos normativos internos e externos, através do exame dos procedimentos, registros, arquivos, documentos, dados, funções e atividades desenvolvidas pela companhia. Diretoria Executiva: É o conjunto de diretores da empresa aos quais compete assegurar o funcionamento regular da companhia ficando, para esse fim, investida dos poderes de administração e gestão dos negócios sociais, podendo deliberar sobre quaisquer matérias relacionadas com o objeto social, exceto aquelas que pela sua natureza ou pelo Estatuto, sejam da competência da Assembleia Geral ou do Conselho de Administração. Comitê de Gestão Empresarial: É o conjunto de assistentes de diretores, designados como representantes de cada diretor, aos quais compete planejar, orientar, supervisionar, coordenar, acompanhar e controlar as atividades operacionais da companhia, de acordo com os planos, orientações e decisões da Diretoria Executiva, assegurando a otimização dos recursos disponíveis, bem como a representação local da diretoria na área de concessão. Presidência: Compete à presidência, através da atuação do diretor-presidente, a orientação políticoadministrativa e a representação da companhia. Assessoria Jurídica: Compete à Assessoria Jurídica assessorar as diretorias e unidades organizacionais da companhia, orientando sua atuação sob o ponto de vista jurídico, além de providenciar a defesa dos seus interesses. Secretaria Geral: Compete à Secretaria Geral apoiar administrativamente os trabalhos do Conselho de Administração, do Conselho Fiscal e da Diretoria Executiva da Companhia. Assessoria de Comunicação Social e Relações Institucionais: Compete à Assessoria de Comunicação Social e Relações Institucionais assessorar as diretorias e unidades organizacionais da companhia no que se refere às atividades, comunicação social, cerimonial, relações com a imprensa, publicidade e relacionamento institucional com a sociedade, com os poderes constituídos e com outros agentes e instituições vinculados, direta ou indiretamente, à sua atuação. Assessoria de Assuntos Regulatórios e Projetos Especiais: Compete à Assessoria de Assuntos Regulatórios e Projetos Especiais acompanhar e analisar as orientações, instruções normativas e outras regulamentações emanadas do Poder Concedente, Página 13 de 237

15 providenciando sua divulgação junto às áreas envolvidas, bem como conduzir a negociação de assuntos de interesse da companhia junto à Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Assessoria de Sustentabilidade e de Meio Ambiente: Compete à Assessoria de Sustentabilidade e Meio Ambiente assessorar as diretorias e unidades organizacionais da companhia no que se refere às atividades de desenvolvimento e execução da Política de Sustentabilidade Empresarial, incluindo o desenvolvimento, implantação e acompanhamento de projetos e ações que visem o desenvolvimento econômico e social da comunidade. Ouvidoria: Compete à Ouvidoria intermediar e facilitar o atendimento e a relação entre o cidadão, o empregado e a organização, incluindo o recebimento, exame e encaminhamento de perguntas, reclamações, denúncias, elogios e sugestões referentes a procedimentos e ações da companhia. Assessoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Eficiência Energética: Compete à Assessoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Eficiência Energética coordenar o desenvolvimento e acompanhamento de atividades, ações, programas e projetos relacionados à conservação de energia, eficiência energética e pesquisa e desenvolvimento tecnológico, de acordo com o que estabelece a legislação e a agência reguladora, orientando a execução destas atividades na Companhia. Assessoria Especial de Suprimentos de Materiais e Serviços: Compete a Assessoria Especial de Suprimentos gerenciar os processos e atividades referentes à administração e armazenagem de materiais; planejamento, aquisição, tecnologia e logística de materiais e outras atividades e programas vinculados à gestão de suprimentos. Assessoria Especial de Licitação e Contratação: Compete a Assessoria Especial de Licitação e Contratação gerenciar os processos e atividades referentes a cadastro e avaliação de fornecedores; licitações e contratações e outras atividades vinculadas à gestão de processos licitatórios. Comissão Permanente de Licitação: Compete à Comissão Permanente de Licitação coordenar, executar, controlar e publicar os atos necessários para realização e julgamento de processos licitatórios emitidos nas modalidades de Concorrência, Tomada de Preços, Convites, inclusive realizados por meio Dispensa de Licitação, Inexigibilidade e Cotação Eletrônica. Programa Luz Para Todos: Compete à Gerência do Programa Luz para Todos coordenar o desenvolvimento, acompanhamento e controle das atividades, ações e programas relacionados ao Programa Nacional de Universalização do Acesso e Uso de Energia Elétrica Luz para Todos, no âmbito da Companhia. Diretoria de Gestão: Compete à Diretoria de Gestão planejar, orientar, supervisionar, coordenar e controlar as atividades referentes à gestão de pessoas, treinamento e desenvolvimento, segurança e medicina do trabalho, relações trabalhistas e sindicais, suprimentos e administração de materiais, transporte, tecnologia da informação, organização e métodos, documentação e arquivo e serviços gerais. Assessoria de Relações Trabalhistas e Sindicais: A Assessoria de Relações Trabalhistas e Sindicais tem como finalidade essencial estreitar as relações entre as empresas e os sindicatos dos trabalhadores da base das Empresas de Distribuição Eletrobras EDE, buscando priorizar as ações promovidas nas empresas e servindo de parâmetros para as negociações coletivas, assim como, nas tratativas individuais entre as empresas e os sindicatos dos trabalhadores. Página 14 de 237

16 Assessoria de Desenvolvimento Organizacional: Compete a Assessoria de Desenvolvimento Organizacional coordenar a implantação da Gestão Orientada por Processos na Empresa e Promover a melhoria contínua dos processos organizacionais. Departamento de Gestão de Pessoas: Compete ao Departamento de Gestão de Pessoas gerenciar os processos e atividades referentes à administração de pessoal, relações trabalhistas e sindicais, treinamento e desenvolvimento de pessoal, segurança e medicina do trabalho, plano de benefícios, ações de bem estar social e outras atividades e programas vinculados à gestão de pessoas. Departamento de Administração: Compete ao Departamento de Administração gerenciar os processos e atividades referentes à gestão dos imóveis, infraestrutura, transportes, documentação e arquivos, serviços gerais e outras atividades e programas vinculados à gestão administrativa. Departamento de Tecnologia da Informação e Telecomunicações: Compete ao Departamento de Tecnologia da Informação e Telecomunicações, transformar requisitos estratégicos, regulatórios e tecnológicos em serviços e produtos de tecnologia da informação e comunicações através de ações de planejamento, desenvolvimento e suporte de soluções, garantindo a segurança das informações e a governança. Diretoria Financeira: Compete à Diretoria Financeira planejar, orientar, supervisionar, coordenar e controlar as atividades referentes à contabilidade geral e de custos, contas a pagar e a receber, orçamento, tesouraria, gestão tributária e fiscal, controle patrimonial, seguros, captação de recursos, investimentos e aplicações. Departamento de Contabilidade: Compete ao Departamento de Contabilidade gerenciar os processos e atividades referentes à contabilidade geral e de custos; gestão tributária e fiscal, controle patrimonial e outras atividades e programas vinculados à gestão contábil. Departamento de Finanças e Tesouraria: Compete ao Departamento de Finanças e Tesouraria gerenciar os processos e atividades referentes à administração de seguros; caixa e tesouraria, elaboração de fluxos de caixa, relacionamento bancário, gestão de contas a pagar e a receber e captação de empréstimos e financiamentos. Departamento de Planejamento e Controle Financeiro: Compete ao Departamento de Planejamento e Controle Financeiro gerenciar os processos e atividades referentes ao planejamento financeiro, orçamento de custeio e de investimento, estudos econômicofinanceiros, análise de viabilidade de investimentos e análise da performance financeira do Contrato de Gestão e da Companhia. Diretoria Comercial: Compete à Diretoria Comercial planejar, orientar, supervisionar, coordenar e controlar as atividades referentes ao relacionamento comercial da Companhia e a legislação vigente, bem como as atividades relativas a projeções de mercado e compra de energia. Departamento de Atendimento ao Consumidor: Compete ao Departamento de Atendimento ao Consumidor gerenciar os processos e atividades referentes aos serviços comerciais, atendimento ao público e combate à inadimplência. Departamento Comercial: Compete ao Departamento Comercial gerenciar os processos e atividades referentes ao faturamento e arrecadação, estudos de mercado e compra de energia. Departamento de Medição e Fiscalização: Compete ao Departamento de Medição e Fiscalização gerenciar os processos e atividades referentes à especificação, Página 15 de 237

17 dimensionamento, aferição e conserto de equipamentos de medição, bem como à inspeção e fiscalização de unidades consumidoras e o combate às perdas de energia. Departamento de Mercado e Compra de Energia: Promover o Acompanhamento e as Previsões de Mercado e Carga Energética da área de Concessão tendo vista subsidiar o planejamento empresarial, além de efetuar todas as operações atinentes à compra de Energia no Ambiente de Contratação Regulada junto à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE. Diretoria de Planejamento e Expansão: Compete à Diretoria de Planejamento e Expansão planejar, orientar, supervisionar, coordenar e controlar as atividades referentes ao planejamento e implantação da expansão dos sistemas elétricos de distribuição e subtransmissão, de forma a garantir o atendimento da demanda do mercado consumidor de energia na área de concessão, bem como as atividades vinculadas à gestão e monitoramento ambiental das atividades da Companhia. Departamento de Estudo e Expansão: Compete ao Departamento de Estudos da Expansão gerenciar as atividades referentes ao desenvolvimento de estudos técnicos e econômicos com vistas ao planejamento da expansão dos sistemas de distribuição e subtransmissão, para atender as necessidades de ampliação, reforma, modernização e otimização do sistema elétrico da Companhia. Departamento de Engenharia e Obras de Alta Tensão: Compete ao Departamento de Engenharia e Obras de Alta Tensão gerenciar as atividades referentes à elaboração de projetos e execução de obras de alta tensão para atender as necessidades de ampliação, reforma, modernização e otimização do sistema elétrico da Companhia. Departamento de Engenharia de Obras de Rede de Distribuição: Compete ao Departamento de Engenharia e Obras de Rede de Distribuição gerenciar as atividades referentes à elaboração de projetos e execução de obras para atender as necessidades de ampliação, reforma, modernização e otimização do sistema elétrico da Companhia. Diretoria de Geração e Operação para o Interior: Compete à Diretoria de Geração e Operação para o Interior planejar, orientar, supervisionar, coordenar e controlar as atividades referentes Operação e Manutenção da Geração de Energia Elétrica da Companhia, de acordo com o que estabelece o contrato de concessão e a legislação vigente. Departamento de Suporte às Agências: Compete ao Departamento de Suporte às Agências gerenciar os recursos que viabilizam a execução dos processos e atividades referentes a serviços comerciais; operação e manutenção dos sistemas elétricos de distribuição e combate às perdas e à inadimplência, nas Agências do Interior. Departamento de Engenharia e Obras de Geração: Compete ao Departamento de Engenharia e Obras de Geração gerenciar as atividades referentes à elaboração de projetos e execução de obras para atender as necessidades de ampliação, reforma, modernização e otimização dos sistemas de geração no interior do Estado do Amazonas. Departamento de Geração do Interior: Compete ao Departamento de Geração do Interior gerenciar os processos e atividades referentes à operação e manutenção mecânica e elétrica de equipamentos e instalações de usinas e subestações do interior do Estado, suprimento de combustível e gestão de contratos com produtores independentes. Departamento de Distribuição do Interior: Compete ao Departamento de Distribuição do Interior gerenciar os processos e atividades referentes a serviços comerciais; operação e manutenção dos sistemas elétricos de distribuição e combate às perdas e à inadimplência, nas agências sob a responsabilidade do departamento. Página 16 de 237

18 Diretoria de Geração, Transmissão e Operação para a Capital: Compete à Diretoria de Geração e Transmissão e Operação para a Capital planejar, orientar, supervisionar, coordenar e controlar as atividades referentes à Operação e Manutenção da Geração e Transmissão de Energia Elétrica da Companhia, de acordo com o que estabelece o contrato de concessão e a legislação vigente. Departamento de Geração de Balbina: Compete ao Departamento de Geração de Balbina gerenciar os processos e atividades referentes aos serviços de operação e manutenção de unidades geradoras, instalações, sistemas auxiliares e equipamentos da UHE Balbina, bem como a gestão da Vila Residencial e da Unidade Hospitalar. Departamento de Geração de Aparecida: Compete ao Departamento de Geração de Aparecida gerenciar os processos e atividades referentes aos serviços de operação e manutenção de unidades geradoras, instalações, sistemas auxiliares e equipamentos da UTE Aparecida. Departamento de Geração do Mauá: Compete ao Departamento de Geração de Mauá gerenciar os processos e atividades referentes aos serviços de operação e manutenção de unidades geradoras, instalações, sistemas auxiliares e equipamentos da UTE Mauá. Departamento de Recursos da Geração: Compete ao Departamento de Recursos da Geração gerenciar os processos e atividades referentes a serviços de suporte e apoio às usinas termelétricas da capital. Departamento de Gestão de Contratos de Energia: Compete ao Departamento de Gestão de Contratos de Energia gerenciar os processos e atividades referentes ao planejamento, coordenação, supervisão e acompanhamento dos contratos de Produtores e Locadores de Energia da capital e interior. Departamento de Manutenção da Transmissão: Compete ao Departamento de Manutenção da Transmissão gerenciar os processos e atividades referentes aos serviços de manutenção preditiva, preventiva e corretiva dos sistemas, equipamentos e instalações de distribuição e subtransmissão. Departamento da Operação do Sistema: Compete ao Departamento de Operação do Sistema gerenciar os processos e atividades referentes à pré-operação, operação em tempo real, pós-operação e automação dos sistemas de distribuição e subtransmissão da Companhia. Departamento de Operação da Distribuição: Compete ao Departamento de Operação da Distribuição gerenciar os processos e atividades referentes à pré-operação, operação em tempo real, pós-operação e automação dos sistemas de distribuição e subtransmissão da Companhia. Departamento de Serviços da Distribuição: Compete ao Departamento de Serviços da Distribuição gerenciar os processos e atividades referentes aos serviços de campo referentes aos atendimentos de emergência e urgência, serviços comerciais e de manutenção. Página 17 de 237

19 1.3.2 Identificação dos macroprocessos conduzidos pelas subdivisões existentes e os principais produtos deles decorrentes MÁXIMO CORRESPONDÊNCIA AOS MACROPROCESSOS PRODUTOS PRINCIPAIS PRESIDÊNCIA Jurídico Comunicação Social Planejamento Estratégico Controle da Gestão Controle Interno Gestão de Projetos Riscos e Controles Programa Luz para Todos Sustentabilidade e Meio Ambiente Planejamento de Suprimentos Licitação e Contratação Qualidade de Materiais e Fornecedores Armazenamento e Monitoramento de Materiais Gestão de Contratos e Suporte Administrativo Secretaria Geral Projetos de P&D e Eficiência Energética e outros Projetos Especiais Regulação Econômico- Financeira Regulação Técnica e Comercial 1 Acordos; 2 Sentença transitada em julgado; 3 Informações de cálculo e perícias judiciais; 4 Orientação e Parecer Jurídico; 5 Minutas de instrumentos jurídicos; 6 Informação do desempenho dos escritórios. 1 Alinhamento Institucional. 1 Planos Estratégicos; 2 Proposições Empresariais; 3 Planos Empresariais; 4 Portfólio de Projetos Empresariais; 5 Prestações de Contas e Relatórios Corporativos. 1 Desempenho Empresarial. 1 Informações e Prestações de Contas para os Órgãos de Controle. 1 Resultados dos Projetos. 1 Riscos e controles internos (SOX) monitorados. 1 Solicitação de Financiamento e subvenção LPT; 2 Solicitação de Aditamento; 3 Relatório de Inspeção Física LPT; 4 Relatório de Análise Técnico Orçamentária; 5 Informações aos órgãos de controle; 6 Informações para política pública. 1 Resultados de Projetos Socioambientais. 1 Plano de Aquisição; 2 Programa de Aquisição; 3 Plano Logístico; Diretrizes, normas e padrões de procedimentos. 1 Instrumento Contratual. 1 Avaliação de desempenho do fornecedor; 2 Atestado de Desempenho; 3 Sanções a fornecedores; 4 Certificação de Registro Cadastral; 5 CRC Certificados de Registro Cadastral. 1 Material entregue; 2 material alienado; 3 informações para contabilização; 4 Material inventariado; 5 Material disponível. 1 Autorização para pagamento; 2 Sanções Judiciais; 3 Ativo recebido. 1 Macro Diretrizes Empresariais; 2 Atos da Administração; 3 Diretrizes de Governança Orientadoras para a Gestão; 4 Atos da Administração; 5 Recomendações e Proposições do Conselho Fiscal. 1 Resultado dos Projetos de P&D; 2 Resultados dos Projetos e Iniciativas de EE; 3 Oportunidade de Negócios de EE. 1 Desempenho das Recomendações emanadas da ANEEL; 2 Relacionamento Institucional com a ANEEL; 3 Estudos e propostas de reajustes tarifários e de revisões tarifárias. 1 Desempenho das Recomendações emanadas da ANEEL; 2 Relacionamento Institucional com a ANEEL. Página 18 de 237

20 Continuação... MÁXIMO CORRESPONDÊNCIA AOS MACROPROCESSOS PRODUTOS PRINCIPAIS GESTÃO FINANCEIRO Desenvolvimento Organizacional Educação Corporativa Gestão de Pessoas Infraestrutura Administrativa Tecnologia da Informação e Telecomunicações Relações Trabalhistas e Sindicais Planejamento e Controle Financeiro Finanças e Tesouraria Contábil, Tributário e Patrimonial 1 Processos implantados, padronizados e normatizados, 2- Modelos de Processos Organizacionais; 3 Arquitetura de Processos. 1 Competências profissionais desenvolvidas e reconhecidas; 2 Retenção dos conhecimentos estratégicos; 3 Desempenho das pessoas; 4 Retenção de Pessoas. 1 Normas de gestão de pessoas; 2 Cadastro atualizado de pessoas; 3 Pagamento de Pessoas; 4 - Informações Legais e de pessoal (empregado e empregador); 5 Plano de Carreira e remuneração; 6 Acompanhamento e Incentivo ao Desempenho das Pessoas; 7 Pesquisa de Clima e satisfação; 8- Segurança e saúde das pessoas; 9- Atendimentos a demandas sobre pessoas do público externo. 1 Plano de Serviços e Infraestrutura e de segurança; 2 Bens móveis e imóveis disponíveis e em condições de uso; 3 Serviços prestados; 4 Patrimônios, instalações e pessoas protegidas. 1 Portfólio de Iniciativas de TI; 2 Plano Executivo de TI; 3 Plano de Ação de Mitigação de Riscos de TI; 4 Processos de TI compliance; 5 Processos automatizados; 6 Serviços de TI disponíveis; 7 Atendimentos de TI; 8 Recomendações de Segurança; 9 Informações do Desempenho dos Processos de TI (Gestão Empresarial). 1 Pleitos Trabalhistas tratados; 2 Acordo Coletivo de Trabalho. 1 PDG anual, 2- Atualização do PDG anual, 2- Cenários econômico-financeiros analisados, 3- Projeção de resultados econômico-financeiros. 1 Plano Financeiro; 2 Desempenho Econômico-Financeiro; 3 Demonstrações do Fluxo de Caixa; Transações financeiras efetuadas. 1 Plano Contábil; 2 Plano Tributário; 3 Plano Fiscal; 4 Notas Fiscais Emitidas; 5 Tributos Recolhidos; 6 Informações dos Ativos. Página 19 de 237

21 Continuação... MÁXIMO CORRESPONDÊNCIA AOS MACROPROCESSOS PRODUTOS PRINCIPAIS COMERCIAL Atendimento ao Consumidor Cadastro e Faturamento Cobrança e Arrecadação Medição e Combate às Perdas Mercado e Compra de Energia Contratos com os PIES e de Combustível 1 Tratamento da solicitação do cliente em 1º. Nível (pelo próprio atendimento); 2 Solicitação de serviços comerciais; 3 Solicitação de manifestações de clientes encaminhadas para a área responsável; 4 Denúncias quanto a perdas comerciais. 1 Leitura de medidores de unidades consumidoras; 2 Faturamento da energia medida; 3 Arrecadação da energia faturada. 1 Análise de situação da inadimplência; 2 Inclusão do cliente no SERASA/CADIM; 3 Execução de suspensão do fornecimento de energia; 4 Realização de visita bem sucedida (VBS); 5 Realização de negociação e parcelamento de faturas inadimplentes juntos aos clientes; 6 Execução de cobrança administrativa; 7 Execução de cobrança judicial. 1 Estudo de combate às perdas; 2 Inspeção e fiscalização de unidade consumidora; 3 Realização de recuperação de faturamento. 1 Relatório de Metodologia; 2 Informações Organizacionais; 3 Projeções de Mercado e Carga; 4 Informações de mercado e carga (projeção); 5 Dados de medição de fronteira; Balanço energético; 6 Montante de Energia a ser contratato Internamente; 7 Montante de Energia a ser Contratado pelo MME; 8 Resultado do Leilão realizado pelo MME; 9 Relatórios de contabilização e liquidação da CCEE; 10 Processo de Pagamento; 11 Insumos para o acompanhamento da geração; 12 Processo de pagamento referente à contratação de energia; 13 Documento de Penalização. 1 Plano de Recebimento de Combustível; 2 Medição e Faturamento dos Contratos de Combustíveis; 3 Gestão dos Contratos de Combustíveis; 4 Acompanhamento e aplicação da Legislação e Regulação da ANEEL. Página 20 de 237

22 Continuação... MÁXIMO CORRESPONDÊNCIA AOS MACROPROCESSOS PRODUTOS PRINCIPAIS OPERAÇÃO Distribuição de Energia Engenharia da Automação e Sistemas Cadastro Técnico de Sistema da Distribuição 1 Diretrizes e Normativos; 2 Dados Operacionais do Sistema (Carga); 3 Diretrizes de desempenho com base em indicadores; 4 Relatórios técnicos operacionais; 5 Dados do comportamento do sistema para análise de desempenho; 6 Respostas das reclamações dos clientes enviadas para ouvidoria; 7 Respostas às solicitações, ofícios da ANEEL e indicadores; 8 Resposta às solicitações dos órgãos da mídia sobre interrupções do sistema; 9 Informações e resultados dos indicadores de desempenho do sistema; 10 Indicadores de gestão da operação; 11 DIC, FIC e compensação por nível de tensão. DRP/DRC; 12 Relatório das necessidades operacionais; 13 Solicitação de regularização de nível de tensão; 14 Histórico de queima de transformadores por sobrecarga; 15 Manifestação respondida com posicionamento técnico; 16 Plano de Manutenção e Procedimentos; 17 Plano de Contingência; 18 Solicitação de Manutenção corretiva e resposta de pedido de intervenção; 19 Recomendações de melhoria do planejamento da manutenção; 20 Recomendações de melhoria do sistema; 21 Indicadores da gestão da manutenção. 1 Planejamento da expansão dos níveis de automação de instalações dos sistemas de distribuição; 2- Implantação de Projetos de P&D cooperados; 3 Monitoramento das ações vinculadas as ações do Planejamento de Automação vinculadas a distribuição. 1 Gestão da Base de Dados Geográficos das Empresas Distribuidoras da Eletrobras; 2 Fornecimento de dados da distribuição para a Contabilidade e para o Processo de Gestão de Combate às Perdas; 3 Diretrizes e informações corporativas direcionadas aos processos de distribuição e ao Departamento de Planejamento da Expansão; 4 Promoção de ações de melhorias dos processos de cadastro técnico, relacionadas ao uso e controle de Base de Dados; 5 Emissão de análises e recomendações corporativas, para a diretoria executiva e diretorias de operação. Página 21 de 237

23 Continuação... MÁXIMO CORRESPONDÊNCIA AOS MACROPROCESSOS PRODUTOS PRINCIPAIS PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO Planejamento da Expansão Projetos e Obras de Alta Tensão Projetos e Obras de Rede de Distribuição 1 Dados de mercado compilados; 2 Necessidades operacionais compiladas; 3 Solicitações de acesso; 4 Plano de Obras necessárias e preliminares para a expansão do Sistema; 5 Plano de obras priorizados e compatibilizado; 6 Plano de Expansão do Sistema. 1 Disponibilidade orçamentário-financeira; 2 Aquisições (serviços contratados ou materiais/equipamentos adquiridos); 3 Contratos celebrados de obras, serviços e fornecimentos; 4 informações sobre a disponibilidade do empreendimento; 5 Entrega do Empreendimento com Termo de Conclusão da obra; 6 As Buit da obra; 7 Cadastramento da obra no SGTD; 8 Unitização da obra no sistema contábil; 9 Cadastro da rede no SGTD; 10 Licença Operacional. 1 Disponibilidade orçamentário-financeira; 2 Aquisições (serviços contratados ou materiais/equipamentos adquiridos); 3 Contratos celebrados de obras, serviços e fornecimentos; 4 informações sobre a disponibilidade do empreendimento; 5 Entrega do Empreendimento com Termo de Conclusão da obra; 6 As Buit da obra; 7 Cadastramento da obra no SGTD; 8 Unitização da obra no sistema contábil; 9 Cadastro da rede no SGTD; 10 Licença Operacional. 1.4 MACROPROCESSOS FINALÍSTICOS DA UJ MACROPROCESSO FINALÍSTICO: COBRANÇA E ARRECADAÇÃO Vinculação: Diretoria Comercial Finalidade: Observada a estratégia estabelecida pela Diretoria Executiva, coordenar a elaboração e acompanhar os planos de ações de redução e controle da inadimplência ativa, bem como as atividades relacionadas às ações de cobrança administrativa, suspensão do fornecimento e cobrança judicial, sustentada por uma rígida Régua de Cobrança, buscando sempre o emprego de novas tecnologias e melhores práticas nos processos e atividades de gestão da inadimplência. Principais Realizações no ano de 2012: Elaboração de análises e estudos objetivando a definição das metas para os níveis de redução de inadimplência para o triênio 2012 a Coordenação da elaboração dos planos anuais de ações e iniciativas para o controle e a redução dos níveis de inadimplência ativa das Empresas de Distribuição da Eletrobras. Acompanhamento do desenvolvimento dos planos anuais de ações de controle e redução da inadimplência ativa, subsidiando a Diretoria Comercial com informações e análise, visando à tomada de decisões quanto à aceleração ou correção de rumo dos projetos, ações e atividades, bem como elaborar mensalmente uma síntese dos resultados obtidos, apresentando-os a Diretoria Executiva em reuniões mensais de avaliação. Levantamento da demanda e consolidação das informações, inclusive especificações técnicas, para contratação centralizada de serviços e novas ferramentas de cobrança, buscando sempre economia em escala. Página 22 de 237

Relatório de Gestão Exercício 2013

Relatório de Gestão Exercício 2013 Relatório de Gestão Exercício 2013 Coral Energia do Amazonas 16ª Soltura de Quelônios do Rio Uatumã SE e UTE Mauá 3 SE Cachoeira Grande 138 kv SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1 IDENTIFICAÇÃO E ATRIBUTOS DA UJ...

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ACRE Relatório de Gestão Exercício 2012

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DO ACRE Relatório de Gestão Exercício 2012 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Centrais Elétricas Brasileiras S.A - ELETROBRAS Companhia de Eletricidade do Acre RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2012 RIO BRANCO/AC MAIO/2013 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Outubro de 2013 Conteúdo 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 4 3. Diretrizes... 5 4. Responsabilidades... 6 5. Conceitos... 7 6. Disposições

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB Plano Básico Organizacional BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. PRESI/DIFAD/SUFAD GERGE GERÊNCIA DE GESTÃO PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB BRASÍLIA - DF DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS

RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS RELATÓRIO DE GESTÃO E PROCESSO ANUAL DE CONTAS (Normativos e composição) Outubro - 2010 Coordenação-Geral de Técnicas, Procedimentos e Qualidade DCTEQ Eveline Brito Coordenadora-Geral de Técnicas, Procedimentos

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. ITAUVEST PERSONNALITÉ CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO EM Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003.

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. Discriminação da peça I Rol de Responsáveis, assinado pela Diretoria Colegiada,

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

3.3 Deliberações do Conselho de Ética Pública do Estado de Minas Gerais.

3.3 Deliberações do Conselho de Ética Pública do Estado de Minas Gerais. 03/07/2013 Pág. 01 GESTÃO DA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS ÉTICOS E Substitui a IO-07 CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL E DO CANAL de 03/04/2012 DE DENÚNCIA DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS 1. FINALIDADE

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE

CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE Em cumprimento ao disposto nas Instruções CVM nºs 319/99 e 358/02, a Cyrela Commercial Properties

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO - 2014 a 2017 PLANO ANUAL DE AUDITORIA - 2015 COORDENADORIA DE AUDITORIA - CAUDI INTRODUÇÃO Submete-se à consideração a alteração do Plano de Auditoria de Longo Prazo

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre orientações às unidades envolvidas na elaboração do Relatório de Gestão da ANAC referente ao exercício de 2014. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

Cópia válida somente na INTRANET

Cópia válida somente na INTRANET Página: 1/12 Portaria DC nº. 7-A/2014, de 1 OBJETIVO Estabelecer o procedimento a ser adotado para coleta dos dados e apuração dos padrões de atendimento comercial, de modo a atender ao que estabelece

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

Parecer do Comitê de Auditoria

Parecer do Comitê de Auditoria Parecer do Comitê de Auditoria 26/01/2015 Introdução Título do documento De acordo com o que estabelece o seu regimento interno, compete ao Comitê de Auditoria assegurar a operacionalização dos processos

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL REGULAMENTO DE COMPRAS A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL ADES, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede na Av. Dom Luís, 685, sala 101 Bairro Meireles CEP 60.160-230

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

Reajuste Salarial. Cláusulas do PGCR

Reajuste Salarial. Cláusulas do PGCR PROPOSTA FINAL DO ONS PARA CELEBRAÇÃO DO ACT 2013/2014 FNE/FENTEC - CLÁUSULA 2ª INTERSINDICAL - CLÁUSULA 1ª Reajuste Salarial Reajustar os salários dos empregados com o acumulado do IPCA do período de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei nº 7.915, de 08 de janeiro de 2001. Altera o texto da Lei nº 7.893, de 19 de dezembro de 2000 e seus anexos, que estima a receita e fixa a despesa do Estado do Rio Grande do Norte para o exercício

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA POLÍTICA ESTADUAL DE APOIO AO COOPERATIVISMO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA POLÍTICA ESTADUAL DE APOIO AO COOPERATIVISMO LEI N. 1.598, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2004 Institui a Política Estadual de Apoio ao Cooperativismo. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre decreta

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Declaração de apoio contínuo ao Pacto Global

Declaração de apoio contínuo ao Pacto Global SUMÁRIO 03 Declaração de apoio contínuo ao Pacto Global 04 Quem Somos 05 Nossa Missão, Visão e Valores 06 Pacto Global ONU 07 Direitos Humanos 10 Respeito ao Trabalho 17 Meio Ambiente 20 Anticorrupção

Leia mais

Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas MME. Ministério de Minas e Energia. Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015

Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas MME. Ministério de Minas e Energia. Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015 MME Ministério de Minas e Energia Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015 Objetivo do Plano 1 1 2 3 Melhorar o suprimento de energia

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Quem Somos Somos uma sociedade de advogados dedicada à assistência e orientação jurídica as empresas nacionais e estrangeiras.

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 5 DE 2 DE JANEIRO DE 2013 SÚMULA: Estabelece a Programação Financeira, em Metas Bimestrais de Arrecadação, das Receitas previstas para o exercício financeiro de 2013, do Município de Londrina,

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização Patrimônio R$ Mil Líquido 1.DISPONIBILIDADES 8 0,03 Depósitos

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos.

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. 1. OBJETIVO Este documento tem a finalidade de estabelecer diretrizes para a aquisição de bens e serviços nas empresas

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais