Pesquisa de Satisfação de Clientes: um estudo no setor de TV por assinatura no mercado de Porto Alegre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa de Satisfação de Clientes: um estudo no setor de TV por assinatura no mercado de Porto Alegre"

Transcrição

1 Pesquisa de Satisfação de Clientes: um estudo no setor de TV por assinatura no mercado de Porto Alegre Autora: Mirelle Galvão Beulke RESUMO O artigo explora um tema relevante no atual contexto acadêmico e empresarial. A satisfação dos clientes tem merecido destaque entre a comunidade acadêmica, pelo desenvolvimento de uma série de pesquisas. No meio empresarial, pesquisar a satisfação dos clientes torna-se excelente fonte de informações acerca das percepções dos clientes quanto à empresa, proporcionando decisões de marketing mais consistentes. A pesquisa foi desenvolvida no setor de comunicação, possuindo como principal objetivo a verificação da existência de oscilação nos graus de satisfação dos clientes de TV por assinatura NET, em dois momentos distintos de utilização do produto. Para a consecução do objetivo principal do trabalho, foi utilizado um método de pesquisa denominado de pesquisa quase-experimental. A coleta de dados da fase quantitativa foi realizada, por meio de entrevista pessoal, a uma amostra de 459 assinantes da NET. De forma geral, os resultados obtidos nesta pesquisa apontam para a efetiva existência de oscilação do grau de satisfação dos assinantes, em alguns dos blocos dos indicadores de satisfação analisados. Tais resultados sustentam o próprio objetivo central deste trabalho. INTRODUÇÃO A importância atribuída ao tema satisfação do cliente e o desenvolvimento de muitas pesquisas, com enfoques diferenciados, em diversos ramos de atuação das empresas, incentivou a realização desse trabalho. A amplitude deste assunto nos conduz a afirmar que conhecer a satisfação do cliente é algo relevante para as organizações. O atual contexto empresarial que apresenta mercados mais competitivos e de bases tecnológicas mais avançadas, exige que as organizações conheçam profundamente seu negócio e seus clientes. Os clientes, por sua vez, tornam-se mais exigentes no momento da compra do produto ou serviço e durante seu consumo, avaliando uma série de fatores que a empresa oferece aos mesmos, além do produto genérico. O êxito das organizações, considerando-se o contexto apresentado, requer que elas adotem uma visão orientada para o consumidor. Desse modo, o desenvolvimento de pesquisas de satisfação pela análise dos resultados obtidos, proporciona um novo direcionamento para os profissionais de marketing, pois, baseados nas informações provenientes das percepções dos clientes, sustentarão suas decisões de marketing nas empresas em que atuam. O setor de comunicação onde foi realizado esse trabalho, atualmente apresenta grandes modificações. O aparecimento de novos meios de comunicação, como os canais de pay TV, shoptime, entre outros, incentiva uma grande mudança na forma de entretenimento dos indivíduos, tornando esse setor uma fonte interessante para o desenvolvimento de estudos na área de satisfação. O presente trabalho foi desenvolvido na empresa NET Sul. A realização de pesquisas de satisfação de clientes, de cunho somente exploratório pela empresa nos últimos anos, demonstrou que os clientes de TV por assinatura tendem a apresentar estados de satisfação mais elevados nos primeiros meses de utilização do produto, e que esses estados de satisfação tendem a cair a partir do sexto mês de utilização do produto. Tais indícios despertaram o 1

2 interesse em desenvolver uma pesquisa para a verificação da efetiva existência dessa oscilação nos graus de satisfação dos assinantes. Dessa forma, o principal objetivo desse estudo é verificar a existência de oscilação nos graus de satisfação dos clientes de TV por assinatura NET, no mercado de Porto Alegre, em dois momentos distintos de utilização do produto, com a realização de uma pesquisa de satisfação. A identificação da ocorrência de oscilações nos graus de satisfação dos assinantes apresenta uma série de benefícios para essa empresa, bem como contribuições relevantes acerca do tema satisfação de clientes. 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA E DO SETOR ESTUDADO A importância do conhecimento da satisfação de seus consumidores incentiva as organizações à realização de estudos mais profundos sobre as expectativas dos clientes com relação à oferta de produtos e serviços, e à análise posterior do desempenho do produto ou serviço. A essência do marketing é a satisfação das necessidades do consumidor, mediante o processo de troca. Segundo La Londe & Zinszer (1976), é a satisfação que conduzirá o cliente para novas compras e, conseqüentemente, volume de transações à empresa e maior participação de mercado. Kotler (1995) ressalta que a necessidade de se manterem os consumidores satisfeitos é pressuposto central para as organizações, pois o custo de atrair novos consumidores é maior do que o custo de manter os consumidores antigos. Complementa-se a importância deste tema com a opinião de Anderson, Fornell & Lehman (1994) que enfatizam que a satisfação do consumidor tem sido há bastante tempo reconhecida como assunto relevante no ambiente acadêmico, bem como um importante objetivo da atividade empresarial. O tema satisfação de clientes também tem merecido destaque como um dos critérios utilizados para julgar a qualidade das empresas. O Malcolm Baldrigde Award que objetiva premiar as organizações americanas, tem o critério satisfação dos clientes com um peso de 30% na avaliação geral da qualidade da empresa. Outros países também consideram o aspecto satisfação de clientes na avaliação da qualidade das empresas, como o Prêmio Deming no Japão (George, 1993); e o Barômetro de Satisfação do Consumidor na Suécia (Fornell, 1992). No Brasil, o Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ) também utiliza, como critério de avaliação da qualidade, parâmetros semelhantes ao Prêmio Malcolm Baldrigde, e os aspectos referentes à satisfação dos clientes correspondem a 17% da pontuação total na avaliação do PNQ (Fundação para o Prêmio Nacional da Qualidade, 1997). Desse modo, enfatiza-se que o desenvolvimento de pesquisas de satisfação é extremamente importante, e que a satisfação dos clientes se torna um pré-requisito para a conquista desses prêmios citados. Com relação à escolha do setor para o desenvolvimento da pesquisa, tanto o setor de comunicação quanto o de televisão por assinatura estão em crescente expansão no Brasil. A comprovação dessa expansão é demonstrada nos dados apresentados pela Revista Pay TV (julho/96) os quais apontam que, no início de 1996, existia 1,5 milhão de assinantes no mercado brasileiro de TV por assinatura. Segundo pesquisa realizada pela Pay TV (outubro/97), a base de assinantes de TV por assinatura chegou em setembro de 1997 a assinantes no Brasil. A previsão da expansão desse setor é demonstrada através de dados publicados na Revista Isto É Dinheiro (setembro/97), onde o número de assinantes para o ano 2000 é estimado em 8 milhões e o faturamento superior a US$ 6 bilhões. Atualmente, a segmentação é encontrada em várias categorias de produtos e serviços. Segundo Duarte (1996), especialista no setor de comunicação, a televisão também resolveu 2

3 compartilhar dessa tendência, oferecendo canais dirigidos ao público infantil, jovem, adulto etc. e diversificando suas programações com desenhos animados, documentários, filmes, música, noticiários etc. Neste novo contexto, a televisão também muda o seu enfoque, tornando-se fonte não apenas de entretenimento, mas também de informação e educação, atraindo diversos telespectadores. Todavia, é importante destacar que, apesar deste avanço tecnológico, sempre existiram dificuldades na aceitação dos sistemas de televisão pagos, pois os telespectadores devem ser convencidos a pagar pelo o que é tradicionalmente gratuito. Tal situação faz com que as empresas desse setor também mudem a sua postura, preocupando-se com o próprio comportamento da audiência, que começa a ser cuidadosamente pesquisado e diferenciado, de acordo com as preferências de programação exigidas pelos diversos públicos (Duarte, 1996). Levando-se em consideração a crescente expansão do número de assinantes, as perspectivas otimistas para a área de comunicação e os importantes avanços tecnológicos ocorridos no segmento de TV por assinatura, este setor apresenta-se como área fértil para o desenvolvimento de estudos de satisfação. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1. Referencial histórico sobre a satisfação de clientes Em meados dos anos 70, foram desenvolvidos os primeiros estudos sobre a satisfação dos clientes. Historicamente, a pesquisa de satisfação apresenta dois referenciais: o ano de 1976, especificamente em abril, onde ocorreu em Chicago a primeira conferência sobre este tema, tendo como órgãos apoiadores o Marketing Science Institute e a National Science Foundation; e os artigos apresentados por Hunt (1977) e Day (1982). Estes dois trabalhos apresentados foram realizados nos Estados Unidos com o apoio do FTC - Federal Trade Comission, e do OPPE - Office of Policy Planning and Evaluation, e no Canadá, com o apoio do órgão Office of Consumer Affairs. Ambos os estudos situam-se na perspectiva de diagnosticar o funcionamento dos mercados, objetivando obter subsídios nas tomadas de decisões relativas a matérias de políticas federais de regulamentação no âmbito do consumo, e no contexto do desenvolvimento dos movimentos de defesa do consumidor (Evrard, 1994). Os estudos desenvolvidos pelas organizações, neste período, eram direcionados à análise dos aspectos referentes ao comportamento do consumidor no momento da compra do produto ou serviço, deixando para um segundo momento a análise do que se passava após a compra. Segundo Evrard (1994) tal procedimento se caracterizava como uma abordagem mais reativa ao estudo da satisfação. Todavia, a necessidade de se traduzir a estrutura filosófica do conceito de marketing para uma base operacional estimulou a canalização da atenção dos profissionais para o desenvolvimento e mensuração da satisfação do consumidor. Progressos significativos no tema satisfação de clientes ocorreram na década de 80. Estes avanços aconteceram tanto a nível macro como a nível micro, ou seja, a nível macro, em função dos estudos desenvolvidos 1 que objetivavam as comparações intersetoriais do relacionamento existente entre a satisfação dos clientes e a estrutura dos mercados; e a nível micro, através do surgimento de interesses das organizações no conhecimento da satisfação de seus clientes (Evrard, 1994). Desse modo, desde o início dos anos 70, muitas pesquisas de satisfação de clientes têm sido desenvolvidas. Muitas estruturas teóricas têm sido propostas para examinar os antecedentes da satisfação e desenvolver instrumentos significativos de medições. A vasta 1 Os principais trabalhos foram desenvolvidos pelos pesquisadores da Universidade de Michigan (Ann Arbor), orientados pelo professor Claes Fornell. 3

4 maioria destes estudos tem utilizado alguma variação em torno do paradigma da desconfirmação, o qual abrange a satisfação como o resultado relacionado ao tamanho e à direção da experiência de desconfirmação (Churchill & Suprenant, 1982). 2.2.Conceitos de satisfação de clientes O conceito de satisfação do cliente ocupa uma posição central no pensamento e na prática do marketing. A satisfação é o resultado principal da atividade de marketing e serve para ligar os processos da compra e do consumo do produto com os fenômenos pós-compra, como mudança de atitude com relação ao produto e intenção de recompra da mercadoria (Churchill & Suprenant, 1982). Os conceitos apresentados neste artigo apontam que a satisfação é uma função do desempenho percebido e das expectativas formuladas pelo consumidor. Kotler (1995, p.50), define satisfação como: o nível de sentimento de uma pessoa, resultante da comparação do desempenho (ou resultado) de um produto em relação a suas expectativas. A satisfação do consumidor pode ainda ser definida como: a atitude geral sobre um produto ou serviço posterior a sua aquisição e uso. É o julgamento de avaliação pós-compra resultante de uma compra específica (Möwen, 1995, p.511). Segundo Boulding et alii (1993), a satisfação dos clientes possui dois conceitos principais: a satisfação específica em uma transação e a satisfação acumulada. Existe, por parte dos pesquisadores de marketing, uma convergência no que tange à análise da satisfação como uma transação específica, onde se avalia uma experiência única de consumo com um produto ou serviço, adotando-se uma visão de curto prazo. Em outros casos, conforme salientam Johnson, Anderson & Fornell (1995), a satisfação é considerada cumulativa, ou seja, trata-se de uma experiência total de consumo com um determinado produto ou serviço. Esta última visão apresentada é a que foi utilizada no desenvolvimento desse trabalho. 2.3 Modelo da Desconfirmação Muitos modelos foram desenvolvidos objetivando mensurar o grau de satisfação dos clientes. Os mais conhecidos são o modelo da desconfirmação, a teoria da eqüidade e o modelo de satisfação baseado na experiência (Evrard, 1994). Esses modelos foram elaborados no fim dos anos 70 (Oliver, 1980) e aprofundados no decorrer dos anos 80. Todavia, o modelo da desconfirmação é defendido por muitos autores (Day, 1977; Churchill & Suprenant, 1982; Cadotte, Woodruf & Jenkins, 1987; Oliver & Desarbo, 1988; Bitner, 1990; Fornell, 1992). O modelo da desconfirmação descreve a formação da satisfação como um processo comparativo que inclui quatro fatores a saber: o julgamento efetuado pelo consumidor sobre o desempenho do produto ou serviço no decorrer da experiência de consumo; as expectativas construídas pelo consumidor previamente ao ato da compra e consumo do produto ou serviço sobre o desempenho esperado; a comparação entre o desempenho e as expectativas que origina a desconfirmação (positiva ou negativa); e a satisfação ou insatisfação que é a avaliação global da experiência de consumo (Evrard, 1994). As expectativas individuais são confirmadas quando o produto ou serviço apresenta o desempenho esperado; negativamente desconfirmadas quando o produto ou serviço apresenta o desempenho aquém do esperado; e positivamente desconfirmadas quando o produto ou serviço desempenha além do esperado. Desta forma, a desconfirmação é considerada como uma variável mediatriz onde se verifica a influência do desempenho e das expectativas sobre a satisfação. Segundo Evrard 4

5 (1994), testes realizados com o modelo da desconfirmação demonstraram que, em certos casos, podem existir relações diretas entre o desempenho e/ou expectativas e a satisfação. Este modelo tem recebido ampla aplicação e aceitação em uma grande variedade de contextos. Porém, outros estudos têm sido desenvolvidos e alguns pesquisadores têm questionado a validade do paradigma da desconfirmação. A literatura relacionada ao tema satisfação/insatisfação do consumidor sugere que a satisfação é uma avaliação geral do póscompra, e que não existe consenso em torno das mensurações de satisfação (Fornell, 1992). O trabalho realizado por Churchill & Suprenant (1982) enfatiza especialmente o papel do desempenho, onde no caso de um bem durável - leitor de vídeo-disco - a satisfação foi determinada diretamente pelo desempenho percebido, sem a intervenção da desconfirmação. Porém, atualmente o foco da pesquisa tem sido redirecionado para o relacionamento entre as expectativas percebidas, a desconfirmação e a satisfação (Fornell, 1992). Swan & Trawick (in: Fornell, 1992) examinaram a influência do desempenho percebido do produto, com base na desconfirmação e na satisfação. Neste estudo, que teve como base a análise correlacional, foi verificado que a desconfirmação está fortemente relacionada ao desempenho, assim como a satisfação. Desse modo, verifica-se que os modelos utilizados no desenvolvimento de pesquisas de satisfação podem ser bem diversificados. Alguns processos de medição de satisfação de clientes incluem a avaliação das expectativas junto com o desempenho do produto ou serviço, e outros modelos de pesquisas de satisfação avaliam o desempenho, sem a necessidade de avaliar também as expectativas. Fornell (1992) sugere que muitos estudos devam ainda ser realizados, visando a integração destes resultados de pesquisas em modelos mais compreensivos e aceitos amplamente por toda a comunidade acadêmica. 3. MÉTODO O método utilizado neste trabalho está estruturado em duas fases: uma fase de caráter exploratório seguido de uma pesquisa denominada quase-experimental, em função do objetivo do estudo Fase exploratória Esta fase teve como principal objetivo a identificação dos indicadores de satisfação que os clientes de TV por assinatura NET, no mercado de Porto Alegre, utilizam para a avaliação de sua satisfação com este produto. A definição dessas variáveis possibilitou a elaboração do instrumento de coleta aplicado na etapa quantitativa da pesquisa. No desenvolvimento desta etapa exploratória de pesquisa, foram utilizadas duas formas de coleta de dados: o levantamento em fontes secundárias e o levantamento de experiências. O levantamento em fontes secundárias abrangeu uma revisão bibliográfica extensa sobre o tema estudado, identificação de pesquisas já realizadas nesta área; levantamentos documentais externos; e levantamentos de dados secundários internos, como relatórios da empresa. Todas estas informações coletadas serviram de suporte para a construção do roteiro para a orientação da entrevista de profundidade que foi realizada nesta etapa da pesquisa. O levantamento de experiências usualmente envolve a condução de entrevistas que objetivam a aquisição de conhecimento do tema, com pessoas que possuam vivências e informações sobre o assunto em estudo (Dillon, Madden & Firtle, 1994). Neste trabalho, foram realizadas 16 entrevistas de profundidade, a partir de um roteiro semi-estruturado com perguntas amplas e sem direcionamento rígido, permitindo ao entrevistador acrescentar 5

6 questões adicionais ou de sondagem. As entrevistas foram gravadas e conduzidas com um único entrevistado de cada vez, pelo próprio pesquisador. Após a realização das entrevistas, elas foram transcritas e, posteriormente, analisadas em profundidade. Essa análise constituiu uma leitura minuciosa das opiniões de todos os entrevistados, visando ao agrupamento das idéias e termos mais freqüentes, e possibilitando a construção do instrumento de coleta que foi aplicado na fase quantitativa da pesquisa Fase quantitativa Nesta fase foi desenvolvida uma pesquisa de caráter experimental. A experimentação é um dos procedimentos mais utilizados em marketing para procurar identificar relações de causa e efeito entre as variáveis. Segundo Mattar (1994, p.106), o experimento consiste em uma ou mais variáveis independentes serem conscientemente manipuladas e/ou controladas pelo pesquisador, e seus efeitos sobre a variável ou variáveis dependentes serem medidos. O objetivo desta fase foi a verificação de oscilações nos graus de satisfação dos assinantes da NET, em função do tempo de utilização do produto. Para tal, foi elaborado um instrumento de coleta visando mensurar o grau de satisfação dos clientes de TV por assinatura NET, no mercado de Porto Alegre, em dois momentos distintos: - clientes que utilizavam há dois meses o produto TV por assinatura NET; - clientes que utilizavam há seis meses o produto TV por assinatura NET. A mensuração dos graus de satisfação dos clientes da TV por assinatura NET, nesses dois momentos distintos, permitiu a verificação de oscilações nos graus de satisfação, e a realização de inferências de relações de causalidade entre as variações nos estados de satisfação dos assinantes em função do tempo de utilização do produto. A pesquisa desenvolvida neste trabalho está classificada, segundo Dillon, Madden & Firtle (1994) como uma pesquisa quase-experimental com mensuração antes e depois e com a utilização de grupo de controle. A pesquisa quase-experimental é um tipo de pesquisa que não utiliza o processo probabilístico para a seleção das unidades de teste, o pesquisador não possui controle completo sobre as variáveis estranhas, porém possui grande controle sobre os procedimentos da coleta de dados. Mattar (1994) adverte que esse tipo de pesquisa é assim denominado por não constituir experimento verdadeiro. O tipo de pesquisa desenvolvida neste estudo envolve os seguintes procedimentos: é efetuada uma mensuração nos respondentes do grupo experimental, ou seja, a aplicação de um instrumento de coleta (questionário) antes que eles recebam o tratamento experimental (X). Após a realização do tratamento, uma nova mensuração é efetuada nos mesmos entrevistados. O grupo de controle nunca é exposto à variável de tratamento (X). Realiza-se a mensuração num grupo de respondentes num primeiro momento e, posteriormente, se realiza uma outra mensuração em outros respondentes num segundo momento, que não tenham participado da pesquisa na primeira mensuração. Enfatiza-se, ainda, que sempre existe a chance de que os grupos experimental e de controle não sejam equivalentes ou homogêneos, e que a mensuração efetuada antes da exposição à variável de tratamento seja significativamente diferente da mensuração realizada depois. Geralmente, quanto mais similares forem ambos os grupos na mensuração antes da exposição à variável de tratamento, maior a possibilidade de sustentar-se que os dois grupos sejam equivalentes ou homogêneos e maior é a efetividade do estudo (Dillon, Madden & Firtle, 1994). Esta pesquisa foi desenvolvida em dois momentos distintos, em função da variável de tratamento utilizada ser o tempo (em meses) de utilização da TV por assinatura pelos 6

7 assinantes 2. Num primeiro momento (fase 1), foram entrevistados 223 assinantes da TV por assinatura NET que possuíam de assinatura. A primeira coleta ocorreu em junho de Num segundo momento (fase 2), a pesquisa foi dividida em dois grupos: uma parte do grupo de assinantes, 116 respondentes, que já haviam sido entrevistados na fase 1, constituíram o grupo experimental, e um outro grupo de assinantes, 120 respondentes, que nunca haviam sido entrevistados neste projeto, constituíram o grupo de controle. Esta segunda coleta de dados ocorreu 4 meses após a primeira mensuração, ou seja, em outubro A segunda medição ocorreu com ambos os grupos de assinantes já com de assinatura. Esquematicamente, a amostra total 3 é assim demonstrada: FASE 1 FASE 2 Tempo de assinatura: Tempo de assinatura: Grupo 1 (controle) : 107 respondentes Grupo 2 (experimental) : 116 respondentes Grupo 3 (controle): 120 respondentes Grupo 2A (experimental): 116 respondentes O método de coleta de dados utilizado em ambas as fases da pesquisa foi a entrevista pessoal com a aplicação do mesmo instrumento de coleta. A escala de satisfação utilizada foi de cinco pontos, que permite a identificação de um ponto central (3) entre o estado de satisfação e insatisfação, dois pontos extremos, ou seja, muito insatisfeito e muito satisfeito, e dois pontos intermediários entre a máxima insatisfação e a máxima satisfação. O banco de dados foi construído de tal forma que os dados pudessem ser processados pelo Programa Estatístico SPSS RESULTADOS DA FASE EXPLORATÓRIA A análise das entrevistas realizadas na fase exploratória permitiu a identificação de uma série de indicadores de satisfação, os quais foram agrupados em 7 grandes blocos, de acordo com a visão dos próprios respondentes participantes dessa etapa e da análise efetuada pelo pesquisador. Os blocos são a seguir apresentados: BLOCO A - PROGRAMAÇÃO BLOCO B - PRODUTO BLOCO C - REVISTA DE PROGRAMAÇÃO BLOCO D - CENTRAL DE ATENDIMENTO AO ASSINANTE BLOCO E - EQUIPE TÉCNICA BLOCO F - PREÇO BLOCO G - COBRANÇA O bloco A (Programação) foi dividido em dois sub-blocos: Características da Programação e Tipos de Programação. O bloco B (Produto) foi dividido em três sub-blocos: Aspectos Técnicos do Produto, Aspectos Informativos do Produto e Aspectos de Entretenimento do Produto. Tais subdivisões também foram efetuadas tendo como base as opiniões dos respondentes, a fim de proporcionar ao assinante uma compreensão melhor do questionário. 2 O tempo foi determinado pelo número de meses transcorridos entre a primeira e a segunda coleta de dados, que foram quatro meses. 3 Todos os assinantes entrevistados utilizam o sistema a cabo da TV por assinatura NET, e são os titulares da assinatura. 4 Statistical Package for the Social Sciences. 7

8 O pré-teste do instrumento de coleta foi realizado na segunda quinzena de maio. A amostra participante dessa etapa foi definida pela conveniência, com 36 assinantes do sistema a cabo da empresa NET. Tal procedimento resultou em pequenas alterações no instrumento de coleta original, para a melhor compreensão das perguntas por parte dos respondentes. 5. PRINCIPAIS RESULTADOS DA FASE QUANTITATIVA Os resultados apresentados referem-se aos 459 assinantes de TV por assinatura NET, no mercado de Porto Alegre, que participaram desta pesquisa quase-experimental Coeficiente Alfa de Cronbach Este teste foi realizado para verificar a fidedignidade da escala utilizada, bem como a consistência dos blocos do instrumento de coleta. A tabela 1 demonstra os resultados dessa medida estatística. Tabela 1 - Coeficiente Alfa de Cronbach BLOCOS A) PROGRAMAÇÃO: Características da Programação Tipos de Programação B) PRODUTO: Aspectos Técnicos Aspectos Informativos Aspectos de Entretenimento 0,84 0,89 0,74 0, C) REVISTA DE PROGRAMAÇÃO 0,88 D) CENTRAL DE ATENDIMENTO AO ASSINANTE 0,92 E) EQUIPE TÉCNICA 0,95 F) PREÇO 0,88 G) COBRANÇA 0,76 Os resultados apresentados demonstram que os Coeficientes Alfa de Cronbach obtidos nos blocos do instrumento de coleta estão bem acima dos 0,65, parâmetro mínimo normalmente aceito Análise Fatorial Este procedimento estatístico teve como objetivo a validação do instrumento de coleta utilizado, possibilitando a confirmação das variáveis pertencentes aos blocos do questionário. Os resultados obtidos demonstraram que o instrumento de coleta foi adequadamente construído, pois praticamente todas as variáveis 5 (exceto 4) pertencem aos blocos já dimensionados na fase exploratória desta pesquisa. 5 O instrumento de coleta possui 80 variáveis. 8

9 5.3. Caracterização das amostras Os assinantes que participaram dessa fase da pesquisa estão caracterizados por quatro variáveis: sexo, faixa de idade, nível de escolaridade e renda média em salários mínimos. Tanto os assinantes com dois meses de assinatura quanto os assinantes com seis meses de assinatura apresentaram um equilíbrio entre ambos os sexos. No que tange à faixa etária dos entrevistados com dois meses de assinatura, pode-se considerar que a amostra pesquisada constitui um público mais adulto, pois a maioria dos assinantes está situada entre 31 a 50 anos de idade, seguida de um público jovem (de 21 a 30 anos). A faixa de idade dos respondentes com seis meses de assinatura segue os mesmos parâmetros da amostra dos assinantes com dois meses de utilização do produto NET. Com relação ao nível de escolaridade, a maior parte dos respondentes com dois meses de utilização da TV por assinatura possui o curso superior completo (44,4%). Ressalte-se que uma minoria de assinantes possui apenas até o segundo grau incompleto. Já o nível de escolaridade dos entrevistados com seis meses de assinatura demonstra que a maior parte dos assinantes possui o segundo grau completo (38,6%), seguida de 33,5% de entrevistados que possuem o curso superior completo. A renda média em salários mínimos dos entrevistados com dois meses de assinatura está em 16 salários mínimos. Já para os assinantes que utilizam há seis meses a TV por assinatura, a renda média em salários mínimos é de 14 salários mínimos Teste T da diferença entre duas médias para amostras independentes Este procedimento estatístico foi efetuado para verificar-se a homogeneidade das médias das respostas entre os grupos experimental e de controle, utilizados nas duas fases de coleta de dados da pesquisa. Na tabela 2, são apresentados os resultados obtidos com este teste. Tabela 2 - Teste T da diferença entre as médias para amostras independentes MÉDIA DOS BLOCOS P Grupos 1 e 2 P Grupos 3 e 2 A Bloco Programação - Características da Programação 0,173 0,328 Bloco Produto - Tipos de Programação - Aspectos Técnicos - Aspectos Informativos - Aspectos de Entretenimento 0,399 0,417 0,079 0,860 0,866 0,584 0,719 0,433 Bloco Revista de Programação 0,983 0,807 Bloco Central de Atendimento ao Assinante 0,515 0,060 Bloco Equipe Técnica 0,612 0,859 Bloco Preço 0,546 0,635 Bloco Cobrança 0,085 0,874 Média Geral de todos os blocos 0,414 0,440 OBS.: p<=0,05 Os resultados apresentados na tabela acima demonstram que a hipótese nula (H0) foi aceita para cada um dos blocos do instrumento de coleta e, inclusive, para a média geral de todos os blocos do questionário, aplicado aos 459 assinantes da empresa NET. 9

10 Tal resultado vem ao encontro do que Dillon, Madden & Firtle (1994) enfatizam a respeito da homogeneidade dos grupos experimental e de controle que proporciona maior efetividade à pesquisa Teste T da diferença entre duas médias para amostras emparelhadas A amostra desta pesquisa foi constituída de um grupo experimental e dois grupos de controle. Segundo Kasmier (1982), o grupo experimental utilizado neste trabalho é denominado de amostra emparelhada, pois os dados são coletados como pares de valores que permitem a sua comparação (antes-depois). Este teste assume considerável importância neste estudo, pois o objetivo central é verificar a existência de oscilações entre as médias dos graus de satisfação dos assinantes que utilizam há dois meses a TV por assinatura NET e os mesmos assinantes com seis meses de uso do produto. A tabela 3 demonstra os resultados obtidos com a realização do teste T da diferença entre duas médias para amostras emparelhadas, para todos os blocos pesquisados no instrumento de coleta. Tabela 3 - Teste T da diferença entre as médias para amostras emparelhadas Grupo de Variáveis Tempo de Média do p Assinatura Bloco Média do sub-bloco: 3,7694 0,002* Características da Programação 3,4310 Média do sub-bloco: 3,2407 0,781 Tipos de Programação 3,1389 Média do Bloco Programação 3,7690 0,002* 3,3531 Média do sub-bloco: 4,1935 0,115 Aspectos Técnicos do Produto 4,0419 Média do sub-bloco: 4,2621 0,000* Aspectos Informativos do Produto Média do sub-bloco: Aspectos de Entretenimento do Produto Média do Bloco Produto Média do Bloco Revista de Programação Média do Bloco Central de Atendimento ao Assinante Média do Bloco Equipe Técnica Média do Bloco Preço Média do Bloco Cobrança 3,9005 4,1845 3,6990 4,1891 3,8902 3,3800 3,4950 3,5778 3,3222 4,2333 4,2750 2,7000 2,3250 4,3797 4,3797 3,0511 3,0582 0,000* 0,001* 0,384 0,041* 0,854 0,256 1,000 Média de todos os blocos do 0,927 questionário OBS.: p<= 0,05 * Apresentam diferenças significantes nas médias das respostas dos assinantes com dois meses de utilização da TV por assinatura e, posteriormente, com seis meses de utilização da TV por assinatura. 10

11 Primeiramente, quanto à média do grau de satisfação geral para todos os blocos do instrumento de coleta, o resultado obtido demonstra que não existem diferenças significantes nas médias dos graus de satisfação dos respondentes, nos dois momentos de coleta de dados desta pesquisa. As médias apresentadas, inclusive, são praticamente as mesmas dos entrevistados com dois meses de assinatura e, posteriormente, com seis meses de assinatura da NET. Quando a análise dos blocos é realizada individualmente, percebe-se que existem oscilações estatisticamente significantes nas médias dos graus de satisfação nos Blocos Programação e no sub-bloco Características da Programação, Produto e nos sublocos Aspectos Informativos e de Entretenimento do Produto, e Central de Atendimento ao Assinante. Em todos esses blocos citados, houveram quedas significantes nas médias dos graus de satisfação dos assinantes, em função do tempo decorrido entre uma mensuração efetuada com dois meses de uso da TV por assinatura, e a outra realizada quatro meses depois da primeira coleta de dados. Além disso, mesmo não sendo consideradas como diferenças estatisticamente significantes, as médias dos Blocos Programação Tipos de Programação, Produto Aspectos Técnicos do Produto, e Preço, também demonstraram uma pequena queda na média do grau de satisfação entre a primeira e a segunda coleta de dados. Os Blocos Revista da Programação e Equipe Técnica, apesar de não serem consideradas diferenças significantes, são os dois únicos blocos pesquisados que apresentaram um aumento na média do grau de satisfação nas duas fases da coleta de dados deste trabalho. Ainda, o Bloco Cobrança foi o único que não apresentou nenhuma variação na média do grau de satisfação dos assinantes com dois meses de uso do produto e dos mesmos assinantes com seis meses de uso da TV por assinatura. Em função de as médias obtidas serem iguais e as mais altas de todos os blocos analisados, a Cobrança não possui nenhuma oscilação na média do grau de satisfação dos clientes da NET. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS De modo geral, os resultados obtidos nesta pesquisa apontam para a efetiva existência de oscilação nas médias dos graus de satisfação dos assinantes da NET, em alguns dos blocos de indicadores de satisfação analisados. Tais resultados corroboram com o objetivo central deste trabalho de que existe oscilação no grau de satisfação dos assinantes com a TV por assinatura NET, em função do tempo de utilização do produto. Todavia, é importante ressaltar que na mensuração do grau de satisfação geral da TV por assinatura NET, os resultados demonstraram que não existe oscilação significante na média do grau de satisfação geral com a TV por assinatura. Em outros casos, também são verificadas quedas nas médias dos graus de satisfação, porém elas não possuem significância estatística que comprovem a ocorrência de oscilações nesses graus entre os assinantes com dois e seis meses de uso do produto NET. Esta situação apresentada nos leva a questionar se esse resultado obtido não é influenciado pelo fato de a TV por assinatura, num primeiro momento, representar algo novo e diferente, proporcionando ao assinante a possibilidade de diferentes tipos de programação, obtendo informações de diversos países, tendo contato com outros idiomas, ampliando a sua cultura, etc. Entretanto, tais variáveis em função da utilização do produto deixam de ser novidades, tornando parte do quotidiano do assinante. Outro fato interessante é que a renda média salarial dos entrevistados é bastante alta, considerando-se a média salarial da população brasileira. Tal aspecto nos leva a supor que 11

12 hoje a TV por assinatura ainda é considerada um bem de status, pois do universo da população brasileira, poucas pessoas têm esta fonte de entretenimento em suas residências. O Bloco Preço foi o que recebeu por todos os assinantes pesquisados o mais baixo grau de satisfação de todos os blocos analisados no instrumento de coleta. Provavelmente, tal resultado tenha relação direta com a avaliação dos demais blocos comentados anteriormente neste trabalho. Em função de muitos blocos apresentarem quedas nas médias dos graus de satisfação dos assinantes, mesmo algumas não possuindo significância estatística, o que se supõe é que o preço seja o item pior avaliado, principalmente pelo fato de o assinante ter de desembolsar mensalmente a taxa de mensalidade do produto NET, podendo-se questionar a respeito da relação custo/benefício de manter-se a sua assinatura. A apresentação dos principais resultados obtidos nesta pesquisa nos conduz a refletir sobre a relevância dessas informações para a empresa objeto de estudo, e para a própria contribuição acadêmica desse artigo. Para a empresa analisada, conhecer as oscilações nas médias dos graus de satisfação de seus assinantes, nesses dois momentos distintos de utilização do produto, traz uma série de subsídios para que ela possa se preparar para o novo cenário que se apresenta para o setor de comunicação. Primeiramente, é fato notório que o setor de comunicação é ainda considerado um mercado novo e sob contínuas mudanças. Segundo dados publicados pela Folha de São Paulo ( ), os dois maiores grupos que dominam 90% do mercado de TV por assinatura são: Globo e Abril. Além desse fato, especificamente no que se refere ao mercado de TV por assinatura, muitas empresas aguardam pela liberação das novas concessões para a implantação de outros sistemas de televisão pagos, buscando terminar com o monopólio criado pelas Organizações Globo e Grupo Abril. Desse modo, conhecer os graus de satisfação de uma série de indicadores de satisfação gerados pelos próprios assinantes, possibilita à empresa NET Sul dirigir esforços na melhoria dos atributos onde apresenta baixa satisfação e manter, ou até mesmo melhorar, os atributos que possuem mais altos graus de satisfação, na opinião de seus assinantes, buscando a retenção de seus clientes. Além disso, conhecer quais indicadores de satisfação apresentam oscilações significantes nas médias, principalmente se essas oscilações forem negativas de um momento para outro, ou seja, apresentarem queda na média do grau de satisfação, fornece informações para que a mesma possa, com mais presteza e confiança, buscar o aperfeiçoamento nesses atributos, satisfazendo seus clientes. A preocupação com a retenção dos clientes assume grande importância nesse trabalho, na medida que, mensalmente, o assinante paga uma taxa de mensalidade para continuar usufruindo do produto NET e mantendo o seu vínculo com a organização. No que tange à contribuição acadêmica desse artigo ressalte-se o desenvolvimento de uma revisão bibliográfica sobre um tema relevante, do qual muitas considerações têm sido realizadas. Além disso, apesar de terem sido desenvolvidas muitas pesquisas de satisfação de clientes, principalmente nos Estados Unidos, no Brasil, essa área ainda precisa ser bastante trabalhada, pois poucas pesquisas foram efetuadas. Com relação às limitações encontradas nessa pesquisa, a primeira delas diz respeito ao fator geográfico, pois a pesquisa foi realizada somente com os assinantes pertencentes ao mercado de Porto Alegre. Dessa forma, pode-se supor que em outros mercados, em função de características regionais próprias, os indicadores de satisfação analisados possam ser diferentes, e, consequentemente, as medições nos graus de satisfação possam apresentar outros níveis, que não os mensurados para o mercado analisado nessa pesquisa. Outra limitação é que nesse trabalho, apenas os assinantes do sistema a cabo foram entrevistados. Entretanto, a empresa NET possui outros sistemas de TV por assinatura, como 12

13 o sistema MMDS 6, por exemplo. Além disso, as mensurações dos graus de satisfação foram efetuadas com os titulares da assinatura, que, em certos casos, não eram os maiores usuários da TV por assinatura, dificultando a avaliação de alguns dos indicadores de satisfação constantes no instrumento de coleta utilizado na pesquisa. De toda a forma, os resultados obtidos neste trabalho constituem o primeiro passo de uma série de estudos que podem ser desenvolvidos. Dutka (1994) afirma que a pesquisa é apenas o início do processo dedicado à melhoria da satisfação do cliente. A pesquisa gera entre os consumidores uma expectativa de melhoramento que deve ser satisfeita. O contínuo melhoramento é o segredo para a manutenção da satisfação do consumidor. Um projeto claro, conciso e consistente é necessário para demonstrar que a satisfação do cliente é um negócio estratégico objetivo, e não um programa de curta duração. Sendo assim, a melhoria da satisfação do consumidor deve ser considerada como um projeto a longo prazo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDERSON, Eugene W., FORNELL, Claes & LEHMANN, Donald. Customer satisfaction, market share and profitability: findings from Sweeden. Journal of Marketing, 58 (3), July 1994, p BITNER, Mary J. Evaluating service encounters: the effects of physical surroundings and the employee responses. Journal of Marketing, 54 (2), April, BOULDING, William, STAELIN, Richard, KALRA, Ajay & ZEITHAML, Valarie. A dynamic process model of service quality: from expectations to behavioral intentions. Journal of Marketing Research, vol.30, February, 1993, p CADOTTE, Ernest R., WOODRUFF, Robert B. & JENKINS, Roger. Expectation and norms in models of consumer satisfaction. Journal of Marketing Research, vol. XXIV, August CHURCHILL, Gilbert A.& SUPRENANT, Carol. An investigation into the determinants of customer satisfaction. Journal of Marketing Research, vol. XIX, November, DAY, Ralph. Toward a model of consumer satisfaction in: Conceptualization and measurement of consumer satisfaction and dissatisfaction. H. Keith Hunt, ed Cambridge: Marketing Science Institute, Ralph L. The next step: commonly accepted constructs for satisfaction research. In: DAY, Ralph L. & HUNT, H. Keith. New findings on consumer satisfaction and complaining behavior. Bloomington, Indiana University Press, DILLON, William R., MADDEN, Thomas J.& FIRTLE, Neil H. Marketing Research in a Marketing Environment. Richard D.Irwin, INC., USA, DUARTE, Luiz Guilherme. É pagar para ver: a TV por assinatura em foco. São Paulo: Summus, DUTKA, Alan. AMA, Handbook of customer satisfaction: a complete guide to research planning and implementation. Chicago, NTC, Multipoint Multichannel Distribution System. 13

14 EVRARD, Yves. La Satisfaction des Consommateurs. Etat des Recherches. Working Paper, Groupe HEC, FORNELL, Claes. A national customer satisfaction barometer: the swedish experience. Journal of Marketing, 56 (January), FUNDAÇÃO PARA O PRÊMIO NACIONAL DA QUALIDADE. Critérios de excelência: o estado da arte da gestão para a excelência do desempenho. São Paulo, GEORGE, Stephen. O sistema Baldrige da qualidade. São Paulo:Makron Books, GLOBO e Abril pressionam por monopólio. Folha de São Paulo, São Paulo, 21 set HUNT, H. Keith. CS/D-Overview and future research direction. In: Conceptualization and measurement of consumer satisfaction and dissatisfaction. Cambridge, Marketing Science Institute, INDICADORES de mercado: atualização das operadoras. PTS Revista Pay TV Survey, out JOHNSON, Michael D.; ANDERSON, Eugene W. & FORNELL, Claes. Rational and adaptive performance expectations in a customer satisfaction framework. Journal of Consumer Research, vol.21, March KASMIER, Leonard J. Estatística aplicada a economia e administração. São Paulo: Mcgraw-Hill do Brasil, KOTLER, Philip.Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, LA LONDE, Bernard J.& ZINSZER, Raul. Customer Service:meaning and measurament A special study report published by Nacional Council of Physical Distribution Management, Chicago, MATTAR, Fauze N. Pesquisa de marketing. São Paulo, Atlas, MERMELSTEIN, André. Triplica em um ano oferta de canais via satélite no Brasil. Revista Pay TV, julho MÖWEN, John C. Consumer behavior. Englewood Cliffs, Prentice-Hall, OLIVER, Richard. Conceptualization and measurement of disconfirmation perceptions in the prediction of consumer satisfaction. Dissatisfaction and complaint behavior, & DESARBO, Wayne. Response determinants in satisfaction judgments. Journal of Consumer Research, 14, March, 1988, p TV A CABO espera o sinal verde. Revista Isto É Dinheiro. São Paulo, 10 set

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Avaliação da satisfação pós-p. dos Clientes. MBA em Gerenciamento de Obras. Planejamento das aulas

Avaliação da satisfação pós-p. dos Clientes. MBA em Gerenciamento de Obras. Planejamento das aulas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas MBA em Gerenciamento de Obras Salvador, março de 2008 Avaliação da Satisfação dos Clientes Prof. Margaret Souza

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia.

Avaliação de programa governamental: o Micro Empreendedor Individual (MEI) no Estado de Rondônia. CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Linha temática: Tema 3: Inclusão Produtiva. Critério de Avaliação escolhido: Avaliar o acesso, a implantação e os efeitos de ações do Programa

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações 153 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES 1. Conclusões e Recomendações Um Estudo de Caso, como foi salientado no capítulo Metodologia deste estudo, traz à baila muitas informações sobre uma

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA

Como fazer pesquisa de mercado? MARCO ANTONIO LIMA Como fazer pesquisa de mercado? Por quê fazer pesquisa de mercado? Qual é o meu negócio? Qual a finalidade do meu produto/serviço? Por quê fazer pesquisa de mercado? Eu sei o que estou vendendo, mas...

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

RESULTADOS DO ENEM 2014

RESULTADOS DO ENEM 2014 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação nº 2015-02 Dezembro 2015 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação Dezembro 2015 APRESENTAÇÃO O Boletim IDados da Educação é uma publicação do

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Edição especial: Retrospectiva da TV paga no Brasil em 2008. maio de 2009 - Ano XIII

Edição especial: Retrospectiva da TV paga no Brasil em 2008. maio de 2009 - Ano XIII Edição especial: Retrospectiva da TV paga no Brasil em 2008 n ú m e r o 147 maio de 2009 - Ano XIII número 147 - Maio de 2009 - Ano XIII Rua Sergipe, 401/Conj. 1.111 Higienópolis 01243-001 São Paulo (SP)

Leia mais

APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5

APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5 APLICAÇÃO PRÁTICA ANÁLISE QUALITATIVA DE DADOS GRUPO 5 ARTIGO BASE: LEADERSHIP BEHAVIORS IN SALES MANAGERS: A LEVEL ANALYSIS SHOEMAKER, MARY E., JOURNAL OF MARKETING, (SPRING 2003) Carlos Jorge Carvalho

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

Resultados Finais da 2ª Pesquisa de Opinião do blog Diário do Verde. Dezembro de 2011 / Janeiro de 2012

Resultados Finais da 2ª Pesquisa de Opinião do blog Diário do Verde. Dezembro de 2011 / Janeiro de 2012 2ª Pesquisa de Opinião - Diário do Verde (Ano de 2011) Veículo de Comunicação Ambiental na Internet - www.diariodoverde.com 30 respostas VISÃO GERAL - PERFIL DOS USUÁRIOS Sexo: Feminino Idade: 26-34 anos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa Tópicos Abordados Pesquisa de Mercado Aula 2 Prof. Me. Ricieri Garbelini 1. Diferença entre qualitativa e quantitativa 2. Dados X informação 3. Tipos de coleta 4. Classificação dos dados 5. Amostragem

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras;

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras; Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Pesquisas de opinião pública;!

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

Pesquisa de Mercado e Opinião

Pesquisa de Mercado e Opinião Pesquisa de Mercado e Opinião MATTAR Prof. Ms. Alexandre Augusto Giorgio 1 NATUREZA DAS VARIÁVEIS ESTUDADAS 2 NATUREZA DO RELACIONAMENTO ENTRE VARIÁVEIS ESTUDADAS 3 OBJETIVO E GRAU EM QUE O PROBLEMA DE

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística I Aula 1. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística I Aula 1 Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística Estatística

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência 20 Maioria dos brasileiros apoia mudanças na previdência Sete em cada dez brasileiros reconhecem que o sistema previdenciário brasileiro apresenta

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS PLANEJAMENTO E CONTROLE DE VENDAS PLANO DE VENDAS É o alicerce do planejamento periódico numa empresa, pois praticamente todo o restante do planejamento da empresa baseia-se nas estimativas de vendas,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO.

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO. Revista Ceciliana Dez 2(2): 41-45, 21 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO:

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Como vai a vida no Brasil?

Como vai a vida no Brasil? Como vai a vida no Brasil? Junho de 2014 A Iniciativa para uma Vida Melhor da OCDE, lançada em 2011, analisa os quesitos mais importantes para determinar a qualidade de vida das pessoas. A iniciativa

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

3.9 Malcolm Baldrige Award

3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award (MBA) Criado pelo Congresso dos Estados Unidos em 1987, o Baldrige National Quality Program (Programa Nacional de Qualidade Baldrige) foi instituído

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

Serviço Especial de TV por Assinatura

Serviço Especial de TV por Assinatura RELATÓRIO CONTENDO AS ANÁLISES ESTATÍSTICAS DOS DADOS COLETADOS E SEUS RESULTADOS PRODUTO VI PÚBLICO (TUP) Serviço Especial de TV por Assinatura Janeiro de 2013 2 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VALIDAÇÃO

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços.

Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Psicologia Dos Preços: Integrando a Perspectiva do Cliente na Decisão de Preços. Verônica Feder Mayer, D.Sc. A estratégia de preços é um assunto de grande relevância para os gestores, afinal o preço é

Leia mais